O que será de Nole?
Por José Nilton Dalcim
4 de abril de 2018 às 23:40

Novak Djokovic está sem confiança, sem preparo físico ideal e agora sem qualquer treinador. De uma leva só, separou-se do midiático Andre Agassi e do recém aposentado Radek Stepanek, em mais uma reformulação geral do seu time. O momento no entanto parece o mais inadequado possível para tentar um voo solo, justamente às vésperas da temporada de saibro e da defesa de 1.500 dos 2.300 pontos que ainda o sustentam no 13º lugar do ranking.

Vale lembrar que Nole tentou uma mexida drástica no final de 2016. Seis meses antes, ele era o ‘rei do tênis’, tendo se tornado o primeiro homem desde Rod Laver a deter todos os quatro títulos de Grand Slam simultaneamente, ao faturar o tão sonhado troféu de Roland Garros. Numa verdadeira fase dourada, chegou à final de 10 dos 12 Slam que disputou, conquistando seis deles.

Inesperadamente, separou-se de Boris Becker, a quem havia contratado em 2014, e demitiu até mesmo o técnico que o acompanhava há uma década, Marian Vajda. Cinco meses depois, causou outra surpresa, ao anunciar Agassi como o novo treinador. Ainda que jamais tivesse orientado qualquer tenista nem mesmo juvenil, o norte-americano tinha um perfil aparentemente adequado ao momento, já que sofrera também forte estresse e conseguiu recuperar seu jogo, voltar aos títulos e à liderança do ranking.

O desempenho da parceria foi pífio, embora é claro seja preciso colocar na conta os seis meses em que Djoko se afastou para tentar a recuperação do cotovelo. Com Agassi, Nole disputou apenas seis torneios – pelo menos metade sem ter o norte-americano nas galerias -, somando 15 vitórias em 21 partidas. Logo de cara, foram até as quartas de Roland Garros, ganharam Eastbourne e atingiram as quartas de Wimbledon, o que parecia uma boa simbiose, considerando-se os já evidentes problemas físicos do sérvio.

Agassi sempre afirmou que não recebeu um centavo sequer para o trabalho, que o fazia por acreditar no potencial do pupilo e ‘contribuir com o tênis’. Nos bastidores, no entanto, já havia dúvida se ele estaria com o time em janeiro, quando Nole adiou seu retorno até o Australian Open e aí foi até as oitavas, voltando a sentir o cotovelo. Fez pequena cirurgia no punho e dois meses depois já treinava com Agassi em Las Vegas. Retornou em Indian Wells e tentou Miami, mas suas atuações foram um fracasso, tanto no aspecto técnico como principalmente no físico. Não faltaram críticas veladas a uma volta eventualmente precipitada.

O anúncio oficial da separação simultânea dos dois treinadores, feito nesta quarta-feira de forma oficial em seu site, deixa claro o clima pesado. Começa por informar a saída de Stepanek, com elogios, e termina com uma única frase sobre Agassi, apenas para registrar sua saída. Mais do que evidente que houve uma ruptura desconfortável, que o norte-americano definira dias antes ao New York Times como “concordamos em discordar”.

Inscrito para Monte Carlo, Djokovic ao menos ainda gozará da condição de cabeça 8, entrará diretamente na segunda rodada e pode dar sorte, escapando de um dos top 60 que participam do forte Masters de piso muito lento. Ou seja, tomara que pegue um convidado ou um qualificado. Tudo que precisa no momento é ganhar uma partida, sentir-se à vontade, tirar a pressão.

Mas não há otimismo, nem mesmo na imprensa sérvia. O que mais se lê entre os analistas europeus é que Djokovic está numa encruzilhada, bem perto de completar 31 anos e sem rumo definido. Ninguém espera que ele anuncie uma nova equipe antes de Roland Garros, o último lugar onde mostrou seu tênis mágico, duas temporadas atrás. Parece um passado distante.


Comentários
  1. lEvI sIlvA

    Alguns dizem que Novak está perdido, outros sem motivação. Bom, o fato é que não sabemos o que realmente ocorre de verdade. Particularmente, eu penso que a lesão pode ter sido um catalisador de uma outra situação. Djokovic atingiu a cifra de $ 100 milhões de dólares antes de Federer. Conseguiu até levar um RG e, quem sabe, após isso ganhou mais do que achava possível. Talvez, nem ele achasse possível chegar tão longe… Digo, o cara se intrometeu na maior rivalidade do tênis atual (Federer vs Nadal) e se tornou protagonista, não apenas figurante. Alguns até cogitaram que poderia ser maior que Nadal e quiçá, Federer. (Vejam bem, eu mesmo não entro nestes méritos.) Pode ser que, simplesmente não exista mais a mesma motivação de antes. Dizer que o sérvio não se esforçou é fora da realidade. O esforço foi sim, absurdo. De tal forma, que talvez não há mais prazer em jogar tênis. Mas é só uma opinião, claro, e minha.

    Responder
  2. João ando

    Depender do Monteiro e do clezar e realmente difícil …se ainda fosse o Thomaz qndp top 30 e do Rogério Dutra as chances seriam melhores…muito triste a atual fase do tenis do brasil . Para colocar o clezar para jogar com um garoto de 19 anos e melhor colocar o wild ou o Sakamoto .e nas duplas o jogo vai ser duro …vou torcer muito pelos marcelos

    Responder
  3. Maurício Luís *

    Objetivamente falando, o Djoko estava com um problema físico que não lhe permitia desenvolver seu jogo em plenitude. Viu o Federer parar e depois voltar “voando baixo”, ganhando o Australian Open, pensou: ” -Vou fazer que nem ele!”.
    Acontece que cada caso é um caso, cada um é cada um. Federer tem muito mais recursos, é muito mais completo. Se falha um golpe, ele substitui por outro, e por aí vai. Djoko já não é assim. É esforçado, mas menos completo. Por isso que seu retorno não tem sido a oitava maravilha do mundo.
    Pra não dizerem que só critico, fica aqui uma sugestão: Djoko, inclua na sua nova equipe o renomado fisioterapeuta russo MICKAIL RANKOV.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Onde está registrado Djokovic falando que faria igual a Federer e Nadal?
      O sérvio não voltou bem e ninguém precisa ser especialista para perceber isso. Culpa dele, é claro.
      Quanto ao fato de ser mais ou menos completo que Federer, nada tem a ver o sucesso ou fracasso de um de outro nessa questão. Apesar de que, nos fundamentos básicos desse esporte, em forma, Djokovic é sim mais completo que Federer.

      Responder
  4. Rafael

    Macedo e Sônia:

    a matéria que eu li ontem em espanhol falava do colombiano Santiago Giraldo, e não do Gimeno-Travers, espanhol. Meu erro.

    Responder
  5. Luiz Fernando

    Vi o tape do jg do Rafa, que na minha visão teve nota 6.5, algo bem condizente com o fato de estar sem jogar ha quase 3 meses. Nao gostei do desempenho do serviço, achei a devolução e o BH em muito boa forma, mas principalmente me agradou sua movimentação, demonstrando que está recuperado. Domingo teremos uma noção melhor do seu nível de jg pois será mais exigido, mas pelo q vi hj tende a elevar seu nível no saibro lento de MC e pode perfeitamente, salvo algum problema fisico, vencer o MC11.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Os meus comentários muito confusos para o brilhante comentarista, foram corroborados pelo Espanhol no pós jogo : ” a volta e’ sempre muito difícil, nada melhor que seja em Casa com o apoio da Torcida “. À partida não foi em hora e meia ( o Alemão N 2 venceu apenas 7 games ) , pois realmente Rafa Nadal mesmo quase aos 32, continua fazendo questão de prolongar os pontos. Mas o que Postamos ao longo da semana ( a importância de ritmo de jogo antes de MCarlo ) , foi confirmado dentro de quadra. E deu pena de Ferrer tentando as trocas com Sasha ( foi quebrado 10 em 13 Serviços ) . Rafa Nadal terá um ótimo teste contra o jovem Tenista . Abs!

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Sua previsão errou apenas em quase o dobro da duração do jg, algo ótimo pra quem volta de 2 contusões seguidas, não acha? Aí já não foi confusão, foi erro mesmo kkk. Grande abraço.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Que erro L F ? 2 h e 30 min ou os seus ridículos Posts contra a presença do Espanhol em casa na Davis ? O Cara faz uma partida e já o aponta como provável vencedor do MC 11. Passar recibo será sempre a maior especialidade do rapaz kkkkkkk.Abs!

          Responder
  6. Sandra

    Dalcim, não sei se você lê no site da uol o blog do Alexandre Conzenza, está interessante, esse mesmo guru do Djokovic também e do Santiago girardo, tenista colombiano, e os jornalistas colombianos estão uma fera, pois o jogador também está tipo paz e amor , não está conseguindo nada também, qual foi o jogador que falaram que esse guru ajudou ??

    Responder
  7. Luiz Fernando

    Rafa parece ter vencido bem e com segurança, a despeito de quase 3 meses fora da quadra. Claro q PK não é um saibrista, mas sempre foi perigoso e apareceu bem em Miami, apertando e muito, salvo engano, Delpo. Não vi o jg e portanto não posso opinar sobre esse ou aquele fundamento e nem acerca da velocidade da quadra (até perguntei ao Dalcim em outro comentário); muito menos a duração da partida, mas apostaria, pelo horário de término, entre 2 e 2.5 horas. Se estiver fisicamente bem enfrentará Zverev domingo, aí sim um teste com T maiúsculo, pois este atropelou Ferrer e vive excelente momento. Óbvio que vencer é sempre bom, mas a melhor notícia é Rafa estar aparentemente recuperado dos problemas musculares q teve.

    Responder
  8. Mário Fagundes

    De todos os comentários direcionados a Djokovic, fico com o que disse Becker: “Djokovic precisa voltar a treinar como antes, precisa fazer sacrifícios”. É nisto que acredito também. Para ser um campeão na vida é preciso praticar (na essência) a palavra RENÚNCIA.

    Responder
  9. Fernando Pauli

    Só vejo uma saída pro Djoko. Chamar o Marian Vajda de volta e mandar o guru abraçar árvore sozinho lá na Sibéria. E se o seu irmão não concordar, manda ele junto!

    Responder
  10. Oswaldo E Aranha

    Renato, vendo teu comentário no blog a respeito do Djokovic, lembrei-me de de uma história.
    Certa vez o escorpião precisava atravessar o rio, mas não sabia nadar, então pediu à rã que o atravessasse. A rã disse não porque o escorpião a picaria e ela morreria. O escorpião retrucou: não, não vou picar porque ambos morreremos. Posto isso a rã concordou, mas quando estavam no meio do rio o escorpião a picou, então a rã disse: ambos morreremos e o escorpião, por sua vez disse: pois é, mas eu sou um escorpião.

    Responder
  11. Luiz Fernando

    Dalcim como vc avalia preterir Carreno Busta, que vive excelente momento, em detrimento de Ferrer, inegavelmente grande saibrista mas em mau momento, bem mais velho? Seria uma homenagem do capitão espanhol ao Ferrer, que talvez esteja em sua ultima Davis? Tecnicamente não consigo explicar. Busta deve estar inclusive mais competitivo do q Rafa…

    Responder
  12. CAIO CESAR

    Dalcim,
    Primeiramente, queria mais uma vez te parabenizar pelo melhor blog de esporte do Brasil. Entro todo dia para acompanhá-lo.
    Coincidência ou não, o Djoko entrou em declínio quase que na mesma época em que surgiram os boatos de traição, sendo citado – se não me engano – até o nome da Sharapova.
    Se são verdadeiros ou não os boatos, nunca saberemos, mas essa mudança de atitude repentina poderia ser justificada por isso. Só quem já passou por isso sabe o inferno que vira a sua vida … Normalmente, a pessoa que trai fica se sentindo culpada e faz de tudo para agradar a outra, enquanto a traída costuma fazer cobranças excessivas que nunca se esgotam, justifcando-as pela traição … vira uma eterna dívida!!!!
    Sei que foi um momento “Nelson Rubens – Okey, Okey” kkkkkkkk, mas imagina a vida do servio se houvesse uma cobrança diária de diminuição dos treinamentos para ficar mais com a família, desconfiança de que está traindo qdo passa mto tempo treinando e até a imposição do guru para uma terapia de casal, mudança de filosofia de vida, mostrando o q realmente deve ser valorizado …
    Não sei não, mas apostaria 50 mango que o cara fez merda e está pagando preço.
    Nunca se esqueçam, QUANDO A MULHER QUER SE VINGAR, ATÉ O DIABO SENTA E APRENDE A LIÇÃO!
    KKKKKKKKKKKKKKKK
    Dalcim, q acha dessa teoria da conspiração à lá “TV Fama”??? Kkkkkkkkkk
    Grande abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Já se especulou bastante dobre isso, Caio. A envolvida seria uma modelo indiana. Sem dúvida, pode atrapalhar. Na Sérvia, relações extraconjugais não são bem vistas.

      Responder
  13. Felipe Velasquez

    Boa noite Dalcim!
    Para mim, O problema do sérvio deve ser falta de motivação ou depressão (isso explicaria o guru no seu Staff).
    Não acredito em aposentadoria precoce, mas acredito que possíveis derrotas (humilhantes) para Rafa Nadal ou Federer devem trazer Nole de volta ao jogo.
    Nadal, com certeza, deve estar doido para se vingar das duras derrotas que sofreu em 2015 e 2016.
    Abraços

    Responder
  14. Paulo F.

    Meldonium foi proibido em janeiro de 2016 e 6 meses depois ele ainda estaria conquistando RG.
    Desconheço qualquer substância que melhore o rendimento que vá fazer efeito 6 meses após a última dose.

    Responder
  15. PIETER

    Dalcim, você já viu o Gilbert Klier jogando?
    Está fazendo um campanha surpreendente, o garoto de 18 anos, lá na Turquia.
    Espero que não seja somente fogo de palha nem sorte na chave.

    Responder
  16. João ando

    Acho que nole volta em alto nível…com relação a Roger Acho que os que vão vê lo jogar na Europa se decepcionam…mas quem escolhe o calendario de torneios e o próprio tenista …deixem o Roger decidir …afinal ele tem mais de 35 anos

    Responder
  17. Leonardo

    Djokvetes são hipócritas. Renegam que ele só brilhou devido a queda do Nadal e Federer, mas se eu pergunto pq ele não brilhou antes, era pq o Nole ainda estava se desenvolvendo. Percebem a hipocrisia? Quando é de um lado, nada a ver o físico e tecnica, quando é do lado dele é tudo a ver físico e tecnica. Hahaha

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      De fato.

      Todo campeão tem seu período de domínio e de declínio.

      Sem querer tirar os méritos do Djokovic, eu duvido muito que ele teria vencido o Federer na Austrália e em Wimbledon 2017, ou o Nadal em Roland Garros, mesmo sem essa lesão aí…

      Contudo, acho que o sérvio teria vencido o Us Open.

      Até porque, ficou evidente a evolução técnica do Federer de 2017, comparada com a de anos anteriores…

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Novak Djokovic começou a brilhar entre 18 e 19 anos. Foi quando ganhou seu primeiro M1000, em Miami, citado à época como 5º GS.
      Aos 20, faturou seu primeiro GS, algo que nenhum da velha nova geração ou da nova nova geração fez. Nadal e Federer dividiam os holofotes.
      3 anos depois, Novak se transformou em um gigante, chegando às incríveis 42 vitórias em sequência em um início de temporada. Como comparação moderna, tivemos Federer com 17 esse ano (mas ele já tem 35 – antes que alguém me lembre). Dominou o circuito desde essa época até RG 2016, não? Como não?
      Sim, aproveitou Nadal e Federer em baixa. Como?
      Nesse período, deu a Federer o título de vice-campeão de GS 3 vezes (pouco?) e uma vitória magistral na semi na Austrália de 2016.
      Nadal declarou, depois do vice-campeonato em Doha, de 2016 que jamais havia visto alguém jogando daquela forma. Ok, Nadal entende menos de tênis do que nós.
      Resumindo, Novak dominou enquanto os outros (Federer e Nadal) estavam machucados, mas sempre chegavam às finais e quantos vices os outros conquistaram? Ou então subentendemos que os machucados impreterivelmente apareciam apenas nas finais, ou diante de Djokovic.
      Federer ao conquistar o segundo vice-campeonato consecutivo em Wimbledon declarou: “perdi para o cara que jogou melhor hoje, na semana, no mês, nos anos…” Federer certamente entende pouco também do assunto.
      Sem contar os vices que Federer e Nadal conquistaram no Finals nesse período.
      E para finalizar, coincidentemente, dos últimos 5 GS disputados, apenas Federer e Nadal venceram. Então podemos atribuir ao declínio físico/emocional/técnico de Djokovic, já que esse é o critério. O sérvio é o único da era moderna a conquista os 4 GS em sequência. Sendo dois seguidos contra Federer (machucado?) e outros dois contra Murray – um zé ninguém?
      No texto do Dalcim, tem a palavra “mágico” na última linha. Outro que entende pouco de tênis.
      Por onde anda a hipocrisia?

      Responder
      1. Alessandro Sartori

        Muito bom comentário, mais você não vai conseguir fazê-los enxergar… eu to na espera pelo divisor de aguas que vai ser quando Djokovic quebrar sua primeira raquete nessa sua volta, aí teremos ele de volta…

        Responder
  18. Luciano

    Não sou torcedor do DJokovic nem da Sharapova (só incluí o nome do sérvio pois alguém aqui relacionou-o ao uso do Meldonium). Mas não há nenhuma evidência científica razoável que comprove que o Meldonium de fato melhora a capacidade física em atletas de alto nível (apenas em bases teóricas é que asubstância foi incluída na lista da WADA)
    O link abaixo é um resumo de uma revisão da literatura científica sobre a substância (não compartilho o artigo na íntegra pois há copyright).
    De qualquer forma, se uma substância é proibida, então eventuais punições são legítimas.

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27465696

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Meu me perdoe a sinceridade mas que comentario infeliz. Sharapova consumiu isso e de fato foi punida, Djoko não, ninguém sério fez qualquer afirmação a esse respeito, apenas aqui, por razoes obvias, pelo fanatismo cego e insano de alguns. Quanto a ser ou não doping, estando na lista da WADA é doping, ponto final.

      Responder
  19. David Pereira

    O tenis deixou de ser prioridade para o sérvio, eu gosto muito pegar detalhes da expressão do jogador quando perde uma partida, eu vejo Nole sorrindo ao abraçar seu adversário vencedor, pega um Federer quando perdeu para Delpo a final na california, ou um Nadal quando perde. O servio precisa urgentemente de um treinador, alguém que tenha uma boa química por que não o Boris novamente? O tenis precisa desses caras Djoko, Stan, Federer e Nadal além dos jovens chegando.

    Responder
  20. Renato

    O Farsante deve realmente estar com problemas mentais. Além de incertezas sobre a vida pessoal, também tem dificuldades com a vida profissional. Não duvido nada que troque de sexo e vire Drag Queen. Kkkkk

    Responder
    1. Chetnik

      Por que você tem tanta fixação com esses assuntos, australiano? Nadal é gay pra lá, Djokovic vai virar drag pra cá, não sei mais quem é não sei o que. A Austrália é um país bem liberal. “Get out of the closet”, kkkk.

      Responder
      1. Rafael

        Chetnik, vc deve se lembrar quando o Aussie Boy escreveu neste blog que o Nadal era gay e depois, devido à enorme repercussão negativa, pediu uma desculpas esfarrapadas.

        Responder
        1. Chetnik

          Sim… o cara passa tanta vergonha que precisa, de tempos em tempos, mudar a sua identidade virtual no blog, pra ver se as pessoas “esquecem”. Mas o cara é tão estereotipado que logo é identificado. É o cara mais odioso no blog. Tem muita gente que brinca aqui, às vezes passa dos limites – eu mesmo, várias vezes – mas como o rapaz aí eu nunca vi.

          O mais engraçado era quando ele perdia a linha e ameaçava fisicamente os demais participantes: “na minha cara você não falaria isso, eu sou praticamente de BJJ”, kkkk.

          Bem, o fato do cara “mudar de identidade” constantemente já diz tudo.

          Responder
  21. Weverson Pinheiro

    Mestre Dalcim,

    Existe um fator mental forte atacando o jogo de Nole, isso é fato! Essa situação de não ter um técnico só um jogador conseguiu sobreviver nessa condição, Roger Federer, pelo menos que eu me lembre nesse momento. Eu iria apostar também numa nova parceria com o Vadja, semana que ele deve anunciar, de resto isso mostra o quão são diferenciados Roger Federer e Rafael Nadal, é incontestável. Vou mais além, Rafa Nadal ainda tem um pouco mais que Federer nesse aspecto, pois ele já esteve mais perto do fim que o suíço, a meu ver, e hoje é o número 1. Falando em número 1 essa dança das cadeiras do posto mais alto vai ser interessante até o final do ano, mais pelas quedas de alguns torneios por parte dos melhores da atualidade que das vitórias, pois qualquer vacilo de Nadal do piso lento faz com que Federer reassuma o posto de número 1, e qualquer vacilo de Federer na grama o número 1 volta pro colo de Nadal, a temporada promete…

    Responder
  22. Bruno Macedo

    Eu aposto no retorno do Djokovic ao topo. Seria interessante se a esposa ajudasse, né? Levasse o filho para assistir aos jogos…O filho do Djokovic é grandinho , mas nunca o vi na platéia.
    Pq alguém casa com um atleta desse nível e não o apóia por inteiro? Casasse com um médico, advogado, professor, sei lá…

    Responder
  23. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    Caso o nole não demonstre um tênis pelo menos competitivo na temporada de saibro ou, ainda, pior não faça nada na temporada de grama e principalmente de quadra dura, tudo indica que de fato teremos uma aposentadoria precoce. Não sei se estou exagerando, mas essa e a minha opinião. Engraçado que sempre achei que do big four o primeiro a parar seria o Nadal, Federer (por conta da idade), Murray e por último Nole. O Nadal seria o primeiro pelo estilo extremamente desgastante, mas não é isso que está parecendo. O que pensa Dalcim? Acredita numa volta por cima do Djoko? Ou o cenário está piorando?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na verdade, este seria o momento ideal para ele tentar se recuperar: Federer está fora do saibro, Nadal com dúvidas físicas, Murray vai demorar para reagir, a nova geração subindo lentamente… Portanto, ele tem aberturas para reagir, Ulisses.

      Responder
  24. Tadeu Matsunaga

    Mestre,

    A história parece cada vez pior e ou sem sentido. Minha sensação é que o Djokovic está perdido ou tentando descobrir se ainda faz sentido para ele permanecer no circuito. Ele dispensou os técnicos e a imprensa também notícia que ele está “de férias” com a família. No meu entendimento, ele deveria estar em quadra se preparando para a temporada de saibro.

    Dalcim, seu ponto de vista, que carambolas passa com o sérvio?
    Abraços!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É muito difícil opinar, Tadeu. A mim parece que o tênis deixou de ser a coisa mais importante para ele, principalmente depois que ele alcançou objetivos muito altos. Aí no meio de tudo vieram as lesões, o que derruba ainda mais a confiança e mostra ao tenista como é bom ficar em casa e longe da rotina dos treinos e torneios. Talvez seja um misto de tudo.

      Responder
    1. Carlos Reis

      Mas o Tiriac acerta quando fala da premiação igual para homens e mulheres, o esporte masculino é muito superior, é questão de mercado. Esse feminismo militante CHATO está causando muitos problemas, as grid girls da F1 foram extintas, só para dar um exemplo.

      Responder
  25. Rafael Wuthrich

    Tudo é nebuloso quando se fala em Djokovic. Não se sabe qual a razão das contratações, das demissões, qual a cirurgia que fez, o que o fez mudar o saque, qual estilo de jogo adotará, que motivação ele ainda tem.

    Arrisco a dizer que se trata de um dos casos mais esquisitos, não só porque o pacote Djokovic é complicado, com mulher, guru e irmão a tiracolo, mas porque ele parece ter perdido a vontade de jogar. Complicado.

    Responder
      1. Bruno Costa

        Dalcim, sobre sua afirmação que Nadal já ter vivido situações parecidas uma acréscimo ( não é uma crítica e sim uma ressalva mesmo) : Nadal já vive umas 3 situações de crise na carreira. Nole Não, o que torna a situação dele ainda mais difícil de ser lida e de cravar previsões.

        Responder
      2. Rafael Wuthrich

        Concordo, o que não invalida a crítica. Mas te pergunto, e você sabe que tenho as maiores reservas quanto ao espanhol, alguma vez você já viu Nadal entrar em quadra apático como Nole esteve nesses Masters?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Mas aí que está Wuthrich: se ele realmente não estivesse a fim de jogar, por que teria antecipado a volta e tentado o risco de jogar Indian Wells e Miami? Se ele foi, é porque estava motivado. Não consigo imaginar de outra forma.

          Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Vindo de você, não me surpreende a crítica, Mário. Mas que tal você fazer crítica em relação à atitude histórica da equipe do Rafa?

          Responder
      1. Rafael

        O irmão não deslanchou na carreira de tenista, entrou em depressão forte e o guru, ao que tudo indica, o “ajudou”.

        Há rumores também que no caso da suposta infidelidade de Djokovic, o dito cujo interferiu decisivamente para acalmar os ânimos – e por ânimos eu quero fizer Jelena.

        Ainda no campo dos rumores, aparentemente a permanência do guru grudado no Djoko foi condição sine qua non imposta por Jelena para não dar o cartão vermelho para o sérvio.

        ________________

        Hoje li uma matéria no Twitter sobre outro jogador que o guru “ajuda”, o colombiano Gimeno-Travers, por exemplo, e como isso vem arruinando (guardadas as devidas proporções entre o colombiano e Djoko) a carreira de Gimeno.

        Aparentemente, um dos mantras básicos do Walter Mercado é que em uma partida de tênis, não importa ganhar ou perder, e sim, jogar.

        Affe

        Responder
  26. Chileno

    Complicado. O que eu acho mais desanimador nisso é o desânimo do Djokovic. Mesmo nas fases complicadas que Federer enfrentou em 2013 e 2014 especialmente e Nadal em 2015 e 2016, se via que eles jogavam com vontade, se incomodavam com a derrota e não pareciam se conformar com seu desempenho. Já com o Nole não. Vejo muito mais apatia nele. Tomara que volte a jogar bem.

    O mesmo vale para o Murray. Me empolguei muito quando ele deu aquele novo pico no segundo semestre de 2016. Mas depois de atingir a liderança foi ladeira abaixo até culminar no afastamento por lesão. Tomara que volte forte também.

    Responder
  27. Rodrigo S. Cruz

    A decisão de Roger Federer em pular pela terceira vez seguida Roland Garros, foi duramente criticada pelo romeno Ion Tiriac, ex-tenista profissional.

    Em entrevista para o jornal alemão Bild ele disse:

    “Roger Federer é certamente o melhor jogador de todos os tempos, mas não tem agido corretamente. Não acho que essa postura sua seja justa”, comentou Tiriac. Lewis Hamilton não diz que chega de competir depois de disputar apenas cinco corridas de F1 alegando apenas que não quer mais”.

    Tá aí.

    Ao meu ver, uma crítica totalmente regular.

    O Federer é um homem público, e por isso mesmo legitimamente sujeito a críticas.

    Embora alguns não compreendam isto…

    Responder
    1. Fernando Pauli

      Rodrigo, esse tal Tiriac não passa de um fanfarrão, boca aberta e parte interessada, pois é dono da data do Masters 1000 de Madri.
      Abs!

      Responder
    2. Gilvan

      Faltou só ressaltar que o Tiriac é um dos organizadores do M1000 de Madrid e, por isso, sua opinião está totalmente enviesada por interesses próprios.
      No mais, não diz respeito a ninguém o que cada atleta quer fazer da sua vida. Alguns não tem interesse em ser o número 1 (Wawrinka), outros jogam até se estourar (Nadal), outros estão no esporte só para ganhar dinheiro (Tomic e Kyrgios) e outros decidem largar o esporte para se dedicar à família e amigos. São pessoas públicas, mas não são escravos de fãs, torneios ou associações.
      Não existe certo ou errado nas escolhas que eles tomam para a carreira, são apenas escolhas. Assim como no caso do Djokovic, ele não estará certo ou errado se decidir pendurar a raquete e viver a vida. É preciso mais maturidade na hora de analisar esse tipo de situação.
      Ah, e comparar Fórmula 1 com Tênis é no mínimo desonesto da parte dele.

      Responder
    3. Adriano Miura

      Que péssima analogia. Não tem nem comparação o desgaste que gera uma partida de tênis com uma corrida de carro. As lesões na fórmula 1 só acontecem por algum acidente e não por desgaste. E um piloto corre uma vez na semana as vezes com intervalo de duas, se tivesse que correr uma prova todos os dias também perderia motivação.

      Responder
      1. Jose Yoh

        Adriano, costumava correr de kart e jogo tênis atualmente e posso dizer com certeza que o kart cansa muito mais fisicamente. Imagine um F1. Porém, cansa apenas por esforço muscular, não lesiona tão facilmente.

        Responder
      2. Chileno

        Isso pra não mencionar que, até onde eu sei, o Lewis Hamilton não é quase unanimemente considerado o maior piloto de todos os tempos, nem detém sozinho praticamente todos os recordes mais relevantes do esporte que pratica. Me corrijam se eu estiver errado, o que não é improvável, já que não acompanho Fórmula 1.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          O maior recordista, ou seja, o que detém os números mais expressivos, ainda é o Michael Schumacher…

          E aquele que é considerado o MELHOR de todos os tempos, pelos critérios subjetivos, inclusive por Hamilton e por Schumacher, é o nosso saudoso Ayrton Senna.

          Responder
    4. Sônia

      Esse romeno calado é um poeta mas quando abre a boca só sai asneira (me lembra o tal Nastase argh argh argh). Parece que romenos são machos alfas, devem gostar de wrestling com certeza rsrs. Agora comparar F1 com o esporte tênis? Affff, nada a ver, que ser ridículo. Entenda infeliz romeno, ELE não quer jogar no barrão, ELE decide onde quer jogar, portanto aceite que dói menos e pode espernear a vontade tem que pagar o mesmo para as meninas seu bobalhão. Beijos.

      Responder
    5. Mário Fagundes

      Rodrigo, pelo visto você ainda não assimilou o golpe. Pergunto a você: que moral tem esse tal Tiriac (que APENAS foi um bom jogador de tênis) pra questionar as escolhas de Federer? Rapaz, o “senhor” Roger Federer é um cara muito inteligente nesse quesito, daí sua longevidade. Quantas aulas sobre ESCOLHAS o professor suíço terá de ministrar ao circuito e aos amantes do esporte!? Esse cara já poderia estar aposentado, curtindo a família, usufruindo de sua riqueza, mas ainda se mantém motivado a treinar e jogar em alto nível pra vencer títulos nesses últimos anos que ainda lhe restam como tenista. Se esse cara não fosse tão diferenciado já estaríamos falando em saudade, em nostalgia, ao rever vídeos de jogos de suas conquistas. Já estamos no lucro, Rodrigo. Em vez de aplaudir mais uma acertada escolha de Federer, você embarca no mimimi de um empresário que só visa os interesses próprios? PO#$%%$, Rodrigo! Que se dane Tiriac! Que se dane o saibro! Que se dane RG! O que interessa a Federer é ser absoluto no segundo semestre, é ganhar os slans e demais torneios nos pisos onde os 37 anos (que terá) não pesam tanto. Por que é tão difícil compreender isso, parceiro? Por fim, pergunto a você: será que o “rei do saibro” Rafael Nadal jogará RG com essa idade?

      Responder
  28. Gilvan

    Tudo indica que o Djokovic caminha para uma aposentadoria precoce. Vendo ele em quadra parece que ele só está lá em corpo, enquanto a mente flutua por outros lugares.

    Responder
  29. AKC

    Lembro que o pai dele disse há uns 3 anos que o Federer devia se aposentar, ao invés de ficar apenas figurando nos torneios…. Há bastante tempo não vemos seu pai e sua mãe nos torneios, acho que o Djoko deve ter ficado p** com essa declaração… O mundo dá voltas.
    Mas eu acredito e torço pela superação dele. Apesar de considerar Federer o maior da história e o Nadal mais monstro que o Djoko, acho que os anos dourados do sérvio foram mais vistosos que os anos dourados do suíço e do espanhol. Ainda por cima, leva vantagem no H2H. Ainda é cedo para afirmar, mas acho a geração do quarteto a mais brilhante da história do tênis. Quando eles se aposentarem, farão muita falta.

    Responder
  30. Luiz Fernando

    Rafa confirmado amanhã contra o PK, que vi jogando recentemente e aliás muito bem. Duvido que vença em uma horinha e meia, como foi postado aqui há uns dias. Voltar de duas contusões num jogo melhor de 5 sets contra um adversário duro é algo típico do comportamento sem lucidez dele e do seu staff no decorrer da carreira. Tomara q atropele o alemão, que é seu fregues de caderneta, mas acho q tem pouco a ganhar a muito a perder.

    Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Nadal, estiver 100% curado, precisa de tempo de quadra e vitórias. E nada melhor que jogos em casa, no saibro pesado e contra fregueses. Acho a decisão acertada, se ele estiver bem fisicamente.

      Responder
  31. Marcos Castillo

    Acredito que Djokovic reencontrará o caminho das vitórias. Os números que esse cara atingiu (jogando na mesma época que os dois maiores da história) são surreais. Todos os grandes campeões passaram por dificuldades em algum momento de suas carreiras, e com Djokovic não está sendo diferente. Torço por sua volta triunfal, desde que não seja vencendo Federer em Wimbledon rs

    Responder
      1. Rafael

        Uma pergunta: Se é o Meldonium, e se sem ele (admitindo sua tese) não dá para ser competitivo, qual a lógica de ele sequer entrar em quadra?

        Responder
  32. Robson

    O que mais me preocupa em Novak Djokovic é a falta de vibração,a falta de energia,ou seja,tem alguma coisa causando esse desânimo no Sérvio,mas o que? Tá tudo muito estranho,se Novak não conseguir passar por cima do real motivo que está causando essa falta de vibração, não voltará mais a ser um grande campeão,uma pena pq ainda tem 30 anos.
    .
    Dalcim,tem algum nome sendo especulado nos bastidores pra ser técnico de Novak Djokovic?

    Responder
      1. Renato Toniol

        E será que o Vadja aceitaria o convite, Dalcim?
        Enfim, difícil entender o que se passa com o sérvio, que dominava o circuito absurdamente, e logo após conquistar o seu objetivo (fechar o grand slam), caiu drasticamente de produção.
        Tecnicamente, se trata de um tenista com inúmeros recursos, então, na minha opinião, vale acreditar que ele ainda tenha uma chance de voltar a um grande nível.
        Os amantes do tênis agradecem.

        Responder
  33. sandra

    Dalcim, não sei se você concorda comigo, mas todas as vezes no esporte que vi casos parecidos com o do Djokovic, talvez por terem mente de vencedores, sempre deram a volta por cima, espero que se repita com ele também. Quanto ao Murry, a operação de quadril, já não teve uma boa evolução desde o caso Guga??? Será que o Murry não é outro que consegue dar a volta por cima…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, com certeza é isso o que esperamos, Sandra. Talvez o Nole tenha cometido equívocos, tanto ao adiar a cirurgia como depois no retorno apressado. Murray parece estar mais cauteloso, ainda que também tenha adiado demais a operação.

      Responder
  34. Barocos

    Torço muito para que o Djokovic volte competitivo e espero muito que ele volte com outra postura quando as coisas não vão bem em quadra e faça como fazem o Nadal e o Federer, que tentam de tudo durante o jogo sem se abalar demais com as adversidades. O Djokovic parece que entra no modo de desespero ou desânimo, ainda que continue tentando algo. Óbvio que nenhum deles gosta de perder mas, me parece, o Djokovic deixa-se abalar em demasia.

    Espero também que os problemas físicos que o afligiram e os percalços que enfrentou ao tentar resolvê-los sirva de lição para outros atletas. Achar que casos visivelmente graves se resolvem apenas com “crendices holísticas” pode custar caro, tanto em termos de tempo quanto de possíveis sequelas (que eu espero muito que não tenham ocorrido).

    Responder
    1. Rafael

      Indo ainda mais ao extremo, gostaria de postar algo (com todo respeito às religiões, crenças, etc) que li já faz algum tempo.

      Uma casal do interior dos Estados Unidos tinha um filho (ou filha) não lembro que caiu doente – uma criança. Ao invés de levarem a um médico, o que se recusaram a fazer, juntaram os vizinhos e passaram dias fazendo rodas de orações em volta da criança – que acabou falecendo.

      A justiça de lá processou criminalmente o casal por negligência, etc e eles provavelmente iriam pegar uma cana brava.

      Conclusão: as pessoas não deveriam se deixar CEGAR, seja lá pelo que for.

      Responder
      1. Alessandro Sartori

        Pra mim Djokovic voltará a vencer Slams e a ser numero1, o fato de Federer ter voltado e já de cara ter ganhado tudo, não obriga o sérvio a ser igual, a hora que ele voltar a ter sangue nos olhos e a partir da primeira raquete que ele quebrar nessa sua luta pelo “retorno´´, as coisas vão mudar…

        Responder
  35. VALDIR BITTENCOURT JUNIOR

    Cada vez mais acredito que Djokovic nunca teve problemas físicos. É só mental mesmo.
    Já trocou 2x de time de treinadores, mas o guru picareta fica…

    Responder
  36. Evaldo

    Não acho que os problemas de Nole sejam estritamente físicos, ainda que estes talvez, sejam 80% de todos eles. Outro detalhe: Após dispensar “todo mundo”, será que o tal guru ainda o acompanha???

    Responder
  37. Thiago

    Dalcim posso está enganado mais acho que não veremos mais aquele Djokovic ele parece meio perdido e sem foco. temo que o fim esteja próximo acho que se nada mudar nos próximos meses essa possibilidade vai crescer muito.

    Responder
  38. Paulo F.

    Ou conseguirá se reaglutinar e retornar a ser o tenista de altíssimo nível que é (era) ou retirado, irá percorrer a Sérvia-Mônaco-Espanha acompanhado de (e sustentando) seu “guru” sempre servindo-se de refeições para celíacos, abraçando árvores e espalhando o ah o amor!

    Responder
  39. João

    Dalcim, vc diz que “separou-se de Boris Becker, a quem havia contratado exatos 12 meses antes, “. Pelo que sei, Becker ficou 3 anos com Djokovic, não?

    Responder
  40. Nando

    O sérvio errou em td…começando pela demissão do Vajda, pela demora na cirurgia (era pra ter feito após WB 2017), pela contratação de Agassi e Stepanek, pela arrogância (na entrevista no início do ano em q ele dizia “Se Federer e nadal conseguiram, eu tbm consigo”…e tbm disse q mirava já ganhar Slam e retornar ao N1).
    Está sem rumo.
    “Ajude” djokovic kkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Rafael

      Não vejo como se nivelar por cima possa ser um erro ou “arrogância”, Nando.

      Minha mãezinha sempre me ensinou a olhar para o alto e ter ambição, bem como não ser uma pessoa conformada.

      Se vai dar certo ou não é outra coisa, mas a atitude em si não está errada, é o que penso. Aliás, uma parte do sucesso de Djokovic se deve também ao fato de ele se espelhar nos melhores. Assim como todo grande campeão, em qualquer área da vida, o faz.

      Responder
      1. Nando

        Então Rafael, lembra dos discursos de Federer e nadal? Ambos diziam q só pensavam em voltar a jogar, sem dores, e sem expectativas.
        Serena usou do mesmo discurso do sérvio, e vemos aí como está sendo essa volta dela.
        Murray está seguindo certinho…mesmo eu achando q ele tbm demorou a fazer o procedimento cirúrgico.

        Responder
  41. Matheus

    Na realidade, Becker foi treinador de Djokovic por três anos (temporadas 2014, 2015 e 2016). Sua demissão não ocorreu “exatos 12 meses” após o início da parceria, como informa o texto.

    No mais, o tênis está sentindo falta de Djokovic, mas não sabemos se ele está sentindo tanta falta assim do tênis. Abraço

    Responder
  42. Hélio Coelho

    Sua queda tão vertiginosa só reforça o quão diferenciados são Federer e Nadal … Djoko se perdeu manteve-se de 2011 a 2016 no topo … mas a um elevado preço …está esgotado !

    Responder
  43. Marcelo

    Dalcim, confesso que eu me pauto muito pelos números para ver quem foi maior tenista do que outro.

    Mas, talvez isso não seja correto sempre… Por exemplo, eu não acho que o Djokovic é maior do que foi o Agassi, mesmo tendo mais Grand Slams e Masters 1000.

    O que você acha?

    Abraços

    Responder
    1. Leonardo

      Realmente, o Agassi foi melhor que o Djokovic apesar dos números. As épocas eram outras, com Agassi, haviam muito mais tenistas duros do que hoje, além de pisos mais rápidos, o que dificulta a devolução. Dado esse contexto, sua devolução esteve a um nível superior à do Djokovic.
      Já o Djokovic pegou uma década fraca de tenistas, com Federer já fora do auge e sofrendo com lesões nas costas, além do Nadal já iniciando sua decadência.
      Só no último ano ou dois que começaram a aparecer tenistas realmente de qualidade.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Até quando vamos ter que atribuir as conquistas de Djokovic às decadências de Federer e Nadal?
        Sendo que bastou o sérvio sair de cena – coincidência ou não – os dois voltaram a faturar Grand Slams.

        Responder
        1. Jose Yoh

          Djokovic teve momentos do auge com Nadal ou Federer em más condições físicas e vice-versa.
          Tivemos poucos torneios com os três em plena forma. Esse é o tênis atual: um monte de lesões.
          O que está melhor fisicamente ganha.

          Responder
      2. Luiz

        Leonardo, com todo o respeito, mas discordo do seu comentario. Estamos em uma era dourada do tenis masculino, Djokovic enfrenta atualmente alguns dos maiores tenistas de todos os tempos, Federer, Nadal, os proprios Murray e Wawrinka. Sou fa do Agassi, recomendo inclusive sua autobiografia que eh fantastica, mas como tenista Djoko esta acima, nao somente por seus resultados mas tecnicamente eh mais completo, inclusive com uma devolucao de saque inigualavel, seja de forehand ou backhand. Na minha opiniao, a era atual do tenis masculino vai colocar 3 tenistas entre os 5 melhores da historia – Federer, Nadal e Djokovic, juntos com Sampras e Borg. Saudacoes.

        Responder
      3. Cristiano Andrade

        Leonardo…
        Em números a superioridade de Djokovic sobre o Agassi é gigantesca, mais Slams (12×8), mais anos como #1 (4×1), mais semanas como #1 (223×101), mais torneios vencidos (68×52), mais masters 1000 (30×17), além daquele ano de 2015 que ninguém irá repetir.
        E quando comparamos os adversários… Djoko enfrentou Nadal e enfrentou Federer (e foi um dos responsáveis pelo jejum de Slams do Federer), ou seja, o maior jogador da história e o maior saibrista da história, enfrentou Murray, além de outros coadjuvantes (Stan, Delpo, Cilic, Ferrer, Berdych). O grande adversário do Agassi foi Sampras, teve o Courier num par de anos do começo de carreira e uma série de coadjuvantes (Bruguera, Chang, Guga, Rafter, Kafelnikov, Hewitt). Não consigo ver onde se coloca Agassi acima do Djoko nem em números absolutos nem relativizando os adversários que enfrentou.
        Abraço

        Responder
        1. André Barcellos

          Não sou torcedor do Djoko, mas também acho que ele devolve (devolveu) melhor que Agassi no seu auge.
          A meu ver o americano só é superior no marketing.
          E teve sacadores como Karlovic, Isner, Roddick e etc como teste.

          Responder
    2. Renato Vieira

      Eu acho que podemos até considerar que Djokovic é mais tenista do que Agassi (eu discordo sinceramente). Mas vamos apenas considerar isso pelos números superlativos do Sérvio.

      Mas a importância do Agassi pro tênis é infinitamente superior do Djoko. Não tem nem comparação.

      Responder
      1. Rafael

        Interessante, ao que parece nem o Leonardo nem vários outros leram a seguinte declaração, uns anos atrás:

        ” Pra eu ganhar desse cara? (Considerando ambos em seus melhores momentos) Só se for na porrada!”

        Quem disse isso?

        ANDRÉ AGASSI

        Responder
  44. Rodrigo

    Olha Dalcim está dificil. Não acho nada anormal depois de tanto tempo de consistência no circuito ele passar por alguns anos de baixa. Mas o que preocupa é toda a turbulência e a aparente falta de rumo. Já não dá para saber se ele perdeu a motivação, se os problemas físicos estão afetando a parte técnica e mental….Só torço para que ele volte a boa forma. Não aquele Nole devastador de 2011 ou 2015, mas um Nole competitivo, o tênis vai ganhar muito com isso.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *