Tragédia anunciada
Por José Nilton Dalcim
18 de setembro de 2017 às 11:10

Desde a convocação do time, a impressão era de que a coisa não iria correr bem na repescagem da Copa Davis em Osaka. De forma um tanto incompreensível, Rogério Silva ficou de fora, mesmo sendo de longe o brasileiro de maior consistência e sucesso na temporada. Não se discute que Thomaz Bellucci jogue mais que ele, mas não se pode ignorar o momento de um atleta em um esporte individual e o de Bellucci é muito ruim, fisica e tecnicamente.

O clima só piorou depois que Bellucci pediu dispensa por motivos médicos. O capitão João Zwetsch tentou chamar Rogerinho e ele obviamente não atendeu. Primeiro porque alegou não ter sido sequer comunicado de que não iria ao Japão, algo inadmissível. Depois, porque havia feito um calendário para disputar ATPs na Rússia e Ásia. Restou convocar Guilherme Clezar, que disputava challengers no saibro, sem falar que entre abril e junho chegou a entrar até em futures. Acabou ainda dando vexame com um gesto totalmente inapropriado. Por que não se optou por João ‘Feijão’ Souza, bem mais experiente?

Ou seja, de um time coeso e com três bons jogadores para um piso sintético muito lento – alguma dúvida de que Rogerinho se daria muito bem nele? – e diante de um adversário totalmente desfigurado, sobraram cacos. Ainda assim, dava para ganhar. O número 42 Yuichi Sogita, que não era titular desde 2013, se mostrou nervoso e defensivo até mesmo contra Clezar. Monteiro desperdiçou boas oportunidades para derrotar o veterano Go Soeda e nem mesmo um quinto set adiantou. Para variar, só os duplistas mineiros justificaram. A atuação do canhoto cearense no quarto jogo foi estranha, cheia de erros, apressado, saque instável. Ainda assim teve 3/1 no primeiro e terceiro sets. Doeu.

Nem vou falar agora em Zonal Americano para 2018, porque enfrentar Chile, Equador e Venezuela é um tira-gosto sem graça. E já dá para ficar apreensivo se tivermos de sair contra Colômbia e República Dominicana. Talvez seja hora de trocarmos as peças do xadrez. Há muita gente falando nos bastidores que a troca de treinador é iminente. A eterna dúvida é saber quem ocuparia um cargo que exige experiência na quadra e um essencial bom relacionamento com tenistas e dirigentes. André Sá, que agora tenta ajudar Bellucci, surge como candidato natural. Talvez seja mesmo o momento.

Lá entre os realmente grandes, França e Bélgica confirmaram o fator casa e a escolha esperta do piso de saibro para atingir a final de novembro. Sem qualquer jogador em boa fase, os franceses preocupavam. A sorte foi pegar uma Sérvia desfalcada, apesar da boa atuação de Dusan Lajovic nas simples. Jo-Wilfried Tsonga virou herói e quem sabe as duas vitórias no fim de semana coloquem de novo sua carreira nos trilhos. Note-se que Lille usou o estádio de futebol da cidade improvisado e recebeu 18 mil espectadores.

A Bélgica também usou o saibro e 15 mil torcedores barulhentos para conter a Austrália. O quarto jogo foi um espetáculo. David Goffin fez talvez sua melhor partida do ano e segurou Nick Kyrgios, que usou os mais diversos recursos táticos para desestabilizar o adversário. Salvaram o fim de semana. Esta será a segunda vez em três anos que os belgas tentarão o título da Davis mesmo tendo Steve Darcis e Ruben Bemelmans como número 2. Vai ser difícil porque a França deve escolher um piso sintético mais veloz e coberto para o duelo de novembro.

A repescagem viu a queda da Argentina fora de casa para o Cazaquistão, mostra que Juan Martin del Potro faz toda a diferença do mundo. Mas a pequena zebra do fim de semana foi a derrota da nova geração russa diante da Hungria, ainda que no saibro. A Suíça e a Holanda conseguiram sobreviver com duas vitórias no domingo, Alemanha e Croácia tiraram o sonho de Portugal e Colômbia chegarem pela primeira vez no Grupo Mundial.


Comentários
  1. Felipe

    Dalcim,

    Vi o trailler do filme Borg x McEnroe.

    Sabe quando lança aqui no Brasil??

    E para vc (imprensa especializada), já liberaram?? Já teve a oportunidade de assistir?? Deve ser bem bacana!!

    Abs!!

    Responder
  2. Luiz Fernando

    Li hj q Rafa e Federer estão ansiosos p jogar duplas juntos, o q, segundo ambos, dependera do capital Borg liberar. Como alem deles o mundo quer ver a mesma coisa, qual seria a chance do sueco não concordar????

    Responder
  3. PAT CASH

    Dalcim, você que é um cara que tem contato nos bastidores, está por dentro das conversas de vestiário… o que vem acontecendo com a Kristina Mladenovic?Uma das grandes jogadoras do circuito no primeiro semestre, vem de 7 derrotas seguidas, nenhum set vencido nesses 7 jogos, com direito a bicicleta no último jogo contra a grande Qiang Wang. Problemas físicos?Falta de confiança?Ou há algo de podre no reino da Dinamarca?

    Responder
  4. Maurício Luís *

    Achei tocante o que a Serena escreveu em agradecimento à mãe dela. Por essas e por outras que eu torço por ela e pela Venus. São lutadoras que com seu esforço abriram caminho contra a discriminação e mudaram o tênis feminino.
    O preconceito está em todo lugar. Chamar uma mulher de homem porque é atlética… é patético.

    Responder
    1. Maurício Luís *

      E tem mais. A pequena Alexis já nasceu ‘pé-quente’. Presenciou ‘in loco’, dentro da mamãe, a conquista do Australian Open deste ano.
      Embora não prevista, é um tapa na cara dos ignorantes que comparavam Serena a um homem. Não sabem nem a diferença entre um homem e uma mulher… PELAMOR. Podem pendurar as chuteiras, digo, as raquetes.

      Responder
  5. Pieter

    Ótimo resultado da Luísa Stefani lá em Tampico, chegando à 2a rodada.
    Dalcim, ela já concluiu a faculdade nos EUA? Se sim, imagino que vá se dedicar ao profissionalismo agora…

    Responder
  6. Luiz Fernando

    Li os detalhes dessa Laver Cup, observando que cada jogador jogará “no máximo” 2 jogos de simples, e talvez um de duplas. Pelo interesse de público dos nomes q estarão presentes, torna-se óbvio q Nadal e Federer deverão jogar duas vezes, ou será q o público quer ver Zverev? Resumo: os mais velhos e mais predispostos a contusões, e os q mais tem a perder, jogarão mais jogos. Burrice ímpar, regada a euros…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Cada time tem seis jogadores, o que dá um total de 12 partidas em três dias. Em cada dia acontecem três jogos de simples e um de duplas. As vitórias obtidas na sexta-feira valem um ponto para a classificação final, diante de dois pontos no sábado e três pontos no domingo. Se ao final dos três dias de disputa o confronto permanecer empatado, haverá um set desempate nas duplas. Com vantagem entre os games e tiebreak em caso de empate por 6/6. Todos os jogos acontecem em melhor de três sets, sendo que a última parcial é substituída por match-tiebreak. Cada jogador deve disputar uma ou duas partidas de simples no fim de semana e ao menos quatro dos seis atletas inscritos devem jogar duplas.

      Responder
      1. MANOEL

        Muitíssimo obrigado, foi bem esclarecedor. Agora cada técnico tem que montar sua estratégia de jogos de simples.
        Mas acho que a Europa leva larga vantagem.

        Responder
  7. Guilherme

    Dalcim, vc sabe me dizer o pq o nome do Thomaz Koch nunca é lembrado para ser o capitão da Davis? O que vc acha do nome dele? Quais as possibilidades? E o Gustavo Kuerten?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele é de uma geração bem mais antiga, Guilherme, então poderia ter sido aproveitado mas uns 20 anos atrás. O Guga não me parece ter o menor interesse, ainda mais com um time que mal consegue sair do Zonal.

      Responder
  8. Roberto Rocha

    Vexame é pouco pra definir essa bagunça. Na minha ridiculamente incorrigível esperança, fico imaginando um projeto de verdade. 10 anos de trabalho, planejamento e busca concreta de resultados. Trazer um coordenador técnico de um país onde o tênis seja tratado com a devida importância. Implementar projeto que massifique o esporte, porque é mais fácil encontrar 10 talentos em uma base de 30 mil praticantes do que de 500…formação continuada para os treinadores, porque esses jogadores que não possuem variação, que não sabem ler o jogo…São frutos de treinadores que não preparam por não ter preparação completa.
    Implementar tudo isso…e mais…esse seria o momento, ainda com a ferida aberta e obrigando a revisar todos os erros cometidos, de iniciar um projeto de verdade…mas como eu disse, são apenas idéias tolas de um velho tolo…
    Desculpem pelo texto longo demais. Estou triste por tudo que aconteceu…

    Responder
  9. Mário Fagundes

    Lamento por quem acompanhou aos jogos trágicos do Brasil na Davis. Ainda bem que encontrei algo melhor pra fazer nesse fim de semana. Mas há coisas boas pra acontecer em breve: Federer quer jogar dupla com Nadal na Laver Cup. Que tal?

    Responder
      1. Mário Fagundes

        Ah, Sônia, quanto mais vezes Federer entrar em quadra, melhor pra quem gosta de vê-lo atuar, mesmo em exibições. Já imaginou se os dois decidem jogar dupla pra valer num futuro próximo? Será que funciona? rsrs Beijos.

        Responder
  10. Sérgio Ribeiro

    ” Ver um Tsonga X Goffin decidindo a Copa Davis e’ algo Brochante “. Definitivamente a Galera insiste em não entender o Espírito da Competição. Se ao menos se dessem ao trabalho de pesquisar a mais importante por Equipes deste esporte Maravilhoso, veriam quantos Craques Amarelaram e desconhecidos marcaram o Ponto Final. Vide Frederico Delbonis para os Hermanos, ou Sthephanek para os Thecos , mas recentemente. Depois de bater Dinamarca, Espanha, Polônia , França ( TODOS fora de casa ) e 3 X 2 em cima do USA em Porto Alegre com Arthur Ashe e tudo, ficamos a apenas um Game da FINAL , jogando a Semi contra a Índia em Calcutá. Quinto jogo , Thomaz KOCH sacando em 5 X 4 no quarto. O desconhecido Kishaman vira e leva no Quinto. Depois perderam a Final para a Austrália de Newcombe e Tony Roche. Era a Copa Davis de 66 . Dalcim já era Titio rs. ABS!

    Responder
  11. Rafael

    Meligeni não vai querer essa dor de cabeça com esses dirigentes que não servem nem para o conselho condominial do meu prédio, mas ele deveria ser o treinador da Davis.

    Tem muito mais sangue na veia do que muito brasileiro nato. Como alguém disse e eu li, perder faz parte, mas passar vergonha toda vez é soda.

    O Feijão já aprontou uma parecida da outra vez quando não vinha sendo convocado, o Clezar é isso aí, o Monteiro, quem viver verá. Depender de Rogerinho (nada contra a pessoa Rogerinho) mostra o fundo do poço em que o tênis brasileiro se encontra.

    Quer queiram quer não, Bellucci é o maior talento que temos (em simples), disparado. E olha o estado em que ele está.

    Responder
        1. julio

          A melhor ferramenta é a que dispomos, a que temos no momento, como poderíamos querer que o Belucci desse o sangue por um país onde todos somente valorizam gente e jogadores de fora, como poderíamos EXIGIR QUE O BELUCCI jogasse contundido se ele tem um problema grave de perda de líquidos durante as partidas, e eu não sei se vcs sabem mas perder líquidos exageradamente como acontece com ele tem várias consequências, perda de potássio, que gera cansaço, exautão, e pode até levar a óbito, e como tem um médico aqui no blog ele pode confirmar isso.
          Deveríamos então valorizar sim o Belucci, que é um dos maiores jogadores que já tivemos, que já deu um PNEU NO NOLE, na época que ninguém ganhava dele, e que se tivesse esse problema resolvido seria sim até um top 10, sim senhor.
          Vcs por acaso sabem o que é jogar com falta de enrgia, diante de um calor escaldante, num esporte que o mental conta mais que o físico, e ainda sem estar com o física inteiro?
          Vcs sabem o quanto belucci ja tentou resolver esse problema dele?
          Que o Demoliner tem também e joga duplas por causa disso?
          E perguntado sobre isso, e de todos descerem a lenha nele apesar disso, ele foi muito melhor que todos que o crucificam, disse simplesmente que entendia e até perdoava quem o criticava, mesmo não sabendo de seu problema.
          ENTÃO PESSOAL ESSE É O CARA QUE TODOS QUEREM BATER.
          E que mostrou que fez falta sim na DAVIS. pois existe a velha máxima, não falte ao trabalho se vc não fizer a diferença.
          E ele faltou não por não querer defender o seu país, que muita gente se nega, faltou por falta de condições físicas mesmo.
          Agora, agradeçam por ele fazer parte desse esporte maravilhoso, e ser o número 1 do país, pois ele vai voltar a ser número 1 sim.
          E ELE JÁ GANHOU MAIS DE $5,157,757 DE ACORDO COM A ATP.
          Alguém ai ainda estaria passando tanta raivo com essa grana no bolso se não tivesse maiores razões que financeiras para isso?
          E sinceramente, eu não sei se estaria ainda jogando se fosse ele.
          Abraço a todos, e como acredito que a maioria não conhecia isso, fiquem tranquilos e se perdoem, porque não devemos perdoar somente aos outros não, devemos primeiramente a nos perdoar.

          ABRAÇOS

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Detesto quebrar uma promessa…

            Mas parabéns ao Julio, que falou com muita propriedade.

            Todavia, pergunto a esses dois acima (Neuton e Sônia) que riram quando o Rafael fez a afirmação.

            Vamos lá, sem enrolação ou conversa mole, respondam na bucha:

            Quem seria o mais talentoso e com melhores resultados em simples, considerando toda a carreira, então?

            Dutra Silva, Monteiro, Ghem, Feijão ou Bellucci ?

            Lembrem-se que estamos falando do mais talentoso do BRASIL, e não do mais talentoso do mundo…

            Portanto, vocês mesmos sabem que a piada que vocês fazem é desonesta.

            Seria a mesma coisa de alguém afirmar:

            ” Pelé foi melhor do que Romário”

            E todos os ouvintes caírem prontamente na gargalhada…

            Dos tenistas citados acima, o Bellucci alcançou mais. E isto é simplesmente um fato.

            Contra fatos, não há argumentos…

          2. João ando

            Júlio.o problema de suor dele e muito estranho…não faço Medicina tealcionado ao esporte mas para mim e um problema psicológico ja que ela parece tentou vários tratamentos.não sabia que o Marcelo tem esse motivo e por isso está jogando duplas…o Thomaz tem todos os golpes .ja ganhou muito dinheiro. Mas quem acompanha os jogos dele nota que quando ele começa a errar ele não para dando até a impressão que quer ir embora logo para o chuveiro….isso a inegável aconteceu várias vezes. ..tanto em taça David como em torneios….acho que ele deve fazer a trnsicao para duplas devido a essa precária condição física…e isso .não sei se a referência a médico foi a mlim ou a umotro colega que comenta aqui tambem

  12. Pieter

    Dalcim, o João Menezes teve um bom e surpreendente resultado lá na Espanha e sumiu?
    Não disputou torneio semana passada e nem nessa. Você sabe o que aconteceu?

    Responder
  13. Rodrigues

    Dalcim

    Você chegou a ver um vídeo veiculado na UOL onde Dirigentes da Federação de Tenis e jogadores cantavam parabéns a você e dirigiam palavras de baixo calão ao Nishikori?
    Degradante….

    Responder
  14. Andre

    Com todo o respeito mestre…….falar que Rogerinho (top 100) fez falta para o Brasil mostra o estágio melancólico do tênis brasileiro.

    O Japão jogou sem os 3 principais jogadores.

    Um time que precisa do Rogerinho (nada contra ele pelo amor de Deus) para fazer frente a um país sem 3 nomes mostra o nível trágico que estamos desde os tempos de Guga.

    Não vejo nenhuma luz no fim do túnel com essa geração.

    Responder
  15. Luiz Fernando

    Gostaria de também de sugerir ao Rodrigo Cruz, com quem aliás já tive muitos “bate-bocas”, q reconsidere e não abandone o blog, aqui nós todos temos as nossas diferenças mas na maioria absoluta das vezes nos divertimos, embora, muitas vezes, a diversão de uns signifique o aborrecimento de outros. Como esse ciclo é variável todos se divertem na maior parte do tempo. Veja, vc também é muito duro em alguns comentários, q os mais sensíveis podem até achar q derivam p o lado pessoal, mas depois tudo fica bem, relaxa. Vc tem sido um “adversário” kkk duro, pois estamos em segmentos diferentes, mas os piores defeitos de alguns dos seus pares, a cegueira total e a arrogância extrema, vc definitivamente não tem. Claro q cada um faz o q bem entender e o q achar melhor pra si, mas se vc me permitir, não vi nos comentários do João Ando nada ofensivo a ponto de leva-lo a tomar esse tipo de atitude. Acho q aqui tem espaço pra todos…

    Responder
    1. João ando

      Luís Fernando .concordo com vc .embra ele tenha sido muito agressivo contra mim eu não sei o motivo .
      ..eu respondi a altura do modo como ele me tratou e ficou por isso mesmo …acho que tinha algo pessoal contra mim mas eu não guardo rancor .acho que ele deve voltar ao blog …pois como tem alguns colegas aqui que levam ña brincadeira e assim no final que deve ser.

      Responder
    2. Paulo

      Olha… eu já achei o João Ando bem ofensivo.
      Sem contar que ele bem que poderia revisar os textos antes de publicar (já lhe sugeri isso tempos atrás, mas não vi muito progresso): cheio de letra trocada, minúscula no lugar de maiúscula etc.
      Muitas vezes sequer entendo o que ele quis dizer pela falta de coerência na exposição de ideias. E é médico, poderia escrever melhor.

      Responder
      1. João ando

        Paulo. Olha ae fui ofensivo foi por que me atacaram .realmente sou médico .fui oficial médico do exército mas nunca usei isso é nunca uso de modo a desmerecer a b ou c…normalmente posto sobre novos jogadores onde pergunto ao dalcim e falo sobre tenis…vou tentar revisar sim os meus textos Paulo.grato pelo Conselho.lamento a saída o Rodrigo mas ele e bem agressivo com quem não concorda com ele e como sabemos estamos numa democracia e ele tem que saber respeitar a opinião dos leitores do blog.conseguiu entender meu texto agora Paulo.abcos

        Responder
    3. O LÓGICO

      L F…. não sei por que, mas não acredito em você kkkkk Acho que é só o UNIDIMENSIONAL voltar pras cordas e começar a ser zoado kkkkk que você vai se esverdear e agredir ou doutos e os moderados torcedores do Fedex. Vamos aguardar kkkkk Pra mim você tá calminho apenas porque
      o robozinho afortunado – cagado – ganhou o US-OCO KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      Responder
      1. Nando

        Kkkkkkkkk pior é ele dizer “a cegueira total e a arrogância extrema” de alguns apreciadores do jogo do Federer.
        MC falou umas asneiras aki no último post e ele não o criticou…ah, se este fosse torcedor do Federer, né LF????

        Responder
        1. Luiz Fernando

          Vc criticou quando a Sonia inventou a maluquice do complo da Nike? Acho q não kkkkkkkkk, mas pedir coerência de vcs seria equivalente a acreditar no saci-pererê kkkkkkk!!!!!

          Responder
          1. Nando

            Quem inventou esse negócio de complô da nike, foi um tal de Carlos Emerson (não tenho ctz).
            Quem achar o comentário desse rapaz falando sobre isso, gentileza postar pra “recordarmos” rsrs.

  16. Luiz Fernando

    Incrível como mesmo ex-campeões não tem o bom senso de deixar a boca fechada. Para 2018, Cash já atribuiu o favoritismo de RG a Rafa e dos outros GS p Federer; Sampras já disse q Djoko e Murray voltarão aos títulos de GS. Será q não vai faltar GS pra toda essa turma vencer? O q esses caras não veem é q depois do q vimos neste ano, no qual as “zebras ” Nadal/ Federer venceram tudo, algo q nem o mais fervoroso torcedor de ambos poderia prever, 2018 deverá ser o ano mais imprevisível de todos, pois Djoko e Murray voltarão com ranking baixo, podendo embolar com qualquer um bem precocemente nos torneios do primeiro semestre, Nadal e Federer dificilmente vão manter esse alto nível, todos os 4 são veteranos e propensos a novas contusões, Wawrinka que prima por jogar bem uma vez ao ano estará de volta, os jovens promissores estarão mais maduros, etc, etc. Enfim, qualquer previsão será, no mínimo, temerária e precipitada…

    Responder
        1. Luiz Fernando

          Vcs aposentaram Rafa em 2015 e depois tiveram q engolir a língua kkkkkkkkkkkk!!!!! Todos ficamos sem língua, pelo menos podemos escrever kkkkkkk!!!!!!

          Responder
  17. Diego Roos

    Esse João Zwetsch é patético, um dos grandes motivos do fracasso brasileiro na Davis. O jogo 4 foi ridículo. Monteiro, que eu tinha como raçudo, esteve apático o tempo todo e foi engolido pelo japonês passador de bola. Fiasco!

    Responder
  18. Cauê

    Zwetsch conseguiu errar duas vezes na escalação. Rogerinho deveria ser convocado no lugar do Thiago ou mesmo no do Bellucci. Além da convocação mal feita, não soube administrar com o jogador que ficou de fora.

    Tão absurda quanto foi a convocação do Clezar. Se não temos ninguém jogando bem, que prevalecesse a experiência de João Souza, que inclusive já provou física e psicologicamente em jogos longos.

    Ainda, não dá pra deixar de observar o conflito com a acumulação de capitão da Davis e técnico de um dos convocáveis. Na dúvida, foi chamado o jogador que paga salário pro treinador. Será que isso foi levado em consideração, ainda que subconscientemente? E não seria lastimável, na dúvida, deixar de convocar o jogador pra não ser acusado de pessoalidade? Pena que estes potenciais conflitos éticos não sejam considerados.

    Pra completar, além da lambança na convocação, da surra dentro de quadra – com atuação melancólica do Thiago – e do racismo do Clezar, não esqueçamos do vídeo postado pelo Presidente da CBT.

    Esse confronto foi um dos episódios mais lamentáveis que já vi no tênis brasileiro. Que tristeza.

    Responder
  19. Marcelo-Jacacity

    E que jogo ridículo do Thiago Monteiro hein! Tive o desprazer de assistir.
    O Narck Rodrigues quase teve um ataque. Foi desesperador, horrível jogo do cearense, sem tática alguma, só spin desconexo.

    Responder
  20. Miguel BsB

    Confesso que conheço pouco da história tenística do capitão João do nome impronunciavel, mas ficou claro que cometeu diversos erros, principalmente nessa última convocação. Claro que o “braço de obra” brasileiro ajuda muito pouco, com exceção dos nossos excelentes duplistas.
    Como no futebol, sou contra a demissão indiscriminada de técnicos, mas acho que aqui seria o caso…acho que, dentro dos nomes ventilados, André Sá seja talvez a melhor escolha.
    Dalcim, e o Meligeni? Ele parece sempre demonstrar muita vontade e disposição para atuar numa melhora do patamar tenístico brasileiro…o nome dele teria restrições de ordem política, por ele costumeiramente criticar o “status quo”?

    Responder
    1. João ando

      Miguel. O João Schwetz acho que é assim que se escreve foi um grande tenista juvenil dos 16 anos. Sendo um dos oito melhores do Brasil .e Gaúcho. Teu irmão mais novo Carlos tb jogava mas acho que parou de jogar cedo . Segundo um comentarista da bandsports foi top200 de simples.acho que devíamos dar uma segunda chance para ele pois tanto o Rogério como o feijão não iriam fazer muito difernte do que aconteceu nos jogos…só acho que nunca mais deviam convocar um tenista racista….

      Responder
  21. Sérgio Ribeiro

    Tantos gastos e viagens , mobilização de torcida, patrocinadores e para que ? Ser rebaixado pelo time reserva do Japão que só obteve a primeira vitória no Grupo Mundial , este ano sobre o Canadá e’ vergonhoso. Os resultados da equipe Brasileira de KOCK e Mandarino a quatro Décadas , eram anunciados até’ em pleno auto-falantes do Maracanã. A vaidade dos profissionais que lidam com o Esporte no Brasil e’ inversamente proporcional às das grandes Potências. Até Nick Kyrgios tentou levar os Australianos a mais uma Final. A França meteu quase 20 mil pessoas contra a Sérvia sem Novak Djokovic. Desta geração de dirigentes , técnicos e jogadores, me recuso a comentar sequer seus nomes novamente. Abs!

    Responder
  22. VALDIR BITTENCOURT JUNIOR

    Se a França não ganhar agora então, é porque nunca mais ganha.
    Depois de sei lá quantos vices nos últimos 5 anos os Franceses tem a maior chance de voltar a ganhar a Davis.

    Responder
  23. Vitor Belina

    Boa tarde Dalcin, tudo blz?

    Ali você falou que o Goffin fez sua melhor partida do ano, ai tava lembrando que tem uma votação das 5 melhores partidas do ano. Tentei achar no site da atp se tem um histórico disso mas não encontrei nada. Sabe se consigo achar em algum outro site os melhores jogos de cada ano?
    Abraço

    Responder
  24. Marcelo-Jacacity

    Excetuando a dupla brasileira, todos os demais integrantes merecem nota zero.
    E não bastasse o papelão do Clezar, o presidente da CBT posta vídeo agredindo o Nishikori?
    É muita burrice! Tênis brasileiro de $#$#*!

    O Japão e os japoneses não mereciam isso.

    Responder
    1. João ando

      Marcelo. Não vi o vídeo…por que a agressão ao kei. ..?…a torcida japonesa tratou com educação toda a equipe brasileira…nunca veremos uma taça Davis jogada desse modo…com educação e cavalheirismo. …..a não convocação do Rogério foi um erro …o João não ter falado com o jogador nuemro um do Brasil foi um grande erro…o Thiago jogou com garra sim só que o jogo não entrou e osugita não arriscava nada e so mandava mais uma bola que o Monteiro estava. O clezar foi lamentável mostrando que e racista em um país de várias raças. …só as duplas foram bem.e o que aconteceu. …dalcim vc acha sinceramente que o André sa seria um bom técnico?

      Responder
        1. João ando

          Dalcim. Hoje so vejo Fernando roese e o César kist…o kist esta no Brasil dalcim….sei que a um dos chefes para que os professores de tenis sejam podemos dizer assim oficializados…tenham cref

          Responder
      1. Rodrigo

        Não sei se o André Sá seria um bom nome para capitão da Davis, qual a experiência dele para esse cargo? Ser amigão dos jogadores? Acredito que precisamos renovar toda a equipe, sair um pouco da mesma patotinha.

        Responder
  25. Fernando

    Dalcim,
    Como vai?
    Alem da obrigatória troca de técnico, nao seria o caso de renovar totalmente a equipe apostando em alguns juvenis com potencial para jogar o Zonal? Pior nao fica… Alem de dar rodagem aos meninos.

    Abs e parabéns pelo trabalho

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, seria, Fernando, mas não temos um real nova geração com resultados sequer para o Zonal. Talvez hoje pudéssemos arriscar com Thiago e Sorgi ou Bruno Sant’Anna. O mais novato, com 20 anos, é o João Menezes que nem está no top 500. Então acho que a renovação tem de existir, mas paulatinamente. O Thiago é o primeiro bom passo nisso.

      Responder
  26. Felipe

    Boa tarde,

    Poucas vezes vi tanta lambança num evento só… Tudo errado !!

    Que nem você mesmo disse mestre, sequer avisar o Rogerinho que não vão chamá-lo é primário !!! Muita falta de tato…Nem precisa entrar na discussão se deveria (e é claro que sim) ou não ser convocado…
    Depois o presidente da CBT que não só grava, como, pasmem, posta um vídeo em que xinga descaradamente Nishikori…. O que é isso ??????????? Presidente da CBTTTT !!! Onde estamos??? O Sr sabe o cargo que ocupa????
    Na sequência o gesto absolutamente infeliz e ridículo do Clezar. Mais ridículo ainda a nota emitida pela CBT ao comentar o caso. Lamentável.
    E para finalizar o João Feijão Souza com comentário “hahaha ! Tô de camarote!” na página da CBT…. Qual a graça, Feijão??? Não está no time e quanto pior ficar, melhor??? Qual a graça?????
    Sei lá mestre…. Difícil ver tantos equívocos, de todas as partes (comissão técnica, dirigente e jogadores) num só evento.

    Enfim… muito triste nosso momento como um todo no Brasil… Desalentador..

    Abs e parabéns como sempre pelo trabalho divino.

    Responder
  27. Bernardo

    Realmente não terem chamado o Rogerinho logo de cara foi o fim da picada. A convocação do Clezar, que vem de duas temporadas TENEBROSAS e nunca ganhou uma partida sequer em nível ATP, foi incompreensível. Já que sem Rogerinho e Bellucci só faltou apelar, que apelassem para o Feijão, que também não está lá essas coisas mas que pelo menos já teve seus momentos, inclusive demonstrando muito brio em Copa Davis. Pá de cal pro Zwetsch como capitão da Davis, essa equipe foi montada na base da brodagem e o tiro saiu feio pela culatra. Uma pena, porque temos uma dupla que é provavelmente a melhor do mundo, com ambos os jogadores no auge das carreiras, e todo esse talento vai ser desperdiçado jogando primeira rodada de zonal americano. Se é que o Melo e o Soares vão querer jogar. Talvez seja caso até de passar a bola pro Demoliner. E, falando em duplas, André Sá parece ser o cara para passar a comandar a equipe.

    Responder
  28. Atilio

    O resultado já era esperado, conseguimos o ponto das duplas e perdemos nas simples.
    Os dois times estavam desfalcados dos seus principais jogadores de simples mas, se todos estivessem presentes, o resultado provavelmente seria o mesmo.
    Acredito que o fato de jogar em casa não pesou em benefício do Japão, o piso escolhido até favorecia o time brasileiro e a torcida japonesa apoiou educada e discretamente seu time, havia até mesmo torcedores japoneses com a bandeira do Brasil. O que aliás torna a atitude do gaúcho Clezar ainda mais inapropriada.
    Quando formos jogar fora de casa no Zonal Sul Americano o clima deve ser bem diferente…

    Responder
  29. Anderson Kleiner

    “Tragédias” como essas são boas pra evidenciar aquilo que eu e tantas outras pessoas, em todos os esportes, ressaltam sempre: o que o Ministério dos Esportes precisa fazer é uma coisa apenas: massificar oS esporteS (e não simplesmente fazer uma poliesportiva sem equipamento nenhum além de traves de futsal e 200 marcas no chão) nas escolas. Afinal, a importância do esporte não é obter medalhas ou alavancar carreiras individuais, mas sim promover saúde, disciplina, lazer e valores morais para a sociedade.

    Sem isso o Brasil pode até chegar ao topo do mundo (como chegou com Guga e Melo), pode até fazer bonito na Davis (como já fez semifinais na década de 90) mas será sempre um caso perdido, incapaz de gerar um círculo virtuoso duradouro de praticantes > resultados > visibilidade > patrocínio > praticantes > resultados > visibilidade > patrocínio…

    Perder faz parte do jogo, passar vergonha ano após ano quando se tem potencial de fazer melhor já é diferente…

    Responder
  30. Lupe

    Bom dia Dalcim,

    Realmente não deu pra entender não chamar o Rogerinho de cara. Experiente, batalhador e o melhor jogador brasileiro do ano. Como tudo que envolve Brasil e confederações que usam dinheiro público sempre há uma desconfiança, o motivo acredito eu que só pode ser a politicagem mais uma vez. O Zwetsch não é tão asno assim. Rogerinho passaria por Sugita e Soeda e ainda nos pouparia da vergonha que é o Clezar.

    Responder
  31. Rubens Leme

    Rapaz, desde que me lembro de acompanhar a Davis (1981, 2×3 contra a Alemanha Ocidental) há rixa entre jogadores e técnicos.

    Em algumas vezes isso durou até mesmo depois de se aposentarem, especialmente o Paulo Cleto fazendo diversas críticas ao Meligeni.

    Por que é tão complicado achar um capitão, Dalcim? Sem falar em péssimas convocações. Eu ainda acho que a Davis precisa mudar o formato, o calendário, oferecer dinheiro aos jogadores – não faz mais sentido ser “amadora” em um era profissional – e valorizar o espetáculo até porque ver um Tsonga x Goffin definindo um “título mundial” é muito broxante.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O padrão brasileira de capitão sempre foi o treinador que detinha o melhor tenista (exceção claro feito ao Larri, que nunca quis o cargo). Isso tem um lado bom e um evidente lado ruim. Mas convenhamos que, depois do Guga, nossas chances no Grupo Mundial são restritas a jogar em casa e quem saber endurecer. Não temos um time realmente bom para maiores aventuras.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Sim, esse sempre foi o padrão eu sei. Gostaria muito de ver um projeto com um capitão fixo por vários anos e que começasse um trabalho de renovação de tenistas, especialmente na parte técnica, algo que o Lendl vem fazendo nos EUA, embora não como capitão da Davis, mas como parte da USTA. No entanto, seria legal ter dois ex-tenistas de renome neste trabalho.

        Infelizmente, temos alergia contra treinadores estrangeiros, somos xenófobos. Seria excepcional contratar alguém assim para ficar anos e anos tomando conta, criar acompanhamento de base, desenvolver intercâmbios, apoiar financeiramente tenistas promissores, etc.

        Mas como é impossível neste país trabalho a longo prazo, só ficamos no sonho.

        Responder
  32. Neuton

    No tênis brasileiro é cada um por si e Deus por todos. Não há planejamento nem busca de metas de médio e longo prazo. Espera-se que atletas de ponta apareçam com o próprio esforço e ajudem esse esporte e façam boas equipes para a Davis. Piada. Resultados só viram com planejamento, investimento e boa gestão. No caso do tênis brasileiro não há nada disso.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *