Não dá para ser melhor
Por José Nilton Dalcim
19 de novembro de 2016 às 20:00

Pela primeira vez desde a criação do ranking, o número 1 do mundo será decidido diretamente entre os finalistas da última partida da temporada. Dá para ser melhor do que isso?

Herói local, Andy Murray tenta manter o posto que assumiu há apenas duas semanas, mas tem diante de si um adversário que o derrotou 24 vezes em 34 confrontos. A arena O2 tem sido seu palco desde 2012 e Novak Djokovic almeja não só a liderança, mas o hexa no Finals, o que igualaria o recordista Roger Federer.

Além da exaustão – ficou cerca de oito horas em quadra desde a quarta-feira -, Murray terá de reverter um padrão em sua carreira, que sempre foi dar um passo por vez. Foi assim para ganhar o primeiro Grand Slam, para vencer Wimbledon, para brilhar no saibro, para atingir o número 1. Se conseguir, será o 17º homem a terminar a temporada na frente.

Com grandes atuações nos dois últimos jogos em Londres, Djokovic poderá ser o primeiro número 2 a destronar o líder vigente durante o Finals desde que Lleyton Hewitt superou Guga Kuerten em Sydney de 2001. A volta ao topo fará com que termine como melhor do mundo pela terceira temporada consecutiva e a quinta vez em sua invejável carreira.

Como ingrediente pitoresco deste domingo histórico, haverá um duelo também fora da quadra. Afinal, Boris Becker e Ivan Lendl fizeram três finais do então Masters de Nova York. O tcheco ganhou em 1985 e 86, por 3 a 0, mas o alemão deu o troco na histórica decisão de 1988 quando, no ocaso de cinco sets disputadíssimos, uma bola tocou caprichosamente na fita no match-point.

Gigante Murray
A batalha de 3h38 entre Murray e Raonic foi épica, não apenas pela duração mas pelas várias alternâncias e grande tensão. Pode-se dizer que o canadense foi penalizado com a derrota porque, para mim, fez a melhor apresentação técnica e tática da carreira. Disposto a atacar o tempo inteiro, com golpes profundos e voleios perfeitos, mostrou principalmente pernas e paciência para encarar os mais duros ralis diante de Murray. Em ponto decisivo do terceiro set, buscou até um voleio-deixada. Gostei mais ainda de vê-lo vibrar o tempo inteiro. Influência de John McEnroe?

Murray teve seus altos e baixos, é verdade. O forehand falhou de forma irritante, muitas vezes curto demais e facilitando o ataque do adversário. Louve-se seu enorme esforço físico e mental. Não desistiu, tentou tudo que podia, encarou seus fantasmas, fez um voleio que merece entrar para o livro de história e impediu que Raonic ganhasse pela primeira vez em seis tentativas de um líder do ranking. Fato curioso, Andy levou a melhor nos três jogos duros que fez contra Raonic neste ano em Londres, totalizando seis triunfos só nesta temporada.

Tanta vontade de ganhar precisa ser destacada, porque afinal Murray vem de uma sequência notadamente desgastante desde as Olimpíadas. É sua sexta final consecutiva e a 13ª da temporada, em busca do nono troféu. Desde o saibro europeu, em maio, são 64 vitórias e apenas cinco derrotas, com oito títulos e mais quatro finais em 13 torneios.

Absoluto Djokovic
Consciente da destreza do adversário na quadra dura, mas também de seu possível cansaço após dois jogos difíceis na semana, Novak Djokovic entrou incrivelmente determinado para a segunda semifinal. Flutuou pela quadra e num passe de mágica já estava 4/0. Só então deu uma cochilada e cedeu uma quebra, mas retomou o domínio. Nishikori até disparou winners, mas a distância entre o saque e a devolução dos dois jogadores é monstruosa.

Então é fácil explicar o placar de 11 a 2 no confronto direto e a 10ª derrota consecutiva desde agosto de 2014 – sete só nesta temporada. E olha que esses dois anos foram o período de ascensão e afirmação do japonês.

O domingo pode ser histórico mais uma vez para o sérvio. Sem ganhar um título desde agosto, em Toronto, numa ‘seca’ muito rara de se ver desde 2011, ele tem tudo para deixar para trás os meses de desempenho irregular e encerrar a temporada no topo. Nole tem empatia absoluta com a arena O2, com 22 vitórias em 23 jogos desde 2012, que lhe deram quatro títulos naquele que é o quinto torneio mais importante do calendário.

Frustração na dupla
Bruno Soares e Jamie Murray ergueram o merecido troféu de melhor parceria da temporada, mas tiveram uma atuação frustrante na semifinal pouco antes diante de Raven Klaasen e Rajeev Ram. O primeiro set foi muito abaixo do que podem e no segundo deixaram escapar chances preciosas. Ressalte-se o sereno e firme desempenho dos adversários.

O mineiro e o canhoto escocês entram para a história como terceira parceria montada num começo de temporada a atingir o número 1 ao final do calendário, repetindo feitos de Grant Connell/Patrick Galbraith, em 1993, e de Jonas Bjorkman/Todd Woodbridge, em 2001. Bruno tentou sua primeira decisão no Finals, após semi em 2013, algo que Marcelo Melo obteve com o vice de 2014.

A decisão será surpreendente, já que Henri Kontinen e John Peers repetiram vitória de Paris em cima dos irmãos Bryan – eles foram campeões em Bercy – e chegam invictos à final. Curiosamente, eram a única parceria deste Finals que já havia vencido todos os outros sete participantes ao longo de 2016.


Comentários
  1. Leonardo Freitas

    Murray enfim pode se tornar um dos grandes e esta com tudo para ano que vem ganhar mais títulos e enfim ter um currículo condizente com seu talent ,que não condiz com apenas três títulos de grand slam e nenhum finals e tirando Djokovic,Nadal e Federer que são ET o único que vejo com talento parecido com Murray é o Wawrinka que embora seja talentoso igual o britânico,possui igualmente um currículo inferior ao seu talento e com tres títulos de grand slam e apenas um master 1000,convenhamos não condiz com a bola que suíço joga.Murray está de parabéns venceu seus fantasmas e seu mental esta forte como nunca o que e muito bom para tênis o que não aconteceu com o suíço mesmo com experiência já adquirida com os anos o que mostra que apenas talento não forma grande campeão e Djokovic jogou mal segundo semestre muito mais pelo 2015 sensacional e desgastante e mais a pressão em que ele chegou em Roland Garros coberto de peso nos ombros e também com seu físico no seu limite pagando o preço no segundo semestre o que é normal e apenas vamos aferir queda de um e a regularidade de outro no ano que vem em que os dois estarão descansados e partirão do zero.

    Responder
  2. José Eduardo Pessanha

    Mais uma final maratenística. Ou seja, será um porre…mas como esses caras também envelhecem, provavelmente será a última vez que um desses caras estará na final do Finals. Se isso acontecer, o tênis ofensivo agradecerá. Os deuses do tênis devem três favores a nós. O primeiro já foi cumprido: Nadal e seu tênis estilo Dunga acabaram. O segundo se cumprirá mais cedo ou mais tarde: mais um Slam para o Maior Talento de Todos, que não preciso nem dizer quem é. E o terceiro também está perto: o fim do Maratênis. Isso posto, mais um ano que se encerra, e com a promessa de um 2017 melhor, com os robôs em decadência, FedEx de volta e seus discípulos Zverev e Kyrgios entrando de sola no top 10. Abs.

    Responder
  3. Robson

    Então quer dizer que Novak pega em uma das semi,um integrante vindo do “poderoso”(kkkkkkkkkkk)grupo do britânico e passa o carro sem dó,atropelamento total,ao passo que o britânico pega em sua semi um integrante do “fraquíssimo”(kkkkkkkk) grupo de Novak e sofre por quase 4 horas pra conseguir chegar a grande final? Como assim?
    Quando é que os ANTIS entenderão que cada jogo é um jogo,que cada um dos 8 que estavam(estão) nesse Finals,estavam(estão) por merecimento total,que nenhum dos 8 caíram ali de paraquedas,foram os 8 melhores desde Janeiro até este mês e pronto.

    Responder
  4. Lola

    As viúvas, estão dizendo que os ‘animados’ torcedores do sérvio, caso ele perca, não vão aparecer por aqui. Nã, nã, não, eu não costumo fugir, nem o sérvio foge das finais. Amanhã estarei aqui, principalmente se ele perder, que eu acho que não vai acontecer, pq a última vitória que o Murray teve sobre o sérvio, foi na final de Roma, e de lá pra cá, só vitória do Djokovic.

    Responder
  5. Marco Dias

    Dalcim, por favor, esclareça um ponto: tem gente dizendo que a sequência do Djoko na liderança do ranking não foi “quebrada” por conta desta regra do Finals de descarte antecipado dos pontos. Isso procede ou já era?

    Responder
  6. Daniel

    Essa final era totalmente esperada, nesse ATP Finals com nível tão baixo. Monfils, Thiem e Nishikori não estariam em nenhum top 8 do passado. São jogadores ridículos na forma de encarar uma partida importante. O francês fugiu do jogo contra o Djokovic pois sabia que iria ser surrado, o austríacos geralmente só consegue manter um nível bom por 1 set e quando joga atrás no placar é ladeira abaixo, e o japonês faz partidas pavorosas quando esperam que ele vai finalmente subir um degrau. O que ele fez ontem foi vergonhoso pra um top 5 e pra mim era passível de multa por pouco esforço. Só o Raonic tem me surpreendido, apesar de sempre morrer na praia nos jogos grandes, mesmo lutando muito como ele disse.
    Pra mim o tênis passa por uma crise técnica que fica ainda mais escancarada com o declínio de Nadal e Federer. Nao tem nenhum tenista mais novo incomodando e os trintões deitam e rolam nesse circuito, onde a maioria só sabe trocar bola do fundo de quadra. Aí fica explicado o domínio do sérvio, que é quem faz isso com mais qualidade e regularidade. Também acho que tem muito tenista aí que se contentou em ganhar dinheiro fazendo quartas aqui e ali e não se esforça pra superar os melhoras. Entraram na zona de conforto de serem coadjuvantes. No auge do Federer, a nova geração era Del Potro, Nadal, Djokovic e Murray. Veja onde esses caras está hoje… Será que Dimitrov, Raonic, Thiem, Goffin e Nishikori vão chegar perto dos títulos deles? Duvido, é uma geração inteira perdida. Uma pena. Essa sem dúvida seria a melhor época pro Federer viver seu auge, em matéria de possibilidade de recordes incríveis.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Cara, o que você quer nunca existiu, tampouco existirá. Gerações ótimas e fracas vêm e vão. Veja por exemplo aqui. Quando nasceu o tenista Gustavo Kuerten, muita gente achou que isso seria comum posteriormente. O que temos agora? Nada.
      E para finalizar, por que não acontece com Federer o que desejas? Porque, simplesmente já passou sua época.

      Responder
  7. Mário Fagundes

    Djokovic é o favorito absoluto. Ficou menos tempo em quadra e fez mais um treino de luxo na semifinal diante de um adversário desgastado. Mas cada jogo é um jogo diferente. Murray, por sua vez, já mostrou que está muito forte mentalmente. Mas o título vai para quem vencer o primeiro set.

    Responder
  8. Luiz Fernando

    Repita uma mentira varias vezes e ela se tornará verdade, parece q os caras conseguiram mexer c a cabeça da torcida do Djoko, pois ontem vi q o Marcelo, as 21:51, postou q “Djoko vence na parte mental por pequena margem”. É algo semelhante a dizer q Murray, q de fato vive grande momento na atualidade mas sempre foi tido mais fraco q os demais membros do big4 nesse quesito, representa mais p o tenis do q Rafa e Federer juntos…

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Luiz Fernando,
      Muita calma nessa hora. rs
      Estou considerando o excelente momento do escocês. Obviamente que no cômputo geral da carreira, no quesito mental (e em outros tb) Nadal e Federer estão muito acima do Murray. Nem tem como comparar.
      Por isso que sempre disse: Big 3, só isso.

      Responder
  9. evaldo moreira

    Dalcim,
    Uma pergunta totalmente fora deste post, sem,pre tive a curiosidade de perguntar.
    Você alguma vez reuniu, digamos, amigos informais, os do meio jornalísticos, leitores do seu blog por exemplo, para uma partida de fim de semana de tênis?
    Se sim, como foi?, se realizou mais vezes ou não, devido ao seu trabalho.
    Se não, você já pensou em fazer um dia?
    No mais parabéns pelo blog, tá show de bola…………..

    Responder
      1. Marcelo-Jacacity

        Opaa! Tô dentro! Boa Evaldo! O Marquinhos (ele mesmo, rs) até comentou há uns dois/três anos atrás sobre a possibilidade de reunir o pessoal aqui do blog. Achamos bacana, mas não foi pra frente.
        Vamos lá Dalcim!

        Responder
  10. Marcão

    Concordo inteiramente com o querido Dalcin, Raonic jogou a partida da vida e merecia ter vencido. Em dois sets, até. Ocorre que Murray vive um momento de puro encantamento e na hora H sempre tem encontrado um jeito de se salvar. Parece ter sete vidas. Amanhã, contra Djokovic, será o teste definitivo. Analisando friamente, considero Djokovic favorito. Murray deve estar mais cansado e o sérvio reencontrou a fortaleza do seu jogo. A aula de profundidade que ele aplicou no atônito Nishikori foi de fazer Linda Lovelace corar de vergonha. Jézuissss…

    Responder
  11. Anja Safadanja

    Anjos… de qq maneira, o Murray vai perder o primeiro lugar em alguns dias, quando terá descontada a pontuação obtida há um ano, na Davis. Pena!!!

    Responder
  12. Rafael

    A maior prova que não se deve alimentar os trolls é essa. Eles falam sozinhos, loucos por atenção, provocando, insultando, desrespeitando as regras do blog. Quando se vem sem argumentos, agem como lunáticos raivosos, invocam orientações políticas, o diabo, sob a justificativa de que são “brincadeiras sadias” e normais dentro de um blog.

    A trolls, só outros trolls dão ouvidos.

    É risível.

    Responder
  13. Yan Andrade

    Entendo a boa fase que o Murray vive, MAS Djokovic é Djokovic! É penta campeão no torneio sendo quatro consecutivos, logo indiscutivelmente o sérvio é o favorito. Se o Djokovic vencer o primeiro set ele será campeão, muito difícil ele deixar o Murray virar. Além disso, o Murray quando enfrenta o Djoko senti muito a pressão! Eu vou de Nole! Número 1 e Hexa campeão!

    Responder
  14. Miguel BsB

    Jogaço Murray x Raonic! Não sou muito fã do estilo de jogo do canadense, mas essa foi a melhor partida que eu o vi jogar, foi por pouco.
    Parece que o Djoko ligou o mode comedor de fígado, o do Japa ele comeu cru, em fatias de sashimi…rs
    Que final amanhã, promete muito!

    Responder
  15. Marcelo-Jacacity

    Murray
    A pressão estará toda com o Murray. É o n. 1 do mundo, joga no Reino não tão Unido, está em fase especial e por tudo isso tem o favoritismo.

    Djokovic,
    Este sim, joga em casa. Está mais descansado e mostrou depois de muito tempo, hoje, um tênis agressivo com forehand mais chapado e contundente.
    E como o excelente Narck Rodrigues destacou na transmissão no fim de tarde: Djokovic está muito motivado para recuperar a liderança do ranking.

    Responder
  16. Márcio Souza

    Amanhã quero ver a reação da torcida do Djoko que apareceu aqui essa semana toda animadinha e com aqueles gritinhos de “AJDE DJOKOVIC” tipo igual as tietes de Justin Bieber e Lady Gaga.

    Depois de RG e Olimpíadas eles estavam todos quietinhos e de repente depois de 3 vitórias e mais a de hoje em cima do Japa, todos estão euforicos dizendo que ELE VOLTOU, ELE VOLTOU!!!

    Amanhã Murray vence esse jogo galera, (se fosse pra ter perdido e não ficar como o numero 1 ele tinha perdido hoje, é a história sendo escrita) e como ja disse num comentário anterior, as djokozetes de plantão que estão todas afoitas irão comer um peru de Natal gelado esse ano, depois de uma vitória contundente em cima do Cotonete…quem viver vera!!!

    Ps: Qual sera a desculpa amanhã?
    Vai entrar algum cisco no olho?
    Vão troca lo de quadra e coloca lo na quadra secundária (ah! Não existe quadra secundária então essa não cola).
    Vao chover e o jogo vai ser interrompido varias vezes? (não chove dentro da quadra porque a Arena O2 é coberta e maravilhosa)
    Ou a unha vai encravar de novo?
    Ou os boleiros não vão devolver a bola na mão dele ou a toalha vai vir na mão dele com a estampa pra baixo e ele vai implicar com os boleiros?

    Enfim vamos ver a criatividade do sérvio depois da partida e confesso estou louco de ansiedade çara ver aquela cara de bebê chorão e de cachorro que caiu da mudança como foi em RG 2014 e 2015 e agora nas Olimpiadas e no US Open 2016.

    Que venha essa final logo!!!

    Responder
    1. Chetnik

      Cara, você é maluco. Cria na SUA cabeça desculpas não dadas em algumas derrotas e age como se o Djokovic tivesse falado isso tudo. Isso aí tem nome…

      PS: pelo perfil, esse aí vai bater a cabeça na parede depois do jogo amanhã. Já antecipo meu desejo pela sua melhora.

      Responder
      1. Márcio Souza

        Chetnik menos ódio no coração e respira cidadão.

        Estamos a poucas horas da decisão do Finals, e a provocação e ironia faz parte do contexto.

        Quem melhor que você que é mestre nisso em publicar coisas aqui como “aposentado fujao”, “baloeiro”, “mente fraca” ou outras coisas com o seu habitual “humor”.

        Estamos ansiosos sim pelo jogo, onde o resultado nos dara muitas respostas a diversas de nossas perguntas…portanto relaxe e curta o jogo.

        Se o Djoko ganhar tenho certeza de que você, Róbson e mais uma dúzia de djokozetes aqui fo blog irão ter orgasmos nos dedos ao digitarem nos comentários pós título…só que lembre se que se o Murray ganhar segura a onda e coma o peru de Natal gelado porque a gozação estará só começando kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Ps: Ah e não posso bater a cabeça porque amanhã é segunda dia de trabalho e não posso me dar a esse luxo ainda, de deixar o tênis ou qualquer outro esporte ou hobby prejudicar a minha vida, que aliás é bem vivida e saudável com minha familia, amigos e Deus.

        Boa sorte pro seu tenista favorito e bom jogo!!!

        Responder
    2. Alexandre

      Menos muito menos, o Djoko não precisa de desculpas pra nada…..ele é o numero um há tanto tempo, como se ele realmente precisasse de desculpas..

      Responder
    3. Lola

      Mas, ele vai estar em quadra, não vai fugir da final.

      E, eu quero ver qual vai ser a desculpa esfarrapada da torcido do Murray, ops, ele só tem um torcedor de fato aqui, ( Marcão) pra derrota, os outros, são viúvas raivosas.

      Responder
  17. Antonildo S Costa

    Boa noite meu caro Dalcin,dificilmente não teremos um grande jogo amanhã, é inevitável o favofitismo do sérvio , além de ter retrospecto bem favoravel diante do escocês, tem o desgaste bem maior vivido pelo britanico durante a semana, porem, por causa dessas circunstâncias, podemos ver um Murray bem mais agressivo, no objetivo de encurtar os pontos. O que achas mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acredito que a tática de Murray será uma postura mais agressiva, tentando atacar o segundo saque entrando mais na quadra. Ele também deve tentar variar o backhand com slice. Djokovic é mais consistente na base, saca melhor. Portanto, se Murray não correr riscos, vai ser difícil ganhar. Ainda mais se o físico não estiver 100%.

      Responder
  18. Márcio

    Vai dar o sérvio, no mano a mano sem chances.
    São da mesma geração, não tem o que discutir, o melhor entre os dois é o djoko.
    Só se o murray elevar o nível, atingir um 7º sentido. Do contrário, volta ao servio ao merecido número 1.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Como assim ” não tem o que discutir”?

      Tudo é discutível, amigão.

      Até a bíblia. Kkkk

      Pra mim, Murray é mais completo entre eles dois.

      Responder
      1. Sergio Cipriani

        Não foi o que o técnico maior vencedor de Grand Slam da história, Toni Nadal, disse. Ele acabara de afirmar Novak como o mais completo e demonstrou o profundo respeito que Rafa e sua equipe tem pelo sérvio, mais do que demonstrou ter pelos outros membros do big four.

        Responder
        1. Marquinhos

          O mesmo Tony Nadal disse uma vez que Federer é o mais talentoso e maior da história. Também declarou uma vez que Novak aproveitou-se do declínio de Rafa e Roger para dominar o ranking..

          Responder
        2. Rodrigo S. Cruz

          Pois é, opiniões mudam, variam e até se contradizem…

          O mesmo Tony Nadal afirmou que Federer pertence a uma casta de tenistas que está acima das demais. E que Nadal e Djoko vinham logo a seguir.

          Se ele mudou de opinião sobre Djoko (se é que mudou mesmo), pode muito bem mudar sobre Murray também…

          Além disso, eu expus a MINHA opinião aqui, e não a de Tony Nadal.

          Responder
  19. Marcelo-Jacacity

    Fala Arthur!
    Eis minha percepção:
    Saque: Djokovic
    Voleios: Murray
    FH: Djokovic —————Obs. Murray evoluiu no forehand. Era regular e está bom.
    BH: Djokovic —————Obs. Murray tem backhand muito, muito bom, porém, a esquerda do Djokovic é excepcional.
    Slice: Murray
    Smash: Murray ———–Obs. Djokovic evoluiu nesse quesito, era ruim e está regular.
    Mental: Djokovic por pequena margem
    Devolução: Djokovic —-Obs. Murray devolve muito bem, mas o Djokovic é fora de série, possui o terceiro serviço.
    Momento: Murray, está voando, iluminado.

    Responder
    1. Arthur

      Fala, Marcelo!

      Cara, concordo com quase tudo que você disse. Minha única discordância seria no quesito mental. Djoko tem um mental muito superior ao do Murray.
      É fato que, nos últimos meses, o escocês passou a mostrar a estabilidade nesse quesito que sempre faltou a ele.
      É fato, também, que Djoko caiu muito de produção no segundo semestre desse ano.
      Mesmo assim, no cômputo geral, ainda acho que o sérvio tem larga vantagem nesse quesito.
      Vamos ver se 2017 prova o contrário e mostra que esse Murray mentalmente mais estável veio para ficar.

      Um abraço.

      Responder
  20. Isaque Clemente

    Dalcim,não sei o que você pensa, mas acho que o Raonic com a potência que tem, deveria usar mais a força do que o jeito nos saques. Acho que essa variação é interessante para jogadores de menos potência, não que ele não possa usar a variação de velocidade, mas ele deu muitos saque fracos, onde ele não conseguiu o angulo que pretendia e com isso facilitou a devolução do escocês, quase todo saque forçado dele é acima de 215 km. O que você pensa a respeito?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, não vi o Raonic dando saque fraco. No máximo, ele variou com slice aberto para abrir a quadra, o que é uma tática perfeita. No tênis, você não pode sacar do mesmo jeito o tempo inteiro. Variação é algo essencial, Isaque.

      Responder
  21. Mario Cesar Rodrigues

    Caro Dalcim o Raonic rapaz…mas também temos gente que observar o Andy está numa maratona danada.E claro ganhou nos detalhes..Nole jogou o que estáva acostumado antes mas o Kei colaborou..não tenho palpite para amanhã mas se fosse apostar apostaria no Nole Andy ainda sente pressão melhorou muito mas sente.é só olhar o jogo de hoje!Mas jogo é jogo e lambari é pescado.Se Nole tomar o número 1 beleza se Andy continuar numero 1 beleza!Mas o Kei não adianta Dalcim o cara é craque mas sofre demais fisicamente,o saque dele não machuca mas é um craque no jogo de ontem ficou evidenciado que Nole iria ganhar do Kei com facilidade!

    Responder
  22. Marco Dias

    Djoko detonou o Nishikori (sem desmerecer o japa, mas não vejo nele jogo para vencer um Slam ainda como alguns acreditam…)

    Kei tem o mesmo estilo de jogo do sérvio, mas é pior em todos os fundamentos… aí fica difícil.

    Sei não, estou achando que vai dar Djokovic (e se ocorrer, será que teremos uma nova invasão da torcida “Miguxa S2” do sérvio?!?! kkkkkkk). O guru no staff de Novak com a camiseta “Amor e Paz” deve ter sido um presente desta ala brasileira de fãs… hehehe…

    O engraçado é que caso Nole volte a ser nº 1, Andy só fez “estragar” a sequência consecutiva do cara… hahaha

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Marco Dias,

      Esse guru é uma figura! Sem contar que ele é a cara do Steve Vai com o Victor Fasano…hahahaha
      Quando vi na transmissão a camiseta, rachei de dar risada…kkkk

      Responder
      1. Marcão

        Quando as câmeras mostraram esse guru no box do Djokovic, ao lado da primeira dama, com aquela cara de quem comeu jenipapo, pensei, assim de repente, no susto: “Mas que diabos o pai do David Ferrer tá fazendo ali?”

        Responder
    2. Alessandro Siqueira

      Há controvérsia. Se Nole recobrar o #1, de fato, não o terá perdido na regra das 52 semanas. Atualmente o ranking computa 50 semanas. É a regra e faz com que a corrida e o “ranking anual” sejam equivalentes durante o finals, mas não deixa de ser exceção ao regramento geral.

      Não é a primeira vez que Djoko perde a ponta pelo descarte do finals. Em 2013 ocorreu a mesma coisa em relação ao Nadal.

      Responder
      1. Marco Dias

        kkkkkk… já achamos 3 sósias pro cara, mas não sabemos ainda a função dele… nem a TV inglesa que não soube qualificá-lo na transmissão. Poderiam ter colocado aquela expressão inglesa com a letra W, o T e o F (não quero ser censurado pelo Dalcim) abaixo do nome… hehehe

        Responder
  23. Miel santos

    Amanhã será o verdadeiro teste pra saber o Murray enterrou mesmo o apelido de cabeça fraca. E segue a vida natural do Djoko de ter de jogar contra a maioria da torcida presente, isso é até um gás pra ele. No fim do jogo vamos ver quem quebrou mais raquetes kkk. Aposto e torce em Nole!

    Responder
  24. Chetnik

    Tô só no celular, e não tenho paciência pra escrever muito, mas vai um comentário atrasado. JOGACO Murray e Nishikori. Pena, para o japa, que ele não tem saque nenhum. Além de errar muito em momentos importantes. Mas ele tem golpes, como dizem os gringos, bastante limpos. Quando tá bem, da gosto de ver.

    Isso posto, que vergonha o Nishikori hoje. O cara é o anti-competidor…

    Responder
  25. Isaías

    Dalcim me parece que o maior problema para Raonic alavancar mais a sua carreira é o físico, vc CONCORDA?? ele junto com Nishikori são campeões de lesões, no começo do ano vimos ele inteiro fisicamente jogando um tênis finíssimo, e obviamente estando bem fisicamente o tenista joga mais torneios, vence mais jogos e consequentemente evoluiu seu jogo pois passa mais tempo em quadra treinando e jogando, mais infelizmente vimos ele sofrer várias lesões mais uma vez essa temporada o que na minha opinião impediu de vermos sua progressiva evolução mais mesmo assim vimos que Raonic é um tremendo tenista, confesso que Sinto falta de jogadores que disparam um forehand bombástico e logo em seguida sobe a rede pra tentar matar o ponto. Espero que ele venha bem fisicamente ano que vem, e Del Potro também

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pois é, Raonic começou a temporada com uma ótima proposta, mas depois caiu de qualidade. Acho que esse padrão novo pode dar frutos a médio prazo, porque ele não conseguirá dar novos passos adiantes se mantiver um tênis limitado ao saque e uma bola de risco. Hoje e contra o Djokovic, ele mostrou melhor movimentação e golpes mais eficientes da base. Poderia ter vencido os dois melhores do mundo. Faltaram detalhes.

      Responder
  26. Chetnik

    Raonic é um sacador que não ganha tb. Aí complica.

    Não vi o jogo todo, mas o saque do raonic falha demais. Se o saque dele entrasse mais, como o do Isner, já teria ganho algo relevante.

    Responder
  27. Chetnik

    Rodrigo, anota aí. Quem vai sair de quadra humilhado amanhã é o Murray. O Djokao vai destrui-lo, kkkk.
    Aquele sorriso na entrevista falando do jogo que todos querem ver já diz tudo: “Andy, prepara o talquinho que amanhã eu vou passar por cima e te lembrar que o teu lugar é o vasco” kkkkk.

    Djokovic by brutal spanking.

    Responder
  28. Arthur

    Dalcim,

    Acho que vale o registro de que, no ano 2000, quando Guga saiu da então Masters Cup com o título, também o 1º lugar do ranking foi decidido na última partida. A diferença é que, naquela oportunidade, o Guga precisava vencer o Agassi, mas o 1º lugar estava entre ele e o Safin, que já havia rodado na primeira fase (se não me engano).
    Quanto ao jogo do Djoko com Nishikori, é aquela história: mais do mesmo.
    No dia em que o japonês fizer jogo duro com o sérvio, por favor me avisem para eu sair do meu estado de hibernação. :-/

    Um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Exato, portanto, não aconteceu no jogo do Guga e Agassi uma disputa direta pelo número 1, mas indireta. Agassi poderia ajudar o Safin.

      Responder
  29. Daniel

    Discordo de Dalcim em seus elogios ao Raonic.

    Para mim, de todos os quase-grande jogadores de uma geração que nunca vingou, ele é o mais irritante; transmite-me uma idéia de auto-suficiência que, em momento algum, corresponde ao seu desempenho real. É o tenista que está sempre chegando para nunca chegar. Uma espécie de Wawrinka da depressão, para usar termo caro a redes sociais, ou, cada vez mais, o novo Berdych (até no quesito namorada bonita).

    Aliás, os jogos de hoje apenas evidenciam esse abismo entre gerações. Quando um dos grandes entra afiado, como o Djoko, temos uma massacre. E, no jogo do Murray, o escocês deixou escapar dois games em que sacava para o jogo, desperdiçou não sei quantos match points, e ainda assim o canadense não aproveitou as janelas abertas, ao contrário, perdeu dois tie-breaks, o que seria um dos seus pontos fortes, valendo lembrar que, contra o Djoko, também perdeu dois break points. Fosse ele um Del Potro (para evitar a covardia de citar um dos outros integrantes do Fab Four), o resultado seria outro. É muito tempo batendo na trave. Muita síndrome de Portuguesa de Desportos ou, quando muito, Botafogo do Rio.

    Responder
    1. Fabio

      Wawrinka da depressâo? O Wawrinka é meio depressivo e já vingou em cima de todos os Big 4, tem mais slams que Roddick, Safin e outros grandes nomes… essa eu não peguei…

      Responder
  30. Lola

    E dizer que o adversário do grupo supostamente mais fácil, quase ganhou o jogo, e na minha opinião, devia ter ganho, mas, fraquejou na hora H.

    Agora, o adversário do grupo supostamente mais difícil, se desmanchou diante do sérvio, que afinal, foi firme do início ao fim.

    Amanhã, recupera o nr1, assim espero.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Colocando alguns pingos nos i’s:

      Primeiro: o Raonic não fraquejou.

      Ele perdeu no detalhe, um jogo de alto nível, para aquele que é o n° 1, e está invicto a mais de 20 partidas…

      Segundo: Djokovic para engolir o Nishikori só precisou estar afiado na devolução.

      O saque do nipônico é uma DROGA! E o japa vem de Cilic e de outras batalhas duras e físicas, enquanto o sérvio vinha de SOMBRA E ÁGUA fresca.

      Terceiro> DUVIDO MUITO que o Murray perca amanhã.

      Responder
  31. Daniel Toledo

    Dalcim, não foi uma disputa pelo N.1 como a de amanhã nem uma recuperação de posto e nem destronar o N.1 vigente. Mas Gustavo Kuerten não chegou ao N.1 justamente no Finals de 2000 em Lisboa?

    Em caso afirmativo, houve outros jogadores que chegaram ao N.1 no Finals (em qualquer circunstância), e quem mesmo Guga destronou naquela época? Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O caso do Guga foi diferente. Ele e Safin chegaram com chances de ser número 1, Safin ficou no caminho e o Guga ganhou o torneio e virou 1, mas foi contra o Agassi, que não tinha qualquer chance.

      Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Amanhã, o comedor de fígado terá o fígado comido.

      E pouco antes disto vocês já estarão aqui no blog escrevendo:

      Deus “AJUDE” Djokovic.

      KKKkk

      Responder
      1. Marco Dias

        Sei não, Rodrigo… Murray costuma “se encolher” quando enfrenta o sérvio. Se tivesse que apostar iria de Djoko. Mas o escocês já fez o “trabalho sujo” de interromper as semanas consecutivas do Nole na liderança do ranking… hehehe

        Vamos ver!

        Responder
      2. Augusto Montenegro

        Esquente não Rodrigo que se perder eu digo.

        Quanto ao tênis, amanhã vamos ver o que sai dessa cartola. Murray parece mais sentido do que Djoko para amanhã.

        Não deixem o sérvio ganhar o 1 set. E se acontecer, que ele não comece sacando o 2 set… Kkkkkkk

        Responder
  32. Márcio Souza

    Agora chegou a hora da onça beber água!!!

    Não poderiamos ter uma final melhor do que essa…os dois melhores tenistas da temporada.
    Era a final que todo mundo queria ver e que finalmente poderemos tirar muitas dúvidas depois do jogo acabar e de quem for o campeão.

    Se for Djoko, meus parabéns ao sérvio, mostrou força novamente e poder de recuperação depois de um segundo semestre sofrível, com atuações bem medonhas e que chegaram a arrancar muitas risadas minhas confesso, mas mostrou o verdadeiro campeão que é e que deu a volta por cima e merece ser respeitado.
    Se for Murray, meus parabéns ao britânico, que ano para se comemorar, 03 finais de Slam, 01 título, mais um Ouro Olímpico, ganha o Finals e fecha o ano como número 1, merecidíssimo pois foi de fato o tenista mais regular de toda temporada, como disse o Dalcim, venceu seus fantasmas e literalmente enterrou no passado aquela imagem que tinhamos de que ele era um cabeça fraca.

    Minha torcida toda é para o britânico, acho que faria bem para o circuito um novo número 1 fechando o ano e começando a temporada como o homem a ser batido…dessa forma teremos no Djoko com certeza uma vontade maior em retomar a liderança, Federer voltando depois de um periodo longo afastado e como ele mesmo disse com muita vontade, Nadal também retornando e como disse seu tio, ele vem pra vencer saibro e em RG, Delpo voltando ao seu melhor condicionamento (mesmo estando meia boca ele ja fez estragos esse ano imaginem com o titulo da Davis, quem vai parar esse argentino no ano que vem?) e os sempre perigosos Wawrinka que nunca podemos desconsiderar e os que vão mas nunca chegam mas que as vezes provocam umas pedreiras como o Raonic hoje e as promessas Thiem, Zverev e Kyrgios.

    Vamos aguardar…e que vença o melhor!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Depende de quem ganhar. Se Djokovic for campeão, terá 95 nesta segunda-feira e 370 na outra segunda-feira, quando caem os pontos da Davis. Se Murray vencer, terá 905 e depois 630.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho o Djokovic favorito. Chega mais confiante e descansado. Realmente, está tudo dando certo para Murray. Será que ele administrará os nervos?

      Responder
  33. perdro

    o raonic so nao eliminou o jogador que estava no grupo mais difícil do atp finals pk perdeu oportunidades atras de oportunidades para ganhar o jogo..o nole que estava no grupo mais fácil humilhou o Nishikori que estava no grupo mais difícil .DALCIM desculpa la o comentário estupido que eu fiz ontem.desculpa mesmo de coraçao.mas a ideia que o grupo do nole era o mais fácil nao era assim como se dizia por aqui.neste torneio so entra os 8 melhores do mundo,por isso nao há grupos fácies neste torneio.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Claro que o desculpo, Luis. O Blog está aberto para controvérsias e opiniões divergentes, mas eu gostaria que as pessoas usassem argumentos interessantes e concretos para a discordância. Abs!

      Responder
    1. Nando

      Por favor caro Bruno Louzada, brinde-nos com seu conhecimento tenístico dizendo qts títulos indoor o sérvio tem? E qts títulos indoor Federer tem? E quais são esses títulos??
      Dalcim, caso o conhecedor Bruno não saiba responder ( o q será uma surpresa, né? ), poderia dizer a ele quem é o maior vencedor de titulos indoor? E qts títulos o sérvio e o Federer tem em quadras cobertas? Se eu não me engano, Federer tem uma boa leva de títulos não?

      Responder
          1. Paulo O.

            a provovocação saiu pela culatra mesmo..Guilhermo villas tem mesma quantidade de titulos que nadal no saibro e quase o dobro de vitorias..então o Villas éo rei do saibro hahahaha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *