Bad call
Por José Nilton Dalcim
22 de abril de 2017 às 17:52

Cédric Mourier estragou tudo. A segunda semifinal de Monte Carlo prometia equilíbrio e emoção, principalmente porque David Goffin mantinha até então o embalo da atuação ousada diante de Novak Djokovic e exigia muito de Rafael Nadal. O erro do árbitro não apenas lhe tirou o 4/2, que viria depois de um game duro, mas também afetou a concentração e em seguida a confiança do belga.

Claro que podemos criticar Goffin por não ter tido o equilíbrio emocional necessário. Ele afinal não é um jogador inexperiente. Porém totalmente compreensível sua frustração. Não sou psicólogo, mas me parece que, se ali estivesse um Fabio Fognini ou um Nick Kyrgios, o estrago seria menor. Goffin não é do tipo que joga a frustração e a raiva para fora, e ficar remoendo a situação consigo mesmo afeta muito mais um tenista do que gritar, xingar o juiz ou quebrar uma raquete.

Mourier deu sinal verde para que a ATP reveja a necessidade de se colocar o ‘desafio eletrônico’ também no saibro. Não se discute normalmente se a bola foi dentro ou fora – a marca é quase sempre bem visível – porém a dúvida eterna é qual foi a marca que o lance deixou na quadra. Já vimos vários desses casos nos últimos tempos.

O caso deste sábado repetiu o problema, com enormes agravantes: foi uma bola sem tanta velocidade, caiu bem longe da linha, o juiz auxiliar gritou fora e o próprio Goffin parou o lance. Mourier tem autoridade para passar por cima de tudo isso, mas não custaria nada consultar o juiz de linha diante da reclamação inconformada de Goffin. “Você fez o mesmo com o Troicki em Roma”, reclamou o belga, lembrando da confusão criada com o sérvio no ano passado. Está na hora de a ATP chamá-lo para uma reciclagem. O aristocrático público vaiou muito.

Nadal, claro, não teve nada a ver com isso. Continuou fazendo seu jogo paciente e regular, alimentando o adversário com erros. Aquelas bolas de maior risco de Goffin sumiram após a confusão. Se a tarefa de equilibrar o jogo com Nadal no saibro já era complicada, mais do que natural que o canhoto espanhol disparasse com a queda do adversário. Dos 11 games seguintes, ganhou 10.

Só um desastre irá tirar o histórico 10º troféu de Rafa em Monte Carlo, onde é rei absoluto. Após três vices na temporada, ele enfim deve voltar aos títulos, algo que não acontece há exatos 12 meses. Poderá recuperar o quinto lugar do ranking com a vantagem de já ter também defendido o troféu de Barcelona do ano passado. O que fizer na próxima semana será lucro total.

Albert Ramos, claro, não é um tenista ruim. Aos 29 anos, consegue a maior campanha de sua carreira e entra enfim no top 20. Vive um sonho nesta altura de sua vida profissional. Não tem porém qualquer arma para superar Nadal em condições normais. Na verdade, seu jogo é uma versão simplificada do próprio Rafa, porém com menos pernas.


Comentários
  1. Mauro Amoedo

    O que eu mais lamentei nesse torneio foi Cuevas ter entregado o ouro contra Pouille…

    Fatalmente venceria o freguês Albert Ramos na semi, e teria dado mais trabalho a Nadal na final…

    Responder
  2. Rodrigo S. Cruz

    O Nadal teve sorte, pois o melhorzinho que pegou nesse torneio foi o Goffin, garfado pelo árbitro…

    O Murray e o Djokovic também não jogaram nada esta semana.

    Burrice foi a do Federer…

    Se tivesse participado, teria tranquilamente avançado à final e presenteado o Robolito com mais um PRATO. KKkkk

    Responder
    1. Jônatas

      Se perceber o Federer estava começando a ter um declínio físico. A parada foi muito necessária e o tempo de recuperação estrategicamente lógico e correto. A vontade de ganhar tudo não pode ultrapassar a realidade de suas limitações.

      E digo que é bem possível o Federer bater o Nadal em RG.

      Responder
  3. Mário Fagundes

    Como foi fácil pra Nadal vencer esse M1000! Zverev não entrou em quadra e o espanhol passeou. Aí, na semifinal, o juiz dá aquela ajudinha básica e destrói Goffin. Na final, pegou um frango morto num treino de luxo. Torneiozinho mais que sem graça!

    Responder
  4. Fernando Souza

    Boa tarde,
    Absurdo o que esse espanhol está defendendo.
    Se as bolas continuarem fundas vai ser difícil ganhar dele nessa superfície.
    Dalcim, é normal um tenista ter tanta velocidade e preparo físico nessa idade que o espanhol tem?

    Responder
  5. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, acho que nem é muito da sua época, mas como era a rivalidade Nastase x Connors. Deveria pegar fogo, dado o completo destempero dos dois. Não peguei essa época, mas esses dois parecem ser polêmicos desde novos. Abs.

    Responder
  6. Augusto Montenegro

    Era melhor ter deixado o Djoko enfrentar o Nadal. Duvido que o espanhol não teria mais respeito contra o sérvio.

    E apenas endossando o que disseram alguns colegas ( não entrei ontem ) : Nadal não teve nada de ético em se omitir daquele lance crucial. Não se trata de utopia ( disseram ). Vamos ter a mesma régua para medir a todos. Beleza ?

    Responder
  7. Luiz Fernando

    Como postei ha uns dias, a torcida invejosa/rancorosa e sem qualquer tipo de esportividade minimiza o feito gigante de Rafa com esse lenga lenga ridículo disso e daquilo. O q conta e q Rafa foi campeão de forma legitima, na quadra, quem ganha um mesmo torneio pela decima vez não precisa de nenhum tipo de ajuda. Chupa q e de uva kkkkkk, foi menos. O cara vence um Masters 1000 pela DECIMA vez, algo inimaginável e que NINGUEM conseguira igualar. Mas ao invés de destacar os méritos de quem os tem e mais cômodo permanecer na mediocridade de tentar desmerecer o feito. Nada de estranho tenho em vista o grau de insanidade dessa turma. Rafa DECACAMPEAO, qualquer outra coisa q se diga e choro de (mau) perdedor.

    Responder
  8. Márcio Souza

    E pegando a frase final de Narck Rodrigues:
    “E Nadal venceu como todo mundo imaginava”
    Ele deve ter se segurado pra não falar:
    “E Nadal venceu como eu QUERIA!!!”

    Alguém da direção do Sportv tem que dar um puxão de orelha nesse Zé Ruela e torcedor fanático, parece o Casagrande comentando jogo do Corinthians…acho que você enaltecer as qualidades de um tenista top em uma transmissão de jogo ou final é uma coisa, mas essa babação e rasgação de seda chega a dar nojo.

    Quem assistiu a transmissão pelo Sportv percebeu a diferença de comentários entre os dois comentaristas, enquanto o outro falava do jogo em si, o Narck ficava nitidamente torcendo pro Nadal.
    O outro comentarista que esqueci o nome ficava sugerindo o que talvez o Ramos-Vinola pudesse fazer para equilibrar o jogo e o Narck ja entrava de sola “MAS AI ELE NÃO AGUENTA, ESTA MUITO CANSADO, NÃO TEM CHANCES, ELE NÃO VAI CONSEGUIR, ELE NÃO PODE MUDAR O SEU JEITO DE JOGAR”.

    Caramba é natural durante um jogo, se as coisas não chegou estão indo bem, o tenista buscar outras alternativas, mas o Narck não concordava e dizia que o espanhol menos famoso não tinha que mudar nada, é claro jogando assim levou 6 a1 no lombo no primeiro set.

    Eu particularmente gostei da vitoria do Nadal, acima de tudo temos que reconhecer que no saibro ele joga demais e é de fato o melhor tenista que joga no saibro que eu vi jogar.
    Parabéns ao Nadal!!

    O problema é aguentar o Narck nos próximos 2 Masters no saibro…ainda bem que o Sportv não transmite RG, porque se transmitisse e o Nadal ganhasse a 10° taça la também, era perigoso ele ter um infarte na transmissão ou sair correndo pelado pelos corredores do estúdio e deixasse o Eusébio falando sozinho kkkkkk

    Responder
    1. Anti anti-jogo

      O Narck Rodrigues perdeu completamente a noção…

      Mas MAria Esther Bueno ainda o superou. Foi no Masters 100 de Paris de 2015, quando Wawrinka superou Nadal. Maria Esther falou literalmente isso ao final da partida: “Uma pena que o Nadal não conseguiu uma de suas viradas espetaculares.”

      Responder
    2. Eduardo

      Narc Rodrigues entende muito de tênis. Há no Brasil a ditadura Federista, exercida de maneira cega . Para se ter sucesso como comentarista , basta minimizar e desqualificar os feitos de Nadal e exaltar os do Federer. Uma bobagem enorme, já que os dois geniais jogadores se respeitam muito e sempre proporcionaram ao mundo do tênis espetáculos incríveis. Uma rivalidade que elevou o nível do tênis a lugares extraordinarios.

      Responder
    3. Mário Fagundes

      Bem, quando eles (narrador e ilustre torcedor-comentarista) se limitaram a dizer que o ocorrido com Goffin na semifinal “é problema da ATP”, decidi não assistir ao treino de luxo de Nadal. Insuportável!

      Responder
  9. Fernando Brack

    Lendo artigo do TenisBrasil sobre a muvuca causada pelo Nastase na Fed Cup, vejo a britânica Johanna Konta
    dar a volta por cima de uma ofensa agressiva proferida pelo romeno, algo muito mais grave do que o erro de
    um juiz, e mesmo assim, abalada como ficou, ela foi lá e venceu seu jogo contra Sorana Cirstea.

    Responder
  10. Fernando Brack

    A presepada já ficou no passado e Nadal é decacampeão na areia movediça de Monte Carlo, mas fico aqui
    pensando que Cedric Mourier bem poderia passar uma temporada apitando futures e challengers, pra ver
    se aprende a ser menos arrogante e prepotente. É inaceitável ele não chamar o juiz de linha para ajudá-lo.

    Responder
    1. Eduardo

      Vc se porta como um exímio conhecedor do tênis. Que estória e essa de esculhambar o saibro de Monte Carlo? Só porque o Nadal ganhou 10 vezes la? E jogar tênis na grama? E mais legal só porque o idolatrado reina por la? E impressionante a capacidade das pessoas em desqualificar os adversários!!!

      Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Cara, a gente não desqualifica adversários. Desqualificamos apenas os estilos de jogo horrorosos deles. Pra mim, não basta vencer. Tem que vencer jogando bonito. E isso é só com Roger Federer, cumpadi. Se nós quisermos ver catimba, jogo feio, carranca e toc’s, não iremos a um estádio/ginásio de tênis, e sim a um jogo de futebol da Quarta Divisão da Irlanda. Abs.

        PS: Nadal acabou.

        Responder
        1. Eduardo

          Você tem razão, nobre especialista. Nadal acabou….de ganhar o décimo título em Monte Carlo. Ridículo o desrespeito a um dos maiores da história. Não se esqueça do h2h dileto Federista.

          Responder
          1. Mauro Amoedo

            O choro é livre, Eduardo! Leio algumas figuras aqui falando que “Nadal acabou” desde 2011… rsrs

      2. Fernando Brack

        Esculhambar o saibro de Monte Carlo? Você tá com algum problema, meu amigo? O saibro lá
        é o mais lento do circuito e até especialistas brincam chamando-o de areia movediça.
        Isso não significa que eu esteja esculhambando o piso. Ele é o que é e Nadal se dá bem nele.
        Onde você me viu desmerecendo a vitória do seu ídolo por causa disso?

        Responder
  11. Fernando Brack

    Bom pra torcida do ogro, que agora vê seu ídolo seguir com confiança na fase da temporada que, com raras
    exceções, sempre foi boa pra ele. Aumenta a competitividade do circuito, o que não é de se reclamar. Djoko,
    Murray, Wawrinka e todos os demais pretendentes a títulos no saibro que se liguem. Não vai ser fácil vencer
    o mestre dos mestres do jogo lento. E RG tem de volta o seu grande favorito por já longuésimos 12 anos.
    Mais um aninho e ele atingirá a marca macabra da longevidade do PT no poder.

    Responder
  12. Luis

    Dalcim a maldição do lógico falhou kkkkk,Monte Carlos desconta rs,Dalcim ta aberto todas posições no ranking 2017 muito bom rs,não acha? Depois de alguns anos mornos no tênis masculino rs

    Responder
  13. Nando

    Parabéns ao espanhol, mas na boa, esse Ramos é mto fraco…não sei como esses caras conseguem ir longe em alguns torneios pra depois entregar a paçoca na final, incompetência dos outros q foram eliminados nas rodadas anteriores por esse aí.

    Responder
  14. Fernando Brack

    Nossa! Como é fácil pro Nadal ganhar de um compatriota. Viñolas não opôs a menor resistência num jogo
    super chocho e sem graça. Esse título ficará marcado pelo erro bisonho do Mourier na semifinal, embora
    fosse bastante previsível que o ogro bateria Goffin de qualquer jeito. Nadal foi muito bem no torneio.

    Responder
  15. Rodrigo

    Se fosse qualquer outro jogo com qualquer outro jogador, esse erro infame do juiz não teria prejudicado tanto o mental do Goffin. O problema é que era uma semi de master 1000 contra o eneacampeão do torneio. Se até eu desanimei com o lance, atrás de uma tela do outro lado do atlântico, imaginem o Goffin.

    Responder
    1. Fernando Brack

      Concordo, Rodrigo. As particularidades da ocasião foram a causa do Goffin se abalar tanto.
      Em outras circunstâncias, contra outro jogador, o mesmo erro não teria feito tanto estrago.

      Responder
  16. Anti anti-jogo

    Tudo bem, tudo bem… Robolito Kid, o Dustin Brown lhe aguarda na temporada de grama!!!

    (P.S. Como os caras – eu – estão sofrendo! rsrsrsr)

    Responder
  17. Chetnik

    Não vi o jogo, mas uma coisa que me irrita são esses juizinhos arrogantes que erram por pura incapacidade de admitir o erro. Pelo o que eu li, foi esse o caso. Para mim, deveria haver punição exemplar.

    Na torcida pelo Touro.

    Responder
    1. Chetnik

      Vi o lance agora. Que nojo desse juíz. Aliás, esse cara sempre foi um otário afetado. Impressionante. Juíz de tênis é a função mais inútil da história dos esportes. O cara só faz cantar ponto o jogo inteiro, aí num RARO momento em que ele tem que atuar, faz um papelão desses. Deveria ser banido. Arrogante nojento.

      Nadal obviamente não teve nenhuma culpa no ocorrido.

      Responder
      1. Fernando Brack

        É isso mesmo. 99% do tempo o cara só tem que cantar os pontos, aí quando é chamado a tomar
        uma decisão importante falha tão grotescamente. É como uma comissária de bordo, que passa
        a carreira sendo uma garçonete empertigada, se enrolar na hora de atuar numa emergência.

        Responder
  18. Rodrigo S. Cruz

    Eu acho que tinham de mudar esta regra autoritária do tênis.

    Refiro-me ao fato do Juiz de Cadeira JAMAIS voltar atrás em uma decisão errada. Isso concentra poder demais nas mãos dele.

    Eu também acho que se as imagens de TV mostram se o lance foi dentro ou fora, isso deveria bastar para desautorizar o árbitro que faz lambança…

    Responder
  19. Lomeu Lima

    Dalcim lembro da atitude do Wawrinka. Foi no saque mesmo. Bem diferente de hoje. Quanto a Borg a quem considero o melhor tenista da história, esse era único em tudo. Me refiro ao Big Four. Nenhum deles tem atitudes” Rodrigo Caio”. Raras vezes fazem algo, sem contudo convergir para média. Quando se está ganhando ou se tem certeza da vitória fica fácil aplaudir jogadas bonitas do adversário, mandar repetir saques ou acusar bola boa do oponente.

    Responder
  20. Nando

    Vamos ver se Ramos-Vinolas oferecerá alguma resistência, torço para q se supere e ganhe…e será q Narck Rodrigues irá chorar de emoção se nadal for campeão?

    Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Jogo fraquíssimo. Nadal passeando. Na verdade, previsível. Pra piorar, Ramos com probelmas físivos e se arrastando, forçando bolas para encurtar pontos. Muito fraco. Final merecida pra um torneio manchado por um erro que, se não alterou um resultado que era o que tinha tudo pra dar, tirou toda a graça do torneio.

      Responder
  21. Bruno Macedo

    A regra é clara. Ponto passado é ponto passado, ganho ou perdido, justo ou injusto, o que passou, passou. É pra frente q se anda.
    O Goffin ainda não tinha conseguido absorver essa ideologia de vida, ai se ferrou. Que sirva de lição pra proxima!

    Responder
    1. Fernando Brack

      No fim das contas, é isso mesmo. Também espero que Goffin aprenda a lição. Obviamente, ele
      não foi o único e não será o último a sofrer um abalo mental em decorrência de um fato contra
      em uma partida. Lembrem-se como Djoko se sentiu afetado por aquele choque com a rede em
      uma final de RG contra o mesmo Nadal.

      Responder
  22. Marcus Coelho

    Dalcim, permita-me discordar, mas acho que a não instalação do hawk eye no saibro não guarda relação com o seu custo, mas com eventuais problemas que lhe poderiam causar.
    As marcas na terra batida costumam ser muito claras, evidentes, sem deixar margens de duvidas na imensa maioria das vezes, ao passo que qualquer sistema eletrônico, por melhor que seja, apresenta graus de imperfeições.
    Assim, é possível vislumbrar, numa situação atípica, um árbitro de cadeira praticando over rule sobre a marcação do hawk eye no saibro. Afinal, ele tem, a olho nu, a plena visão da marca.
    Isso, certamente, tiraria toda a confiança que os jogadores depositam atualmente sobre o sistema eletrônico, e traria grave insegurança ao próprio esporte.
    Esse é o motivo pelo qual considero o hawk eye impraticável no saibro.
    Abs

    Responder
    1. Fernando Brack

      Ótimo ponto, Marcus. De fato, o hawkeye não é 100% preciso, enquanto a marca na quadra é física
      e está lá pro árbitro fazer seu julgamento, ainda que nossa visão também não seja 100% precisa.

      Responder
  23. Mario Cesar Rodrigues

    Gente não fique perdendo tempo com estes fake,falarem bobagem.O Rafa agiu corretamente quem ai diria numa semi que falaria volta o ponto..ou dá o ponto para ele oras,se Rafa tivesse certeza que a bola saiu mas vai lá e pergunta para Rafa se ele viu que foi fora..se ele falar que não tem certeza não deu para ver acreditem!

    Responder
  24. Luis Coelho

    Senti pena do Gofin, mas erros acontecem, às vezes prejudicam um tenista ou outro, em alto nível os jogadores devem ter preparo psicológico para seguir adiante e continuar o jogo. O Narck falou que o Gofin podia ter chamado o juiz de linha para mostrar a marca e isto não aconteceu. Nadal ficou a parte pois não tinha certeza. Quem acompanha tênis, como eu, desde a época do Borg sabe o quanto o Nadal é respeitado no que se refere a lances duvidosos, o Dalcin pode confirmar, muitas vezes, mesmo com marcação a seu favor ele vai olhar a marca, quando ele percebe que a marcação foi errada ele dá o ponto, na dúvida ele chama o juiz de cadeira e quando ele confirma a marcação inicial, todos aceitam. Tudo isto claro com o saibro. É muito bom fazer como o Nadal faz, apaga as marcas antigas para evitar confusão entre as marcas. Existe uma coisa em Física, sou físico por acaso, que se chama erro de paralaxe, é um erro relacionado com o ângulo de visada do fenômeno , isto pode explicar um pouco o erro do árbitro , além de depois ter olhado na marca errada. Para quem acha que o Nadal deveria ter entregue os pontos seguintes, já presenciei como competidor de tênis de mesa os adversários se sentirem ofendidos. Como também vi o Sampras ganhar um jogo em que começou a chorar por causa de doença de seu técnico, o adversário ficou abatido e Sampras reverteu e ganhou o jogo. Neste caso acho que não foi intencional mas já vi um grande tenista atual, fingir contisoes, desequilibrar os adversários e voltar e comer os fígados dos incautos.
    ,

    Responder
    1. Márcio Souza

      Tenista atual fingir contusões?
      E depois voltar e comer o figado dos incautos?
      Quem será?
      Eu não tenho a menor idéia de quem você esta falando Luis Coelho kkkkkkkkkk

      Só não pode falar que é o Cotonete porque senão você arruma briga aqui no blog kkkkk

      O NOTA DE 3 REAIS nem fingindo mais contusões e levado a sério, tornou se um tenista comum e tem se especializado em levar entubadas kkkkk

      Responder
    2. beto

      Desculpe-me Luis, mas não concordo: Nadal não é o melhor exemplo de isenção, imparcialidade (já discutiu várias vezes com juízes, mesmo estando errado). Recentemente, pra variar com o Carlos Bernardes, Nadal correu para rebater uma bola curta, devolveu após o segundo toque da bola na quadra e o árbitro brasileiro deu o ponto para o adversário. Nadal saiu reclamando, e o replay mostrou claramente que ele só devolveu a bola após o segundo toque no solo. Nadal não admitiu e ainda disse ao Bernardes que era “impossível” que a bola tivesse tocado na quadra antes de tê-la golpeado. Todos podem se equivocar, inclusive o Nadal, mas daí a sugerir que ele seja um exemplo de correção há uma distância considerável. Já vimos Raonic esbarrar na rede e ficar quieto, Djokovic invadir a quadra adversária pra volear e ficar quieto e muitos outros maus exemplos. Isso apenas mostra que são seres humanos, que falham, que se omitem, que se deixam levar pelo calor e pela importância do jogo. Infelizmente, a tecnologia não pode ser usada pelo árbitro para resolver lances como o que aconteceu com o Goffin. Uma pena: sou favorável ao uso de todo recurso que possa reparar erros, aconteçam eles no primeiro ponto ou no match point. Bastaria consultar o replay para que o árbitro reparasse seu erro: Goffin ganharia o ponto, não perderia o controle, Nadal veria que sua bola realmente saiu, a torcida também, e o jogo transcorreria naturalmente. Acho um desperdício usar a teconologia apenas para bola fora ou dentro…

      Responder
  25. Álvaro Aguiar

    Dalcim, se não há hawk eye em quadra de saibro, como foi gerada a imagem do lance polêmico que só pode ser vista pelos telespectadores?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pela geração da TV. Vale lembrar que esse recurso existia nas transmissões de TV muito antes de ser oficialmente adotado pela ATP e ITF.

      Responder
      1. Fernando Brack

        Dalcim, mas para a TV gerar esta imagem, parece que algo similar ao hawkeye precisa estar
        presente. Talvez não tenha a mesma sofisticação, mas seria irresponsável por parte de quem
        gera e expõe a imagem que ela não fosse precisa. Uma câmera comum não faz a simulação.
        Acho que o Marcus Coelho logo aí acima colocou um bom ponto.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          A imagem da TV usa o mesmo critério da representação gráfica, portanto me parece confiável sim. Se você observar as bolas duvidosas que o juiz foi ver a linha durante toda a semana, o ‘hawk-eye’ não errou uma única vez.

          Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Aí é uma pergunta que teria de ser feita a eles. As transmissões de TV têm esse ‘tira-teima’ muito antes de ter sido implantado oficialmente. Aliás, a Globo também usa um tipo muito bom no futebol que jamais foi requisitado.

    2. Logan

      Eu tava me fazendo a mesma pergunta???hehe…iria até perguntar,mas como tu perguntaste antes…também pensei q aquela imagem da tv fosse o “olho de águia”

      Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Já eu concordo. Ele apenas coloca na mesa: seria defensável Nadal reverter a chamada? E ele pontua que Goffin foi afetado como qualquer um seria se estivesse na exata situação dele: maior jogo da carreira, garfada absurda.

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Desculpe, mas não teve nada de irresponsável no que foi escrito.

      Muito menos de tendencioso.

      Tendenciosa está sendo você ao defender esta atitude pouco nobre do Nadal…

      Responder
    2. Rafael

      É, ajudou mesmo e muito. O Goffin entregou o jogo depois disso. Adoravel ajuda, quem poderia imaginar que o cara ia ter uma reação dessas mesmo antes de perder o game? Na cabecinha dele e corretamente pensou que se não confinasse o game naquele momento perderia o jogo e o perdeu.

      Responder
  26. Aurélio Passos

    A grande questão é só uma:

    Por que diabos um árbitro de cadeira desceu voando para pra procurar uma marca relacionada a UMA CHAMADA QUE NÃO DEU POLÊMICA NENHUMA, NEM PELO JUIZ DE LINHA, NEM PELO PÚBLICO, NEM PELO JOGADOR QUE PERDEU O PONTO ????!

    Responder
    1. Márcio Souza

      É simples Aurélio…

      Porque tanto o Narck Rodrigues e o juiz de cadeira são tietes do Nadal e eles não suportariam ver o Marty McFly abrir 4 a 2 no primeiro set e ameaçar a vitoria do Nadal.

      Não tem outra explicação.

      Bastava chamar o juiz de linha e perguntar qual marca você se baseou pra ter cantado OUT, ele iria mostrar a marca que o GOFFIN também estava sinalizando e o juiz de cadeira iria ficar com cara de Ze Mane e teria que confirmar que a bola de fato foi fora.

      Mas isso iria prejudicar o idolo dele, então é mais o juiz de cadeira passar vergonha, pegar uns 3 meses de gancho na ATP, ser criticado pela midia e os torcedores, mas pelo menos o Nadal seguiu vivo no torneio e foi campeão para delirio do juiz e do Narck Rodrigues kkkkkkk

      Responder
      1. Marcelo F

        Puxa, só agora você percebeu que o Narck é fã do Nadal? Isso é claro há muito tempo. Assim como o Eusébio é fã do Federer, impossível não perceber. Sem mencionar Dácio Campos, fã descarado do suíço.

        Responder
        1. Mauro Amoedo

          Coloca a Maria Esther na lista de fãs do suíço…

          Se alguém tiver como assistir a final de Wimbledon 2008 com narração do SporTV, é impressionante a torcida escancarada da equipe pelo suíço…

          Responder
  27. Aurélio Passos

    Isso denota o que provoca haver clubinhos imexíveis nessa pane la de arbitragem de tênis.. . há mais de década é o mesmo grupinho de 10-18 árbitros rodando o mundo a cada ano, nos melhores clubes e hotéis do planeta, todos acomodados e engordando a olhos vistos, fazendo o que querem. Nojento.

    Responder
    1. Lincoln

      Aí está algo que sempre me incomodou, são sempre o mesmo grupo de 10 a 15 que estão em todos os grandes torneios. Será que não tem mais 20 ou 30 capazes?

      Responder
    2. Frederico Schnack

      Pois é… até Bernardes incluso nesse tal “grupinho”… por mim ela já teria deixado de ser árbitro faz anos, mas não entrarei no assunto se não ufanistas irão apedrejar-me.

      Responder
        1. Marcelo F

          Eva Asderaki eu até concordo, mas Bernardes de jeito nenhum. O Lahyani também é bom, assim como o Jake Garner e o James Keothavong.

          Responder
  28. Lomeu Lima

    Até hoje não vi um “Rodrigo Caio” no tenis. O que ocorre esporadicamente é uma atide que mais beira “média” por parte de alguns tenistas. Djoko já fez isso dando o ponto para o.adversário todavia vencia por larga margem a partida. Nem Federer, nem Djoko, nem Murray e muito menos Nadal. Quando se está perdendo fair play é utopia. O importante é vencer. Só neófito pra imaginar o oposto.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, já houve casos bem mais sintomáticos do que passar o pé na linha, Lomeu. O Wawrinka recentemente pediu que o adversário repetisse o primeiro saque por ter sido atrapalhado por um torcedor, e o suíço estava perdendo. Sem falar na histórica atitude de Borg que, em pleno match-point a seu favor, brigou com o juiz para que desse o ponto ao adversário.

      Responder
      1. João ando

        E incrível como um tenista que joga hs tantos anos o circuito nao tenha perguntado ao juiz de linha…com o calor da emoção esqueceu…e o juiz de cadeira teria que ter perguntado ao juiz de linha e ele daria a palavra final…realmente o mourier tem que se colocado na geladeira. Dalcim o juiz de cadeira tem alguma idade limite para ser…pois o mourier parece ja ter passado dos 60 anos…

        Responder
    2. Marcelo

      Lomeu, aconteceu também na Austrália, envolvendo o próprio Goffin e o Thiem. O belga mandou uma bola na linha, o juiz cantou fora e o austríaco errou. Goffin desafiou e como estava certo o ponto seria jogado novamente. No entanto o Thiem “deu” o ponto para o adversário.
      Detalhe, Thiem estava um set abaixo.

      https://www.youtube.com/watch?v=tBtx8rl5Lss

      Responder
  29. Lomeu Lima

    Boa.noite Dalcim!! Já havia indagado aqui o.porquê de não haver desafios no.saibro, mesmo sabendo que a.bola deixa marcas. O grande problema são os olhos de quem enxerga. Não é o primeiro nem.será o ultimo erro no barro. Agora creditar um erro para uma derrota como na de hoje só ratifica a fragilidade do Belga. Perdeu por falta de equilíbrio e competência. Dalcim a não aplicação do desafio no.saibro se deve somente a questões financeiras? Por que da resistência? A mente vê o que escolhe vê. …

    Responder
      1. Fabio

        Se existe um custo adicional, não entendo como pode aparecer a análise para a televisão em tempo real. Acho que poderia apenas transmitir aquela imagem para o telão da quadra e sem um grande custo por isso.
        O gráfico que é gerado para a televisão parece ter a mesma eficiência do Hawk Eye.

        Responder
  30. Mad King

    Caro, Dacilm! Permita-me discordar de uma coisa que você diz, quando diz que “Nadal, claro, não teve nada a ver com isso”. Fora a enorme lambança, o erro grotesco do juiz, quero dizer que:

    Observei o replay da jogada inúmeras vezes. Um player do calibre do Nadal sabe quando exagera e manda a bola pra fora. Assim que ele acerta a bola, ele já “sente” que ela vai fora, tanto que quando o juiz de linha grita “fora”, ele já sai cabisbaixo para o seu banco, certo de que estaria 4-2 no placar. E a bola não saiu por pouco. Foi quase um palmo! Estou surpreso que um player da estatura do Nadal, que tantas vezes teve condutas maravilhosas de “sportsmanship” em quadra, tenha se sentido “acuado” desta vez! Nadal, como nunca, quer ganhar e “precisa” de um título. Mas assim dessa forma …

    Enfim, Rafa só perde se jogar mal e Ramos jogar o melhor jogo da vida. Essa combinação não deve ocorrer. Adoro Nadal e desejo que volte aos tempos de glória junto com o Federer porque, ao que parece, se dependermos da geração atual – que caminha a passos lentos – e de outros top ‘fora de forma e machucados’, Roger e Rafa vão fazer a festa esse ano.

    Esperemos. Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele não poderia ter saído cabisbaixo para seu banco porque, com 4/2, sequer seria virada de lado, Marcelo. Ele aparentemente pediu a tolha ao boleiro, o que não é nada incomum. Ele faz isso depois de qualquer ponto disputado.

      Responder
      1. Mad King

        Erro meu de digitação. Eu quis dizer “pro seu canto” , não “banco”. Corretor automático dos diabos! Quanto ao “cabisbaixo”, pode rever a cena que verá. É o normal quando se perde um game daqueles, não!?

        Abraço.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Ah, desculpe! Sim, afinal das contas o juiz de linha gritou um ‘out’ em claro e bom som. Normal que a reação dele tenha sido essa. Abs!

          Responder
  31. periferia

    Impressionante o tênis.. …. como uma jogada pode mudar totalmente o resultado de um jogo…..em uma partida tem centenas de pontos ….e um único pode mudar o resultado de um jogo… .lembro de uma partida entre o Federer é o Djokovic na final do USOpen…..o jogo era todo do Federer ….estava perto de fechar…..numa bola de desespero Djokovic jantou o ponto …o game ….o set…..e no final o jogo……mas uma coisa é certa Dalcim….nos grandes torneios é muito raro uma pixotada igual a do juiz de cadeira…….nos outros esportes é a todo momento .. .. abs

    Responder
  32. Felipe Siqueira Silva

    Dalcim, só de assistir os vídeos da cena (não vi ao vivo) me revolta. São várias coisas. Mourier anda dando vários foras. Lembro de um caso com Istomin que também me irritou muito. Principalmente porque Istomin reclamava de maneira adequada e ele sempre intransigente no que na ocasião foi negar um desafio (Istomin tinha o feito imediatamente mas ele que não viu – ou não é quis ver). Na a situação também é de tirou qualquer um do sério, o juiz chama fora, Nadal não reclama, imediatamente Goffin aponta a marca, ele não deveria sequer descer porque a bola não foi dúvida, foi bem fora. Eu no lugar do Goffin sairia de quadra, também não sou de fazer barraco como Fognini e saberia que não ia esquecer o lanche tendo que voltar um game já acabado.

    Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Mas fazer um corpo mole a la Kyrgios…Claro que a melhor atitude é vencer contra tudo e todos (e você tem razão que Fognini e Kyrgios seriam tenistas que ganhariam o tal game tirando forças da garfada, e aí xingariam um monte). Mas é perfeitamente compreensível. Imaginemos o seguinte: e se fosse o inverso? O que você pensa que Rafa Nadal estaria falando até agora?

        Responder
    1. Jônatas

      Não lembro deste lance do Mourier com o Istomin. Eu lembro de um lance com o El Jennati. Era um jogo contra o Stepanek em Indian Wells. A bola do Stepanek foi fora, ele parou, PEDIU O DESAFIO, o El Jennati NÃO DEU e DEU o ponto para o Stepanek. Foi a seqüência mais grotesca de erros que eu já vi. Primeiro pq foi claro o pedido de desafio do Istomin. Segundo que a bola retornada pelo Stepanek, depois que o Istomin parou no lance, foi FORA!

      Responder
  33. cesar valeixo

    Dalcim, olhando o lance do goffin, é totalmente aceitável a frustração do belga, porem não acho que aquele ponto teria um peso tão sufocante para ele se tivesse sido quando a vantagem era do nadal no próprio game, pois mesmo com a chamada do errada do arbitro ele não perdeu o game, ainda mais que o jogo não estava num tie-break ou terceiro set. Por isso lhe pergunto: não foi foi exagerada a desmotivação do goffin ja que teria muito jogo pela frente ainda? abs

    Responder
  34. Erivelton Viana

    Você não acha que o próprio Nadal deveria ter dado o ponto para o belga após o erro ? Mostrou no telão da quadra a bola fora.

    Responder
  35. Atilio

    Pavoroso erro do arbitro, tirou o set do Goffin, mas, mesmo que o belga tivesse saído na frente, ainda assim teria tido muitas dificuldades para vencer o Nadal, inclusive porque o jogo anterior contra o Djoko foi muito desgastante, na parte física e mental.
    Goffin está no caminho certo, precisa mesmo ser mais agressivo, só que quase toda vez que ele tenta acelerar com golpes mais retos a bola vai na rede, quando usa mais spin, como é a sua característica, ele dificilmente erra, mesmo quando bate forte e perto da linha.
    Parece que ele se sente muito desconfortável quando tem que mudar seu estilo de jogo que é bem mais defensivo.

    Responder
  36. Lincoln

    Que lástima!!! O jogo estava caminhando para ser um belo espetáculo, tal qual fora Goffin x Djoko. O francês ferrou com tudo!!! Só não entendi o pq do Goffin não se difigir ao juiz de linha. Até na reclamação ele já demonstrou um abalo mais do que comum. Teve ali uma ou duas bolas ainda para confirmar o game.
    Sou daqueles que pensam que o Nadal viu sim o lance, podia ter ficado na dele e isolado a devolução, ninguém ia falar mais nada, ou melhor, iam falar do ato de boa fé dele. Mas entendo o espírito competidor de se pensar que o problema não era dele. Bola pra frente!
    Tomara que o Ramos entre acreditando e indo pra cima, geralmente os espanhois respeitam muito o Nadal. Cansei de ver o Ferrer, Almagro endurecerem muitos jogos no saibro contra o Touro, mas na hora da onça beber água se apequenarem. A conferir.

    Tudo isso aliás não tira nenhum mérito do maior saibrista que este esporte já viu.

    Responder
  37. Rafael Arouca

    Dalcim, no fim do jogo os 2 jogadores se cumprimentaram como de costume,
    mas no cumprimentar o árbitro, apenas Nadal fez isso, Goffin não. Há chance
    do Goffin levar alguma multa ou advertência (punição qualquer) por esta atitude?
    Abraço

    Responder
  38. O LÓGICO

    Eu gostaria muito que alguém tivesse a coragem de pôr aqui o vídeo do ocorrido. Perceberão que ao bater o forehand, o robozinho fica de frente pro lance, percebe que a bola foi fora, percebe a marcação do juiz de linha e continua andando por sobre a linha de base, em paralelo com ela e de cabeça baixa, totalmente conformado. Passem o vídeo quadro a quadro e perceberão que ele chega a parar por um instante, perceber a marcação e depois sai caminhando de cabeça baixa sem sequer olhar para a quadra. Ora, se a bola fosse duvidosa ele não adotaria esse comportamento. A não ser que se queira fazer alquimia com os fatos, as vaias foram para o juiz, mas pra ele também. Logo na sequência, quando o Goffin perdia o ponto em trocas com o robozinho não programado para ser ético, as vaias surgiam – e obviamente que não eram para o Goffin. Isso aconteceu várias vezes.

    Se “Nadal não tem nada a ver com isso”, vamos retirar a palavra ética do dicionário. Ele tem, sim, muito a ver com isso, do ponto de vista ético. Pois eu pergunto: se ele tivesse a decência de dar o ponto pro adversário – sei que é pedir demais -, tudo não voltaria às condições normais de temperatura e pressão? Ele sabia que a bola foi fora, ele não fez nada, isso afetou o adversário, ele é responsável, também. A ética sempre nos amara com a honestidade. Ela nos reclama atitudes para além de nossos interesses. Mas naquele lance o robozinho não titubeou: meu interesse acima de tudo.

    Mas tá valendo, robozetes, vamos ver se minha profecia não se mantém em relação a esse “espetacular simulacro de tenista” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Aurélio Passos

      Concordo com tudo isso, Lógico. Mas de nada adianta, pois o próprio Goffin só rasgou elogios ao Destruidor do Tênis na entrevista coletiva, absolvendo-o de qualquer responsabilidade…

      Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Acho que Nadal não deve ser responsabilizado. A porcaria toda foi do juiz. Já vi Federer, gentleman dos gentleman, ficar quieto com marcação errada a favor. Um tenista competitivo instintivamente dá sempre de “pôncio pilatos”. O que não significa que eu concorde, obviamente.

        Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Não vi o lance, mas já vi muitos outros lances que Nadal, ao menor sinal de dúvida quanto ao ponto, ir correndo verificar se será seu ou não. Naquele toque de Djokovic na rede em Roland Garros, Nadal acusou o golpe bem antes do juiz, que estava praticamente em cima da rede.

      Responder
  39. Bruno V.

    O erro (ou melhor, a garfada na cara dura) foi do árbitro de cadeira, mas Nadal teve sua parcela de culpa sim, ao não dar pro adversário um ponto que era dele. Todo mundo viu que o espanhol percebeu que a bola havia sido fora, até porque não foi sequer uma bola duvidosa: ela saiu mais de dois palmos! Permita-me discordar nessa de você, caro Dalcim. Fosse um Almagro ou um Kyrgios, todos estariam criticando. Como é o queridinho da imprensa, ele faz aquela cara de sonso e ninguém fala nada.

    Não dá pra afirmar que Goffin ganharia a partida, é óbvio, mas naquele momento o belga jogava melhor e ficaria bem próximo de faturar o primeiro set, não fosse aquela trapalhada bisonha do Mourier. Com isso, podem entregar a taça para o robô, já que é evidente que mais um de seus lacaios espanhóis não vai querer complicar muito a vida do amo e senhor. Final vergonhoso para um torneio que já estava chocho.

    Responder
  40. Daniel Auras

    Frescura..tava 40/0..não foi por isso que perdeu o game..todos erram…jogadores se acham perfeitos..quero ver estar ali diante de milhares e tendo que marcar uma bola em alta velocidade…perdeu pq AINDA não tem cabeça de grande tenista…me lembra mto o Davidenko no estilo, porém jogando mais atrás…um dia chega a vez dele….não precisava o site fazer esse alarido todo pelo caso

    Responder
  41. Robson

    Com todo respeito a opinião do Dalcim,eu vou em outra linha de direção.
    Não consigo e não posso achar que um cara perdeu um jogo por causa de uma única bola,um único erro de marcação de juiz,um único ponto, não nesse caso,com o jogo laaaaaa no início do primeiro set.
    Um grande tenista precisa ter técnica, físico,leitura de jogo e mental,na falha de qualquer um destes quesitos o cara jamais será um grande tenista.
    .
    Mudando só um pouquinho o assunto,o que está acontecendo com Novak Djokovic?
    Não são só as derrotas não,o buraco é muito mais embaixo,todos os adversários de Novak de Wimbledon do ano passado pra cá, estão tendo inúmeros braks points a favor,muitas dessas chances eles estão aproveitando,Novak está sendo quebrado várias vezes dentro de uma mesma partida,complicada a situação de Novak.
    Obviamente o problema no cotovelo é a causa de tantas chances de quebras e tantas quebras que Novak vem sofrendo,a questão é,parar de vez por um bom tempo pra se tratar,ou continuar aí,insistindo e com isso perdendo cada vez mais a confiança e o ” respeito ” dos adversários?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu não me lembro de ter escrito que Goffin perdeu o jogo por causa dessa bola, mas que o juiz estragou o jogo por causa dessa bola. Abs!

      Responder
      1. Robson

        Sim Dalcim, perdão.
        É que andei lendo os comentários de seu último post antes desse,e alguns participantes estavam culpando o Nadal pelo ocorrido,fiquei com isso no sub conciente,kkkkkkk
        Pra mim o Nadal não teve absolutamente nada haver com o ocorrido,nada,tava 40 x 0 no game pro belga,muito desonesto creditar a culpa dá derrota por causa de uma única marcação errada.Nadal nem nenhum outro tenista do planeta se atreveria a favor ou a desfavor corrigir uma marcação do juíz sendo ela lá do outro lado da quadra.

        Responder
  42. Felipe Velasquez

    Boa noite Dalcim!
    Mas, que confusão arrumou o juiz!rs. O Goffin, pela bela campanha no torneio e por ser, sobretudo, um tenista top, não podia ter perdido o emocional da forma que perdeu (perder 10 games em 11 é inaceitável!).
    Nadal está merecendo esse troféu pela regularidade que tem apresentado no ano. Mas, não podemos desprezar o Albert Ramos que também está jogando muito bem e é azarão na partida.
    Dalcim, eu tenho uma pergunta: você disse, em seu texto, que o Nadal: “Poderá recuperar o quinto lugar do ranking com a vantagem de já ter também defendido o troféu de Barcelona do ano passado.” Eu não entendi. O Nadal não irá, ainda, disputar o torneio de Barcelona? Ou os pontos já foram descartados e ele será quinto independente de vencer no ATP500 de Barcelona. Abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Exatamente isso. Ele será quinto se ganhar Monte Carlo com a vantagem de que os 500 pontos de Barcelona já serão descontados nesta segunda-feira.

      Responder
  43. Leo

    O Rafa pisou na bola em ficar quieto com a marcação do juiz. Mas eu jamais espero uma atitude nobre dele…
    Um tenista, mesmo de recreação como eu, consegue saber quando uma bola sai um tanto daqueles, quanto mais eles que estão todo dia em quadra. Coisa feia, Nadal!

    Responder
  44. Mário Fagundes

    Estou curioso para saber como a torcida irá se comportar amanhã durante a final de MC. Depois da confusão na Fed Cup, em que houve ofensas, choro, paralisação do jogo, reclamações, etc., está definitivamente derrubada aquela história de que o tênis é um esporte de cavalheiros e blá-blá-blá! Tremendo papo-furado! Todos querem vencer e se houver uma chance de levar vantagem sobre o adversário, melhor ainda. Um colega comentou que percebeu Nadal pedindo a toalha após a marcação de bola fora pelo juiz de linha. Ora, fica claro que ele percebeu a marcação foi correta naquele momento. Então, deveria ter tido outra postura. Porém, em se tratando de Rafael Nadal…

    Responder
    1. Rafael Wüthrich

      Sobre a Fed Cup, queria uma palavra breve sobre isso do nosso Guru. Não é a primeira vez que Nastase fala bobagens, sendo generoso, e a disputa acabou totalmente em segundo plano.

      Meu bom Dalcim, em sábado de péssimos exemplos no tênis, como devemos levar essa questão da Fed? Nastase deve pegar um gancho enorme, não? E a disputa: como manter um confronto cujas jogadoras adversárias são ofendidas pelo capitão do outro time e não penalizar as jogadoras que nada tem a ver com a presepada? ITF terá trabalho…

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        A atitude do Nastase é imperdoável. Não é de hoje que ele tem comportamento ruim. Muitos levam isso como brincadeiras, já que ele foi o primeiro ‘playboy’ do circuito, lá nos anos 70, quando usava cabelo comprido, ironizava todo mundo e era parceiro de farras de Jimmy Connors. Mas quando você ocupa um posto de chefia, é preciso ter o mínimo de decência. ITF não é de ficar omissa e acredito que ele será banido pelo menos por dois anos do tênis.

        Responder
  45. Thales

    Ótima analise mestre, o jogo tinha muito potencial se não fosse a marcação infeliz do Mourier, mas tb concordo que faltou mental e emocional pro Belga voltar a disputa, Nadal que nada tinha a ver sentiu o momento e cresceu no jogo, seu FH no ultimo set falou bem alto. Não sabia que o Touro já havia defendido os pontos de Barcelona, na verdade nunca entendi muito bem a contagem de pontos do ranking da ATP.. pensava que o espanhol teria que vencer o titulo esse ano novamente para salvar os 500 pts. Dalcim caso Nadal vença amanha e em Barcelona e obtenha QF e SF nos proximos 2 masters ele recupera o quarto posto até RG ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O ranking sempre compara a atual semana com a mesma semana do ano passado. Como o calendário 2016 estava adiantado por causa das Olimpíadas, os pontos estão caindo antes. Então Nadal já está defendendo os 500 pontos de Barcelona e, se for campeão, ainda assim voltará ao número 5. Nadal ainda defende semi em Madri (360 pontos) e quartas em Roma (180 pontos), enquanto Federer não defende nada. Portanto, ele teria de fazer 400 pontos a mais do que essas duas campanhas (final em Madri e semi em Roma, por exemplo).

      Responder
  46. Oscar Mimaki

    Boa noite Dalcim !
    Assisti o jogo é vi a frustração total do Goffin que acarretou por atingir o mental. Acho que em condições normais o Nadal ganharia o jogo, mas naquele momento acabou o espetáculo que vinha sendo até o 6° game, confesso que ali perdi a vontade de assistir o jogo. Me tira uma dúvida a ATP poderá punir o Cedric Mourier , deixa lo na geladeira, pois houve na minha opinião uma sucessão de erros, em relação a marca da bola e não consultar o juiz de linha. Você acha que deve-se estender os challengers para o saibro evitando assim erros absurdos ? Outra pergunta para polemizar um pouco você acha que faltou fair play do Nadal, apesar de estar do outro lado da rede, ele enxerga como poucos a marca da bola, quando pede desafios quase sempre está certo das decisões.
    Parabéns pelo blog.

    Responder
  47. Rafael

    Dalcim, me desculpe, mas é um exagero muito grande dizer que o Árbitro estragou tudo em apenas um lance, por mais que fosse um lance importante, estava ainda no meio do primeiro set… O erro foi grotesco mas a reação do Goffin ao erro do juiz foi mais grotesca ainda na minha visão. Um jogador profissional, numa semifinal de master 1000, não pode fazer uma coisa dessas. Jogou a partida fora por causa de um erro do juiz no começo do jogo ainda. Você está focando apenas no arbitro e se esquecendo da reação absurda do jogador ao erro grotesco do juiz. Pelo amor de Deus, quem estragou tudo foi o jogador…

    Responder
  48. Armando

    Dalcim,

    Não assisti ao jogo, mas gostaria de perguntar uma coisa. No lance polêmico o Nadal conseguiu ver a bola? Se sim não seria uma atitude de fairplay ele mesmo corrigir o erro?
    Sei que isso não é obrigação dele, mas acho um péssimo exemplo a omissão que sugere um “ganhar a qualquer custo” que jogadores do tamanho do Nadal não precisariam.
    Enfim queria saber sua opinião. Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não há como você ter certeza de que a bola foi fora estando do outro lado da quadra, correndo depois de golpear a bola para cobrir um ângulo. Nadal só poderia ‘ajudar’ se o lance tivesse acontecido numa linha lateral, por exemplo, e ele Nadal estivesse na mesma paralela e com visão plena do lance.

      Responder
  49. Luiz Evandro

    Vejo o desafio eletrônico “fora do saibro”, somente para manter a “tradição”. Para o juiz descer da cadeira. Se já foi implementado em todas as outras quadras com enorme sucesso, não há porque não fazê-lo.
    Mourier deve pegar um gancho pesado, a repercussão do erro foi ENORME pelo mundo. Vamos ver o que acontece.
    Nem toda bola deixa uma marca visível na quadra de saibro.

    Responder
  50. Eduardo Nery

    Dalcim, a partir dali, acabou o jogo. E o pior que bola saiu quase 10 cm… Lamentável o que esse juiz fez. Consegui me sentir na pele do Goffin, a dificuldade de duelar no saibro com Nadal e ser roubado assim!

    Responder
  51. João ando

    O mourier estou por muito.Acho que o desafio deve ser colocado mesmo em quadra de saibro.quanto ao narck depois de tantos falarem que ele torce para o Nadal até estou acreditando nisso….então o comentarista deve ser o accioly .agora ninguém falou o que aconteceu com a Maria ester. ..eu não gostava dela como comentarista mas depois da saída do dacio teoricamente o número um no SporTV e o nark … .ja que tem mais tempo de casa…mas o domigos não da com aquele papo rebuscado dele…

    Responder
  52. Alexandre Borges de Magalhães

    Por incrível que pareça para quem não acompanha tênis, o erro do árbitro realmente prejudicou seriamente o jogo. Nunca saberemos se o Goffin teria ganho. Acho inclusive que não, por que sabemos quem é o Nadal no saibro e a sua capacidade de remontar resultados. Era um 4 x 2 para o Goffin o que muito provavelmente lhe daria o primeiro set e nos seguiria brindando um jogo de alta qualidade. Por isso o árbitro prejudicou sobretudo ao tênis, que hoje perdeu a oportunidade de ter um grande jogo. Acho que o Nadal não tem culpa de nada, pois foi uma marcação do outro lado da quadra. Tampouco critico o Goffin, pois sua atitude posterior é compreensível. Finalmente, penso que o hawk eye deve ser implementado no saibro, pois nem sempre é fácil discernir onde caiu a bola somente com a marca na quadra.

    Responder
  53. Rodrigo Bravin

    Acho desnecessário ficar especulando o que aconteceria se o árbitro não estragasse o jogo. Só podemos analisar o que é objetivo, ou seja: Goffin partiria para um 4/2 e poderia ganhar o set. Estava jogando de igual para igual com Nadal e teve muitos breaks. É fácil criticar o belga por não ter controlado os nervos, mas o cara estava pela primeira vez numa semi de master no saibro, jogando e ganhando de uma lenda como Nadal e toma um atraso do…. árbitro numa bola ridiculamente fora.
    Goffin não é o primeiro a se perder em um erro de juiz. Erros grotescos em sequência deveriam obrigar esses árbitros a fazer uma reciclagem.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *