Ah, essa tal de NextGen…
Por José Nilton Dalcim
7 de julho de 2018 às 19:49

Mais um Grand Slam, outra decepção dos principais nomes da chamada nova geração. Alexander Zverev e Nick Kyrgios não irão fazer o aguardado duelo de oitavas de final. Caíram em situações distintas. Enquanto o alemão sentiu o reflexo de uma virose contraída dois dias atrás e ainda se esforçou, o australiano teve uma atuação medíocre e continuou ‘freguês’ de Kei Nishikori.

Não ficou aí. Kyle Edmund mostrou o quanto ainda precisa de maturidade e não soube aproveitar a força do público e um bom início para manter Novak Djokovic sob pressão. E o garoto Alex de Minaur não tem potência para pensar em competir lá no alto nível, muito menos contra Rafael Nadal. Claro que os dois foram batidos por dois campeões e nomes fortes para o título deste ano.

Tudo bem, ainda existem quatro jovens nas oitavas masculinas de Wimbledon. O russo Karen Khachanov, de 23 anos, virou de 0-2 em cima do também garoto Frances Tiafoe mas terá o azar de cruzar com Djokovic, enquanto o canhoto Jiri Vesely, de 24, possui um jogo vistoso e bate muito na bola, porém pegou Nadal. É querer demais deles, lembrando que a grama costuma privilegiar a experiência.

Do outro lado da chave, a Next Gen também sobrevive. Stefanos Tsitsipas, o mais jovem dos participantes, 19 anos, tem um jogo bem casado para a grama. Terá de se virar contra o saque de John Isner, mas não me parece impossível avançar. A surpresa é Mackenzie McDonald, 23, que talvez só esteja lá porque pegou três ‘saibristas’ na sequência. Agora encara o vice de 2016 Milos Raonic, outro universo.

A boa história da semana, no entanto, cabe a Gulbis, que um dia já foi um esperança de renovação. Chegou ao top 10 aos 25 anos, mas uma série de fatores não ajudaram. Talvez o maior deles seja de caráter pessoal, porque as seguidas contusões têm muito a ver com a falta de seriedade com que levou a carreira fora das quadras.

De qualquer forma, é preciso louvar seu talento e também o esforço em continuar no circuito, já que dinheiro não é problema. Vale lembrar que estava perdendo estreia de challenger no saibro pouco antes de tentar o quali de Wimbledon e que também passou o quali de Paris, algo que não é para muitos.

Faz três anos que Gulbis não disputa uma temporada entre os grandes do tênis e em julho do ano passado era o 589º do mundo. E confessa humildemente: “Não esperava ganhar do Zverev depois do terceiro set, mas ele ficou cansado e eu só tive de ser inteligente”.

Halep se culpa
Muita gente saiu em defesa de Dominika Cibulkova e sua ausência entre as cabeças de Wimbledon, mas o destino deu um jeito e de repente a baixinha eslovaca cavou seu buraco na chave e ficou gigante. Depois de tirar Alizé Cornet e Johanna Konta, atropelou Elise Mertens e ainda ganhou de presente a inesperada queda de Simona Halep.

A derrota da número 1 é daquelas coisas difíceis de explicar. Dominava o jogo, tinha match-point, a adversária Su-Wei Hsieh parecia sem forças. E ainda assim não deu. A taiwanesa, que em janeiro tirou Garbiñe Muguruza em Melbourne, é daquelas guerreiras e aproveitou a vacilada de Halep.

A romena disparou contra si mesma. Afirmou ter tido atitude pouco profissional na partida, ao reclamar demais, ficar muito negativa, e que o melhor mesmo é ir para casa e descansar. Hsieh está com 32 anos e de novo nas oitavas de um Slam.

Cenas do sexto dia
– Del Potro teve outro atitude simpática. Ao ver Paire escorregar e falsear justamente a perna já toda enfaixada, correu lá e ajudou o adversário a se levantar. O francês está com contusão no menisco, mas felizmente não houve agravante.
– “Senti como se alguém tivesse me desligado da tomada. Não tinha mais força”, contou Zverev.
– E olha só: Jelena Ostapenko e Ernests Gulbis colocam a Letônia em duas oitavas de um Grand Slam pela primeira vez na história.
– “Decidi este ano aproveitar a vida, saborear morangos com creme, lagosta e hambúrguer; fazer compras”, conta Su-Wei Hsieh.
– Com a saída de Edmund, o tênis britânico fica fora da segunda semana de Wimbledon pela primeira vez desde 2007.
– A imprensa britânica encheu Djokovic de perguntas sobre Edmund. Habilidoso, Nole até desculpou o britânico pelo lance em que claramente a bola quicou duas vezes e Edmund não se acusou.
– Parecia evidente que Kyrgios não estava pronto para ir à quadra. Entrou de calçado azul, o que não é permitido, e trocou o grip da raquete depois do aquecimento. Ninguém avisou o rapaz que não há jogos domingo em Wimbledon?
– Khachanov já disparou 200 winners no torneio! É o recordista até aqui.


Comentários
  1. Evaldo Medeiros

    Dalcim, tudo caminha para Nadal x Delpo nas quartas. E no outro lado tudo indica que teremos Federer x Anderson. Na sua opinião quais os favoritos pra essas partidas? Qual seu palpite?

      1. José da silva

        Dalcim, não entendo como Nadal possa ser tão favorito em relação a Del Potro e Djokovic na grama. Vamos aguardar.

  2. Rodrigo S. Cruz

    ” É que teve um outro Tcheco que venceu o Nadal em WB…mas esqueci o nome dele”.
    (CHETNIK)

    Lukas Rosol.

  3. Marcelo F

    Benoit Paire reclamou durante o jogo, e depois na coletiva, do fato de o árbitro brasileiro Carlos Bernardes não ter corrigido uma marcação de um saque seu, de ter que pedir o desafio. Tem toda razão o francês. Muito raro ver ele dar um over rule. Muito mesmo. Diferente do Lahyani, sempre presente. Como diz o Paire, é muito fácil ficar sentado na cadeira só narrando o placar. O que o Bernardes tem de bom em constantemente advertir o Nadal sobre a demora pra sacar, tem de muito ruim nesse aspecto.
    E uma vez permitiu que o Djokovic voleasse uma bola que ainda não havia passado da rede. Bem na sua frente.

  4. Cesar Valeixo

    Dalcim, não sei se vc se pergunta ou passa pela cabeça se wawrinka e murray ainda estarão firmes aí como esses 3…. Você ainda acha que vão jogar no nível de federer, nadal e djoko? Abs

    1. José Nilton Dalcim

      Sinceramente, acho bem difícil, porque o tênis hoje é muito físico e contusões graves, como quadril e joelho, cobram um alto preço. Sem falar que ambos já estão acima dos 30 anos nesta tentativa de recuperação.

          1. Emerson

            Sim. Mas no caso Murray é um Big Four e Wawrinka não precisa de consistência seus resultados. Então eles não estariam no mesmo barco dos dois?

  5. Ronildo

    Pode acontecer de Del Potro vencer Nadal, Djokovic e Federer em sequência. Se Del Potro vencer Nadal e Djokovic, acho que Federer só escaparia de derrota se o físico do argentino falhasse, já que dos três, o suíço tem sido um rival mais fácil.

    1. Conrado

      No USOpen do ano passado, Del Potro passou por situação parecida, venceu o Thiem, de virada, chegou a estar perdendo por 2 sets a 0, venceu o Federer num jogo duríssimo e depois venceu o primeiro set contra o Nadal, mas aí, visivelmente, principalmente no quarto set, cansou.

  6. Luiz Fernando

    A nextgen está numa briga interessante entre seus componentes: quem fracassa mais em GS, disputa aliás bem apertada…

  7. Luiz Fernando

    Gabi bom dia gata. Com estão seus palpites para quem ganha a copa? Os meus estão 200 km/h, como os serviços do Rafa em W: final entre Bélgica e Inglaterra, com o Hazard fazendo o gol do título.

    Em relação a Brooklyn Decker, convencional ou não, com essa moça eu tomaria até cachaça de São Francisco kkk. Bjs

    1. Gabi

      Luiz Fernando,

      rsrs. Com essa cachaça vc vai ter uma ressaca daquelas e nem vai lembrar, melhor não rs.

      To achando que vai dar Inglaterra x França para mais um duelo da guerra dos 100 anos rsrs. Mas com vitória dos ingleses.

  8. Rodrigo S. Cruz

    Sérgio Ribeiro,

    Pode continuar babando ovo dos teus prediletos sem sal o quanto quiser.

    Aliás, o choro também é livre…

    Contudo, eu continuarei dizendo:

    Merecida vitória do Gulbis sobre Alexander ” Farserev”.

    Kkkk

  9. Márcio Souza

    Salve, salve galera!

    Fechada a primeira semana em Wimbledon, Federer, Nadal, Djoko e Delpo seguem firmes.
    Torço por uma semifinal entre Djoko x Nadal mas acho que nas quartas o Delpo leva em cima do espanhol, e na final espero que Djoko chegue e o Federer consiga devolver uma de suas duas dolorosas derrotas pro sérvio.

    Fedex vem bem, o legal é que ele ainda tem condições de melhorar o seu jogo nesses últimos quatro jogos e levantar o 9° caneco.

    Vamos torcer!

    Bora GOAT levantar mais esse GS!

    1. Jefe

      REalmente está muito bom de ver os jogos do suíço.
      O primeiro jogo foi muito tranquilo, no segundo ele massacrou no saque e nesse ultimo matou os pontos rapidamente, mas ficou nítido que nas trocas o jogo ficou parelho.
      Não vejo o FEDERER com a mesma intensidade, o que é normal devido a diferença de idade, mas ele tem conseguido se sobressair no talento até agora.
      Curtamos!

  10. Chetnik

    Lamentável o Edmund…o retrato do inglês: fair play? Só para os outros. A gente viu bem isso nessa copa – sem defender o Fraudar, que é um lixo. O povo da eterna hipocrisia, demagogia barata e falsidade – cultura da aparência. O tal do “polite”. Sorrir pra quem você odeia, fingir preocupação com que você c. e anda… Tudo “justificado” pelo sentimento de excepcionalismo que eles têm. Mas há quem goste…fazer o quê.

  11. Chetnik

    Só tô conseguindo acompanhar o Djoko. Foi firme. Bom saque. Mas ainda não me convence 100%. Mas deve chegar forte na semi. Assim espero.

    Zverev…ok, tá com problema físico, mas o cara tem 3 MS – 4 finais – e só conseguiu uma quartas em GS, na qual ele quase morreu pra chegar. Com certeza ele vai resolver isso, e aposto em título no futuro, mas não deixa de ser curioso.

    1. Paulo F.

      Continuo vendo preogressos no Djokovic, Chet.
      Até naquilo que via com mais preocupação – o saque – vejo melhora.

  12. Rodrigo Campos

    Acho q RF, RN e ND vão se aposentar antes ainda de caírem de produção, em outras palavras, no momento em que pararem, se continuassem, ganhariam ainda muito mais. Meu interesse em assistir tênis certamente irá cair, infelizmente…

  13. Roger Fedeiros - O Analista!

    A nextGEN foi uma invenção da ATP, que não fez o mesmo com as gerações passadas, pois ainda havia o BIG FOUR, e, com o natural e previsível declínio deste, precisava criar uma nova figura de idolatria que continuasse a atrair muito din din e atenção. Algo parecido com o que a imprensa brasileira faz com um certo jogador de futebol. Tipo forçar a barra, afinal a plebe precisa de ídolos, e se eles não aparecem, fabriquemo-los.

    Achavam que os big já eram…. kkkkkkkk…. e quiseram empurrar um monte de… kkkkkk… esqueceram de combinar com os dogões… kkkkkk

    E segue o lìder… kkkkkkk

  14. periferia

    Olá Dalcim……por que o jogador de tênis é tão conservador …….vc enfrenta um Nadal …..tem que tentar algo diferente…..algo bem diferente…..o mesmo quando se enfrenta o Federer ou o Djoko….os caras querem ganhar mudando detalhes do jogo deles….nada muito radical…..tem tenista que chega para uma partida contra os “reis” com retrospecto de 14×0….depois de perder tanto o cara não consegue fazer algo radicalmente diferente?…….dar slice em toda bola….subir na primeira troca….uma cambalhota…..qualquer coisa…..taticamente o tênis é pobre…..em outros esportes …mesmo individuais…o caras tem boas sacadas…..no tênis o cara perde 100 partidas e muda pouco na forma de jogar…..é como um robô….foi formado jogando daquela forma e Jamais muda……e não estou falando de detalhes…tipo atacar a esquerda de alguém…..mudar o estilo….ser um tenista diferente a cada jogo….abe

    1. José Nilton Dalcim

      Deveria mesmo, mas se você não ter a arma, não consegue ir para a guerra. No caso do De Minaur, por exemplo, ele não usa slices, nem tem jogo de rede. Então fica impossível imaginar algo diferente, a derrota parece iminente. Também é um pouco do Edmund, que não tem muitos recursos além da pancadaria lá de trás.

  15. Mike

    Dalcin fiquei um pouco curioso, você acha que o gulbis( no caso a familia dele) é mais rico que o nadal e o federer?( não os dois juntos, mas individualmente)

      1. Rubens Leme

        Uma vez o pai dele disse, rindo, que o filho gastou mais em combustível andando pelo mundo com o avião da família do que ganharia no tênis. Tanto espírito aventureiro deve ser culpa do nome, já que os pais quiseram homenagear o escritor Ernest Hemingway.

  16. Kelly

    Hoje, durante a entrevista de Rafael Nadal à ESPN britânica, havia uma enquete para os telespectadores votarem numa “jogada do dia”, aonde ele demonstrou mais habilidade: no Tweener Lob contra o Aussie, ou no “Smash de costas” contra Kukushkinho. Inclusive, a emissora se inspirou no “catálogo de pontos” do basquetebol pra nomear este segundo golpe que apelidei. Entre outros comentários interessantes sobre o tema, Rafa afirmou que pra ele próprio executar, o Tweener Lob, provavelmente, é mais difícil. A enquete original, com o resultado (não compreendi se parcial ou final), é a seguinte:

    Which Nadal shot was more skillful? The Tweener Lob 49% The Skyhook 51%

    Se fosse na ginástica artística, ao invés de Skyhook, batizaria-se de Nadal, merecidamente!

    Depois de transmitir a edição dos dois pontos, o casal de entrevistadores indagou e comentou as imagens com admiração, lógico! E fora o roteiro protocolar, também, parabenizou pela 11° conquista em Roland Garros logo no início, questionou sobre o prato que ele mais gosta de cozinhar, se soube do suposto tubarão branco que apareceu no mar de Maiorca, enfim, aquelas perguntas que um programa de TV gosta de fazer a um Pop Star e os fãs adoram saber as respostas! rss

    Nadalistas, eis aqui o endereço onde assisti o trecho disponibilizado pelo canal: https://www.youtube.com/watch?v=wnndFkXkmg0

    Dalcim, eu soube que o Vesely venceu o Fognini, porém, qual dos dois oponentes você imagina que seria a preferência do Nadal pra enfrentar nas oitavas de final e por quê?

    Obrigada.

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Nadal preferiria enfrentar o Fognini, cujo estilo é bem mais difícil de se adaptar à grama. Vesely é um franco atirador, que já venceu Rafa.

        1. José Nilton Dalcim

          Desculpe, eu pensei no Djokovic na verdade. A vitória dele é sobre o sérvio, não sobre Nadal.

  17. Efraim Silva

    Muito se questionou o fato de ser a Serena ser cabeça de chave. Pois bem, olhando a decepção que as tenistas vem proporcionando, a Serena merecia ser logo a cabeça de chave número. Ano após ano é isso aí, Serena dominando o circuito e as vezes surge uma ou outra pra quebrar sua hegemonia por um curto espaço de tempo. Essas jogadoras não mantêm o embalo.

    A Vênus deveria ser a grande concorrente de sua irmã, mas isso se resumiu mais ao início da carreira de ambas. Tivesse a Vênus mantido o equilíbrio, o tênis feminimo seria bem mais legal, que ao contrário do masculino, carece de grandes rivalidades.

    Até um Murray x Novak é mais interessante do que Serena x qualquer jogadora.

      1. Kelly

        Muito bem observado, Rafael! A Venus é portadora de uma síndrome crônica que causa fadiga, secura nos olhos e boca, entre outros sintomas. É um tipo de doença autoimune. Fico admirada, cada vez que a vejo num torneio, jogando em altíssimo nível! É inacreditável o poder de superação dessa mulher talentosa e exímia profissional!

  18. Tadeu

    Mestre, Khachanov oferece alguma ameaça ao Djokovic? Confesso ter visto pouco dele, mas pela altura e o número de aces diante do Tiafoe deve ser sacador…

    Sem Kyrgios ou Zverev vejo que a chave se abriu bem para o servio chegar a semifinal…

    Abcss

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, ele saca bem mas fica no fundo o tempo inteiro, então acho que, se Djokovic jogar bem, não corre risco talvez sequer de perder set.

  19. Josh

    Olá Dalcim, prazeroso comentar aqui, acho que nunca comentei, mas enfim, tenho por que hoje vi mais duas promessas caírem novamente, olha, impressionante como essa juventude de hoje do tênis tem que estar na semana boa pra ganhar algo. Parece que os caras não tem sangue nos olhos, Federer vai poder jogar ate os 40 anos desse jeito, então você conseguiria me dar alguma explicação por que essa geração não tem gana, não tem um bom psicológico? E eu não tenho nem 30 anos, então posso falar mal dessa geração, kkkkkk. Acho que é muito whatsup, heheheh, abração.

    1. José Nilton Dalcim

      Bem vindo, Josh. Acho que a explicação é mesmo uma questão de rodagem, principalmente no caso de Zverev. Talvez o alemão sinta já uma certa cobrança para resultados e isso só atrapalha. A outros, como Kyrgios, falta comprometimento, algo semelhante ao que aconteceu com o próprio Gulbis.

      1. Sérgio Cipriani

        Dalcim, o excesso de dinheiro que esses jogadores jovens conseguem hoje em dia também não atrapalham essa falta de vontade e gana em ascender no circuito?

        1. José Nilton Dalcim

          Sem dúvida, Cipriani. Muito bem colocado. Acho que isso mexe com a cabeça de muitos, e eu já vi casos de bons tenistas que se perdem na mordomia do tênis, alguns aqui no Brasil.

  20. Rubens Leme

    Kyrgios é uma viúva Porcina. Francamente, prefiro o Gulbis, que é mais inteligente e mais jogador quando quer. Não sei se ainda podemos falar em G3 com Murray pra lá de 800, mas não acho difícil o G3 ficar entre os 5 primeiros no final do ano. Falta apenas Djoko fazer sua parte, mesmo longe de sua melhor fase.

    A questão não é só Slam, mais sim que todos eles já tinham títulos expressivos quando ganharam seus primeiros troféus neste nível. O Next Gen ainda parece esperar o antigo G4 se aposentar para brilhar. Se bobear, se aposentam antes deles porque os velhinhos querem tudo o que poderem agora e no ano que vem e no outro e no outro etc.,.

  21. Nelson Maciel Filho

    Dalcin, no ano passado o Federer ganhou com muita facilidade.
    Me parece que ele terá uma certa dificuldade nas quartas e semifinais.
    O Nadal está jogando bem, assim como o Djokovic está ganhando ritmo e confiança. Seria interessante ter uma final Federer x Nadal, ou contra o Djokovic. Seria uma final de grandes campeões.
    Dalcin, quero te parabenizar pelos comentários coerentes, técnicos e com um grau de precisão impressionante.
    Você é o melhor comentarista do tênis, pelo conhecimento e pelo respeito aos tenistas e ao público.
    Parabéns!

    1. VINICIUS

      Bom dia, Nelson Sou fanático em futebol e NBA e vou ainda mais longe, Dalcim além de ser o melhor comentarista de tenis é o mais lúcido e coerente de qualquer esporte, aqui temos um espaço muito bom para ler excelentes textos do mestre e ainda nos responder todas as dúvidas ligadas ao esporte.

      Sempre muito importante que nós leitores do site saibamos respeitar um ao outro para sempre poder preservar esse espaço maravilhoso que é o Blog do Dalcim.

  22. Rafael

    O problema dos NextGen X-Men é que um dia Dimitrov também foi jovem, assim como Nishikori, assim, como Raonic e chega de exemplos. Futebol nada tem a ver com tênis, mas é um exemplo da pressão que pessoas de quem se espera performances de alto nível enfrentam.

    Lá se foi MAIS um grand slam pra Zverev e Kyrgios, Coric e cia. ltda. Slam só tem quatro por ano, os anos passam rápido, não tem fase de grupos, uma derrota e tchau. Sei q todos sabem disso, só pra reafirmar.

    Ah, mas Zverev quase que nem termina a partida anterior por virose.

    Azar o dele. No slam anterior, RG, li que ele não estava preocupado com partidas de 5 sets, pq estava preparado. Se lascou naquele e baixou a imunidade para este.

    Concluindo, se alguém tiver saco, façam um levantamento de quantas vezes o BIG4, quando não foi campeão (perdiam um para o outro) chegou à final.

    Somem com os títulos de SLAMs. Vejam a performance extraterrestre.

    Considerem os anos de domínio absoluto, Recordes de partidas vencidas em sequência, recordes de não perder sets, etc.

    Nem essa Next, nem a próxima Next, nem sei qual generation vai sequer chegar perto dessa.

    PS 1: Nada contra o Alex de Minaur, mas mais um com postura paciente de futuro Berdych. Vi no twitter dele, depois de ser engolido pelo Nadal, algo como vivendo e aprendendo, cada jogo é uma experiência, etc.

    PS2: Concluí que o fenômeno, futuro No. 1 Cilic vazou de Wimbledon para poder acompanhar a Croácia com mais tranquilidade na Copa.

    PS3: No Finals, não tem primeira semana com joguinhos meia-boca. Só não dá pra entender como Nadal, adaptável a qualquer piso, é virgem por lá.

    1. Luiz Fabriciano

      Rafael, já falei aqui (em 2015) e vou repetir: enquanto o Big4 (ou Big3) estiver na ativa, NextGen’s vão chegando e passando batidas.

  23. Marcos Castillo

    Se tem uma coisa que eu acho um saco, é esse tal de politicamente correto.
    Mesmo assim, o inverso deve ter limites. A atitude de Kyrgios em quadra é ridícula: balança a cabeça o tempo todo, é extremamente arrogante e pretensioso, subestima os adversários e desrespeita o público.
    E joga muito, muito menos do que pensa que joga.

      1. Marcos Castillo

        Isso na opinião de quem considera o Federer um fujão, né?
        Ou seja, se não condiz com o que vc acha, bom indício de ser uma boa colocação.

        1. Rodrigo S. Cruz

          Cara,

          O que você escreveu foi uma tremenda criancice.

          Criticar eventualmente o Federer não só é normal, como salutar…

          Sou torcedor do Federer e sempre saí em defesa dele quando achei que devia.

          Mas ele não é Deus! É um homem público e portanto sujeito à críticas.

          E outra coisa, que raios isso tem a ver com o Kyrgios ter talento ou não?

          Absolutamente nada…

          1. Marcos Castillo

            Criancice é ficar perseguindo pessoas que escrevem aqui no blog, como vc tem feito implacavelmente com o Sergio Ribeiro e com o João Ando, que por sinal entendem muito mais de tênis do que vc.
            Além disso, é tão nervosinho que fica cego para compreender o que as pessoas realmente escrevem: no caso, eu disse que o Kyrgios joga menos do que acha que joga, o que não quer dizer que ele não jogue bem, mas acha que joga muito melhor do que realmente joga. Seus resultados provam isso.

    1. João ando

      Marcos .o nick por enquanto não da para torcer…e um bad boy. ..como foi leyton hewit e mcenroe…..igual a garbine espanhola. …já a eugenie bouchard
      eu consigo torcer….será que é a beleza….Bom antes que me bombardeiem.eu nao acho a muguruza bonita….opinião todo mundo tem e eu acho isso

  24. raul

    Dalcim, boa noite, me responda por favor uma curiosidade, vc acha que tem chance dos caras mudarem o horário da final de Wimbledon se a Inglaterra for a final da copa do mundo?

  25. Sérgio Ribeiro

    De onde você menos espera… Bela atitude de Gulbis . Bem que o Mane’ do Kyrgios podia ouvir o que disse o milionário Tenista sobre as condições de Zverev .E olha que o Letao fazia uma exibição pra lá de consistente . Que curta a segunda semana de um SLAM depois de tanto Tempo. E o Samurai levava o Australiano de canto chorado tipo ” como esse cara pode ser tão babaca ? ” . Balança a cabeça o tempo todo culpando o Mundo por não melhorar seus fundamentos . Na Grama Sagrada tinha obrigação de tentar o máximo. De qualquer maneira podemos esperar jogos muito mais interessantes antes da Semi sem certas figuras que já ficaram pelo caminho. Retiro o que disse sobre a Rainha não ter chance alguma. A WTA e’ tão irregular que de repente cai no seu colo rsrsrs…Abs!

    1. Marcelo Reis

      E de quebra já papou 6.5 milhões de dólares de premiação, fora patrocínio. Se a família já era rica, ele só aumentou a fortuna, rsrs.

  26. João ando

    Achei que o ernests tinha 36 anos.mas na verdade tem 29 anos …então muito tênis pela frente e pode até ganhar do kei. ..gulbis joga mais uns cinco anos ainda se quiser…acho que ela não está mais tanto na noite como antes.

    1. João ando

      Com certeza não eo belucci que com 33/35 anos vai jogar os jogos do interior em sao Paulo ou um interclubes

      1. Rodrigo S. Cruz

        Como sempre você nunca entende bulhufas!

        Eu também torço pelo Gulbis.

        O que eu disse que foi pérola foi você achar que ele tivesse 36 anos…

  27. AKC

    Vai acontecer o seguinte com o Kyrgios: quando ele tiver uns 28 anos, vai acordar e perceber que foi muito privilegiado nessa vida por ter talento e por competir num circuito tão incrível quanto o de tênis, mas que só fez besteiras e babaquices até ali. Aí vai ter umas 2 ou 3 temporadas em que vai jogar bem, ganhar uns campeonatos, quem sabe alguns Master 1000, quem sabe até chegar a uma final de Slam, mas então já não estará mais em seu auge físico, e lhe restará o remorso de saber que poderia ter sido um grande campeão, mas não foi.

  28. Gabi

    Luiz Fernando,

    eu até tomaria uma caipirinha de limão (mas sem caju) com a esposa do Roddick rs, mas a considero uma beleza muito convencional.

  29. Fernando Pauli

    Federer com certeza chega nas quartas, assim como Nadal, Djoko e Delpo. Federer a partir das quartas deve fazer jogos mais difíceis, onde o saque tem que estar afiado (80 a 90)%, direita certeira e esquerda sem muitos ENF. Passando, vem provavelmente Raonic (olho no Tsitsipas), aí Federer terá um jogo de paciência contra um bom sacador. Já do outro lado da chave, que acabou ficando mais interessante após a queda precoce dos cabeças de chave 3 e 6 do lado de Federer, teremos provavelmente um Djoko x Nishikori e um Nadal x Delpo. Nadal se quiser chegar na final, já que terá dois jogos complicados, o saque e a esquerda tem que estar na ponta dos cascos. Torcendo que na SF cheguem, Nadal x Djoko e Federer x Raonic, todos finalistas de WB e reviver na SF de um GS o trio mais vencedor da história do tênis, pois já se passaram 16 GS desse fato, já que a última vez que isso aconteceu foi em RG 2012. Vejo Nadal com uma vontade extra de chegar na final e lógico querendo que seja com Federer, pois está louco para quebrar a sequência de vitórias de Federer sobre ele e nada menos que num palco que reviverá aquele jogo épico de 2008, que para mim foi um divisor de águas no H2H entre esses dois monstros. Para que se tenha de fato um FEDAL novamente em WB, tanto Federer quanto Nadal tem que irem subindo de nível jogo após jogo e o físico 100%. Aí meus amigos é como disse o grande Dalcim, quem jogar mais perto dos 90 ou 100% durante o jogo, leva WB.

    1. José da silva

      Dalcim, o título esse ano ficará com Federer, Djokovic ou Del Potro. Nadal teria que vencer os três, algo impossível de acontecer na grama.

    2. José da silva

      Dalcim, o título esse ano ficará com Federer, Djokovic ou Del Potro. Nadal teria que vencer os três, algo impossível de acontecer na grama

        1. Rodrigo S. Cruz

          Pois eu duvido sim.

          Não ganhará, nem mesmo que os CÉUS venham abaixo!

          Desta vez não é Roland Garros, é Wimbledon.

          O buraco é muito mais embaixo…

          1. Antonio Gabriel

            Apesar de não gostar do estilo do Nadal, também não duvido dele, afinal ele a já fez o que o Federer jamais conseguiu: ganhar do principal adversário no quintal dele. Talvez por isso acho o Djoko um misto dos dois ( RF e RN), pois já ganhou dos dois nos locais onde eles eram considerados “imbatíveis “. E pelo que vi a Nex Gen só vai alcancar sucesso quando esses 3 e alguns da velha guarda de apresentarem. Vai demorar um pouco pra surgir outro atleta com tanta determinação e qualidade como o trio de Ouro, uma pena…

Comentários fechados.