Djokovic está pronto para o ouro
Por José Nilton Dalcim
31 de julho de 2016 às 20:04

Novak Djokovic novamente fez tudo certo. Batido inesperadamente em Wimbledon, optou por ir a Toronto com a meta de ganhar ritmo e confiança. Jogou sério, evoluiu a cada rodada, faturou o título com certa folga e chegará para sua segunda grande meta de 2016 no melhor dos mundos.

Sejamos coerentes: não tem sentido um jogador do quilate de Djoko, com tantas façanhas já obtidas, ter apenas uma medalha de bronze nos Jogos Olímpicos. Ele esteve em Pequim, há oito anos, quase no início da carreira, perdeu semi para o Nadal e ganhou a disputa do terceiro lugar contra Blake. Na grama de Londres, já com currículo de número 1, caiu diante de Murray na semi e cedeu o bronze diante de Del Potro.

O Centro Olímpico do Rio tem condições muito semelhantes à da Austrália, desde a velocidade do piso até a bola, e ninguém tem sido mais vitorioso em Melbourne nos últimos anos do que Nole. Sem falar que o torneio será um tiro curto de seis jogos em oito dias, e isso exige físico. Assim, sobra favoritismo para ele.

A campanha em Toronto foi exigente, até porque o saque por vezes deixou o número 1 na mão. Precisou então se esmerar no que faz de melhor, ou seja, um jogo de base muito sólido. Não encontrou adversários com poder ofensivo real, e continua sendo impossível dar trabalho a Djokovic sem um estilo agressivo, correndo riscos, a começar pelo primeiro saque.

Importante observar no rol das façanhas que Djokovic ganhou 11 e chegou a 14 finais em seus últimos 15 Masters. No geral, atinge 66 títulos na carreira e já está grudado em Rafa, com 69.

Kei Nishikori merece citação por sua vitória de sábado contra Stan Wawrinka. Porque isso encerrou uma terrível sequência de 16 derrotas consecutivas para adversários de nível top 5, que vinha desde aquela vitória sobre Djokovic no US Open de 2014. O japonês no entanto continua sem um título de peso na carreira.

Mineiros: cotação sobe
Listados como os maiores candidatos ao ouro de duplas pela agência de notícias AP, os mineiros Marcelo Melo e Bruno Soares também completaram a perfeita preparação em Toronto. Infelizmente, jogaram separados, mas ao menos chegaram na final. Toronto é apenas um pouco mais rápido que o Rio.

Melo venceu Bruno pela sétima vez em 18 confrontos entre eles, vingando-se da derrota sofrida na semi de Monte Carlo e das finais no Canadá de 2013 e 2014, quando Soares jogava com Alexander Peya.

Para aumentar o otimismo brasileiro para o Rio, os irmãos Bob e Mike Bryan abandonaram a disputa por problemas de saúde na família. Aliás, os gêmeos indiretamente ajudaram Thiago Monteiro. O cearense perdeu na última rodada do quali de Atlanta e foi beneficiado pela desistência de Rajeev Ram, convocado de última hora para as duplas do time olímpico que vai ao Rio.


Comentários
  1. Oswaldo E Aranha

    Os que querem insistir que Djokovich não te carisma é só verificarem o noticiário das Olimpíadas e verem que ele está sendo “tietado” por grandes atletas, até de outros esportes.

    Responder
  2. Luiz Fernando

    O tio Toni tinha comentado q gostaria q Rafa pegasse uma chave q lhe permitisse crescer no decorrer da competição. Acho q pegou a chave que o tio queria,, pelo menos vejo boa chance de vencer uns 2 jogos, dependendo, é claro, do nível de jg, q nem ele sabe como está.

    Responder
  3. Giulia Morelli

    Não estou entendendo tanta choradeira dos torcedores do Federer. Só porque ele não veio, não quer dizer que o torneio olímpico será um fracasso.

    Aliás mesmo sem muitos Top 10, onde a maioria deles (Wawrinka, Berdych) não tem carisma , não são considerados desfalques de peso até mesmo num Major, ou Master. Um torneio que tem os dois líderes do ranking, e que vem dominando todos os campeonatos nesse ano, e mais Rafael Nadal, um monstro do tênis mundial , não pode ser considerado um torneio sem expressão. É bom lembrar que do FAB-4, 3 estarão no Rio.

    Acho que todo esse chororô da turma do Federer é muito apelativo,e até mesmo vergonhoso, um sinal claro que não gostam do esporte, e sim por uma adoração exacerbada a um jogador.

    Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Freguês do Nadal, no saibro, até o Djokovic é…

            Portanto, 23 x 11 , com 13 vitórias do Nadal no saibro, só significa freguesia, NO SAIBRO.

            Assim até a minha avó… (rs).

    1. Nando

      Pior é que você tbm é assim quando seu ídolo não está em quadra….””faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço???””

      Responder
  4. Paulo

    Bom dia Dalcim, com a certeza do ouro no peito (não há adversários), Djokão diz que é o maior título da carreira kkkkkkk. Isso é apenas provocacão kkkkkkkkkkk. Maior título seria o tal “VENCEDOR DE TODOS GS + OURO OLÍMPICO” como Steffi Graf. Tinha que aparecer um Zé Querrey para estragar, lamentável. Abraço.

    Responder
  5. Marquinhos

    Por que sera que Phelps tietou Novak??? Porque Federer nao estava la! kkkkkkkkkkkkkk Serio, so porque os dois tiveram um encontro ,Novak se tornou o rei da popularidade. kkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Nando

      Exatamente, pq ano passado no US Open o mito Michael Jordan não foi tietar o sérvio??? Ele não fez isso pq Roger Federer estava no torneio, então ele preferiu encontrar o melhor tenista de todos os tempos né… E esse é só um exemplo.

      Responder
  6. Marquinhos

    Dalcim. O que vc pode falar do americano de 18 anos que eliminou Kevin Anderson em Atlanta? 2, 11 de altura………….. Sera o novo Ivo Karlovic? rs Vc viu ele jogar?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, mas em torneios juvenis. É exatamente isso: muito saque, muito risco. Com essa altura, não se movimenta obviamente bem.

      Responder
  7. O LÓGICO

    “SE não fossem os Jogos Olímpicos não estaria aqui pois os prazos foram curtos. A recuperação foi menos acelerada do que gostaríamos. Sigo jogando com dores a cada dia no punho” RAFAEL NADAL KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Isso é brincadeira de mau gosto. Não operou, não mostrou inchaço, nadica de nada….tá há anos sem jogar, mas ainda tá com dores kkkkkkkkkkkkk Mas ele é o super tenista, sofrendo em nome do esporte, da PÁTRIA kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Se ganhar é héroi, se perder, foi o joelhinho kkkkk ops, me enganei, foi o punho kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Rafael

      Para variar, você está errado.

      Para o povo da Espanha, ele é um herói ganhando ou perdendo, e um orgulho nacional. Pra ficar só na Espanha.

      Já você, que poderia contribuir de forma muito mais produtiva aqui, pois já mostrou isso, contenta-se em ser apenas um troll.

      Cada um com suas ambições.

      Depois me perguntam porque torço pra Djokovic…

      Responder
  8. Augusto Montenegro

    Quem quiser assistir um grande duelo de backhand de duas mãos, não pode perder a reprise de Djokovic vs Murray na semifinal das Olimpíadas de 2012 no SPORTV 10. Comparo a emoção desta partida com a duelo de backhand de uma mão entre Federer vs Wawrinka na semifinal do Finals de 2014 – aquela partida que deixou Roger sem condição de jogo.

    Legal observar como Djokovic evoluiu de 2012 para cá. Apenas acho que ele usava mais de potente paralela. Infelizmente, teve muito azar em vários lances. Imperdível.

    Responder
  9. Rafael

    A despeito de qualquer consideração sobre calendário racional, longevidade de carreira, etc, há de se exaltar o patriotismo, a gana, o espírito competidor de Rafael Nadal.

    Não à toa, será eternizado como um dos maiores guerreiros do tênis.

    Acredito firmemente que Nadal contribuiu para Djokovic ser o que é hoje. Se Federer contribuiu por ser o maior, Nadal contribuiu por não desistir nunca, mesmo ferido.

    Claro que não adiantaria nada espelhar-se nesses dois se Djokovic não fosse quem é, mas, especificamente sobre Nadal – já falei muito de Federer anteriormente, é admirável. Sua gana chega a ser irracional, e isso também desperta paixões, por que não?

    Em tempo: “Só vou jogar porque são as Olimpíadas” – declaração atribuída a Nadal.

    Responder
  10. Rafael Wüthrich

    E Nadal se arriscará mais uma vez. Fico feliz por Rafa e pelo torneio, mas é completamente sem sentido jogar os 3 eventos. Ainda que ele dê menos nas duplas, está sem jogar desde a segunda rodada de RG e não inteiramente curado do punho – saiu com gelo dos treinamentos de ontem. Eu sequer jogaria simples, para começo de conversa. Não estamos falando de uma tendinite ou de uma pancada, mas de uma quase ruptura do tendão, como ele mesmo admitiu. Chega a ser irresponsável da parte dele, lembrando que a falta de ritmo pode pesar ainda mais com o excesso de partidas – é bom lembrar

    Responder
    1. Rafael Wüthrich

      que aqui no Rio tem chovido nos últimos dias, o que pode bagunçar a programação e daí ele fazer jogos seguidos – seria triste vê-lo desistir de um evento das duplas durante o torneio com um de seus parceiros, o que não acredito que vá acontecer. Dalcim, Nadal continua a tomar decisões completamente irresponsáveis e incompreensíveis pra mim…

      Responder
      1. Sergio Ribeiro

        Exato meu Caro Dalcim. Nao vejo Rafa em outra Olimpíada daqui a 4 anos. Se inscreveu em todas, mas esta’ mesmo de olho e’ na Dupla Mista. E seria um presente para esse grande competidor. Abs!

        Responder
  11. Arthur

    Dalcim,

    Com a confirmação do Murray pra levar o estandarte do Reino Unido, teremos ele e o Nadal sendo porta-bandeira nas Olimpíadas.
    Não sei se o Djoko vai ser ou não (se não for, provavelmente foi porque não quis, já que ele carregou a bandeira nos Jogos passados).
    E, salvo engano, se o Federer não tivesse desistido, ele também carregaria o estandarte suíço na abertura.
    Acho que isso representa um reconhecimento, ao menos indireto, da importância que o tênis adquiriu no contexto do esporte mundial, concorda?

    Um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      E tem a Wozniacki carregando a da Dinamarca, também, Arthur. Sem dúvida, é algo muito relevante para o tênis. Fico bem feliz por isso.

      Responder
  12. Jeffe

    Ví o jogo do Federer e Del Potro nas olimpiadas.
    Que jogo!!
    Isso não existe na atualidade, hj é só bateção de bola e quem aguentar mais vence.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Quem dera fosse só dar porrada na bola, meu caro, quem dera!

      É só correria e chegar em bolas impossíveis, e ficar mandando pro outro lado mais uma, mesmo com lobby defensivo, até o outro errar.

      Ô tristeza, meu Deus… (rs)

      Responder
  13. Rafael

    Segundo (lamentável) reportagem do UOL, que nem diz para quem não acompanha que esporte ela pratica) Eugenie Bouchard (boneca), atual (segundo reportagem da Folha) 42a. no ranking, encontra-se entre os 10 atletas MAIS BEM PAGOS DO MUNDO.

    Isso relativiza bem as discussões por aqui sobre um monte de coisas.

    O 4o. poder é realmente impressionante. Movimenta paixões.

    Responder
    1. Rafael Wüthrich

      O Fabio Balassiano disse hoje, corretamente, que a imprensa está toda focando no futebol e em outras coisas, a meros 2 dias da Olimpíada no Brasil. A imprensa, não é de hoje, trata os esportes como coisa secundária – só dá audiência quando temos algum vencedor brasileiro na modalidade.

      Responder
    2. Sergio Ribeiro

      Nao relativiza nada, a meu ver, parceiro. Nao se pode substimar o Canadá onde e’ considerada de PONTA. Milos Raonic conseguiu patrocínio Vitalício da marca de material esportivo. O naturalizado agora nora em Mônaco. E por aí vai…Abs!

      Responder
  14. Maurício

    Apesar das desistências, o tênis é um sucesso de público nas Olimpíadas. Todas as sessões esgotadas no momento, algo que nem futebol nem vôlei atingiram. E as declarações de Djokovic, Murray e Nadal sobre a importância do torneio só contribui para isso, assim como Federer sempre fez. Vamos ver se em Tóquio, com um Top 4 com Thiem, Zverev, Raonic, o tênis vai manter esse espírito olímpico…

    Responder
    1. Sérgio Cipriani

      Olha, cara… Você vai precisar rancar um nome desses aí… Porque tenho um vago palpite de que Andy e Nole ainda estarão no top 4…

      Responder
  15. Marcos

    Atenção que vcs estão colocando na página de resultados, que o WTA de Florianópolis está sendo disputado em quadra de saibro coberta. Na verdade é sintética descoberta.
    No mais , é lamentar a participação pífia das meninas do Brasil neste torneio. O trabalho de base do tênis do Brasil está cada vez pior.
    Será que podemos ter esperança no novo presidente da CBT ?

    Responder
  16. Marquinhos

    Diferente do que pensa o colega abaixo eu avalio que apenas os slam e masters finals podem ser considerados grandes titulos. Inclusive o finals e mais dificil que slam. Nesse caso, Federer tem 23 grandes titulos e Novak so 17. Se aprofundarmos mais ainda a questao, diriamos que Wimbledon e u s open sao slam diferenciados, maiores, entao Federer tem 12 dos maiores slam contra ” apenas” 5 de Novak Djokovic, para infelicidade de seus seguidores.

    Respondendo o colega Brack que disse que se Novak e Nadal ultrapassarem Federer no numero de slam a discussao sobre quem e maior acabaria, eu penso o contrario. Comecariamos uma outra discussao, pois se dentro da quadra os titulos foram conquistados, fora dela Federer e muito, mais muito mais popular que Novak e Nadal. Nadal ate que tem grande popularidade, mas Novak e irrelevante perto dos dois. As quadras vazias em Toronto e as devolucoes de ingresso nas olimpiadas sao apenas uma das evidencias.

    Outro ponto e que Federer e muito mais completo tecnicamente que os dois, muito mais habilidoso, joga muuuuito mais bonito e tem mais titulos no u.s open e Wimbledon – slam mais importantes e maiores. Roger tambem venceu varios titulos quando as quadras ainda nao eram padronizadas. E tambem e o unico dos tres a vencer por CINCO vezes seguidas os slam mais importantes.

    Responder
      1. Robson

        Com todo respeito Jeremias,fico ainda mais admirado é com vc do que com o sujeito(pior comentarista do Blog citado por vc)como vc ainda perde seu tempo?
        Quando quero rir,leio livros de piadas…

        Responder
      2. Rafael

        Jeremias,

        Obrigado por disponibilizar o link, ainda que por outros motivos. Não tinha visto isso, e aproveitei para favoritar.

        Djokovic, um dos ídolos de Michael Phelps. Que bacana.

        Responder
    1. Lola

      Não vejo quadras vazias quando Nole joga. Vc vê, pq só enxerga um jogador pela frente.
      Acho que deviam diminuir a pontuação do AO, RG, pq um zé ninguém, assim determina.

      Responder
      1. Rafael

        Vamos lembrar que, se ainda não foi deportado, o Multi-homem está vivendo na Austrália, terra onde o Australian Open tem dono.

        Do fundo do coração, torço para que ele tenha oportunidade de encontrar seu grande ídolo, Djokovic, quando ele for defender o reinado por aquelas paragens.

        Responder
    2. Paulo F.

      Nole é tietado, é abordado tem como fã um “Zé Ninguém” do esporte, “apenas” um tal de Michael Phelps.
      Realmente, não é popular…
      Agora, que desespero hein?
      Tentar desvalorizar Australian Open e Roland Garros para tentar fortalecer a idolatria pelo Roger Federer e diminuir o Djokokic, e por tabela, o Nadal.

      Responder
  17. Luis

    Dalcim duas perguntas se Federer poderia voltar atras e tenta voltar pro US open ou seria grande risco? E sobre o que uma pessoa falou no blog sobre esse golpe do Djokovic que ele consegue bolas rapidas e no fundo da quadra dando pouca reacao pro outro tenista poucos conseguem troca bolas no fundo com o Djokovic? Talvez Federer,Murray,Nadal,Wawrinka todos esses inspirados rs

    Responder
  18. Anderson Castro

    Pelo que têm apresentado e dadas as desistências, alguém arriscaria apostar numa final que não seja Djokovic x Murray?

    O que parece estar em aberto é a disputa pelo bronze. Se as desistências continuarem nesse ritmo, até o Bellucci terá chance de faturar uma medalha…rsrs

    Responder
  19. Arthur

    E agora o Wawrinka fora das Olimpíadas, Dalcim.
    Com isso, metade do Top 10 tá fora dos Jogos.
    Mais algumas desistências e daqui a pouco o tênis olímpico vai virar um “Sub-Toronto”. #Fail

    Um abraço.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Arthur, o Djokovic e o Murray, juntos, equivalem a uns 30 Wawrinkas, Thiems e Berdychs. Com esses dois e o Nadal, mesmo este longe dos seus bons tempos, já dá pra fazer uma Olimpíada de sucesso. Aliás, os 5 principais nomes do tênis (Big 4 + Serena) quiseram muito essas Olimpíadas. Só faltou vir o Federer. Abs.

      Responder
  20. Rodrigo S. Cruz

    Wawrinka, fora das olimpíadas com problemas nas costas.

    E mesmo assim, uma semana antes, atinge a semifinal de Toronto.

    Nossa, pelo menos pro tênis será uma olim- PIADA, já que tantos desistiram.

    Responder
    1. Rafael Wüthrich

      E, mais uma vez: nem sabemos se Nadal jogará simples. Para o tênis, os Jogos estão próximos de um enorme desastre. Tomara que a disputa seja boa e Djokovic e Murray (e os mineiros) mantenham as atenções vivas.

      Responder
  21. Renato

    Dalcim em teste o djo é o favorito, mas tem um único adversário que pode atrapalhar ele que é o murray. Você acha que murray pode atrapalhar o ouro do djo?

    Responder
  22. Renato Vieira

    Não consigo entender o pessoal que, por algum motivo, acha que o Federer vai voltar pra jogar em algum momento na temporada de quadras duras do 2º semestre.

    Pra que diabos ele iria anunciar que não vai mais jogar e de repente voltar atrás?

    Quanto às explicações que ele deu sobre o assunto, eu pergunto, seriamente: O que mais vocês gostariam de saber a respeito da lesão dele?

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Meu caro, com a ausência de Federer e a eventual ausência de Rafa, noticias sobre Wawrinka equivalem a um comentário no futebol sobre o Treze de Campina Grande…

      Responder
      1. Rafael Wüthrich

        rsrsrsrs…Ainda assim é mais um baque forte no torneio Olímpico. A essa altura, temos um abraço de afogados entre ITF e ATP…

        Responder
      2. Alexandre Maciel

        Discordo. Hoje no circuito, depois do Federer (quando em forma), o jogador que mais gosto de ver jogando é o Wawrinka. Tem um jogo vistoso e agressivo. Pode não ter o carisma do compatriota ou do Nadal, mas quem entende de tênis sabe do que estou falando.

        Responder
      3. Sergio Ribeiro

        Noticias sobre o TOP 4 , em breve TOP 3, igual a noticias… Nao aprende mesmo né parceiro. Vamos relembrar o N 1 nas Olimpiadas. Na de 2008, perdeu na Semi para Rafa Nadal , e venceu o Bronze em cima do glorioso James Bond ( digo, Blake). Defendia o Título em Wimbledom 2012. Perdeu o Torneio ( Federer na Semi ) e nas Olimpiadas em Sets diretos para Murray na Semi , e o Bronze para Del Potro , também em Sets diretos. O Hermano fez na Semi o jogo em melhor de 3 Sets , mais longo da Era Profissional contra o Suíço ( 4 horas e vinte e seis minutos) com direito a 17 x 19 , no Terceiro. Portanto tudo pode acontecer na Rio 2016. Inclusive nada. Abs!

        Responder
        1. Valmir

          Nessa sua linha de raciocínio…
          Federer sempre foi o… “rei” da grama e da quadra dura…
          Entretanto… já super-campeao… disputou as olimpíadas de
          a) Pequim 2008… na quadra dura… aos 27 anos… com 5US Open e 3 Australian… quem ganhou foi … Nadal… que até então nunca havia ganhado um GS na quadra dura.
          b) Londre 2012… na grama de Wimbledon… sua preferida… com 7 titulos…. onde um mês antes foi campeão batendo Murray…. perdeu para o próprio Murray…. vai ver foi porque não fecharam o teto retrátil …
          c) Atenas 2004 … na quadra dura… Nadal só jogou duplas… não havia Djoko e Murray… é ele foi perder para … Berdich… é mole!
          Até o… freguês. . González ganhou medalha…
          Vai ver foi porque não teve chances de enfrentar… Bagdhatis…

          Responder
          1. Sergio Ribeiro

            E Federer tem OURO e PRATA OlIMPICOS, meu Caro. Como disse WAWRINKA semana passada, ” nao troco meu Ouro OlIMPICO em Dupla por nada ” . Fonte: Tenis Brasil. Abs!

          2. Sergio Ribeiro

            Ps. Seu Teto Retratil foi a Semi contra Del Potro ( que tirou o Bronze de Novak em Sets diretos) , cuja duração foi de apenas 4h e 26 min. E’ obvio que o sempre bem informado Comentarista sabia . Abs!

        2. Luiz Fernando

          Vc é q não aprende meu caro e humilde comentarista, o Audax foi vice do campeonato paulista de 2016, alguém se importa se ele jogar aqui ou ali? Wawrinka em matéria de apelo p o publico é um zero a esquerda, aqui no blog pex, nunca li nada sobre torcedores do mesmo, apenas alguns q admiram seu jogo. Traduzindo, já q em geral vc não se expressa bem e talvez não capte o q os outros escrevem: trata-se de um jogador sem qualquer apelo de mídia ou público, o q vc sabe perfeitamente, mas como gosta de ser do contra…

          Responder
          1. Sergio Ribeiro

            Realmente STANIMAL , The Man , mao tem apelo algum. E o L.F. ( exímio interpretador de Textos ) e’ que o tem. Ou seria o comentarista Dono de Farmácia que nao Apela nunca …kkkkkkkkkkkkkAbs!

      4. Robson

        Wawrinka tem um lugarzinho seu na história do Tênis,fato,más pô,comparar Wawrinka com R.Nadal é INSULTAR a inteligência alheia,Quem é Wawrinka perto do Nadal,me ajudem aí.

        Responder
  23. Luis

    Dalcim essa preferencia pela quadra dura na ATP acabou sendo boa pra jogadores que gostam dessa quadra como Djokovic parece a vontade nessa quadra dura?

    Responder
  24. Jeosan

    A ATP classifica os torneios de Grand Slam, o ATP Finals e os Master’s 1000 como Grandes Títulos (Big Titles).
    Federer possui 17 GS, 6 ATP Finals e 24 Masters 1000, totalizando 47 grandes títulos. Novak Djokovic possui 12 GS, 5 ATP Finals e, com a conquista de Toronto, 30 Master’s 1000, totalizando, também, 47 Grandes Títulos.
    Ou seja, Nole tem tudo para, ainda este ano, ultrapassar Roger Federer e ser o recordista isolado dos Big Titles.
    A título de curiosidade, Rafael Nadal possui 14 GS, nenhum ATP Finals e 28 Master’s 1000, totalizando 42 Grandes Títulos e Andy Murray possui 3 GS, nenhum ATP Finals e 12 Master’s 1000, totalizando 15 Grandes Títulos.

    Responder
  25. Luis

    Dalcim mentalmente falando Djokovic esta’ como Nadal quando era imbativel no saibro ou Federer no seu auge nao lembro de algum tenista com essa confianca nesses anos que acompanho tenis vc lembra de algum tenista com essa forca mental?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Todos os grandes jogadores tiveram força mental muito acima da média, Luis. É algo essencial para um Connors, um Borg, um Sampras.

      Responder
  26. Luis

    Dalcin alguma chance de o Federer ter anunciado o fim da temporada para acabar com especulações e, de repente voltar na temporada européia de quadras cobertas?. Claro que com essas explicações meia boca fica difícil concluir alguma coisa. Existe algo nesse sentido nos bastidores? Abraço

    Responder
  27. eduardo

    Feliz por termos Djoko, Nadal, Murray e Serena nas Olimpíadas no Rio. Djoko merece estar na lista daqueles que conquistaram os 4 slams ,além do ouro olímpico no individual, algo que faltará ao Federer. Estou seguro que foi uma opção dele não participar da olimpíada, bem como que ele disputará o aberto dos Estados Unidos. Não engoli essa estória de que ele não jogará no segundo semestre. A conferir…………

    Responder
  28. Marcelino

    O que chateia é a campanha de que tenis sem Federer, e possivelmente sem Nadal, não existe, que o estádio ficará vazio. O sérvio tem muita força, e irá lotar. Aliás, ideal mesmo seria os quatro grandes por lá. Mas não estando, Djoko e Murray seguram a barra.

    Responder
  29. Pieter

    Thiago Monteiro fazendo uma boa estreia em Atlanta: ganhou o 1o set e liderando agora o 2o. Tomara que ele vença!
    E o que terá acontecido à Bia Haddad lá em Floripa que venceu o 1o set, perdeu apertado o 2o e foi varrida no terceiro, tomando um 6/0? Cada vez mais fica difícil apostar nela como boa jogadora…uma pena!

    Responder
  30. dos Anjos

    Sério, estava olhando o ranking agora, e chega a ser constrangedor verificar que jogadores da “nova geração” como Nishikori e Raonic ainda estarem atrás de Federer e Nadal. Meu deus. Os dois veteranos quase não se aguentam em quadra mais. Nadal, por exemplo, não jogou 2 dos 3 Grand Slam no ano. Federer, por sua vez, sequer conseguiu jogar 2 torneio seguidos. O tênis precisa de novos nomes urgentemente.

    Responder
  31. afonso

    Olá Dalcim, ví o jogo ontem de Djokovic prestando atenção ao que ele declarou sobre querer dar mais ênfase ao aprofundamento do jogo. E isso fica evidente. Ele sabe que bolas profundas e principalmente trocas longas o beneficiam muito. Ele está prevendo e mudando o tipo de jogo que sampras imprimiu em seu benefício: saque fulminante e decisão rápida por alongar a partida e minar a consistência do oponente, ele não precipita nem quando o adversário o icomoda pois usa a ânsia do oponente em continuar o agredindo, pior é que ele também parece fazer isso no ranking, perde monte carlo, vence madri, é pressionado pôs wimbledom e responde dizendo que não há adversário á altura de lhe tomar o posto. Só um acidente tira dele a liderança do ranking até o fim da temporada do saibro, e acho que até o próximo torneio do Canadá ele ainda será número um pois controla os adversários, mesmo Murray.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Então, volta pra frente da televisão, e continue adorando… Pois apesar de ser uma DROGA é o que se tem pra hoje. (rs).

      E não esqueça a pipoca…

      Responder
      1. Lola

        Apesar de ser uma droga na tua visão limitada de tênis, pelo jeito vc continua assistindo. E com certeza vou assistir todos na olimpíada, principalmente as partidas do craque sérvio, melhor do mundo, disparado.

        Responder
  32. de ctba

    li aqui que tem gente interessada em comprar ingressos para o tênis no rio porém nao tem ingresso. eu coloquei dois à venda e ainda não foram recomprados.

    Responder
      1. Anderson Castro

        Talvez Wawrinka num dia inspirado também consiga, Dalcim. O piso da quadra é muito bom para o jogo dele, já que é semelhante ao do Australian Open.
        A grande questão é que na atual temporada não me lembro de ter visto ele ligar o modo “Stanimal”… talvez “desperte” nos jogos olímpicos, caso contrário é quase impossível vencer o sérvio.

        Responder
  33. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, do jeito que a coisa anda, é capaz do Felix ser campeão de Grand Slam antes de um representante das gerações semi-nova (Japa, Raonic e Dimitrov), nova (Thiem, Pouille e Kyrgios) e novíssima (Zverev e Fritz). Kkk. Abs.

    Responder
  34. Julio Sc

    Esse título do Djoko e a não presença do Murray fez o Djoko abrir 6000 na liderança do Ranking. O papo que murray poderia ultrapassar ele ainda esse ano ficou bem mais difícil.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Serena, claro. Mesmo não tendo jogado em Montréal, ela deve vir com muita vontade de ser a primeira bicampeã olímpica da história. E buscando o ouro de duplas também.

      Responder
  35. dos Anjos

    Sem adversário a altura, Djoko a cada dia sobe mais um degrau. Bom para quem torce para ele, ruim para quem gosta de tênis. Vamos ver se teremos mais emoção nas olimpíadas. Nadal já declarou q não está 100%. Não sei nem o ele esta fazendo no Rio. Vai ser um fiasco.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Quer dizer então que quem torce para Djokovic não gosta de tênis? Impressionante como é possível que os torcedores do maior expoente da atualidade, em um determinado esporte, não gosta do referido esporte que seu ídolo representa.
      Sinto muito mais não vais impor sua opinião ou o seu (mau) gosto em todos.

      Responder
  36. Luis Nascimento

    Contanto os dias pra ver ao vivo o número 1 do tênis mundial jogando na minha cidade, simplesmente uma Olimpíada., ou como muitos dizem, o quinto Grand Slam.

    Sobre Toronto, nenhuma novidade, o sérvio sólido como sempre, não dá chances aos seus adversários, a não ser quando está num péssimo dia. Título pra lá de merecido.

    A cada dia que passa, o Djoker vai aumentando sua supremacia diante dos adversários, e seu 30º título de Master, e 66º sexto da carreira, mostra uma impressionante marca, mais de 60% de seus títulos pertencem a Grand Slam, torneios Master, e ATP finals. Simplesmente incomparável….ATP 250 e ATP 500 são minoria em seus títulos, o que mostra sua preferência pelos grandes torneios.

    Com certeza a medalha de ouro coroará Novak DJokovic como o maior jogador da história.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Sua analise em relação a performance de Novak e’ quase perfeita. Mas de uma vez por todas nao repita , se possivel, o desconhecimento sobre o Ranking. Depois que amadureceu, o Servio faz um calendario seguindo a cartilha do Suíço. Temos NOVE MASTERS 1000 e 4 SLAM. E sao computados os 18 MELHORES resultados para chegarmos ao Ranking / Temporada. Todos os Tenistas completam com alguns ATPs 500 e 250 de acordo com sua preferencia ( e alguns Caches polpudos rsrsrs). O FINALS , conta somente para os 8 melhores da Temporada. O resto e’ conversa da Turminha de sempre. Abs!

      Responder
    2. afonso

      Há de se contar que antes de 2009 a forma do circuito fazia de alguns torneios 500 e 250 muito mais chamativos aos grandes tenistas, ou seja: ter mais masters 1000 do que golden ou 250 ainda é muito recente para qualificar. Por exemplo: o 250 de doha é maior como torneio que vários atp 500, assim como basel, qatar, barcelona e tóquio poderiam estar no lugar de Shangai ou até de Madri por exemplo.

      Responder
        1. afonso

          Chetnik, Mastes é master más é preciso compreender textos: se Hamburgo ainda fosse masters, Madrí faria diferença? Se Tóquio fosse masters no lugar de Shangai, faria diferença? O que é mais ” prestigioso” Doha ou RIO 500?

          Responder
          1. Rafael Wüthrich

            Shanghai é um fracasso completo. Ano passado certos jogos chegaram a ter arquibancadas completamente vazias, um vexame. Um Queens como Masters 1000 faria muito mais sentido, até mesmo Hamburgo.

        2. Carlos Henrique

          O fato de um torneio 250 pagar mais que um 500 não o torna maior que o segundo. Basta botar o tico e o teco para funcionar.
          O curioso, ainda, é o corte temporal que foi feito. A partir de 2009 (coincidência kkkkkk) que os Masters 1000 ganharam importância, não é? Ta bom! Agora, e a do papagaio?

          Responder
          1. afonso

            Cara na boa, eu queria entender o que levaria Djokovic no ponto em que está da carreira a escolher torneios por dinheiro. Doha nunca foi prioridade dele antes, talvez tenha se tornado mais ambicioso. Ou pode ser por que caras como Murray e Federer já terem vencido lá, por que nos últimos anos todos os grandes estejam lá. Como escreveu Raphael, queens ou Basel não é menor que Shangai ou madri ou mesmo a Rogers. O que acontece é a questão simples: pontos e obrigatoriedade. Ponha no caso de exemplo Rio e Brasil open, acha que se os dois fossem 250 em qual dos dois os tenistas iam preferir? Para quem compete como grande há fatores bem além da grana e pontos. Acha que Djokovic foi á Suiça vencer a Davidoff por premiação? Que vencer Nadal em monte Carlo para ele foi maior que outros master quando tirou a hegemonia do espanhol? Não questiono o quanto vale um masters más tenho certeza por exemplo que muitos preferem erguer a taça erguida de tóquio do que o ion tiriac.

  37. Márcia de Oliveira

    Ver o Djokovic jogar é um prazer! Ele está perdendo um game de 0- 40 e parece ser normal. Em minutos, está 40-40 e vantagem , e… fecha. Isto é impressionante! A calma, o controle, o domínio……poderemos perder disputas, rallyes, mas com certeza, isso também vale muito, e muito, para quem ama tênis. Demais Djokovic!!!

    Responder
  38. Luiz Fernando

    Dalcim, não creio q está, mas sim q sempre esteve. Dojoko tem uma característica típica dos grandes campeões, quanto mais é exigido mais ele eleva o nível. No presente momento creio q só um Murray inspiradíssimo poderia tirar o ouro do peito do cara, mas o britânico é medalha de ouro em oscilação, ao contrário do sérvio, não dá pra apostar nele.

    Responder
  39. andre

    Dalcim eu estive a ver o Ranking e o murray aparece com os mesmos 10065 pontos.ele ganhou o master do canada a época passada pk que ele nao ficou com 90065.o nole tinha 15040 pontos e agora tem 16040.se ele foi vice campeão a época passada era para ter 15440 pontos e o murray 90065 pontos,esta e a primeira vez que eu nao percebi este ranking.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O calendário está atrasado em relação a 2015 e os pontos do Canadá serão retirados nesta semana, ou seja, na lista da próxima segunda-feira.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não sei se entendi sua pergunta, mas o ranking sempre trabalha com a comparação da mesma semana do ano anterior. Assim, já aconteceu de um jogador ter o mesmo torneio listado duas vezes na sua pontuação.

          Responder
          1. afonso

            Dalcim, acho que entendeu e minha questão foi ” incompleta”. Se esse rank estiver defasado e na segunda feira ele já entrar em outro evento? Como iniciar um novo torneio pós perda não debitada.

          2. José Nilton Dalcim

            Nenhum problema. É o que está acontecendo no momento. Se você olhar a composição do ranking do DJokovic, verá que constam duas vezes Canadá, o do ano passado e o de ontem.

  40. Sergio Ribeiro

    Um Post que diz tudo. Pronto para o OURO. Novak depois das 39 trocas com Gael mostra que merece todos os Titulos que conquista. Jamais vi um Tenista com um preparo físico semelhante. Boris Becker deve estar orgulhoso de seu pupilo. O Alemão com um Talento incrível , também se mostra um grande estrategista. O Servio melhorou muito seu jogo de rede .Andy Murray, a meu ver , e’ o único que pode tirar de Novak o seu sonho merecedor. Abs!

    Responder
    1. JORGE EDUARDO

      Do jeito que o Djoko está jogando tanto que deixei de torcer: não precisa. O cara tá 0-40 e saca com o mesmo semblante sereno como se estivesse sacando em 40-0. Nessas situações eu costumo me dizer: “ele chega lá”.
      Pois bem. Contra o Stepanek notei o 1º serviço errático, salvo nos 2ºs.
      Já no de ontem, contra o Japa, mandou um ace logo no 1º game e sacou muito bem o set todo e foi um banho, né? Se ele treinar especificamente para melhorar o saque… Ninguém mais vai segurar o Sérvio.
      Dá-le Nole !

      Responder
  41. Fábio

    O mais importante quase passa batido!

    Meus parabéns aos meus conterraneos, Bruno e Marcelo!

    Estão jogando muito! E não apenas neste ano! Acredito que muitos outros títulos importantes virão, inclusive Slams.

    Quero deixar registrado a importância de ambos no desenvolvimento do tênis nacional… Ainda que sem o prestígio merecido, recolocaram a bandeira brasileira nas páginas vitoriosas do tênis!

    Parabéns aos nossos duplistas! Que venham os Jogos Olímpicos!

    Responder
  42. Fábio

    Grande jogo do Djokovic. Na verdade, grande torneio. Avassalador contra Monfils, mesmo sacando mal.

    Co modelo havia dito antes, Murray não será n.1. Ao menos neste ano. Exatamente como falei, ele jogou torneios demais e chegou à exaustão em Wimbledon.

    O preço foi o Master 1000 canadense, além de entrar mas Olimpíadas sem ritmo.

    Bom, ele tem talento de sobra pra voltar rapidamente ao seu maior nível. Espero o mesmo de Nadal.

    Não espero isso do Federer (também não entendo pq alguns fanáticos torcedores do suíço apenas não desfrutaram de seus últimos anos em quadra e sempre o pressionaram por mais).

    Bom ver o Djokovic muito bem novamente. Vem com fome! E bom saber que o Nadal e Murray retornam agora. Viva o tênis!

    Responder
    1. Fábio

      Ps.
      Não seco o Federer. Desejo sorte a ele e um retorno firme em 2017. Apenas quis dizer que não espero mais o Federer espectacular de antes. A idade chega pra todos. Se ele voltar triunfante, melhor ainda! Teremos grandes duelos, variando ainda mais o circuito. Que ele descanse e se recupere. 2017 é logo ali.

      Responder
  43. Chetnik

    Nishikori sempre joga mal nas finais de torneios grandes. Mas ele não tem armas contra o Djoko, que faz tudo melhor.

    Na internet tinha gente falando de um possível problema no ombro do Djoko, por conta do saque – principalmente o segundo. Eu achava improvável, apesar do saque estar horrível. Depois de hoje, definitivamente ele não tem nada. Só tava sacando mal mesmo. Impressionante a sua capacidade de aumentar o seu nível.

    Deu uma disparada no ranking. Como eu já falei antes, o Murray pensa muito pequeno. Assim não vai ser número 1 nunca.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Murray pensa pequeno em que, meu Caro Chatonik ? Nos últimos 12 meses disputou 18 Torneios contra 19 de Novak. Fez as 3 Finais dos SLAM 2016. E 2 de MASTERS 1000, vencendo e perdendo uma para o Servio. O Ouro OlIMPICO so’ nao e’ importante para quem pensa PEQUENO como você . Assim como o amigo ainda nao entende a importancia da Copa Davis. Raciocino da medíocre geração individualista da Web. Abs!

      Responder
      1. Chetnik

        Onde que eu desmereci as Olimpíadas? As Olimpíadas são a prioridade do Djoko. A maior, fora RG. Mas ele jogou Toronto. O Murray tava encostando no ranking, agora tá comendo poeira.

        Poderia falar mais, mas já perdi tempo suficiente com você.

        Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      O Novak é melhor em quase tudo: saque, rede e defesa.

      Mas teve alguns momentos em que o Nishikori claramente mandou no ponto, porque é um grande jogador de fundo, mas aí na hora de definir ou jogava fora ou no pé da rede.

      Pra ganhar do sérvio, não existe outro caminho: só sendo muito agressivo e o japonês parece que tem FOBIA de volear.

      Responder
  44. Rodrigo S. Cruz

    Eu respeito muito o tênis do Nishikori.

    É um tenista que é ágil e bate bem na bola, dos dois lados…

    Mas, ele continua teimando em ficar 99% do tempo, só grudado no fundo.

    É preciso agredir e subir mais à rede.

    Se ele não se sente confortável lá, já passou da hora de conversar com seu staff, com vistas a este objetivo…

    Talvez assim engrossaria mais contra os jogadores do Top 5, e obteria títulos mais poupudos no seu currículo.

    Se não, temo que passará o melhor dos seus dias servindo de “sparring” de luxo, para caras como Djokovic.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Michael Chang , seu treinador , apesar da precocidade em Rolanga, chegou ate’ o N 2 e ficou por aí . Exatamente pelo pequeno jogo de rede, apesar da excepcional movimentação. O Samurai precisa buscar novos caminhos. Periga nem atingir de novo o TOP 4. Abs!

      Responder
  45. Barocos

    Dalcim, mais uma vez preciso. Os últimos jogos nos quais ND perdeu duas coisas aconteceram ao mesmo tempo: Djoko jogou abaixo do nível habitual e o oponente apresentou um estilo agressivo e consistente. Nishikori bem que tentou no meio do 2º set, mas falhou na consistência.

    Infelizmente esta época de ouro do tênis parece se encaminhar rapidamente para o seu ocaso. Acho dificílimo que o Federer recupere a condição física necessária para permanecer no top 4, não duvido, RF é um gênio do esporte, mas o tempo é o pior dos adversários e indisputavelmente imbatível. Nadal também me preocupa, pelo jeito sua lesão no pulso foi realmente muito séria. Sem ambos para fazer frente ao Djokovic e, em menor escala, ao Murray, o circuito perde muito da emoção.

    Que eu me lembre, todas as melhores fases de todas as modalidades esportivas só foram assim consideradas porquê nos presentearam com excepcionais rivalidades. Foi assim com Senna x Prost, Borg x MacEnroe, Michael Jordan x Magic Johnson, Ali vs Foreman. Se o Murray não subir seu nível adequadamente e se não aparecerem outros bons adversários acho que iremos, infelizmente, testemunhar um certo clima de “fim de festa” e nem todos os recordes do mundo irão compensar a ausência dos grandes duelos. Acho que as batalhas entre Djokovic x Federer x Nadal estão muito próximas de serem parte de nossos testemunhos para as novas gerações “rapaz, aqueles sim foram anos de ouro, vi estes excepcionais jogadores em partidas épicas …”.

    Responder
    1. Marcão

      Pois é, Barocos, taí uma questão que me preocupa. Provavelmente, quando não mais existir fab-4, o tênis para mim será YouTube. Finais de semana sem o duplo, sem o mestre, sem o craque, sem o ogro, serão mais sem graça que dançar com a irmã. Duvido que possa me interessar pelas “batalhas do futuro” Kyrgios x Thiem, Coric x Zverev ou coisas do tipo. Por isso, estou me preparando. No último domingo, joguei meu primeiro torneio de damas no Passeio Público. Pensei que esse troço fosse fácil, e mais fácil ainda fosse ganhar daqueles velhinhos caquéticos. Tomei uma sova na primeira rodada e outra ainda pior na repescagem. Como não me entrego facilmente, fui atrás de um manual. Fiquei na dúvida entre um tal de Cabrerizo e um tal de Bakumenko. Como o primeiro era mais caro, pensei que fosse melhor. Cliquei em “quero este livro” e o site da livraria informou que quem comprou o manual do Cabrerizzo se interessou também pela verdadeira história do ET de Varginha. Fiquei com medo da associação. Desisti da compra. No próximo domingo, vou tentar o dominó.

      Responder
      1. Robson

        Putz Marcão,
        Eu tb já estou num sofrimento só,meu Deus,gosto nem de pensar no Tênis sem os 4,principalmente sem Novak,tô lascado,kkkkk

        Responder
      2. Barocos

        Pois é, estou pensando em voltar a jogar futebol como goleiro em peladas, daquelas em que o centroavante chuta com toda força de 2 metros de distância em cima do último adversário mais pela falta de habilidade do que por pura maldade. As dores resultantes não vão me deixar lembrar de qualquer outra coisa. 😉

        Responder
  46. Jeosan

    Olá caros amigos do Blog, passando por aqui para registrar minha satisfação em ter assistido a mais um título do número 1 do mundo, Novak Djokovic, aliás 30º título de Master 1000 (recordista absoluto) e contando, como dizem por aqui.

    Parabéns, Nole, inclusive pelo gesto do abraço em alusão ao dia internacional da amizade.

    Responder
  47. Arthur

    Eu ia até escrever alguma coisa sobre essa final do Djokovic com o Nishikori, Dalcim.
    Mas, sinceramente, já me cansei de escrever sobre essa deprimente geração perdida do tênis.
    Nishikori, Raonic, Dimitrov, Goffin… Nunca nenhum deles conseguiu ser mais do que coadjuvante. Pior. Tenho muitas dúvidas se algum dia eles realmente aspiraram a ser mais do que coadjuvantes.
    Enfim, trata-se de uma geração que não deixará qualquer saudade. Me pegando aqui com todos os meus pés-de -coelho pra que Zverev, Thiem e cia. amadureçam logo.
    Se não…

    Um abraço.

    Responder
    1. Ricardo

      Bons mesmo eram Phillipoussis,Hewitt, Roddick, Gonzalez, Baghdatis,…. O Federer realmente enfrentou e venceu os melhores não é mesmo?? 😛

      Responder
      1. Arthur

        Minha nossa. Não tem sequer referência ao Federer no meu comentário e o sujeito vem de lá pra cá com aquela velha cantilena enfadonha de “Philipousis, Baghdatis e Cia. Ltda.”
        Deve ser algum trauma não resolvido dessas djokovetes quererem enxergar Federer em qualquer coisa para tentar denegri-lo.
        Freud explica, viu?
        #FicaaDica

        Responder
  48. Alexandre

    Dalcim quando é o sorteio do Rio, tenho ingressos pra domingo quadra central ( diurnoe noturno) e espero ver Nole, ou Nadal ( será que joga?). abs

    Responder
  49. Roger

    Fiquei impressionado na semi num rallye de 39 trocas entre Djoko e Gael, ganho obviamente pelo sérvio, ele virar as costas e já estar esperando a próxima em poucos segundos como se nada tivesse acontecido, nem ofegante estava. Quem tiver dúvida olhe o replay da partida. Isso pra mim não me parece normal. Acho que o tênis hoje contém outros ingredientes.

    Responder
    1. afonso

      Quantas vezes ocorreram em jogos rallys tão longos quanto um em um jogo? Federer, djokovic, nadal, Murray… Já jogaram jogos muito mais desgastantes e nenhum deles morreu. Medonho achar que o cara se dopa por não cansar em um rally de um torneio onde não foi exigido. Em um jogo onde nenhum componente o atrapalhou. Lembrando que ele é o rei dos jogos longos onde faz muito mais que um rally com Gael. É só pensar no open da Austrália, Roma…

      Responder
      1. Jeosan

        Djokovic tem um jogo sólido de base, porém o mais notável em seu jogo é a sua incrível capacidade de jogar bolas profundas, em cima das linhas, que dificultam a devolução do adversário, o que é um terror para aqueles que adoram uma subida à rede, sobretudo se a intenção for para encurtar os pontos.

        Responder
  50. Robson

    “Djokovic está pronto para o ouro”,grande Manchete,grande Título,hehehe…
    Hj dizia Dácio Campos assim que o jogo acabou; “É muuuiiitttoooo difícil ganhar 3 sets de Novak Djokovic em circunstâncias normais com o jogo começando e terminando no mesmo dia”,,”Só que Novak chegou a um nível que está muuuuuiiiittttooo difícil vencer até mesmo 2 sets em um mesmo dia dele”.
    É,Novak venceu um Toronto “esvaziado”,sem Federer,sem Nadal,sem Murray e sem Saque.
    Vem com tudo pro Rio,como disse Dalcim e muuuuiiitttoooo bem dito; Djokovic está pronto para o ouro.

    Responder
  51. Nando

    Parabéns ao sérvio, q está aproveitando as ausências dos seus principais concorrentes pra ir abocanhando os títulos…. Mas sem dúvida que esse M1000 foi um dos torneios mais sem graças dos últimos tempos.

    Responder
    1. afonso

      Acho mérito do jogador quando ele considera toda a vitória grande. E convenhamos, fora Murray, nenhum tenista poderia tirar ( ao nível desse ano) o título dele. E tenho dúvidas se algum tenista pode vencer ele em confrontos onde ele esteja bem e nada fora o normal do jogo interfira.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *