O maior de todos
Por José Nilton Dalcim
29 de janeiro de 2017 às 11:41

Jamais duvide de Roger Federer.

Quem diria que depois de fazer 35 anos e ficar quase sete meses sem competir, ele conseguiria ganhar não apenas o 18º Grand Slam mas o maior de todos eles.

Para erguer o troféu neste domingo, Federer precisou derrotar quatro jogadores de nível top 10, três deles no quinto set. E ainda por cima passou pelo teste derradeiro, superando o guerreiro Rafa Nadal com cinco games seguidos vencidos num quinto set que parecia perdido. Virar contra o espanhol saindo de 1/3 é uma façanha tão grande que deveria valer outro troféu.

O feito de Federer foi monstruoso, inigualável e reforça de vez a teoria mais aceita no circuito de que ele é mesmo o melhor tenista de todos os tempos. Seus principais números, já tão difíceis de se alcançar, ficam gigantes e mais do que nunca será preciso um bom punhado de temporadas para que alguém volte a ameaçá-lo.

A ‘final dos sonhos’ teve sets muito distintos até chegar na série decisiva. Cada tenista dominou de um jeito e a seu modo. Quando sacou bem, Federer manteve o domínio. Ao permitir Nadal entrar nos pontos, viu o espanhol fazer seu melhor. Embora mais lento do que de costume, Nadal mostrou a força mental de sempre, jamais se entregando.

Daí a surpresa por deixar escapar a vantagem derradeira. Federer martelou o tempo todo. Obtinha break-points que Rafa salvava com competência e arrojo. Até que o suíço mostrou uma solidez no fundo de quadra assombrosa para um quinto set, não se apressou e esperou a hora certa de atacar. O match-point não poderia ser outro senão uma bola milimétrica, que exigiu desafio e tensão total na arena.

Como eu vinha salientando desde a Copa Hopman, o backhand de Federer foi o grande responsável por sua campanha vitoriosa, ainda mais contra Nadal. Claro que houve erros e madeiradas aqui e ali, porém não apenas encarou os spins terríveis do canhoto pegando a bola dentro da quadra e na subida, como executou o padrão tático mais correto: a cruzada angulada, tal qual havia feito numa memorável vitória no Finals, rendeu winners ou levou o adversário a erros.

Esse quadro aliás nos leva a dar o último e essencial elogio a Federer. Para quem já ganhou tanto, dentro e fora das quadras, admirável sua determinação em continuar buscando a perfeição.

Nadal não deve sair como derrotado desde Australian Open, apesar do vice. Roger foi muito feliz ao dizer que os dois deveriam dividir o troféu porque conseguiram dar a volta por cima diante do descrédito de tantos.

O espanhol fez os dois melhores jogos do campeonato, deu um salto de qualidade evidente em relação às duas últimas temporadas e se recolocou como candidato a qualquer grande título em 2017. O que é melhor: ainda tem muitos aspectos a aprimorar.

Jamais duvide de Rafael Nadal.


Comentários
  1. Victor Martins

    Oi Dalcim bom dia, a minha pergunta é sobre o Blog e as configurações. Tem alguma forma da gente vê os nossos comentários aqui no post, tipo, durante a semana eu escrevi algumas vezes, e tem mais de 1.000 comentários, tem alguma forma de detectar onde tá os meus comentários, ou é só passando mesmo de 1 por 1?

    Um abraço!

    Responder
    1. Meg

      Victor, tente o Ctrl+F. Aparecerá um espaço para você digitar seu nome e, a cada Enter ele vai mostrando todos os Victor Martins do texto ou qualquer outra palavra que vc quiser pesquisar. Precisa ser no laptop ou computador. Espero que dê certo.

      Responder
      1. Meg

        Desculpe, na verdade não é a cada Enter, mas tem que ir clicando na setinha (para cima ou para baixo) e vai aparecendo o Victor seguinte (acima ou abaixo, respectivamente).

        Responder
      2. Victor Martins

        Obrigado pela atenção Meg.
        E obrigado Dalcim também por tudo. Pelo Blog, e por esse post histórico. Já sinto muita saudade desse momento único, dessa conquista do Federer.
        E não dá vontade nem de sair desse post. Hehehehehe

        Um abraço Dalcim e fica com Deus.

        Responder
  2. VALDRIANO

    é apenas a segunda vez que comento mais diante desse grande fato histórico do tennis e do BLOG ” rompendo a barreira dos 1000 comentários ” como poderia me omitir, o que chamou minha atenção além do tão falado BACKHAND foi a precisão e agressividade das devoluções de ROGER, fez a diferença no 5º set, por um momento pensei que FEDERER mais uma vez quebraria mentalmente com RAFA salvando break após break para minha surpresa se manteve firme pressionando cada vez mais dando sentido ao DITADO ” água mole e pedra dura tanto bate até que fura ” !!!
    mudando de assunto MESTRE gostaria de saber qual a sua visão do tennis depois da era BIG FOUR será que ainda teremos espetáculos dessa qualidade ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sempre difícil avaliar isso, Valdriano, mas veja quanto tenistas com jogo vistoso temos na nova ou novíssima geração. Dimitrov, Thiem, Zverev, Kyrgios… São jogadores que dão espetáculo e são bem competitivos. E ainda irão progredir muito, provavelmente. Então, embora talvez não tenhamos esse Big 4 de hoje, acho sim que haverá continuidade.

      Responder
  3. Felipe

    Dalcim,

    Parabens pelo post!!! que foi sem duvidas o MAIOR DE TODOS!!!
    Uau!!! Mais de mil comentarios!!!
    Pode nos contar um pouco mais do efeito dessa vitoria do fedex sobre o blog?? Mais de mil comentarios… quantos acessos??? E as visitas ao site???
    Imagino que tenha gerado uma avalanche de pessoas!!! Enfim… curioso!!

    Abs e parabens novamente!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Foi excepcional audiência, Felipe, mas contratualmente o UOL não permite divulgação de números. Estou muito satisfeito com o resultado.

      Responder
  4. Victor Martins

    Fico feliz de poder fazer vários comentários nesse Post histórico. Parabéns a todos os Federistas, e parabéns também as pessoas que não são Federistas ferrenhas, mas curte um espetáculo de Tênis bem jogado.

    O Rei Roger transcende o esporte de uma maneira incrível. Até pessoas que só lia, e não escrevia nos posts do Dalcim, acabaram comentando aqui nesse post histórico.

    Volto a dizer, senhor Roger Federer, não me venha com essa história de aposentar tão cedo hein, olha lá. Você é a razão pra eu amar tanto esse esporte!!!

    Responder
  5. Luis

    Dalcim escrevendo mais um nesse texto rs,dar parabéns a voce e a todos amigos que fizeram historia no blog com 1000 comentários rs acho que representa o que foi a conquista do Federer que venha o 19 Slam do suíço na torcida,Dalcim bem que Federer poderia vencer Wimbledon e US open e fecha com numero 1 20 Slam o ruim e’ queria parar kkkk,o que acha? rs,abraco

    Responder
  6. Carlos

    Federer provou que é, de fato, o melhor tenista de todos os tempos. Duvido que Nadal e Djoko tenham a mesma longevidade, já que baseiam seus jogos no físico. Vida longa ao Mestre!

    Responder
  7. Cristiano

    Dalcim, parabéns pelo blog. Leio todos mas raramente comento. Mas com essa conquista ENORME daquele que eu considero o melhor tenista de todos os tempos e com o recorde de comentários do blog, não tinha como deixar de fazer um singelo registro.

    Abs!

    Responder
  8. Fernando Brack

    E o post chega aos 1000 comentários. Parabéns, Dalcim! Parabéns, amigos! Taí um recorde que eu
    duvido que seja quebrado um dia. Ou será? Vai que o Mestre resolva faturar WB em cima do Djoko.

    Responder
    1. Arthur

      Oxalá, Brack!
      Parabéns, Dalcim! Marca excepcional, mesmo, os 1.000 comentários.
      E que bela coincidência, ser justamente no post sobre o “maior de todos”. 😉

      Um abraço.

      Responder
  9. bob

    Dalcim, parabéns pelo recorde de 1000 comentários no blog. Espetacular marca !!!! Gostaria de registrar que Federer mereceu este 18o SLAM mais do que qualquer jogador. Apos 3 finais frustradas nos últimos anos, muito mais pelos méritos do Djokovic, o Rei não desistiu. Trocou de técnico 3 vezes, desenvolveu e trocou de raquete 2 vezes, uma coisa inimaginável para um jogador top do nível dele.

    Responder
  10. Cássio

    O Maior de Todos
    Perfeito e profético

    Tenista: Federer
    Slam: AO/2017
    Jornalista esportivo: Dalcim
    Post: “O Maior de Todos” – 1.001…

    Parabéns federistas! Parabéns Dalcim!!!

    Responder
  11. Paulo F.

    Federer virá muito forte pra Wimbledon.
    Essa Final de AO, quando ele finalmente aprendeu que o jogo só termina quando acaba e que SE DEVE ACREDITAR, vai fazer o hômi vir voando.

    Responder
  12. Luis

    Dalcim 985 comentarios muito legal perto dos 1000,escrevendo pra chegarmos nesse recorde amigos do blog vamo 1000 rs,Dalcim pra vc Federer e Serena sao os expoentes e pode se dizer melhores tenistas da historia do masculino e feminino? Serena muitos ainda nao acham mas ta entre maiores,os dois venceram na Australia

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Estão certamente entre os três melhores, Luís, qualquer que seja a análise. Os números dois dois e a longevidade são muito expressivos.

      Responder
  13. Fernando Pauli

    Federer e sua equipe deveriam pensar bem nos torneios a serem disputados até WB, para maximizar o físico e o mental e assim aumentar a possibilidade do 19° GS no torneio inglês.

    Responder
    1. Willian Lopes

      Com certeza o staff do craque deve estar pensando nisso Fernando, a probabilidade maior é de que na temporada de saibro o Federer jogue poucos torneios, talvez só Roma, Roland Garros e olhe lá.

      Responder
  14. Victor Martins

    Vale salientar Dalcim, que eu até gosto algumas vezes do programa Ace Bandsports. Mas tem outras vezes, que, por exemplo, acontece um torneio de masters 1000 na semana anterior, e quando é quarta-feira, eles não comentam bem sobre a final, falando sobre detalhes técnicos, estratégia de jogo, essas coisas. Eles(Chiquinho e Saretta) comentam de uma forma vaga, e rápida. Como se não acompanhasse os jogos. E eles são pagos pra isso né, comentar sobre Tênis.

    Enfim, você sabe Dalcim o que foi?

    Um abraço Dalcim e fica com Deus!

    Responder
  15. Victor Martins

    Dalcim, você sabe dizer se o Ace Bandsports acabou? Ou mudou de horário? Por que não aparece mais quarta-feira a noite. Não que eu goste muito, mas é o único programa sobre tênis. Faz vergonha não termos mais opções de programas semanais.
    Seria maravilhoso se o Pelas Quadras fosse semanal.

    Um abraço Dalcim

    Responder
  16. Fernando Brack

    Dando uma passadinha aqui só pra colaborar com a meta do comentário #1000.
    Go Federer!!! Eu acredito no 8º Wimbledon. E que a final seja contra o Djoko.

    Responder
  17. Luis

    Dalcim qual vc acha que e’ o objetivo do Federer depois de conseguiur o que buscava um grand slam acabou sendo na Australia rs,uma vez perguntei se Federer tinha que tentar na Australia onde e’ quadra dura e rapida esse ano e com menos pressao que Wimbledon e US open,Federer acho que disse nao se importa com quantos grands slams tem,mas parece que Wimbledon e’ o que vai tentar conquistar seria o maior campeao na grama 8 e chegaria ao 19 slam como disse uma pessoa torco pra que esse recorde slam fique com Federer acho que com 19 praticamente garante o recorde,com 18 ja e’ dificil ser alcancado,o que acha do recorde de slam e se Wimbledon e’ o objetivo do Federer? Acho que o US open com uma quadra rapida como da Australia aumentam as chances tambem no US open,970 comentarios,vamos chegar nos 1000 pessoal que escrevem no blog rs

    Responder
        1. Anderson Castro

          Se bem que depois desse FEDAL no AO 2017, vou torcer muito por um título do Nadal em RG (o décimo!) e do Federer em Wimbledon (se isolando como o maior vencedor do torneio).

          Responder
  18. Sergio Ribeiro

    ” Ele e’ jovem ( 27 ) , completo. Tem tudo para atingir marcas como 18 , 19 SLAM ” , Pistol Pete Sampras em WImbledon 2009 apos ser superado pelo Craque Supremo ( da’-lhe Xará Gonçalves !). O mesmo não se preocupou com o surgimento de Rafa Nadal ( 5 anos mais jovem ), que ja’ havia batido o Suíço em Wimbledon 2008 , AOPEN 2009. Novak Djokovic foi o cara 6 anos mais jovem ( somente pedreira) , que acabou substituindo o Espanhol em grandes confrontos em SLAM fora do Barro. ” Nunca duvide de Roger Federer ” . Dalcim , se não estiver equivocado, desde sempre rs. A Turma de Torcedores do Suíço , que finalmente largaram o tal h2h ( esqueceram que as Surras do Canhoto em SLAM, sempre foram no Saibro ) , que sejam bem vindos .A contratação de Annacone , Edberg e Ljubicic , demonstram que Federer sempre buscou mudanças. A meu ver, Laver, Mcenroe, Edberg, Becker, Sampras e outras grandes Feras ( pós a ridícula padronizacao dos Pisos ) seriam fregueses de Carteirinha , do Canhoto ” Exterminador do Backhand de uma mão “, em TODOS os Pisos. Ao contrario do melhor de Todos. Abs!

    Responder
  19. Victor Martins

    Cada vídeo que vejo no YouTube sobre essa campanha do Federer rumo ao título, é muito emocionante. Esse por exemplo, https://youtu.be/ZQtE1mzEsSM

    Voltei a trabalhar ontem, e muitas vezes me pego parado, olhando pro nada, e relembrando um dos dias mais felizes da minha vida, DOMINGO, DIA 29.
    Às vezes não consigo acreditar no que aconteceu, mesmo sendo um Federista ferrenho, só posso acreditar que Deus está olhando por nóis, e que todos temos um propósito na vida, e que muita coisa já está escrito, pra cada um de nóis. Aliás, o propósito do Federer é nos deliciar com seu estilo de jogo, e nos deixar felizes com seus títulos!!!
    VIDA LONGA AO REI!!!

    Responder
  20. Teresa Mendes

    Olá grande mestre Dalcim,
    Também não comento aqui, mas leio tudo, sempre. Somos companheiros inseparáveis no circuito, ano após ano. Assim, estou aqui pela felicidade de tal feito, o maior slam de todos conquistado pelo maior de todos, festejado pelo maior jornalista comentarista de todos, nosso mestre, em um profético post chamado o maior de todos, traduzindo seu próprio destino. Sim, estou aqui também pelo amor eterno ao tênis e pela zoeira de chegar aos 1000 comentários. Assim como o Federer, vc merece todos os recordes! Bjs

    Responder
  21. Anderson

    Nada faz o tênis tão fascinante quanto assistir uma final com mais de 100 winners… Gostei muito de ver o Roger recorrendo menos aos slices e buscando mais os angulos, como todos já citaram. O desejo seria vê-lo em Tóquio-2020, mas honestamente, não o vejo mais com físico pra aguentar mais do que 2018 em alto nível.

    Bem que ele podia gostar de jogar em Miami, pros brasileiros mais pobres (como eu) terem mais chances de vê-lo ao vivo, hahahaha…

    Responder
  22. Davi

    Feliz pelo Federer, feliz pelo Nadal, e, sobretudo, feliz pela perspectiva de um ano recheado com grandes partidas, com o renascimento desses dois monstros, com o baita início do Dimitrov, com o Kyrgios parecendo que vai tomar jeito, enfim, muita coisa boa por vir!

    Feliz também com o sucesso do Blog, e na torcida e fazendo minha parte para chegar aos 1000 comentários! Parabéns pelo trabalho, Dalcim, você é excelente! Queria te ver mais vezes no Pelas Quadras da ESPN! 🙂

    Responder
    1. Ronildo

      Acho que o Dalcim é um dos caras que mais fazem pelo tênis brasileiro porque informação é exposição. E como o tênis no Brasil precisa de exposição!

      Responder
  23. Leonardo Freitas

    Não podia ficar sem opinar a conquista desse gênio do tênis.São 18 títulos de grand slam e 89 títulos na carreira números absurdos para um esporte tão competitivo.Não é o mais forte fisicamente,nem o mais veloz e nem a maior fortaleza mental do circuito,detalhe não estou dizendo que ele tem zero dessas qualidades mas não e a mais latente,mas compensa com uma virtuosidade técnica e um talento nos seus golpes que não e atoa fez com que quase mil pessoas comentasse a conquista.Não vou dizer que seja último dos moicanos mas eu o comparo ao Messi pelo fato do talento conseguir na maioria das vezes se sobressair da parte atlética do esporte.E um atleta especial em que surge de 100 em 100 anos e mesmo que alguns digam que como pode ser o maior de “todos os tempos” se ele não venceu a medalha de ouro individual,não venceu os M1000 de Roma e Monte Carlo e por tanto não venceu todos títulos mais importantes do calendário da ATP e por fim uma freguesia incomoda pro seu maior rival e ainda nem conseguiu bater Nadal em Roland Garros o quintal de sua casa.Mas isso invés de diminuir apenas enriquece a história desse atleta,uma rivalidade jamais vista,com guerra de estilos e personalidade o tempero ideal para biografia de todos os gênios com vitórias,derrotas,volta por cima e drama,um personagem mítico da história do tênis.

    Responder
  24. Luis

    Dalcim cade o Logico com mais previsoes rs,sobre propaganda da Espn tinha essa do poema rs,nao gosto muito daquela sportv Stela ela e’ perfeita kkk,vamos chegar nos 1000 comentarios pessoal do blog rs,Dalcim esse blog talvez te distrai o dia todo respondendo perguntas? Obrigado pela atencao com todos muitas pessoas escrevem coisas muito boas e fazem o blog mais legal rs,abraco

    Responder
  25. Guilherme Almeida

    Corroborando os comentários sobre os insuportáveis intervalos comerciais: de fato, é uma das coisas mais chatas nas transmissões de tênis. A cada 2 ou 3 games somos obrigados a assistir a uma mesma propaganda, de modo que em poucos dias de torneio já não estamos mais aguentando. Nessa reta final de Australian Open eu me apressava a colocar no mudo assim que chamavam os comerciais, não dava nem chance de começar a ladainha do poema kkkk

    Responder
  26. Luis

    Dalcim acho tava perto dos 950 comentarios muito legal fazer parte desse recorde como amigos Brack,Luiz Fernando,Rafael,Chetinik,Sonia,Marcio,Logico, acho que da os 1000 rs,quanto tempo vc tem o blog? E sobre a final vc achou como disse o Marcio tambem achei a melhor jogada talvez do torneio essa troca de bolas de Federer x Nadal? termina com Federer dando bola perto da linha acho,Go Federer vamo 19 rs

    Responder
  27. Márcio Souza

    E pra finalizar bem esse post e ja darmos andamento aos comentários do novo post do mestre Dalcim, não poderiamos deixar de recitar aqui o poema que sempre passava nos intervalos dos jogos na ESPN durante o AO.

    “Deixe me ver a chuva caindo sobre o mar …

    Kkkkkkkkkkkkkkkkk

    Zueira galera, eu não aguentava mais ouvir esse poema grudento.
    Foi uma das coisas que mais gostei quando acabou o AO, além da vitoria do Federer.

    Ninguem merece ficar duas semanas ouvindo aquele poema com aquela voz de disk sexo kkkkkk

    Um abraço a todos e nos veremos (ou nos leremos) nos proximos post.

    Valeu galera!

    Responder
    1. aparecido

      Veja o nível de profissionalismo de alguns dos narradores/comentaristas da ESPN. Chegaram a fazer, no ar, críticas negativas ao poema. Imagino que o “Visit Melbourne”, responsável pelo poema era um dos patrocinadores da transmissão pela emissora. Portanto, pagavam para veicular o poema. Quanto as críticas feitas pelo público, concordo, pois cada qual tem o direito de fazê-la. Quanto as críticas feitas pelo pessoal da emissora, no mínimo, deveria ter uma advertência por parte do departamento comercial da emissora.
      Dalcim, seja sincero, você faria alguma crítica negativa e pública a algum patrocinadores no seu site? Pois o pessoal da ESPN, fêz!!!!!
      Rumo ao milésimo comentário. Sujestão, dê uma lembrancinha para quem fizer o comentário número 1.000.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Vale destacar que o poema veio no pacote de transmissão do AO, sendo obrigatório para todas as transmissões, e que foi criticado por todo mundo em todo o planeta, até porque as traduções ficaram horrorosas na narração.

        Responder
  28. Márcio Souza

    939 comentários!!!

    Não sei quantos mais ainda poderão ser inclusos aqui sobre esse post maravilhoso do mestre, porém ja entrou pra história com certeza.

    Lembra uma frase dita pelo narrador da ESPN o Fernando Nardini pro Federer quando estava acho que 2 a 3 pro Nadal e Federer conseguiu matar um ponto depois de um longo rally com mais de 26 trocas de bola e obteve a vantagem para a quebra que foi um dos momentos mais marcantes da virada, pois se o Nadal confirmasse o saque ali iria pra 2 a 4 e acho que a viola iria pro saco.

    Quando o Federer mata o ponto ele diz:
    “ME RESPEITEM ET´s!!!”

    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Não da pra não rir nessa hora…quem puder vejam o video desse ponto porque além da jogada ser linda o seu desfecho, a narração ficou antológica.

    E serve pra sinalizar esse post do Dalcim aqui recordista de comentários, pode dizer ai também na frente do computador Mestre:
    “ME RESPEITEM ET´s!!!!

    Kkkkkkkkkkkk

    Responder
  29. Luis

    Dalcim mais de 900 comentarios acho que chegaramos nos 1000 rs,acho que vc nao imaginava um numero tao grande? Alguma novidade pro blog? Ficou legal esse com resposta amarelo rs

    Responder
  30. Felipe Velasquez

    Boa tarde Dalcim!

    Mais uma vez quero parabenizá-lo pelo blog e pelos lindos textos. Gostaria de deixar uma sugestão: já considerou a hipótese de escrever um livro? Poderia ser sobre o BIG4 (Nadal, Federer, Djokovic e Murray)! Estamos vivendo uma das melhores épocas do tênis e com certeza sairia um livro top! Você tem muito material para utilizar. Eu compraria e ainda iria querer uma dedicatória!rs Um forte abraço.

    Responder
  31. guip

    Aeee fazia tempo que não comentava nada, 2016 foi terrível, mas ver o Rei de volta com ótimo nível técnico anima a todos. Não sou louco de apostar nele no saibro, por N motivos e variáveis, mas dependendo do que ele fizer em Dubai (quase sempre finalista ou campeão) e Indian wells (mesma coisa) é possível com sorte ficar em uma chave em RG ou wimbledon que fique ele e o Murray (filho) de 1 lado, Nadal x Djokovic nas quartas e Wawrinka na semi… Seria Ótimo.

    Allez! Bel19ve!!!

    Responder
  32. Gilvan

    Foi um grande jogo, cheio de variações e inovações táticas.
    A esquerda cruzada do Federer certamente fez toda a diferença no duelo, tirando a opção mais segura do Nadal. Em alguns momentos o espanhol ficava com medo de bater na paralela, já que o Federer estava cobrindo muito bem a quadra e conseguiu dar vários winners de bate-pronto no forehand do fundo da quadra.
    Uma alteração interessante no jogo do Nadal foi a opção pelo saque no corpo a partir do 4o set. Ele vinha encontrando sérios problemas no serviço e conseguiu ter mais consistência no 4o set graças a essa variação tática, que já tinha sido bem utilizada pelo Raonic na semifinal de Wimbledon do ano passado, contra o mesmo Federer.
    Quando o Nadal abriu 2×0 no 5o set, creio que todos jogaram a toalha, até os fãs mais fervorosos do suíço, então foi muito bonito vê-lo ressurgir no jogo, ainda mais da forma como foi, com bolas geniais, jogando no risco, no improviso e sem medo de bater forte com o backhand.
    Enfim, não foi o melhor jogo que já assisti na vida (apesar de ter achado superior à semifinal do Nadal x Dimitrov, cujo 3o set foi horroroso), mas certamente foi um dos mais emocionantes.
    Avante Federer! Avante Dalcim, continue com os seus excelentes textos 🙂
    PS: ficaram faltando os recordes batidos pelo Federer e pelos outros tenistas nesse AU

    Responder
  33. Miguel Ângelo Pereira Delfes

    O volume de jogo apresentado por Federer no AO foi impressionante..
    Aces ás x nem sacando tão forte mas mt bem colocados como em alguns contra Nadal..
    Sua direita salvo algumas madeiradas.. extremamente precisas..
    Sua esquerda..backhand cruzada muitas x não esperada pelos adversários na minha opinião foi seu maior trunfo..
    Aquele rally de 26 jogadas entre ele e Nadal..foram de tirar o fôlego de qq um..assisti umas 10x rs
    Djoko Murray Wawrinka grandes nomes.. Federer Nadal gigantes da atualidade.. Djoko quase lá
    Dalcim..desculpe se já perguntaram antes mas..por acaso vc está preparando um daqueles seus comentários com números dele ??
    Parabéns pelo seu sempre mt interessante e informativo blog..

    Responder
  34. Marcio Lima

    Interessante ler as noticias pós AO…servio comentando sobre o titulo do suico….Nadal dizendo q esta no caminho certo e contente com seu jogo….e FEderer dizendo q em Wimbledon ele tem mais chances…nossa esse vai ser o ano

    Responder
  35. Márcio Souza

    Mário Fagundes, queria te responder sobre o seu comentário.

    Que estória belissima a sua, devido a enorme quantidade de comentários aqui fica difícil ler a todos, mas passando hoje por aqui consegui ler o que você escreveu.
    Que fato maravilhoso aconteceu contigo colega, mas é isso mesmo, as coisas na vida são inexplicáveis, quando menos pensamos numa coisa e ai vem outra situação que nos leva a fazer algo que a principio não estavamos dando muita atenção e tudo isso só tem um nome: FÉ!

    Parabéns e muito obrigado por compartilhar conosco o que aconteceu com você, e pela alegria que essa vitoria do Federer nos trouxe e também pelo cãozinho Roger que deu sorte hein.

    Que Deus abençoe ricamente a você e a toda a sua família e que possamos durante esse ano e enquanto o Federer jogar termos muitas alegrias com as suas vitorias e titulos.

    Um abraço também para todos os nossos colegas Marquinhos, Rodrigo Cruz, Cássio, Fernando Brack, Nando e tanto outros torcedores de verdade do Federer que assim como eu estão com um sorriso de orelha a orelha.

    E rumo aos 1.000 comentários aqui desse post maravilhoso do Dalcim que merece todo esse sucesso.

    Ps: Não lembro de um post sobre o Djokovic ou Nadal campeão que tenha chegado perto desse em quantidade de comentarioskkkkkkk

    Deve ser porque a torcida deles aqui não cabe nem dentro de um fusquinha kkkkkkkkkk

    Responder
  36. jeremias

    O mundo não está com a “cuca” boa. Definitivamente. Um grande esportista, decerto. Mas será que ninguém se constrange nem um pouquinho em praticamente limpar o @%$ do sujeito com a língua? ….Não cabe nem o “kkk”, sinceramente…

    Responder
  37. Rafael Medeiros

    Dalcim, depois desse texto mais-que-perfeito e demais esclarecimentos ao longo deste post histórico, faço a indagação, certo de que seus pendores budistas tibetanos (tão necessários para nos aguentar todos os dias) nos iluminarão:

    Mestre de todos nós, qual o sentido da vida?

    P.S.: Parabéns pela enorme quantidade de comentários, este espaço merece. Disparado melhor coluna de esporte (de qualquer esporte) destas terras de Santa Cruz.

    Responder
  38. Victor Martins

    Caramba Dalcim, que post histórico. Quase 1.000 comentários. Qual é o recorde Dalcim de comentários???

    Esse post pode durar a semana toda. Ainda estou em êxtase com esse título do Federer. Estou extremamente felizzzzzzzzz!!!!!!!!
    Esse jogo foi um marco pra história do Tênis, e pra minha vida também que acompanho o Federer a muito tempo, e ele é um dos motivos pra eu pagar TV a cabo, pra acompanhar todo o circuito.
    Intaum senhor Roger Federer não me aposenta tão cedo viu?! Por que o senhor é o responsável por eu amar tanto esse esporte!!
    VIDA LONGA AO REI!!!

    Um abraço Dalcim

    Responder
  39. Rafael

    Vou falar de mim, pq não posso falar por outras pessoas:

    – Antes da final AO sequer tornar-se real, manifestei minha vontade de ver Federer x Nadal na final.
    – Após a vitória de Federer, parabenizei alguns torcedores do suíço, estendendo as congratulações a muitos outros cujos nomes não lembraria.
    – Abstive-me de postar mais, uma por não ter mais o que dizer, outra, entendendo o momento de comemoração da torcida do veterano Federer.
    – Abstive-me de ler o blog também, pq os comentários passaram a ser mais do mesmo e, principalmente, depois que li uma resposta a um torcedor de Djoko, acho que o Marcelo Jacacity, no estilo “cai fora/fica na sua que aqui é só para federistas” (ou algo assim), tanto é que ele respondeu que não sabia que o blog estava fechado para fãs do suíço.
    – Voltei a tentar ler hoje, mas logo de cara vejo uma pergunta “onde estão os torcedores do Djokovic que ia/vai quebrar todos os recordes do suíço?”

    Ou seja, primeiro acham que são os donos do blog e convidam outros a se retirar, depois, passado o momento de justa comemoração e tendo tornado o espaço enfadonho com ladainhas repetitivas, clamam pela volta de torcedores adversários para continuar sua provocação. Sim, pq diversão e gozação merecidas aconteceram nos dois primeiros dias.

    Concluindo: Vou voltar a trabalhar. Bom trabalho, Dalcim.

    Responder
    1. Fernando Brack

      Pô, Rafael, quanto despeito. Não diz isso não. Como se vocês torcedores do Djoko ou Nadal não
      tivessem o mesmo comportamento quando seus ídolos vencem um grande título. Já li cada uma
      aqui que só por Deus. Tente tocar a vida com mais leveza e seja mais esportista, meu amigo.

      Responder
    2. Cássio

      Ah Rafael, não é bem assim. A flauta foi muito, mas muito leve. Basta imaginar o que aconteceria por aqui se o espanhol tivesse vencido. A maioria do pessoal elogiando – merecidamente – a postura do Ogro durante e após o jogo. Zoeira leve demais.

      E o que você chama de mais do mesmo é até pouco se considerarmos o tamanho do feito do Fedex, tão bem retratado no texto do Guru Dalcim.

      Você, assim como o Jeremias e outros poucos, adotaram uma postura condizente com o feito, bastante respeitosa aos finalistas, à história sendo escrita, ao jogo…mas é inegável que alguns, provavelmente pela frustração, tentaram de toda forma reduzir o feito extraordinário DELE, menosprezando o Nadal, falando de queda de A ou B, do nível do jogo etc. É muito chororo. Aí pede pra levar.

      Tenho maior respeito pelo Djoko e Murray. Acho o sérvio um estupendo atleta, superior ao Nadal inclusive. E essa final tbem foi ótima pra eles abrirem o olho e elevarem ainda mais o nível. Pra mim eles seguem favoritos nos principais torneios deste ano. A única diferença é que agora tem mais gente correndo por fora. E não se trata de aventureiros…

      No mais, relaxa, em seguida tem torneio novo. Abraço!

      Responder
  40. Matias

    Bom dia amigos do blog, no momento do post mais de 870 comments. Parabéns aos participantes pelo alto nível dos posts e gostaria de dizer que comemorei muito o título do Federer. Ao Dalcin, o mestre, um muito obrigado pelo excelente post e não menos excelente blog. Abraço a todos.

    Responder
  41. Renato Veneziano Toniol

    Dalcim, acabei de ver a matéria no Tenisbrasil, que fala sobre a chega do Federer em Zurique.
    Na imagem, mostra o suíço carregando o troféu do Aberto da Austrália, aonde me parece o original. Porem até onde sei, as réplicas que os tenistas recebem são em tamanho menores.
    Você saberia explicar?
    Abs.

    Responder
  42. Marco Dias

    Sobre a cobertura da ESPN, também gostei muito. Comparando com Bandsports, a questão das reprises é o que poderia melhorar. Em relação ao SporTV não perde em nada. Ainda bem que 3 dos 4 Slams são transmitidos por eles (e em 2 canais ainda). Quanto aos narradores, o Rubens Pozzi só transmitiu nos finais de semana em razão do Paulo Andrade (excelente), como principal narrador de futebol do canal, não estar disponível nestes dias de jogos de futebol. Ele e o Fernando Boesel formaram uma dupla bem agradável.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Concordo plenamente, parceiro. Alguns insistem em bater papo ate’ em Breack Point. O Fininho ainda não se tocou. Essa dupla precisa ser totalmente prestigiada pela emissora. A meu ver, não ficam nada a dever a Eusébio Resende e Narck Rodrigues a nivel de Time para a transmissão de Tenis ( totalmente diferente das de futebol ) . E realmente a cobertura esta’ bem superior a Sportv. Esta opta em acreditar que VT de verdadeiras peladas , dão mais audiencia que um MASTERS ou SLAM. Abs!

      Responder
      1. samuel

        Infelizmente VT de pelada de futebol dá muito mais audiência de qualquer final de torneio de tênis.
        Se eles fazem isso é porque o faturamento é maior. Afinal a televisão de passa de uma empresa.
        O público do futebol é muito maior. Para que se tenha uma idéia o Cristiano Ronaldo tem mais seguidores nas mídias sociais que a soma dos 2.500 jogadores que aparecem no ranking da ATP.

        Samuel

        Responder
        1. samuel

          Corrigindo o texto: A televisão não passa de um negócio
          Complementando o texto: Não sei o que estava no ar no Sportv concorrendo com a final entre Federer e Nadal. Se a ESPN conseguiu 30% da da audiência obtida pelo Sportv, pode soltar fogos de artifício, pois estarão no lucro total. Obs: A base de assinantes da ESPN é muito menor que a base de assinantes do Sportv. Provavelmente durante o ano todo eles nunca conseguem uma audiência maior que a concorrente.

          Samuel

          Responder
          1. Rafael Wüthrich

            Não é mais assim não, meu camarada. Primeiro porque a ESPN geralmente está na base dos pacotes básicos da OI, da Claro e da NET – só a Sky não oferece o canal no pacote básico. Segundo, porque a ESPN tem muitos adeptos no Watch, coisa que não acontece no globoplay e afins; e terceiro, porque qualquer fã de esporte que se preze e curta esportes além do futebol (único bem tratado pelo dito “canal campeão”) assiste a ESPN. Veja a diferença de tratamento da NBA, por exemplo, ou do próprio US Open.

            Além disso, ter Nadal e Federer na mesma quadra depois de tanto tempo impulsionou a audiência. Se de fato faltam reprises e compactos, como o Dalcim asseverou, acho que ainda está a anos-luz do resto (basta lembrar a tenebrosa transmissão da Bandsports – valia apenas pelas imagens, o mudo era melhor – e das transmissões do Sportv). Só a lamentar mesmo a insistência com o repórter Rubens Pozzi como narrador. Não que não seja válida a tentativa, mas eu tenho pena do Fernando Boesel, que faz um trabalho excelente comentando mas não tem um cara como o Fernando Nardini com ele. Paulo Andrade ficou 3 dias e foi muito melhor em passar a emoção dos pontos.

  43. Fabio Renato

    Fantástico ver o Maestro Federer ganhar mais um slam, ainda mais num jogaço de 5 sets em cima do guerreiro Nadal.
    E ver o antigo recorde de comentários em um posto deste fantástico blog ser dizimado… hehe.

    Sempre leio bastante o pessoal discutindo essa história de Big 4, Big 3 + 1, etc. Outro dia fiquei pensando em uma classificação mais ampla para os tenistas (na minha humilde opinião).

    – Bons e ótimos tenistas: 95% deles
    – tenistas excepcionais, com lampejos de genialidade (como Wawrinka, Del Potro…)
    – tenistas geniais (Murray)
    – tenistas geniais, espetaculares, com lampejos de divindade (Nadal, Djoko)
    – Roger Federer

    Sintam-se livres para criticar… hehe.

    E parabéns pelo excelente trabalho Dalcim!

    Responder
  44. João

    Dalcim, bom dia.

    Levando em consideração que o Federer tem poucos pontos a defender nos próximos torneios (exceto a semi de Wimbledon), se ele for bem em RG e US Open, as chances de chegar pelo menos no 3º lugar são muito grandes!!

    Responder
  45. Julio Sc

    2017 tem tudo para que essa temporada seja inesquecível. Virou tudo de ponta-cabeça após essa final.

    Inimaginável como ficará o top 10 no final da temporada.

    Segue o meu palpite:

    1 – Djokovic
    2 – Nadal
    3 – Murray
    4 – Wawrinka
    5- Federer
    6 – Raonic
    7 – Dimitrov
    8 – Nishikori
    9 – Thiem
    10 – A. Zverev (escolha de risco)

    Del Potro, Kyrgios, Monfils, Tsonga, Berdych olha o calibre dos jogadores que estariam fora do top 10.

    Que ano nos aguarda!

    Responder
    1. Bruno Macedo

      Não sei não, hein… Espero que o Nadal fique bem até o fim da temporada, mas se ele mantiver aquele calendário frenético, capaz de se prejudicar outra vez.
      Se o Nadal conseguir o milagre de ficar bem, o Del Proto tb pode conseguir. E se ele conseguir, trate de achar um lugarzinho pra ele dentro desse top 10. Eu acredito!

      Responder
    2. Sergio Ribeiro

      Acredito que não saia saia muito disto, parceiro. Dificil o Espanhol conseguir superar o Britanico em pontos na dura. E nao’ podemos esquecer a grande melhoria de Andy no Barro. Conto como certo que Roger pule varios Torneios, inclusive MASTERS, dai…Abs!

      Responder
      1. Julio Sc

        Sim. Por isso botei RF no #5 devido a pular muitos torneios.

        E Nadal arrisquei no #2 que ele vai tirar muitos pontos do Murray no barro esse ano. Por isso a queda de Murray e subida de Nadal. Mas claro, apenas uma brincadeira de adivinhação.

        Que venha o restante de 2017!

        Responder
    3. Clever Eduardo Silva

      ok, gostei da brincadeira… vou palpitar também:

      final da temporada de 2017

      1 – Federer
      2 – Djokovic
      3 – Murray
      4 – Nadal
      5 – Dimitrov
      6 – Wawrinka
      7 – Zverev
      8 – Del Potro
      9 – Nishikori
      10 – Thiem

      … gosto de dar palpites mais arriscados … rs

      Responder
  46. Alexandre

    Olá Dalcim! Mais uma vez parabéns pelo blog!!! Acompanho o blog há anos, mas é uma das primeiras vezes que comento. Parece que fizemos uma viagem no tempo com essa final épica! Até o sumido Rafael Medeiros voltou a dar as caras por aqui. Um abraço!

    Responder
  47. Ronildo

    Depois do sucesso do AO imagino quantos torneios adotarão medidas para que o jogo fique mais rápido. Talvez até Miami. Ou eles não gostam de ganhar dinheiro ?

    Responder
  48. Luis

    Dalcim outra sugestao se chegarmos aos 1000 comentarios nesse texto no proximo desafio vc ao inves de dar 1 livro ou camisa da 2 por esse recorde no blog o que acha? rs,uma pergunta com essa conquista do Federer e volta por cima tambem do Nadal vc acha que os tenistas como esses 2 grandes da historia ainda jogam por dinheiro ou pela paixao pelo tenis? Choro do Federer talvez responde rs

    Responder
  49. Marquinhos

    Algumas questões:

    Contras;
    1- Se Federer venceu Nadal em uma quadra muito rápida, na bacia das almas, por que acreditar que ele possa vencer o espanhol em uma quadra mais lenta, principalmente o saibro?
    2- As quadras duras/lentas e o saibro geram muito mais spin e com certeza o balão do espanhol vai fazer muito mais estrago no fore de Federer, como sempre fez. Existe otimismo para acreditar que Federer possa vencer nessas condições? Pra mim só teremos reais condições de analizar o quanto Federer melhorou o back quando enfrentar Nadal em condições mais lentas.

    Prós:

    1- Nadal fez uma preparação mais longa que Roger, então é coerente afirmar que ele chegou em condições físicas e tecnicas melhores que o suíço. Se ele teve um dia a menos de descanso, tem cinco anos mais que Roger, lembrando que Federer sentiu a perna no jogo anterior.

    2- Se Roger evoluiu com Ljubicic mesmo com pouco tempo de trabalho, então é possível acreditar que ele possa melhorar ainda mais até Wimbledon e U.s Open.

    3- Tenho certeza que a vitória deu muito mais confiança pra Roger em futuros jogos contra o espanhol. Pode retirar o bloqueio mental.

    Lembrando os colegas que Federer enfrentou Rafa apenas três vezes na grama. Poderiam ter se cruzados mais vezes em Wimbledon ou algum atp-500 na grama.

    Responder
  50. Marquinhos

    Dalcim. Onde você colocaria o Austrália Open desse ano no “ranking da velocidade”? Levando em consideração todo o contexto(bolas, quadra)? Acha que estava mais veloz que Dubai, Halle, U.S Open, Wimbledon, Cincci e Indian W?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Segundo o Daily Mirror, o piso só perdia para Xangai. Mas à distância ainda acho que Cincinnati é mais veloz. Halle tem sido bem mais rápido do que Wimbledon.

      Responder
  51. Marquinhos

    Oswaldo Aranha,

    Por que você não diz a mesma coisa para seus companheiros de torcida, quando eles dizem que Federer jogou em uma geraração muito fraca pra tentar despretigiar o suíço? Por quê não fala a mesma coisa para seus parceiros que dizem que Federer ganhou o slam apenas porque Nadal estava meia boca?

    Pimente nos olhos dos outros é refresco, né?

    Abs!

    Responder
  52. FRANCISCO

    http://tenisbrasil.uol.com.br/noticias/47592/Final-do-Australian-Open-bate-recordes-pelo-mundo/
    A afirmação do norte-americano Andy Roddick de que a final do Australian Open entre o suíço Roger Federer e o espanhol Rafael Nadal provavelmente seria o maior jogo de Grand Slam da história acabou se concretizando, pelo menos nos números da audiência pelo mundo. A decisão do domingo bateu recordes na Austrália e através da Europa.

    Responsável pela transmissão do Slam australiano no continente europeu, o canal Eurosport celebrou os números atingidos pelo confronto. Ao todo foram quase 21 milhões de espectadores na final, com o pico de mais de 15 milhões ao mesmo tempo, o maior da história do canal. No geral, a partida foi a segunda mais vista, ficando atrás apenas do jogo de vôlei entre Rússia e Polônia, em 2008.

    “Não é surpresa que esta partida de tênis foi a mais assistida em nossas plataformas, pois a rivalidade entre Roger e Rafa é uma das maiores da história do esporte”, declarou Peter Hutton, presidente do Eurosport, que também destacou as audiências específicas na Espanha e na Holanda, batendo recordes em ambos os países.

    Só na Espanha foram 610 mil espectadores acompanhando o ídolo local, ao passo que na Holanda foram mais 503 mil. Nas duas situações quase um quarto das televisões (23,2%) locais estavam ligadas na partida.

    Recordes também foram batidos na Austrália, onde o Channel Seven transmitiu a partida 4,4 milhões de pessoas, com um pico de 3,6 milhões. A final foi a mais assistida do Australian Open e ficou com a terceira maior audiência da história do canal no tênis.

    ONDE ESTÃO OS TORCEDORES DO NOVAK, O SÉRVIO QUE QUEBRARÁ TODOS OS RECORDES DO ROGER?

    CLARO, OS MAIS IMPORTANTES DISPARADOS TAMBÉM, AS SEMANAS COMO NÚMERO 1 DO MUNDO, E O NÚMERO DE SLANS.

    ACALMEM-SE, VAI DAR CERTO.

    Responder
  53. FRANCISCO

    Alice, Mariliense e Débora, apareçam.

    Onde estão vossas alegrias? Ou apenas estão lendo os comentários, tristes e chateados?

    Repito, depois de três Slans, o então, Roger 17, Novak 12, Rafa 14, repito depois de três Majors,

    NÃO ERA PARA ESTAR, ROGER 17, NOVAK 15 e RAFA 14?

    E no começo de RG17, terá passado um ano.

    ACREDITEM, AINDA HÁ TEMPO, E AINDA HÁ JOGO.

    Abraços.

    Responder
  54. Marcelo

    Boa noite Dalcim e amigos do blog.
    Ainda um tanto atônito com essa final espetacular, vencida pelo genial Federer! Embora tenha grande admiração por Nadal, torci muito pelo título do Leão da Montanha. Vou agora tentar fazer uma difícil previsão dos slams de 2017 e quem briga em cada um deles:
    Roland Garros: Djoko e Nadal são os favoritos, e correm por fora Wawrinka e Murray.
    Wimbledon: Federer e Murray à frente, em seguida Djoko e Delpo.
    US Open: Djoko e Federer nas cabeças, depois Murray, Wawrinka, Delpo e talvez o Nadal.
    Claro que um Thiem pode surpreender em RG, Raonic em Wimbledon, Dimitrov pode arrumar algo, mas não vejo nenhum deles vencendo o título.
    O que acha Dalcim? Algo a acresentar? Abraços e parabéns pelo blog!

    Responder
  55. Leonardo Carvalho

    Muito bom ver Federer vencer o 18º slam que por diversas vezes esteve perto, mas só achegou agora quando poucos acreditavam. Me chamou a atenção o aspecto mental ao conseguir reverter a desvantagem que parecia definitiva no 5º set diante do seu grande carrasco para conseguir quebrar o longo tabu e finalmente voltar a vencê-lo num slam. Se continuar livre das lesões e motivado parece que dá para vencer pelo menos mais um slam, embora seja necessário considerar o contexto bastante favorável e particular do AO, que incluiu as quedas de Murray e Djokovic precocemente e os dois dias de intervalo para a final, esse último fator importantíssimo para a recuperação física. Vamos ver o que mais o insaciável Federer ainda fará!
    Fica a esperança de que Dimitrov finalmente dê um salto na carreira, torço para que o jogo contra Nadal seja o sinal disso, tal como foi com Wawrinka em 2013 naquele duelo marcante contra Djokovic, e ele passe a lutar pelos principais troféus. Depois dessa histórica final, deu vontade de voltar a comentar aqui após tanto tempo.

    Responder
  56. Nando

    Mestre, na sua opinião qual desses recordes do Federer demorará mais a ser quebrado? O recorde de vitorias em jogos de Slams ou o de ganhar ao menos 5 títulos em 3 dos 4 Slams?

    Responder
  57. Márcio Souza

    Novo recorde absoluto de comentários, 816e ainda contando…

    Isso porque o assunto principal que foi sobre a vitoria do Federer desencadeou muitas vertentes sobre o suiço e também pela brilhante análise e conduçao do mestre Dalcim.

    Parabenizo a todos os colegas participantes aqui do blog que preencheram tão bem esse espaço com comentários, análises, contos, estórias, piadas, alfinetadas, choramingos, chiliques e até despeito, porém sempre propondo o dialogo e uma outra visão dos fatos e dos acontecimentos.

    O que fica é que o GOAT mostrou vencedor novamente de um Slam, foi batido os todos os recordes possíveis de exibição, imagens, audiência e até lotaram a quadra secundária Margareth Court para verem a final e isso não é pouca coisa.

    Parabéns ao Federer e que fique saudável para o tênis por muito tempo e que mais vitórias e titulos venham nesse ano e no próximo.

    Parabéns ao mestre Dalcim e a todos nós galera!!!

    Responder
  58. Ronildo

    É muito difícil analisar o jogo do Federer devido às muitas variáveis que ele coloca em quadra. Mas historicamente os analistas tipificam seu jogo de intuitivo e consequentemente não estratégico. Porém sempre que ele perdia ficava no ar aquela indagação: será que não podia ter tentado algo diferente? Pois é, ganhar um slan aos 35 foi a comprovação de que deixou de ganhar muito mais ao longo da carreira por não ter adotado alguma estratégia contra adversários perigosos no passado. Poderia facilmente ter chegado aos 30.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Acho que foi bom assim. Qualquer mudança em seu jogo certamente inibiria a sua “intuição”. O problema dele foi mesmo o Nadal. Ele perdeu 6 finais e 3 semifinais de GS pro espanhol, salvo engano. São 9 GSs a menos, pois certamente ele ganharia se fosse outro tenista. Agora é o seguinte: ele teria que ter ganho pelo menos uns 2 Roland Garros em cima do Nadal. Isso faltou. Ainda dá…kkk. quem sabe? Abs.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      30 Grand Slams é exagero também, né?

      Mas eu acho que se o Federer tivesse jogado taticamente melhor com Djokovic e Rafa em outras decisões.

      Não tivesse feito algumas escolhas tão cabeça-dura em certos jogos, pelo menos uns 20 majors, ele teria mesmo.

      É inegável que mais tênis, mais jogo, ele tem.

      Responder
      1. Márcio Souza

        Concordo.

        Das outras 10 finais que o Federer perdeu, acho que pelo menos umas 4 ele poderia ter vencido, pois jogui muito ate as semifinais e acabou sucumbindo na final aonde era favorito.

        Eu penso que as finais de Wimbledon 2008 e 2014 aonde ele perdeu pro Nadal e pro Djokovic, essas duas ele poderia ter vencido de boa que não seria surpresa nenhuma, tamanho jogo que ele jogava nesses GS.

        Outros dois GS que ele poderia ter vencido foram RG 2011 e US Open 2015, finais vencidas novamente pelo Nadal e pelo Djokovic, em 2011 nas semifinais de RG o Federer venceu o Djokovic que estava a quase 30 partidas invicto e vinha embalado no circuito e na semifinal do Nadal lembro que a mão dele ficou toda inchada e com ferimentos e foi ate capa de revista na época, aquela final o Federer começou bem fez 5 a 2 no primeiro set e e no set point pra fechar uma bola duvidosa tirou dele a chance de fechar o primeiro set e ele perdeu a cabeça novamente e o jogo pro Nadal e no US Open de 2015 apesar do Djokovic vir bem e num ótimo ano, o Federer vinha sem perder sets e comendo a bolinha literalmente, porém na final deu servio novamente.

        Dessas 10 finais perdidas acredito que se essas 4 tivessem ido pro lado de Federer não haveria surpresa nenhuma pelo que ele jogou os GS todos, porém o jogo é jogado e o lambari é pescado e os vencedores também mereceram porque jogaram muito contra ele.

        Mas mesmo assim ter 17 GS não é pra qualquer um.

        Responder
      2. Rafael Medeiros

        Concordo com o Rodrigo.

        Claro que o ajuste de jogo entre o suíço e Nadal é favorável ao espanho.

        Maaaaaas…Quem é super ampeão tem que encontrar alternativas. Se não houver esse esforço não muda nada. Djoko começou a vencer Nadal justamente impondo outra postura. Jamais o suíço poderia suportar um h2h tão violento como esse. Haveria de ter mais equilíbrio. Vejo aí uma empáfia de Federer em sempre acreditar que poderia vencer Nadal “na sua raquete”, sem maiores preocupações técnicas e táticas.

        Pagou o preço por isso.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Exatamente, Rafael.

          Não dá pra encarar carnes de pescoço como Djokovic e do Nadal, confiado apenas na técnica, talento e improviso.

          Isso é importante, mas não é tudo.

          É preciso empenho e disciplina tática.

          E no caso dela falhar, buscar alternativas.

          Responder
          1. Rafael Wüthrich

            É bom lembrar que entre metade de 2008 e pelo menos ,metade de 2011 Federer jogou sem técnico, após a dispensa de Jose Higueras – contratado para que ele pudesse vencer RG. Severin Luthi dava um “apoio moral e técnico”, mas não acompanhava o suíço como hoje, nem era tratado como técnico oficial. Isso mudou com Paul Annacone, continuou com Edberg e agora com Ljubicic.

  59. Oliveira

    Mestre Dalcin , sou fã do seu blog , após os jogos fico ansioso para ler os seus textos , e esse em especial , está um primor .
    Dalcim, , muito já se falou do jogo em si , do aspecto tático , técnico e emocional que envolveu essa
    grande batalha , no entanto, não sei se falou sobre o papel que Ivan Ljubicic teve sobre esse resultado até certo ponto surpreendente de Federer .
    Pergunto : para você Dalcim, qual a importância de Ljubicic neste título ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Quando falamos da influência do treinador é algo muito mais intuitivo do que concreto, porque não sabemos exatamente o que acontece na quadra de treino, já que não conseguimos acompanhar. Então, na teoria, o papel dele terá sido muito importante se realmente influenciou nesse novo backhand de Federer e na maior variação do serviço. Eu pessoalmente acredito que sim e admito que subestimei a capacidade do Ljubicic como técnico de um tenista de tamanha importância.

      Responder
      1. Gildokson

        E nesse campo da intuição, você diria que quem contribuiu mais Dalcim, Endberg com aqueles dois anos com Federer jogando bem e batendo na trave em 3 finais contra Nole, ou Ljubicic nesse momento de esquerda mais consistente??

        Responder
          1. Cássio

            Concordo. O Edberg ajudou o Federer a incrementar a parte técnica-tática, explorando mais o jogo de rede, voleios, chip and charge, uma maior ofensividade.

            Mas ainda mais importante, a meu ver, trouxe de volta a alegria de jogar tênis, que minguou depois da lesão nas costas de 2013. O que se mostrou fundamental na motivação e postura em quadra para essa fase final da carreira. Tenho pra mim que se ele tivesse continuado abaixo nos anos que se seguiram, 2014, 2015…, ele não estaria mais jogando. O que vc acha, Dalcim?

      1. groff

        Excelente mesmo! Li todo o texto e uma coisa que me chamou a atenção foi um dos links que eles ofereceram como suporte, no qual se fala da passividade de Djokovic e de Murray.

        O texto diz algo mais ou menos assim: “No entanto, os dois melhores jogadores do mundo estão entre os mais passivos da elite profissional. O jogador profissional masculino médio define seus pontos com cerca de 18% de seus golpes, enquanto Murray e Djokovic o fazem com cerca de 15% e 16%. Federer, a título de comparação, vai para a definição dos pontos 20% das vezes, e o hiper-agressivo Milos Raonic o faz em 24% das oportunidades.”

        Eis o conteúdo:

        http://www.economist.com/blogs/gametheory/2017/01/pace-play-tennis

        Você chegou a notar essa questão, Dalcim? Eu, particularmente, adoro ver análises baseadas em dados estatísticos bem feitos. E vida longa a esse post e ao blog!

        Responder
  60. Luis

    Dalcim 800 comentários e contando rs,sugestão vc sortear um livro se chegarmos aos 1000 comentários nesse texto? Seria um presente pros blogueiros do tenis rs,e pra vc recompensa pelo seu texto muito bom,que os amigos Brack,Luiz Fernando,Cruz,Logico rs,marquinhos,Sonia e todos que escrevem no blog pra conseguirmos um grande recorde no blog rs,abraco,depois da surpreendente conquista do Federer esses muitos comentarios inpressionam rs

    Responder
  61. Alexandre Matuchenko

    Essa tática de jogar o backhand na cruzada com muita velocidade desde a devolução foi algo que realmente chamou atenção. Lembro alguns anos atrás que o Federer usou a tática que muitos pediam, jogar sempre no reves do Nadal, mesmo que a cruzada tivesse mais aberta, deu certo algumas vezes, mas a dificuldade de ficar jogando backhand na paralela também era um problema. Eu queria saber o quanto a velocidade da quadra e talvez o cansaço do Nadal favoreceram essa tática? E se voce acha que pode funcionar em quadras mais lentas?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A tática funciona no saibro, como Djokovic, Murray e Wawrinka mostraram várias vezes. Para o Federer, era mais difícil, mas agora o backhand dele ficou muito mais compacto.

      Responder
  62. Willian Lopes

    Dalcim,

    na sua opinião, o quanto vc acha que o Del Potro acertou em abrir mão de jogar esse último Australian Open???? Sei que o argentino preferiu se preservar para poder fazer uma pré-temporada mais adequada e evitar um desgaste físico muito grande mas, penso que deve ter batido um certo arrependimento nele, por ver Federer nas mesmas circunstâncias que ele, voltando de lesão, jogando em um nível espetacular de tennis e erguendo um dos troféus mais importantes, senão o mais importante de sua carreira. E pra mim, se Delpo tivesse jogado, ele teria boas chances de chegar nas finais, ainda mais se ele tivesse caído no lado oposto da chave encabeçada por Murray e derrubada por Federer.

    Responder
  63. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, eu tenho uma percepção há pelo menos 1 ano e meio. Acho que os tenistas do circuito da ATP cresceram muito fisicamente. Podemos citar o próprio Istomin, um cara sem experiência em 5 sets que aguentou 3 maratonas nesse AO. Você também acha que o restante do circuito cresceu fisicamente? Abs.

    Responder
      1. Gustavo

        Dalcim, você está só passando de slice, tem que atacar de esquerda: um programa de vídeo, duração de 15min, semanal, no próprio blog ou no YouTube, é plenamente plausível!!!
        Pense na ideia!!!
        Abraço!!!

        Responder
  64. IGÃO

    Diante de todas as circunstâncias negativas que precederam a este AusOpen, de contusões, afastamento, dúvidas, descrédito e desconfiança em relação às condições físicas, técnicas e à capacidade de Federer e Nadal, e considerando o encantamento que cada um produziu no torneio, não tardou para que uma constatação tomasse conta dos meus pensamentos: na realidade não existe o denominado BIG 4. Existe, sim, um verdadeiro BIG 2, encabeçado por Federer e Nadal, e um +2, que inclui Djoko e Murray.
    Para reforçar essa proposição, suponhamos a concretização do seguinte cenário – hipotético neste momento, mas absolutamente possível e até provável de ocorrer: Nadal vence RG, conquista o 10* troféu ali e se isola como 2* maior vencedor de Majors. Federer vence W, conquista o 19* major e de lambuja se isola como o maior vencedor do mais tradicional e respeitado torneio do circuito.
    Na minha opinião, o momento atual é propício para romper de vez com o termo, pois evidente que o patamar agora é outro. Se, então, o cenário acima se confirmar de fato, como continuar falando em BIG 4?

    O que pensa a respeito, caro José Nilton?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Discordo, Igão. Porque acho que não é só uma questão de título de Grand Slam. Reduziríamos demais o circuito se pensarmos só nisso. Veja os números de Djokovic nos Masters, as campanhas de Murray tanto em Slam como em Masters e Finals, e principalmente veja quantas vitórias os dois têm contra os demais grandes e o fato de ambos terem alcançado o número 1 do ranking. Então acho que é plenamente justificável. Abs!

      Responder
      1. IGÃO

        Justamente, Dalcin! Não se trata de considerar o título de um e o vice do outro. Na minha visão, Federer e Nadal transcendem o jogo e as quadras. Merecem ser colocados em outro patamar simplesmente porque provocam apelo e devoção a nível mundial, repercussão que, sem medo de errar, nenhum outro tenista consegue, notadamente os outros 2 pretensos integrantes da panela dos “BIGs”.
        Ah, vide este post! Agora deve estar beirando os 900 comentários e contando… Quando um torneio da mesma envergadura decidido por Djoko e Murray alcançou tal status de atenção e retorno do público deste blog?!?
        Vejamos também a produção midiática, a repercussão na mídia esportiva nos quatro cantos do mundo…
        Não, definitivamente não se tratam de títulos e de números de conquistas. A coisa aqui vai muito além disso…

        Responder
      1. Cássio

        Concordo Jeremias. Pessoalmente, aceito a teoria do big4, ainda mais agora que Murray se tornou nr 1. Claro que o pepino tá com ele, precisa vencer pelo menos mais uns 2 slams pra diminuir um pouco a diferença pros demais e evitar que o Wawrinka lhe ultrapasse no curto prazo.

        Agora, se for diminuir o grupo, sai apenas o Murray. Falar em big2 é ridículo, basta olhar os números do Djoko, especialmente os slams, masters. Até confronto direto com top10, o Djoko é monstro, fincou pé nesse grupo há um bom tempo.

        Responder
  65. Arthur

    E o prognóstico para 2017, Dalcim?
    Acho que depois do AO a coisa ficou completamente embaralhada, não?
    Dois jogadores que antes estavam praticamente descartados (Federer e Nadal) que, neste momento, se tornaram favoritos para os próximos dois Slams (Nadal em RG e Federer em WB).
    Do outro lado, os dois cabeças rodaram muito cedo, colocando dúvidas sobre como se comportarão durante o ano (especialmente no caso do Djokovic, que vem em baixa desde RG do ano passado).
    Enquanto isso, alguns representantes da geração perdida procuram o renascimento (caso do Dimitrov), enquanto outros da novíssima geração já mostram todas as garras (Zverev).
    Pode ser que não aconteça, mas creio que estamos diante da temporada mais aberta e imprevisível dos últimos 20 anos, pelo menos.

    Um abraço.

    Responder
  66. João Antunes

    Boa tarde Dalcim!
    Voce sabe se o Dacio Campos saiu do Sportv? Nunca mais o vi nas transmissões, para mim ele é o melhor comentarista de tenis do Brasil… Parabens pelo excelente trabalho aqui no blog…abs

    Responder
  67. Fernando Brack

    Acredito que o nº de comentários a este post já tenha passado muito dos 1000, se considerarmos os que
    o Dalcim teve que barrar por inapropriados, quase certamente enviados por nadalzetes inconformados.

    Responder
  68. Eduardo

    Como sempre comento por aqui, não posso deixar de dar um pitaco neste post tão importante. 5° set mais tenso que já assisti e já tinha até perdido as esperanças. Ainda bem que Federer não fez o mesmo.
    Dalcin, você acha que após quase 10 anos da última vitória sobre o Rafa numa final de slam, o Federer ficará ainda mais solto daqui pra frente e, consequentemente, mais preigoso para o resto do circuito? E se tivesse de apostar num único favorito para RG, quem seria?
    Abs, e novamente parabéns pelo blog!

    Responder
      1. Cássio

        Concordo com o Guru. RG, favoritismo total do Djoko. E Wimbledon, vejo Murray, seguido do sérvio e do GOAT, sem negligenciar a possibilidade de uma surpresa, como raonic, dimitrov ou kyrgios.

        Embora o Nadal tenha elevado o nível e ficado um pouco mais ofensivo, dificilmente terá condições de vencer na frança. Claro, se vier uma chave totalmente favorável e caírem mais cedo jogadores que possam batê-lo, como o djoko, japa, murray, pode aparecer novamente na final e aí dificil derrubá-lo. Mas sinceramente, não acredito nem um pouco nisso. A maior chance dele acabou de passar. O Mito estava pronto e não perdeu a oportunidade.

        Pessoalmente, vejo o espanhol numa sinuca de bico insolúvel: pra ganhar algo de relevante no saibro de novo – teoricamente onde teria mais chances – precisa daquela preparação insana, muita defesa e preparo físico. O problema é que o corpo já está apitando há um bom tempo, não consegue dar conta da pancadaria atual, mesmo no saibro, e ele corre o risco de se quebrar de vez. Assim, restaria seguir apostando no jogo ofensivo, diminuindo chance no saibro, mas torcendo pra uma grata surpresa em quadra dura, por exemplo, no US open. Falam muito do histórico dele no saibro e, de fato, ele tem um senhor histórico, o maior dessa superfície. Mas o físico não aguenta mais, ele tá chegando atrasado em algumas bolas, potência dos golpes e do spinzao diminui sensivelmente. Pra ganhar tem que haver uma conspiração dos astros maior do que aconteceu no AO. Então, acho eu, melhor pra ele é investir pesado na ofensividade e maneirar no calendário. Quem sabe assim salve ao menos um M1000.

        Responder
  69. Isaque Clemente

    Dalcim, uns anos atrás, acho que uns 5 ou 6, perguntei pra você se o Federer era o maior tenista de todos os tempos, você oscilou na resposta, mas hoje, parece que você assume essa hipótese. Correto?

    Responder
  70. Anderson Castro

    Será que o Djokovic torceu para o Federer, pois no momento está mais fácil superar Nadal em número de Slams? Ou será que torceu para o Nadal já mirando ultrapassar o Federer? O que acha, Dalcim?

    Responder
      1. Arthur

        É evidente que o Djoko torceu pro Nadal, Dalcim.
        Se Nadal ganhasse, o objetivo final do sérvio não mudaria (porque Nadal iria a 15 e Federer continuaria com 17).
        Com Federer ganhando, o sarrafo subiu mais um degrau (para 18), deixando a briga pelo GOAT (geralmente definido pela quantidade de Majors, embora eu discorde) mais difícil para o sérvio.

        Um abraço.

        Responder
  71. Oswaldo E Aranha

    Acho que Marquinhos e Cia Ltda, não acreditam na qualidade do Federer, porque têm necessidade de tentar diminuir a qualidade dos outros tenistas, especialmente do Djokovich, para se convencerem de que o Federer é um grande tenista.
    Lafontaine, em sua fábula “A Raposa e as Uvas” já tinha abordado esse problema.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      É que o Djokovic é o representante máximo da era das trevas do tênis, o chamado “maratênis”.

      Felizmente esta era finalmente está entrando em declínio.

      VIVA O GURU!

      rs.

      Responder
  72. Sônia

    Dalcim, fica a sugestão de um post sobre os feitos DELE. Mudando de assunto, ter aulas de squash atrapalharia o aprendizado no tênis? Beijos. J

    Responder
    1. Leonardo

      O próprio Federer recomendou o squash como segundo sport a se praticar além do tênis. Vi isso no site dele. Mas concordo com o Dalcim, acho que pode atrapalhar um pouco o desenvolvimento da mecânica do golpe no tênis.

      Responder
  73. Ferreira

    Parabéns, Dalcim, para mim transparece que você escreve seus textos com a mesma precisão e paixão com a qual Federer joga tenis. O que acha que ele ainda pode conquistar este ano de importante? Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Ferreira. Olha, acho que ele pode ir muito bem em situações mais velozes, como Indian Wells, Madri, Wimbledon e Cincinnati. Mas ele adora também o Finals de Londres, apesar de ser um pouco mais lento.

      Responder
      1. Anderson Castro

        Madri?? Apesar de ser o piso mais rápido entre os masters de saibro, eu acho complicado ele triunfar num torneio desse porte na terra batida.

        Se bem que como você sempre diz, “nunca duvide de Roger Federer”…rsrs

        Responder
  74. Marcio

    Dalcim, obrigado pelo blog e os comentários na UOL. Acompanho há bastante tempo esse canal, mas não sou muito de comentar, então fica aqui o meu agradecimento pela imparcialidade e a paixão, não aquela cega de torcedor por um jogador, mas de alguém que ama o que faz e o esporte que escolheu (ou pelo qual foi escolhido! hehehe).
    Gostaria de deixar uma sugestão simples em relação aos comentários no Uol no placar ao vivo. Muitas vezes, não consigo assistir ao jogo na tv, ou chego pra ver o placar já no meio do jogo e vou ler os seus comentários para entender o desenvolvimento da partida. Nessas horas, sinto muita falta de uma indicação do placar naquele momento em que você fez o comentário, já que eu poderia saber mais exatamente em que momento do set / da partida você comentou sobre as táticas ou fatos que aconteceram. Não sei se muitos colegas também passam por isso, mas para mim seria de grande valia e acredito que seja algo simples de fazer. =)
    Grande abraço e que tenhamos um ótimo 2017 que já se prenuncia!!

    Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Puxa, é verdade. Seu ponto a ponto a cada virada de games me ajuda quando no trabalho e quero saber sobre o jogo. Essa wuestão da.pontuação é ótima ideia.

        Responder
  75. Rogério Silva

    Boa tarde Dalcim e amigos do melhor blog de esportes.
    Há tempos concordo com todos adjetivos a respeito do Federer e torcia para ele conquistar mais um slam.
    Tinha uma esperança já que ele chegava às finais mas certeza mesmo não.
    Sempre o achava zebra nas finais.
    Pensava que seria como o Connors tentando mais um slam em uma época em que já não era protagonista,Lendl fraquejando em Wimbledon ou Sampras em Roland Garros.
    Mas não.
    Não mesmo.
    Ele mostrou a real diferença para todos os demais,ganhando do maior algoz.
    Começou o dia nos emocionando,a todos nós,tenho certeza.
    Vou na corrente : Vida Longa a Rei @!

    Responder
  76. Pieter

    Dalcim, passando aqui para lhe dar os parabéns pelo recorde batido de comentários em um post. Muito merecido, aliás!
    E a temporada 2017 já começa empolgante. Haja coração!

    Responder
  77. Mário Fagundes

    Passados dois dias da surpreendente conquista de Federer, – exorcizando todos os seus demônios -, penso no quanto ele ainda pode conquistar se seguir bem fisicamente. Lembro que, certa vez, Federer dissera que só encerraria a carreira quando conquistasse o 20º slam. Depois deste AO, tudo é possível mesmo. Eu duvidei, confesso, sobretudo pelo histórico do FeDal e blá, blá, blá… Vou rever minha concepção realista das coisas. (rsrsrs). “Jamais duvide de Roger Federer”. Dalcim, por favor, uma pergunta (de ignorante): o troféu ganho num slam tem os nomes grafados dos campeões de todas as edições anteriores, mas e quanto ao nome do campeão do ano? Quem ganha não tem seu nome grafado?

    Responder
  78. Leonardo de Castro Santos

    Dalcim, em primeiro lugar parabéns pela cobertura do AO e pelo sucesso do blog, o melhor junto com o saque e voleio do Cossenza. Sobre a mudança tática do Federer em bater mais a devolução em vez de bloquear com slice, pode surtir efeito conta Djokovic e Murray?? Usuando o slice apenas como variação, o que vc acha?

    Responder
  79. Mario cesar Rodrigues

    Dalcim Bom dia!Depois de passada a Euforia vamos ver se a torcida do Federer tem raz\ão em continuar comemorando este ano eu digo que vai ser uns dos anos se não o mais disputado.Particurlamente acho que Federer conseguiu o que nem ele sonhava..seu 18 GS Rafa foi bem e não digo que é Favorito para RG.digo que se estiver bem ,motivado ele é uns dos claro mesmo pq já ganhou 9 vezes…Mas o circuito está forte….E vamos torcer para que o ano seja bom para o Tênis Rafa perdeu uma grande oprtunidade de ganhar seu Décimo quinto GS e não sei se terá outra chance mais a vida é assim o que resta é seguir em frente abs!

    Responder
  80. Castilho

    Que drama minha gente! Eu estava muito puto no começo do 5o. set. Aquela quebra no início me deixou irritadíssimo!!

    Aí eu falei comigo mesmo: “Porra Nadal! Deixa de ser mala! Deixa de ser chato!! Você nem está jogando tudo isso hoje para merecer ganhar. Vamos fazer o seguinte: se você perder hoje eu vou torcer pra você em RG… desde que não jogue com o Mestre!!” Hahahaha.

    Aí o Mestre quase devolveu a quebra depois do 1×2, não deu, aí eu falei: “Fica tranquilo, você ainda tem 3 chances de devolver a quebra!!”. Dito e feito, depois do 2×3 ele devolveu a quebra e não perdeu mais nenhum game!! Sensacional!!

    Agora vou ter que cumprir o prometido… torcer para o Nadal em RG… tomara que ele cruze com o Mestre o quanto antes no torneio! Aí acaba o acordo!! Hahahaha.

    Dalcim,
    Parabéns pelo melhor blog, não só de Tênis, mas de qualquer outro esporte!!
    Abraços!

    Responder
  81. Ronildo

    É muito difícil analisar os jogos do Federer devido à ampla gama de variáveis que ele bota em quadra. Mas muito se comentou que seu jogo é intuitivo durante aua longa carreira. Tudo bem, mas toda vez que ele perdeu uma partida, sempre fica aquela pergunta: não dava pra tentar algo diferente? Como por exemplo, quando perdeu a final do Us Open 2009 para Del Potro. Não dava para tirar a força da bola no quinto set ? Ou seja, com sua capacidade e estratégias corretas durante as partidas teria chegado facilmente aos 30 slans. Porque se ganhou um com 35 anos, como pôde ter deixado escapar tantas outras oportunidades quando era mais jovem ?

    Responder
  82. Marcos

    18 vezes RF!Parece até sonho, mas o jogador mais completo e habilidoso merecia levar mais um GS depois de 3 derrotas duras para o sérvio. Dá pra brigar pelo título em W17 e no Us Open. FEDERER você é o cara! Ele tem lenha pra queimar ainda, deve jogar até o final do ano que vem. ABS.

    Responder
  83. Logan

    Mestre

    O título desse Post achava q era só por causa do Federer, mas pelo visto estava enganado. Tendo em vista que o recorde de postagens foi batido esse post é “o maior de todos”, considerando que de todos os blogs de tênis que olhei nenhum chega nem a fazer sombra em número de comentários, e isso vale pra qualquer postagem que o senhor coloca, logo esse blog é sim “o maior de todos”…. e Se temos o maior blog de todos, com as postagens mais comentadas e com o blogueiro que mais entende de tênis, dito por todos como o melhor de todos, logo temos o blogueiro que é sem dúvida”o maior de todos”

    Acho q esse seu título foi profético mestre….hehehe

    Abraços!!!!

    Responder
  84. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    muito se fala da força mental do Nadal, bem como do físico do Djoko, Murray e do próprio Nadal, sendo o último como o jogador mais forte fisicamente da história do esporte. Agora quanto ao Federer? Na minha opinião colocaria o Federer pelos menos entre os 10 melhores físicos da história e mentalmente entre os cinco melhores. Tecnicamente não a discussão ele é disparado o melhor de todos. Vc concorda mestre com a classificação dele só da parte física e mental? Qual sua opinião mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Curiosamente, eu alertei aqui durante as semanas de Melbourne que pouca gente presta atenção de como Federer é rápido, como cobre incrivelmente bem a quadra. Acho que o preparo físico é um quesito essencial hoje e Federer deve sim estar entre os melhores também nisso.

      Responder
    2. jose yoh

      Fisicamente admiro como Federer consegue ser eficiente no footwork e fugir das lesões. Este último para mim é o grande motivo dos seus recordes. Enquanto outros abreviam a carreira ou o auge, Federer segue longevo triunfando sobre gerações que não sabem preservar o corpo.

      Como costumo falar por aqui, ultimamente ganha quem está fisicamente melhor – leia-se sem lesões.

      Responder
    1. Willian Lopes

      É eu lembro desse ai, e tinha uma garota chamada Débora também, os dois são fans enlouquecidos do Djokovic né????? Já faz um bom tempo mesmo que esses dois sumiram… kkkkkkkkkkk

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Noutro dia encontrei no twitter outra eminência parda da ala nadalista deste blog e que não dá as caras há tempos por aqui: Mauro Amoedo. Pena que seus posts com teor político pesado (nada contra quem pensa diferente de mim, mas tudo contra quem abomina o pensamento alheio e ofende os adversários) me fizeram não seguí-lo.

        Responder
  85. Luis

    Dacim também acho como disse uma pessoa no blog que Federer pule Paris e volte voando em Wimbledon rs,sugestão de vc deixar aberto esse texto pra ver quantos comentários vão ser aposto perto dos 1000 rs,vc ganha uma réplica do troféu da Austrália Dalcim,qual foi premiação pro campeão na Austrália com a festa do Federer ficou pouco comentado premiação rs,torcendo pro 19 slam pro suíço que pode ser Wimbledon mas acho que o magico Wawrinka do Luiz Fernando pode surpreender na grama rs

    Responder
  86. Lucas Buhrer Samra

    http://tenisbrasil.uol.com.br/noticias/46798/Tecnico-de-Federer-descarta-titulo-na-Australia/
    Grande Mestre, me lembrei ha pouco do que li no final do ano e fui checar, de fato em 20 de dezembro de 2016 Severin Luthi descartou qualquer chance do Federer ganhar o AO17…o que voce acha disso? Seria apenas um jogo do tecnico para diminui a pressao em cima do suíco em sua volta ou Luthi de fato não acreditava no titulo? o que voce acha? abraco

    Responder
  87. O LÓGICO

    Palavras do robozinho das trevas sobre o Fedex:

    “Tem um saque perfeito, voleio perfeito, direita perfeita, backhand perfeito, ele é rápido… Tudo é perfeito”, descreveu o espanhol.

    VERDADEIRAS, MAS FALSAS kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  88. Leandro Lopes

    Dalcim,

    Obrigado por nos beneficiar com posts de altíssima qualidade durante todos esses anos.

    Você demonstra a acuracidade, consistência e disciplina de Rafael Nadal quando analisa estatísticas e rankings e a genialidade, maestria e sutileza de Roger Federer quando deixa transparecer suas opiniões para o público.

    Me sinto privilegiado de saber Português e poder acompanhar seu blog. Que você ainda possa nos presentear com suas análises e textos por muitos anos.

    Grande Abraço,
    Leandro Lopes

    Responder
  89. evaldo moreira

    Boa noite,
    Dalcim, quero enaltecer o seu blog, e ainda mais com textos emocionantes e primorosos, não vi nem a metade dos comentários, rsrsrsrs, e acho que bateu o recorde, sem dúvida. É maravilhoso ver o Federer em ação, e há quanto tempo vinha esperando por esse título, no dia da decisão, acabando o meu plantão, o Federer já tinha vencido o 1 set, ai pensei, eita nóis. Como é nítido ver a suavidade, plasticidade, e a forma de bater na bola, do outro lado, é nítido, a força que o Rafa faz, quando bate na bola, claro que, são estilos, então, cada tenista tem a forma adequada.
    Mando um grande abraço para a galera federista, eita churrasco bom hein, que um nobre coloega fez, kkkkkkkkkkk, outros que dizem que o Federer só faz firulas, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, quem mais, para né, deixa quietos.
    Dalcim, você acha que o dimitrov, desengrena de vez, porque desde que Daniel Valverdu passou a treiná – lo, o o bulgaro só cresceu, lógico que perdeu algumas no detalhe, mas que cresceu, sem dúvida. Grato mestre por responder, e ahh, acho que o blog chega nos 800, kkkkkkkkkkk.

    Responder
  90. Leonardo lima

    Boa noite Dalcim
    Estou revendo a final agora , e observei o que falaram no pelas quadras, a principal mudança foram duas ,
    1: a devoluçao sempre funda e no pe do nadal ( dedo do ljubicic) , logo a primeira bola vinha no meio para atacar
    2: a esquerda na maioria das vezes cruzada e sempre agressiva
    Fugindo do obvio que seria sace e rede e o slice
    2 perguntas Dalcim
    1: Vc acha que o Federer achou o “jeito” de ganhar do Nadal ? , essas duas mudanças
    Outra pergunta
    Vc acertou na mosca o jeito de jogar contra o nadal , e quanto ao djokovic, federer perdeu as 3 finais recentes
    O que vc diria pro Federer , como jogar, estrategia de jogo, pra quebrar esse mini tabu e ganhar do djoko em slam ( principalmente em finais ) ?
    Me ajuda ai kkkk

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que muitos já entenderam o que fazer contra o Nadal. Se você observar bem, verá que o Dimitrov usou estratégia idêntica. Quanto ao Nole, ele devolve melhor que o Nadal e então o Federer precisa caprichar muito no saque. Ainda é melhor você atacar o forehand do Nole do que o backhand.

      Responder
  91. marcilio

    Sou leitor assíduo desse excelente blog há anos, mas poucas vezes me manifesto, porém hoje, sob o risco de receber algumas pedradas, ouso prestar minha homenagem ao craque suíço com esse acróstico.

    Federistas acrodai, o craque já está em quadra.
    Emoções a flor da pele, preparem seus corações.
    De novo em uma final de Slam, em busca do décimo oitavo,
    Enfrenta um grande rival, prognóstico totalmente incerto.
    Rafa não lhe dará tréguas, até o último ponto.
    Esperanças que se renovam, cada set um novo cenário.
    Roça na linha a bola derradeira, o Rei retoma seu cetro.

    Responder
  92. Marcelo Monteiro

    Muito bom ver Federer calar a boca daqueles que o davam como aposentado.
    Parabéns ao Nadal também que mostrou ser uma fortaleza mental absurda. Esse ano promete.
    Dalcim, muito obrigado pela sua paciência e por manter esse espaço democrático para todos que gostam desse esporte maravilhoso.
    Sucesso sempre!

    Responder
  93. Jean Brito

    Torci tanto para o Federer que parecia que estava torcendo pelo Djoko. Foi uma final digna de se ver!! O suiço fez chover no terceiro set!!

    Já fechou a conta com 18 slam! Agora deixa que o Nole toma conta de tudo

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Vi alguns comentários, mas não sei se dá para concluir isso. No entanto, com o mundo de hoje, muito diferente de 10 anos atrás – e muito mais ainda do que de 30 anos -, há uma enorme chance de ter sido.

      Responder
  94. RAMON MOTA DA SILVA

    Sempre acompanho os posts, nunca comentei. Belo texto, Dalcim.
    Minha opinião é que teremos uma boa batalha pelo número 1. Federer motivado é capaz de tudo. Quem acompanha ele desde a época de 2005 entenderá do que estou falando.

    ps: No 5 set quando tava 3×1 Nadal a camera focou nele e depois no troféu; o meligeni e o nardini deram uma risada do tipo: “estão prevendo..” tenho certeza que pensaram nisso, absoluta. Inclusive, eu mesmo pensei isso, mas graças a RF e sua fortaleza mental conseguiu reverter o jogo..

    Grande abraço!!

    Responder
      1. Anderson Castro

        Dalcim,
        Levando em consideração a diferença do Murray para o Djoko e devido ao “caminhão de pontos” que o sérvio tem que defender nesse primeiro semestre, você acredita que a briga pela liderança deva “esquentar” a partir de Wimbledon?

        Responder
  95. Fernando Brack

    Feitas todas as considerações, a forma como se desenrolou essa final acabou sendo perfeita para Federer
    e também para seus torcedores. Se não tivesse oscilado tanto, talvez o suíço vencesse mais facilmente, o
    que não lhe daria a oportunidade de mostrar a firmeza mental de permanecer focado num jogo tão duro.
    Foi um presente adicional para quem não acreditava que Federer pudesse vencer um jogo disputadíssimo
    contra o alucinado Nadal. Por outro lado, Nadal é grande e não merece ser batido facilmente ou de forma
    humilhante, tal como Federer, que não merecia aquela derrota horrorosa em RG ’08. Aquela final foi uma
    vergonha, que não condiz com o histórico de confrontos entre essas duas lendas.
    E, pra fechar com chave de ouro, uma virada espetacular num 5º set terrivelmente tenso. Eu vi a viola em
    cacarecos quando o ogro obteve a quebra logo no 1º game. Mas lá estava Federer com um disposição que
    poucas vezes vimos nele num jogo pegado com o espanhol. Foi muito bom vê-lo com esse astral.
    Toda vitória é magnífica, mas a dessa final teve ingredientes que a fazem grande entre as grandes.

    Responder
  96. Rafael Wüthrich

    Fechando a régua por enquanto, vale ressaltar, além da óbvia cobertura excelente do tenisbrasil (que acompanhava em paralelo ao live scores junto com os excelentes comentários do Dalcim), destaco a cobertura da ESPN: um banho, com o Pelas Quadras, transmissão das duplas e até dos jogos dos veteranos. Comparando com o Bandsports e, principalmente, o Sportv, chega a ser ridícula a distância de qualidade entre as transmissões. Apenas ressalto que a insistência com o esforçado Rubens Pozzi como narrador é o ponto fraco. A troca do 2º comentarista para o equilibrado e ponderado Fernando Boesel foi um acerto nota 10, e a dupla de Fernandos (Nardini e Meligeni), embora não agrade 100% aos espectadores, é excelente na transmissão, na minha humilde opinião.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ainda faltam os replays, mesmo que condensados, dos principais jogos, falha tanto do Sportv como da ESPN e o que a Band faz até com exagero.

      Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            O Paulo Cleto eu achava bom, além de entender muito…

            Agora o Maraucci, ninguém merece, né?

            O cara era sonolento…

          2. Sérgio Ricardo

            Pois para mim a perda desses dois, em especial do Paulo Cleto que é um craque como Dalcim, foi uma perda irrecuperável para a Espn. Poucos tem a visão e a leitura dele e ele faz uma falta absurda na tv.

    2. Guilherme Almeida

      Também gostei da cobertura da ESPN. As transmissões com o Nardini e o Meligeni são agradáveis, e o Pelas Quadras é bem legal. Por outro lado, as participações do Rubens Pozzi deixaram muito a desejar. Esforçado, mas parece entender pouco de tênis e é um tanto chato. Balanço geral positivo.

      Responder
  97. Victor Rolemberg França

    Dalcim, você também acredita que Nadal se colocou como o principal favorito a Roland Garros? Foi a opinião do pessoal do ‘Pelas Quadras’…

    E em relação a Wimbledon, vendo o tênis apresentado (sei que é cedo), Federer está ao lado de Djokovic e atras de Murray como concorrente ao título?

    Excelente análise, como sempre. Vale lembrar que você vem citando o backhand mais agressivo desde o começo. Grande abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não acho que ele tenha se colocado como o favorito, mas entre os favoritos, o que é a coisa mais natural do planeta… rsrs… Quanto a Wimbledon, hoje sim. Mas temos muito chão até lá. Abraço e obrigado!

      Responder
  98. Lincoln

    Estava revendo (pela 3 vez) o highlights da final e um outro video com a compilação das melhores jogadas do suiço. Observei com mais atenção aos golpes de backhand. É nítido, uma mudança na postura de preparação e término do golpe. O famoso passinho pra frente está mais constante, e a terminação com o braço mais esticado e alto. Outra melhoria, é o golpe na corrida, que outrora quase que sempre mandava slice.
    Como já foi deveras exaltado a evolução do golpe na Hopman e neste AO.
    Ótimo trabalho do LJubjão hein.

    Responder
    1. Willian Lopes

      Muito bem observado Lincoln. O Dalcim já tinha levantado isso aqui no blog e depois vendo os jogos também notei a mesma coisa. Tomara que Federer consiga se manter consistente no backhand durante toda a temporada. Ljubicic tinha um backhand muito bom, e além disso, ele já tinha conseguido fazer um bom trabalho no backhand do Raonic que sempre foi fraco. Ou seja, se ele conseguiu melhorar a esquerda do canadense que sempre foi deficiente, pra melhorar o backhand do Federer teoricamente seria bem menos trabalhoso pelo fato de o suíço ser muito mais habilidoso e talentoso que o canadense, e outra, Federer teve um bom tempo para treinar durante esses 6 meses.

      Responder
  99. diego adrian

    Ainda me recuperando com tantas emoções. Quando já estava quase recuperado das fortes emoções que o Delpo me deu no segundo semestre de 2016 eis que o maior de todos os tempos volta com 35 anos e pouco, após quase sete meses de afastamento do circuito e……ganha o 18° slam acima do Nadal e em 5 sets!!!!!!! Haja coração! Eu Federista de carteirinha devo admitir até porque gosto de sinceridade que a partir de 2014 já não acreditava mais no 18°. Mas continuava a torcer para ele não se aposentar, só pelo prazer de velo jogar. Nunca imaginei que iria chorar de emoção assistindo jogos de tenis mas ja fiz isso com Delpo nos olímpicos e na Davis e agora mais uma vez com o ídolo suiço. Acho que já vi tudo: Argentina campeã da Davis, Delpo campeão de slam e duplamente medalhista olímpico, meu primeiro idolo do tenis Stefan Edberg ser campeão de varios slams e ainda ser treinador do meu segundo ídolo Federer, e o Roger 18 vezes campeão de slam. Que mais posso pedir para 2017? E….posso sonhar com Federer novamente campeão de Wimbledon, a volta da musa Maria ao top 10 e chegando nas instancias finais dos slam, e Delpo novamente no top 5. Será? Depois do que vi domingo, tudo é possível no mundo do tenis. Abraço Dalcim, mesmo que eu não esteja comentando como anos anteriores, fique sabendo que leio sempre seu blog.

    Responder
  100. Willian Lopes

    E ai Dalcim, sei que errei por muito o meu palpite para esta final memorável entre Federer X Nadal rsrs, mas ao mesmo tempo estou curioso para saber se teve alguém que acertou ou chegou bem perto do resultado da partida…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Prometo soltar amanhã sem falta, William. Mas houve sim vários que acertaram 3-2 para o Federer com o andamento correto nas vitórias de cada set.

      Responder
  101. Ricardo - DF

    Caraca, Dalcim… Segunda, 19:20 hs, 665 comentários no teu post !

    Já é o recorde ou vc teve algum post com mais comentários ainda ?

    Parabéns pelo incrível sucesso.

    ps. vc deveria ganhar um extra pelo número de comentários… rsrsrs

    Responder
  102. Erick Fioretti

    Mestre, tudo bem?

    Uma dúvida, não sei já respondeu (>600 comments): Com o título do AO, o GOAT já tem lugar garantido no Finals, certo?

    Abraço

    Responder
  103. Antonildo S Costa

    Boa noite Dalcin. Como é louco e espetacular esse esporte chamado “Tenis”, raramente escrevo pro seu blog, porém, leio todos os dias, desde meados de 2013 não passo um dia sem apreciá-lo. Nunca pensei que fosse gostar de um esporte tanto quanto gosto de Tenis. Tudo começou em 2011, mais precisamente no finals, tinha acabado de adquirir uma tv por assinatura, e me deparo com esse torneio cheio de glamour, e o primeiro jogo que assisti foi examente o ultimo até agora, foi um pouco dificil no começo pelo fato no da pontuação diferente, mas com um pouco de atenção foi dando tudo certo, aliado a isso tem esse genio chamado Roger Federer, que jogou de forma espetacular nesse dia, literalmente varreu o espanhol de quadra, de lá pra cá sempre que é possível prestigio esse esporte magnífico. Sou flamenguista, sou também um admirador do Barcelona e fan de Lionel messi, talvez por isso me afeiçoei ao estilo RF de jogar, é muita genialidade. Mas nem mesmo o Flamengo ou o Barcelona de Messi é capaz de me tirar da cama na madrugada, já pra assistir Roger, levanto e levanto ancioso pra ver mais um espetáculo. De ja te parabenizo mestre pelo excelente trabalho que é de nos manter sempre informado sobre o mundo do tenis. Estou feliz demais, e que venha o décimo nono, um abração mestre. Go Roger!

    Responder
      1. Emerson

        O tênis não é somente um esporte físico, mas uma mistura com xadrez, onde decisões devem ser tomadas em centésimos de segundos. Daí ele se tornar tão especial, pois além de ajudar no condicionamento físico, já que quem está muito fora do peso não consegue jogar, mas também na questão mental, onde há uma evolução incrível de concentração, tomada de decisões, observação, etc.
        Só não pode sonhar em fazer o que um desses gênios fazem em quadra, porque além de garantir uma grande frustração, pode levar a alguma lesão…rsrs

        Responder
      2. Alexandre Luz Maciel

        Verdade, Dalcim. Apreciava muito assistir aos jogos pela TV, até que finalmente resolvi entrar em quadra (isso lá em 2011) e vou te dizer, após sentir na pele o quão tênue é a linha que divide um winner de uma bola ridícula no meio da rede, minha admiração pelos atletas profissionais só aumentou. Esses caras fazem passada na corrida, bate-pronto, winner de esquerda na paralela e voleios perfeitos com a mesma simplicidade de quem está lendo um livro numa tarde de um sábado frio e chuvoso, com esse nível de naturalidade.

        Eita esporte apaixonante esse tal de tênis…

        Responder
  104. Marquinhos

    Se Federer perder na primeira rodada dos próximos cinco torneio, tá tudo tranquilo! Tá domindado! MAIOR E MELHOR DISPARADO DA HISTÓRIA!!!!

    Responder
  105. Marquinhos

    Aí, alguém sabe qual foi a última vez que Nadal ganhou um slam???? kkkkkkkkkkkkkk Como os caras estão sofrendo!

    Aí, alguém sabe qual foi a última vez que Rafael venceu um mísero atp-250 em quadras duras??? kkkkkkkkkkkkk Como os carsa estão sofrendo!

    Responder
  106. Julio Calleja

    Pra se ter uma noção do quanto esses dois promovem o tenis, da importância e expectativa em torno desse jogo, mais de 20 milhoes de pessoas assistiram esse jogo por toda Europa. A Eurosport, detentora dos direitos de TV por assinatura, teve a maior índice audiência de sua historia, em qualquer modalidade esportiva.

    Responder
  107. Lucas Buhrer Samra

    Grande Mestre, congratulo-o pelo maravilhoso trabalho realizado no site e aqui no blog, como sempre seus comentários são maravilhosos e muito informativos.
    Vamos a pergunta… Você acha que o Federer é o maior favorito a vencer Wimbledon? Isto porque todos sabemos que Murray é seu freguês, considerando tambem o nível atual do Djoko, de modo que apenas Raonic seria uma grande ameaça para o suiíco.. Ou você acha que outro tenista é capaz de superá-lo em um jogo melhor 5 sets na sua amada grama?
    parabéns novamente e grande abraço

    Responder
  108. Marcio

    Mesmo velhinho, o Federer chega e.em praticamente todas!
    Uma hora teria que ganhar, inevitavelmente. E mais do que merecidamente.
    O maior e melhor de todos os tempos!
    A dúvida é, de todos os esportes também??

    Responder
  109. moses

    Prá qualquer tenista que se preze ou para um verdadeiro amante do tenis,
    Roger Federer é o melhor !
    Nadal e Djoko são grandes competidores, fortes atletas e colossos mentalmente.
    Mas, ………..brilhante, genial, talentoso, enfim, um ÁS do tenis
    só tem um nome :
    ROGER FEDERER !

    Responder
  110. Cássio

    Mestre Dalcim, você é o nosso Federer.

    O único que alia os maiores números (664 e contando) com a melhor técnica, ‘plasticidade’ dos versos.

    Mais um texto brilhante, à altura do espetáculo de ontem. A sobreposição de Federer x Nadal no princípio e fim ilustram a História sendo escrita e reescrita pelo nosso Maior Jornalista. Parabéns!!!

    E muito, muito obrigado mesmo.

    Responder
  111. Sônia

    Rindo muito aqui Dalcim, fiz uma pesquisa mundial e só falam DELE. Sensacional. “SIMPLY THE BEST” (1000x). Jamais serão, nunca serão. Essa temporada será muito interessante. Pensando aqui, se o “freguezaaaaaaço” venceu o “inconteste goat” (hilário por demais), vulgo “monstro” e numa melhor de 5 sets, consegue imaginar a motivação dos outros? rsrsrsrsrsrs. Haja “açaí” rsrsrs. Adoro. Beijos.

    Responder
  112. Alexandre

    Excelente texto para uma emocionante final. Obrigado pela sensibilidade.
    Sorte a nossa podermos desfrutar de um jogo histórico entre duas lendas em pleno 2017.
    Parabéns pelo blog e pelo conteúdo.

    2017 promete!!

    Responder
  113. Renato

    Dalcim, se você fosse o técnico que tipo de calendário aconselharia para o Federer chegar forte nos torneios que interessam e ao mesmo tempo com físico preservado, mas sem perder o ritmo de jogo ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele tem de jogar pelo menos dois torneios antes de um Grand Slam e obviamente pensar muito nos que tiverem condições que favorecem seu estilo ofensivo.

      Responder
  114. Pedro

    Dalcim,

    Foi uma grande emoção ver o campeão voltar, mas tem algo que não deixa de me preocupar, a falta de renovação no esporte. A média de idade no top 10 está em assustadores 29 anos!, resolvi checar o top 20 e a média caiu apenas um pouco, para 28 anos, fui até o top 30 e aí, surpresa maior, voltou aos 29!! Na zona dos 32, que são os cabeças de chave em um slam, há apenas 9 jogadores com 25 anos (inclusive) ou menos. o que você julga ser o motivo?
    Essa geração do big 4 é fantástica, mas não dá para não notar que também passaram mais de uma década sem que aparecesse um novo talento. É como se ageração nascida nos anos 90 não existisse. Esse pessoal nunca se apresentou para o jogo. acho que atp deveria tentar algo como o new balls, que revelou guga, safin, hewitt,roddick e o próprio federer, de novo.
    Apenas federer, nadal e djoko tem 44 slams juntos, isso equivale a 11 anos completos de slam! mais de uma década, como já disse são fenômenos, mas não deixa de ser preocupante como a geração dos anos 90 não incomodou nada, vão acabar levando por tempo, os caras estão chegando ao fim da linha, mas a dominância imposta por um período tão longo acredito ser inédita.
    abs,

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É um assunto já bem discutido e vale profundas reflexões. Resumidamente, acho que os novos métodos de preparação e recuperação físicas permitem que os tenistas mais veteranos permaneçam mais tempo no auge. E aí a experiência conta muito no tênis, Pedro.

      Responder
      1. Pedro

        Eu usei 25 anos porque foi a idade em que nosso querido Guga se machucou seriamente, aos 25 já era tricampeão de RG e líder do ranking, realmente nos põe pra pensar no que ele teria alcançado se não tivesse a carreira abreviada por contusões.
        Inclusive acho bem razoável a projeção recente que ele mesmo fez, mais uns 2RG e um slam em outro piso ( US open na minha opinião).

        Responder
  115. Luiz Fernandes Pereira Nunes

    Dalcim, por favor, esclareça-nos, segundo os mais diversos comentários, é possível uma nova ENTRESSAFRA????
    Se for, teremos que abrir nova contagem, o que acha?
    Abç.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Entressafra??? Não entendi. Temos três dos melhores tenistas da história em quadra, mais dois jogadores com 3 Slam cada um em plena atividade, um deles aliás é o número 1 do mundo.

      Responder
  116. Nando

    Dalcim, eu estava vendo uns vídeos do Connors disputando o US Open de 1991, onde aos 39 anos conseguiu chegar a semi…como ele conseguiu ter uma carreira tão longeva? E ele jogou em alto nível até q idade? Ele jogava mtos torneios por ano?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele cuidava bem do corpo, tinha um estilo que usava muito bem o peso da bola adversária. Acima de tudo, competia com imensa alegria. Ele ainda jogou mais duas temporadas. Essa semi de 1991 é um jogo que todo mundo deveria rever. Um espetáculo. Assisti ao vivo à época e foi algo emocionante.

      Responder
      1. Nando

        Vi os highlights dos jogos dele nesse US Open de 1991, e dava pra ver q o estádio inteiro estava torcendo por ele em tds os jogos….as comemorações dele eram hilárias, era um cara mto vibrante. Teve um jogo contra o Aaron…não recordo o sobrenome, em q ele teve uma discussão com o juízo devido a uma marcação, aí a cada ponto ele vibrava e apontava pro juíz kkkkkkkkkk

        Responder
  117. Victor Martins

    Oi Dalcim, o que você acha que pode acontecer, em relação a motivação do Federer, no restante da temporada? Só queria saber a sua opinião. Eu digo isso por que ele conseguiu ganhar o tão sonhado título de grandslam que ele já tinha batido na trave nessas 3 últimas decisões. Eu sei que ainda tem Wimbledon, e ele pode aumentar mais ainda a galeria de troféus. Mas será que ele vai cumprir o que ele disse, de jogar por 2 ou 3 anos ainda?
    Bom, como eu disse Dalcim, é só sua opinião sobre isso.
    Um abraço, e parabéns pelo post!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele vai continuar enquanto se sentir competitivo em alto nível. Portanto, acho que não poderia estar mais motivado. Wimbledon virou um sonho bem mais possível.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sou suspeito, porque você citou muitos dos meus tenistas favoritos… rsrs… Cada um a seu tempo, foram todos fenômenos e torci para cada um deles ao longo de suas carreiras magníficas.

      Responder
  118. Julio Sc

    E não é que o Federer fez você cometer um deslize?

    Em uma postagem da semana passada, você comentou que Goffin era quase certo entrar no top 10, salvo se Dimitrov chegasse a final. Eis que nem um, nem outro. Federer é que voltou ao top 10!

    Responder
  119. Sergio Ribeiro

    A Vitoria Épica deixou claro , a meu ver, que o Senhor com um Caldendario ( bastante enxuto), ainda pode dar caldo. Fez uma Pre- Temporada como a anos nao fazia , e demonstrou muito entrosamento com seu Staff. Começando pela escolha da Copa Hopmam para pegar ritmo. E Ivan Lijubicic o convenceu a fazer alguns ajustes importantíssimos. Considero o N 1 e N 2, e Rafa Nadal , favoritissimos para Rolanga. A temporada no Barro deveria ser bem curta. O favoritismo do Espanhol se confirmava ate’ o 2 x 3 do Quinto Set ( as necessidades de A.Medico comprovam). Mas aí não ha’ h2h que resista a Genialidade. Beirando os 36, os que amam o Esporte jogado em altíssimo nivel, deveriam aceitar com tranqüilidade os prováveis percalços , que acontecerão em breve principalmente contra o N 1 e o N 2. O Ex- TOP 17 ( incrível ) , mais do que merece. Wimbledon /2017 devera’ ter um Foco todo especial. Abs!

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Ps. Quem teve o prazer de acompanhar a performance do Craque ao longo da carreira , tende a acreditar que aos 35 e meio, os atendimentos pedidos foram necessários. Meu Caro, Dalcim. Ao ve-lo irritadíssimo com os do Samurai, o amigo entende que esse procedimento deve continuar desta forma ? Ou deveria ser revisto imediatamente ? Abs!

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Federer é uma pessoa emotiva, já demonstrou isso dezenas de vezes, Sérgio. Felizmente, é muito raro hoje em dia passar dos limites. Não sei se você já jogou tênis, principalmente em algum nível competitivo. É incrível como esse esporte maluco mexe com a gente, muda muitas vezes nosso comportamento de forma incontrolável. Eu, a quem vocês chamam de Buda, já quebrei raquetes… rsrs…

        Responder
        1. Sergio Ribeiro

          Nem com todo o esforço do Professor Domingos Venâncio , consegui entrar no Top 1000 de Cabo Frio rs. Mas depois das revelações , o amigo Dalcim perdeu a condição de Buda. Afinal quem vai dar o exemplo…rsrsrs ABS !

          Responder
  120. Marcelo Calmon

    Leio os comentários e vejo que a paixão deixa a razão de lado muitas vezes. Ler post questionando jogadores como Federer, Nadal, Djoko e até Murray chega até ser divertido.
    Cada um se identifica com um tenista, isto é natural, agora desmerecer os outros é que não tem lógica.
    Ontem minha torcida variava, mas quase sempre era pelo Roger !
    Para mim e a grande maioria (pelo que vejo aqui no post durante todo ano) é o melhor dentre eles, mais pelo seu estilo vistoso. A raquete parece extensão do braço, todos os movimentos são de um naturalidade impressionante. Depois do Borg, o melhor de todos os tempos (olha a paixão aí kkk).

    Agora voltando para o nosso declinante tênis brasileiro, segunda teremos um novo nr 1 do Brasil, pois o Bellucci vai perder os pontos do vice de Quito.
    Estou certo, ou é isso mesmo ? Aliás se o Bellucci for mal em Quito, vai despencar de vez no ranking.

    Até nossos duplistas deram uma boa recuada no ranking. Exceção do Demoliner que tá em 10º na corrida pro finals.
    Você acha que ele tem (ou melhor a dupla dele) tem cacife para surpreender e abocanhar uma das vagas ? aliás, vai ser em Mião esse ano ??

    E não poderia deixar de registrar a saída da pretensa jogadora Radwanska do TOP 5. Espero vê-la fora do top 50 !!! (devo ter alguma obsessão !!! kkk)

    abs

    Responder
  121. André Pires

    Dalcim, primeiramente , parabéns pelo blog, e principalmente por este post de ontem. Excelente.
    Estou muito ansioso por esta temporada europeia/sulamericana antes do saibro europeu, com Dubai, Acapulco, Roterdã, (que chave! não tem um jogador que eu não gostaria de ver) IW, Miami. Certeza que caras como Murray e Djokvoic (que já volta na Davis) estão “loucos” pra entrar em quadra e mostrar que o que aconteceu no AO foi só um acidente de percurso. Vamos ver a volta do Delpo, se Dimitrov mantem o nível, ver o que Nadal vai aprontar jogando só na quadra dura nesse primeiro trimestre, se os garotos conseguem causar alguma surpresa positiva e claro, como Federer, (ainda sem estar entre os 4 principais cabeças e talvez até fora do top 8 nos dois Masters), vai se sair podendo pegar um top 10, de novo, depois de 2 rodadas e os líderes, após 3 rodadas. Muito interessante!

    Responder
  122. Carlos

    Dalcim, esse ano finalmente teremos “os 4 grandes” disputando em um nível mais parelho? Sem esquecer o Stan, claro.

    Não gosto do estilo de jogo do Nadal, mas reconheço, a entrevista dele ontem foi muito bacana.
    Go Roger!

    Responder
  123. Gabriel F

    Depois de um dia de tantas conversas, vídeos e leituras sobre essa histórica final, algumas lembranças vieram à mente, e me ocorreu que possivelmente esse seja o mais incrível feito no mundo tênis, no que se refere à superação quando se está desacreditado, desde o título se Goram Ivanisevic em Wimbledon 2001.

    Pra quem não é desse tempo – inclusive eu, que na época assistia mais o Guga, só vim seguir o circuito anos depois, mas lembro um pouco dessa história -, ele já tinha feito três finais de slam, todas em Wimbledon anos antes, mas já estava em fim de carreira, pra lá do centésimo posto no ranking, entrou na chave daquele ano com wildcard, e incrivelmente chegou ao título!

    Lembrei disso e fui até dar uma olhada em alguns vídeos no youtube, pra quem gosta de assistir a grandes decisões do passado, vale uma sacada na semifinal contra o ídolo local, Tim Heman, em cinco sets, interrompida por chuva e tudo mais. Fui pesquisar e ainda descobri que nessa edição de Wimbledon, Hemam havia tirado o jovem Federer uma rodada antes, que por sua vez havia acabado de vencer Sampras!

    Enfim, só uma lembrança que foi longe, mas fica aí a sugestão para os saudosistas e curiosos.

    Responder
  124. Felipe

    Oi Dalcim !!

    No post antes da final, havia comentado com você que tinha a impressão que o recorde de comentários do blog iria ser dizimado !!! Dito e feito !!!
    Na verdade, era muito previsível que isso fosse acontecer mesmo. A força que esses 2 monstros tem para o tenis é algo muito sério… movem montanhas !!! O esporte só tem a ganhar com isso !!! E nós, seus leitores, também. Você nos brinda com seus textos impecáveis ! E, na minha singela opinião, um dos enormes diferenciais do blog, e a sua interação conosco. Esse bate-papo moderado por você é espetacular !!

    Vida longa !!!

    Responder
  125. João

    Excelente dia!! Ontem ganhei um torneio regional logo após assistir a final do Federe vs Nadal. Com ctz me motivou muito haha

    Em tempo, parabéns pelo blog Dalcim, ótimos textos para os amantes do tênis!!

    Responder
  126. Dramde

    Bom dia Dalcim. Parabéns por mais um brilhante post. Creio que hoje seja um dia para todos enaltecerem Roger Federer, inclusive os torcedores de Djokovic (como eu) e Nadal, seus principais rivais.
    Foi um torneio exuberante do suiço, superando 3 adversários em 5 sets, saindo de situações adversas no 5 set da semi e da final, enfrentando dois gigantes do tênis, e vencendo na final o seu maior rival, com quem tem um retrospecto bastante desfavorável.
    Acredito que em 2017 teremos a melhor temporada da história do tênis, possivelmente com pelo menos 03 vencedores de Slam diferentes.
    Penso que o título de Federer também serviu para refutar ou confirmar algumas teorias que existem atualmente sobre o tênis. Se puder comentar, agradeceria:

    1 – “Jamais duvide de Roger Federer” (J. N. Dalcim):
    #Teoria confirmada. E vamos ficar de olho em Wimbledon, que pode vir mais.

    2 – “Vai ser muito difícil Roger vencer um Slam novamente” (Novak Djokovic):
    #Teoria confirmada. Foram necessárias 03 derrotas em finais (todas pra Djokovic) e 05 em semifinais (Djokovic, Murray, Nadal, Cilic e Raonic) pra Roger vencer novamente. E o título veio após 03 vitórias em 05 sets. Portanto, foi realmente muito difícil e Novak estava certo, apesar de alguns não terem entendido muito bem essa colocação do sérvio, achando que ele estava agourando o suiço. Na verdade, ele apenas disse que o circuito estava muito mais competitivo do que antes. Curioso é que Djokovic agora é vítima de sua própria previsão.

    3 – “Nadal e Federer estão velhos e acabados” (vários):
    #Teoria refutada. Velho é o mundo e acabada está a política brasileira. A dupla Fedal ainda dá muito caldo.

    4 – “Djokovic só venceu Roger Federer em finais porque o suiço está velho” (vários):
    #Teoria refutada. Federer (35 anos) venceu o torneio jogando 3 partidas de 5 sets e vencendo na final um jogador 5 anos mais novo e considerado o que mais corre no circuito. E terminou a final dando sinais de que poderia jogar mais 2 horas. Taí um consolo para nós, torcedores do sérvio.

    5 – “Roger Federer não faz catimba” (vários):
    #Teoria refutada: apesar de sua reputação dizer o contrário, ele faz catimba sim, como qualquer outro jogador, e fez na semi e na final. Mas ele não está errado. Pelo contrário, se as regras existem e seus adversários as usam ele também deve usá-las. Quanto ao comentário de Pat Cash o criticando por isso, acho que foi despeito.

    6 – “Federer é o maior de todos os tempos” (P. Sampras, Rod Laver, Dalcim, e muitos outros):
    #Teoria confirmada (pelo menos por enquanto). Após esse título de Slam, e dadas as circunstâncias em que ele aconteceu, creio que é justo darmos esse mérito ao suiço. Mas o jogo não acabou. Nadal ainda pode voltar das cinzas como uma Fênix (de novo ?), e Novak ainda pode voltar a comer fígado ao molho de escabeche.

    7 – “Federer está um nível acima de Sampras” (A. Agassi):
    #Teoria confirmada. Pelo números de títulos, pelo desempenho no saibro e pela longevidade, creio que não há duvidas sobre isso.

    8 – “Federer treme diante da dupla Nadal/Djokovic” (vários):
    #Teoria refutada. Sem dúvida alguma Roger respeita demais esses dois, pois foram os únicos que realmente o desafiaram com êxito. Além disso, Nadal tem um retrospecto muito favorável, e Djokovic venceu 02 semi de Slam contra Federer salvando duplo matchpoint em ambas, o que sem dúvida é algo pra não esquecer jamais. No entanto, Federer ficou próximo de uma fenomenal e improvável virada em cima de Novak em WIMB14 depois de vencer um 4 set perdido, e ontem virou no quinto set contra Nadal. Claro que Nadal e Novak são ligeiramente superiores ao suiço no aspecto mental, mas o suiço evoluiu muito nesse quesito, e ontem provou isso. E Djokovic que se cuide pois ele é o próximo alvo na mira do suiço.

    Abraços.

    Responder
    1. Willian Lopes

      Excelente análise, gostei muito e concordo com vc, 2017 tem tudo para ser realmente uma temporada incrível no tennis, talvez a melhor da história mesmo.

      Responder
      1. Willian Lopes

        Só faltou eu dizer uma coisa: nenhum outro tenista irá superar Federer como o melhor de todos os tempos. Federer já nos mostrou várias e várias vezes porque ele é o melhor.

        Responder
    2. Marquinhos

      Desculpe, uma b…!

      Quem vai tirar o posto de melhor da história de Federer? Novak, Nadal? É pra rir?

      Se Federer tivesse a mesma energia de 10 anos atrás, teria vencido o torneio sem perder um set sequer, como já fez no Austrália Open.

      Se tivesse o mesmo vigor físico de anos atrás, também não perderia nenhuma das finais para Novak.

      Nos últimos três anos, o circuito foi um dos mais fracos da história. Nadal bichado, Federer com idade avançada e longe do auge, Murray irregular e Delpo fora de combate. Agora está começando a melhorar e a realidade de Novak, tapete de Federer, vai vir a tona!

      Responder
      1. Dramde

        Calma, Marquinhos. Aproveite esse momento glorioso de seu tenista favorito e relaxe. Às vezes você deixa o fanatismo tomar conta do seu raciocínio. Acredito que a maioria dos colegas do blog concorda que Federer, apesar de gênio, possui sim buracos em seu jogo, e que no passado, foram muito bem explorados por Nadal e Novak. E ele tem evoluído muito nesses quesitos onde era mais fraco: backhand, mental, devolução de saque e troca de bolas (ganhou a maioria contra Nadal).
        Isso significa que hoje, apesar da idade, ele é um tenista mais completo do que no seu auge, algo que ele mesmo tem afirmado com frequência. Mas isso não significa que seus adversários vão se acomodar diante disso. Pelo contrário. Nadal com certeza vai procurar soluções para contornar esse obstáculo, e Novak, se resolver voltar a jogar tênis, também.
        Quanto à questão da idade pra justificar derrotas, ela caiu por terra sim. Culpa do próprio Federer ao vencer esse Slam. Mas isso já sabíamos. A idade não pode influenciar o desempenho de um jogador apenas contra um adversário específico (Djokovic). E temos a Serena provando que quanto mais velha melhor. Eles são gênios. Se fossem jogadores normais, quanto mais velhos, pior: Ferrer, Berdych, Verdasco, etc. Além do mais, se menos idade fosse garantia de sucesso, não teríamos Novak e Andy eliminados precocemente num torneio em que chegaram à final várias vezes.

        Acredito que teremos muitos duelos sensacionais neste ano, então vamos apreciá-los. Quanto à questão do GOAT, realmente pra mim, a questão está resolvida a favor de Roger, mas com uma ressalva temporal, pois Nadal e Novak ainda estão aí, e Federer sabe disso.

        Responder
  127. Rafael Medeiros

    Mestre Dlacim, diga lá: você acha que, com esse título, o recorde de Slams de Federer foi protegido a longo prazo?

    Ou ainda vê capacidade em algum tenista atual para passar dos 18?

    Belo texto, abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Claro que as chances maiores estão com Rafa e Djokovic, porque todos os demais teriam praticamente que começar a partir do 3 e me parece utópico imaginar que Stan ou Murray ganhem mais 15 ou o Delpo fature 17. O espanhol e o sérvio merecem muito respeito, ainda mais em Grand Slam. Rafa é um competir incrível, ainda que não tenha mais o jogo dominador de antes, e não seria impossível ganhar mais dois Roland Garros e beliscar um AusOpen. Já Nole é forte em todos os pisos, incluindo a grama. Claro que ainda assim ele teria de ganhar uma média de dois Slam por temporada, o que não é fácil nem para ele.

      Responder
  128. Roberto Rocha

    Eu via os torcedores do Federer preocupados e dizia que ele não perderia para Nadal. Com Federer em forma física e técnica exuberante, e Nadal meia boca, não tinha como. Quem assistiu o jogo do Espanhol contra Dimitrov, percebeu que o ataque contra a esquerda de uma mão não surte mais o mesmo efeito…Por isso Dimitrov segurou a troca de bolas contra o espanhol e o próprio Federer terminou em vantagem em todos os níveis de trocas de bola! Além disso, Nadal não conseguiu angular seus ataques na esquerda de Federe, que diga-se de passagem, jogou muito bem… Agora, 4 questôes aguardam resposta:
    1 – Federer consegue manter essa intensidade durante o ano?
    2 – Se Nadal conseguiu ir tão longe em quadra reconhecidamente mais veloz, podemos esperar mais uma daquelas campanhas arrasadoras na temporada de saibro?
    3 – Nole e Murray…o que esperar deles na atual temporada?
    4 – Del Potro, Raonic, Zverev, Dimitrov, Wawrinka…o que poderão fazer em 2.017?
    Que a História continue sendo feita diante dos nossos olhos!!!! Tênis, esporte maravilhoso!!!!

    Responder
  129. Renato Vieira

    Antes de fazer qualquer comentário sobre o jogo, falarei o óbvio.

    Esse é um texto memorável para uma final memorável. Você não falou muito Dalcim, mas falou absolutamente tudo o que era necessário. Obrigado por poder partilhar seu conhecimento.

    Responder
  130. Fernando Pauli

    Dalcim

    FEDERER ASSUME A LIDERANÇA DO RANKING EM 2017.

    Claro que estou falando do ranking da temporada.
    Nadal em segundo, seguido de Dimitrov, Wawrinka e Raonic.
    Murray e Nishikori em 12° e Djokovic em 14°.
    Curiosidade: Djokovic não começa uma temporada tão em baixa como essa desde 2005 e 2006 quando caiu na 1° rodada do AO e muito antes do seu 1° título em 2008.Como diria Milton Leite: QUE FAAAASSSEEEE!

    Que Federer e Nadal continuem nesse posto ao decorrer da temporada. Deveriam olhar para esse ranking todos os dias antes de irem treinar, quanto mais injeção de ânimo melhor.

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Bem menos, Os 90% é porque o regulamento diz que os campeões de Grand Slam tem ingresso garantido no Finals, desde que permaneçam entre os 20 primeiros até acabar o 1000 de Paris. Então Federer ainda não está garantido.

          Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Tem de se manter no top 20 até acabar o 1000 de Paris, diz a regra. E se outro campeão também não estiver entre os oito classificados, então prevalece o campeão que estiver com melhor ranking.

          Responder
  131. Lincoln

    Uau, 515 comentários e contanto é um recorde dalcin?
    Parabéns pela dedicação e ótima cobertura do evento ao longo destas duas semanas (como sempre faz em slams).
    dalcin, devido a seu vasto conhecimento e experiência como jornalista, tenho uma dúvida, vc já foi convidado a integrar alguma equipe de comentaristas na TV? bandsports, ESPN ou SPORTV? Se sim, o pq de não estar por la? seu conhecimento e competencia, ao menos para nós que acompanhamos o TENISBRASIL são acima da média dos comentaristas da tv.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Porque isso tornaria impossível meu trabalho à frente do TenisBrasil, Lincoln. Acho que não devemos querer abraçar o mundo. O site me dá muito, muito trabalho e imenso prazer. Devemos ocupar nosso espaço sem egocentrismo. Abração!

      Responder
      1. Marco Dias

        Só podemos lhe agradecer por isto, Dalcim! Afinal, temos o privilégio de ter contato diário com alguém da sua envergadura, algo que não seria possível na TV. Obrigado novamente! Saiba que você contribui para a expansão do tênis neste país!

        Responder
  132. Marcos Eloi

    Federer, Laver e Nadal: os 3 maiores e melhores tenistas da história em uma mesma foto. Este jogo será lembrado por muito tempo. Que bom eu poder estar vivo para poder presenciar isto e entender o que tal fato representa. Dalcim, publica logo outro post senao o servidor vai cair de tanto comentário. Isso pq vc escreve muito bem e entende muito de tênis. A Mirka recebeu o recado da tática de como vencer o espanhol. kkk

    Responder
  133. Márcio Souza

    E o dia tão esperado de uma nova conquista chegou…demorou quase 5 anos mas finalmente chegou.

    O torcedor do Federer sabia que chegaria, durante esse tempo todo tivemos muitas decepções e muitas dúvidas principalmente quando o GOAT ficou 6 meses afastado do circuito no ano passado, mas quem é torcedor de verdade sabia que ele não iria nos decepcionar.

    Ontem foi um dia diferente, o clima do jogo estava diferente, algo dizia que seria diferente e foi diferente.
    Tinha que ser contra o Nadal, precisava ser contra o Nadal e foi contra o Nadal a redenção do maior e melhor tenista de todos os tempos.

    Muitos torcedores do Federer estavam descrentes e não podemos critica los por isso, alguns inclusive nem o jogo queriam assistir e eu entendo porque a atmosfera desse jogo estava realmente sufocante tamanha a ansiedade e apreensão.

    Aqui no condomínio, tenho 4 amigos que são também torcedores do Federer e combinamos de assistir o jogo na minha casa ja que a minha esposa e a minha filha iriam cedo pra igreja, porém 2 deles na hora do jogo não apareceram. Achamos estranho mas afinal de contas era 06:15 da manhã ainda e pensamos que logo chegariam, coisa que durante o primeiro set não aconteceu…mesmo ligando no celular deles e só chamava e nem o wats eles respondiam.

    Durante o intervalo do primeiro set fui até a casa deles e pensando que eles ainda estavam dormindo que nada, nenhum dos dois tinha conseguido dormir a noite e estavam quase que tendo um piripaque e falavam que não iriam conseguir assitir o jogo, fiquei quase que 10 minutos para convence los a irem assistir ao jogo comigo, expliquei que ja estava 1 a zero pro Federer e que o suiço estava muito firme no jogo, porém quando chegamos na metade do segundo set vimos o Nadal assumindo o controle da partida e dava pra ver no rosto de cada um a aflição e a torcida apreensiva, porém como estavamos ali todos juntos aquilo tudo deu confiança para que ficassemos acompanhando o jogo até o final.

    E ja no terceiro set qual a minha surpresa, apareceu mais dois vizinhos que confesso não tenho muita amizade porém sempre nos cumprimentamos no condominio ou fora dele quando nos encontramos, pedindo pra assitir ao jogo conosco e que disseram ser torcedores do Federer também, achei aquilo ótimo e com mais torcida ficou mais empolgante e bem mais apreensivo acompanharmos o jogo.

    Eles falavam que tinham muita confiança no Federer e que dessa vez iria dar tudo certo, e deu mesmo.

    Aquele quarto set e começo de quinto foi um momento de tensão e tanto, no momento da quebra no quinto set que o Nadal impôs, ficou um silêncio na minha sala…imaginem 7 homens numa sala em silêncio, foi ai que eu falei, no primeiro break que o Federer teve no 2 a 3, se o Federer quebrar o Nadal agora ele vira o jogo e ganha.

    Todos olharam pra mim e falaram que sim e que também acreditavam nisso…não deu outra, o Federer quebrou o Nadal, empatou 3 a 3, sacou pra fazer 4 a 3, quebrou novamente no 5 a 3 e sacou pra fechar o jogo.

    Imaginem agora 7 homens pulando que nem crianças (só que com cerveja e refrigerantes na mão) e gritando feito loucos kkkkkkkkkkkkk

    O bom foi que ninguem do condominio reclamou da bagunça que fizemos depois e do barulho que causamos por causa da vitoria.
    Foi bom demais, lavamos a alma, e assim como o Federer tirou um caminhão das costas pra gente também foi um alívio e uma alegria muito grande esse título.

    Parabéns ao Federer pela vitoria e conquista do tão sonhado 18° GS e parabéns a todos nós que acreditamos e nos mantivemos firmes com a certeza de que um dia esse titulo viria.

    Todos nós merecemos, esse título fez um bem enorme para o tênis e para todos que assim como nós ama esse esporte.

    O churrasco depois foi muito bom e falamos muito sobre essa importante conquista e sobre muitos outros assuntos.

    E sabe o que é mais legal, hoje ao retomarmos nossa rotina diária de trabalho, família, amigos e religião estamos todos com um enorme sorriso no rosto e na alma.

    Isso fez um bem tremendo a todos nós.

    E que venham mais conquistas e que o GOAT possa jogar bem e sem lesões por mais uns dois anos ainda.

    Parabéns a todos nós!!!

    Responder
    1. Cássio

      Parabéns Márcio!! Que bela forma de passar o dia de ontem. Você acreditou desde antes do jogo, a tal ponto que conseguiu convencer os amigos mais céticos a lhe acompanhar. E o Mestre correspondeu à altura. Valeu cada segundo de tensão e ansiedade à frente da TV, já computadas as duras finais de 2014 e sobretudo 2015.

      Eu acreditava, assim como havia postado. Mas tinha a exata noção do favoritismo espanhol, do tamanho do desafio. Lá no fundo a esperança incontida, de que finalmente os deuses do tênis fariam justiça ao Maior tenista da História. Porém, não sou hipócrita, na quebra do 1º game do 5º set os velhos fantasmas e medos ressurgiram. Mas ELE, até surpreendentemente, cresceu, virou um gigante em quadra, jogou um set monstro, decidido que ninguém lhe impediria de chegar à maior glória da carreira. Exauriu o mental do espanhol (quem diria?!) com breaks em todos os games, pressionando o tempo inteiro, espancando a bolinha, inclusive com o revés tão duramente criticado. Enfim, ascendeu ao Olimpo.

      Federer já havia transcendido o esporte tamanhos números e conquistas; mas esse título ampliou sua aura de Mito, de tão surreal que foi a conquista. Não tenho dúvidas, o MAIOR SLAM de todos. Vindo de mais de 6 meses de parada; 35 anos de idade e 4 filhos; contra Nadal, seu mais indigesto adversário; vencendo 4 top 10, 3 deles em 5 sets; virando o jogo no 5º set contra ele mesmo, Rafa Nadal, o maior carne de pescoço que já existiu. Falar no bem causado para o tênis é quase lugar-comum. Para quem acompanha de perto esse magnífico esporte, trata-se de um bem para a vida das pessoas…também seria se o espanhol vencesse, mas não há margem de comparação com a vitória DELE, Fênix. É um verdadeiro milagre como no belo vídeo abaixo…

      https://www.youtube.com/watch?v=aQzDH1MOuGE

      Finalizo parabenizando todos os federistas pela conquista do Rei – em especial, o brilhante Dalcim, Marquinhos, Márcio, Brack, Lógico, Marcão, Rafael Medeiros e Rafael W -, mas também os nadalistas, porque o espanhol também foi gigante. Tinha de ser ele o oponente.

      Responder
    2. marcilio

      Márcio, muito boa a sua história. Eu sou um torcedor que fica muito tenso durante as partidas. Por ser um Federista escaldado, infelizmente não estava muito confiante, então tinha decidido não assistir ao jogo (deixei gravando para ver depois). Quando foi lá pelas seis e meia acordei e fiquei na cama lutando para tentar dormir novamente, mas isso era impossível. O jogo, que ja estava para se iniciar, não saía da minha cabeça. Fique por mais de uma hora nessa indecisão, até que “criei coragem” e resolvi enfrentar a parada. Fui para a sala, liguei a tv. Estava no intervalo, mas quase tive um infarto quando voltou na tela da ESPN o resumo do segundo set (que tinha acabado há pouco) estampando 6×3 para o Nadal. Pensei logo em 2×0 para o espanhol e só me acalmei um pouco quando os comentários do Mligeni descreviam um cenário de empate. Já no embalo, assisti os demais sets com o estado de tensão costumeira e variação de humor entre a euforia e o desespero a cada mudança de cenário, até o telão estampar o match point. A minha comemoração não foi tão gigantesca quanto a sua, mas vibrei muito que até minha mulher, alheia ao esporte, quis saber do que se tratava. Mesmo sem lhe conhecer, um abraço por dividir essas sensações.

      Responder
      1. Márcio Souza

        Valeu Marcilio!

        Mais é isso mesmo cada comemoração é especial porque ela é diferente, e por isso que se torna maravilhosa.
        Tenho certeza de que nos quatro cantos do mundo o Federer emocionou milhões de pessoas com essa conquista.

        Parabéns pra ele e para todos nós!

        Abraço.

        Responder
    3. Mário Fagundes

      Que bacana, Márcio! Ao ler sua história, sinto-me encorajado pra contar a minha. (rsrs). No dia em que Federer venceu Stan na semifinal, ganhei um cãozinho da raça Daks (popular salsicha) e dei a ele o nome de Roger. Na decisão, duvidava das chances de Federer diante de seu carrasco, mas tinha alguma esperança. Tanto tinha, que não consegui dormir direito por conta de tanta ansiedade. Na hora do jogo, estávamos eu, meu único filho, de 13 anos e Roger (o talismã) em frente à TV. Minha esposa não conseguiu acordar, apesar de tê-la chamado. Eu torcia, mas resignado com o que de pior pudesse acontecer. Meu filho estava muito confiante, com Roger em seu colo. Depois do primeiro set, a confiança no GOAT voltou, sendo abalada somente na quebra sofrida no quinto set. Nesse momento, minha esposa chegou pra acompanhar o fim do jogo. Então, algo me ocorreu: quis rezar (e sempre contestei tal atitude em se tratando de esporte). Mas o que senti foi muito forte. Aí me virei para o oratório em minha sala, fiz uma prece e pedi à Nossa Senhora de Nazaré que ajudasse Federer a vencer aquela decisão e, caso ele vencesse, eu acompanharia a procissão do Círio deste ano (que acontece no segundo domingo de outubro), em minha cidade, Belém do Pará. Detalhe: Há muitos anos não acompanho a procissão do Círio de Nazaré, apenas pela televisão. E Federer, Campeão! Que emoção! Alma lavada! Comemoração em família! Choro incontrolável! Obrigado, Roger, você é “pata quente” mesmo! Obrigado, Federer, você é fantástico, sublime, maior de todos os tempos! Ufa! Obrigado, Nossa Senhora de Nazaré! Em outubro, estarei nas ruas de minha Belém, na procissão da maior festa católica do Brasil, o Círio de Nazaré, pra agradecer pela vida, por ter saúde, por ter um ótimo emprego, por ter uma bela família e por ter tido a oportunidade de testemunhar, duvidar, torcer, acreditar, rezar e pedir a ajuda divina a quem tanto me proporcionou alegrias: Roger Federer.

      Responder
  134. rubens

    não sei o porque de tanta festa, só ganhou mesmo por causa do tropeço do Djoko…caso contrário ele já começaria ate a tremer se a final estivesse ele do outro lado, essa é a verdade.
    tanto que perdeu as 4 últimas finais de slam que conseguiu chegar pra ele.Caiam na real.

    Responder
  135. Chetnik

    Num único fim de semana Serena e Federer. A humanidade está à beira do abismo, kkkkk. Fujam para as colinas rs.

    Nadal dessa vez não conseguiu salvar o tênis e a humanidade rs. Mas tem vários serviços prestados – 23 kkkkk.

    PS: Eu acho que eu que sou pé frio. As únicas duas vezes que eu torci pelo Nadal contra o Federer ele perdeu rs.

    Responder
  136. Adriana Pena

    Caro Dalcim,
    embora já leia o seu blog, essa é a primeira vez que escrevo.
    Não tem jeito, o esporte é a área que mais me emociona. E como não ir às lágrimas quando um profissional que já alcançou TUDO, em uma idade avançada para a maioria dos atletas, demonstra tanta vontade e força. E isso diante do adversário que lhe impôs, talvez, as derrotas mais doídas.
    Extraordinário! Genial!
    O terceiro parágrafo do texto resume tudo. O resultado alcançado por Federer é sensacional sob todos os aspectos, mas virar um 5º set sobre o Nadal mereceria, como você mesmo diz, um outro troféu.
    A você Dalcim, obrigada por brindar seus leitores com textos tão claros e concisos, mas sempre técnicos e apaixonados.

    Responder
  137. Márcio Souza

    Galera do blog bom dia a todos!

    Ontem devido a comemoração do churrasco não consegui entrar aqui para participar dos comentários…a tarde dei uma cochilada e dormi o sono dos justos e do verdadeiro campeão desse esporte maravilhoso que é o tênis.

    E hoje ao abrir o blog me deparei com 512 comentários!!!
    Nao sei se vai dar pra ler todos, mas desde ja quero frisar que tudo isso simboliza o sucesso e a consistência desse blog brilhantemente comandado pelo Mestre Dalcim.

    Parabéns Mestre!!!
    Você é muito inteligente e conseguiu transformar esse espaço num ambiente de muita informação, cultura do esporte e de discussões acirradas (algumas inteligentes outras nem tanto) mas que premia toda a sua paciência e qualidade profissional.
    Sempre dizemos e desejamos aqui VIDA LONGA AO REI FEDERER, mas agora desejo e tenho certeza que muitas pessoas aqui também desejam:
    VIDA LONGA AO MESTRE DALCIM E AO BLOG DO TÊNIS BRASIL!!!

    Mais uma vez, PARABÉNS MESTRE!!!

    E obrigado por nos aguentar…kkkkkk

    Responder
  138. Sergio Gonçalves

    Assim que terminou a peleja liguei para Roger Federer. Sim, sempre ocultei minha amizade com o Craque para não provocar um número recorde de rompimento de aneurismas entre alguns infiéis que frequentavam esse sacrossanto espaço.
    A conversa foi curta. O Contido Craque Suíço emocionou-se. Perguntou por que o meu camarada Rafael Wuthrich estava tão pessimista nos dias que precederam uma partida que ele obviamente venceria. Apaziguei-lhe a alma: na verdade, o meu querido Wuthrich tinha lá suas razões, mas nunca deixou de crer. Indagou, entre soluços, se o Dalcim capricharia num texto sobre seu êxito no AO. Assegurei que sim, que o estóico José Nilton assim o faria ( mas sempre fazendo o possível para não enfurecer a turba de seguidores dos robozinhos que vem dominando o tênis nos últimos anos).
    Apesar dos apelos de Mirka (eu podia ouvi-la ao lado), o Fofoqueiro Craque Suíço queria saber se eu havia gostado do trecho do discurso que que ele afirmara que dividiria com prazer o troféu com o Siri ( ele adora esse apelido). Respondi que ninguém acreditou naquilo, mas tudo bem: naquele momento, como bem dizem os anglófonos, “it was all fun and games”. E reafirmei: mesmo na hora de mentir ele superava o Siri, que declarou estar feliz com o resultado final mesmo exibindo o semblante de quem acabara de engolir uma colher de sopa de pau-pereira.
    Apesar da minha insistência em me despedir, o Majestoso Craque Suíço queria mais. Falou-me dos problemas que enfrentou recentemente: ele esta envolvido em uma ação trabalhista movida por Arminda, babá sergipana que cuida de suas crianças. Um dia, por descuido, o Craque esqueceu-se da presença da dedicada serviçal e caminhou por sobre as águas da piscina para encurtar o caminho até o banheiro, o que provocou um surto em Arminda. Mas parece que o assunto já está bem encaminhado.
    Finalizando, o Decidido Craque Suíço decretou que meu retorno a esse espaço de debates se fazia necessário, pelo menos agora (afinal, eu havia jurado dar uma pausa ao meu querido Dalcim, o Calmo).
    E assim o faço. Feliz com a vitória sobre o Siri Careca. Tinha que ser contra ele, jamais contra o Baby Federer ou Raonic (cada dia mais parecido com o Tropeço, da Família Adams). Alguns afirmam que minha ojeriza pelo Siri deriva de seu retrospecto contra o Craque. Tolice. Minha aversão começou antes mesmo de ver o inventor do tênis-tacape torturar a bolinha pela primeira vez. Desde o dia em que vi aquele cruzamento de Rambo com figurante de apache em filme americano, ficou claro que Nadal e eu somos incompatíveis. Nadal é capaz de proezas: quanto mais fluente se torna em inglês, mais incompreensível. Mas, enfim, Nadal acabou, como venho insistindo.
    O Craque aceitou meu pedido de encerrar a conversa. “Você precisa atender os demais”, observei, comedido, equilibrado e imparcial como sempre fui.
    Ele mandou um grande abraço para o companheiro Fernando Brack e dois para o compadre Rafa Medeiros.
    E concluiu com uma indagação: “será que o Dalcim duvida de mim depois dessa?”.
    Jamais, disse eu, jamais.

    Responder
      1. Rafael Medeiros

        Dalcim, nosso amigo Sérgio possui uma desenvoltura nata para a crônica, não? E pra ser bom cronista é preciso muito mais do que um romancista. Meu preferido, Saramago, começou dessa forma.

        Já li e reli, e sempre dou altas risadas na parte da Dona Arminda. Fora os adjetivos para o Craque Suíço.

        Compadre Sérgio, transmita ao Craque meus sentimentos de admiraão, devidamente renovados.

        Excelente!

        Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Grande Camarada Gonçalves. Diga ao Craque que explico.meu pessimismo: Diante de algumas derrotas inexplicáveis para o “tênis-tacape”, mesmo em fase melhor e jogando melhor o torneio, reparei que eu sempre apostava no Mestre com argumentos técnicos e palpites matadores. E colocava tudo a perder.

      Pensei então: eu zico o Craque. Sempre que eu aposto nele ele perde de forma dolorosa. Essa é grande chance dele contra o algoz de sempre. Farei portanto diferente: dadas as circunstâncias, apostarei tudo em Nadal. Tudo conspira a favor do espanhol: idade, retrospecto, nível no torneio, histórico em Slams, em finais, no AO, em jogos melhor de 5 sets, 10 anos de derrotas em Slam, além do ganchão no backhand. Acho que até a raquete de Federer pensava em derrota. Aí imaginei que assim, tiraria a ziza e transferiria ao espanhol de Manacor. Eis que deu certo, com direito a virada milagrosa no 5o set.

      Para confirmar a verdade, veja meu palpite no post das apostas. Foi a única coisa que não pude esconder do Craque: minha torcida.

      Abração e apareça mais vezes. Imagino seu mamute agora.

      Responder
      1. Sergio Gonçalves

        Obrigado a todos os amigos pelos exagerados elogios. Camarada Wuthrich, estarei com o Craque semana que vem (ele insiste) e darei seu recado. Meu mamute? Faleceu de tédio recentemente. Abraço!

        Responder
    2. Cássio

      Mais um talento a serviço do GOAT. Coincidência?! Jamais. Nunca serão!!!! hahahaha

      Crônica engraçadíssima. Havia esquecido de parabenizá-lo, assim como o Pessanha, seletos membros da torcida do Craque. Parabéns aos dois!!

      Responder
    3. Fernando Brack

      Muito bom, meu prezadaço Gonçalves. Agora a pergunta: o Mestre vai ter que ganhar mais
      Slams pra você voltar aqui? Esse espaço se ressente de sua ausência. Grande abraço

      Responder
      1. Sergio Gonçalves

        Cassio, Brack e Marcão, muito obrigado. Tentarei aparecer de vez em quando. Marcão, adorei seu texto sobre o mágico. Emocionante. Abs

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      O que eu achei curioso foi que a maioria do blog dava como certa a vitória do Nadal.

      Mas na hora de inserir os palpites, a diferença em favor do suíço era o dobro. rs.

      Outra coisa engraçada foi um que palpitou: TRIPLO 6/0 pra Rafael Nadal.

      kkkkk

      Responder
  139. Clever Eduardo Silva

    Dalcim, em primeiro lugar, parabéns por este blog que se tornou a meca de todos os amantes de tênis da língua portuguesa. Os seus textos sempre foram equilibrados, sem caírem na mesmísse, sempre foram justos, sem deixar de se posicionar, sempre foram objetivos, sem deixar de trazer um pouco de poesia. Muito obrigado mesmo.
    Houve muitos momentos em que a sessão de comentários me deixava irritado e até indignado. Já não penso mais assim e creio ter aprendido um pouco com sua pessoa sobre a paciência de Buda.
    É claro que é mais fácil escrever hoje, afinal, nós torcedores do suiço fantástico estamos de alma lavada. Muita coisa já foi falada aqui e eu não vou repetir análises, mas não podia deixar de postar este vídeo hilário de John Mcenroe, que, afinal, parece tanto com o que eu mesmo senti.

    https://www.youtube.com/watch?v=XvHK7QRG6MM

    Abraço!

    Responder
  140. mario chrispim

    Sabe que sou fã de seus comentários desde que revelei isto quando me deu a oportunidade de registrar por fotografias a Copa Davis, em BH, entre Brasil e Equador. Achei seu comentário pertinente ao momento e espero que Federer possa nos proporcionar lindas jogadas ainda. Acho que Nadal vem com tudo na temporada de saibro e fico sempre me perguntando: Por onde anda a eficiência de Djoko? Não falta a Murray atitude de número do um do mundo?

    Responder
  141. Luis

    Dalcim passado o êxtase de ontem com Federer mais uma vez surpreendendo o mundo do tenis rs,o que achou do atendimento que pediu parece que não foi grave ? tanto que pulou na comemoração rs,sobre os títulos chega a 89? perto de bater a segunda marca 94 se não me engano rs,obrigado Federer pelo que fez a gente sentir nesse domingo ficara’ na nossa lembrança a volta de um fora de serie como vc disse no texto como tenista e como pessoa,acredito que muitos se emocionaram no choro do suíço acredito que vc também Dalcim,elogiando Nadal pela final e foi muito legal depois da partida aquele sorriso do espanhol foi legal rs,aguenta o Logico rs,parabéns o Luiz Fernardo pelo Nadal fez grande final

    Responder
  142. FRANCISCO

    http://espn.uol.com.br/noticia/666214_tio-de-nadal-diz-que-trocaria-freguesia-sobre-federer-por-seus-17-titulos-de-grand-slam

    E ainda tem pessoas que falam que h2h é sinônimo de quem foi melhor.

    “Logo houve mais rivalidades como Federer x Djokovic, Djkovic x Rafael, depois com Murray, mas não é o mesmo. Naquele tempo era muito marcado o Federer x Nadal, não havia ninguém mais que pudesse se comparar a nível de marketing, de significado para o esporte”.
    Tony Nadal

    Acalmem-se torcedores do Novak, quem sabe um dia ele chegue.

    VAI DAR CERTO, ACALMEM-SE.

    Responder
    1. tulio

      Concordo, a rivalidade entre os dois foi além do tênis, as pessoas que não acompanha este esporte começou a acompanhar só por causa dos dois. Acho difícil alguém neste esporte supera-los

      Responder
    2. André Barcellos

      Novak é um grande tenista, um dos maiores, mas é impressionante o quanto está atrás em termos de público.
      Estive no Finals de 2015 e vi Federer vs Novak, na fase de grupo. Também já vi outros jogos do Fedex, mas o que me impressionou no finals foi o quanto de público Novak NÃO tinha.
      Federer parece uma estrela do rock quanto entra pra jogar. No dia, parecia que estava jogando com qualquer outro, menos o número 1.
      Muito doido isso…

      Responder
  143. Leandro Guimarães Alicke

    Mestre, que Vitória do maior de todos!
    Como alguns já disseram, emocionante, de arrepiar!
    Ontem o dia foi só de comemorações! Impressionante como a Vitória (espetacular) de nossos ídolos mexem com a gente.. RS, nada estragaria esse domingo!
    Parabéns peloe melhor espaço de tênis do Brasil, quiçá do mundo!

    Quais as próximas paradas de Federer agora, pós A.O.?
    Grande abraço!

    Responder
      1. Nando

        Ele vai jogar em Miami? eu pularia esse aí, conforme aquele calendário q eu te passei e vc concordou com ele rsrs, a não ser q os promotores estejam pensando em aumentar a velocidade do piso ou ofereceram uma boa grana pra ele participar.

        Responder
      2. Pieter

        Ele bem que poderia desistir de Miami pois tem um piso muito lento o que não o favorece nem um pouco…
        Tenho dúvidas se irá mesmo jogar lá…

        Responder
  144. Augusto Montenegro

    Nossa quantos comentários. kkkkkkk
    Parabéns a Roger King Federer. Realmente, temos que tirar o chapéu para sua carreira vitoriosa. Já sua torcida, peço desculpas, mas ô torcida chatinha… hahahahaha Tem que ter alguma coisa para estragar.

    Responder
      1. Augusto Montenegro

        Rodrigo, eu faço esse juizo de valor todos os dias, se estou julgando a torcida de federer por ser torcedor de Djokovic, no sentido de não tentar cometer uma injustiça, porém penso que não. Comparo os torcedores de Federer aos torcedores de Cristiano Ronaldo na chatisse.

        Responder
  145. Marco Dias

    Alguém mais teve a sensação de que o “sumiço” do forehand do Federer no segundo set foi o que elevou a sua confiança no backhand?! No primeiro set eu achei que ele não estava com a esquerda tão “on fire” assim. Aí, no segundo ele errou tudo de direita e o revés passou a ser o seu golpe mais consistente. Ganhou confiança e quando o seu FH “voltou ao normal” passou a bater igual dos dois lados. Sei lá, parece maluco, mas a perda do segundo set daquela maneira, a meu ver, lhe ajudou nesta parte.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Poderia ser também uma queda natural de rendimento de um set para outro, afim de se poupar fisicamente, já prevendo um jogo longo com o Nadal.

      Responder
  146. Gildokson

    Muito bom chegar no meu trabalho hoje e ouvir dos meus amigos que só entendem de futebol.
    “Ow aquele cara la que tu torce ganhou do outro que ele era freguês neh”
    Sempre foi uma tarefa difícil tentar colocar dentro da cabeça de pessoas que nem acompanham tênis, que aquele cidadão que perdia sempre para outro, era considerado o MELHOR DE TODOS. Ontem Federer tirou um piano das minhas costas, eu sei que a vantagem ainda é de Nadal, mas é muito bom saber que Federer podia sim e pode vencer Nadal em melhor de 5 novamente, em uma final de Slam novamente, em um jogo histórico novamente.

    Responder
  147. Neto

    Grande abraço Dalcim, eu sempre leio seus posts sobre tênis e acho vc é um dos melhores comentaristas, ontem realmente foi épico para todos nós que torcemos por esse gênio das quadras e de um carisma fora do normal, vamos aproveitar o momento e curtir cada slice, direitas, esquerdas e todo o arsenal desse gênio chamado Roger Federer, Nadal está de parabéns tb, impressionante a força desse touro miura, merece brilhar por muitos anos ainda, vida longa aos dois !!!!

    Responder
  148. Fabio F

    Bom doa a todos(as).
    Evitei escrever aqui ontem no calor das emoções.
    Estou feliz pela vitória de Roger, principalmente pelo estímulo que ela pode proporcionar aos tenistas considerados “idosos” (uma bobagem sem tamanho, por sinal) a a todos aqueles que acham que seu sonho seja impossível.
    Vou me abster de comentar tecnicamente a partida, por assumida falta de capacitação técnica para tanto e por considerar desnecessário, diante de tantas análises aprofundadas e bem escritas que li por aqui.
    Quero destacar, além do belíssimo e emocionante artigo do Dalcim, o nível civilizado dos comentários, principalmente dos amigos não simpatizantes do vencedor. Essa elegância mostra grandeza é tão importante quanto as análises técnicas ou as brincadeiras divertidas (e respeitosas) que alegram o clima do blog.
    Dalcim, você mereceria uma homenagem e um prêmio da ATP ou da CBT por tudo que tem feito por nosso amado esporte. Você certamente contribui decisivamente para estimular o crescimento da paixão tenística no Brasil.
    Grande semana a todos(as) e um 2017 repleto de emoções inesquecíveis, como experimentamos nas nessas duas passadas!!
    Viva Federer, vida longa a ele a Nadal!

    Responder
  149. Maressa

    420 é o recorde de comentários, Dalcim? Então vamos bater logo esse recorde, porque, um texto lindo desse, falando do maior de todos os tempos, merece.
    Que jogo! Que dia! Não acompanho tênis há tanto tempo assim e quase não falo por aqui (só uma vez, na realidade), mas seeeeempre leio seus textos.
    Na conquista de WB 2012 eu já era admiradora do tênis do Federer, mas era algo recente. De lá pra cá, aprendi a admirá-lo ainda mais, e sofria o vendo perder em tantas finais de GS para o Djoko, por isso, hoje, foi memorável.
    No futebol, costumam dizer que ganhar é bom, mas da Argentina é melhor ainda. Acho que no tênis pode-se dizer que ganhar GS é ótimo, mas ver Federer ganhar e sobre seu maior desafio é melhor ainda… rsrs E não que ache que deva existir no tênis essa rivalidade absurda do futebol, principalmente porque, pra quem gosta de tênis, não dá pra não admirar um cara como o Nadal.
    E agora Dalcim, o que esperar de Roger em 2017? Quais seriam suas previsões mais otimistas? rsrs

    Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pretendo até falar disso no próximo post, Maressa, mas o vejo com enorme motivação. A questão ainda é o físico estar muito bem, algo essencial no circuito de hoje.

      Responder
  150. Nando

    Bom dia a tds, aquele smash q o Rei errou foram a ” lá Djokovic”” hein kkkkkkkkkkkkkkk, ele até riu e lembrou dos erros do sérvio nesse fundamento kkkkkkkkkk

    Responder
    1. Marco Dias

      hahahahahaha… bem observado! Nesse erro e naquela direita na mão no meio da quadra que ele jogou pra fora eu tive vontade de estapear o Federer!!!

      Responder
  151. Carlos Alberto Alves

    Bom dia a todos. Assim como muitos escreveram aqui eu acreditava no rei, porém com uma certa dose de desconfiança, até porque o histórico entre eles sempre foi favorável ao touro. Quando o Nadal quebrou no início do 5o set, também achei que não daria mais, no entanto continuei acreditando e deu no que deu. Quem é Federer de coração como eu e muitos aqui foi impossível não ir às lágrimas. Agora para coroar em Wimbledon tem que ser em cima do Djoko. Mestre Dalcim você como profundo conhecedor de tênis acredita que o Delpo possa incomodar nesta temporada?

    Abs a todos,
    Carlitos.
    Obs: Desculpe minha ignorância, mas o que significa GOAT, que vários amigos postam aqui.

    Responder
  152. Robson Borges

    Bom dia pessoal!

    Sem dúvida foi um grande jogo, digno de uma grande final. Finais em 5 sets como Wim 2008 e Ausopen 2009, são sempre empolgantes.

    Como já se falou bastante do jogo, domínio distinto em cada momento, 73 Winners x 35 para o Federer é o grande mental no quinto set, gostaria de apontar a cerimônia.

    Foi bonito de se ver, apesar de preferir um tênis agressivo e variado, aprendi a respeitar e torcer por Rafa. É um multicampeão, com muito respeito aos demais. A postura dos dois ontem, com comentários precisos e descontraídos, mostra o respeito e profissionalismo de ambos. Bem diferente aqui do blog, rsrs…

    Cerimônia digna do maior clássico do tênis, pois são os maiores vencedores de majors, juntamente com Pete. Além dos recordes, também possuem maior torcida e audiência, um Barcelona x Real.

    O que não é nenhum demérito ou crítica ao Djokovic, que já está no calcanhar do Nadal em termos de história. Se pudesse, diria ao Djokovic o mesmo que Federer disse para o time do Nadal: para continuar firme e se manter no circuito, pois o tênis precisa dele.

    Como sempre digo prefiro o Big3, termo mais mais adequado.

    2017 começou de forma sensacional, tomara que continue assim, o torcedor apenas tem a ganhar.

    Abraço!

    Responder
  153. Marquinhos

    Prezado Willian,

    Eu estava no Brasil e voltei pra cá quando os jogos já estavam nas semi -finais. Quem sabe no ano que vem, pois estarei aqui! Mas poderia fazer um esquenta no atp-250 de Sydney, onde moro. Abs!

    Responder
  154. Marquinhos

    Querer colocar Novak no mesmo patamar que Federer na história realmente beira o ridículo! Não existe lógica nem mesmo argumentos. Típico pensamento de alguém totalmente alienado, teimoso e fanático!

    Responder
    1. Klaus

      Lembrando que naquela final do AO 2009 Federer fez mais pontos no total do que Nadal, mas perdeu o jogo. Talvez por isso tenha sido tão doída aquela derrota.

      Responder
  155. Roberto Cavalcante Barros

    Dalcim, Gosto muito do jogo do Del Potro, você não acha que em 2009 para 2010 ele vinha pra ser número 1 do mundo?
    Antes da Primeira lesão no pulso quando perdeu pro Cilic no Australian open.

    Responder
  156. Rodrigo S. Cruz

    Enfim.

    Aos foristas:

    Pessanha, Marquinhos, Lógico, Márcio, Marco e demais amantes do tênis-arte, um brinde ao 18° título de major do RF.

    E que mais conquistas venham por aí.

    Abs.

    Responder
    1. Márcio Souza

      Opa!

      Um brinde para todos nós que sofremos esses quase 5 anos sem titulos de GS mas que nos mantivemos firmes e sabiamos que uma hora o suiço iria dar a volta por cima, mesmo diante de alguns “pseudo torcedores de outros tenistas inferiores” terem aposentado ou decretado o fim do Federer.

      Um brinde ao GOAT e a todos nós!!!

      Valeu parceiro!

      Responder
  157. Julio Calleja

    Dalcim, vendo as estatisticas do jogo no site da ATP, um fator me supreendeu. O Federer teve melhor percentual em todos quesitos de ralis, seja de 0 a 4 troca de bolas, 5 a 8 e mais de 9 trocas…Incrivel!
    Rally Length Won / Lost
    0-4 Shots Federer 95 / Nadal 89 (+6)
    5-8 Shots Federer 37 / Nadal 34 (+3)
    9+ Shots Federer 18 / Nadal 16 (+2)

    Responder
    1. Pieter

      Isto evidencia a inquestionável melhoria da consistência no fundo de quadra do Federer ou o fato de que o Nadal já não é mais o mesmo? O próprio Dalcim achou o espanhol um pouco mais lento, algumas vezes, durante o jogo… Fiquei na dúvida… Mas são números surpreendentes!

      Responder
    2. Júlio Marinho

      Muito legal essa informação, Julio. Mostra bem o quanto ele jogou bem e que pode, em boa forma, sustentar ralis de forma ofensiva e não kamikaze.
      Abraço

      Responder
  158. Maurício Neves

    Olá Dalcim,

    gostaria de registrar meu agradecimento ao Federer por ele ser O JOGADO CLÁSSICO COMPLETO.

    Ele é como uma orquestra, muitos para formar 1.

    E ao Nadal por ter tornando o jogo especial.

    Preferi ir para a quadra e ver o jogo gravado depois. Dia perfeito.

    Boa semana para todos.

    Responder
  159. Jeremias

    Dizer que Djokovic derrotou Nadal por conta das lesões deste ocupa um lugar de destaque nas lendas urbanas tenisticas mais idiotas já espalhadas, não por torcedores do espanhol, que fique claro, mas por fedtards.

    Responder
  160. Fernando Pauli

    Dalcim
    Você não acha que o Pat Cach pegou pesado?
    Ao declarar:
    “Você não pode parar em uma maratona se está cansado. Era algo que realmente necessitava de atendimento médico ou era apenas cansaço. Se era cansaço, então é uma perda de condição”, disparou Cash.
    “Não posso enfatizar o quão mal esse tipo de atitude é supervisionado ou avaliado pela equipe médica durante o circuito É errado, completamente errado. Isso é trapacear e está sendo permitido. É uma trapaça legal, mas continua sendo errado”

    Responder
  161. Fernando Pauli

    Dalcim
    É impressão minha ou o Federer gosta de bater a bola ao ir para a rede para matar o ponto em cima do Nadal? Pois quase todas as vezes que faz isso perdeu o ponto. Revi a partida de 2009 e isso aconteceu aos montes também. Acho que só no final da partida ele mudou um pouco. Tem a ver com a leitura que o Nadal faz do golpe do Federer?
    Belo texto como sempre, abs.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Existe uma regra básica no tênis: contra um tenista que corre muito, tente sempre o contrapé. Federer tentou isso, mas Nadal ou leu muito bem (ele é um mestre nisso) ou tentou se poupar fisicamente e evitou a correria.

      Responder
    2. Júlio Marinho

      Fernando, isso estava me dando nos nervos também. O outro lado vazio e indo no contra-pé. Mas o contra-pé, quando dá errado, dá uma sensação meio equivocada que o cara fez uma tremenda burrice. Quando o Federer bate o forehand dá para ver que ele espera um segundo para ver a movimentação e dificilmente erra o lado, mas no voleio ele normalmente não tem esse tempo extra.
      Abraço

      Responder
  162. Rodrigo S. Cruz

    Federer venceu na Austrália (palco em que Djokovic é fortíssimo) sem favoritismo.

    Nadal mostrou que tem muita força ainda, e já surge como promissor candidato a Roland Garros.

    Djokovic, Federer e Murray são os favoritos de sempre para Wimbledon.

    E Stan, Federer e Djokovic, os favoritos pro Us Open.

    Em meio a tudo isso, ainda temos nomes como Del Potro que com certeza vai se dedicar muito à preparação pro Us Open, e notáveis talentos da nova geração como Sasha Zverev e Nick Kyrgios tentando mostrar o seu valor.

    Que temporada nos aguarda, senhoras e senhores…

    Responder
  163. Marcos Castillo

    Dalcim, que torneio fantástico! O que mais curti nestas duas semanas foi um breve diálogo que tive com minha filha de nove anos (que não joga e nem acompanha tenis) durante o jogo do Federer contra o Melzer:
    -Pai, é o Federer?
    -É, filha!
    -Ele voltou?
    -Voltou.
    -Que legal!

    Estou há muito tempo sem escrever no blog (claro que leio todos os posts),mas não aguentei não compartilhar! Parabéns pela cobertura.

    Responder
  164. Vítor Barsotti

    Sensacional! Hoje com certeza é o dia esportivo mais fantástico de que me lembro. Fedal na final de um Slam novamente depois de tanto tempo e com uma baita vitória do suíço ainda por cima. Torceria para Nadal, provavelmente, se o adversário fosse outro, mas contra Federer, impossível. Esse cara é de outro planeta! Foi emocionante, depois de tanto tempo e duras derrotas ver novamente ele triunfar num Slam, sobre Nadal, num 5o set e de virada. Jogou demais, como um verdadeiro campeão que é. Assim como o espanhol. E para fechar com chave de ouro, esse post magnífico do Dalcim. Mestre, me emocionei com o jogo e depois com tuas palavras. Resumindo: genial!

    PS: E ainda na final feminina tivemos o clássico entre as irmãs Willians. Seria muito legal se Vênus vencesse, mas desta forma ficou ainda melhor pois os títulos ficaram nas mãos do maior e da maior jogadora da atualidade, e quem sabe, de todos os tempos.

    Responder
  165. tulio

    Então vamos bater este recorde de comenrádios Dalcin, sou torcedor do Nadal, mas hj torci para o Federer, uma vez que o recordes de Major tem que ficar em suas mãos, agora será difícil ter uma rivalidade no tênis igual a esta. Sadia, respeito mútuo, quanto a ser os 10 maiores esportista da história, pra mim só Pele, Jordan e Ali está acima dele, aí depois ele está embolado num bolo de uns vinte. Abraços, que texto, acho que todo mundo que acompanha seu blog, depois de uma final como esta fica de minuto a minuto atualizando o seu blog na espera de seu texto rsrs

    Responder
      1. Fernando Pauli

        Dalcim
        Com o dizer “recorde batido” parabéns você e sua equipe merecem.
        Mas fiquei curioso em que ocasião o recorde anterior de 420 comentários foi estabelecido?
        Abs.

        Responder
  166. Rafael Guedes

    Dalcim, tem uma coisa que me intriga muito e que venho perguntando a mim mesmo já há algum tempo. Embora tenha ganhado este último confronto, por que Federer tem um retrospecto tão negativo contra Nadal? Como o jogador que é considerado o maior e melhor tenista de todos os tempos pela grande maioria pode ter um retrospecto tão negativo com um oponente, perdendo pra ele até mesmo no auge da carreira? O que explica isso?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Rafael, já fizemos longas discussões aqui sobre isso e basicamente é uma questão de estilos que não se encaixam. Federer bate backhand com uma mão, joga em cima da linha. Nadal usa muito giro na bola, é canhoto para complicar tudo. Um ataca, o outro defende com maestria. Quando se ataca, a chance de cometer erros é bem maior. Quando se ataca o Rafa, é preciso sempre ir muito perto da linha.

      Responder
      1. marcocam11

        Sou meio que desconfiado da análise dessa performance favorável ao Nadal nos confrontos diretos, pois se analisarmos o fato do número de GS ganhos por Federer e mais os que chegou a final, há de se observar que chegava em todos, inclusive Roland Garros (foram 5 finais, uma ganha), sendo que Nadal não ia a tantas finais de Slam. E suas vitórias se tornaram mais constantes quando Federer iniciou a fase “inferior” (nem sei quantas finais, semi, e torneios ganhos foram, mas menos do que sempre acontecia). Estou muito errado no meu raciocinio Dalcim? Quero deixar claro que não estou desfazendo de Nadal, apesar de não me agradar seu estilo de jogo, é sem dúvida um vitorioso.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Como sempre, o confronto direto dá margem há inúmeras interpretações e a sua não é inválida. Temos ainda de considerar que o circuito foi ficando cada vez mais lento, a bola principalmente muito mais pesada e a conjuntura favoreceu o estilo e o físico de Rafa. É inegável no entanto que o espanhol tem um mental superior e uma aplicação tática enorme.

          Responder
      2. Paulão

        Essa sempre foi a estratégia do Nadal. Bombardear a esquerda do Federer na cruzada e com muito spin até ele errar ou jogar uma mais curta para ele aplicar o winner. A troca de bolas rápidas de backhand ou mesmo o slice não tinham eficiência e o Federer teimosamente insistia, talvez se recusando a mudar seu estilo de jogo. Dalcim, seria a mudança de estratégia, com bolas altas e mais lentas, muitas na paralela, que a meu ver foi decisivo para a vitória, uma questão de finalmente entender que precisava fazer algo diferente?
        Parabéns pela matéria!!!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Bom, Paulão, não é exatamente uma novidade. Em todas as vitórias do Federer sobre o Nadal, jogar bem com o backhand foi um ponto crucial. Porém eu já alertava para a tática que ele usou no Finals de anos atrás quando insistiu no backhand angulado na altura do T, sempre que Nadal estivesse 3 passos atrás da linha, geralmente após se defender de uma paralela. Djoko usa isso à exaustão.

          Responder
      3. Rafael Guedes

        Acho que a teoria de perder para o Nadal porque ele se defende bem e força o oponente a arriscar muitas bolas fortes e encima da linha não é verdadeira. Se fosse, o seu retrospecto contra Djokovic também seria péssimo (é equilibrado), já que o sérvio se defende como ninguém. Mas concordo com a hipótese da bola cheia de spin e na canhota complicar a vida do Federer, cujo BH é de uma mão. Achei ela mais plausível. Valeu, Dalcim.

        Responder
    2. André Barbosa

      Rafael,

      Acho (e isso é só a minha opinião) que a resposta é relativamente simples: Se você olhar o H2H entre os dois, verá que está 23 a 12 para o Nadal, sendo que:
      Clay: Nadal, 13 a 2 / Hard: 9 a 9 / Grass: Federer, 2 a 1

      Se você descontar os jogos no saibro, verá que fica 10 a 10, o que demostra equilíbrio. Duas coisas devem ser consideradas:
      1 – O Nadal é o melhor tenista sobre o saibro de toda a história, sem sombra de dúvidas;
      2 – Apesar disso, Federer sempre chegou as finais de RG e Masters no saibro, parando exatamente no Nadal. Por outro lado, Nadal não chegava nas finais de torneios em quadras dura com a mesma frequência e, portanto, não enfrentou Federer em condições que teoricamente seriam mais favoráveis ao suíço.

      Abs!

      Responder
      1. Rafael Guedes

        Concordo com isso, André. Federer deu azar de pegar o maior jogador de saibro da história jogando na mesma época. Mas ainda sim, isso não justifica uma lavada de 13×2 nesse piso É abismal a vantagem. Para compensar, o suíço deveria devolver a lavada na quadra dura e na grama, onde ele reina. Mas, como você mesmo registrou, o retrospecto termina em empate. Inclusive, no auge da carreira, Federer perdeu uma final de Wimbledom em 2008 e uma final de AO em 2009 para o Nadal. Acho que a única explicação é que o jogo do Federer definitivamente não se encaixa no do Nadal; provavelmente, como Dalcim disse acima, porque Nadal é canhoto e judia do BH de uma mão do Federer com bolas cheias de spin.

        Responder
      2. alexpicelli

        Dalcim, este 18 GS me parece que trouxe junto com ele a sensação de “pronto terminei”, não coloco isso devido a entrevista, ainda em quadra, mas pela sensação que este GS deixou para o Federer e também seus torcedores.
        O senhor também esta achando isso?

        E parabéns mais de 500 postagens

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Acho o contrário, Picelli. Acho que, acontecendo tão no começo da temporada e exatamente no seu retorno, é uma motivação gigantesca para tentar mais em 2017.

          Responder
  167. jose carlos

    Mestre Dalcim,

    sei não,mas se o Roger jogar mais 3 anos bem, os 109 títulos do Connors e as 1253 vitórias ficarão ameaçadas.como vc escreveu:jamais duvide de Roger Federer hehehe.Grande abraço!

    Responder
  168. Leonardo

    De forma alguma querendo desmerecer o suíço, mestre, que realmente joga demas. Mas se pararmos para pensar, após o surgimento de Nadal, Federer conquistou 14 slams, assim como o o espanhol, e o Djokovic, 12. Olhando esses aspectos, você não acha exagero considera-lo o maior de todos os tempos?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não gosto mesmo do termo ‘maior’, Leonardo, porque isso é um critério bem discutível. Prefiro sempre me referir ao Federer como o ‘melhor’ por toda sua indiscutível capacidade técnica, física, emocional e carisma. Abs!

      Responder
  169. Leonardo

    Dalcim, tenho visto muitos comentarios, principalmente depois de hoje sobre o Federer ser o maior tenista de todos os tempos. Realmente o suíço tecnicamente se diferencia dos demais. Mas tenho um pensamento que um tenista não é feito apenas dá parte técnica. Temos também o aspecto físico, mental e tatico. E, nesses pontos, acho que Nadal e Djokovic são superiores ao suíço. Não acompanho tênis há tanto tempo quanto você, por isso queria sua opinião. Tenho a impressão que a geração do Federer, a exceção do próprio, foi muito inferior a geração de Nadal, Djokovic, Murray e CIA. E que isso facilitou muito o suíço em alcançar os 18 títulos de Slams. Considerando que a geração de Nadal se iniciou no circuito em 2005 (nesse ano, Nadal e Djokovic tinham 19 e 18 anos, respectivamente), Federer ganhou 14 slams, mesmo número de Nadal. Considere também que Nadal foi o mais precoce de sua geração, e que, por ser um jogador de origem no saibro, levou 3 anos para obter algum resultado em um slam fora da terra batida (sendo que 3 slams são disputados em quadras mais rápidas). E Como o Djokovic levou mais tempo até atingir resultados mais regulares, Federer acumulou 8 slams entre 2005 e 2007. Como ele já havia ganhado 4 entre 2003-04, significa que, após a estabilização dá geração encabeçada por Nadal e Djokovic, Federer conquistou apenas 6 majors.

    Responder
  170. Reinaldo Maduro

    Dalcim, ja da para pensar que Zverev, Dimitrov, Thiem, Raonic serao candidatos a beliscar algum GS este ano? Se fosse pensar em Big Five, voce colocaría o Stan ou o Delpo na lista? Parabens pelo blog. Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Stan, com certeza, Reinaldo. Mas torço demais para Delpo entrar nessa faixa novamente. Acho que ainda não dá para apostar num Slam. Dimitrov fez um belo torneio, parece ter recolocado a cabeça no lugar mas ainda teremos de aguardar para ver.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Me parece que no caso de Raonic, Thiem e Nishikori a questão física ainda parece barreira clara. Nishikori tem caído muito de produção no fim dos jogos, principalmente em 5 sets; Raonic tem sentido o físico após partidas duras seguidas, acusando pequenas lesões; e Thiem tem pagado pelo excesso de torneios e falta de maior pré-temporada e preparação física. Zverev é inexperiente (ainda) e Kyrgios, melhor tenista fora do big 4+ Wawrinka e Delpo, completamente maluco e sem técnico.

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        É, Dalcim.

        Mas antes do torneio você também não apostava nem mesmo que Federer avançasse além das duas primeiras rodadas.

        E olha o aconteceu…

        De jogadores da qualidade de Federer, Delpo ou Nadal, pode se esperar tudo.

        rs.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          A questão não era a qualidade do Federer, mas seu preparo físico e a retomada do ritmo competitivo. Acho que tudo mudou depois da vitória magnífica sobre o Berdych.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Não falei de qualidade técnica, mestre.

            Por óbvio.

            Ainda mais você que sempre exaltou a qualidade de todos.

            Eu só quis frisar que a única coisa que impede o Delpo de jogar em alto nível por duas semanas é o físico.

            Mas que esses caras surpreendem. De uma hora pra outra podem mostrar um bom preparo físico também.

  171. Gabriel F.

    Dalcim, antes de mais nada, que tensão, que jogo histórico, que final! Acho que vamos ter que esperar alguns anos até termos uma final de slam memorável como essa.
    E claro, parabéns pela cobertura de todo o Australian Open, nos comentários do placar e principalmente nos posts, sempre milimetricamente construídos, sem uma palavra fora do lugar, sem nenhum excesso, sempre levantando os pontos exatos de cada debate, de cada rodade, de cada jogo. Parabéns, seu blog é realmente muito bom.
    Por fim, queria só deixar uma perguntinha: Se Federer pode sonhar com Wimbledon, por que não, Hale, Dubai, Basileia, talvez Cincinnati, uma boa campanha no USOpen e no finals, uma temporada que promete ter muita gente dividindo os pontos…não dá mesmo pra ele entrar na briga pelo n°1?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Claro que dá, Gabriel. No entanto temos sempre de pensar que número 1 é fruto de consistência, de regularidade de resultados num nível muito alto. Qualquer um que se candidate a terminar o ano lá na ponta – e Federer só poderá sonhar com isso lá em novembro, como aconteceu com o Murray em 2016 – terá de ter esse predicado. Se galgar suas posições através dos pisos mais velozes, é perfeitamente possível. Mas veja: três 500, um 1000, um Slam de 2000 e o Finals de 1500, mais a Austrália, pontuam na casa de 8.000 pontos. Ainda me parece pouco. Ele teria também de ir muito bem no US Open, por exemplo. É uma tarefa árdua, mas não impossível. Abs!

      Responder
      1. Gabriel F.

        Tem toda razão, Dalcim, como sempre, se formos pra ponta do lápis, fazendo as contas, não há como fugir, o tenista tem que ter campanhas consistentes em vários slans e vários masters, talvez não fosse tão caro assim em outros tempos, mas hoje em dia Murray e Djoko são consistentes demais, pra cada campanha ruim, fazem cinco boas nos grandes torneios, seja qual for piso e ainda que não sejam campeões.

        Ps.: Respondendo comentário ainda essa hora, homem, te dá teu merecido descanso.

        Responder
          1. FRANCISCO

            Quem diria mestre, Roger com 35 anos e meio, ganhando Major, quase sete meses parado, e essa discussão sobre ele poder voltar ao número 1 vir a tona.

            SENSACIONAL, MESTRE DALCIM.

            Abraços

    2. Pieter

      Gabriel, não nos esqueçamos de que o Federer foi poupado de ter que enfrentar os dois melhores jogadores do mundo neste AusOpen. E o seu adversário na final foi um Nadal que, a bem da verdade, já não mais está no seu auge e havia vencido uma extenuante semifinal de quase 5 horas, um dia depois do suíço.
      E o próprio Federer lembrou no seu discurso, ainda na quadra, que pretende voltar mas isso só será possível se continuar saudável. Aos 36 anos incompletos essa é uma dúvida totalmente pertinente. De uma hora para outra o corpo pode acusar anos de desgaste…

      Responder
  172. Marcos Marinho

    Dalcim, acho que este seu post vai bater todos os recordes de audiência e números de comentários no seu blog. Que história fantástica do Roger. Cinco anos sem um troféu deste calibre. Deixando escapar três vezes, sendo que em 2014 de forma muito dolorosa, em um jogo muito parelho. Aí veio a lesão, interrompendo sua ascensão desde que contratou Edberg. Seis meses sem jogar, uma chave difícil, maior rival na final, com break abaixo… final perfeito pra uma das grandes histórias do tênis neste século XXI. Torci muito, apesar de ficar cornetando o suíço nos posts anteriores deste blog – a tampa da lata de lixo do meu quarto não saiu ilesa naquele quinto set – e me emocionei com a vitoria. O esporte faz essas coisas com a gente.

    Que temporada nos aguarda: se Federer e Nadal mantiverem seus níveis, e gente como Dimitrov, Raonic e Zverev seguir amadurecendo e acumulando experiência, vão se somar à Djoko e Murray e tbm aos sempre perigosos Wawrinka e Del Potro. Quase uns 10 caras brigando por coisas importantes. Que temporada que nos aguarda!!

    Responder
  173. Mangostin

    Dalcim, eu sou testemunha q vc nunca duvidou de eles. Dois grandes dentro e fora do esporte.
    Deu gosto ver Federer jogando solto sem medo de perder contra Nadal. Como vc falou o Federer jogou como naquele Finals. Mas uma coisa é o plan de jogo e outra a execução. Precisa muita precisão para pegar esse spin na subida.

    Responder
  174. André Luiz

    passei todo o dia muito emocionado com o Fedal, Dalcim.
    uma final histórica e que nos proporcionou um jogo à altura de toda expectativa.
    Parabéns pelo excelente texto.
    E longa vida ao Rei.

    Responder
  175. Fernando Pauli

    Muitos até antes do começo do jogo davam em torno de 60% para Nadal e 40% para Federer.
    E muitos Federistas realmente não acreditavam em uma vitória do rei.( Torciam mas não acreditavam ).
    Mas olhando as apostas aqui no post, 267 apostaram no Federer inclusive eu e 177 em Nadal dando quase que exatamente 60% acreditando em Federer e 40% em Nadal. A torcida e a esperança na vitória do Federer foi exatamente o contrário da probabilidade prevista.
    A Fé e a esperança venceu a realidade da expectativa.
    Concluindo, a torcida federista não estava assim tão pessimista, mas devemos de agora em diante acreditar mais no Rei, principalmente em WB e no US Open 2017.
    Abs a todos e vida longa ao rei.

    Responder
    1. Cadu

      E muitos deven ter votado no Nadal, mas torcendo pro Federer! Meu caso! So votei no Nadal pra ajudar o Mestre, ja que me dou mal em apostas! Dane-se aquelas bolinhas! Comemorando o 18o ate agora!!!!

      Responder
    2. André

      Meu caro Fernando,
      Entendo seu ponto. Porém, matematicamente o seu raciocínio não faz o menor sentido. 40% são boas chances! É mais do que apostar em 2 números num dado de 6 faces. Se um dos dois números sai, isso não significa que a previsão estava errada. Significa apenas que o cenário menos provável se concretizou. Da mesma forma, o fato de haver mais gente (como eu) torcendo pelo Federer, isso não aumentava as chances dele em quadra. Abs!

      Responder
      1. Júlio Marinho

        Sou formado em matemática André (nem precisava..rs), e seu comentário está perfeito. Eu coloquei 2-1 no Nadal e ainda apostei no Nadal nas bolinhas, torcendo desesperadamente para o Federer. Não acreditava porque era mais provável o Nadal vencer mesmo. Mas como falou o colega aí acima, nunca fiquei tão feliz de que aquelas bolinhas tenham ido para outra pessoa.
        Abraço

        Responder
  176. Luiz Fernando

    Federer venceu com todos os méritos e venceu por uma única razão: jogou melhor. Se eu fosse recalcado como alguns bobos q frequentam o blog, sairia com aquele discurso manjado: um cara de 35 anos vencer um jg desses só pode ser doping kkkk! Não, jogadores como Rafa e Federer não precisam disso, seria, como expus ontem, uma forma simplória de tentar justificar o injustificável. Venceu pq foi melhor, ponto final. Rafa também não pode reclamar desse AO, pois além de ter feito um torneio espetacular, renascendo p o tenis, teve chances de vencer a final de hj e não aproveitou. Vamos agora p os outros torneios, torcendo p q seu nível se mantenha. Para as federetes civilizadas, q são muitas, dou meus parabéns; para as recalcadas, não custa lembrar 2 coisas: 1) a freguesia continua intacta; 2) Rafa perdeu com dignidade e sem choro…

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      E não e’ que o parceiro LF estava indo muito bem. Mas no finalzinho… rs . A freguesia para o Rei do Saibro vai permanecer intacta ( 2 x 13 ) , em seu hábitat . E fora dele? Caiu de 7 x 10, para 9 x 10 com direito a duas Finais consecutivas ( ATP 500 Basileia e AOPEN ) . E agora ? Ao menos 5 SLAM em TODOS fora do Barro. E 5 FINAIS em Rolanga. Na boa, acredita que alguém consiga isso ? Abs !

      Responder
    2. Rafael Wuthrich

      Não sou da ala provocadora, e você foi educado como tem sido ultimamente, então só digo isso: o chiro foi do adversário, de alegria. Não havia por que o espanhol chorar.

      Responder
    3. Marcelo Baiano

      1 – Freguesia nas quadras lentas, que foram utilizadas em 70% dos confrontos. Nas quadras rápidas, na grama e na sintética coberta, Nadal é o freguês!
      2 – Cada um com sua reação. Enquanto Federer chorou uma vez que perdeu, Nadal quando perdeu fez cara de bravo, de menino mimado que não gosta de perder nunca.

      Responder
    4. André

      Boa, Luiz Fernando! Precisamos de mais Nadalzetes civilizadas como vc. Mas não se irrite com O Lógico e companhia (tal como não nos irritamos com as nadalzetes e djokoquinhos sem noção), afinal, eles são garantia de diversão no blog! Abs

      Responder
  177. Leonardo Felix

    Caro Dalcim, olá!

    Me diga se estou errado em minha análise: esta foi a grande vitória tática de Federer sobre Nadal. Federer, o instintivo e teimoso, triunfou especialmente porque apostou numa tática que NINGUÉM recomendaria.

    1) Passou o jogo inteiro plantado na linha de base, como se a linha fosse um trilho e seus pés só pudessem deslizar por ali.
    2) Usou o antes tão maltratado revés como golpe chave para anular o ponto mais forte do rival.
    3) Teve paciência para aceitar que a partida teria momentos de oscilação e que ele não deveria se deixar afetar por isso.

    Com isso, Federer conseguiu o que queria: acelerou o jogo de tal modo que a partida teve uma única troca acima de 20 bolas, só no quinto set. O recado foi: “Ok, eu vou para a pancadaria contigo, mas quer brincar de direita contra esquerda? Então manda que a batata vai voltar de bate-pronto, angulada e queimando”. Assim, foi um jogo jogado nas trocas de fundo, que Nadal tanto gosta, mas numa velocidade muito difícil de acompanhar (tanto que até o Federer se atrapalhou, por vezes).

    Federer jamais obteria o mesmo efeito jogando com slice. Pelo contrário: voltaria a ser refém dos ataques de direita do Nadal, porque este teria sempre mais tempo para fugir do revés e bater bem preparado. Ele usou o golpe só como variação em momentos-chave, e se deu muito bem. Tentou variar algumas vezes também com dropshots, mas estes não deram certo.

    O que deu certo de verdade foi descer o sarrafo cruzado de esquerda para desarmar os ataques do espanhol e colocar nele a sementinha da dúvida: até quanto vai valer a pena insistir em mandar bolinha alta na esquerda nesta partida? Outra coisa que deu certo foi manter o foco após erros, momentos de afobação momentânea e até o único momento da partida em que ele esteve atrás no marcador.

    Enfim, Federer venceu porque soube ser tático, e com uma estratégia genial e que surpreendeu a todos, incluindo o próprio Nadal. Precisou esperar 10 anos desde o último triunfo sobre Nadal em slam, período este recheado de duras derrotas, para que ele tivesse sabedoria e maturidade suficientes para isso. Mas enfim o dia chegou.

    Ademais, parabéns ao Dalcim por ter cantado a bola, lá na Copa Hopman, de que a esquerda com top spin do “velhote” estava mais afiada. É perceptível o quanto ele vem conseguindo pegar a bola na subida e mais à frente do corpo.

    Grande abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acredito que sua visão do jogo está correta, Leonardo. O suíço teve aplicação tática ferrenha, grande espírito de luta e manteve o emocional controlado.

      Responder
    2. Rafael Wuthrich

      Sobre a questão tática, acho que todos devem ter notado, mas não li comentarem: Nadal jogou boa parte dos pontos colado lá atrás, batendo papo com os juízes de linha e as placas de publicidade, sendo constantemente empurrado pelo backhand do suíço; surpreendentemente, usou muito mais slice que o próprio Federer (acho que foi a primeira vez que isso aconteceu entre ambos); em determinado momento do jogo, Nadal temia jogar até mesmo bolas altas no backhand, optando devolver cruzadas de backhand no forehand de Federer. Esse efeito do backhand de Federer hoje (ontem) foi algo inacreditável, e remontou mesmo ao Finals/2011.

      Responder
      1. Nando

        “”Nadal jogou boa parte dos pontos colado lá atrás, batendo papo com os juízes de linha e as placas de publicidade””….é quase sempre assim kkkkkkkk

        Responder
    3. Gildokson

      O item 3 pra mim foi o principal, concordo contigo cara, era nesses momentos de oscilação que pra mim ele não lidava bem nem contra Nadal e nem contra o Djoko, o Federer de “antigamente” meio que abaixaria a cabeça ali naquele 0×2 do 5 set, certeza, e ai ja era.

      Responder
    4. Fernando Brack

      Boa análise e bom comentário, Leonardo. Foi bem isso o que aconteceu nesta partida.
      Pena que Federer tenha esperado tanto tempo para ‘despertar’ para essa questão da
      aplicação tática. Ele bem podia ter feito isso entre uma final de RG e outra, mas tinha
      tanta confiança em suas habilidades e em seu jogo que não ligava para a parte tática.
      Ainda assim, antes tarde do que nunca.

      Responder
      1. Júlio Marinho

        Exatamente, Fernando. Meu maior porém com o Federer, sempre, foi ter se acomodado diante do seu talento (que diga-se, funciona contra 99% do circuito) e não achar um jeito de enfrentar o Nadal. Ele é tão genial que confiava sempre. No forehand, no saque, no slice, na improvisação.
        Só que o Nadal, temos que reconhecer, é extremamente eficiente em qualquer coisa que se proponha a fazer. E ele desenvolveu o melhor jogo possível por anos para tirar o pior do jogo do Federer. Teve enormes méritos, não jogou contra o jogo, nunca teve postura ruim e criou um estilo de jogo. A capacidade do espanhol em aprender algo é tão grande, que ele ganhou wimbledon do Federer, algo dificílimo.
        A exultação geral da torcida é muito isso: ele encontrou um jeito, ele enfrentou com a melhor postura tática possível, ele fez o Nadal duvidar. E, olhe, que ainda assim, o jogo ficou muito parelho, como deveriam ter sido todas as vezes que se enfrentaram, mesmo no saibro. Isso fez a minha alma ficar lavada. E, devo dizer, estou muito grato pelo Ljubicic e o trabalho que fez no back do Federer.
        Abraço

        Responder
    5. groff

      Bom dia, Leonardo. Bom dia, Dalcim. Não tive tempo, infelizmente, de passar por aqui desde a última sexta para comentar. Por isso, uns pensamentos finais:

      1. Federer era, para mim, favorito. Com essa quadra, escrevi aqui mesmo nesse blog que ele teria mais problemas contra Raonic (se este estivesse em forma, claro) do que contra Nadal. Teria apostado em um 3 a 1 relativamente fácil (o 1 do Nadal teria vindo em uma das “viajadas”, que nem considero tão viajadas assim – como já vou explicar -, do Maestro), mas o corpo de 35 anos do Federer já não consegue manter a intensidade necessária para sacar e correr em tão alto nível por tanto tempo. É só lembrar do que foi, para mim, a melhor partida dos últimos 5 anos, a final de Wimbledon de 2014, para entender o que estou falando. E ali ele, Roger, era quase 3 anos mais novo do que agora. Isso tudo explica os 5 sets, mais até que a força do Touro Miúra;

      2. Impressionante, falando nisso, o desejo e a competitividade do Rafa, ainda mais numa quadra rápida. Ele sacou bem demais e poderia tranquilamente ter levado só na base do contra-ataque. Incrível que tenha feito final;

      3. O Dimitrov também impressionou na parte física. Mas não vejo o Búlgaro tão forte quanto muitos o têm visto. Para mim, às bolas dele faltam a profundidade que as do Federer geralmente atingem. Vendo os melhores lances da partida com o Rafa, percebi que, quando ele não estava indo para o winner, ele cozinhava o jogo e muitas de suas bolas pingavam no meio da quadra, várias e várias vezes. Já vi isso em outros jogos dele. Ele tem que se decidir se quer ser Federer (atacando forte e constantemente) ou Murray (que raramente vai pro winner). Para ser um mix (Djokovic, de certa forma, me vem à mente), ele precisa fazer as bolas “normais”, de rally, chegarem mais perto das linhas, como faz (ou fez?) o sérvio;

      4. Voltando, porém, ao Nadal: a obrigação de ganhar era dele. O Federer é 5 anos mais velho. Isso deveria ser uma pulga a mais na orelha do Touro;

      5. Agora, a questão da esquerda do Maestro. Legal, ele pode ter treinado bastante durante o “layoff”. Mas será que ninguém nunca reparou em quanto a esquerda dele sempre foi boa em quadras rápidas? Foi o circuito que mudou para quadras lentas e, com isso, a vida de quem bate a esquerda simples ficou mais difícil, pois se tornou bem mais simples mandar bola alta, e forte ao mesmo tempo, naquela área para causar estrago. O Federer, na juventude, parece ter desenvolvido sua esquerda de acordo com o jogo que existia ao fim dos anos 90 e começo dos 2000. (Veja que o Roddick talvez também tivesse tido uma carreira mais vitoriosa se as quadras não tivessem ficado tão vagarosas.) Por tudo isso, o Federer não só é o melhor jogador como também é o mais adaptável de todos, pois vence e venceu em todo o tipo de velocidade de quadra (lembram-se do que foi o saibro azul em Madri?). O Pete Bodo uma vez escreveu que ele deveria processar a ATP ou quem decidiu diminuir a velocidade das quadras (ainda que já tenham comentado por aqui que ele concordou com a alteração), pois, não fosse isso – e eu concordo -, ele venceria ainda mais. Acredito, inclusive, que ele já teria passado os 20 slams e Nadal não o teria vencido na final de Wimbledon de 2008. E sua esquerda não seria tão explorada pelos adversários;

      6. Por fim, uma ponderação relativa ao campeonato: que coisa mais sensacional! Emocionante! Que organização! Que quadras! Que energia! Roland Garros precisa se cuidar, pois pode, logo logo, ficar atrás, em prestígio, do torneio “down under”.

      Responder
      1. Arthur

        Bela análise, Groff.
        Ri sozinho aqui com a lembrança do mal afamado saibro azul de Madrid 2012.
        Só me lembro da entrevista do Djoko após ser eliminado pelo Tipsarevic, dizendo que, se mantivessem aquele piso pro ano que vem, iam ter que chamar o Chuck Norris para jogar o Masters espanhol. Kkkkkkk

        Responder
    6. Klaus

      Perfeita a sua análise, Leonardo. E, como disse o Fernando, Federer sempre confiou tanto na sua mão que não se preocupava com tática. Mas desta vez ele se preparou taticamente para enfrentar a tática pré-fabricada pelo tio Toni desde 2004: bater 11 de cada 10 bolas na esquerda do Federer. E como Nadal só fez isso nesses 13 anos e deu certo, acho que ele não tinha um plano B. E quando a tática do tio Toni começou a não dar resultado, ficou com a dúvida na cabeça. E, revendo um vídeo da vitória do Ljubicic sobre o Nadal em 2010, tenho certeza que foi ele que orientou o Federer a fazer o mesmo que ele fez. Deve ter passado sexta e sábado só batendo esquerda na subida e de bate-pronto. Ouso dizer que, por incrível que pareça, Federer ganhou do Nadal com o backhand.

      Responder
      1. groff

        Não sei se é bem isso, Klaus, com todo o respeito. O Federer faz uma leitura muito boa do jogo e sempre fez opções táticas conscientes. Ele costumava falar, nas vitórias sobre o Djokovic, que o caminho estava em atacar a direita do sérvio quando este estava na defesa, e, contra Murray, que não podia deixar os rallies se alongarem. A questão é que, quando a margem para errar é tão pequena (refiro-me aos jogos com o Nadal, especialmente no saibro) e há nítida redução de suas armas (a esquerda, em quadras lentas, passa a ter de ser “evitada” ou reduzida ao slice), o nível de concentração fica absurdo e é mais fácil ver a mente “espanar”, dando a impressão de ausência de plano tático.

        Rumo aos 1000 comentários!

        Responder
  178. Fernando Pimentel

    Ainda bem que o Federer calou minha boca e a de muitos outros. Acho que a maneira pela qual se deu essa épica conquista foi bem maior do que qual sonho. Demorou, mas chegou. Ele merecia faz muito tempo.. mas merecimento nem sempre é suficiente para se atingir o sucesso. O Federer de hoje venceu a si próprio, em primeiro lugar. Entrou pra ganhar, não se abalou em nenhum momento e deu tudo o que podia dar. Em segundo lugar, conseguiu executar o seu jogo. Erros não forçados que foram compensados por winners para todos os gostos. O saque funcionou quando ele precisou. Teve paciência para resistir as longas trocas de bola, o BH estava firme, e acelerou bolas com o FH quando surgiram oportunidades de meter mão. O staff dele, com certeza, contribuiu muito para que ele tivesse a segurança de que seu plano iria fluir na hora certa. Foi a vitória mais difícil da vida dele, ainda mais que aquela em 2009 contra o Roddick em Wimbledon, quando superou Pete Sampras em títulos de GS. Apesar de também ser fã do Nadal, admirar o Djokovic e o Murray, ouso a dizer, ninguém joga tanto tênis como esse cara! Vencendo ou perdendo, sempre é um espetáculo vê-lo jogar. Vou sentir tanta saudade quanto esse cara parar.. enfim um final feliz para o #Bel18ve!

    Responder
  179. Cris

    Dalcim no 5×3 do quinto set na primeira vantagem não teve uma contagem errada no saque do Roger, o Roger sacou foi fora ai ele foi para o segundo que foi dentro mas o juiz deu fora então ele desafiou e ele sacou de novo e foi fora, deveria ter sido DF mas ele sacou de novo, não entendi.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A regra diz que, no saque, quando existe um desafio, volta o ponto. Então volta o primeiro saque e não o segundo. Tudo correto, Cris.

      Responder
      1. Fernando Brack

        Dalcim, essa é novidade pra mim, e eu já vi um monte de desafios no 2º saque
        fazerem voltar apenas o 2º saque. Esse lance também me chamou a atenção.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não, nunca. Quando acontece qualquer interferência num ponto – por exemplo, um papel que caia na quadra -, volta todo o ponto. E o ponto se inicia com o primeiro saque. Portanto a regra determina isso.

          Responder
          1. André Borges

            Eu já tinha reparado isso, qualquer pequena interferência volta o primeiro serviço, lembro que percebi isso quando um jogador foi extremamente prejudicado (dentro da regra, mas prejudicado) devolvendo bem um segundo serviço na linha, o ponto até continuou mas o juiz de linha cantou bola fora. Teve desafio e a bola tinha sido dentro, voltou o ponto. N?a sequencia ele levou um ace de primeiro serviço.

          2. José Nilton Dalcim

            Exato, essa é a regra. Digamos que você deu um segundo serviço, trocaram 10 bolas, ouve uma correção na marcação e o ponto tem de ser repetido. Ele será repetido sempre a partir do primeiro saque.

          3. Fernando Brack

            Interferências que atrapalham o ponto e o fazem ser repetido (logicamente, a partir do
            1º saque) eu entendo, mas não considero que desafio seja uma interferência, pois é um
            ato dos próprios jogadores. Mas se essa é a regra, não vou discutir, né.

          4. José Nilton Dalcim

            Mas o Federer desafiou o segundo saque (seria dupla falta) e ele acertou. Portanto, tem de voltar o ponto e assim a partir do primeiro saque.

  180. Oswaldo E Aranha

    Fico contente de ver mensagens como de Leo Gavio no blog, uma pessoa de bom senso. Parabéns tanto aos torcedores do Federer como do Nadal, cujo renascimento dos dois trará mais emoção ao tênis. Só que o tênis tem alguns outros grandes jogadores que darão maior colorido às disputas e que quem não quer ver ou é cego pelo fanatismo ou, se preferirem, pelo radicalismo. Teremos um 2017 cheio de emoção.

    Responder
  181. Chetnik

    Parabéns ao Federer e aos seus torcedores, principalmente alguns específicos, que sabem quem são.

    Final achei fraca tecnicamente, mas muito emocionante. Nadal nem sombra do que já foi. Federer me surpreendeu, nunca imaginava uma virada depois de uma quebra atrás no 5a set. Espantou os fantasmas.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Sera’ que TODOs os Fantasmas ? rs . Tivemos alguns cravando nos dois lados ( como gostam de Bolinhas ) . Mas não vi o Chatonik palpitando . Justiça seja feita rs Abs!

      Responder