O dono do tênis
Por José Nilton Dalcim
14 de outubro de 2018 às 12:18

Num passe de mágica, Novak Djokovic deixou as trevas de uma primeiro semestre desalentador para virar outra vez o grande nome do tênis do momento. Que transformação. Até Monte Carlo, o sérvio era um jogador tenso, irregular, apressado, lento, impreciso, sofrendo derrotas estranhas para adversários muito inferiores. Nos últimos três torneios, voltou a ser atlético, incansável, ousado, agressivo e alegre. E nesse estágio de corpo e alma é bem difícil segurá-lo.

Não tenho muita dúvida que o momento da virada de Djokovic aconteceu naquela semifinal espetacular de Wimbledon diante de Rafael Nadal. A vitória suada sobre o número 1, que vinha de uma arrancada notável ao longo do saibro, parece ter não apenas recuperado toda a confiança do sérvio, mas também lhe dado o desejo de reação. Dali em diante, com exceção natural no Canadá, Djoko só melhorou a cada semana.

Inegável também que essa evolução tem tudo a ver com seu aprimoramento físico, e aí é importante recordar entrevista de Marian Vajda em que o treinador disse que precisou convencer o pupilo a minimizar algumas condutas da dieta. Ao retomar a firmeza de pernas e a resistência, pudemos ver novamente aquele sérvio extremamente ágil e competente nos contragolpes a realizar uma cobertura impecável da quadra, o que geralmente leva o adversário ao risco cada vez maior.

Recuperado fisicamente, faltava a Nole acreditar em si e provavelmente Vajda teve toda a responsabilidade nisso. Depois de barrar Nadal em Wimbledon, voltando aos títulos de Grand Slam ainda sem mostrar seu melhor tênis, dominar Roger Federer para a conquista tão sonhada em CIncinnati selou a reação. Desde aquele domingo, ficou difícil duvidar de Nole. Ele teria ainda provação nas rodadas iniciais e infernais do US Open. O que vimos nesta semana em Xangai foi um desfile do melhor Djokovic.

Num momento tão espetacular e dominador do arqui-rival, parece pouco provável que Nadal ainda consiga se manter como número 1 nesta reta final de temporada, porque aí entram componentes essenciais: a falta de ritmo que o espanhol terá, já que não compete desde a queda em Nova York, e o histórico pouco expressivo de Rafa na quadra coberta europeia. Paris e Londres são justamente dois grandes títulos que jamais conquistou.

Borna Coric não repetiu nesta madrugada a atuação exuberante da véspera diante de Roger Federer, mas era previsível que o croata teria maior dificuldade para matar pontos diante do volume defensivo do adversário. Golpe por golpe, Djokovic tem tudo superior e isso ficou patente nos mínimos buracos que cedeu. Coric lutou muito e poderia ser recompensado por uma quebra no segundo set, mas falhou feio no único break-point que teve.

De qualquer forma, foi uma final intensamente disputada, com ótimos lances dos dois lados, e a certeza de que o croata evoluiu muito desde o ano passado, quando ouviu conselhos de Riccardo Piatti e adotou postura mais ofensiva. Ainda falta trabalhar mais o forehand, porém a projeção para seu futuro está bem mais promissora.

Melo de novo
O mineiro Marcelo Melo e seu parceiro polonês Lukasz Kubot conseguiram embalar. Conquistaram o segundo título seguido, obtendo duas vitórias sobre os líderes do ranking Marach/Pavic e outra neste domingo sobre Bruno Soares e o britânico Jamie Murray.

Com isso, Melo e Kubot assumem o terceiro lugar no ranking de parcerias da temporada e o quarto lugar no individual. Dificilmente no entanto conseguirão chegar à liderança, já que estão quase 2.200 pontos atrás de Marach/Pavic e a 2.700 de Mike Bryan.

Melo gosta mesmo do Oriente. É agora tri em Xangai (ganhou com Dodig e Klaasen) e soma um em Tóquio e outro em Pequim.

Detalhes
– Se Djokovic realmente retomar o número 1, marcará a maior ascensão de um tenista ao topo dentro de uma mesma temporada, já que era 22º em maio. O maior feito nesse aspecto cabe a Andre Agassi, que foi de 14º à ponta ao longo de 1999.
– Djokovic não perdeu um único de seus 47 games de serviço nesta semana. Ele disse após a estreia que nunca vira a quadra chinesa tão veloz.
– Sérvio tem 27 vitórias em seus últimos 28 jogos desde a estreia em Wimbledon e 18 de invencibilidade desde Cincinnati.
– Coric continua sua temporada de feitos particulares: fez primeira semi de Masters em Indian Wells, ganhou inédito ATP 500 em Halle, quebrou a barreira do top 20 em julho e será 13º nesta segunda-feira após a primeira final de Masters.
– Karolina Pliskova perdeu a final de Tianjin para Caroline Garcia e ainda não garantiu vaga no Finals. Terá de brigar em Moscou contra Kiki Bertens, mas precisa de muito pouco, já que Elina Svitolina não joga nesta semana.


Comentários
  1. Arthur

    Quem diria, Dalcim?
    Eu me lembro de ter escrito um comentário aqui no Blog lamentando a draga em que o Djokovic havia se metido no começo do ano e lamentando o estado melancólico dele no nível esportivo.
    E agora, menos de seis meses depois, aí está ele, dominando tudo de novo.
    Só espero sinceramente que isso não vire rotina.
    Da mesma forma que eu critiquei o duopólio Federer-Nadal na temporada 2017 e metade da de 2018, serei o primeiro a reclamar de um eventual retorno ao modo “circuito-de-um-homem-só”, que foi o que aconteceu entre a metade de 2015 e a metade de 2016, quando o sérvio ganhava tudo.

    Um abraço.

  2. Renato

    Não sei se os colegas concordam, mas se não é o pior Federer dos últimos 15 anos, é o menos competitivo.

    Não tem muito o que falar do sérvio. É o favorito para tudo até o final do ano. Não é o mais habilidoso nem o mais técnico, mas é o mais competitivo de todos.

  3. Renatinho

    Dalcim, você acha o Djo o tenista com o jogo mais perfeito da história do tênis de simples masculino quando está no seu melhor nível ? ( perfeito que falo é no sentido de ter poucos pontos fracos a serem explorados )?

  4. Luiz Fabriciano

    De Wimbledon para cá, tivemos 5 dos maiores torneios do circuito, incluindo o próprio Wimbledon. Novak Djokovic venceu quatro, sendo o último sem quebras de saque. Mais ainda: nos jogos entre semi-final e final, teve que salvar apenas 1 (um) break-point.
    Interessante para um tenista da segunda divisão.

  5. Alexandre Maciel

    Djoko está nas pontas dos cascos nessa reta final de temporada. Jogando de mais. Difícil não terminar o ano como #1.

    Merece…

  6. Oswaldo E. Aranha

    Aquele que insiste em chamar o maior tenista da década de Cotonete revela toda sua mágoa e frustração.

    1. José Eduardo Pessanha

      Cara, Djokovic parece um Cotonete, Federer parece Samuel Rosa, Costinha e Quentin Tarantino, e Nadal parece o Conan, com sua “delicadeza” e carranca. Que mal há em constatar isso? Muda o disco.
      Abs

  7. Sérgio Ribeiro

    Assim como afirmamos pós Cincy que a volta de Novak ao N 1 era pule de 10, o mesmo acontece em relação a Sasha novamente classificado para o FINALS e possivelmente acompanhado por Thiem. Quando falam das grandes paradas e falta de ritmo de Federer , esquecem que ele disputou até agora os mesmos 14 Torneios de Novak. Na Corrida está a apenas 140 pontos de Del Potro que disputou 17 ( sabemos que são computados apenas 18 e o FINALS ). Além de ter se tornado este ano o mais velho N 1 ( depois de ter caído para TOP 17 em janeiro de 2017 ) , deve terminar a temporada como N 3 com jogo ultrapassado ou não rs . Dos longevos Laver , Connors e Agassi. Apenas Laver era exatamente TOP 10 , aos 37 ( 1975 ) .Acredito que a Nextgen leve um SLAM antes de Andy ou Wawrinka . Algo a conferir pois o Sérvio está disposto a levar todos os Canecos. Abs!

  8. Gabi

    Dalcim,

    vc já leu o livro “Nadal & Federer – A história da rivalidade mais importante do tênis”, de Antonio Arenas e Rafael Plaza? Se sim, o que achou?
    Muito obrigada.

  9. P

    Não reconhecer que Novak Djokovic é um dos maiores e melhores tenistas de todos os tempos é faltar com a verdade os números não mentem um tenista que disputa com Federer e nadal pelos títulos palmo a palmo e por isso que eu considero os feitos de Djokovic maiores que os de Sampras os números me dão razão já passou Sampras em títulos e jogos o cara é de outro planeta

  10. Fernando Nardini Jr.

    Assim como “dono do tênis” Novak Djokovic esta muito próximo de se tornar “dono dos recordes” isso porque caso ele ganhe o Masters de Paris e o ATP Finals, o que é difícil mais não impossível, Djokovic empataria com Nadal em 33 títulos de Masters e se iguala a Federer no ATP Finals com 6 conquistas e também como consequência terminaria o ano como Nº 1 empatando com Federer e Connors em 5 vezes, ficando atrás somente de Sampras que conseguiu este feito por 6 vezes.

    1. Sérgio Ribeiro

      Discordo , Nardini . Se acontecer tudo que você apontou , ele EMPATARA’ com outras Lendas em seus Recordes. Portanto não será ainda o ” Dono do Tênis “. Ainda faltarão SEIS SLAM rsrsrs. ABS!

  11. Fonseca

    Sim, a vitória sobre Nadal em Wimbledon foi o grande momento da virada, mas os indícios já apareceram em Queens, chegando na final, e não se deixando abalar por ter perdido match point.

  12. Rodrigo Kamiya

    Dalcim, sabe qual momento eu achei que o Nole poderia dar a volta por cima? Na derrota contra o Ceccinatto em RG. Aquela frustração que ele demonstrou, quando estava puto na coletiva, dizendo até que não sabia se jogaria na grama, mostrou para mim que ainda havia algo dentro dele. Se depois dessa derrota ele viesse com aquele papo conformista que ele estava adotando: ” This is life, its what is”..aí, mesmo eu como fã, já teria jogado a toalha…rs….

  13. José Eduardo Pessanha

    Dalcim,

    E o bravo Felix, depois de jogar oito dias seguidos no Uzbequistão, já está no ATP da Antuérpia disputando outro quali. Venceu o primeiro jogo, e hoje de manhã irá enfrentar o Stakhovsky, perfazendo 10 dias consecutivos disputando jogos.
    Abs

    1. Sérgio Ribeiro

      Pois é, Pessanha. Somente sobram duas alternativas para Félix. Ou tomar a quantidade idêntica de Danoninhos de Sasha, ou ser promovido a Zé Félix kkkkkkk Abs!

      1. José Eduardo Pessanha

        Kkkk….mas eu estou gostando da gana do moleque. Ficou quase 3 meses jogando saibro na Europa e agora jogou vários jogos na Ásia. Com o ranking ainda longe dos tops, deve ter enfrentado alguns perrengues nessas viagens. Rs
        Abs

  14. Alexandre G.

    À vocês que insistem e gostam de ficar definindo um “Deus do Tênis”, levem em consideração o que é ser o Maior e o que é ser o Melhor.

  15. Márcio Souza

    Salve, salve galera!

    Nem era dificil de prever que com o retorno do Cotonete as vitórias e títulos os urubus e a aves de rapina aqui do Blog iriam começar a se sentirem como pintos no lixo e a cada comentário postado o sorriso iria ser de orelha a orelha, como que se as preces de outrora estivessem sendo atendidas.

    Parabéns de fato a esse retorno espetacular do Djoko aos títulos e ao possível número 1 ainda esse ano, o que só demonstra que tanto ele quanto Nadal e o Federer são monstros.
    Os três ao retornarem de lesão após terem abandonado o restante das temporadas levaram exatos 10 meses de Janeiro a Outubro para conquistarem 02 GS e pelo menos 02 Masters 1000 cada (Federer ganhou 3 depois do retorno em 10 meses no ano passado).
    O que só corrobora o que eu falei por se tratar de 03 fenômenos do tênis mundial.

    Quanto a participação aqui de fato tenho comentado pouco, mas participo diariamente la no grupo do WatsApp do Tênis Brasil e isso acaba inviabilizando um pouco a participação aqui, mas como o Mestre Dalcim é o administrador do grupo lá ele sabe que continuo prestigiando a leitura dos seus posts e comentando sobre ele lá assim como os demais participantes.

    E quanto aos churrascos continuam com a mesma intensidade de antes, a galera que participa lá sabe disso, mas vou tentar participar mais aqui também porque vejo que os nobres colegas Chetnik e Luis Fernando estão sentindo muito a minha falta kkkkkk

    Uma boa semana a todos e que o Fedex possa vor ganhar o Finals batendo na fase de grupos o Nadal e na final o Djoko pra eu vir aqui tirar uma onda dos urubus e aves de rapina e soltar aquela famosa frase falando que “muitos aqui vão comer o peru de Natal gelado” kkkkk

    Abs.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Hahahaha

      Boa, Marcião!

      E Deus te ouça…

      Tomara mesmo que o Federer volte a brilhar.

      Pois só assim as “aves de rapina” voltarão a reclamar do cheirinho de picanha assada!

      Kkkkk

      1. Márcio Souza

        Fala Rodrigão parceiro tudo bem?

        É isso mesmo, ainda acredito em uns últimos suspiros de inspiração do Mestre pra levantar mais alguns canecos e fazerem os antis morderem a língua de novo kkkkkk

        Deixe eles zuarem e comemorarem bastante agora, no ano passado e no inicio desse ano eles sofreram muito e com certeza estão se achando os máximos entendedores do assunto agora, mas sabemos que daqui a pouco a soberba cai de novo por terra e estaremos aqui para lembra los e cutuca los como de costume kkkk

        Um abraço parceiro e tudo de bom sempre!

    2. Robson

      Márcio,grande Márcio,o homem de Campinas que acredita em duendes,mulas sem cabeça,papai Noel,bruxas,federer campeão do Finals,etc…
      Forte abraço Márcio, há, não deixe o churrasco queimar hein, heheheeee….

      1. Márcio Souza

        Hahahahahaha

        Fala Robinho!
        Grande parceiro la do grupo de WatsApp e que com esse retorno espetacular do Djoko aos titulos ganhou os últimos dois bolões do Tênis Brasil que fizemos lá no grupo.
        Você ja sabe a frase que eu falo la constantemente no grupo né e que valem tanto pro Federer quanto pro meu São Paulo:
        “ENQUANTO TEM BAMBU, TEM FLECHA PARCEIRO!”

        Sempre acreditarei no São Paulo e no Federer para ganharem títulos, mesmo que a atual fase não ajude, mas torcer só porque esta ganhando ai é fácil, e isso eu não faço não.

        Abraço parceiro!

  16. Rafael

    O mais interessante é observar que, na provável última perna de sua notável carreira, Novak pode vencer mais títulos (e mais importantes) do que qualquer NextGen pode sonhar para sua carreira inteira, e não é ilógico pensar assim neste momento.

    Agora o Delpo acho que aposenta depois dessa fratura. É azar demais pro cara se recuperar mentalmente DE NOVO.

  17. Daniel de Melo Silva

    Cheguei até a lembrar do russo Safin, que em fevereiro de 2000 era o 38 do ranking e quase terminou o ano como numero 1, pra nossa sorte isso não aconteceu

  18. Valmir

    Para os que dizem que o Djoko joga maratênis… vai um aperitivo.

    São 10 lances espetaculares… 9 adversários aplaudiram… fizeram cara de incredulidade… mas tiveram um super fair-play.

    Agora… teve um que… fez cara feia… ficou emburrado.

    Quem sera ele… heim ?? Uma dica… é um jogador que só aplaude jogadas que ele vê no espelho.

    https://www.youtube.com/watch?v=fux4IWHo2Vs

    1. Rodrigo S. Cruz

      Certa feita, eu ouvi uma frase que dizia assim:

      ” invejoso não é aquele quer deseja ter o carrão igual ao carrão do vizinho. E sim, ter o PRÓPRIO CARRO do vizinho!

      kkkkk

      E essa tua raiva do suíço, eu acho que só se explica dessa forma.

      Dor de cotovelo…

      Complexo de vira-latas.

      Pra você, não importa se o Djokovic ganhar todos os torneios do mundo, você quer os do Federer…

      Não importa se o Djokovic atingir os recordes do suíço, você quer é que o Federer não tenha recorde algum!

      Não importa o número de fãs do sérvio, pois nunca serão os mesmos fãs do suíço.

      kkkkk

      Tô falando serio. Você devia parar e se ouvir um pouco.

      Ou melhor, devia ler mais os teus próprios escritos…

      É pa-té-ti-co!

    2. Sérgio Ribeiro

      Sempre as mesmas bobagens , né Valmir ? Até no Globo Esporte apareceu a jogada espetacular de MEDVED aplaudida no ato pelo Suíço. Acredito que ele tenha bom gosto rsrsrs Abs!

    3. Robson

      Bom,definir Novak Djokovic como maratenista, só pode ser dois tipos de casos,1° um crianção querendo provocar,implicar,rsrsrs,2° quem não entende bulhufas alguma de tênis.

  19. Nova geração tênis vem forte

    Não entendo essas compacoes do Borna coric com Djokovic .. tudo bem Borna coric se defende bem tbm …….. Mais e muito mais clássico bate mais forte voleio muito melhor faz jogadas de Federer joga fácil .. daqui 2 anos ele ganhará do djokovic a hora que quiser ……….. Sobre Djokovic ele é a zagueiro melhor do mundo no futebol não deixa passar quase nada se tem hora que o adversário erra ainda mais inexperiente .. não vamos esquecer com a idade de Borna coric Djokovic nem sonhava em ser melhor do mundo e errava muito .. e hj pra mim a concorrência é maior mais difícil chegar no top 10 .. agora vou fazer a verdadeira lista hj Djokovic primeiro depois Rafael Nadal e Borna coric o terceiro esse jogador ainda vai jogar muito zverev que se cuide e djokovic não ache que ano que vem vc vão ganhar tudo dele potro voltou e wawrinka Jajá tá ae e Murray tbm ano que vem podemos ter o melhor disputa de tênis da história e Borna coric vai jogar de igual pra igual

    1. Antonio Gabriel

      Essa foi a primeira final.de M1000 do Coric aos 22 anos. Djoko com 21 anos ganhou seu primeiro, dos 14, GS amigo. Com menos idade ja tinha feito mais que o Coric, entao devagar em profetizar que daq a 2 anos ele vai perder direto pro Djoko….

    2. Carlos

      É sério isso? Coric tem estilo clássico com jogadas de Federer?
      Vou nem comentar mais nada.

      Só uma observação, com a idade dele Djokovic já ganhava slam e M1000. Isso numa época em que Federer tinha 10 anos a menos.

    3. Alessandro Siqueira

      Djokovic é de maio de 1987. Em janeiro de 2008 ganhou o Aberto da Austrália, batendo Federer na semifinal. Em 2007 fez semi no Aberto dos EUA. Na idade do Coric já era #3 do mundo, já tendo ganhado 5 Masters 1000. Portanto, bem difícil comparar as carreiras, não?

  20. Robson Couto

    Olá Dalcim,
    Quando Djokovic apresentou o melhor tênis, 2011 ou 2015? E hoje ele está próximo dessa fase ou ainda há espaço para evolução em seu jogo?
    Abraço!

  21. Fred

    Djokovic é um jogador perfeito no fundo da quadra, mas c/ flagrantes pontos fracos : slice ruim e um jogo de rede (voleio) péssimo !!!! Há ainda uma outro, que não chega a ser uma deficiência, mas tb não é virtude: não gerar grande potência em bolas sem peso. A maior virtude de Djokovic é o fatode não errar quando o adversário bate, bate e bate …
    A melhor tática p/ enfrentá-lo não é “bater, bater, bater …”. Nesse aspecto , ele é uma parede e não há como vencê-lo ; o melhor caminho é tirá-lo do fundo da quadra, trazê-lo pra frente c/ bolas mais curtas e baixas, em especial na sua esquerda, explorando o slice. Puxá-lo pra rede é o ideal !!!! A questão é q isto exige habilidade extrema, algo raro no Tênis atual. Apenas FEDERER, o melhor de todos os tempos, dispõe de talento p/ tanto, o problema é q o suíço, por conta da idade, mudou seu estilo de jogo e não parece mais disposto a ficar trocando bolas por tempo longo. Há tempo, FEDERER optou por liquidar os pontos rapidamente, no máximo até a terceira ou quarta bola. Isso é ainda mais evidente na recepção de saque, o suíço deixou pra trás o “aparar o saque” e pôs em prática o “entrar batendo”, c/ intuito de dominar o ponto desde o início.

    1. Willian Rodrigues

      Amigo, se eu fosse um tenista profissional o contrataria agora como treinador!! Que visão espetacular de tênis! Pareceu-me agora tão fácil jogar contra o Djokovic! Basta tirá-lo da linha de base com drop shots e side spin!! Quando ele devolver aquela bola devastadora “no pé”, basta evitar as trocas de fundo. ESTOU IMPRESSIONADO!! Caaaaaaaarrrraa do cééééu! Os treinadores de Federer, Nadal, Murray, Cilic, Berdych, Nishikori, Raonic, Isner, Wawrinka, etc. são muuuuuuiiittoo BURROS!!! Como eles podem não ter notado que seria assim tão simples! Como eles podem, durante todo esse tempo não ter adotado essa tática??!!!! Sim, porque Djokovic tem vantagem do Head to Head contra todos os mais importantes de sua geração. Talvez eu e vários “colaboradores” estejamos meio perplexos agora! Como você explicaria essa vantagem e tantos títulos conquistados contando com um “péssimo voleio” e um “slice ruim” ??!! E por que raios Federer (o maior voleador da história) não consegue mais vencê-lo nem emso na grama, seu território dominante?!!
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Faça-me o favor…

    2. Jeremias

      O jogo de rede dele melhorou 100 por cento. Não é mais “péssimo”, não. Isso é conversa de federete. Claro que ele não é nenhum Sampras ou Mcenroe, mas claramente treinou bastante e está muito, muito, muito melhor….

    3. RicardoCWB

      Amigo, você claramente não anda vendo os jogos do sérvio ultimamente, porque falar que ele tem um “slice ruim e um jogo de rede (voleio) péssimo” é dose.

      E de onde você tirou essa milagrosa tática de “tirá-lo do fundo da quadra, trazê-lo pra frente c/ bolas mais curtas e baixas, em especial na sua esquerda, explorando o slice”? hahaha Pagaria muito para ver a cara do Nadal ou do Federer ao ouvir esse “sábio” conselho.

      Sugiro que reveja a final de Roland Garros de 2015. “Aquilo” é a melhor tática para enfrentar Djokovic quando ele está nesse nível.

  22. antonio

    Realmente Dalcim, o homem é o dono do Tenis no Momento. A semana foi perfeita, não perder saques em uma quadra tao veloz assim não é para qualquer mortal, ainda mais o Djoko que normalmente começa os campeonatos meio devagar e depois embala, mais em Xangai começou a 1000%. Falta muito para para Nole chegar em Nada e Federer em termos de GS, acredito que ele deva chegar em Nadal e talvez ate passar, mas dai teremos que esperar. Mas em relação a ser mais completo, isso acho que Djoko já pode ser considerado de fato como o tenista mais completo do circuito e talvez o maior nesse quesito, pois ele soma grande títulos desde a quadra mais lenta até a quadra mais rápida, um verdadeiro fenômeno, até onde ele vai…, so o tempo dirá, mas terminar novamente com numero 1, tudo indica que sim, acho que só um problema fisico poderá impedir isso neste momento. Tudo indica também, que o Djoko, jogando tudo isso, deve ser o grande obstaculo a mais um ano de reinado de Nadal no saibro, ta muito longe ainda, mais 2019 ta pintando por ai como uma nova era de reinado de NOVAK DJOKOVIC!

  23. Fernando Ferreira

    Dalcim, essa estatística do Agassi é para tenistas que terminaram o ano como #1 do mundo.
    Em 2000 o Safin começou como 20 e poucos no ranking, teve um início de temporada terrível com seguidas derrotas na estreia e chegou a #40 do mundo em Abril… Aí começou a virada em Barcelona e depois ficou como #1 do mundo no final do ano, só perdendo a posição pro Guga na última partida do ano.

  24. Marcelo-Jacacity

    Devido ao alto padrão imposto pelo Big-3 espera-se apenas títulos e dos grandes para eles. Nadal está confortavelmente com 17 majors e Federer não precisa vencer mais nada e por ora possui os recordes mais notáveis (20 Majors e recorde de semanas como n. 1).

    Isso posto, Djokovic precisa recuperar os dois últimos anos jogados no lixo. Com a retomada a partir do segundo semestre de 2018 com as conquistas em Wimbledon, UsOpen, Cincinnati e Xangai, o sérvio recuperou um pouco do tempo perdido.

    Agora é rumar para os títulos de Paris e Finals e terminar o ano como nº 1 do mundo.

  25. Marcos Fontes

    O que dizer? … o cara tá insano, e claramente não se vê adversário para ele. Federer e Nadal seriam, mas deram uma caída no segundo semestre, já os novatos nem dá para considerar … nesse ritmo o primeiro lugar está só esperando ele e com méritos.

  26. Naira

    Dalcim, boa tarde. Entrei em alguns sites/blogs da Europa e existe uma discussão muito grande em torno do tema pais e treinadores sobre ensinar as crianças. De uma forma geral, a tendência é que as pessoas responsáveis ensinam o estilo Djokovic de tênis moderno. A briga gira em torno de beleza clássica versus vencer é o que importa. Voce tem uma opinião sobre este tema?

    1. José Nilton Dalcim

      Não, não tenho. Mas tem sido tendência ensinar o backhand de duas mãos e depois respeitar a individualidade de cada um.

      1. DIEGO PERES CHAVES

        Ensinar o backhand de 2 maos evita lesoes desnecessárias, como o cotovelo de tenista. Depois, mais velho, caso nao tenha um bom backhand pode experimentar o de 1 mao. Ensinar criança a bater ja com 1 mao eh contraindicado

  27. Toninho

    Como fã de carteirinha do Federer, tenho que admitir que Djokovic está impossível, provavelmente deve bater todos os recordes do Leão da Montanha, e se tornar o melhor de todos os tempos…

  28. Naira

    Dalcim, boa tarde. Na sua opinião, dos jogadores que estão surgindo, quais os que tem a forma de jogar espelhada no Djokovic? Voce pode colocá-los num ranking de potencial (fazendo uma projeção futura usando achologia).

  29. Chetnik

    Que coisa né. Não faz muito o Djoko ficava constantemente com “cara de cachorro que caiu na mudança” e uns comemoravam com picanha regada à picardia. Mas parece que agora a picanha acabou e, ao invés da picardia, sobrou apenas a “cara de cachorro que caiu na mudança”. Aliás, nem as caras dá né, kkkkk.

      1. Chetnik

        “Dá é a forma conjugada do verbo dar na 3.ª pessoa do singular do presente do indicativo (ele dá) ou na 2.ª pessoa do singular do imperativo (dá tu). Dar é a forma do verbo no infinitivo.”

        Kkkk. Me lembrou o caso do “húmido”. Foi querer dar – “dar”, nesse caso, viu, kkkkk – uma de bonzão pra cima de mim e passou vergonha DE NOVO, kkkk.

        Sério, uma dica: você não sabe nem a diferença de “mais” e “mas”, não tenta me dar – DAR – aula de nada não.

        PS: Já faz quantos anos que você tenta me pegar, por conta das aulas que eu te dei no passado? Kkkk. Se eu fosse você eu parava, já que a vergonha só aumenta, kkkkk.

    1. Luiz Fernando

      E outros sumiram: o da segunda divisão do tênis, o professor pai do Zé Verev, o lógico, onde será q estão kkkkkkkkkkkkk? Devem estar no churrasco comendo picanha kkkkkkkkk…

      1. Paulo F.

        kkkkkkk
        Aquele Márcio Souza deve estar num exílio, ao estilo Cabo Daciolo, roendo cordas de raiva com o desempenho atual de Nole.
        Chora mais que está pouco, Márcio!

      2. Sérgio Ribeiro

        Tudo bem Zé Fernando ? Leia com mais atenção os Posts que verá comentários sobre a fase espetacular do Sérvio , a queda física do Titio Federer e a classificação antecipada de Sasha para o FINALS. O rapaz e’ míope ? kkkkkkkkk Abs!

        1. Luiz Fernando

          Vc reapareceu, que legal, aproveitou o curso intensivo de sumiço com o lógico kkkkkkkkkkkk? Grande abraço…

  30. Chetnik

    Mais um título em uma quadra rápida? Ué, mas eu pensei que ele fosse um maratenista sem talento e que só vence pela padronização de quadras super lentas?

    A real é a seguinte, o Djokovic joga, e não é pouco. Joga MUITO. Tem talento, e não é pouco, é MUITO. O cara faz tudo dentro de uma quadra de tênis, não tem buracos ou fraquezas. Tá sacando melhor do que nunca e tá com o jogo de rede afiado. Errou aquele smash ridículo no MP, mas acertou vários no jogo, dois do fundo da quadra – não foram winners, mas atacou ambos.

    Teve um maluco que falou que o Coric tem um saque e uma direita superior ao Djoko, kkkk. Quando eu penso que não entendo nada de tênis, me lembro desses gênios e seus comentários precisos, kkkk.

    PS: Primeiro torneio grande que eu lembro que o Djoko venceu sem perder o saque. É uma estatística irrelevante, mas não deixa de ser interessante, e ratifica que está sacando melhor do que nunca.

    1. Paulo F.

      Fui eu que falei do saque e direita do Coric melhores do que o Nole, Bruno Chetnik Louzada.
      Relaxa, sou tão fã do sérvio quanto tu.

  31. Chetnik

    Madrugada foi perfeita. Já começou com a vitória do meu maior ídolo esportivo, Fedor Emelianenko. De GOAT para GOAT, Djokovic confirmou o favoritismo.

    Praticamente selou o topo do ranking, ao final do ano. Melhor que não jogue nenhum 500, a menos que esteja muito descansado. Tem que se concentrar nos torneios grandes, apenas.

    Federer escapou de uma boa…

    1. Valmir

      Escapou no US Open também… virada estranha do Millman.
      Vamos ver nos próximos torneios se ele perde exatamente uma rodada antes de enfrentar Djoko… aí vai ficar caracterizado o … fujão.
      Nesses dois torneios, Djoko jogou antes dele e Federer já sabia o que viria pela frente.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Cara,

        Isso é de uma uma pobreza de espírito que não tem tamanho…

        Fugir por que?

        O Djokovic já não lidera com duas vitórias á frente dele. Ficar com 3, faria realmente a mínima diferença?

        Aliás, basta só você pensar:

        Se passasse pela cabeça do Federer evitar o Djokovic, não teria sido MUITO MELHOR ele ter feito isso em 2015, quando ainda liderava o confronto?

        Agora, parceiro, entrou na chuva e pra se molhar…

        Deixa de ser “limítrofe”.

        1. Valmir

          Em 2015… jura ?.. Djokovic 5×3 Federer
          Nesse ano, Djokovic venceu Federe nas finais de … Wimbledon, US Open e do Finals… ou seja… o filé… foi um baile.
          Eita rapazinho desinformado.
          Para relembrar… desde o longínquo US Open de 2010… nos Slams… Djoko 8×2.
          Federer não ganha do Djoko… nos Slams… desde Wimbledon 2012.

          Vamos ver nos próximos torneios em que possam se cruzar… o que vai acontecer com o … fujão.
          Foge do Nadal no saibro… e agora… foge do Djoko em qualquer lugar.

  32. José da Silva

    Acho que Nadal vai ser considerado o principal favorito nos próximos torneios que disputar. Ele sempre é considerado, apesar de fazer tempo que não ganha do Djoko fora do saibro.

  33. Julio Cesar

    “e aí é importante recordar entrevista de Marian Vajda em que o treinador disse que precisou convencer o pupilo a minimizar algumas condutas da dieta” Djokovic não estava mais comendo carne, especialmente fígados.

  34. Flávio Barroso

    Dalcim você acha que Novak têm chances de igualar ou passar Federer em número de Grand Slams??? E Caso consiga ele pode ser considerado o maior da História??

  35. Marcelo-Jacacity

    Djokovic fantástico! Ele voltou, voltou!

    Concordo em tudo com o Dalcim, porém, creio que a “virada” do sérvio começou na derrota em Roma para o Nadal em que Nole subiu o nível mesmo com a derrota. E a consolidação ocorreu realmente na semi contra o espanhol em Wimbledon.

  36. Carlos Umberto

    Se fosse um ponto tão decisivo quanto aquele em RG contra o Nadal quando tocou na rede? No mais perfeito! Mudando de assunto, RF envelheceu, não seu estilo bonito. Taí o Coric para comprovar. Chato mesmo era ver os antigos saibristas, maioria espanhóis

  37. Luís Nascimento

    Parabéns ao DONO DO TÊNIS MUNDIAL.

    Impressionante como Novak está jogando, simplesmente não existe adversário à sua altura nesse momento. É questão de tempo para o Sérvio voltar ao posto de número um do mundo.

    Não acredito que Novak tenha condição de igualar os 20 GS de Federer, mas se mantiver focado, é bem possível igualar Nadal, ou quem sabe, até supera-lo.

    Parabéns Nole!!!!!

  38. Adriano Souza

    Dalcim, ele é o Rei do tenis
    O melhor Djokovic venceria o melhor Federer, por causa da sua incrivel capacidade de se defender

  39. Luiz Fernando

    Não assisti mas deu a lógica, e não tenho dúvidas q Djoko será o número um ao final da temporada, acima de tudo por seus méritos. Faltam 2 semanas p Paris e Rafa ainda nem começou a treinar, o q na minha visão significa q não disputará nem Paris e nem o Finals; mesmo se comparecer ao último, estará completamente alijado da disputa. Resumo: sem grandes adversários, o sérvio deverá vencer ambos.

  40. Carlos Umberto

    Tudo ok com Djokovic, porém perder um match-point com uma bisonha realização de um Smash, me deixou envergonhado. O Coric até merecia ir um pouco mais!

    1. Marcelo-Jacacity

      Carlos,

      Faz parte, o importante é que ele acertou vários e ele já melhorou o smash. Antes era horrível, agora está regular. E outra coisa nos últimos masters americanos teve uma chuva de smashes bisonhos de inúmeros jogadores. Não é exclusividade do Djoko.

      1. João ando

        Marcelo. O smash e um dos golpes mais difíceis do tenis…até os grandes tenistas tem dificuldade…agora e estranho como ele saca bem…se tem o smash ruim deveria ter o saque fraco tb

Comentários fechados.