Renovação em Londres
Por José Nilton Dalcim
18 de novembro de 2017 às 21:19

Para completar uma temporada totalmente atípica, o ATP Finals terá um campeão inesperado. Grigor Dimitrov, agora terceiro do ranking, e David Goffin, que jamais fez sequer uma decisão de Masters 1000, irão disputar o quinto mais importante troféu do tênis masculino às 16 horas num jogo que promete ser um curioso duelo de estilos.

Goffin é certamente uma surpresa das grandes. Na segunda-feira, levou um sufoco para ganhar de um Rafael Nadal um tanto manco e na rodada seguinte foi massacrado pelo mesmo Dimitrov. Recuperou-se com facilidade diante de Dominic Thiem e não parecia uma presa complicada para Roger Federer. E foi assim o primeiro set.

Quando o suíço deu uma tremenda bobeada no começo da outra série e deixou escapar um serviço que estava tranquilo, tudo mudou. Goffin ganhou confiança, passou a sacar cada vez melhor, ousou maior agressividade até mesmo com o forehand e se deu ao luxo de algumas espertas subidas à rede. Forçou devoluções e viu o serviço do adversário oscilar. Federer, quem diria, precisou se defender muito e vieram erros da base. Resultado justíssimo.

Dimitrov conseguiu afugentar um poderoso fantasma e aí residiu a maior qualidade na virada contra Jack Sock, o mesmo adversário para quem perdeu os dois últimos jogos com total de cinco match-points desperdiçados. E não é que, de novo, Dimitrov jogou fora quatro oportunidades de fechar com o saque a favor no game definitivo? Mas não, desta vez segurou os nervos e concretizou na quinta tentativa. A expressão era de alívio, principalmente porque poderia ter ganhado muito antes e com menor esforço.

Assim, teremos uma decisão de título e do gordo prêmio de US$ 2 milhões entre tenistas bem antagônicos, o que geralmente significa bom tênis e emoções. Dimitrov aposta no primeiro saque, gosta de atacar, usa seu backhand simples para variar slices e golpes batidos, voleia com categoria e é bem atlético. Goffin sempre preferiu atuar no contragolpe, dono de pernas ágeis e um backhand de duas mãos poderoso, tendo agregado um saque mais efetivo nesta temporada.

Se for campeão, Goffin será o quinto do ranking final da temporada. Tenho a impressão que pouca gente poderia prever uma configuração dessas. Que 2017 maluco.

Vamos, Marcelo!
Pouco antes, às 13h30, hora de torcermos para uma grande e inédita conquista para as duplas do tênis brasileiro. Marcelo Melo tenta coroar uma magnífica temporada ao lado do polonês Lukasz Kubot com um título que conseguimos uma única vez, há 17 anos, com as mãos mágicas de Gustavo Kuerten. Aliás, Melo também reviveu Guga em Roland Garros do ano passado e nos fez lembrar de Maria Esther Bueno em Wimbledon de julho.

Importantíssimo destacar a atuação magnífica do Girafa na semifinal de hoje, em que ele e Lukasz Kubot deram mínimas chances a Ryan Harrison e Michael Venus. O mineiro brilhou das mais variadas formas, seja em devoluções precisas e milimétricas, grande reflexo junto à rede, habilidade incrível para dar lobs improvisados e reagir a uma bola que chegou a passar por seu corpo. Para um tenista que tem 2,03m, são lances ainda mais difíceis.

Pena que Bruno Soares ficou de fora da decisão, já que ele e Jamie Murray caíram muito de produção a partir do tiebreak que finalizou o primeiro set. Henri Kontinen e John Peers são mesmo uma pedra no sapato. Atuais campeões do Finals, também levam vantagem no confronto direto com Melo/Kubot, o que exigirá máxima concentração desde a primeira bola.


Comentários
  1. Jorge FS

    Sem desmerecer mas sendo realista, Finals sem os grandes Djoko, Federer, Nadal e Murry fica sem a competitividade que prende nossa atenção. E o jogos perdem muito em técnica. Vamos torcer para que o ano que vem Djoko e Murry estejam bem, para que as finais dos grandes torneios fiquem mais emocionantes.

    Responder
  2. Sandra

    Dalcim, uma curiosidade, você tem alguma explicação para o Djokovic não ter começado os treinos com bola ainda??? Se Murry e Stan e outros contundidos já começaram a treinar???grata

    Responder
  3. Luiz Fernando

    Ao contrario do q eu supunha, Goffin esta fazendo um grande jogo frente a Dimitrov, esse ultimo a quem eu considerava franco favorito. O belga acaba de vencer o segundo set e seria incorreto da minha parte não corrigir o erro q postei, menosprezando-o, pois ele esta jogando em altíssimo nível, demonstrando o pq de estar nessa final. Creio q ambos estão ocupando lugares no ranking q perderão com a volta dos contundidos, mas não se pode deixar de dizer q pela primeira vez estamos vendo um tênis de muito alto nível, q se persistente poderá incomodar os principais jogadores da atualidade no ano q vem, algo q eu não imaginava ate este torneio.

    Responder
  4. Rodrigo S. Cruz

    O Federer foi o melhor jogador do ano, incontestavelmente…

    Para quantidade de torneios que o Nadal jogou a mais, a diferença de pontuação entre eles deveria ser sido maior.

    E óbvio. Sem deixar de mencionar as 4 surras que tomou, né?

    Responder
  5. Luiz Fernando

    Se ontem o Kontinen jogou demais, hj o Peers o acompanhou, dominando seus games de serviços e sempre apertando a dupla do Melo, embora o placar tenha sido 64. A dupla do brazuca precisa melhorar muito no segundo set.

    Responder
  6. Luis

    Dalcim devemos ver lugares vazios na final Finals antes do torneio imaginavam Federer X Nadal na final ou pelo menos um Suíço pelo histórico no torneio,Federer errou muito contra Goffin que e’ bom devolvedor como disse Federer achou jeito de vencer suíço que não se dá tão bem quando ficam trocas de bolas mais longos exemplo maior contra Djokovic ou Nadal ,2017 foi mais do que sonhado pro Suíço mas perdeu grande chance vencer mais um Finals e o número 1 acabou perto mas preferiu jogar alguns torneios com maior chance vencer,acha que Federer deve repetir em 2018 e se tem chance nos Slams ? parece bem no fisico

    Responder
  7. Mário Fagundes

    “O adeus de de Tio Toni”. Alguém vai sentir saudades desse cara-de-pau? Talvez o sobrinho dele. Tchau, Toni! Já vai tarde! O tênis poderia ter sido melhor sem você.

    Responder
    1. julio

      o que ele te fez de mal?
      Somente porque ele é técnico do Nadal?
      Você sinceramente acha que ele poderi aassim num caso bem extremo, até ficar chateado por você não gostar dele?
      Eu sinceramente acredito que você tem com certeza, lá no fundo de sua alma, alguma coisa a fazer melhor que sentir raiva de uma pessoa que não te conhece, e com certeza nunca pensou em lhe fazer mal.
      Agora, sinceramente por favor faça o seguinte execcício, e não precisa nem responder aqui, pense se essa sua atitude poderá lhe fazer bem ou mal.

      O que por acaso uma atitude de não gostar ou até me parecer odiar uma pessoa que nunca vai saber de sua existência, poderia lhe fazer de bem?
      Abraços bem grande no coração, e por favor eu não quis de forma nunhuma lhe magoar ou atingir, o que eu quis é somente levantar esta questão para o UNIVERSO, amar é o que interessa.

      Responder
  8. Neuton

    Lembrando que tudo isso só aconteceu porque Djokovic, Murray, Raonic, Wawrinnka e Nichikori machucados.
    Ou seja, 5 dos top10 abriram brecha para novatos.
    Obs: esse tal de “O Lógico ” é doido?

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Que novatos , caro Neuton ? Ano passado sem Federer e Rafa Nadal , a final foi Novak x Andy. As melhoras apresentadas por esses jogadores de 26 não tem nada a ver com isso. Porque Del Potro , Tsonga e Cia não estavam presentes em Londres ? Abs!

      Responder
  9. Luiz Fernando

    Ambiente de velório aqui nos comentários kkkkk, poucos comentários, pq será? Será pq o magistral Goffin, q até ontem era mané e agora tornou-se um grande jogador, venceu? E até parece q foi Nadal q jogou ontem e perdeu, ele está tão citado quanto quem de fato jogou, e deu vexame, como citado por alguns torcedores no outro post. Rafa baleado deu mais trabalho ao magistral belga do que o grande Federer, só pode ser piada kkkkk! Será q não faltou açaí suíço lógico kkkkkkk? O grupo do cara era tão forte q nenhum participante estará na final kkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!!! Humildade não faz mal a ninguém kkkkkk!!! Mas não se pode reclamar do ano, afinal, disputando 3/4 da temporada em pisos mais rápidos e ser número 2 do mundo é um grande feito, parabéns aos torcedores do genial suíço, isso ele inegavelmente é, pelo grande feito…

    Responder
  10. Marcos Ribeiro

    Federer, Nadal e Djokovic elevaram o nível do tênis profissional, e isto veio para ficar. A geração seguinte tem de buscar este nível para vencê-los e, com muitos buscando, alguns alcançam. Dimitrov já chegou. Costuma dar umas vaciladas, mas tb. tem melhorado no mental, até por já ter melhorando no físico e técnico. E todos vacilam às vezes. E outros mais chegarão…

    Quem assiste tênis porque gosta do esporte, continuará assistindo e gostando. Quem virou torcedor de um jogador, costuma achar que deixará de se interessar quando o seu ídolo se aposentar, pelo que leio neste blog. Mas acho provável que, quando isso acontecer, irá procurar outro ídolo. Em poucos anos saberemos.

    Responder
  11. PIETER

    A verdade é que o Federer ainda não havia mostrado uma atuação realmente convincente neste Finals. Ficou muito claro que, se ele quisesse vencer este ano, teria que elevar seu nível de jogo: deu no que deu. Méritos totais do Goffin.
    Da mesma forma, obviamente estarei torcendo muito pelo Marcelo e seu parceiro mas, se não jogarem muito bem hoje, vai ficar difícil. Boa sorte a eles.

    Responder
  12. João sawao ando

    Como falei em um comentário anterior esta das vez mais difcil para o Roger…juventude conta …Roger com Dificuldade para mover as pernas. ..uma pena ….renovação no tenis mundial com grigor e goffin

    Responder
    1. João sawao ando

      Está começando o momento que nos torcedores do Roger passemos a torcer para o grigor…e a passagem do bastão …infelizmente. espero que o Roger jogue até tokio

      Responder
  13. Luiz Fernando Bessa

    Dalcim, pesquisei agora e notei que vamos terminar o ano sem nenhum brasileiro no top 100 de simples da ATP. Que dureza hein… Sabe desde quando isto não acontecia?

    Responder
      1. João sawao ando

        E o racista do Guilherme clezar vai jogar também…pensei em mandar fazer uma camisa contra esse tenista racista…e olha que o nissei Pedro sakmoto também vai jogar…espero que vc posta esse meu comentário dalcim. …fui duro mas verdadeiro

        Responder
        1. João sawao ando

          Devo fazer um cartaz .mostrando no intervalo ….espero que os seguranças do country não me retirem vai ser um protesto pacífico e democrático…mas o clube e elitista.o post – cbt não convoque um tenista racista a equipe do brAsil não merece passar essa vergonha no mundo.devo estar com uma camisa Verde do Brasil .não de futebol…ou do botafogo
          Espero nao ser expulso do country…rs

          Responder
          1. João sawao ando

            Vi o jogo do clezar contra um português o Gonçalo …mas não tive coragem de mostrar o cartaz encontrei um conhecido do Marina barra clube e ia ficar estranho….vou deixar pra la…

  14. Leonardo Faria

    Olá Dalcim, segue meu relato in loco do que vi.

    Dessa vez assisti o jogo do Goffin x Thiem e Federer x Goffin e do Melo/Kubot x Venus/Harrison.

    Goffin x Thiem teve jogo até o 3×0 no primeiro set para o Thiem. Depois disso, ele passou a errar todo tipo de jogada. Errava direita, esquerda, saque, tudo.. E o pior que, cada vez que errava, ao invés de tentar calibrar o golpe, tentava bater mais forte ainda e, consequentemente, errava mais. Então o Goffin nem precisou atacar muito.

    Federer x Goffin, no primeiro set foi um massacre. O Goffin simplesmente não conseguia fazer winners no Federer. Fez 2 ao todo e de saque, tendo ganhado seus parcos pontos, na maioria com ENF do Federer.
    No segundo set, vendo que se continuasse assim a vaca iria para o brejo, começou e enfiar a mão, mudando a direção da bola e usando seu excelente backhand. É impressionante a facilidade dele com esse golpe. Começou também a atacar bem mais o saque do Federer tendo feito excelentes devolução e alguns winners assim. Bem, como ele enfiava a mão e a bola estava entrando, a confiança cresceu, e aí o Federer, que já não sacava tão bem e estava um pouco errático, não conseguiu reverter o quadro. Teve break no 3×2 do set decisivo, mas fez um erro bolo e não mais conseguiu reverter. Méritos também para o Goffin que conseguiu a queda prematura no 3 set e manteve a cabeça no lugar sem se afobar, tendo iniciado o game decisivo com 2 aces.

    Já o Melo/Kubot estão jogando um absurdo nas duplas. Sacando bem, devolvendo bem e mais ainda, não errando nenhum voleio. Isso acaba colocando uma pressão muito grande nos adversários. De todas as duplas que vi, são a que estão jogando melhor e, na minha modesta opinião, são favoritos.

    Bem, é isso. Espero que tenha contribuído de alguma forma.
    Abraços

    Responder
  15. Marcos RJ

    Final inusitada sim, mas o ATP Finals fica em ótimas mãos. Dimitrov vem subindo de produção e jogando e sempre com um jogo de grande plasticidade, embora peque pela insegurança em alguns momentos.
    Goffin não tem potência, mas joga com inteligência e elegância e o que dizer das vitórias sobre os donos da temporada? Se fosse um filme, seria “David e Golias” parte I e II (com duplo sentido, claro).
    Tem tudo para ser uma ótima final e digna avant-premiere de um futuro não muito distante. Podemos até achar tudo muito estranho agora, mas as surpresas devem ficar cada vez mais frequentes em 2018.
    Abracos

    Responder
    1. Viviane

      Foi exatamente o que achei. Federer o subestimou. O havia vencido com facilidade no último jogo entre eles e deu no que deu. Sou super fã do Federer e afinal ele é humano. Eu como torcedora estou super feliz por esse ano dele e vamos que vamos.

      Responder
  16. Gilvan

    Acho que o Federer foi muito conservador ao longo de toda a partida. A partir do 2o set, vendo que o Goffin estava firme do fundo ele deveria ter tentado variar. Subiu pouco a rede, não atacou nas devoluções e deixou o Goffin muito confortável, provavelmente esperando um momento de instabilidade emocional do belga.
    Esse momento até veio (o game seguinte a quebra do 3o set), mas uma vez mais o suíço não soube aproveitar.
    Enfim, foi uma das piores partidas dele no ano, mas o Goffin fez por merecer a vitoria. Não fraquejou, saiu de sua zona de conforto e manteve o Federer nas costas.

    Responder
  17. Sérgio Cipriani

    E a “iludo-idólatra” torcida Helvética não se cansa de passar altos recibos… hehehe Grupo mais difícil… kkk Sei…. kkkk O que aconteceu no confronto entre os grupos?! Tah lá Dimitrov e Goffin pra rir de vcs… rs Esperando pela próxima… kkkk

    Responder
    1. Nando

      Mas um “modinha” apareceu….o q uma derrota do melhor de tds os tempos não faz hein? Ressuscita até defunto.
      E o cotonete, onde está? Ganhou o q esse ano?

      Responder
  18. Rubem Corveto

    Dalcim ,
    Eu já tinha comentado há cerca de dois meses que este seria o pior Finals de todos. Como pode acontecer tanta Zebra num ano no tênis em que os três primeiros do início do ano ficaram de fora – incluindo os dois finalistas do ano passado.
    O tênis está renovando mas me parece que caindo muito a qualidade. A era mágica de ouro do Tênis, com estes fantásticos Top 4 chega ao fim.O conforto e lembrar que tivemos o prazer de assistir memoráveis partidas Federer x Nadal, Nadal x Djoko ; Federer x Djoko.

    Responder
  19. Nando

    Mestre, achei q o jogo seria fácil outra vez (como sempre foi contra Goffin), ainda mais depois do 1° set…e eis q Federer passa a errar mto (qts erros de FH hein?), e Goffin passa a acertar td e a jogar mto bem. Fiquei puto com essa derrota…mas fazer o q né?
    Federer encerra essa grande temporada com 7 títulos em 12 disputados (2 Slams, 3 masters e 2 ATPs 500, e ainda fez outra final de masters), com somente 5 derrotas no ano…e como o melhor tenista no ano, em termos de beleza, qualidade de jogo e de conquistas.
    Agora vamos ver como será 2018, espero q ele faça uma boa preparação, se divirta na Hopman, para ir com td no AO.

    Uma pergunta Dalcim: Ultimamente Federer tem errado mto FH, seria o fato de jogar mto agressivo? E hoje, pq ele não subiu tanto à rede no 2° e 3° set???

    Responder
    1. Sônia

      Fica triste não Nando, derrotas acontecem, como disse um colega no post anterior, nesse esporte tem dia que nada dá certo. Goffin mereceu a vitória, jogou muito bem. Vamos aproveitar enquanto ainda podemos vê-LO em quadra pois infelizmente a “despedida” se aproxima. Beijos.

      Responder
      1. Mário Fagundes

        Também fiquei com esse sentimento, Sônia. Partida estranha. Pelo menos apostei em Dimitrov na final. Tomara que vença e decole em 2018. Há uns anos muitos apostavam que ele seria N1. Seria uma passa de bastão bem bacana. Ainda é jovem, joga bonito e tem carisma. Tomara que decole de vez na carreira.

        Responder
  20. Luiz Fernando

    Esse sem duvida nenhuma será lembrado como um finals atípico, semelhante ao USO2014, no qual Cilic enfrentou o japa na final. Torço para q q Dimitrov vence, pois vejo nele um jogador muito superior a Goffin, este um órfão aqui no blog, abandonado pelo pai ingrato kkk. Quem mandou Federer dormir nos louros e menosprezar o adversário? E depois ainda ficou com aquele sorriso falso, digno de uma nota de 3 reais, ao cumprimentar o belga na rede.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Não o conheço pessoalmete , L.F. Federer com olhar falso ? Perdeu para alguém que nao estava ali por acaso. Muito difícil para alguem como você sem assistir jogo algum entender. O nosso amigo mandou o N1 e o N2, de volta para o Passado. E pode mandar Dimi de Volta para o Futuro!!! ABS!

      Responder
      1. Jefe

        Sergio Ribeiro, que comentário sensacional!
        Sim, quem sabe o bastão não foi passado, até porque ninguém imaginava esses 2 jogadores fazendo a final do Finals.
        E dimitrov já ganhou um master 1000 esse ano.

        Responder
  21. Renato

    Micos? Levar duas pauladas de Wawrinka em finais de slam. Peeder para Istomin….Perder final de finals para Davydenko. Dar chilique dentro de quadra, enfiar o dedo no ânus antes do saque, abraçar árvores, escrever um texto patético sobre o que é ser torcedor de Djokovic. …Vários micos….

    Responder
    1. Eduardo

      Onde esta? numero 1 do mundo. considerando que 70 por cento dos torneios importantes são na rápida/grama, está razoável. !! Sr. Lógico…a cana kkkkkk é kkkkkk doce kkkkkkk . bom kkkkk dokkkkmingokkk

      Responder
  22. Renato

    Pois é. O mané que costuma se referir a quem não idolatra Nadal como ‘fake’, resolveu fazer um fake no facebook para poder fazer comentários no tenisbrasil. Que coisa feia! Hipocrisia, a gente vê por aqui.

    Responder
  23. Renato

    Algumas certezas do ano que quase acabou: 1- Federer é, indiscutivelmente, o melhor tenista do ano e que jogou o melhor tênis. 2- Nadal não é mais pareo para Federer fora do saibro. Um freguês nas outras quadras. 3- Se não fosse a lesão nas costas, Roger teria levado Montreal, Cinci e U.s open tranquilamente. 4- Nadal é número um fake. Uma das maiores injustiças o melhor não ser número 1. 5- Nadal so vencerá wimbledon ou o finals jogando video game.

    Responder
  24. Jones Ferreira

    Dalcim, não se você reparou também, mas eu tenho achado nos jogos em que a quadra é lenta, que o Federer no segundo set já chega mais lento nas bolas.
    Seria legal ele trocar o treino atual pra tentar chegar mais inteiro.

    Responder
    1. Jefe

      Natural, percebo também falta de intensidade entre alguns games e outros.
      Absolutamente natural.
      E daqui e pouco, tanto ele quanto Nadal, vão acabar parando.
      No entanto, derrota dura esta de ontem.
      Desta forma, temos que os números do Tênis continuam os mesmos, e continuarão por muito tempo, senão vejamos.
      237.
      302.
      19.
      6.
      Na ordem de importancia e dificuldade.
      Acho que djoco pode vir a derrubar o número de finals. Boas as chances.
      Número de Slams a distância entre o primeiro para o segundo continua a mesma, apesar do excelente ano do espanhol.
      Curtamos o circuito.
      E aproveitemos Federer, pois um dia acabará.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *