11 + 11 = 1
Por José Nilton Dalcim
29 de abril de 2018 às 14:56

Tal qual Hércules, Rafael Nadal segue cumprindo suas exigentes tarefas sobre o saibro europeu. Com mais uma semana perfeita, manteve-se invicto em partidas (19) e em sets (46) sobre a terra, ambos desde a derrota nas quartas de Roma, além de ter anotado outro feito extraordinário que é ganhar todas as 11 finais que fez em Barcelona.

E como aconteceu após conquistar o não menos histórico 11º troféu de Monte Carlo, mantém-se como número 1 do mundo após defender 1.500 pontos. O posto está portanto assegurado por mais duas segundas-feiras, quando então virá talvez seu maior desafio que é a velocidade de Madri, onde também defenderá o título e automaticamente a liderança do ranking.

Como era de se esperar, a final contra Stefanos Tsitsipas não foi competitiva. Na melhor semana de sua carreira, o talentoso grego de 19 anos já mostrava falta de físico no fim do segundo set contra Pablo Carreño na véspera. E ao se ver diante de sua primeira final, de Rafa e do público, ainda por cima não se livrou da tensão natural.

O backhand de uma mão, como de hábito, mostrou-se frágil diante da intensidade do espanhol, à exceção de uma ou outra tentativa de risco. Quando tentou variar e ir à rede, viu por que Nadal é tão temido sobre a terra e pareceu não entender como o adversário era capaz de chegar com tamanha velocidade em bolas tão difíceis e ainda executar uma resposta que o colocava em extrema dificuldade.

Rafa concluiu outra semana soberba sobre o saibro, ainda que tenha experimentado novidades, como os set-points que se safou com alguma sorte diante da pressa de Martin Klizan ou o início acelerado e preciso de David Goffin na semi. Sempre achou uma solução. Destaque-se os oito erros não forçados cometidos diante do belga, um concorrente de real qualidade sobre o saibro, a quem dominou no segundo set como quis.

Enfim, vem agora uma semana de descanso, essencial para que ele se prepare para a mudança de ritmo que virá em Madri. Até aqui, Rafa reencontrou a solução para devolver o saque com firmeza e entrar nos pontos, como sempre gostou de fazer e é seu grande segredo sobre o saibro. Não tem se incomodado com a longa distância que fica da linha de base, acreditando estar sempre fisicamente capaz de cobrir os eventuais ângulos mesmo diante de reconhecidos sacadores. Madri será um excelente teste.

Números
– Com 401 vitórias e apenas 35 derrotas sobre o saibro na carreira, Nadal atinge eficiência de 91,97%, muito superior a Bjorn Borg (86%) e Ivan Lendl (81,1%).
– Em números absolutos, ele ainda está longe do recorde, já que Vilas somou incríveis 659 vitórias no saibro, seguido pelas 502 de Manuel Orantes e das 422 de Thomas Muster.
– São agora 55 troféus sobre o saibro, já muito acima dos 49 de Vilas. No geral, atinge 77 títulos, quarta maior série, igualado a McEnroe.
– O percentual de sucesso de Nadal também sobe para 82,7%, com 889 vitórias e 186 derrotas na carreira, curiosamente idêntico a Borg, que se aposentou com 609 triunfos e 127 quedas. Atrás estão Djokovic (82,4%) e Federer (82%).
– Com mais 501 mil euros no bolso, Nadal chega a US$ 96,7 milhões de prêmios oficiais na carreira e deve finalizar a fase de saibro como o terceiro tenista da história a atingir os US$ 100 mi.
– Com a ascensão de Tsitsipas ao 44º lugar do ranking nesta segunda-feira, teremos oito garotos de até 21 anos completos entre os top 50, dos quais ele é o segundo mais jovem, sete meses atrás de Shapovalov.


Comentários
  1. Anderson P

    Como bom nadalista, vou adicionar alguns fatos para pesar a balança para o lado de Nadal na disputa Nadal x Sampras:

    – Ganhou 3 GS num mesmo ano em 3 superfícies diferentes;
    – Mais jovem a fechar o Carreer Slam;
    – Detentor do Carreer Golden Slam (também o mais jovem a alcançar tal feito);
    – Clay Slam (Monte Carlo + Madrid + Roma + Roland Garros) no mesmo ano (2010);
    – Último jogador a ganhar os dois masters que antecedem o USOpen (Cincinnati e Canada) e o USOpen, em 2013 (feito não alcançado, até onde me lembro, pelos especialistas em quadras duras Roger Federer e Novak Djokovic);
    – H2H positivo contra o maior jogador de todos os tempos;

    Responder
  2. Mario César Rodrigues

    Não sei que doença acometeu o Blog,em falar de Sampras e Rafa eu não estou nem ai para mim o Rafa é melhor do que todos,Federer talvez possa ser o segundo sua carreira muito manchada por fugir do saibro virou motivo de chacota!ponto final adiante!

    Responder
  3. Fernando Pauli

    Antes do Federer torcia para o Sampras. Agora comparando os dois, Nadal já está na frente, pelo simples fato de Sampras jamais ter chegado a uma final de RG.

    Responder
  4. LOMEULIMA

    Concordo com o Mestre Dalcim. NADAL está entre os 5 melhores da história ao lado de LAVER, FEDERER, BORG e SAMPRAS.
    Quanto à infindável discussão sobre quem é o melhor/maior: NADAL vs SAMPRAS, respeito as opiniões contrárias, mas creio que o espanhol já ultrapassou SAMPRAS. Óbvio que muitos preferem o americano pelo jogo mais plástico/elegante, porém na galeria dos campeões já perdeu o posto para RAFA.
    Dalcim, por onde anda o BAGHDATIS, aposentou ou está lesionado???? Valeu.

    Responder
  5. Efraim Oliveira

    “Nadal ganhou porque q velocidade dos pisos já não eram iguais”… E Federer, ganhou por quê?
    Os pisos, os materiais, a forma de se jogar com os quais Sampra jogou eram iguais a tempos anteriores?
    Será que daqui a alguns anos surgirá um outro multi campeão e estaremos questionando que ele não ganharia porque isso, porque aquilo… Enfim, cada época se tem o seu melhor de acordo que tem disponível. Tudo se está a evoluir constantemente, num fosse isso, estaríamos vivendo ainda de um modo arcaico.

    Quando o Nadal x Sampra digo o seguinte: o que mais importa são os títulos. Quem tem mais títulos de peso? Até pouco tempo Nadal tinha menos tempo na liderança do que o McEnroe, e tem menos tempo que o Novak e o Conors. Alguém colocaria esses três acima do Nadal? Acho que a maioria não o faria. Ao meu ver, a carreira de Sampras se assemelha mais a de Novak, não esquecendo que o Novak e o Nadal ainda podem aumentar suas marcas, o Sampras não. Tem muitas estatísticas que esses multi campeões não dominam, o que mostra que o que importa de fato são os títulos.

    A história lembrarar os campeões.

    Responder
  6. Luiz Fernando

    Que vitória incrível do Rogerinho sobre o Troicki, creio q a maioria dos q acompanham tênis foi surpreendido positivamente p esse resultado, pois sabemos das limitações do nosso conterrâneo, mas ao mesmo tempo sabemos q o cara tem um coração do tamanho do Morumbi. Que venham outros bons resultados.

    Responder
  7. Rubens Leme

    A maioria dos comentários daqui (99%, na verdade) fica mais preocupado em picuinha de Federer x Nadal x Djokovic e pouco curtem o tênis. Tudo virou briga de eu amo fulano, portanto odeio beltrano.

    Se fôssemos falar do passado há várias coisas interessantes. Por exemplo: Mats Wilander foi o mais jovem tenista a conquistar 4 Grand Slams (20 anos). Ganhou seu primeiro com 17 anos, o segundo com 18, o terceiro com 19.

    Jimmy Connors é o único tenista a vencer 3 edições do US Open em pisos diferentes: 74 (grama), 76 (saibro) e 78 (dura). Alguns acham um absurdo preferir Borg a Federer. Bom, cada um é de uma época e vim de uma onde podia ser fã de um sem desconsiderar outro. Por sser canhoto, eu tentava copiar o movimento de saque de McEnroe, que admirava pelo seu talento, pois conseguiu vencer simples e duplas de Wimbledon em (1981, 83 e 84) e o US Open em 1979 e 1981. Fiquei chateado quando venceu Borg, mas não podia deixar de reconhecer o gênio que era.

    O esporte em geral é muito mais do que tomar uma posição e se ater a ela, mas apreciar o máximo que puder. Pouco me importa quem usa ou deixa de usar relógios Rolex ou dirige Ferrari ou quanto tem na conta.

    Se os “comentaristas” parassem de perder tempo com essa paixonite juvenil e curtissem mais o jogo, seria mais agradável.

    Responder
    1. Alice

      Boa, Rubens. É esperar que o amadurecimento chegue pra todos aqui…! Enquanto não chega, continuemos apreciando essa época grandiosa passar.

      Responder
  8. Luiz Fernando

    De fato era estranho Federer q prioriza a fase de grama jogar apenas 2 torneios. Hj foi confirmado o terceiro, no qual ele praticamente não defende pontos, pois caiu na estreia p o menino Haas em 2017, e isso deve agregar pontos no ranking e contribuir p q chegue em melhor condição em W. Além disso, se não há saibristas no circuito quanto mais gramistas kkk, o q facilita as coisas p ele que é o protagonista maior nesse piso.

    Responder
  9. O LÓGICO

    Se o robozinho-arroz-com-feijão. kkkkkk, vulgo primogênito do capeta, kkkk, só ganhou 6 slams fora do saibro, em época de padronização de piso, ou melhor, quadras lentas, vide USO, ficaria só com rapadura e farinha, kkkk, se jogasse na época do Sampras. E isso é mais do que razoável se pensar. Basta ver que seus recordes todos são função do saibro, e seus títulos fora da LAJE dependeram do alinhamento do planetas e muito açaí espanhol kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  10. Alexandre Maciel

    Dalcim, após acompanhar os dois últimos torneios vencidos com muita facilidade pelo espanhol, chego a apenas uma conclusão: Como esse cara dificulta a vida do adversário nas quadras mais lentas. É difícil fazer um simples pontinho, se não conseguir um bom primeiro saque então, aí sim ele consegue dominar lá do fundão. Incrível.

    Dalcim, falando em bom primeiro serviço, reparei que os adversários do Nadal não arriscavam muito no primeiro saque, mesmo o espanhol ficando a uns 5 metros da linha de funda. Pô, no lado de iguais pelo menos deveriam usar mais o saque aberto. Mas não, todos insistiam no saque fechado no meio, Rafa já devolvia atacando e anulando qualquer vantagem do sacador.

    Responder
  11. Rafael

    Vou fazer de conta, com a devida permissão do Dalcim, de que este post aqui aqui é minha conta do twitter, e que está é a parte da minha bio, pra ficar gravada nos registros do blog:

    “Eu assumo toda a responsabilidade por aquilo que digo, mas nenhuma por aquilo que vocês entendem do que eu digo”.

    Toda vez que eu postar, vale essa máxima.

    Grande quarta-feira de muito trabalho para mim e para todos!

    Responder
  12. Renan Vinicius

    Não há como sustentar argumentos de que Sampras é maior que Nadal. Os números falam por si:
    – O espanhol tem 2 Slams a mais;
    – Mais Masters 1000
    – Ouro Olímpico
    A unica vantagem de Sampras é semanas como nº1
    Não tem o que se discutir, Nadal superior…

    Responder
    1. Luiz Fernando

      E nao tem vitoria nos 4 pisos. Aqui se valoriza apenas o q interessa a esse ou aquele. A historia das semanas na liderança é uma balela, é como se na formula 1 quem liderasse mais voltas ou quem tivesse mais semanas na liderança do campeonato tivesse mais valor do quem tem mais vitorias ou mais títulos kkk…

      Responder
    2. Alice

      Renan, cada um tem uma opinião e forma de avaliar, existem diferenças e devemos respeita-las… até porque não precisa haver uma unanimidade pra ser perfeito. Posto isso, acredito que o consenso, que pode se dá através de uma boa discussão e a democracia que pode ser exercida na sua maneira de opinar e avaliar uma análise…devem servir de base pra qualquer discussão. Quero dizer que gostei da sua análise, só não apoio a sua imposição de opinião como se fosse algo consumado, em outras palavras, como se fosse um fato/verdades absoluta.

      Responder
  13. Eduardo Moura Lima

    Dalcim,

    Muito estão falando sobre esse recorde de 46 sets ganhos seguidamente pelo Nadal no SAIBRO. Mas quais são os seguintes recordes:

    1. Número de sets vencidos consecutivamente na GRAMA
    2. Número de sets vencidos consecutivamente na DURA
    3. Número de sets vencidos consecutivamente (independente da superfície)

    Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não conheço estatísticas de sets consecutivos para grama e dura, Eduardo. No geral (todos os pisos), o recorde é de Connors, com 44 sets, seguido por Lendl, com 43, e Connors e Borg, 39.

      Responder
  14. João ando

    Após ler quase todos os comentários dos colegas .vou dar minha opinião pessoal como torcedor .acho que borg e Sampras foram melhores do que Nadal sim…borg jogava bem em wb e rg. E Sampras ficou mais tempo como número um por mais tempo. ..

    Responder
    1. Alice

      Sinceramente, achei contraditória a maneira como postou sua avaliação, João. Porque usaste as semanas como melhor do mundo entre Sampras vs Nadal e para Borg vs Nadal, preferiste usar os seletivos Majors de Wimbledon e Roland Garros. Até entendo usar os dois GS, mas até nisso o espanhol já superou o sueco, obtendo 12 títulos nessas duas superfícies…Fora que Nadal já superou Borg em semanas e anos como #1…e na mesma idade que o Borg se aposentou, Rafa tinha praticamente os mesmos números de semanas e anos no topo que o sueco. Eu sei que Borg foi um fenômeno em vários aspectos, mas o que acontece é que ele fez história cedo e parou…enquanto Rafa continua fazendo…

      Responder
      1. João ando

        Alice. Vc está certa eu estou com início de Alzheimer …e velhice mesmo. ..e por que nao gosto de do jogo do Nadal kkkkkkkk

        Responder
    2. Luiz Fernando

      Borg venceu múltiplos GS tanto na terra quanto na grama, sugerindo ser dominante em ambos os pisos, o q faz do sueco forte candidato a ser considerado como o melhor de todos os tempos…

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Foi superado na tal ” dominância” por Rafa Nadal no Saibro e por Sampras e Federer na Grama . Sem contar que sem levar o AOPEN e principalmente o USOPEN, ficou sem nenhum na Sintética. Daí suas chances ficam reduzidas. Se aposentar precocemente aos 26, foi uma decisão que se mostrou equivocada. Abs!

        Responder
  15. Luiz Fernando

    Também li q em W vai se permitir mais enrolação no momento de servir, algo q vai na contramão de tudo q tem sido proposto p contornar isso. Enquanto novidades como o relógio dos 25 segundos ganham espaço, os organizadores ingleses pararam no tempo, o q não é novidade. Independentemente de Rafa ser o campeão da demora p sacar e eu ser seu torcedor, tudo q torne o jogo mais ágil é sempre bem vindo, pois se há algo desagradável são partidas excessivamente longas, e algo q contribui p isso é o fato dos caras enrolarem no serviço e os juizes bundões não terem coragem de punir os jogadores.

    Responder
      1. Luiz Fernando

        Putz cafe com leite com 2 títulos e 3 finais, se pensarmos assim Federer seria o q no saibro, talvez aguardente de Sao Francisco kkkkk???????

        Responder
  16. Luiz Fernando

    Dalcim o q vc acha da ideia da Serena, exposta no site? Pessoalmente, acho o ranking protegido correto e justo, mas daí a pretender q se alguma tenista engravidar terá isso ou aquilo a mais me parece um pouco exagerado. Sem dúvida a atividade profissional atrapalha planos pessoais e vice-versa, mas aí creio q entra mais a visão pessoal, qual seria a prioridade dessa ou daquela tenista nesse ou naquele momento. Mas sem dúvida será uma solicitação que suscitará controvérsia e debates.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho interessante, mas não acredito que passe num conselho de jogadoras. Como você disse, ser mãe em meio à carreira é uma opção.

      Responder
  17. Marcos Castillo

    Sobre a acalorada e saudável conversa sobre Nadal vs Sampras:

    Como bem diz o Dalcim, é muito difícil comparar épocas.
    Independentemente da velocidade dos pisos, do material ou da preparação física, para mim o grande fator que impede uma justa comparação é o simples fato dos jogadores enfrentarem adversários diferentes. Isso muda tudo.
    Sampras tem muito mais semanas que Nadal como N1?
    Sim, mas será que ele teria todo esse êxito caso tivesse sido contemporâneo de Federer, como é o caso de Nadal?
    Será que ele teria faturado esse monte de WB caso fosse contemporâneo do suíço?
    Será q se Nadal jogasse na época do americano não poderia ter ganho ainda mais, uma vez que não enfrentaria Federer ou Djokovic em seus auges? Por outro lado, enfrentando grandes especialistas no saibro, será que conseguiria faturar 10 RG?
    Enfim, é impossível saber.
    O que posso garantir, sem qualquer dúvida, é que ver os jogos de Pistol Pete era muito mais agradável do que assistir ao absurdamente competente tenista espanhol que, na minha opinião, disputará com Roger Federer o título de maior de todos os tempos quando ambos tiverem encerrado suas carreiras. E que Roger ganhe mais dez GS e ponha uma pedra nessa discussão. Abs!

    Responder
    1. Alice

      Gostei do que escreveu no final, Marcos. Porque essa tangente é real, pelo menos eu acredito nela…que no fim das contas, quando Fedal se aposentar isso deverá acontecer. Os dois serão considerados os maiores/melhores da história por muitos, principalmente por especialistas mais jovens ou aqueles que tiveram maior oportunidade de acompanhar essa rivalidade. Aquele paradigma, onde a história mais fresca…continua a ser mais vista, mais saboreada (falada) e consequentemente mais admiradores e apoiadores esses tenistas de recente destaque ganham! Enfim, penso que o espanhol vai ter que ralar pra ter números “comparactiveis” com o suiço. Digo mais, teria que ser dominante agora no final da década quanto já mais foi em toda sua carreira, CLARO, digo na questão do topo do ranking…isso conta demais! Vamos ver o que acontece, não esquecendo que o suiço continua a jogar aos 36 anos e incrivelmente a ganhar.

      Responder
  18. Mario César Rodrigues

    Sinceramente,hoje se Rafa,Sampras e Rod laver o Manézinho nem falo muito fraco, todos Rafa passaria o carro sem dó!E ficam estes caras discutindo se Rafa é mais do que Sampras é claro que é e ponto final!o resto é recalque dos torcedores do Federer!

    Responder
    1. lEvI sIlvA

      Realmente, o manezinho, Guga é mesmo muito “fraco”! Tanto que na 1ª oportunidade que teve ganhou um Finals fazendo isso ao bater Sampras e Agassi. (Todos sabem que ele fez isso sentindo a lesão que o faria encerrar a carreira profissional.) Algo que nenhum tenista conseguiu. Rafael nadal, apesar de grande tenista, um dos melhores de todos os tempos vive reclamando que troquem o piso e tal. Quantas vezes ele foi ao Finals e teve oportunidade de ganhar? Abraço!

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Só um bobão desses mesmo, pra chamar o Guga de fraco…

        Falta de respeito, pelo melhor tenista brasileiro de todos os tempos.

        Para lamber as botas do espanhol esquisito, não precisa desprezar outros campeões.

        Responder
  19. wagner wanderley

    Boa tarde Dalcim você conhece esse Karue Sell que está na segunda rodada do challenger de savannah ? Será que ele pode chegar onde ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Conheço, mas o vi mais como juvenil. Tenho observado alguns jogos que passaram na internet. Acho que pode progredir, mas pensar em top 100 é algo muito distante no momento.

      Responder
      1. André Borges

        Ele sempre teve muito talento e hoje jogando os eventos future ele sobra. Não sei se chegará a top 100, mas com certeza ele tem potencial para bem mais que o atual top 600 em que está.

        Responder
  20. Alice

    Muito interessante a discussão – Sampras vs Nadal-, não há uma unanimidade em apontar que foi o MAIOR deles até aqui no tênis. Alguns especialistas atuais, já consideram o espanhol maior pela relevância do que já conseguiu alcançar na carreira, outros ainda acreditam em Sampras como mais bem sucedido, tendo em vista sua maior dominância no circuito da época. O que fica da discussão é a conclusão de que Sampras e Nadal parecem estarem caminhando juntos na avenida dos maiores da história! Quem será que eles estariam enxergando a sua frente nessa ilustre avenida?

    Responder
      1. Emerson Oliveira

        A Tennis World publicou recentemente a lista com os 50 maiores tenistas de todos os tempos !!!
        Sampras está abaixo de Nadal na lista !

        Responder
  21. Rafael

    “McEnroe na verdade quase largou o tênis em 1986. Tirou um ano sabático para se casar com Tatum O’Neal (filha do ator Ryan O’Neal), teve um filho naquele ano, começou a mexer com música, quis ser ator e voltou no final ainda de 1986 mas sem o mesmo entusiamo, pois já era superado pelos novos jogadores mais físicos (Ivan Lendl, Boris Becker, Mats Wilander e Stefan Edberg), enquanto começa a surgir a nova geração norte-americana com Andre Agassi, Jim Courier, Michael Chang e, um pouco mais tarde, Pete Sampras.

    Ainda assim, conseguiu vencer três títulos em 1986, dois em 1988, três em 1989, um em 1990 e o derradeiro, em 1991, em cima do irmão caçula Patrick.

    Apaixonado por música, teve um grupo de rock e se casou com a cantora pop Patty Smith (não confundir com a madrinha do punk, Patti Smith).”

    (Por Rubens Leme)

    – Acho esse tipo de texto bastante agradável de ser ler, todos esses são dados que a gente podia pesquisar, mas contados assim, em forma de relato de quem viveu essa época, fica bem mais gostoso.

    E não é o primeiro que o Rubens posta nesse sentido. Também gostei do texto que postou sobre o Borg e suas fãs histéricas.

    Se puder, Rubens, conte mais dessas histórias!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Excelente, Rafael. Agassi nasceu em Abril de 1970. E Pistol Pete Sampras em Setembro de 1971. Não consigo entender o Leme quando tenta mostrar que existiu um “vácuo” de Oponentes gabaritados , entre um e outro. Ambos bateram McEnroe, Lendl, Edberg , Becker, Rafter , Heman, Safin, Hewitt, GUGA ( os últimos apertada mente). E pra quem adora o h2h, 20 x 14 para Pete com Andre’. O tal do um “pouco” mais tarde, somente o próprio pode esclarecer. ABS!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Ps. Sampras venceu seu primeiro SLAM em 90 ( USOPEN) e Agassi em Wimbledon 92. Em 93 Pistol Pete assumiu o N 1 e ficou no Posto até o Final da Temporada de 98. Abs!

        Responder
  22. Luiz Fernando

    Vamos voltar ao comentário que fiz ontem em resposta ao Pessanha e alguns blogueiros expuseram q interpretei mal o q ele expôs, q se Rafa jogasse nas quadras mais rápidas como no auge do americano ele só venceria RG, o q aliás não seria pouco, pois o Sampras tentou, tentou e não venceu lá, talvez não tenha tido a sorte de um Soderling no caminho dos principais favoritos. Será q nessa época citada não havia um outro americano jogando de nome Agassi? E será q esse tenista venceu GS nessa época? Sim, 8, sendo 7 nos pisos velozes? E como compararíamos Agassi vs Rafa? Exceto pelo estupendo BH, o americano perde em tudo: preparo físico, serviço, FH, jogo de rede, agressividade etc. Resumindo: Rafa venceria GS em qualquer época, em qualquer piso!!!

    Responder
    1. Alice

      Boa análise, LF! Acho que os jogos entre Agassi e Nadal seriam disputados no começo, longos que nem Djokovic vs Nadal. Mas, concordo com a sua conjectura…que no fim, o espanhol iria levar vantagem nos confrontos e portanto conseguiria obter sucesso nas rápidas, assim como norte-americano obteve na sua época. Enfim, são só conjecturas…

      Responder
  23. Nando

    Sampras por mto tempo foi detentor dos principais recordes do esporte (Slams, semanas como N1), e só teve tais recordes “cassados” pelo Federer. Mas ainda possui o de temporadas terminadas como N1 (6).
    E ele tinha um jogo mais vistoso….então, pra mim, ele é/foi melhor q balão.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Também tinha o melhor segundo saque que eu já vi…

      Hoje em dia, só o Federer e o Kyrgios tem um segundo saque quase tão bom quanto.

      Responder
  24. Mário Fagundes

    Enquanto isso, Dkovic volta a treinar feito um louco. Nos intervalos, ofegante, pingando como uma fonte, o tal guru Pepe o obriga a repetir diversas vezes: “Eu sou o Comedor de fígados! Eu sou o Comedor de fígados! Eu voltarei!!!”

    Responder
  25. Nando

    Estava vendo os coments aki….esse bom momento do nadal fez com q vários fakes ressurgissem dos mortos hein, assim é fácil né? Kkkkkkkkkk
    Por isso q , apesar das groselhas e do rancor do LF, valorizo ele aki. Pois sempre está no blog, na vitória ou na derrota.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Rancor é o que vcs sentem em relação ao Nadal, pelas diversas humilhações impostas ao Federer, o resto é peixe pequeno. Quanto a estar sempre presente, na vitoria ou na derrota, que legal seria q seus amiguinhos de torcida agissem da mesma forma, nao acha? E também seria saudável se alguém lembrasse isso a eles, como lembra aos torcedores adversários. Coerência meu caro, ou falta dela kkkk!!!!

      Responder
      1. Jefe

        Vamos lá, com calma!
        Rancor ou ódio é o que vc assumiu que sente pelo FEDERER, o que é um absurdo!
        Sobre coerência, quem pagou o maior mico foi vc também ao chamar o FEDERER de aposentado cansadão e fujão antes de 2012, sendo que ainda naquele ano ele conseguiu ganhar o 17 GS e ainda voltar ao número 1 do ranking.
        Essas framboesas são suas, de forma disparada!!
        MAs curtamos o circuito, com o bom momento de Nadal!

        Responder
      2. Marcelo Araújo

        Rancor a gente vê nas suas palavras, LF. Nadal humilhar Federer?? Quando ganhou dele uma vez na grama?? Djokovic já ganhou de Nadal 7 vezes no saibro… Quando ganhou 23 partidas do suiço? O sérvio ganhou 26 partidas do espanhol. Mas é óbvio que nem uma coisa nem outra é humilhante. Humilhante é ter mais de 30 anos e admitir que tem medo de dormir no escuro! É ter uma legião de fãs o vendo posicionar uma garrafinha em uma posição milimetricamente perfeita para dar sorte, como uma criancinha cheia de supertição. Humilhante, ridículo e infantil. Não tenho nenhum rancor por Nadal, só o acho um anti-herói porque ele joga feio, fazendo careta, é cheio de infantilidades e ainda por cima tentou prejudicar um juiz brasileiro que estava fazendo ele seguir a regra do jogo. Treina mais que os outros porque é extremamente ambicioso e quer superar na base de sua força e esforço sobre-humanos a melhor técnica dos adversários.

        Responder
        1. Sônia

          Excelente comentário Marcelo, faltou dizer (eu digo) que esse tenista “esperto” se entope de substâncias “medicinais” rsrsrs autorizadas pela WADA (absurdo e injusto em relação aos outros tenistas – #WADAlibereosbenessesparatodos) para “nunca se cansar”. O que o “esperto” não consegue imaginar, que logo logo ficará feio (na minha opinião já está) demais correndo como uma lebre aos 32, 33, 34, 35…, imagino que alguém “influente” há de abrir o bico. Aguardemos pacientemente pois infelizmente a justiça realmente tarda, mas ela SEMPRE aparece. Beijos.

          Responder
          1. Marcelo Araújo

            Obrigado pelo elogio ao meu comentário, Sônia. Independente do uso ou não de determinadas substâncias que deveriam ser proibidas, compartilho com o seu sentimento de desprezo aos valores tenísticos do Nadal. Acho seu jogo feio, extremamente tático e defensivo, baseado na força e resistência. Sem contar o jeito de jogar, cheio de TOC’s e superstições ridículas e infantis, fazendo caretas e franzindo a testa. Realmente, tenho muita dificuldade de entender como alguém que goste de tênis tenha vontade de torcer para o espanhol…

      3. Nando

        Te faço um elogio e aí vc responde assim?
        Vc é rancoroso sim! Se vc usasse o espaço pra debater tênis, ou pra celebrar o bom momento do balão, blz….mas vc não consegue fazer qlqr coment sem citar torcedor do Federer de forma pejorativa, a cada 10 coments seus, em 11 vc cita torcedor do Federer. Isso é um caso de rancor agudo… no mais, encerro aki.

        Responder
          1. Nando

            Dalcim libera seus coments só pra vc não chiar ou dar uma de MC aki, dizendo q o blog é tendencioso.
            Mas sem dúvidas q vc agregaria mais ao debate, se fosse menos rancoroso e foca-se no tênis.

        1. Luiz Fernando

          Nesse espaço só alguém insano p descortinar sua vida pessoal, com email, celular etc. Por acaso vc expõe seus contatos aqui? Então deixe de bancar o santo, pq vc não é.

          Responder
  26. Jefe

    Pessoal, comparações entre épocas são difíceis, poir isso é preciso analisar sempre os números maximos do tênis, quais sejam:
    237.
    302.
    20.
    06.
    São eles em ordem de importancia e dificuldade.
    Nesse sentido, os critérios maiores são, na ordem, semanas na liderança e conquistas de grand slam, seguido de Finals.
    É isso, doa a quem doer.
    MAs existem muitos outros números legais de se acompanhar e muito importantes também.
    O fato é que os números citados são os mais absolutos.
    Isso não é opinião, é fato.
    Nesse sentido, tendo em vista a discussão recente entre Sampras e Nadal, temos que Sampras ainda está na frente.
    Puxa, o que não desmerece em nada o Grande Jogador que é o Nadal.
    Calma pessoal!
    E curtamos o circuito.

    Responder
  27. Luis

    Muito legal essa discussao entre Sampras e Nadal. Na minha opinião, se os pisos da epoca do Sampras fossem mais lentos, como hoje, o americano teria bem menos títulos, ao passo se o piso (e bola) de hoje fosse mais rapidos, como era antigamente, o nadal ainda assim manteria os títulos no saibro.
    Outra coisa que acredito é que mudaram a velocidade do jogo porque ver um jogo inteiro de saque e voleio é chato de mais. É tipo ver o Isner jogando sem parar, num looping infinito.
    O esporte cresceumuito em numero de fans depois das mudançasena minha opiniao ficou melhor assim.

    Responder
  28. Rafael

    Olá moços e moças:

    Só passei para dizer que ando lendo novamente insinuações de que determinado jogador seria gay, alguns comentários rebatendo, outros desconsiderando (por irrelevante, correto) e um justificando que isso é “apenas mais uma brincadeira” ou algo do tipo.

    Pois bem.

    Quando se entende que levantar a possibilidade de alguém ser gay é “apenas mais uma brincadeira”, entramos no campo da pejoratividade discriminatória. Não vou me estender nem complicar o comentário, mas pensem só em uma coisa:

    – Estatisticamente falando, há enormes chances de haver vários gays postando aqui. Antes de exarar pérolas como “se não sabe brincar não desce pro play”, pensem no tipo de ambiente que estão criando (repressor). Em tempos de tolerância zero para abusadores sexuais, pedófilos e bullies, é inaceitável (e concordo) discriminar/assediar – e, contornar isso de forma machista e retrógrada com o lance da “brincadeira” PODE SIM estar fazendo mal a quem tem essa orientação sexual e se sente pessoalmente atacado (a) com comentários assim, mas não entra em confrontação.

    – Ah, mas eu estava falando dos jogadores que nem sabem que a gente existe, larga de ser chato!

    – EU estou falando dos participantes do blog.

    Abs e perdão por sair do tema.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Bem, Rafael

      Não sejamos hipócritas, e nem tão politicamente corretos.

      Quem é hétero, não aceita ser confundido com um gay.

      E tenho certeza de que se tal boato chegasse aos ouvidos do Nadal, ele não ia gostar também…

      Simples assim.

      Responder
  29. Arthur

    Dalcim,

    Sem querer adicionar mais polêmica às já existentes, mas vou meter o meu bedelho nesse embate Sampras x Nadal.
    Para além das evidentes diferenças de eras, equipamentos, físico e um longo etc., é muito difícil comparar jogadores com estilos tão distintos como o americano (saque-e-voleio clássico) e o espanhol (jogo de fundo raiz). A meu ver, não seria exagero dizer que a diferença entre o Nadal e o Sampras é até maior do que a do Nadal para o Federer, que joga muito mais no fundo do que o Sampras.
    Fora isso, em ambos os casos há “balanças” um pouco desequilibradas. Sampras tem metade dos seus Slams em um único piso (grama). Já Nadal tem mais ou menos 2/3 do seu repertório sobre um mesmo piso (saibro).
    Dito isto, embora Sampras tenha 5 Finals contra nenhum do Nadal, acredito que os 3 Slams a mais e o Career Slam pesavam a favor do espanhol.

    Um abraço

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Sampras ganhou fácil ( votação entre atletas e mídia ) ao Final da Década de 90 , como o Maior de Todos até então, pelos seguintes quesitos : A incrível sequência de Temporadas Consecutivas como N 1 ( considero Insuperável as SEIS ) , o número de Semanas como N 1 , Recordista nos 2 principais SLAM ( 7 em Wimbledon e 5 no USOPEN ) e tambem um dos recordistas no FINALS ( 5 ) .Tudo obtido na Era Profissional ou Aberta. E todos os SLAM em pisos diferentes ao contrário da Era do extraordinário Canhoto Rod Laver. A seu favor o fato de Connors, McEnroe , Edberg, Becker, também não terem beliscado RG. E seu maior rival apenas UM ( Agassi ). E paramos por aqui , a nosso ver. Após a ridícula padronização dos Pisos, Pistol Pete e Laver estão livres de comparações com seus sucessores. Todo valor que se dá a Björn Borg foi por ter competido com grande sucesso , naquela espetacular diversidade de superfícies. Ao menos esses excepcionais jogadores jamais serão chamados de fujões de Roger, Rafa, Novak e Andy rs Abs!

      Responder
  30. Renato

    Uma vez, o Dalcim respondeu uma pergunta dizendo que é mais fácil para um jogador de quadras duras se adptar a grama do que um saibrista. Então fica bem claro que é mais difícil vencer um torneio nas quadras sintéticas, pois a maioria do circuito prefere e a concorrência é maior. Depois o piso mais comcorrido é a grama, devido a mais fácil adaptação dos jogadores de quadras duras. Isso explica o fato de Federer, Novak e Murray jogarem tão bem nos dois pisos.
    Por fim, o saibro é, sem duvidas, o piso mais pobre de jogadores e onde a concorrência é menor.

    Responder
  31. Arthur

    Dalcim,

    Como já tinha dito antes, não vejo ninguém em condições de parar Nadal no saibro neste ano. O único porém é saber até quando seu corpo vai aguentar.
    Enquanto isso não acontece, vamos assistindo ao espetáculo tedioso do espanhol vencer set atrás de set contra todo mundo que aparece pela frente, sem que apareça um único jogador capaz de fazer um jogo minimamente parelho contra ele.

    Um abraço

    Responder
  32. Renato

    Olha só a arrogância do cidadão: “Laver ja disse que Nadal e Federer são os maiores da história, então acabou a discussão.” Que m…

    Responder
    1. Emerson Oliveira

      Se vc pesquisar a publicação da Tennis magazine, onde colocaram os 50 maiores tenistas de todos os tempos, verá que
      Nadal está acima de Sampras !!!
      Agora, se vc quiser bater o pé, e continuar a achar o Sampras melhor, tudo bem !!!
      O importante é vc ser feliz !!!

      Responder
  33. Luiz Fernando

    O Pessanha postou abaixo: “Olha, se Nadal jogasse na época de Sampras, não ganharia nenhum Grand Slam fora Roland Garros. Logo, não há a menor dúvida de que Pete Sampras jogou mais”. Como Nadal venceu W e AO em cima de Federer no auge, fica claro q na visão do nobre blogueiro que o americano foi bem superior ao suíço tanto na grama quanto na quadra dura, certo? Pessoalmente, acho difícil dizer q A venceria B ou B venceria A, são possibilidades q ninguém deve apregoar como certezas, mas uma coisa eu apostaria: Sampras não choraria como criança mimada se perdesse a final do AO pra Rafa kkk…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Você não entendeu o Pessanha…

      É que na época em que o Pete Sampras dominava, as quadras rápidas eram VERDADEIRAMENTE rápidas!

      Nem o Djokovic, e muito menos o Nadal teriam se dado tão bem em quadras assim.

      O jogo deles é feito sob medida m para o saibro, ou quadras duras lentas.

      Pisos em que podem valorizar ao máximo as longas trocas de bolas, e a correria…

      Creio sim que também seriam campeões, ganhando títulos importantes, coisa e tal.

      Porém, é certo que nunca teriam o mesmo sucesso que tiveram, com a padronização dos pisos.

      E seus números seriam bem mais modestos…

      Lembrando que o contrário também vale para Sampras, caso ele fosse contemporâneo de Novak e Nadal.

      Anteriormente, o tenista sair de Roland Garros, e ir para Wimbledon, por exemplo, exigia uma adaptação muito mais árdua…

      Por isso que eu não tenho dúvidas de que o Federer é o melhor deles três, por ser um tenista mais flexível.

      Rende o seu máximo,quanto mais rápida for a quadra.

      E no entanto, também consegue ser um grande campeão, mesmo em quadras não tão velozes…

      Responder
    2. Marcelo Araújo

      Chorar ao perder uma final é bem mais adulto que ficar dando saltinhos para pular linhas, ajeitando garrafinhas e inúmeras outras infantilidades. Se bem que esse tipo de infantilidade é esperado para quem tem medo do escuro como Nadal.
      Além disso, é muito menos vergonhoso chorar ao final de uma partida do que tentar boicotar um juiz que o fez respeitar a regra do jogo.

      Responder
    3. Fernando Filho

      Você não entendeu (ou fingiu não entender) . O que ele disse foi em relação às quadras. Na grama e na hard dos anos 90, o Nadal jamais venceria o Federer, nem Sampras. Hoje, em pisos mais lentos, o espanhol consegue se sair melhor, mas naquela época, esqueça.

      Responder
    4. Mário Fagundes

      E será que Sampras choraria tal qual Federer chorou na final do AO 2017 ao vencer Nadal? O último choro é o que fica. rsrsrs

      Responder
  34. Mário Fagundes

    As comparações das carreiras de Nadal com outros grandes campeões do passado até são saudáveis, porém penso que seja mais prudente aguardarmos o fim da carreira do espanhol. O fato é que Nadal foi muito beneficiado com a padronização dos pisos. Assim, acredito que seria muito difícil para ele vencer os seis slans que conquistou (até aqui) fora do saibro.

    Responder
  35. Eduardo Martins

    O que alguns entendidos se esquecem de mencionar é que enquanto Nadal precisou de 3 jogos na grama para destronar o rei da grama de WB (e lembrem-se que o jogo de 2007 já foi sufoco), o Federer fez 5 jogos com o Nadal em RG e não o destronou. São dois grandes gênios do esporte, cada qual a sua maneira. É só reverenciar essas lendas vivas que não cansam de quebrar um recorde atrás do outro. Já imaginaram o circuito de saibro sem o Nadal? Já imaginaram o circuito de grama sem o Federer? Tenho certeza que ambas as torcidas sentirão falta de ambos, podem até não admitir, mas sentirão.

    Responder
  36. Kelly

    Além da concentração, inteligência tática e um movimento de pernas impressionante, o Nadal consegue definir a jogada ideal, mesmo estando sob pressão, numa fração de segundo. Inacreditável!

    Responder
  37. Rodrigo

    Penso que tanto Roland Garros quanto Wimbledon deveriam homenagear Nadal e Federer respectivamente colocando o nomes deles e uma das quadras dos complexos de tênis. Independente de gosto Nadal é o dono do saibro e Federer é o dono da grama. Gostaria apenas que tivessem master mil na grama.
    Sobre Federer especificamente, acredito que ele deveria se dedicar para o que é possível: ganhar Halle, Wimbledon, Cincinatti, US open, Xhangai, basel, e o Finals. Us open e finals ele não vence a muito tempo.

    Responder
  38. Renato

    Cada m… novo que aparece por aqui. Rs. Onde estavam esses ‘novos’ torcedores do espanhol no ano passado quando o frango apanhou quatro vezes de Federer???? Ou será a multiplicação de um???? Alguns caíram de para-quedas por aqui?

    Agora o Laver virou referência pra tudo! Kkkk

    Laver falou que lasanha engorda. Laver falou que andar de bicicleta três vezes por semana fortalece o bumbum. Laver falou que Lula é inocente. Kkkk

    Responder
    1. Mário Fagundes

      rsrsrs. Pois é, rapaz, pra essa gente não basta curtir o momento de seu ídolo, é preciso elevá-lo a um posto em que nem o próprio Nadal acredita fazer parte.

      Responder
  39. José da silva

    Os torcedores de Nadal adoram falar do head to head com Federer, todavia esquecem de mencionar que dos 38 confrontos, 15 ou 39% foram no saibro (piso predileto do espanhol) e apenas 3 ou 0,07% foram na grama (piso predileto do suíço). Se fosse o inverso, como estaria?

    Responder
  40. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    os números do Nadal no saibro são mesmo impressionantes. No entanto, somente voltando um pouco ao tema da aplicação do pneu do Blog anterior, quero lembrar que Federer aplicou pneu no Nadal nos três pisos do circuito. Saibro (Final de Hamburg, 2007), Rapida (Finals 2011) e Grama (winblendow 2006). Por outro lado o Federer somente tomou pneu do Nadal uma única vez na carreira tendo sido no saibro de Roland Garros 2008. Caso esteja errado me corrija Dalcim, ou por favor confirme.

    Responder
    1. Alice

      Acho curioso, até interessante esse tipo de dado. Mas, sinceramente…acho pífio! Afinal, o que é mais importante em um confronto direto com seu adversário, aplicar-lhe pneus ou derrotas? Numa discussão de dados, isso seria apelativo….vou ir ali compilar quantos aces um adversário conseguiu fazer em um exímio defensor de serviços…pra enaltece-lo depois! Mas, não deixa de ser um dado curioso/interessante, só não serve pra alguma boa discussão.

      Responder
      1. Mário Fagundes

        Depende do ponto de vista. Se a discussão for travada no âmbito do circuito feminino, temos Serena vencendo diversos slans aplicando pneus em suas adversárias. E isso já serviu de base para alguns tenistas do masculino questionarem as premiações das meninas. Sobre Federer e Nadal, o tal H2H será sempre a válvula de escape em se tratando de números gerais num comparativo entre os dois. Então, ter aplicado pneus no espanhol, em 3 pisos diferentes, passa a ser um dado mais que interessante nessa eterna discussão.

        Responder
  41. Paolo Rossi

    S Ridículo(kkkkkkkkkkkkkkkk) Você zoa os outros e até fala dos filhos(crianças) que não têm nada haver com as discussões que acontece no blog, e vem falar da moderação? Nem coerente você é;criticou a postura de Paolo Rossi fora de campo, mas seu grande ídolo no futebol é Maradona? e outra: a lei da natureza nos rege só pode haver um macho dominante por território.Não dá pra você amigão, em todos os sentidos.Então não é você que decide,o que entra e sai do blog.Você é muito passional a maioria dos seus comentários são pura “decoreba”sem contar suas costumeiras confusões que a maioria dos caras acabam caindo,por que para quem é homem as coisas têm que fazer sentido.E se acha um grande especialista, nem convocado para o time que faz a votação no fim da temporada você foi, o que na minha opinião seria uma ofensa gigante ao Blog/Site.Uma vida inteira dedicada ao esporte e aprendeu muito pouco, principalmente como pessoa.Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Seria bom você responder em cima do comentário da pessoa a que se dirige, senão fica bem confuso entender do que se trata.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Hum… SRidiculo !!! Tinha certeza que este Fake ( até Postou que não iria usar mais este Nick Ridiculo ) , era o Chatonick kkkkkk Agora estou achando que tanta besteira somente a 4 mãos . Acho que um e’ o Paolo e o outro o Rossi kkkkkk Vou de L.Farmaceutico KkkkkkkABS!

        Responder
        1. Luiz Fernando

          Meu caro q vc é confuso eu nunca duvidei, também aprendi q vc é arrogante, mas essa sua faceta de atribuir fakes esse ou aquele é nova. Parabéns, a cada dia surpreende mais, do lado negativo kkk. Grande abraço.

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Finalmente concordamos L, F. No lugar do Rossi rs, entra o rapaz que era Federer e virou o Maior e Melhor.Aquele do ” Sítio” bem frequentado kkkkkk ABS!

  42. André Barcellos

    Acho que Nadal é maior que Sampras.
    Mas qualquer número de Nadal fica um pouco relativizado pelo seu absoluto MELHOR desempenho no saibro que nos outros pisos.
    Mas isso não é demérito. É mérito do espanhol.
    De qualquer forma o espanhol é um grande tenista em outros pisos também, seja grama ou dura, o que Sampras não era sobre o saibro.
    Nesse ponto registro como acredito que Sampras sofreria, em tese, nas mãos de Nadal sobre o saibro!
    Ou como o Federer faria a festa fechando GS anos seguidos, não fosse o espanhol!
    Portanto, apesar de toda controvérsia, na minha opinião Nadal está acima de Sampras na história, principalmente por ter batido Federer consistentemente no melhor da carreira do suíço (aqui também os embates no saibro abriram uma diferença enorme e alavancaram o espanhol à frente no quesito psicológico, o que o ajudou contra Federer mesmo fora do saibro. Esse fenômeno, aliás, Federer reverteu nos últimos anos e que não quer perder mais de jeito nenhum).
    E minha opinião.

    Responder
  43. Renato

    Bem lembrado pelo colega, Sampras tem vários títulos no masters finals, enquanto Rafael Pipoquinha nunca venceu, sempre amarelou no torneio mais difícil da temporada e maior depois dos slam.

    Responder
  44. Eduardo Martins

    Mestre, tudo bem?

    Gostaria de saber sua opinião sobre e dos demais colegas do blog sobre quem é (foi) melhor: Borg ou Nadal? A opinião é a mesma se comparar ambos aos 26 anos?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Mais uma vez é muito complexo comparar épocas tão distintas, onde até mesmo o equipamento era distinto. Se pensarmos apenas nos feitos até os 26 anos, Borg certamente foi superior, já que encerrou a carreira com seis Roland Garros e cinco Wimbledon, que eram então superfícies muito distintas e exigiam uma adaptação incrivelmente difícil de se fazer em apenas duas semanas. Porém, se vermos o conjunto das carreiras, Nadal tem coleção muito mais relevante de títulos e superou Borg até mesmo no saibro.

      Responder
      1. Joao ando

        Dalcim .com o aparecimento do mcenroe borg ficou desestimulado …se estiver errado me corrige …fatores pessoais e com drogas tb derrubaram o iceberg…acho que se não fosse isto borg seria melhor que rafa

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não acho que McEnroe tenha sido o culpado disso. Os dois sempre foram bons amigos, desde que se conheceram. Mac inclusive tentou dissuadi-lo da aposentadoria.

          Responder
          1. Rubens Leme

            McEnroe na verdade quase largou o tênis em 1986. Tirou um ano sabático para se casar com Tatum O’Neal (filha do ator Ryan O’Neal), teve um filho naquele ano, começou a mexer com música, quis ser ator e voltou no final ainda de 1986 mas sem o mesmo entusiamo, pois já era superado pelos novos jogadores mais físicos (Ivan Lendl, Boris Becker, Mats Wilander e Stefan Edberg), enquanto começa a surgir a nova geração norte-americana com Andre Agassi, Jim Courier, Michael Chang e, um pouco mais tarde, Pete Sampras.

            Ainda assim, conseguiu vencer três títulos em 1986, dois em 1988, três em 1989, um em 1990 e o derradeiro, em 1991, em cima do irmão caçula Patrick.

            Apaixonado por música, teve um grupo de rock e se casou com a cantora pop Patty Smith (não confundir com a madrinha do punk, Patti Smith).

      2. Alice

        Concordo com o Dalcim. Hoje, Nadal é superior a Borg na carreira e no saibro está bem a frente com seus atuais números. Só ressalto que na mesma idade, os números no saibro do sueco e do espanhol era bem parecidos. O que difere na carreira dos dois é a questão que enquanto juntos até uma certa idade eles dominaram o saibro, alcançam um grande auge, Borg se retirou e Rafa continuou a jogar no mesmo nivel de dominância que ele e o sueco tinham aos 26 anos. O espanhol já acumula mais 5 temporadas nesse auge que Borg encerrou a carreira no saibro, isso que eu acho assustador…

        Responder
  45. Paolo Rossi

    Federer vai ser assombrado pelo resto da vida por não ter ganhado de Nadal em RG.Uma mancha terrível em sua carreira.

    E nem tente me fazer mudar de opinião.Abs!

    Responder
    1. Ronildo

      Não creio que esta avaliação está correta. Pelas declarações de Federer, ele passa a idéia de que o tênis é um negócio, uma profissão na qual ele foi muito bem sucedido. Duvido muito que ele lamenta as derrotas assim. Acho que em números reais, Federer foi um dos tenista que mais perdeu decisões! Porém, ao olhar sua carreira como um todo ninguém foi mais vitorioso que ele. Se fossemos fazer uma comparação qualitativa entre os títulos de Roger Federer e os títulos de Jimmy Connors, cinco títulos de Connors não pagaria um de Federer!
      Com uma carreira de sucesso tão grande assim, Federer precisaria ser portador de algum distúrbio mental para ficar lamentando suas derrotas para Nadal em RG.

      Responder
  46. Antonio Gabriel

    Que o Nadal é um monstro jo Saibro, disso ninguém duvida, agora fica a pergunta Dalcim: ele esta jogando tão bem assim, ou até agora os adversários estão muito abaixo do que poderiam fazer ???
    Parabéns pelo blog e um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É uma soma das duas coisas, a meu ver. Ele está jogando um tênis primoroso e seus adversários não estão consistentes ou fisicamente inteiros, então Rafa não apenas está mantendo o natural favoritismo, como ainda por cima tem atropelado todo mundo. Abs!

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Dalcim, e a que se deve o fato dos demais tenistas estarem com físicos comprometidos, tendo passado apenas 1/3 da temporada?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Difícil dizer, porque cada caso é um caso. Djokovic, Nishikori, Tsonga vêm com problemas desde 2017, por exemplo. Mas não resta muita dúvida que o padrão que o tênis masculino assumiu na última década, com os equipamentos modernos e a lentidão maior do circuito em geral, provocou um desgaste físico muito superior ao de antes.

          Responder
    1. Emerson Oliveira

      Se os próprios ( Bjorn e Laver) já se manifestaram publicamente, considerando Federer e Nadal como os maiores da historia, além dos números comprovarem issso, quem é vc, para dizer o contrário ? E cuidado com o que fala…. a ministra francesa foi processada e perdeu para o Nadal !!! Teve que pagar uma indenização ao Touro, que doou o dinheiro para instituiçōes de caridade !!! Nadal Monstro !!!

      Responder
      1. Renato

        Ve fazer o que, m??? SÓ vi Laver, Becker e Sampras falarem de Federer, não Nadal. Federer é o maior, Nadal está entre os cinco.

        Nadal é frango! Kkkk

        Responder
  47. Luiz Fernando

    E lá vai o grego pra outro torneio, apesar de parecer exausto no final da semi de sábado. Claro q um rapaz de 19 anos deve estar sedento por vitórias e dólares, mas ele deve ter cautela, basta ver o alto preço cobrado por calendários desastrosos como os últimos do Thiem e alguns de Rafa, com Davis, Laver Cup etc…

    Responder
    1. Mário Fagundes

      Pois é, o grego ganhou um pouco mais de grana nessa semana. Aos 19, disputando final com o “rei do saibro”, deve estar muito motivado e confiante. Tomara que esteja bem assistido e não cometa os mesmos erros de Thiem, como vc bem disse.

      Responder
  48. Marcus

    Perguntaram pro Dalcim em algum dos últimos posts, quem seria tecnicamente superior: Nadal ou Djokovic. Dalcim, como sempre, não ficou em cima do muro e tascou: o sérvio leva discreta vantagem.

    Dalcim, discordo veementemente (hahaha). Mas é sério, na minha opinião o Nadal é significativamente superior ao Djokovic. É claro que esse conceito de técnica é muito controverso, mas vejo o espanhol com muito mais recursos que o sérvio, seja na base, seja na rede, seja no improviso. Claro que o backhand e o serviço de Novak são superiores, mas o resto todo favorece Rafa, na minha opinião.

    E mais uma: acho que só o Fognini mesmo pra vencer o Rafa este ano no saibro numa melhor de 3 sets. Em Roland Garros, não vejo adversários, somente uma lesão mesmo. Que sem graça.

    Responder
    1. Alice

      Eu também concordo nisso, Marcus. Acho o Djokovic mais eficiente em seus principais golpes, inegável. Mas, Nadal teria na minha visão, no geral, mais técnica que o sérvio. Vejo o espanhol mais técnico nos seus saques, no seu jogo de rede e outros fundamentos que muitos criticam no Djokovic como o smash, que o canhoto faz de forma impar e se variaveis forma..de qualquer lugar da quadra e altura…em outras palavras faz brincando..rsrs! Voleia melhor, dá deixadas melhor e acredito que cruze e dê paralelas um pouco melhor que o Djokovic. Sem contar seu forehand devastador que já alcançou mais de 6.000 rpm, isso exige muita técnica pra alguns virem aqui traduzir em balões… Haja balão!! Kkkk

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eventualmente mostram, mas isso exige que os promotores brasileiros facilitem nas condições técnicas, especialmente conexão de internet de boa qualidade.

      Responder
  49. Robson Couto

    Olá Dalcim, pela declaração dada pelo grego, ele não viu alternativas para minar o jogo do Nadal. Então te pergunto, qual seria o buraco ou tática que alguém teria que usar para machucar o jogo do espanhol? Ou será que uma derrota somente virá em virtude de cansaço ou um dia de irregularidade fora do normal?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acredito que é preciso sacar muito bem, com variação de grandes ângulos e saque fechado. Nadal tem devolvido alto e profundo, então subir à rede atrás do saque não é algo fácil, mas precisa ser feito algumas vezes. Também é preciso atacar seu backhand para abrir a chance de angular no forehand, algo que Djokovic fazia com maestria ímpar. Claro que tudo isso visaria ficar mais competitivo e aí ter chance de vitória, mas demandaria enorme consistência técnica e física.

      Responder
  50. Luiz Fernando

    Dalcim, vendo o BH de Nadal nesses jogos quase não dá pra reconhecer o golpe q o Djoko castigou de forma impiedosa em 2011/12. Atualmente além de bastante mais regular, o BH do cara está andando muito, se transformou numa arma ofensiva, e muito eficaz, por sinal. Algo q ainda precisa evoluir são os golpes na paralela, pois me parece claro que ele arrisca bem mais na cruzada. Como explicar tal mudança? Seria apenas treino ou a confiança adquirida em 2017/18 também desempenhou papel fundamental? Pessoalmente credito a ambas, com uma boa participação do Moyá no ítem “treino”…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, Moyá conseguiu lhe dar maior confiança na golpe, certamente através de muito treino. Está pegando mais à frente, o que tem feito toda a diferença. Gozado é que Moyá tinha um backhand bem frágil rsrs…

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Ora bola…

          Mas sem motivo? (rs)

          Todo mundo já não está CARECA de saber que o Nadal ganharia tudo no saibro?

          Desde 2017 (e até que o Big 4 se recupere) vai sempre assim:

          Nadal como primeiro do ranking, após o primeiro semestre.

          E o Federer líder, após o segundo…

          Responder
  51. Heloísa

    Ninguém foi dominante em seu piso favorito como o Nadal faz no saibro.
    Torcedor do Federer fica doido com as últimas partidas pq apanhou sem do, em todos os pisos, durante anos! Totalmente compreensível kkkkkkkk
    E Sampras maior que Nadal é piada! Basta torcerem por contusões e continuarem secando pq, se o físico deixar ter vida longa, o cara vai destruir tudo. Finals só precisa de um. O Goat só tem um RG e dependendo de derrota do melhor né?
    Enfim…
    Go Nadal!!

    Responder
  52. Renato

    Gostaria de agradecer aqueles que odeiam o que eu escrevo, mas nunca deixam de ler meus comentários. Masoquistas? Escrevo o que penso e ponto! Ninguém é obrigado a ler.

    Continuo rindo dos figuras. SÓ curtição!

    Responder
      1. Renato

        A obsessão da sua pessoa comigo está extrapolando o limite do ridículo, como foi observado por colegas do blog. Acho que vc deveria fazer outras coisas na vida, não ficar trancafiado em casa no mundo virtual, ou senão sua vida será só isso.

        Responder
  53. Miguel Ângelo Pereira Delfes

    Alice e Ranato..
    Concordo plenamente c vcs..
    Nadal é grande mas..Sampras ainda maior..
    286 como número um contra 172 é uma diferença ainda enorme..
    Outro detalhe..Sampras ganhou 7 Finals..
    Nadal nenhuma x..
    Q ele é o rei do saibro..indiscutível..q ele é um gigante nos torneios de 1.000 .. também..mas..assim como vcs..penso q ele ainda teria q ser melhor fora do barro tb p ser considerado superior a Sampras..

    Responder
    1. Alice

      Miguel, eu não concordaria em dizer que a diferença entre os dois estaria nas conquistas obtidas nos pisos, no caso num ou no outro. O que coube a um, também poderá couber a outro. Veja que aquilo que você quer “exigir” do espanhol fora do saibro, também poderia ser “exibido” do norte-americano fora das rápidas, veja que Sampras tem pouquíssimos títulos no saibro e não levantou RG, o maior torneio que existe na terra batida. Por isso, não gosto de fazer essas análises de pisos, elas são ociosas. Sempre vou considerar todos os pisos, não dá pra separa-los. Acredito que nós temos a mesma opinião muito mais pela questão do topo (#1).. que em nossa visão, parece bastante claro.

      Responder
  54. Mario César Rodrigues

    Mas tem gente que não acompanha tênis e só fala bobagem,todos dizem que Rafa é rei do saibro eu concordo eu e o mundo todo.Mas Rafa ganhou mais jogos em quadras duras,grama do que no saibro..o saibro tem menos torneio para Rafa!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      O Saibro tem menos torneios para Rafa… De um pulo no Site da ATP e descubra que ainda temos VINTE E DOIS Torneios no Barro começando em Fevereiro e indo até Agosto. SETE e’ o número de Torneios na Grama. Sendo um SLAM, três ATP 500 e três ATP 250. Só que somente são Computados os 18 melhores resultados ( + o FINALS ) , nas 52 Semanas a nível de Ranking. Isso acabou com as distorções da época em que tínhamos a WTC e a ATP ao mesmo tempo. Vilas, Orantes, Muster e CIA disputavam Zilhões no Barro que eram contabilizados. Não tenho ideia de quantos MASTERS 1000 o Suíço teria se fosse equilibrado o Circuito Saibro x Grama. No tal h2h continuamos com o NUMEROSO TRÊS confrontos entre o Rei da Grama x o Rei do Saibro , na Relva. Contra DESESSETE , no Saibro. isso com o Suíço já se aposentando. Como Rafa Nadal deve aparecer em Halle rs e em WIMBLEDON , acredito que esse h2h tende a aumentar… Abs!

      Responder
  55. Renan Oliveira

    Não há duvidas de que o jogo no saibro é muito mais agradável de assistir do que em quadras mais rápidas. No saibro o fator saque não faz tanta diferença, o que abre poucas margens para tenistas sacadores limitados. A construção do ponto, tática, rallys emocionantes… enfim, muito mais interessante, pra mim.
    No entanto, o fato do Nadal ter dado pouquissimas chances aos adversários ao longo dos anos faz com que muitas pessoas desvalorizem o piso, por puro fanatismo. Aiaiai…a inveja é foda mesmo…
    Viva o saibro!

    Responder
    1. Marcelo Araújo

      Discordo totalmente Renan. Enquanto você gosta dos ralis, eu gosto é de winners, bem mais frequentes nas quadras rápidas, e odeio erros não forçados, mais constantes nas quadras lentas.
      Comparando, com o boxe, eu prefiro ver ganhar quem parte pro nocaute do que quem fica enrolando na luta até vencer o adversário pelo cansaço, em virtude de sua maior resistência física e mental (paciência). Haja paciência para acompanhar a temporada de saibro, sem falar dos balões horrorosos…

      Responder
  56. marcocam11

    Dalcim, sem desmerecer Nadal, mas seus feitos atuais no saibro, não tem alguma relação, também, com o fato de não existirem mais tenistas especialistas no piso, sendo a maioria mais dedicada as quadras mais velozes?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, isso é um fato e já foi abordado aqui algumas vezes, Marco. Mas não vamos falar exatamente em quadras ‘mais velozes’ porque a maioria das quadras duras deixou de ser veloz. Abs!

      Responder
  57. Bruno Medrado

    Grande Dalcim…
    Concordo com seus comentários, sempre lúcidos …
    Queria saber sua opinião…
    Após ” Pular” Miami e Indian Wells , Rafa chegou voando na temporada de saibro…
    Será que esta não pode ser uma saída ??
    Jogar o Australian Open e em seguida descansar e chegar com tudo no Saibro nos próximos anos ???

    Grande Abraço !!!

    Bruno Medrado
    Petrolina-PE

    Responder
        1. Mário Fagundes

          Pelo visto, finalmente você compreendeu o que eu havia dito. Ufa! Não se chateie, pois se seus “argumentos” não forem ofensivos o debate será sempre bem-vindo. Certo, Adriano Nadal? Certo, Adriano Miura?

          Responder
  58. Alice - Discussão.

    Pete SAMPRAS ou Rafa NADAL, quem foi maior até aqui na história do tênis?

    Gostei da discussão e abaixo trago um compilado de números em ordem daqueles que eu considero os com maior peso para o de menor peso nessa avaliação comparativa de números (fatos consumados), apenas.

    Anos terminados como número #1: Sampras = 6 / Nadal = 4
    Semanas como o melhor do mundo: Sampras = 286 / Nadal = 172
    Total de títulos na carreira: Nadal = 77 / Sampras = 64
    Total de Finais na cerreira: Nadal = 113 / Sampras = 88
    Combinado de títulos + importantes levantados: Nadal = 16 (Majors) – 5 (Finals+0, Copa Davis+4 e Olimpíadas+1) – 31 (Masters) / Sampras = 14 (Majors) – 7 (Finals+5, Copa Davis+2 e Olimpíadas+0) – 11 (Masters) . Posso considerar que o espanhol teria feito até agora (77) finais *relevantes* na carreira, enquanto o norte-americano teria chegado em (47) finais *relevantes*. Nadal conseguiu vencer 53 dessas finais e Sampras conseguiu 32.
    Números de vitórias: Nadal = 889 / Sampras = 762
    Vitórias relevantes (mesma linha dos títulos): Nadal = 630 / Sampras = 452

    Agora + dois bons dados bons pra saber e um curioso..

    Vitórias sobre Top10: Nadal = 156 / Sampras = 124
    Temporadas (finalizadas) no Top3: Nadal = 10 / Sampras = 9
    Retrospecto contra tenistas que enfrentou + de 9 vezes: Sampras = 17-1 / Nadal = 18-2, isso significa que o Sampras conseguiu vencer 17 desses confrontos, onde ele disputou 10 ou + jogos contra um tenista e que logo ele tem retrospecto (h2h negativo) desfavorável nos confrontos com um desses 18 tenistas que ele confrontou + de 9 vezes.

    Enfim, esses são os MAIORES dados na minha opinião. Por isso, quando se trata de analisar os seus resultados nos quesitos mais importantes (segundo minha vista), eu ainda devo considerar Sampras MAIOR que Nadal. Só ressalto que na questão de quem dos dois foi MELHOR, é outra discussão, que na minha opinião é bem mais acirrada…e colocaria o norte-americano na frente, mas como o espanhol bem pertinho! Porém, temos que lembrar que a carreira do Rafa ainda não acabou, sendo ele o atual número #1 do mundo…então, tem muitos números para ser compilados ainda a favor do espanhol.

    Eu entendo perfeitamente quem acha Nadal MAIOR que Sampras até aqui nos -números-, pois como pode ser observado nos dados acima, o espanhol claramente levantou não só mais títulos como mais títulos importantes, assim como conseguiu mais vitórias e obteve um número maior bem significativo de vitórias e finais relevantes na carreira em comparação contra o norte-americano. Mas, o que mais pesou na minha análise foram aquilo que eu gosto de chamar como “campeonatos mundiais” = que define o Campeão da Temporada de um ano do tênis…e nisso o Sampras, permanece na frente com “6 títulos” / 6 anos como número #1, fora que ele conseguiu atingir muito mais semanas sendo o melhor do mundo.

    É isso…analisando os números, quem tu achas é MAIOR até aqui?

    Responder
    1. Emerson Oliveira

      Alice, sua demonstração dos números da carreira do Sampras e Nadal foram brilhantes !! Mas o que me surpreendeu, foi vc achar o Sampras melhor, mesmo depois de apresentar o curriculo bem superior do Nadal, conquistados com menos idade, e que fatalmente irão aumentar, chegando ao ponto de, talvez, ultrapassar o melhor da historia, o Federer !
      Como falei no post anterior…Sampras foi gigante ! Nadal, Fenômeno !

      Responder
      1. Alice

        Sim, Emerson…eu ainda considero (uma opinião) Sampras um pouco -melhor- do que Nadal nos números, mas confesso que até pra mim isso é bem discutível. Acho que dou valor demais a questão do tenista conseguir isso aí que Connors, Federer e Sampras conseguiram…serem os #1 do ano por mais temporadas. Vejo sempre isso como o objetivo final, porque as vitórias e os títulos são nada mais que o caminho pra se alcança o topo e consequentemente ter sido melhor que seus adversários nessa disputa. Porém, nunca descarto moldar meu ponto de vista/ opinião sobre essas análises, tento estar aberta.

        Responder
    2. Paulo

      Alice gostaria de mencionar a respeito do assunto que a revista Tennis Magazine (publicação de altíssima credibilidade entre os especialistas da modalidade) acabou de publicar os 25 maiores tenistas da era aberta tanto no feminino como no masculino.
      Analisando os números e feitos de todos os tenistas, a mencionada revista norte americana já coloca o Nadal acima do Sampras, isto antes mesmo destes 2 últimos títulos do Rafa.
      Dada a nacionalidade e notória especializaçao de seus analistas, penso que a questão já está superada mesmo desconsiderando os títulos vindouros do gênio espanhol.

      Responder
      1. Alice

        Eu entendo, Paulo. É só uma opinião minha, é a forma que eu encontrei de ter uma conclusão sobre essas análises de números e só faço isso…não procuro subjetivar com a época, dificuldade, forma de jogar, eficiência ou relevância no tênis. Contudo, compreendo totalmente..pois a questão dos Majors e números de títulos na carreira são muito importantes, alguns colocam até no mesmo patamar que as semanas como número #1 e outros acabam por ignora as temporadas como o melhor da temporada. Já disse e repito, compreendo totalmente, só acontece que eu tenho minha forma de analisar esses dados. Se eu fosse juntar todas as coisas, teria a opinião do grande Dalcim, de que Nadal e Sampras estão no mesmo patamar. São apenas opiniões, não precisam ser unânimes.

        Responder
    3. Luiz Fernando

      Alice, dizer q esse é melhor do aquele sempre terá subjetividade, ou seja, qualquer opinião estará sujeita a críticas. Justamente por torcer por Rafa, minha opinião não é isenta, mas veja, Sampras nunca conseguiu vitórias em RG, não vencendo nos 4 pisos; além disso, tudo q Nadal venceu ele o fez encarando Federer ou Djoko no seu auge, o q turbina ainda mais suas conquistas. Não suma, apareça com mais frequência.

      Responder
      1. Alice

        Concordo, LF! Eu também acredito que Nadal tenha uma carreira mais completa do que o Sampras, apesar do espanhol também ter uma “lacuna aberta” no Finals. E sim, realmente é isso mesmo, melhor é muito subjetivo tendo em vista quais critérios que se usa e qual peso se dá a eles. Devido a isso sempre tento avaliar essa questão apenas pelos números…rs!

        Sumiços..haha! Estou sempre nas nuvens… ;

        Responder
    4. José Eduardo Pessanha

      Olha, se Nadal jogasse na época de Sampras, não ganharia nenhum Grand Slam fora Roland Garros. Logo, não há a menor dúvida de que Pete Sampras jogou mais.
      Abs

      Responder
      1. Marcos Castillo

        Ué, se ele ganhou todos os Slams jogando contra Federer e Djokovic, pq não ganharia jogando contra Sampras e Agassi? A matemática tá bem simples nesse caso…

        Responder
      2. Emerson Oliveira

        Alguns dizem que Sampras foi dominante em sua epoca, e realmente foi ! Mas não existia o chamado big 4 , que brigava por titulos a cada torneio, fazendo com que a disputa se acirrasse brutalmente, e Nadal mesmo diante deste equilibrio, conseguiu se destacar, e ganhar mtos titulos, inclusive batendo Federer (considerado o maior da historia) em varios pisos diferentes. Não há duvidas alguma, que Nadal ja superou Sampras de longe, isso pq tem ainda 31 anos. As proprias lendas do tenis, como Rod Laver, Bjorn Borg e Agassi, já colocaram Federer e Nadal, como maiores de todos os tempos ! Isso encerra essa discussão !

        Responder
      3. Alice

        Pessanha, por mais que essa lógica possa existir…ela nunca passará de uma conjectura, sendo fato que o espanhol levantou torneios do Grand Slam fora do saibro….ou será que Wimbledon, Us Open e o Major Australiano mudaram de piso nos últimos 20 anos e eu não vi? Hehehe. Enfim, a velocidade do piso é só uma característica dele, enquanto for saibro, grama e piso sintético não importará muito a velocidade jogada, será considerado o piso e a característica comum dada a eles, seja rápido (grama, dura), seja lento (saibro). E outra, Sampras e Nadal e seus números nada tem nada a verem com isso (mudança de velocidade dos pisos). Eles fizerem o que puderem na sua época, nada mais que coisas grandiosas.. 🙂

        Responder
      4. Miguel BsB

        Lembre-se que o Nadal é um dos melhores passadores de tds os tempos. Subir à rede contra ele costuma ser suicídio. E ele tb já cansou de ganhar de supersacadores (federer, tsonga, isner, raonic etc), então acho sim que ele conseguiria vencer sampras em quadras rápidas por vezes.
        Tem gente que chama o Nadal de unidimensional. O que dizer de pistol Pete, com jogo baseado quase exclusivamente no saque e voleio? Claro, para tentar mensurar esse confronto, teríamos, como sempre diz o Dalcim, lembrar das condições de épocas distintas: equipamentos (só mais pro final da carreira de sampras as cordas de poly começaram a se popularizar, juntas com essas novas raquetes, elas dão um tremendo auxílio na hora de controlar a bola pra executar passadas precisas. Aliás, muito devido a elas o saque e voleio caiu em desuso). A velocidade dos pisos Tb diminui muito de lá pra cá.
        Isto posto, acho que pelos títulos de grande relevância e façanhas, Nadal já é maior que Pete, mas é algo bem controverso e entendo totalmente opiniões no sentido contrário

        Responder
        1. O JR7

          A questão é que a velocidade das quadras e do circuito como um todo, na época, era muito maior do que o atual. Por isso sempre será muito difícil considerar algumas especulações. Numa grama rápida dos anos 90, Sampras era praticamente imbatível, como em algumas duras de velocidade semelhante. O saque-voleio, chip and charge faziam muito sentido naquele contexto específico, mas, de fato, nas quadras atuais o estilo de Sampras, baseado no forte saque, direita e jogo de rede, não teria a mesma eficácia, pelo menos na minha opinião.

          Responder
    5. Robson

      Bom,na minha humilde opinião,defino os dois com duas únicas palavras pra cada um:
      Sampras MELHOR que Rafa Nadal.
      Nadal MAIOR que Sampras.

      Responder
      1. Alice

        Entendo, Robson. Sampras foi mais dominante no seu circuito (#1) que Nadal está sendo até agora no dele. Do mesmo modo que o espanhol já alcançou números maiores que o norte-americano na carreira, tais como já citado acima, títulos, finais, vitórias. Acredito que esse tipo de análise, não deve invalidar a opinião do outro, por justamente ser de cunho pessoal do outro…penso que a democracia tem que existir nesse cenário. No momento, meu voto está no Sampras, mas nada impede de eu mudar isso mais tarde e de outros votarem no Nadal como maior. A questão que penso é que os números não mudam, mas a nossa forma de vê-los, sim…

        Responder
    6. Anderson Kleiner

      Sampras teve enorme sucesso em quadras duras quando elas eram rápidas e permitiam que utilizasse sua estratégia preferida.

      O Sampras dos anos 90 jogando nas quadras duras de hoje sofreria, ainda que pudesse ter títulos e sucesso relativo. Igualmente o Nadal sofreria nas quadras duras velozes de outrora, embora pudesse também ter títulos e sucesso relativo.

      Por isso acho difícil comparar, mas Sampras reinou entre os de sua era, enquanto Nadal sempre teve a sombra de Federer e Djokovic lhe acompanhando, mesmo tendo muitas vezes alcançado (como agora em 2017-2018) o protagonismo em sua era.

      Responder
      1. Alice

        Penso igualmente, Anderson. Sampras, dominou sua época…assim como Federer o fez na década passada e Djokovic vinha fazendo nessa. Rafael Nadal é um monstro mesmo porque ele não só competiu com esses dois de igual pra igual, como conseguiu ser melhor que eles no confronto direto (Djoko reverteu), mas realmente ele fica atrás dos dois quando falamos de dominar todo o circuito, ele com certeza também conseguiu dominar, mas foi em uma temporada e outra, nada se forma ampla como o sérvio e o suíço conseguiram. Mesmo assim, Nadal não deixou e não deixa de continuar brilhando, conquistando seus números e provando frente a frente que ele é tão melhor como qualquer um dos dois. Seus 16 Majors e 31 Masters deveriam deixar isso bem claro, assim como as mais de 200 semanas como #1 de Djokovic e as mais de 300 de Federer deveriam deixar claro que eles foram mais dominantes, portanto na minha opinião, maiores na arte no topo.

        Responder
        1. Anderson Kleiner

          Vejo que concordamos. Quero dizer, o Sampras se destaca entre os melhores da história não somente pelos números, mas por ter sido superior a todos ao longo de uma década. Enquanto Nadal não apenas foi superior a qualquer outro na história no saibro, como provou ser um fenomenal jogador nos outros pisos. Paradoxalmente, seu domínio no saibro é tão absurdo que acaba eclipsando seu “menor” sucesso no restante do circuito, fazendo-o, infelizmente na visão de muitos, menos celebrado do que realmente merece.

          Responder
          1. Alice

            Exatamente, Anderson. Concordo e acredito também que acontece esse julgamento despretensioso por partes de outroras, ou seria pretensioso? Hahaha…

    7. Rodrigo S. Cruz

      Eu acho o Sampras melhor.

      Tinha um jogo agressivo, era exímio voleador, e teve o melhor SEGUNDO SAQUE da história.

      O Nadal é monstro, sem dúvidas, pois ninguém tem 15 majors por acaso.

      Mas gigante, gigante mesmo, só no saibro.

      E duas coisas pra mim, pesam demais nesta análise:

      1) Nadal nunca ganhou um Finals. E Pete ganhou 6.

      2) Sampras tem muito mais semanas na liderança do ranking. (umas 100 a mais) que Nadal.

      Responder
    8. Marcelo Araújo

      Muito boa a sua análise, Alice. A única coisa que eu não concordo é colocar a Davis com o mesmo peso do Finals. A medalha olímpica em simples eu até concordo porque foi conquistada apenas por ele mas a Davis é fruto do trabalho de toda uma equipe. A princípio é mais fácil para tenistas que são de países tradicionais no tênis, como são Nadal e Sampras, ganhar a Davis do que para tenistas que não são de países com tradição no esporte como Federer e Djokovic.
      Minha opinião quanto a discussão aberta é: existe um top 5 depois de Federer (que é o melhor de todos os tempos, sem dúvidas para mim) que eu não me atrevo a colocar um à frente do outro pois não consigo enxergar quem seria melhor que quem pois cada um tem suas marcas impressionantes:

      1 – Laver: tinha só 1,75m e ganhou 11 Slams, mesmo tendo ficado 5 anos do seu auge sem disputá-los por ter se tornado profissional (imaginem quantos poderia ter ganho nesse intervalo) – é o único que talvez estivesse mais pro patamar de Federer que os outros mas, como não o vi jogar, não saberia responder essa questão.

      2 – Borg: ganhou 11 Slams sem disputar o AO e tendo parado de jogar aos 26 anos. Também não dá para sabermos quantos Slams ele ganharia se não tivesse parado tão cedo mas acho que poderia chegar a mais de 20, ainda mais se tivesse disputado também o AO.

      3 – Sampras: 14 Slams, cinco Finals e muitas semanas como Número 1. Nesse quesito só não superou Federer.

      4 – Nadal: 16 Slams e ainda está longe de encerrar a carreira, sem contar o H2H favorável contra o melhor jogador de todos os tempos. Independente de pesar o fato de Nadal ser canhoto e se beneficiar por isso no confronto direto, a grande quantidade de duelos no saibro, a estratégia um pouco covarde dos “balões” e o uso de um equipamento superior na grande maioria dos seus duelos (Federer só passou a usar a raquete atual a partir do segundo semestre de 2013), ter H2H favorável contra o suiço já é por si só uma comprovação da grandeza do espanhol, independentemente disso tudo.

      5 – Djokovic: 12 Slams, 5 Finals e ainda não encerrou a carreira. E o mais impressionante: H2H favorável contra Federer e Nadal em uma quantidade significativa de jogos. Só isso, já o coloca como um dos maiores de todos os tempos, sem dúvida nenhuma.

      Esse é o meu top5, não necessariamente nessa ordem, que só estão abaixo de Federer, Hors Concours para a grande maioria dos especialistas de tênis.

      Responder
      1. Alice

        Marcelo, que bom que você tenha notado esse dado…eu realmente concordo que é bem controverso isso na minha análise de dados que compilei, porque como disseste é uma competição de equipe..o que muda a análise que estaria sendo retratada, que no caso é as conquistas em simples. Penso que sim, a Davis não está entre os torneios mais relevantes de simples, porque é conquistado por um time e não um só tenista, muito válido isso. Temos que dizer que ela é a maior competição de equipe do tênis, apenas. Que não seria de relevância para a carreira individual de um atleta, no caso estou a falar de simples, mas no combinado…ou seja todas as disciplinas, carreira toda ela seria importante. Daí eu dar tanto valor a ela, porque o tênis possui várias disciplinas (simples, duplas e mistas) e ainda possui essa grandeza que é a Davis no circuito masculino. Quanto as suas observações em relação aos 5 melhores tenistas da história, eu não vou comentar, porque não sigo essa linha de raciocínio que você seguiu. Sobre o melhor, eu sigo no Laver, sua carreira foi perfeita…ele na minha opinião foi o mais completo tenista que poderia ser na sua época. Definitivamente, em todos os aspectos.

        Responder
  59. Bruno Macedo

    Não entendo muito bem a razão de Nadal continuar sendo tão superior aos outros no saibro. Tenho duas opções: i) o nadal é de outro planeta quando joga no saibro. ii) a maioria esmagado dos jogadores não se interessa pelo saibro.

    Os jogadores parecem conformados toda vez q perdem para o Nadal. Do tipo: “ok, o saibro é dele, o saibro tem dono. Fico feliz de ter chegado a final, ganhar no saibro não é o meu objeto maior”

    Infelizmente não surgiu um cara que se definisse como especialista no saibro e que fosse capaz de superar o Nadal. E, pelo o que parece, ninguem da nova geração demonstra grande interesse pelo saibro (somente o Thiem).

    Dalcim, quem do top 10 ou top 20, alem do nadal e thiem , se define como especialista no saibro ?

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não sei se ele não estaria com algum problema físico, Luiz. Já não jogou bem na Davis, ganhando no sufoco dos chilenos.

          Responder
  60. Marcelo Reis

    Nadal está em excelente forma. Mesmo que os outros concorrentes mais diretos no saibro como o Thiem ou o Goffin estivessem bem, não acredito que ganhariam partidas dele. No máximo uns sets. Chega a ser estranho que, mesmo após mais de uma década, não exista um player que faça frente ao Nadal na terra, com exceção do Djokovic anos atrás. Isso só mostra o abismo que existe entre ele e o resto. Acredito que ele só perderá partidas se houver lesão ou ficar muito cansado, afinal são vários torneios seguidos e ele tem mais de 30. Vamos curtir as aulas! Até o Grego curtiu.

    Responder
  61. Paulo

    Sob outra ótica, impossível não ficar decepcionado com o tenista suíço.
    Pular toda a temporada de saibro para “evitar” confronto com o principal rival é atitude que mancha a biografia de qualquer esportista.
    Covardia lamentável e desnecessária, afinal o que são mais algumas derrotas em h2h que sempre foi um desastre?

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Antes de Postar tanta Bobagem, pesquise parceiro. O Suíço completou Dezessete temporadas comparecendo a RG, com GUGA e depois Nadal presentes ou não. O Espanhol vai ” pular” muito mais pois dificilmente estara’ jogando perto dos 37. A longevidade e’ obtida com um Calendário de acordo com quem ja’ fez Cirurgia. Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        O final do comentário mais uma vez abortado, sem se aproximar nem de perto das barbaridades permitidas . Parece que virou algo pessoal . Basta ver a liberação de ZUMBIS , RECALCADOS e outras babaquices logo abaixo. Lamentável em todos os sentidos.

        Responder
    2. Marcelo Reis

      Paulo, permita-me discordar de ti. Sou mega fã do Nadal (assim como também sou do Roger, Novak etc), mas vejo as coisas sob outro prisma:

      Federer não pulou a temporada de saibro porque queria evitar confronto. Na verdade, ele dificilmente chegaria a enfrentar Nadal numa final simplesmente porque seu corpo já estava em frangalhos. Ele vem jogando direto desde 2017 e os sinais de desgaste eram evidentes num corpo (de 36 anos) e na mente (muitos anos de circuito, esposa, filhos etc).

      Quem jogaria no saibro, um terreno que exige muitas trocas, sabendo que seu corpo ficaria mais destruído ainda, diminuindo, assim, suas chances de se sair bem na grama, ainda mais à beira dos 37? O que você chama de covardia, eu chamo de outra coisa: inteligência.

      Isso sobre manchar a reputação/bio dele, nem vale a pena comentar.

      Por fim, de fato o h2h sempre foi vantajoso pra Nadal. Mas talvez sua memória esteja curta. Desde 2015 que Nadal não vence Federer, inclusive ano passado perdeu 4 seguidas. O h2h deu uma mega diminuída. Nadal venceu aproximadamente 60% das partidas, Federer 40%, logicamente. Não há desastre. Cheque o site da ATP.

      Talvez seja pedir demais que você enxergue as coisas da mesma forma que eu, mas é sempre saudável aplicar a empatia e se colocar no lugar dos outros jogadores e ponderar sobre suas decisões. Nadal vive pulando torneio porque está machucado devido ao número de torneios que joga em demasia. Já pulou não sei quantos Slams. Nadal não escolhe se machucar, mas a escolha de jogar tudo tem um peso nisso tudo. Mesmo assim, isso não denigre sua imagem. Cada um faz uma escolha e segue em frente. Não cabe a nós ficar julgando a escolha alheia.

      Abraço.

      Responder
    3. Márcio

      Enquanto um pangaré no brasil chama o jogador de covarde, ele está lá na África construindo projetos bacanas, mesmo tendo os principais números do esporte para defender.
      Não esqueça que o FEDERER é 5 anos mais velho que o Nadal e 6 anos mais velho que o Djoko.
      E mesmo assim, nunca será alcançado.

      Responder
    4. Gildokosn

      Ele falou pra alguém que tava pulando a temporada de saibro por causa do Nadal? Alguém vazou essa informação?
      Quanta besteira…. Federer provou em muitas ocasiões que não corre de Nadal nem de ninguém, muito pelo contrário, continuo chegando à finais de Slam mesmo quando os favoritos e no auge da carreira era Nadal e Djokovic. Deixa o cara planeja o fim da carreira dele do jeito que ele quer, dos ultimos 4 Grand Slam disputados ganhou 3 o “covarde “

      Responder
  62. Paulo

    É incrível que o Nadal consegue surpreender até quem torce por ele. Como mencionado no texto a tarefa era e ainda continua sendo Hercúlea. No entanto, não cometerei mais o equívoco de duvidar que o Nadal irá repetir os resultados e pontos do ano passado. Já estou começando a acreditar que sairá da temporada de saibro somando pontos. Afinal, quartas em Roma é brincadeira de criança.
    Vamos RAFA!!!!!

    Responder
  63. Eduardo Oliveira

    Professor Dalcim,

    que lógica é essa?

    Analisando, depois entendi a sua “equação”: o Rafa venceu Monte Carlo e Barcelona, completando 11 títulos de cada um, esses dois últimos títulos o mantiveram no topo até aqui.

    A matemática do tênis é cruel! Esse negócio de defender pontos não é um bom negócio, também.

    Abraços!

    Responder
  64. Guilherme

    Dalcim, é um grande privilégio poder acompanhar seu blog há quase uma década, e, assim, testemunhar a evolução da história do tênis mundial através de seus textos tão inteligentes, e tão bem escritos.

    Em 2012, na época do afastamento de Nadal para tratar de problemas de saúde, você havia escrito em um dos seus posts: “ninguém deve se enganar: o próprio Rafa sabe o quanto seu estilo de jogo depende de ótimo preparo físico e de suas pernas mágicas. E assim nada mais natural que ele não considere uma carreira muito além dos 30”.

    Isso foi lá no começo dessa década, onde pairavam dúvidas também sobre se não seria a hora de Federer “trintão” se aposentar…rsrs.

    A minha pergunta é: hoje, olhando em retrospectiva, você imaginava, lá no comecinho dessa década, lá pelos idos de 2010 a 2011-2, que seus textos desse ano de 2018, em que estamos praticamente com um pé na década de 20, seriam “duopolizados” NOVAMENTE sobre as façanhas cada vez mais incríveis de Nadal e Federer, dominando de maneira tão absoluta o circuito quanto há 10 anos atrás? Seja sincero….rsrs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, com certeza eu não imaginava isso e até me pergunto se os próprios Nadal e Federer achavam isso possível… rsrs… Veja que os dois perderam boa parte de 2016 com contusões e incertezas de volta, porém novamente deram a volta por cima. São fenômenos, Guilherme. E obrigado pelo prestígio!

      Responder
    2. Eduardo Oliveira

      olá Guilherme,

      você disse que o Dalcim escreve textos inteligentes. Acrescente aí que o textos dele são análises técnicas e psicológicas das partidas de tênis e também dos tenistas!

      abraços!

      Responder
  65. Renato

    Sampras é maior que Nadal, sim senhor! Tem mais slam em dois dos três pisos onde o circuito é disputado e muito mais semanas na liderança do ranking. Foi muito mais dominante na época dele.

    Responder
    1. Emerson Oliveira

      Uma coisa é a sua opinião, que nao vale nada diga-se de passagem, e outra a opiniao de lendas do tenis, como Rod Laver e Bjorn Borg, que ja declararam, mais de uma vez, que consideram Federer e Nadal, como os dois maiores de todos os tempos !

      Responder
    2. Anderson P

      Por esse tipo de comentário que você está se tornando uma piada no blog. Faça um favor a você mesmo e pense um pouco mais antes de comentar.

      Responder
    3. Renan Oliveira

      Não adianta inventar “Sampras maior que Nadal” para esconder suas frustrações tenísticas e aceitar que ninguém, a não ser Federer, está no mesmo nível do espanhol

      Responder
  66. Renato

    O pangare está perdendo uma oportunidade ótima de jogar algum atepezinho-250 está semana. Desse jeito, não vai ganhar nadinha este ano. É só fugir do torneio que está o Klizan.

    Responder
  67. Emerson Oliveira

    Sampras foi grande ! Mas Nadal ja o superou ha mto tempo ! Nao pelo fato do Nadal te-lo superado em numero de Slams , mas pelos inúmeros feitos e records alcançados na carreira !

    Responder
  68. José Eduardo Pessanha

    Pro pessoal que está criticando o Félix, basta dizer que o Tsitsipas, uns meses atrás, estava praticamente na mesma posição do canadense, apanhando pra todo mundo. Em tempo, o algoz do Félix hoje foi o Bolelli, no quali de Estoril.
    Abs

    Responder
  69. Renato

    Torcendo para a temporada de saibro passar rapidinho pro circuito voltar a ordem natural das coisas, ou seja, Federer dominando a temporada de grama e vencendo o u.s open, se cuidando para não chegar contundido novamente no slam americano, como ocorreu ano passado. Quem sabe com mais algumas vitórias em cima do frango-miura, um monstrinho no barro mais um bezerro nos outros pisos.

    Parabéns para o jovem grego. Tomara que se mantenha evoluindo e LIMPO.

    Responder
    1. Eduardo

      Renato. O tênis é um esporte muito legal. Cada um escolhe para quem vai torcer, quais os atributos que mais agradam, qual o piso mais legal. Agora, esse ódio, esses comentários desrespeitosos, não levam a nada
      Uma patologia que não combina com o esporte.

      Responder
  70. Márcio

    Mestre Dalcim!

    Os masters de montecarlo, madrid e roma são mais curtos/menos jogos do que os master de Miami e Indian Wells, por exemplo?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Apenas os Masters de Indian Wells e Miami têm chave de 96, com seis jogos para os cabeças de chave. Os demais são de 56, com cinco jogos para o campeão, exceto Paris que tem 48.

      Responder
  71. Rafael

    Mestre,

    Discordo de vc em relação ao Nadal estar entre os 5 maiores de todos os tempos. Olhei as estatísticas dele e percebi que se tirar os Masters e os Slams fora do saibro ele não tem números tão expressivos.

    Responder
  72. Carlos Torre

    Dalcim, nunca vi/senti o Nadal tão imbatível no saibro. Ao longo de sua carreira, houve alguma temporada em que ele parecia mais dominante que este ano?

    Responder
    1. Fabio

      Ele não perdeu sets ano passado em Roland Garros e Roma foi questão de cansaço na minha opinião, sem contar que o Thiem sempre joga meio que no tudo ou nada.

      Responder
  73. Marcelo

    Boa tarde Dalcim!
    Com certeza deve ter lido, quando o Tsitsipas falou numa entrevista que levou uma aula de tênis e o quanto é difícil jogar com Nadal no saibro, acrescentendo e reconhecendo que ele é o cara a ser batido na superfície. Gostei da humildade dele e do enaltecimento a um GRANDE. Confesso que gostei desse cara me lembrando um pouco o saudoso Guga ( ohhhh saudade rapá eheh). Fazer o que né, paciência, um dia teremos alguém com boa pegada, força, e vários outros atributos que um tenista vencedor tem que ter. Será pedir muito algum brasileiro numa final de ATP ou WTA? Gosto muito do esporte e por isso quero muito um dia ver novamente um jogador nosso despontando de verdade!!!
    Obrigado mais uma vez por todas as informações “tenísticas Sr. enciclopédia, ambulante” kkkk. Sempre são bem vindas e úteis pelo menos para mim que sou um grande admirador do esporte, independente de quem ganhe ou perca, pois penso que se ganha é fruto de muito trabalho, preparações muito além da técnica. Acredito em competência e a grande sacada de saber lidar com situações variadas que se tem num jogo de tênis. Nadal competentíssimo e um grande campeão.
    Pelo que li, ele não vai jogar ROMA. É isso mesmo?
    Um grande e forte abraço e excelente semana!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado pelas palavras. Não entendi se você se referiu a Nadal ou Tsitsipas em Roma, mas vai a resposta completa: Nadal permanece inscrito e Tsitsipas não entrou direto (a lista fechou no 46º lugar).

      Responder
  74. Bruno

    Mario Cesar.
    So lembrando.
    Foi um quinhentinho apenas.
    E vc que é sempre bem informado qual seria o jogador da seleçao italiana suposto namorado do gigante Nadal?

    Responder
        1. Gustavo

          Dalcim, considero lamentável você não bloquear comentários que nada acrescentam, como desse cara, assim como do tal Renato, que é um neófito no blog, mas anda bem saidinho escrevendo asneiras sem parar e também de outros fanáticos- por quem quer que seja( Federer, Nadal, Djokovic,
          Sampras, etc…)-, movidos apenas por cega idolatria a um ídolo, mas sem consistência analítica nenhuma… Melhore nisso, caro mestre. Abraços

          Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Vivemos e desejamos (ao menos eu desejo) uma democracia, Gustavo. Preciso aprender a conviver com ela e principalmente a praticá-la. Abs!

          2. Bruno

            Acho engraçado isso de vcs.
            Quando nao é da torcida de vcs,aí vcs querem moderaçao.
            Pq vc nao pede quando o MC o LF digitam asneiras.
            Hipocrisia pouca é bobagem nao é amigo?

        2. Anderson P

          Sério que esse é seu argumento? Isso não está aberto para o que acham, é algo bem objetivo: Monte Carlo é um M1000.
          Assim como disse ao Renato, digo a você, pense um pouco mais antes de comentar.

          Responder
          1. Bruno

            Ok Anderson.
            Da próxima vez ,irei consultá lo tb antes de postar.
            Edpero que vc libere meus comentários.
            Obrigado.

  75. Fernando D.

    Boa tarde, Dalcim. Fiquei curioso com as estatísticas que vc apresentou. Pra mim, não combina muito o Nadal com 31 anos (mais de 15 de carreira) sendo tão absoluto no saibro (92% e 55 troféus é insano, rsrs) e ainda estar tão atrás em número de vitórias absolutas de Vilas, Orantes e Muster. Leva-me a crer que a temporada de saibro atualmente é bem menor ou que contabilizam o que seriam eventos menores da época, o que seria equivalente aos challenger de hoje. Será que é isso?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, sem dúvida, o calendário de saibro encolheu mesmo, Fernando. Além disso, como observei em outra resposta, jogava-se um número muito maior de partidas e torneios nas décadas de 70 e 80. Abs!

      Responder
      1. Ricardo B. de Carvalho

        Boa noite Dalcin. É elogiavel o incessante trabalho jornalistico e bem feito. Bem, mas partidas não são torneios. Não tenho dados estatisticos, mas o que exatamente os campeões reclamam é que o calendario é estafante. Em virtude do menor numero de jogadores, o numero de torneios não poderia ser maior.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Tudo é relativo, Ricardo. Nos anos 70 e 80, diversos campeonatos importantes eram disputados em melhor de cinco sets, alguns a semana toda, outros a partir das semifinais. Então havia um enorme desgaste físico também, apesar de o tênis de então não ter a mesma exigência de hoje.

          Responder
  76. Luiz Fernando

    Na final de hj, diria q ambos atingiram seus objetivos: Rafa o titulo 11, o grego ganhar experiencia e, talvez, evitar um pneu (putz aquele rapaz humilde deve ter no mínimo pensado q isso iria acontecer e estragou tudo kkkkkkkk). Dizer mais o q sobre Rafa: gigante, monstro, ícone, mito, baloeiro (kkkkkkk), unidimensional (kkkkkkkk). Na cerimonia de premiação, ao ver todos em pé na quadra Rafa Nadal aplaudindo o cara me lembrei dos comentários estupidos postados aqui e vi o tanto q algumas pessoas que frequentam esse blog são dignas de pena, são reféns do rancor e dos recalques originados pelas vitorias de Rafa sobre Federer, são verdadeiros zumbis como alguns dizem. E preparem-se, tudo leva a crer q vem mais kkkkkkkk…

    Responder
    1. Anderson P

      “são reféns do rancor e dos recalques originados pelas vitorias de Rafa sobre Federer”, perfeita essa colocação. Mas fico imaginando como deve ter sido na época quando o Federer pegou a entressafra e ganhou tudo, e de repente aparece um garotão nada ortodoxo e o bate várias vezes sem dó. Não deve ter sido fácil… rsrs

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Você está se referindo as últimas 5 ? Ou aos 20 SLAM ? Pelo menos se alegre que estas Pérolas passam repetidamente na imparcial moderação… Abs !

      Responder
    3. Jefe

      Interessante a análise mas não vejo desta forma.
      Aos recentes frequentadores do blog, ninguém jamais passou tanto recibo nos comentários como o Luis Fernando.
      Antes de 2012 já chamava o Federer de aposentado, fujão dentre outras fanfarronices, e eis que o suiço vai lá e ganha mais um SLAM, o 17 (jamais superado até hoje!!) e ainda volta a ser número um do mundo!!
      Sobre comentários estúpidos, recentemente diante de uma brincadeira de outro internauta, o nosso sofrido Luis FERNANDO fez um textao a la FAcebook e elencouu os motivos por que odeia o FEDERER!!
      Isso sim passou de todos os limites, e chegou a deixar preocupados os outros participantes depois da atual sequencia de resultados do suíço. Ainda bem que o nadal ganhou também diversos torneios, do contrário não sei o que essa alma poderia fazer contra ele mesmo. Tudo por causa do circuito internacional de Tênis.
      A pérola no quesito comentários idiotas e previsões furadas é sua!

      Responder
  77. Fernando Souza

    Boa tarde!

    Dalcim, mais uma vez seu conhecimento sobre oncircuito e jogadores foram perfeitos.

    Até acreditei que o menino poderia dá trabalho, mas com esse nível de jogo só sérvio de 2011.

    Se não aparecer ninguém Nadal, vai ganhar de novo na França com os pés nas costas!

    Dalcim,

    Nadal já é maior que Sampras?

    Queria sua opinião!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não gosto de fazer comparações sobre épocas e situações tão distintas, Fernando. Acho que Nadal está entre os cinco melhores de todos os tempos e o colocaria ao lado de Laver, Borg, Sampras e Federer. Acho que Rafa tem alguns feitos espetaculares e superiores a Sampras, mas o norte-americano tem também suas marcas incríveis e maiores do que as de Nadal. Abs!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *