PeRFeito
Por José Nilton Dalcim
15 de outubro de 2017 às 13:17

Poucas vezes vi um primeiro game fazer tanta diferença num jogo de tênis. Parece que, ao lutar e perder seu serviço logo de cara nesta final de Xangai e com dois backhands magníficos do adversário, Rafael Nadal acordou os fantasmas que o atormentaram na Austrália, Indian Wells e Miami. O canhoto espanhol encheu então Roger Federer do elemento mais perigoso de seu tênis: a confiança.

É quase inacreditável que o suíço tenha jogado de forma tão agressiva, encurtado pontos, disparado forehands e backhands perigosamente próximos da linha e ainda assim tenha terminado o duelo contra o número 1 do mundo com apenas 11 erros não forçados, nove a menos que o sempre regular Nadal. Difícil ser mais perfeito do que isso dentro do estilo que adota.

E o que falar da produtividade de seu serviço? Um único 30-30 em toda a partida, sete dos nove games de saque com 40-0 ou 40-15, incluindo um ‘game real’ de quatro aces. Federer não baixou a intensidade um minuto sequer, manteve pressão absoluta, variou direções e efeitos. E, talvez ainda mais significativo, aproveitou a segunda bola para buscar winners no lado aberto, sem inventar moda. Rafa muitas vezes nem tentou se defender.

Mais veloz piso do circuito de quadras sintéticas, Xangai comprova que Federer continua soberbo nessas condições. O domínio e apuro técnico-tático lembrou muito aquela final de Cincinnnati em 2015 contra um Novak Djokovic na ponta dos cascos. E reafirma a importância de o suíço estar despreocupado com as costas para produzir um tênis altamente competitivo.

Na entrevista oficial, Nadal não quis falar sobre um possível problema no joelho. O espanhol não teve uma atuação tão ruim. Conseguiu segurar bem os games de serviço depois da quebra inicial, ainda que Federer devolvesse muitas vezes no seu pé. Ficou é verdade acuado no fundo de quadra, sem muita chance de tentar alternativas, tal a velocidade dos golpes do suíço. Em certo momento, a câmera o flagrou reclamar que estava ‘rápido demais’.

Rafa também deixou claro que as participações na Basileia e em Paris não estão garantidas, talvez como forma de se poupar para o grande sonho de vencer o Finals de Londres e cumprir a meta já declarada de terminar o ano como número 1.

A vantagem sobre Federer ainda está folgada e obrigará o suíço a fazer grandes campanhas para ao menos se aproximar e ameaçá-lo em Londres. Seria no entanto genial se 2017 terminasse com um duelo direto entre eles pela liderança do ranking.


Comentários
  1. José Eduardo Pessanha

    Mestre, o Félix disputou o quali de Basel. Perdeu pro Benneteau por 6/4, 6/3. Uma pena, mas ja´, já veremos o moleque nos princiapis torneios. Abs.

  2. José Eduardo Pessanha

    Parabéns pro Delpo, campeão de Estocolmo. Dá pra beliscar uma vaguinha pro Finals. E, convenhamos, ninguém merece um Carreño Busta no Finals. É um discípulo fiel dos maratenistas que dominaram o ranking nos últimos anos. Vade retro, coisa ruim. kkk

  3. Luciano Serafim

    Dalcim, boa noite
    Parece que Federer vai para o master 1000 Paris, teve estar acreditando no Nº 1 ainda, abç

    Roger Federer will play Basel and Paris Masters before ATP World …
    http://www.express.co.uk › Sport › Tennis
    Traduzir esta página
    4 dias atrás – ROGER FEDERER will play tournaments in Basel and Paris before the … next week and the Paris Masters – an ATP 1000 event – a week after.

  4. Luis Alves

    Oi Dalcim, caso Federer vença Basiléia, e depois vença também Paris e o Finals com Nadal vice nos dois torneios, e os dois sem perderem jogos na fase de grupos do Finals, qual seria a diferença de pontos entre eles ao final da temporada?
    Obrigado e abraço,
    Luis

  5. Oswaldo E Aranha

    Nando, quem me deu o meu nome foram meus pais e ninguém poderá mudá-lo. Se enfiaste a carapuça é problema teu. O Rodrigo S. Cruz discordou em parte do que escrevi mas foi ético.

      1. Pedro

        Dalcim, certa vez vi um gráfico na transmissão em que mostrava a velocidade das quadras, porém não encontrei na internet. Você tem conhecimento?

          1. Pedro

            Valeu Dalcim, excelente material. Pesquisei um pouco no site da ITF e vi como são feitas as análises. A maioria das bolas se encaixa no tipo 2 que são para quadras médias (velocidade), que são as duras. Mas não achei nenhum material sobre a velocidade das bolas. Você tem conhecimento?

  6. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    achei a estreia do Federer um pouco dura. Igual a do US OPEN. Mas de qq modo, independente do resultado na Basel, acredito que o Federer não jogue em Paris, logo a luta pela número ao meu ver se encerrou, como já havia mencionado anteriormente.
    Uma dúvida Dalcim, vc sabe quem foi o tenista mais velho a ganhar um título de nível ATP? Seria o carrasco do Bellucci em Quito?

    1. José Nilton Dalcim

      Apesar de a ATP ter sido criado em 1973, considera-se Pancho Gonzalez, que tinha 43 anos e 273 dias quando venceu Kingston em 1972.

  7. Marcio

    Mestre, os números realmente impressionam.
    Se o Nadal ficar por mais dois anos consecutivos como número um, isso não faz cócegas a esse recorde do Federer.
    É isso mesmo??

  8. André Rinaldi

    Finalmente está confirmada a presença de Roger Federer no ATP 500 da Basiléia. Ótimo notícia!
    Dalcin, por acaso algum canal deste nosso querido país irá transmitir tal torneio? Obrigado!

  9. José Eduardo Pessanha

    Mestre, da série “Fatos que nunca mais se repetirão na história”, tivemos hoje uma semifinal de torneio ATP com dois bósnios se enfrentando: o bom e velho Dzumhur e outro que eu não conheço. rs

    Abs.

  10. Pieter

    Brilhante!
    Essa é a definição da performance do Thiago Wild agora há pouco na semifinal do future em que ele está jogando lá na Turquia.
    Ainda estou em choque com a atuação do garoto frente ao rival 12 anos mais velho, mais de 250 posições acima no ranking e que derrotou, ontem, o cabeça de chave número um.
    Por muito pouco, o brasileiro não aplicou uma bicicleta no italiano, ficando o placar final em 6/0, 6/1.
    É inescapável não ficar otimista com o Thiago. Tomara que não lhe falte apoio e ele não se perca no caminho do profissionalismo.

  11. Rafael Wuthrich

    E o WTA Finals, Dalcim? Que sorteio maluco. Em um grupo só tenistas agressivas e em outro tenistas de tênis mais conservador. Te surpreende? Quem você acha favorita?

    Uma dúvida: Sloane Stephens não se classificou mesmo tendo vencido o US Open?

    1. José Nilton Dalcim

      A WTA não usa essa regra, Wuthrich. Sim, grupos ficaram curiosos a ponto de que a velocidade do piso nem faz tanta diferença assim. Não vejo uma favorita clara, mas apostaria na Muguruza.

  12. Rafael Wuthrich

    Dalcim, saindo de Federer e Nadal, e olhando o ranking, com a fase tenebrosa de Thiem, a ruim de Zverev (outro que não fez nada desde Montreal) e a incerteza de Cilic, dá.pra dizer que o número 3 está nas mãos de Dimitrov, que é quem vem jogando melhor desses todos? Quem você acredita que termina como 3 do mundo?

    1. José Nilton Dalcim

      Os dois estão bem atrás do Zverev no ranking da temporada, coisa de 900 para Dimitrov e 700 para o Thiem. Então os dois terão de jogar muito bem nesta reta final. Sou mais Zverev.

  13. Pedro

    Dalcim, vi comentários do Zverev e do Nadal sobre as bolas Dunlop de Xangai, em que eles afirmavam serem lentas, embora o piso fosse rápido. Ao mesmo tempo o alemão disse que a HEAD ATP é a bola mais rápida. Isso é verdade? Em relação a quadra do Finals, ela é comparável a qual quadra em termos de velocidade? E qual bola é escolhida para lá?

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, a Head é mais rápida e será a bola do Finals. Acho que Londres é muito parecido com Paris, talvez um pouquinho mais rápido.

  14. Oswaldo E Aranha

    Sou realmente torcedor do Djokovic, mas não sou exclusivista e também aprecio jogos do Shapovalov, do Monfis, do Berdish e de outros, mas ainda que não aprecie a postura do Nadal em quadra não uso adjetivos pejorativos que refletem um mal estado de espírito de quem está de mal com a vida, o que não é o meu caso.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Ok, Aranha.

      Vou ser 100% sincero.

      Existem outros nomes que eu curto demais: o próprio Shapovalov que você citou, tem também o o Fognini, o Kyrgios, o Dimitrov, o Wawrinka.

      Aliás, se algum desses caras disputasse uma final de Slam contra o Federer, eu nem titubiava:

      Torceria por eles, e não pelo suíço!

      O Federer já tem 19 Slams, o Stan tem apenas 3, e o restante não tem nem um…

      Em TODOS os demais casos, aí sim, a minha torcida será sempre pelo Federer.

      Por que? Por ser o jogador mais espetacular que eu já vi…

      Por encarnar tão bem, as coisas que pra mim importam mais no tênis: técnica, improvisação e resultados.

      Mormente, quando ele duelar contra os dois assassinos do tênis-arte: Nadal e Djoko.

  15. Nando

    Mestre, vi q irão mudar as cores das quadras do masters de Paris…será q estão pensando em deixá-la mais veloz tbm? Pois é inadmissível uma quadra indoor tão lenta.

      1. Arthur

        Ele postou no Twitter uma foto na quadra com o Marco Chiudelli, Dalcim.
        Acho que é um sinal de que ele realmente não deve pular a Basiléia, mas sim Paris.

        Um abraço.

  16. Abelha

    Federer faturando M1000 gera mais comentários que Nadal ganhando GS. Não sei se na média mundial há equilibrío de torcidas (não é o que indicou o público na final de Xangai), mas aqui nesse espaço maravilhoso do mestre Dalcim não tem pra mais ninguém. #blogdogoatbrasil.

    1. André Barcellos

      Não há equilíbrio aí fora. O espanhol é muito querido, mas o suíço é mais adorado.
      Vi jogos dos dois no finals de 2015 e no USOpen.
      Nadal tem alguma vantagem em uma das redes sociais, se não me engano.

      1. José Eduardo Pessanha

        André, a Sharapova tinha mais seguidores no Facebook do que o Federer. rs. E, mesmo assim, ninguém tem dúvida de que a torcida do Federer é dezenas de vezes maior do que a russa. Arrisco dizer que Federer é no mínimo 5 vezes mais popular do que o Nadal. 90% do público (ou mais) na final do Australian Open era dele. Na China, então, o massacre foi ainda maior. Abs.

  17. Eduardo

    Dalcim, a ESPN e fox não transmitem mais ATP 250?? Ou só alguns torneios….Não achei na programação esse findi…

    Outra pergunta, tu sabe se é boa a assinatura do site oficial da ATP p ver os jogos? Sabe se dá pra dividir a assinatura e assistir ao mesmo tempo? Como funciona?

    Obrigado!

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, vale o investimento. Não mostram tudo e muitos torneios só das quartas em diante. Mas tem ótima qualidade e até replays. Acho que não dá para assistir dois jogos ao mesmo tempo.

    1. Luiz Fernando

      Estou sofrendo muito mesmo: número um do mundo, 6 titulos no ano, 2 GS, 2 M1000, 3 decacampeonatos. Por outro lado, se vc me perguntar se 4 derrotas seguidas p Federer no ano, algo que eu nunca imaginei, incomoda, com sinceridade, sim,incomoda. Abs.

  18. Arthur

    Dalcim,

    O que dizer dessa sucessão de jogadores abandonando a temporada 2017?
    Já havia Murray, Djoko, Wawrinka e Nishikori. Agora, temos Raonic, Berdych e Kyrgios.
    Será simplesmente a bruxa solta?
    Ou será que estão se espelhando no exemplo de Federer e Nadal de 2016 pra tentar descansar o corpo e fazer uma boa pré-temporada?

    Um abraço.

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acho que houve uma triste coincidência em alguns casos, mas é um alerta evidente para a ATP. Porque tivemos algo semelhante com Federer e Nadal no ano passado. Ou seja, duas temporadas atípicas, que prejudicam a competitividade e o público.

      1. Pieter

        Verdade absoluta! Não fossem os veteranos Federer e Nadal essa temporada seria bem desprovida de emoção e competitividade. Eles ainda são insubstituíveis no circuito.

  19. Luiz Fernando

    Dalcim vc tem mais conhecimento do q eu, me corrija se eu estiver errado, mas não me recordo de uma temporada com tantos jogadores de alto nível encerrando a temporada precocemente. Djoko, Murray, Raonic, Berdych, Wawrinka, Nishikori, talvez algum outro q eu não me recorde. Como explicar isso? Será q apenas a faixa etária, afinal muitos são trintões, seria a principal responsavel? Atribuir isso apenas a faixa etária me parece muito simplista, qual sua impressão? Será q o circuito não está muito exigente com os caras?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que um pouco disso, mas foi muita coincidência também termos duas contusões tão sérias no Big 4.

    1. Sérgio Ribeiro

      Quando o TOP 2 vence o mesmo número de SLAM e de MASTERS 1000 do TOP 1 , já não é muito usual. E de quebra todas as Finais que fizeram na Temporada. Mas o Espanhol e’ de fato e de direito. A não ser que o parceiro ligue muito para h2h rs…ABS!

    2. Rodrigo S. Cruz

      O mesmo embasamento que você nem PISCARIA de hesitação para tentar diminuir o Federer…

      4 traulitadas no ano.

      Kkkk

    3. Jefe

      É preciso respeitar o ranking e consequentemente o circuito.
      O número 1 na temporada é o Nadal.
      Federer vem fazendo uma campanha espetacular, mais uma!!!
      Excelentes partidas, aulas, shows… Mas os números estão aí e Nadal está na frente.
      Mas nesse sentido, os números do Tênis são imbatíveis, senão vejamos :
      237. 302. 19. 6.
      Curtamos!

  20. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    sei que por diversas vezes, quando perguntado, sobre a possibilidade do Federer atingir a incrível marcas do Connors em títulos de ATP (109) vc sempre respondeu quase impossivel, acrescentando achar difícil que ele chegasse ao número do Lendll.
    Agora considerando que ele alcançou os 94 ATPs , você mantém sua posição em achar quase impossível de atingir o número de ATPs do Connors, ou mudou de opinião? O que me diz mestre? Seja sincero.

  21. Sérgio Ribeiro

    Os exageros de Rafa Nadal e a ganância de seu Staff são criticados a anos. Disputando palpo a palmo o N 1, se inscreveu em 2 ATPs 500 nas duras. Tantos anos sem vencer, leva o USOPEN , o ATP 500 de Pequim e faz Final na rápida de Xangai. O que esse cara faria na Basilea ? Se Roger embolsar os 500 pontos em Casa, a diferença cai pra 1400 pontos. E Paris vale 1000. O Suíço indo ele vai. GUGA , Agassi , Safin e Sampras chegaram tão colados em Lisboa que somente restava ao Manezinho bater Pit e André em sequência. E o fez com louvor. Agora não tem essa de fujão . É um mano a mano e o Espanhol quer entrar com tudo onde vale mais. Nem ele esperava uma campanha tão boa na Ásia . Deu pra entender caro Professor Leme ? A pontuação e o Português , péssimos. Mas não da’ para esperar Fedal pra daqui a três anos rs ABS !

  22. Pieter

    O Thiago Wild obteve agora de manhã, em um future lá na Turquia, uma excepcional vitória, em minha modesta opinião, sobre o quarto cabeça de chave. Um jogador 7 anos mais velho que ele, com um ranking 600 posições acima do dele e que já venceu dois torneios só este ano. E o brasileiro ganhou com autoridade, em dois disputados sets. Dalcim, eu o considero o melhor juvenil brasileiro, atualmente, você concorda? E o que acha do jogo dele?
    Ano que vem já deveria mesclar um calendário com mais futures junto com os maiores torneios juvenis…

    1. José Nilton Dalcim

      Não o tenho visto jogar em nível profissional, mas os resultados recentes mostram que ganhou maturidade, o que para mim era seu maior problema.

  23. Oswaldo E Aranha

    Antes de escrever já vou pedindo desculpas ao Rodrigo S. Cruz e solicitando que ele não seja muito mordaz, mas um passarinho me contou que o Papa Francisco está fazendo uma pesquisa junto ao colegiado do Vaticano pata ver se canoniza o Federer.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Tem certeza?

      Eu até já torci contra o Federer aqui, em algumas ocasiões.

      Aprecio o talento de vários jogadores, independente do ranking.

      Diferente de você, que só assiste ou comenta tênis, quando o sérvio lazarento está em quadra…

        1. Rodrigo S. Cruz

          Delírio é esta tua aparição aqui DE VEZ EM NUNCA, apenas pra dar pitaco sobre meu tenistas favoritos.

          Será um Oásis que vejo ali na frente?

      1. Rafael

        Aranha, colega

        Independente de ter graça ou não, continue postando a vontade, o blog somos todos nós. Nunca me esqueço de quando o sr. compartilhou a história de seu pai.

        Viva Roberto Dinamite! – como jogador, pq como dirigente foi triste.

        abs

        – estou com problemas no teclado –

  24. Oswaldo E Aranha

    Antes de escrever já vou pedindo desculpas ao Rodrigo S. Cruz e pedindo para ele não ser muito mordaz. Mas um passarinho me contou que o Papa Francisco está fazendo uma enquete junto ao colegiado do Vaticano, se deverá beatificar o Federer. Notícia quente.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Verdade.

      Eu devo ser do tipo de deixo e assistir grandes partidas de tênis, apenas porque o DJOKO-LIXO, não está participando…

  25. Anderson Vieira

    Dalcim , duas perguntas: O ano que o Federer está fazendo é assombroso, você já viu
    alguém fazer algo parecido com essa idade? E referente ao melhor atleta do ano,
    Federer é disparado o melhor de 2017? Um grande abraço !!

      1. O LÓGICO

        Guru, sei que é sacanagem minha kkkk, mas em nome do FedereRei vale tudo kkkkkkk
        O H2H desse ano kkkk e o fato Dele ter conquistado 4 títulos importantes jogando contra o robozinho kkkkk, não torna sua temporada excepcional e empana a do animal? kkkkkkkkkk

          1. Renatinho

            Dalcim, como a eleição de melhor jogador da temporada feita pelos jornalistas è independente do ranking, quem vc palpita que os jornalistas elegerão como melhor tenista da temporada 2017? Parece que está uma eleição complicada de saber quem ganha.

  26. Renato

    Concordo totalmente com o André! Não duvido nada que que a faixa usada por Nadal na final de Shanguai seja FAKE. Apenas para justificar a surra que tomou de Roger e para fugir de outra na Basiléia. Esperto o siri-careca, né? Baita de um fujao-amarelão. Kkkkk

      1. Rodrigo S. Cruz

        O Renato escreve aqui há meses, sempre com o mesmo nome e as mesmas convicções.

        Taxá-lo de fake não cola…

        1. Chetnik

          Ele escreve as MESMAS coisas da MESMA forma que o colega australiano – que tem um longo currículo de fakes CONFIRMADOS.

  27. Mário Fagundes

    “Trabalho de pernas é TUDO no tênis, Mário”. Obrigado por ter respondido, Dalcim. Sem dúvida, Nadal é o mais veloz de todos. Mas se “trabalho de pernas” é fator ESSENCIAL para se jogar tênis, e Federer, Sampras, Wawrinka, Djokovic, Guga e outros estão entre os melhores em diversos fundamentos e são menos velozes que Nadal, então qual seria o melhor fundamento de Nadal, sendo ele o mais veloz de todos os tenistas? Desculpe-me por insistir no assunto. Obrigado.

    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, há muitos elenentos a destacar: a cspacidade de executar incríveis inside-outs, o poder de defesa e especialmente o contraataque paralelo de forehand, seu excepcional improviso na seleção golpes em movimento etc.

      1. Alexandre Maciel

        Pra mim, o mais incrível no Nadal é a capacidade de desferir belos golpes mesmo sem estar bem equilibrado. O adversário vai à loucura quando bota ele de um lado pro outro e mesmo assim o espanhol consegue sair das cordas e disparar uma bola vencedora lá do fundão… Realmente ele tem muita velocidade e uma movimentação impecável na quadra.

  28. Mario Cesar Rodrigues

    Caro Dalcim,o Coric perdeu mais uma em estréia!um cara que botava fé e boto ainda mas estava vendo o jogo ele não tem muitas armas não enfim pode figurar entre os 20 fora disto só eventualmente!O Rafa não jogará basell bem e Federer deve pular Paris mas sinceramente eu creio que mesmo que o Federer ganhe em sua terra e se ele confirmar que não irá mesmo para Paris Rafa eu imagino que não irá também o que acha?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Rafa tem mais chances para pegar ritmo para Londres. Federer talvez se anime a jogar Paris caso haja uma chance de atingir o número 1.

      1. Mario Cesar Rodrigues

        Vai ser engraçado..até lá,Rafa vai esperar o Federer decidir se vai ou não e Rafa vai ficar de olho se Federer for eu penso que Rafa vai,mas enfim vai ser uma briga de gato e rato um esperando o outro decidir para confirmar ou desistir tu me fala depois risos!

    2. Rodrigo S. Cruz

      Ô loko…

      Não sei como o Dalcim consegue entender o que este cidadão escreve.

      Deve ter feito curso pra farmacêutico, ou algo do tipo.

      Já que apenas eles decifram os “garranchos” dos médicos…

      kkkk

  29. Rafael Wuthrich

    Dalcim, sabemos que o número 1 significa maior regularidade durante 52 semanas, o que premia um bom desempenho durante mais tempo. No entanto, há várias situações em que o melhor tenista do ano não é o que termina o ano como número 1. Aconteceu inúmeras vezes na WTA, com a Serena e a Clijsters. Mas e a ATP?

    Não me recordo de uma situação como a atual, em que o número 1 é um tenista e o que está jogando melhor, outro. Lembro do famoso caso do Vilas, contestado ate hoje, e de 2012, em que Federer jogou melhor mas Djokovic acabou sendo o número 1 por ter sido mais regular. Lembra de outros casos?

    1. José Nilton Dalcim

      O assunto é controverso, Wuthrich. Duvido que haverá consenso de que Federer foi melhor que Nadal em 2017 caso o espanhol termine como número 1.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Nadal e Federer foram excelentes…

        A diferença é que o espanhol jogou mais torneios, e apenas por esta razão vai terminar no topo.

        Mas nem por isso dá pra dizer que ele não tenha merecido.

        Pra mim, ele mereceu.

        Apesar do Federer ter sido AINDA MELHOR do que ele…

    2. André Barcellos

      Sou fã confesso do suíço, mas nesse ponto convenhamos: Federer fez uma escolha e deve conviver com ela (pular o saibro)

      1. Rafael Wüthrich

        Esse seria o outro lado da moeda: um tenista pode ser considerado o melhor do ano sem ter jogado uma partida sequer na terra batida?

    1. ROMÁRIO

      O LÓGICO, repetir um lance genial e várias vezes como o Federer faz é realmente algo absurdo. E tens algum vídeo do Nadal? rsrs

    2. Fábio F

      Deve haver sido extremamente trabalhoso e longo o processo de elaboração dessa magnífica e didática compilação! Parabéns ao autor e a você, por compartilhá-la conosco!

  30. O LÓGICO

    TAVA DEMORANDO…. kkkkkkkkkkkk
    “Depois de consultar meu médico assim que cheguei de Xangai, lamento informar que não poderei jogar o torneio da Basileia” (Robozinho Cagão kkkkk)

    “Estou com uma carga de estresse no joelho (over stressing), problema que já tive durante o torneio de Xangai e fui aconselhado por meu médico a ter um tempo de repouso. ” (Robozinho kkkkk)

    E esse joelhinho, hein? kkkkk Nunca piora de vez e nunca fica bom definitivamente kkkkkkkkkkkkkk Vejam que o robozinho faz questão de dizer que o problema ocorreu durante o master de Xangai kkkkkkkkk Não, tourinho, não, você sofreu crime de ZOOFILIA pelo Fedex. Você tava perdidinho em quadra sem saber exatamente o que fazer: se corria ou se ficava kkkkkkkkk. Seu problema crônico incurável chama-se: falta de técnica elevada kkkkkkkkkkkkk Tudo é força e vigor físico em você, e quando esse dotes são anulados pela velocidade da quadra você se torna uma raquete sem tenista kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    1. Sônia

      E o monstro FUGIU rsrsrs, quem diria rsrsrs, o macho alfa, macho com poder mental diferenciado, com “físico privilegiado”, com aquilo roxo, vulgo beep beep… FUGIU. Lógico, rindo aos borbotões rsrsrsrsrs. Aaaaaah se fosse o Lindinho (reminiscências desnecessárias), as hienas já estariam alvoroçadas para detonar a carniça rsrsrs. Caba não mundão, caba não. Beijos.

        1. Rodrigo S. Cruz

          É.

          Desta vez eu não tenho como contraditar…

          Em Junho, eu também critiquei o Federer por ter fugido de RG.

    2. Mário Fagundes

      Sim, ao entrar em quadra com a quele “proteção”, já imaginávamos a desculpa. Esse filme é antigo. rs

  31. Pedro

    Dalcim, não sei se você observou, mas o Nadal deu uma raquetada na perna. É difícil ver o espanhol perdendo a cabeça. Nunca tinha visto.

      1. Pedro

        Dalcim, como havia comentado com você antes do jogo, o favoritismo era do Nadal pelo momento, mas o jogo foi espetacular. O Federer conseguiu elevar o nível e fez uma partida exemplar. Você acha que isso continua ou daqui a pouco o Nadal conseguirá neutralizar o Federer?

  32. Marcio

    Mestre, vc não deveria publicar alguém dizendo que o bellucci é péssimo. O kra é top 100 do mundo há anos, com sobras, cacete!!
    O apoio ao esporte nesse país é uma palhaçada e o cara está lá, há tempos, representando e fazendo uma carreira bacana no tênis, ganhando algum título, levantando sua grana… Aí um aloprado qqer escreve q ele é péssimo.
    Maldita inclusão digital!!!
    E todos têm q ler essa asneira?

    1. Rodrigo S. Cruz

      Márcio,

      Desta vez, eu juro que também não entendi.

      Criticarem quando ele está jogando, e atuando mal é uma coisa…

      Agora, criticar quando lesionado e SEM JOGAR ?

      Kkkk

      Qual a base?

      Eu respondo: nenhuma.

      Apenas implicância…

      1. Luiz Fernando

        Acorda cara, o termo “péssimo” não se refere ao momento presente mas aos inúmeros vexames ao longo da carreira de derrotas do Bello. Vc gostar dele eu entendo, mas essa defesa apaixonada se revoltando com tudo de negativo, aliás o mais comum quando ele é o foco, é meio estranha.

        1. Viana

          Comentário podre!!! Vc está insinuando o q não sabe!!
          Mesma coisa que eu insinuar q vc é ladrão!!! Não faça isso!!!
          Vc é inteligente o bastante pra ficar insinuando coisas…
          comente o tênis!!
          E, podem criticar o tênis do Bello, mas alguém aqui já foi número 500 do ranking da ATP????
          Não né??
          Então baixem a bola e batam palmas pro cara que ele já é um vencedor!!
          O mal do brasileiro é achar q todo mundo tem q ser Pelé ou Guga!!!

          1. Rodrigo S. Cruz

            Que bom que você achou!

            Pois o meu comentário foi podre mesmo.

            E a galhofa foi PROPOSITAL…

            Já que não se respeita o melhor jogador de simples brasileiro, desde a era Guga. Também não tenho porque respeitar o Nadal…

            Abs.

    2. gilvandro

      Além de ser péssimo o Belucci é irregular, não tem raça e nenhum pingo de carisma. Não é porque não foi igual ao Guga que ele é tão criticado, porque o Meligeni não ganhou nem 10% do que o Guga ganhou e mesmo assim era extremamente respeitado na época pela garra e carisma dele. Não tem como defender o Belucci e nenhum tenista de simples hoje do Brasil.

    3. gilvandro

      Aliás, se até o Nadal, o segundo maior da história, é bastante criticado pelo seu jogo por que o Belucci, que não tem nenhum por cento da raça, técnica e carisma do Nadal não pode ser?

      1. Rafael

        Todo mundo pode ser criticado, o que faz diferença é o teor das críticas.

        Qualquer uma que comece com “Além de ser péssimo…”, por ex, em relação ao Bellucci, é péssima.

    4. Maurício Fonseca

      Concordo, menos com “ele ele está lá representando…. “Fora Copa Davis e Olimpíadas, o tenista representa só ele mesmo e sua conta bancária.

    5. Gildokson

      Marcio, tem quem leia o comentário e ache o Bellucci péssimo também (meu caso) mas é claro que o que o cidadão ta querendo dizer é que ele é péssimo em relação aos padrões mais elevados do esporte, em relação a nata, é lógico que todos sabemos que estar no top 100 do tênis não é pra qualquer um, mas em comparação ao o que gostaríamos de ver o Bellucci várias e várias…. e várias… e várias vezes deixa a desejar principalmente nos aspectos físico e mental. O cara da entrevista num começo de torneio falando como se ja tivesse disputado 7 jogos e estivesse morto.

  33. Rodrigo S. Cruz

    O Nadal é um garoto espertinho…

    Fugiu do torneio da Basileia, para não levar outro CHICOTE do Federer…

    Kkkkkk

  34. André Barcellos

    Não sou o Lógico, mas depois da desistência do Nadal na Basiléia, tenho que imaginar a cabeça do Nadal:

    “Já coloquei a faxinha no joelho antes da final de Xangai, preventivamente, para alegar qualquer coisa em caso de derrota pra o Federer. Não colou e perdi…
    Pior que perdi sem sentir nada, com aquele filho da mãe jogando muito…Já são 5 sapatadas seguidas..
    Caramba…o que vou fazer?
    Bom, só tenho que somar alguns pontinhos pra garantir o número 1 no final do ano, mas…não posso encontrar de novo com o suíço, muito menos na quadra rápida da cidade dele.
    Quero o Finals, mas quero menos ainda passar vergonha perdendo de novo pra ele.
    Então vou desistir da Basileia e jogar Paris. Assim não encontro com o suíço e já tenho desculpa caso eu jogue mal em Londres ( o desgaste de Paris).
    Também provavelmente evitarei meu amigo, pois Paris é imediatamente antes de Londres…e o Federer vai querer se poupar pra o Finals …”

    Siri careca fujão!!! kkkkkkkkkk

  35. Renato

    Também é bom destacar que 80% dos torcedores estavam com Roger na final contra Nadal. O suíço tinha até torcida organizada.

  36. Mário Fagundes

    Dalcim, não sei se já foi explicado aqui o por que das mudanças no formato do blog. Permita-me dizer que gostava mais do formato anterior.

  37. Luiz Fernando

    Sinceramente não acredito em nenhum problema médico relevante com Rafa; essa história do joelho me parece unica e exclusivamente uma desculpa para não ir a Basiléia, já q deve ter um contrato com os organizadores e há necessidade de algo relevante para justificar a sua ausência. Felizmente parece q caiu a ficha e o bom senso prevaleceu, esse torneio não significa nada p ele, melhor descansar e chegar inteiro em Paris e no Finals.

  38. Matheus Vieira

    Dalcim, o Nadal vai virar freguês do Federer depois de velho?

    Ou vc acha que a quadra rápida de Xangai não pode nos balizar perfeitamente?

    Abraços

  39. Rubem Barros

    Dalcim, meu caro,

    O página com o ranking da ATP indica que Federer jogou 16 torneios, imagino que em referência às últimas 52 semanas, informação repetida em uma matéria aqui do site. Mas isso está errado, não? Neste ano, ele jogou apenas 10 torneios (Nadal é que jogou 16, seja no ano ou nas últimas 52 semanas), dos quais ganhou 6 (na soma com as 4 derrotas que teve em outros, dá 10 torneios).
    Nada, nada, isso faz com que a média dele seja bem melhor do que a do Nadal, que jogou 16 para ganhar 6.
    É apenas um erro da ATP, ou de onde eles tiraram esses 16?

    Abraço,

      1. Roberto

        Dalcim,
        Só aperfeiçoando a tua resposta. O ranking da ATP soma os 18 melhores resultados das últimas 52 semanas. A soma dos 4 grandes slam e dos oito M1000 obrigatórios é mandatória independente de inscrição ou participação (para os tenistas com ranking suficiente para a participação direta). 4 torneios M500 são obrigatórios para os 30 melhores colocados do ranking. Assim, contam-se torneios que o tenista não participou (inscrito ou não). Basta entrar na página da atp, procurar ranking breakdown, para ver os torneios que estão sendo considerados (ex. do Roger Federer: http://www.atpworldtour.com/en/players/roger-federer/f324/rankings-breakdown). É cheia de regras, esta ATP.

        1. José Nilton Dalcim

          Lembrando apenas que Federer já está livre da obrigatoriedade de disputar o calendário principal. Mas isso não tira dele o ‘0 ponto’ caso abandone um torneio previamente inscrito. Abs!

  40. Sandra

    Dalcim, como já virei fã do Rio Open, fiquei super feliz de ver que Cilic é Monfis, virão. Você já tinha visto.? vou pagar caro mais vou tentar ir à noite, abs, Sandra

  41. João Sark

    Dalcim, bom dia.

    Fugindo um pouco do assunto do texto, você sabe se os dois novos filmes que contam histórias “tenísticas”, Batalha dos Sexos e Borg vs Mcenroe, irão passar nos cinemas brasileiros?

    Abs

  42. José Eduardo Pessanha

    Que gata a menina que disputou essa final contra a Sharapova. Linda. E tem futuro no tênis. Excelente jogadora.

  43. Evaldo Aparecido Moreira

    Boa noite,
    Acompanho o tenis, ha um bom tempo, assistir vários jogos tops, mas de todos o que vi jogar, nunca vi um igual ao Federer, extremamente habilidoso, técnico, improviso, saque afiado e jogadas geniais, estilo único, nesse 2017, vimos um pouco de tudo, e quando essa final, vendo o Federer daquele jeito, era questão de tempo, para o Nadal ficar com as pulgas atrás da orelha. Admiro os grandes, Federer, Nadal, Sampras, Edberg, Djokovic, Murray, e por ai vai.
    Mas que é bonito, isso é, jogo de tenis ágil, plástico e de grande desenvoltura, aproveitamos, caros colegas, enquanto esses montros do tênis (Federer, Nadal e Djoko), claro os dois são mais jovens, então aproveitem, enquanto o craque suisso esteja ainda em quadras, porque, quando parar, vamos sentir a falta de sua genialidade.
    Não desmerecendo os demais, claro que há jogadores talentosos, mas que ainda não afloraram, com esse big four na ativa, kkkkkk, rsrsrs, sem chances no momento. abraços mestre, grande post, parabéns pelo blog, o melhor e o mais lido do pais.

  44. Carlos

    Dalcim , na sua opinião quem são os tenistas com o melhor (da história e atualmente):
    1 – Saque 2- Forehand 3 -Backhand 4- Voleio ? ( 2 tenistas pra cada golpe )

    1. José Nilton Dalcim

      Sem pensar muito e só falando da Era Profissional: Sampras e Federer, saque; Delpo e González, forehand; Djokovic e Agassi, back de duas; Wawrinka e Guga, back de uma; Becker e Cash, voleio.

          1. Mário Fagundes

            Mas velocidade não é exatamente um fundamento do tênis, certo? Desculpe-me, Dalcim, mas até ri ao ler sua resposta. rsrsrs

          2. Sandra

            E pelo visto. O maior mental!!! OBs não sou fã do Nadal, mas muita coisa boa tem, se não não estaria lá em cima

      1. Rodrigo S. Cruz

        Os saques do Federer e do Sampras é uma coisa impressionante mesmo…

        O americano conseguia fazer um segundo saque que praticamente parecia um primeiro.

        Eu cansei de ver ele saindo de 0/30 e até de 0/40 somente, com o saque., como se fosse a coisa mais simples do mundo…

        Dava até raiva! (rs).

        Já o Federer quando está sacando bem é um tenista quase imbatível.

        Pois a confiança no saque faz ele jogar mais solto, mais fluido e induz a criatividade dos seus golpes, transformando sua performance num espetáculo à parte…

        Agora, o interessante é que nos dois casos, nenhum desses jogadores saca muito forte.

        O saque tem boa velocidade, claro, mas sem exagero.

        E mesmo assim constitui uma arma que supera a dos grandes sacadores, devido a regularidade…

        Sou muito mais ver o Federer sacando do que o Raonic, por exemplo.

        1. André Barcellos

          Wawrinka e Thiem, por exemplo, sacam muito mais forte que o Federer, mas longe de ter a eficiência do suíço nº 1.

      2. Alex

        Muito boa lista, Dalcim! Mas vc n acha q o Federer tem a melhor direita? Muita gnt considera até como melhor golpe da história do tenis , tudo bem q ele pode perder em potência pra esses dois , mas em precisão e eficiência , sei n! Abraços!

        1. José Eduardo Pessanha

          Concordo contigo, e também acho o back do Federer tão bom quanto o do Wawrinka, pois ganhou 19 Slams sendo bombardeado em 95% dos ataques adversários. Já o back do Ursinho Carinhoso era bem menos atacado, por ali ser o seu ponto forte. Abs.

      3. Arthur

        O Edberg não tem lugar na sua lista não, Dalcim?
        Eu confesso que concordo com ela em quase tudo.
        Apenas trocaria o Pat Cash pelo Edberg em matéria de voleio.

        Um abraço.

        1. José Nilton Dalcim

          Claro. Isso é uma questão apenas de gosto e um ou outro detalhe. Edberg, Rafter… excepcionais voleadores.

      4. André Barcellos

        No clima de polarização:
        Em relação ao saque, é interessante observar que Federer e Nadal tem rigorosamente a mesma altura (1,85 m).

        Porque o saque do suíço seria tão melhor que o do espanhol, que é canhoto e assim dificultaria demais a devolução?

        Federer salta mais, tem melhor técnica geral e melhor toss (no sentido de esconder onde vai o saque) e ainda consegue sacar mais colocado que o espanhol.
        Resumindo: No único golpe do tênis em que o jogador não é atrapalhado pelo adversário, Federer é mais eficiente.

      5. Júlio Marinho

        Dalcim,
        vejo que existe uma preferência sempre maior pelo back do Wawrinka em relação a outros. O jogo no Wawrinka em si é todo muito bom, além do espetacular fato de a partir de um momento iluminado na carreira passar a enfrentar os favoritos de frente. Não o impede de perder, claro, mas também lhe possibilita ganhar quando joga melhor. O ponto é que todos esse pacote mais completo do Stan deixa o back dele, que convenhamos é simplesmente espetacular mesmo, um pouco mais em evidência. O back de uma mão que acho mais eficiente é o Gasquet. Embora ainda um jogador de primeira linha, não é tão completo como o Stan, e muito menos ganhador (pra falar a verdade, acho o forehand dele bem aquém). Mas olhando só back por back, se o Stan tem mais potência, acho que o Gasquet consegue variar melhor no spin alto, quando quer prender o cara no fundo. Os dois mandam muito bem na paralela. No fim, me parece que a do Gasquet é menos definidora, mas no geral é um golpe bem mais eficiente (ele erra muito pouco back). Pena, que com a perda de terreno que ele teve, o back dele tão elogiado antes, também tenha caído no esquecimento. A pergunta que te faço é: você acha o back do Stan melhor mais pelo peso de bola? (sei que vc falou que não colocou muito pensamento nisso, mas acho que vale a discussão..rsrs). Abç!

        1. José Nilton Dalcim

          O back fo Stan é extraordinário pela altura que muitas vezes ele consegue golpear. Tal qual Guga, bater tão forte numa bola acima da cintura é incrível.

      6. ROMÁRIO

        Dalcim, penso que o forehand do Federer é o melhor, pois é dele que saem suas melhores e impressionantes jogadas.

    2. Marcílio aguiar

      Caro Dalcim, não me lembro bem dos voleios de Pat Cash, mas acho que Edberg e Rafter poderiam entrar nessa lista. O que vc acha? Obrigado pelas ótimas publicações.

      1. José Nilton Dalcim

        Sem dúvida alguma, é ao gosto do freguês… rsrs… Como Sampras, Rafter, Brown… Felizmente, são muitos. Mas tente ver uns vídeos do Cash.

  45. marcilio aguiar

    Caro Dalcim. Sigo há muito este blog e o acalorado debate sobre quem é o melhor tenista, entre esse três monstros que temos o privilégio de acompanhar dia a dia. Sem pretensão de ser definitivo, dou a visão de como encaro essa disputa. Todos têm argumentos válidos, utilizados convenientemente, para tentar convencer aos demais que o seu predileto é o melhor: semanas como numero 1, títulos em Slams, H2H, percentual de vitórias e relação títulos/torneios disputados, etc. Eu me tornei apaixonado por tênis há mais de 40 anos, devido a um sujeito que nasceu há mais de 10000km de distância daqui e que só tive o privilégio de ver uma vez na vida em uma exibição no Ibirapuera. Bjorn Borg. Desde os dois WCT que ele venceu em São Paulo nos meados dos anos 70, comecei a acompanhar sua carreira. Continuei vendo nas finais de WB e RG que passavam na TV e através das notícias do saudoso JT. Foi graças a ele, Borg, que pude seguir admirando a carreira de outros brilhantes tenistas, que me proporcionavam prazer em vê-los jogar: Big Mac, Connors, Edberg, Evert, Navratilova, Graf, Becker, Agassi, Sampras, Guga, Rafter, Hénin-Hardenne e as Williams, até surgir Roger Federer. Independentemente de todos os números que ele ostenta, mas também por isso, Federer é esportista (e artista) que mais prende a minha atenção diante da TV. Não há um jogo seu, por pior que esteja se apresentando, que não tenha uma jogada surpreendente, de improviso, que você se pergunta: como ele fez isso? Já tive essa sensação em outras ocasiões, vendo as seleções de futebol do Brasil de 1970 e 1982, da Holanda de 1974; quando acordava cedo aos domingos para ver Senna; diante do Chicago Bulls de M Jordan e do Dream Team de 1982 e até da seleção de volley do Brasil, comandada por Ricardinho entre 2002 e 2006. Só que nenhum desses times ou atletas tiveram a longevidade de um tenista que, por mais de 18 anos, tem nos brindado com performances de elevadíssimos níveis técnico, estético e de eficiência. Tenho acompanhado quase todos os seus jogos transmitidos e nunca me causam tédio ou desprazer, apesar de algumas derrotas doloridas. Este é o critério que basta para mim. Desculpe se me alonguei, mas acho que esse sentimento pode ser o de milhões de admiradores do suíço no planeta.

    1. André Luis Oliboni Rinaldi

      Parabéns pelo brilhante post, Marcílio Aguiar! Assim como o senhor, adoro acompanhar diversas modalidades esportivas, e seus ídolos do esporte são praticamente os meus também, em especial Michael Jordan e, claro, o genial Roger Federer.
      Tenho trinta anos. Acompanho o circuito da ATP desde a final de Roland Garros de 1997. Obviamente,como brasileiro, vibrei demais com as conquistas magistrais do nosso Guga. Embora eu não tenha visto outros tantos excelentes jogadores do passado, penso que Roger Federer é o jogador que melhor representa o Tênis. Aliás, Federer é um dos poucos atletas que transcendem o esporte. A marca RF é um sucesso absoluto em termos de marketing e vendas. Realmente, é um prazer enorme assistir aos jogos ( espetáculos) do suíço. Cada jogo uma surpresa com jogadas de puro talento. Simplicidade aliada com uma tremenda plasticidade. Meu sonho é poder, quem sabe um dia, acompanhar um de seus jogos in loco. Enfim, vamos aproveitar esse momento mágico, afinal de contas RF é o “Pelé” desse esporte magnífico chamado TÊNIS. Um grande abraço a todos que acompanham esse excelente blog!

    2. Wade Duva

      Marcilio, tô contigo e não abro. Me lembro em 2015 (?) quando ele resolveu devolver os segundos serviços quase na linha saque, lembra-se? O sacador fazia o toss e quando aterrissava na quadra tomava aquele baita susto com o Federer já quase na rede e a bola de volta, coisa de gênio! Tenho certeza de que essas coisas o mantém vivaz e se divertindo!

    3. JANAINA M. DIAS

      Brilhante Marcílio! Sinto exatamente o mesmo, principalmente na parte “como ele fez isso?”.
      Há uma jogada dele contra o Djokovic (se não me engano em 2008, em Dubai) que ele bate a bota depois de ela ter passado do corpo dele, fora de ângulo e sem olhar, que é absolutamente SURREAL !, e sempre que eu vejo essa jogada eu penso: é fisicamente impossível fazer isso! Como diabos ele bateu essa bola?

      Federer desafiou a Lógica, a Física e a Biologia e transformou esporte em Arte.. A beleza de seu jogo é ímpar e nos faz transcender.

      Obrigada por seu comentário Marcílio..aproveito pra recomendar a você e a todos os colegas do blog a assistirem no YOUTUBE os vídeos (são uns 4 ou 5) chamados “FEDERER AS RELIGION EXPERIENCE”, são muito bons… e pra dar risada esse vídeo aqui:

      https://m.youtube.com/watch?v=iyfsHcLYeYw

      (Reação de 5 ingleses à vitória do suíço no AO 2017, os últimos 2 minutos são hilários)

        1. JANAINA M. DIAS

          Oi José, não tenho certeza absoluta que é Dubai, mas vou procurar no YouTube pra ver se acho de novo. Aí eu posto aqui no blog. Um abraço

        2. JANAINA M. DIAS

          Achei o lance José, e me desculpa não é Dubai, foi no Finals. Está em 1:03. – 1:13:

          https//:m.YouTube.com/watch?v=hQ_RRnDLBFO

      1. Marcílio aguiar

        Muito obrigado aos que se manifestaram sobre o meu comentário. Janaína Dias, demais esse vídeo. Eu que sempre assisto aos jogos sozinho só posso extravasar via Whatsapp com alguns amigos “tenistas”. Até escrevi uma crônica sobre o torcedor de futebol, que se aplica perfeitamente a essa turma de súditos de Elisabeth. Abraços.

        1. JANAINA M. DIAS

          Que bom que você gostou desse vídeo! Eu nunca vi um esportista tirar uma reação dessas de um monte de marmanjos..kkk..é muito legal..
          Posta aí sua crônica pra nós. Um abraço

    4. Willian Lopes

      Meu sentimento é o mesmo que o seu, Roger Federer é um tenista único e incomparável. Infelizmente não pude acompanhar a carreira do Bjorn Borg, mas só por relatos de fans de tennis como vc, dá pra ter uma boa noção do que Borg representou para o esporte. Comecei a acompanhar tennis mais para o final de carreira do Becker, Sampras e o auge do Guga. Mas foi Federer quem me tornou mais um apaixonado por esse esporte maravilhoso. Vida longa ao rei do tennis e que ele jogue por mais uns 50 anos, no mínimo.

  46. O JR7

    Sem muitas palavras a acrescentar, post no limite da perfeição. E muitos comentários de qualidade para agregar.

    A impressão que tenho é que o suíço não entra mais com tanto receio, ou tenso, ou com alguma obrigação. Nesse jogo específico, a vontade de vencer foi maior do que qualquer outro sentimento. Ele ainda respeita demais o espanhol, mas hoje é apenas isso. Parece realmente que as coisas se inverteram. O espanhol se apresenta com mais dúvidas em quadra. Quem diria que nós veríamos um momento como esse….

    Pois bem, Federer está mais seguro nas trocas. Melhorou demais fundamentos. Em suma é um jogador melhor do que antes essa é a grande verdade! Está mais experiente mas esse jogador que vimos ontem em minha opinião é a melhor versão do helvético. Mas o mais importante, ele começou a vencer. Não adiantavam de nada mudanças sem resultados. Cansei de vê-lo abrindo vantagem e depois, de tanta pressa (ou medo) acabava entregando os pontos. Talvez a dúvida se poderia quebrar novamente, as chances que não convertia. Era duro torcer naquela época. Nesse momento, realmente ele sabe que tem tênis pra superar seu oponente. Se entrar uma boa devolução, uma bola pode sobrar no meio da quadra e ele pode aproximar e ir a rede ou definir de direita (e agora de esquerda também rsrs). Na final de Miami até direita com Spin saiu. Devolução de esquerda “com direito a salto” (eu ainda não tinha visto). Ontem, bate pronto e direitas cruzadas. Um vôleio tirado da cartola no segundo set. Realmente, que apresentação!
    Por fim, registro que sempre achei o espanhol melhor sob dois aspectos, físico e mental. E achava que ele vencia por esses dois motivos, especialmente no saibro.
    Ainda tenho uma opinião parecida. Mas algo me convence hoje que, se no histórico o espanhol tem mais triunfos, o suíço hoje, entre os dois é um jogador superior. Ele poderia encerrar a carreira orgulhoso, em minha opinião. Até mesmo o semblante dele diz tudo. É como se assim o suíço pensasse: O espanhol me venceu mais, de fato. Mas eu ganhei as cinco últimas. Eu finalmente encontrei uma maneira de vencer”.

    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa, JR7. Alguém que vence 15 partidas em cima de Federer e Novak no Saibro. Dez Finais em Dez em Rolanga. Não convence a vocês que e’ o maior da História nessa Superfície ? E desde quando o Espanhol mostrou essa enorme superioridade sobre ambos em outros Pisos ? Você vem falar de medo ? O Suíço seguiu o conselho de Edberg e passou a encurtar os pontos contra TODOS. Alguém que perde SETE Finais consecutivas para um mesmo jogador ( Novak ) , possui um mental tão poderoso assim ? E agora perde 5 partidas consecutivas ( sendo 4 Finais ) para um Senhor de 36 ( algo inédito ) , e o papo e’ o mesmo ? Os ajustes em seu Back propostos por Ljubicic foram feitos somente por causa de Nadal ? Os Caras que façam ao menos 5 FINAIS ( em vez de quedas precoces ) em TODOS os SLAM para provarem esse Espetacular Mental. De preferência não percam tanto também para o Suíço N 2 rs..,ABS!

      1. O JR7

        E aí Sérgio?
        Sempre achei (percepção minha) o espanhol mais concentrado. Ao contrário do suíço, ele parecia não sair do jogo em nenhum momento e é um dos mais intensos que vi até hoje (opinião minha). Nos break points, por exemplo, o espanhol parecia jogar seu melhor.
        E no fator físico ainda. Ele parece sempre muito preparado, rápido de pernas, excelente reflexo, uma leitura de jogo tremenda. Nunca o vi “cansar” ou ter câimbras que eu me recorde. E isso numa partida bem disputada faz uma grande diferença. Hoje vejo o suíço muito mais preparado nesse sentido.
        É uma questão de lógica que a grande vantagem no tal HxH se deve aos confrontos no saibro. E é claro que está mais do que provado que o espanhol é o maior de todos na terra sem dúvidas. Como escrevi, acredito sim que o suíço perdia principalmente pelos dois motivos. Mas qualidade técnica sempre achei Federer o melhor e houve espaço para evoluir como nós vimos.
        Em relação a sentir medo, não sei se isso pode ser encarado como uma afronta. São sentimentos que podem surgir. Na minha opinião não existe demérito em assumir algum “temor” ou entrar em dúvidas em quadra.
        Somos humanos, acho que faz parte de alguma forma. Até numa “pelada” quando nos deparamos um adversário de respeito não nos sentimos muito a vontade, inagina o que esses caras não devem sentir ou pensar antes da final de um grande torneio por mais experiente que sejam. Os jornais de amanhã…Minha família… Meus filhos… Ou a história podendo ser escrita de uma maneira positiva ou não. Enfim Sérgio, se você reler com mais calma vai perceber o que penso: o suíço fez tanto esse ano, ganhando torneios, superando seu maior rival, agregando números a sua carreira e jogando um tênis incrível que pessoas como eu estão mais que satisfeitas… se ele não quisesse mais jogar esse ano por mim estava liberado rsrs.

  47. Rodrigues

    Dalcim

    Acompanho o Federer desde o começo de sua carreira. Até torci contra ele uma vez em 2004, em Roland Garros quando o nosso Guga lhe deu uma lição de como jogar no saibro (eu estava presente na quadra) .
    Devo ter visto todos os jogos dele contra o Nadal.
    Acho engraçado quando o pessoal diz que “sua direita melhorou, “sua esquerda está pegando a bola na subida” ou que “seu saque está mais potente”.
    Isso tudo estava no seu pacote desde o início, com apenas duas diferenças: no começo da carreira ele corria e defendia muito mais (veja sua primeira vitória sobre Sampras em Wimbledon). E, talvez por soberba ou achar que o jogo já estava ganho, costumava “sair do jogo” (suas famosas viajadas), para logo tomar as rédeas do jogo e chegar a vitoria.
    Mas com o Nadal foi diferente. O espanhol conseguiu entrar em sua cabeça e, por várias vezes, testemunhamos um Federer desanimado enfrentando um adversário que tinha certeza que iria derrotá-lo.
    Por isso o choro em algumas derrotas em que sua vitória era dada como certa.
    Gosto de imaginar que no fim do ano passado, depois de seis meses afastado do circuito, ele tenha procurado a Mirka e tido o seguinte diálogo:
    “Amor, esse tempo todo com você e as crianças, sem ter que me preocupar com nada, tem sido bom pra nós. Acho que já deu. Vou anunciar a minha aposentadoria. Afinal , consegui tudo, tenho vários recordes difíceis de serem batidos, sou considerado o melhor jogador de todos os tempos. É melhor parar agora do que voltar pro circuito e começar a perder para novatos”
    Ao passo que sua amada Mirka respondeu:
    “No way! You have business to solve! Você tem que terminar sua carreira só quando mostrar a todos que é realmente o melhor, que o espanhol, apesar de ser seu amigo, não é uma sombra em sua carreira! Aqui está o endereço do melhor psicanalista da Alemanha, melhor até que Freud! Ele vai te mostrar o que você realmente é capaz!”
    Então, na minha opinião, além de dedicação ao treinamento, o motivo de suas conquistas deste ano, com seguidas vitórias em cima de seu principal adversário, foi uma boa terapia!

    1. Chileno

      Pra mim, o fator psicológico tem sim, grande importância. E talvez seja até o fator determinante de fato, já que houveram vários e vários jogos entre os dois que o Federer jogou realmente bem, e acabava perdendo no detalhe. Mas eu vejo sim, grande diferença no backhand do Federer, comparado ao backhand de 2006~2009. O golpe simplesmente não machucava o Nadal antes.

      Tanto que o espanhol vencia um caminhão de pontos batendo o top spin de forehand no revés do suíço. Ele batia lá insistentemente, até que das duas uma: ou o Federer errava o backhand, ou ele fugia da esquerda pra bater de forehand, e tomava um winner de contra-ataque na direita. De antes de 2017, os únicos jogos em que vi o Federer ocasionalmente vencer pontos do Nadal com o backhand foram em 2011, e mesmo assim, não era tão frequente. De resto, sempre que o suíço conseguia equilibrar as ações ou vencer, era apoiado no saque e no forehand.

      Agora, quando o Nadal tenta bater o top spin na esquerda do Federer, ele toma winner na paralela ou na cruzada. Quando não é winner, no mínimo é um golpe que machuca o espanhol e o faz devolver curto, permitindo um ataque de dentro da quadra no próximo golpe. O buggy whip do Federer também está mais eficiente. Ele está colocando uns ângulos e velocidades absurdos com ele.

      1. Rafael Wuthrich

        Concordo, e Federer.falou sobre isso na coletiva. A raquete maior lhe permitiu bater, e não mais usar slices, porque a margem de erro é maior pra imprimir top.spin e potência; até mesmo batendo flat ele consegue mais profundidade sem ter que posicionar tão melhor, porque a cabeça da raquete maior permite maior superfície de contato. Quantas partidas Federer não entregou com vários erros de precisão no backhand? Quando jogava com slice, que permite menos erros, era contraatacado imediatamente, e isso mudou. Some-se à confiança que ele agora tem no golpe, e temos esse domínio técnico e tático evidente. Talvez no saibro, por ter maior tempo de bola, Nadal ainda se sobressaia em eventual confronto, mas no sintético ou na grama só um dia em que o suíço estiver lesionado ou mal para que o espanhol tenha vantagem.

  48. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    considerando a recente entrevista do Federer que joga Basel e depois vai para o Finals, que será sua prioridade de final de ano, entendo que a luta pelo número 1 se encerrou. Federer ganharia no máximo 2 mil pontos e uma vitória na fase de grupos vale 200 pontos, ou seja, Rafa garantiu o número. Agora vejo como grande a possibilidade de a diferença ser menor que mil pontos ao final do ano.
    Pela entrevista que o Federer fez deu a entender que se continuar jogando nesse nível pode voltar ao número 1. O problema e que em janeiro já defende 2000 pontos e mais 2000 dos masters americanos de fevereiro para março. Então ao meu ver ele teria que fazer campanhas incríveis com títulos ou finais, sendo que mesmo assim somente teria chance de ficar no número 1, mesmo que momentaneamente, durante a temporada de saibro se Rafa não repetir seu desempenho. Minha análise está correta Dalcim?

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, basicamente correta, Ulisses. Se Federer não alcançar o 1 agora, será extremamente difícil que o faça até maio do ano que vem.

    2. Jose Yoh

      Se Nadal continuar jogando do jeito que está, não jogará a temporada de saibro e perderá muitos pontos. Federer também precisa de descanso. A próxima temporada, para mim é uma incognita total.

  49. Cesar Valeixo

    Dalcim, o último jogo que rafa fez frente foi no ao. Tendo em vista isso, e analisando o aspecto técnico e tático , você poderia dizer o porque na Austrália rafa chegou perto de ganhar e depois não tirou mais nenhum set? Isso tudo levando em conta que rafa bateu dimitrov, cilic, nick, isner…e parecia em melhor forma que em janeiro. Abs

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Federer ainda não estava confiando o suficiente no seu novo padrão de jogo contra Nadal, e o título da Austrália naquele momento tinha um peso emocional gigantesco para os dois.

      1. Sônia

        Fiz um texto sobre o Roger, elogiei seu post… peRFeito, sensacional… e enviei um link com um mix de jogadas consideradas por muitos “perfeitas” pelo Roger. Infelizmente não salvei. Obrigada pelo retorno. Beijos.

  50. Luis

    Dalcim acabei nao escrevendo no blog esses dias,mas esse Masters com Federer vencendo bem Nadal anima o final do ano rs,quem sabe Finals com suico voltando a confianca depois desse masters,nao deu pra ver pelo horario de manha,achou Federer parecido com aquele venceu Wimbledon e na Australia bem ofensivo e solto com poucos erros?

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acho que nas duas últimas rodadas ele chegou bem perto de seu melhor nível da temporada, Luís.

  51. Sérgio Ribeiro

    A surpreendente campanha do Espanhol na Gira Asiática ( 1100 Pontos ) , praticamente definiu a seu favor o N 1 da Temporada. Mesmo com o Título de Xangai , o Suíço viu a diferença aumentar para 1900 Pontos. E o Staff de ambos sabe como funciona o regulamento do FINALS. Uma simples vitória na fase de Grupos vale 200 Pontos. Pelo nível de Tênis apresentado, mesmo que Rafa Nadal pule Basel, basta a ele alcançar 600 Pontos na primeira fase para levar para 2500 o Total. Uma Semi vale mais 400 pontos. Federer caso vença em casa ( 500 pontos ) , e de forma invicta Londres ( 1500 pontos ) , não seria o bastante. Precisaria ter físico para levar também Paris e com Campanha fraca do Espanhol. Acredito que nem o Suíço conte com isso. Jogará em Casa e irá atrás do Sétimo FINALS . Mesmo se poupando da Maratona do Saibro, o Suíço sabe que o planejamento foi prejudicado pela Espetacular performance de Rafa nas quadras duras. ABS!

    1. Marcelo

      A lesão nas costas do federer, tirou o título de Montreal, impediu de jogar Cincinatti e prejudicou o us open… Foi isso q permitiu o N1, para o Rafa sendo que perdeu 4/4 para o federer

  52. VINICIUS

    Mestre, parabéns por mais um excelente post.

    Agora a pergunta que não quer calar, Federer demonstrou que “encaixou” o jogo contra o Nadal e dificilmente será derrotado pelo Espanhol em quadras rapidas, mas e no saibro? Acha que Nadal hoje teria mais dificuldade pra derrotar o Federer?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Federer poderia equilibrar num saibro rápido, como Madri, mas dificilmente em Monte Carlo. Nadal será sempre favorito no saibro.

      1. Júlio Marinho

        Tudo é suposição, claro. Mas não sei bem em qual medida a superioridade do Nadal no saibro contra o Federer era afetada pelo bloqueio mental e falha do back do Federer. Com raquete maior hoje e golpe mais firme, não consigo ver como impossível o Federer vencê-lo em Monte Carlo, por exemplo. Isso não vai acontecer, porque acho que o Federer nunca mais volta lá. Não é que o Nadal não seja favorito, é melhor jogador no saibro, é mais rápido, entende a superfície como ninguém, mas o fator mental que existia antes atrapalhava mais que a quadra. Tanto é que na época que o Nadal dominava nos aspecto mental, era dura pro Federer vencer mesmo em quadras bem rápidas.

    2. daniel garcia

      Boa tarde a todos! Gostaria de expressar minha tristeza ao ver que toda vez que o Nadal perde vem sempre a desculpa de uma lesão, ele mesmo, em quase todas as derrotas cita que algo não estava bom, como se ele estando em perfeito estado ninguém é capaz de vence-lo! Esse choro do Nadal, em cada derrota, faz com que muito amantes do Tênis acabem não gostando dele, pois seu jogo já é lamentável de ver, feio e demorado… mas essa soberba de sempre ter uma “desculpa” para perder é TRISTE DEMAIS. Quem viu o jogo sabe que, como sempre, ele fez tudo fisicamente possível porem não achou, no tênis, nada que pudesse fazer, até porque ele não tem arsenal para mudar nada no jogo dele!

      abraços a todos

  53. Rodrigo S. Cruz

    A lógica do Luis Fernando ás vezes parece a lógica de um petista…

    Petista pensa assim:

    ” Se o Aécio é culpado, então o Lula é inocente”.

    (rs)

    E o LF pensa assim:

    ” Se o Bello não jogar como o Federer ou como o Nadal, então ele é uma vergonha pro Brasil”.

    (rs)

      1. Rodrigo S. Cruz

        Não quero que você me agrade.

        Eu quero que você pare de ENROLAR e que responda uma simples pergunta minha, para variar.

        O Bello passa a carreira oscilando entre Top 70, Top 50, Top 30, e teve como ponto máximo um Top 21…

        O nível do Bello é esse daí mesmo. Ponto.

        Por isso responda esta pergunta:

        Se pra você oscilar entre essas posições é ser péssimo, o que jogadores como Monteiro e Rogerinho seriam para você?

        Pois eles oscilam em posições ainda mais modestas que as do Bello…

  54. Renato

    Como eu disse abaixo, se Nadal é melhor que Federer apenas no saibro, paciência. O esporte é disputado em três tipos de pisos, e Roger é melhor que o espanhol em dois, ou seja, mais completo. Leva vantagem no h2h e ampla vantagem em títulos. Não adianta chorar pedindo mais jogos no saibro, pois 80% dos tenistas preferem as quadras duras, é a realidade do circuito. E Roger Já ofereceu vários e vários confrontos para Nadal no saibro, mas não podemos dizer o mesmo para o espanhol na grama , ja que Rafa vem fazendo campanhas medíocres em Wimbledon nos últimos seis anos enquanto Federer fez quatro finais.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Se o Nadal perder pro Federer no próximo embate, irá cravar um recorde de FREGUESIA que nem mesmo o suíço tomou do espanhol:

      6 derrotas consecutivas!

      Quem diria hein?

      Por esta, os haters não esperavam…

      Bendita temporada de 2017 !

      ]

  55. Chileno

    Apresentação magnífica do maestro! Não há nem muito a se comentar a respeito. O backhand voltou a machucar o espanhol, tanto na paralela quanto na cruzada, o forehand foi o de sempre (na minha opinião, o melhor golpe da história do tênis), o saque afiadíssimo, o voleio magistral e as devoluções agressivas. O espanhol de fato não jogou tudo que podia, mas na minha opinião, isso foi culpa do Federer mesmo, que o pressionou o tempo todo, dando pouquíssimas chances nos games de saque, e dificultando a todo momento nos games de devolução.

    Claro que a quadra rápida é favorável ao maestro, mas a impressão que tenho é que o touro está ficando sem muitas alternativas diante do suíço nas quadras duras. Devolver até o Federer errar, especialmente no backhand, não parece mais ser uma estratégia eficaz, já que o maestro evoluiu muito o golpe e passou a antecipar o contato e pegar a bola na subida, tirando o tempo do espanhol. A tendência tem sido ver o Nadal sufocado, penando pra se defender e encurtando a bola, antes do backhand do suíço espanar, como acontecia quando Federer “aceitava” a pressão do spin do espanhol e recuava para devolver o golpe.

    Atacar o forehand do Federer é ainda mais perigoso. Vimos o espanhol tentar essa tática em Indian Wells (ou foi Miami?) e não dar resultado. A solução seria jogar agressivo e partir para o winner, mas o espanhol não é tão eficiente quanto o suíço jogando dessa forma. Ontem mesmo foi possível ver o Nadal tentando jogar mais ofensivo, e confesso que acho o jogo dele muito mais interessante quando ele decide jogar assim (basicamente quando é forçado a isso, já que sua zona de conforto inevitavelmente é a defesa). O voleio dele é muito bom, o approach é ótimo e o backhand anda muito quando ele decide bater mais flat. O forehand, acho que não tem muito jeito. Mesmo quando quer jogar agressivo, ele insiste em bater com spin. Raríssimas vezes o vi batendo mais flat no forehand.

    Enfim… se defender e contra-atacar o suíço não tem funcionado, porque Federer está muito sólido no fundo e ainda encontrou uma forma de ser ainda mais agressivo, atacando na devolução e antecipando o backhand. Talvez funcione em quadras duras mais lentas, mas não creio tanto nisso. Jogar agressivamente também é complicado, pois o suíço é mais jogador nessa estratégia. Acho que no momento, as chances do espanhol são contar com um dia em que o saque e/ou o backhand do Federer estejam abaixo, o que não é um cenário muito animador. O espanhol provavelmente vai ter de incorporar alguma nova arma ao seu arsenal para equilibrar as ações com o suíço nas quadras duras. Eu, no lugar dele, provavelmente começaria pela devolução. Enquanto ele se posicionar tão distante da quadra na devolução, será difícil pressionar o saque do Federer (se estiver afiado, é claro).

  56. Luiz Fernando

    Sempre postamos, de forma mais ou menos acalorada de acordo com as circunstancias, sobre caras como Rafa, Djoko, Federer, todos grandes campeões, com fases boas e ruins etc. Quando aparecem essas manchetes do Bello isso sempre é sinônimo de algo deprimente, triste realidade não apenas do tênis brasileiro, mas do nosso país…

    1. Marcio

      Federer é o goat, e alguns aloprados chegaram a chamar ele de aposentado. Um absurdo de quem não conhece e não aprecia o esporte, apenas torce.
      E belluci o maior tenista brasileiro após guga.

      1. João ando

        Márcio. Esta aí uma coisa controversA.thomAz Koch teve grandes resultados …kyrmayr chegou a final de Forredt hills…perdendo acho que para mcenroe ou eddie dibbs ,qual tua opiniao dalcim?

        1. José Nilton Dalcim

          Acho que o Márcio falou ‘pós-Guga’ e aí não há a menor discussão. Quanto ao Koch, para mim ele só está atrás do Guga.

    2. Rodrigo S. Cruz

      O que foi que o Bello fez pra você agora?

      O cara está sem jogar há meses e bastante machucado.

      E outra, quer dizer que pra você, se não for jogador do mesmo nível do Nadal ou Federer, então é uma porcaria?

      Explique-se…

  57. Renato

    Federer jogou quatro masters, venceu três, perdeu uma final e tem apenas uma derrota. Federer jogou três slam, ganhou dois e perdeu nas quartas de um. Roger venceu os quatro duelos que fez contra o ‘número um do mundo’. Alguém tem dúvida de quem é o melhor tenista do ano. E se o Geraldo pede mais confrontos no saibro, nós queremos mais confrontos contra Nadal na grana. Como alguém disse aqui, por anos Federer ofereceu a Nadal confrontos no barro. Totalmente incoerente o Geraldo de Carvalho.

  58. Jota

    Bom dia Dalcim.
    O circuito de duplas é sustentável? Pergunto pois vejo os estádios sempre quase vazios mesmo nas finais de Majors. Além disso não há transmissão de tv’s, exceto nos Majors, e os duplistas estão longe de serem astros como os jogadores de simples. Há interesse dos patrocinadores ou a ATP sustenta o circuito de duplas? Há o risco de reduzir o número de torneios caso a situação permaneça assim?
    Quanto ao assunto do tópico, acho curioso o Federer quase nunca citar o Ljubicic como um dos fatores responsáveis pelo seu ressurgimento neste ano. Ele cita a raquete, o backhand mas nunca seu técnico. Haveria algum motivo para isso?
    Obrigado.

    1. José Nilton Dalcim

      Acredito que o torneio de duplas só atrai em maior escala quando reúne os nomes fortes de simples. Infelizmente, é a realidade. Claro que em Grand Slam é diferente, um pouco mais quando temos jogador do país em quadra. Mas de forma geral, não conseguiria sobreviver por si só. Quanto ao Ljubicic, também acho estranho, como já havia dito aqui antes. Talvez seja algum acordo.

      1. Sônia

        Também acho estranho e também acho estranho algum “acordo” rsrsrsrsrs. Na minha opinião Dalcim, infelizmente demorou demais o “THE BEST EVER” acordar para a realidade e parar de perder para esse tenista “vitaminado” e limitado… se bem que, antes tarde do que nunca. Beijos.

  59. Roberto Geronimo

    Excelente texto, Dalcim!

    Apenas o termo “soberto” no título que está equivocado!

    Parabéns pelo trabalho!

    1. Fernando Pauli

      O sinônimo soberbo: divino, maravilhoso, fabuloso, sensacional, incrível, formidável. Era isso que o Dalcim quis dizer. Não confunda com a soberba de uma pessoa. Soberba é uma manifestação de orgulho, de pretensão, de superioridade sobre as outras…
      Abs.

  60. LINCOLN

    A ironia da vida é realmente inexplicavel.
    Roger Federer dominou o circuito de 2004 a 2008. Neste periodo sendo N1. Apanhava de todo jeito para o n2 Rafael Nadal.
    Uma década depois segue a risca. O N1 apanha do n2 porém agora os nomes estão invertidos.
    É importante ressaltar a situação. São mais de 10 anos com estas figuras no topo. Algumas oscilações. Mas estão aí.
    MTA coisa mudou no mundo na última década…
    Porém, a importância e presença destes dois no topo do tenis só aumenta. Vão deixar saudades…

  61. André Barcellos

    Dalcim, Federer está jogando to dentro das quadra que acaba pegado muitas bolas quase de bate pronto, principalmente na esquerda.
    Notei que ele usa isso ainda mais contra o espanhol, talvez na intenção de não deixar a bola subir tanto ou ganhar ângulo.
    A questão é que isso é muito, muito difícil de fazer.

  62. Anderson P

    Parabéns ao Rei das quadras!
    Apesar das brincadeiras que faço, sempre admirei o Federer. Costumava dizer que o Nadal era mais incontestavelmente o melhor saibrista da história, do que o Federer o melhor no geral, mas depois dos 36 anos ele me convenceu que não há mais o que contestar. Que honra vê-lo jogar =)

    Confesso que fiquei um pouco triste pelo Nadal, pois é meu favorito. Ainda torço pra ele levar o Finals, mas se o suíço estiver jogando nesse nível e o espanhol não tiver um plano tático e respostas diferentes, temo que o resultado será o mesmo. Mas acima de tudo é curtir esses dois monstros sagrados do tênis =)

  63. Chico

    Dalcim, até hoje eu achava que Cincinatti fosse o Masters de piso mais rápido do circuito. Você colocaria Cincy como o segundo mais rápido logo abaixo de Shanghai? Uma segunda pergunta: não assisti ao jogo, vi apenas os highlights. Federer voltou a usar o backhand como no primeiro semestre de quadras sintéticas?

    Grande abraço e ótimas análises como sempre.

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, um relatório da ATP diz que Xangai é um pouco mais veloz. Acho que neste torneio o backhand voltou ao mesmo nível, ao menos nas duas rodadas finais. Abs!

      1. Ulisses Gutierrez

        Dalcim,

        Xangai tem uma velocidade similar as quadras sintéticas da década de 80 e 90? Ou mesmo assim, as quadras de 20 anos atrás ainda eram mais rápidas que Xangai? Pois com o teto fechado achei o jogo muito, muito rápido mesmo ontem. Bastava ter um saque colocado que era ace. Esse piso e muito diferente do que vemos habitualmente no circuito. O que me diz mestre?

  64. Luiz Fernando

    Federer venceu com sobras, sem dar chance a Rafa, ponto final, nada a contestar. Assisti o tape agora a tarde e o cara dominou. Nadal, que não conseguiu uma única chance de break, por seu lado jogou abaixo do q poderia, me parece q esta acontecendo com ele exatamente o mesmo q ocorria com o suíço quando o enfrentava ha um tempo: ele amarelou, jogou abaixo do q podia. Mas indiscutivelmente esse temporada asiática foi acima do q se poderia imaginar, Nadal, exceto hj, jogou em alto nível. Tomara q de fato não vá a Basel, pois alem da quadra indoor lhe desfavorecer, um bom descanso lhe para bem, para encarar Paris e o Finals, nos quais tem tudo para ir bem, com chance de titulo. Mas conhecendo a ganancia do espanhol e de seu staff, duvido q o bom senso prevaleça.

    1. André Barcellos

      LF, Nadal jogou abaixo porque não conseguiu fazer seu jogo. O suíço sufocou o espanhol com a velocidade.
      Muito do que se diz sobre a velocidade do suíço tem a ver com a capacidade do Federer de jogar dentro da quadra, tirando o tempo do adversário..
      além, obviamente, dos golpes fortes.
      Tira o tempo do Nadal.
      Nesta quadra rápida então tudo piora pra o espanhol

  65. Carlos

    Dalcim, vc acha q o verdadeiro motivo de Federer n ir pra gira no saibro é o Nadal(favorito disparado) ou apenas questão de calendário e físico já q n é o melhor piso pra ele? E vc acha q se o Nadal hipoteticamente n jogasse roland garros próximo ano , faria Federer ter mais chances de jogar o Grand Slam francês ??

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que acima de tudo é uma questão de preservação física. Sim, acredito que uma eventual ausência de Nadal animaria muito.

  66. Mario Cesar Rodrigues

    Dalcim,sinceramente penso o mesmo sobre o 1 game!!!!!mas na realidade foi tudo muito rápido e Federer saiu-se muito bem.não deu chances a Rafa.Foi campeão merecido!sinceramente como torcedor do Rafa penso que a lógica seria ele pular pelo menos Basiléia!mas Rafa a cabeça dele vai saber o que está pensando eu se fosse ele de duas uma ou jogaria na Suiça e pularia Paris! é algo ase considerar vamos ver o que acontece!

      1. Mario Cesar Rodrigues

        Sabe porque falo isto meu caro,ano que vem se assim o for…Federer começa a defender 2000 pontos já no AO e Rafa 1200 digo em GS!enfim sinceramente eu vejo que Federer vai focar mais em sua terra e em londres,ele não vai querer e nem sabe se vai conseguir tirar o numero 1 do Rafa e também nem sei se ele quer isto!

  67. Renato

    É msis facil os marcianos invadirem a terra do que Nadal ganhar um finals com a presença de Roger. Freguês! Freguês! Freguês! Quero sempre Nadal do mesmo lado que Roger nas chaves. O frango se borra todo quando enfrenta o suíço.

  68. Geraldo Carvalho

    Concordo com a manchete do post. Gostaria que o Federer, neste momento, oferecesse ao Nadal a chance de alguns confrontos no saibro. Mas entendo as razões do suíço em não fazê -lo. No seu lugar, hj, eu faria do msm jeito. Quem tem que correr atrás é o Nadal, o Federer pode escolher torneios. Parabéns aos torcedores do suíço.

    1. Renato

      Assim como Nadal deveria oferecer para Roger alguns confrontos na grama, né? Foram apenas três. Um dos motivos pelo qual o h2h é tão desigual.

    2. André Barcellos

      Federer ofereceu esses confrontos durante longos anos.
      O resultado foi um H2H falacioso e a perda da confiança durante décadas.
      Nadal é o melhor jogador da história do universo, no saibro.

    3. Geraldo Carvalho

      Existe um torneio de GS na grama. E 3 masters 1000 no saibro, além de um GS . Nadal já vem jogando em quadras que são mt boas para o Federer.

      1. Renato

        Miami e Indian Wells São boas para Federer? A maioria das quadras de cimento São boas para Nadal. Lentas! O espanhol jogou por três anos Halle mas nunca chegou a final para enfrentar o suíço. E se Nadal so é melhor que Roger no saibro, paciência. O esporte é jogado em três diferentes tipos de piso e 80% dos tenistas preferem as quadras duras.

        1. Geraldo Carvalho

          Continuo torcendo para que eles se enfrentem no saibro tb. O circuito ‘ como ele se apresenta ‘, através dos torneios mais importantes, com maior pontuação. Mas como eu já disse, entendo se o Federer continuar evitando o saibro. É ele quem está na frente. O desgaste é desnecessário.

  69. Daniel

    Dalcim!! Parabéns pelo blog e textos sempre muito coerentes!!

    Será que existe alguma estatística de tempo em quadra x pontos acumulados no ano!?

    Se houver, esse ano o Federer deve estar liderando com folga!

    Abs

  70. Henrique Farinha

    Dalcim, para mim ficaram claras duas coisas: 1) Nadal ainda não encontrou respostas táticas para a mudança do backhand de Federer e o aumento da agressividade dele nas devoluções, trocando o bloqueio e o slice por golpes mais à frente; 2) como é bom ver um piso mais rápido no circuito, precisamos de mais!
    A padronização excessiva da velocidade das quadras tornou as coisas mais monótonas. Influenciou inclusive em Wimbledon. Que a ATP e a ITF revisem isso e voltemos aos tempos em que os tenistas suavam mais para se adaptarem aos diferentes pisos e até moldassem mais o calendário em função deles. É exatamente essa padronização, associada à necessidade de atrair mais atrações, que está matando o circuito sul-americano do saibro. Para que um tenista top vai investir nisso se joga o ano inteiro em quadras parecidas, menos nas fases pré-Roland Garros e pré-Wimbledon, que representam apenas dois meses do ano? Maiores variações trariam diferentes sensações e ampliariam o leque de favoritos, como víamos no passado. É exatamente do que precisamos, ainda mais com o final das carreiras de gente como Federer e Nadal se aproximando. Não será fácil substituí-los. Abs!

  71. Glauber melo

    Mestre boa noite sabemos que é difícil prever Alguma coisa mais na sua opinião se o Federer se manter saudável e mesclando seu calendário vc acredita em mais alguns slams pro suíço e mais uma vez parabéns pela análise perfeita

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele se mantiver motivado e treinando firme, sempre podemos cotá-lo para pisos mais velozes. O de Melbourne deste ano estava bem a seu feitio, e Wimbledon claro…

      1. Nando

        Mestre, esse seria o calendário ideal pro Federer a partir de 2019? (Caso queira jogar um pouco mais).
        Hopman, AO, Dubai, Indian Wells, Stuttgart, Halle, WB, Cincinnati, USO, Shanghai, Basel e Finals.
        12 torneios, com as melhores quadras ao seu estilo de jogo.
        Concorda?

          1. Nando

            Então, eu citei esse calendário pra 2019, só com os torneios “melhores” pra ele jogar, sem se desgastar mto, e em tese são os q o Rei teria mais chances né?

  72. AKC

    Pena que não vi… sinto que retornamos à 2007, quando Djoko e Murray eram mais ou menos como Zverev e Thiem hoje, e Federer e Nadal dominavam o circuito, Nadal no saibro e Federer no restante… Em pleno 2017 esses dois estão aí, e ainda por cima melhores!

  73. Diego Bezerra

    Título do post bem escolhido hein Dalcim, obg por nos dar essa oportunidade e argumentos!! Apesar de Nadal vim de uma semana melhor, mais consistente, o tennis é um esporte “jogado” , na maioria das vezes vence quem menos erra e N quem faz mais winners, ir pro risco é sempre mais complicado, está mais sujeito ao erro!! Msm assim me encanta quem tem um tennis agressivo, quem joga sabe o q estou dizendo!! Numa época em q é só pancada do fundo de quadra, vem um, digamos assim, “senhor” e saca como ninguém, boleia magistralmente, vai a rede, encurta os pontos como ninguém, parabéns Professor Roger por mais uma aula!!

  74. Fabio

    Nadal jogou mais de 70 partidas esse ano, dá pra ver o quanto a evolução técnica rendeu. Mesmo ganhando quase tudo no saibro continua competitivo mas ser humano sempre quer mais e talvez esse seja o maior problema dele, na tática de jogar mais torneios que o Federer pode faltar tempo para se recuperar até o Finals. Acho que ele devia ter pulado o ATP 500 que ele venceu mas talvez ele duvidasse das chances em Shangai, fica até difícil dizer se foi uma decisão ruim pra ele que diz precisar de ritmo e perdeu só um jogo nessas últimas semanas.

  75. Jônatas

    Essa parte não sabia. Parece aqueles animes no qual no confronto final o adversário fala “rápido, rápido demais” e logo vem a cara de preocupação e conseqüentemente a derrota.

    E daqui pra frente é só quadra rápida, eu hein…

  76. Rodrigo S. Cruz

    Que aula de tênis, senhoras e senhores.

    E contra um adversário que nos últimos dias se portava como alguém imbatível.

    É…

    Esta cada dia mais difícil pros HATERS esgrimirem os argumentos que evocam o suíço como o melhor tenista da história.

  77. Pedro

    Dalcim, o comentário do Federer em talvez não disputar mais torneios este ano (exceção do Finals) foi estranho. Parece que ele está querendo se poupar para o Finals e o início de 2018. Alguma notícia sobre uma possível lesão ou seria apenas para descansar o físico?

  78. Arthur

    Mais do mesmo, Dalcim.
    Na verdade, o teórico favoritismo de Nadal para a final decorria muito mais da incógnita sobre as condições físicas do Federer do que às capacidades técnicas do espanhol. Numa quadra superveloz como Shanghai, o fator físico – que sempre pesa a favor do Nadal – é simplesmente anulado.
    Pra piorar, desde que Federer adaptou seu backhand para devolver todos os saques, batendo chapado ao invés do slice, o matchup contra o espanhol ficou um tanto previsível. Sem tempo pra armar seu Gancho, o espanhol é obrigado a recuar ainda mais, deixando a quadra aberta para o suíço. E o que é pior: como não tem como esticar os pontos, ele se obriga a tentar partir para os winners, coisa com a qual ele não está acostumado. Só isso explica a aparentemente estranhíssima estatística de Nadal ter mais erros não forçados do que Federer.
    E mais: com Federer pegando a bola dentro da quadra e na subida, simplesmente não importa mais quanto spin o Nadal coloque em seu forehand.
    A essa altura do campeonato, a única dúvida que resta é saber se o matchup atual pode fazer com que o suíço volte a bater o espanhol no saibro.
    Fora disso, em qualquer quadra dura, mesmo as mais lentas como Miami, Federer entrará como favorito (a menos que esteja contundido, é claro).

    Um abraço.

  79. Marcos Marinho

    Esse Nadal é muito folgado mesmo, Dalcim!
    Tomando aula particular em pleno dia do Mestre! Deveria ter respeitado o feriado do professor Federer. Hahaha.

    Que atuação magnífica. Talvez a melhor atuação do ano, pq esse Nadal era superior ao de Indian Wells/Miami. Fica agora a expectativa na briga pelo #1. Parece muito claro que o tenista do ano é Federer, que só foi derrotado uma única vez até agora quando esteve em condições físicas ideais: na estreia na grama de Stuttgart.

    Chega a temporada de quadras indoor, período em que Nadal costuma não faturar NADA. Federer se coloca com uma vantagem mental importante caso chegue a enfrentar o espanhol.

  80. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    pelo que falaram nas entrevistas após o jogo para mim ficou que claro que o Nadal não joga Basel e deve jogar Paris e com certeza o Finals, mesmo que não esteja com o joelho bom pelo que parece.
    Quanto ao Federer ele disse que pode jogar os dois (Basel e Paris), somente um, ou nenhum. Somente garantindo o Finals.
    Mestre, pela sua experiência, e considerando a congruência que o Federer teve em sua carreira em selecionar torneios, você acredita mesmo que ele não jogue nada somente retornando no Finals? Na minha opinião ele joga Basel, tira duas semanas de pausa e joga o Finals. Qual a sua opinião Dalcim?

    1. José Nilton Dalcim

      Difícil arriscar, mas acho que ele jogará em casa e avaliará se vale tentar Paris em termos de luta pelo número 1. Federer não gosta muito da lentidão de Bercy.

    2. JANAINA M. DIAS

      Ulisses, eu acho que o NADAL vai pular Basel e Paris e só vai jogar o Finals, e o FEDERER, pra mim, vai jogar Basel, pular Paris e disputar o Finals, o qual ele declarou ser seu maior objetivo pra esse final de ano..

      Vou ficar surpresa se qualquer um dos dois decida jogar os 3 torneios..seria bem arriscado..

  81. Barocos

    Jogo é jogo, treino é treino. Que o Nadal é um excepcional tenista ninguém (ou quase) duvida mas é muito diferente para ele ter que responder as bolas de Federer, Djokovic e Murray, que possuem uma qualidade superior à dos outros tenistas. Que ele tem devoluções muito difíceis para 99% dos jogadores também é sabido mas, de novo, os outros membros do Top 4 aprenderam como respondê-las.

    Da outra vez que disse isto, responderam que eu estava diminuindo as conquistas do Nadal e eu argumentei que, longe disto, estava apresentando os fatos. Taí de novo, quinta seguida do Federer e desta vez foi uma senhora aula de tênis.

      1. Rafael

        Concordo com o comentário do Barocos.

        ———————————-

        Mudando de assunto, fico curioso em ver que mais ninguém fala em renovação, no quanto está chato, há dez anos que é assim, etc. Entendo a vontade de admirar os – supostos – últimos anos de Federer, Nadal, acho super bacana também, acho até legal Federer estar revertendo e normalizando – mesmo que termine abaixo – um H2H que não refletia a qualidade do tênis de ambos, mas, mas, mas….

        Não adianta, esperar coerência de torcedor é caso perdido. De qualquer esporte. E não estou falando por mal, não.

        Por último, parabéns a Federer, nunca o vi jogar tão bem. Amadurecimento é tudo.

  82. Aguinaldo

    Gostei do título.
    PeRFeito!
    Pena que não acordei mais cedo para assistir esta partida.
    Achava que o Nadal iria vencer.
    Ele vinha jogando melhor que o Roger no torneio.Pena que não irão reprisar o jogo.

    Fico muito feliz em ver que o Roger continua com o seu tênis fantástico, mesmo aos 36 anos e com problemas na coluna. Tomara mesmo que o Nadal abra mão de algum torneio, para o Federer poder se aproximar dele na luta pelo melhor do ano.

  83. Márcio Souza

    PeRFeito realmente Mestre, ótimo post como sempre!

    Galera não tem jeito, como eu postei aqui ontem, quando eu compro a carne pro churrasco com antecedência não tem erro! Kkkkkk

    O Siri foi entubado com louvor e com todas as honras nessa manhã de domingo, que vitória maravilhosa do GOAT.
    Não fez nem cócegas ou tirou suor do Federer esse jogo, não teve nenhum break, Nadal em momento nenhum incomodou o suiço, curioso lembrar que Donskoy e Haas conseguiram vencer o GOAT esse ano e o Cueca Atômica não kkkkk

    23 a 15 e contando…
    27 títulos de Masters e contando…
    94 títulos e contando…

    O homen não para de nos dar alegrias e com certeza nos dara muitas ainda.
    E o recado que fica pras Nadaletes e pras Djokozetes, urubus e aves de rapina que ficam secando, zoando e desmerecendo o talento e as conquistas do Federer é:
    – CHUPA QUE É DE UVA!!! kkkkkkkkkkkkk

    Valeu GOAT por mais essa conquista maravilhosa e por ter calado a boca de muita gente que o tinham aposentado e só sabe falar mal desse monstro e lenda viva que você é e representa no TÊNIS.

    Parabéns também a todos os torcedores do Federer aqui do Blog que assim como eu acreditaram que ele venceria o Siri hoje e assim o fez.

    Valeu galera um bom resto de domingo e otima semana a todos!

  84. Nando

    Dalcim, eu estava vendo as chaves dos ATPs dessa semana…pq o Querrey não vai jogar? A chave de Moscou está fraquíssima, seria uma boa pra ele buscar uns pts na briga pelo Finals hein? Só o Carreño q está nela.

    1. José Nilton Dalcim

      Não posso responder por ele, mas acredito que ele resolveu descansar antes dos dois torneios que realmente importam para chegar a Londres.

  85. Tiago Castro

    Dalcin.. como na fórmula 1, seria possível avaliar qual torneiro é mais favorável para Federer ou Nadal, daqui pro final do ano??
    Seria possível eles se inscreverem em mais algum torneio, para ganhar pontos no ranking??
    Ótima postagem. Parabéns.

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que todos são um pouquinho mais favoráveis a Federer, até porque tem a torcida na Basileia e o tabu de Nadal em Paris e Londres. Mas não são pisos tão velozes como o de Xangai. Não vejo espaço para incluir um outro torneio, já que a semana da Basileia é também do 500 de Viena.

  86. Ernesto

    Dificilmente Federer não fechará o ano como número 1. Descansado , e atuando em piso de sua especialidade , está bem próximo do 6° ano no topo do ranking , e do 7° Finals. Merecidamente !

  87. julio

    Sinceramente achei que nadal ia ganhar, e provei que sou ruim de acertos.
    Sinceramente, para o bem do tênis, espero que Djocko, Wawrinka, Murray, Nishicori e os demais contundidos voltem a jogar, e logo.
    Já está chato, e sem graça mesmo ver os mesmos de sempre, acho que quem gosta de tênis quer ver jogos interessantes, com as maiores variedades de jogos possíveis, como o jogo de Nadal e Cilic, ou algo melhor que isso.
    Federer e Nadal já ganharam demais , então que venham mais gente para participar da distribuição do bolo.
    Acho que o iato já passou do tempo, já se beneficiaram demais, apesar que Djocko foi o mais que se beneficiou da entressafra de Nadal e Federer, mas ele soube aproveitar a chance e merece todos os títulos que ganhou;
    Que tenhamos um 2018 com todos os maiores jogadores top do circuito em boa forma, para que possamos enfim desfrutar de jogos extraordinários, e não essa mesmice de final de ano.
    Abraço a todos

    1. Marcio

      Nishikori??
      Esse é o representante da pior época do tênis de todos os tempos, que ja passou graças a Deus!!!
      O melhor jogador da pior geraçao já vista, nascida pra ser derrotada por um jogador simples e outros já veteranos.
      é só olhar o ranking, e perceberá o que o Nishikori representa.
      Precisaram surgir guris de 19 e 20 anos para sacudir um pouco a temporada.
      E abriu-se novamente a porta para Nadal e Federer pois ninguém sabe vencer, da geração acima dita, aí venceu sempre o menos ruim. E os velhinhos escolhendo torneios sobram, mesmo jogando muito, mas MUITO abaixo em termos de intensidade e competitividade, e força.

    2. HENRIQUE CRISPIM

      Acho que ano passado estava um parâmetro parecido. Andy Murray vs Djokovic eu acho que é a menos ‘melhor’ rivalidade : os jogos entre eles são muito chatos. Nessa lista que você colocou acho que Djoko e wawrinka podem apimentar 2018 ,pois Murray é saco de pancadas de todos eles . Os jogos entre federal e Nadal são muito melhores que Djoko vs Murray , 2016 foi a pior temporada que eu assisti de tênis. 2017 está muito melhor .

  88. Rafael Wuthrich

    Meus amigos, que final surpreendente. Não esperava uma atuação tão soberba do suíço diante de um adversário até então com 16 jogos de invencibilidade e transbordando confiança, jogando seu melhor tênis na quadra sintética desde 2013. Daí, vem Roger Federer, ainda retornando ao seu melhor tênis, e faz isso.

    Algumas coisas ficaram claras neste domingo. A primeira: numa quadra sntética e na grama, em termos táticos, Nadal já não tem mais alternativas contra o suíço. A postura de jogar altas bolas cheias de spin no BH não funciona mais, e a alternativa de atacar o FH tentada hoje – e loas ao Dalcim, que já apostava nisso desde ontem e fatalmente Rafa tentou ousar usando o seu BH na paralela no FH de Federer ou mesmo trocando FH – se mostrou ineficaz, porque Federer tinha a bola para bater flat de FH no lado oposto onde o espanhol estava.

    Aliás, o espanhol só não tomou um placar mais elástico estilo Finals de 2011 porque sacou muito com 1o saque, tentou encurtar pontos mesmo recebendo pedradas no pé e está realmente vivendo fase esplendorosa. Fosse qualquer outro momento e Nadal não teria feito 3 games.

    Uma coisa que ainda me incomodou foi novamente Nadal devolvendo lá nas placas de publicidade da Rolex. Fico pensando no que Moyá terá que ralar pra tirar esse posicionamento defensivo de Rafa. É bem verdade que os golpes pesados e fundos de Federer, extremamente rápidos, recomendam um posicionamento mais conservador, pra melhor preparação, mas Nadal exagera. Abre a possibilidade de algo como o raríssimo game real que tomou, tomando saques fechados ou muito angulados que resultam em aces.

    Fosse eu o técnico, tentaria adaptar o espanhol a devolver saques com slices opostos ao posicionamento adversário (o que ele já chegou a fazer contra Djokovic) ou mesmo bolas mais retas, encurtando a distância pro ponto de contato. Seria uma alternativa pra sair dessa mesmice que não funciona mais em quadras sintéticas. Talvez ainda funcione no saibro, mas qual a chance dele enfrentar o suiço na terra batida hoje? Usar bolas altas de spin na esquerda não incomoda mais o suíço e sua raquete maior e posicionamento mais avançado; jogar no FH é um risco enorme de deixar Federer comandar os pontos; ficar se defendendo esperando erro contra um adversário mais pragmático e menos afobado que esse Federer 2017 se mostrou ineficiente. Penso que Rafa deveria.reavaliar algumas coisas.

    Outra questão que ficou escancarada: Não há a menor chance de comparar o ano de Federer com o do espanhol. Suíço é com sobras o tenista do ano. Além de técnica é uma quesão matemática: mesmo tendo jogado 6000 pontos a mais, Nadal está a meros 1900 do suíço. Se considerarmos que Federer ainda conseguiu ser vice em Montreal e quartas no UO sem estar 100% fisicamente, a diferença fica ainda mais assombrosa. As 4 vitórias sobre o espanhol, principalmente as contundentes últimas 3 – em que sequer conseguiu quebrar o suíço – falam por si só.

    Pra encerrar, leio que Rafa deixou em aberto que pretende descansar até o Finals. Se confirmado, atitude mais que correta. É até surpreendente que não tenha tido uma lesão antes, dado seu histórico. Porém, se de fato for resultado do problemático joelho esquerdo, acho que essa gira asiática pode custar mais caro que o Finals.

    Sobre Federer, deveria se manter focado em Basel e depois o Finals. Ainda que o número 1 esteja ao alcance, acho que seu corpo deve ser prioridade, até objetivando vencer novamente o Finals. Jogar Paris poderia ser bem arriscado.

  89. Nelson Freire

    Dalcim
    Vejo alguns anos de tenis para o Nadal. A pergunta que fica é: E Federer? Para o ano que vem? A volta de Djokovic e Murray pode influenciar?

    1. Jônatas

      Federer deve jogar o ano que vem sim, o que não sabemos é se vai jogar em 2019. Penso que ele, a família e o staff vão avaliando o desempenho continuadamente. Este ano já está além do esperado mas não sabemos o ano que vem como será. Pode ter até um calendário mais enxuto ainda se ele perceber que está competitivo mas a performance cai rapidamente devido à seqüência de jogos.

      Apreciem como se fosse o último jogo…

      1. José Carlos

        O Roger fechou contrato com ATP da Basileia até 2029.A princípio,ou seja,sem lesões,não creio que ele se aposente antes do fim de 2019.E aí,por minha conta e risco,creio que ele jogue 2020 a menos até às Olimpíadas em busca do ouro em simples que ele tanto buscou.A ver…

  90. Clovis Andrade de Almeida

    Dalcin, parabéns por seus comentários.
    Do jeito que o circuito está caminhando, ou seja, a nova geração ainda pipocando bastante, tudo indica que após a aposentadoria destes dois monstros do tênis viveremos uma entressafra de talentos. Ficamos mal acostumados em vê-los jogar e nos tornamos muito exigentes com os novatos. Não consigo vislumbrar qualquer dos novos ameaçando Federer e Nadal. Djoko e Murray também já são trintões e suas ameaças à dupla FedAl serão eventuais. Não consigo ver em Murray a mesma longevidade de Federer. Tenho dúvidas quanto ao Djoko. Enfim, torço para que a próxima safra de novos consiga, pelo menos, chegar próximo do “big four”, pois a atual já disse ao que (não) veio.

  91. Mário Fagundes

    PERFEITA análise, Dalcim! Acredito que tenha sintetizado tudo no post o que vimos na final. Acrescentaria somente o fato de que hoje, no confronto entre eles, quem tem de mudar a forma de jogar é Nadal (os ENF´s dele provam isso). Então, Dalcim, Federer descobriu (de vez) a fórmula pra vencer Nadal?

  92. Ronildo

    Fantástica a performance de Federer na final. Isso só reforçou minhas conclusões de que ele de certa forma foi relapso na preparação para o Us Open. Ele simplesmente deve ter deixado de lado as precauções para a passagem da grama para o piso duro, especialmente no caso de quem tem um problema recorrente, como o que ele tem nas costas. O ideal seria fazer uma preparação especial enquanto seus rivais se cansavam em Montreal para chegar em ponto de bala em Cincinnati e Us Open. Neste caso, seria ele que estaria com 2 mil pontos à frente de Nadal.

  93. André Barcellos

    Alguém em algum momento falou nesse blog que a temporada de Federer seria ofuscada pelo número 1 do Nadal.
    Acho que isso não tem o menor cabimento. Já são 4 chocolates e o ano nem terminou.
    Fica claro quem deveria ser o número 1. Enfim, Lesão é lesão e idade é idade.
    FedEx não poderia mesmo ter se sacrificado no saibro nem ido bem no USopen series com dor nas costas…

  94. Marcos RJ

    Dalcim, brilhante post como sempre.
    Vale lembrar que a vitória também valeu mais um marco histórico para o suíço, alcançando os 94 títulos de Lendl e agora apenas atrás de Connors em títulos ATP

  95. Denis matos

    Dalcim, vc tem a comparacao dos pontos disputados e ganhos em relação ao ranking de Federer e Nadal, ja que Federer nao jogou toda a temporada de saibro deve estar om aproveitamento muito maior.

      1. Jônatas

        Eu acho que entendi. Na temporada o Rafa tinha uns 82% de aproveitamento se não me engano, Federer estava acima dos 90% na relação VITÓRIAS/DERROTAS.

    1. Eduardo

      Boa noite!

      Vou lhe ajudar….Esta falando de pontos e não de vitórias, sendo assim federer ganhou 75,6 % dos 11.250 pontos que disputou em apenas 10 torneios. Nadal ganhou 58,95 % dos 17.750 pontos que disputou em 16 torneios.

      Ou seja , Federer tem um dos melhores aproveitamentos da história e mais de 16% sobre o Nadal !!! Por isso, esse tipo de ranking atual não é o mais justo….

      .Concorda Dalcim?? Acho q já houve alguma discussão e post sobre isto esse ano…..

      Abraco

  96. Antonio Gabriel

    Demorou, mas assim como Djoko, RF achou a forma como enfrentar e ganhar do jogo “chato e feio “, mas extremamente eficiente, de RN. Vai ser difícil Nadal voltar a ganhar do Suíço, acho até que vai acontecer, mais pela ineficiência do Suíço do que pelo contrário. O que impressiona em RF é a vitalidade. Tomara que o SporTV reprise i jogo, para ver a aula de RF.

  97. Rodrigo S. Cruz

    Plagiando o nosso amigo Márcio:

    Olhar pra cara de cachorro quando cai da mudança do Nadal hoje (assim como a do Djokovic) NÃO TEM PREÇO!

    Kkkkkk

  98. Marcelo

    Dalcim, boa tarde! Acordei hj cedo e vi um o show do Federer hehe. Vi um show de eficiência, qualidade, etc, etc ! Temos visto, em entrevistas, o Federer elogiando o Nadal, destacando suas qualidades como jogador, e dizendo que o fez ser um jogador melhor , ou seja e fez mesmo, a perceber pela mudança em que ele vem jogando contra o Nadal. Ele sabe que tem que manter um nivel de concentração absurda, sacar muito bem, ser agressivo o tempo inteiro, encurtar os pontos ao maximo e até o golpe “vulnerável ” que tinha , o seu BH, foi muito melhorado. A percepção que tenho é que dificilmente o Nadal, com o jogo que tem, irá ganhar do Federer em quadras como essas. Não sei se concorda comigo hehe. Acho que o Nadal terá que correr atrás de reinventar algo no seu jogo para tentar fazer frente né, afinal já faz um tempo que não ganha nem um set do Federer. O que vc pensa a respeito?

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, sem dúvida essa série de derrotas pesa e Nadal sempre está fora de seu habitat natural, porque o piso sintético casa mais com Federer. Acho que o ponto crucial que Rafa poderia mexer seria a devolução de saque. Mas hoje especialmente não sei se isso seria o suficiente.

      1. Marcelo

        Obrigado! Também concordo ! Hj seria impossível para qualquer um hehe. Torço para que o Nadal ainda consiga reinventar ainda mais . Torço muito por ele. Abraço.

  99. Rodrigo S. Cruz

    Não tem jeito…

    A técnica do Federer está anos-luz acima do Nadal, e também de vários outros jogadores do circuito.

    É sempre um privilégio assistir o cara jogar.

    O que me causou ojeriza foi ver o baba-ovo do Ricardo Acioly torcendo descaradamente pro espanhol.

    O suíço vinha varrendo o Nadal da quadra, já com quebra de saque no segundo set, e o cara elogiava mais o espanhol do que o suíço.

    Estava ficando patético!

    Aí, bem no finalzinho, ele meio que tentou disfarçar…

    Honestamente, eu não sei quem é o pior nesse quesito. Se ele, ou o se o Narck.

    1. Marcelo Araújo

      Apesar de achar o Ricardo Acioly um bom comentarista, também achei ele muito parcial nesta final, enaltecendo o Nadal o tempo todo e não elogiando as grandes jogadas de Federer como deveria. Só no final que ele teve que se render à superioridade incontestável do suíço na partida. Deixou transparecer seu lado torcedor, o que não é adequado para um jornalista.

        1. Marcelo Araújo

          Tem razão, Dalcim, mas entendo que um comentarista também deve fazer seus comentários de forma isenta, sem deixar transparecer seu lado torcedor. Abs.

          1. José Nilton Dalcim

            Nisso concordamos. Mas como eles são treinadores ou ex-jogadores, é natural que fujam do padrão jornalístico ideal, Marcelo.

  100. Marcelo Reis

    Que jogo magistral do Roger! Acredito que nem o Nadal das partidas anteriores iria ganhar hoje, mas ele deve terminar em 1º e será mega merecido.

    Algumas comentários aleatórios nos quais acredito:

    *A quadra realmente favorecia Federer.
    *Os joelhos de Nadal começaram a pagar o preço e ele certamente terá que abrir mão de torneio(s) para terminar em 1º e com saúde pro 2018.
    *Federer não sentiu as costas, finalmente.
    *Nadal está com uma espécie de bloqueio mental idêntico ao que Roger teve contra ele por 1 década.
    *A troca da raquete e o neo-backhand do Roger continuam colhendo muitos frutos.
    *Nadal terá que se reinventar para equilibrar as chances de vencer Roger em quadras minimamente velozes (duras).
    *Federer não vai jogar em saibro tão cedo, até pra não quebrar a “novo bloqueio mental”, a não ser que ele perca pra Nadal antes – e mesmo assim!
    *Nadal foi mais errático hoje que o normal, mas era a única forma de causar dano no Federer de acordo com o game-plan dele.
    *Alguns fãs de ambos vão começar a digladiar aqui, menosprezando um para enaltecer o outro (pouco construtivo em um debate), e será ridículo. Espero que esteja errado.

    Segue o calendário … !

  101. O LÓGICO

    ROBOZINHO CUSÃO kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    “Não foi só uma precaução no meu joelho direito, mas depois de perder uma final não é o momento correto para se falar.”

    A verdade é que o robozinho já entra em quadra “borrado” kkkkk quando sabe que vai enfrentar o Rei, pois não conta mais com a única arma que tinha pra ganhar dele – ataque no backhand com balões cheios de rotações kkkkkk. Então, ele já entra em quadra com a desculpa preparada para a derrota certa. Ele não precisa falar, basta “simbolizar” que a mídia faz o resto kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Mais uma vez se prova a UNIDIMENSIONALIDADE desse simulacro de tenista kkkkkkkk Já são quantas participações em Xangai, nadalzetes? kkkkkkkkkk O que dizer de um “tenista” que durante toda a sua carreira ganhou na maioria das vezes dos adversários contando com o erro deles e lustrando as quadras do circuito -correndo de uma lado pro outro pra se defender dos ataques habilidosos produzidos pela qualidade do tênis praticado por seus adversários kkkkkkkk

    Quadra rápida exige apuração técnica em todos os fundamentos, além de excelente reflexo, elevada inteligência e uma capacidade de improvisação e variação acima da média – coisa que o passador de bolinha não tem e nunca teve kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    O filósofo do tênis macabro tem uma semana para tentar arranjar uma maneira de forjar uma “nova arma” para impedir a ação do espetacular tênis produzido pelo Deus desse esporte. E ele pode continuar se entubando de açaí – até perder o último fio de cabelo kkkkk – que correr muito também não resolve mais kkkkkkkkkkkkkk

    CHUPA QUE É DE UVA NADALZETES SOFREDORAS KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    1. JANAINA M. DIAS

      “Filósofo do tênis macabro” foi ótima! Kkk

      E FEDERER hoje foi realmente magistral! (Aos 36 anos!)..

    2. Nando

      Lógico, gosto da sua zueira em relação ao espanhol, só acho errado vc xingar o balão de C…., palavrão não, né?
      No resto, continue com seu bom humor sempre.

  102. Bartolomeu

    Não tenho a menor dúvida de que o Federer-17 é um dos pontos mais altos da história do tênis e, por consequência, da carreira do genial tenista.

    Infelizmente, por conta da idade, ele volta ao mesmo dilema pós-Wimbledon. Para alcançar o número 1, vai precisar jogar, e ir bem, em vários torneios em curto espaço de tempo. Ele tentou isso logo depois de Wimbledon, acabou sentindo as costas na reta final de Montreal, e teve comprometida a sua preparação para o US Open. Entrou no torneio sem ritmo, longe da melhor forma técnica, e acabou caindo para o Del Potro. Talvez se ele tivesse pulado os masters series, assim como fez com a temporada de saibro, tivesse ganhado em Nova York. Conjecturas, sempre conjecturas.

    E agora, se ele quiser o número 1 no fim da temporada, vai precisar disputar e chegar às rodadas derradeiras de Paris, da Basiléia, e do Finals em Londres. Não tenho a menor dúvida de que ele tem tênis para isso, mas será que o físico aguenta? O meu receio é que ele chegue ao Finals da mesma forma que chegou em Nova York.

      1. Bartolomeu

        Não acho que entre Wimbledon e Montreal, considerando a idade do Federer e o fato dele ter vindo dos títulos em Halle e Wimbledon, tenha decorrido tanto tempo assim a ponto de garantir uma pronta recuperação. Com certeza foi bem menos tempo do que toda a temporada de saibro, que Federer pulou e depois chegou na ponta dos cascos em Wimbledon.

        De todo modo, ele disputou Montreal, chegou até a final, onde começou a apresentar problemas nas costas. Lembre-se que o plano inicial era disputar Montreal, Cincinnati e o US Open: torneio praticamente emendados, o que não foi possível.

        Agora, se a lesão sofrida em Montreal foi ou não foi resultado de um retorno apressado, sem o descanso adequado, é algo que nem eu e nem você podemos afirmar com certeza, mas tenho certeza de que as nossas opiniões são contrárias.

  103. periferia

    Olá Dalcim…….vendo os jogos antigos…..o slide era muito usado…. .hoje em dia quase ninguém usa com aquela frequência. …..e quem usa não está levando muita vantagem .(Federer quase não usa mais)…..a tendência é o slice praticamente desaparecer? .. ……

    1. José Nilton Dalcim

      Não, nunca. Ele tem de ser usado como variação e não como plano de jogo, exceto em algumas situações muito especiais. Mas como recurso é uma arma excepcional.

  104. Rodrigo S. Cruz

    Desde o jogo contra o Delpo, o Federer já vinha recuperando o tempo do seu backhand.

    Hoje, o golpe não esteve no potencial máximo. Porém, mesmo assim, o Federer terminou o jogo com 8 winners daquele lado, contra apenas 1, do Nadal…

    Também foram 11 winners de forehand contra apenas 5 do maiorquino…

    E acima de tudo, o seu saque foi SOBERBO. E ele simplesmente não deixou o Frango jogar e nem sentir a bola.

    Considerando que até os erros diretos do suíço foram bem menos do que errou o espanhol, o que se viu foi um show do suíço.

    Mais uma bela surra de CHIBATA nos lombos de Nadal.

    Kkkkkk

  105. Rafael

    Verdade! Jogo foi definido no primeiro set! Inacreditavelmente resignado o espanhol!
    Como pode o suíço já perto dos 40 anos, resgatar reflexos talvez nunca antes obtidos??
    Parabéns!
    Ganhou fácil! Vamos ver o que Nadal poderá fazer contra ele nas próximas partidas em quadra rápida, pois no saibro o suíço com certeza nunca mais vai encontrá-lo!!
    Talvez volte a começar o jogo recebendo ao invés de sacando. Ele sempre preferia assim antes…

  106. Cynthia - Araçoiaba

    Dalcim, Nada a acrescentar! Seu texto, peRFeito tbem!!!
    Queria só elogiar o Pardal como comentarista!!! PeRFeito, tbem!!! Analisa muito bem, é simpático, elogia sem torcer. Claro q admira o Mestre, como todos fans de tênis, mas sem virar macaca de auditório como outros. Muito bom, mesmo!!! VC concorda???

      1. João ando

        Gostou muito dos comentários do roese e do Airton Cunha. Acho muito engraçado o saretta e Meligeni embora a maioria dos colegas do blog aqui não gostem…não tenho Boa impressão do pardal ….talvez devido a época que ele teve uma equipe de treinamento no Marina barra clube e onde devia tentar agregar seus pupilos com as crianças do clube …ele separava.quanto ao nark acho que ele entende muito de tenis mas as pessoas daqui também não gostam dele. …

    1. Pieter

      Concordo também!
      Além de análises técnicas muito boas, é educado, tem um timbre de voz agradável e sabe se expressar bem.
      Prefiro o Ricardo do que o Narck.

  107. Ricardo - DF

    Dalcim, fico tentando entender o que mudou nesta relação Federer x Nadal para explicar um domínio tão completo do suíço agora, enquanto que, antigamente, ocorria justamente o contrário.
    1. Aparentemente os dois são muito mais amigos agora do que antes, quando eram muito mais rivais. Essa amizade poderia influenciar o psicológico deles ? Deixar Federer mais à vontade e Nadal menos agressivo com ele ? Vê-se que eles estão muito mais comedidos nas comemorações quando jogam entre si.
    2. Federer certamente não pode estar jogando mais do que jogava 10 anos atrás. Os ajustes no revés e a raquete com cabeça maior chegam a ter uma influência significativa ? Por que Nadal não consegue mais explorar a bola alta com spin no revés do suíço ?
    3. Nadal parecia não estar tão afiado fisicamente quanto em RG e no USOPEN. A quantidade de ENF que fez, além da queda na confiança diante do Federer, não teria uma relação com o aspecto físico também ?
    É claro que tem o aspecto piso também. No saibro, ele provavelmente buscaria quase todas os winners do Federer. Me parece que, sob o aspecto psicológico, Federer foi muito esperto em não competir com Nadal no saibro.

    1. José Nilton Dalcim

      Bom, são muitos ‘se’. Não acho que exista tanta amizade a ponto de influenciar a parte emocional. Tenista continua querendo ganhar a qualquer custo, até se enfrentar a própria mãe. O aspecto técnico-tático me parece ser o fator primordial e não resta dúvida que a vitória em Melbourne mudou isso radicalmente em favor do Federer.

  108. Marcelo

    Dalcim, boa tarde.
    Você não acha que entre as mudanças que o Federer implementou esse ano contra o Nadal, o maior uso de spin,bem fundo, principalmente com o backhand é um dos mais interessantes?
    Além de obviamente ser um golpe mais conservador, proporciona mais tempo para ele se posicionar em quadra,e o pior, parece que incomoda bastante o Nadal.
    Excelente post!

    1. José Nilton Dalcim

      Isso não vem de hoje, Marcelo. Contra o Djokovic, Federer várias vezes aumentou o uso do topspin, mudando até mesmo a terminação de seu forehand para a conhecida ‘laçada’ atrás da cabeça. É um recurso importante, porque você precisa ser consistente contra o Nadal até achar uma chance de ser ofensivo.

  109. Juscelino Júnior]

    Boa tarde, Dalcim!

    As condições rapidíssimas de Shanghai favorecem demais ao jogo do Federer. É verdade que Nadal vem jogando muito bem neste tipo de piso, mas hoje o Espanhol foi varrido de quadra. O Suíço beirou à perfeição…
    Dalcim, me parece que as quadras de Paris-Bercy e Londres são bem menos rápidas do que as de Shanghai. Sendo assim, você acha que nestas condições, Nadal teria uma chance maior de impor seu jogo, ou o Gênio ainda é ultra favorito?

  110. Renatinho

    Dalcim, geralmente quem encerra como número um de uma temporada é quem praticou o melhor tênis da temporada. Acho que é pouco provável que aconteça isto em 2017l. No seu mehor nível quem jogou o tênis mais perfeito da temporada ? Federer. Todavia, pela idade avançada e devido ao fato de não poder se dar ao luxa de jogar inúmeros torneios ( isso tudo somado a constância do Nadal que somou uma grande quantidade de pontos nestes períodos em que o Federer não jogou ou teve seu físico oscilante) a luta pelo número um para quem de fato praticou o tênis mais perfeito da temporada 2017 se tornou difícil. Não falando de regularidade, mas sim de momentos em que jogou o seu melhor nesta temporada . Dalcim, neste sentido vc acha que Federer praticou o tênis mais perfeito da temporada 2017?

    1. José Nilton Dalcim

      O número 1 fica com o jogador mais regular. Claro que se um tenista joga mais e tem mais resultados positivos, que é o caso de Nadal, ele merece o posto sem muita discussão.

  111. Eduardo

    Federer jogou absurdamente bem hoje. Logo nos primeiros games já se sabia q não seria possível derrotá-lo. Quando ele está com o saque e Bh em dia, somente Djokovic pode pará-lo, já que possui a melhor devolução e BH do circuito…Gostaria muito de ter visto o Federer 2017 contra o Djokovic de 2015/2016…esse sim prometia ser um jogo disputado, ao contrário do que se vê nesses duelos com Nadal em 2017, nos quais Federer tem massacrado o espanhol (exceção feita somente ao AUOpen)…

      1. Antonildo S Costa

        Opinião é opinião, mas se com um bh errático o Federer encarava o djoko as vezes de igual pra igual, imagine com esse bh afafiadíssimo. Em cincos jogos disputados, O federer de hoje ganharia pelo menos 3 do djoko versão 2015/2016.

      2. Chileno

        É divertido imaginar mesmo. O Djokovic 2015 era uma máquina de jogar tênis! Mas o Federer 2015, sem o backhand retrabalhado, e o ajuste de posicionamento em quadra, deu umas canseiras no sérvio e chegou a vencê-lo algumas vezes no ano. Imagino que seria bem equilibrado, talvez até com alguma pequena vantagem para o Federer.

  112. Tom

    Mestre, vamos dizer mais o quê desse cara? Quando ele joga nesse nível não tem pra ninguém mesmo. A junção do saque afiado com o BH consistente + a velha e já conhecida competência no FH faz com que não haja chance pra nenhum adversário do circuito. Vida longa a esse mito, com menção honrosa também ao Touro miúra pelo belo ano que vem tendo. Quando se aposentarem, o buraco que vão deixar nesse esporte será gigantesco.

  113. André Luiz

    Federer chegou a afirmar hoje que acredita ter perdido WB 2008 por causa da traulitada que levou na final de RG semanas antes. Ou seja, reconheceu que grande parte do domínio que Rafa possuía sobre ele era mental.

    Outra boa parte do domínio se deviam a aspectos técnicos e táticos: o revés ficava refém do top spin de Nadal, empurrava o suíço pra trás e o obrigava a se defender com slices diante do rei do top spin.

    Estes dois pilares que formataram esse confronto na maior parte da carreira de ambos foram derribados.
    E Rafa não sabe muito bem como substituí-los.

    1. Sergio Ribeiro

      Caro André. Meu comentário no Post anterior, saiu no seu nome, mas com quase 8 anos no Blog do Dalcim, considero Surreal. Até porque o Maior que Eu vi jogar, e’ coisa antiga. O Craque Suíço, a meu ver, e’ muito inferior aoi Rei do Saibro, em seu Habitat. E para por ai. Seus recursos técnicos para mim são insuperáveis.ABS!

  114. Maurício Gomes

    Não vi o jogo! Sou torcedor do Nadal! Meus parabéns ao monstro do Federer! É assim com essas diferenças de superfícies que podemos ver o melhor de cada estilo. O tênis é um esporte especial. Técnico, mental, físico e um cara tentando encontrar a melhor forma de bater o adversário, se não deu hoje tente diferente da próxima vez. O final do ano promete! E esperemos um próximo ano com mais protagonistas disputando as semis! Dalcin gostaria de um palpite seu sobre quem termina o ano como número 1! Grande abraço!

  115. Marcelo Araújo

    Síntese perfeita, Dalcim! RF continua nos presenteando com seu tênis magnífico e você com suas postagens equilibradas porém à altura da maestria do maior representante deste esporte tão bonito e tão plástico! Vida longa ao rei do tênis e da grama e, porque não dizer, vida longa também aos reis do saibro e das quadras sintéticas, Nadal e Djokovic, respectivamente. Parabéns pelo seu trabalho, o site tenisbrasil e o blog do tênis que nos ajudam a acompanhar, a entender e a desfrutar cada vez mais dessa geração sensacional de tenistas!

  116. Nando

    “Em certo momento, a câmera o flagrou reclamar que estava ‘rápido demais’.”
    Kkkkkkkk perfeito…lembrou o Feliciano López falando o mesmo pro Federer após o jogo de Cincinnati em 2015: “Mto rápido para mim”.

    Mestre, q jogo do Rei hein? Saque excelente (não foi ameaçado, longe disso), forehand matador, backhand excelente (voltou?)…não deu a mínima chance pro espanhol.

  117. André Luiz

    Atualizando a estatística dos confrontos entre Federer e Nadal em finais de torneios. Hoje tivemos o 24° Fedal decisivo. Nadal tem a vantagem, com 14 vitórias contra 10 de Federer.

    Quando dissecamos as decisões por pisos, fica nítido o domínio de Nadal no saibro. Foram 13 finais [54%] nessa superfície, com Rafa liderando por incríveis 11 a 2.
    A freguesia parece se inverter em hard courts, piso que viu 8 [33%] Fedais decisivos: Federer lidera por 6 a 2.

    Os dois só decidiram torneios na grama 3 vezes [12%], com Federer tendo vantagem mínima de 2 a 1.

    Abaixo, um resumo desses dados com as proporções de vitórias/derrotas em cada piso.

    TOTAL
    Nadal 14 [58%]
    Federer 10 [42%]

    SAIBRO
    Nadal 11 [85%]
    Federer 2 [15%]

    GRAMA
    Federer 2 [66%]
    Nadal 1 [34%]

    HARD
    Federer 6 [75%]
    Nadal 2 [25%]

    1) Miami 2005: Federer vence Nadal em 5 sets;
    2) Dubai 2006: Nadal vence Federer em 2 sets;
    3) Monte Carlo 2006: Nadal vence Federer em 4 sets
    4) Roma 2006: Nadal vence Federer em 5 sets
    5) Roland Garros 2006: Nadal vence Federer em 4 sets
    6) Wimbledon 2006: Federer vence Nadal em 4 sets
    7) Monte Carlo 2007: Nadal vence Federer em 2 sets
    8) Hamburgo 2007: Federer vence Nadal em 3 sets
    9) Roland Garros 2007: Nadal vence Federer em 4 sets
    10) Wimbledon 2007: Federer vence Nadal em 5 sets
    11) Monte Carlo 2008: Nadal vence Federer em 2 sets
    12) Hamburgo 2008: Nadal vence Federer em 3 sets
    13) Roland Garros 2008: Nadal vence Federer em 3 sets
    14) Wimbledon 2008: Nadal vence Federer em 5 sets
    15) Australian Open 2009: Nadal vence Federer em 5 sets
    16) Madri 2009: Federer vence Nadal em 2 sets
    17) Madri 2010: Nadal vence Federer em 2 sets
    18) ATP Finals 2010: Federer vence Nadal em 3 sets
    19) Roland Garros 2011: Nadal vence Federer em 4 sets
    20) Roma 2013: Nadal vence Federer em 2 sets
    21) Basileia 2015: Federer vence Nadal em 3 sets
    22) Australian Open 2017: Federer vence Nadal em 5 sets
    23) Miami 2017: Federer vence Nadal em 2 sets
    24) Shangai 2017: Federer vence Nadal em 2 sets

    1. Arthur

      Boa estatística, André.
      Na verdade, sou partidário da tese de que o H2H entre Federer e Nadal – que sempre pesou contra o suíço – já não importa muita coisa ultimamente.
      Com 5 vitórias consecutivas, 4 delas em finais, a distância de 23 x 15 já não soa mais abissal como era quando estava 23 x 10.
      Se o Federer ganhar do Nadal em RG, aí acho que o H2H vai simplesmente deixar de importar para qualquer coisa na comparação entre ambos.

      Um abraço.

  118. Rafael

    Federer foi simplesmente MAGNÍFICO.

    Dalcim, você acha que a possibilidade do Federer quebrar o recorde do Connors será uma motivação pra continuar no circuito pelos próximos anos?

    1. Pieter

      Levando-se em conta a idade já muito avançada do Federer para o nível de exigência física do tênis moderno, algo que não era tão decisivo à época em que o Connors jogava, considero algo impossível o Mestre suíço sequer igualar o recorde de títulos do norte-americano. Além do que, resta evidente que Federer joga hoje em dia priorizando os Grand Slam e Masters, torneios muito competitivos e, portanto, não tão “ganháveis” como os torneios menores que foram a maioria de conquistas do Connors. Penso que não há base de comparação possível entre as conquistas dos dois!

  119. Igor

    Dalcim, Paris e Londres as condições do piso serão tão rápidas como Shanghai?

    Em tempo, mais um excelente texto. Parabéns!

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Igor, Paris costuma ser bem lento e Londres, um pouco menos. Porém bem distantes de Xangai. E obrigado!

  120. José Eduardo Pessanha

    Mestre Dalcim, Ivan Lendl finalmente foi alcançado por FedEx. E, como você próprio costuma dizer, Ivan Lendl se destacou por incluir uma equipe de apoio multidisciplinar, que garantiu a longevidade do tcheco e inspirou outras, como a do próprio Federer. Abs.

  121. Antonio Melo

    Federer parecia um trator, em nenhum momento diminuiu sua intensidade, em nenhum momento seu saque foi ameaçado e sacou como nunca. Nunca tinha visto um Nadal tão acuado diante da agressividade de Federer. Vida longa ao Rei.

Comentários fechados.