Só boas notícias para Djokovic
Por José Nilton Dalcim
6 de setembro de 2018 às 01:27

Novak Djokovic confirmou seu amplo favoritismo para atingir outras marcas expressivas na sua carreira, a 11º presença nas semifinais do US Open – só perde para as 14 de Jimmy Connors – e a 33ª de um Grand Slam, a segunda maior de toda a história atrás das 43 de Roger Federer. Mas se o placar sobre a ‘zebra’ John Millman mostra 3 a 0, a dificuldade foi suportar a umidade de 79% que outra vez exauriu sua energia a um grau bem perigoso.

Há no entanto duas grandes notícias para Djokovic. A primeira é que a temperatura enfim vai despencar em Nova York, com previsão de 18 graus na noite de sexta-feira e de no máximo 20 na tarde de domingo, quando poderá estar em quadra em busca do tri. A outra é que seu próximo adversário, Kei Nishikori, amarga 13 derrotas consecutivas desde que o surpreendeu na mesma semi de US Open de quatro anos atrás.

A cena alarmante de um Djokovic capengando em quadra se repetiu na Arthur Ashe e o australiano se aproveitava disso para alongar pontos e mostrar um vigor notável, correndo atrás de deixadas e lobs. Um providencial parada após o quarto game do segundo set, solicitada por Millman que queria trocar a roupa encharcada, permitiu que o sérvio se acalmasse e fizesse a hidratação mais ampla. Daí em diante, renovado, ele voltou ao domínio dos pontos lá do primeiro set.

Sem limitações físicas, Djokovic é amplo favorito diante de Nishikori na sexta à noite. O japonês é claro tem muito mais tênis e experiência que qualquer de seus outros adversários deste US Open, mas sofre do problema de jogar num estilo bem parecido ao do sérvio com menor potência. Mas observem que sua caminhada até aqui se fez com uma postura bem mais ofensiva do que o normal. A média de winners de Nishikori é superior a 32 por partida, com recorde de 49 diante de Diego Schwartzman.

Contra Marin Cilic nesta quarta-feira, foram ‘só’ 29 em cinco sets, mas Nishikori soube dosar muito mais a pancadaria de fundo de quadra, que induziu o croata a 70 erros não forçados. E olha que Cilic chegou a ter um set e 4/2 à frente até que o adversário ajustou sua posição de devolução e passou a entrar mais nos pontos. Esse ataque a partir da devolução é um expediente a ser utilizado também diante de Djokovic. Destaque-se que Nishikori é o profissional com maior aproveitamento em set decisivos, ou seja, terceiro ou quinto sets (121-39, ou seja 76% de eficiência).

Semi quase americana
Se os homens estão vivendo maratonas sucessivas, as semifinais femininas foram de pouca emoção. Naomi Osaka cravou sua primeira semifinal de Grand Slam com uma vitória muito fácil em cima de Lesia Tsurenko, que acordou com virose, se viu obrigada a arriscar demais e cometeu incríveis 31 erros em apenas 14 games. Muito consistente, a japonesa de 20 anos falhou só 11 vezes e ainda fez mais winners (12 a 10).

Naomi mora com a família na Flórida desde os 3 anos e tem dupla nacionalidade, mas o pai haitiano – daí sua pele tão morena – optou por registrá-la na Federação Japonesa. Portanto, ela cresceu totalmente adaptada ao estilo americano de jogar tênis, o que lembra muito a história de Nishikori, que está radicado na Flórida desde os 14 anos.

Aliás, os dois viraram bons amigos em Nova York e entram para a história: jamais houve dois nipônicos ao mesmo tempo numa semi de Grand Slam. Naomi, campeã de Indian Wells em março, é a primeira de seu país a ir tão longe desde Kimiko Date, em Wimbledon de 1996.

Mais tarde, Madison Keys manteve seu histórico perfeito contra Carla Suárez, tomando sempre a iniciativa dos pontos e agredindo o máximo que pôde o serviço da espanhola. Fez 22 winners e 32 erros, mas não fugiu ao plano tático, o que é um de seus fortes.

Aos 23 anos, Keys chega em sua quarta semi, sendo duas no US Open, uma na Austrália e outra em Roland Garros. Ganhou todos os três jogos diante de Osaka e só cedeu um set. Tem de levar o favoritismo, o que gera expectativa de segunda final americana consecutiva, já que Serena Williams jogará nesta quinta-feira contra Anastasija Sevastova.

Atualizando o ranking
– Djokovic já assume o quarto posto, deixando para trás Zverev e Cilic, e pode ser terceiro se for campeão.
– Nishikori dá salto de sete posições e se garante no 12º. Só voltará ao top 10 em caso de título.
– Austrália passa a ter três top 40, com Kyrgios, Millman e De Minaur.
– Coric (18º), Khachanov (25º), Basilashvili (31º), Medvedev (35º), Millman (37º) e De Minaur (38º) terão seus melhores rankings.
– Não há qualquer top 10 nas semifinais femininas e há uma briga particular entre as quatro por posições. Osaka é provisoriamente 15ª, duas acima de Keys, que é seguida imediatamente por Sevastova e Serena.
– Todas as semifinalistas podem ser top 10 se ganhar o torneio exceto Serena, que atingirá no máximo o 11º.


Comentários
  1. Rodrigo Azevedo

    Tem gente chamando o atleta que detém os maiores recordes deste incrível esporte, enfrentando seus adversários no alto dos seus 37 anos de “bundão”…olha o respeito rapaz…

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Concordo totalmente. As adversárias da Williams facilitam e muito o jogo dela. A americana sempre bate parada e tem muito controle e principalmente potência e aí dita o ritmo da partida.
      O circuito feminino é uma desgraça, ninguém varia, slice e subir à rede? Jamais. É só porrada. Sharapova, Muguruza todas tenistas unidimensionais.
      E também na torcida pela Osaka que por sinal é fanzaca da Serena, sei não…

      Responder
  2. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, até hoje não entendi o fato de o Shapovalov jogar pelo Canadá. Você sabe qual o motivo dele ter feito essa escolha, já que ele nasceu em Israel e tem ascendência russa? Outra coisa, a palpitação que o Félix teve me leva a crer que foi resultado do clima muito abafado. Vamos ver se ele decola.
    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      E por que deveria ser diferente? A família se mudou para o Canadá quando Denis não tinha sequer completado um ano. Ele foi totalmente criado lá, na cultura de lá e com o sistema de treinamento de lá. Está corretíssimo a meu ver.

      Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Não sabia que ele havia sido criado no Canadá. Mesmo assim, interessante essa confusão (no bom sentido) de nacionalidades. Dá pra pegar muitas coisas boas dessas diferentes culturas.
        Abs

        Responder
  3. lEvI sIlvA

    Dalcim, meu caro, quem sabe até 1 Post ou 2 rende os 10 melhores jogos de GS e Masters 1000, assim como os 10 piores de 2018, não acha ? (Mas indique por favor os 10 + e os 10- em que votou tanto de de GS como Masters 1000, ok?) Deixa mais pro final do ano…! Abraço!
    PS. Estou certo de que renderá boa discussão e comentários.

    Responder
  4. Wagner wanderley

    Boa noite Dalcim o Bellucci ganha confiança se ganhar esse charlenger , e o Melo vai ter uma parada duríssima mas acho que com a confiança deles acho que eles levam não concorda?

    Responder
  5. Gabi

    Li ontem que “… a busca quase utópica por mares em condições ideais levou o americano Kelly Slater, 11 vezes campeão mundial, a fabricar suas próprias ondas. A ideia deu certo, e agora a piscina montada por ele na Califórnia (EUA) receberá uma etapa da Liga Mundial de Surfe (WSL).

    Com isso, alguns analistas do esporte acreditam que a piscina colocará ainda mais à prova a capacidade técnica dos atletas, que no mar aberto podem ficar à mercê das condições climáticas, decidindo baterias e etapas com ajuda da sorte e da boa leitura do mar por parte dos surfistas.

    Por outro lado, a verdadeira graça do esporte é a leitura do mar para pegar a melhor onda, que são mais volateis e perigosas, ninguém sabe o que ela vai fazer, como vai fechar…”

    Já pensou, Dalcim?! Padronização total rs.

    O US open e Australian open que se cuidem rs. Ou melhor, Wimbledon e Roland Garros que se cuidem rs.

    Responder
  6. Arthur

    Sou Federer, Dalcim, mas no embate entre o Nishikori e o Djokovic, vou torcer como louco pelo sérvio.
    Seria sumamente bizarro ver o japonês vencendo Slam.
    Torço pelo Delpo, de todo modo, mas não creio que ele passe pelo Nadal na semi.
    E aí o espanhol deve tomar outro sarrafo do sérvio na final.

    Um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, eu já acharia bem legal o japonês ganhar um Slam, Arthur. Apesar de suas limitações físicas, ele é um batalhador. Mas com certeza é um tanto irreal imaginar que ele ganhará de Djokovic e provavelmente do Nadal em seguida.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Pô,

      Eu já acho que seria sensacional o Nishikori ganhar ao menos um titulo de Slam.

      Torço mais pelo japinha do que pelo Delpo, que já ganhou alguns…

      Só que é totalmente IMPENSÁVEL ele vencer o Djoko, e depois ainda vencer o Nadal.

      Responder
  7. Santista

    Dalcin, bom dia. Estava verificando ontem que Cilic e Del Potro completam 30 anos este mês. Sendo assim, não teremos NENHUM campeao de Slam em atividade com menos de 30 anos. Isso ja ocorreu anteriormente na história? Acha que isso pode ser uma tendência no futuro ou é so devido a genialidade do Big4?

    Responder
  8. Rafael

    Naturalmente, o “maestro” perde, parte da torcida se comporta com dignidade e discrição, outra parte clama pela renovação do circuito, outra começa a atacar a bola da vez – no caso, Nadal, e agora que Djoko parece ter recuperado boa parte do seu jogo, ele.

    Aí vem as pérolas de sempre,

    Uma vez que vc entende o ciclo, não incomoda mais.

    Pessoalmente falando, pra turma do bordão Jamais Serão, digo o seguinte. Federer existia no circuito antes de Djokovic. De certa forma, já exibia um padrão de jogo plástico e dado a lances espetaculares.

    Nunca me atraiu a ponto de torcer por ele.

    Para o meu tipo de personalidade, o falso blasé, a raiva reprimida, o “staged elegance” nunca se compararam ao que primeiro, Nadal, e depois Djoko – com quem mais me identifiquei, viriam a mostrar.

    Se Federer não faz milongas pq acha que fica feio, problema dele.

    O espírito guerreiro de Djoko, o sangue nos olhos, não adianta, Federer não tem e nunca terá, nem que nasça de novo 1000 vezes.

    Nunca será.

    O que também é mais previsível do que Djoko gritar com o box é o comportamento de BOA parte da torcida de Federer; enquanto ele está na disputa, aquela torcida, aquela soberba. Perde miserável e melancolicamente, pipocam Nadal é dopado, Djoko é milongueiro, SE isso, SE aquilo. Falta, a muitos dos “classudos” torcedores de Federer, justamente a “classe” que eles imaginam que seu ídolo tem. Não passa de uma máscara. Aí vem a grosseria, a memória de glórias passadas, a falsidade e o fracasso em sequer disfarçar todos esses defeitos.

    Mesmo bundão como é, Federer não merece boa parte dos torcedores que tem. Federer é um ícone, um sucesso. Essa gente, um bando de recalcados.
    ______________________________
    Agora, que beleza a seção de comments das notícias, hein? Outro dia li uma notícia e logo abaixo os comentaristas estavam mandando um ao outro tomar no c# e por aí vai. O pior é que já reparei que alguns desses lixos dão as caras pelo blog, também.

    O site, o negócio não é meu, mas se fosse eu ficaria preocupado em eliminar isso. Pega muito mal esse trash talk.

    Por último, Dalcim, conforme suas orientações sobre não discussão aqui, com o que concordo, dei um e-mail pro pessoal mais valente (mas só por trás da tela) se comunicar comigo quanto às desavenças de opinião ou o que for, o que poderia escalar pra onde fosse. NENHUM desses covardes jamais usou esse recurso em sei lá, dois anos que criei o e-mail. No entanto, posts continuam a ser liberados por aqui, dirigindo-se à minha pessoa, repetidas vezes.

    Já que a covardia dos mesmos, aliada ao meu respeito pelo espaço, me impedem de resolver essas questões adequadamente, peço por favor que não libere mais esses comentários. Não quero direito de resposta, não estou pedindo nada além de respeito. O que eu queria saber já sei. São apenas bundas moles. Mas tem que haver um critério, as pessoas não podem simplesmente postar o que querem, mesmo depois de avisadas, e ficar por isso mesmo. As regras tem que ser para todos.

    Eu não posto aqui para me aborrecer. Se eu chegar a ler outro post mencionando meu nome ou insinuando o que quer que seja, de alguém que eu já alertei, terá sido a última vez que prestigio seu espaço.

    Grande abraço e desculpe qualquer coisa.

    Responder
    1. Renato

      Quando eu chamava Novak de pangare e etc vc me repreendia e me chamava disso e daquilo. Agora vc pode chamar Federer de bundao. Quem é você para chamar o cara de bundao?

      Vc critica os torcedores de Roger mas assina embaixo as baboseiras que o tal de Valmir e Chat escrevem. Cara, se enxerga! Fica pagando de culto, valentão e etc e contando historinhas sobre sua vida que ninguém sabe se é verdade e tenho certeza que ninguém está interessado em saber.

      Responder
    2. Bruno

      Por que o Federer é bundao?
      Conhece o pessoalmente?
      Vc utiliza a mesma hipocrisia de todos aqui ,só que às vezes se faz de santinho.
      Vamos comentar apenas os caras na quadra pq fora dela aqui ninguém conhece ninguém.
      Abs

      Responder
    3. Chetnik

      Rafael, a parte dos torcedores do Federer é perfeita. Um dos motivos que eles alegam para idolatrar o Federer é a pretensa classe, mas eles mesmo não tem classe nenhuma. WTF?!

      Quanto ao resto, relaxa, cara. O clima aqui em 2015 e parte de 2016 era péssimo. Eu admito que várias vezes postei PUTO aqui. Mas vou te dizer que não me irrito com um post aqui faz muito tempo. No máximo rio ou sinto pena. Sério mesmo. Depois que você entende a dinâmica – e você, pelo o que escreveu, já entendeu – não tem porque se irritar, perder cabelo – eu já tenho pouco rs. Seja resiliente, como o Djoko, rs.

      Abraço.

      Responder
    4. Gildokosn

      O Federer é um bundão? Sério isso?!
      A verdade é uma só, o fato de Federer deter os recordes mais importantes desse esporte mesmo sendo o “bundão” que alguns aqui acham que ele é, incomoda muito os torcedores dos outros dois monstros.
      Fosse Federer esse bundão que vocês dizem, ja teria largado esse osso ai à muitos anos e não tava tomando na cara de Djokovic, Nadal e cia. Afinal o status de lenda e GOAT ele ja tem.

      Responder
  9. Luiz Fernando

    E aí Lógico, como está sua toca, quentinha? Esperando a rodada de amanhã não é? Senti sua falta nos dias q se seguiram a derrota do Federer, vc q sempre se caracteriza pela hombridade de vir ao blog e admitir os resultados, sejam eles quais forem. Não se esqueça do termo consagrado da língua portuguesa que adjetiva aqueles q se aproveitam de situações favoráveis e se escondem nas desventuras…

    Responder
  10. Renato

    Viana, na Boa, vc acha mesmo que Nadal faz mais jogadas de efeito que Federer? Vc acha que o voleio, drop e smash do espanhol são melhores que o do suíço? Me desculpe, mas parece fanatismo. Em termos de habilidade, Roger dá de 10 a 5 no espanhol tranquilamente. E Roger executa todos os golpes citados por mim melhores que Rafa. Não estou falando de um ano pra cá, mas sim da carreira inteira.
    Concordo que Nadal melhorou muito, mas faz muito mais força que o suíço pra executar os golpes. Federer tem muito mais talento. Creio que 99% concordam comigo.

    Responder
  11. Rubens Leme

    Dalcim, uma pergunta básica: se os dois maiores estádios do US Open possuem teto que pode fazer diminuir a sensação de calor e umidade porque não foi usado até agora? Em primeiro lugar, são as quadras para os principais jogadores então, teoricamente, faz todo sentido protegê-los. É até uma questão financeira, tanto porque há cadeiras vazias como porque poucos se interessam em uma final sem os favoritos.

    Em segundo, como bem descreveu um leitor, as condições eram desumanas também para os espectadores. Oras, se gastou uma grana nisto, não usar porque ou não choveu ou porque é desleal com as demais quadras é uma estupidez, até porque a própria altura do teto dificulta a circulação do ar, enquanto nas quadras mais simples isso não ocorre.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A justificativa engloba dois motivos: o primeiro é que o torneio é sob quadra aberta, portanto essa condição tem de ser mantida; depois, haveria privilégio para quem jogasse nos dois estádios em detrimento dos demais participantes.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Sim, concordo, mas como o teto causa dificuldades na circulação do ar, a sensação térmica aumenta para todos, me parece sem sentido não usar se existe exatamente para esses momentos.

        Enfim… vende-se menos ingressos e acaba prejudicando este ou aquele favorito.

        Responder
  12. Mike

    Rodrigo S. Cruz

    Você realmente acha que o Nadal tem mais chance que o Djoko, numa quadra rápida como esta?

    Sonha, Clone…

    _____________________________________________________

    Primeiramente é unanime entre os jogadores que as condições pela umidade e quadra mesmo estão mais lentas, us open é uma das quadras mais lentas o proprio thiem falou isso depois do jogo contra nadal e o federer depois do jogo contra o milman, então não entendi o: ” numa quadra rápida como esta”, se é na verdade uma das quadras mais lentas do circuito hahaha

    Segundamente, eu não ACHO, eu já vi o nadal DERROTAR DUAS VEZES o djokovic nesta MESMA QUADRA, em duas finais de us open em 2010 e 2013( ano em que djokovic já estava no auge), então não é questão de ACHAR, ele já o fez 2 vezes e pode fazer de novo.

    Terceiramente, O próprio Dalcin, Meligeni, Ghem, já expressaram que nadal é favorito numa eventual final contra o djokovic esse ano, vai lá e refuta eles agora e fala pra eles: ”sonha, dalcin, meligeni e ghem”.

    e por ultimo, acho muito engraçado o desespero de vocês quando federer perde, torcer pro djokovic a qualquer custo ganhar do nadal e não encostar ainda mais no recorde hahaha

    Responder
      1. Mike

        Tem problema não, pode desviar o foco da discurssão,ficar fazendo previsões a lá Pessanha( e quando acertar UMA vir aqui contar vantagem), secar o nadal até o ultimo,uma vez que o federer caiu fora da chave, você não deve mais ter nada de bom pra fazer, deve ter feito disso seu novo hobby para não parar de assistir o torneio. Vai se acostumando, esse vazio existencial vai ser mais comum daqui pra frente, abraço.

        Responder
  13. Foguetinha

    Ah mas que sem graça a chave do sérvio!!!! Amanhã Nishikori vai ficar trocando bola do fundo da quadra, não vai dar conta da solidez do sérvio e vai se afundar em erros não forçados zzZZz…

    Dalcim, seria Djokovic o Neymar do tênis??

    Responder
  14. Fernando C.

    Dalcim,

    uma dúvida que tenho é como os jogadores, após uma maratona e sob condições tão extremas como nos jogos de Federer e Djoko contra Millman e Nadal x Thiem, dosam descanso e treino? O jogador precisa repousar um pouco, diante de partida tão extenuante, mas ao mesmo tempo imagino que não deva negligenciar do treino?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Treino durante campeonato é algo bem simples, Fernando, coisa de 40 minutos. Em alguns casos, há algo especial – se o adversário é um canhoto, por exemplo -, mas ninguém exagera.

      Responder
  15. Josh

    Olá Dalcim, esse Millman é um verdadeiro atleta, corre muito, pena que tenha um saque somente regular e não sabe atacar! O Djoko quando precisou elevar, o fez, mesmo dando umas viajadas.
    Dalcim, é minha impressão ou parece que tem muitas cadeiras vazias nesse USOPEN?

    Responder
  16. Erick Fioretti

    Caro Dalcim,

    Andei meio fora de combate para escrever aqui, mas continuo acompanhando suas análises.

    Bem, gostaria de falar sobre as condições aqui no Arthur Ashe, onde estive por 4 dias durante o US Open. INFERNO!!!

    Ontem durante o jogo do Djokovic estava insuportável, realmente sem circulação de ar alguma, como ele descreveu ao final da partida. Sauna é uma boa palavra para descrever as condições. Havia muitas pessoas passando mal pelo calor excessivo e umidade altíssima, na casa dos 86%. Veja, parado, no lugar, é possível suar como o Rafa Nadal. Rsrs. BRUTAL!

    Na derrota do Federer estava ainda PIOR. Me lembro de ter visto no celular à 1:04am que a sensação térmica era de 34 graus, com a umidade relativa acima dos 70%. Estava pra lá de insuportável, DESUMANO.

    Desumano jogar tênis nessas condições. É bem verdade que isso afeta os dois jogadores, mas não entendi o motivo de não fecharem o teto para se evitar esse sofrimento. Qual é o ponto a se provar ao fazê-lo?

    Outra coisa é o barulho do estádio. Parece um estádio de futebol, não um jogo de tênis. A estrutura do novo teto provocou isso. Ontem tinha uma senhora do meu lado que estava envergonhada com o comportamento desrespeitoso das pessoas nas arquibancadas. Muitos americanos vão ao US Open para socializar, não para assistir a jogos de tênis. O problema é que fazem isso em TODOS os lugares.

    Muito diferente de Indian Wells, um belíssimo torneio onde as pessoas que vão é por que gostam desse esporte maravilhoso.

    Em relação às semifinais, acredito que Rafa e Nole são levemente favoritos frente aos adversários. Nishikori e Delpo jogaram melhor e mais consistentes que os dois até agora. Porém, nessa fase aguda a experiência conta muito.

    O que acha dessas semifinais, mestre? Quanto daria de chances a cada um nos encontros?

    Grande abraço e me desculpe pelo longo comentário.

    Responder
      1. Gustavo

        Dalcim, desta vez, o convido a repensar!

        São 14 derrotas consecutivas para o sérvio! Já começa com o mental muito prejudicado!

        É de mais proximidade com a realidade uma chance de 85% para Nole e 15% para o japa… Não concordas???

        Abraços!

        Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Seria legal também que, suas análises fossem vistas, por aqueles que atribuem fatores antiesportivos (milongas) às vitórias de alguns atletas.
      O que Federer diz ter passado e o que vimos Djokovic ontem, são verdades incontestes. O fato é que, ao que parece, Federer foi menos resistente.

      Responder
  17. Doug

    Olha o que diz a matéria: “Novak Djokovic confirmou seu amplo favoritismo para atingir outras marcas expressivas na sua carreira, a 11º presença nas semifinais do US Open – só perde para as 14 de Jimmy Connors – e a 33ª de um Grand Slam, a segunda maior de toda a história atrás das 43 de Roger Federer”. Record inexpressivo se isso não for convertido em Titulos (Slams) !!!
    O cara tem 5 vice campeonatos e 2 titulos no US Open, por isso seu nome é Djkovice !!!

    Responder
    1. Barocos

      KKKKK!

      Só pode ser comentário de torcedor fanático de outro tenista!

      Meu caro amigo, vice de torneios dá troféu (de vice, é claro), pontos para o ranking e, pasme, grana e, no caso de slams, muita, muita grana!

      KKKK!

      É cada louco que posta aqui !

      Este não é apenas o Blog mais informativo do tênis que eu já li, é o mais engraçado também !!!

      Parabéns Dalcim, pelo conteúdo das análises em seus posts e por permitir que posts engraçados venham a tona !!

      Responder
      1. João ando

        Verdade barocos…antes havia uma guerra aqui com agressões pessoais …mas a moderação acho que começo u a tirar …mas tem cada pergunta e cada post que são engraçados

        Responder
    2. Paulo F.

      kkkkk
      O cara tem “apenas” 13 GS conquistados.
      TODOS os troféus importantes na estante (medalha de ouro não é troféu, é medalha).
      Aí ainda ousa chamar de Djokovice…

      Responder
    1. Eduardo

      Concordo totalmente ! Talvez o Del Potro ainda complique as coisas se não se matar para vencer o Nadal…mas se o Nadal passar, acredito que pode entregar a taça pro Djoko.

      Responder
        1. Marcelo-Jacacity

          Em 2010 o Nadal estava voando e o Djokovic não tinha despertado seu “Ki” máximo ainda (o ápice para o sérvio neste USOpen foi derrotar Federer salvando match points na semifinal).
          Em 2013 a derrota do Djokovic foi frustrante, para mim, é claro.

          Responder
  18. Miguel BsB

    O Djokovic tá muito magro! Parece fraco, está bem abaixo do peso correspondente a sua altura. Não passa uma imagem muito saudável, pelo menos aos olhos de um leigo como eu… Será que isso o está afetando fisicamente tb Dalcim? Será que essa dieta quase vegana que ele segue é recomendável para um atleta de elite como ele?

    Responder
  19. Flávio Barroso

    Parabéns pelo Blog Dalcim. Tá bombando de comentários sejam esses felizes ou infelizes. Grande parte aqui dos que comentam são imparciais, levando em conta o lado torcedor. Sou torcedor do Novak, tenho o mesmo como um dos melhores da história. Quando joga o seu melhor, acredito que seja difícil ter batido, somente Nadal e Federer em dias iluminados ou um Wavrinka inspiradíssimo. Mesmo assim, não fico desmerecendo os feitos de gênios do esporte como Federer e Nadal. Cada um têm seu estilo de jogo e todos eles foram bem sucedidos em suas carreiras. Ninguém é igual a ninguém, então é bom para o esporte que tenham tantos estilos e comportamentos diferentes, faz bem para o esporte esses contrastes. Então pessoal, sei que o lado torcedor fala muito alto aqui, mas devemos deixar o fanatismo de lado e agradecer por ter o privilégio de poder ter acompanhado a rivalidade dos três maiores tenistas da história. Aproveitem, o fim dessa era de ouro está próxima.
    Dalcim, penso que com o fim do BIG3 não ocorrerá mais domínio que os mesmos tiveram, irão ter vários ganhadores de Grand Slams. Serão mais disputados. Acredito que será ruim para o esporte, já que é bom ter alguém fora de série capaz de vencer praticamente todos tenistas, como fizeram Federer, Nadal e Novak por tantos anos. Qual sua opinião a respeito?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como tudo na vida, existem prós e contras. Eu prefiro um circuito três ou quatro fortes concorrentes competindo entre si, o que dá diversidade e disputa de ranking e títulos. O momento atual deu uma sorte incrível de termos quatro jogadores fora de série, e veja como isso fez bem ao tênis.

      Responder
    2. Willian Rodrigues

      Perfeito seu comentário! Penso exatamente assim. Torço para o Djokovic, mas sou fã de Nadal, Federer, Del Potro e Murray. Devemos aproveitar esse período com 4 ou 5 gigantes!

      Responder
  20. Rubens

    o sérvio joga muito, é claramente o mais completo jogador de todos os tempos, mas é meio molenga em situações adversas.
    Nadal e Federer são bem mais firmes nestas situações, não deixam transparecer quando estão com algum problema, o sérvio parece criança mimada nessas situações.

    Responder
  21. Bruno

    Dalcim,
    Jim Courrier disse que as quadras foram deixadas propositadamente mais lentas para favorecer os tenistas americanos.
    Pela história não teria que ser o contrário?
    E se vc acha ainda que podem voltar a diversidade das velocidades das quadras?
    Eu ,sinceramente,com essa padronização,piorou muito circuito.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Favorecer os norte-americanos? Realmente, não faz sentido. Acho que existe uma vontade de termos pisos mais diferenciados, mas ainda não é uma tendência.

      Responder
      1. lili

        Oi, Dalcim!
        Li esta matéria: “Baffling” US Open court change blunder slammed” (news.com.au) E Jim Courier interpretando a queda de RF!
        Mas terá sido esta a única razão para o “desastre” de Federer, ou muito cedo no torneio já teria perdido a energia e a habitual intensidade?
        Para alguém que gosta de ter uma aparência limpinha imagina o desconforto de destilar, literalmente, perante a plateia exigente!
        Excelente post!

        Responder
  22. ricardo jose kuschnir

    Nos Grans Slams é que e gente percebe mais claramente a diferença abismal entre o tênis feminino e o masculino. Todos os jogos de quartas dos homens foram empolgantes, deu pra ficar acordado até bem tarde pra assistir; os jogos das mulheres são entediantes, mal dá pra assistir dois sets.

    Responder
  23. Fernando Brack

    Virar um jogo depois de tomar um pneu é coisa para poucos. Não basta não se desesperar e aguardar alguma queda de rendimento do adversário. Há que se ter uma confiança absurda em si mesmo, no sentido de se achar capaz de encontrar alternativas para ao menos equilibrar a peleja. Precisa ser um monstro mental. O cérebro do Nadal, esportivamente falando, é um assombro e terá que ser estudado pela ciência quando ele morrer.

    Responder
    1. Barocos

      Nadal percebeu que a maneira de vencer o Thiem era diminuindo o tempo que este tinha para a preparação das devoluções. Agiu, reagiu e venceu.

      O que eu não entendo é como podem chamá-lo de unidimensional, baloeiro ou qualquer outra coisa que vise depreciá-lo. O cara é um fenômeno e os torcedores do Federer deveriam agradecer a existência do Djokovic no circuito. Sem o Nole, não haveria discussão sobre quem deveria ser aclamado como GOAT.

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Não sei se ajuda, Brack. Ano passado no mesmo USOPEN ainda em terceira rodada, Thiem meteu 6 x 1 , 6 x 2 em Del Potro. E levou a virada com 4 x 6 no Quinto. Rafa Nadal comentou sobre isso antes do jogo. Confesso que achei bem estranho esse Pneu. Até porque o Espanhol treina muito com o Austríaco… Mas isso não diminui o fato de Rafa ser o maior competidor e estrategista desse esporte. Superando até mesmo suas poucas limitações. Abs!

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Coisa pra poucos mesmo…

      E como recordar é viver:

      Eu me lembro do GUGA fazendo exatamente o mesmo com Guilherme Canas, em Buenos Aires, salvo engano…

      Engraçado que eu lembro do placar, mas nao lembro se foi semi ou se foi quartas.

      Ou seja, a confiança que o Guga tinha no saibro era tão grande que mesmo tomando 6/0, ele se recuperou e enfiou um 6/1 e 6/2 sobre o argentino.

      Naquele época, o Guga tinha um domínio no saibro quase tão grande quanto o Nadal, guardadas as proporções.

      Mas de qualquer forma, teve de mostrar uma grande força mental naquele jogo.

      Responder
  24. Fernando Brack

    LF, de onde vc tirou que priorizar torneios obrigaria o tenista a vencê-los, como vc insinuou em sua milionésima achincalhação do Federer?

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Xará, para cada brincadeira/provocação/etc que eu já fiz ou farei com Federer vcs já fizeram milhares com o Nadal, e, pior, em geral orquestradas com as famosas tabelinhas, nas postagens q um pergunta p o outro. Além disso, desde quando eu disse q esse ou aquele tem a obrigação de ganhar isso ou aquilo? Quem falou em “prioridades” foi o próprio, como consta de uma das reportagens do site, na última das quais ele dizia q sua prioridade naquele momento era o USO; creio q um jogador do gabarito dele quando fala em “priorizar” não quer dizer “competir”, creio q ele pensava em “tentar vencer”. Como as duas últimas prioridades redundaram em fracassos, postei q estava aguardando a próxima. Agora, falar em achincalhar quando vc mesmo há alguns dias entrou nas brincadeiras estúpidas do Lógico é muita falta do q ter o q postar, não acha?

      Responder
  25. Rodrigo S. Cruz

    Muito bom Bellucci !

    Grande virada sobre Martin Klizan que é um tenista respeitado…

    Depois dessa, o Monossílabo vai passar o dia chorando as pitangas.

    Falando nisso, alguém sabe por onde anda o MAGISTRAL Rogerinho mesmo?

    kkkk

    Responder
  26. Chetnik

    Hehe, avisei que como o Cilic tava jogando não passaria nem do NIshikori. Aliás, o Cilic derreteu mentalmente, como é de praxe. Achei muito fraco esse jogo. Saque do japa cada vez pior. Nível WTA. O Djoko vai comer com farinha esse saque. Hora da vingança. Se perder uma segunda semi para o sacador WTA, seria um vexame histórico. Bem, aquela semi foi esquisitíssima, não deve acontecer novamente.

    AInda bem que vai refrescar. Em que pese o desgaste do Touro ser muito maior, não dá pra vencê-lo quase desmaiando pela humidade – se houver essa final, não estou dizendo que é garantida.

    Esse Millman fez um ótimo torneio. Tava com a sorte na lua. Tanto contra o Djoko quanto contra o Federer o cara achou umas bolas na linha que pqp.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      O Milman é um Djokovic em escala diminuta.

      Falta potência nos golpes, sua bola e saque andam bem menos, mas corre igual ao Djoko.

      Era jogo pro Federer surrar, não fosse o problema que sentiu.

      Quanto ao Nishikori concordo.

      Improvável que derrote o Novak, que consegue fazer quase tudo um pouco melhor do que ele.

      E aquele saque? Misericórdia…

      Lamentável que um tenista da qualidade do Japa se apresente com um PETELECO daqueles…

      Responder
  27. Fernando Brack

    Mas há uma possibilidade de Djoko x Nadal acabar não sendo um bom jogo, por conta do desgaste do ogro. Ele vai ter que compensar com sua alma e coração de grande competidor, e sabemos que ambos estarão lá na Arthur Ashe, se ele chegar à decisão. A virada que ele aplicou no Thiem foi absurda. E olhem que o austríaco tava em noite inspiradíssima.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Bom,

      Somente o Dalcim para bater o martelo, e não quero polemizar.

      Mas eu me lembro bem que antigamente, as estatísticas dos jogos faziam traziam a informação escrita: “Winners, incluindo o serviço”.

      Depois, esta informação que havia nas tabelas, desapareceu. Portanto, sempre paira a dúvida…

      O que eu sei é o seguinte:

      Historicamente, quase sempre o Nadal vence os jogos errando menos que o adversário, e fazendo menos winners.

      O que significa que é na estatística oculta FORCED ERRORS, que ele quase sempre leva a melhor.

      Ou seja, ele ganha o ponto forçando o erro do adversário.

      O Thiem foi quem jogou mais no risco do que o Nadal, certo?

      Quem joga no risco faz mais “winners” e comete mais “unforceds”.

      Se fosse do jeito que você fala, teríamos de concluir que o Thiem mesmo arriscando mais, praticamente empatou com o Nadal em winners.

      Pois: 74 – 18= 56. (Thiem) e 55 – 3= 52 (Nadal).

      Fica meio sem lógica…

      Também, e apenas pra efeito de curiosidade, o Thiem terminou o jogo fazendo 5 pontos a mais.

      O que significa que o Nadal ganhou, por ter jogado melhor os pontos decisivos…

      Responder
      1. Sérgio Cipriani

        Rodrigo, analisar as estatísticas como um todo é enganoso em muitas vezes, porque elas englobam as situações de “outlinners” (extremas, fora da curva, como foi o primeiro set, que obviamente inflou os números do austríaco ao final do confronto).
        Agora, se vc considerar que para vencer a partida, é necessário vencer apenas 3 dos 5 sets, podes perfeitamente desconsiderar o que o vencedor tenha feito nos sets derrotados (afinal, set perdido de pouco ou de muito tem o mesmo valor, ou seja, nenhum) e analisar o que ele fez nos três sets que o levaram a vitória… Se vc fizer isso, Rodrigo, vai chegar a um número de Winners maior para Rafa do que para Thiem, e também a um número de erros menor para o espanhol do que para o austríaco. Sendo redundante, isso mostra que pra vencer a partida, nesses três sets, o espanhol foi sim mais agressivo que Thiem. Podes destrinchar e somar as estatísticas dos 2°, 3° e 5° sets que vc vai entender o que eu falo. Claro que se vc engloba as estatísticas dos 1° e 4° sets (o jogo como um todo), coincidirá com a sensação que vc teve. Mas, a partida é decidida por três sets ganhos, e nesses, pra buscar a vitória, Nadal fez mais Winners que Thiem sim.

        Responder
  28. Fernando Brack

    Djoko sólido como uma muralha. Federer não teria a menor chance e tomaria um couro ainda maior que o sofrido pelo valente e atlético Millman, especialmente depois da dura batalha de 2a f.

    Só esperando aqui pela final entre ele e Nadal, que tem tudo pra pegar fogo, com os 2 na ânsia de chegar aos 20 Slams do Mestre. Delpo que me perdoe, mas só vou torcer para que seu jogo contra o ogro seja bom.

    Responder
  29. AKC

    Millman foi muito ingênuo taticamente. Quando Djoko ficou mal e apenas estava colocando as bolas em quadra, pensei que fosse alongar os rallis para desgastar o sérvio, mas passou a se apressar, a errar e a ficar nervoso. Fora a burrice de trocar o shorts quando o sérvio estava à beira de um colapso. Se o australiano tivesse ganho o segundo set – que não estava distante – teria sido um baque para Djoko. A vitória deu um ânimo extra ainda mais quando o sérvio percebeu que o Millman não entendeu o que estava acontecendo. Duvido que tenha outra chance na carreira de derrotar Federer e Djoko no mesmo torneio.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Quando o vi falando alto, junto à rede com o juiz e Djokovic, achei que estivesse encrencando… mas quando vi que o que ele queria era ir ao vestiário, pensei: agora vamos com tudo. Nessa necessidade, ela jogou qualquer tática fora.

      Responder
  30. João Aguiar

    Djokovic é um grande jogador, mais técnico e completo que Nadal. Mas essa postura que está passando mal nos jogos me incomoda muito. Acredito que atrapalha o outro jogador, e no final ele sempre vence… apesar de tanto sofrimento… O Murray também fazia muito isso quando estava perdendo.

    Responder
  31. carlos itamar pereira

    Ontem fiquei irritado com a estratégia do Millman em alongar os pontos , parecia uma maquininha a correr de um lado pra outro fazendo sempre a mesma bola cruzada .
    Quis ganhar feio como Brad Gilbert então o contraste foi gritante com um Djoko metendo curtinhas , paralelas , indo a rede ….enfim ….ganhando lindamente.
    Vamo Djoko !

    Responder
  32. Luiz Fernando

    Zverev, que há algum tempo se cogitava q poderia disputar o número um do ranking já nesse temporada, continua na disputa, só q agora restrita ao primeiro posto do nextgen…

    Responder
  33. Marcelo Reis

    Eu sou magro por natureza (e alimentação/exercícios), mas quando vi Novak sem camisa, até me achei fortinho, rsrs. O mais assustador é que mesmo raquítico daquele jeito, ele imprime uma força considerável em seus golpes. Acho que não o faria mal ganhar um pouco de massa muscular. Ele já foi mais encorpado e era matador do mesmo jeito.

    Na partida, teve mais trabalho do que teoricamente previram. Agora vai se enganchar com um cara que tem um jogo “como o dele”. Acredito que Nadal leva se continuar nas circunstâncias atuais, mas com esse clima esfriando …

    Responder
    1. Viana

      O q importa na pancada de esportes com bola não é a força e sim a forma como é executado o movimento… Federer é magro, Djoko é magro, NAdal tb, apesar de ser mais forte q os dois… mas eles imprimem muita aceleração em seus movimentos.
      Já joguei futebol com um magrelos q chutavam forte demais… pura biocinética!!
      E o mais instigante do esporte…
      Vc tem manuais de como chutar, como bater um forehand… Mas as vezes um cara muda um pouco isso e produz um resultado nunca imaginado!!!

      Responder
      1. Chileno

        Lembro-me que uma vez um professor me ensinou uma “técnica” diferente para o forehand, usando o cotovelo semi-flexionado (eu sempre bati com o braço bem estendido). A diferença de potência foi absurda! E foi uma pequena alteração no movimento. Ainda opto mais pelo golpe com o braço estendido, pois tenho melhor controle, mas às vezes quando acho uma boa oportunidade, tento encaixar o forehand com o braço semi-flexionado.

        Responder
  34. Marcelo-Jacacity

    Só não entendi porque motivo o Millman parou o jogo no 2 a 2 do segundo set.
    Beneficiou ao Djokovic. De qualquer forma, acho que não mudou nada, pois se ele tivesse ido ao vestiário na próxima virada, iria ajudar o sérvio da mesma forma.
    Seria bom para o Millman não ter ido ao vestiário, isso sim. Mas se ele foi é porque estava precisando de forma urgente.

    Responder
  35. Willian Rodrigues

    Bom dia a todos! Caro Dalcim, excelente texto, como sempre! Se a temperatura for mais favorável, realmente podemos considerar Nole como favorito diante de Nishikori, embora o samurai esteja jogando um excelente tênis nesse torneio. Djoko é o melhor devolvedor e o 2º serviço do japa deixa a desejar; em forma, leva vantagem também nas trocas de fundo de quadra. Torcedores do Nadal têm comentado que o sérvio não teria condições de derrotá-lo numa eventual final entre eles. Particularmente, eu acho que o espanhol já oscilou bastante no torneio e, por ser em quadra dura, no mínimo, as chances seriam 50%. Você concorda?

    Responder
  36. Marcelo-Jacacity

    Millman foi muito bem. Como corre o australiano, incrível!
    E mesmo muito abaixo, o Djokovic conseguiu fechar a partida em 3 sets.
    Dalcim, que ótima notícia que você nos trouxe sobre a queda da temperatura em Nova York! Será ótimo não só para o sérvio mas sim, para todos os tenistas e para a melhoria do espetáculo.

    Responder
  37. Rubens Leme

    E o Bellucci venceu o Klizan, que era cabeça 2,, por 3/6, 7/5 e 4/0 e desistência e agora enfrenta o chileno Christian Garin nas quartas. Ótimo resultado para quem anunci anteontem que está novamente sem técnico.

    Torneio tem vários nomes conhecidos, todos já derrotados pelo brasileiro.

    Responder
  38. Valmir

    Corrigindo o texto….
    As marcas de Nishikori no quinto set são impressionantes… mas não são os 121-39 do texto…
    Para jogar as 160 partidas em cinco sets ele teria que jogar por uns 50 anos.
    Com a partida de ontem,
    Nishikori tem… 18-6… 75%
    Cilic tem… 29-15……… 66%

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Desculpe, foi falta de explicar direito da minha parte: é o tenista com melhor aproveitamento em set decisivo (terceiro ou quinto set), com 121-39.

      Responder
  39. sandra

    Dalcim, gostaria muito que Djokovic fosse campeao, mas tá difícil , gostaria de entender uma coisa, o japones ficou com o croata durante 5 sets, Nadal e Thiem também, o os primeiros de tarde e os segundos de noite, e aguentaram firmes( não vi os jogos por inteiro), mas mesmo assim, o qua está sendo pior?? de noite ou de tarde? Eu entendi ontem o Meligeni falar que o teto estava fechado, Procede???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que depende do sol e da umidade. Às vezes, umidade alta à noite só piora. Não acredito que o teto tenha sido fechado, caso contrário não estaria tão abafado.

      Responder
  40. Rafael

    Que teste pro djoko, hein mestre? Esse Millman devolve tudo; um verdadeiro guerreiro! Você acha que o Nishikori pode derrotar o sérvio? Eu acho que ele tira no máximo 1 set, pois o Djoko voltou a jogar demais e sabe que pode ganhar tudo novamente. Abraço

    Responder
  41. LOMEU LIMA

    Jogo a parte, não se pode negar que DJOKO é o maior milongueiro do circuito. Em todas as partidas usa o álibi da umidade para descansar e esfriar os jogos. Que sofre com o calor e umidade é até compreensível, porém destoa de todos os demais com seu “jeitinho” de manipular os embates. Após as paradas volta sempre melhor e sem dificuldades diante do calor. FEDERER sofreu demais com o clima mas não usou de artifícios semelhantes. Contra NISHI vamos ver se mesmo com a temperatura mais amena continuará usando de seu habitual “socorro” médico.

    Responder
    1. Geailton

      Lomeu, ainda que fosse isso, não faz parte do jogo? O sérvio está fazendo algo ilegal? Se os outros nao usam este artifício o problema é deles…. Ta parecendo chororô e temor do sérvio ganhar mais um slam

      Responder
      1. Gildokosn

        Prova disso é q tdas as finais de Grand Slans vencidas por ele foram fáceis neh? Não houve luta em nenhuma delas.
        É cada teoria que vocês insistem em firmar como a mais pura verdade viu…
        Que os outros 2 lutam bem mais que ele eu até concordo, mas isso não quer dizer que Federer é esse arregão que falam por aqui.

        Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Ainda que fosse milonga – quem pediu para parar foi o australiano – ele só agradeceu.
      Realmente difícil reconhecer um grande vencedor, que não seja o seu predileto.

      Responder
  42. Willian de Oliveira

    Grande análise, Mestre Dalcim, como sempre.
    Mas não entendi a estatística de Nishikori: ele é o jogador que tem o melhor aproveitamento jogando o quinto set ou em partidas de cinco sets. Se for a primeira opção, isso significa que ele já disputou 150 partidas que foram ao quinto set? Isso dá uma média de 15 partidas por ano durante 10 anos ininterruptos, sendo que o circuito tem apenas 28 partidas anuais nos Grand Slams, se for à final em todos os eventos, mais 8 partidas de Copa Davis, se continuar avançando. Seria uma estatística incrível!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Desculpe, foi falta de explicar direito da minha parte: é o tenista com melhor aproveitamento em set decisivo (terceiro ou quinto set), com 121-39.

      Responder
  43. Mike

    O novo Big 4 já está formado: os mesmo 3, com a saída de murray e entrada de del potro, a torre de tandil veio pra substituir o murray, temporariamente( ou não), ele tem sido bem regular nos ultimos grand slams, parando só nas rodas finais e ganhou masters 1000 esse ano.

    Responder
    1. DANIEL

      Concordo! Acho que Stan também ocupou temporariamente esse posto de N.4 (Murray obviamente quem ocupou mais tempo), Cilic talvez muito brevemente e agora Del Potro certamente.

      Acho que Djokovic atropela o japaonês e a outra semi será duríssima, o argentino vai querer se vingar das últimas derrotas e vem jogando muito.

      Nadal levou muita sorte contra Thiem, esteve a 1 game de perder o jogo no 2 set, fora um erro infantil de voleio do Thiem, que no todo jogou mais, foi para as bolas mas perdeu. Vamos ver se Rafa sobrevive mais uma nesse contexto.

      Com temperatura amena e umidade mais baixa acho difícil Nole deixar escapar.

      Responder

Deixe uma resposta para Geailton Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *