Justiça tarda, mas não falha
Por José Nilton Dalcim
27 de novembro de 2016 às 19:53

Demorou, foi incrivelmente sofrido, mas a Argentina enfim levantou a Copa Davis. Se existe um país que merecia essa glória, são nossos hermanos. Não apenas pela qualidade de gerações e gerações que marca sua trajetória nas quadras, mas acima de tudo por sua paixão pelo tênis e o coração que colocam a cada bola rebatida.

Aliás, perseverança e espírito de superação foram exatamente o que tiveram nesta duríssima final contra a Croácia. Fora de casa – aliás, todos os quatro duelos foram como visitantes na campanha deste ano -, com placar desvantajoso desde o primeiro jogo, estiveram a apenas um set para engolir mais uma desilusão.

Como sempre, jamais desistiram. O gigante Juan Martin del Potro não se entregou. Ele havia estado em outras duas decisões. A dolorosa derrota em casa para a Espanha, em 2008, em Buenos Aires, quando perdeu para Feliciano López, deixou claro o atrito interno na equipe. Em 2011, mais difícil, teve de ir à Espanha e foi batido tanto por David Ferrer como por Rafa Nadal.

Delpo estava afastado do time desde 2012 por desentendimentos com a federação e rixa com o grupo, especialmente David Nalbandian. Só retornou em julho deste ano na dupla contra a Itália porque precisava cumprir o regulamento dos Jogos Olímpicos. Marcou o ponto e virou referência do time. Foi essencial na vitória sobre os britânicos, superando Andy Murray diante dos escoceses.

O desempenho em Zagreb fechou um ano incrivelmente emocionante para Delpo. Ele, que não atuava desde Estocolmo, marcou um ponto de empate duro contra Ivo Karlovic na sexta-feira, não se saiu bem na dupla de sábado e foi dominado por Marin Cilic no jogo decisivo de domingo cedo. Mas aí achou forças. Começou a jogar cada vez melhor, mexeu as pernas para disparar forehands, teve paciência para esperar as falhas de Cilic no saque e conseguiu uma virada de arrancar lágrimas.

Entregou a decisão para o canhoto Federico Delbonis, que fez um jogo impecável a partir da metade do primeiro set diante de Karlovic, que dinossauricamente praticava seu saque-voleio cada vez mais desconfortável. Nota 10 para a tranquilidade de Delbonis, que, lembremos, já havia marcado o ponto decisivo em julho contra Fabio Fognini.

A invasão da torcida argentina, onde se incluiu um empolgadíssimo Dom Diego Maradona, completou um final de semana inesquecível. Sofrido, como sempre foi para os argentinos, mas que coroa um currículo invejável, principalmente em termos de tênis latino-americano. Nada menos que 11 nomes já figuraram no top 10, desde Guillermo Vilas, o pioneiro em 1974, passando por Jose-Luis Clerc, Alberto Mancini, Martin Jaite, Guillermo Coria, Gastón Gaudio, Guillermo Cañas, David Nalbandian, Mariano Puerta, Delpo e Juan Mónaco, sem falar em Gabriela Sabatini.

Para se fazer definitivamente a justiça com eles, só falta mesmo a ATP reconhecer seu erro e dar a Vilas o número 1 do mundo ao final de 1977, temporada em que ganhou nada menos do que 16 torneios, entre eles Roland Garros e US Open.


Comentários
    1. Rafael Wüthrich

      Minha nossa. E eu achando que o estafe de Rafa Nadal era uma zona. Djokovic parece ter incluído uma bomba relógio dentro da própria equipe.

      Responder
  1. Luiz Fernando

    Essa história envolvendo o Becker e o Guru parece piada de muito mau gosto mas não é. Outro dia ouvi de um amigo muito diferenciado que ele não fazia nada antes de ouvir uma pessoa com uma séria de “dons”, até q a distinta sra errou todas as previsões q fez. Todo dia na transito de Sampa vejo placas nos postes dizendo de pessoas que “trazem de volta a pessoa amada” etc, ou seja, essas besteiras, cujos protagonistas são apresentados de várias formas, estão aí e são possivelmente muito procuradas. Mas nunca imaginei q um atleta do porte do Djoko recorresse a “gurus”, simplesmente lamentável, se recorrer a esse tipo de “profissional” resolvesse nossos problemas haveria filas intermináveis para falar eles. Está certíssimo o Becker.

    Responder
  2. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, o Aranha disse que é filho do Cyro Aranha. Cyro foi responsável por montar o Expresso da Vitória, maior equipe da história do Vasco, nos anos 40. Tiro duas conclusões daí: que o Aranha daqui do Blog teria todos os motivos pra não gostar do Eurico – que afundou o Vasco – e também que ele já é bem experiente. A experiência é sempre bem vinda. Acrescenta muito ao debate.
    Saudações rubro negras e federistas. Abs.

    Obs: Uma tragédia essa estória da Chapecoense e uma irresponsabilidade desse piloto. 70 vidas perdidas por negligência dessa empresa.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, acho difícil encontrar muita gente que goste do Eurico… rsrs… Nem me fale, a tragédia em si já era um absurdo. Com os detalhes, se tornou ainda pior. Claro que houve uma somatória de azares, como acontece em todo acidente aereo, porém é difícil engolir tantas mortes e tanto dor por uma falha tão básica.

      Responder
  3. Marquinhos

    Federer, Laver, Borg e Sampras estão entre os cinco maiores da história. Nadal e Novak vão ter que “brigar” pra ver quem vai ficar no seleto grupo. Não tem espeço pros dois.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Pra mim, com todo o respeito ao Nadal, o Djokovic está um passo à frente na história. Embora tenha menos GS, conquistou 5 Finals e liderou o ranking por mais tempo. Sem contar o fato de ter despontado uns dois anos e meio depois do Nadal. Ou seja, ainda tem um tempo que o Nadal não terá. Abs.

      Responder
  4. Luiz Fernando

    O esporte é sempre surpreendente, o q será q ocorreu entre Moya e Raonic? sob a tutela do espanhol, o canadense, até então um mero Karlovic mais jovem e com mais movimentação, obteve uma subida expressiva do seu nível de jg, especialmente no BH, que era menos do q medíocre. Pra vermos como no tenis as dificuldades são amplas, com toda esse melhora o cara não venceu nada de muito expressivo no ano. Está aí um cara q acrescentaria muito p Nadal, mas ele infelizmente não me parece preocupado em acrescentar nada, exceto dólares.

    Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Foi Moyá quem pediu dispensa? Duvido muito que Nadal tenha autonomia suficiente para fazer esse movimento. Toni Nadal e cia. parecem só enxergar o próprio umbigo, e Rafa continua cegamente confiando nessas decisões.

        Responder
  5. Halley

    Dalcim, queria sugerir um post – ainda da linha da homenagem aos argentinos – sobre um pouco da história do tenis argentino ao teu olhar. Até posso pesquisar sobre o Vilas, Clerc, e o tal envolvimento deles ainda no tenis como propulsor pra essa conquista. Mas eu gosto da tua condensação e olhar. Então, se estiver com vontade, manda que eu vou curtir. OBS: sou da geração Guga e pra mim Agassi e Sampras são os tenistas antigos que mais tive contato. Gosto muito do conteúdo do teu blog. Abração!

    Responder
  6. André Borges

    Dalcim, dúvida sobre a regra da Copa Davis.
    Todos os jogadores que participaram dos confrontos são considerados campeões ou apenas os 4 que jogaram o confronto final?
    Se um jogar participar das 3 rodadas e estiver machucado na época da disputa da final e não participar ele não é considerado campeão da Davis?
    Abçs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Todos os que integraram as equipes ao longo do ano são considerados campeões, inclusive os treinadores. Algo muito justo, já que técnicos não recebem medalhas olímpicas, por exemplo.

      Responder
  7. Rafael

    http://www.puntodebreak.com/2016/11/30/federer-tendria-numero-titulos-o-djokovic-nadal

    *******************

    Que coisa mais sem sentido essa tragédia com o pessoal da Chapecoense. E com o Mário Sérgio xerife e outros. Que DEUS possa fazer com que as famílias dos vitimados consigam um pouco de aceitação, embora tenha ideia de como seja difícil, eu que não tenho nada a ver estou meio chocado até agora. Como essas coisas fazem a gente pensar….

    Responder
  8. Luiz Fernando

    Essa ladainha do Woodbridge que esse ou aquele teria mais ou menos GS é algo óbvio, como chover no molhado: Agassi teria mais GS sem Sampras e vice-versa, o mesmo vale p Rafa e Federer, Rafa e Djoko, Djoko e Murray e assim por diante. O mesmo vale para outros esportes, basta ver o monopólio Senna/Prost numa época da F1. Nenhuma novidade. O q o australiano disse e q eu concordo plenamente é q os 3, Federer, Rafa e Djoko, todos com vitórias nos 4 pisos dos diferentes GS, estão entre os 5 maiores de todos os tempos, negar isso é só pra quem tem recalques ou teimosia.

    Responder
    1. suely

      Parabens Luiz Fernando. Pequeno texto, mais muito bem escrito.Concordo com voce.Federer, Nadal Djoko estao entre os 5 maiores de todos os tempos.Somente pessoas mediocres nao perdoam quem se destacam.

      Responder
      1. Aurélio Passos

        Ou:
        Somente pessoas medíocres rotulam outros como “medícores” apenas porque não concordam com sua opinião “clara e incontestável”, ainda mais sendo uma opinião sobre um assunto tão importante quanto…. esportes?!

        Responder
  9. Luiz Fernando

    Dalcim que coisa lamentável esse acidente de hj, creio q todos nós que apreciamos esporte devemos estar solidários com os familiares, pedindo a deus que dê um pouco de conforto, se é q isso é possível, as famílias. Hj li q algo semelhante já ocorreu com grandes clubes europeus, mas jamais imaginei que veria algo desse gênero.

    Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Luiz, foram 3 acidentes: Torino/49, que matou toda a delegação mais jornalistas (31 mortos), time que era tetracampeão italiano e a base da seleção italiana e melhor clube europeu da época; Manchester United/58, que matou 23, mas que teve 21 sobreviventes, entre eles o lendário Bobby Charlton; e Alianza Lima/87, cujo único sobrevivente entre os 55 passageiros e tripulantes foi o piloto. Ou seja, já é a maior tragédia (de longe) envolvendo uma equipe de futebol. O depoimento de Guga é o retrato do dia de hoje.

      Peço vênia ao Dalcim para manifestar minha revolta sobre três coisas: primeiro, ler que Eurico Miranda mandou divulgar no meio do dia de hoje a contratação de Coach Cristóvão como técnico do Vasco; ver a pancadaria entre manifestantes de extrema direita, estudantes de esquerda da UNE e a polícia de Brasília e seguranças do Senado sem qualquer cerimônia, com direito a depredação da Esplanada; ver os cínicos senadores votarem uma PEC extremamente controversa, independente de seu mérito, numa sessão que, para começo de conversa, nem deveria ter ocorrido hoje. Atitudes nanicas que demonstram as duas claras faces do povo brasileiro: a extrema capacidade de comoção e solidariedade diante das tragédias ao mesmo tempo da incapacidade total de conviver com a diferença e respeitar os momentos e as dificuldades alheias, aliadas ao egoísmo e egocentrismo.

      Responder
      1. Jeremias

        É verdade. Mas viradas de carro e depredaçoes ficam na conta da esquerda mesmo, que aqui em terras latino- americanas é muito, mas muito mais “extrema” do que a tal “extrema direita”, expressao essa que na esmagadora maioria das vezes não passa de um chavão sofismático usado maniqueisticamente para desqualificar quem tem o desplante de questionar toda a aurea de santidade romantico-estelar-cool do esquerdista “enragé”. Por isso o esquerdismo radical é uma manifestaçao moderna de ultra-religiosidade com sinal invertido.

        Responder
        1. Rafael Wuthrich

          Meu amigo, dizer que só a “extrema esquerda” daqui é que depreda e causa danos é mais uma vez olhar para os opositores políticos como meros criminosos. Até porque todo o espectro social que se coloca politicamente à esquerda não necessariamente discorda de tudo o que você acredita, ou mesmo concorda com aquilo que esquerdistas imbecis acham que é o melhor para a sociedade. Além disso, veja o que os energúmenos defensores de ditadura e outras bizarrices como “bolsominions” fizeram há alguns dias na Câmara e ontem mesmo, brigando com policiais e com os membros do “esquerdismo radical”. Lamentável.

          Isso, de qualquer forma, não apaga a minha convicção: no dia de ontem sequer essa votação deveria ter ocorrido. Você acha que alguém da população prestou atenção na gravidade do que ocorreu ontem?

          Responder
          1. Carlos Reis

            Não existe Direita e nem extrema-direita nesse país, a esquerda os destruiu completamente… Por outro lado, o povo brasileiro é de maioria conservadora… Todas as instituições desse país são dominadas pela esquerda, mídia, educação, cultura, igrejas, 3 poderes, etc. Na realidade, o mundo se esquerdizou, infelizmente, mas muitos nem se tocam disso… A Europa já está condenada ao islamismo, não vai demorar 100 anos para isso se concretizar…

          2. José Nilton Dalcim

            Islamismo é um movimento de esquerda? Não existe mais direita no Brasil?? Bom, melhor só falarmos de tênis mesmo.

          3. Jeremias

            Não, nem todos são criminosos. A maioria mesmo é formada apenas por idiotas que por pura auto-mistificação comportamental fazem o jogo de garfanhotos perniciosos que sonham com um mundo perfeitamente hegemônico.

        2. Rodrigo S. Cruz

          Jeremias, nesta eu estou com você e não abro.

          Se não forem tomadas medidas de austeridade nos gastos públicos, não teremos mais nada.

          A PEC que foi aprovada era essencial. Pois, a situação de dívida dos nossos Estados é ALARMANTE, não há mais dinheiro pra nada!

          E em grande parte devido ao projeto de Poder criminoso que pilhou o nosso país por 13 anos.

          Não preciso dizer qual…

          Responder
          1. José Nilton Dalcim

            A única coisa que não vejo discussão é que, ao invés de cortar gastos com educação, esporte e cultura, poder-se-ia diminuir o custo administrativo de prefeituras e estados, onde até 70% do orçamento está comprometido com pagamento de salários.

          2. Rodrigo

            PEC essencial? No dia seguinte à aprovação da PEC na Câmara o canalha temer deu aumento para várias categorias, liberou reforma de aps e outras regalias. Você sabia que metade de tudo que se arrecada serve para pagar juros de bancos? Onde tem que haver corte meu camarada? Não compre esse discurso vazio.

        3. Sônia

          Disse tudo Jeremias. No Brasil, infelizmente não há “extrema direita”. Dalcim, com relação ao seu comentário, cada vez mais apaixonada por ti. Beijos.

          Responder
  10. Pieter

    Dalcim, você já viu o Gabriel Décamps jogar? O que achou do tênis dele? Já está pronto para incursões no profissionalismo, disputando futures e/ou challengers? O ranking profissional dele ainda é muito ruim…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Já vi várias vezes. Tem um tênis moderno, digamos ao estilo Zverev. Ou seja, saque pesado, forehand agressivo, muito jogo de base e subidas à rede. Mas é claro que está bem cru para pensarmos no profissionalismo. Mas tem tempo de sobra para isso.

      Responder
      1. Pieter

        Agradeço a informação! E fico otimista porque parece que ele tem uma boa estrutura ao seu dispor, além de um estilo moderno de jogar e plenamente adaptável às quadras rápidas, maioria absoluta no circuito hoje em dia.

        Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Valmir, a ITF não divulga a tabela de premiação, apenas o montante total de US$ 9 milhões que são distribuídos. Acredito que o time campeão fique com 15% dessa quantia, ou seja, cerca de US$ 1 milhão.

      Responder
  11. Marcos RJ

    Sobre a discussão lá em baixo, do Horácio e Dalcim: ranking ATP com dois anos de pontos acumulados só mesmo dentro da cabeça do Nadal, quando ficou conveniente, para não perder posição depois de outra série de contusões.

    Responder
  12. Arthur

    Dalcim,

    Sem querer dar spoiler, mas vai ter algum post do tipo “Retrospectiva 2016”?
    Já adianto desde já que, na minha opinião, este foi o melhor ano do tênis desde 2012, o único ano em que cada um dos integrantes do Fab Four ganhou um Slam.

    Um abraço.

    Responder
  13. Juscelino Júnior

    Boa noite Dalcim!

    Que jogo!! Que jogador (Del Potro)!!
    Professor, fazendo uma análise realista, você acha possível o Delpo beliscar algum torneio do Grand Slam ano que vem (partindo do pressuposto de que ele não enfrentará problemas físicos)? Pergunto, pois todos sabemos que ele tem tênis de sobra pra isso, mas será que ele aguenta uma sequencia de sete jogos em melhor de cinco sets,? Torço muito para que sim, sou fanzaço do argentino!!
    Abs.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que, no momento, ele não aguentaria. A menos que conseguisse poupar muita energia nas primeiras rodadas. Acho mais plausível esperarmos sucesso nos Masters, especialmente de quadra dura.

      Responder
  14. Marcelo-Jacacity

    Pessoal,
    Talvez a vontade de alguns fosse permanecer em 2016, entretanto, desejo boas festas e feliz ano novo a todos!
    Que venha o Ausopen-17.

    Responder
  15. Oswaldo E Aranha

    Dalcin falaste que eras vascaíno até o Eurico. O Eurico é passageiro, mas o Vasco não e é um grande time. Lembro-me quando era rapazinho, com meu pai sendo presidente, Cyro Aranha, quando íamos a São paulo o encontro era com os diretores do Palmeiras. Desde essa época que tenho simpatia pelo Verdão. Espero-te de volta à torcida do Vasco, como eu continuarei com o Palmeiras. Abraços.

    Responder
      1. Ricardo - DF

        Não és a primeira pessoa que vejo dizer isso, Dalcim. Um colega de profissão me disse que ERA vascaíno. Até o dia em que viajou ao lado do Eurico Miranda em um vôo. Parte do grupo dele estava nos bancos da frente, e o Eurico ficava se inclinando para frente para conversar com seus cupinchas. Meu colega disse que ouviu tantas ilegalidades nessa conversa, que abandonou completamente o futebol. Achei uma postura admirável dele.

        Responder
  16. Marco Dias

    Sei que o assunto aqui é tênis, mas só para informação, uma questão que foi levantada abaixo e gera críticas exageradas (e às vezes falta apenas conhecimento) de alguns torcedores: a unificação do campeonato brasileiro. A questão de dois campeonatos em um mesmo ano (1967) não é tão anormal assim, visto que vários países já tiveram dois campeonatos nacionais equivalentes num mesmo ano (Argentina, Uruguai…). Em relação à quantidade de jogos para o título, lembro que para se classificar para a Taça Brasil da época era preciso ser campeão estadual. Campeonatos estaduais também já tiveram edições com poucos clubes no passado e também não são desmerecidos por isso (a maioria nem sabe disso) – Copas do Mundo idem. Mudanças de formatos eram, até recentemente, a regra no nosso futebol, portanto é falta de critério relativizar apenas estes pq o time para qual torcemos não ganhou. Vamos tomar como exemplo o mundial de clubes da FIFA: hoje joga-se apenas 2 vezes para conquistá-lo. Se a FIFA criar um campeonato maior, com mais times e jogos, os campeões de agora perderão o seu valor? Ou pior: perderão o “título” de campeões mundiais? E, por fim, o argumento que eu mais gosto: na NFL ou Campeonato Alemão, os times campeões antes da criação do Super Bowl ou da Bundesliga, respectivamente, são considerados legítimos campeões nacionais. Há apenas uma menção entre a era antiga e a era moderna das respectivas ligas. Por aqui, podemos considerar que desde 1971 estamos na era moderna do campeonato brasileiro, mas os títulos anteriores não perdem o seu valor por isto…

    Desculpem o off-topic, Dalcim!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa, Marco. A CBF não tem autoridade para reconhecer nada. Principalmente usar critérios retroativos. Os Estaduais na época , eram mais valorizados que a Libertadores ( vide o Santos de Pelé e a Academia ). O acesso a mesma era via TAÇA BRASIL. Criado o Torneio Roberto Gomes Pedrosa, a Taça Brasil foi a seguir extinta. Denominar ambos como Campeomatos Brasileiros no mesmo ano , seria o mesmo que a criada COPA DO BRASIL se tornasse o segundo Campeonato Brasileiro do ano. Sem essa de Apertura de Argentina e CIA. Abs!

      Responder
  17. Roberto Rocha

    …que merlim…ter que aturar los hermanos tirando sarro de melhores do mundo…confesso que sequei o máximo que pude, mas esse Del potro é realmente um monstro…carrega em si toda essa raça e paixão que nos faz amar odiar os argentinos…
    Que virada sensacional!!!!!!!!! E ano que vem, vai dar um trabalho monstro para Nole, Murray, Federer…aguardemos!

    Responder
    1. Anja Safadatílova

      Errou ao se expressar, anjo!

      Evidentemente, sua intenção era dizer que del Potro é um dos motivos que leva alguns a “odiar amar os argentinos”.

      Obrigada!

      Responder
  18. Sônia

    Dalcim, essa final da Davis me lembrou a copa de 1978, principalmente o jogo armado da Argentina contra o Peru. Fato. A escolha estranha do tipo de piso da quadra, o vacilo do Cilic contra o Delpo (foram muitos), o Karlovic contra um “tranquilo” Delbonis rsrsrsrs, o grandão errando saque pra caramba rsrsrs, só acabou confirmando. Tudo bem, voce pode achar isso um absurdo, “tô louca”, mas infelizmente, dependendo dos interessados e do torneio, há muitas mutretas nesse esporte. Cito como exemplo, o jogo do Djokovic contra o Murray no Finals, que Djokovic estranho foi aquele? Poderia citar muitos outros jogos “estranhos” como alguns do Federer contra o Nadal, mas não precisa. Só tenho a certeza que esse esporte é tenebroso. Bastidores e apostas Dalcim, são um perigo. Mudando de assunto, parabéns pelo seu Palmeiras. Cuca parece ser um pessoa muito legal, na torcida para que ele continue com vocês. Beijos.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não consigo imaginar isso, Sônia, embora tudo seja possível. É bem duro perder um jogo de tênis de propósito, em que bolas saem por 1 ou 2 dedos.

      Responder
  19. Rafa Darvin

    Dalcim,

    Acabo de ler a respeito do Next Gen Atp Finals, mas que ideia é essa mestre ?
    De que maneira você analisa os prós e contras desta empreitada ? A idéia no meu ver não tem fundamento algum que não seja financeiro…

    Sei que vai escrever a respeito mas não consegui me controlar… ATP, what a joke….

    Abs,
    Rafa

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, a ideia é boa. O problema é se a ATP vai tornar isso obrigatório, porque não teria graça se o tenista pulasse fora. Foi o caso do Challenger Finals, que naufragou porque a ATP não o tornou obrigatório.

      Responder
  20. Eduardo

    O jogo do Karlovic é manjado demais, e a velocidade da quadra não ajudou. Alé disso, Delbonnis é um ótimo devolvedor, além de bastante regular no fundo.
    Ganhei a aposta com meu irmão, mas não imaginva que seria tão fácil!
    Parabéns a Argentina e principalmente ao Delpo, que é um monstro mesmo!

    Responder
    1. Anja Safadatílova

      Realmente, anjo!

      Karlovic tem um joguinho sofrível para melhor de cinco sets, além de ter um físico que não ajuda nesse tipo de partida (altura, idade e fragilidade).

      Responder
  21. Leonardo

    Dalcim, no confronto com a Gra Bretanha quem deciciu no quinto jogo foi o Leo Mayer. Eu imaginaria que ele também seria escolhido para o jogo decisivo ontem. O que voce acha que fez o treinador optar pelo Delbonis? Foi o fato de ser canhoto, ou ser melhor devolvedor que o Mayer, ou apenas questão de estar mais confiante?

    Responder
  22. Valmir

    Dalcim,

    Semana passada eu comentei como 2016 está sendo um ano de resultados improváveis…

    A Argentina ganhar a Davis, depois de 4 vices, é mais um dos feitos impressionantes em 2016.
    (não comentei dessa possibilidade na mensagem anterior para não zicar a Argentina).

    Mas a vitória do nosso Palmeiras… não deu para segurar de comentar antes…. rsrsrrsrsrs
    O tal cheirinho dos flamenguistas veio de … urubu assado… peixe frito… galo cozido… kkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  23. Renato

    Dalcim, seria correto dizer que a Argentina era antigamente a “Holanda ” da Copa Davis? Isto é uma analogia a Holanda do futebol ( que possui um ótimo currículo no futebol, inclusive em copas do mundo, mas nunca ganhou a copa do mundo )

    Responder
  24. Lázaro Zardini

    Parabéns aos hermanos!!!

    Conquista riquíssima e emocionante! O gran willy do Delpo foi, talvez, o ponto do ano, dada a importância do jogo. Lembro que, pra mim, esse título tem emoção desde de a repescagem do ano passado. Afinal de contas, a volta ao grupo mundial foi decidida no quinto ponto, num jogo de seis horas. Delpo foi fundamental, mas sem o Mayer a Argentina estaria jogando zonal esse ano, por isso saudemos também o Leo!!!

    Abraço!!!

    Responder
  25. Marco Dias

    Que domingo perfeito! Verdão e Argentina campeões!!

    Delpo foi/é sensacional. Que tenista! Que garra! (e que FH cavalar…)

    Fez-se justiça. Um país com a tradição tenística (e paixão) como a Argentina merecia ter o título da Davis!

    E o que dizer da invasão argentina à Croácia?! Sensacional! O maior trunfo da Davis a meu ver é este clima “de final”. Isto chama a atenção para o esporte até dos que não acompanham tênis. Incrível e emocionante!

    Peço licença ao colega Rafael Wutrich para usar a sua frase (em referência a Everaldo Marques): “Copa Davis, sua linda!”

    Abs!

    Responder
  26. Pieter

    Dalcim, a galerinha de Itajaí não encerrou a temporada ainda, não. Estão todos inscritos em futures no Uruguai neste mês e no próximo. Torço muito por eles, em especial pelo João Menezes e o Orlandinho, que considero os mais promissores…

    Responder
  27. Rafael Arouca

    No quinto set, 5/3 pra Argentina, Del Potro sacando em 30-0 aconteceu pra mim o momento
    que se resume o que é uma Davis: as 2 torcidas empurrando seus tenistas e uma gritando
    o nome de um e a outra aumentava o barulho…ÉPICO! Todo tenista tem que sim desejar
    ter uma Davis na carreira.

    Responder
    1. Márcio Souza

      E o que falar de Maradona na torcida?
      Estava achando que ele seria um tremendo pré frio ao estilo Mick Jagger, mas não, assim como a torcida da Argentina ele cantou, vibrou e empurrou a Argentina para esse titulo inédito.

      Parabéns a todos da equipe argentina que foram muito guerreiros e não abaixaram a cabeça mesmo estando 2 a 1 depois de sabado e no no jogo do Cilic o Delpo perdendo de 2 a 0, mas depois daquele Grand Willy a coisa mudou toda para o lado dos hermanos.

      Que virada sensacional!!!

      Responder
    2. Sergio Ribeiro

      Pois e’ Rafael . E tem uma Turminha da geração Internet ( absurdamente individualista ) , que desdenha a COPA DAVIS e o OURO OLIMPICO. E se baseiam nos Cartolas da ITF e ATP , que além da Pontuacao Baixíssima , retiraram todos nesses jogos. Nada que impedisse Andy Murray de pular o MASTERS 1000 de Toronto ( totalmente esvaziado) e levasse o Ouro com um belo duelo com Del Potro na Final. Abs!

      Responder
  28. Sérgio Ribeiro

    E não e’ que Juan Martin Del Potro acabou mesmo fazendo Historia. E não e’ que Marin Cilic me fez calar ( mais Winners , mais subidas a’ rede e Aces que o Hermano ) , jogou Tenis de TOP 5. Duas viradas históricas sobre Murray ( saiu de 1 x 2) e Cilic ( 0 x 2 ) , para coroar uma campanha Épica para deleite da Galera que adora competição de alto Nivel. E olha que , a meu ver, Orsanic utilizou outra tática suicida. Com apenas 1 Título em Duplas na carreira , sua escalacao na mesma contra os irmãos Murray ( o Ponto decisivo teve que ser ganho por Léo Mayer sobre Evans) e de novo agora contra os Croatas, foi no minimo arriscada .E o Capitão optou por Delbonis ( que tem o famoso h2h desfavorável contra Karlovic e o próprio Mayer) e nao jogou Simples na Escócia. E fez um partida sensacional contra o Velhinho. Com direito a Tango e sofrimento, a conquista da Copa Davis 2016 foi mais do que justa. Estava escrito nas Estrelas! Abs!

    Responder
  29. Mario Cesar Rodrigues

    Dalcim,Palmeiras poxa 22 anos caraca!enfim valeu bem a Argentina ganhou merecido!Delbonis para mim foi o cara!Del Potro ganhou do Cilic por bobeira do Cilic a meu ver!Mas é assim eu vejo o Delbonis foi a chave ganhou seus dois jogos Karlovic DelPotro passou aperto e Delbonis matou Karlovic!Vamos dar a César o que é de César!

    Responder
    1. diego adrian

      os dois foram importantes. Mas se tem que escolher um, o cara mesmo foi Delpo porque ganhou os 2 singles que disputou e um deles com uma virada histórica contra o numero 6 do mundo. Delbonis decidiu o ultimo ponto mas perdeu na sexta contra Cilic. O jogo chave da serie e todo mundo sabia disso era a disputa entre Cilic-Delpo. Na sexta ganharam os 2 favoritos (Cilic venceu Delbonis, e Delpo bateu Karlovic). No jogo de duplas Croacia era muito favorita até porque em quartas e sf ja tinham vencido as duas melhores duplas do mundo. Para Argentina a possibilidade de ser campeã era vencer os 2 jogos contra Karlovic e que Delpo ganhasse do numero 1 deles. E Delpo conseguiu apos ter perdido os 2 primeiros sets. Então está claro que ele foi o cara do finde.

      Responder
  30. Carlos

    Torci muito pela Argentina e por Delpo, ao mesmo tempo que torcia por Dr. Ivo, eu queria que a Argentina ganhasse o confronto, mas que Karlão fizesse uma apresentação melhor, não sei o que deu na cabeça dos Croatas ao escolher esse piso, tendo Delbonis e Karlovic como 2° jogadores, não faz sentido para mim, têm alguma noção, Dalcim?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu também acreditava num piso mais veloz, Carlos. Talvez tenha optado por algo semelhante ao Finals para não prejudicar muito o Cilic. Ou então acreditaram que Coric se recuperaria para jogar.

      Responder
  31. Márcio Souza

    Parabéns a Argentina pela grande conquista.
    Ja no post anterior vinha falando que estava na torcida por ela e mesmo sabendo que seria muito dificil depois do jogo de duplas no sábado, mas foi muito bom ver que Delpo escreve seu nome de vez na galeria de grandes campeões da Davis e pra Argentina um titulo justo que escapou em vezes interiores.

    Delpo além de tudo nos comprova a cada grande vitoria que, se estiver sem lesões e descansado, faz frente com qualquer tenista do circuito e sim estou falando dos top 5 (basta ver que ganhou de Djokovic, Murray, Nadal, Wawrinka e agora Cilic mesmo ainda não estando no seu melhor nivel técnico e fisico).

    Tomara que ele continue saudável (punho é complicado) para disputar os grandes torneios no ano vem e que a sua direita continue poderosa como estamos acostumados a ver.

    Parabéns Delpo e a Argentina titulo mais que merecido.

    Responder
  32. carlos

    boa noite Dalcin, admiro seu trabalho, faz muito bem ao tênis com informações importantes e um ponto d vista de quem entende do riscado, mas a final da Davis em 2008 não foi no saibro em B.A. mas sim na coberta em Mar del plata e foi marcada por um conflito interno na equipe entre Nalbandian e Delpo, vc deve se recordar dessa história, grande abraço.

    Responder
  33. Marcelo-Jacacity

    Cavaliers – NBA
    Leicester – Premier League
    Cubs – Beisebol
    Brasil – Futebol olímpico
    Murray – N. 1
    Palmeiras – Brasileiro
    Davis – Argentina
    Sulamericana – Chapecoense?
    Pode fechar o ano, que já deu.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      E aí Marcelo, a Zebra Novak vencedor de Rolanga 2016, somente perde para o Time do Dalcim botar 9 x 8 em cima do Santos. Segundo a gloriosa CBF de R. Teixeira e Del Nero, o Verdao venceu DOIS em 1967. Enquanto isso o Sport e’ o ” Legitimo” Campeão de 87. KkkkkkkkkkkkkkAbs!

      Responder
      1. Marcelo-Jacacity

        Em RG o Djokovic ganhará mais dois títulos ainda! Somente o primeiro troféu que tardou!

        Mas que 2016 está se mostrando um ano inusitado no esporte está.

        Responder
  34. Vitor

    Mestre, foi fantástico o que a Argentina fez hoje, porém me intriga uma coisa.
    Mariano Hood disse:
    “A dupla é outro esporte. Ter nascido em quadras de saibro nos beneficia para formar jogadores ag “Eluerridos e duros mentalmente, mas nos prejudica na hora de ter grandes sacadores e voleadores. Não é casualidade na história do tênis argentino que não tenhamos tido muitos sacadores”

    Qual é a sua opnião sobre os duplistas argentinos? Por que o MAyer!!! e não o Zeballos ou Molteni ou Gonzales, que são especialistas em duplas?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acredito que o Orsanic tenha optado por mais gente que pudesse jogar simples, já que não havia mesmo um duplista de ofício. Então, ter Delbonis, Pella e Mayer seriam opções distintas para um quinto jogo.

      Responder
      1. Lázaro Zardini

        Dalcim, pegando esse gancho…

        Achas que uma alternativa pro Brasil ir mais longe na Davis é optar por um grupo de simplistas que podem surpreender nas duplas? Já ouvi isso antes, mas penso que abrir mão de um ponto garantido (as vezes o único rsrs) com Soares/ Melo pode ser ruim. Além disso Dalcim, acha que ainda há espaço pro André Sá na Davis, ele fez um excelente ano e, caso minha proposta na primeira frase faça sentido, o mineiro poderia ser o único duplista dando a possibilidade de variação de jogo na escolha dos simplistas.

        Bom, digo isso apenas por curiosidade, ouvi, mas não levei muita fé. Gostaria da opinião de um especialista…
        Abraço!!!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Puxa, infelizmente não temos um número 2 ainda no mesmo nível do Bellucci. Então não podemos abrir mão da dupla, que é um dos nossos pontos mais fortes. Claro que o ideal seria ter um duplista que também possa jogar simples, como o Tsonga, Nadal ou Federer, mas são poucos países que podem se dar a esse luxo. Abs!

          Responder
  35. Carlos Eduardo Scioli

    Em 2008 a Argentina mandou os jogos na hard contra a Espanha (por causa de Nadal, que por contusão acabou não vindo) , Dalcim.
    Del Potro perdeu na sexta e não apareceu para jogar no domingo(tb por lesão no punho), deixando um Acasuso no 4 jogo e “facilitando” para os espanhóis. Nalbandian, que já “não morria de amores” pelo colega, não engoliu desperdiçar a chance de fechar como herói no 5 jogo – ele que vinha “voando” e atropelou o Ferrer (raquete 1 da Espanha) na sexta.

    Responder
  36. Fernando Godinho

    Sensacional o título da Argentina. Eu mesmo assisti o final do jogo do Delpo em pé, que ano ele teve, um grande exemplo de perseverança e dedicação ao esporte. Junto com o Murray foi, para mim, o personagem de 2016 no tênis.

    Fica uma pena o Nalbandian não ter participado disso pq sempre se dedicou demais à Davis.

    Em tempo, qual vc acha que é a projeção de 2017 pro Delpo? Será que dá pra brigar pelo top 10?

    Responder
  37. Eduardo

    Dalcim, muito bom o post ! No final fiquei imaginando como seria um jogo entre Villas e Nadal em Roland Garros . Poderia dar sua opinião sobre quem venceria e descrever como imagina seria esse embate ? Abraço e Dá-lhe Palmeiras ! Maior Campeão do Brasil !!

    Responder
      1. Diego Adrian

        Kkkkkk boa resposta. Também acho. Vilas com o condicionamento físico dos jogadores de hoje em dia contra Nadal….nossa. Que maratona ia ser essa!!!!! E os dois tem raça e um coração enorme além da qualidade já conhecida especialmente nas quadras de saibro.

        Responder
  38. Rubens Leme

    A questão é saber se Delpo terá físico para uma temporada inteira. Se tiver, volta ao top 10. Para jogar a final tirou mais de um mês de descanso para recuperar o punho e aguentar três dias inteiros e aproveitou que Cilic jogou o Finals e parecia esgotado no final.

    Parabéns a Delpo e ao nosso Super Porco, Dalcim!

    Que domingo!

    Responder
      1. Rubens Leme

        Eu gostei do Nico ter ganho. Curtia o pai dele e é bom ter mais um campeão na F1.

        Aliás, ela nunca este tão recheada de campeões. Todos, de 2005 pra cá ainda correm, embora o Button tenha se aposentado. Mas ainda estão Alonso,, Raikkonen, Vettel, e os dois da Mercedes. Temos um tetra, um tri, um bi….

        Responder
    1. Horacio

      Rubens: Além de jogar no fim de semana 12 horas e virar um 0_2 , além de ter vencido nos últimos jogos aos 6 melhores do mundo que tem que fazer Delpo para que vc o considere um top 10 ?

      Responder
      1. Rubens Leme

        Eu não disse que ele não tem tênis para se top 10. Entendeu errado, Horácio.

        Para mim ele é top 5, mas para voltar a ser top 10 (e ao top 5) ele precisa estar saudável e jogar todos os grandes torneios. Este ano, escolheu a dedo onde jogar e conseguiu ir bem, mas é muito pouco para alguém tão talentoso como ele. A questão é saber se o punho irá aguentar jogar semanas consecutivas.

        Responder
    2. Fabio

      Acho que o Del Potro se poupou nas duplas também, foi um jogo estranho ontem e a atitude dele com o Leonardo Mayer e o Orsanic. Acho que o Mayer fez um bom jogo e também foi importante na vitória com a Grã Bretanha, a única coisa estranha pra mim foi o jogo de duplas que o Del Potro parece que não levou a sério, de qualquer jeito hoje ele se redimiu. Se alguém ficou triste pelo título da Argentina, precisa rever seus conceitos. Merecidíssimo. O time e a torcida estão de parabéns… temos muito que aprender com eles…

      Responder
  39. Arthur

    Poucas vezes fiquei tão feliz vendo um jogo de tênis quanto agora, Dalcim.
    Ninguém mais do que o Del Potro merece este título. Não é por acaso que os 6 melhores jogadores da última década (os 4 de sempre + Wawrinka e Delpo) conquistaram a Davis. Uma pequena amostra do que o argentino poderia ter alcançado no circuito se não tivesse passado tanto tempo lesionado.
    2017 promete…

    Um abraço.

    Ps.: Explica melhor essa treta do Villas com a ATP, Dalcim. Fiquei sem entender. 😉

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Então, Vilas sempre pleiteou o número 1, dizendo que houve erro da ATP na computação dos pontos. Entrou com recurso novamente alguns anos atrás, mas novamente a ATP negou. Claro que havia uma pontuação diferente daquela que se usa hoje, mas imagine alguém ganhar dois Slam e mais 14 torneios e não ser o melhor.

      Responder
      1. Horacio

        Os pontos do ranking nessa época se contabilizabam por um período de dos anos e não de um como agora. Aplicando o atual sistema tivesse sido tranquilo o número 1

        Responder
          1. Rafael Wuthrich

            Na verdade o problema maior era a publicação do ranking, que não era feita semanalmente como é hoje. Foi o que li nos periódicos argentinos.

  40. Diego Adrian

    Obrigado MESTRE Dalcim por esse post. Imagine um cara feliz e emocionado pela conquista da Copa Davis da Argentina. Foi a primeira final em que todos os participantes da equipe eram torcedores do Boca Juniors. E já viu o resultado…kkkk. Delpo ganhou “a lo Boca”. Na raça, com o coração. E Delbonis jogou o ponto decisivo com uma tranquilidade que surpreendeu a todos.

    Responder
  41. Daniel Lancia

    Excelente post, Dalcim, falou tudo, esses jogadores têm o espírito de Copa Davis, mesmo fora de casa se transformam em verdadeiros gladiadores para vencer cada jogo! Aliás, que campanha incrível, venceram todas as rodadas como visitantes!!! A Argentina faz tempo que merece essa conquista!!! Que ano recompensador para o Delpo! Aliás, que dupla nesse domingo hein…Delpo e Delbo!!!!

    Responder
  42. Andre

    Dalcim,

    A final contra a Espanha em 2008 foi na quadra dura coberta. Não foi no saibro.

    Jogaço do Cilic x Delpo. Cilic erra demais, mas Delpo jogou muito.

    Sobre Karlovic é o típico jogo chato. Só saque. Erra voleios bobos, não consegue devolver saque e não joga 3 bolas sem errar. Espera um jogo mais disputado.

    Parabéns aos hermanos.

    Responder
  43. Isaías

    Dalcim, olha Del Potro definitivamente entra para a galeria dos grandes idolos argentinos depois desse ano fantástico de 2016, medalha de prata nas olimpiadas, Vitória histórica sobre Murray em 5 sets disputados na casa dos Britânicos e depois uma virada histórica sobre Cilic na casa de Cilic e mais uma vez em 5 sets. Mesmo tendo sua carreira cheia de lesões o que impediu Del Potro de alcançar vôos mais altos mais mesmo assim Del Potro parece não se lamentar ou pelo menos não demonstra frustrações nas entrevistas por nao ter tido a chance de ganhar mais titulos ao contrário sempre diz que seu sonho era voltar a jogar tênis e a jogar contra os melhores, em época de big four Del Potro tem a sua própria luz, nasceu pra ser um gigante a Torre de Tandil, incrível história de superação

    Responder
  44. Chetnik

    Grande vitória. Vi a partir do terceiro set do jogo do Delpo e todo o segundo jogo. Os argentinos são espetaculares. Os caras são fanáticos demais e vendo eles cantando o tempo inteiro dá uma vergonha IMENSA daquela porcaria patética do ‘sou brasileiro com muito orgulho com muito amor’. Argh.

    Esse Delbonis é curioso. Nas poucas vezes que eu o vi jogar, ele jogou muito bem. Bom saque, golpes firmes, corajoso e agressivo. Mas o ranking não parece refletir. Devo ter dado sorte nesses jogos rs.

    Karlovic é pavoroso, chega a doer rs.

    Temporada de 2016 do Murray não se compara com a de 2011 do Djokovic, mas ambos tiveram suas melhores temporadas após vencer a Davis. Será que ano que vem o Delpo vira número 1 rs,

    PS; Escolha estranha essa quadra mais lenta.

    Responder
  45. Leandro Passos

    Dclcim, ótimo comentário, como sempre.

    Diga-me uma coisa: qual é a participação do Daniel Orsanic neste título? Ele conseguiu agregar o grupo e fez a cabeça do Del Potro para voltar a equipe argentina da Davis?

    Outra coisa: consegui acompanhar ao mesmo tempo a Davis e o título do Palmeiras? Como? Tendo dois televisões na sua frente? Rsrsrs.

    Abraços!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, acho que ele tem muita importância sim, Leandro. Era fácil notar que todo mundo estava unido e ele fazia parte importante nisso. Sempre o achei muito competente. Sim, duas TVs e dois corações!

      Responder
    2. Horacio

      Foram fundamentais as escolhas dos jogadores em cada confronto. Em Itália fez jogar a Pella, em Escócia a Mayer e hoje à Del Bonis. Três escolhas acertadissimas.

      Responder
  46. Lejoso

    Mestre, até agora estou ouvindo fogos aqui na zona leste de SP. Acho que deve ter muitos argentinos aqui comemorando o titulo da Davis, rsrsrs.
    Brincadeiras a parte, parabéns pro seu verdão, campeão merecido deste ano. Já o meu corinthians, ai ai ai…
    Qual técnico de tenis vc compararia com o cuca? Pra mim seria o Lendell, já que o palmeiras tinha o elenco de qualidade mas não vinha tão bem e ele conseguiu tirar o melhor da equipe.
    E realmente a tranquilidade do Delbonis assustou. Parecia que ele tinha 36 e o Karlovic 26, já que o croata estava muito inseguro e falhou feio nos momentos decisivos.

    Abraços

    Responder
  47. William

    Dalcim, como foi assistir ao jogo decisivo e o jogo do palmeiras ao mesmo tempo??? Qual jogo estava mais emocionante?? Por favor explique melhor esta história do Vilas. Não sei se você sabe mas como é feito o trabalho de base na Argentina? Mesmo com essa crise vc acha que eles vão continuar produzindo grandes jogadores? por fim o que você acha da Argentina escalar o Del Potro para as duplas?? Desculpa pela quantidades de perguntas e parabéns pela cobertura do tênis deste ano.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que a Davis foi mais emocionante no jogo do Delpo. O do Delbonis foi igual o do Palmeiras, calculado. A história do Vilas expliquei logo acima. Não existe um trabalho espetacular de base na Argentina, mas dá-se muita oportunidade e duas coisas importantes: todos os grandes nomes continuam envolvidos com o tênis e todo mundo treina junto, há muito intercâmbio. Isso falta demais ao Brasil. Por fim, acho que os técnicos fizeram o certo e tentaram ganhar a dupla, que é sempre um ponto essencial. É um risco calculado, mas o tenista sempre participa e decide se joga ou não. Abs!

      Responder
  48. Rodrigo S. Cruz

    Impressionante a qualidade do tênis que tem esse Delpo…

    O cara é simplesmente capaz de ganhar de qualquer um do circuito, em qualquer piso, desde que esteja descansado e sem lesões.

    A direita dele é a mais devastadora do circuito.

    Vitória merecidíssima da Argentina.

    Responder
  49. Thiago Mazer

    Delpo sempre histórico!!! Linda virada hoje contra o Cilic e
    Belissima vitória na Gra Bretanha contra Murray para chegar nessa final!! Sempre jogando com muita técnica e com o coração!!! E sem backhand nesse momento devido às constantes dores no seu punho operado
    Parabéns Argentina ! 1seria uma
    Honra poder ter jogadores tão aguerridos e hábeis aqui no nosso país

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *