E o Baby cresceu
Por José Nilton Dalcim
19 de novembro de 2017 às 21:06

Grigor Dimitrov pode enfim se livrar da alcunha um tanto pesada que carregou nos últimos anos. O ‘Baby Federer’, que sempre soou mais como cobrança do que motivação, deu um passo significativo à frente ao conquistar neste domingo seu segundo grande título da temporada, agora o prestigiado ATP Finals, apenas três meses depois de ter faturado o Masters de Cincinnati.

É verdade que Dimitrov tem um estilo que lembra Federer, seja na execução de golpes ou no plano tático. E não por acaso se tornou amigo pessoal e o primeiro nome que a empresa do suíço contratou para gerenciar carreira. O búlgaro no entanto raramente deu sequência a uma grande semana, muitas vezes batido por sua insegurança.

O Finals foi um teste e tanto, porque exigiu demais da sua cabeça e confiança. As rodadas finais levaram os nervos à flor da pele e todo mundo sabe o quão difícil é jogar um tênis de qualidade sob pressão. O troféu invicto em Londres tem tudo para ser um divisor de águas definitivo na carreira de Dimitrov, um jogador repleto de boas armas, intuitivo, veloz, atlético e resistente.

Claro que ele ainda terá um desafio pela frente e daí poderemos saber o tamanho de seu amadurecimento: começará 2018 como o terceiro melhor tenista do ranking, o que traz obrigação de mostrar serviço. Se aguentar o tranco, principalmente ao longo do primeiro semestre, aí teremos a certeza de que ele ainda fará mais coisas importantes no circuito.

Essa expectativa positiva também deve ser transferida a David Goffin, um jogador que sempre levantou suspeitas quanto a sua capacidade de encarar os grandes nomes. Depois daquela frustração em Monte Carlo, ele ainda sofreu contusão e parecia carta fora do baralho. Mas ai aproveitou suas chances e ganhou dois torneios na quadra dura já mostrando uma tentativa de jogar de forma mais agressiva. É inegável que trabalhou muito para melhorar o primeiro saque, algo louvável para seu 1,80m. Não tem mais tanto medo de ir à rede e buscar as linhas.

Goffin derrotou Rafael Nadal e Roger Federer no mesmo torneio, um feito raro no tênis, e poderia muito bem ter ficado com o título neste domingo, numa final muito tensa (como era de se esperar) e de alguns lances de grande qualidade técnica. Mas ele ainda continua sendo mais eficiente como devolvedor do que como sacador e isso terá de ser corrigido para as quadras sintéticas a curto prazo.

Embora tenha sido um torneio atípico por não reunir quatro dos tenistas de maior prestígio do tênis masculino de hoje, este Finals serviu para dar visibilidade a jogadores que prometem um lugar digno no futuro, como Jack Sock. Se Alexander Zverev e Dominic Thiem trabalharem duro, o 2018 será muito competitivo.

Pena mesmo foi o vice de Marcelo Melo e Lukasz Kubot. Boa parte da culpa, no entanto, coube aos agora bicampeões do Finals, uma parceria que não apenas tem os requisitos essenciais – saque, devolução e trabalho de rede -, mas acima de tudo mostra muito sangue frio diante dos pontos importantes. Henri Kontinen e John Peers devem seguir como uma pedra no caminho tanto de Melo como de Bruno Soares e Jamie Murray, ao menos nas quadras duras.


Comentários
  1. julio

    Este ano foi mesmo extraordinário, 2 grand slans de Federer e Nadal, Misha numero 4, Dimitrov chegou a 3, Goffin chegou longe, realmente é um ano atípico mesmo,
    Vamos torcer por Rogerinho e Wild, e que Belluci volte a brilhar, e Bia continue a crescer e a comer muita banana e a meditar sempre, que somente faz bem.
    Torço por Nadal e Federer, mas acho que já ganharam muito e não tem nada mais a provar a ninguém nem a eles mesmos, são os melhores desta época deles mas não são os melhores de todos os tempos, pois se concordarmos com isso seríamos o mesmo que colocarmos avós a concorrerem com os netos, são gerações diferentes e tempos mais modernos, metodologias diferentes, raquetes diferentes, regras diferentes, aliás, a única coisa comum é o nome do jogo ser tênis.
    Gostaria de ver Nole de volta com o seu grande jogo, querendo ganhar de tudo e de todos, não gosto muito de seu estilo, mas negar a sua genialidade e competencia, seria a mesma coisa de dizer que Chico Buarque não canta.
    Adoro o jogo e a pessoa de Murray, Wawrinka e Nishikory, e que todos voltem em grande forma e com fome de ganhar tudo, para que tenhamos um 2018 extraordinário.
    Abraços a todos

    Responder
      1. Rubens Leme

        Faça uma resenha para nós aqui, nem que seja umas poucas linhas. Dificilmente poderei assistir, então vou precisar um Netflix da vida pegar pra ver.

        Não gosto do Shia,mas foi o jogo que me fez jogar tênis. O maior que vi.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Pegaram muito bem o espírito da rivalidade, das personalidades dos dois tenistas, da Borgmania que foi o primeiro rockstar do tênis, da pressão absurda que é o tênis nesse nível tão alto. Excelente.

          Responder
  2. Rafael

    Acredito que possa haver desentendimentos em todas as áreas e meios de relacionamento humano.

    Há gente com problemas de personalidade, gente com falhas de caráter, hipócritas, racistas, homofóbicos, ignorantes e com tantos outros milhões de defeitos.

    Há gente com questões de socialização / gente que tenta intimidar, etc, MAS essas pessoas e tantas outras, creio eu, tem também qualidades.

    O problema é que preferem ocultá-las ou são incapazes de demonstrá-las na Internet. Parece que essa fantasia de ser outra pessoa, ou a sensação de que vc vê todo mundo pela tela de computador mas ninguém te vê (ou que ninguém pode te encontrar) , hipnotiza, transforma essas pessoas em alguém que talvez nem elas mesmas reconheceriam se se vissem refletidas.

    Na ação e reação, o que acontece muito por aqui, acabamos nos perdendo muitas vezes.

    Gente que põe palavras na sua boca, gente que toma as palavras que você realmente escreveu, tira de, “escolhe” ou “esquece” o contexto, de modo a torná-lo adequado, à força, às suas críticas. Gente que se associa ao mesmo tipo de gente (note como o pessoal se identifica com o objetivo de validar as palavras uns dos outros) para tentar, indiretamente, atingir vc, que pediu, implorou, em alguns casos, para ser esquecido por essa gente, mas não adianta. Por trás da tela, a ânsia de falar do próximo é maior até do que o comprometimento pessoal.

    Como escancarar o descontrole dessas pessoas? Mostrar a fragilidade de seus egos, o quão simplórias são suas tentativas, o quão tosco é seu pensamento canino de marcar território e espantar os que tentarem se aproximar.

    No fundo, tudo isso é triste. Ninguém é realmente melhor do que ninguém, somos apenas diferentes.

    Como já disse aqui, pra mim vcs não importam nada, mas procurem pensar que, nessa coisa boba e infantil de clubinho, de membros seniores, de longevidade, de machões, isso e aquilo, muita gente que é mais introvertida acaba não participando…

    Apesar do tempo que eu gasto aqui ser um infinitésimo do meu dia, é uma parte do meu dia, sim, e procurarei também refletir sobre meu comportamento.

    Como já disse, o blog somos nós. Tenho certeza de que se o Dalcim quisesse postar suas reflexões pessoais para ninguém ler ou interagir, esse sítio na internet já nem existiria.

    Para concluir, com a proximidade de mais um período de festas, quero desejar paz, saúde e tranquilidade aos desafetos declarados. Aos colegas de blog, adiciono muitas alegrias e prosperidade. E a todos, indistintamente, incluindo o Dalcim, tudo isso e os usuais parabéns, por mais um ano de serviços prestados ao tênis.

    Embora eu ache que um ano novo na sua vida não começa com uma data no calendário, e sim quando vc decide que a partir de então, será diferente.

    Abs!

    Responder
  3. Renato

    Verdade, Márcio. Uma coisa é você ter personalidade e ter opinião, ser crítico, moralista e etc. Outra coisa é ser um pateta e quere ser tudo isso.

    Responder
  4. Renatinho

    Dalcim, gostaria de fazer uma observação. Wild vem evoluindo bem nos torneios profissionais e vi que acabou ganhando de um top 100 que recentemente tinha conquistado um challenger. Está esperançoso com o futuro do tênis de Wild? O que curte no tênis dele ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acho que é um nome para ficarmos de olho, mas sem cobranças precipitadas. Aliás, eterno erro dos brasileiros. Gosto da postura ofensiva dele, acima de tudo, Renatinho.

      Responder
    1. Luiz Fernando

      Vc riu de que, das derrotas pro Nadal nos 2 jogos kkkkkkkkkkkkkk? Dr McCoy, acuda, seu paciente esta em crise kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Muito difícil. Austrália deve ficar entre Federer e Nadal de novo, mas não descartaria uma surpresa como Kyrgios ou Dimitrov. Paris mais para o Nadal, sempre, a menos que Goffin evolua e Djoko recupere sua melhor forma. Wimbledon é mais para Federer ou Murray, porém Zverev, Kyrgios e Dimitrov são perigosos. US Open está muito distante, mas pode ser a redenção de Djokovic, Murray ou Wawrinka.

      Responder
        1. Anderson Castro

          Luiz Fernando,

          Se Djoko recuperar a forma terá chances nos 4 Slams!

          Dalcim,

          Você apostaria em Djoko e Wawrinka apenas no US Open? Para Roland Garros você acredita mais no Goffin do que no Thiem?

          Responder
  5. João sawao ando

    Dalcim. Vc sabe o que está acntecendo com o Bellucci.está tentando voltar desde agosto e só cai no ranking…o cara não tem fisico e com o rompimento do tendão de Aquiles se for …so volta em 6 meses…está com uma cara de fim de carreira….para desespero de alguns aqui do blog.eu vou começar a torcer para nova geração …Thiago wild .Sakamoto. Cristian Oliveira .Daniel schupak

    Responder
  6. Luiz Fernando

    Duas noticias que carecem de confirmação, mas se o forem merecem destaque: 1) Stepanek treinando Djoko, algo q eu considero coerente, pois o tcheco sempre teve um excelente jg de rede, o q sempre foi o calcanhar de aquiles do sérvio (vai ter q treinar muitos smashes); 2) a introdução do cronometro de 25 segundos de tempo p servir no AO, como comentado pelo Renato abaixo. Vi isso no USO e achei SENSACIONAL, pois evita o lenga lenga nas partidas, atrasando o jg.

    Responder
  7. Sandra

    Dalcim, eu não imaginava que um challenguer era tão arrumadinho, tem até carro para o ganhador, estou falando do country clube, mas eles continuam chatinhos, para entrar tem que colocar pulseirinha, moro mais perto da Prudente de Morais do que da Praia, e eles não deixam você entrar pela Prudente de Morais, tem que ser pela praia, ufa!!!! Mais vale a pena!!!

    Responder
  8. Sônia

    Oi Julio, apenas concordei com o que o Mário escreveu, nada contra voce. Eu realmente não gosto do titio, aliás, voce que fala tanto em espiritualidade, deveria discernir e “sentir” o que esse “titio e os seus” transmitem. Voce disse que tem gente que não gosta de ouvir exatamente algo fora do contexto do blog, eu gosto e sinto muita falta daqueles colegas que escreviam textos sublimes. Sobre a estória da “rã e do escorpião” me identifico com a rã, com certeza (não julgueis para que não sejais julgado). Na minha crença o inferno existe, ódio, rancor, maus pensamentos, atitudes ruins… não são normais e realmente afeta e muito seu corpo e sua mente, seremos cobrados e muito por isso. “O mundo está assim por não se aceitar opiniões, religiões, partidos políticos, orientação sexual dos outros”… discordo totalmente, o mundo sempre foi assim, não há solução, seres humanos são seres egoístas demais, só pensam “no umbigo”, nunca aprenderam e jamais irão aprender o significado do verdadeiro amor (alguns aprenderam, mas muito pouco comparado aos demais). Na minha opinião, o ser humano por seu egoísmo exacerbado é a grande praga desse planeta. Em relação ao fígado, bílis, intestino, … rsrsrs tudo é muito relativo, infelizmente existem seres humanos cruéis muuuuito saudáveis, vivendo anos e anos e nada. Talvez vaso ruim não quebre, sei lá. Novamente, na minha opinião, longevidade seria o castigo e a morte um grande prêmio. Por fim, “que cada vez mais, as pessoas consigam separar as divergências pessoais e tenísticas, e que sempre tentem melhorar o nível de diálogo dentro do blog, fora dele e no planeta todo”… concordo plenamente, que assim seja.

    Beijos.

    Responder
    1. Mario Cesar Rodrigues

      Se vc não gosta do Titio tudo que escreveu ai de amor,tolerância,que chute na porta vc deu hem!vem falar de Religião TItio é bom,como vc só que vc é irreal,oTItio é real!ele aparece,vc fica escondida atráz de um computador,da próxima vez guarde seu veneno para outras coisas!até parece a maior chata deste Blog aqui a Jaqueline vc conhece ela?e não vou mandar abraço não pq não sou falso.Sempre detestei o Federer sempre odiei o Nole,não as pessoas deles e sim a torcida e não os torcedores mas os mal cárater,jamais irei odiar alguém sem conhecer nem conhecendo odeio!eu sempre falei que odiava o Federer o Nole mas era para bota rfogo olha ai tu apareceu!kkkkk

      Responder
        1. Sônia

          Caro Mário, não adianta, sinapses atrofiadas rsrsrsrs. O assunto nem é com esse ser afffffffff. Voce já notou que esse fake valentão só faz ameaças a mim? Por que será? Beijos.

          Responder
  9. Rafael Wuthrich

    Tênis é um dos esportes mais espetaculares que existe. A derrota de Federer já tinha mostrado isso, mas essa final demonstrou. Não somente pela imprevisibilidade de resultado, mas de jogo.

    Vejamos: enquanto Goffin fugiu de suas características e foi agressivo para tentar vencer, como tinha sido contra Federer, fugindo de suas características, Dimitrov foi obrigado a se defender o máximo possível, ao melhor estilo Nadal, jogando ao contrário do que está habituado. Enquanto o belga atacava por todos os lados, o búlgaro se defendia e esperava a chance para um contraataque. Quem diria.

    Embora ocorreram vários erros, a disputa foi acirrada e com vários lances de qualidade. Grande final.

    Se surpreendeu com a inversão de papeis, meu bom Dalcim?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não cheguei a me surpreender, embora tenha achado que o Goffin jogou mais agressivamente tanto contra Nadal como frente ao Federer. E o Dimitrov sempre se defendeu bem, porque é bem atlético, lembra muito o Monfils.

      Responder
  10. Nando

    Mestre, concorda com a afirmação de q se Federer conseguir defender ao menos 2500 pts dos 4000 o início do ano, e q se nadal conseguir defender ao menos 3000 pts dos 5000 da temporada de saibro, ambos teriam enormes chances de terminar o ano no top 5? Contando com uma certa regularidade no restante do ano?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, se você olhar historicamente o ranking qualquer tenista na faixa de 3 mil pontos somados estará muito provavelmente no top 10 ao final da temporada. Então se Federer ou Nadal fizerem isso, independente de caírem em algum momento, ficarão no top 10.

      Responder
  11. Rodrigo S. Cruz

    O Goffin já derrotou Djokovic, Nadal e Federer…

    E mesmo assim perde no h2h pro Thomaz Bellucci.

    O que por si só prova que se o Bellucci mantivesse um bom nível mental e físico, ele teria alcançado muito mais na carreira.

    E pensar que haja idiotas crendo que o fraquíssimo Rogerinho Dutra seja melhor do que ele.

    Piada…

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Ai concordo. Rogério Dutra Silva melhor que Bellucci é piada mesmo.
      Mas mental e físico são duas das três partes que compõem um tenista, então o brasileiro jamais alcançaria mais que alcançou usando apenas uma delas.
      E quando falamos de qualidade tenística, temos que avaliar o conjunto.

      Responder
    1. Gilvan

      Capaz de ele anunciar a aposentadoria depois dessa.
      Não fosse a peruca, eu diria que ele perderia os últimos fios de cabelo com o stress de não poder externar todos os seus 756 tiques nervosos antes de cada ponto.

      Responder
  12. Renato

    Bom, Rafael, seria falta de classe se eu escrevesse aquela palavra com C, não A. Pra mim falta de classe é chamar colega de blog pra porrada. Patético. Sobre o texto do que é torcer para Novak, alguém comentou dias atrás a b… que é o texto. Eu não li. Mas ja que partiu de você, não convém duvidar das palavras do colega. Abs!

    Responder
    1. Rafael

      Agradeço as palavras dirigidas a mim, e tomo todas como elogio. Enquanto pessoas como você estiverem me criticando, saberei que estou no caminho certo.

      Abs e sem mais,

      Responder
    2. Marcio

      O Rafael costuma apelar quando não tem argumentos.
      Está um pouco estressado por causa da atual temporada.
      Uma pena as pessoas perderem a cabeça com algo que deveria ser apenas um entretenimento.
      Nessas horas percebemos de certa forma como acontecem tantas brigas de torcidas no futebol, por exemplo.
      Perdem todos com isso.
      Mas prossigamos.

      Responder
      1. Rafael

        Obrigado pelas palavras, Marcio.

        “Pensar é difícil, é por isso que a maioria das pessoas prefere julgar”

        Carl Jung

        Desculpe a citação, é que me faltaram argumentos.

        Responder
  13. Beto Souza

    Dalcin com a saída do Toni Nadal o Rafa deverá contratar alguém pro lugar do tio ou você acha que ficará só o Moya e Roig?
    E quem você acha que poderia substituir o tio Toni?
    Abraços.

    Responder
  14. VALDIR BITTENCOURT JUNIOR

    Dalcim, no fim das contas, os 4 melhores tenistas do ano foram os semi-finalistas do AusOpen mesmo (o melhor torneio do ano).
    Wawrinka terminou o ano entre os 10, mesmo jogando apenas metade, e os outros 3 foram os 3 primeiros do ranking. Merecido.

    Responder
  15. Pedro

    Dalcim, muitas incertezas no momento. Djokovic e Murray tem números excelentes, porém até voltarem, são apenas dúvidas. Federer, a partir do segundo semestre não manteve o mesmo ritmo, com oscilações, o que o credencia para ganhar alguns torneios, mas nada permanente. Nadal, desta turma é o que mantém ainda um favoritismo porque está constante, apesar das divulgações de problemas no joelho, mas que parecem ser secundários, pois em outros momentos ele praticamente se afastou ou perdeu muito o rendimento, o que não é o caso no momento, pois ele está jogando muito bem. Wawrinka, sempre demonstrou ser tenista de torneios específicos, e aí surgem nomes de grande potencial, mas que faltavam algo, como o Dimitrov, que neste ano conseguiu evoluir, e que neste fim de temporada estava voando. Se Murray e Djokovic voltarem ao nível de antes, acredito que as 3 primeiras posições do ranking ainda continuem entre os big four, com espaço do quarto e quinto para tenistas como Dimitrov e Zverev. O que vc acha?

    Responder
  16. evaldo moreira

    Boa noite,
    Mestre, que final, e baby, rsrsrs, cresceu de fato, e há algum tempo, venho acompanhado a sua evolução desde que, Daniel Valverdu foi contratado por ele.
    Dalcim, durante a transmissão , o Acioly e/ou Narck Rodrigues, não sei quem de fato começou o assunto, seria verdade que, o staff do Murray, queria recontratar o treinador do Dimitrov?
    E o mesmo (Dimitrov), disse na entrevista, que as coisas não eram como o Murray pensava, ou seja, chegou, falou e contratou!?, kkkkkkkkkk.

    Responder
  17. Arthur

    Só tenho duas coisas a dizer sobre o Finals, Dalcim:
    1 – A derrota do Federer foi uma fatalidade. Tipo da coisa que acontece 1 vez em 1 milhão. Mas acontece. Dificilmente vai se repetir, todavia;
    2 – Uma final entre Dimitrov e Goffin em um campeonato do porte do Finals é mais uma da série #AceleraMeteoro.

    Um abraço.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Pois é , Arthur . Não admitir evolução em ninguém no Circuito, e’ no mínimo um exagero. Andy dispensou Lendl ( venceu todos os grandes Títulos com o Theco ) , e ” achou” que levaria o Técnico do Bulgaro. Deve ter visto algo que lhe agradou no momento do do Baby. Goffin se vence o terceiro Set na Final, teria batido o N 1 , N2, N 3 e o N 4 , no mesmo Torneio. Que tal dar uma olhadinha na Final da Davis contra a França em Casa. Será que o ” Saibrista” vai aprontar de novo ??? Abs!

      Responder
      1. Arthur

        Não nego a evolução de ninguém, meu caro Sérgio.
        Mas daí a achar que Goffin, Dimitrov e cia. ltda. podem fazer, com consistência, jogos parelhos com Federer, Nadal e afins, vai uma grande distância.
        Ainda acredito que o gap entre o Big4 e o restante, especialmente, os da geração perdida, continua gigantesco.
        Basta comparar, por exemplo, com Kyrgios, um representante da novíssima geração, que tem números de H2H contra o Big4 muito melhores do que qualquer um da geração perdida.

        Um abraço.

        Responder
  18. Jeferson

    Nunca fui grande fã do tênis do Goffin. Agora, chamá-lo de limitadíssimo me parece um grande exagero. Vai bem em vários fundamentos sem ser excepcional em nenhum. Confia na regularidade e vêm melhorando mentalmente.

    Acho que vale lembrar seu jogo de semifinal contra Nadal em Monte Carlo, onde vencia com uma quebra, quando aconteceu aquela marcação absurda da arbitragem. Não sabemos se ganharia o jogo e o torneio, mas estava à frente no placar. Já havia vencido Djoko nas quartas e Thiem nas oitavas, jogando de forma consistente e regular. Constatou-se que ainda precisava melhorar mentalmente (se bem que, naquele lance, qualquer um perderia a cabeça). Entendo que serviu como grande lição para o belga, que finalizou a temporada vencendo dois torneios, que, mesmo menores, ajudaram em sua confiança. Além do vice no Finals, claro.

    E falando em confiança, não sei se a temporada de Nadal seria a mesma com esse resultado adverso no primeiro grande torneio da temporada de saibro.

    Responder
  19. Diego Bezerra

    Oie Dalcim, boa noite! Foi um jogo bastante disputado e tenso é claro! Fisicamente falando ambos finalistas estão voando!! Se eles conseguirem manter o ritmo teremos um grande circuito, contando é claro com as voltas de Nole, Murray, Stan, Raonic e Nishikori! Delpo já mostrou q dá trabalho a qualquer um, Sasha já é uma realidade, apesar de ser muito jovem ainda, minha maior dúvida está em Thiem!!
    Quais nomes vc apostaria em beliscar um Slam pela primeira vez Dalcim?
    Com as voltas de Nole e Murray, Roger ainda é o maior favorito de WB?
    E Nadal, de fato é somente o maior favorito em RG com as voltas dos cacchorroes juntamente com a ascensão dos garotos?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Teremos de ver como cada um começa a temproada, Diego. Não dá para antecipar-se a isso. Mas acredito que, se Djokovic e Murray recuperarem rapidamente a forma, será difícil para os garotos. Eu acho que Zverev está mais bem moldado no momento, mas um Slam exige demais do físico e da cabeça. Talvez o Dimitrov possa dar esse salto na Austrália, Goffin ameace em Roland Garros.

      Responder
  20. Luiz Fernando

    Dalcim, nao sei se vc fará um post acerca de meu questionamento, mas, claro q qualquer previsão hj seria muito temerária, seria um mero palpite, nessa mesma época do ano de 2018, qual a chance de o ranking de simples mostrar Rafa, Federer e Dimitrov nas 3 primeiras posições? Pessoalmente acho bem improvável. Qual seria o mais ameaçado de sair das 3 primeiras posições? Penso q seria o búlgaro. Quem provavelmente entrara nos 3 primeiros lugares? Acho q o Djoko. Vc concorda?

    Responder
      1. marcocam11

        Acredito que para Federer e Nadal terminarem o ano como cabeças com tantos pontos a serem defendidos teriam que que jogar 2018 num nível bem elevado, como fizeram este ano, mas acho improvável. Mais tranquilo estaria para os que estão retornando, no segundo semestre não tem muito o que defender. Federer fez isso por 2x, teve um ano ruim, sem muitos títulos (dentro do padrão dele), e no ano seguinte sem muito o que defender e jogando em alto nível, foi para o topo, vide 2016-2017, o outro período não me lembro exato quando foi, mas acho que 2013-2014.

        Responder
  21. Chetnik

    Dimitrov calou minha boca. Esse ano ele fez mais do que eu imaginei que ele faria a carreira inteira rs. Mas pra “Baby Federer”, ainda falta muito.

    Responder
  22. Rubens Leme

    Acho que pouca gente aqui viu a antiga escola de tênis da Tchecoslováquia, que, além de Ivan Lendl e Martina Navratilova, nos deu Hana Mandlikova (3 do mundo e dona de 4 Slams), Miloslav Mecir (medalha de ouro em Seul, quatro do mundo e finalista no Australian Open e US Open), Helena Sukova (também quatro do mundo e outras 4 finais de Slams), Petr Korda (2 do mundo e vencedor do Australian Open de 1998) e, por fim, Jana Novotna.

    Era um mundo diferente em todos os níveis, especialmente no esporte, com mais países competindo para vencer, com menos influência do dinheiro, que, de certa forma, matou um pouco o esporte em geral, muito mais profissional e duro.

    Não havia Federer, Nadal, Djokovic, nem informação como hoje, conhecimento, tudo era caótico e chegava com meses de atraso. Talvez, por isso mesmo, dávamos mais valor ao que líamos e víamos.

    Bons tempos em que podia se assistir tanto os jogos do feminino quanto do masculino com o mesmo prazer, com rivais de todos os estilos e jeitos.

    É, claro, sou um cara de quase 50 anos e ainda acho que antigamente era mais divertido. Talvez nem fosse, já que o meu Palmeiras (e de Dalcim) nos atormentou o quanto pode nos anos 1980, mas me divertia em ir à Recreativa em Ribeirão Preto, onde dava minhas raquetadas para ver Kirmayr, João Soares, Cássio Motta, Ivan Kley, Danilo Marcelino, Givanildo Barbosa e o peruano Pablo Arraya se degladiarem pelo circuito Vat 69.

    Tempos que não voltam mais. Que Jana descanse em paz e obrigado pelos anos de tênis.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, a escola tcheca fez história no tênis. Os tenistas eram bancados pelo governo como forma de enaltecer a filosofia comunista. Navratilova fugiu para os EUA e pediu asilo político e sua família não podia ver seus jogos durante anos porque eram proibidos de deixar o país. Tudo na vida tem seus prós e contras.

      Responder
    2. Carlos Torre

      Petr Korda foi um dos meus tenistas favoritos daquela geração, quando ele estava com o braço calibrado, era difícil vence-lo, batia muito limpo na bola, técnica apurada.

      Responder
  23. Marcelo Monteiro

    O Aberto da Austrália vai ser muito bom de assistir com Berdych, Wawrinka, Djokovic , Nishikori e Raonic todos no “meio” da chave. Podem pintar duelos muito interessantes nas primeiras rodadas. Se a Austrália não fosse tão distante e se tivesse uma graninha, seria um ótimo programa para janeiro.

    Responder
  24. Cynthia - Araçoiaba

    Sim, o baby cresceu! Provavelmente deixou o daddy feliz! Dalcim, se não me engano, no começo o Dimi não tinha bom rendimento físico. Lembro dos comentaristas dizendo q suas pernas não aguentavam jogos mais longos. Depois, a cabecinha não ajudava, a tal da confiança. Ainda neste ano no AO ele se perdeu pro Nadal – o jogo estava em sua mão, plural não cabe numa esquerda de uma só – deixou escapar a final contra daddy. Ele disse numa entrevista q sua maior conquista, antes da final, tinha sido domar seus demônios!!! Acredito nele!!! Não sei se teria batido daddy na final … Mas, ganhou, pelo menos, dois jogos onde seus demônios poderiam ter ajudado seus adversários. E como é gostoso vê-lo jogar!!! Ao Goffin, parabéns tbem, espero q ele continue jogando desta maneira agressiva!!! Chega de devolvedores de bolinhas!!! Loa aos agressivos!!!! Né, não??

    Responder
  25. Rafael

    Que Deus possa receber Jana Novotna de braços abertos e a conservar no lugar onde ela merece. Uma grata recordação dos anos 90, trazida de volta por um motivo desgraçado, esse tal de câncer. 49 anos!!!!!

    E que as mulheres em todas as áreas se conscientizem da importância do exame preventivo, apesar que, mesmo descoberto precocemente, esse maldito câncer no seio ainda tem uma taxa de mortalidade em torno de 60%. Isso em 2017.

    Talvez a Angelina Jolie é que estivesse certa. Mas ela tem grana para fazer uma reconstrução total…

    Responder
  26. Luiz Fabriciano

    Não sei se alguém notou, mas a notícia do tenista campeão do future de Porto Alegre, aos 21 anos, juntando ao que já possuía, tem agora dois, demonstra a astronômica distância de maturidade do tênis brasileiro para a maioria do resto do mundo. Zverev (2 M1000 e participante do Finals), Shapovalov, Rublev, Coric entre outros, já são figurinhas carimbadas nos grandes eventos mundo afora. Isso mostra claramente porque nosso maior tenista da atualidade, de longe, é um duplista, e no jogo de equipe, posso até criar uma equação nova onde 1 bom + 1 bom = ótimo.
    Quanto ao Finals, o Big3 e em menor intensidade Murray, nos acostumaram a acreditar que sempre estarão em uma final. 2017 não negou isso e certamente, 2018 será mais ainda intenso, portanto, com os demais, fora do conceituado Big4, tenhamos mais cautela ao dizer que “agora vai”, especialmente no caso Dimitrov.
    Veremos pois, se fizermos uma recapitulação dos posts comentados aqui, durante a semana do Finals, que as mudanças de opinião, se fossem mostradas em gráficos, seriam verdadeiras montanhas-russas, no melhor estilo zig-zag.
    Para demonstrar a consistência presente em um grande campeão, como o Dalcim escreveu, precisamos esperar no mínimo esse próximo semestre, onde entrará nos grandes torneios ocupando posição desafiadora. E será ai que reconheceremos quem tem estrutura para aguentar o tranco. Hoje temos 4 caras que reconhecidamente desafiaram e venceram todas as expectativas de conquistas e longevidade nesse magnífico esporte.

    Responder
  27. Marcos Eloi

    Jogaco. Campeao indiscutivel. Parabens aos dois. Num ano de volta ao passado com Fedal arrasador, eis q tivemos outros protagonistas, mesmo fora do top10, como Delpo, Anderson e Kyrgios. Q wawrinka, Djoko e Andy voltem bem.

    Responder
  28. Beto Souza

    Bom dia Dalcin!
    Grande conquista do Dimitrov,ele mereceu por causa da grande campanha nesse finals que ele ganhou de forma invicta.
    Mas apesar de ver a nítida evolução dele acho que terá que ganhar um torneio em cima dos grandes (Nadal,Federer,Djkovic,Stan) pra aí sim termos a comprovação que ele agora vem mesmo pra brigar com os grandões.
    Pena o Melo não vim a conquistar esse finals,mas tem que considerar que Kontinen e Peers fizeram uma grande final.

    Responder
  29. Fonseca

    Rapaz, foi por pouco que o Goffin não salvou o quinto match-point, com um voleio simples colocado na rede… (a bola do Dimitrov veio venenosa e baixa, mas ainda assim o voleio era fácil)…

    Bela partida, o atleticismo do búlgaro bonito de se ver, a nova postura do Goffin mais agressivo muito legal… enfim, um belo torneio (fora os “desgracentos” do Kontinen e Peers derrotando brasileiros!, rsrsrs)

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Pois é , Fonseca. Eles derrubaram qualquer tipo de h2h e esse Papo de entrar na mente ( em duas consecutivas Sock levou de Dimi salvando Match Points a dar com o pau ). O ” Limitadíssimo ” vai com o ” Super Time” belga a segunda Final em 3 anos da Copa Davis. E repetiu a ida ao FINALS do ano passado. Nada e’ por acaso. E vão treinar juntos na Pre’-Temporada. Abs!

      Responder
  30. Mário Fagundes

    Numa temporada que foi salva por Federer e Nadal, ver Dimitrov vencer o Finals pode ser um ótimo sinal. Como você bem colocou, Dalcim, o “baby cresceu”. Lembro que, há uns anos, uma revista especializada em tênis apontou Dimitrov como um provável número num futuro próximo. Ainda é jovem, joga bonito… Seria o sucessor perfeito para Federer. Ele precisa de vitórias sobre os cachorrões em 2018 pra decolar de vez.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ele pode pedir tudo . Aposentado , Cansadao , Bailarina … São coisas que ele sempre combateu depois da Farmácia e da Clínica. Esta’ com crédito kkkkkkkk Abs!

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Também perguntei se vc assumiria agora a paternidade ha muito negada do Dimitrov e vc nada kkkkkkk. Seria uma bom momento kkkkk. Grande abraço!

        Responder
    2. Marcio

      Mesmo após um ano fantástico do Nadal, esse luis fernando não consegue curtir e tem que tentar menosprezar o federer, o que é impossível! Kk
      Pequeno.

      Responder
  31. humilde diante do Ser

    Eu gostava muito da Novotna e assisti, pela televisão, à maioria de suas finais nos Slams.

    Doenças degenerativas, como aquela que a matou, causam muito sofrimento.

    Espero que os cientistas voltem a se interessar nos assuntos fundamentais ao ser humano.

    É urgente sabermos sobre a mente, a alma, a imortalidade e Deus.

    Responder
  32. Mário Fagundes

    Ao Julio,

    Você pediu para que não respondesse, mas…
    Caro Julinho, não tire conclusões precipitadas. Tio Toni é um cara bem-sucedido na carreira de treinador, sem dúvida. Porém, sendo ele uma pessoa pública, tenho o direito de não admirá-lo, certo? Você certamente deve ter suas preferências no esporte, na política, na música… Caso contrário, não frequentaria um blog de tênis. Então, não me venha com esse discurso “salvador”, de “paz e amor”. Isto sim está fora de lugar. Minha avó sempre dizia: “tem gente pra tudo mesmo, tem gente que gosta de jiló”. Eu não gosto. E você? Agora sorria, pois a vida não é bela?

    Responder
    1. Sônia

      Sensacional Mário, também não gosto e jamais gostarei desse titio, mas é apenas preferência tenística, apenas isso. A vida é maravilhosa quando se sabe viver. Beijos.

      Responder
    2. julio

      Ao Mario e a Sonia, eu nãi ia responder à sua resposta, mas como será a minha última postagem neste blog, falando de coisas que não sejam tenísticas, e concordo que tem gente que não gosta de ouvir exatamente algo fora do contexto do blog, e o Dalcim como um excelente profissional e provavelmente uma maravilhosa pessoa, que dentro das normas por ele instituídas, acaba aceitando isso, tudo em nome do tênis, acaba aceitando.
      Você, a Sônia e quem concordar com a sua opinião estão completamente certos, como quem discordar também estão certíssimos, opinião é uma coisa que todos têm e que devemos aceitar, mas aceitar não é a mesma coisa de concordar, tudo depende da vivência de cada um, do caminhar da vida, dos erros e acertos, mais erros que acertos.
      Você conhece a história da râ e do escorpião?
      O escorpião acaba convencendo a râ que deva dar uma carona a ele, acaba sendo picada, e na hora da morte ela pergunta o porque, e ele responde que ela deveria saber que ele como escorpião agiria assim, e assim é a vida, e infelizmente as pessoas neste planeta, mas pode ter certeza que em outros planetas a coisa poder ser muito melhor ou até pior.
      Nõs fazemos este planeta do jeito que ele é, mas pode ter certeza que a coisa melhorou e vai melhorar muito e cada vez mais, e quem não se enquadarar nas novas regras não voltarão mais para cá, e não vai para o inferno não, porque ele não existe.
      Você acredita que ódio, rancor, maus pensamentos e atitudes é uma coisa normal e que isso não lhe afete, pois pode não afetar agora ou talvez nem afgetar nessa vida, mas depois de sua passagem a coisa vai ser cobrada, suas atitudes serão medidas por você mesmo, e você mesmo definirá a sua punição, sua consciência é o seu guia, as imposições são aplicadas quando o espírito ultrapassar certo limite.
      O mundo está assim por não se aceitar opiniões, religiões, partidos políticos, orientação sexual dos outros.
      Não devemos ficar nessa discussão interminável, e nem vou ler a sua resposta e nem responder nada, pois somente posso te mudar ao mudar a mim mesmo, te tratar de uma forma que eu gostaria de ser tratado, e até entender se você não fizer o mesmo, porque agindo assim somente me beneficiarei disso, menos raiva, estress, etc.
      Você como vai agir com isso é problema seu e de seu fígado, sua bilis, seu intestino todo, e da forma que você agir é que vai definir a sua saúde no futuro.
      Dalcim agradeço a sua paciência e profissionalismo, acredito que o serviço que você faz ao tênis é inestimável, o mundo precisa de pessoas iguais a você, que o seu blog sempre continue a caminhar nesse sentido de falar e tratar de tênis de uma forma magistral, e que cada vez mais as pessoas consigam separar as divergências pessoais e tenísticas, e sempre tentarem melhorar o nível de diálogo dentro do blog, fora dele e no planeta todo.
      Agradeço a todos, peço humildes desculpas por tratar de um assunto fora de contexto, e garanto que não o farei mais, pois estou fora de contexto e devo respeitar a opinião de todos.
      ABRAÇOS A TODOS.

      Responder
      1. Mário Fagundes

        Julio, deixe de bobagem, rapaz! Este espaço precisa de pessoas espirituosas como você. O meu ponto de vista é único: não misturar as coisas. Penso que aqui é um espaço para se falar de tênis e suas diversas peculiaridades. Por exemplo: eu e diversos frequentadores passamos RG inteiro falando da beleza das tenistas do circuito. Aí, você pode vir dizer que isso nada tem a ver com o blog. É um direito seu. Mas Sharapova recebeu convites pra disputar diversos torneios e incomodou um monte de gente. E a russa recebeu convite pelo genial tênis que joga? Sabemos que não, correto? Então, perceba: falar da beleza feminina no tênis mundial é mais que relevante. Não tente salvar as almas que aqui comentam. Assim como você, eu também não acredito no inferno. O fato é que o teor de seu texto demonstra contradições, pois prega a humildade mas, ao mesmo tempo, o define como um humano “superior” por agir diferente de mim. E mais: prega a tolerância, porém você decide não mais frequentar o espaço por estar “fora de contexto”. Fique no blog! Tenho certeza de que Sônia também não almeja sua saída. Certo, Soninha?

        Responder
  33. Fernando Brack

    Gostaria destacar a satisfação de ver o alto nível da nova geração de tenistas masculinos: 3 russos (um alemão, um canadense e um russo russo), um croata, um austríaco e um coreano. Sejam bem vindos à elite do tênis.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      E que tenham tempo de amadurecer. Sem o famoso papo de ” geração perdida”. O Big Four surgiu com a geração Pete Sampras e André Agassi se despedindo ( GUGA com grave lesão e Safin …) . Agora o Big e’ todo Trintao. As chances de divisão do bolo acontecer mais rápido e’ maior, caro Brack.Abs!

      Responder
  34. Rafael

    “Micos? Levar duas pauladas de Wawrinka em finais de slam. Peeder para Istomin….Perder final de finals para Davydenko. Dar chilique dentro de quadra, enfiar o dedo no ânus antes do saque, abraçar árvores, escrever um texto patético sobre o que é ser torcedor de Djokovic. …Vários micos….”

    Post do “Renato” na última pasta. aquele que mora em CAMPINAS.

    Absorvam….

    Até hoje o “Renato”, que posta aqui há vários MESES, lembra do post sobre o que é torcer pro Djokovic, publicado há ANOS.

    “Enfiar o dedo no ânus”. Que classe, hein? Parabéns.

    Quer saber? Muda essa de perder final do finals pra Davydenko, entrega demais.

    Responder
  35. Oswaldo E Aranha

    Gostaria destacar a satisfação de ver o alto nível da nova geração de tenistas masculinos: 3 russos (um alemão, um canadense e um russo russo), um croata, um austríaco e um coreano. Sejam bem vindos à elite do tênis.

    Responder
  36. Rubens Leme

    Com Wawrinka, Djokovic e Murray fora do top 8 o Australian Open será sensacional. Imagine a vida de um Zverev ou Dimitrov como cabeças 3 e 4 e correndo o risco de cruzar com Murray ou Djokovic nas oitavas, Stan nas quartas e Federer ou Nadal nas semifinais.

    E imagine o estrago que eles não podem provocar no torneio. Só espero que as opções por tratamento mais convencional (sem cirurgia) do escocês e do sérvio tenham sido os mais corretos.

    A cada ano, o AusOpen se revela o melhor dos Slams.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      E curiosamente Andy Murray inicia a Temporada como N 16 . A mesma que Federer iniciou este ano. E ele e Novak anda iniciam defendendo uma Final. A de Doha… Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Pode ser que o Britânico ( quem nasce na Ilha e ainda possui a maior condecoração. A de Cavalheiro da Ordem do Império Britânico , SIR Andy ) , opte por exibição. Federer pulou Brisbane e ainda caiu para TOP 17. Repete a Copa Hopman. Acredito que um dos dois ( Novak ) , vá para Sidney . Abs!

        Responder
  37. Neto

    E os jogadores que prometiam muito e estavam devendo finalmente mostraram serviço. Três jogadores da mesma geração, Dimitrov, Goffin e Sock surpreenderam nesse final de temporada.
    Lembrando que o Wawrinka só deslanchou aos 28 anos, será que esses 3 agoram vão finalmenter firmar no topo, Dalcim?

    Responder
  38. LOMEU LIMA

    DIMITROV mereceu ganhar o FINALS, isso é fato consumado. Agora como tem caixa de ressonância nesse Blog. Não se pode esquecer que as ausências de NOLE e MURRAY, aliadas ao abandono de NADAL por problemas crônicos nos joelhos e ao maior MICO do ano ( derrota do suíço para o bom GOFFIN) contribuíram para esse título do búlgaro. Em 2018, com todos os GIGANTES de volta e sem problemas físicos, os grandes títulos ficarão novamente com esse seleto grupo. 2017 foi um ano atípico no tênis, com polarização dos GS e a maioria dos torneios divididos entre o número 1 e 2. Tal feito dificilmente ocorrerá, e o curso natural será estabelecido. Equilíbrio é algo que cada de um de nós deveria cultivar antes de escrever algumas sandices.
    Bom restante de ano a todos do Blog.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      O amigo estava aonde em 2016 ? Rafa Nadal e Federer nem apareceram em Londres. E Andy e Novak chegaram Invictos a FINAL. Continuar a chamar de Mico o fato de Goffin bater Nadal e Federer em mais de duas horas de muita entrega e ousadia , e ‘ no mínimo estranho…Abs!

      Responder
  39. O LÓGICO

    Viram a missiva kkkkk do Toninho malvadeza, nadalzéticas? Num trecho ele quase que afirma que o sobrinho – vulgo UNIDIMENSIONAL KKK – só não ganhou o finals por causa de problemas físicos. E isso em tom “dramático” e “épico”, sempre pintando seu sobrinho como um gladiador kkkkkk. Ele diz que o sobrinho nunca chegou nesse torneio em condições “ideais”. Ou seja, tudo no mesmo diapasão: só não ganhou ainda porque ….. kkkkkkk Mas vamos aos fatos.

    O finals é torneio pra gente grande, kkkkk Defendo que ele é um torneio muito mais difícil de se ganhar que um slams. Sim, os slams demandam mais condição física, devido o número de jogos e de sets por jogos; mas os tenistas só pegam pedreira mesmo a partir da quinta rodada, e às vezes nem isso. Então, regra geral, eles só tem três jogos realmente difíceis. Já no finals, todo jogo é pesado e com pouca chance de recuperação, caso o tenista dê mole: justamente por ter somente dois sets por partida. E ninguém ganhou o finals jogando de forma pragmática e defensiva. Esse torneio é feito para CORAJOSOS kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Vamos dar de lambuja esse finals pro robozinho à válvula kkkkk, e vamos contar apenas “7” jogados. É muita chace para um “grande tenista”. Basta ver que não são poucos que mesmo não sendo N 1 e N2 do mundo, e até na primeira participação, abiscoitaram o torneio. Então a desculpazinha, não cola kkkkkkkkkkkkkkk

    Se depois dos slams o finals é o torneio mais importante, então falta um item essencial para credenciar o N1 genérico como um tenista realmente espetacular. E, nesse sentido, o Djokão está bem à frente dele. E o Fedex, nem se fala: Ele olhando os demais de cima para baixo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Aliás, se o cabeçudo, falo do André Agracinha kkkkkk – atual treinador da seleção chilena kkkk -, atentasse somente para esse detalhe, e tem outros, jamais produziria patranhas no varejo e no atacado kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    A única explicação LÓGICA, é que só açaí é pouco para se ganhar um finals kkkkkkkkk

    Responder
    1. Sônia

      Rsrsrsrsrsrsrs, sensacional, melhor comentário disparado rsrsrsrsrsrs. “OREMOS” rsrsrsrsrsrsrs para que mudem o FINALS para o saibro, ops, barrão e finalmente o “unidimensional” rsrsrsrs obtenha esse título rsrsrsrsrs. Beijos.

      Responder
    2. Paulo F.

      Nisso eu realmente concordo com o fake.
      Final só reúne OS tenistas do ano – só tem tubarão dentro.
      Em GS, os tubarões só pegam judiarias na primeira semana (em condições normais).

      Responder
  40. André Borges

    O título do baby ao menos diminuiu um pouco a minha imensa frustração pela derrota do Federer ontem.
    E o Marcelão quase não teve chance hoje. Em realidade tiveram uma única que o Kubot desperdiçou, de resto o que se viu foi um Kontinen/Peers sacando um pouco melhor e devolvendo absurdamente melhor, pondo uma pressão absurda e acertando devoluções de alto nível o tempo inteirinho. Hoje realmente não ia dar.

    Responder
          1. Nando

            Pior q sumiu mesmo, mestre. Fui dar uma “sapiada” nos palpites durante o masters parisiense, e o meu não estava lá, aliás o meu e o de outros. Achei estranho…só se não está aparecendo só pra mim.

  41. Sérgio Ribeiro

    Numa das Finais de melhor nível técnico dos últimos anos, só poderia terminar com um abraço caloroso entre os tenistas que levantaram a Arena O2. Os comentaristas modinha devem estar envergonhados. Goffin bateu o N 1, N 2 e o N 4 não por acaso. E ambos aos 26, amadureceram ainda a tempo de grandes conquistas. Rafa Nadal não possui o FINALS e Murray somente o conquistou aos 29. Além das qualidades citadas no Post, fica claro que ambos não temem mais o Big Four Trintao. Com um jogo de pernas excepcional de ambos, o Búlgaro demonstrou que aquele grande jogo no AOPEN contra Nadal não foi por acaso. E para os amantes da Plasticidade , o Backhand de uma mão fez estrago em 2017. Abriu o ano com o Sênior e fechou com o Baby rs ABS!

    Responder
  42. Bangladesh

    E finalmente foi feita justiça para o melhor jogador do mundo atualmente. Campeão invicto do Finals, calando a boca dos torcedores do Big Fake: Ai, minhas costas… Ai, meu joelho… Ai, meu cotovelo… Ai, meu quadril…

    Responder
  43. Sônia

    Dalcim, foi um jogaço, parabéns aos dois tenistas. Confesso que chorei no final ao ver a emoção de ambos. Finalmente eles amadureceram, na torcida para que 2018 seja muito produtivo para eles. Falando em 2018, será um ano emocionante, os meninos não respeitam mais rsrsrsrsrs, ainda bem que ELE já tem alguns troféus, pois 2018 será muuuito concorrido. Beijos.

    Responder
  44. Marcelo Reis

    Vejo este ano sob dois prismas antagônicos: o da desconfiança e o da esperança.

    O da desconfiança porque não tivemos grandes nomes do TOP 10 jogando BOA parte dos torneios (e alguns machucados) e, por isso, abriu espaço para conquista dos mais jovens. Longe de mim dizer que eles não mereceram, mas seria ingênuo dizer que ganhariam tudo que ganharam se os TOP estivessem em forma e ativos.

    A esperança é de que a desconfiança seja passageira. Este ano foi um divisor de águas, não há questionamento sobre isso. Mas ainda espero pelo derradeiro golpe da #NextGen e da “#MiddleGen” ao capturar um troféu de Grand Slam! Aí, sim, poderei sentir que a transição começará a andar em passos largos. Os trotes ela já deu.

    2017 foi espetacular! Os dois grandes titãs de volta papando os GS e ainda 5 Masters, com um percentual de vitórias altíssimo. 2018 promete ser magnífico, um verdadeiro coliseu.

    Dedos cruzados.

    Responder
  45. Luiz Fernando

    Finalmente o bulgaro saiu do incomodo titulo de “namorado da Maria Sharapova” (sem duvida foi um sortudo ao namorar essa gata, mas q isso embacou a carreira do cara não tenho duvidas) para o de tenista vencedor, pois num mesmo ano venceu um M1000 e o Finals, este ultimo de forma invicta, com méritos, batendo na final um Goffin q foi a grande surpresa positiva do final de ano. Esse rapaz, o búlgaro, me parece q agora pode alavancar a carreira, pois e talentoso e possui excelente mobilidade. Não nos esqueçamos q no AO ele poderia perfeitamente ter vencido Rafa, num jg absolutamente equilibrado. Reitero q ainda não ponho fe nele para se manter como numero 3 no ano q vem, mas q ele subiu uns bons degraus rumo ao topo isso e inegável.

    Responder
    1. Mario Cesar Rodrigues

      Meu caro,preste atenção.Dimitrov,é um bom jogador O Belga é um bom jogador,mas espere ai quem manja um pouco do tênis num todo..sabe que eles não vão aguentar o tranco é normal,Federer eu ainda ponho fé que possa fazer alguma coisa,vai depender da motivação dele,Rafa como sempre vai lutar,Nole deve vir com tudo mas não é tão simples assim Nole vamos ver até que que engrene se ele vir com sede mesmo e jogar bem não tem para ninguém,e outra coisa o Andy sinceramente tenho minhas dúvidas que jogue AO,sério!E Rafa se estiver bem, no saibro pode beliscar talvez 2 torneios e sinceramente se estiver bem em RG não tem ninguém nem Nole,lá repito se estiver bem não sei quem disse ai que o belga é uma ameaça a RG,gente verdadeiros Campeões desta geração são 3 Rafa,Federer,NOle os ganhadores mesmo são eles o resto esporádicamente tem seus dias de glória.claro que Federer e Rafa não váo ficar muito tempo,Andy o negócio que falam que ele está treinando e bem conversa fiada está no máximo batendo na bola!Valeu!

      Responder

Deixe uma resposta para Rafael Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *