Especial 20 anos: As maiores de todos os tempos
Por José Nilton Dalcim
15 de outubro de 2018 às 20:51

Esta semana é especial para TenisBrasil: no dia 20, completaremos 20 anos de existência. E para marcar esse momento, o Blog do Tênis publicará ao longo desta semana sua lista ’20+’: as maiores tenistas, os jogos mais espetaculares, os brasileiros, os melhores homens…

Começamos pelas 20 maiores tenistas da história. Justificarei sempre o voto nos cinco primeiros. Aguardo suas participações!

1. Martina Navratilova
Não tem tantos Grand Slam de simples como Margaret Court ou Serena Williams, nem ocupou o número 1 de simples como Steffi Graf, mas detém recordes talvez insuperáveis de títulos e vitórias em simples e em duplas, além de ter liderado os dois rankings. São 18 Slam de simples, 31 de duplas e 10 de mistas, tendo figurado na ponta do ranking por 332 em simples e 237 em duplas, sendo 200 semanas como número 1 nas duas listas. Encerrou carreira com 167 troféus de simples e 177 de duplas, sendo 84 deles no mesmo torneio. Assim, lidera também no número de vitórias de simples (1.442) e de duplas (747) na carreira. Venceu o Finals oito vezes em simples e 11 em duplas. Não bastassem tantos números, revolucionou o tênis ao montar equipe multidisciplinar e batalhou avidamente pelos direitos femininos no circuito.

2. Serena Williams
Mais velha tenista a deter todos os títulos de Slam simultaneamente, tem feitos extraordinários principalmente após os 30 anos. Em duplas também fechou o Slam não consecutivo em 2001, tendo ainda o ouro olímpico. Serena disputou final de todos os Slam em todas as modalidades, tendo vencido simples e duplas em todos e mistas em Wimbledon e US Open. É recordista de vitórias em Slam (314) e única com ao menos seis troféus em três Slam diferentes. Apesar de duas longas paradas por contusão e outra por gravidez, ficou 319 semanas como número 1.

3. Steffi Graf
Maior número de semanas na liderança do ranking (377), terceira maior coleção de títulos de Slam (23) e de troféus na Era Profissional (107). Fechou o Golden Slam ao vencer todos os Slam e o título olímpico em 1988.

4. Margaret Court
Tenista que mais ganhou troféus de Slam em simples (24) e  no total (64, sendo 19 de duplas e 21 de mistas), tem a carreira dividida entre as fases amadora e profissional. Na etapa após 1968, seus números caem para 11 Slam de simples, 10 de duplas e 7 de mistas, mas ainda são notáveis.

5. Chris Evert
Com 18 troféus de Grand Slam e outras 16 finais, tem o quarto maior reinado como número 1 e a segunda maior coleção de títulos de simples (157). Foi tetracampeã do Finals. Sua rivalidade com Navratilova é a mais significativa da história do tênis feminino.

As outras top 10
6. Helen Wills
7. Billie Jean King
8. Suzanne Lenglen
9. Monica Seles
10. Martina Hingis

As demais top 20:
11. Maureen Connolly
12. Maria Esther Bueno
13. Justine Henin
14. Venus Williams
15. Doris Hart
16. Althea Gibson
17. Maria Sharapova
18. Kim Clijsters
19. Lindsay Davenport
20. Arantxa Sanchez


Comentários
  1. jose aparecido nunes

    Parabéns Dalcim pelas análises sempre precisas sobre o mundo do tênis, continue assim. Vou deixar aqui meu comentário sobre a melhor tenista de todos os tempos, é difícil comparar mas se estabelecermos alguns parâmetros conforme abaixo podemos ter um norte:
    1. Número de títulos no geral,
    2. Númeor de títulos em GS
    3. Se tem o Grand slam (4 torneios no mesmo ano)
    4. Se tem Golden Slam
    5. Numero de título em Finals e Masters
    6. Número de títulos em Olimpíadas
    7. % de vitórias
    8. Semanas como No. 1
    9. Anos que terminou como No 1
    10.Número de adversários que enfrentou na sua geração que tinha títulos de GS
    11. Career Grand Slam (4 grand slams sem ser no mesmo ano e na sequência)
    12. E finalmente comparar todas as conquistas na mesma idade pois tem tenista que parou antes das outras, por motivos diferentes

    Quando eu faço as análises acima e comparo as conquistas aos 30 anos (quando Steffi parou de jogar por contusão) entre Steffi Graf, Martina Navratilova Chirs Evert e Serena William, chego a conclusão “by far” que a GOAT é sem dúvida a rainha Steffi Graf!!! Minha opinião, claro!!!!

    Aos 30 anos:

    Steffi Graf: 22 slams / semanas na liderança: 377 / WTA tour: 5 / Títulos: 107 / Grand Slam: 1 / Golden Slam: 1
    Martina N.: 15 slams:/ semanas na liderança: 332 / WTA tour: 7 / Títulos: 155?? / Grand Slam: 0 / Golden Slam: 0
    Serena W.: 13 slams / semanas na liderança: 186 / WTA tour: 2 / Títulos: 39 / Grand Slam: 0 / Golden Slam: 0
    Chris Evert.: 16 slams:/ semanas na liderança: 260 / WTA tour: 4 / Títulos: 148?? / Grand Slam: 0 / Golden Slam: 0

      1. Guilherme Souza

        Com aquele tênis lindo que ela jogava? Mesmo tendo feito 18 finais de GS só em simples, 14 títulos de GS ao todo (7 em simples, 6 em duplas e 1 em duplas mistas), 2 finals (os dois em cima da Evert) e tendo sido número 1 do mundo? Nossa…doeu na alma ver Sharapova na frente dela, já envolvida com doping, que nem duplas joga e berra feito louca.

        1. José Nilton Dalcim

          Não desmereço os feitos dela, mas veja que a maciça maioria de suas conquistas ou finais foram no Australian Open, que tinha baixa presença das melhores do mundo até a metade da década de 1980.

  2. Julio C Cosentino

    Evonne Goolagong – Injusto na minha visão deixar a Australiana, que foi número 1 do mundo e ganhou mais de 10 Grand Slams fora da lista e a Sharapova entras entre as 20 de todos os tempos

  3. JOTAT10

    Pra mim a nossa saudosa Maria Esther Bueno e a americana Billie Jean estão entre as cincos melhores de todos os tempos na ordem, concordo contigo que a primeira é Martina Navratilova, Serena Willians, Maria Esther Bueno, Billie Jean, Steffi Graff e por consideração eu ponho aí também a Crhis Evert eu vi elas jogarem, só Esther e a Billie eu não vi.

  4. Gabi

    Ricardo Costa,

    tem razão, assim que o Dalcim publicar a lista do masculino, o ambiente aqui se transformará num plenário!

    E o assunto vai render rsss. Mais até que o atual “e a eleição?”, que tá em todos os lugares, até na sala de espera do médico a que fui hj, onde estava apenas para tratar minhas dores no corpo, sem trocar palavras ou olhares com gente desconhecida.

    Mas logo uma paciente puxa conversa com a recepcionista. E em 15 segundos quase foi preciso colocar um de cada lado da sala. Apenas me afundei no sofá na esperança de que não me notassem. Em vão. Tem sempre alguém que não apenas quer dar opinião sobre o assunto, como exige a sua.

    1. Rafael Felicio Orefice

      Acho que a Steffi era mais técnica que a Serena. Consideremos também que ela teve problemas com lesões,teve o pai na cadeia e, mesmo assim foi a tenista que foi. Eu colocaria ela no lugar da Serena e até disputando o primeiro lugar com a Navratilova, pois era considerada a sucessora da mesma.Ao meu ver a Steffi teve adversárias mais duras em sua carreira do que a Serena, além de ser a única tenista( incluindo homens) que fez o Golden Slam – ganhando todos os slams e a medalha de ouro olímpica numa temporada, isso é extraordinário, nem Serena, nem Navratilova, nem Federer, Nadal, Sampras, Djokovic conseguiram isso. A Steffi pegou uma era que tinha Navratilova, Monica Seles,Arantxa Sanchez,Sabatini,Chris Evert… não é qualquer coisa.

      1. Gustavo

        Eu até concordo com vc e tb era grande fã da Graf. Mas convenhamos, se a Seles não tivesse tomado aquela facada, muitos números seriam diferentes. Em 1993 ela já superava a rival e teve que se afastar por 2 anos.

  5. Nando

    Parabéns Mestre…sou um privilegiado por ter “achado” esse excepcional site e blog. Já aprendi e ainda aprendo mta coisa aki.
    Vida longa ao Tenisbrasil e ao melhor blog esportivo do país!
    Qnt aos “20+”, quero ver qnd vc postar a lista do masculino kkkkkkk

  6. samuel

    Prezado Dalcim,

    Obrigado por confirmar a informações que escrevi abaixo.
    Gosto muito do site TenisBrasil e do seu blog.
    Sou leitor diário. Seus textos são belíssimos. Português impecável. Provavelmenter não concordo com todas as opiniões, certamente assino embaixo da esmagadora maioria. Parabéns!!!
    Quanto ao tênis praticado no passado, devemos respeitar todas elas, já que estamos falando de tênis feminino, mas quem joga agora não tem culpa da evolução do esporte (medicina, equipamentos, mentalidade), tem que desfrutar, para nossa sorte e alegria.

    Saudações,

    Samuel

  7. Marcelo-Jacacity

    Sharapova na lista das vinte melhores eu discordo, assim como a posição da Serena. Graff era incrível e irritantemente vencedora, pra mim a alemã foi melhor que a americana.

  8. Miguel BsB

    Caríssimo Dalcim! Tb aproveito para parabenizá-los pelos 20 anos de excelente cobertura do esporte que tanto amamos, e tão negligenciado na nossa grande mídia! Sucesso sempre e tamo junto!
    Abs

  9. Luiz Fernando

    Parabéns pelos 20 anos do site e pelo blog, sei q sou um dos q te dão trabalho mas o admiro muito. Talvez o melhor presente pelo niver do site seja a observação de q o nível das postagens e dos debates melhorou muito, em razão da colaboração de quase todos. Sua postagem recente na qual afirmou q em sua visão o tenis de Federer envelheceu, embora eu pessoalmente não concorde c isso, demonstrou a todos sua absoluta isenção p comentar, algo essencial na moderação deste espaço. Como eu sempre me interessei mais pelo tenis masculino, não vou me aventurar a dizer isso ou aquilo de sua classificação das moças, pois seria algo oportunista. Apenas gostei q a número um não seja Serena, por quem eu nunca tive simpatia, a despeito de considera-la uma tenista excepcional.

    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Luiz, e você tem toda a razão quanto à melhoria excepcional na qualidade e profundidade dos comentários. Abs!

  10. Adriano Pires Lopes

    Parabéns pela iniciativa, caro Dalcim!

    E que primeira lista excelente fomos brindados; de um verdadeiro conhecedor de tênis que admiro muito. O top 7 é irrepreensível, não mudaria nada (Martina realmente merece o Top 1, a não ser que Serena terminasse a carreira com algo ainda mais ridículo como uns 28 Slams de simples).

    Uma pergunta: não fosse o terrível acontecimento da facada, até onde você acha que Monica Seles poderia ter ido? Teria roubado mesmo muitos Slams posteriores de Steffi Graf como alguns dizem? Top 5 seria possível?

    Abraços e continue o excelente trabalho!

    1. José Nilton Dalcim

      É sempre difícil falar em hipóteses, mas acredito que ela teria vencido mais em Paris, US Open e Austrália, pelo menos mais 4 ou 5 Slam.

      1. Marcelo-Jacacity

        Diferentemente do feminino que só tem a Serena na ativa. No ranking masculino seria mais prudente aguardar uns três/quatro anos, pois o Big-3 está a todo vapor e as posições podem mudar.
        Mas vai demorar muito, então pode soltar o seu ranking masculino, Dalcim no momento que achar oportuno.

  11. Oswaldo E. Aranha

    Não vou mais responder aos frustrados e magoados, afinal devemos respeitar os sentimentos tristes.
    Mas o que quero é dar os parabéns ao Dalcim pela iniciativa da lista e ainda lhe dar uma sugestão.
    Como o tênis é um esporte que comprende eficiência, elegância e beleza, antes de passar para o setor masculino, que se faça uma enquete das mais belas tenistas, num top 5, já dando minha opinião: Ana Ivanovic, Maria Sharapova, Caroline Wosniack, Gabriela Sabatini e uma russa cujo nome agora não me lembro.
    Como estou saindo de viagem, na volta verei o resultado. Até breve

  12. Jeferson

    Parabéns Dalcim,20 anos que marca!
    Apesar de não comentar muito aqui sempre leio seus textos e análises desde 2011,ótima lista apesar de não acompanhar muito o Tênis feminino pelo jogo e sim pela beleza de muitas tenistas rsrs
    Gostei de uma sugestão que vi aqui no espaço,as 20 maiores rivalidades de todos os tempos será interessante.

  13. Eleotério Almeida

    Se a Martina Hingis tivesse mantido o foco que teve entre 1997 e 2000 e soubesse conviver um pouco mais com as derrotas sem ter o psicológico tão afetado, seria uma top 5 de todos os tempos com facilidade.

  14. Fernando Nardini Jr.

    De acordo com a maioria das leitores do blog os recordes mais importante do tênis são os Grand Slam, ATP Finals, Masters 1000, Olympics, Semana Nº1 e Terminar o ano Nº1.

    Sendo assim fiz uma contagem e para o BIG 3 dominar todos este 6 recordes a disputa esta da seguinte forma:

    Federer:

    Grand Slam: Lidera
    ATP Finals: Lidera
    Masters 1000: +7 (falta Monte Carlo e Roma)
    Olympics: +1
    Semana Nº1: Lidera
    Terminar o ano Nº1: +2

    Nadal:

    Grand Slam: +4
    ATP Finals: +7
    Masters 1000: Lidera (falta Miami, Shanghai e Paris)
    Olympics: Já Possui
    Semana Nº1: +117
    Terminar o ano Nº1: +3

    Djokovic

    Grand Slam: +7
    ATP Finals: +2
    Masters 1000: +2
    Olympics: +1
    Semana Nº1: +88
    Terminar o ano Nº1: +3

  15. Fernando/MG

    Parabéns mestre Dalcim, pelos vinte anos do mais respeitado espaço para notícias e discussões sobre Tênis do Brasil, Quando sair a lista do masculino, sai de baixo, rsrsrs, vai vir bolada de tudo que é lado, mas você com sua maestria e genialidade vai se safar de todas com slices perfeitos, rsrsrs.
    Mestre que tal uma lista com os 20 mais marrentos e nervosinhos em quadra?
    Abraços e parabéns novamente

  16. Alexandre Maciel

    Parabéns pelos 20 aninhos, Dalcim e equipe Tenis Brasil. Que venham mais vinte.

    PS: Prepare-se para uma chuva de baboseiras descabidas quando for divulgar o Top 20 masculino.. Rsrsrs…

  17. Ronildo

    Lista formidável. Pessoalmente, não gosto nem de Serena nem de Sarapova. Mas respeito demais suas carreiras e profissionalismo. Gosto muito mais de tenistas menos físicas e mais hábeis como Martina Hingis e Justine Henin. Acredito que Chris Evert e Maria Ester Bueno tinham este estilo também.

  18. Chileno

    Gostei muito da sua lista Dalcim. Apesar de não ter visto a maioria dessas mulheres jogar, gostei dos seus critérios. Imagino que se eu tivesse mesmo visto todas elas jogar e tal, e analisando seus números e tudo mais, eu provavelmente chegaria numa lista bem próxima.

    Acho também que o fator “inovação” deveria pesar bastante. Um jogador que cria um novo estilo, ou que dita os padrões do circuito deve ser exaltado, por exemplo. Ou até mesmo um que tenha tido sucesso com uma estratégia pouco ortodoxa.

    Mas enfim… mais um belíssimo post! Parabéns pelo sucesso do blog e por ter tido a paciência, habilidade e sabedoria necessários para mantê-lo por tanto tempo!

    1. José Nilton Dalcim

      Verdade. Essa ‘contribuição histórica’ para mim é muito relevante daí eu dizer que não podemos pensar somente nos números. Abs!

  19. lEvI sIlvA

    Dalcim, não há outra coisa senão parabenizar pelos 20 anos de TenisBrasil. Tenho absoluta certeza de que os 20 anos é um sonho realizado. O sucesso é com certeza, maior do que talvez imaginasse possível. A todo momento vejo mais e mais uma quadras dando lugar a prédios ou coisa do tipo. Mesmo assim, o site cresce a cada ano. Fico muito feliz por sua realização pessoal nesse projeto! Abraço!

    **********
    Mudando um pouco o foco, gostaria de comentar algo sobre Djokovic. Alguns meses atrás lia seguidos coments sobre a volta e recuperação do sérvio. Entre outros, era comum dizer que não se podia compará-lo a Federer ou Nadal, pois eram fora de série e tiveram retorno de lesão assombrosos, dominando o circuito de forma avassaladora. De fato, Novak não é nem um nem outro. E teve mesmo maior dificuldade na sua volta. Contudo, há de se elogiar uma coisa que faz agora. Djokovic, de forma muito sensata, não pediu convite pra torneio algum nem muda seu calendário pra ir ao Nº 1. Algo que nem o espanhol ou mesmo o suíço tiveram o cuidado ano passado. E isso custou muito caro a ambos. Enfim, como muitos haviam dito, Novak Djokovic não é nenhum dos dois mesmo. Tomou neste momento a decisão mais acertada e visando o futuro a longo prazo. A possibilidade de chegar a Nº 1 muitas vezes acaba atrapalhando o calendário planejado.

    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa, caro Levi. O dono do ATP de Viena falou com Novak 30 dias consecutivos. Nesse período Rafa Nadal não retornou aos treinamentos e o Sérvio ainda venceu o MASTERS 1000. A partir daí é que um simples ATP deixou de fazer qualquer sentido. Quando brigava cabeça a cabeça com Murray , não pulou NENHUM. Abs!

    2. Thiago Silva

      O Cotonete foi favorecido pela lesão do Nadal, se os dois estivessem nas mesmas condições, ambos estariam disputando até o atp 250 de Moscou essa semana pra terminar o ano em primeiro. É muito fácil dar uma de “sábio” e se poupar quando tá sozinho no páreo.

      1. lEvI sIlvA

        Caros Sergio e Thiago, respeito a opinião de ambos, embora discorde. Djokovic teve uma oportunidade única, creio eu, pois viu o que ocorreu com Federer e Nadal ano passado ao lutarem com unhas e dentes pelo Nº 1. Bastou surgir a oportunidade e ambos não mediram esforços pra alcançar ou retomar o posto, ainda que, no discurso fosse dito “não fazer diferença”. Infelizmente, depois de conseguir o feito, o suíço e o espanhol acabaram pagando um alto preço. Veja, não discuto aqui se valeu ou não a pena, creio que se eles optaram por fazer assim, valeu. Eu não creio que Novak estaria jogando ATP 250 só pra chegar ao Nº1. Ainda que faltasse muito, mais tardar no Finals, o sérvio retomaria o posto, penso eu. Abraços!

  20. george schlesinger

    Simplesmente parabéns, Dalcim! Seria interessante se um dos critérios de pontuação nesse ranking fosse o país de origem da tenista. Quanto menos tradição, apoio, reconhecimento etc. mais pontos. Aí certamente a Maria Esther ficaria entre as cinco primeiras. Afinal, para chegar onde chegou ela fez milagres em comparação com outras tenistas.

    1. José Nilton Dalcim

      Interessante colocação, George, mas a dificuldade de Navratilova (apenas como exemplo) não foi muito menor, tendo de fugir de seu país para tocar a carreira, proibida de ver seus familiares por anos a fio e sob olhares desconfiados de adversárias. Martina teve notável espírito de superação a meu ver.

  21. Paulo F.

    Dalcim, já que houve uma “discussão” no quote da Sabatini, vou aproveitar: vale a sugestão das 20 maiores musas do tênis?

  22. Eder

    Parabéns pelo Blog, concordo com você no Top 5, não vi Margaret Court jogar, mas das que vi, em quadra Steffi Graf foi a melhor e acho que Martina Hingis apesar de suas 209 semanas na liderança do Ranking, deveria cair bem na sua lista, se compara-la com Maria Ester Bueno por exemplo, ela fica muito atrás.

    1. José Nilton Dalcim

      Mas você não pode ignorar as mais de 200 semanas na liderança do ranking de simples e o vasto currículo de duplas, Eder.

  23. Gabi

    “Vcs ainda vão saber quem sou eu”, a Navratilova de 10 anos de idade dizia para si mesma às seis da manhã segurando sua raquete na plataforma do trem que pegava para treinar qdo os tchecos olhavam de cara feia para ela se perguntando “quem é ela?” (Li na biografia dela).

    Dito e feito!

    A maior e melhor!

  24. Antonio

    Não consigo enxergar Serena entre as 10 melhores, mesmo com todos os seus títulos, depende demais do saque e da força. Depois da terceira bola é uma jogadora comum e de técnica extremamente limitada. No meu modo de ver o tênis jogado no final dos anos 80 e começos dos 90 era de nível muito superior ao jogado hoje. O tênis feminino é um dos poucos esportes que conseguiu regredir o nível dos jogos. Monica Seles era muito melhor, Hingis foi sensacional por uns 3 anos e Graf ……

    1. Chetnik

      Olha que eu não gosto da Serena, mas sinceramente…tem gente que não consegue separar preferência pessoal de fato, impressionante.

    2. samuel

      Será que o tênis feminino da década de 1980 era muito melhor.
      Naquela época elas jogavam a 70 km por hora, hoje elas jogam a 120 km por hora. É muita diferença.
      Será que aquelas campeãs conseguiriam vencer games se jogassem com as jogadoras atuais.

        1. samuel

          Escrevi 70 km por hora, apenas para não escancarar a gigantesca diferença.
          Houve um jogo na década de 1980, com um ponto de dememou aproximadamente 30 minutos para terminar, não me equivoquei não: foram 30 minutos mesmo, cerca de 600 rebatidas, que daria uma média de 35 km por hora ou menos. Dispuraram um tie-break que demorou quase duas horas, para fazer 11 a 9. Portanto para nossa felicidade o tênis atual é muito melhor e continua melhorando.
          Obs: Tem muito leitor que não vai acreditar nas informações escritas acima.
          Por favor, Dalcim, se tais informações forem verdadeiras, confirme, para seus leitores acreditarem!!!

          1. José Nilton Dalcim

            Você está falando do histórico jogo de 6h31, em que Vicki Nelson venceu Jean Hepner, 6/4 e 7/6 (11), em Richmond de 1984. Bateu quase todos os recordes: Tie-break levou 1h47, durante o qual disputaram um ponto de 29 minutos com 643 trocas de bola.

          2. Chetnik

            A primeira vez que eu ouvi falar sobre esse jogo, eu não acreditei. É algo completamente maluco. No esporte, não sei se existe algo tão bizarro.

    3. Sergio Ribeiro

      Na boa, amigo. O Serviço e’ um dos principais fundamentos desse Esporte Maravilhoso. Idem para às Devoluções. A agilidade de pernas da Rainha não é o mesmo aos 37 , mas o suficiente para ainda encarar quem vier. Uma grande jogadora de Saque-Voleio teria poucas chances nos confrontos. Ela enfileirou N 1 em FINAIS de SLAM , e fez de Steffi em diante , aposentadorias precoces, todas como Seles, Davenport , Justine, Kim , Hings , Sharapova, Vênus e CIA largando por volta dos 30 anos ( exceto sua Irmã) . Assim como Federer, sua longevidade fala por si só. Abs!

    4. Rodrigo S. Cruz

      Pfff.

      Como se ter um bom saque e golpes com potência, fosse algum demérito…

      Não tem como você querer viver do passado, porque o esporte evolui.

      A própria Martina Hings começou a enfrentar dificuldades PATENTES diante de tenistas com maior potência…

      Um exemplo foi um jogo que ela teve com Jenifer Capriati, uma jogadora que em outros tempos, a Martina dominaria facilmente.

      Todavia foi impetuosamente surrada pela norte-americana, que encaixou winners de todo jeito…

    5. João ando

      A melhor navaratilova ganhava da serena …assim como a graff. E a melhor evert ganhava da serena…acho até que a court tb ganharia …a única que não vi jogar foi a court

    6. João ando

      António. Sim Mônica Sales era muito Boa…acho que ganhria da serena…a Martins hingis apesar do deslumbramento seria jogo duro com a serena …tendendo mais para serena…agora dar opinião sem ver algumas tenistas jogar fica difícil……..

  25. Rodrigo S. Cruz

    A melhor de todos os tempos é a Serena…

    No seu melhor, derrotaria qualquer versão da Navratilova ou da Graff.

    Tem muita força. É quase um homem jogando.

    Não gosto dela como pessoa, e nunca torci por ela.

    Mas acho que a verdade deve ser dita… Sempre.

    1. Chileno

      Acho bem coerente e fundamentada sua opinião Rodrigo. Mas você precisa ter em mente que aí tem um aspecto subjetivo. A melhor Serena bateria qualquer Navratilova e qualquer Graff. Ok! Não vou entrar no mérito de julgar se essa afirmação procede ou não, mesmo porque, não vi a Navratilova, nem a Graff jogar. Mas, supondo que realmente seja verdade, você está colocando o desempenho no ápice da carreira como a maior variável, o que é algo subjetivo.

      Quem é melhor, pra você?

      1 – Um cara que durante um ano, por exemplo, foi simplesmente invencível. Venceria qualquer um, em qualquer piso naquele ano;

      2 – Um outro cara que não era invencível, mas que venceu próximo de 90% dos torneios que disputou ao longo de 5 anos;

      Não existe certo ou errado. É uma questão de opinião. Eu particularmente acho o 2 melhor, mas acho perfeitamente cabível considerar o 1 melhor.

  26. Sergio Ribeiro

    Pra quem teve a sorte de vê – las ( exceto as amadoras ) todas em seus Auges , somente mexeria no Topo. Serena invertendo com a grandíssima Martina. A própria, Evert e Steffi já demonstraram que estão comigo. Lembrando que Navrarilova parou em 18 ( junto com Evert ) , devido ao fato de ter perdido 14 Finais de SLAM. Mas e’ irrelevante já que este seria o meu TOP 20. Não custa lembrar aos esquecidos que Seles ( pós atentado ) não foi mais além devido a um Serviço que deixava a desejar, e sérios problemas de Peso e lesões nos pés. De resto somente parabenizar ao excelente trabalho do Timaço do TênisBrasil. ABS!

    1. Junny César

      Sergio,

      Em sua observação ao final sobre a Seles pós-atentado e os problemas que se seguiram – vc quer levantar a possibilidade de que ao seu ver, ela poderia ter ido muito além ou não seria exatamente isso?

      Pois ao meu ver, Monica Seles merece uma menção à parte, pois pelo que vinha demonstrando à época do acontecido e sabendo dos traumas que isso causaram e com ctza das consequências diretas em seus resultados seguintes – ela teria conseguido vários GS’s a mais e fatalmente Graf teria alguns a menos – mas sei que trabalhar com “se” não é um caminho ideal – mas tbm não há como desconsiderar o impactado de tudo o que aconteceu.

  27. Nelson Maciel Filho

    A lista é excelente. A Martina Navratilova sem dúvida é a maior disparada. Os números dela jamais serão batidos.
    A Graf foi uma tenista sensacional.
    A Mônica Seller não fosse a facada, ganharia uns 20 grnd slan.
    A Serena tem número excelentes, é muito forte, mas acho que depois que a Justne Henin parou, não tinha grandes adversárias.
    Parabéns pela listagem.
    As mais antigas não posso dar a minha opinião.

  28. Ricardo Costa

    Caro Dalcim, parabéns pelo post e, principalmente, pelos 20 anos da TenisBrasil, em especial ao seu blog. Sua lista é quase perfeita, apenas inverteria Serena com Steffi, que na minha opinião só fica atrás mesmo da ultra-campeã e maior nome da história do tênis, seja masculino ou feminino, Martina Navrartilova. Suas justificativas para tal são incontestáveis. Só um conselho: use colete à prova de balas quando divulgar a sua lista masculina. rsrsrs

  29. Rodrigo De Boni

    Graf!
    pra mim, a melhor.

    e concordo com o amigo lá em cima: Existem tenistas que tiveram menos Slams e que são MUITO mais jogadoras que a Sharapova.
    Sabatini e Cljisters, por exemplo, são mais completas e jogadoras muito mais interessantes (e habiliadosas) que ela.

  30. RicardoCWB

    Excelente lista Dalcim!

    E Já estou preparando a pipoca para o post dos 20 maiores tenistas hahaha.

    Cabeças irão rolar… rs

        1. José Nilton Dalcim

          Acho que você não entendeu bem a lista… Sabatini sequer foi número 2 do ranking e ganhou um único Slam… Não entendi como ela entraria numa lista das 20 melhores.

  31. Junior

    Dalcim Parabéns pelo blog.
    Análises de esportistas dificilmente (nunca) serão unânimes pois muitos são de épocas diferentes e sequer duelaram contra outros da mesma lista. Certamente os números ao final da carreira contribuem para esse rankeamento.
    Se o seu top 20 foi baseado em números não há muito o que contestar, apenas acho que a Serena foi a mulher que mais jogou tenis na história (top of mind). Agora se o critério para apontar as melhores foi o talento, a Justine Henin deveria estar num top 5 ou até 3…

    Abs

    1. José Nilton Dalcim

      Meus critérios são um pouco malucos, Júnior. O elemento sucesso é essencial (títulos, números…), mas eu o considero num universo mais amplo, como as duplas por exemplo. Além disso, acho essencial a importância histórica de cada personagem. Abs!

  32. benjamin button

    Mestre, boa noite. Sempre menciono a Navratilova como a maior da história, de todos os tempos, de ambos os gêneros. A dominância, a longevidade, e a versatilidade dela é inigualável. Não veremos tão cedo algum atleta do tênis capaz de sequer chegar perto dos seus números. Vc concorda ?

  33. Luiz Henrique Passador

    Pessoalmente eu retiraria a Sharapova da lista e incluiria a Gabriela Sabatini. De resto, acho que essa é mesmo a lista definitiva. Parabéns ao Tênis Brasil pelas duas décadas de excelente cobertura do esporte!

    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Luiz. A Sharapova tem cinco Slam, um ao menos em todos eles, e liderou o ranking por 21 semanas. É um currículo respeitável.

      1. Luiz Henrique Passador

        Tens razão, meu caro Dalcim. Pelos critérios objetivos e estatísticos, Sharapova fica e Sabatini não entra, apesar de ver a segunda como uma tenista mais consistente que a primeira. Não consigo me esquecer da rivalidade sadia dela com a Graf e seus jogos memoráveis. Aquela foi uma excelente geração de mulheres tenistas. Mais uma vez eu o parabenizo pelo blog e o Tênis Brasil pelas duas décadas de vida! É sempre um prazer lê-los. Um grande abraço.

  34. Lucio Lopes

    Parabéns pelo Blog. Excelente fonte de informação sobre tênis.
    Concordo com o José Eduardo Pessanha, inverteria as posições da Steffi Graf com a Serena. Steffi reinou por muito tempo, chegando a duelar na fase final da carreira da Martina.

  35. José Eduardo Pessanha

    Eu inverteria a Graf com a Serena, pois a alemã era bem melhor. Rs.rs. Destaque pra Mônica Seles, que tinha colocado Graf em seu bolso quando sofreu aquele horroroso atentado. Já estava com 8 Slams aos 19 anos. Um monstro de tenista. Na minha modesta opinião, chegaria aos 30 Slams se sua carreira tivesse transcorrido normalmente.
    Abs

    1. Chetnik

      O que aconteceu com a Seles foi uma tristeza incomparável. Uma das grandes tragédias do esporte, um absurdo. Não sei se chegaria nos 30 – você, como sempre, exagerando muito, kkkk -, mas certamente estaria entre as maiores. 8 GS aos 19 anos não tem paralelo.

      1. José Eduardo Pessanha

        Quando houve o atentado, Graf tinha 11 Slams e já estava dominada pela Seles. Até aquele fatídico 30/04/1993, Seles havia disputado 4 finais de GS contra Graf e havia ganho 3. Só perdia mesmo em Wimbledon, onde nunca jogou bem.
        Olha a sequência da eslava:
        Roland Garros – Ganhou em 90, 91, 92. Ganhou as 3 finais sem perder sets. O atentado foi antes de RG 1993.
        Australian Open – Ganhou em 91, 92 e 93. Ganharia outro em 96, mas deixo esse de fora, pois estou me reportando especificamente ao período antes do atentado.
        US Open – Ganhou em 91 e em 92.
        Ou seja, em 91 e em 92 ela ganhou 3 Slams em cada ano. E emendou com o título do AO 93.

        Já Graf, sem sua arquirrival, ganhou mais 11 Slams. Com a Seles inteira, Graf não ganharia nenhum RG (ganhou 4 após o atentado) e nenhum AO (ganhou 3 após o atentado), pois Seles era bem superior nesses Slams.
        Pra mim, a melhor de todos os tempos sempre terá um asterisco ao lado, pois Monica Seles foi brutalmente alijada dessa disputa exatamente quando dominava o circuito de forma incontestável. Uma pena.

        Abs

        1. Junny César

          José Eduardo,

          Concordo em gênero, número e grau.

          Sempre acho que Hingis e Henin poderiam ter feito muito mais – se não fossem as paradas. Henin jogava brilhantemente, era uma adversária à altura de Serena – sua aposentadoria facilitou o aumento de títulos de Serena e ela mesma poderia ter passado de 10 títulos.
          Mas tanto no caso de Hingis, quanto de Henin, suas paradas foram opcionais – mas no caso de Seles foi algo bárbaro/covarde – em um momento que a mesma dominava com folga o circuito – e Graf só tinha a metade dos títulos de sua carreira. Imagino que o domínio de Seles continuaria por mais alguns anos.

          Por isso concordo que o nome de Seles não poderia entrar na ordem da lista convencional. Deveria haver uma menção à parte. Pois evidentemente, nada tira o mérito de Graf em relação aos seus 22 GS’s – ela os ganhou com galhardia. Mas acredito que Seles teria números tão vistosos quanto. E se Graf comumente está nas listas como a 2ª ou 3ª melhor da história, e a mesma tinha sido dominada em 2 anos seguidos (93 já se prenunciava com o domínio de Seles novamente) – por uma jovem de 17, 18/19 anos – essa jovem deveria ter as mesmas menções honrosas – não acho justo que ela esteja tão atrás em um lista.

      2. José Eduardo Pessanha

        Pois é, Chet. O atentado foi dois dias antes dela completar 19 anos e 5 meses de idade. Provavelmente, um mês depois, ela conquistaria seu quarto título de Roland Garros e seu nono título de GS.
        Na minha modesta opinião, a década de 90 seria toda dela. A Seles com 100% de sua capacidade dominaria a Hingis e manteria o domínio sobre a Graf.
        Abs

    2. Sergio Ribeiro

      De onde você tira essas coisas , Pessanha ? rs Steffi alem de ter batido Navratilova em 4 FINAIS de SLAM em Todos os Pisos , bateu Seles em 3 das 5 . Antes do atentado venceu Wimbledon 1992 por 6 x 2 , 6 x 1 diante da atordoada Mônica. Com 20 já possuía também 8 SLAM. Quando e onde Mônica Seles já tinha colocado a Alemã no bolso ?. Mônica quando retornou dois anos depois já o fez vencendo o AOPEN 1996. O surgimento de Serena complicou pras duas. Graf optou em largar em 99 , e Seles somente venceu Uma em Cinco contra a Norte-Americana. Mesmo assim insistiu até 2006. Sua auto-biografia conta tudo. Abs!

      1. José Eduardo Pessanha

        Marotamente, você colocou finais de Slam disputadas após o atentado. rs. Antes do atentado, Seles venceu 3 finais e Graf somente uma (justamente essa de Wimbledon). Após o atentado, Graf ganhou duas finais….mas aí não conta. Seles não voltou a jogar nem 60% do que jogava antes dessa brutalidade.
        Na resposta ao Chet está bem colocada a supremacia da Seles contra a Graf. Do AO 91 ao AO 93, Seles ganhou 7 GS e Graf somente dois. Se isso não for dominância, não sei mais que é. rsrs
        Abs

  36. Marcos

    Lindsay Davenport deveria estar entre as 10, não só pelos títulos conquistados, mas também pela excelente técnica (apesar da sua limitação física) apresentada durante os anos. Só não obteve mais êxito pois engravidou e teve que conviver com as lesões. Além disso, era uma impecável na classe.

    1. José Nilton Dalcim

      Venus tem sete troféus de simples em Slam (mais três finais) e mais 14 de duplas, além de um troféu de simples no Finals.

    2. Chetnik

      Kkkkk. Acho que esse foi o PIOR comentário da história do blog e, já que o assunto é lista, cumpre dizer que a concorrência para esse ranking é deveras pesada, kkkkk.

      A única lista que a Balaozniacki poderia entrar seria uma de musas e, ainda assim, ficaria lá atrás, porque é bastante superestimada.

  37. Robson Couto

    Boa noite Dalcim,
    Primeiramente gostaria de te parabenizar pelos 20 anos do TenisBrasil. Acompanho o blog desde 2012 apesar das poucas pastagens. Os textos são sempre um deleite para quem gosta de tênis. Essa semana o blog promete estar imperdivel! Sabe, de todas as tenistas a que sinto mais pesar foi a Mônica Seles, do jeito que ela estava jogando entre 91 e o início de 93, acredito que conseguiria fazer muito mais História, mas são coisas que infelizmente nunca saberemos… Obrigado por sua dedicação, imparcialidade e principalmente paciência. Grande abraço!

  38. Paulo F.

    Não vi Graf e Navratilova jogando.
    Das mulheres, a que mais me encantou assistir até hoje, foi Justine Henin.
    Uma pena os deuses do tênis não terem lhe dado um Wimbledon…

  39. Oswaldo E. Aranha

    Quero corrigir: ao invés de não se pode falar, leia-se: não se pode não se destacar entre as maiores….

  40. Oswaldo E. Aranha

    Ainda que na época não existia essa composição de pontos, não se pode falar nas maiores tenistas sem mencionar a nossa Maria Ester Bueno.

Comentários fechados.