Djokovic cumpre primeira meta
Por José Nilton Dalcim
19 de janeiro de 2019 às 12:49

A liderança do ranking está garantida e Novak Djokovic fica provavelmente mais leve e solto para buscar seu 15º troféu de Grand Slam. Melhor ainda, o garoto Denis Shapovalov nem de longe assustou, mergulhado numa sucessão de erros bobos e escolhas mal feitas. A reação que conseguiu foi muito mais por total desconcentração do adversário.

Era para ter sido uma surra, quando Djokovic abriu 4/1 no terceiro set. Mas aí ele se incomodou com luzes no fundo de quadra e perdeu cinco games seguidos. Foi fundamental ganhar os dois games apertados na abertura do quarto set, e aí Nole retomou o domínio. O jogo decepcionou por culpa de Shapovalov, que cometeu 57 erros e fez só 21 winners. O próprio Djokovic desacelerou, com 33 falhas e 16 winners.

O próximo desafio é Daniil Medvedev, contra quem tem 2 a 0. O russo de 22 anos não pode ser desprezado e deve exigir muito mais de Nole no fundo de quadra. No entanto, a presença do cabeça 1 na semifinal parece mais do que óbvia, já que o adversário seguinte sairá de Kei Nishikori e Pablo Carreño.

Horas mais tarde, Alexander Zverev economizou pernas e passou facilmente pelo local Alex Bolt, resultado que lhe garantiu a maior campanha em Melbourne e o retorno ao número 3 do ranking. Mas é preciso muito cuidado com Milos Raonic na segunda-feira, um adversário experiente, com semi no torneio e que gosta de um piso rápido. Não à toa, bateu Zverev em Wimbledon (perdeu pouco antes no saibro de Roma).

O grande jogo do dia acabou ficando para o longo duelo de cinco sets entre Lucas Pouille e o pouco conhecido Alexei Popyrin, 19 anos e muitos recursos. O francês parece em sua melhor forma física em anos, talvez fruto do trabalho com Amélie Mauresmo. Mão ele tem de sobra. Por isso, pode pintar um jogaço contra Borna Coric, que caminha sem holofotes mas mostra um primeiro serviço eficiente e subidas oportunas à rede.

Serena desafia Halep
O torneio feminino, que tem mostrado ótimas partidas e várias surpresas, tem outro grande momento marcado ainda nas oitavas de final: Serena Williams volta a enfrentar uma líder do ranking depois de seis anos, desta vez Simona Halep. As duas jogaram muito bem neste sábado. Serena ganhou 8 dos 9 duelos diretos, e isso pode ser motivação para a romena. Quem passar, será certamente favorita diante de Karolina Pliskova ou Garbiñe Muguruza.

No outro quadrante, Naomi Osaka e Elina Svitolina escaparam por pouco de ampliar a lista de ‘zebras’. A campeã do US Open chegou a estar um set e 1/4 atrás antes de arrasar na série decisiva. A ucraniana começou bem, começou a sentir dor no pescoço e viu Shuai Zhang abrir 3/0 e saque no terceiro set. Na torcida, o namorado Gael Monfils sofreu. As duas terão oitavas de final muito exigentes: Osaka pega Anastasija Sevastova e Svitolina cruza com Madison Keys.

Brasil e as duplas
O tênis brasileiro segue sua tradição de desempenhos notáveis nas chaves de duplas e já colocou Bruno Soares e Marcelo Demoliner nas oitavas de final deste Australian Open.

É bem verdade que o mineiro não esteve num bom dia e a parceria correu riscos frente a um dueto britânico sem muita expressão. O gaúcho, que parece ter encontrado entrosamento com Frederik Nielsen, um campeão de Wimbledon, tenta pela primeira vez as quartas de um Slam.

As oitavas de final
– Nadal e Berdych fazem 24º duelo, mas o primeiro em quatro anos. Placar geral é de 19-4 para espanhol., mas curiosamente a última vitória do tcheco foi justamente em Melbourne-2015.  Se Nadal vencer, terá 20 vitórias ou mais sobre quatro adversários (Ferrer, Djokovic e Federer, os outros).
– Federer reencontra Tsitsipas, 17 anos mais jovem, e tenta ser mais velho quadrifinalista do torneio desde 1977, quando Rosewall tinha 43. Suíço ganhou em dois tiebreaks há três semanas na Hopman. Grego busca quartas inéditas em Slam. É o sexto NextGen que Federer encara em sete jogos na temporada.
– Cilic salvou dois match-points na rodada anterior de intensos altos e baixos, Batista mostrou físico em dia ao tirar Khachanov depois de 10 sets disputados nas primeiras rodadas. Croata tem duas vantagens: 4-1 nos duelos e a pressão sobre espanhol, que jamais passou das oitavas de um Slam em nove tentativas, três delas na Austrália.
– Duelo de estilos entre Dimitrov e Tiafoe, aniversariante do dia. Piso veloz deve ajudar búlgaro, que tenta quartas de Melbourne pelo terceiro ano seguido.  Americano derrotou de virada Anderson e Seppi, dois ótimos tenistas de piso duro, depois de ter perdido todos seus quatro jogos de início de 2019.
– Grande expectativa para Sharapova x Barty e Kvitova x Anisimova. Se russa aposta na força, última esperança australiana tem muito jeito, usando slices e boa variação. Com oito vitórias seguidas na temporada, Kvitova não perdeu sets mas sabe do poder de fogo da adversária de 17 anos, para quem perdeu em Indian Wells-2018. Emoções à vista.
– Do outro lado, Kerber e Stephens são favoritas diante de Collins e Pavlyuchenkova. Cabeça 2 só cedeu 10 games e encara 35ª do ranking. Stephens tem 2-0 sobre russa, que deu trabalho no duelo mais recente.


Comentários
  1. Barocos

    Lá se foi o meu esperado Federer x Djokovic. P@!#

    Bem, Tsitsipas não tem nada a ver com isso e jogou muito bem.

    Este foi, na minha opinião, o melhor jogo do torneio com sobras, nos presenteou com um desfile de belíssimas jogadas. Linda, fantástica partida. Infelizmente, Federer foi castigado por não ter convertido uma única vez as muitas chances de quebra que teve a seu favor.

    Tudo bem, o suiço ainda deve jogar este ano todo, pelo menos. Vou ficar torcendo para que ocorra meu confronto favorito mais umas vezes.

    Responder
  2. Mike

    Renato:
    Creio que dificilmente o título saia das mãos de Federer. Se estiver tudo bem, é o grande favorito.

    Novak poder perder pra Daniel M ou abrir as pernas novamente pra Zverev, se o alemão chegar as semis.

    Nadal não deve chegar nem as semis, ou chegará extremamente baleado.

    Novak pegou a chave mais fácil pra variar…

    _______________________________________________________________________________________________________________

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Esqueceu q ele postou q no nivel atual de Rafa poderia vencer um set contra Federer, até nisso ele errou, agora não terá chance de vencer nenhum kkk…

      Responder
  3. Sérgio Ribeiro

    Que a Next Gen iria aprontar no AOPEN 2019, quem conhece a história deste maravilhoso Esporte não tinha dúvidas. E quiseram os Deuses do próprio que fosse justamente pra cima do Maior de Todos. O jovem Stefanos Tisitsipas demonstra que já é o novo legítimo representante do lindíssimo Backhand de uma mão. Aos 20 anos e com um espetacular jogo de pernas , se safou de DOZE Breaks Points , e conseguiu a única quebra , suficiente para a sua Epica vitória que emocionou a todos os amantes do Tênis. A torcida sentiu que estava diante da Troca de Bastão. O genial Craque Suíço sai com a certeza dos seus 37 anos , que deixou tudo em quadra. Faltou mais jogo de pernas ? E daí . Fizeram quase 130 Winners neste jogaço. Um a mais para o jovem Tenista. Este segue firme na briga pelo Título. Porque não ? E Roger Federer demonstra que pode sim terminar no TOP 10 até Tóquio 2020. ABS !

    Responder
  4. Luiz Fernan

    Ha uns dias atrás um do experts do blog postou q Rafa poderia quando muito tirar um set de Federer. Acho q ele estava muito otimista, depois de hj diria q Nadal não tem como tirar nenhum kkk…

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Não, meu caro. Nós, federistas, torcemos pelo tênis. E, dessa forma, torcemos pra todos os tenistas que praticam um jogo agressivo (Delpo, Tsonga, Berdych, Kyrgios, Shapovalov, Tsitsipas e muitos outros). E torcemos mais ainda para os jovens que utilizam o maravilhoso backhand de uma mão. Quem torce para jogador é a turma do Maratênis. Vida longa ao maior e melhor jogador de todos os tempos: Roger Federer. Nós não torcemos para Roger Federer, torcemos pelo tênis de Roger Federer. Essa é a diferença. rsrs
      Abs

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Claro, que faz comentários do teor dos feitos pelo Lógico aprecia apenas o esporte, assim como aquele rapaz campeão dos fakes que comemorou a cirurgia de apendicite do Nadal, pra citar apenas dois dos q “torcem apenas pelo tênis”. Conta outra Pessanha. Abs

        Responder
        1. José Eduardo Pessanha

          Verdade. rs…..mas o Lógico é um personagem. Não acredito que ele realmente deseje o mal do Nadal. Se ele faz isso, está completamente errado. rs
          Abs

          Responder
  5. Alice

    Tsistisipas tá de brincadeira! Até agora na partida contra o Federer já salvou todos os break-points contra que teve, 12…somente DOZE bps…!

    Tá jogando nada esse menino.! E que partida de altissímo nível, o suiço subiu seu patamar de jogo na hora certa.

    Responder
  6. André Barcellos

    Federer vs Tsitsipas tá sendo um jogão. Mas Federer teve 10 BP pra quebrar o grego e não conseguiu. Pelo menos em duas das vezes errou uma direita fácil pra quebrar. No tiebreak do segundo set errou todos os primeiros saques, que não vinha errando durante o set normal.
    Perdeu no tiebreak merecidamente.

    Responder
  7. José Alves

    Depois dessa surra moída que o Nadal está dando nessas oitavas qual a dificuldade de entender que somente Djokovic pode pará-lo? Nadal é favorito ao título e os torcedores do Djokovic podem começar a se preocupar com ele

    Responder
  8. Jonatas Bruno

    É… não deu para a “caçula”. Anisimova, sentiu o peso das oitavas e deixou as quartas para quem melhor usa o serviço. Coube a Kvitova fazer muito bem o dever de casa, assim como soube usar a experiência em seu favor.
    .
    E o que dizer da Barty!, Como é inteligente taticamente! Dá gosto de assisti-la. Sabe dosar,cada recurso que tem. Não usa tanto a força, mas será que precisa? Fez um ” partidão” contra a Sharapova, Melhor jogo feminino, até então (pelos que pude acompanhar)

    Responder
  9. Marcos RJ

    Muito irritante a postura tática da australiana Barty contra Maria. A loira gelada derreteu no calor da Austrália no início do 2o set e por pouco nao tomou um pneu. Barty tinha o jogo na mão no 3o set e teve ponto para fazer 5×0 e saque. Maria estava tão cansada -além do ombro dolorido- que parecia querer comemorar até ponto perdido. Eis que a baixinha começa a jogar bola pra cima e dar slice para esperar o erro, deixou a adversária respirar até quase permitir o empate. A australiana tem perna e uma boa mão, mas esse jogo covarde não é mentalidade de campeã(o). Ao menos a torcida da casa vai ter representante na próxima rodada mas espero que fique por aí.

    Responder
    1. Fernando Pauli

      Jogo covarde? Você não tem noção do que está falando. O slice bem executado é muito complicado para Sharapova que é alta e já estava cansada, táticas de jogo, quem não gosta de brincar não desce para o play. Abs.

      Responder
        1. Sônia

          Parabéns Fernando, excelente comentário, a australiana soube vencer a russa com muita variação, gostei muito, jogar tênis não é só dar “pauladas” na bolinha. Beijos.

          Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Puxa, mas ela poderia ter usado mais a deixadinha na paralela depois de empurrar a Sharapova para trás no slice longo cruzado. Ainda acho que Barty pode criar mais.

  10. Alice

    Depois do desepenho fraco de Alex de Minaur contra Nadal e de Shapovalov frente a Djokovic…já posso dizer: Tchau, Tsitsipas?! …rs

    E um aproveita o dia de ‘folga’, Medvedev!

    Responder
  11. Evaldo Aparecido Moreira

    Afoitalov afoitalov, até quando rapaz……?
    Misericórdia em seus golpes , kokovic na Boa, distraiu e perdeu o set, na seguinte, esmaga o afoito kkkkk.
    Com o russo, não tera esses vacilão, e está em melhor nível que o afoitalov.
    Mestre Dalcim, quem é o treinador do canadense ?

    Responder
  12. Sônia

    Affffff, essa é a jogadora excelente que irá dominar o tênis feminino? Primeira vez que assisto ao jogo dela e é atropelada pela tcheca. Mudando de assunto… existem muitas mulheres corajosas no mundo ($$$$$), mas tu Svitolina? Rsrsrs…

    Responder
  13. Sérgio Ribeiro

    E kivtova além de anotar a Placa , ainda aplicou varias “ Multas “ na jovem Norte-Americana que fez carinha de choro. Que marvada !!! Vá brincar com alguém do seu tamanho rsrsrs A Canhota “ Fera “ jogou muito. Tadinha da “ Bela” rsrsrs ABS!

    Responder
  14. CAIO CESAR DE PAULA

    Boa noite, Dalcim.
    Quanto tempo …
    Na minha opinião, esse AusOpen vai influenciar demais no restante da temporada.
    Acredito que uma vitória do Federer, principalmente sobre Djoko, vai fazer com que jogue o resto da temporada mto solto, sem pressão, e sabemos o qto ele é perigoso assim (2017 que o diga).
    Já se o vitorioso for Nadal, além de encerrar a discussão de quem é o segundo melhor de todos os tempos (pelos menos por enquanto), uma vez ele teria conseguido ganhar todos os Grand Slams 2 vezes, com certeza o deixaria com uma confiança absurda sobre o saibro. Se conseguir manter-se saudável, acho que o título de Rolanga seria algo natural, assim como diversos títulos no saibro.
    Caso seja Djoko, não quero nem imaginar a vontade desse cara de ganhar todos Slams seguidos pela segunda vez. Mas acho que é o tenista que menos seria influenciado por uma vitória ou derrota.
    O que acha, Dalcim?
    Grande abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Que bom vê-lo de volta, Caio. Sem dúvida, o título seria muito motivador para todos os três, mas também não acho que uma derrota na semi ou na final iria derrubar a motivação. Vejo apenas problemas se algum deles cair nas oitavas ou quartas, o que seria um tanto frustrante. Abs!

      Responder
  15. Sérgio Ribeiro

    Felizmente entre os 16 “ Sobreviventes “ , sobraram ainda Três heróis com Backhand de uma mão. E curiosamente de gerações distintas. Acredito que o da novíssima irá mais longe que o da nova. Tsitsipas tem golpes mais contundentes que Dimi. E provavelmente dará mais trabalho ao Craque Suíço. Dois Tie-Breaks na Hopman numa quadra que agrada muito a Federer. Mas a meu ver , vai sofrer com a mão pesada do Titio. Surpreendente a maneira como Medvedev bateu Goffin. Acredito que Rafa Nadal sofra muito mais passe pelo perigoso e renovado Theco. Abs!

    Responder
  16. Marcos RJ

    Excelente AO e próxima rodada promissora para ampliar ainda mais o record de público.
    – Djokovic vinha sobrando na partida contra El Chapo e foi permitir uma distração boba lhe custar o equilíbrio e o 3o set, que estava praticamente ganho. A diferença de volume de jogo e experiência era muito grande para isso.
    – Hallep impressionou na devolução contra o bom saque de Vênus, com 90% de acerto e um caminhão de winners no fundamento. Vai precisar dobrar a dose para ter chance contra a Serena: tarefa muito difícil mas não impossível.
    – A chave feminina está interessantíssima, com varias candidatas no páreo além da Rainha: algumas com GS recente, Kerber forte, Maria melhorando, Keys sem pressão e sem perder set, Stephens sempre perigosa. Promessa de bons jogos até a final.
    – A Next gen avançando aos pouquinhos, mas devem acordar do sonho na próxima rodada. O Alemão que se cuide com a grande zebra canadense recém ressuscitada. Medvedev fazendo bonito e sem perder set mas Djokovic é demais pro caminhãozinho dele. O mesmo se espera de Tsitsipas contra o Rei – e que não vire um presente de grego.
    – Atenção ao duelo Nadal X Berdych, outro que voltou bem do purgatório.
    E para terminar, parabéns para Gael Monfis, que conseguiu ser mais rápido fora da quadra – do que dentro dela. Grande conquista do Francês! : )

    Responder
  17. Adriano Souza

    Se Deus quiser, e se o Shapovalov não tiver nenhuma contusão seria, daqui a 5 anos ele chega no top 5 e briga pelo topo. Em 2008 eu disse q o Djokovic seria numero 1, e peitaria o Federer e o Nadal em qualquer Slam ou Master 1000, e acertei meu palpite. Espero acertar meu palpite em relaçção ao promissor Shapovalov tambem

    Responder
  18. João ando

    Demoliner jogando muito …espero que acerta com esse novo parceiro. ..tenho um amigo que e professor de tênis que conhece o pai do demoliner e parece que tanto o pai como o filho São tranquilos …não tem máscara…parece que treina na tennis route no Rio de janeiro

    Responder
  19. Chetnik

    Que jogo pavoroso esse do DJoko, cheguei até a cochilar. Esse Shapovalov não tem nem o tico e o teco jogando tênis. Difícil até avaliar o Djoko, já que o adversário “não o deixou” jogar.

    Mas já vi jogos péssimos do Djoko em começo de GS, e no final das contas ele subiu o nível e venceu a coisa toda. Vamos aguardar. Hoje tem bons jogos, vou tentar assistir todos – esses bons, não todos os jogos do dia rs.

    Responder
  20. Evandro

    Dalcim, a quantidade de madeiradas do Shapovalov nesse jogo contra o Djokovic foi absurda. Vejo nomes menos badalados, como o Coric, por exemplo, bem acima. Acho que a mecânica dos golpes do Shapovalov tem que ser corrigida em alguma coisa, concorda? Tb há muito que melhorar na rede e no toque. Grande abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele voleia muito bem e faz belos toques. Seu maior problema está na base, às vezes não mexe bem as pernas e não sai da bola, daí tantas madeiradas.

      Responder
    2. Renato Toniol

      Gosto muito do jogo do Shapovalov, saca bem, e tem um forehand incrível, mas ainda acho que o backhand dele tem muito para evoluir, principalmente quando ele é atacado nesse golpe. Ele até faz alguns winners legais nesse golpe, mas o que não quer dizer que seja um golpe “limpo”.
      Idade ele tem de sobra para trabalhar nas suas limitações. Pelo menos aparenta ser comprometido com a carreira, longe de ser um “garoto problema” estilo Kyrgios e Tomic.
      Na expectativa pelo jogo entre Nadal e Berdych. O tcheco vem jogando bem e já ganhou de Rafa no Aus Open. Porém, ainda aposto em vitória do Touro Miura em 4 sets.

      Responder
  21. Ronildo

    Estes dias vi um comentário negativo sobre os trabalhos da Teliana Pereira na ESPN. Só que a pessoa não foi específica em dizer do que não gostou. Eu gostei e gosto das participações dela tanto no Pelas Quadras como nos comentários nos jogos. Ela demonstra ter uma boa versatilidade com as palavras e bastante senso de humor. Ninguém precisa ser um doutor para comentar tênis. E praticamente todos os tenistas que eu já vi são pessoas inteligentes, conversadeiras; com exceção, no que lembro, de Marcelo Rios, Rafael Nadal e Kirgios. Mas o Nadal melhorou bastante. O pessoal mais antigo fala que Ivan Lendel também não era bom de entrevistas. Enfim, jogadores de tênis geralmente são pessoas muito inteligentes e capacitadas para falar e depois de uma longa carreira estão completamente aptos para participarem de programas esportivos voltados ao tênis. Muito diferente da realidade do futebol onde há muito atleta monossilábico. Inclusive, acredito que se não fosse assim, haveria bem menos fãs de tênis ao redor do mundo, já que o próprio público que curte tênis também é diferenciado.
    Sinceramente, não entendi porque a Teliana Pereira não agradou!

    Responder
    1. Barocos

      Rapaz, isto é que é elitismo !

      O futebol é o esporte mais massificado do planeta, praticado tanto por ricos como por pobres mas … pobres são a maioria e recebem, em média, uma educação de menor qualidade e uma alimentação deficiente.

      Para praticar tênis, na maioria dos lugares, você precisa ser sócio de um clube e comprar equipamentos. No futebol você joga em qualquer lugar e mesmo descalço.

      Agora, se o talento para o esporte possuir o mesmo desvio padrão tanto para ricos quanto para pobres, poderia você me dizer onde nós veremos mais atletas de origem humilde se destacar?

      Pois é, os números por trás das estatísticas determinam muitas coisas sem que a gente precise lançar mão de qualquer outra explicação.

      Responder
      1. Rodrigo Lightman

        É a realidade do tênis no Brasil. Quanto mais caro um esporte para se praticar, mais eletizado ele é. E não é só aqui no Brasil. Se quiser praticar polo, você precisará de um lindo e enorme gramado muito bem cuidado, cavalos de raças apropriadas e outros amigos ricos. E por aí vai, golfe, automobilismo, esgrima, curling, snowboard…
        Exatamente por isso o grande esporte no brasil hoje é o surfe. Basta um pedaço de isopor e um mar com ondas, o que não falta aqui, que é possível a prática do esporte. E olha que demorou para o país se sobressair, porque o futebol está em baixa faz um bom tempo, cheio de jogadores fabricados e superestimados.
        Nos EUA é basquete, basta ter uma bola que pingue que você consegue jogar em qualquer lugar.

        Mas para mim, o maior e mais competente projeto que uma confederação já fez foi a de volêi. Fomos praticamente imbatíveis por um bom tempo, tanto no masculino como no feminino.

        Responder
        1. Barocos

          Releia as duas últimas frases de seu primeiro parágrafo. Pode não ter sido sua intenção mas, se você fosse apenas um leitor de um texto de um desconhecido, e não alguém que conhece a pessoa que escreveu (no caso você mesmo), não acharia que as palavras ali revelam um ranço elitista?

          Sobre seu comentário sobre a Europa, não cabe a comparação, o nível educacional e a desigualdade social lá apresentam indicadores muito diferentes da realidade brasileira. Aliás, não sei se você já prestou atenção nas declarações de atletas europeus mas, se sim, vai notar que estes costumam ser de bom nível.

          Responder
      2. Ronildo

        Infelizmente Barocos, você interpretou meu comentário de uma maneira bem negativa. E devido a isto me acusou exatamente daquilo que eu tentei combater em meu comentário: elitismo e preconceito. Palavras que não usei para ser mais elegante, já que de baixaria o mundo está cheio.
        Se um conhecido seu viajar pela Europa e voltar dizendo que os europeus são mais cultos do que os brasileiros, você acusaria tal pessoa de elitista? Ela pode apenas estar expressando o cenário que viu. Foi exatamente o que fiz: comparando o cenário do futebol com o do tênis, qualquer observador perceberá que o futebol apresentará muito mais atletas monossilábicos, seja quais forem os motivos para ser assim.
        Porém, eu discordo de você sobre o peso da educação neste fator no ser humano. Pra mim, a pessoa ser bem comunicativa e saber se expressar bem, tem muito mais haver, em minha opinião, com o tipo de personalidade dela do que com educação ou classe social. Veja o caso do Bellucci. É o menos comunicativo dos jogadores brasileiros, embora oriundo de classe social mais alta. Enquanto isso, a Teliana Pereira, João Souza, Tiago Monteiro e Orlando Luz, entre outros são bem mais comunicativos. Por isso que citei Rafael Nadal. Ele era deprimentente introvertido na pré-adolescência, embora acredito que nunca tenha sido pobre. Porém, com bastante esforço ele superou isso.

        Responder
    2. Marcelo-Jacacity

      Ronildo,
      Infelizmente, alguns tem sempre que realizar críticas sem nexo, independente de quão bom seja o trabalho dos comentaristas.
      Gosto da Teliana, do Ghem e do Roese. E o “Pelas Quadras” é nota 10!
      Muitos ainda criticam o Ace do BandSports! Temos apenas dois programas que falam de tênis na TV por assinatura e ainda o pessoal vêm criticar! Fala sério!
      Difícil conseguir espaço para o tênis com a grade sendo dirigida em quase sua totalidade para o futebol. Atualmente foi incluída até a fenomenal Copa São Paulo e com 666 programas que todos dias falam sobre o nada, pois notícia não há.
      Obs. Gosto de futebol, futebol americano, hockey, basquete, curling, tênis de mesa e muitos outros. esportes.

      Responder
        1. lEvI sIlvA

          Há aí uma claríssima exceção, meu caro José. Rafael Nadal nunca será o favorito no Finals. E antes que diga algo difrente, não me venha dizer que crê mesmo que o espanhol vá lá a passeio! Abraço!

          Responder
    3. Sérgio Ribeiro

      Os caras assistem apenas trechos dos jogos , caro Ronildo. E quando o(a) Comentarista elogia demais um jogador que não seja o preferido do cara, caem de pau. Teliana ao contrário de Fininho, não faz piada e fala no meio dos pontos importantes. Elogiou demais Federer rs … Depois de décadas a SporTV demostrando que a transmissão não pode ser interrompida ao final dos Sets, devido às IMPORTANTÍSSIMAS ESTATÍSTICAS, a ESPN insiste em ir para o intervalo. Erro primário. Fora isso nos brinda com bons comentaristas e supera a concorrência com DOIS Canais diários com jogos importantes. A maioria prefere ficar Zapeando e não veem jogo algum rsrsrs Abs !

      Responder
    4. PIETER

      Eu a acho fraquíssima. Pouco agrega aos comentários, tecnicamente falando e tem muito pouco carisma. Mas pelo menos se esforça para ser simpática e não é fala demais nem força a barra para ser engraçada.
      Prefiro bem mais o André Ghem; esse é inteligente, tem conteúdo, bom nível cultural e enriquece a narração. Era mais tímido mas está mais à vontade na TV. Parece-me que esse, sim, tem futuro.

      Responder
    5. João ando

      Ronildo. E porque ela e de origem humilde ja que vc sabe que ela chegou a um bom nível de tênis profissional mas até fome passou quando criança e adolescente …e no tenis o público brasileiro não simpatiza com pessoas que vem de baixo como boleiros …

      Responder
  22. Alison Cordeiro

    Perder um set em melhor de 3 sets não chega a ser um problema para o Big 3, é justamente por permitir erros é que nos Grand Slams eles reinam absolutos. Djoko segue firme e só um dia muito ruim o tira antes da hora. Mais um Fedal a caminho, talvez o mais equilibrado dos últimos anos, com Nadal firme nas quadras duras. Federer será favorito, mas um confronto desses só traz uma certeza: grande jogo.

    Responder
  23. Adriano Souza

    Dalcim, esse Shapovalov tem potencial pra crescer… Com um bom mentor, chega no top 5 em 5 anos, e briga pelo topo. Tera q melhorar na parte tatica, e procurar diminuir os erros não forçados.. E estou na torcida pelo Djokovic, o qual eu tambem disse a muitos anos atras, que accabaria com a hegemonia do Federrer e do Nadal. E acertei em cheio o meu palpite.

    Responder
  24. Bartolomeu

    É muito cedo para falar, mas tem sido o melhor grand slam da tal next gen.

    Minaur, Fritz, Shapovalov: não caíram antes da hora e chegaram até os grandes.

    Tiafoe vem com possibilidades de alcançar as quartas. Zverev e Coric continuam firmes. Pouille voltou a fazer boas apresentação.

    E o Tsitsipas também faz um bom torneio.

    O problema é que Federer-Nadal-Djokovic são tão assombrosos que eles vêm demolindo cada promessa que surgiu nos últimos 10 anos.

    Berdych, Del Potro e Tsonga que o digam: em qualquer outro cenário, teriam conseguido mais, mas tiveram o azar de serem coadjuvantes desses três monstros.

    Na verdade, Federer-Nadal-Djokovic me lembram aquela tela de Goya, em que o deus Cronos mastiga os próprios filhos.

    Responder
    1. Alice

      Nem me diga, Bartolomeu! Pelo menos, vendo por esse lado dá pra ter mais ‘esperança’. Porque eu não tenho dúvida alguma que a maioria desses jovens tem tênis de sobra pra mostrar após os “Quatros Tempos, Big Four”. O ‘problema’ como bem disse são os 3 (Djoko, Federer e Nadal) e claro, a questão do tênis consistente pra obtenção de campanhas mais regulares e decentes…

      Responder
      1. Bartolomeu

        Sim, falta consistência, e uma consistência impossível: pois para ganhar um slam, um novato precisaria derrotar pelo menos dois do Big 3 no mesmo torneio. E aí complica: se passa por um, o desgaste é tanto que para no próximo.

        Só o Wawrinka, em seu modo iluminado, conseguiubisso com alguma regularidade

        Responder
  25. Jonatas Bruno

    Grande vitoria da dupla do Demoliner!.Vitória que dá moral! Parece que com dinamarquês vai ter sequências. Tomara que a curto e longo prazo. Até então, representando a altura, a lacuna do “Girafa” na chave.
    Bruno, também segue. Por ora,aproveitando o momento. Ventos jogando a favor.

    Enquanto isso, nas simples, Djoko superando o “trauma” da NextGen. Nem tanto, já que em Grand Slam há outros fatores em jogo.
    Isento de comentar,pois não pude assistir.

    Bom jogo entre Pouille e Pppyrin! Os dois buscando definir os pontos das mais diversas formas. Me impressionou o lado arrojado do australiano, assim como seu poder mental. Especialmente no tie-break do terceiro ao sair de um 0-4. Se tivesse um pouquinho mais de bagagem…
    Tem margem para evoluir. Bendita Austrália!

    Responder
    1. Jonatas Bruno

      Eita: “Pppeyn’? Acho que ficaria melhor: Popyrin (Aí sim!)

      Aproveitando o momento, oitavas-de-final definida,com quatro integrantes da NextGen + Zverev (que já é realidade)
      Dalcim, dos quatro remanescentes, qual deles, considera que esteja mais preparado a alçar vôos maiores na temporada? (independente do talento)

      Atualmente,eu optaria pelo Tiafoe, pois me pareceu estar autoconfiante (o que conta muito)
      Obs: Acho o grego, o mais talentoso, mas sabemos que o tênis é bem mais que isso.
      Gostaria de saber a sua opinião.

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Acho que Coric mostrou bom progresso técnico e físico em 2018, tornando seu jogo bem mais agressivo. Se mantiver esse padrão na quadra dura e como já é um bom jogador de saibro, diria que tem as maiores chances de momento.

        Responder
          1. Jonatas Bruno

            Dalcim, lembra do Tsitsipas? rs
            Acho que depois da atuação primorosa de hoje, faz jus a subir de patamar! Ainda sim, tudo pode acontecer. 2019 promete!

  26. Neto

    Legal a educação de Federer em aguardar a equipe e mostrar a credencial pra poder acessar o vestiário, fosse aqui no Brasil, o cara iria querer entrar sem mostrar nada , rs

    Responder
    1. João ando

      Neto. E um cara humilde…parece que teve um técnico aqui do Brasil que e de São Paulo e foi comentarista da espn que uma vez usou uma credencial antiga e quis entrar em um torneio aqui no brasil ha alguns anos atrás e quis coclocar a maior banca com o segurança…saiu em algumas revistas de tênis…

      Responder
  27. Renato

    Não tem nenhum tenista sobrando até o momento. Federer, na minha opinião, apresentou o melhor nível de tênis até agora. O suíço é Novak os favoritos pra vencer o torneio pelo histórico no slam e condições da quadra. Nadal vem um pouco atrás.. ..

    Responder
  28. Nando

    Pessanha, Fritz surgiu bem…estava já escalando o ranking em 2016, chegando a ser 53° com 18/19 anos. Aí se machucou e não voltou a ser o mesmo kkkkkkk.
    Mas ainda há tempo.
    Aliás, onde está aquele cara q vivia falando do Janowicz? Aurélio?

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Fala, Nando. Nunca mais vi nenhuma postagem do Aurélio. Gostava das postagens dele. Sempre tem alguém que gosta desses outsiders. Morro de rir. Rs. Tem um amigo meu que torce pra Portuguesa e foi assistir aquele evento da Federer Gillette Tour somente pra ver o Tsonga. Não estava nem aí pro Federer, ele foi ver o Tsonga. Rs

      Responder
  29. JERONIMO BRITO

    Dalcim, fechada a 1@ semana, em que patamar colocaria o favoritismo de Djokovic (diminuiu, permanece o mesmo ou aumentou)? Quem vc apontaria como surpresa até aqui com potencial ainda para avançar?

    Abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele permanece favorito e só mesmo Zverev lá numa eventual semifinal e num dia inspirado com chance de brecá-lo. As boas surpresas têm sido o Berdych, dos velhos nomes, e o Tiafoe.

      Responder
      1. José Alves

        Vejo o Nadal no mesmo nível que o Djokovic.Certamente não venderia barato esse apagão do Djokovic no terceiro set e tem um arsenal muito mais consistente que o Zverev para pará-lo

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Melhorou , meu Caro José. Há dois dias afirmava que ninguém bateria Rafa Nadal. Agora já vê Novak no mesmo ” nível ” do Espanhol. Afinal o Espanhol joga muito na Austrália e depois de perder CiNCO consecutivas para Federer , perdeu a Final do AOPEN 2017 por ter tido um dia a menos de ” descanso” . Sei… rsrsrs Abs!

          Responder
          1. José Alves

            Fiquei com essa sensação porque a potência e velocidade de Nadal diminuíram muito no 5 set da final em 2017.Federer é um monstro mesmo rsrs mas atualmente só o Djokovic pode parar esse Nadal,mas não vai fazê-lo,não conseguirá.

          2. André Barcellos

            Federer também diminuiu a velocidade naquele quinto set. Por isso decidiu ir para todas as bolas, e fez com uma precisão magnífica, acertando as linhas com muita aceleração de ambos os lados.
            Naquele set ninguém seria capaz de pará-lo, depois do estado de graça que entrou.

  30. Nando

    Vi o jogo Pouille x Popyrin…parece ser bom jogador o australiano. 19 anos, bons recursos mesmo…quase vence o jogo. E Pouille louco pra “verdascar” kkkkkkkkk

    Responder
  31. Rodrigo S. Cruz

    E o Fognini decepcionou de novo.

    Nos poucos momentos em que quis jogar sério e compromissado, dominou o Carreno “Bosta”.

    Mas foram poucos esses momentos.

    Logo após entregou o jogo numa bandeja de PRATA, sem que o espanhol precisasse fazer nada de especial.

    Curto muito o tênis desses caras: Verdasco, Fognini, Kyrgios.

    Mas torcer por um grande resultado deles é garantia certa de passar muita RAIVA…

    Responder
    1. Guilherme Da Silva

      Nao existe isso de quando ele joga serio……todos entram pra ganhar eh muito $ em jogo,quando ele ta mostrando que nao quer jogar eh pq ta amarelando,igual ao o kyrgios

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Exatamente, caro Guilherme. Já Veterano , acredita que vai a algum lugar sem mexer as pernas. Somente no talento. O mesmo serve tanto pra Kyrgios assim como Verdasco. Mas tem gente que gosta rs Abs!

        Responder
    2. Miguel BsB

      Rodrigo, com todo respeito, o que leva vc a torcer por esses malas descompromissados? Tirando o Federer, o qual vc é declarado torcedor, Fognini, Kyrgios e Gulbis, este em menor grau, são atletas descompromissados com a carreira, talentosos sim, mas com mínimo juízo e muitas vezes sem vontade de sequer estar em quadra, um verdadeiro sofrimento pra quem se dispôe a torcer por eles.
      Mas, como se diz, gosto é gosto….

      Responder
      1. João ando

        Miguel. .eu gosto de ver o ernests jogar …o problema e que ele teve várias contusões e gosta de curtir a vida …mas parece que sosegou depois de casar …mas ele e um bom vivam pois ja era muito rico ..não dependia do tenis para viver

        Responder
        1. Miguel BsB

          Pois é! Não discuto a qualidade técnica de nenhum dos 3, mas aí que tá: O Gulbis, que vc citou, por ser herdeiro bilionário, nunca levou a carreira muito a sério, nunca precisou lutar por aquele “prato de comida” que vemos na maioria dos tenistas. O tênis de alto rendimento não permite esse tipo de descompromisso com o corpo, com a mente, falta de vontade e concentração, se vc realmente almeja atingir seu potencial máximo.
          Em inglês, existe uma palavra pra eles, dado o que poderiam ter alcançado e não quiseram: Underachievers

          Responder
          1. João ando

            Miguel. Os três citados chegaram a um tênis de alto nível e com todo o respeito onde não chegamos respetio muito o gulbis e ofabio …o outro que prefiro não citar o nome para mim e um escrot

      2. Rodrigo S. Cruz

        Miguel, quando você vai ao teatro, você se preocupa se a peça tem atores de exemplar caráter, ou atores bons no que fazem?

        Eu não assisto tênis preocupado com a personalidade de A ou de B.

        O que eu curto é o tênis BEM JOGADO!

        Entenda isso.

        Não estou nem aí pra aquele cara que se mata de trabalhar, para conseguir um ponto, mas é um exemplo de simpatia…

        E não tem como você negar a beleza e a plasticidade dos golpes daqueles que você chama de malas.

        Negar a capacidade que eles tem de dar espetáculo, é o mesmo que assinar um atestado dizendo: ” eu odeio tênis”.

        Responder
        1. Miguel BsB

          Bom, não foi isso que vc escreveu lá em cima… Vc disse estar decepcionado pelo Fognini ter sido derrotado pelo Carreno “Bosta”.
          Que ele e os demais citados farão belas jogadas no decorrer de seus jogos, isso é óbvio, dado o talento deles. Farão um ou outro grande jogo, tb.
          Mas agora, o caráter deles, e para mim só interessa o caráter tênistico, de competição e alto rendimento, os leva a derrotas para jogadores muito mais limitados tecnicamente, como o carreno busta, que, apesar de não ser tão talentoso, é claramente mais dedicado e focado na carreira, atingindo rankings mais altos, e chegando a disputar o finals, por exemplo.
          Portanto, não consigo entender quem ainda se decepciona ou se surpreende com as derrotas precoces dos malas.
          Mcenroe e Connors talvez tenham sido 2 dos maiores malas da história do tênis, mas tinham um caráter tênistico extraordinário, e, não à toa, foram Tb 2 dos maiores de tds os tempos…

          Responder
          1. João ando

            Connors foi um mala no início da carreira …mas no final da carreirA ERA um tenista que gostava de ver. O John eu achava engraçado o modo dele se portar em quadra

  32. Josh

    Foi bom ter acontecido isso com Djokovic para ele ficar mais ligado. Aposto na Anisimova, se repetir o que está fazendo, vai longe. Bem como disse o Dalcim, o Coric vem sem holofotes, isso até que é bom, pq caminha sem pressão até o momento!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *