Sob críticas e lamentos, Murray já fala em mudança
Por José Nilton Dalcim
2 de fevereiro de 2016 às 21:28

Demorou muito menos do que eu imaginava. Segundo notícia veiculada nesta terça-feira pelo Daily Mail, o escocês Andy Murray deve anunciar nos próximos dias o britânico Jamie Delgado como seu novo assistente técnico. A ideia é que ele trabalhe junto a Amélie Mauresmo e seja o companheiro de viagens e treinos do número 2 do ranking, principalmente quando a treinadora estiver na França cuidado do filho recém nascido.

A notícia revela que Delgado, hoje com 38 anos e um ex-jogador de Copa Davis, já trabalhou com Andy durante este Australian Open, mas de forma bem discreta. Além de se dar muito bem com Andy – fizeram dupla juntos na Davis -, o ex-número 121 do ranking de simples e 57 de duplas acabou de se aposentar do circuito e está em ótima forma. Até poucos dias, Delgado treinava o luxemburguês Gilles Muller, que anda jogando diretinho.

Isso vem em hora apropriada, porque obviamente a imprensa britânica discutiu muito a nova derrota para Novak Djokovic e principalmente sua apatia e falta de opção tática até a metade do segundo set. Houve é claro quem buscasse amenizar. A BBC, por exemplo, contou que Murray manteve uma mala pronta junto à porta do quarto durante todo o torneio, além de deixar uma reserva de voo marcada diariamente. Isso é claro sem falar no ataque cardíaco sofrido por Nigel Sears. Murray é muito ligado ao sogro, e confirmou que pensou seriamente em voltar para casa naquele dia.

O comentarista Russell Fuller foi firme e comparou: “Deixar Djokovic fazer 6/1 no primeiro set é como dar 10m de vantagem a Usain Bolt nos 100m”. Outro artigo ressaltou a análise do campeão de Melbourne sobre a partida: “Senti que ele estava neutro no fundo de quadra”.

Também curioso o comentário do Evening Standard, dando conta que Jamie Murray pode chegar inesperadamente ao número 1 do mundo antes do irmão mais novo. E dá as contas: ele está 700 pontos atrás de Marcelo Melo e tem pouco a defender entre Indian Wells e Miami. “Jamais pensei que poderia conseguir isso antes de Andy”, revelou o parceiro de Bruno Soares.

Já em casa e ao lado da esposa Kim, que espera o primeiro filho do casal para as próximas duas semanas, Andy pretende fazer uma forte pré-temporada, algo que não teve condições de realizar devido à final da Copa Davis. Se tudo der certinho, seu retorno pode acontecer na rodada inicial da Davis contra o Japão, marcada para Birmingham, na primeira semana de março.

Vencedor – Como era previsível, muita gente cravou a vitória por 3 sets a 0 de Djokovic sobre Murray na final de domingo do Australian. Mas o internauta Ulrich Kuhn foi o único a ter acertado o placar das três parciais, ainda que fora de ordem. Daí ele leva o Desafio do Blog. Ele deve me contatar no email joni1@uol.com.br para detalhes do prêmio, que é uma camiseta da exclusiva coleção TenisBrasil.


Comentários
    1. jeremias

      Meu Deus do céu!!! Isso é do ano de 2012, cara, 2012!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! E mais , é um ranking que inclui homens e mulheres juntos!!! Os caras estão se agarrando a todo tipo de besteirol!!! kkkkkkkkkkkk

      Responder
  1. Rodrigo S. Cruz

    Ganhou no físico, o Troll.

    Porém, méritos deles. O cara tem 35 anos e gás pra jogar uns 10 sets. O Bello, por outro lado, 7 anos mais jovem e esse físico de jogador domingueiro.

    Tem que perder mesmo.

    Responder
  2. Fernando C.

    Revi os HIGHLIGHTS do confronto Federer contra Raonic em Brisbane e Federer contra Djoko no AO/2016. A esquerda do GOAT (sic!) provoca vergonha alheia. Aliás, não só alheia, uma vez que após o “n-ésimo” erro de esquerda na final de Brisbane o GOAT (sic!) largou a raquete no chão e não sabia mais onde enfiar a cara. É uma coisa ridícula como erra a esquerda esse cidadão.O problema não é que se trata do ponto fraco dele, o problema é que ele NÃO TEM esquerda rsrsrsrsrsrs.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Aí, tá vendo justamente o que eu tava te falando, Chetnik?

      É ou não é foda ler algumas coisas aqui, de nolistas “café-com-leite”? Simplesmente risível.

      Como pode um cara que tem 17 Grand Slams, ínumeros Masters, não ter esquerda?

      Se esses caras pensassem só um pouquinho antes de soltar tantos pums, investigariam e constatariam que a esquerda do suíço sempre foi boa, principalmente nas sua época de ouro, em que chegava com menos atraso pra execução do golpe.

      Semana passada mesmo, eu estava revendo a final do US Open entre ele e Agassi no youtube, e impressiona o quanto Federer literalmente desmoralizou o americano, principalmente com esquerdas precisas na parelela…

      Responder
  3. Marcelo Teixeira

    Federer, Nole, Nadal
    Que época de Ouro vivemos no Tênis mundial, lembra a fórmula 1 dos anos 80.
    Federer o talento puro;
    Nole a perfeição nos golpes;
    Nadal garra e coração de “Rock Balboa”;
    E ainda temos Murray, Stan, Nishikori tenistas que em outros tempos poderiam sonhar em ser número 1.

    Responder
  4. Marquinhos

    Engraçado o rapaz falar sobre fakes, até porque o mesmo já afirmou que costuma fazer. Olho vivo, realista………… O que será que o rapaz tem na cabeça?kkkkkk

    Responder
  5. Rubens Leme

    Dalcim, acredito que o grande mérito de Djokovic e Murray, ao trazerem Becker e Lendl como treinadores, foi buscarem nomes que estavam totalmente longe do circuito. Raramente disputavam torneios de veteranos, mas são pessoas de um profundo conhecimento técnico e que passaram por todos os estágios possíveis – negativos e positivos – em suas carreiras e que tinham uma visão diferente dos que estão há décadas lá.

    Lendl e Becker ainda tiveram a sorte de pegar dois tenistas famintos em dar o próximo passo em suas carreiras – tanto quantitativo como qualitativo -, humildes, a ponto de aceitarem todas as sugestões e trabalharem de forma insana.

    Só isso explica porque Andy venceu as Olimpíadas e 2 Slams e Novak ter se constituído nessa máquina de títulos. Acho também que essa fórmula não teria dado certo com Federer e Nadal, dois jogadores muito mais “arrogantes”, digamos e que são mais difíceis de trabalhar, como já disse Paul Annacone, que sofria para fazer mínimas mudanças ou sugestões no jogo do suíço.

    Por serem os maiores vencedores de Slams e dominarem o tênis, juntos, por quase uma década, considero os dois menos flexíveis às sugestões e este pode ser um dos problemas para que voltem ao topo.

    Penso que o escocês deveria fazer o mesmo que fez com Lendl e buscar alguém que tenha uma outra visão do circuito, que ofereça um olhar diferente, não apenas na parte técnica e tática, mas em termos de experiências pessoais.

    Dias atrás estava relembrando de Michael Stich, que Sampras considerava o jogador que teve o melhor segundo saque que já viu, completo tanto na rede como no fundo, inteligente. De repente alguém como ele poderia ajudar mais o britânico do que um jogador recém aposentado.

    Bom carnaval para você.

    Responder
    1. jeremias

      O maior problema para que voltem ao topo, com técnico novo ou não, chama-se Novak Djokovic, o qual, aliás, nesses dez anos citados por você, já dominou mais do que Rafael Nadal. 185 semanas(até agora) vs 141 semanas. Nadal, é público e notório, dominou em Roland Garros eno saibro em geral. Tem menos títulos no AO, em Wimbledon e está empatado com dois no USO, tendo disputado menos finais. Além do mais, Novak já ganhou, nesses mesmos 10 anos, 5 ATP finals, enquanto Nadal não ganhou nenhum. O domínio de Rafa, repetindo, deu-se no saibro.

      Responder
  6. Luis

    Dalcim uma pena a derrota do Zverev no atp montpellier poderia ter chegado na final,mas parece ta nas duplas,Dalcim seria interessante como disse Marquinhos ver Federer,Nadal,Djokovic em otimas fases daria pra ter ideia de quem dominaria o tenis? mas nao e’ possivel rs,Federer no auge pegou um Nadal no auge e os dois bem ainda Djokovic comecou a ter seu grande momento no tenis em 2011,melhorando ate 2015 e 2016 com seus rivais caindo um pouco mais o Nadal

    Responder
  7. Robson

    Nossa,Dubai só no final do mês,ansioso já pra ver Novak atuar.
    E as piadas de federetes não param,a choradeira muito menos,continuam cheias de “se”,ou melhor,são tantos que são é “SEs”,kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Sério mesmo que li de uma ou outra que Federer com essa lesão no joelho deixaria de conquistar o “fácil” Dubai,pq Dubai é em quadra rápida,como se Novak nunca tivesse vencido por lá.
    2009,2010,2011,2013 e 2016,o cara é só PENTA,só isso.
    Mas o problema que federer tá velho,kkkkkkkkkkk,velho desde 2009 ano da 1ª taça de Novak em Dubai,né federetes?
    O pior é que dia 28-02-2016 quando o MAIOR,MELHOR tenista dos últimos 5 anos e único tenista completo de toda história do Tênis levantar sua 5ª taça em Dubai,uma ou outra federete dirá aqui mesmo no blog que Novak só venceu pq federer não participou,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk,,,,são comédias mesmo parte da torcida de federer conhecidas pela alcunha de federetes….

    Responder
  8. Oswaldo E Aranha

    Marquinhos, Estou vendo que está difícil engolir o sucesso do Dkovich, desta forma terás um problema de indigestão, que com o tempo tende a se agravar. Cuidado!

    Responder
  9. Rodrigo S. Cruz

    Chetnik, sobre a tua resposta, não vou me alongar, mas acho que vc desconsiderou de novo o contexto.

    Porque em matéria de idolatria, não vou citar nomes, mas tá feia a coisa aqui. É de saltar aos olhos de tão claro. Os caras estão achando que o Novak Djokovic é a sétima maravilha do mundo. É uma idolatria repugnante também.

    Mas se vc só consegue enxergar este traço em alguns Federistas fanáticos, paciência. Não sou eu quem irá te convencer do contrário. Cada um vê o que quiser ver…

    Fica assim , então. Ninguém se furte de ironizar a quem quiser, até que o Moderador coloque um ponto final.

    Responder
    1. Chetnik

      Tranquilo, Rodrigo. Abraço.

      PS: Me responde uma coisa, você que é um cara equilibrado e racional. Tem federete que fala que o Djoko – e o Nadal – é um jogador que depende 100% do físico, não tem técnica e só faz correr e passar bola. Já o Federer é o supra-sumo da técnica, tem um tênis que não demanda esforço e não depende do físico.

      Mas essas mesmas federetes, PARA JUSTIFICAR as inúmeras derrotas importantes do Federer, falam que ele entrou em “decadência” em 2008. Ou seja, com 26-27 anos kkkk.

      Já o Djoko, tenista sem técnica e 100% dependente do físico tá no auge com 28 anos Kkkkkk. Será que não tem alguma coisa errada nesse raciocínio? O cara que “não depende do físico” entra em decadência com 26-27 anos, e o cara que é “100% físico” tá no seu auge com 28-29 anos? Será que não é porque partir de 2008 o Federer passou a ter competição decente?

      Kkkkkk. Abraço, e não pegue ar.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Bom, eu não sei quem escreveu esta besteirada. Na verdade a gente lê absurdos de ambas as torcidas. Mas marcamos mais aquele comentário que pessoalmente nos incomoda…

        E concordo que Nadal e Djokovic sejam (tenham sido, no caso do primeiro) os maiores adversários dele. E o mesmo vale pra eles dois, que se tornaram tenistas muito melhores enfrentando o Federer. (inclusive o próprio Djoko reafirmou isto antes da semi do Aus-open 2016).

        Com 26, 27, 28 anos , acredito que os reflexos do Federer eram um pouquinho mais rápidos e a resistência também era superior. E você sabe que numa partida de padrão elevado, isso faz toda diferença…

        Em outros tempos, ele perdia o primeiro set de um major, e isto não era tão determinante pro resultado, como é agora.

        Hoje ele tem 34 anos, e o simples fato de conseguir derrotar o Djokovic (um bicho papão que passa implacavelmente, por cima de todos) em alguns confrontos e em quadras específicas, é de se tirar o chapéu.

        Por isso, fico bem incomodado, quando ele perde (o que seria o lógico), e é alvo de todo tipo de galhofas e apelações. Até de farsa é chamado.

        O Novak sempre entrará como favorito, pois hoje está no seu máximo, e o máximo do Federer já ficou pra trás. O suiço joga em alto nível com algumas adaptações que SÓ FORAM POSSÍVEIS, devido ao seu imenso talento. Manter-se número 2, 3 do mundo, não acho que outro conseguiria, nem dentre os que integram o BIG 4.

        Não acredito que Djokovic, por exemplo, irá conseguir jogar em tão alto nível nesta idade…Posso estar errado, mas acho muito difícil. Pois isto iria contrariar muito do que eu já vi sobre Tênis.

        Abs.

        Responder
    2. Chetnik

      Rodrigão, você, como torcedor do Federer, não tem noção das coisas que a gente tem que ler por aqui. Eu já li aqui, e eu JURO que li isso aqui – tenho que enfatizar o juramento, senão fica difícil de alguém acreditar que alguém realmente falou uma coisa dessas -, que o Kirmayr tem mais técnica do que o Djokovic.

      Cara, veja bem, alguém falou que um cara que se aposentou com mais derrotas do que vitórias na carreira tem mais técnica do que um campeão de 11 GS – para não falar das semanas como número 1, 5 Finals, MS, etc. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Cara, você tem noção do que é isso? Esse é provavelmente o comentário mais ridículo da história da internet.

      Me diz como dialogar racionalmente com gente assim? São ou não são zumbis? E comentários nesse nível são recorrentes.

      Não tem condição.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Com todo respeito que o Kymair merece, não tem como comparar.

        Um é vencedor de inúmeros majores e o outro, um bom tenista que representou o Brasil num passado já distante.

        O que vc tem de entender é o seguinte. Temos no circuito hoje, pouquíssimos jogadores que são diferenciados daquele padrão de jogo mais repetitivo do tênis e que fala mais alto agora: que é um jogo de pernas excepcional, infinitas trocas de bola do fundo, etc.

        Sim, eu sei que vc vai falar que o Djokovic incopora cada vez mais outros elementos e eu vou concordar. Principalmente o saque dele está bem melhor. Mas na essência, ele é um jogador que segue aquele padrão citado.

        Eu não vou mentir pra você. Pra mim hoje não existe nada pior do que assistir: Djoko x Murray. Principalmente se se tratar de final, pois aí neste caso, o britânico nem jogar bem consegue.

        Em todo tipo de esporte eu sempre exaltei a diversidade. No caso do tênis: um saque voleio, um slice bem feito, uma facilidade de bater na bola que outro cara não teria, um voleio desconcertante, um belo lobby, etc.

        Hoje em dia, quando penso em tenistas diferenciados, me vem a cabeça nomes como: Dolgopolov, Federer, Fognini (que tem uma facilidade imensa de gerar potência), Lopez (com seus belos voleios), Gulbis, que apesar dos problemas físicos, a qualquer momento pode jogar muito e ganhar de qualquer cara, entre outros.

        Meu temor maior é isto desapareça de uma vez por todas do tênis. Talvez, por isto, eu siga torcendo tanto pelo Federer. Porque eu sei que dentre os que jogam de forma diferenciada, ninguém encarna com mais sucesso ( resultados) isto do que ele.

        Não desejo que o estilo de jogar do Djokovic e Nadal desapareçam também. Entenda isto. Meu medo é que não haja mais confronto de estilos…

        Responder
    1. Robson

      As vezes tenho a impressão que vc é o Sawer,kkkkkkkkk
      Se trata de um “fake” la do blog do P.Cleto,mas como tem muito,muito tempo que não frequento aquelas bandas,eu nem sei o que foi feito do Sawer.Me desculpe se eu estiver enganado.
      Até pq o Sawer era Federer doente e em 2º plano Murray,vivia criticando Novak exatamente como as federetes assim o fazem.
      Abs Djokovista Chetnik…

      Responder
  10. Castro

    Dalcim, estou passando para novante lhe felicitar pelos sempre brilhantes textos.
    Mas, gostaria também de fazer uma pergunta:
    Com todo o respeito que Amelie merece, eu penso que ela não agregou nada ao Murray, você poderia comentar se estou certo ou errado?
    Obrigado

    Responder
  11. Ronildo

    O que este louco do Feliciano Lopes está fazendo no saibro da América do Sul quando tem 2 torneios na Europa que casam bem com o estilo de jogo dele? Não dá para entender. Esse cara tem ido bem nos grandes torneios e tem perdido geralmente para o top 5 e já deve ter acumulado uns dez milhões em premiação.

    Responder
  12. Marquinhos

    Quando Federer tinha 29/30 anos teve que enfrentar um Nadal em grande fase, um Novak em ascensão e um Murray bem melhor que hoje. Antes o escoces mantinha um h2h equilibrado com Roger, mas agora apanha em todos os jogos o que mostra que ele não é melhor jogador hoje que antes, pois não consegue enfrentar Roger mesmo no pior momento do suíco. Federer foi muito prejudicado, pois o começo do declínio foi de encontro com a grande fase dos três jovens.

    Já Novak tem, no momento, uma das maiores facilidades da história do esporte. Nadal longe do auge. Federer veterano e também longe do auge. Murray é uma piada e bem inferior há três ou quatro anos atrás. Wawrinka é um ???? E Nishikori, Raonic e Dimitrov não dá pra confiar.

    Responder
    1. Marquinhos

      Sorte do sérvio, pois caso contrário não teria nem 5 slam.

      E é bom deixar claro que Novak, no auge, teve muito mais confrontos com Federer, em declínio, do que Roger, no auge, contra Djokovic, amadurecendo. Um h2h que é fora da realidade. Nem vou falar da padronização dos pisos.

      Fatos, doa a quem doer!

      Roger segue sendo o mais tecnico e habilidoso de todos até que apareça outro gênio igual ele.

      E digo mais! Se invertêssemos a idade de Roger e Novak duvido que o sérvio tirasse um set sequer do mestre. Diria que daria para contar os games vencidos por Nole. kkkkkkkk

      Infelizmente Federer, Nadal e Novak não tem a mesma idade, pois teríamos uma ideia melhor sobre o que cada um é capaz. Mas acredito que Nadal seria o único a dificultar para o mestre. Novak iria amargar a 3 colocação no ranking e venceria um slam por ano, talvez!

      Responder
      1. Valmir

        Se no auge, o Federer já apanhava feio do Nadal, até nas quadras duras…
        Imaginem se tivesse o Djoko de hoje como adversário também… não chegaria a 9 GS.

        O próprio Andy Roddick já disse que ele foi o pior numero 1 do tênis que já existiu… e ele era o maiora adversário nas quadras duras que o Fedrer teve no auge.

        Ah… Marquinhos.. estou preparando … um especial… comparando os… Baghdatis, Philipoussis, Gonzales, Soderling, Roddick, Llewitt… que você tanto admirou (porque perderam) nas finais de GS…. com times de futebol.
        Vai ser bem inteessante.
        Rsrsrsrsrs

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Nossa Senhora!

          Daonde que o Rodick iria falar uma bobagem dessas sobre o Federer, um cara que humilhou o americano PRATICAMENTE todas as vezes que se enfrentaram?

          Rodick tem é o maior respeito pelo tênis do suíço. Seu maior carrasco.

          E como vc tem esta cara-de-pau de dizer que Federer foi o número 1 mais fraco da história? O cara é o recordista absoluto de semanas na liderança.

          Vc é a própria personificação do tal ZUMBI, que o Chetnik apregoa…

          Responder
        2. Robson

          Tá vendo aí Valmir,a dificuldade que federete tem de interpretar textos,ou mesmo uma única frase,difícil demais viu,aí eu não aguento….
          Valmir,desenhe pra ele,que o americano Andy disse que ele se considera ele próprio o pior número 1 que já existiu no ranking do Tênis.Obviamente jamais falaria isso de Federer.

          Responder
      2. José

        Rapaz, o auge de Rafael Nadal ocorreu entre 2008 e 2012(até RG). Djokovic só até 2012 já tinha 5 slams.
        Depois em 2013, Nadal voltou com tudo e Djokovic tinha 6 Slams. Roger Federer jogou o seu melhor até 2012 também, depois teve um ano atípico em 2013 e voltou bem em 2014.
        Pare de falar bobagem meu, Djokovic é o melhor desde 2011 mesmo com Nadal e Federer em grande forma e ponto final.

        Responder
      3. Fernando Brack

        Marquinhos, a diferença de idade entre Djoko e Nadal é de apenas 1 ano,
        então eles têm praticamente a mesma idade. A questão que muitos citam
        é que Nadal foi muito precoce e estaria, aos 29 anos, com seu físico gasto
        pelo estilo de jogo. Azar dele, sorte do Djoko, que não tem nada com isso.

        Responder
    2. Anderson

      O mais estranho é o Dimitrov ser mencionado nesse comentário, hahahha… Tem uns dez nomes ou mais com chances maiores que ele ultimamente de conseguir alguma coisa num torneio com o Djoko competindo… Mas concordo com tudo o mais…

      Responder
  13. Rubens

    Só pelo que já fez e ganhou, coloco bellucci como o melhor do Brasil depois do guga.
    4 títulos de ATPs, muitas belas vitórias na Davis contra tops.
    Chegou a ser 24 do ranking, Muito respeitado lá fora o Bellucci…já aqui no Brasil de primeiro mundo do Tênis é considerado um medíocre pelos torcedores especializados kkkk.

    Responder
    1. Enoque

      Se a gente considerar o Meligene como brasileiro, acho que teve resultados melhores como derrotar Sampras, Rodick , Moya, Nalbandián etc , medalha de ouro no Pan e semi finalista nas olimpiadas. Semi em Roland Garros.

      Responder
    2. Pieter

      Também sou admirador do Bellucci, Rubens, mas talvez você esteja esquecendo do Thomaz Koch que era mais versátil que o Bellucci e teve melhores resultados nos Grand Slam, chegando a ganhar um deles em duplas, em Roland Garros. De qualquer forma o Bello está sensacional em Quito! Chegar às duas finais, em simples e duplas, é um senhor atestado de competência no tênis masculino atual, em sua fase mais competitiva de todos os tempos, sem a menor dúvida! Ainda que ele perca as duas finais, terá sido uma campanha e tanto, digna de comemoração e que vai lhe render preciosos pontos e alavancar a confiança dele. Merecidamente!

      Responder
    3. Wagner Froes Wanderley

      Ele. Foi. 21 do mundo e os feras do Brasil a maioria deles nunca foi o. Vigésimo do mundo em nada na vida e nunca ganharam mais de 4 milhões de dólare. Sua vida profissional

      Responder
  14. Joaquim Saraiva

    Dalcim, vi você comentando sobre o Tiafoe, que ele era uma aposta do tênis norte americano, não é isso? Pois bem, o garoto tem potencial de fato, mas como quase todo jovem, precisa de ajustes em seu jogo. Apesar da boa movimentacão do fundo de quadra, o americano tem um swing amplo no forehand, algo que lhe confere potência, é verdade, mas pode lhe trazer problemas futuramente, sobretudo em jogos mais rápidos. A mecânica de saque do rapaz também se mostra passível de correção. É que no movimento dele há pouca flexão de pernas, o que o faz pegar a bola abaixo do ponto ideal, subtraindo-lhe um pouco da potência do golpe. A esquerda é regular, porém sem aceleração diferenciada. É de se dizer em conclusão que, quanto mais jovem o atleta, mais fácil se torna trabalhar ajustes nele. E se quiser virar realidade, Tiafoe precisará assimilar as mudanças necessárias. Claro, carecerá muito mais de alguém que lhe dê direções.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na verdade, o Tiafoe trabalhou muito tempo isolado, agora finalmente se juntou ao time da USTA, onde tem gente de gabarito como Lendl e Higueras. Vejo um bom futuro nessa geração toda, Joaquim.

      Responder
  15. Maurício

    Que tragédia essa derrota pra Argentina na Fed Cup hein! A Bia perder para uma menina de 18 anos e número 319 do mundo! E depois da Teliana dar uma bicicleta, ela fica no banco assistindo mais a derrota na partida decisiva de duplas… Céus, por mais que o combinado era a dupla Bia/Paula, a Bia tinha tido uma derrota inesperada e a Teliana passeou em quadra…
    Dalcim, se você fosse o técnico, qual a dupla que você escalaria para o jogo de hoje?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bia e Paula, acho que a convocação foi corretíssima. E essa argentina de 18 anos, a Podoroska, é uma grande promessa. Jogou contra Bia nas duas últimas semanas, em quadra dura, Guarujá e Riviera, e em ambas foi terceiro set duro.

      Responder
      1. Maurício

        Mas os resultados de simples mostravam que a Teliana estava jogando num outro nível e nas duplas enfrentaria a mesma adversária que acabou de levar uma bicicleta! Enfim, o lugar do Brasil mesmo é no Zonal…

        Responder
      2. Pieter

        Eu me surpreendi foi com a facilidade com que fomos derrotados: esperava uma contenda duríssima nas duplas por se tratar do jogo decisivo, que valia a passagem para a próxima fase, e contra as argentinas, que sempre são muito aguerridas quando jogam contra brasileiras. Mas perder em rápidos 2X0, foi muito frustrante!! Deu até raiva!

        Responder
  16. Pieter

    Excelente atuação do Bellucci em Quito: finalista em duplas e semifinalista em simples! Se ele conseguir classificação para as duas chaves vai ser um ótimo início de temporada, muito promissor mesmo, pelo menos no saibro, que é onde ele gosta de jogar. E os sofasistas ainda implicam com ele, que injusto!

    Responder
  17. Luis

    Dalcim o Zverev bem na semifinal torneio ATP o Coric tambem anda bem fez bom US open ano passado,sera’ que esses garotos vao subir ranking? seria legal alguns no top20,quem sabe top10 em alguns anos

    Responder
      1. Robson

        Não tem jeito,o único da nova geração até 25 anos que tem muito Tênis é Kirgios.
        Todos os outros,todos mesmo não jogam a metade do que joga Kirgios,porém o australiano tem que se fortalecer no mental,focar em conquistas,taças,recordes,números.
        E existe no meio deles nomes que são a maior mentira,ou seja,estão conseguindo enganar alguns aí,lógico que se trata de bons tenistas,mas não conseguirão corresponder as expectativas de alguns,são eles:
        JJ,Coric,Goffin,Thiem,Dimitrov,Zverev,etc…

        Responder
  18. Rodrigo S. Cruz

    Bellucci manteve os nervos no lugar, diante do perigoso backhand de duas mãos de Pablo Carreno Busta.

    Além de mostrar um notável fairplay, pois pisou o pé na marca, em dois pontos seguidos jogados pelo rival.

    Já Carreno Busta, na primeira bola duvidosa que o juiz dá a favor do rival, e na qual o próprio espanhol havia passado o pé, discute feio com o árbitro e numa tremenda falta de educação nem o cumprimenta após a partida.

    Semifinal. E Bello já defendeu os pontos do ano passado podendo somar ainda mais em Quito e nos ATP’s do Brasil.

    Vamos Bellucci!!

    Responder
  19. Fabrício goiano

    Dalcim.

    Apesar de fugir do tema deste post, me animei com o desempenho do Feijão frente ao Lopes no ATP de Quito! O brasileiro estava bem firme no saque e na trocação. Será que ele consegue uma melhora sensível nesse 2016?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Também gostei, Fabrício. Jogou bem dentro do que a quadra exigia. Se ele continuar assim, irá recuperar rapidamente seu melhor tênis e voltar a subir no ranking.

      Responder
    1. Pieter

      No que ela está certíssima! Se nada for feito em relação a essa epidemia, em breve o Brasil será um pária na comunidade internacional…nós merecemos isso? E por falar em tênis feminino, Dalcim, desastrosa e vergonhosa a derrota brasileira na Fed Cup, não? Excetuando a Teliana, o nosso tênis feminino é bem 3o mundo, a triste verdade é não dá nem para sonhar em estar na elite…Zonal americano junto com Bolívia e México já está de bom tamanho…:(:(

      Responder
      1. Rafael

        Também acho ela incrivelmente linda, Robson, algo fora do comum. E vc viu as 2 irmãs?

        Affe, que família abençoada. Inclusive, acho que uma é gêmea dela, mas n tenho certeza.

        Responder
    1. Robson

      Em minha opinião comentários de fakes deveriam ficar na moderação,barrados,mesmo que seja comentários enriquecedores sobre o Tênis e sobre o post da vez.

      Responder
  20. Marquinhos

    Faço jiu jtsu e já fiz três cirurgias no joelho, duas de ligamento cruzado e uma de menisco. LAC é muito mais delicado, pois exige uma recuperação de 6/8 meses e mesmo assim demora para pegar o ritmo e dá muito receio na volta da prática do esporte. Menisco é bem tranquilo, simples, saí no mesmo dia do hospital. O tempo que Roger vai ficar afastado é quase o tempo de uma pré- temporada e ele inclusive já deve estar fazendo fisioterapia. Não acredito que vai atrapalhar muito. Porém o MAIOR, MELHOR E MAIS COMPLETO tenista da história vai deixar de ganhar dos títulos fáceis em Dubai e na Holanda – torneios ideais para seu estilo de jogo.

    Obs: Apenas fiz uma comparação com as cirurgias que fiz, não sou médico.

    Responder
    1. Bruno

      Cada caso é um caso,agente aprende isto na faculdade mas basta lembrar que Baresi passou por uma cirurgia durante a copa de 94 e jogou a final da mesma,e anulou o Romário na partida,lembra Dalcim?

      Responder
    2. Alessandro Siqueira

      Andou sumido, Marquinhos, não teceu ao menos uma linha sobre o sexto título do mais efeciente e pragmático jogador a pisar na terra dos cangurus na era aberta e, quiçá, da história… 😉

      Responder
  21. evaldo moreira

    Bom dia, Dalcim

    Bom uma pena o Federer ter sentido a lesão, mas enfim, paciência, e uma penas certos tipos de comentários inerentes, mas opinião é opinião, respeito mutuamente. Dalcim, ontem, vendo o ATP 250 de Quito, acompanhei o jogo do João Souza x F. Lopez, que jogo abaixo da média, como peguei somente o segundo set, então vi que o rapaz, cujo apelido é Feijão, em certos pontos, até apanhou dos slices do Lopes, errou demais, onde não deveria, e pior, quase levou um pneu ontem, e como caiu o tenis desse rapaz não!? Dalcim, dessa forma, embora o Feijão tenha melhorado um pouco nesse ano, você não acha que o Feijão não deveria mudar o seu jogo? Ser mais consistente e ser mais agressivo, porque vejo o Bellucci bem a frente nele em alguns pontos, ou quase como um todo………..

    Responder
  22. Pieter

    Dalcim, você viu uma jogada incrível do garoto Francis Tiafoe no jogo contra o Sam Groth no Challenger de Dallas? Sensacional! Está no site da Atp. Aliás, o que você acha desse garoto? Com apenas 18 anos, recém-completados em janeiro, já está em 181o lugar no ranking. Me parece muito promissor e tem ótimos resultados no ano passado…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Vi, sim. Divertidíssimo. A maioria dos analistas americanos aposta muito nesse garoto. Está subindo rápido, mas de forma consistente.

      Responder
  23. Valmir

    Dalcim,

    Peço permissão para publicar o link de uma empresa que vende pacotes para Roland Garros.
    Vai que alguém queira ir… mesmo não indo, é interessante ver como eles montam os pacotes.

    A empresa, MATCH, é a mesma que negociou a venda de ingresso VIP para a copa 2014.
    O nome pode por um pouco de medo por causa do escândalo dos ingressos da copa passada…
    mas… eu comprei ingressos até a semifinal e recebi todos direitinho.

    http://match-hospitality.com/rolandgarros?_cldee=ZW5nZW5oZWlybzIyMTBAaG90bWFpbC5jb20%3d&urlid=1

    Se você não achar conveniente, tudo bem em bloquear.

    Responder
  24. SOARES

    Boa noite Dalcim,parabéns(atrasado)pela cobertura do AO 2016,melhor ainda ver mais um titulo do Djoko,incrivel rs!Dalcim em relação a série atp 500 alguma novidade sobre transmissões na tv por assinatura brasileira,nós fãs de Tênis teremos como acompanhar pela tv?abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Parece que os direitos estão sendo adquiridos paulatinamente, Soares. Ou seja, ninguém comprou todos os direitos, estão trazendo torneio a torneio.

      Responder
  25. Luis

    Dalcim sugestao voce escrever sobre essa contusao do Federer,e sobre Djokovic parece mesmo que disse ex tenista que Djokovic sente que nao pode ser derrotado se jogar bem atualmente,coisa que aconteceu com Federer e Nadal nos seus auges

    Responder
  26. Valmir

    É… com essa cirurgia do Federer, vai ser mais fácil … o Zico aprender japonês… do que Federer e Nadal voltarem a ganhar GS.

    E olhe que o Zico passou trocentos anos no Japão e não conseguiu aprender.
    Na Copa de 2006, ele era o técnico do Japão e tinha um tradutor instantâneo na beira do campo…. que imitava até os seus gestos para passar as instruções aos jogadores japoneses.

    Responder
  27. Fernando

    Parece que o talde Chatnik não se enxerga mesmo. Fala do baixo nível dos comentários dos torcedores de Federer mas faz igual ou pior. E o sujo falando do mal lavado. Mas provavelmente e apenas uma criança.

    Responder
  28. Fernando Brack

    Vamos ficar com a pulga atrás da orelha com relação ao retorno do Federer até ele pisar de
    novo numa quadra. É sempre preocupante, ainda mais em se tratando de uma intervenção
    no joelho, apesar de sabermos que ele conta com o que melhor e mais moderno existe em
    termos de recursos de reabilitação, além de ser assistido por ‘cobras’ no assunto, sendo o
    preparador físico Pierre Paganini um dos responsáveis pela longevidade física dele.
    Se ele contasse com recursos convencionais, estaria encrencado. Mesmo que artroscopia
    seja um procedimento pouco invasivo, eu nunca vi alguém se recuperar rápido, ou mesmo
    completamente, de uma intervenção dessas no joelho.
    Só o que temos a fazer é torcer para que tudo corra bem em seu caso.

    Responder
    1. evaldo moreira

      Boa tarde,

      Fernando, concordo com a sua opinião e visão a respeito dessa contusão do Federer, mas eu tenho uma visão á respeito da artroscopia, pois como o Dalcim falou, é um procedimento simples, pois a medicina esportiva evolui em todos os aspectos, concordo você Fernando, quanto a mobilidade e flexibilidade dos joelhos, e o tênis bem jogado, é muito exigente por sinal. Se fosse rompimento por exemplo, as chances do mestre eram de encerrar a carreira mesmo, mas nãao, mas apenas uma ranhura parcial do menisco, e ai acredito que a recuperação dele ser aplena e satisfat´ria, fica apenas a ver, a questãao fisica mesmo.

      Responder
  29. Marcelo-Jacacity

    Como já falado aqui.
    Murray já não pode ser colocado como integrante do Big4, haja vista que Federer, Nadal e Djokovic estão muito acima do britânico.
    Atualmente, Wawrinka está muito mais próximo de Murray que este do Big3.
    O escocês faz bem em tentar progredir. Não adianta somente ficar resmugando nas partidas.

    Responder
  30. Fernando Brack

    Federer já desconfiava, ao perder a 2ª final consecutiva de Wimbledon pro Djoko, que a justiça
    divina era, no mínimo, falha. Pois Murray foi a outro nível. Ele agora tem certeza, após perder a
    5ª final de AO, que a tal justiça simplesmente não existe. Eu tenho que concordar com ele.
    Já o Djoko pode até acreditar em justiça divina, mas me parece que ele não liga muito para ela,
    e segue dando tudo o que pode e sabe nas partidas decisivas dos grandes torneios. Os outros
    que se ralem para derrotá-lo, pois se seguirem esperando pela justiça divina, ou qualquer outra
    do gênero, vão ficar na fila por mais alguns anos.

    Responder
      1. beatriz alcantara

        Essa é para rir mesmo,falta do que falar ou achar que sabe tudo é um horror e vamos a justiça divina nos jogos…
        Essa foi piada,kkkkkk.

        Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Brack,
      Não dá para esperar a justiça divina na Terra. O negócio é trabalhar.
      Djokovic já deveria ter conquistado 4 USOpen, e uns 2 Roland Garros, mas fazer quê… Vida que segue!

      Responder
    2. Luiz Fernando

      Vcs são umas vitimas hein Brack, primeiro era o Nadal q tinha pacto com o demônio, agora p o Djoko falta a justiça divina, q saudades da época do Gonzales, Baghdatis e cia ltda, aí não havia pacto com ninguém e não faltava nada…

      Responder
    3. Mônica de Souza

      Deus não gosta de jogos. Então ele deve fazer vista grossa para qualquer tipo de jogo, sejam os jogos de azar, sejam os relacionados a esportes. Agora, se disser que a vida é injusta e cruel, aí eu concordo, pois muitas pessoas boas, como o Ayrton Senna por exemplo, vão embora cedo demais. Djokovic só faz a parte dele, os outros é que devem se virar para elevar o nível até alcançá-lo e não o contrário.

      Responder
    4. Robson

      Meu amigo Brack,
      Com todo respeito ao teu comentário,massss
      1º que não há justiça divina nem muito menos “injustiça” divina em nenhuma modalidade esportiva,Deus não entra,nunca entrou e jamais entrará no meio de esportes,tem muitas,muitas mesmo outras coisas pra fazer e importantes.
      2º que “se” se houvesse justiça divina no meio de esportes,Tênis por exemplo aí quem te garante que essa justiça benefeciaria apenas Federer? Pode ser que o beneficiado seria Novak,Murray,Wawrinka,etc…

      Responder
        1. Rafael

          Lógico que pode, Brack. Na toada da justiça divina e quetais, o Brasil só perdeu pra Argentina no feminino pq o Papa (procurador de Deus por essas bandas da Terra) é argentino.

          —-
          O caso do Schumacher é revoltante, por mais que ele não me descesse, o que não tem nada a ver. Mas é revoltante porque a gente não entende, então tende a se apegar em algo maior. No meu caso, Deus.

          Responder
  31. Gabi

    Aí você cuida da postura nos treinos, na musculação, na corrida para não se lesionar e num movimento bobo do dia a dia acaba se machucando (segundo o jornal le matin, Federer se machucou em uma caminhada com as filhas em um parque em Melbourne, logo após a derrota na semifinal do Australian Open). Acontece.

    Responder
    1. Fernando Brack

      Schumacher correu riscos que pouquíssimos seres humanos sequer imaginam
      ou desejam correr, e se acidentou seriamente esquiando em lazer total.

      Responder
    2. Eduardo Martins

      A lesão aconteceu realmente em um momento de lazer com as filhas, mas não se pode esquecer que a exigência sofrida por ele na semifinal já pode ter estressado o local da lesão que só estava esperando o corpo esfriar para ela poder eclodir. A própria semifinal pode ter tido um peso na lesão ocorrida um dia depois. Até a mente estressada pode causar reações diversas no corpo das quais não sabemos nem entendemos o porque naquele momento, mas depois começamos a pensar sobre o assunto na tentativa de achar um motivo.

      Responder
  32. Valmir

    Dalcim,
    Tem um monte de colegas que atribuem notas a vários fundamentos do tênis ao Federer, Djoko e Nadal… claro que cada um na sua torcida.
    Entre outras coisas, essa nota não tem o menor sentido porque o que vemos é que os jogadores executam esses fundamentos de forma diferente, conforme o adversário.
    O grande sacador contra top 20 perde muito rendimento quando enfrenta os outros dois… e por aí vai.

    Gostaria de uma avaliação sua desses 3 jogadores… se eles melhoram ou pioram o desempenho dos fundamentos principais… quando jogam entre si, comprado com os jogos que fazem contra top 20.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não vejo que eles melhoram ou pioram tecnicamente este ou aquele golpe contra um ou outro adversário. Golpe é uma coisa cristalizada nesse nível de competição. Não se muda absolutamente nada de um jogo para outro. O que muda é a estratégia e assim o uso maior ou menor de cada golpe.

      Responder
      1. Fernando Brack

        Dalcim, eu já acho que a eficiência de golpes é afetada sim pela performance do
        adversário. O que melhor ilustra isso é o saque, o único golpe que o tenista faz
        com absoluta independência do oponente, e ainda assim sofre variações de um
        jogo para o outro. Não digo que a performance do oponente seja o único fator de
        influência, mas me parece claro que quanto melhor é a devolução do adversário,
        mais o tenista tende a forçar seu saque, tornando-o mais errático. Para os outros
        golpes, a influência seria naturalmente maior, já que são dados contra bolas que
        vêm do outro lado, ora mais profundas ou com mais efeito, ângulo ou potência.
        Enfim, para mim parece evidente que a eficiência de golpes é muito influenciada
        pela qualidade do adversário. O que não quer dizer que o jogador ‘baixe a bola’ ao
        enfrentar tenistas mais qualificados. Apenas seu jogo ‘entra’ menos.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Então, vamos supor, os golpes do Federer numa semi de Wimbledon contra Murray são ótimos e na final dois dias depois contra Djokovic já não são tão bons assim? Estamos falando do 1 e 2 do ranking, não do 1 e do 50. Ou mais: os golpes de Federer funcionam à perfeição na final de Cincinnati e não funcionam na final do US Open contra o mesmíssimo adversário?

          Responder
          1. Fernando Brack

            Isso aconteceu agora. Saque, FH e BH dele tiveram índices de acerto/erro
            bem diferentes em função da qualidade do adversário. Tecnicamente, os
            golpes são os mesmos, mas ficam mais ou menos eficientes em função
            do nível de jogo do oponente. Contra Goffin ele fez uma partida muito boa,
            acertando tudo que tentava. Depois já não foi mais assim.

          2. Valmir

            E como você justifica a grande queda do percentual do primeiro saque que o Federer tem tido contra o Djoko ???
            Ė só ver as estatísticas dos jogos.
            Para mim é claro o medo da devolução … o oponente importa.. e aí erra mais.

      2. Fernando Brack

        OK, OK, você se referiu ao aspecto técnico. De fato, os tenistas não mudam sua
        técnica de golpes em função do adversário, mas suponho que o ponto do Valmir
        tem a ver com a nota dada por internautas para a qualidade dos diversos golpes
        de cada tenista. Por exemplo, eu acho que o forehand do Federer cai um bocado
        quando ele enfrenta um grande devolvedor. A técnica continua lá, mas o golpe se
        torna mais errático, e, nessas condições, mereceria uma nota menor.

        Responder
        1. Sergio Ribeiro

          Forehand do Federer cai quando enfrenta um grande devolvedor? Me admiro alguém com a sua experiência afirmar coisas de MC e CIA. Agassi e Novak , sao a meu ver, os melhores a nível de devolução que vi. Desde quando Pete Sampras , aliviava tanto no Serviço , quanto na direita devastadora na corrida ? Em final de carreira optava muitas vezes pela dupla falta, a dar ritmo a Agassi e outros, o Famoso Corta-Físico. O Suíço , chega atrasado muitas vezes. Fato. Quando nao , mete Passadas de todos os jeitos com a sua incrível capacidade de improvisar. Desta vez tomou mais Aces de Novak, fato raro, sem desmerecer o Servio e suas grandes qualidades. Ou seja, num Esporte de alta precisão , Novak faz por merecer estar sobrando. Um Físico , que o Craque Suíço jamais teve.Abs!

          Responder
  33. Implicante

    Meu caro Dalcim, apesar do Federer alegar que a contusão ocorreu depois do jogo, você não achou a movimentação dele mais lenta e pesada na semifinal do que nos últimos jogos?
    Eu achei, mas pensei que seria pelo fato de ser difícil um jogador da idade dele aguentar fisicamente várias rodadas.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não vi nada de muito errado na movimentação dele. Ao contrário, me pareceu muito bem. Você o lance superexigente que ele fez buscando bolas incríveis?

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Sim, concordo. Pode ter sido resultado de um acúmulo de carga, mas não creio que tenha influenciado. Acha que ele vem bem para o que realmente importa pra ele (WB-JO-UO)?

        Responder
      2. Sergio Ribeiro

        Perfeito,meu Caro Dalcim. So’ acho que esta’ dificil para o Craque, manter o mesmo nível o tempo todo. Embora o próprio , afirme que se necessário , joga 4, 5 horas seguidas. Quem sou eu para nao acreditar. Abs!

        Responder
  34. jeremias

    Carlos,

    No post passado a tua comparação envolvendo o futebol e o tênis foi 100% descabida. O campeonato brasileiro e a taça libertadores da América são disputados por times DIFERENTES, cara. Os Grand Slams são disputados pelos MESMOS JOGADORES, com a mesma fome de vitória. De novo: Todos eles valem 2000 pontos, todos os quatro!!! Quando é que vocês vão entender isso, que nada mais é do que o “óbvio ululante” ????? E mais: todos os grande jogadores da história foram campeões na Austrália, à exceção de Borg e Mcenroe; e mais ainda,algo pouco falado: a Austrália tem MUITO, MAS MUITO mais tradição tenística do que a Ingleterra, que é onde fica WIMB; de fato, a austrália revelou uma quantidade de jogadores de escol bem maior do que a Inglaterra, a qual vai precisar recorrer ao conceito de Reino Unido para agregar, por exemplo, um Andy Murray ao seu rol.

    Responder
    1. Fernando Brack

      Eu não queria entrar nessa discussão, de tão non sense que é. Foi uma das coisas
      mais bizarras que vi aqui a criação deste ‘ranking dos Slams’, para então chegar-se
      a um novo e inédito ranking dos grandes tenistas de todos os tempos. A atribuição
      de ‘pontos’ diferentes a cada Slam é completamente sem pé nem cabeça.
      O Rafael ironizou sugerindo a criação de um outro novo ranking que considerasse o
      aproveitamento em finais de Slam, lembrando que Wawrinka tem 100% e talvez, um
      dia, fosse nomeado o GOAT. Bem, não seria ele com certeza, pois até Guga tem um
      retrospecto melhor – 3 em 3. Fato é que, com este ‘ranking’, jogadores como Thomas
      Johansson, Gaston Gáudio e Albert Costa apareceriam à frente de Federer, Nadal e
      Djokovic, ou de qualquer outro grande jogador da história. Muito razoável, não?

      Responder
      1. Robson

        Concordo Brack.
        E vou mais além,quero crer que o autor dessa ASNEIRA,bizarisse de rancking de GS o fez aqui no blog apenas pra aparecer,pra dar ibope,me recuso a acreditar que tamanho ABSURDO tenha vindo de um sujeito sério e sendo sério.

        Responder
        1. Rafael

          Até por isso sugeri o ex do Stan, mesmo sabendo que o aproveitamento de vários é de 100%. De bate pronto e recente, acho que o Cilic, o Del Potro…

          Responder
        2. Fernando Brack

          Rafael, o que eu quis dizer é que entre os que tivessem o índice 100%
          o desempate se daria por quem tivesse jogado (e vencido) mais finais.

          Responder
  35. Anderson Vieira

    Dalcim, mudando um pouco de assunto, o que tem o Roger que quando joga com o djok ou nadal o saque é igual ao de uma pulga(plagiando o comentário do Marquinhos)? E porque o cara joga tão travado? Parece que tem dois sacos de cimentos nos braços…rsrs fora as pernas com cola super bonde. Em fim, o que tem q esse cara nao consegue ser solto?

    Responder
      1. Rui Gonçalves

        Fato corriqueiro é que o Federer, tal qual o Murray, que possuem um talento natural, parecem ser mimados demais. Estão acostumados com certa “moleza”. Não que seja mole efetuar um saque muito eficiente e com muitas variações como o do Federer, que treinou e treina muito para isso, mas é que parece que se acostumou a vencer a maioria dos seus jogos assim. Muito se fala do período de entressafra auge do Federer, onde quem parecia ser o melhor devolvedor era o Agassi. Até a chegada do Nadal para tentar equilibrar as coisas no saibro em termos de títulos importantes, mas nas demais superfície ainda tinha muito o que aprender. Hoje em dia, o Djokovic é o melhor devolvedor de todos os tempos e em todas as superfícies, aí vai minando a confiança do Federer que aprendeu a ser muito dependente do saque. Veja o Nadal, por exemplo, sempre teve um saque meia boca mas ainda assim conseguiu ganhar 14 GS (ainda que 9 sejam no saibro, 5 são fora dele). Djokovic só precisa tirar o dedo em RG para tirar o peso das costas. Se conseguir confirmar esse ano, sua confiança que já é desumana, se multiplicará, e a chance de faturar as olimpíadas e Cincinnati aumentam consideravelmente.

        Responder
    1. Fernando Brack

      Djokovic e Nadal têm boa envergadura e, mais que isso, têm boa explosão muscular
      e são donos de reações muito rápidas, o que os torna muito ágeis e lhes propicia a
      chegada e devolução de bolas extremamente velozes.
      Quando Federer vê alguns de seus melhores saques voltando, ele fica mais ansioso
      e naturalmente mais errático ao executar o golpe. O que ele deveria fazer, ou fazer com
      mais afinco, é se concentrar em si mesmo. O resultado prático poderia ser o mesmo,
      já que quando o adversário entra no ponto, especialmente um grande devolvedor, sua
      vida via de regra fica mais difícil, mas pelo menos ficaria menos frustrado ao manter o
      índice de aproveitamento de 1º saque.

      Responder
      1. Sergio Ribeiro

        Claro que o Tenis e’ também um Esporte dinâmico. Os comentários sao sempre baseados no que acontece no momento. Desde os 19 , quando venceu Pete Sampras na Grama Sagrada numa batalha de Serviços , o Suíço ja’ demonstrava que seria um Notável Sacador. Seus 15 Titulos na grama ( dificil de ser igualado) , ate’ ser o Terceiro em Aces ( Ivasinevic e Karlovic a frente) superando os 9000, nao da pra aceitar que seja de acordo com o Oponente. O Numero de Aces de Pistos Pete pós 31, caiu muito devido a lesões nas costas. Em 2013, Federer também teve sérios problemas no local. Abs!

        Responder
        1. Sergio Ribeiro

          Correção : Pistol Pete pós 29, caiu muito … Quem rever as Finais de USOPEN 2000 e 2001, perdidas para Safin e Hewitt em Sets diretos , vai entender…Abs!

          Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Torcendo demais por ele, Saraiva. Claro que não podemos esperar nada nos primeiros torneios, a não ser que ele consiga competir bem e sem qualquer dor.

      Responder
  36. Willian Lopes

    Puxa vida, pego de surpresa com essa lesão do Federer, tomara Deus que não seja nada grave, porque muitos problemas que envolve joelho, tornam a recuperação sempre complicada, Nadal é sempre um bom exemplo, isso no tennis, porque se tratando de atletas de outras modalidades esportivas como o futebol, muitos jogadores nunca mais se recuperaram por completo. O seu calendário planejado para este ano com certeza deverá passar por algumas mudanças. Força Roger!!!! Tua imensa torcida e fans estarão sempre com você.
    Em contra partida, Del Potro estará de volta em breve, fiquei muito feliz em saber disso, uma ótima notícia, estava esperando por esse momento, o argentino fez muita falta no circuito. Vai ser muito bom poder vê-lo novamente em quadra, hoje seu nível de tennis pode não fazer nem cócegas no Djokovic, mas quem sabe daqui a algum tempo e conseguindo uma boa sequência de jogos ele recupere o seu ritmo rapidamente. Dalcim, o que você acha, Delpo realmente está 100% recuperado da lesão?

    Responder
  37. Willian Lopes

    O que eu acho engraçado, é que Agassi disse uma certa vez que Murray está vivendo o auge de sua carreira, mas não é o que parece devido a sua atual fase. Temos que dizer que seus melhores momentos realmente foram em 2012 e 2013 quando venceu 02 Slams e um ouro olímpico, desafiando os melhores tenistas do mundo jogando um tennis sólido e agressivo. Claro que o britânico é um excelente tenista e ainda tem um bom espaço onde pode evoluir, gosto muito de seu jogo, mas seu lado mental e falta de concentração nos momentos importantes das partidas com certeza o tem deixado na mão.
    A final masculina com certeza não empolgou, não por causa dos jogadores que são muito bons, muito mais pelo jogo em sí, já faz muito tempo em que Djoko X Murray foi um jogo digno de uma semi-final ou final de Grand Slam, inclusive, não acho exagero dizer que a final feminina deste ano foi muito mais empolgante, quem assistiu realmente viu um grande jogo de tennis, a garra que teve Kerber deveria servir de exêmplo, inclusive para Murray. Federer mesmo jogando muito mal, muito por méritos do Nole, ainda conseguiu tirar um set do sérvio.

    Responder
  38. Maurício Luís *

    Não só uma pena essa contusão do Federer, mas também um azar danado. Logo ele, um dos que menos se contjunde, talvez pela própria técnica refinada.
    Porém, não acho que o caminho do Djoko esteja tãããão fäcil assim, não. Em Roland Garros, ainda tem o Wawrinka, o Nishikori e o próprio Nadal, que nunca pode ser subestimado. Em Wimbledon, tem o Murray. Que é menos jogador, mas a torcida pode ajudar.

    Responder
  39. Marcelo-Jacacity

    Pessoal,
    Cirurgia nunca é algo bom, porém, artroscopia é algo relativamente simples e de recuperação rápida.
    Tendo em vista a triste notícia, Federer terá que alterar o calendário inicial e são boas as chances do suíço aparecer em Miami.

    Responder
      1. Sergio Ribeiro

        O estudioso rapaz, ainda nao entende o que seja defesa de Titulos para o Ranking ( ate’ porque o Espanhol raramente conseguia, exceto em Rolanga). No fraquíssimo ATP 250 de Brisbane, os Finalistas foram Semi no AOPEN 2016. O mesmo nao se pode dizer do “fortíssimo” Doha. Um dos Finalistas caiu na primeira rodada do mesmo SLAM.Abs!

        Responder
        1. Robson

          Deus do céu,Sergio não extrapole o limite da ignorância meu caro.
          Como vc tem essa coragem de citar que os finalistas de Brisbane foram semifinalistas do AO e que um dos finalistas de Doha foi eliminado na 1ª rodada do AO e consegue a proeza de não citar que o outro finalista e CAMPEÃO de Doha foi FINALISTA e CAMPEÃO do AO?
          Aí sinceramente é pra parar de levar vc a sério,parei…

          Responder
  40. Luis

    Dalcim sobre Murray alem do potencial grande e’ da Gran Bretanha muito tradicional,depois daqueles 2 slams parecia que Murray ia ganhar outros slams mas ele parou,tirando a daves,tem tenis pra enfrentar os outros 3 tops Federer,Nadal,Djokovic,pesa um pouco algo parecido com Djokovic ainda nao conseguiram ganhar simpatia da maior parte das pessoas,o que acha Dalcim?

    Responder
  41. Pieter

    Impressionante quão sortudo é o Djokovic! Agora, com a cirurgia do Federer e consequente afastamento dele por um tempo, o sérvio está com o caminho livre para fechar o Grand Slam de uma forma muito mais tranquila, haja vista que, em Wimbledon e no US Open, a mais séria ameaça ao Novak era mesmo o Federer…

    Responder
    1. Robson

      Meu Deus,Estão beirando qualquer outra coisa,menos a consciência perfeita e real,parte dessa torcida de federer.
      Não entra mesmo na cabeça delas que federer não é páreo pra Novak em NENHUM GS,NENHUM.
      E federer estará normalmente disputando RG,Wimbledon e USO pq a cirurgia que ele fez é simples de rápida recuperação,coisa de 30,40 dias no máximo e já estará de volta as competições.

      Responder
    2. Alessandro Siqueira

      Se entendermos sorte à moda oriental, ok: o momento em que a competência encontra a oportunidade. Se partirmos da perspectiva ocidental, todavia, nada feito. Djoko não se tornou A referência do esporte por um “caso do acaso bem marcado em cartas de tarô”. Ele não se dispôs a esperar o que “estava escrito nas estrelas”. Bem ao contrário, colocou-se a reluzir, assumindo status de astro com brilho próprio. Para tanto, paga o preço de uma prescrição alimentar extremamente regrada, cuida do corpo como poucos, empenha-se na parte técnica como pouco se viu. Sim, é lugar comum falar de sua limitação. É de se dizer, então, que seu empenho teve de ser ainda maior para chegar ao nível de excelência de alguns “predestinados”.

      Responder
    3. Rafael

      Queira Deus todo poderoso que as lesões que Tommy Haas sofreu ao longo de sua carreira não atrapalhem o restante de sua vida, é de cortar o coração!

      Rezo por Del Potro todas as noites da minha vida, um cara com tanto potencial, ganhador de slam, foi e voltou, parou e tentou voltar não sei quantas vezes… Pq, MEU DEUS?

      Affe

      Responder
  42. Bela

    Ai que bom que foi um sucesso o procedimento cirúrgico de Roger!! Uma boa recuperação a ele!!! Ai gente deixa de drama!! 4 semaninhas só… Não vai dar pra perder o ritmo e nem o condicionamento!! É praticamente umas férias pro nosso maravilhoso e idolatrado ídolo!! Ele já iria parar mesmo após Indian Wells. Só adiantou um pouco. Se bobear dá até pra jogar Indian Wells e Miami, e corrigir a burrada do calendário que ele tinha montado!! Estou confiante!! Te amo, Rô!!!

    Responder
  43. Rodrigo S. Cruz

    Últimas notícias:

    Bellucci atropela o fraco Montanes: 6/2 e 6/4.

    Começa bem no saibro de Quito.

    Gulbis até que não joga mal em Montpellier, mas pára diante de um Gasquet impecável que não errava nem pensamento, apenas 7 unforced-errors, salvo engano. Duplo 6/4.

    Giovani Lapentti, anuncia em Quito que vai deixar o Tênis.

    Responder
  44. Chetnik

    Dalcim, sobre o Murray, o que você achou dos duelos de slice da final? Achei que o Djoko deu show. Aliás, tem se saído melhor do que o Murray nos confrontos diretos até nisso, e olha que o Murray sempre foi melhor nos slices.

    Ainda sobre a final, direita do Murray sumiu. E o TB foi sintomático: Murray que sacou melhor durante o jogo cometeu duas duplas faltas, ao passo que o Djoko fez 2 dos seus 7 aces no TB, além de um primeiro saque que não voltou. Mentalidade de campeão que um tem e o outro não.

    PS: Murray é muito molenga. Gosta de se cercar de mulher e não gosta de pressão e cobrança. Não é de se estranhar ter se tornado um underachiever.

    Responder
  45. Chetnik

    Com essa lesão o Federer não vai poder tentar repetir o Roger Slam, perdendo os dois mais importantes campeonatos do seu calendário.

    Isto posto, melhoras. Lesão é sempre lamentável, ainda mais nessa idade.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Continua muito bem informado, o rapaz. Roger SLAM , em que ele nao joga Rotterdan desde 2012. Slices maravilhosos de Novak na Final ? Você assistiu o jogo ou dormiu ? kkkkkkkkkkAbs!

      Responder
      1. Chetnik

        Vi o Nishikori e o seu “vasto arsernal” de erros não forçados.

        Tem razão quanto a uma coisa, o Roger Slam não seria possível, já que ele perdeu Brisbane.

        Responder
        1. Bruno

          Roger slans tá aí uma alternativa interessante para de aumentar para 5 o número de torneios de grand slan dando o nome de federer,numa justa homenagem ao maior e melhor tenista de todos os tempos.boa ideia chatonik.

          Responder
  46. Pieter

    Estou profundamente consternado com essa notícia da lesão e consequente cirurgia do Federer. Além do tempo e ritmo perdidos, isso certamente afetará a confiança dele em partidas futuras. Na idade e na fase da carreira em que ele se encontra, isso pode ser o início do fim…Vamos torcer muito para que não…

    Responder
  47. PI

    Acho que o dalcim tomou as críticas que fez ao murray para si e resolveu ser mais agressivo ultimamente hahahaha. Tem disparado um monte de winners por aí rsrs. Ou então o nível dos comentários que caiu mesmo.

    Responder
      1. PI

        Não, dalcim, é apenas uma brincadeira com a agressividade que você está cobrando (sugerindo) do murray. Acho que as pessoas estão se dirigindo ao senhor de uma forma um tanto quanto dura, e você está respondendo à altura. Sempre com elegância, o que é importante. Estou gostando, continue assim hehe.

        Responder
  48. Luis

    Dalcim o que acha dessa contusão do Federer pode tirar pouco de ritmo já que fez bom Aberto Austrália ficando devendo na semifinal contra Djokovic,se poderia melhorar algo no seu tênis?

    Responder
    1. Willian Lopes

      Que piada, Novak mereceu o título, mas acha mesmo que tivemos uma final???? Acho que até a final feminina com certeza foi mais disputada e emocionante. Tirando isso parabéns Djokovic.

      Responder
  49. dos Anjos

    É pessoal, o fato que sempre sabíamos que iria acontecer mas que torcíamos para demorar um pouquinho mais, aconteceu. Esse é o início do fim. Qualquer lesão mais séria nessa idade é caixão. Ainda acredito numa recuperação do Federer, mas não mais para disputar títulos importantes. Quem sabe, com sorte, ele consiga chegar em WB com alguma condição de fazer bonito. Mas, sendo realista, não vai acontecer. Não consigo ver o Federer se debatendo, brigando por muito tempo no circuito na tentativa de se recuperar. Esse pode ser mesmo o derradeiro ano daquele que sempre será o Mestre. Na torcida.

    Responder
  50. Rafael

    Li num fórum de discussão estrangeiro, gostei.

    Wawrinka, imbatível em aproveitamento quando chega a uma final de SLAM. 100%.

    Seria Wawrinka o tal do GOAT? srsrsrsrs

    Responder
  51. Valmir

    Dalcim,
    Ligado a este seu post, você poderia escrever um outro sobre os técnicos em geral.
    Estilos, virtudes, fraquezas, o acrescentam, revolucionários, que fracassaram… etc
    Falando, pelo menos, desde a criação da ATP.
    Também, ex-jogadores que não são técnicos mas que você acha que poderiam ser bem sucedidos.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Isso em boa parte explicaria o placar elástico dos dois primeiros sets contra o Djokovic.

      Podem as Djokovetes esquizofrênicas berrarem ” é desculpa “, o quanto quiserem.

      Mas mesmo quando o Djokovic vence e convence diante do suíço, os placares costumam ser mais apertados…

      E a recíproca também é verdadeira: O Federer nunca dá surra no Djokovic, mesmo vencendo-o de forma categórica.

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Hahaha. Eu não falei nada de provocativo ainda. Me aguarde este ano…

          Mas então explica então esta lógica aí pra mim. ( e seja convincente, tá).

          Vc e os nolistas podem escrever todo tipo de sacanagens que quiserem contra os ídolos alheios, e não são Zumbis.

          Mas aí vem alguém, escreve sacanagens contra teu ídolo, e é Zumbi. Simples assim?

          Responder
          1. Chetnik

            Não, Rodrigo, veja só. Eu chamo de zumbis porque se comportam como um culto idólatra.

            Eu provoco e tiro um sarro um monte, mas quando vou falar do Djokovic não fico babando ovo feito um mané. No máximo tiro uma onda dizendo que ele é o tênis-evolução, etc.

            Agora tem cara aqui que dá vergonha. A gente tem que ler que o Federer tá acima do tênis, é desculpa para todas as derrotas, é mestre pra lá, Deus para cá. Ficam falando de torcida e patrocínio feito umas cheerleaders. Parece até fã de menudos, dá até pena.

            Aí você lê de fã do Federer que o Gasguet fazer semi final de WB é prova que o circuito é fraco. Mas aí você fala que o Gasguet fez semi de WB no “auge” do Federer e silêncio…

            Quando o Djoko pediu desafio numa bola fora no ponto final do round robin do Finals foi chamado de mal caráter para pior. Mas eu nunca vi o mundo dar volta mais rapidamente: na FINAL, ou seja, no jogo mais importante, o Federer fez a MESMA coisa, numa bola BEM mais fora. O que se ouviu… pois é, silêncio, fingiu-se que nada aconteceu.

            Dae você pega o ódio que esses caras tem do Nadal. Eles INVENTAM um monte de justificativas para tentar se convencer, mas no fundo a gente sabe que o ódio ao Nadal tem um único motivo. Gente que era só elogios ao Djokovic – “sucessor natural do Federer, tênis agressivo – mas foi só ele passar a bater o Federer em vários jogos importantes e “ameaçar” os recordes do Federer que o ódio se voltou contra ele. Quando ele batia no “mal personificado” do tênis era só elogios, depois passou a sofrer as MESMAS acusações e ofensas que o Nadal sofria.

            As picuinhas que esses caras inventam para rebaixar todo mundo que não se chama Federer. “Djokovic grita com boleiros”, quando todo mundo viu que ele gritou com o box. Dae na semi do AUSO o Federer mandou o câmera man tirar a câmera de perto dele e eles fingem que essas coisas não acontecem com o Federer, que ele é o maior cavalheiro da face da terra. Qualquer coisa que o Nadal ou o Djoko fazem é motivo para transformá-los em demônios. Quando o Federer erra eles ignoram.

            Vou te falar que eu “mudei minha postura” depois daquela arregada monstra no Finals 2014. Cara, quando o Nadal sofreu aquela lesão triste na final do AUSO eu fiquei constrangido. Se eu já tava mudando a minha postura em relação ao Nadal desde a final do USO13, depois daquilo mudei de vez. A quantidade de asneiras, acusações infundadas, etc, que eu li por aqui foi nojento e indescritível. Dae essas mesmas pessoas agiram como se nada tivesse acontecido quando o Federer correu do Djoko, inventaram um monte de desculpas, e ainda se ofenderam por eu ter agido da mesma maneira que eles agiram em relação ao Nadal.

            Ou seja, não pode criticar o “Deus”.

            Você acha isso normal – tô sem o ponto de interrogação. A idolatria que esses caras tem ao Federer os leva a ODIAR outros tenistas de maneira irracional e doentia.

            Eu acho que nessas derrotas mais importantes esses caras chegam a sentir dor física, choram e se contorcem no chão. Isso não é normal nem saudável.

            Por isso que os chamo de “zumbis”.

            PS: Desculpa pela resposta longa, mas o Rodrigo pediu para eu justificar rs. E olha que se eu quisesse poderia escrever bem mais.

          2. Chetnik

            Faltou uma importante. Você viu aquele “ranking” que criaram…tem coisa mais zumbi do que aquilo…kkkkkkk

            PS: Tô sem “ponto de interrogação”.

      1. Robson

        Jeremias,
        Se federer já estivesse com esse problema no joelho quando entrou em quadra na semi diante de Novak,o placar seria: 6 x 0,,6 x 0 e desistência,uma bicicleta já estaria perfeito pro suíço levar pra casa,um triciclo seria demais pro mesmo.

        Responder
  52. Lola

    Bom dia,
    Umá lástima muito grande essa notícia da operação no joelho do Roger…

    Aos palpiteiros que acham que o Djo não tem torcida, ao menos no twitter a Kombi dele está bem cheia.

    Tava lendo um comentário engraçadíssimo sobre uma pessoa que criou um rangink dos Slams, hilário!!

    Sr Dalcim, pq tentam desvalorizar o AO se ele me parece o que tem a melhor estrutura e só perde em público para o Slam americano?

    Att, Lola K

    Responder
    1. Fernando C.

      Lola, os fanáticos estão cada vez mais perigosos. Essa do ranking foi incrível! rs.
      E quanto a desvalorizar, apenas uns poucos obtusos de plantão o fazem. Até onde sabemos, todos valem 2.000 pontos. E se formos discutir critérios subjetivos como “charme”, “tradição”, aí entra noutro campo e rende discussão para as próximas gerações. Mas Slam é Slam, são apenas 4 e ‘finito’.

      Responder
    2. jeremias

      Lola, o Dalcim está certo, não tentam desvalorizar coisa nenhuma. Isso é só coisa de torcedor. Não ligue, blogs de tênis, embora legais e divertidos, não representam, nem de perto, a opinião geral de gente que entende mesmo e que não se permite ficar emitindo opiniões ultra-imparciais e enviesadas como é usual em fóruns.

      Responder
  53. Daniel Toledo

    Colocaria assim aquela comparação já citada:

    Saque:

    Federer – 9,5
    Djoko – 8,5
    Murray – 7,5
    Nadal 7

    Jogo de rede:

    Federer – 9
    Murray – 7,5
    Nadal – 7
    Djoko – 6

    Forehand

    Federer – 9,5
    Nadal – 9,0
    Djoko – 8,5
    Murray – 7

    Backhand

    Djoko – 9,5
    Murray – 8,5
    Federer – 7,5
    Nadal – 7

    Devoluções de saque

    Djoko – 9,5
    Nadal – 9
    Federer – 8
    Murray – 8

    Fisico

    Djoko e Nadal – 9,5
    Murray – 9
    Federer – 8,5

    Força mental

    Nadal/Djoko – 9,5
    Federer – 9
    Murray – 8

    Habilidade

    Federer 9,5
    Murray – 8,5
    Nadal – 7,5
    Djoko – 7

    Responder
        1. José Eduardo Pessanha

          Wuthrich, o centroavante Reinaldo – que era muito melhor do que o Romário – perdeu a carreira por ter os meniscos arrebentados precocemente. O Zico costuma dizer que Reinaldo teria um nível bem próximo do Pelé se tivesse uma carreira normal. Abs.

          Responder
          1. jeremias

            Agora lembrei do meu velho pai! Ele era fanzasso do Reinaldo e dizia que este tinha sido não UM DOS centroavantes mais talentosos da história, mas O centroavante mais espetacular, acima de Romário, Ronaldo, Careca, Van Basten enfim, todos eles. Ouvia aquilo sem dar muito crédito, mas os relatos parecem confirmar este super fenômeno. Uma pena mesmo o que aconteceu com seu joelho…

  54. Mario Cesar Rodrigues

    Essa coisa de Federer fazer cirurgia está mal contada…ele no começo do ano já enxugou o calendário…não vi nenhum desconforto dele no jogo contra o Nole…e não sei não viu se sentiu algo mesmo vai perder vários torneios os médicos dizem que foi um sucesso..mas torço para Federer se recuperar mas esta pedra estava cantada desde quando anunciou o calendário!

    Responder
  55. Isabel

    Dalcim, parabéns pelo site, pelos comentários e/ou publicações, seu português, é irretocável, extremamente agradável de ser lido. Leio seu blog há alguns anos, primeira vez que participo.

    Sobre o Andy Murray, na decisão do Australian Open 2016, ele estava com um bloco de anotações sobre o Djokovic, talvez essas mudanças já tenham começado nesse jogo.
    Pergunto: você, ou algum leitor, sabe em qual Set/horário, ele leu essas anotações?!?! Foi em um dos intervalos, e não consegui identificar. É possível ler o que está escrito?!
    Muitíssimo obrigada !!

    As emoções da final masculina em Melbourne
    That was the Men’s Final | Australian Open 2016

    https://youtu.be/DMTnYv6RrYg

    17segundos do vídeo acima.
    .

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Tudo legal, Isaber? Eu vi comentários sobre isso, mas não tinha visto a imagem. Bom, não chega a ser uma novidade no circuito, mas é curioso que isso tenha acontecido com Murray numa final de Slam. Imagino que sejam lembranças para determinados pontos cruciais. Abs!

      Responder
  56. Thiago

    Dalcim,

    O que acontece com Gulbis?

    Tem um tênis genial, todos os golpes e joga bem em todos os pisos. O que a cabeça pode fazer com o ser humana hen.. uma pena.

    Você acredita que ele com a cabeça no lugar brigaria por slans hoje com estas feras? (Djoko, Murray, Nadal, Federer e Wawrinka)

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Além da cabeça, o físico. Tem tido problemas frequentes com o ombro. Sim, acho que ele teria chegado longe em alguns Slam, talvez importunado bastante alguns dos grandes, como aliás fez. Pena.

      Responder
  57. El loco

    Concordo com a maioria.
    Murray precisa apenas ser mais ofensivo. Disse apenas porque ele sabe fazer isso, já o fez. Ninguém sabe o porquê dessa insistência em devolver as bolas no fundo de maneira inconsequente. Então, o técnico perfeito para ele será aquele que simplesmente o convença a jogar dessa maneira, uma vez que, de resto, Murray é jogador para encabeçar o ranking.

    Responder
  58. Realista

    Murray não precisa contratar um novo técnico só pelo fato de ter perdido para o maior de todos os tempos e ÚNICO tenista completo NOVAK DJOKOVIC…foi uma derrota normal.

    Responder
  59. Alan Guimarães

    Comparações sobre o Big four:

    Saque:
    Federer – 9
    Djoko – 8
    Nadal e Murray – 7

    Jogo de rede:
    Federer – 9
    Nadal/Murray/Djoko – 7

    Forehand
    Federer – 9
    Nadal – 8,5
    Djoko – 8
    Murray – 7

    Backhand
    Djoko – 9
    Murray – 8,5
    Federer – 8
    Nadal – 7,5

    Devoluções de saque
    Djoko – 9
    Nadal – 8,5
    Federer – 8
    Murray – 8

    Fisico

    Djoko – 9,5
    Murray -9
    Nadal/Federer – 8,5

    Força mental

    Nadal/Djoko – 9,5
    Federer – 9
    Murray – 8

    Dalcim, concorda com a avaliação de forma geral?

    Sobre minha conclusão, como o Murray pode ser comparado aos outros 3 se não há nada que ele faça melhor???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, não concordo numa série de pontos. Só é fato que Murray tem no conjunto menos do que os outros três, isso é inquestionável.

      Responder
    2. Leo Gavio

      Atualmente eu colocaria o seguinte.

      Saque: ( se incluir os dois saques Djokovic é o melhor ATUALMENTE)
      Djoko – 9
      Federer – 8,5
      Nadal e Murray – 7

      Jogo de rede:
      Federer – 9,5
      Murray – 8
      Djoko – 7,5
      Nadal – 7

      Forehand:
      Federer – 9,5
      Nadal – 9,0
      Djoko – 8,5
      Murray – 7

      Backhand
      Djoko – 9,5
      Murray – 8,5
      Federer – 8
      Nadal – 7,5

      Devoluções de saque:
      Djoko – 9,5
      Murray – 8,5
      Nadal – 8,0
      Federer – 7,5

      Fisico:
      Djoko – 9,5
      Murray -9
      Nadal/Federer – 8,5

      Força mental:
      Nadal – 9,5
      Djoko – 9
      Federer – 7
      Murray – 5

      Responder
    1. jeremias

      Foi um apena mesmo, logo em Dubai, onde ele iria “passar por cima” de Djokovic e finalmente faturar o seu esperadíssimo 18 Slam!!! O Slam de Dubai!!!!!!!!hehehehehe

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Vitória sobre o Djokovic em qualquer lugar do planeta, é vitória e pronto. Vale muito!

        Querer negar isto é o mesmo que desmerecer a importância do Australian Open entre os Majors…

        Responder
  60. Alan Guimarães

    Dalcim

    Murray tem muito que melhorar se realmente quer ser numero 1 do mundo e os pincipais pontos são:

    2º saque – entre os tops deve ser o pior…… comparado a Sara Errani no Feminino
    Forehand – Precisa trabalhar este golpe porque não machuca niguém
    Backhand – excelente golpe mas pouco agressivo com seu, na minha opinião, seu melhor golpe!
    Jogo de Rede – Falam do Djoko mas ele pelo menos reconhece suas fraquezas e tenta trabalhar isto agora o Murray tem problemas sérios na rede e não evolui.

    Responder
  61. Renato Vieira

    Não conheço esse cidadão que o Murray pretende contratar, mas acredito que ele saiba o mínimo possível sobre o que está fazendo. De fato a Mauresmo deve passar mais tempo fora do que com ele e isso deve ser um problema pra alguém que parece ser tão carente quando Andy.
    Quem leu o livro dele, 77, percebe o quanto ele parece leal a seus amigos e respeitoso com outros jogadores. Além de que ele demonstra claramente ter um amor enorme pelo esporte e uma vontade de melhorar. Mas só isso não está ajudando ainda.
    Precisamos lembrar que quando ele contratou Lendl, muita gente achou que era uma bobagem.

    Não sei se esse cara bem para aprimorar um lado mais específico do Murray, mas acho que ele estar em boa forma ainda e ter sido parceiro parece ser um bom remédio para frustrações no meio de torneios.

    Como já falaram aqui, o Forehand esteve muito abaixo do que precisa pra vencer uma final de Slam. Em Wimbledon ele teria parado no Raonic.
    Em compensação, o Backhand estava andando muito. E de novo, ainda volto a afirmar que ele treinou mais bola angulada para enfrentar o Djoko.
    Dalcim, eu concordo que ele já vem usando saque angulado faz tempo, mas ele usou muito, mas muito mais na final. Dos dois lados. Mexeu muito mais a bola, fazendo Djoko correr (não sei se isso foi bom) e não apenas ficar trocando bola na cruzada. Bateu o BH com velocidade de cima pra baixo quando Nole não esperava. Esses foram seus pontos fortes no jogo.
    O problema é jogar contra as pernas do Djokovic. Você faz ele correr e ele chega inteirinho na bola. Se Murray tivesse aproveitado isso pra ir pra rede, teria se dado um pouco melhor. Talvez fique de lição pros próximos jogos.

    Na prática, o único jogador que fez um pouco de frente ao Djoko nos últimos dois anos foi Federer. E embora não seja possível copiar seu talento extraterrestre, é possível tentar enxergar o que ele mudou pra fazer isso. Federer perdeu para o Djoko nas pernas e nas passadas de rede. Seu saque, que é infernal para 95 de cada 100 jogadores do circuito, não é sempre um problema para Novak, que pode devolver com eficiência mesmo quando Roger vai para o saque-voleio. Mas ainda assim o percentual de pontos ganhos de Roger nessa situação é muito grande. Como Andy tem muita perna pra aguentar jogos longos, poderia acrescentar isso.
    Aliás, na minha opinião, o tennis está, de novo, caminhando para ter um pouco mais de saque-voleio. Raonic já está dando mostras disso. Roger, de novo, acabou mostrando um caminho para o tênis.

    Murray tem espaço pra melhorar sim, mas não sei se tem muito tempo pra isso.

    Responder
  62. Luiz Fernando

    Lamentável essa contusão de Federer, mas esse tipo de situação pode ocorrer c qualquer atleta. Infelizmente aqui no blog há alguns imbecis q torcem e vibram c as contusões de atletas adversários dos seus preferidos, algo inimaginável num mundo civilizado. Creio em pelo menos 3 meses de ausência das atividades esportivas, talvez mais, acho q só voltará em meados da temporada de saibro europeu, embora tudo dependa da dimensão do problema e do q exatamente foi feito. Q ele se restabeleça logo.

    Responder
    1. Valmir

      Olha, eu e muitos torcedores do Djoko ficamos é muito tristes com essa contusão do Federer, Sicero.

      Queríamos muitos mais encontros entre os dois… para ampliar a freguesia e deixar o Nadal enciumado…rsrsrs
      Com o calendário enxuto e essa artroscopia,,, serão poucos encontros em 2016.

      Agora que o h2h virou…. e uma sequência de vitórias de alto quilate…. queríamos mais era encontrar o…. ghost… muito mais vezes.

      Para piorar, nas próximas derrotas vocês ainda vão acrescentar mais um item para as justificativas….

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Concordo LF.

      Realmente uma pena. E foi um menisco no joelho, o que pode vir a ser algo sério, pois no passado este tipo de problema já acabou com a carreira de grandes astros do futebol.

      Ele afirma que a operação, segundo o médico foi um sucesso, mas o Guga dizia o mesmo sobre o quadril dele e vimos muito bem o que aconteceu…

      Se o circuito já tá este marasmo com o Federer jogando e ganhando apenas de vez nos torneios menos importantes do Djokovic, imagine sem ter qualquer ameaça potencial ao sérvio.

      Responder
    3. Chetnik

      Perfeito. Comemorar lesão é coisa de gente baixa e sem caráter. A gente já viu isso muito aqui vindo de um determinado seguimento.

      Ainda bem que os torcedores dos monstros Djoko e Nadal acompanham os seus ídolos e são de outro nível.

      Responder
  63. Marcão

    Torço para estar enganado, mas Jamie Delgado me parece apenas mais um parceiro de treino que pouco irá acrescentar ao jogo de Murray. Como todo menino, o escocês precisa de bronca, de castigo, de orientação verdadeira, e não dessa pajelança técnica de que tem se servido ultimamente. Se Murray realmente está a fim de voltar a vencer Majors, deve, imediatamente após o batizado do herdeiro, com as bênçãos da mamãe e da patroa, voar até uma cidadezinha esquecida nas cercanias de Nova Iorque e convencer um velho aposentado a jogar as pantufas pela janela, encostar os tacos de golfe na despensa e voltar a viver uma vida de verdade. Ou, se fracassar o reatamento da gloriosa parceira, fingir-se de morto por cinco ou seis anos e ressuscitar feito Lázaro quando o Fab-4 virar youtube.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O que me parece positivo é que Delgado é adepto do jogo agressivo, de rede. Jogava assim e fez um bom trabalho com o Muller. E lembro que Murray só ganhou Wimbledon porque foi agressivo, incluindo com o forehand, com muito menos spin. Então pode ser ao menos a indicação de um caminho.

      Responder
  64. Valmir

    Murray deveria chamar o Lendl de volta.
    Um jogador instável precisa de um porto seguro para se apoiar.
    É só ver o quanto Lendl fez por ele para ganhar os dois Slms… e o quanto Becker vem fazendo pelo Djoko.

    Interessante o Agassi ainda não ter sido técnico de alguém.
    Ganhou todos os Slams… olimpíada… excelente devolvedor….
    Pode ser que o convívio com ele não seja fácil.

    Responder
  65. Implicante

    O Murray é isso daí e não vai mudar. Mesmo o Murray de Lendl não era tão diferente desse que está aí.
    Um grande erro do Murray foi trazer a Mauresmo. Ela não acrescenta em nada e agora ele não pode a demitir sob acusações injustas de machismo.

    Responder
    1. Gabi

      Vou no embalo do comentário do Santos no post anterior para te perguntar o seguinte: por esse teu raciocínio, então as tenistas também ficam com seus técnicOs por medo de demiti-los?? A questão aqui não é de gênero.

      Responder
      1. jeremias

        Não sei se o Murray teme ser chamado de “machista” ou se isso vem ao caso. Não creio. Mas a tua pergunta pressupõe uma “igualdade” inexistente, ainda mais em tempos de histeria “revisionista” e politicamente correta. Por que coloco ‘igualdade” entre aspas? Porque uma mulher não é submetida, nem de perto, à mesma atmosfera de acusações veladas caso ela exerça o seu “poder de direito” sobre algum homem. No caso, o poder de direito da tenista seria o de demitir o seu treinador, algo perfeitamente normal. Entretanto, ninguém nem sequer insinuaria algum rótulo “anti-mulher” para ela caso fizesse isso, como, de cara, num exemplo de poder de direito exercido por um homem, seriam facilmente sugeridas palavras de ordem “anti-homem”, tais como “machista”. As hostes do feminismo fanático se fazem bem mais presentes numa situação contrária. Isso é um fato moderno incontestável.

        Responder
      2. Implicante

        O tenis masculino é outro universo. É muito mais tático, fisico e menos emocional. Já o tenis feminino é totalmente emocional, com exceção à Serena.
        Mas não culpei o fraco desempenho do Murray pela Mauresmo por ser mulher. Acredito que tanto uma mulher, quanto um tecnico homem com pouca bagagem no tenis pode dar certo.
        A culpei mesmo pelo desempenho do Murray que não mudou em nada. Valeu a tentativa, mas agora fica difícil a ele demitir ela, por conta de mimimi feminista. O jeito é ele fazer como vem fazendo: ela e mais outro.

        Responder
        1. Gabi

          Implicante, eu entendi que teu ponto é questionar o mal desempenho do Murray com a Amelie – como vc disse, foi uma tentativa. Em razão disso, pode não ser bobagem vc acreditar que ele não a demite em razão de rótulos que possa receber. Mas, mais bobagem ainda seria eu não questionar se isso é fato ou mera especulação. Pois, Jeremias, verdade, ainda damos de cara em 2016 com questões de igualdade de gênero (na sociedade em geral e, nas empresas, salários e cargos em particular, etc.). Só que, cá entre nós, tem de ser muito macho, no sentido de gênero também, para contratar uma mulher e, talvez mais ainda, para demiti-la.

          Responder
          1. Santos

            O Murray sempre foi um empurrador de bolinha, desde sempre, mas agora a culpa é da Mauresmo! Beleza. Melhor foi o negócio do Tênis masculino ser mais tático, físico… e uma monte de outras groselhas machistas. É isso aí, macho é tudo!SQN.

          2. Implicante

            Gabi, essa parte de desigualdade salarial é uma das grandes falácias do movimento feminista.
            Não há diferença de salário entre homem e mulher que produzam e tenham a mesma carga horária. Você já trabalhou em algum lugar assim? Eu não.. e nem conheça quem esteve nessa situação.
            O que acontece é que homens e mulheres são seres diferentes. Gostam de coisas diferentes e isso reflete no mercado de trabalho. As mulheres tendem a escolher profissões que pagam menos , mas que garantem maior satisfação e qualidade de vida. Já o homens acaba escolhendo profissões que pagam mais e tem menos qualidade de vida.
            A única diferença salarial que existe é essa: profissões diferentes que agradam a cada um dos lados.

        2. Luiz Fabriciano

          Então o Murray teria que continuar em livre decadência, esperando que a Mauresmo pedisse para sair?
          Isso é uma relação profissional, e como tal, uma parte insatisfeita tem o direito de pedir que a outra se retire, no caso o Murray que é o contratante.

          Responder
  66. Denis Matos

    Acabei de ver no facebook de Roger Federer que ele fez uma artroscopia no joelho vim até a Tenis Brasil pra saber mais detalhes mas não havia noticia nenhuma. O pessoal de noticias estão devagar.

    Responder
  67. Tomaz Teixeira

    Quando Murray finalmente venceu um GS, ao bater Nole no Us Open, todos pensaram: agora vai. Quando ele venceu Wimbledon, então, batendo novamente o sérvio, nem se fale. Afinal, ele carregava um peso enorme do interminável jejum de britânicos. Murray até brincou, dizendo que o casamento tinha feito muito bem para o tênis dele. Mas o fato é que ele deu uma nova emperrada. Bom, quem sabe agora, com o nascimento do filho, ele não deslancha de novo? Mas, falando sério: mesmo descontando o fato de ele estar ansioso com a gravidez da Kim na reta final e ela sozinha (quando minha mulher estava grávida da minha filha eu não sossegava enquanto ela não chegava em casa) e também o ataque cardíaco do sogro, para mim o Murray sofre de uma séria instabilidade emocional, incompatível com sua posição no ranking. Tecnicamente, não tem o que falar. Para mim, ele é o rei dos contra-ataques. E eu não sou do ramo, mas acredito que o forehand dele vai melhorar muito mais no divã do que nas quadras. Agora, uma dúvida: uma vez o Meligeni disse que a imprensa brasileira era f… Quando ele ganhava, era brasileiro; quando perdia, era argentino radicado no Brasil. Será que a imprensa inglesa faz isso com o Murray? Quando ganha é britânico e quando perde é escocês?

    Responder
  68. Julio Sc

    Murray é um jogador quase completo. Um segundo saque melhor e um mental melhor ele seria muito mais “encardido” em se jogar do que atualmente, isso que ele já tem um baita rol de títulos que causam inveja em 99,99% dos tenistas.

    Responder
  69. Rodrigues

    Dalcim

    Sempre que aparecia um jogador dominante no circuito, surgia um novato para desafiá-lo e com o tempo tomar o seu lugar. Nadal é o exemplo clássico que desbancou o reinado de Federer. Djokovick desbancou Nadal e vem galopante para superar todas as conquistas dos dois antecessores.
    Não vejo a mínima possibilidade de Murray, Wawrinka ou mesmo Raonic superarem o Sérvio e sinceramente não acredito na recuperação de Nadal.
    Quanto aos novos, falta a todos eles a característica que transformou Djoko no que ele é atualmente…a força de vontade, o famoso “Eye of Tiger”.
    Desde quando apareceu no circuito, Djoko tinha o objetivo de desbancar os dois grandes, Federer e Nadal. E trabalhou intensamente para isso. Enquanto isso, os novos parecem que estão lá só para curtir…
    Se as coisas continuarem assim, Djoko vai continuar dominante e superar todos os recordes atuais.
    Incrível que , apesar de tudo, o único que ainda consegue fazer frente é o “velhinho” Federer que, quando está bem, ganha de qualquer um. Só que o Djoko ganha de qualquer um mesmo quando está jogando mal e comete o absurdo de 100 erros não forçados…
    Vida longa ao novo Rei…

    Responder
    1. Rafael

      Como já comentei, lá no passado, quando Djoko era 4 ou 5 do mundo, aconteceu de eu observar a descrição de uma comunidade sobre Djoko no Orkut, e uma declaração era atribuída a ele: “I’m coming to get you, Roger!”.

      Pode soar como arrogância, ele era bem moleque, não importa. Mesmo que tenha sido, é aquilo que vc falou no seu post. Fosse Roger, Nadal ou qualquer outro que estivesse no topo. Ele queria ser o No. 1. Conseguiu, como poderia não ter conseguido, mas aparentemente tem uma dedicação inspiradora, que serve não só para o tênis.

      Responder
  70. Luiz Fernando

    Toda tentativa é valida, em especial para quem sempre resultados aquem do seu potencial, como é o caso em questão. O britanico sem duvida precisa melhorar, e muito, o seu FH, que por mais incrível q possa parecer é bem inferior ao BH. Sem duvida uma das vantagens do servio Djoko é a equivalencia dos dois golpes, algo que Rafa e Federer jamais apresentaram. Vamos ver no que dará, embora eu particularmente não creia em grande melhora.

    Responder
  71. Sergio Ribeiro

    Agregar e’ o que o Britânico mais precisa no momento. Os dos resultados imediatos se atrevem a nao reconhecer seu imenso talento. Suas escolhas e’ que parecem equivocadas. Sua postura mudou da água pro vinho pós Lendl. Voltou a mesma de 4, 5 anos atras. Mauresmo parece nao ter condições de fazê-lo acreditar. Um vencedor como Becker( estratégia , Serviço, jogo de rede) com o Servio, Edberg ( jogo de rede e devoluções) com o teimoso do Suíço, Moya ( ex-N 1e Capitão da Armada) em pouco tempo com Raonic , demonstraram capacidade de mexer com seus pupilos. Connors , apesar do temperamento, seria para mim o mais indicado. Nem que fosse apenas o tempo necessário para devolver a postura e a agressividade perdidas. Abs!

    Responder
  72. Arthur

    Não sei se é realmente uma boa notícia, Dalcim. Tomara que sim.
    Muito do domínio atual do Djokovic sobre o circuito deriva da inabilidade e/ou incompetência do Murray de evoluir para fazer frente ao sérvio. O tênis vive de grandes rivalidades, como Borg/McEnroe, McEnroe/Connors, Becker/Edberg, Sampras/Agassi e, mais recentemente, Federer/Nadal. Hoje, o sérvio domina sem rivais. Seria muito bom para o esporte que Murray conseguisse igualar os confrontos com Djokovic e tentar produzir uma rivalidade de verdade.
    Quem sabe, daqui a alguns anos, estaremos falando nos duelos Djokovic/Murray.

    Um abraço.

    Responder
    1. Renato Vieira

      Cara, eu até torceria bastante pelo que você fala, se os jogos entre eles não se tornassem tão enfadonhos algumas vezes.

      O problema de Murray agora é que o tempo não é seu amigo. Ele não tem 24 anos pra ficar fazendo apostas. Tem que trabalhar nos pontos fracos incessantemente pra melhorar.

      Responder
      1. Arthur

        De fato, Renato.
        Mas considere o seguinte: pra poder vencer o Djoko, Murray vai ter que mudar o estilo de jogo. Isso implica ser mais agressivo e chegar mais à rede. Por isso, acho que o confronto tenderia a ficar mais interessante se o escocês conseguir essa façanha.

        Um abraço.

        Responder
    2. Bruno

      Perfeito o comentário,resume tudo o que há no tênis atualmente.um grande jogador sem adversários.nada mais do que isso ou seja fedal >>>>>>>>>>>>djoko.

      Responder
  73. Leonardo Carvalho

    Murray para mim é inquestionavelmente um grande jogador, dos mais habilidosos do circuito e o melhor dos tenistas fora o trio, mas penso que cada vez mais cabe o questionamento quanto à sua condição de membro do chamado “Big4”. A distância em termos de conquistas quando comparadas aos demais rivais só aumenta. Além disso, e talvez principalmente esse motivo, a falta de empenho para evoluir em alguns elementos do jogo – como o pífio forehand – é evidente ao logo desses mais de dez anos de carreira. Se considerarmos os números abaixo fica bem evidente a distância dos rivais.

    Liderança Slams Finals Masters 1000 Olimpíadas
    Djokovic 184 11 5 26 0
    Federer 302 17 6 24 0
    Murray 0 2 0 10 1
    Nadal 141 14 0 27 1

    Vale ponderar que a quantidade de olimpíadas disputadas pelos tenistas é bem pouca, já que o torneio só acontece a cada quatro anos. Outro aspecto interessante na comparação é o h2h. Murray é o único que tem o retrospecto desfavorável contra todos os demais.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não conheço a fundo o Delgado para ter uma opinião formada. Mas o fato de ele procurar alternativas me agrada muito. Agregar. Gostei.

      Responder
  74. Jonatã

    Murray poderia ser um All Court Player, fácil, fácil….ao invés disso, prefere correr que nem um avestruz atrás das bolas dos adversários…Andy tem um baita primeiro saque,(segundo saque conservador , é verdade) nos tempos do Lendl seu forehand andava bem mais, hoje parece que ele se resume a “escovar” a bola….bons slices, bom jogo de rede…espero que essa mudança, o faça refletir a jogar da maneira correta….o talento está lá…só precisa ser melhor aproveitado.

    Responder
  75. Marcio

    Semi do aberto da Austrália, quarto maior torneio de tênis.
    1 bom jogador em atividade.
    1 fenômeno já velho (e ultrapassado por apenas dois jogadores atuais).
    1 jogador que ficava com a mala na porta pra ir embora. (boa!).
    1 jogador que há 20 dias faz algo mais que só sacar forte.
    Ótimo momento vive o tênis.

    Responder
  76. Rafael Wuthrich

    Dos 4 grandes nomes do circuito, Murray me parece o que tem mais espaço para crescer. Nadal não sabe o que quer, e pior, que caminho tomar, entre agredir o problemático físico, preservar o corpo jogando de maneira oposta à que fez toda a carreira ou nenhum dos dois – as declarações de Moyá assustam os fãs do espanhol, que parece completamente perdido. Federer me parece bem sólido, ainda que falte algo a mais para vencer Djokovic. Ele parece bem à vontade em ter voltado para o fundo de quadra nesse início de 2016, mas 2015 mostrou que ele pode sim jogar na rede nos pisos mais velozes. Falta uma consistência contra o maior oponente, que está em estado de graça. Djoko sabe que tudo conspira a seu favor, mas os fantasmas de Roland Garros podem assombrá-lo novamente – já vimos esse filme antes. Murray, por sua vez, ainda não retomou a sua melhor fase – que teve com Lendl. Seu 2° serviço está terrível, e ele ainda trabalha com um jogo por vezes defensivo. O novo técnico tem de trazê-lo novamente para a frente da linha de base e com um jogo agressivo, inclusive usando a rede. A ver.

    Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Acabo de saber que Federer se submeteu a uma atroscopia. Vamos ver se isso afeta, mas acho que os seus objetivos estão em risco. Tudo dando certo para o sérvio, ainda que ele não precise disso.

      Responder
  77. Alessandro Siqueira

    Dalcim, sempre que leio seus textos — e olha que os leio sempre — me vem à cabeça apontar que sua escrita é irrepreensível. Dizer que você entende muito de tênis é chover no molhado. Por isso quero dizer que entre os blogueiros mais conhecidos, sem qualquer sombra de dúvidas, sua correição gramatical é digna de GOLDEN-FINALS-SLAM. Não há nada que se assemelhe. Tem muita gente boa, do ponto de vista técnico-tenístico, que vive a “cometer duplas faltas gramaticais”. Sim, não sabe a diferença de advérbio e adjetivo (vide ‘mal’ e ‘mau’), não delimita vocativo com a vírgula, ignora a existência do aposto, confunde o há do haver com o artigo etc, etc, etc. Então, sem mais delongas, parabéns.

    Responder
    1. Pieter

      Também faço minhas as suas palavras, Alessandro! Além de escrever muito bem, de forma absolutamente correta, gramaticalmente falando, o estilo do Dalcim é elegante e agradável, ou seja, um convite à leitura prazeirosa, algo cada vez mais raro em um país de analfabetos funcionais ou de pessoas sequer capazes de formular um raciocínio lógico, com começo , meio e fim, à exemplo de nossa governanta…

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *