Prova de fogo
Por José Nilton Dalcim
13 de abril de 2018 às 20:45

Ainda que seu favoritismo seja absoluto, Rafael Nadal não poderia contar com uma chave mais dura em sua primeira aventura sobre o saibro de 2018. O número 1 do mundo vai em busca do 11º troféu em Monte Carlo, um torneio em que venceu 63 de 67 jogos, com a provável necessidade de enfrentar uma série de nomes muito respeitáveis sobre a terra batida.

A estreia já pode ser interessante se der Aljaz Bedene, já que o esloveno saber jogar na terra. Em seguida, deve vir o canhoto Adrian Mannarino e portanto tudo indica que teremos uma fantástica terceira rodada diante de Dominic Thiem ou Novak Djokovic.

Não sabemos o que esperar da forma física e técnica tanto do austríaco como do sérvio. E os dois ainda têm testes reais pela frente: Nole pega um quali antes de Borna Coric e Thiem aguarda Andrey Rublev ou Robin Haase.

De qualquer forma, são adversários que conhecem muito bem Nadal e estarão motivados a uma surpresa. Vale lembrar que Djokovic bateu Rafa na final de 2013 e encerrou sua série de 46 vitórias no torneio de então, enquanto Thiem cruzou quatro vezes com Rafa no saibro de 2017, vencendo em Roma.

Claro que o mundo do tênis apreciaria muito rever o mais repetido duelo da era profissional, já que Nadal e Nole se cruzaram exatas 50 vezes, com apertados 26 a 24 em favor do sérvio. Eles se enfrentaram pela última vez em Madri do ano passado, com vitória tranquila do espanhol. Porém, Nole ousou derrotar Rafa até em Roland Garros. Fora tudo isso, cada um tem 30 títulos de Masters e se torce por uma luta direta por essa supremacia ao longo de 2018.

No mesmo lado da chave de Nadal, estão ainda Grigor Dimitrov, David Goffin e Albert Ramos. O saibro lento não é a praia do búlgaro, que ainda por cima pode pegar Ramos, vice do ano passado, já na terceira rodada. Goffin fez um grande torneio em 2017, porém só ganhou um game desde o acidente em Roterdã.

O outro lado da chave me parece totalmente aberto. Alexander Zverev teria o favoritismo caso não vivesse uma fase tão irregular. Para piorar, tem Fabio Fognini no caminho antes de um possível duelo com Lucas Pouille ou Diego Schwartzman. Um quadrante bem interessante e imprevisível. A outra vaga para a semi está entre Marin Cilic ou Pablo Carreño. Uma incrível primeira rodada acontece entre o vice de 2015 Tomas Berdych e Kei Nishikori.

Detalhes
– Nadal começa a temporada de saibro com a incrível marca de 391 vitórias e apenas 35 derrotas sobre o saibro ao longo da carreira, ou seja, eficiência superior a 91%.
– Se existe alguma pressão sobre o espanhol, certamente é a manutenção do número 1. Derrota em Monte Carlo já lhe tira o posto pelo menos até o final de Roma, mas muito provavelmente até o começo de junho.
– Djokovic e Pouille moram em Monte Carlo, mas não se pode dizer que jogam em casa, porque o Tênis Clube monegasco está localizado em território francês.
– Zverev tem um retrospecto muito discreto no Principado: apenas cinco jogos, com três vitórias.
– Dos tenistas em atividade, Stan Wawrinka foi o único outro campeão em Monte Carlo, além de Nadal e Djokovic. O suíço está fora desta edição e ainda tenta recuperar a forma. A previsão de volta é em Madri.
– Nunca é ruim recordar que Guga Kuerten ganhou as duas finais que disputou no Principado, em 1999 e 2001.


Comentários
  1. Eduardo Feitoza dos Santos

    Boa tarde Dalcim , durante a semana que passou assisti vários trechos de algumas partidas de HOUSTON infelizmente com nível muito baixo,fraquíssimo .
    Hoje assiti uma partida e foi com um nível melhor . Mas o que eu gostaria de saber e por curiosidade a diferença da cor de saibro que ha entre a de HOUSTON (bem marrom ) com a maioria do circuito que é um marrom alaranjado . Parabéns pelo blog com ótimas notícias e comentários muito bem colocados e com propriedade .
    Obrigado
    Eduardo

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acredito que seja por conta do pó de tijolo utilizado na última chamada que cobre a quadra, Eduardo. Veja que o saibro de Monte Carlo também não tem a mesma cor de outros. O saibro é um piso pouco usado nos Estados Unidos e Houston historicamente é o ‘campeonato nacional do saibro’, tendo por muito tempo o nome de ‘US Open Clay Courts’.

      Responder
  2. Renato

    Vamos aguardar mais um pouco para não precipitar, mas suspeito que o Aliassime não seja esse fenômeno que alguns(incluindo eu) estavam tentando pintar. Ainda é jovem, pode melhorar, mas não tem conseguido resultados razoáveis apesar de ter recebido vários convites para torneios grandes. Tem perdido para jogadores bem ganhaveis.

    Responder
  3. Sérgio Ribeiro

    Quanto Postamos a bom tempo que figurinhas carimbadas já trintões dificilmente voltariam ao TOP 10 , não parece ter sido exagero. Nishikori x Berdych serve apenas como exemplo. O Samurai pedindo atendimento pela MILÉSIMA vez na carreira. E o Theco doido pra o jogo acabar rápido com trocentos ENFS ( doido para curtir sua grana em Mônaco com aquele autêntico Avião que está sempre ao seu lado ). Uma hora a sorte tende a voltar para o Campeão. Enfrentar seu compatriota de prima, foi uma benção para o Sérvio .O físico e seus golpes estão todos lá. À confiança vem em sequência. Marian Vajda tem muito a ver com esta possibilidade. A meu ver, se estivesse desmotivado e preocupado com suas premiações, não estaria ali distribuindo golpes na paralela naquele barro lentíssimo ( as estatísticas vão comprovando o baixíssimo número de Winners em todos os jogos ). Coric que abra os olhos. O garoto estreou muito confiante. Abs! Ps. Ljubicic ali observando tudo, sei não…

    Responder
  4. Rafael

    No comentário do Mário que eu concordei com tudo, uma ressalva: Neymar é mais do que um bom jogador.

    —-

    Voltando ao tênis, Djokovic voltou a vencer!!!!!!!

    Happy Festivus!!!!

    Responder
    1. Mário Fagundes

      Caro Rafael, considerando o cenário do futebol brasileiro (nivelado por baixo) e atual safra de jogadores, Neymar é o “craque” mesmo. Quantos aqui conseguem escalar (sem titubear) o time titular do Brasil?

      Responder
  5. Luiz Fernando

    O Bello despencou no ranking, algo que ocorreu unica e exclusivamente em razão do seu desempenho sofrível. Quem sabe essa queda absurda não mexa com seus brios e ele dê a volta por cima, tomara, pois um cara q deu um pneu no Djoko estar nesse lugar é algo inexplicável. Por falar em pneu, o sérvio acaba de detonar o Lajovic por 60 no primeiro set, esta aí o único que pode encarar Nadal de igual p igual no saibro, embora eu ache q ele deveria deixar p subir o nível apenas na temporada de grama e não agora…

    Responder
  6. Luiz Fernando

    Que zebra hein, o mágico COCOnakis perdeu, que sorte do Nadal, se jogasse com esse gigante do esporte não teria chance kkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder
  7. José Eduardo Pessanha

    Mestre, Félix está apanhando igual boi ladrão. rs. Até do Mischa o moleque perdeu. Está na hora dele dar uma reagida. rs
    Abs

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Você queria o que?

      O moleque cheira a leite ainda. (rs)

      Vamos dar tempo ao tempo. Ele é muito novinho…

      Futuro tem, mas eu já dizia que a expectativa sobre ele, por parte de vocês, era ilógica.

      E só lembrando que o Mischa não é um qualquer.

      Ele teve resultados respeitáveis em 2017, apesar do estilo saque-e-voleio ser tão raro.

      Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        No saibro, o Mischa É um qualquer. Com todo o respeito ao “russo”. Com relação a expectativas, se o Felix não virar número 1 será uma grande surpresa, não só pra mim como pra muita gente. rs.
        Abs

        Responder
  8. Sônia

    Kyrgios: Monfils 2
    Zverev: ***
    Chung: ***
    Coric: #
    ThieMito: ***
    Shapovalov: ***
    Rublev: #
    De Minaur: #
    Taylor Fritz: #
    Tiafoe: #
    Khachanov: #
    Donaldson: #
    Medvedev: #
    Félix Auger-Aliassime: Superestimado (fraquinho, fraquinho)

    *** = terá muitas alegrias
    # = Esforçadinho

    Beijos ????

    Responder
  9. Mário Fagundes

    Torcedor de Nadal é sempre chato, certo? No post anterior, foi comentado sobre o relógio que fará a contagem do tempo de saque no USOpen. A matéria do Tenisbrasil trazia uma foto de Nadal sacando. Indaguei à LF que, com a palavra, disse o seguinte: “Ele sempre enrolou p sacar mesmo, pq negar????”. Nadal jamais admitirá uma coisa dessas. Mas um torcedor consciente é outra história, não é mesmo?

    Responder
  10. Mário Fagundes

    Nadal tem ou não tem uma chave boa em MC? Mas isso importa? Ele não é o favorito absoluto no barro? Aí alguém vai dizer: “ter o favoritismo não significa que vai vencer o torneio”. Tudo bem! Mas em se tratando de Nadal, bastaram duas partidas vencidas na Davis. Alguém lembrou aqui que há meses o espanhol não consegue terminar um torneio por conta de lesões. Hum hum…

    Responder
  11. Rodrigo Lightman

    Para quem gosta de cinema aí vai,

    Roger Federer – O Poderoso Chefão
    Rafael Nadal – Conan, o Bárbaro
    Nick Kyrgios – Mad Max
    lvo Karlovic – Terra de Gigantes
    Mischa Zverev – O Último dos Moicanos (saque e voleio)
    David Ferrer – Coração Valente
    Juan Martin Del Potro – Jerry McGuire, A Grande Virada
    Novak Djokovic – Em Busca da Felicidade
    Stan Wawrinka – Dois é Bom, Três é Demais
    Fabio Fognini – Vidas Sem Rumo

    O Brasil na Davis – Missão Impossível

    Para não perder a piada,

    Neymar – Um Corpo Que Cai
    Lula- Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças

    Responder
  12. Marcos Castillo

    Discordo um pouco sobre a dificuldade da chave para Nadal. Dos pouquíssimos jogadores que tem alguma chance de vencê-lo, 4 já se enfrentam diretamente antes de encarar uma possível terceira rodada contra o espanhol, onde obviamente só um deles poderá chegar.
    Resta saber se o rei do saibro finalmente irá completar um torneio sem abandono.
    Tomando a liberdade de me expressar em nome dos federistas, #somostodosdjokonobarro

    Responder
  13. Renato

    Difícil acreditar que Novak Peruvic ganhe de Coric em um possível confronto. O sérvio, atualmente na segunda divisão do tênis, precisa começar a somar pontos no ranking, ou vai ficar fora do masters finals, o que seria um vexame daqueles.

    Só sei que Nadal vai estar na final. Não me arrisco a apontar um outro finalista.

    Responder
  14. Mario César Rodrigues

    Este carinha Kyle Edmund deu um trabalho e tirou um set do Rafa em Monte Carlo foi a primeira partida de Rafa no torneio,e amanhã o mesmo disputa contra Pablo Àndujar a final em Marrocos o Espanhol merece este caneco passou muita dificuldade!

    Responder
  15. Mario César Rodrigues

    Fico observando Rafael Nadal nos cascos sempre falo o primeiro jogo do torneio e se for o Bedene vou te falar ele sabe jogar e bem no saibro.se Rafa não ganhar este torneio será uma zebra Djokovic dá pena,Thien fica batendo aqueles chicotes kkkk sempre assim os caras colocam dificuldades para Rafa onde não existe ele estando bem..não tem um ser vivo capaz hoje de derrubar ele no saibro!Digo mais nem Borg se tivesse no auge seria páreo para Rafa!

    Responder
    1. Bruno

      Queria um comentário do Bruno Louzada chatonik a respeito disso.
      Ou será que zumbis,seitas e fanatiamo sao so dos torcedores do federer.

      Responder
  16. Pedro Aguinaldo Ferreira Brandão

    Dalcim

    Parabéns pelo blog.
    Gostaria de mencionar a passagem dos 25 anos da chegada do Pete Sampras ao liderança do ranking.
    Assistindo alguns videos desse periodo comparando com os jogadores da atualidade, como os jogadores de hoje são absurdamente fortes.
    Pode ser que os big four seja melhores que os daquela época, porém na minha opinião os top 20 com certeza de hoje é muito inferior.
    Enfim saudades de jogos mais equilibrados.
    Na sua opinião qual o lugar de Sampras na história do tênis?
    Parabéns Sampras .

    Responder
  17. Luiz Fernando

    No saibro lento de MC Rafa tem tudo p se dar bem, contra qualquer adversário. Não vejo as duas primeiras partidas complicadas (desde q vença a primeira, claro), mas a dificuldade crescente é natural. Se vencer Nole era bem complicado em 2017, pois Nadal vinha de uma série de derrotas p o sérvio, aqui a perspectiva é nitidamente invertida, pelo momento do Djoko. Vamos aguardar.

    Responder
  18. Ronildo

    Parece-me que Rafael Nadal foi o primeiro e é o único tenista a xhegar aos dois dígitos num mesmo torneio de primeira linha. Este é um dos feitos mais impressionantes da história do tênis. E ele fez isto três vezes. 10 RG, 10 Monte Carlo e 10 Barcelona. Porém, acho que todos concordam que 31 títulos de iguais outros torneios é um feito maior ainda.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      E’ óbvio que isso comprova que se trata do verdadeiro Rei do Saibro. Porque o outro resolveu se aposentar com 6 RG , aos 26, caro Ronildo. Mas obteve outros 5 na Grama Sagrada. Os 8 do Suíço nesta superfície e os 10 do Espanhol no Saibro parecem mesmo inacreditáveis ( e contando ). Abs!

      Responder
  19. Luis Coelho

    É importante observar que Nadal enfrentou Djokovic várias vezes quando se encontrava em baixa ou física ou psicologica, enquanto que nos últimos tempos, com situação invertida, os encontros tem sido raros. Logicamente isto tem interferido nas estatísticas do head to head entre os dois. Ótima análise Dalcin, como de hábito.

    Responder
  20. Sérgio Ribeiro

    A que ponto chegaram os atuais ” Saibristas” . Em Houston, Vedasco perde em Sets diretos para um acima do Top 100 e Kyrgios para Karlovic o popular ” dente de Aço ” e de virada aos 39 anos ( com o Aussie pedindo atendimento). As Semis com 3 Norte-Americanos e o Gigante. Destaque para o limitado ( só sabe sacar rs ) Taylor Fritz aprontando para cima de Jack Sock. A meu ver, o Espanhol de fato vai ser testado no seu grande Favoritismo em Monte Carlo, Novak ou Thiem tem mais chances numas Quartas do que numa Final contra o Rei do Saibro, a meu ver. Abs!

    Responder
    1. Rodrigo Lightman

      Grande Sergião… e o mais incrível, acho que nunca tinha visto antes, um jogo do Karlovic em três sets sem nenhum tie break jogado. Pra mim o Fritz vai ser top 5, e já havia dito isso algum tempo atrás.

      Responder
    2. AKC

      O Kyrgios é uma desgraça, ou ele joga com seriedade e compromisso ou nunca passará desse jogador circense que ele é. Ganhou fácil o primeiro set, aí só porque teve dificuldade depois, desistiu. Pode ter sido lesão, mas ele perde totalmente o entusiasmo se o jogo complica. Não luta. Ele só se empolga quando joga com os grandes. Talento desperdiçado…

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Desculpe,

          Mas habilidade é, e sempre será um tributo a ser ADMIRADO, jamais zombado.

          E ser circense, isto é, dar espetáculo, é para poucos.

          Simplesmente o teu “kkkk” não serviu de bosta nenhuma…

          Responder
          1. Luiz Fernando

            Vc quando quer encher o saco é insuperável, basta ler o teor do postado acima p entender o “kkkk”, mas quando um chato quer implicar ninguém segura…

      1. Jose Alexandre

        Já reparei isso no Nick, é uma situação engraçada, pro Federer, Djoko e Nadal ganharem dele tem que suar sangue as vezes (o Djoko nem sabe o que é ganhar aliás), enquanto que qualquer adversário top 100 é perigosíssimo numa primeira rodada. Pra mim é disparado o melhor da nova geração, se tivesse a disciplina do Nadal seria número 1 já.

        Responder
  21. Sônia

    Concordo contigo Dalcim, a chave está complicada para o espanhol, esse Master 1000 será interessante. Mudando de assunto, Rafael, voce também é bambi, adorei, iuuuuuupi rsrs e… Rodrigo Lightman, confesso não entendi a brincadeira, estou envolvidérrima nesse nosso momento “ordinário, nojento, asqueroso, revoltante…” politicamente falando e acabei me estressando, perdão. Beijos.

    Responder
    1. Mário Fagundes

      Sônia, obrigado pelas bondosas palavras no post anterior. Ganhei o meu fim de semana. rsrsrs.
      Sobre o mal-entendido com Rodrigo Lightman e seu envolvimento estressante com o momento político em que vivemos, entendo o que você diz, pois tem sido da mesma forma comigo. Essa idolatria petista já deu! Perdi a paciência com esses seres. Está difícil até mesmo manter o mínimo de convivência pacífica com essa gente. A cegueira é tamanha que alguns amigos de longa data deixaram de falar comigo desde que me posicionei contrário à esquerda. Sim, um dia fui esquerdista. E hoje o sentimento é de vergonha. Por mais que a deseje, não consigo enxergar uma solução para este país, sobretudo pela forma como os 3 poderes se encontram, totalmente corrompidos, desacreditados e desmoralizados. Mas a copa do mundo tá chegando… Todos os problemas serão resolvidos, não é mesmo? Eu, particularmente, não vejo qualquer motivo para torcer pela seleção brasileira. Radical? Não, falo de futebol mesmo. Perdi o encanto. Neymar é só um bom jogador paparicado pela mídia. Brasil ganhando ou perdendo nenhuma diferença me fará! Aliás, há bastante tempo não me faz diferença alguma. Uma derrota de Federer me incomoda bem mais. Quanto aos esquerdopatas, que se danem todos!

      Obs: Dalcim, me desculpe por tratar de assunto diverso da proposta do blog.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Neymar é só um bom jogador paparicado pela mídia?

        Não me faça rir.

        Podem chamá-lo de arrogante, babaquinha, Ney-marketing, ou seja lá o que for.

        Mas verdade seja dita, e o cara é um MONSTRO, com um talento como pouquíssimos que já vi no futebol…

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          O caso de Neymar merece mesmo um estudo. O Cara trouxe de volta à alegria do jogo ainda muito jovem. Ganhou tudo e foi eleito o melhor das Américas em 2011. Como ” coadjuvante de ouro” fazia até Leonel Messi jogar sempre com um sorriso nos lábios , junto com craques do calibre de Iniesta e Soares. Artilheiro da Champions ( com maior número de assistências ) , se tornando o ÚNICO do Planeta a marcar e vencer na Final da Libertadores e Champions. Faltava um título ao Brasil ( e a Alemanha ) ? O melhor jogador das Olimpíadas… O Time de Tite não tem nada a ver com a queda de N Políticos e o grupo da CBF ( ninguém pode sair do País ) . Ele virou um Pop Star mane’ ? É mais um no meio de vários de TODOS os Esportes. Vencemos o Tri no auge de Pele’ em plena ditadura do ” Ame-o ou Deixe-o ” .A Seleção atual trouxe de volta garotos ( com projeção Mundial ) com um sentido coletivo de dar inveja ha’ muitos do passado. Isso segundo o meu maior ídolo neste Esporte : Arthur Antunes Coimbra. Abs!

          Responder
        2. Mário Fagundes

          “… com um talento como pouquíssimos que já vi no futebol…”. Ainda magoado com a ausência de Federer no barro, caro Rodrigo? Com essa declaração, percebo que você não teve o prazer de ver grandes craques do futebol em atividade. Que pena! Você também chama o bom jogador-midiático–firula-cai-cai de “menino Neymar”? rsrs Brincadeirinha, Rodrigão! Não vamos aprofundar esse papo, certo? Concentre-se no tênis, onde sua contribuição é muito valiosa aqui no blog. Abraços!

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Já acompanhei sim vários craques:

            Maradona, Zico, Ronaldinho Fenômeno, Zidane… Só pra citar alguns.

            E percebi que chamar o Neymar de farsa, só por não gostar dele virou moda aqui no Brasil.

            Mas nenhuma farsa conseguiria ficar todo ano entre os 3 melhores jogadores da atualidade.

            Abs.

      2. Sônia

        Mário, gostava de futebol, hoje não consigo mais assistir, nem os jogos da liga européia, tudo perdeu a graça. Jogos do São Paulo então, mudo de canal. Corrupção demais, em todas as áreas, não salva nada e ninguém, infelizmente. Beijos.

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *