Nadal e Federer desfilam na quadra e nos recordes
Por José Nilton Dalcim
18 de janeiro de 2019 às 11:25

Como se previa, a terceira apresentação de Rafael Nadal e Roger Federer no Australian Open foi para lá de tranquila. Diante de dois novatos, aproveitaram muito bem a vasta experiência e encheram os olhos e os livros de recordes.

O espanhol cravou a 250ª vitória em Grand Slam, e assim o tênis tem hoje em atividade os três únicos a atingir esse patamar: Federer está com 342 e Novak Djokovic, 260. Ao imaginarmos que só se disputam 28 jogos de Slam por temporada, será necessária uma década para alguém da nova geração sonhar com isso.

O suíço por sua vez aumenta sua impressionante marca para 63 presenças em oitavas de final em 75 Grand Slam disputados. É quem mais fez isso em Melbourne (17 vezes em 20 participações), onde aumenta sua coleção para 97 vitórias.

Mesmo tendo apenas um título em Melbourne, Nadal já é o terceiro com mais oitavas (12ª, junto a Jimmy Connors) e mais vitórias (58). Aliás, ele iguala Jimmy Connors com 43 presenças na quarta rodada de um Slam, duas a menos que Novak Djokovic, que busca a sua classificação na madrugada.

Federer pisou pela 100ª vez no estádio Rod Laver, e o fato mais incrível é que ele tem 110 jogos feitos no torneio. Ou seja, apenas 10 vezes experimentou as outras arenas.

Os jogos
Embora a dificuldade tenha sido crescente, os três adversários australianos serviram para dar ritmo e provavelmente muita confiança para Nadal. Apesar de ter muita perna e determinação, falta potência a Alex de Minaur e assim ele precisou de um esforço gigantesco para agredir o espanhol e arrancar belos pontos. Rafa voltou a sacar muito bem – a mudança de movimento deixou mesmo o serviço mais veloz – e foi agressivo com o forehand. Serão armas muito importantes diante de Tomas Berdych, que está voando neste começo de temporada para surpresa geral. Virou com grande categoria em cima de Diego Schwartzman, sem economizar winners, aces e voleios.

Diante de outro grande sacador, Federer foi impecável com o serviço, mas também conseguiu bons bloqueios de devolução e se divertiu com pesadas trocas de bola. Taylor Fritz não tem regularidade para tanto. O atual bicampeão de 37 anos continua seu desfile diante da nova geração – ganhou de quatro em Perth – e reencontra Stefanos Tsitisipas, que o levou a dois tiebreaks na Copa Hopman. O grego só tem chance se Federer baixar o nível.

Por falar em nova geração, Frances Tiafoe reagiu duas vezes diante do ‘trintão’ Andreas Seppi e atinge seu melhor resultado num Slam. E fará um interessante duelo de estilos diante de Grigor Dimitrov, que parece animado com a nova equipe. Búlgaro tem a seu favor o piso veloz, mas todo cuidado é pouco com o jogo de fundo de Tiafoe.

Embaladíssimo, Roberto Bautista fez três sets brilhantes diante de Karen Khachanov, pegando o máximo que pôde na subida e arriscando saque. Reencontrará o croata Marin Cilic,que se salvou a duras penas diante do canhoto Fernando Verdasco, num dia muito irregular. O atual vice viu Verdasco cometer dupla falta no match-point e ai desabar mentalmente. Cilic venceu quatro de cinco duelos contra Bautista, mas a única derrota aconteceu justamente no AusOpen, em 2016..

Maria, Maria
As duas primeiras rodadas já haviam mostrado uma Maria Sharapova mais firme no saque, sólida na base e confiante para forçar nos momentos difíceis. Assim, não foi uma total surpresa a vitória em cima da campeã Caroline Wozniacki, num jogo exigente de 2h24.

As contusões têm dificultado a vida de Sharapova nas últimas temporadas. Ela ficou de fora de sete dos últimos 13 Slam, e viveu altos e baixos. Melbourne é um lugar em que geralmente seu estilo se encaixa muito bem. A adversária agora é a última esperança local, Ashely Barty, que gosta de um slice para quebrar o ritmo. Sou omais Sharapova.

A outra sensação da sexta-feira foi a juvenil norte-americana Amanda Anisimova, que não tomou conhecimento de Aryna Sabalenka, permitindo apenas cinco games à 11ª do ranking. Que exibição de força e ousadia! Primeira tenista nascida no século 21 a ir tão longe num Slam, terá um duelo de força pura diante da experiente Petra Kvitova e aí a dificuldade promete ser muito maior.

Angie Kerber continua arrasadora – cedeu apenas 10 games em três jogos -, rumo ao duelo de oitavas contra Sloane Stephens.


Comentários
  1. Alice

    Estou desapontada com a atuação do Shapovalov até aqui, início do primeiro set. O canadense está sentindo demais o jogo, cedeu de “graça” a primeira quebra ao Djokovic…

    Responder
  2. José Alves

    Nadal mais uma vez atropela seus oponentes em um nível assustador. Vai derrotar o tcheco e Djokovic de maneira fulminantes. Os 33 erros não forçados foram treino pra ele

    Responder
  3. Jonatas Bruno

    Assistindo ao jogo da Svitolina, pude notar a presença do Monfins em suua “comitiva”.
    Dalcim, tem alguma informação sobre?

    E a Svitolina, parece que se desenvolve melhor, quando o jogo parece escapar de suas mãos. Não é a primeira vez que está a duas quebras atrás e consegue reverter a situação.
    Fiquei triste pela chinesa. Foi mais eficiente na definição e merecia uma sorte melhor.

    Responder
  4. Rubens Leme

    Dalcim, na previsão do site oficial do Australian Open, Shapovalov bate Djokovic em 4 sets!

    No. 1 Novak Djokovic vs. No. 27 Denis Shapovalov
    The 19-year-old Shapovalov isn’t spending as much time these days explaining it, but his pronunciation guide for his surname has been ‘Shapo,’ as in the French word ‘chapeau’ for hat, followed by ‘valov.’

    He had his big breakthrough at the 2017 Canadian Open in Montreal by upsetting Juan Martin del Potro and Rafael Nadal. Since then the tennis world has been aware that the left-handed ‘Shapo’ is something of a human highlight reel featuring a glorious one-handed backhand.

    It will be a first meeting between Shapovalov and Djokovic, but the shot-making talents of both players should make it a match to remember from an aesthetics point of view. Neither player has lost a set in the first two rounds, so both appear fresh and ready for a Saturday afternoon rendez-vous at Rod Laver Arena.

    Prediction: Shapovalov in four sets.

    https://ausopen.com/articles/features/day-6-ones-watch

    Responder
  5. Alessandro Sartori

    Djokovic vai ter trabalho contra o “tudo ou nada´´ do canadense, perde set mas avança e apesar de estarem jogando muito bem acho que tanto Federer quanto Nadal vão sair na próxima rodada pra Tsitsipas e Berdych respectivamente

    Responder
  6. André Barcellos

    Se Berdych conseguisse encaixar vitórias em cima se Nadal, Federer e Djokovic em sequência seria a redenção total para sua carreira.
    Estaria sumariamente perdoado de todas as amareladas e bolas na trave que já deu.
    Mas não me parece possível…

    Responder
  7. Alice

    “Sei que não tenho pressão mas estou a sentir-me tão bem que creio ter hipóteses de ganhar o jogo. Se isto fosse há dois anos, estaria feliz por jogar com um tenista do nível dele. Ficava conformado por ganhar uns quantos jogos. Quando ganhei ao Nadal (Canadá, 2017) achava impossível vencer-lhe. Agora estou a jogar de forma genial, a servir muito bem e a minha sensação é que se continuo assim posso vencer” – Shapovalov em relação a uma vitória diante de Djokovic na terceira rodada do AO.

    (Tradução do site Bolamarela)

    Melhor do que dizer é fazer…esperar pra ver!

    Responder
  8. Luiz Fernando

    Dalcim acabo de ver o tape do jg do Rafa e acho q a cada partida ele esta melhor, vc esperava ve-lo nesse nível no torneio? Eu sinceramente não esperava, acho inclusive q a parte física, q era a grande incógnita, esta ótima e ele passou pela primeira semana sem qualquer sobressalto. Se passar bem por Berdych se credencia a ao titulo concorda?

    Responder
      1. José da Silva

        Como que Nadal pode ser favorito?
        Djokovic continua vivo no torneio, em ótima forma, sem contar que dos últimos sete encontros na quadra dura, Nadal levou peia em todos. Lembrando também que Nadal ainda pode enfrentar antes Dimitrov e Federer. Não vejo como apontá-lo como favorito ao título.

        Responder
  9. Rodrigo S. Cruz

    É foda torcer pro Verdasco mesmo…

    Abre 2 sets do Cilic, e ainda consegue tomar a virada do grandalhão.

    PS> Tolerar esse croata por 5 sets quicando a bolinha antes de sacar é agoniante pra mim…

    Responder
  10. Miguel BsB

    Amarelasco strikes again!

    Ganhando de 2×0, com match point e saque, dá aquela amarelada e…dupla falta.
    Apesar disso, foi um jogaço! Poucas vezes vi o Cilic se defendendo tanto.

    Di Menor não tem estrutura física pra aguentar o Nadal. Não tem força, nem peso de bola. Talvez, quem sabe, se conseguir alguns “açaís da espanha”, como dizem alguns detratores do espanhol rsrs.

    Se for pra ficar atrás correndo e voltando bola, o Nadal, mesmo com mais de 30, vai fazer isso sorrindo, tirando que tem um forehand monstruoso pra acompanhar, e um saque que visivelmente está machucando mais.

    Responder
  11. Rodrigo S. Cruz

    [LUIZ FABRICIANO] “Oi Rodrigo, não entendi a correlação de injustiça entre a beleza do jogo e o placar de uma quebra só para cada set.
    Tivemos alguns belos jogos do passado tão belos quanto e placares assim, como Guga X Federer em RG e Guga X Agassi na Masters Cup Lisboa”.

    Ué, e daí?

    Nem toda análise deveria ser 100% pragmática, como você quer.

    Somos pessoas e não robôs.

    Eu disse apenas que o Tsonga, em muitos momentos, jogou de igual pra igual com o Djokovic.

    E que o teria ameaçado muito mais, não fosse a própria irregularidade.

    Tanto que quebrou o sérvio algumas vezes.

    Eu também disse que foi do francês, os lances mais bonitos do jogo.

    Ora essa, quer dizer que considerar meio injusto que alguém que jogue assim, tenha perdido em sets diretos, é errado?

    Responder
  12. Fernando Pauli

    Nesse domingo teremos quatro jogos imperdíveis pelas oitavas, na chave de baixo no masculino. Federer pode ter uma grande vantagem se passar pelo grego em sets diretos, pois entre os já desgastados Cilic e Aguti se fizerem um jogo de 5 sets, Federer já estará na semi final esperando por Nadal, que terá um bom teste se enfrentar um embalado Dimitrov. A conferir.

    Responder
  13. Jonatas Bruno

    Rodada boa para comentar, com ênfase na chave feminina:

    Que grata surpresa a Anisimova! Tão jovem, mas ao mesmo tempo consciente do que precisa ser feito. Não se limitou a ser a coadjuvante. Assumiu o protagonismo e fez o seu papel com maestria. No circuito feminino, há espaço… Será?
    Na sequência vem a Kvitova, páreo duríssimo, mas ao mesmo tempo vai pro risco o tempo todo. Há chance!

    E a Sharapova em matéria de privilégio, mostrou o porquê ser privilegiada! Será que entrou”mordida”? De qualquer forma, tomou as rédeas da partida e deixou a Wozniacki acuada, praticamente o tempo todo. Equilibrou, graças a exímia capacidade de construir bem os ralis.
    Agora, enfrenta a Barty, que é bem habilidosa. Seus slices e jogo de rede são bem executados.
    A tendência é incomodar. É aguardar pra ver.

    Responder
  14. Renan Vinicius

    Alex De MENOR KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Essa foi a melhor.
    Não acho que o demérito pela derrota seja dele, pois o mesmo vem de título, mas sim pelo altíssimo nível do espanhol.

    Responder
    1. Alice

      Com certeza, Renan. Apesar de ter errado muito mais bolas do que o normal, talvez fruto da resistência do australiano em conseguir trocar mais bolas do a maioria que enfreta o Nadal, o espanhol foi muito melhor em tudo. Sobrou como seu favoritismo ‘pedia’, muito mais pelo seu conjunto de jogo superior ao do Alex de Minaur. 😉

      Responder
  15. Luiz Fabriciano

    Acredito que não devemos ter mais nenhuma dúvida de quais são, atualmente, o três maiores da história.
    Todos acima de 250 vitórias em GS e contando.
    E sua comparação foi perfeita Dalcim: quem quiser chegar à tanto, terá que ficar na estrada, de forma super competitiva, por no mínimo mais dez anos.
    Grande abraço.

    Responder
  16. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    Vi os melhores momentos do jogo do Berdych e a bola dele está voando. Não sei como ele acerta bolas tão retas e elas não saem, geralmente vai no limite da quadra. Nem se fala no saque, que quando pega bem ou e ace ou volta fácil para ele matar na segunda bola. Dalcim, ao seu ver, o que faltou parao Berdchy ganhar um slam? Vc acredita que hj ele ainda conseguiria ou acha isso impossível no momento?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que faltou justamente essa versatilidade que ele hoje mostra. Mais slices, mais jogo de rede. Ele ficava pregado no fundo de quadra, dando bola reta, e isso não é o bastante contra os grandes. Não, não acho impossível. Mas terá de ter sorte: neste AusOpen, pegou Nadal e teoricamente teria de vencer também Federer e Djokovic.

      Responder
  17. Kennys

    Dalcim, os dois jogaram muito. Federer calibrou a mão e fez uma bela partida, mas como eu disse no post anterior sabia que iria jogar bem; mas ficaria apreensivo no próximo jogo, o que realmente estou, pois tanto em Wimbledon como no Us Open, ele fez uma bela exibição antes das derrotas. Caso passe pelo grego, acredito que chegará com confiança para a próxima partida diante de Cilic ou Bautista. Nadal tem feitos jogos arrasadores, às vezes oscila, bem como o Federer.
    Dalcim, parabéns por acertar a vitória do Berdych e que seria em 4 sets.
    Qual sua opinião sobre os próximos jogos do big 3? Qual o desafio maior, a partida teoricamente mais difícil?

    Responder
  18. Chetnik

    Ué, mas o Khachanov já não era o futuro, o cara que já iria sair ganhando tudo? Pessoal não aprende…

    Eu não boto mais fé no Berdych, mas ainda bem que ele venceu o anão. Outro planeta de jogo.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Eu juro que não vou ficar pegando no seu pé ( não saco rs ) caro Chetnik. Quem disse que o Kachanov iria vencer tudo ???? Dá novissima geração, somente eu apostei em Sasha, embora aceito que tá faltando Danoninho pro garoto. Novak tem tudo pra ser Hepta do AOPEN 2019.. ABS

      Responder
      1. Chetnik

        Confesso que falei de forma genérica, e exagerei um pouco rs. Não dá para perder a oportunidade de zoar rs. Mas li em forum de tênis gringo, depois que ele venceu o Djokovic, que esse ano ele já vinha pra brigar lá em cima rs.

        Responder
      2. José Eduardo Pessanha

        Sérgio, comecei a falar do Zverev antes de você. Rs
        Dele e do Felix…E acho que o Nando foi o primeiro a falar do Fritz….Essa geração Yakult não me faz sentir prazer em ver tênis, quem sabe essa menina Norte Americana Anisimova me faça ter prazer em continuar assistindo tênis após a aposentadoria de FedEx.
        Essa menina me lembra a espetacular Mônica Seles. Maravilhosa. Vai dominar o circuito por muito tempo.
        Abs

        Responder
  19. Chetnik

    Sempre uma grande satisfação ver a minha favorita derrotando uma das jogadoras mais detestáveis do circuito, que ganhou o segundo set com um único majestoso winner. Essa balãozniacki é grotesca.

    Aliás, melhor jogo que eu vi da Sharapova em muito tempo, contra uma adversária enjoada. Mas o problema dela é, já de muito tempo, a inconsistência. Não vejo nada além da próxima rodada.

    Que talento dessa Anisimova. Garota é incrível. Fiquei de boca aberta. Deve dominar o tênis no futuro.

    PS: Esse Minaur…bem, pode vir a ser um ótimo jogador no futuro. Hoje, é mediocre. Não tem nenhum golpe e tem saque de WTA. Só sobra correria. Não entendi tanta expectativa em vê-lo contra o Touro.

    Responder
    1. Barocos

      Chetinik, sua favorita, mesmo toda suada depois de 2h e 20 min+ de uma disputa difícil continua linda, o que é a natureza desta “menina”?

      Se a adversária dela numa eventual final for a Serena, pode até ser que eu torça para ela só para poder ver o belo sorriso e beijos que ela joga para a torcida. 😉

      Responder
      1. Alessandro Sartori

        Infelizmente se tornou um confronto onde já se sabe o vencedor antes do jogo começar, incrível como a “bela´´ venceu lá em 2004 ainda adolescente na final de Wimbledon e no Finals daquele ano e nunca mais, uma enxurrada de derrotas sem muito trabalho pra “fera´´…

        Responder
  20. rafael

    Mestre, os dois atingiram marcas surreais! Mas, não vi nada demais ainda dos dois. O Nadal mesmo cometeu 33 erros não forçados e 37 winners. É muito erro para um jogo de 3×0! Na próxima rodada os dois serão bem mais exigidos frente a Tsitsipas e Berdych. O Nadal que não se cuide, pois o tcheco está “voando”! Que bom ver a Sharapova de volta. Você acha que ela pode ir longe no torneio, mestre?

    Responder
    1. José Alves

      Nadal forçou bastante o jogo e não dá pra ser perfeito o tempo todo kkk não esqueça que ele melhorou muito o jogo de rede para compensar os erros

      Responder
  21. O JR7

    Dalcim acertou brincando o resultado de Berdich x Schwartzman.. eu vou me arriscar também rsrs… Final do torneio vai ser Djokovic x Nadal. Sérvio ganha em 3×1 em 2h e 45 minutos.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu não estou desanimado com o Federer… rsrs… Achei que ele teve um dia estranho, e ele mesmo depois admitiu na entrevista sua dificuldade em se adaptar ao piso diferente.

      Responder
  22. GUSTAVO ALMEIDA

    Federer e Nadal agora terão verdadeiros adversários.

    O Menino Grego joga como gente grande, mas acredito que, em Grand Slam, não vencerá o Rei. Importante pro Fedex é tentar não perder mais que um set, preservando-se para a continuidade do torneio.

    Nadal está jogando muito bem. Apesar disso, impossível ñ]ao ter visto que, no fim do jogo de hoje, ele apelou para balãozinho e deu pra sentir uma leve insegurança. O vindouro jogo com Berdych promete demais: ele está nos cascos e tem poder de fogo para ganhar. O Touro é favorito, mas nem tanto.

    Cilic desgastou-se muito e pagará um preço por isso. Bautista passou

    Djoko segue firme e deve passar pelo Shapovalov. Confesso q venho esperando mais dessa jovem promessa, mas 2018 não vi nada de especial nele.

    Jogo interessante será o Goffin x Medvedev, com certo favoritismo para o último. Legal ver como Medvedev parece mais velho do que é, comprtando-se com menos variações que Zverev, por exemplo, em jogos desse porte. Não acha, Dalcim??

    Responder
  23. Josh

    Olá Dalcim, fiquei impressionado com o estilo da Anisimova, fiquei de queixo no chão, lindo o estilo de jogar, e sendo ela linda também. Foi uma aula de tenis na Sabalenka. Eu estava indo dormir e não consegui por causa do belo jogo da jovem, enfim, espero que ela continue assim. Essa vai incomodar ainda!!!!

    Responder
    1. Fernando Pauli

      Faço as suas as minhas palavras, só fui dormir depois da bela apresentação dessa linda ” norte americana “. Se tiver a mesma atuação pode passar pela perigosíssima Pliskova.

      Responder
  24. Carlos

    Agora começa o torneio. Os dois adversários de Federer e Nadal foram muito fracos, com todo respeito.
    O de Minaur parece um juvenil, ele pra enfrentar o Nadal só se o Nadal tiver 50 anos de idade. Precisa de muita musculação, porque não tem força nenhuma.
    Taylor Fritz é aquele exemplo de que não adianta nada ser um juvenil número um. É tenista nível top 50 e olhe lá.
    Berdych jogou bem, mas costuma tremer quando enfrenta os tops. Acho que perde de 3 a 1 para Nadal.
    Gostei do grego Tsitsipas. Cara tem carisma e tem jogo. Não sei se suficiente para derrotar o Federer. Se o Federer der aquelas viajadas pode ser que o grego complique para ele. Tem futuro o grego e personalidade para chegar a voos mais altos.
    Quem pode surpreender nesse AusOpen? Na minha opinão, Raonic, Tsitsipas e o Berdych, se esse último largar o medo dos grandes.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Achei a partida dele contra o Nadal, ridícula.

      Parecia que o espanhol estava jogando com um adolescente, que ainda não tem força pra fazer a bola andar.

      Mas ele ainda é muito novo.

      Acho que com o devido trabalho muscular, pode se tornar um outro jogador.

      Responder
  25. Rafael

    Dalcim, na transmissão da ESPN, André Ghem contou uma situação inusitada sobre uma perda do calçado dele
    para um jogo e comprou um especifico para o saibro. Há diferença dos calçados para a quadra dura para o saibro ou para as superfícies ? São muitas diferenças? Sei que na grama tem os ”birros”, travas pequenas pra não escorregar, mas do saibro não sabia mesmo!

    Abraço

    Responder
  26. Nando

    Nada como um dia após o outro…Federer fez um belo jogo, ganhou rápido e economizou energia. Agora a zebra suíça descansa e se prepara pra 2° semana…o grego é um adversário duro.
    Poka Telha não teve trabalho contra “Di Menor”, não foi ameaçado.
    E o Verdasco hein? Não à toa é um dos membros do Big Yellow…df no match point. E no início do 5° set perde o saque depois de fazer 40/0. Aliás foi um belo jogo esse entre ele e Cilic.
    Achei q Agut rodaria, mas venceu bem Khachanov…mesmo o espanhol vindo de 2 maratonas.

    Responder
  27. Barocos

    Sharapova, dona de uma beleza gritante, em todos os sentidos, só vai saber se está realmente bem quando reencontrar a Serena. Na torcida por mais um duelo entre as duas.

    Nadal tem se apresentado muito bem até aqui mas, e não custa lembrar este fato sempre, falta ainda um oponente com a qualidade de Federer, Djokovic ou mesmo o jovem Zeverev para sabermos o quão bom ele está. Sem bolas difíceis ele coloca as devoluções onde quer.

    Não achei que o Djokovic tenha jogado lá tão bem assim até agora, mas isto costuma ser uma característica dele nas primeiras fases dos torneios. Para mim, parece que ele sempre entra preocupado em poupar energia para as próximas etapas.

    Federer continua sendo Federer, alternando jogadas elegantes com viajadas desconcertantes.

    Responder
  28. José Eduardo Pessanha

    Excelente exibição do Craque Roger Federer. Se mantiver esse nível, será heptacampeão do torneio. Na minha modesta opinião, já está na semifinal. Grande abraço a todos.
    Abs

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *