Especial 20 anos: Os maiores tenistas de todos os tempos
Por José Nilton Dalcim
21 de outubro de 2018 às 23:53

O Blog do Tênis encerra neste domingo a série de análises especiais que fez para comemorar os 20 anos do site TenisBrasil e, obviamente, deixou para o encerramento o sempre polêmico tema sobre quem seriam os melhores tenistas de todos os tempos.

Como sempre frisei, é difícil e muitas vezes injusto misturar as fases amadora e profissional, porém até mesmo comparar os 10 primeiros anos do tênis aberto com as temporadas seguintes é perigoso. Afinal, eventos como o Finals, os Masters e mais recentemente as Olimpíadas ganharam relevância que certamente favorece as gerações mais jovens.

Ainda assim, me arrisquei a listar os 20 melhores da história, procurando somente comparar jogadores que tenham vivido épocas próximas. À exceção de Laver, que teve passagem pelo tênis amador, o top 10 da minha lista é estritamente profissional.

Em todos os casos, valem estas importantes observações:
– Considero Djokovic muito perto de superar Nadal. Ainda que tenha menor quantidade de Slam, seu largo histórico no Finals e a soma superior de semanas na liderança são fortes indicadores. A favor de Nadal pesou um aspecto talvez subjetivo, porém para mim decisivo: o espanhol precisou de adaptação muito maior em seu estilo para ganhar fora do saibro.
– Os resultados da fase amadora são importantes, porém é preciso sempre ter em mente que os tenistas efetivamente melhores de cada época não competiam porque haviam se profissionalizado e eram impedidos de participar do circuito tradicional.
– Borg tem relevância não apenas pelas conquistas espetaculares e números expressivos em carreira táo curta, mas também por elevar o tênis a um outro patamar de popularidade.
– Alguns jogadores, como McEnroe e Edberg, tiveram avaliações valorizadas pelo excepcional desempenho em duplas.
– Um dos 10 Slam de Bill Tilden foi vencido quando o campeão de Wimbledon só disputava a final.
– Don Budge fechou Slam em 1938, mas sua grande fase nos torneios tradicionais se limitou a duas temporadas, uma vez que se profissionalizou em seguida.
– Na maioria dos casos, não são considerados apenas números de títulos ou posição de ranking, mas também a importância histórica.

Eis então meus 20 melhores tenistas de todos os tempos:

1. Roger Federer
Além da técnica e plasticidade incomparáveis, lidera por larga margem dois quesitos essenciais: quantidade de Slam e de semanas na liderança. A destacar as 10 finais e 23 semis seguidas de Slam.

2. Rafael Nadal
Introduziu uma forma de jogar completamente fora do padrão, domina o saibro e se adaptou de forma notável para ganhar fora dele. Seus recordes sobre o saibro dificilmente serão batidos.

3. Novak Djokovic
Possui dois feitos espetaculares – os quatro Slam ao mesmo tempo e a conquista de todos os Masters -, além do longo período como nº 1. De seus 14 Slam, 3 foram em finais contra Federer e outros 3 diante de Nadal.

4. Rod Laver
Fechou duas vezes o Slam, a mais importante delas em 1969. Mesmo já veterano, faturou 52 títulos de primeira linha como profissional.

5. Pete Sampras
Seu recorde de 14 troféus de Slam durou até 2009. Possui ainda a segunda maior quantidade de semanas como líder do ranking.

6. Bjorn Borg
Outro a criar um estilo próprio, ganhou três vezes Roland Garros e Wimbledon seguidamente quando os dois pisos eram totalmente distintos.

7. Ivan Lendl
Terceiro a liderar mais o ranking, ganhou oito Slam e foi pioneiro em metodologias de aprimoramento físico. De seus 94 títulos, 5 foram no Finals.

8. John McEnroe
Está entre os cinco maiores colecionadores de títulos tanto em simples como em duplas, sendo único a liderar os dois rankings ao mesmo tempo.

9. Jimmy Connors
Carreira de 21 temporadas que lhe deu o recorde ainda absoluto de 109 títulos, sendo oito de Slam, e 1.256 vitórias. Passou 15 anos seguidos no top 10.

10. Andre Agassi
Símbolo do marketing no tênis, venceu todos os Slam e passou mais de 100 semanas como número 1. É um dos 10 maiores colecionadores de troféus.

11. Roy Emerson
Ganhou 12 Slam de simples e 16 de duplas. Foi ao menos bi de simples e tri de duplas em cada um dos quatro torneios.

12. Stefan Edberg
Liderou os rankings de simples e duplas e disputou final de todos os Slam, vencendo 6 de simples e 3 de duplas.

13. Fred Perry
Conquistou todos os Slam na carreira (total de oito), com ao menos duas finais em cada um deles.

14. John Newcombe
Dez finais e sete títulos de simples em três diferentes Slam (com 5 como profissional) e mais 17 de duplas.

15. Ken Rosewall
Fez 16 finais de Slam e venceu 8, faltando apenas Wimbledon. Metade disso foi como profissional 4.

16. Mats Wilander
Sete troféus em três Slam diferentes, mas ficou pouco tempo como número 1 (20 semanas)

17. Henri Cochet
Dez finais e sete títulos em três Slam diferentes, mais cinco de duplas

18. René Lacoste
Campanha muito semelhante a Cochet, porém com duas duplas a menos. Criou a famosa grife.

19. Boris Becker
Venceu primeiro Slam aos 17 anos, mas nunca brilhou no saibro. Venceu seis Slam e liderou ranking apenas 12 semanas.

20. Bill Tilden
Fez 10 finais nos EUA, com sete títulos, e venceu mais três Wimbledon. Dois vices na França.


Comentários
  1. João Marcelo Ribeiro de Souza

    Vou resumir essa questão de forma definitiva. A teoria começa assim: O Federer é o melhor de todos. Só que o Nadal é melhor que o Federer. Contudo o Djokovic é melhor que o Nadal. Daí é só vc voltar pro começo da frase da teoria e ler de novo. Ad infinitum.

    Responder
  2. Eduardo

    Guga não foi um dos maiores pq ele era especializado no saibro
    mas no saibro, eu nunca vi ninguem melhor que ele.
    o jeito dele deslocar o adversario era impressionante.

    Responder
    1. Marlon

      Eduardo, acho que você não vê as partidas de Rafael Nadal no saibro. Gustavo não jogou nem metade do que o Nadal joga no saibro. Guga é um orgulho pra nós brasileiros, mas o talento de Nadal no saibro é incontestável.

      Responder
  3. Luiz Fernando

    Atuação ridícula do Kachanov frente ao japa, foi simplesmente atropelado. Pena q esse japa não se mantenha bem fisica e tecnicamente por períodos longos, seria um grande vencedor, bons golpes não lhe faltam.

    Responder
  4. Nova geração tênis vem forte

    Eita tá legal ver aberto de Viena e aberto da Basileia a nova geração dominando ……… E meu nome aqui no site é antigo venho falando faz tempo da nova geração .. eu como gosto de verdadeiro tênis que é o técnico sou fã do River Federer e ver essa garotada no estilo dele e bom demais ………. Só falta confiança mesmo os cara ainda erra muito e arrisca pouco mais e legal ver a facilidade pra jogar estilo Federer ano que vem só as revelações no top 10 último ano de melhor do mundo do Djokovic será ano que vem anotem depois ele será varrido pela nova geração muito mais habilidosos que ele

    Responder
  5. Pat Cash

    Com todo respeito, mas um top 20 de todos os tempos sem a presença do inesquecível Pat Cash não pode ser levada muito a sério… vale pela diversão.

    Responder
  6. Renato

    Dalcim, uma curiosidade: Na primeira rodada da Basiléia, contra Shapovalov, Cilic ganhou por 6/4 e 6/2 mas não fez NENHUM ace no jogo, o que é raro para um sacador como ele. Hoje, contra Copil, também ganhou em dois sets mas fez 21 aces. Curioso, não?

    Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Mas quem venceu e fez 21 aces foi o Copil. Cilic fez somente 4. Interessante como Cilic, Zverev e Dimitrov caíram de nível.
        Abs

        Responder
  7. Oswaldo E. Aranha

    Interessante observar a posição de alguns torcedores de um determinado tenista, para eles só existe Deus no céu e esse tenista na terra, todos os demais são meros figurantes. Para esses, Dalcim, a tua lista não faz sentido e quanto aos que não concordam, um conselho: saem de baixo.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Vejam só quem fala…

      O sujeito que não suporta que seu ídolo seja chamado nem por apelidinho infantil: “cotonete”, ” caveirinha”.

      kkkkk

      Responder
  8. Luiz Fernando

    Dalcim vc acha viável Nadal volta a jogar ainda este ano? Pelo q li, e de forma bem fragmentada, ele teria voltado a treinar, mas jogar dois torneios em sequencia com elevado grau de dificuldade não me parece q seja a melhor opção, concorda? O melhor seria se poupar e voltar bem em Janeiro…

    Responder
  9. Rubens Leme

    No momento, acompanho a partida entre o Gael Monfils e o Steve Johnson. Embora já seja mais veteranos (28 anos), o norte-americano é um dos mais regulares ianques do circuito, o tipo de tenista que se pode chamar de sólido: saque forte, bons forehand e backhand, forte fisicamente, voleia bem e é versátil, pois ganhou as 4 finais que disputou, sendo duas no saibro de Houston (uma delas sobre o Bellucci, em 2017) e duas na grama (Nottingham e Newport).

    Se passar pelo francês (o que deve acontecer) pega o conterrâneo Isner.

    Responder
  10. Rubens Leme

    Rogerinho é outro que não vira nada, embora tenha um histórico muito pior do que do Bellucci, na verdade, nem chega perto.

    É triste ver o tênis brasileiro atualmente e começo a me perguntar até onde vão, porque estão caindo em challengers e ficando no vermelho já que gastam mais do que arrecadam. Queda na primeira rodada pagava 520 dólares, isso não cobre nada e imagino que já estejam colocando a mão no bolso, porque não possuem mais patrocínios pessoais e sequer de material esportivo.

    Quanto tempo você acha que Bellucci, Rogerinho etc aguentam nesse shilly-shally meu caro Dalcim?

    Ah, e antes que me perguntem…

    shil·ly-shal·ly
    /ˈSHilēˌSHalē/Enviar
    verb
    1.
    fail to act resolutely or decisively.
    “the government shilly-shallied about the matter”
    sinônimos: dither, be indecisive, be irresolute, vacillate, waver, hesitate, blow hot and cold, falter, drag one’s feet, hem and haw; informaldilly-dally
    “we must not tolerate leaders who shilly-shally over matters of national security”

    Responder
  11. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    O Federer está oscilando bastante nos últimos jogos, independentemente da lesão na mão direita, acredito que essa perca de intensidade tem um pouco ou muito a ver com a idade. Fica complicado jogar em alto nível por mais de uma hora quando vc está ali caminhando para os 40. Na realidade o que ele já fez foi assombroso. Tenho certeza absoluta que Nadal ou Djoko depois dos 35 anos não terão a mesma competitividade do suíço. Fica uma sensação de quem sabe o ano de 2019 seja já uma despedida. O que acha mestre?

    Responder
  12. Pedro

    Dalcim,

    Mais um jogo em que o suiço oscilou bastante. Só não perdeu porque o adversário não era tão bom. Ao mesmo tempo em que ele disse que jogou Wimbledon e US Open machucado, também não garantiu que joga até as olimpíadas. Desta vez parece que ele está cogitando em parar. Tem até sentido, porque ele parando com um bom nível é melhor para ele e para sua imagem. Lembrando que ele tem vários patrocinadores, que não iriam gostar de vê-lo perder partidas.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Não esta bem assim não, com 3 games ja tinha 10 ENF, vencia o set 2 com quebra acima e perdeu, esta jogando bem abaixo do q se esperava, ainda mais nesse tipo de quadra.

      Responder
  13. Ronildo

    Perfeito esta Primeira Trindade. Ao final de tudo, quando o três finalizarem as carreiras, praticamente ninguém conseguirá dizer quais dos três foi realmente o melhor! O duro é ver o Murray ficar fora da lista dos 20 depois de passarmos mais de 10 anos ouvindo falar sobre BiG 4!!!

    Responder
  14. Rodrigo S. Cruz

    6/1 4/1 e saque a favor, e ainda conseguiu levar uma virada e perder…

    O caso do Bellucci não é mais psicológico.

    É PSIQUIÁTRICO…

    Responder
    1. Bruno

      Rodrigo
      É tão estranho essas derrotas do Belucci que já há comentários que deve ser vendidas para casas de apostas.
      Eu,sinceramente,não acredito mas tb não duvido.

      Responder
  15. Rubens Leme

    E em um jogo que poderia ter vencido por 6-1, 6-1 ou 6-1, 6-2, Bellucci perde por 6-1, 6-7 e 4-6, mesmo tendo feito mais aces, aproveitamento superior no primeiro saque, no segundo e mais break points vencidos.

    Mas, os defeitos continuam sendo os mesmos: joga longe da linha, aposta tudo no forehand, se mexe mal lateralmente, erra várias bolas na corrida, backhand apenas correto, deixadinhas fora de hora e, principalmente, uma capacidade espantosa de desperdiçar pontos quando o rival dá um segundo saque fraco e colocado. Nesta hora, pode contar com uma devolução violenta e sem direção do brasileiro.

    Fiquei até meia-noite de uma segunda-feira para ver isso. Ao menos, ele amealhou 520 dólares por ter caído na primeira rodada (http://www.protennislive.com/posting/2018/6579/mds.pdf). Já o burrão aqui…

    Responder
      1. Ronildo

        Eu gosto e respeito muito o Bellucci. Mas no final é isto mesmo. Como é que nenhum treinador conseguiu fazer o Bellucci dosar seu jogo? Daí o cara se mata e não consegue nada.

        Responder
  16. Vini

    Parabéns dalcim pelos 20 anos do blog. Parabéns também pela lista. Elaborar lista é complicado. Apenas discordo nas posições de Novak e Nadal. Aproveito para saber sua opinião se seria plausível considerarmos Novak a frente de Nadal pelo fato de Novak, apesar do número de slans menor, tê-los distribuídos de maneira mais equilibrada que Nadal, o que teoricamente o tornaria um jogador mais completo no aspecto das superfícies?

    Responder
  17. Rubens Leme

    Dalcim, baixando o nível do post.. rs… acabo de ver o segundo set do Bellucci na estreia do challenger de Lima e é incrível como, mais uma vez, perde um set fácil. Vencia por 4/1 e saque e perdeu por 7/6, no tie.

    O mais triste é que semanas atrás, deu uma entrevista pro Cossenza (não sei se posso ou não colocar o link aqui) dizendo que não tem nada a mudar em seu jogo.

    Literalmente, ele disse “Com a maioria dos técnicos, eu bato muito numa tecla. Eu não acho que tenho que fazer nada de diferente do que eu fiz na minha carreira inteira. Até mesmo porque eu estou com 30 anos, não tenho que começar a fazer saque e voleio, começar a dar mais slice. Acho que se eu cheguei a 20 do mundo jogando o que eu jogo hoje, por que eu vou querer mudar e fazer alguma coisa mirabolante e diferente? Acho que eu tenho que aperfeiçoar o que estou fazendo. Algumas coisas, eu tenho que melhorar. Não mudar.”

    Puta merda! Se todos os tops lutam para mudar e acrescentar algo em seu jogo, um voleio melhor, um saque mais potente ou bem colocado, um backhand, uma declaração destas mostra que Bellucci pode até sonhar em voltar aos bons dias, mas que dificilmente conseguirá com seu jogo datado.

    É triste, porque o título poderia lhe valer subir umas 60 posições e chegar perto do 190 do mundo. A chave é dura, admito, mas cheia de jogadores que ele já derrotou (Andujar, Cuevas, Andreolli…).

    Sei lá, a gente torce, torce, mas sem esperar por algo maior.

    Triste, não acha?

    Responder
      1. Rubens Leme

        Sim, mas virou normal. Reparou que ele sempre perde o primeiro serviço, após ser derrotado no tie-break do set anterior? Pode fazer um levantamento, é 100% de certeza. Ele perde um set assim e, no outro, vira uma maionese.

        E não é apenas a parte psicológica, é técnica. O jogo dele se tornou obsoleto, mas essa declaração absurda que não tem e nem quer mudar nada nele aos 30 anos mostra um conformismo sem sentido para quem quer deixar a má fase.

        Enfim, outro torneio que poderia somar pontos, fazer bons jogos até cair prum Delbonis da vida (como este argentino adora espancar nossos tenistas, não?). Eu ainda insistirei mais algumas vezes, mas confesso que quando vi 6-1, 4-1 e ele teimando em fechar o game de serviço, comecei a imaginar se a derrota seria tão impossível.

        Não foi. Impossível se tornou vencer.

        Responder
      2. Jorge

        Gostaria de ler um post apenas sobre situação do Bellucci. A impressão do Dalcim, quais hipóteses desse rendimento extremamente baixo do tenista brasileiro. Meu palpite é que se nada mudar no primeiro semestre do ano que vem ele se aposenta.

        Responder
  18. Sérgio Ribeiro

    A meu ver , ao contrário de Borg , Rafa Nadal e Novak fizeram por merecer o TOP 3 do Olimpo. O Sueco sempre teve problemas extra quadra, e o fato de ter ido uma só vez ao AOPEN ( Federer e Novak são Hexa ) e se aposentar precocemente , não invalida a escalada dos demais. Um puxou o outro e o resultado é admirado até mesmo pelas estrelas da época. O TOP 6 e’ perfeito. Poucos que assistiram ( e não ouviram ) em seus Auges, discordam. Até mesmo Rod Laver. Portanto , Dalcim. De coração, meus parabéns. Mas para discordar como sempre, uma inversãozinha entre Boris Becker e Mats Wilander cairia bem. O Alemão somente perdeu uma partida para o Sueco fora do Saibro. E na Grama Sagrada era muito superior rs Abs!

    Responder
    1. Paulo F.

      Onde eu assino, Sérgio?
      Faz parte da grandeza de um atleta, também, uma carreira mais longeva e não se deixar influenciar por fatores extracampos.
      Abraço!

      Responder
  19. Rodrigo S. Cruz

    (Luis Fabriciano] ” Outrossim, não tem essa de auge, quando temos três caras, depois de décadas, no topo do ranking. O próprio Federer se diz melhor hoje que outrora e essa coisa de dizer que caso Novak fosse da mesma idade do suíço não ganharia, até quando vamos ficar nessa coisa do se e se?”.

    Luis, você é um dos participantes que eu mais respeito aqui, só que nesse ponto, acho que escorregou um pouco…

    Pouco importa se o Federer joga hoje, com mais aprimoramento técnico do que antes.

    Pois esse não ó fator determinante no tênis de alto rendimento…

    A verdade é que realmente ele leva desvantagem física de SALTAR AOS OLHOS, em relação ao Djoko e ao Nadal, por haver passado dos 30 e ainda ser 5 anos mais idoso que os outros dois.

    Não estou afirmando com isso, que se mais novo, ele os derrotaria facilmente. Pois considero que ainda assim, ele não teria vida fácil. Só que isso faz sim muita diferença, e não existe meios de você transitar na contramão dessa lógica.

    Portanto, se é justa a tua queixa de que os federistas elejam o suíço mais com o coração que com a razão, talvez você mesmo necessite fazer uma auto-crítica disto, em relação ao Djokovic…

    Abs.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Obrigado pelo respeito Rodrigo. Tenha certeza que é recíproco.
      Talvez não entendeste bem minha colocação. É lógico e evidente que o envelhecimento nos trás declínio físico, mas meu ponto foi um pouco além. Falo exclusivamente do forçação de barra sobre Federer. Temos uma NextGen fisicamente muito forte, mas seus resultados comparados ao Big3 são praticamente irrisórios, exceto pelo Zverev que pode bater no peito e dizer que tem Masters 1000 contra Federer e Djokovic. Fiz uma previsão (rsss) em 2015 de que nenhuma nova geração vingaria enquanto o Big4 estivesse ativo. Vamos já ao quarto ano de domínio.
      Mas falando da lista, veja que em momento algum questionei a posição de Federer como #1 nela. Meu ponto foram as suposições em confrontos imaginários entre o suíço e o sérvio.

      Responder
  20. Rubens Leme

    Dalcim, acho que poderia ter lembrado o Stefan Edberg por ter sido o único tenista na Era Profissional a fazer o Junior Grand Slam, em 1983, ou seja venceu os 4 Slams juvenil.

    Na verdade, acho que pelo seu estilo discreto (tanto dentro como fora das quadras), é pouco valorizado e preferia muito mais vê-lo jogar do que o Agassi.

    Responder
  21. Alison Cordeiro

    Tão fantástico quanto sua lista, Dalcim, é o privilégio de ver em ação os três maiores da história lutando game a game por mais recordes.

    Vejo muita coerência na maioria dos comentários, mas alguns torcedores do Federer nem assim ficaram felizes. Acho que é a preocupação de ver Roger ser ameaçado por Rafa e Nole. Seja como for, todos os fãs dos três tem motivos para ficar felizes. Vejo com satisfação Djoko consolidar o terceiro lugar e rumar ao segundo. Chegar no Federer é difícil, mas não impossível. Parabéns Dalcim por nos proporcionar tanta saudável discussão.

    Responder
  22. Renato

    Luiz Fabriciano,

    Não estou querendo impor nada. SÓ estou argumentando com alguns que contrariam os meus argumentos. Cada um tem o direito de pensar como quiser. Na minha opinião(e creio que de muitos), Federer é o melhor e maior tenista da história, pelo talento, títulos, records e popularidade, mas respeito quem pense o contrário.

    Sobre encarar alguém, agora eu entendo o que o Rafael queria dizer. É complicado ser ofendido e ironizado por cagoes que se acovardam diante do mundo virtual. Cansa! Tenho certeza que os babacas não teriam a mesma coragem frente a frente. Mas garanto que sou da paz.

    Abraço.

    Responder
    1. Chetnik

      Quem gostava desses arroubos de macheza – “quero ver falar na cara” – era o “finado” Marquinhos, o lutador de jiu jitsu do blog, kkkkk.

      A gente te passa as dicas, “Renato”, mas você tem que colaborar, né, kkkkk.

      Responder
  23. Robson Couto

    Eu entrei no blog para opinar, mas depois de ler a lista, só posso parabenizar, perfeita! É uma pena que a série de listas chegou ao fim. Dalcim, quem sabe um dia vc possa fazer a lista dos 20 melhores golpes do tênis (maiores: forhand, backhand, saque, devolução de saque e voleio)
    Abraço!

    Responder
  24. Joao luiz

    Parabéns Dalcim! Lista de quem entende da matéria! Sempre pensei nessa lista e concordo quase totalmente ! Acho que Borg é melhor que Sampras , saia de Roland garros na terra e ia ganhar Wimbledon na grama, coisa para poucos! Sampras era muito ruim no saibro, acho que 2 títulos pequenos , uma semi de
    Roland Garros e só….parabéns novamente pela lista!! Abraços

    Responder
  25. Edson Raulino Ferreira

    Olá amigo dalcim gostei muito da sua lista,acompanho o tênis desde a época do Ivan lendl,Boris Becker etc,quando comecei a ver o Federer jogar meu Deus esse cara é genial pra mim tbm o maior de todos os tempos,mesmo q seja superado em número de gran slan ele será o eterno número 1 do tênis e sonho um dia ver esse gênio jogar,abraços

    Responder
  26. Paulo de Tarso

    A lista do José Nilton dalcim está corretíssima os 3 maiores e melhores tenistas de todos os tempos são Federer Nadal e Djokovic os números estão aí para provar quanto matemática é uma ciência exata não adianta questionar

    Responder
  27. Jacques

    Oi dalcin
    Eu colocaria o Connors na frente do Lendl e do McEnroe
    Se não me engano, foram cinco anos fechando como número 1
    Ele reinventou o tenis e teve o Borg no seu caminho…

    Responder
  28. Ronaldo Reis Santos

    Ranking perfeito, Dalcim! Nao tenho muito conhecimento sobre os “antigos”, decada de 60, 70.. Vi videos do Laver, Borg, final de carrera do Connors e Mc.. Comecei a acompanhar mesmo o tenis no final dos anos 80, realmente he dificil comparar geracoes, mas entre todos que vi jogar, o Federer he sem duvida o melhor de todos os tempos. Em fim, concordo 100% com sua lista.

    Responder
  29. JOSIAS FERNANDES DE AVILA

    Tarefa ingrata a tua , Dalcim! Épocas diferentes, raquetes e quadras também. Como por tudo isso num cesto e escolher os melhores?
    Há vários pontos a considerar:
    1. na minha modesta opinião Borg foi muito melhor do que Federer tecnicamente. Infelizmente preferiu se aposentar aos 26 anos, por motivos até hoje não bem explicados. Era quase perfeito tanto no saibro (ponto fraco do Federer) quanto na grama;
    2. nunca foi dominado por nenhum adversario, como acontece com Federer em relação a Nadal;
    3. nas décadas de 70 e 80 o Australian Open era disputado em pleno REveillon e, por isso, os líderes do ranking o esnobavam. Borg nunca jogou lá(dá pra imaginar quantos SLAMs mais teria se tivesse ido?) Penso que McEnroe também não. Connors disputou duas vezes( um campeonato e um vice, depois…nunca mais. Quantos AO poderia ter vencido, especialmente sem seus grandes adversários?
    4. Connors somente aderiu ao circuito profissional aos 21 anos. Quantos torneios mais e quantas vitórias mais poderia ter conquistado se tivesse se profissionalizado aos 16 anos como Nadal e Federer?
    Eu o colocaria tranquilamente tranquilamente pelo menos em sétimo lugar, á frente de Lendl pois foi muito mais jogador. Protagonizou uma das mais belas jogadas de tenis, senão a mais bela de todos os tempos: https://youtu.be/e38U3Oa3s5s

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que poucos tenistas conseguiram envolver o público numa partida como ele. Todo o lance retrata perfeitamente o que Connors foi.

      Responder
    2. Rubens Leme

      Ah, mais um “Borgista e Connorista” na casa. Somos poucos, quase um erro estatístico, mas ainda resistimos e temos ótimo gosto.

      Vale lembrar que vieram de uma época onde o marketing esportivo era quase nulo e construíram suas carreiras no puro talento e carisma incomuns, daqueles encontrados apenas em fenômenos como Pelé, Ali, Jesse Owens, nomes que transcenderam os esportes que praticavam.

      Quem viu, viu. Independente da lista correta de Dalcim, embates entre Borg, Connors, McEnroe e cia limitada em pisos tão distintos eram espetaculares.

      O adeus de Borg me proporcionou um dos 3 choros da minha vida esportiva ainda criança-adolescente. Os outros foram a derrota da Copa de 1982 e do Palmeiras, pro XV de Jau, em 1985.

      Responder
    3. Sérgio Ribeiro

      Björn Borg melhor que Federer tecnicamente, caro Josias ? Faltou dizer em que fundamentos fora o Backhand. O Suíço muito mais Sacador , muito mais Voleador , um Forehand também muito superior e como diz Rod Laver amigo, parece flutuar em quadra ( não agora aos 37 ) . Borg muito superior no Saibro. Fora dele perdeu todos as 4 Finais que fez no USOPEN ( 2 pra Connors, 2 pro BigMac ) . Roger Federer e’ simplesme o Rei da Grama( Borg teria sérias dificuldades com Sampras que jogava mais que o Big Mac nesta superfície) . Mas há que se respeitar opiniões. Abs!

      Responder
        1. JOSIAS FERNANDES DE AVILA

          O estilo do Borg nada tem a ver com o do Nadal pois este tem um estilo único. O mais parecido com ele foi Connors mas somente nos quesitos raça, dedicação e de nunca se entregarem em quadra, mesmo se estivessem perdendo por 1 x 5 no quinto set de uma partida.

          Responder
    4. Rosemberg

      Nobre…suas considerações tem algum sentido, no entanto, não penso que o saibro seja um ponto fraco de Roger Federer afinal cinco decisões em RG eu m título, como disse o próprio Nadal, não é pra quem é fraco na terra batida. Apenas tinha o maior especialista no piso como adversário.

      Responder
  30. Luca Paiva-Mello

    Dalcim, pela primeira vez na vida eu concordo com tudo numa lista de Top 10. Se me perguntassem, minha lista seria idêntica – talvez deixasse o Connors em 10° só porque seu estilo mauricinho arrogante em quadra sempre me incomodou. Mas seria injusto e por pura implicância. Parabéns!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Hahahaha… Eu implicava com o Connors também, mas no final de sua carreira me vi torcendo fervorosamente por ele, como naquele jogo absolutamente incrível contra o Krickstein no US Open de 1991.

      Responder
      1. JOSIAS FERNANDES DE AVILA

        Quando Connors jogava contra Borg ele se comportava de um jeito mas , quando ele tinha que encarar McEnroe, oito anos mais novo, ele se transformava pois este ultimo era completamente irreverente. Depois de tantas vezes ser chamado de velho e decadente por seu adversario em determinado jogo ele entrou em quadra usando muletas e uma peruca de cabelos brancos. Desestabilizou McEnroe e venceu o jogo tranquilamente para alegria da plateia. O maior showman das quadras.

        Responder
  31. Smuffy

    Dalcim, tardeeee!!! Queria parabenizar mais um post de excelente qualidade. Lendo todas as opiniões já dadas, gostaria de trazer um pouco de pimenta para esse molho. Claro que uma lista de melhores de todos os tempos, sem Federer, Nadal e Djoko seria impensável, contudo, e aqui quero colocar um tempero a mais nessa discussão, na minha opinião só deveriam entrar nessa lista, os tenistas que já pararam de jogar e já fazem parte da história. Explico porquê: simplesmente porque uma lista com os jogadores ainda em atividade pode mudar a qualquer hora. Ou alguém dúvida que o Nadal não vai ganhar RG ano que vem? Ou que o Djoko não ganha nenhum GS ano que vem? Acho inclusive que o Djoko tem tudo para passar Federer e Nadal em títulos o que na minha opinião se acontecesse, elevaria ele de número 3 para número 1. Mas tudo ainda no campo da especulação e como uma lista de melhores de todos os tempos na minha opinião deve ser a mais fiel possível, então não dá para especular sobre isso ou aquilo. Mas que os três juntos são impressionantes, isso não se pode negar. Tive a sorte de ver os 3 jogarem, e para mim, Roger ainda é o melhor. Por fim, não dá pra tirar da lista nomes como Sampras, Agassi, Borg, McEron e Lendl, monstros sagrados de uma era do tênis bem diferente do que hoje é jogado. É isso… vamos aos debates.. abraços

    Responder
  32. Luiz Reis

    Oi Dalcin,
    Pode ser bizarro, mas poderia fazer uma lista com os vinte maiores “desperdícios” do tênis, por causa de poucos resultados ante o potencial existente, originados pela falta de compromisso, contusões graves e acidentes ou outros fatores que impediram o obtenção de títulos relevantes ou mais títulos relevantes.
    Exemplo: Guga, Muster, Gonzales, Coria, Rios, Wawrinka, Safin, etc,

    Responder
  33. ANTONIO GABRIEL

    Listas sempre gerarão algum tipo de discórdia, mas achei a lista do DALCIM extremamente coerente, até por que as primeiras posições utilizaram o critério lógico de numero de Slans, onde o Dalcim deixa claro que possivelmente RN poderá ser ultrapassado por ND, mas até que isso aconteça é justo Nadal ser o SEGUNDO MELHOR DA HISTÓRIA (acho Djoko mais jogador que Nadal, mas o espanhol ainda tem mais GS). Federer realmente é fora da curva e a não ser que alguém consiga supera-lo em números, ele ainda reinará. Acho até que Nadal conseguiria está proeza, caso Djokovic (acho difícil Nole chegar aos 20 GS, mas com muita dedicação de sua parte é possível) não estivesse por ai, mas… Enfim, aguardemos cenas dos próximos capítulos do Tênis e que venham mais 20 anos. Parabéns DALCIM!

    Responder
  34. lEvI sIlvA

    Dalcim, deixa perguntar algo. Outro dia disse que Djokovic tem a melhor devolução do tênis, melhor até do que a do Agassi. Lembro também que escreveu que a evolução dos materiais (no caso raquetes) contribuiu muito com isso. Pois bem, quando afirma que Djokovic supera Agassi neste quesito, diz isso já que ele enfrentou Federer, Nadal e Murray entre outros e conseguiu sobressair mesmo assim? Ou seja, você então não crê que Agassi conseguisse resultados tão positivos frente ao resto do Big 4?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como sempre, comparar épocas é muito complexo. Agassi enfrentou verdadeiros saque-voleios, muitas vezes em quadra muito velozes e bolas bem mais rápidas que as de hoje. É importantíssimo observar que a velocidade do saque que vemos medida na TV considera apenas a saída da bola da raquete. Acho que seria bem mais curioso que se visse a velocidade que tem após o quique do saque ou quem sabe até mesmo quando chega no devolvedor.

      Responder
  35. Renato C

    Bela lista Dalcim. Top 5 fecho com vc. Mas nao consigo aceitar Agassi na lista. Para mim, qualquer esportista que ganhou titulos dopado nao deve estar na lista entre os melhores. E claro que ele era muito talentoso, mas o quanto ele teria jogado sem o doping, nos nunca saberemos. De sua lista eu tiraria o Agassi, elevaria os demais e incluiria o Jim Courier como vigesimo. Em tempo, parabems pelo blog.

    Responder
  36. Mauricio

    Bela lista.
    Você ja fez um ranking dos maiores duplistas? Ou até duplas?

    Quem encabeça? Bryans ou Woodies? O Daniel Nestor é o maior? Bruno e Marcelo ficam no top 10 (pra mim, com certeza)!?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não pensei ainda exclusivamente nas duplas, Maurício, mas a priori acha muito difícil tirar o Mike Bryan do posto número 1. Ele tem praticamente todos os recordes mais expressivos: 469 semanas como número 1 é algo assombroso demais!

      Responder
  37. Mário

    Acompanho sua coluna, fala-se muito pouco de tenis no Brasil, o país que nem “do futebol” é mais, mas continua a não valorizar os demais esportes. Sobre o rkg, ou deveria levar em consideração apenas os resultados, pura e simplesmente, ou o conjunto de recursos do atleta. Por exemplo, vamos considerar os tenistas de hoje, cada um no seu melhor, quem venceria? Na minha opinião, Nadal e Djokovic se alternariam e Federer viria atrás, em que pese sua técnica, considero Nadal e Djoko muito mais competitivos e fortes fisicamente, importante nos dias de hoje. Aliás, Djokovic pode até superá-los em números de títulos, quem sabe. Apenas opinião, parabéns por seu trabalho Dalcim.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Mário. Mas não se pode trabalhar com hipóteses quando se pretende dar uma classificação. Acho que se precisa ter algum critério concreto, ainda que subjetivo. Não consigo imaginar o ‘como seria’ numa situação desta. Abs!

      Responder
  38. Renato

    Para os dois que me questionaram abaixo :

    Se h2h significa ser o melhor, então Davydenko r Brown sao melhores que Nadal e Karlovic, Kyrgios e Roddick São melhores que Novak. Poderia dar outros exemplos mas vou parar por aí.

    Novak tem vantagem sobre Federer porque os dois se enfrentaram mais no auge do sérvio do que o contrário.
    Quantos jogos entre os dois tivemos entre 2003 e 2008 e 2017? E quantos tivemos entre eles entre 2011 e 2016?
    Na minha opinião, se os dois tivessem a mesma idade Roger teria Boa vantagem sobre Nole.

    Quando eu disse que Novak e Nadal não estão entre os 10 melhores, me referia a critérios técnicos(não fui muito claro).
    Se levarmos em conta o conjunto da obra – mental, físico e técnico- os dois estão sim entre os 5 melhores.

    Quem me ofende e ironisa aqui não seria homem de fazer na minha frente. O buraco é mais embaixo.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Renato, não sou nenhum dos dois que te questionaram, mas seu lado fanático e torcedor de Roger Federer quer, à força, prevalecer.
      Não há nenhum mecanismo de comparação suficiente para fazermos entre os três maiores – nem preciso citar nomes – com tenistas aposentados ou em início de carreira, como os citados por você. O histórico entre Davydenko, Karlovic, Brown etc contra o Big3 é, na acepção mais simples do termo, irrelevante para rico material levantado e demonstrado pelo Dalcim. Aliás, o próprio enfatiza isso e aspectos técnicos não são únicos em sua análise.
      Outrossim, não tem essa de auge, quando temos três caras, depois de décadas, no topo do ranking. O próprio Federer se diz melhor hoje que outrora e essa coisa de dizer que caso Novak fosse da mesma idade do suíço não ganharia, até quando vamos ficar nessa coisa do se e se? E se for para ficar, que tal tiramos a primeira etapa da história dos dois, onde Djokovic era um moleque que mais apanhava que ganhava de Federer? Aliás, em 2007, esse moleque bateu em Federer na final de Toronto.
      Você é livre para criar sua lista e ter sua preferência, o que não devia era querer impor aos outros.
      Em tempo, meus argumentos estão dentro do máximo respeito à sua pessoa, portanto, se não gostar ou não os considerar, de antemão, garanto que não tenho a menor intensão de ofender-te, tampouco, encara-lo frente à frente.
      Saudações.

      Responder
    2. Jonas

      Você não está levando em conta o contexto em que se enfrentaram.

      Foram diversos encontros em slams e em finais, jogos importantíssimos entre estes 3 gênios, então não há que se falar em Davydenko, Dustin Brown, Coric, Kyrgios…achei que isso era óbvio.

      Se quer falar em técnica e habilidade Federer leva vantagem, mas isso não se traduz em vitórias e nem em domínio, muito pelo contrário, mentalmente Federer é inferior a Djoko e Nadal e é pífio contra estes dois em FINAIS.

      Quanto a títulos Federer também está ameaçado, pois tanto Novak quanto Nadal podem superar o suíço nos próximos anos. Ai certamente você vai argumentar que Federer joga bonito, é genial, humilde, carismático…conversa pra boi dormir.

      Responder
    3. Jonas

      Federer enfrentou Novak 19 vezes entre 2006 e 2010
      13 a 6 para o suíço.

      Djokovic enfrentou Federer 28 vezes entre 2011 e 2018 sendo que em 2017 não houve jogo entre eles
      18 a 9 para o sérvio sem contar o W.O do finals em 2014 por parte do Federer.

      Auge do Federer eu considero 2005 a 2007 e do Djoko 2011 e 2015. Isso mostra o quanto Djokovic correu atrás do prejuízo, lembrando que em Janeiro de 2011 o sérvio possuia 1 título de slam enquanto o suíço estava com “apenas” 16 slams. Ai você diz que ele Federer ficou velho…tão velho que venceu final de 5 sets em cima do Nadal em 2017 e ainda venceu mais 2 slams, realmente ele estava muito velho…

      Responder
    4. Viana

      O q o pessoal critica não é vc achar Federer melhor.
      MAs o seu fanatismo de nunca admitir que Federer pode perder para seus rivais!
      Essa história de no auge ele ganharia… vc não sabe!!
      Ele no auge perdeu pro Nadal diversas vezes!! Poderia perder pro Djoko tb!
      E tb acho q poderia ter ganho do Nadal, inclusive em RG… apenas não aconteceu!
      Todos querem aqui uma discussão sadia e quando se coloca um tenista num patamar inacessível… vc fecha as portas da discussão!
      Em números H2H ela perde feio para seus maiores rivais! Isso é FATO!!!
      Agora, ele ganha em números de slans, semanas na liderança e etc…
      O bom disso tudo é q todos têm argumentos para escolher seu MELHOR!!

      E só mais uma coisa: Calma, não se estresse a ponto de falar em Cara a Cara… PEACE!!!

      Responder
  39. Nelson Maciel Filho

    A lista está correta quando analisamos o número de títulos, semanas como número 1.
    Não quero discutir diante dos fatos, mas Borg foi o meu grande ícone do tênis. Passei a gostar dele quando assisti algumas finais de Wimbledon.
    Sobre o Borg temos que considerar, que ele jogou até os 26 anos. Portanto, 11 anos a menos que o genial Federer; ele só jogou um Australia Open. Nunca perdeu uma partida na copa Davis, tem o melhor aproveitamento em grand slan. Um jogador fantástico que não teve gana para ganhar mais. Parar cedo foi um grande erro.
    O Djokovic bem fisicamente joga o tênis mais completo de todos. Em forma ele é uma máquina de jogar tênis. Se tiver a mesma gana do Federer e se não contundir, pode chegar a grandes recordes.
    O Nadal é um gênio do saibro que tem títulos em todos os pisos. Campeão olímpico em simples e duplas, o maior vencedor em copa Davis. E o mais importante é que o Nadal era um jogador acabado desde quando tinha 6 grand slan. Apesar das contusões, sempre se supera. Exemplo de atleta extraordinário.
    Federer é o melhor pelo conjunto da obra, dos títulos, como o que mais ficou como o número um, plástico elegante, genial. O Nadal e o Djokovic fizeram o Federer evoluir no seu tênis.

    Responder
  40. Carlos

    Além da técnica e plasticidade incomparáveis, estar jogando tão bem nessa idade… Nem que o AO tenha sido o último, mas qual dos outros todos ganharia um slam nessa idade, contra esses top adversários? vc vê algum deles fazendo isso, Dalcim?
    Goat Federer!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, será difícil porque tanto Nadal como Djokovic dependem muito mais do físico. No entanto, com os recursos cada vez mais avançados da preparação física, não é impossível.

      Responder
  41. Bruno Louzada

    Dalcim…e não é que wimbledon botou a minha sugerstão de ir até 12/12 e depois fazer tie break ? hahaha…e olha que quando falei dessa sugestão vc não concordou muito, ahhhh depois dessa o mengão merece ganhar o Brasileiro em cima do palmeiras ( ta foda disso acontecer rsss)

    Responder
  42. Miguel BsB

    Caro Dalcim, eu era muito novo nos anos 80 e não acompanhava o esporte, por isso te faço uma pergunta: porque o Becker, sempre lembrado como um dos maiores de tds os tempos, multicampeao, 6 Slams, (inclusive vi um documentário na Netflix sobre ele que recomendo), permaneceu tão pouco tempo como n 1? Concorrência? Inconstância? Certo descaso com a carreira?

    Responder
  43. Chileno

    Excelente lista Dalcim! Concordo com o posicionamento dos jogadores que vi jogar, de maneira geral, e analisando os feitos de cada um, novamente, acho que minha lista seria provavelmente próxima à sua. Talvez Djokovic em segundo… talvez… acho que Nadal ainda tem uma pequena vantagem, mas é discutível. Tem 3 Slams a mais, é o maior saibrista da história (provavelmente nunca será destronado), maior vencedor de RG disparado e tal… será que conta mais que todos os Masters, os 4 Slams consecutivos, 2 das 3 maiores temporadas do tênis na Era Aberta, mais semanas na liderança…? Talvez.

    A tendência é que o Djoko continue vencendo daqui pra frente, e o Nadal parece estar desacelerando. Obviamente não convém duvidar do espanhol (e nem mesmo do Federer). Mas o cenário atual leva a crer que Nole vai mesmo vencer mais que os outros dois monstros sagrados daqui pra frente. Veremos.

    Responder
  44. Guilherme Souza

    Dalcim, vc não supervalorizou o Roy Emerson não? Maioria dos títulos qdo Laver, Rosewall e Gonzalez estavam no profissional. Inclusive, os profissionais acabaram muito prejudicados nessa tua lista. Pq isso?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele era o grande adversário do Laver na fase amadora e seus títulos de Slam – incluindo as duplas – tiveram campanhas muito dignas (Stolle, Ashe, Newcombe etc). Foram 18 anos de carreira.

      Responder
  45. Edgard Fernando Silva

    Lista Top 10 excelente, a ordem eu mudaria. Federer nº 1 de todos os tempos!! Federer / Sampras / Borg / Laver / Nadal / ……..
    Mas ainda colocaria o Boris Becker entre os 10. Colocaria o Villas e o Guga entrem os 20.

    Responder
  46. Juliano watanabe

    Listas sempre geram intensas discussões! muito bom Dalcim! Aproveito pra perguntar: o que vc acha da declaração do Federer, de que estava jogando com problemas na mão? Podemos ter a esperança de que ele suba de nível novamente?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Isso responde por sua feição de poucos amigos durante os torneios… rsrs… O forehand é um golpe fundamental na sua estratégia e vimos mesmo muitos erros absurdos em momentos importantes. Claro que, em forma, ele é sempre grande candidato, Juliano.

      Responder
  47. Fernando Pauli

    Na era profissional masculina, em se tratando de GS, dois feitos importantíssimos a serem conquistados pelo big3 ainda são:
    1) Fechar o GS no mesmo ano.
    2) Ter pelo menos dois títulos de cada GS na carreira.
    Quanto ao item um, o único que possui é Laver, por enquanto. Essa conquista para mim é a mais difícil de acontecer, para Federer e Nadal as chances são quase zero, já para Djoko as chances são promissoras se o fizer nos próximos 3 anos, daí em diante começa a ficar mais complicada. E quando essa lendas não tiverem mais em atividade, não vejo agora um tenista que possa alcança-la, teremos que esperar o surgimento de um tenista que tenha as qualidades próximas dessas lendas.
    Quanto ao item dois, nenhuma pessoa foi capaz de realizar (era profissional). Nadal foi quem chegou mais perto em 2017, quando vencia Federer por 3 a 1 no quinto set no AO. Bem, agora as chances são mais favoráveis ao sérvio, basta que vença RG ano que vem ou no próximo, alguém duvida? Já para Nadal vencer AO com Djoko em plena forma é bem mais difícil, mas não improvável para os próximo 3 anos. Agora para Federer a tarefa de vencer mais um RG é quase zero, muito, muito distante. Esse feito será um grande passo para a briga entre eles pelo título de GOAT.

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Seriam dois feitos espetaculares!
      Fechar o Grand Slam é dificílimo.
      Quanto a conquistar pelo menos dois títulos de cada GS na carreira, acho mais viável.

      Responder
      1. JOSIAS FERNANDES DE AVILA

        Connors poderia e deveria ter fechado o GRAND SLAM em 1974, pois venceu o AO, Wimbledon e US OPEN, mas foi impedido de participar de RG. Infelizmente.
        Connors and Goolagong
        World no. 2 Jimmy Connors and Evonne Goolagong were banned from playing in the 1974 French Open by Philippe Chatrier, president of the French Tennis Federation (FTF), because both had signed contracts to play in the World Team Tennis league in the United States.[a][6] The schedule of the inaugural edition of the World Team Tennis conflicted with the dates of several European spring tournaments including the Italian and French Open. Both players had won the singles title at the 1974 Australian Open and were thus denied the opportunity to play for the Grand Slam that year.[b] Connors and Goolagong filed a suit at a French court seeking the right to participate but this was rejected on the grounds that there was no need for emergency action.[7] In September 1974 they sued the FTF seeking $200,000 in damages each as compensation for the ban.[8][9] This wouldn’t be until the 2017 French Open that both of the defending champions of that year’s Australian Open also absent from the competition.”

        Responder
  48. ALBERTO MARIANO DA SILVA

    Excelente Lista. Eu via Novak a frente de Nadal antes da contusão dele em 2016, após o Nadal fez uma campanha perfeita, neste hiato de 2 anos do Sérvio, mas creio que essa segunda leva o Novak vem forte e passa Nadal, creio que Federer (tipo um Pelé no futebol ou até mesmo um Michael Jordan no basquete, bem complicado de aparecer essa genialidade) não vai rolar, a nova geração está vindo muito forte, como você mesmo já disse em outros posts, creio que vai engolir esse top 3 que está hoje em pouco tempo.

    Responder
  49. Alexandre Camargo

    Dalcim, boa tarde!
    Belo top 20!! Gostei de ver meu primeiro ídolo no tênis, Mats Wilander, entre suas escolhas dos maiores de todos os tempos. Termiinou o ano de 1988 com três Grand Slams conquistados e a liderança do ranking. Salvo engano, ele dissse que seu mental não suportou tamanha conquista e os resultados bons foram diminindo.
    De todo modo, penso que qdo comemorar 30 anos do TenisBrasil, sua lista com os 30 maiores da hiistoria poderá ter meu atual ídolo, Djokovic, com número1!!
    Feliz em ver Sampras no top 5!! Abç

    Responder
  50. scott

    Só errou feio quando colocou Djoko em terceiro e não primeiro. Para mim é um fato. É só ver confrontes diretos e, principalmente, relação vitórias/jogos de cada um, ou verificar quantos jogos cada um precisou para conquistar cada título. (só aí , já dei três exemplos.).
    Grande quantidade destes resultados do Federer ocorreram quanto Nadal e Djoko nem jogavam no circuito – muito novos!
    Outro dado relevante: quando todos estavam na melhor forma técnica e física, Djoko e Nadal tinham larga vantagem visível contra Federer.
    Prefiro Federer e sou fã, mas Djoko é melhor!
    Abçs

    Responder
    1. Chileno

      Eu discordo bastante. Djokovic tem poucas vitórias a mais que Federer nos confrontos, e a maioria dos confrontos ocorreu em período vantajoso para o sérvio. Não dá pra falar em “jogos no auge” entre Federer, Nadal e Djoko, porque o suíço é 5 anos mais velho. No auge de Federer, de 2005 a 2008, aproximadamente, Djoko e Nadal ainda não estavam no auge. O espanhol eu acho que seu auge junto com o Federer por um breve período, ali entre 2008 e 2009. Nole já demorou um bocado mais, e o auge do suíço já tinha passado. Se você for ver, até 2010, o confronto estava 12 a 6 para o suíço. De 2011 em diante o sérvio foi equiparando o duelo, e de 2013 pra cá ele tem vencido mais que perdido. Mas se você levar em conta que, a grosso modo, eles se enfrentaram 18 vezes num período favorável ao suíço e 28 vezes num período favorável ao sérvio, e ainda assim, Djoko tem apenas 2 vitórias a mais, acho que a vantagem no confronto direto fica minúscula frente ao maior número de semanas na liderança, maior quantidade de Slams, maior quantidade consecutiva de semanas na liderança, mais Finals, recordes da Era Aberta em 3 dos 4 Slams, etc. Djoko é imenso. Indubitavelmente um dos maiores jogadores de todos os tempos. Mas Federer (ainda) é maior.

      Responder
    2. Marcelo-Jacacity

      Scott,

      Discordo totalmente que o sérvio pudesse estar em primeiro nessa lista. Por ora, não há cabimento. Quem sabe daqui há alguns anos. Vamos ver.

      Responder
  51. Ezio Araujo Ribeiro

    Minha modesta opinião, acho que Andy Murray teria um lugar.. já conquistou 47 títulos de torneios ATP, sendo que 45 foram em simples, 11 finais em Grand Slam com 03 títulos ( 02 Wimbledon, 01 us open), 14 master 1000, Ganhou 03 medalhas olímpicas (2 ouros e 01 prata)

    Responder
  52. Fernando Pauli

    Sobre o Top 5, a lista está perfeita, Laver foi um assombro sem dúvidas, porém temos que analisar os fatos e não “o que aconteceria se…”. Isso posto, Laver tomou suas decisões à época sabendo das regras vigentes! Sampras nunca sequer fez uma final no saibro em Paris e parou aos 31 por que quis, já que ganhou o US Open antes de parar. Quis parar por cima? Não estava mais a fim de jogar? O fato é que parou por sua conta e risco. Agora sobre esses três gênios, não há o que falar! Os números que eles possuem já são superlativos sobre os demais tenistas, e jogando juntos há pelo menos 13 anos, e ainda não param, sendo que um deles tem mais um ou dois anos pela frente e os outros pelo menos 5 anos ainda.

    Responder
  53. tercio battista

    Muito legal essa lista mestre!!! seria legal uma lista por tipo de piso tb… ai quem sabe nosso Guga entraria…. e o rafter tb…. abs!!!

    Responder
      1. Miguel BsB

        Top 20 do saibro:
        1 – Nadal
        2 – Rafael Nadal
        3 – Rafael Nadal Parera
        4 – Rafa Nadal
        5 – Touro Miura
        6 – Borg
        7 – Villas
        8 – Gustavo kuerten

        Responder
  54. José Eduardo

    Aqui vão algumas críticas à sua lista (construtivas)
    1- Nadal e Djokovic conquistaram números incríveis , mas colocá-los à frente de Borg, Sampras, Connors, McEnroe e Lendl, é ignorar o contexto vivido.
    Não dá para simplesmente desconsiderar a diferença de material( cordas, raquetes), visto que sabemos que a dimensão das raquetes e os tipos de cordas fazem com que baste ao jogador, hoje, chegar na bola, com boa condição física, para que consiga responder com qualidade, algo impossível na época dos outros do passado. Nadal, Djokovic e a imensa maioria dos que atuam hoje, cujo estilo é idêntico, jamais teriam o mesmo sucesso nos pisos rapidíssimos do passado, usando raquetes de madeira ou mesmo de fibra de vidro.
    Listas são completamente subjetivas, claro, mas não podemos ignorar o fato de que os três primeiros de sua lista atuaram numa época em que os pisos realmente rápidos foram extintos. Por exemplo, a grama onde Djokovic e Nadal venceram é quase um outro piso, os Masters series em ‘pisos rápidos’ são disputados em quadras muito mais lentas que antigamente.
    2. Agassi é réu confesso, torna-se difícil mensurar sua importância histórica.
    3. Para comparar Borg com os demais, o correto seria averiguar os números que esses outros conseguiram até os 25 anos de idade.. e, também, considerar que Borg ganhava na grama rapidíssima e indoors rapidíssimos, condições inexistentes hoje em dia, com raquete muito mais pesada e amplitude quase igual de uma raquete de tênis de mesa.
    4. Ao realizar uma lista classificatória, no tênis, penso que devemos considerar, também, o jogo em si, não apenas os números. Becker, por exemplo, foi imensamente mais completo que Wilander, Nadal, Djokovic e até mesmo o grande Lendl.
    5. Vilas não pode ficar de fora de uma lista de 20 melhores.

    Responder
    1. Fernando Pauli

      Você é muito subjetivo nas suas comparações, usa muito o termo se. Por isso essas suas análises são completamente furadas. O objetivismo e se a ter aos fatos são muito importantes quando se trata de análise imparcial.

      Responder
    2. Thiago Silva

      A menos que você seja Deus, ou alguém com poderes de adivinhação, é muita presunção fazer uma afirmação como essa:

      ” Nadal, Djokovic e a imensa maioria dos que atuam hoje, cujo estilo é idêntico, jamais teriam o mesmo sucesso nos pisos rapidíssimos do passado, usando raquetes de madeira ou mesmo de fibra de vidro.”

      Transpor pessoas pra outras épocas só serve de mast. mental.

      Responder
    3. Marco

      Grandes jogadores se adaptam as condições.

      Não se pode punir o espanhol e o sérvio por que não nasceram antigamente ou pq a tecnologia evoluiu. Por favor né.

      Desculpa, mas estes seus pontos são mt ruins.

      Responder
  55. Marcelo Bragatto

    Mestre,

    A ATP fez alguma mudança de regra nos anos 2000 que influenciasse na velocidade do jogo?

    Há muito tempo li um post do Fino e lá ele citava “mudanças feitas pela ATP em 2008”.Foi algo referente a velocidade do jogo. Não lembro se citava apenas as quadras ou coisas que envolviam os materiais (raquete e bola). Pode ser que esteja enganado.

    Parabéns pelo trabalho! Que venham mais 20 anos e você continue compartilhando todo seu conhecimento e opinião sobre o Tenis. Não quis criar o grupo “menção honrosa” ? Alguns jogadores como Villas e Murray talvez merecessem.

    Forte abraço!

    Responder
  56. Mateus Sousa

    Acho a lista muito boa, mas eu gostaria de reclamar de um ponto: vale a pena frisar que a lista trata só de tenistas homens. Nomes como Serena, Venus e Steffi Graf entram no top20 fácil. De fato, apesar de aceitar sem reclamar, eu tenho dificuldade de colocar o Federer na frente da Serena sem pensar algumas vezes.

    Responder
  57. Sergio

    Na minha opinião, Federer é o melhor de todos os tempos, sem discussão. No auge venceria qualquer jogador em quadras rápidas. No auge, porém, perderia de Nadal no saibro. O espanhol é o maior saibrista que já existiu, sem comparações. Djokovic apesar de não estar no nível destes dois tem um poder mental incomparável. Não vi alguns dos nomes que atuaram nos anos 80 pra baixo, mas dos que acompanhei, jamais vi alguém tão forte e consistente mentalmente. Poucos conseguem destruir uma raquete e jogar como se nada tivesse ocorrido no game seguinte. Pena ser muito catimbeiro, principalmente, com os tenistas mais fracos tecnicamente. De qualquer forma, são os 3 grandes de todos os tempos. Jogadores como Murray, Roddick, Safin, Hewitt, teriam mais de 5 GS na conta se tivessem jogado em outras épocas.. Mas nessa, não tem chance para a concorrência.

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Todos os que você citou o consideram o Melhor de todos os tempos. Inclusive Laver. Você os viu mesmo jogar em seus Auges ? Não dariam nem pra saída , caro Josias rsrsrs Abs!

        Responder
  58. Thiago Silva

    Infelizmente também acho que o Cotonete tem tudo pra superar o Rafa em números, quem sabe já no ano que vem, se o Nadal não vencer RG.
    E se passar o Nadal ano que vem, é muito provável que na lista de 30 anos do blog ele esteja na primeira posição, dificilmente não baterá os recordes do Federer.

    Responder
  59. Carlos Henrique

    Dalcim, sei que a lista é sua rsrs, mas e o Murray? Ele é contemporâneo aos três primeiros e impediu que cada um deles inflasse ainda mais sua vasta coleção de títulos.
    Além de 3 slams, tem 2 ouros de simples, 1 finals, uma temporada de número e 41 semanas como número 1. Sem contar o considerável número de masters 1000.
    Forte abraço e quem venham mais 20 anos de tênis Brasil!!!

    Responder
  60. Adriano Pires

    Mais uma excelente lista Dalcim!

    todos os maiores “suspeitos” estão lá no Top10 (acho que todo mundo tem os mesmos, tirando talvez o Edberg). É natural que a ordem possa variar um pouco, a depender do peso subjetivo dados aos critérios, mas, são sem dúvida os grandes nomes que, ao longo da história viraram consenso e foco de toda nossa admiração. Fica claro também como é emocionante a atual era do tênis onde Federer, Nadal e Djokovic nos enchem os olhos e fazem história mês após mês. A gente vai sentir falta quando estes caras pararem, aí se vai…

    Eu gostaria de saber que peso você dá aos 15 títulos de Pro Slam do Ken Rosewall? Achei que, junto com a sua longevidade, talvez ele poderia estar mais alto na sua lista. E também o que você acha da carreira de Pancho Gonzales e como você o classificaria (tendo em mente, claro, o que você falou sobre a era amadora)?

    Abraços e continue o excelente trabalho!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não dá para misturar esses torneios pré-1968 porque além de tudo eram tenistas convidados e já houve muita discussão sobre até que ponto alguns jogos eram até ‘arranjados’. O Pancho jogou pouco como amador, foi grande destaque nesse circuito profissional paralelo e ainda conseguiu disputar os primeiros anos da Era Open, fazendo um duelo histórico contra Charles Pasarell em Wimbledon.

      Responder
      1. Adriano Pires

        Não sabia destas questões (mais obscuras) envolvendo estes torneios. As vezes penso que (quiça) só listas pós Open Era fazem sentido… Obrigado pela informação!

        Responder
  61. EDSON MIYOSHI

    Excelente lista, concordo com quase todos os 20, na minha lista entrariam Courier, Murray e Hewitt.
    Estava aguardando a lista, com quase certeza de que o Guga estaria na lista, e para mim 2 surpresas positivas, a total imparcialidade do bloguista e a sua coragem em não coloca-lo por ser o maior tenista brasileiro e também pela qualidade dos comentários, nenhum pachecão reclamando da ausência do Guga.
    Quero deixar claro que não tenha nada contra o Guga, um excepcional tenista, entraria com certeza na lista dos top 30, mas com currículo inferior aos 20 do bloguista mais os 3 que citei no início.

    Responder
  62. Renato

    Se formos falar em 20 MELHORES de todos os tempos, Federer ficaria bem a frente dos demais, enquanto Novak e Nadal brigariam para ficar entre os 10 melhores. Talvez.

    Responder
    1. Marco

      O melhor que é dominado pelos seus adversários nos embates entre eles?
      Menos.

      O suíço é maior, mas não melhor. Ele não venceria todos os adversários na maioria das vezes.

      Responder
    2. Chetnik

      Olha aí um exemplo do que eu falei, kkkk. E esse transtorno de bipolaridade? Amanhã ele volta a falar que não mais desrespeita o Djoko e o Nadal, que deixou o ódio pra trás, Kkkkk.

      Responder
    3. Jonas

      Se a lista fosse entre os MELHORES, Federer estaria abaixo de Novak e principalmente do Nadal. O espanhol tem uma superioridade clara no Head to Head, dominando amplamente os confrontos inclusive nos Slams. Além disso, Federer nunca derrotou Nadal em Roland Garros, nunca o levou a um mísero quinto set e ainda foi derrotado pelo espanhol na final de Wimbledon 2008; o suíço havia sido varrido de quadra semanas antes em plena final de Roland Garros. Caso perdesse para Nadal na final do Ao 2017, o vexame seria ainda maior, pois ficaria ainda mais claro tamanha superioridade. Quanto a Novak, além do Head to Head a favor do sérvio, pesa a recuperação diante de um quadro tão desfavorável até 2011, pois Djoko era freguês de carteirinha. De 2011 pra cá, Djokovic é mais jogador que Federer, o suíço é freguês em finais e não consegue derrotar o sérvio em slams desde Wb 2012.

      Penso que se Djokovic seguir motivado, deve superar Federer e Nadal, quando então será MAIOR e MELHOR que ambos.

      Responder
      1. Fábio Marques

        H2H é apenas um fator… E vc precisa colocar em perspectiva. Nadal é muito superior no saibro… mas perde em outros pisos (no indoor, de lavada). Eu diria que ele teve um pouco de sorte de não ter jogado muitas partidas contra o suiço na grama. Quanto à Djokovic, como vc mesmo pontuou, levava uma surra no H2H até 2011 (quando Federer já beirava os 30). Depois veio o auge de Nole e Federer desceu de nível, natural (mesmo assim, Federer obteve muitas vitórias sobre o sérvio, incluindo 3 em 2015, para muitos o melhor ano de Djoko). Enfim, a coisa não é tão simples como matemática, e 5 ou 6 anos a menos nas pernas fazem sim muita diferença, principalmente à partir de certo ponto.

        Responder
        1. Marco

          Mas as vitórias do Federer foi contra um Novak começando no circuíto, ainda não maduro, então não tem desculpa, mesmo por que tecnicamente o suíço só melhorou, como mostrou o backhand do ano passado, embora se o sérvio tivesse jogando provavelmente não teria vencido os torneios que conseguiu.

          Responder
    4. Marcelo-Jacacity

      Renato,

      Federer é o primeiro da lista, concordo totalmente. Mas não é porque ele é seu Deus, que o Nadal e Djokovic são tão inferiores.
      Você acha que o suíço é o tênis e isso basta. Vou fazer o quê?
      Bom, melhor deixar pra lá.

      Responder
  63. Miguel BsB

    Sei que não cabe, apesar dele ter entrado na recente lista dos top 20 da tennis.com, que acho só englobava o período profissional, mas, por gosto pessoal, Stan the Man Wawrinka entra lá em 20,ou como o Dalcim fez nas outras listas, menções honrosas…
    Aliás, já que vc abriu os parenteses das menções honrosas nas outras listas, vou fazer uma pra esse top 20: Andy Murray, Stan Wawrinka e Gustavo Kuerten, o que acha mestre Dalcim? Merecem? Rs

    Responder
  64. Nova geração tênis vem forte

    Dalcim vc como intende de tênis .. e grande fã desse esporte ………. Não sei se vc conhece mais comece a acompanhar Félix auger tenista de recentemente completar 18 anos muito técnico …….. Lembra kyrgios mais com condicionamento físico melhor e mais compremetido olha ano que vem já vai estar brigando por top 30 e das revelações que tenho visto e a melhor até melhor que Borna coric gravem esse nome rapaziada Félix auger o tênis sobrevive

    Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Falando nele, Felix tomou um pneu do Fucsovics, mas também meteu um 6/1 no 41 do mundo. Perdeu por 2 sets a 1. Está na luta pra se tornar o primeiro top 100 nascido nos anos 2000. A briga está restrita entre ele e o alemão Molleker, que vem muito atrás no ranking.
        Falando em jovens, o que está acontecendo com Shapovalov? Está apanhando de todo mundo.
        Abs

        Responder
  65. Carla Araujo

    Que interessante. Quer dizer que dentre os seus “20 melhores da história” não tem uma única mulher? Mesmo que uma delas tenha mais Slams do que o primeiro colocado? Então tá bom…

    Responder
      1. Carla Araujo

        Realmente, não acompanho o blog, então não vi o post com as melhores tenistas. Me prendi ao fato de você ter escrito “os 20 melhores tenistas da história”, sem especificar o gênero. Apenas hoje voltei ao site paraver outro post, e apesar das respostas desnecessariamente grosseiras que recebi dos demais, peço desculpas pelo meu comentário também desnecessariamente irônico.

        Responder
    1. benjamin button

      Brasileiro tipico esse… adora sair opinando sem ler nem entender nada de nada…. mas opinar (leia-se chutar) eles adoram… Bem feio, foi querer bancar o bonitao e se lascou…

      Responder
  66. Luiz Ferreira

    Dalcim, belo post.
    Porém, me permita discordar com a posição do Wilander e Becker.
    Em minha modesta opinião, Becker está, sem nenhuma dúvida, a frente de Wilander.
    Vou lhe provar com números, ok?

    – Vitórias na carreira
    Becker = 713
    Wilander = 571

    – Porcentagem de vitórias na carreira
    Becker = 77%
    Wilander = 72%

    – Títulos na carreira
    Becker = 49
    Wilander = 33

    – Finais na carreira
    Becker = 77
    Wilander = 59

    – Títulos de Slam
    Becker = 6
    Wilander = 7

    – Finais de Slam
    Becker = 10
    Wilander = 11

    – Vitórias em Slam
    Becker = 163
    Wilander = 144

    – Porcentagem de vitórias em Slam
    Becker = 80,3 %
    Wilander = 79,6 %

    – Vitórias contra TOP 10 na carreira
    Becker = 121
    Wilander = 62

    ** Você disse em seu post que o problema do Becker, foi que não brilhou no saibro.
    Ok, concordo … porém, Wilander nunca brilhou na grama.
    E se formos comparar Becker no saibro com Wilander na grama, os números de Becker são muito melhores. Veja abaixo.

    – Becker em Roland Garros = 3 semifinais + 1 quartas de final
    – Wilander em Wimbledon = 3 quartas de final

    – Becker tem também 3 finais em Monte Carlo e 1 final em Roma

    Dessa forma, Dalcim, acho que os números, no geral, são bem melhores do Becker.
    O único item que o Wilander ganha é na soma de títulos em Slam, mas com uma margem mínima de apenas 1 título a mais e também uma final a mais, ou seja, em Slam são praticamente iguais.
    Mas no restante dos itens, o Becker sobra.
    O que acha de trocar a posição do Wilander com o Becker ?

    Responder
    1. Henrique Vianna

      O Mats Wilander brilhou na grama.

      Dois dos Australian Open foram na grama.

      Ele ganhou pelo menos 2 em rápidas, 2 na grama, e duas no saibro.

      Algo inédito.

      Se não me engano o Wilander iria pegar o voo que foi para Lockerbie e foi derrubado por terroristas e cancelou.

      Responder
  67. Sérgio Cipriani

    Mestre Dacim, o que dizer de uma lista dessas?! Eu teria apenas uma ou outra discordância do top 11 pra baixo, mas com esse top 10 impecável, nem vou tecer qualquer comentário…. rs São os três melhores jogadores de toda a história e ainda duelando entre si… Fantástico terem sido reconhecidos assim ainda na lida… Esse sérvio é fantástico mesmo: Se terminar o ano forte, irá igualar os 33 Masters 1000 de Rafa, vai ser uma ameaça série às 310 semanas de Roger; vai igualar as 5 temporadas como n1 do suíço e os 6 finals do helvetico também…

    Responder
  68. Viana

    Lista muito boa!!
    E o q eu sempre disse aqui: esses 3 gênios tem q ser reverenciados mesmo!
    Federer, Nadal e Djoko!
    Os três estão muto próximos! HOje vejo o Federer acima pelos Slans, semanas na liderança… Mas tudo pode mudar!
    E o Djoko vem babando pra cima do Nadal e do Federer!!
    Torcer pro Fedex e pro Nadal estarem bem fisicamente!!
    Ano q vem promete, esse acho q o Djoko vai levar tudo!!

    Responder
  69. Roger Pacheco

    Dalcim, quantos excelentes tenistas ianques na lista! O que aconteceu com o tênis masculino dos Estados Unidos? Algum prospecto ou os tempos de “seca” irão perdurar? Abraços.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, houve um grande domínio. E ainda tivemos Courier e mais atrás o Roddick. Acho que eles estão com uma nova geração promissora, que enfim valoriza os golpes de base e a movimentação lateral, frutos do tênis moderno.

      Responder
  70. Flávio Barroso

    Dalcim concordo com você. Federer, Nadal e Djokovic são os três maiores tenistas de todos os tempos!!!!! Também concordo que Novak esta quase passando Nadal. Só ainda não passou devido ao fato do Nadal ser magnífico no saibro. Aí seus números de Slams e Masters 1000 serão sempre altos.

    Responder
      1. Helder Sá

        hahahaha! Coisas do sono, Dalcim. Mil perdões.
        Essa lista dá uma boa noção do que vivemos atualmente. Os três primeiros em atividade. Que privilégio ver uma geração dessa.

        Abs

        Responder
  71. Waldir Pena

    Bom dia Dalcim, parabéns pelo excelente trabalho ao longo dos anos e pelas recentes analises dos melhores em vários aspectos.

    Gostaria de ver sua opinião a respeito do estilo de jogo do Agassi e do Djokovic. Penso que os dois se assemelham muito.

    Abraco

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      São gerações diferentes, mas existe sim boa semelhança. Acho no entanto que Djokovic evoluiu mais na variação de golpes, principalmente no jogo de rede, slice e deixadinhas, algo que falou muito ao Agassi. Obviamente o americano batia muito mais chapado na bola. Vale registrar que o norte-americano imortalizou o swing-volley.

      Responder
  72. Rubens Leme

    É a clássica lista dos cinco primeiros (Federer, Nadal Laver, Borg e Sampras) acrescida do Djokovic que já fazia, há tempos, por merecer estar neste meio. Dançou o sueco com números mais modestos por causa da parada prematura. Justo.

    E, por uma questão de justiça histórica, colocaria o Roy Emerson à frente do Agassi. Mas, fora isso não tem o que discutir.

    Agora vale uma de duplas, nem que seja “os 20 mais” contando homens e mulheres. E desde que ela comece com McEnroe/Fleming e Navratilova/Shriver… rs. Nada de irmãos Bryan.

    Faça a sua, Dalcim!

    Responder
  73. Luis Alves

    Oi Dalcim, ótima lista, mas eu colocaria Guillermo Villas nela, tem muito mais vitórias que Nadal no saibro, e um dos tenistas com maior número de vitórias no geral.
    Parabéns pela iniciativa e por nos ensinar muito sobre esse esporte maravilhoso.
    Abraço!

    Responder
  74. JR

    Concordo com seu critério e com o top 10. Federer pela figura que “foi” não pode figurar fora do número 1. Não fosse Federer talvez Nadal não tivesse o mesmo brilho.

    Critério esse usado que se fizermos um paralelo ao futebol, sem bairrismo, deixaria Pelé fora das 3 primeiras colocações.

    Responder
    1. Eduardo Lambiasi

      O contrário também pode ser dito.
      Mas quanto a lista, concordo plenamente com o Dalcin, que certamente conhece o esporte melhor que nosotros e que
      coloca os três gênios da atualidade como os melhores da história.

      Responder
  75. joão roberto

    Acho que como a maioria dos brasileiros , acompanho mais o tênis após a era guga e com as transmissões do sport tv, principalmente com dácio campos e eusébio resende. Mas lembro bem dos idos de 1970, o luciano do valle, narrando finais do mcenroe e do borg. Concordo com essa lista dos 20 maiores, principalmente sendo feita por gente que entende e bem do assunto. Parabéns.

    Responder
  76. Luiz Fernando

    No momento concordo com o exposto, inclusive com a tendência de Djoko avançar, mas se o Dalcim pensa na subida p o segundo lugar eu vislumbro q alcance o primeiro…

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Boa, Luiz Fernando!

      Ultrapassar Nadal é plenamente factível. Porém, passar o Federer é muito difícil e improvável.
      Para abrir discussões o Djokovic precisa vencer ao menos três Majors ano que vem, pois não há muito mais tempo.
      Daqui a uns três anos alguém novo vai aparecer ou a atual NextGen vai de fato brigar e ganhar Slams.
      O sérvio já perdeu praticamente dois anos importantes de meados de 2016 ao início de 2018.
      Portanto, o Djokovic precisa fazer o serviço de maneira rápida, caso contrário será tarde demais.

      Responder
  77. Alan Pereira

    Grande Dalcim,

    Parabéns por esse longo período divulgando um esporte que é pouco valorizado pelo Brasileiro.

    Que lista espectacular,mas com esta lista, está provado que não existe B4.

    Atualmente, estou vivendo na Espanha e como o povo adora o Nadal, é incrivel, mas sempre reconhecem os Monstros Nole e Roger , o povo aqui poderia aprender um pouco com os espanhóis.

    Obs: se até você acha que o Nole ta chegando no Nadal ( eu acho que já rola um empate técnico by Ibope/Datafolha..rsrsrs) quem sou eu para discordar.

    Responder
  78. Leandro Santos

    Parabéns e vida longa ao blog, Dalcim!
    Admiro sua coragem ao entrar num tema tão polêmico, mas vejo que lhe sobra propriedade.
    Sou fã do Djokovic e concordo com a lista, somos afortunados em viver nesta época com estes 3 gênios, nos resta aguardar os próximos capítulos…..
    Abraços!

    Responder
  79. Nova geração tênis vem forte

    Boa lista mais colocar Djokovic e Rafael Nadal a frente de Pete Sampras não dá para imaginar .. dalcim vc não olha o aspecto técnico o talento? Pq Pete Sampras parou aos 31 anos todos sabemos que teria muito mais títulos ……… E outra o físico naquela época não era tão exigido se Pete Sampras nascesse na época de Djokovic iria correr muito tbm e defenderia muito tbm .. acho que tem que analisar a técnica pq o físico é claro que com passar dos anos vai evoluir acho que muitos analisam só títulos se fosse assim Cruyff do Stefano até Lionel Messi que não ganha nada na seleção estaria longe dos maiores mais sabemos que não estão pra oque importa é talento .. será que Djokovic dominaria tanto se Rafael Nadal não convivesse com lesões ? Será que Rafael Nadal dominaria se Federer fosse da mesma idade e certamente correria mais e tbm defenderia muito? Claro que não acho que Rafael Nadal e Djokovic pegaram épocas que estavam mais fáceis

    Responder
      1. Fernando Pauli

        “Nova geração tênis vem forte” tem nome? Sua defesa em Sampras não procede, tanto pelo saibro como pelo número de “se” em seu texto.

        Responder
  80. Sergio Penedo

    Feliz por ver que meu top10 tem 9 nomes do seu… a única diferença foi não ter incluído Villas, que apesar de poucos títulos de GS era assombroso no H2H… senti falta também de Arthur Ashe e Nastase no top20… Abraços!

    Responder
  81. DANILO AFONSO

    Dalcim, seria exagero afirmar que esses últimos 3 meses fez NOVAK salta de 6º ou 7º da lista para 3º lugar ?

    Podemos afirmar que NOVAK é o melhor jogador desta década ???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, desde que conquistou Roland Garros e somou os quatro Slam ao mesmo tempo acredito que Djokovic ganhou seu direito ao top 5. É um feito espetacular, ainda mais numa geração de Federer, Nadal, Murray e Wawrinka. Sim, se pensarmos em suas campanhas desde 2011, acho que tem sido o grande destaque.

      Responder
  82. Marco

    Caramba, tenho que parabenizá-lo pelo trabalho que realiza no blog e tb pela coragem de fazer uma lista dessas.

    Bom, eu costumo separar melhor de maior, não acho o suíço o melhor jogador, mas acho plausível (ATÉ O MOMENTO) considerá-lo o maior.

    1 – Acho complicado situar o Laver nesse ranking, o cara tem 11 Slams e isso pq ficou impedido de jogar por 5 anos, e seria sua época de auge, imagino que todos os recordes seriam dele até mesmo nos dias de hoje. Sem falar que em questão de façanhas ele tem a maior.

    2 – Federer tem grande importância para o esporte, é o grande embaixador do tênis, disso não temos nenhuma dúvida e isso é um aspecto a favor dele nesse ranking. Só acho que a distância dele para os outros dois não seja a de números de Slams ou mesmo número de semanas como número 1 do mundo. Djoko e Nadal sempre competiram entre si e com Federer (Murray tb, embora em grau menor), já o suíço deve partes desses números a um período sem uma concorrência desse nipe, então creio que deva-se relativizar bem essa questão.

    3 – Não acha que o Murray merecia um lugar nesse top 20 aí? Ok, ele não tem números como os caras listados, mas a concorrência que ele tem nenhum dos outros teve na carreira inteira, simplesmente enfrentou os 3 maiores da história (conforme sua classificação), mesmo assim tem 3 Slams, 2 medalhas de ouro olímpicas, Finals e chegou a liderar o Ranking por certo tempo. Pensei que vc encontraria lugar para ele nesse ranking.

    Enfim, bom trabalho e que o blog permaneça por mt tempo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pois é, Laver sempre será um capítulo à parte, mas não podemos ponderar sobre algo que um tenista não fez. No entanto, seu estilo e sua versatilidade são indiscutíveis.

      Responder
  83. JOTAT10

    Com todo o respeito a lista, talvez não tenha visto muitos desses mais antigos jogarem, mas por vocês saberem da história deles acredito a preferência escolhida pelo colunista, mas eu incluiria o Gustavo Kurten nessa lista, como a saudosa Maria Esther Bueno entre as 20 melhores Femininas do Tênis se um dia for feita aqui, tamos juntos nessa.

    Responder
  84. Ricardo Costa

    Parabéns pela lista, Mestre Dalcim! Espero que tenha seguido meu conselho de usar colete à prova de balas! Em breve esta lista deverá ser atualizada com Djoko em segundo. Quanto a Murray, não caberia nesta lista com seus dois títulos olímpicos além dos seus três Grand Slams?

    Abraço!

    Responder
  85. Vladimir

    Oi Dalcim… parabéns pela lista, na verdade esse é o tipo de assunto que sempre irá gerar uma certa polêmica! Rsss, mas certamente não tem como fugir muito disso.
    Porém um nome que eu certamente iria incluir, e tenho certeza de que ele só não foi considerado como um dos grandes na história por ter surgido exatamente na época do federer que foi o Hewitt. Eles tem a mesma idade, começaram no circuito praticamente juntos, nadal e djoko vieram depois.

    O Hewitt certamente teria vencido mais majors, se não fosse o federer, basta ver o número de finais que eles jogaram, e o número de semanas que ele esteve como número 1. não sei se vc concorda mais vai uma menção honrosa a ele.

    abraços.

    Responder
  86. Chetnik

    Não que o Dalcim tenha a palavra final sobre o assunto, mas ver o Djoko ser colocado em 3a, me faz lembrar algumas das atrocidades que eu já li aqui a respeito do Djoko…esse pessoal deve ter bastante vergonha do que já escreveu – pior que eu acho que não tem.

    Bem, tenho certeza que se você fizer uma painel com a opinião de outras pessoas envolvidas com o tênis, a maioria também vai colocar o Djoko entre os 3.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Novak chegou entre os três por seus próprios méritos, caro Chatonick rs . Esses dois últimos SLAM , alcançados após os 31 ( nem Laver , nem Sampras conseguiram ) não deixam dúvidas. E’ bem possível que bata muitos Recordes de Federer ainda. Quanto a MAGIA , aí são outros quinhentos… Abs!

      Responder
  87. Alexandre

    Lista brilhante Dalcim. Parabéns!
    Só voto pelo Djoko na frente do Nadal. Mesmo que termine a carreira com menos slams , o considero melhor e mais completo que o espanhol.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não fiz uma lista além do top 20 para a Era Profissional, mas imagino que ele entraria sim no top 30 com seus Slam, Finals e 43 semanas de liderança.

      Responder
  88. Nando

    Mestre, e pensar q nessas 10 finais seguidas de Slam do Federer, ele só perdeu duas (RG2006 e RG2007)…se tivesse vencido elas, seria ACLAMADO por tds, sem dúvidas nenhuma e sem discussões, como o maior da história.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa , Nando . Isso se discute ainda aonde ? No grupo da Wats ? Se alguém chegar no seu nível aos 37 , aí pode ser. Mas e’ tarefa pra lá de complicada. Rafa Nadal que o diga… Abs!

      Responder
    2. DANIEL

      Se ele tivesse feito a final do AOpen 2008 (parou na semi pro Djokovic) seriam 19 finais seguidas! De WB 2005 até AOpen 2010.

      Das 23 semis, entre WB 2004 e AOpen 2010, 20 foram finais. Perdia apenas para Nadal em RG e mais 2 fora de lá, 1 semi para Djokovic, 1 para Safin e 1 final pro Del Potro.

      Tirando o saibro um domínio absurdo!

      Responder
      1. Gildokosn

        Um dos maiores feitos desse gênio.
        As discussões e debates tem sua graça… mas são feitos como esse que você descreveu que não deixam dúvidas do porque Roger Federer está no top dessa lista.

        Responder
  89. Rafael

    Muito boa a lista, de todas as que já vi sobre esse tema, é a mais sensata de longe, ainda estou na torcida pra ver o Djoko alcançar os 17 Slam do Nadal, espero que o Big Three esteja inteiro por grande parte da próxima temporada, tem grandes chances de ser a última ou penúltima de Federer conseguindo disputar com Djoko e Nadal.

    Responder
  90. Marcelo-Jacacity

    Não sabia que o Edberg tinha tido carreira tão profícua em duplas.
    Tenho um Dvd do título do sueco no UsOpen de 92 em cima do Sampras. Grande vitória! E que estilo o Edberg tinha.

    Responder
    1. João ando

      Vi o edberg jogar … mas não lembrava que tinha sido número um em duplas… com quem o edberg jogava?Anders jarryd.Joaquim nystron ….eu não lembro quem era seu parceiro nas duplas?

      Responder
  91. DANIEL

    Excelente lista, Dalcim, seu top 10 coincide em 9 nomes exatamente como o meu. Só Becker achei que você colocou muito atrás, a meu ver fica ali em 12 e 13 ele e Wilander (que coloco um pouco acima).

    E uma dúvida, como eram essas turnês ou torneios profissionais alheios ao circuito que os profissionais da época jogavam antes de 1968? Quais torneios mais importantes, quem bancava, em quais países, existe estatística a respeito disso? Quase todos na grama? Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na fase mais amadora, eram jogos de exibição, duelos um contra outro. Depois viraram torneios de até oito jogadores entre sexta e domingo, principalmente sob o comando de Jack Kramer. Não há muitas estatísticas, mas existem algumas listas de campeões.

      Responder
  92. Rodrigo S. Cruz

    Dalcim,

    Eu estava vendo aqui, e não podia deixar de comentar:

    Que semana surpreendente do Ernests Gulbis.

    Saiu do qualificatório e chegou a uma final de ATP 250, depois de anos.

    E deixando pelo caminho jogadores do calibre de Shapovalov e Isner…

    Afinal que BICHO foi esse que mordeu o letão?

    (rs)

    Responder
  93. Fernando Pauli

    Simplesmente perfeito até agora. Teremos que aguardar mais uns 5 ou 6 anos, para ver se haverá movimentação no top 3.
    Concorda Dalcim?

    Responder
  94. Marcos Eloi

    Que coragem. Que lista. E pensar q os 3 melhores da historia ganharam os Slam de 2018 e lideram o ranking. A disputa continua! E pensar q o Murray liderou com os 3 na ativa. E ainda ganhou 2 medalhas douradas!!!
    Duvida: haveria lugar para os irmaos Bryan nessa lista? Mencao honrosa? Ate q ponto podemos considerar as duplas?

    Responder
  95. Marcelo-Jacacity

    E não é que o Big-3 está na frente!
    Mas aguardemos novos capítulos, pois, pode haver alteração nessa ordem.

    Dalcim,

    O Nadal possui 17 Slams + 0 Finals = 17 Títulos de primeira linha.
    Já o Djokovic possui 14 Slams + 5 Finals = 19 Títulos de primeira grandeza.

    Cabe discussão acerca da posição deles, não?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como eu disse lá no texto, a distância está cada vez mais curta, mesmo com os Slam a mais. E se Djokovic ganhar mais um Finals e terminar outro ano em primeiro, a discussão irá aumentar.

      Responder
    2. Marcelo-Jacacity

      Lendo de forma mais detida, você colocou abordou isso.
      Em vários fóruns de fora muitos já consideram o Djoko acima do Nadal. Mas não há motivo para pressa, aguardemos os próximos anos.

      E como alguns aqui já frisaram, parabéns pela coragem de entrar nessa árida superfície: a das listas, tão subjetivas, polêmicas e apaixonantes.

      Responder
      1. Marcelo-Jacacity

        O problema é que o Djokovic perdeu muitas oportunidades de possuir mais títulos de Majors, com menor índice de aproveitamento comparado à Nadal e Federer. Assim, o sérvio vai ter que correr atrás do prejuízo não podendo mais desperdiçar chances de vencer os Slams:

        Djokovic: 14 títulos em 23 finais: 61%
        Federer: 20 títulos em 30 finais: 67%
        Nadal: 17 títulos em 24 finais: 71%

        Responder
        1. Marcelo Gomes

          Pô…não diria que ele perdeu chances, pois as finais que ele perdeu, perdeu por superioridade do adversário. Seria aceitável talvez se dizer que Rolanda Garros de 2014 ele tenha vacilado, pois estava dominando Nadal naquele ano, mas as outras, tanto pra Wawrinka, quantos pra Federer, Nadal e Murray, perdeu pq os adversários foram superiores.

          Federer é que eu acho que perdeu muitas oportunidades, deveria ter uns 25 slam’s, ou mais, e uns 150 títulos, mas faltou um bom psicológico pra o suíço, coisa que Nadal e Djokovic tem de sobras.

          Responder
          1. lEvI sIlvA

            Já eu diria que Djokovic se recuperou dos 2 GS que perdeu pra Wawrinka ao levar em sequência este ano W e US Open sem grandes perspectivas como vinha no 1º semestre. Lembando que, todos davam como certo a disputa deles por Federer e Nadal que vinham fazendo um excelente 2018! òbvio que não sabemos se ele vai ganhar 2 GS em 2019, mas pode levar até mais que isso, ainda mais que anda sacando como nunca…! Abraço!

    3. Miguel BsB

      Por isso venho insistindo a uns bons anos… Passou da hora do Nadal priorizar essa conquista do finals, que é o que lhe falta na carreira. Ajustar o calendário pra chegar inteiro fisicamente pro torneio…

      Responder
  96. Arthur

    Eita, que agora arrumaste sarna pra se coçar, Dalcim, hehehe…
    Mas eu sabia que você, como apreciador da boa arte do tênis, não hesitaria em colocar o Federer como o primeiro dessa lista.
    Parabéns pelo Blog, pelo trabalho e – por que não dizer? – pela coragem de fazer listas que geralmente são tão criticadas por tanta gente.
    Vida longa ao Blog do Tênis!

    Um abraço.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *