Esforço nacionalista
Por José Nilton Dalcim
6 de março de 2016 às 22:31

As vitórias importantes neste final de semana certamente obrigarão Novak Djokovic e Andy Murray a disputar as quartas de final da Copa Davis em julho, logo depois de Wimbledon, sobrecarregando ainda mais o calendário de ambos no começo do segundo semestre. Mas não tem jeito. Sâo peças fundamentais de seus países e tudo indica que o confronto direto entre eles deverá decidir o vencedor.

Murray se vestiu mesmo com o espírito de Davis. Fez uma batalha incrível contra Kei Nishikori, com empenho máximo de ambos, e assim chegou à 10ª vitória seguida no Grupo Mundial, um feito e tanto. Para mostrar o quanto o time depende dele, foi o quarto confronto seguido em que ele precisou entrar em quadra todos os dias e vencer tudo.

Nole também foi para o sacrifício e jogou 13 sets no fim de semana em Belgrado. Virou o jogo fundamental contra Mikhail Kukushkin na base da raça. Djokovic teve altos e baixos no saque nos primeiros dois sets, com duplas faltas complicadas, mas depois encontrou o ritmo do saque e passou a jogar cada vez melhor. Viktor Troicki manteve o favoritismo e relembrou os tempos de heroísmo de 2010.

Itália receberá a Argentina em outro duelo muito interessante. Mesmo sem Fabio Fognini, o saibro serviu perfeitamente contra o frágil time reserva suíço. É bem provável que repitam o piso em julho, já que existe o risco de os argentinos se reforçarem com Juan Martin del Potro, que prefere muito mais a quadra dura.

Na parte inferior da chave, República Tcheca levou um susto ao ver Tomas Berdych abandonar por lesão na coxa direita – vira dúvida para Indian Wells – e precisou contar com Lukas Rosol para ganhar o quinto ponto, arrasando o garoto Alexander Zverev. Agora, irão receber a sempre forte e versátil França, que passeou diante do desfalcado Canadá. Não vejo favoritos.

Por fim, os Estados Unidos superaram a Austrália em plena quadra de grama com grande destaque para John Isner e terão o direito de receber a Croácia de Marin Cilic e Borna Coric. Talvez seja o duelo menos interessante porém um dos mais imprevisíveis, já que todos os envolvidos vêm mostrando incríveis altos e baixos nos últimos meses.

O Brasil por sua vez apenas viu confirmar o amplo favoritismo do Equador sobre Barbados e assim se prepara para receber o time dos fracos Emilio Gomez e Ivan Endara. Houve notícia de que os jogos poderiam ser em Ilhabela, no litoral paulista, mas o Rio é candidato mais forte. O vencedor vai para a repescagem de setembro. Somos hiperfavorito. Já o Chile receberá a Colômbia na condição de ‘zebra’.

Outros confrontos dignos de nota foram o da vitória da Áustria sobre Portugal fora de casa e na quadra dura, com três pontos de Dominic Thiem, os fáceis 5 a 0 da Rússia sobre a Suécia (com tenistas totalmente desconhecidos). Jarkko Nieminem voltou da aposentadoria para ajudar a Finlândia a vencer o Zimbábue. No zonal 2 americano, Pablo Cuevas não foi e o Uruguai perdeu do Peru e está ameaçado de cair para a quarta divisão.


Comentários
  1. Oswaldo E Aranha

    Dalcin, qual notícia do tenista de Servia, que atuava de óculos escuros, que esteve entre os 8 melhores, e que sumiu do mapa? Lamento a situação do Verdão e espero que com o novo treinador as coisas melhorem. Abraços.

    1. José Nilton Dalcim

      Janko Tipsarevic. Tem tido sucessivos problemas físicos, incluindo cirurgia no pé, e voltou em 2015 mas parou de novo após o US Open.

  2. Oswaldo E Aranha

    É claro que houve descuido e quem o praticou deve pagar por ele, como já aconteceu com alguns, mas não se justifica que queiram, principalmente o Nadal, crucificar a Sharapova por essa falha. “Atirem a primeira pedra!”

  3. Thomaz

    Levando em consideração a vitória Brasileira diante do Equador, é possível traçar um plano sobre os possíveis rivais em Setembro objetivando a volta a elite da Copa Davis. Observando o Ranking, teríamos 10 possíveis cenários (5 em casa e 5 fora, observando que irá para o sorteio o confronto com Cazaquistão ou Japão). Vejo chances reais de vitória em 2 confrontos: Suíça (Sem Federer e muito provavelmente sem Wawrinka) e se pegarmos o Cazaquistão aqui; 3 confrontos teríamos boas possibilidades de vitória contra o Japão aqui, Bélgica e Alemanha; Cazaquistão e Japão fora seríamos zebras, mas, poderíamos surpreender; não teríamos a mínima chance contra: Espanha, Austrália e Canadá todos fora de casa. Outro ponto importante é a escolha do local (se a disputa for no Brasil), lembrando em consideração que Bellucci odeia jogar em locais com calor, umidade e no horário diurno teríamos que escolher cidades a dedo, se escolhermos locais quentes e úmidos os jogos dele teriam que ser a noite. Sugiro São Paulo se fosse contra a Bélgica; São José do Rio Preto contra a Alemanha; Rio de Janeiro contra o Cazaquistão; Brasília contra o Japão e Costa do Sauípe contra a Suíça. Isso levando já em consideração os jogadores adversários e escolhendo o saibro em todos esses confrontos.

  4. Luiz Fernando

    Inacreditável essa história da Sharapova, ainda mais com essa substancia q eu nunca tinha ouvido falar https://en.wikipedia.org/wiki/Meldonium. Também está exposto q só recentemente, parece q em Setembro passado, esse medicamento entrou p a lista de banidos do esporte, o q talvez signifique algum tipo de desinformação dos responsáveis pela moça. De qualquer forma é um tapa na cara dos imbecis de plantão q vivem postando q o antidoping só visa os peixes pequenos, cai por terra mais um argumento insano e estúpido q os alienados usam p justificar as derrotas dos seus queridinhos…

  5. Luis Henrique

    Assino embaixo o que o Brack falou!

    Deve ser muito difícil pra Novak jogar duplas sendo que ele tem limitações no jogo de rede.

  6. Ciles Carneiro

    Dalcim o que vc acha do João convocar o Monteiro e o Orlandinho para os dois enfim estrear e ganhar experiencia contra a fraca equipe do Equador ? e deixava o Bellucci descansando igual em 2014 contra o próprio Equador …

  7. Santos

    Poxa vida! Coisa triste o Doping da Maria. Quanto a Davis, a Sérvia precisa de uma dupla mais confiável para brigar por títulos, o Troick é bom jogador, mas sem dupla fica quase impossivel vencer.

  8. Fernando Brack

    Vixe Maria! Ou melhor, agora ela perdeu a ‘vixindade’. Que vergonha.
    E que desculpa mais esfarrapada dizer que não leu o comunicado da WADA sobre as
    novidades para 2016. Vai me dizer que não tem alguém em seu staff para fazer isso?

  9. Anti anti-jogo

    Por onde andará o frequentador do blog que dizia é que é possível fazer milagres com um maracujázinho mais uma vitamina de banada caprichada? uahauhauhauhauhauha!!

    Esse remédio não faz sentido algum, é pra infarto/isquemia. Simplesmente tinha um efeito colateral benéfico no metabolismo, e como era fora da lista, o médico mandou ver.

  10. Luis

    Dalcim sobre a Davis e os grandes torneios de simples que jogam principalmente Federer,Djokovic,Murray se forem longe na Davis se pode atrapalhar fisicamente nos grands slams e Masters? Djokovic costumava chegar no final ano desgastado,Nadal tambem,Federer era meio inverso ja que seus grands slams em que se da melhor e’ Wimbledon e US open

  11. Fonseca

    Maiores ganhadores de Challenger e Futures:

    CHALLENGER;
    Simples: Yen-Hsun Lu: 22
    Duplas: Sanchai Ratiwatana e Sonchat Ratiwatana: 38

    FUTURES:
    Simples: Victor Crivoi: 25
    Duplas: Gabriel Trujillo-Soler e Claudio Grassi: 48

  12. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    os perdedores de ontem do grupo principal são os que podem ser nossos futuros adversários ??

    se for isso, pro Brasil a rodada foi muito boa:

    muito melhor pegar Japão do que a Inglaterra, Bélgica (time de 1 jogador só) do que Croácia, Cazaquistão do que Sérvia, Austrália do que EUA, Alemanha do que Tchecos, Canadá (tb de 1 jogador só) do que França. Polônia do que Argentina Pena que a Suiça não levou o time principal.

    Lógico que o Brasil não é favorito contra ninguém, pois não temos nenhum jogador jogando bem atualmente, muito pelo contrário Bellucci e Feijão nas suas piores fases na carreira !!

    abs

    1. Mauro Amoedo

      Contra os EUA jogaríamos em casa… Contra aAustralia, jogaríamos fora… Infelizmente Kirgios se lesionou, e a Austrália foi derrotada…

      Que não cruze o nosso caminho em setembro….

  13. Realista

    Pois é..Djokovic jogando mal ainda é superior a TODOS do circuito,muito dificil vencer o cara em 5 sets sem praticar um tenis agressivo e consistente.

  14. Pieter

    Fugindo do assunto da Copa Davis, sorte mesmo tem a Ucrânia que possui uma tenista de apenas 15 anos que, vinda do qualificatório e mesmo com problemas físicos sérios, tendo ido até ao hospital para se tratar, conseguiu , de forma brilhante, ser campeã do fortíssimo Challenger de Campinas, derrotando tenistas muito mais experientes e bem ranqueadas que ela. Já o combalido tênis feminino do Brasil…:(:(

  15. Luiz Fernando

    Jogo excepcional entre Murray e Kei, decidido nos detalhes, em especial no detalhe da menor consistência física do japa. Vendo a partida não dá p entender como Rafa venceu o escocês no Finals. Como o Chetnik postou, se jogarem no intervalo entre W e as Olimpíadas das será uma absoluta falta de bom senso, pois sem dúvida a Davis é uma competição secundária quando comparada aos eventos principais pós W.

  16. Maurício

    Será loucura se o Djokovic for jogar as quartas da Davis. Jogou este fim de semana porque era em Belgrado e porque pensou que derrotar alguém rankeado em 70 e 200 fosse moleza. Se soubesse que precisaria de 5 horas para um jogo, teria preferido ficar fora. E um jogo com Murray, que certamente deve jogar, seria muito mais difícil e exigiria muito mais do que ele quer se doar para a Davis, ainda mais em ano olímpico.
    Creio que os torcedores sérvios sabem que é muito mais importante ele lutar com tudo pelo ouro olímpico do que se desgastar na Davis este ano. E estaremos somente nas quartas, depios ainda teria possivelmente o Del Potro e uma eventual final que nunca é fácil. Se o jogo com o Murray fosse na final, acho que ele toparia, mas recém nas quartas não vale a pena.
    E Djoko pode pular 2 Masters 1000 obrigatórios este ano, então ele deve pular Madrid e possivelmente o Canadá, para não chegar cansado nos Jogos Olímpicos (se chegar à final, vai fazer figuração em Cincinatti na semana seguinte).

  17. Lázaro Zardini

    O Rio, por ser no nível do mar e úmido, não prejudicaria a performasse do Bellucci?
    Caso Thiago Monteiro vá bem no challenger do Chile e nos demais, o João bem que podia dar uma moral pro garoto.

  18. Chetnik

    Não vi quase nada dos jogos. Um pouco do Murray e do Nishikori e menos ainda do Djoko.

    Djoko e Murray deveriam combinar de ambos pularem a próxima etapa rs. O Djoko tá brigando por coisas maiores e o Murray DEVERIA estar brigando por coisas maiores. Não que não seja louvável o esforço dele, mas vejo isso como um certo derrotismo.

    É como se ele dissesse: “não tenho condições de brigar com o Djoko pelo topo do ranking, então vou me contentar em ser o protagonista da Davis”. A forma que a cabeça dele encontrou para aceitar e justificar o fato de ser um eterno coadjuvante. Enfim.

    1. Davi

      Chetnik, você acha mesmo isso ou fala só para enaltecer o Djokovic e ao mesmo tempo rebaixar os adversários? Desculpe a franqueza, mas não é possível que uma pessoa inteligente acredite mesmo nisso… Murray é possivelmente o maior tenista britânico da história, ganhou GS depois de décadas, venceu a Davis sendo herói nacional depois de quase um século, venceu as Olimpíadas em pleno Wimbledon… quando se aposentar vai ser Sir Murray e gozar do maior prestígio que se imagina em seu país. Como pode um cara desse ser “derrotado”, “conformista”, “coadjuvante”, ou algo que o valha?
      Para você ou o cara é o primeiro ou não é nada, é isso mesmo?
      Desculpa se fui rude, mas esse comportamento “futebolistico” entre torcedores de tênis tão infantil, cara… os 4 Big são brilhantes, vencedores, cada um com sua maneira, com seu estilo, com sua época! Vamos curtir o Djoko agora como curtimos o Rafa tantos anos e o Federer outros tantos! Vamos torcer para o Murray continuar sua história de sucesso, e para que Thiem, Kokki, Zverev, e outros moleques cheguem também para desafio-los! Isso de Fla-Flu, Djoko x Federer, é coisa de futebol, não tem absolutamente nada a ver com tênis!
      Um abraço!

      1. Sergio Ribeiro

        Perfeito, parceiro. Esses Caras nao tem noção do que seja uma competição por equipes. Ate’ por tudo que você reportou acima. Mas e’ irritante o comportamento da ITF. Os Norte-Americanos fizeram uma baita pressão nas Olimpiadas de Atlanta ( a nao ser que o Dalcim me corrija), e os Jogos passaram a ser disputados em melhor de 3 Sets ( deu Agassi), o que e’ muito mais racional. A ATP fez o mesmo com os MASTERS 1000 e FINALs( nas Finais). Se tínhamos em quadra 8 dos TOPS 12 ( exceto os 2 Suíços e Espanhóis ) na ativa neste Final de Semana, nada mais justo que a ITF so’ mantivesse os SLAM em melhor de 5 . Preservaria Montros como Novak, Murray ( as expressões de ambos refletem como os Moleques estão errados ) de um desgaste desnesserario que somente os velhinhos da ITF nao vêem.Abs!

        1. José Nilton Dalcim

          Não acho que os americanos tenham feito pressão para diminuir de cinco para três sets. É uma questão de bom senso.

      2. Chetnik

        Cara, se você ler meu post com boa vontade vai ver que eu “elogiei” o Murray. Ele já venceu a Copa Davis dele. TÁ DE BOM TAMANHO. Não precisa de outra.

        Eu acho que um tenista da qualidade do Murray tem que mirar mais alto do que virar herói da Davis. Ele pode MAIS do que isso. Aliás, bem mais. Ano passado foi louvável, mas já deu. Ele tem que se preparar para ganhar as Olimpíadas, ganhar mais GS e chegar no topo do ranking.

        Ficar se matando por Davis não ajuda em nada.

        Eu não sei da onde você tirou que eu tava tentando “exaltar” o Djoko do meu post.

      3. Rafael Wuthrich

        Taí uma boa discussão: Murray é o melhor tenista britânico da história? Pra mim, Perry ainda é mais, porque ganhou a Austrália e Roland Garros.

      4. jeremias

        Murray é um senhor talento. Sempre fui fã dele; e claro que como carreira é uma grande carreira. Mas em termos de conquistas, francamente, não existe Big4. Murray ainda não passou nenhuma semana como número um, e tem ainda um número “pequeno” de Grand Slams; e olha que se olhar para os grandes jogadores da história a palavra “pequeno” que escrevi ali atrás é escrita sem aspas mesmo. Federer, Nadal e Djokovic são outro departamento…

        1. Sergio Ribeiro

          Incrível como so’ vêem o que acontece no momento, parceiro. Novak venceu seu primeiro SLAM em 2008. Ficou pelo N 3 sem vencer outro ate’ 2011. E neste mesmo ano e’ que atingiu o N 1. Mesmo Rafa Nadal tendo apenas 5 SLAM fora do Barro. Quem tirou Novak da briga pelo Ouro em 2012, foi Andy Murray que de quebra bateu Federer na Final. Esta conquista , somado a COPA DAVIS , a quebra de jejuns incríveis em Wimbledon e USOPEN ja’ fazem de Andy o melhor Inglês. Empatado com Pistol Pete em MASTERS 1000 e possuidor de 35 ATPs e’ sim um dos FAB 4. E com a saída do Suíço , e a situação do Espanhol, nao da para afirmar quantos SLAM este Cara ainda vai vencer. Mas da para acreditar que vai perturbar seu Contemporâneo Servio na briga pelo N 1. Ao menos , a meu ver. Abs!

          1. jeremias

            Não dá mesmo par afirmar, mas é muitíssimo pouco provável que ele vença, mesmo daqui para frente, mais slams do que Novak. E outra, você que analise qual momento? Um provável e hipotético futuro? Deixei claro como vejo nele um grande jogador, mas o sujeito está muito longe dos outros três…muito longe mesmo. Lembre-se de que ele tem a mesma idade do atual número um. O que leva alguém a crer que ele vai engatar uma sequência improvável de majors justamente agora? Nada indica isso…

          2. Sergio Ribeiro

            Ninguém falou em ultrapassar Novak em SLAM. Mas nao tenha duvidas que a qualquer momento seu jogo pode encaixar com o do N1. Assim como o do Servio encaixou com o do Espanhol. A conferir. Abs!

      1. Realista

        Eu acho que como o cara ai em cima disse..djokovic e bem superior ao murray(e ao resto)…e o murray é otimo mas podia ser melhor,so que novak é o melhor da historia..fazer o que rsrs

Comentários fechados.