Degrau acima
Por José Nilton Dalcim
1 de abril de 2016 às 00:46

Nick Kyrgios deu um passo à frente nesta semana em Miami. O australiano, que completará 21 anos dentro de 27 dias, continua mostrando seu amplo arsenal e lutando contra seus fantasmas,  já garantiu sua primeira semifinal de nível Masters 1000 e também a entrada na faixa dos 20 mais bem colocados do ranking.

Jogo ele tem de sobra e nem mesmo o entusiasmado Milos Raonic conseguiu barrar a mistura promissora de saque pesado e golpes de pesado sólidos, profundos e agressivos, a receita que parece ser indicada para o tênis moderno. Não por acaso, já venceu gente como Roger Federer, Rafael Nadal, Stan Wawrinka e Richard Gasquet, além de derrotar duas vezes Tomas Berdych.

O currículo poderia ser muito melhor não fosse o desajuste comportamental, a dose de excessiva raiva e frustração que o fazem perder o controle e os bons modos. Não é nada exagerado afirmar que Kyrgios é tecnicamente superior a Kei Nishikori, seu adversário da semi nesta sexta-feira, em todos os aspectos. Sem falar na capacidade de improvisar. A fragilidade está unicamente na força mental, esse ingrediente tão fundamental que permitiu ao japonês escapar de cinco match-points contra Gael Monfils.

Que jogo estranho, diga-se. Monfils começou muito bem porque se permitiu ser agressivo, mas pouco a pouco voltou-se ao fundo de quadra e aí parecia inevitável a derrota. Com os dois esgotados pelo clima cruel em Miami, o cabeça 6 vacilou, Gael recordou que tinha de bater na bola e teve chances de todos os tipos. Nishikori não se entregou e ganhou na marra. Correto exemplo de gente boa que deveria inspirar Kyrgios, Monfils abriu sorriso e foi à rede abraçar o nipônico, que mal tinha forças para comemorar o feito.

A primeira semifinal masculina, marcada para as 14 horas, terá o duelo entre o favoritíssimo Novak Djokovic contra a boa surpresa David Goffin. O belga chega a duas semifinais seguidas de Masters em piso duro e, tal qual Kyrgios, concretiza uma evolução essencial. Note-se que o saque melhorou e, ainda que seja ainda um tenista de trocas de bola, tem procurado mais os winners.

Djokovic está em sua 12ª semifinal consecutiva de Masters, coisa que data de agosto de 2014. A partida contra Tomas Berdych na quarta-feira foi exigente como sempre, porém o sérvio soube controlar todas as situações. A solidez no fundo de quadra levou o adversário a se desesperar e cometer erros. O backhand especialmente esteve magnífico. É sem dúvida o melhor backhand de duas mãos que já vi em meus 35 anos de tênis.

Ao mesmo tempo, as meninas decidiram suas finalistas. Vika Azarenka confirmou seu grande momento, recuperou a ampla hegemonia sobre Angelique Kerber e entrará sábado como favorita para conquistar o tri em Miami.

A adversária surpreende: a veterana Svetlana Kuznetsova, uma tenista que consegue fazer tudo direitinho e tem um histórico respeitável. Se levar um título um tanto improvável, voltará ao top 10. Duvido que ela própria acreditasse nisso.


Comentários
  1. Paulo

    Dancin!
    Leio sempre o seu blog, vc geralmente é coerente, porém dizer que o Kyrgios é superior ao Nishikori em “todos” os aspectos, e ser superior tecnicamente, me parece um engano completo.
    Concordo plenamente com Gustavo.
    No jogo de ontem a técnica do Nishikori prevaleceu nitidamente sobre Kyrgios.

  2. Gustavo

    “Não é nada exagerado afirmar que Kyrgios é tecnicamente superior a Kei Nishikori, seu adversário da semi nesta sexta-feira, em todos os aspectos. Sem falar na capacidade de improvisar.” Não é nada exagerado afirmar que você está totalmente errado! Você faz afirmações muito fortes com argumentos muito fracos. Se Kyrgios fosse superior tecnicamente em todos os aspectos e na improvisação, não teria perdido os dois jogos contra Nishikori. Se você assistisse aos jogos prestando atenção aos detalhes, teria percebido que Nishikori tem maior variação nos golpes de direita e esquerda (chapado, spin e slice) e melhor capacidade de improvisação (lobby, drop shot) do que Kyrgios. É lamentável ler uma coluna com esse tipo de argumentação.

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que não sou eu quem não enxerga bem o jogo, caro Gustavo. Aliás, favor diferenciar técnica de tática, técnica de mental. Isso está escrito também no texto.

      1. Gustavo

        Dalcim, se você tivesse o mínimo de honestidade intelectual, admitiria que está errado. É um absurdo afirmar que Kyrgios é superior tecnicamente em todos os aspectos e na improvisação em relação a Nishikori. Somente para citar alguns exemplos, o backhand, o equilíbrio na batida do forehand na corrida, o lobby com topspin e o drop shot de Nishikori são melhores do que os de Kyrgios. Para quem assistiu ao jogo de ontem, afirmar que Kyrgios é superior tecnicamente em todos os aspectos e na improvisação, é um grande absurdo.

        1. André Barbosa

          Você discordar da opinião do blogueiro é completamente normal, mas questionar a honestidade já é demais. Faça um favor para todos e procure outro local para comentar.

  3. filhodedavid

    Bom dia Dalcim, do jeito que você falou da Sveta, parece que ela é uma tenista veterana qualquer, que eu saiba ela já ganhou dois Gramd Slam, achei um pouco desrespeitoso, pois em relação a Vika, qur você “endeusa” tanto, só elogios, aliás as duas tem w mesma quantidade de Slam. Gosto muito da Vika, torço muito por ela, mas vc a coloca num pedestal muito alto, daqui a pouco la vem um post seu com Vika melhor do que Serena, Steph, Navratilova, Cris, Selles e por aí vai. Abraços

    1. José Nilton Dalcim

      Nossa, tudo que você faz é reclamar da forma com que eu me refiro às tenistas, achando que eu desmereço esta ou aquela, ou torço para esta ou aquela. Que coisa! Se você lesse as entrevistas da Sveta, veria que há pouco tempo ela própria está indecisa quanto a sua carreira.

  4. Sergio Ribeiro

    Kyrgios e Goffin morreram abraçados nas más escolhas dos Golpes. Novak estava visivelmente cansado, mas se vascilarem nao perdoa. Por ironia um Smash ridículo do Belga, deu uma mãozinha ao N 1. Ao contrario o Samurai mostrou ao Australiano, que se nao fosse o físico, ja’ estaria bem acima no Ranking. Absurda variação de golpes da base. Pode sim dar muito trabalho ao N 1na Final de domingo. Muito adaptado ao clima de Miami, pode assustar o Servio na sua tentativa de mais um Recorde. Abs!

  5. Lola

    O dia que esse Nick Kyrgius assumir a liderança do ranking eu paro de assistir tênis, pq se já é intragável agora, imagina se for número 1. Mas acho que não vai ser nunca, espero. Se o tênis vai perder com a parada do Federer, imagina o que não perderia se um arrogante desses fosse 1 do mundo?

    1. Sergio Ribeiro

      Se a estudiosa Senhora, nao parou com o BIG MAC, HEWITT , MARCELO RIOS pararia porque. Porque parou? kkkkkkkkkkkAbs!

      1. Lola

        Por acaso o sr me conhece pra saber o que eu fazia ou deixei de fazer?
        Vou lhe dar um pequeno resumo da minha trajetória de espectadora de tênis.
        Assistia o Guga, às vezes.
        Não me interessava por tenis na época do Heywt ou Rios.
        Não acompanhei a carreira do Big Mac, pq nem sou tão velha assim. Mas sei que ele era temperamental.
        O Federer fui assistir a primeira vez numa fina de 2009 do US Open pra ver qual era desse suiço que falavam tanto. E ainda me peguei torcendo pra um Argentino, quer dizer, a empatia sempre foi zero pelo suiço.
        E agora acompanho o Craque sérvio.
        Fim

        1. Sergio Ribeiro

          No mesmo 2009, a Senhora nao pode ver Borg e Sampras em Wimbledon. Estavam assistindo uma eletrizante partida entre Andy Roddick e o Craque Suíço . O Norte- Americano , tirou o então TOP3( Novak Djokovic ) na Semi. E deu um terrível trabalho na Final ao Suíço , que precisou de 50 Aces, para derrota-lo no Quinto Set. Mais um da geração fraquinha. Del Potro , onde a Senhora estava, também precisou de 5 Sets, para levar com justica o USOPEN 2009. Eram jogadores fraquinhos segundo a Turminha do Face. Abs!

          1. Lola

            Não assiti Sr, já falei que só assiti a final do USO de 2009. E comecei a acompanhar o craque sérvio apartir de 2010!

  6. Robson

    Bom,eu não estou aqui em um Blog de Tênis pra perder meu tempo em analisar ou julgar comportamentos e personalidades de ninguém,portanto vamos ao Tênis.
    Kyrgios é som sobras,mas muita,muita sobra o melhor tenista entre todos de faixa etária até 26 anos,todos.
    Em minha opinião é favorito a vencer Nishikori daqui a pouco e chegar pra final de domingo contra Novak que já se garantiu por la.
    Não gosto das atitudes comportamentais de Kyrgios,mas gosto demais de ver o jogo desse Australiano,inclusive faltei hj aos estudos pra assistir a esse jogo entre Kyrgios x Nishikori,um jogão,quase imperdível.
    .
    Quanto a Novak,realmente e definitivamente o número 1 do mundo perde muito rendimento jogando debaixo de sol a pino.
    Acho surreal,sem lógica alguma marcarem jogos pra esses horários em pleno meio do dia,absurdo e desumano tanto e principalmente pros tenistas,quanto pro público pagante que assiste tb em baixo desse sol absurdo e tb pros telespectadores em casa pô,todo mundo trabalhando e o número 1 do mundo em quadra,irrita viu.

  7. Carlos

    Dalcim, discordo de você, o japonês me parece ter um Backhand e uma devolução melhores que o australiano, não?

    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, o backhand é melhor e a devolução naturalmente tem de ser, porque ele é um baseliner.

  8. Luiz Fernando

    Acertei na vitoria do Djoko, mas errei no nivel de resistencia q o Goffin impos ao cara. Me arrisco q dizer q se o belga não amarelasse venceria o primeiro set e teria alguma chance de vencer a partida, pois o servio estava claramente desgastado no final, embora, segundo Murray, muitos tenistas simulem cansaço p enrolar o adversário, e o servio sempre foi useiro e vezeiro nisso. Se o belga mantiver esse nível dara muito trabalho na temporada de saibro. Lamentável mesmo foi a atitude estupida do arbitro ao dar um warning injustificado no Djoko logo depois dele torcer o tornozelo, quanta falta de bom senso. Vamos aguardar o jg noturno, torcendo p q o desequilibrado Kyrgios concentre-se em jogar tênis e não fazer baixarias.

  9. Luis

    Dalcim perguntei se ja ta tendo renovacao no tenis masculino ? Com o bom momento do Raonic e o Kirgyos bem,e os garotos como Thiem,Zverev e Fritz conseguindo vencer partidas em torneios importantes

  10. Eduardo

    Parece que o sérvio estava com uma pedra de kriptonita no bolso. Estava irreconhecivel no primeiro set contra Goffin.

  11. Realista

    Djokovic venceu 5 vezes em miami,certamente venceu jogando mal pelo menos 3 ,ano passado foi horroroso e venceu de novo,impressionante o exterminador sérvio.

  12. Isaias

    Estou empolgado com a evolução de Kyrgios Dalcim, e logo logo espero que Zverev evolua também apesar de achar que vai demorar pra ele ainda, mais ele é muito jovem e vejo potencial nele pra em um futuro ser a ameaça há Kyrgios, o tênis sempre teve suas rivalidades e torço pra essa ser a próxima, O que vc acha Dalcim da nova geração até os 22 anos esses 2 são os principais candidatos p se tornarem a nova rivalidade mesmo q em um futuro distante ainda?? Claro se os 2 chegarem no estágio que todos nós esperamos ou seja se evoluirem mentalmente, tecnicamente e claro fisicamente. Nishikori e uma baita tenista parece estar mais saudável agora, torço pra que ele consiga uma grande conquista pelo menos 1 master 1000 acho q ele pode conseguir ainda é jovem

    1. José Nilton Dalcim

      Não vamos esquecer do Thiem e acho que o Fritz deu uma tremenda arrancada. Enfim, há sim qualidade na nova geração, mas a excelente forma e a experiência dos ‘veteranos’ mudou a realidade do tênis (e de vários outros esportes) e assim a renovação ficou mais lenta.

  13. Luis

    Dalcim surpresa vitoria do garoto problema da Australia rs,achava venceria Raonic,ele tem talento joga solto como fez contra Nadal Wimbledon e Federer no saibro,por nao levar tao serio o tenis acaba se desconcentrando na partida e vem da Australia que revela grandes tenistas ultimo foi Hewitt,esses garotos talvez nao consigam pouco tempo enfrentar Djokovic atualmente,e ate mesmo Federer bem como tava na Australia,sera que ta tendo renovada no tenis mesmo dificil de ser como big4?

  14. Rodrigo S. Cruz

    Cara, por que quase todo Juiz de Cadeira é tão idiota, hein?

    Quase todos, raras exceções.

    Pô, mano. O Djokovic torceu o pé, claramente. Aí me vem o PATETA, e inventa de aplicar uma advertência de tempo pro sérvio, justo naquela hora?

    Ah, vá catar coquinho, também…

  15. Rubens Leme

    Dalcim, é ridículo que o Masters 1000 de maior premiação em dinheiro coloque os jogadores para jogarem em um horário tão desgraçado como esse da tarde.

    Nishikori e Monfils estavam desabando no terceiro set. Era mais fácil adivinhar quem desabaria exausto primeiro do que o vencedor. Em alguns momentos, o francês parecia que ia desmaiar.

    Não é possível que os organizadores permitam uma coisa dessa, em uma cidade tão quente e úmida nesta época. A partir das quartas os jogos deveriam ser apenas no período mais fresco, até para valorizarem mais a parte técnica dos atletas.

    Monfils perdeu muito mais por estar extenuado e incapaz de executar os golpes do que outra coisa.

    1. José Nilton Dalcim

      Concordo, mas lembro que Miami não é mais o Masters de maior premiação. Já faz tempo que Indian Wells o superou.

      1. Bruno Louzada

        Dalcim, apesar de Indian ser um torneio maior hj em dia, a premiação ainda é a mesma nos dois torneios.

        1. José Nilton Dalcim

          Os dois torneios pagam hoje US$ 7 milhões. Em 2013, Indian Wells pagou US$ 900 mil acima e em 2014, US$ 500 mil acima. Com a entrada do banco brasileiro, Miami conseguiu igualar novamente a premiação.

      2. Rubens Leme

        Bom, peguei essa informação na página de vocês. Carece então de arrumar.

        Tá lá em Chaves.

        Masters 1000 de Miami
        de 21 de março a 3 de abril – Sintético – Premiação: US$ 7.037.595

        Masters 1000 de Indian Wells
        de 7 a 20 de março – Sintético – Premiação: US$ 6.134.605

        1. José Nilton Dalcim

          Os dois torneios pagam hoje US$ 7 milhões. Em 2013, Indian Wells pagou US$ 900 mil acima e em 2014, US$ 500 mil acima. Com a entrada do banco brasileiro, Miami conseguiu igualar novamente.

  16. Marcos Castillo

    E tô eu aqui assistindo ao chatíssimo jogo Djokovic x Goffin quando resolvi fazer uma estatística do tie-break do primeiro set, que eu tinha certeza que seria vencido pelo sérvio. Pois bem, dos sete pontos conquistados pelo Djokão, dois foram erros de devolução de segundo saque, três foram erros não forçados do belga na segunda bola, um foi um voleio deixadinha(uau!)na sequência de um ponto onde o Goffin deu um smash ridículo, que permitiria que ele sacasse em 5×4 e, por fim, um erro forçado em um bom lob dado pelo Djoko, após um voleio onde o belga estava com a bola na mão mas foi atrapalhado pelo toque da bola na fita. Prefiro assistir aos jogos do Nole contra Nadal e Federer, onde ele adota uma postura mais agressiva e deixa o jogo mais agradável de se assistir.

  17. Isaias

    Olha Dalcim a propria transmissão do SporTV 3 disse que Djoko não venceu o primeiro set, o Goffin perdeu, eu concordo, Goffin errou um Smash terrivelmente ridículo, sem contar o 4 a 3 com saque e bolas novas, o engraçado foi Djoko se vangloriando no ponto em q Goffin errou o Smash, sendo que o ponto foi praticanente dado pra ele mais enfim o Goffin mereceu perder pelos erros na hora chave e merecia ate q o Djoko gritasse mais no 4 a4 no tiebreak com o ponto dado p ele, mais enfim Goffin joga direitinho mais com 25 anos experiente jaja, tremeu na hora da onça beber água contra o numero 1 o que me faz acreditar que pode ser top 10 mais nada muito além de ter um bom ranking

  18. Shermann

    Não creio que o australiano seja tão tecnicamente superior assim em relação ao Nishikori…a técnica do japonês é bem apurada…mas eh fato q o australiano tem mais armas…como o saque, as deixadas loucas e as variações inesperadas…

  19. Marcos Castillo

    Sou torcedor do Federer, mas se for pra torcer pro Kyrgios desbancar Djokovic, prefiro que o sérvio bata todos os recordes do mestre.

      1. Marcos Castillo

        Caraca, é a primeira vez q falo do cara por aqui,Marcelo!E reforço o comentário: após a derrota dele para o Nishikori, ainda balançava a cabeça sem parar. É muito mala esse cara. Repare como os pegadores de bola ficam super constrangidos diante dele. Abs!

  20. Rubens

    Djokovic só perde para o australiano se sua contusão nas costas se agravar…jamais esse australiano mimado e de péssima educação dada pelos pais tem jogo pra enfrentar o maior e mais completo jogador da história da humanidade…talvez algum alien do planeta Ceres ou da constelação Andromeda tenha alguma chance.

  21. Gildokson

    Pessoal pega meio pesado e misturando as coisas quando fala do Kyrgios, ta certo que o cara é folgado, desrespeita as pessoas e tal, mas dai à chamar o cara de demente?! Exagero isso, tomara que ele vá subindo de nível e aprenda a deixar a personalidade polêmica fora da quadra, temos que lembrar que nem todo ser humano é igual, nem todos são bonzinhos, e no esporte é a mesma coisa. Não vi quase ninguém criticando o caráter do super ídolo Borg quando aquela ex dele contou ao mundo todo que o cara era um viciado que ja tava descontrolado no uso, imaginem só quantas vezes ele disputou jogos importantes no estado entorpecido. Será que isso não aconteceu? Será que de alguma maneira isso não foi proveitoso? as vezes vejo reportagens sobre gente do futebol relatando que os argentinos engoliam a Libertadores nos anos 70 e 80 movidos à cocaína. Daqui à alguns anos se esse australiano ganhar vários títulos, mesmos alguns que o criticam agora, vão fazer vista grossa para seu comportamento, ou seja, se é famoso e ídolo ganhador de títulos tudo fica mais bonito, ou menos feio.

  22. Marcelo-Jacacity

    Kyrgios,
    Joga demais! Como o Dácio Campos disse na transmissão, o estilo dele faz muito, mas muito bem ao tênis. O australiano somente tem que evitar exageros.
    O jeito despojado do Kyrgios já está conquistando a molecada. Lá em Miami pude comprovar isso.

  23. Marcos RJ

    Kyrgios é de longe a melhor chance de criar uma nova rivalidade e trazer emocao as finais dos grandes torneios no curto prazo. Nadal e Federer ja nao podem equilibrar contra o Servio, apesar de todas as glorias e feitos. Os outos jogadoes da nova geracao ainda sao promessas.
    Kyrgios tem um comportamento insuportavel mas seu jogo é exuberante então seria ideal se ele conseguir espantar seus fantasmas. Queremos ver tenis de alto nivel sem o constrangimento dos chiliques e sujeiras em quadra. Seria ótimo se o australiano tivesse um mentor como o Agassi, que foi bad-boy no inicio da carreira ate que se encontrou e deslanchou.
    O esporte iria agradecer.

  24. Marcelo-Miacity

    Fala, Bruno Louzada
    Tamanha foi a demanda que travou o site. kkk
    Tem um pessoal que está tão mau humorado. Sorrir é fundamental!
    Djokorega neles!

  25. Implicante

    O desempenho do Goffin não me é nenhuma surpresa. Ano passado, em um chaveamento que Djokovic pegaria Cilic e o Federer, o Goffin, eu já havia alertado que o Belga representava maior perigo pois estava em franca ascensão. Já o croata está num estado de estagnação para queda.
    Apesar de alguns tentarem zombar da minha visão, o meu conhecimento e visão de tenis se sobressaiu mais uma vez. 🙂

  26. André Barcellos

    Dalcin, você acha realmente que o backhand de duas mãos de Djokovic é ainda melhor que o de Nalbandian, de Safin e de Agassi?

  27. Jeosan

    Dalcim, me tira uma dúvida:

    Em fevereiro de 2007, Roger Federer liderava o ranking com 8120 pontos, Rafael Nadal era o segundo colocado com 4775 e o terceiro era Andy Roddick com 2830. Atualmente o cenário é o seguinte: Novak Djokovic lidera o ranking com incríveis 16.540 pontos, Andy Murray é o segundo com 8.370 e Federer é o terceiro com 7695. A minha dúvida é a seguinte: nos últimos anos houve alguma alteração na pontuação atribuída aos tenistas pela participação nos torneios, pois, pelos números acima, a pontuação de Federer, quando era o número um, é menor que a pontuação atual de Murray, atualmente número dois. A pontuação de Djkovic hoje é maior que a soma de Federer, Nadal e Roddick (números 1, 2 e 3 naquela época).
    Desde já agradeço.

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, a tabela de pontos mudou diversas vezes ao longo da história. A mais recente versão dobrou os pontos dados nos Grand Slam.

  28. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    preciso aumentar o grau dos meus óculos !!! O cara que tá jogando dupla no México é o Marray e não o Murray !!!

    abs

  29. Edilton Silva Junior

    Sou leigo em matéria de de Tênis, mas a meu ver o Kirgios tem um talento natural. Pode muito bem vir a ser numero 1 do mundo como pode não vingar. Você, com seus olhos treinados, pode citar nomes com talento natural para o esporte que surgiram como promessa e depois não figuraram entre os melhores com certa longevidade, como por exemplo Tomas Berdich, que figura entre os 10 primeiros já a vários anos?

    1. José Nilton Dalcim

      Nossa, a lista não caberia aqui, Edilton. Há dezenas de grandes nomes que não vingaram, seja como número 1, como top 10 ou com título de Grand Slam. Talento apenas não basta. O tênis exige mais do que isso. Físico e principalmente mental são essenciais.

    2. Rubens

      posso citar pra vc um bem parecido com esse kirgyos ai: o Gulbis, só que esse era bem melhor e tinha menos problemas psicológicos.

  30. Fonseca

    Dalcim, essa queda de resultados mais expressivos dos Bryans tem alguma razão? idade, problemas, só momento mesmo?

  31. Felipe

    Bom dia Dalcim!!

    Por sorte estou em Miami essa semana e pude assistir alguns jogos (site stubhub pra ingressos é bom demais!!!)
    Uma coisa me chamou demais a atenção: cartazes promocionais do evento nas ruas da cidade e vários deles com fotos da Sharapova!!! Situação estranha, não? Constrangedor?

    Ps: assisti ao jogo do Kyrgios ontem… Ele tava “lendo” muito bem o saque do raonic… Impressionante !!!

    Abs!!!

  32. Daniel

    O Kyrgios tem salvado o torneio até agora. Sobretudo depois da saída de Federer e Wawrinka. É o único dos que restaram que joga de forma realmente agressiva, sabe improvisar e mostra algo de diferente do tênis chato e padronizado de solidez e trocas de bola do fundo do quadra, com raros slice e aproximação pra rede somente para matar o ponto.

    Realmente, o tênis nunca esteve tão chato como agora. O no1 não mostra nada de diferente a não ser uma tremenda regularidade em todos os fundamentos e consequentemente domina com facilidade um circuito que nos últimos anos desaprendeu a jogar com variação e agressividade (e os que jogam com agressividade, não conseguem o fazer sem cometer milhões de erros não forçados).

    Ver o Kyrgios melhorar nesse cenário é realmente um alento e resta a torcida para que ele, Zverev e outros estourem no curto prazo, pois tá faltando muita qualidade e talento nesse circuito. Uma pena, e o jeito é aguentar e torcer por dias melhores.

  33. Marcos Ribeiro

    Vi apenas alguns momentos do jogo, mas, neles, o Raonic errou com muita freqüência, entregou diversos pontos, facilitou bastante para o adversário, que aí ficou mais calminho. Aguardemos os próximos jogos para avaliá-lo melhor…

  34. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    Algum problema com o Bruno ? vi que o Murray tá jogando com outro parceiro no México, será que é só para garantir mais pontos para manter o nr 1 ? aliás, essa disputa pelo nr 1 das duplas vai ficar interessante, pois com a expressiva queda dos Bryans (não que eles não possam ressurgir a qq momento) temos vários tenistas com condições de ser o nr 1, inclusive os brasileiros (apesar da tb expressiva queda nos resultados do Mello/Dodig) !!!

    Realmente o Monfils deu um exemplo para todos, depois de perder chances reais de vencer, saiu bem humorado e parou para distribuir autógrafos para criançada !!! torci por ele, pois acho o estilo dele um dos mais legais dos circuitos !!

    Vi o Kyrgios confirmar a boa fase (possui muito mais recursos que o Raonic), ele o Thiem são os que tem, entre os novatos, melhores condições de se colocarem entre os melhores.

    Gostei também do jogo Azarenka x Kerber, vários lances espetaculares !! Mas acredito que o saque da Kerber fez a diferença contra ela.

    E teremos a volta do Monteiro ao circuito !!! Boa sorte para ele.
    abs

    PS: e que surpresa o desempenho dos 3 brasileiros no México (Feijão, Ghem e Zampieri) !!

  35. Luiz Fernando

    Muitos, me incluindo no meio destes, tiveram a impressão de evolução clara do nivel de jg do Raonic em IW. Desde a final de IW essa impressão se esvaiu, ontem observei q o BH do rapaz está um verdadeiro desastre, é um golpe q não incomoda ninguém, muitas vezes segurou claramente o FH, enfim, é outro q quando parece q vai despontar, regride. Djoko agradece…

  36. ULISSES GUTIERREZ

    Dalcim,

    muito boa a partida do Raonic com o Nick Kyrgios. Acredito que o australiano seja o natural sucessor do Djoko. No entanto, vejo que isso deva demorar mais umas duas ou até três temporadas.
    Agora tenho sérias dúvidas quando Federer e Nadal pararem de vez, se o tênis terá o prestígio que alcançou hoje, como nunca antes, com esses dois jogadores.
    Sem querer entrar no mérito da distribuição de premiação, creio que não só as mulheres, mas todo o circuito masculino deveria agradecer, e muito, por ter existido Roger Federer e Rafael Nadal.
    O que acha mestre?

    1. José Nilton Dalcim

      Concordo plenamente. Os dois foram essenciais para o tênis, que reviveu os grandes duelos e polarizou fãs.

  37. Rubens

    realmente uma pena para o tênis e os seres humanos normais que vivem em sociedade esse demente ter ganhado do Raonic…esse deseqquilibrado mental não deveria nem estar jogando, pra mim deveria estar com suspensão de 1 ano depois do que fez ao wirinka, e depois daquela atitude de bater a bolinha contra os espectadores que pagarão para assistir e que é a razão de tudo no tênis…sem eles não haveria torneio, foi mais uma razão para suspende-lo sumariamente…esse tipo de gente só aprende assim, e na maioria das vezes nem assim.
    Torci muito para o raonic e torcerei muito para o nishikory ou qualquer jogador que enfrente esse desqualificado.

  38. Guilherme

    Kyrgios a caminho do top ten, só quem implica com ele não enxerga seu potencial. Tem um saque devastador e muita versatilidade. Quando a cabeça se acalmar e ele parar de interpretar este personagem bad boy / desleixado / inconsequente nas 24 horas do dia, vai chegar lá. Joga demais.

  39. thiago

    Minha torcida é pelo Kyrgios, acho que ele vai chegar a final contra Djokovic, esse garoto tem muito talento precisa ser um pouco mais concentrado e equilibrado quando isso acontecer ele vai brigar por grandes títulos, acho que estamos diante de um futuro postulante ao topo do ranking.

  40. PI

    Federer faz aquilo que eh dificil parecer facil. Djoko faz aquilo que eh facil parecer dificil. Dois dos maiores tenistas de todos os tempos – federer ainda no topo, por enquanto.

    1. Luiz Fernando

      Entendi perfeitamente o q vc quis dizer em relação a Federer, mas não em relação ao Djoko, vc poderia explicar melhor? Da forma q vc postou da a entender q o sérvio complica o facil, algo q não corresponde a realidade.

      1. PI

        Tem razao, luiz, ficou mal explicado. Eu quis dizer que o federer faz coisas dificeis para os outros serem faceis para ele. O djoko faz que coisas normalmente faceis para os outros fiquem dificeis, contra ele. Todo mundo erra mto mais saque, tem mto mais erro nao forçado… merito dele, claro. Sou mto fã do servio, mais do qie do federer

      1. PI

        Atualmente o djoko é melhor, sem dúvidas. Mas o federer teve uma carreira mais vencedora, até agora. Torço para o djoko quebrar os recordes, mas eh mto dificil.

      1. PI

        Perdao, eu expliquei mal mesmo. Quis dizer que o federer executa c facilidade ate aquilo que eh mto dificil para os outros. O djoko, em contrapartida, joga de tal maneira que torna muito dificil para os outros executar aquilo que normalmente fazem com facilidade.

  41. evaldo moreira

    Bom dia, Dalcim

    Realmente esse rapaz melhorou muito mesmo, e ótima visão sua, de quem conhece o tênis, mas sinto Dalcim, que dá mais para esse australiano tirar mais dele dele, vi ontem o seu jogo, ele é muito inteligente, tem técnica, e um saque peasado mesmo, o Dacio Campos elogiou muito ele, e creio que futuramente ele e o Zverev, vao duelar muito ainda, embora tenhamos o Thiem, acho que esses 03 garotos vão se rivalizar nos próxios anos, vamos aguardar.
    Entre ele e o japa, que tá jogando muito, não sei viu, vai ser parelho, com ligeira vantagem para o australiano, o outro jogo, tadinho do Goffin, não vai nem cheirar a partida, o Djoko passa mole mole.

  42. Lázaro Zardini

    Bem, as questões que eu gostaria de levantar são:

    1) Será que a longevidade do Federer é uma tendência ou exceção?
    2) Caso seja uma tendência, um menino precisa ser um fenômeno pra conseguir resultados expressivos (Slans e Masters) antes dos vinte. Certo?
    3) Com cachorros grandes jogando em alto nível mesmo depois dos trinta, segue-se a previsão de que o natural é ganhar o primeiro Master na faixa de idade do Raonic. Certo?
    4) Sendo assim, os recordes estabelecidos por Federer, Nadal e Djokovic ficarão cada vez mais difíceis de serem batidos?

    Perguntas Extras:

    1) Caso a primeira pergunta seja respondida negativamente, tudo se desmorona?
    2) Na verdade ainda não surgiu um novo Sampras, Federer, Nadal ou Djokovic, porque quando surgir vai conseguir resultados com 20 ou 21 anos?
    3) A próxima geração terá um #1 nível Roddick?
    4) Seria melhor Murray ter nascido em 2000, daí ele teria 20 Masters 1000 e 10 Slans?
    5) Eu estou me empolgando e falando besteira?

    1. Marco A.

      Acho que a longevidade é uma tendência sim, não só do tênis como do esporte em geral. Podemos ver exemplos do Wawrinka chegando ao auge da carreira com seus 30 anos, idade em que a maioria dos grandes nomes do passado já estariam se aposentando, vemos um Ferrer conseguir se manter no TOP 5 por mt tempo mesmo ultrapassando a casa dos 30 com folga e por ai vai.

      Claro que depende de cada jogador, seu histórico de lesões e tudo mais.

      1. José Eduardo Pessanha

        Wawrinka e Ferrer não sofrem pressão (comparado com o Big 4), não disputam muitos amistosos no final do ano, não têm compromissos com patrocinadores. Por isso esses caras não devem ser utilizados pra comparação sobre longevidade, pois são submetidos a muito menos esforço. Federer é a exceção da exceção da exceção. Manter o alto nível há mais de 15 anos é um assombro. E se ele quiser, tem mais 4 ou 5 anos no top 10 tranquilamente. Abs.

        1. Marco A.

          Em contra partida o Djoko seleciona muito bem o seu calendário, joga apenas os torneios importantes, não fica fazendo giros amistosos como o Nadal e etc.

          Vejo isso como uma tendência sim, não só no tênis como nos esportes em geral.

  43. Luiz Fernando

    Djoko enfrenta o espetacular Goffin,, quem será q vence? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Djoko em mais uma final e franco favorito contra qualquer adversário. O jogo noturno será mais interessante, em especial se o desequilibrado vencer, pois ele me parece ter mais armas p incomodar o sérvio do que o japa, q é excelente jogador, mas infelizmente também é um perdedor nato. Palpite: Djoko se tornará, domingo, o maior vencedor de M1000.

    1. Realista

      Djoko 6 anos mais novo que federer,e ja tem mais masters 1000 kkkkkkkk em breve mais slans kkkk ta rapido o homem kkkkkk

      1. Sergio Ribeiro

        KkkkkkkAgassi teve bem mais Masters 1000 que Sampras, e este mais SLAM e mais jogadorkkkkkkkkTa’ lerdo o homemkkkkkkAbs!

        1. Realista

          E o que tem a ver uma coisa com a outra, nao falei nada a respeito disso,eu so disse que o novak e mais novo e tem mais masters..um fato,nada a ver com sampras ser maior que agassi..e a carreira de djokovic nem acabou ainda,eu so disse que ele vai ganhar mais slans,isso vai mesmo… ainda mais se ele der sorte de pegar um baghdatis na final kkkkk quem sabe…

    2. Rodrigo S. Cruz

      Verdade.

      Do Djokovic é QUASE IMPOSSÍVEL do belga ganhar mesmo. Concordo.

      Porém, quero ver os nolistas dizendo a plenos pulmões que Goffin é inferior ao Simon.

      Ora, se ele acabou de derrotar o Simon e está na semifinal.

      Tecnicamente são caras do mesmo nível. Só que a fase do Goffin é superior…

      1. Realista

        São jogos diferentes,simon sabe jogar contra djokovic,a estratégia dele funcionou muito bem,eu acho o goffin melhor que o simon,mas são taticas diferentes..imagino que simon daria mais trabalho ao djokovic hoje,ja que estava muito quente e o sérvio nao jogou bem.

      2. Márcio

        Goffin e Simon são horríveis.
        No jogo entre eles tem que esperar ver quem vai perder, qual jogará pior.
        É impressionante, triste, e sofrível.

  44. Ronildo

    Destes quatro semi-finalistas, o mais velho não chegará à final. E se chegar vai perder. O tênis é um esporte que exige muito do físico e privilegia o vigor dos mais jovens. O cara só consegue escapar desta sina se for um SUPER CRAQUE.

    1. Chetnik

      Se o Ronildo falou que o Djoko não passa nem da semi – e se for para final perde com certeza -, já pode dar o troféu para o Sérvio, kkkkk. Maior campeão de MS.

  45. Rafael Wuthrich

    Dalcim, a evolução de Kyrgios me parece clara. Inclusive no controle mental durante os jogos, mesmo com acessos de raiva e reclamações. Dedo de Hewitt?

    1. José Nilton Dalcim

      Pode ser. Talvez também seja a idade. Alguém precisa chegar nesse rapaz e dizer: você quer ser número 1 e ganhar um Grand Slam? Então amadureça!

      1. Renato Vieira

        Concordo Dalcim. Mas talvez já tenham perguntado a ele isso e ele tenha respondido que não se importa.

        Gosto do jogo do Kyrgios. Potencial não lhe falta. Além de que, como você disse, ele personifica o que acreditamos que será o tennis nos próximos 15 anos talvez. Golpes pesados de base. 1º saque mais do que necessário pra ganhar o ponto. Movimentação extrema e versatilidade. Embora eu ainda ache que ele não tem um jogo de rede que um jogador top deve ter. Mas pensando assim, David Ferrer e Del Potro também não tem.

        Depois da decepção que foi a geração Dimitrov/Gulbis/Janowicz eu prefiro ficar com o pé atrás com qualquer um.

      2. Rafael

        Isso se ele responder que quer, né?
        _______________________________
        Só acredito que daria para ter uma real noção sobre como está Kyrgios se ele enfrentar Djoko, e dependendo de seu desempenho.
        _____________________________
        E acredito que possa vencer, desde que o jogo seja rápido. Porque Djoko adquiriu uma facilidade tal para ler o jogo do adversário e se adaptar a ele que, a partir de um determinado momento, por mais que os caras tentem, nada mais funciona, aí bate o desespero, começam a tentar jogar a bola cada vez mais perto da linha, aí aumentam os erros.
        _______________________________

        Para vencer Djoko, Kyrgios precisa (primeiro, passar por Nishikori, claro) fazer o que Federer tenta fazer em Cinci, e costuma conseguir: ser tão rápido e variar tanto a ponto de não dar tempo de Djoko perceber o que está acontecendo.
        _______________________________
        Não vou torcer para isso, mas seria ótimo para esse moço vencer Djoko, por razões de motivação pessoal, como saber que está destinado a ser grande, se quiser, e também seria ótimo para esse circuito modorrento e (atualmente) perdedor.

        Para os fãs(náticos) do craque, então, nem se fala: seria a próxima grande esperança para tentar mudar o foco deles.
        ______________________________
        Para as fantasias que adoramos criar no tênis seria bem legal ver o tubarão contra alguém que tem um olhar que faz parecer que não tem medo (ou noção) de nada.

    2. Luiz Fernando

      Rafael permita-me discordar, vc viu o lance em q esse imbecil jogou a bola em direção ao torcedor?

      1. Rafael

        Luiz

        Vi, estava assistindo o jogo. Sinceramente não achei que ele MIROU em alguém (nem olhou), tanto que a bola passou longe da moça, mas assumiu o risco quando atirou a bola pra fora de raiva.

        Desde o episódio cafajeste com o Wawrinka, achei que ele devia ter levado um sacode do mesmo, uma suspensão da ATP de uns 4 meses para pensar no que fez e uma pesada multa. Acho que Kyrgios não faz gênero, ele é arrogante, bully e sem noção mesmo. Antissocial. Fruto de caráter, criação, vai saber?

        A ATP, por outro lado, é tão omissa e covarde que só faz jogo de cena e, órfã de ídolos como está, não pode se dar ao luxo de admoestar Kyrgios como deveria.

        Isso posto e admitido, o moço é bom. Chega a ser até “injusto” um cara tão desinteressado e mané ser tão bom, quando tem tantos que ralam para ter o que ele já nasceu tendo. Mas ele é bom.

        E, sabendo das atitudes (ou falta de) da ATP, ele é candidato natural ao protagonismo do circuito.

        É o que penso, pelo menos. E, afinal de contas, vamos torcer para ele se enquadrar (mas não muito) e se interessar. Acho que o tênis ganharia com isso. Aliás, tenho certeza.

        1. Osvaldo Martins

          Cara, eu destesto o jeito do australiano. O tanto que ele fala entre os pontos e sempre deforma tão barulhenta e com caras e bocas (nada a ver com o que estamos acostumados a ver no Tênis). Tenho raiva ateh do jeito que ele anda, pra vc ver quanto eu tô de marcação com ele. Mas, adoro ver o jogo dele rolando. Joga demais! E, pra mim, ele é uma das 3 forças que podem acabar com o atual domínio do Djoko (que eh pra quem torço jah faz alguns anos): Kyrgios, Thiem e contusões – não necessariamente nessa ordem.

          Mas, to respondendo pra dizer que Nole tbm era mto mais mala no começo de carreira. Sempre um mimimi desgramado e respostas arrogantes (ainda que fossem bem realistas e até algumas vezes claras pra quem é fã do esporte). Quem, dos que acompanham o circuito há um pouco mais de tempo, não se lembra dos comentários do então #63 do mundo, logo depois de perder pela primeira vez pro Nadal (quartas de Rolanga 2006, quando, perdendo de 64 64, sentiu contusão nas costas e abandonou)? “I’m really unhappy that I finished this way. I realized today that I don’t need to play anything special (to beat him). I don’t need to play anything special. Everybody thinks, you know, Nadal. For sure he’s the best on this surface, but he’s not unbeatable. That’s for sure. I realized that because I played today and I felt pretty good on the court. I broke him back like two times in the second set. I didn’t — I couldn’t serve hundred percent. So I think if I will serve, you know, my serve is pretty good, I will use this serve and use the opportunities and I think I will win the second set, you know. And I think I could win today, you know. I have to say that even though that he’s the best and everybody thinks that he’s unbeatable, I say he’s not unbeatable. He’s beatable, you know. And especially in this match when he didn’t know how to play against me, because he never played against me, so it was difficult position for him as well, you know. He was not feeling too comfortable in control of the match, that’s for sure.” (desculpe-me pelo texto em inglês, mas não queria nem resumir nem perder nada na tradução, preferi a transcrição da entrevista no original).

          Nole soh foi se tornar mais, digamos, social e politicamente correto alguns anos depois. Aí sentiu o peso e viu que precisava mudar para poder ser o que seus ídolos foram. Se foi fruto do amadurecimento com o tempo ou com as conquistas grandes que passou a ter, realmente não sei dizer. Mas veio.

          Claro que os perfis de ambos parecem se diferenciar já num ponto base, que é a paixão pelo esporte, pela competição. Mas, quem sabe (e esperamos que sim), o tempo ou a glória dos títulos traga ao australiano um amadurecimento parecido.

  46. Marcus

    Será que o jovem australiano Nick Kyrgios sabe da sua tamanha responsabilidade com o futuro da modalidade esportiva em questão? Não, ele não sabe. Mas o rapaz representa quase a salvação tanto técnica quanto competitiva frente ao sérvio Djokovic. Além da cabeça avoada de um jovem de 20 anos com as tendências adolescentes de quem nao tem exatamente um assessoramento de imagem como teve Rafa Nadal, o australiano tem um problema: talento demais. Saca muito, tem um forehand venenosíssimo, improvisa e o pior: tem o instinto assassino dos grandes campeões. Aquele instinto que faltou a Zverev recentemente contra Nadal e aquele mesmo que tanto falta aos também talentosos Monfils e Dimitrov.

    O rapaz ganha o jogo quando tem que ganhar, salva brakes com a agressividade certa, saca bem quando precisa e não se afrouxa quando tem um grande nome na sua frente. Ja ganhou de Federer, Nadal, Stan e Murray. Falta Djokovic. Vai acontecer em algum momento, e pode ser ja no domingo. Estamos assistindo o nascimento de mais um grande campeão.

    Dalcim, tô contigo: até 2018 será o número 1 do mundo.

Comentários fechados.