Preparem-se: o reencontro de Roger e Nole está muito perto
Por José Nilton Dalcim
2 de setembro de 2018 às 01:51

O australiano John Millman e o português João Sousa são a última barreira para que Roger Federer e Novak Djokovic se reencontrem pelo segundo torneio consecutivo. A probabilidade disso não acontecer, que já era pequena, me parece ainda menor depois que os dois fizeram exibições de respeito neste sábado em Flushing Meadows, mostrando muito de seu melhor tênis. Criativos, ousados, velozes, eficientes.

Talvez não haja batalha mais interessante no US Open do que esta. Federer ganhou as três primeiras, entre 2007 e 2009, quando dominava o circuito. Depois, entre 2010 e 2015, foi a vez do sérvio. Nunca duelaram antes da semifinal, como foi aquele épico jogo de 2011, em que Nole salvou dois match-points, o primeiro deles num devolução cruzada bombástica. Foi lá em Nova York onde também Federer aplicou a passada cruzada de grand-willy. Inesquecíveis momentos.

O esperado confronto diante de Nick Kyrgios frustrou porque o australiano se perdeu ainda no primeiro set, após desperdiçar quatro break-points. Independente disso, Federer mostrou aplicação tática, bloqueando saque e variando muito efeito e velocidade nas trocas. Foi bem à rede, movimentou-se de forma magnífica e proporcionou lances de rara qualidade. Djoko por seu lado trouxe de volta seu backhand fulminante e milimétrico, mostrou a habitual capacidade de defesa e contragolpe, mas também encheu Richard Gasquet de curtinhas e passadas. Repertório completo.

E quem são os postulantes a zebra? Millman, 29 anos, 55º do ranking e carreira enrolada por contusões, enfrentou Federer uma vez e deu trabalho em Brisbane de 2015. Sousa, também 29 anos e 68º do mundo, é agressivo mas emocionalmente instável, embora tenha feito um belo jogo neste sábado contra Lucas Pouille. Curiosamente, este será seu quinto duelo contra Djokovic em nível Slam – e sexto no geral -, tendo vencido tão somente 24 games em 11 sets.

O sábado viu também o adeus de Alexander Zverev. Outra vez Zverev decepcionou. Soma agora 14 derrotas – sete delas após ganhar o primeiro set – em 36 jogos de Slam. Seu único consolo é que Philipp Kohlschreiber joga muito tênis, tendo vencido gente como Nadal, Djokovic, Murray e Del Potro na carreira. Seu adversário será Kei Nishikori, até aqui agressivo e fisicamente inteiro. O outro a avançar foi David Goffin e fica à espera de Marin Cilic ou Alex de Minaur.

Mais surpresas no feminino
A queda de Angelique Kerber de virada para Dominika Cibulkova fará com que novamente o circuito feminino tenha quatro campeãs de Slam diferentes na temporada, já que Simona Halep e Carol Wozniacki também foram eliminadas. Ainda há chance também de termos oito campeãs distintas, a menos que Serena Williams ou Sloane Stephens levem o título.

Outra novidade veio com a queda de Petra Kvitova diante de Aryna Sabalenka, que cresce a cada torneio. Aos 20 anos e segunda mais jovem entre as classificadas, a bielorrussa ganhou um título e fez mais duas finais em 2018, tendo vencido nas últimas semanas nomes como Pliskova, Garcia, Keys, Wozniacki e Konta.

Ela agora faz duelo contra outra revelação de 20 anos, Naomi Osaka, que só perdeu sete games em três jogos e aplicou ‘bicicleta’ neste sábado. Quem vencer, terá chances reais contra Marketa Vondrousova, de 19 e mera 103ª do ranking, ou Lesia Tsurenko.

Maria Sharapova desta vez foi firme e atropelou impiedosamente Jelena Ostapenko e cruza com a experiente Carla Suárez, enquanto Cibulkova pega Madison Keys, de quem nunca ganhou em quatro duelos. Cabeça 14, Keys é agora a mais bem classificada desse lado da chave.

Começam as oitavas
Rafael Nadal reencontra com máximo favoritismo Nikoloz Basilashvili, a quem surrou em Roland Garros do ano passado. Kevin Anderson também leva teórica vantagem sobre Dominic Thiem, apesar de já ter feitos dois jogos em cinco sets nesta semana.

John Isner e Milos Raonic fazem jogo dos aces e repetem quartas de Wimbledon, onde o americano levou. O único confronto inédito envolve Juan Martin del Potro e Borna Coric. Eu não descartaria o garoto croata.

Entre as meninas, Serena tem tudo para superar o jogo também agressivo de Kaia Kanepi, ex-top 15 agora com 33 anos, e Sloane Stephens tenta vingança contra Elise Mertens, para quem perdeu duas semanas atrás. Os outros duelos parecem equilibrados: Elina Svitolina x Anastasija Sevastova e Karolina Pliskova x Ashleigh Barty.


Comentários
  1. lili

    Boa noite, Dalcin!
    Sigo-te e aos comentadores, aprecio tênis há muito tempo!
    Neste exato momento estou boquiaberta com este jogo do Federer e Millmann: mais de 40 erros não forçados do GOAT?!
    Coração de “federete” septuagenária pode não resistir, rsrsrsrsrsrsrsrs
    Creio que RF já está vislumbrando os demônios que “Cronos” esconde em seu inapelável ocaso!
    Que tenha brilho!
    Vida que segue!
    Desejo vida longa para ti e teus excelentes posts!
    lili

    Responder
  2. Ricardo Souza

    Sou torcedor do Federer, mas se continuar como estão jogando o ele será atropelado pelo Djoko, caso ele passe pelo australiano.
    Está caminhando para a aposentadoria.

    Responder
  3. Luiz Fernando

    O Sérgio Ribeiro precisa discernir (significa diferenciar) entre o q é ser promissor, e quem vence 3 M1000 só pode ser muito promissor, e o q é realidade em relação ao Zverev. Ontem ele expôs q Lendl perdeu suas 4 primeiras finais de GS, o q é perfeitamente possível, o Sérgio normalmente acerta essas afirmações do q ocorreu há décadas. O problema do alemão não é perder finais de GS, é não chegar na segunda semana nesses torneios, algo em q ele novamente fracassou. Depois vai deixar o rapaz orfão, como fez com o Dimitrov…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Deixar órfão quem venceu um Torneio que Rafa Nadal não possue. O FINALS não é pra qualquer Mane’. Quanto a coisas do passado , problema de quem não teve a sorte de já ter nascido. Zverev é um grande Talento. Achou o Cara certo para tirar tudo dele. Difícil pra você entender isso no Live Score. Abs!

      Responder
      1. Fabricio

        Já que gosta de dar aulas de português o correto é “possui” e não “possue”… mas com certeza deve ter sido o corretor não é não, Professor…rsrsrs Abraço!!

        Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Discernir significa diferenciar ? Você abusa da paciência de qualquer um. O caso é mais sério do que eu pensava. Continue apenas no Tênis , L F . Um dia você acaba aprendendo mais que de Português. Abs!

      Responder
  4. João Heitor

    Com esse nível de jg, me arrisco a dizer q o Nadal corre risco de não ganhar nenhum set, quanto mais o jg, do Thiem, diante do nível apresentado por ambos nas oitavas.

    Responder
  5. João Heitor

    Dalcim, boa noite.
    O q poderia explicar uma queda de rendimento tão acentuada do Nadal? E pior, de uma hora pra outra, já q ele tinha mandado bem na segunda rodada e caiu a partir do jg do Kachanov?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vi uma queda tão acentuada assim, João Heitor. Vi seus dois adversários jogando de forma apropriada e exigindo dele uma postura menos defensiva e algumas alternativas táticas, como o uso de slice. São adaptações necessárias.

      Responder
  6. Sergio Ribeiro

    Quem viu a evolução de De Minaur em poucos meses , no jogaço contra o mais que experiente Cilic , deveria pensar duas vezes antes de repetir a ladainha do “ grupinho “ , de Todinho, Danoninho e outras babaquices ( isso e’ repetido à exaustão em varios blogs e sites ) exatamente por quem não assiste aos jogos e nem lê os Posts ( o blogueiro já fez varios sobre a Nextgen ) .Quis o destino que o SuperEstimado aos 24 ( dito incapacitado para jogar fora do Saibro ) ,seja o cara que num espaço curto depois de RG , seja o Oponente de Rafa Nadal nas Quartas do USOPEN 2018. Pegou o Finalista do ano passado contra o Espanhol, e o bateu em Sets diretos sem ter o seu Serviço quebrado nenhuma vez. Vai tomar uma surra como em RG ? Não acredito. Vai levar? Duvido. Assim como não vejo o Alemão fazer nada pior em quadra que o BigMac , Safin , Hewitt , Kyrgios e CIA. Pegam no pé do cara porque somente assistiram o Big 3 ( o Craque fazia muito pior na sua idade rs ) . Abs !

    Responder
    1. Rafael

      Então, Sérgio

      Eu assisti um pouquinho pra trás do BIG 3, e vou continuar martelando que o problema não é perder, o problema é já entrar derrotado, o problema é atitude, ser educado depois da derrota é uma coisa, mostrar uma resignação submissa é completamente diferente, ser birrento, marrento, estrelinha sem ter ganho nada.

      Antes do BIG 3, mesmo sem chegar na época que vc cita, de Lendl, Becker, etc, o circuito era composto de homens.

      O Guga nunca foi um campeão “pensado”, como o Evander Holyfield no boxe, que era um meio pesado e foi preparado à base de muito anabolizante e treinamento específico para pegar o bicho papão da época, o Tyson.

      O Guga foi lá e fez, por si, sem praticamente nenhuma estrutura em volta. Magnus Norman, Safin,

      Agora, o maior expoente da nova geração fica mordendo a medalha do Power Rangers de uma das diversas correntinhas que carrega no pescoço em busca de ajuda exterior.

      Acho que mais uns 2 slams perdidos e ou ele dá chilique com o Lendl ou o Lendl vai caçar o que fazer por aí.

      E o Thiem? Comentando depois do resultado, Sergião? Por ora, isso não quer dizer NADA. Se ele mantiver uma consistência a partir de agora, a conversa pode mudar.

      É assim que penso, abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Há de se respeitar opiniões divergentes, ainda mais num fórum de debates. Zverev tem vitórias sobre TODO o Big 3 ( Fognini ainda não tirou Sets de Federer ) , até porquê nunca entra derrotado. Daí já ter mais títulos de MASTERS 1000 que vários marmanjos. Lendl foi contratado porquê tem experiência necessária para melhorar sua postura em todos os sentidos. O Cara somente tem 21 anos. Vai melhorar mais do que se imagina. Murray calou vários que o ridicularizavam neste Blog. O tempo vai comprovar para aqueles que já demonstram uma certa inveja dos garotos. Não é o seu caso Rafael. Vamos apenas conferir. ABS!

        Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Maioria ? Isso inclui até o Blogueiro ? Cada um tem a ” turminha ” que merece. Dói Muito e’ ver Fognini e Kyrgios apanhando de todo Mundo !!! rsrsrs Assim como Safin apanhava. Continue com GUGA sendo mais jogador que Murray rsrsrs

        Responder
    1. Rodrigo Bravin

      Não entendi essa de negra linda. As negras são todas feias? Só essa é linda? Nunca ouvi ninguém falar que viu uma “branca” linda. Sobre o jogo dela, acho uma grande passadora de bola. Só isso!!

      Responder
      1. Lola

        Tem negras feias e negras bonitas, ou vc acha que devem ser todas lindas pq são negras assim como as brancas, tem as feias e as bonitas. Tava demorando pra vir um mimizento politicamente correto. 😐

        Responder
  7. Gabi

    Pessoal,

    estão dizendo que a greve dos caminhoneiros que afeta o abastecimento de combustível vai recomeçar amanhã.

    Querem nos pegar de surpresa!

    Então vim aqui para que vcs abasteçam os carros e, tb, comprem o mamão formosa rsrs.

    Se for alarme falso, pelo menos já estarão abastecidos ehehe.

    Responder
  8. Luiz Fernando

    Assisti ao ultimo set do jg do Rafa e não gostei do q vi. Sinceramente não o achei cansado, também não notei nenhum problema no joelho, mas acho q faltou um pouco mais de força, vigor, intensidade, algo incomum nas partidas dele. Claro q ele jogou quase 8 horas em 3 dias, mas nada justifica serviços com media de velocidade tão lenta p uma quadra dessas e jogar tão atrás contra um cara q jogou bem, mas q é bem mediano como postado abaixo. Eu tinha uma perspectiva melhor no inicio do torneio, hj estou bem mais reservado quanto as chances de titulo. Claro q um campeão como Rafa nunca pode ser descartado, mas jogando nesse nível não vejo como possa vencer Djoko ou Federer numa final. A partida contra Thiem deverá ser complicada também, a não ser q as coisas mudem radicalmente.

    Responder
  9. Luiz Fernando

    Nao sei se a culpa é do estilista ou da atleta ou de ambos, mas o traje da Serena no jg de hj é um dos ridículos q eu já vi em quadra.

    Responder
  10. Oswaldo E. Aranha

    Talvez tenhamos na final deste torneio uma reedição de uma página literária: A Bela e a Fera e uma de episódio bíblico: David contra Golias. Concito o Dalcim para estipular o prêmio para quem acertar os nomes.

    Responder
  11. Renato

    Deve dar raiva ter que enfrentar Rafa. O georgiano bate bate, coloca o espanhol nas cordas, mas na hora de matar o ponto o espanhol arruma um jeito de devolver mais uma! Cara chato! Kkkk

    Não acho que o espanhol esteja jogando um tênis para ser considerado o favorito. Está gastando muitas horas em quadra contra tenistas medianos. Não está jogando no nível impecável que jogou em Wimbledon(e mesmo assim perdeu pra Novak).

    O sérvio é o favorito para vencer o slam!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Quem passar de Federer e Djokovic, ganha…

      E o Djokovic entra como favorito.

      Só acho que dessa vez não será tão fácil como em Cincy, em que o suíço jogou “malzaço”.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, tênis ele tem de sobra. O problema é ajustar a cabeça e cuidar do físico. Como ainda é jovem, pode muito bem criar juízo.

      Responder
  12. Luiz Fernando

    Alice querida, considero vc um anjo aqui, sem qualquer tipo de menosprezo. Opiniões, pontos de vista etc todos temos sobre isso ou aquilo e o importante é levar as visões divergentes da nossa numa boa, sem levar p o lado pessoal. Respeito o q vc pensa, mas ainda prefiro ficar com minha visão, q talvez seja confirmada ou desmentida na partida de hj. Bj.

    Responder
  13. Carolina

    Faz tempo que eu não conseguia acompanhar tantos jogos ao vivo. Além de Federer vs. Kyrgios, consegui ver grande parte de Bertens vs. Vondrousova, Garcia vs. Suarez Navarro, Pouille vs. Sousa e Cilic vs. de Minaur. Não tenho capacidade para avaliar a qualidade técnica desses jogos, mas as vitórias de Sousa, Suarez Navarro e Cilic vieram depois de partidas nervosas e eletrizantes. O equilíbrio desses três jogos e a postura dos competidores resultaram em bons espetáculos.

    Algumas considerações:

    – A virada do Cilic na madrugada mostrou por que os jogos em melhor de cinco sets devem ser mantidos no tênis masculino.

    – O Souza pareceu fazer parte da turma de Fognini, Kyrgios e cia.

    – Carla Suarez Navarro mantendo o backhand simples vivo no tênis feminino (aliás, quantas jogadoras top 100 da WTA ainda jogam com backhand simples?). E outra tenista canhota vinda da República Tcheca, no caso a Vondrousova.

    Acredito que os jogos das oitavas devam ser menos equilibrados e com domínio dos favoritos. Tenho expectativas para Thiem vs. Anderson. Até o momento ambos vêm confirmando os games de serviço. Está 5/5 no primeiro set.

    Responder
  14. AKC

    Sobre o Zverev, até comentei que a pareceria dele com o Lendl não renderia frutos agora, mas tenho certeza absoluta que os resultados vão chegar. Quem viu o Lendl jogar sabe que foi um monstro, um competidor e campeão de primeira, não tem como um tenista com talento e dedicado como o Zverev não evoluir. Depois do que fez com o Murray, tenho certeza que vai colocar o alemão em outro patamar.

    Responder
    1. JANAINA DIAS

      Concordo com você, só me pergunto se LENDL vai ter paciência com o estrelismo / histrionismo do alemão..
      O FERRERO não aguentou..

      ZVEREV tem muito talento, mas precisa aprender a controlar seu emocional e a ter também uma visão mais tática do jogo.

      Responder
  15. AKC

    Sem menosprezar o suíço – que era favorito a ganhar o jogo mesmo numa situação normal – acho que o jogo desandou pela cabeça do Kyrgios (para variar). Até o 4×4 Federer estava nitidamente incomodado. Mas bastou o suíço salvar um game perdido e, em seguida, quebrar o grego para o mesmo sair do eixo. Perdeu o segundo set porque ainda estava com a cabeça naquele primeiro set perdido. No terceiro, as coisas voltaram a se equilibrar. Kyrgios precisa de um técnico, urgentemente. Além de ele ser instável, faz escolhas ruins nos pontos. Por exemplo, prefere volear por debaixo das pernas (não fez isso ontem, pelo menos não me lembro) do que executar o golpe normal. Prefere arriscar winners em situações não recomendadas. Erra slices, voleios e deixadas por displicência. Extravasa técnica, mas não possui cabeça, nem tática. Olhem a diferença dele para o Minaur, em termos de aplicação. Chega a ser revoltante ver um talento desperdiçado. Não duvido daqui uns poucos anos ele abandonar o tênis para ser DJ ou ator pornô.

    Responder
  16. Mario César Rodrigues

    João Souza o Portuga,e o John kkkkk mas na boa Rafa estava treinando agora está muito bem ….mas o Kyrgios desisto já sei se ele continuar jogando bem e quando Rafa parar vou torcer para o Grego! ele tem facilidades nos pontos chaves..vai melhorando dia a dia se não se perder!Prevejo que Nole e Federer deva fazer as quartas se não acontecer o que quase aconteceu com Rafa mas o Russo tava Infernal mexeu muito o Rafa no P set e Rafa falhou a mudar o endereço dos saques se bem que o Russo jogou lá atráz também,mas nos tb Rafa assumiu outra postura e ganhou apesar que Rafa em cinco partidas ganhou 5 deste Russo este cara ainda vai ter seu lugar ao sol está melhorando a cada dia.Shapopalov não se engrena mesmo apesar de ter um jogo vistoso enfim….vão ter que esperar o fim da hegemonia.mesmo se Rafa ganhar hoje seja com que for as quartas e semis e final Rafa morderá o caneco!

    Responder
  17. Alison Cordeiro

    Mais do que ver o Big3 confirmando o favoritismo, o que empolga é vê-los sendo pressionados e buscando soluções que seus inigualáveis talentos permitem. Justamente o que falta a Zverev, por exemplo.

    A rota de colisão entre Fed e Nole segue inevitável, e promete um jogo de alto nível. O suíço louco por uma revanche e o sérvio querendo manter o histórico recente. A se imaginar que táticas Federer adotará para não ser encurralado novamente pelas devoluções de Nole, e se o sérvio será mais agressivo do que no último encontro, quando preferiu jogar no erro de Roger. Esse jogo Nadal vai assistir de cadeira, torcendo para os rivais se desgastarem bastante…

    Responder
  18. Marcelo Reis

    O Federer jogou muito bem, mas terá que subir mais para tirar o Novak, caso eles se encontrem, porque na atual conjuntura, considero o Nole superior. Tomara que aconteça!

    Kyrgios teve suas chances no começo, mas errou miseravelmente. Então, é bater na mesma tecla sempre: ele joga bem, mas só um pedaço de cada jogo. E olhe lá.

    Gasquet é muito fraquinho. Só tem um backhand decente. Do mais, sofre em tudo contra o Big3. Veja que de 46 partidas contra eles, só ganhou 3. Os números falam …

    Nunca tinha visto do De Minaur jogar e confesso que estou surpreso positivamente. Quando ganhar mais força e amadurecer mais, vai papar suas taças por aí! Porém, algo me chamou a atenção: a velocidade do garoto. Dalcim, o menino é o Flash, não tenho dúvidas. É ligeiramente mais rápido que Nadal e Novak, com certeza. O Cilic mandava uns mísseis de lado a lado e o guri chegava, e ainda fez uns winners assim. Era o guri chegando nessas bolas inalcançáveis e eu fazendo aquela cara do Kyrgios de ontem. Rapaz … acho que só o Gael tem velocidade semelhante.

    E o que dizer do Zverev? …

    Responder
  19. Barocos

    Supondo que eles passem pelos próximos adversários, espero que desta vez o Federer mostre todo o seu potencial contra o Djoko e que o jogo seja muito mais disputado do que o da última vez.

    A lamentar que que não se encontrem só na final.

    Responder
  20. Miguel BsB

    Esse menino Alex “Di Menor” por muito pouco não tirou o Cilic. O 5 set foi fantástico, o garoto se defende demais! Que raça, salvou 7 match points…chegava em tds! Se o Kirgios tivesse 20% da vontade dele, provavelmente já seria campeão de slam… Criaram um Little Hewitt nos laboratórios australianos. Ainda acho ele franzino e com pouca potência, mas tem o que aprimorar. Tem só 19 anos. Foi o grande jogo da rodada.

    Responder
  21. Sandra

    O De Minaur e espanhol? Ou australiano?. Quis perguntar se nasceu na Espanha e joga pela Austrália! Ouvi alguma coisa sobre a Espanha! Primeiro os dois têm que chegar às quartas, mas não sei se dessa fez o Federer não ganha, Federer surta se não ganhar

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele é filho de uruguaio com espanhola, viveu um bom tempo da infância na Espanha e começou a carreira juvenil representando o país. Voltou no entanto a morar na Austrália sete anos atrás e garante que sempre se considerou australiano.

      Responder
      1. Antonio Gabriel

        Dalcim, esse garoto fez sem duvida o melhor jogo do torneio ontem. Fantástico o que ele jogou ontem. O Cilic se credenciou ontem a chegar na semi…

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Jogou bem mesmo, mas precisa mudar um pouco de atitude. Não dá para ser defensivo o tempo inteiro, Antônio. Ele usa paralela de forma excessiva na defesa e aí é uma correria interminável.

          Responder
  22. Gustavo

    Dalcim, bom dia!

    Gostaria que você apontasse os seus favoritos para os confrontos de cada chave e os semifinalistas, por favor!

    Fico, na minha opinião, de cima para baixo:

    Nadal
    Anderson
    Del Potro
    Raonic
    Cilic
    Nishikori
    Djokovic
    Federer

    Semifinais:
    Nadal
    Del Potro
    Cilic
    Djokovic

    Mudaria algo?

    Obrigado!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não sei se o Raonic ganha do Isner e acho que Nishikori tem boa chance num eventual duelo com o Nishikori. Mas acho que sua aposta é boa.

      Responder
      1. Sandra

        Aliás, não sei se você concorda, ninguém tem dúvidas que Federer faz belas jogadas, como vocês gostam de dizer, mas está parecendo a seleção brasileira de futebol, joga bonito mas não ganha rssss , quero dizer não está ganhando ultimamente, e é claro que pode até levar o us open

        Responder
  23. Fernando Venezian

    Fazia tempo que não via o Nole jogar nesse nível. O adversário ajudou, mas Djoko já se complicou contra outros piores que Gasquet. Mantendo o desempenho, o décimo quarto Slam é concreto!

    Responder
  24. Luís Nascimento

    Não tenho dúvida que Djokovic x Federer será o melhor jogo do torneio. Federer sempre recusou -se a perder para o Dkojo. Não sei porque, mas acredito que as derrotas para o Sérvio dói muito mais no Suíço, do que as derrotas para Rafael Nadal. Há sim uma grande rivalidade devido a problema pessoal mal resolvido entre eles.

    Nadal é o favorito pra fazer a final com o Sérvio, mas para o título, acredito que Djokovic ganhará seu 14° G.S, ele está jogando de novo em altíssimo nível, e na minha opinião, é o jogador mais completo do tênis.

    Responder
    1. Jose Alexandre

      Tenho a mesma impressão sobre o duelo Federer x Djoko, tem uma animosidade latente no ar que faz com que esse seja o duelo mais “sombrio” dentre o Big 3. Até por isso acredito numa reviravolta do suíço dessa vez, algo como ele aprontou em RG 2011 depois de umas 3 patadas seguidas do sérvio.

      Responder
  25. Gabi

    Já disse aqui mas falo de novo: até tento gostar do Zverev, mas não dá; sempre fico esperando o Nadal/Federer aparecer, pegar a raquete e afirmar: “deixa eu te mostrar como faz”!

    RicardoCWB, rsrs, putz, nem se fosse a…mmmmm..deixe-me ver, a Gisele Bündchen daria para aguentar os gritos rsrs.

    Lola, e vc vota em quem no conjunto da obra?

    Responder
  26. Jeremias

    Não partilho muito do entusiasmo–nem da esperança– que tanta gente dispensa ao presepeiro tenista australiano. Registre-se que isso em nada relaciona-se com suas famosas idiossincrasias, as quais têm tanta importância e relevância para mim quanto o arroto vespertino de um boi empanzinado após o almoço. Sim, a olhos vistos ele carrega dentro de si doses bastante volumosas de talento; e sim, ele consegue agradar à audiência com alguns movimentos supostamente “out of the book”; mas o corpo do seu tênis, ao menos para mim (e pelo menos por enquanto), carece do indispensável elemento da competitividade sem o qual qualquer dom, por maior que seja, ficará relegado ao mundo das lembranças folclóricas e “romantizadas”. Engajando-se num calendário de trabalho disciplinado e religiosamente comprometido, creio que ele até poderia deixar seus rompantes de bufão mimado para trás, romper o casulo, e finalmente transformar-se na esperada borboleta que seus simpatizantes tão graciosamente enxergam nele. Até o presente momento, no entanto, seus biquinhos e marmotagens infantiloides, seus muxoxos e afetações de “desinteresse” estão ocupando, às expensas da sua própria melhoria atlética, o primeiro plano da sua carreira.

    Responder
  27. Luiz Fernando

    Assisti o primeiro set do jogo do Djoko e pus… as barbas de molho. Fiquei com a clara impressão de ver o campeão do torneio jogar, acho difícil alguém vence-lo pelo nível q demonstrou!

    Responder
  28. Chetnik

    Tenho que dar razão aos colegas que tiram sarro do Zverev. Que piá patético. Bebê chorão. É uma pena que esses caras vão herdar alguns GS quando os 3 maiores tenistas da história se aposentarem. Afinal de contas, alguém tem que ganhar né, tem 4 todo ano…

    Eu imagino esse bunda suja em Stalingrado. Menciono essa batalha porque ele é um “teuto-Russo”, então me parece apropriado. O cara é Russo de sangue e alemão de nascimento, os dois povos mais durões da face da terra – junto com o japonês – e é um “mamãe me ajuda”, moleque criado pela avó, à base de ovomaltine e traquinas com nescau,

    Eu não falo nem pelo tênis, que no final das contas é irrelevante, mas pela humanidade mesmo. Pensar que essas gerações de machos betas, covardes, mimados, chorões, “self entitled” – desculpa, mas acho expressão em inglês perfeita -, sem nenhuma resiliência, espírito de luta, vão ser o nosso “futuro”, pqp.

    Eu tiro sarro do Federer a todo tempo aqui, mas ele é um homem à moda antiga, “old school”. Tem fibras de aço. Tá aí com 37 anos, 4, QUATRO, filhos, dando a cara à tapa. Venceu o seu maior algoz numa final de 5 sets em que esteve uma quebra atrás no set decisivo, apesar de todo o histórico pesado, negativo e vergonhoso nas costas. 5 anos sem ganhar um GS, frustração atrás de frustração, mas ele perseverou, insistiu e, quando uma porta se abriu, foi lá e aproveitou.

    Ter que ver esses Kokkinakis, Zvereves, Kyrgios, Shapovalovs – com um ursinho de pelúcia carregado pela mãe PQP -, etc, me dá um desgosto profundo. QUando o big 3 se aposentar, o tênis está morto. Vão tudo para PQP.

    É a mesma coisa no futebol. Olha os ídolos dessa garotada. Neymar, pqp. O mundo tá perdido.

    Responder
    1. Jeremias

      Bem, Chetnik, duvido que Russos ou Alemães sejam mais durões do que os caras do chamado Mundo Islâmico. E outra, não sei a fama de “tough guy” se aplica muito ao alemão moderno não, hein….. Tenho algums amigas alemãs que me dizem algo bem, mas bem diferente… Acho que são lembrabças de uma “dureza” passada. Enfim…

      Responder
    2. Rafael

      Muito, muito bom. Muita visão de vida e atitude. Fora a geopolítica, que não entendo então não posso opinar, penso exatamente igual.

      Aí eu fico me perguntando: o Moe, que pega no seu pé, tem esse conteúdo? Se tem, pq não mostra? Só faria bem ao blog. Já cansei de dizer isso aqui: adoro tênis, mas relatos como esse, q não deixam de ser uma micro-analogia da condição humana, representam uns bons 50% da razão pela qual frequento e participo deste fórum.

      E antes que pensem, óbvio q não aprecio apenas aqueles com os quais concordo.

      Muito bom mesmo.

      Responder
    3. Miguel BsB

      Caramba, assino embaixo! Esse nova geração Instagram é mimada e chorona… O tênis é só um reflexo disso. Shapovalov com ursinho de pelúcia no camarote é pra acabar… Se isso acontecesse numas épocas atrás com Big Mac, Connors, Safin, era capaz de quebrarem umas raquetes na cabeça dele…

      Responder
    4. Paulo F.

      Se todos os russos e alemães que combateram em Stalingrado fossem iguais ao Zverev, ouviríamos choros pelo “papai” ao invés do barulho dos fuzis e das peças de artilharia.

      Responder
  29. Chetnik

    Jogo horroroso do Federer contra o malaco. Tem gente que gosta…Esse Kyrgios é um mero serve bot com as piores mentalidade e atitude que eu já vi em quadra. Vergonhoso. Em todos os games em que ele não despachou seus primeiros saques, ele foi quebrado. Aí você fala que ele é um serve bot e tem quem se ofenda. Muito superestimado. Não vejo esse talento todo.

    Aliás, eu conheço esses tipos. Tem tanto medo de fracassar, que afeta uma indiferença, só para dizer: “ah, perdi? Tanto faz, não estava interessado”. MENTIRA. Esse cara é uma fraude, que desapareça do circuito, vai fazer menos falta do que o Gasquet.

    Responder
    1. AKC

      Eu concordo no sentido que muitas vezes valorizamos mais um suposto “talento natural” do que a garra e a dedicação, mas quando vc vê a história dos grandes campeões, artistas, cientistas, vê que na verdade a dedicação sempre teve um papel muito maior do que o talento. Talento sem dedicação e suor não é nada. As pessoas gostam de exaltar o talento de Federer, mas tenho certeza que nos bastidores houve muito treino, disciplina e superação. O Kyrgios parece até ter uma facilidade para o esporte, mas é um descompromissado. Vergonhoso realmente. Nunca será ninguém no tênis assim.

      Responder
      1. Rafael

        Já mencionei isso, mas Carl Barks, gênio, o homem dos patos, de quem sou admirador profundo, dizia: talento é 10%. Na maior parte da minha carreira, o que eu usei mesmo foi muita borracha e uma grande cesta de lixo.

        Ou seja: se não estiver disposto a esquentar a cabeça e trabalhar duro, o talento te leva only so far.

        Daí eu torcer por Djoko e, bem, é isso.

        Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      O próprio Djokovic declarou que o Kyrgios tem um grande serviço.

      Aliás, o sérvio foi derrotado na ocasião e perde dele no confronto direto.

      E por fim, serve-bot não é ofensa, é ELOGIO…

      Porque todo mundo quer ter um.

      Responder
  30. Chetnik

    Djokovic foi espetacular. Me pareceu aquele Djoko de outrora, pelo menos por um set e meio – um pouquinho mais até. Eu, modéstia à parte, tendo acompanhado quase toda a carreira do Djoko, sei quando ele tá bem e mal. No primeiro game, apesar de ter precisado salvado BP, eu já sabia que ele tava bem, pois tava com uma postura agressiva, e indo para as bolas. Me lembrou uma final de Doha contra o Nadal, a maior surra que eu já vi aquele aplicar nesse. No primeiro game ele teve que salvar BP, mas eu sabia que ele tava inspirado naquele dia. Foi a mesma coisa “hoje” – tendo em mente que aquele Djoko era superior ao de hoje, claro.

    Paralelas a todo tempo, agressividade, bolas fundas e velozes, mudança de direção constante das bolas, devolução de saque espetacular, bom saque – embora não espetacular – mentalidade correta, boa variação, concentração, etc. Enfim, a melhor apresentação em muito tempo. Por outro lado, eu sou consciente e sei que o Gasquet faz qualquer Big 3 parecer invencível. É impressionante.

    Por um lado, eu fico meio embasbado, com jogos como o de hoje, me perguntando por que o DJoko não joga assim sempre. Não falo de execução técnica, porque todos tem bons e maus dias, mas em termos de postura. Por outro lado, eu tenho uma explicação. Ele já jogou com o Gasquet uma centena de vezes, e esse é um dos seus maiores fregueses. Então, além de ter uma confiança absurda contra o mesmo, ele sabe exatamente como o francês joga, sabe como a bola vem, sabe o que tem que fazer. Contra um Tsitsipas da vida, primeiro confronto na vida, esses fatores não existem. Mas ainda acho um pouco frustrante.

    Mas voltando ao Gasquet, sinceramente, gostaria que ele se aposentasse. Claro que isso é um problema dele, mas não faria nenhuma falta ao circuito. Eu gosto de competitividade. É inadmissível que um cara com o talento e o backhand do Gasguet tenha um retrospecto tão vergonhoso. Eu sei que ele tem fraquezas a serem exploradas pelo Big 3, mas, pelo amor de Deus, o Seppi já eliminou o Federer de um AUSO, o Fognini já eliminou o Nadal de um USO, o Istomim já eliminou o Djoko de um AUSO. Não vou nem falar dos muitos sets que eles perderam para jogadores muito inferiores. Por sua vez, eu li hoje que o Gasguet tem 0-36 sets contra o Big 3 em GS.

    Sério, esse cara é uma vergonha, um bunda mole. Tem gente que se satisfaz com um backhand bonito aqui e acolá. Eu não. Eu espero nunca mais ter que ver esse cara numa terceira rodada de um GS. Só faz retirar a vaga de um tenista com, talvez, mais fome ou mais bolas. ZERO TRINTA E SEIS. SE APOSENTA SEU INÚTIL – segurei no adjetivo, pra não ser muito desrespeitoso.

    Aliás, não é coincidência que os tenistas franceses – à exceção do Tsonga, que também tem várias amareladas na carreira, mas ainda foge à regra – são conhecidos no circuito por serem os mais frouxos e os mais fracos psiciologicamente. Não é a toa que o soldado francês é sinônimo de covardia e moleza. E ainda tem uma infinidade de pessoas que baba ovo desse povo. Eu não entendo. Mas nesse nosso mundo, que exalta a fraqueza e o “macho betismo”, não chega a ser surpresa. Mas vou parar por aqui, para não desbordar tanto do assunto do blog.

    Enfim, uma grande apresentação do Djoko, com as ressalvas necessárias.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Chetnik, quanto ao primeiro game, não sei se observaste direito, mas o Djokovic estava o tempo todo com algo a incomodá-lo no olho ou olhos.

      Responder
  31. Josh

    Olá Dalcim, como sempre muito completo no blog! Acho muito improvável não termos Djoko e Federer nas quartas, certo? Agora uma coisa é certo, como essas meninas são instáveis, sempre caindo cabeças de chave, tu achas isso normal? Abs e boa segunda semana de slam!!!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Josh, circuito feminino é tradicionalmente mais instável. Até mesmo o fato de jogarem melhor de três propicia isso. No masculino, cinco sets permitem uma recuperação mágica, como fez o Cilic na madrugada.

      Responder
  32. Marcelo-Jacacity

    Dalcim, no placar ao vivo entre Djokovic x Gasquet você comentou sobre a falta de atenção do francês para aperfeiçoar o forehand ao longo da carreira. A que se deve isso: comodismo com o talento nato e preguiça?
    Por falar nisso, assisti ao De Minaur no início do ano quando ele surgiu para o circuito, e ele não tinha potência alguma nos golpes, o saque era igual ao da Errani.
    E vendo os últimos jogos dele, como o australiano evoluiu, incrível! Adquiriu muita potência em relação ao que tinha demonstrado anteriormente.
    Seu estilo de contra-ataque, ótima devolução e correria lembra muito o seu técnico Hewitt.

    Responder
  33. Marcelo-Jacacity

    Relevando que foi contra o Gasquet, há dois anos que não via o Djokovic jogar tão bem assim.
    Acertou de tudo, golpes potentes, muito bom!

    Responder
  34. Marcelo-Jacacity

    Meus Deus que jogaço que terminou há pouco!!!
    Lutei contra o sono e depois foi impossível dormir.
    Cilic acabou de vencer um jogo épico no 8 mp.
    E o De Minaur jogou muito! 19 anos somente.

    Responder
  35. Edson R Ferreira

    O q para os outros tenistas do circuito fazer essa jogada q o federer fez é uma raridade,para o gênio é norma,l ele faz tudo parecer fácil,vida longa ao Rei Roger Federer o maior de todos os tempos

    Responder
  36. Alice

    Ei, L.F!
    Deixa eu te dizer, deixei um TEXTÃO pra você no post anterior do Dalcim! Foi uma resposta que eu dei a um comentário que tu fez em relação a bandagem no joelho do Nadal. Uma grande observaçãozinha…rs!

    🙂

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *