Rei Midas acerta em cheio
Por José Nilton Dalcim
23 de setembro de 2018 às 21:20

Roger Federer virou mesmo o Rei Midas do tênis. Tudo em que se envolve parece ser fadado ao sucesso. A Laver Cup que o diga. O evento criado por sua empresa com ideias decisivas do suíço se provou outra vez um tremendo sucesso.

Tudo começa pela boa escolha dos participantes, um misto de qualidade e carisma. Depois, a das sedes – o United Center do Chicago Bulls foi um tiro certeiro – e por fim o formato, que trouxe o match-tiebreak como solução e recheio – 8 dos 11 duelos precisaram dele – e uma forma de pontuação que deixa tudo aberto até o finalzinho.

O ponto alto, no entanto, está mesmo no comprometimento dos tenistas, que afinal são os donos do espetáculo. Não economizaram esforço na quadra, levando muito a sério, e nem energia no apoio que fizeram ali bem pertinho, atrás do banco do técnico para divertimento do público e da TV.

Aí, além de se assistir a lances excelentes e disputas game a game, ainda é possível ver Novak Djokovic torcendo por Federer ou o suíço trocando ideias táticas com seu arqui-rival, dialongando em alemão com Sascha Zverev. Nick Kyrgios e Jack Sock comandaram a festa do outro lado, mas era possível notar Dieguito Schwartzman e Frances Tiafoe acompanhando cada lance.

A vitória da dupla Sock-John Isner foi um capítulo à parte. Os dois pareciam ter conquistado um Grand Slam depois da vitória sobre Federer e Sascha, vindo de dois match-points atrás, o público completamente envolvido, Isner saltando como criança, Sock agarrado pelos companheiros.

O complemento está em pequenos e cuidadosos detalhes. A escolha dos capitães John McEnroe e Bjorn Borg, a presença de Rod Laver na tribuna, o convite para Ana Ivanovic e Natasha Zvereva fazer o sorteio da moeda, o piso escuro único, o uso do telão acima da quadra para o ‘desafio’ e replays, câmeras mostrando a intimidade do vestiário. Sem falar num amplo setor de divertimento para o público na parte exterior, onde era permitido acompanhar o treino das estrelas. Foram 93, mil pagantes em três dias.

Quando se discute o novo formato da Davis e a ousadia da ATP em lançar seu próprio torneio por países, a Laver Cup dá um show de competência. Claro que o torneio ainda está totalmente em cima da figura de Federer, capaz de dividir a torcida norte-americana e ver seu nome cantado mesmo diante de um homem da casa dentro de Chicago.

Raro atleta que reúne o alto profissionalismo com radiante simpatia, ele trouxe os grandes rivais para seu lado – como esquecer a parceria com Rafa Nadal no ano passado  -, deixando claro que é possível ter competitividade e alegria no tênis profissional.

Por isso, ainda é difícil apostar no futuro da competição quando o suíço não estiver mais em quadra. Até lá, aproveitemos.


Comentários
  1. Gabi

    Dalcim, e hoje à noite hein, o Palmeiras vai ou não vai?

    Sou alviverde tb, mas do Coxa, mais um ano na segunda divisão hehehe.

    1. José Nilton Dalcim

      Não vai ser fácil, Gabi, mas dá sim! E pena pelo Coritiba, torço por ele aí no PR, por motivos óbvios.

  2. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, pelo que eu vi aqui, o Felix entrou como Lucky Loser na China e já venceu dois jogos, um deles contra o Chung. Vai enfrentar o Tomic nas quartas. Quem sabe pinta um título para o novato? Rs
    Abs

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, ele perdeu do Bemelmans (de novo) no quali, mas deu sorte e aí ganhou dois bons jogos. Chung ainda muito estranho. E claro que sou Felix desde criancinha diante do Tomic.

  3. Renato

    Ainda bem que o Alckmin também não será o presidente. Sob o governo dele, a maior organização criminosa do Brasil cresceu de forma assustadora. Também é preciso explicar os desvios milionários que aconteceram na gestão dele( metrô, rodoanel e etc). Pena que o Gilmar mandou soltar o tal de Paulo Preto. O ex diretor da DERSA deve ter muita coisa pra falar….

  4. Gabi

    A transmissão da laver cup foi para a espn preencher a grade. E transmitir o campeonato de futebol chinês é o quê?! O italiano e o francês impuseram cifras milionárias, então ficamos com o ching ling…

  5. alessandro sartori

    Ja que o assunto é política vou palpitar…
    Eu não sou a favor de nenhum, tenho 37 anos e já sei bem o quanto complicado(pra não dizer outra coisa) é o povo brasileiro, difícil achar por aí quem pensa no bem comum, é muita gente ruim disfarçada de boa, é muito graças a deus prá cá e se deus quiser prá lá, mas a ação é sempre contraditória, mas voltando ao assunto daquilo que eu acho que vai acontecer nas eleições, é o que todos já sabem, Lula e Bolsonaro no segundo turno, com o carioca ganhando temos 50% de chances de virar Venezuela, com o PT ganhando e acho que é o mais provável num possível segundo turno, acho que vai se quebrar o “tabú´´ e começaremos a falar em dividir o Brasil, ou melhor alguns estados vão cogitar a hipotese de serem independentes coisa que na Europa se ve com frequencia…

  6. Rodrigo S. Cruz

    O Sérgio Ribeiro é o Henrique Meireles do blog.

    Só vive de auto-afirmação, tadinho…

    ” Só eu assisto os jogos, só eu assisto os jogos”

    kkkkkkk

  7. Pieter

    Dalcim, você saberia dizer se os jogos do qualifying do Challenger de Campinas serão abertos ao público e haverá também rodada noturna deles?

  8. Jonas

    Pelos comentários políticos do post anterior, percebe-se que a polarização aqui vai além da torcida Federer/Nadal.
    Os comentários são tão radicais e irracionais quanto as opiniões sobre o tenista pelos quais torcem contra.
    Serão as eleições onde votaremos contra, e não a favor de um candidato. Parece quando alguns torcem para o outro tenista quebrar a perna e perder.
    Alguns defendendo uma marionete de um corrupto já preso e outros defendendo um militar fascista, racista e vários outros adjetivos terminados em “ista” – este terá de dissolver o congresso, pois não conseguirá aprovar nada com tantos inimigos.
    Ambos tentarão a todo custo se perpetuar para sempre no poder: um dando migalhas ao povo e o outro eliminando os adversários e as opiniões contrárias.
    Ambos sucumbirão à corrupção e ao favorecimento de grandes empresas.
    Escrevam o que estou dizendo.
    Pelo visto, viveremos esta era de trevas ainda por muito tempo…

    1. Rodrigo S. Cruz

      Impressionante a demonização que se pode fazer de alguém, quando baseada em rótulos preconceituosos, mas NEM UM fato.

      Querer comparar um cara comum com um GENOCIDA, é a apelação mais risível que há.

      Ainda bem que você compõe uma minoria…

      1. Jose Yoh

        Assisti aos debates e entrevistas do Bolsonaro e ele não me engana. Assim como o Lula não me engana com a roubalheira, apesar das poucas provas.
        Seu passado é repleto de declarações e comportamentos que fazem juz aos adjetivos terminados em “ista”. Tudo o que ele diz hoje é jogo de cena, para conquistar votos de quem o odeia.
        Não o comparei com nenhum genocida; apenas o chamei de fascista. Pela Wikipedia, fascismo é “uma forma de radicalismo político autoritário nacionalista”. Se ele não é isso, não sei quem é.

    2. Roberto Cerqueira

      Jonas, respeito sua opinião, mas ser ex-militar não é crime. Quanto aos “istas” sugiro conhecer as reais opiniões dele, e não o que dizem os inimigos.

      1. Jonas

        Você tem razão quanto aos militares. Coloquei mal.
        Nada contra, apenas o fato que quando estiveram no poder, a roubalheira foi muito mais obscura e tentaram se perpetuar no poder.
        História não parece ser o forte do nosso povo. Nem memória. Sequer lembram a bagunça e roubalheira que foi o governo Dilma/Lula, quanto mais a ditadura militar.

        1. Roberto Cerqueira

          A imprensa esteve livre durante grandes períodos no regime militar e totalmente livre logo depois. Porque não apareceram reportagens objetivas sobre esta roubalheira? Como os militares tentaram se perpetuar no poder? Em 1974 o governo começou a transição para a democracia, com a oposição ganhando eleições e sendo empossada! As coisas só não correram melhor devido a um fato de que ninguém fala, as crises mundiais do petróleo em 1974 e 1979, que arrebentaram a nossa economia e a de quase todos os países emergentes.

      1. Sônia

        Prezado Gildokson, esse termo “Mito” é puro marketing rsrs, faz parte em uma eleição. O plano de governo dele é razoável perto do plano dos outros. Não há opção, ou voce é a favor do sistema ou contra. Não creio que será essa “trevas” que estão espalhando, necessitamos urgentemente de “lei e ordem”. Hoje perdi um colega de trabalho, sensação inefável, infelizmente mais uma vítima dessa violência desenfreada e sem punição que se implantou em nosso país. Só há direitos pros manos, isso precisa acabar. Observe, estão “todos contra” esse candidato. Se informe de quem grita aos berros “ele não” e de quem diz “ele sim”. Muitos “vivem” de dinheiro público e temem que a “mamata” acabe, estão desesperados. Nessa última semana, observe o “vale tudo”. Aproveite, vá no site do “petê” e leia sobre o “plano de governo”. Se não ficar horrorizado… sinto por seus familiares. Beijos.

      2. Jonas

        Pois é. Se bem que essa história de mito só vejo nos títulos dos vídeos do Youtube que ele mesmo cria e posta.
        Alguém aqui em sã consciência acha que um político é mito? Só se quiser passar vergonha.

    3. Thiago Silva

      O Brasil conseguiu ser mais ridículo do que já era, onde um candidato que até uns anos atrás era meme de internet, agora virou o “salvador” e o gado embarcando nisso.

    4. Luiz Fernando

      Como vc expos, da mesma forma q nas discussões acerca de esporte, nas q envolvem politica também sempre tem um sabe tudo, inclusive o q vai ocorrer com este aquele se eleito. E claro, o desrespeito com as opiniões alheias nao poderia faltar. As pessoas criticam tudo nos outros, inclusive nos candidatos a presidência, mas nao percebem q agem de forma semelhante ao q que criticam aqui no blog…

      1. Jonas

        Desculpe LF se foi muito pretensioso de minha parte achar que sei o futuro.
        Falei baseado no passado, talvez esteja errado – espero sinceramente que sim.
        A única coisa que eu posso afirmar com chance maior de ser verdade é que ele não tem maioria para aprovar suas idéias. Vai ter de apelar ou fazer muitas concessões/favores aos partidos e políticos, coisa que não parece de seu feitio.
        Mas vamos voltar a falar de tênis porque já temos divergências demais aqui no blog só no esporte, imagine se misturar política.

    5. Léo

      Cara, se você estudasse o que é facismo, ao invés de se basear por lendas do WhatsApp, não falaria essa besteira de rotular um candidato conservador a fascista. Parece que tudo que é xingamento, serve para falar ao lado oposto, mesmo não sabendo o que significa…

      1. Jonas

        Léo, se tem algo no qual não acredito é no whatsapp. Ou mesmo na Internet em geral.
        Creio que eu sei o que é o fascismo (que alguns aqui confundem com nazismo). Não estou xingando ninguém chamando de fascista, entenda. Apenas não concordo com modelos de governo autoritários/utra-nacionalistas. Não leva a lugar nenhum. Estes irão te roubar e você sequer saberá nem terá como por na cadeia.
        Espero também que você saiba o que é ditadura militar, ou que tenha vivido essa época, porque pelo menos você estará consciente do seu voto.
        Abraços e vote no que você acredita.

        1. Roberto Cerqueira

          Houve ditadura militar contra pequenos grupos que queriam derrubar o governo, pelas armas, e instituir uma ditadura mil vezes pior. O mil é estimado pelos 17 mil fuzilamentos da ditadura cubana, só nos primeiros meses, contra pouco mais de trezentos mortos no Brasil, muitos em enfrentamentos armados, tudo em relação à população dos dois países. Houve regime autoritário, não ditadura, contra corruptos e comunistas. O resto dos brasileiros viveu muito bem de 1969 a 1974, quando houve a crise do petróleo.

  9. Ricardo - DF

    Uma curiosidade, Dalcim. Ao fazer o toss, o Kevin Anderson sempre dá várias piscadelas rápidas. Fiquei na dúvida se isso é apenas um tique nervoso (mais discreto que puxar cuecas 😉 ou se é intencional, para limpar a vista é focar bem na bolinha. Conforme o ângulo da câmera da para ver direitinho, e não falha uma.

  10. Marcos RJ

    Dalcim, outro grande post, então me desculpa por fugir do assunto: Você ainda acredita que Murray ainda pode recuperar a forma e chegar longe em um Grand Slam? Infelizmente, ja nao acredito. Ele joga 2-3 paridas e sai de cena por longos períodos para treino e recuperação. Até me lembra um pouco aquela agonia do fim de carreira do nosso querido Guga. O que dizem os bastidores?

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, tecnicamente ele se recuperou bem. Não se viu falta de físico também. Imprensa britànica diz que ele está fazendo calendário cauteloso para não apressar. Eu pessoalmente tenho dúvidas nos Slam justamente pela exigência física muito grande.

  11. Oswaldo E. Aranha

    A Laver Cup foi muito interessante, mostrando o lado descontraído dos tenistas, menos o Goffin que não descontraiu em momento algum.

    1. O JR7

      Exatamente Aranha, talvez essa seja a idéia mesmo. O circuito sempre foi moldado para alta competitividade, que acaba gerando sempre ferrenhas rivalidades. Em que contexto poderíamos imaginar Federer e Nadal do mesmo lado da quadra? Levaria-se uma vida a pensar como se daria, mas, eis que hoje temos a oportunidade de julgar se foi válida ou não a experiência, mesmo em um “torneio-evento”. Eu tenho certeza que foi sim!

      Acho sempre positivo o fair play e quando há algo extra quadra fico emocionado. Pode ser uma gentileza a mais ou um abraço ao final de uma partida de tênis. Sou da classe que pensa que ali não são apenas dois distintos competidores, mas ambos colegas de trabalho, parceiros sob certo prisma.

      Não que eu acredite que todos se gostem profundamente rsrs.. Talvez, de fato exista pouca amizade. Mas ainda assim vale a pena momentos de descontração naquilo que é a profissão daquelas figuras. O evento poderia ser no início da temporada e os jogos deveriam ter mais partidas de duplas a simples. Mudaria o foco de um “torneio”, mas que fosse mais no estilo de apresentação, partidas amistosas. E que se continuasse levando a outros países. Nesse caso haveria um conflito de interesses pois existe a Copa Hopman. Mas, entre um e outro fico com a Laver Cup.

  12. Ricardo - DF

    E aí, Dalcim, será que agora o Thiem vai ???
    A exibição espetacular diante do Nadal na épica quarta-de-final do USOPEN, e o grande desempenho no ATP de São Petesburgo será que indicam uma melhor adaptação às quadras duras ?
    Thiem tem um potencial incrível com seu saque e suas acelerações de fundo de quadra. Se esse guri engrenar, vai dar trabalho…

    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, Ricardo, é sempre difícil dizer, mas acho que o título de São Petersburgo vai lhe dar ainda mais confiança. Claro que ele sempre terá dificuldades com um piso veloz como Xangai, mas pode se sair muito melhor em Paris e Londres (acredito que ele consiga a vaga). Abs!

  13. André

    Dalcim, você não acha que supervalorizam demais o Kyrgios? Vejo nele um bom jogador apenas, backhand fraco, mental nem se fala. Tem essa mídia apenas porque de vez em quando faz jogadas de efeito. Não mete medo em ninguém.

    1. José Nilton Dalcim

      Em termos de talento e capacidade técnica, ele é um tremendo jogador, André. Joga com enorme facilidade, possui um saque demolidor, é capaz de jogar muito firme na rede e tem golpes de base poderosos, ainda que o backhand seja seu ponto vulnerável. Basta ver suas vitórias sobre os grandes do tênis para se verificar isso. Portanto, nesse aspecto, não o vejo supervalorizado. É o mais talentoso da nova geração. Seu problema está no físico frágil e na cabeça quase juvenil, aspectos essenciais da máquina que acabam atrapalhando todo o resto.

  14. Luiz Fernando

    Indiscutível dizer q essa Laver Cup tem o seu atrativo, embora eu pessoalmente ache q um torneio “amistoso” nessa época do ano é contraproducente. Agora afirmar, como alguns fizeram, q o sucesso depende apenas de um jogador é um exagero, assim como dizer q outros ícones do tênis se sentiram diminuídos é outro tão monumental quanto, mas isso aqui no blog não é novidade…

  15. Chetnik

    Bem, acho esse “torneio” bem sem graça. Até vi o jogo de duplas do Federer e do Djoko, e o jogo deste com o Anderson, mas porque tava de bobeira. Mas nem critico quem participou, deve ter ganhado uma fortuna, principalmente o bode, que é sócio da parada.

    Bem, a partir dessa semana voltamos ao que interessa: o circuito da ATP. Vamos ver ser o Djoko vai participar do 500 da China.

    PS: A quadra tava mais lenta do que saibro. Muito chatas essas quadras duras super lentas.

    1. Renato

      Não precisa se passar por “Luís ” pra me ofender e me chamar de Marquinhos ou qualquer outro nome. Seja homem! Abs

      1. Chetnik

        Kkkk. Sagacidade nunca foi o seu forte, Marquinhos. Eu sempre te chamei de “Marquinhos”. Por que diabos eu iria utilizar um outro nome para tal? Kkkkk. Sou bastante homem, kkkk.

  16. Daniel

    Essa competição em si é mais uma prova de que Roger Federer é a maior lenda do tênis (e uma das grandes lendas do esporte), enquanto que Djokovic e Nadal são grandes campeões, mas não possuem a mesma “aura” que o suíço, não tem jeito. O suíço possui alguns ingredientes a mais:
    Nadal = Competitividade, resiliência, mental forte, muitos títulos (grande vencedor)
    Djokovic = Estrategia, Técnica, mental forte, jogo completo e muitos títulos (grande vencedor)
    Federer = Agressividade e risco, Técnica, Variação, Improvisação, jogo completo, muitos títulos (grande vencedor), amor ao esporte, carisma, respeito aos fãs e adversários

    Dificilmente teremos um trio em atividade ao mesmo tempo com tantas qualidades assim nos próximos 20, 30 anos. Tomara que eu esteja errado e aliás, já passou da hora da renovação. Thiem, Zverev, Kyrgios etc não podem seguir os mesmos passos que Dimitrov, Nishikori e cia…

  17. Pedro

    Dalcim, alguns comentários: Como você falou em seu post, a Laver Cup, com todas estas características demonstrou ser bem atrativa aos espectadores. Em relação aos jogadores que perdem para o mental, vimos o Anderson e o Dimitrov fazendo ótimos jogos. Confirmação de que jogo eles têm, o problema é mental. A quadra junto com a bola, deixaram o jogo diferente de qualquer outro ATP. A quadra parecia estar bem lenta e a bola bem pesada. Foi a impressão que passou. Foi bom para quem foi ver o espetáculo, mas, como todo mundo aposta, dificilmente ela irá além do ano que vem. Aliás, na suiça, é o palco perfeito para a última edição.

  18. Renatinho

    Dalcim,o que pode fazer um torneio amistoso como a laver cup durar muito tempo mesmo com o Federer não jogando mais ?É bom lembrar que um torneio amistoso pode até servir como preparação para um torneio que vale pontos no ranking.Vide copa hopman que já dura um bom tempo.

  19. Luiz Evandro

    Cada vez mais me convenço que o Kyrgios será uma grande decepção. Seu backhand não machuca ninguém, o forehand na maioria das vezes é aquele “spinzinho só no pulso”, e ainda a mídia especializada vai dizer que ele tem potencial de número 1 ( até quando?). Movimentação fraca e se defende mal. Um grande tenista se faz com trabalho árduo, dia após dia. Deveria se inspirar no Thiem, que evolui a passos largos.

    1. Sérgio Ribeiro

      Onde assino, Luiz ? Mas não e’ somente a mídia. Aqueles que não assistem aos jogos ( somente poucos momentos) , ainda embarcam em Fogninis e Kyrgios da vida. Os chamados seguidores do tal Guri aqui do Blog rsrsrs Abs!

      1. João ando

        O fognini ja chegou ao seu máximo sergio. Deve ter uns 30/31anos. Agora o kirgios se crescer pois ainda e um bebê pode ser que …vá a algum lugar

  20. Lucas BS

    Mestre, viu a declaração do Federer de que depois dessa Laver Cup a paixao pelo tenis aumentou ainda mais a ponte de querer, ainda menos, se aposentar? achei mto bacana ele falar isso, acho que ainda veremos o Rei por umas 3 temporadas nos brindando com sua genialidade única.. voce concorda com a máxima de que alguem pode superar os titulos do Fed, porém jogar bonito do jeito que ele joga nunca ngm conseguirá? abraço e otimo trabalho

    1. José Nilton Dalcim

      Nunca podemos garantir algo assim, Lucas, mas certamente tenistas do tipo dele estão cada vez mais raros no circuito.

  21. O JR7

    Eu gostei dos jogos de duplas, todos inclusive!
    Como leigo, se fosse dar sugestão, o faria para investir em mais partidas desse tipo, até mais do que de simples. Penso assim porque já acompanhamos o circuito, já sabemos como joga tenista A ou B. Acho que o público no geral iria aprovar. As disputas em duplas são bem emocionantes e ao mesmo tempo divertidas. Podem ser bem intensas mas tem menos peso emocional, acredito pela parceria/companheirismo. Então fica uma “batalha descontraída”, um paradoxo de bom gosto. Fora os variados voleios e jogadas de improvisos. Eu curti bastante!

  22. Rodrigo S. Cruz

    [quote] E Roger ontem deu um verdadeiro passeio no talentosíssimo Kyrgios. Sabe muito rsrsrs. [/quote]

    NEM TANTO… APENAS MAIS DO QUE VOCÊ.

    [quote]E o Danoninho ou ” farsa imberbe ” foi quem definiu a Laver Cup de virada pra cima do gigante Anderson.

    HÁ UM ADÁGIO QUE DIZ QUE TODO CÃO TEM O SEU DIA. HOJE FOI O DELE.

    [quote] Já está no FINALS e provavelmente com a companhia do Superestimado Thiem

    FATO QUE EMPOBRECE O EVENTO. ASSIM COMO O GOFFIN, ANO PASSADO…

    [quote]. Este agora barbarizou também em Indoor. Ou seja, já está mais do que na hora de alguns reverem seus conceitos. Se não, tome de pagarem micos a perder de vista rsrsrs [/quote]

    SE EU PAGO MICOS, O SENHOR PAGA KING KONG’S…

    [quote] Abs! [/quote]

    OUTROS!

    1. Sérgio Ribeiro

      Empobrece ? Goffin bateu Federer e fez FINAL do Torneio que reúne os 8 melhores de toda a Temporada. E fez grande partida contra Dieguito ontem na Laver Cup kkkkkk Abs!

  23. Eduardo Spacca

    Análise como sempre muito bem feita a sua, Dalcim.
    Esse é um torneio muito simpático, vemos a descontração e divertimento dos jogadores, rivais ferrenhos em outras competições, e que também nos diverte muito.
    A lamentar, fazendo coro com outros participantes, a ESPN deixar de transmitir o último dia. Para que então se propõe a transmitir o torneio?
    Ainda bem que pudemos ver aqui no site TenisBrasil.
    Abraço, Dalcim

  24. Paulo

    Dalcim, tudo bem? Federer mudou de raquete novamente, ou é apenas uma “atualização” de cores? Lembrando que ele jogou o us open novamente com a raquete toda preta.

    Abs

  25. Sergio Ribeiro

    O Craque Suíço e’ o oposto do que foi e continua sendo o grande ICEBORG rs Consegue interagir na boa com todos os seus convidados. Tanto os da Nextgen , tanto com estrelas do Calibre de Rafa e Novak. Se Kyrgios não gosta de Tênis como se comporta como um torcedor de arquiba ? A competitividade e’ tao alta que Sock chegou a quebrar raquete depois de perder para Edmund. Novak ( assim como Rafa na outra ) , parecia em Casa. Enfim , um carisma monstruoso. Este vai deixar saudades até para seus detratores. Difícilmente a Laver Cup continua sem ele. Del Potro deve ter se arrependido de ter ficado de fora. Abs!

  26. Hélio Coelho

    Mto legal o evento …. difícil vai ser se sustentar sem o maestro suíço . Pra mim , é cristalino a admiração de todos por Federer … até mesmo por parte de Novak e Nadal , todos estão ali por causa dele …. 2019 Nole masca tb …. já teve sua experiência de passar um fim de semana junto ao rival/ídolo … Minha humilde opinião!

  27. Arthur

    Realmente, fica difícil imaginar a Laver Cup prosseguindo depois da aposentadoria do Federer, Dalcim (o que eu imagino que ocorrerá em 2020).
    Mas, a despeito do sucesso do evento, fico aqui com uma dúvida: até que ponto dá pra avaliar o nível técnico dos tenistas nessas partidas?
    Não quero dizer que ninguém tenha feito corpo mole, mas, por exemplo, dava pra imaginar o Djokovic perdendo do Anderson em qualquer outro torneio?

    Um abraço.

    1. José Nilton Dalcim

      Anderson joga muito tênis, Arthur, mas imagino que o fato de ser um amistoso, com menor pressão, ajudou o sul-africano no aspecto mental, que sempre foi um problema maior. Além disso, foram dois sets e um tiebrekão, portanto muito mais simples de administrar que um ‘melhor-de-5’. Abs!

  28. Marcelo Gomes

    Dalcim, vc acha q a Laver Cup deveria entrar no calendário da ATP e as vitórias nas estatísticas dos atletas????

    1. José Nilton Dalcim

      Não, Marcelo. Não poderia nem sequer pleitear isso porque é um torneio de convidados, disputados em formato diferente. Nada ali é oficial, e talvez seja muito bom que nem seja. Abs!

  29. Jeronimo Brito

    Dalcim… impressionante de fato a motivação dos jogadores! Sensacional poder ver dois gigantes dialogando sobre o que pensam estrategicamente para o jogo!
    A vibração de Federer na vitória sobre Isner, foi maior do que várias de suas últimas conquistas e isso foi TB marcante…. Acho que faltou uma vitoria de Nole q sabidamente se entrega bastante emocionalmente nestas competições. Para o fan de tênis, a ESPN pisou na bola ao não transmitir o dia decisivo!
    Inda bem que pudemos ver aqui no Tênis Brasil!
    Parabéns pelo trabalho

  30. Renato

    Realmente foi muito legal ver a vontade e a seriedade com que a maioria levou o torneio. Novak parece ter gostado, mas deve ter se sentido um pouco diminuído pois estava perante o maior da história e a razão absoluta da grande presença do público.

    Dalcim, a quadra estava bem estranha, não acha? Lenta e com quique alto. Parecia o master de Paris.

    1. Luis

      Cada comentário mais patético do que o outro hein, MARQUINHOS.

      Sempre tentando diminuir outros tenistas que não sejam o seu deus.

      Melhore!

      Abs

Comentários fechados.