Djokovic tenta reembalar temporada
Por José Nilton Dalcim
25 de julho de 2016 às 15:00

Com dois acidentes de percurso num primeiro semestre de grande sucesso e realizações, Novak Djokovic reinicia outra fase importante de sua temporada. Vem aí seu melhor piso e metas quase tão relevantes como a conquista de Roland Garros: o ouro olímpico, o tabu em Cincinnati, o 13º Grand Slam e a manutenção da liderança do ranking.

Segundo dados da ATP, Djoko nunca chegou tão descansado ao Masters canadense desde 2008, devido é claro à saída precoce de Wimbledon e a recusa em disputar a Copa Davis. Dono de três troféus de Masters na temporada, é importante lembrar que ele só perdeu três jogos de fato em 2016 e por isso nem longe seu favoritismo parece abalado.

Apesar de tantas ausências importantes, não se pode dizer que o sérvio terá facilidade em busca do 30º Masters e do tri no Canadá. Talvez pegue na estreia o canhoto Gilles Muller, pode ter Tomas Berdych nas quartas mas a expectativa mesmo é pela possível semi diante do dono da casa Milos Raonic.

O vice-campeão de Wimbledon poderia ter dado mais sorte na formação da chave, podendo ter sequência com Alexander Zverev, Steve Johnson e Gael Monfils. Segundo os organizadores, com as ausências de Federer, Murray e Nadal, Raonic é quem tem salvado a venda de ingressos e obviamente eles contam com o duelo diante de Nole como grande momento da semana.

O outro lado da chave tem de tudo. Stan Wawrinka herdou a cabeça 2 porém tem muita gente boa de quadra dura no caminho, como Jack Sock, Dominic Thiem ou Bernard Tomic, Kei Nishikori ou Marin Cilic. Quem sabe até Nick Kyrgios, mas o australiano confessou nas mídias sociais que tem praticado mais Pokemon-Go do que tênis.

Novidades no circuito
Fim de semana de quatro ATPs e três WTAs mexeu com o ranking e proporcionou histórias. Gael Monfils, Fabio Fognini e Feliciano López encerraram longos jejuns de conquista. O francês voltou ao 14º lugar do ranking, o que é importante para ser cabeça alto no US Open.

López e Paolo Lorenzi venceram na faixa dos 34 anos e o italiano se tornou o mais idoso a ganhar seu primeiro ATP. O canhoto espanhol enfim levantou um troféu no saibro. Aliás, Monfils e Fognini estão com 29 anos, muito perto de virar ‘trintões’.

No feminino, Johanna Konta começa a escrever uma página no tênis feminino britânico, que há décadas não se via. Chega também ao 14º lugar do ranking e é uma adversária a se respeitar na quadra dura.

Longevidade
Aos 43 anos, Daniel Nestor fará sua 28ª aparição no Masters de seu país. Ainda número 8 do ranking, ele foi campeão neste domingo em Washington ao lado de Edouard Roger-Vasselin e atingiu 90 títulos de dupla na carreira.


Comentários
  1. Luiz Evandro Foggetti

    A fantástica carreira de Roger Federer terá duas manchas: Perder no confronto direto para seus dois maiores rivais, e a falta da medalha de ouro olímpica em simples. Ao término da carreira de Nadal e Djokovic, veremos quem foi o melhor. Muitos se esqueceram que Federer é muito mais velho, Djokovic e Nadal ainda continuarão jogando um bom tempo e poderão ultrapassar o suíço em Grand Slam. Se ele for ultrapassado em GS por Djokovic e Nadal, perdendo ainda por cima no confronto direto e sem ouro olímpico em simples, será ele mesmo o melhor de todos os tempos? Eu acho que não. Eterna discussão.

    Responder
  2. Renato Vieira

    Bom, hoje basicamente tivemos a pior notícia que poderia existir no tênis mundial. Na verdade, a segunda pior. A pior seria Roger anunciar a aposentadoria definitiva.

    De agora até o final do ano podemos começar a entender o que é um mundo sem Federer no tênis. E ir nos acostumando.

    Se ver Roland Garros sem ele já foi triste. O resto do ano será um saco.
    Tomara que o Murray continue no nível que esteve em WB.

    Responder
  3. afonso

    Muito surpreso com essa notícia do Federer porém disse antes que ele parecia jogar sem a obrigação da vitória ( para ele mesmo). Duvido que volte ao circuito com pretensões maiores, deve ficar fora até da Austrália. Agora sabemos de sua condição. 2017 será o primeiro ano ( talvez o ano) do canto da sereia. Estou triste pois esperava o ver na Olimpiada, más talvez tenha chance de poder contar com ele num Rio 500, já que seu calendário deve sofrer radicais alterações.

    Responder
  4. Luiz Fernando

    Que coisa lamentável a contusão de Federer, muito triste, para o tenis e para o esporte. Todos sabem q não simpatizo e não torço por ele, mas daí a comemorar contusões, como já se ocorreu neste espaço, é algo simplesmente deplorável, em especial quando ocorre com um ícone do esporte. Que ele se restabeleça bem, pois grandes torneios, grandes eventos dependem da presença de grandes jogadores, q são os q atraem as multidões.

    Responder
  5. Sergio Ribeiro

    A Grama era a ultima cartada. Vem mais Cirurgia por aí. Como o Serviço caiu muito, talvez as costas. Aos 35, o MultiCampeao sentiu que ou parava, ou corria riscos de cair muito no Ranking. Fez questão de afirmar que volta na Austrália.Ao menos nao teve nada a ver com o Brasil. Voltara’ com Ranking protegido. Uma pena pois o Tenis e’ o UNICO Esporte com todos os ingressos vendidos. Uma Grande festa estava preparada para o dia 8. Vida que segue e o Maravilhoso Esporte também. Abs!

    Responder
    1. Fernando Brack

      Também suspeito que tenha mais a ver com outro problema do que com o joelho.
      Pô, ele não reclamou nada do joelho nos torneios que jogou após a cirurgia.

      Responder
  6. Rafael Wuthrich

    Dalcim, fim de temporada para Roger Federer. Nao vem aos jogos, não jogará até o fim do ano, sairá do top 10 e, acredito eu, para não mais voltar. É o inicio do fim, acho. O que acha? Triste, queria vê-lo no Rio. Como somos azarados!

    Responder
  7. Leonardo Freitas

    Motivação para novas marcas não podem faltar para o Novak Djokovic devido a ele estar perto de ganhar todos os torneios possíveis de grande importância do calendário da ATP e ainda um ouro Olímpico que representa uma grande honra ter uma medalha de ouro no maior evento esportivo do mundo.Marcas importantes como manutenção de dois anos de liderança absoluta do ranking,vencer o ouro Olímpico e Cincinnati e o 13° slam,se não forem metas ambiciosas e motivação para manter ritmo de sucesso que ele tanto buscou,esse não seria Novak Djokovic que todos nos conhecemos.Derrota para americano em Wimbledon,eliminação na primeira rodada de Monte Carlo e o pneu que ele tomou do Belluci são reflexos apenas de 18 meses de muito desgaste físico e mental em que ele disputou mais de vinte finais jogando o mais alto nível de sua plenitude,mostrando que ele após tanto tempo sentiu a pressão e que também e humano.Finalizando o comentário ele para mim e ainda o tenista a ser batido e espero que o Andy Murray contribua para que eu possa estar enganado e nos termos uma grande rivalidade ate fim desse semestre.

    Responder
  8. Fernando Brack

    O garoto Shapovalov pega na 2ª rodada Grigor Dimitrov, outro cabeça de porongo.
    São boas as chances de os canadenses verem o jovem ídolo ir adiante no torneio.

    Responder
  9. Alison Cordeiro

    Vencer um Masters continua sendo uma grande conquista independente dos adversarios, e entendo que Djoko faz o certo em ir em busca de mais um título. o grande tenista precisa ter essa fome constante de vitórias , nunca se sabe quando uma contusão pode atrapalhar ou qualquer fator externo pode mudar a carreira. Uma semi contra o Raonic seria bastante interessante, o canadense cresceu bastante e pode protagonizar uma grande partida. Boa expectative pro torneio.

    Responder
  10. Rafa Darvin

    Mestre,

    Voce ja deve ter citado diversas vezes mas teremos jogos em quadra dura nas olimpiadas ? Gostatia de saber mais algumas coisas, tais como qual sera o peso das condicoes climaticas (nao estara tao quente creio eu) durante as partidas e uma visao rapida do nivel que tecnico que vc espera durante a competicao.
    Sei que voce postara muito mais coisas mas talvez uma visao bem rapida. Moro fora e estou meio perdido.

    Obrigado,

    Um abraco,
    Rafa Darvin

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, quadra dura, velocidade média, provavelmente umidade bem menor do que o Rio tem normalmente. Acho que isso vai ajudar o nível técnico, porque estará bem dentro do que os tenistas costumam encarar no circuito.

      Responder
  11. Renato Veneziano Toniol

    Simplesmente lamentável a atitude de Kyrgios durante o jogo de ontem.
    Não tirando os méritos do Shapovalov, mas ficou claro que caso quisesse, o australiano passaria por cima, ainda mais se foçasse o backhand do rival, que ainda possuiu inúmeras falhas quando é atacado neste golpe.
    Kyrgios mostrou total desinteresse pelo jogo, faltando com respeito ao adverário e ao público.
    Dalcim, não seria o caso de multar o australiano pelo atitude nesta partida?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu até ia escrever sobre isso, Toniol, mas a notícia do Federer roubou a cena. Lamentável o que o Kyrgios fez ontem. A ATP precisa tomar uma atitude.

      Responder
  12. Arthur

    Acho que minha profecia vai se realizar antes do tempo, Dalcim.
    Kyrgios ser eliminado na estréia por um garoto do juvenil, 370º do mundo, é coisa pra enfiar a viola no saco e ir pra casa chorar pitanga.

    Um abraço.

    Responder
  13. Pieter

    Dalcim, você viu o jogo do Shapovalov contra o Kyrgios? O que achou do canadense? Chamou a minha atenção o seu backhand com uma mão só e a atitude dele em quadra…

    Responder
  14. Márcia de Oliveira

    Sinceramente, tenho assistido alguns torneios, sem Djokovic, Murray, Nadal e….nossa que diferença!!! Falta jogadas, falta emoção. Então: ainda não temos competidores bons o suficiente para um grande espetáculo.
    Concordo que’ ninguém ‘ é imbativel’ , mas em 2015, o Djokovic o foi, com certeza!!!! Agora, ele tem se envolvido demais com seus negócios e família, portanto não parece tão determinado como ano passado. Uma pena, pois era demais vê lo jogar. Espero que recupere aquela garra!!!!

    Responder
  15. Marquinhos

    De acordo com os organizadores Raonic tem salvado a venda de ingressos!? kkkkkkkkkkkk Se dependesse de Novak o torneio ficaria as moscas!

    Responder
  16. Marcelo-Jacacity

    E sobre o Shapovalov, preciso ver mais jogos para ter uma opinião mais cristalina. Parece ter bom controle mental, ótimo saque. Ponto frágil é o backhand de uma mão. Evoluirá bastante, afinal são apenas 17 anos.

    Responder
  17. Luiz Fernando

    Esse Kyrgios é um imbecil com letras maiúsculas, está jogando uma carreira promissora no lixo. Além de atitudes baixas como o incidente com a namorada de Wawrinka, ele com certeza não se dedica a profissão q escolheu, deve ser mais um filhinho de papai como muitos q já passaram pelo circuito. Deve estar feliz, agora vai sobrar bastante tempo p o pokemon go…

    Responder
    1. Fernando Brack

      Kyrgios já confessou que não gosta de tênis. Dá para ser um profissional assim?
      Isso combina bem com a cabeça desordenada dele. Uma hora ele deve desistir.

      Responder
  18. Maurício Luís *

    Fiquei bastante contente com esse título do Monfils, o maior da carreira dele. Gosto daquele jeito ‘circense-malabarístico’ dele. Gostaria de vê-lo de novo no Top 10.
    E o Karlovic também merece elogios. Com 37 anos nas costas… Tá certo que o saque é a sua maior arma, mas mesmo assim, não é fácil chegar a essa idade jogando neste nível. Aliás, 2.11 m…Isso é que é altura. O mais é conversa.

    Responder
  19. Paulo

    Boa noite Dalcim, presenciando, infelizmente, Dácio Campos ironizando o Berdych por não vir jogar no Brasil devido ao vírus Zika (o infeliz disse “mosquito zika” kkkkkkk). Realmente, Dácio perdeu a grande oportunidade de ficar calado. O infeliz não deve ter noção da gravidade desse vírus, só pode. Um filho com microcefalia, ninguém merece. Era fã desse cara, será andropausa? Abraço.

    Responder
      1. Luiz Fernando

        Perfeito comentário, estupidez tão grande assim só me lembro na época em um dos blogueiros comemorou a internação e cirurgia de apendicite do Nadal…

        Responder
        1. Maurício Luís *

          Eu também entendi desse jeito. Mas pra ter um filho com microcefalia, teria que a mulher dele ser picada. Mas é uma decisão – a de não vir – que temos que aceitar.

          Responder
  20. SOARES

    Djoko está certo em jogar Toronto,porque priorizar Olimpiadas??Tem que valorizar o calendário do tênis que da pontos no ranking e também dinheiro,pensar no futuro,na familia,além disso esta Olimpiada vai ser a pior da história em nivel técnico em todos os esportes e principalmente em organização,estrutura ……..fiasco total esse rio2016!

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Soares, pelo andar da carruagem, isto tudo que você escreveu é bem provável de acontecer. Mas vou torcer pra que essas previsões não se concretizem, que os problemas da vila olímpica sejam sanados e as Olimpíadas transcorram sem atentados, que sejam um sucesso.
      Porque o esporte afasta muitos jovens das drogas e, mais recentemente, do vício do videogame. Os atletas não tem culpa da falta de noção, organização e tudo o mais dos dirigentes. Eles merecem o melhor.
      É isso.

      Responder
  21. SANDROMG

    Salve, grande Dalcim. Coisas estranhas do tenis. O Djoko pulava Madrid e não ganhava RG. Esse ano, ele jogou todos master no saibro e ganhou RG (apesar de, em Roma, estar irritadíssimo). Em wimbledon, os dois anos passados ele não jogou torneios na grama e faturou. Esse ano, descansado, perdeu cedo. Afinal, o que é melhor para o jogador: descansar mais ou pegar mais ritmo com torneios que antecedem os principais? o que acha, Dalcim? Só mais uma perguntinha: o Federer ano passado tava arrebentando com sua pressão e subidas na rede (inclusive o Edberg disse que “ele não ganharia mais torneios trocando bolas do fundo”); esse ano, ele não tá fazendo muito isso. O que será que mudou a postura dele? abrçao

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que cada tenista tem seu ritmo e sua estratégia. Geralmente, os grandes jogam algum aquecimento para os Grand Slam, e os Masters foram estrategicamente colocados como possível aquecimento para Paris e Nova York. Estão tentando fazer o mesmo com Wimbledon. Quanto à postura do Federer, mudaram alguns detalhes a meu ver, o principal deles o saque não está tão contundente a ponto de permitir maior agressividade.

      Responder
  22. Oswaldo E Aranha

    Dalcin, estou me sentindo órfão porque não consigo acessar o blog; aparece uma mensagem dizendo que está indisponível. Peço-te o favor de verificar o que pode estar ocorrendo e, como não consigo acessar, somente através tênis uol, use o meu e mail que é: oearanha@uol.com.br. Aguardo retorno com ansiedade. Abraços.

    Responder
    1. Fernando Brack

      Ajudando o Dalcim, lembro aos colegas que o endereço do blog mudou.
      Era tenisbrasil.uol.com.br/blogs e agora é blogdotenisbrasil.com.br.
      Isso é para quem acessa diretamente, pois, como diz o Dalcim, o jeito mais óbvio,
      ainda que não o mais rápido, é através do site do Tenisbrasil.

      Responder
  23. jeremias

    Dalcim, durante as olímpiadas vai rolar uma tentativa de entrevistar Federer, Djokovic, e Nadal para a gente acompanhar aqui no Bate Bola? rsrsrs

    Responder
      1. Marcelo F

        Puxa, porque Dalcim? Lógico que você já assistiu todos esses jogadores ao vivo, mas sempre é legal ver, não? Ainda mais se der para ver atletas de outros esportes. Passa sua credencial para mim Dalcim. rsrs.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Eu particularmente já os vi bastante, Brack. Sou um fanático por esportes e o melhor jeito de acompanhar as Olimpíadas é em casa, senão você perde muita coisa.

          Responder
          1. Fernando Brack

            Bem, não posso dizer que penso diferente. Eu detesto muvuca.
            Mas eu achava que você teria uns privilégios interessantes.

  24. Luis

    Dalcim Djokovic sem os adversarios que podem vencelo Murray,Federer,Nadal,talvez Wawrinka e’ o que possa vencer o servio no masters do Canada,Raonic pequena chance por estar em casa,Dalcim por que Djokovic e’ quase imbativel na quadra dura?

    Responder
  25. Arthur

    É, Dalcim, esse Masters de Toronto tem tudo pra ser um dos torneios mais monótonos de todos os tempos.
    Outra razão, aliás, pra eu não entender qual é a Djokovic em participar dele. O sérvio não tem nada a ganhar, só a perder. Se vencer, vão dizer que não fez mais do que a obrigação, ainda mais com todas as desistências que houve. Se perder, vai ser quase uma tragédia, o que pode abalar sua confiança pra disputa pelo tão sonhado ouro olímpico.
    De resto, só um comentário sobre duas notícias aparentemente não relacionadas: Fognini campeão à beira dos 30 e Kyrgios caçando Pokemon Go em vez de treinar.
    Pra mim, mais uma prova de que o italiano é o maior talento desperdiçado de sua geração (com o que ele desperdiçou não faço idéia, nem é da minha conta). E, ao que parece, Kyrgios vai indo pelo mesmo caminho.
    Daqui a alguns anos, profetizo que veremos o australiano à beira dos 30 vencendo torneios de entressafra, lamentando mais um talento que o tênis perdeu para o mundo.

    Um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Djokovic está certo em jogar no Canadá, Arthur. Caso contrário, ele saltaria da primeira semana de Wimbledon direto para o Rio, o que seria muito tempo sem competir. Ele ainda terá uma semana de descanso e treino entre a eventual final de Toronto e a estreia no Rio.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *