‘Melhores do Ano’ surpreende
Por José Nilton Dalcim
15 de dezembro de 2015 às 19:43

Sempre me divirto muito com a pesquisa ‘Melhores do Ano’, que criei há 15 anos. TenisBrasil abre a votação para internautas e faz uma apuração à parte com um grupo de especialistas, que mescla treinadores, jornalistas e empresários do ramo, todos intimamente ligados ao dia a dia do tênis internacional. Há divergências curiosas, o que mostra a diferença da visão do fã e espectador dos que enxergam o esporte um pouco mais dos bastidores.

A primeira grande surpresa desta votação veio logo na pergunta geralmente mais importante: o fato do ano. Parecia barbada que fosse votada a conquista dos três Grand Slam por parte de Novak Djokovic, mas nem mesmo entre os internautas foi assim. O sérvio venceu, com 40,2% dos votos. Na pesquisa entre os convidados, deu o título inesperado de Flavia Pennetta no US Open. com 34,2%. Não menos curioso: a façanha da Grã-Bretanha na Copa Davis ficou em segundo lugar nas duas listas.

Um item que me chamou a atenção foi o “maior feito de Djokovic” em 2015. Nas duas apurações, venceu “disputar 15 finais consecutivas”, com 38% dos internautas e 47% dos especialistas. Bem distante, ficou “ganhar três Slam e ser vice em outro”, o que para mim era de longe a resposta mais óbvia. Vivendo e aprendendo.

Aguardei muito para saber qual teria sido “o jogo mais marcante do ano”, até porque propositadamente evitei o termo “melhor partida”. Então deu a notável final de Roland Garros, com margem folgada para aquele que eu considerei o efetivamente melhor do ano, o duelo entre Fognini e Nadal no US Open.

A derrota de Serena Williams para Roberta Vinci ficou bem marcada em todos. Venceu como jogo marcante do ano por margem enorme (60% e 71%) e também fato surpreendente da temporada e jogo de maior ‘zebra’. Achei que a conquista de Stan Wawrinka em Paris fosse prevalecer pelo menos entre os internautas, mas levou uma lavada de 34% a 21%.

Outra unamidade foi a bola fora de Nick Kyrgios, flagrada em Cincinnati, que foi eleito maior burburinho com incríveis 66% dos internautas e 84% dos especialistas, assim como as vaias que o australiano recebeu nos jogos seguintes virou o “fiasco”. Votações expressivas receberam Garbine Muguruza para quem mais evoluiu na temporada e Alexander Zverev, de longe a revelação.

Na série de previsões, a maioria acha que Djokovic ganhará Roland Garros e Nadal voltará a lutar pelos grandes títulos em 2016, mas o número 1 continuará com o sérvio ( votos acima dos 80% nas duas listas). O item “Federer, Murray e Nadal irão ameaçar mais Djokovic” levou apenas 9,6% dos votos do público e 2,6% do painel selecionado. Que descrédito!

Vale ainda ressaltar a diferença de expectativa sobre quem pode ser um top 10 inédito em 2016. Os internautas foram de David Goffin, com Borna Coric e Dominic Thiem vindo atrás. Já os especialistas optaram por Coric bem à frente de Kyrgios e Thiem. Quem tem maior chance de ganhar seu primeiro Slam é disparado Garbine Muguruza. Ínfimas votações foram para David Ferrer e Tomas Berdych.

A ala dedicada ao tênis brasileiro teve é claro poucas divergências. O número 1 de Marcelo Melo e a derrota de Feijão na Copa Davis foram os mais votados com enorme margem, assim como Orlando Luz como melhor aposta da nova geração. Sobre quem poderá chegar enfim ao top 100, Bia Haddad tem quase metade dos votos, mas Guilheme Clezar foi muito lembrado entre o público e André Ghem, pelo painel especial.

Por fim, perguntamos o que você faria se tivesse US$ 5 milhões para investir no tênis brasileiro. O público elegeu “construir 250 quadras públicas”, com 41%, mas os especialistas preferiram jogar “na formação de base do tênis brasileiro”, com 48,6%. Respostas perfeitas. Eu jogaria metade da grana em cada lugar. E isso não é tanto dinheiro assim. Nem para o homem mais rico do Brasil, aliás um ótimo ex-jogador de Copa Davis, nem se comparado ao triste inventário nosso de cada dia da ‘Lava Jato’.

Quem quiser ver os resultados completo dos ‘Melhores do Ano’, clique aqui


Comentários
  1. Mario Cesar Rodrigues

    Quando disse que até RG para todos observarem em que Ranking Rafa vai estar…foi já sabendo que Roger faria isto…e Andy Murray está em dúvida se viaja para o Australian open…então as pessoas precisam mais prestar atenção não só os jogos mas o que se falam e comentam do circuito…

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      É sério mesmo que você comemora isso? SERENA é muito mais jogadora que SHARAPOVA, mas ganha uma fração da russa em termos de contratos de publicidade. Isso que dizer que o marketing quer alguém vencedor, claro, mas que, sobretudo, corresponda ao padrão hegemônico-ideal, que desperte o desejo dos meros mortais.

      Responder
  2. Renato

    Dalcim apesar de não ser sobre tênis acho relevante falar disso. Eu como brasileiro gosto de ver quando um brasileiro conquista algo importante em outro esporte e ainda assim num esporte que não tem a mesma importância no futebol no Brasil, o que acontece com próprio tênis tb . O que achou de mais esse título mundial conquistado pelo Brasil no surf em 2015 pelo mineirinho? ( Medina -2014 e mineirinho -2015 os primeiros brasileiros campeões mundiais de surf)

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Espetacular, claro. A história do Mineirinho é emocionante, cheia de dificuldades e superações. Como eu costumo dizer, atleta brasileiro não é apenas campeão, é acima de tudo herói.

      Responder
  3. Anti anti-jogo

    Epa!

    O tenista grego Alexandros Jakupovic foi banido de forma vitalícia do esporte por quebrar regras sobre manipulaçao de resultados.

    O cidadão tem 34 anos e tinha no currículo 3 títulos Future em Simples e 32 títulos Futures em duplas.

    Que coisa…

    Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Acho que tem muito a ver com a decisão de priorizar Wimbledon-US Open, e obviamente as Olimpíadas. Como ele terá 35 anos, acho que foi uma decisão para preservar seu corpo. E obviamente otimizar as chances nos torneios que ele tem mais chances de vencer. Mas eu ainda iria para Roma, pulando Madrid e Monte Carlo.

        Responder
  4. Valmir

    Dalcim,

    Os 3 requisitos (idade, número de jogos, anos de carrreira) para um jogador pular Masters 1000 e não ser punido pela ATP são simultâneos ??

    A minha pergunta tem a ver com a notícia do TenisBrasil falando do Federer pular 4 Masters em 2016 e não ser punido pela ATP … dá a entender que tem atender aos 3 requisitos simultâneos… se bastar apenas um item… o texto está bem confuso.

    Sem risco de punição – Embora os Masters 1000 sejam torneios de cunho obrigatório no circuito (exceto Monte Carlo), Federer atende a três requisitos que o isentam desta responsabilidade e evitam que ele sofra alguma punição por parte da ATP. É necessário que um tenista tenha mais de 600 jogos disputados, 12 anos de serviço e 31 anos de idade. Federer completou 34 anos em agosto, já disputa competições profissionais há 17 anos e já disputou 1.297 partidas.

    Djoko não jogou Madri 2015 e não foi punido… embora tenha menos dos 31 anos exigidos… mas atendendo ao item mais de 600 jogos.

    http://tenisbrasil.uol.com.br/noticias/38775/Federer-divulga-calendario-sem-quatro-Masters/

    Responder
      1. Maurício

        Pelo que sei do livro de regras da ATP, o jogador, como o Federer, que cumpre os 3 requisitos não precisa disputar nenhum Masters obrigatoriamente. Quem satisfaz 1 regra pode deixar de disputar 1 Master (como o Djokovic, que já tinha 600 partidas em 2015). Quem satisfaz 2 requisitos pode deixar de disputar 2 Masters dos 8 obrigatórios (Monte Carlo não é obrigatório para ninguém).
        Então em 2016 Djokovic já terá 12 anos no circuito e mais de 600 partidas, logo poderá deixar de disputar 2 Masters sem qualquer punição. Acho inclusive que ele vai querer pular o Canadá, para chegar mais descansado nos Jogos Olímpicos.

        Responder
    1. André Pires

      Cada marca que um tenista atinge, 31 anos de idade , 12 anos de serviço e 600 jogos (no caso do Djokovic) lhe dá isenção de UM Master obrigatório. Se ele possuir as três marcas então ele tem uma isenção total, como é o caso do Federer.

      Responder
  5. Rodrigo S. Cruz

    Ah não, sou fã do Federer, mas tem hora que me dá MUITA RAIVA dele também!

    Ele acaba de divulgar o calendário de 2016, e simplesmente vai ficar de fora de 4 torneios da série Master, incluindo Miami (o mais importante) e todos os Masters disputados no saibro.

    Mas disputar olimpíadas que não soma pontos e fazer número nesta PORCARIA de IPTL , ainda por cima perdendo de todo mundo, ele é bom…

    Brincadeira, cara.

    Responder
    1. Sergio Riibeiro

      Permita-me discordar parceiro. Deixando Borg( largou aos 26) e Sampras ( aos 31) , todos admiramos a longevidade de Rod Laver, Jimmy Connors e Ivan Lendl. O que essas Feras arrumaram nos Torneios pós 34 em SLAM e Torneios importantes ? Rigorosamente nada. Somente a presença . Além de Todos despencarem no Ranking ( Federer ja’ jogou suas ultimas fichas neste quesito), nao esta’ prioriizando as Olimpíadas nao, a meu ver. E sim presenças marcantes em SLAM e alguns MASTERS escolhidos a dedo. Corpo sao e mente idem, demonstra a maturidade que pode o fazer colher frutos ainda. A conferir.Abs!

      Responder
  6. Arthur

    Dalcim,

    Acho que faltou colocar no ranking de “Melhores do Ano” o “Jogo mais engraçado da temporada”.
    Nesse caso, acho que Dustin Brown vs Nadal em WImbledon ganha disparado de qualquer outro.
    Aquela seqüência inicial de 4 pontos seguidos do Brown no começo do jogo é simplesmente sensacional. Na narração em inglês, o McEnroe nem comenta nada; só ri (rs).

    Um abraço.

    Responder
  7. Enoque

    E ai Ronildo,

    Agora que o Federer anunciou seu calendário, vc já fez as contas para ver quando ele vai assumir a liderança do ranking?
    Afinal, como vc diz, o Djoko vai ter que defender um caminhão de pontos, como se isto fosse um fator negativo.
    Eu arriscaria a dizer que o Federer vai chegar em Wimbledon em 4 ou 5 do ranking, e vc?

    Responder
  8. Nando

    Dalcim, o que vc achou do calendário de Federer pra 2016? Ele excluiu (por ora ) os 4 masters 1000 de pisos lentos, mas acrescentou Roterdã e Stuttgart…. Essa lacuna entre Indiano Wells e RG não é perigosa pra ele? Pois será um intervalo de 2 meses entre esses 2 torneios citados, e vai disputar RG sem nenhum preparatório? Vc tbm encara esses cortes de torneios como forma de se poupar pra continuar por mais tempo no circuito?

    Responder
  9. Luis

    Dalcim esse dominio do Djokovic 2015 e’ ruim pro tenis?Federer também teve anos assim mas depois dividiu com Nadal os títulos,ainda que não seja invencível o Djokovic atualmente

    Responder
  10. Marquinhos

    A maior prova que Roger está longe do físico de anos atrás são seus péssimos resultados no saibro nos últimos anos, principalmente em RG, onde ele sempre chegava as semis, mas na maioria das vezes as finais, agora male má chega até as quartas. Bom, com seu novo calendário ele realmente abriu mão dos masters 1000 no barro e deverá apenas cumprir tabela em RG. Vai centrar suas forças nos slam que tem chances, Wimbledon e U.S Open. Com os robos, maratenistas e usuários de substâncias duvidosas no circuito fica difícil o GÊNIO TER CHANCES EM TORNEIOS QUE EXIGEM TANTO DO FÍSICO.

    Responder
  11. Tomaz Teixeira

    Dalcim, fico feliz que seu blog continuará ativo nesse período de festas (e férias para muitos), porque eu também continuarei frequentando sua “casa virtual”. Apesar das férias do circuito, penso que essa pré-temporada será quente, não? Com a nova parceria Federer-Ljubicic, perspectivas sobre mudanças no staff do Nadal. Mauresmo volta ou não volta? E já está confirmada a informação de que a ATP retirará os pontos para o torneio olímpico? Grande abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Mauresmo já voltou, Tomaz. E deixou Murray feliz com isso. Nem ATP, nem ITF se manifestaram oficialmente sobre isso. Mas me parece interessante notar que no livro das regras de 2016, a nova tabela de pontos para o ranking da ATP não incluiu o torneio olímpico. Abs!

      Responder
  12. Sergio Ribeiro

    Meu Caro Dalcim, as 15 contam o Finals de 2014 ? Esse ano nao foram 14 Finais consecutivas e 11 Titulos ? Como Federer conseguiu por 3 vezes ( 2005, 2006 e 2007) fazer Final dos 4 SLAM e em duas vencer 3 SLAM, o pessoal nao comeu mosca? Apenas o Servio em 2015, conseguiu vencer 6 de 9 MASTERS 1000. Fato inédito.Abs!

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Correção: Federer conseguiu em 2006, 2007 e 2009. E Novak foram 15 Finais consecutivas. Pulei Rolanga 2015. Devia estar Secando o Servio rsrsrs…Abs!

      Responder
  13. Groff

    Caríssimo Dalcim:

    Ainda acho que a Agnieszka Radwanska tem mais chance de faturar um Slam entre os indicados, especialmente após o título do Finals (e principalmente se for Wimbledon, com Serena e Petra se matando do outro lado de uma hipotética bela chave para a polaca). Fiquei, porém impressionado com a “surra” que levei da pesquisa nesse quesito (rsrsrs).

    Agora, o que me deixou realmente intrigado foi a baixa votação, como fato do ano do tênis tupiniquim, para o título de Roland Garros do Marcelão Girafa (no qual efetivamente votei, apesar de ter “pendido” para o número 1 como feito mais importante). Imaginava que a escolha ficaria entre essas duas hipóteses, mas dizer que o feito da Teliana (a quem muito admiro e, por isso, peço que não me crucifiquem) é superior ao de vencer o GS do Saibro? E contra os Bryan? Realmente não sei… No caso do número 1, por mais relevante que seja a conquista, é possível dizer que ela teria por pressuposto necessário a queda dos gêmeos (que efetivamente ocorreu), pois o Bruno já teve a mesma pontuação que consagrou Melo, mas ficou “stuck” no número 3. Enfim, Rolanga me pareceu um feito maior, pois não dependia de outros fatores além do bom (maravilhoso, diga-se) desempenho da dupla.

    Responder
        1. Groff

          Caro Mario Cesar,

          Disso também não tenho dúvida! (rsrsrs) Mas, para mim, com quadras rápidas à la período de 2004 e anterior, a Aga teria chances em vários torneios (que não os de saibro, hehehe).

          Responder
  14. Luis

    Dalcim alguem disse blog que o Nadal ta testando outra raquete como fez Federer,parece que nao e’ muito trocar a raquete mas virou uma coisa que faz diferenca nesse tenis moderno,o que acha ? outras coisas como acessorios para bracos,cabelo,tenis tambem tem sido usado pelos grandes tenistas

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nadal já vem tentando essa troca desde a metade do ano. Recuou porque parece não ter ficado satisfeito. O mesmo aconteceu com o Federer, que ficou um ano todo aperfeiçoando o modelo novo. Acho que tudo é válido. Federer quis aumentar a cabeça da raquete para melhorar o backhand. Rafa está buscando uma forma de ter mais potência. Quanto ao demais acessórios, servem mais para conforto do que para melhoria técnica.

      Responder
  15. Robson

    Sem duvida nenhuma o MAIOR feito do ano de 2015 foram as 15 finais seguidas de Novak Djokovic,SEN-SA-CIO-NAL.
    E a maior zebra,não só do ano,mas de muito,muito tempo pra cá foi Flavia Pennetta vencer o US.Open de 2015,acho que nunca vi zebra tá grande.

    Responder
  16. Luiz Fernando

    Dalcim, tanto o Nadal como o tio citam a melhora do serviço como um objetivo importante p o ano q se inicia. No entanto não vejo nenhum tipo de movimentação p agregar a equipe alguém q auxilie nesse quesito. Será q não há necessidade de outra pessoa na equipe do cara? Se eles sempre mencionam isso sempre, como implementar tal evolução sem auxilio de alguem q colabore p isso? Incoerente não acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A euipe dele tem outras pessoas. Aliás o Carlos Moyá é um conselheiro e aliás szcavz muito bem. Quando vejo Toni fslar do saque, me parece estar msis prrocupado com o segundo serviço.

      Responder
      1. Mario Cesar Rodrigues

        Vejo mais o primeiro porque o segundo é o saque mais efetivo do circuito e já não é de hoje vejo que ele se movimentando melhor melhorará muito!os narradores amadores cansam de falar isto torcendo contra claro mais fulano um erro deste de segundo saque do Nadal não sabem de nada inocentes!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Acho que o segundo saque dele permite devolução agressiva, como aconteceu em derrotas até para o Brown. Já o primeiro ganha muitos pontos, aliás foi um de seus pontos altos nessa reação do segundo semestre.

          Responder
          1. Mario Cesar Rodrigues

            Sim,Dalcim mais convenhanos este ano foi de amargar e o mano Browm na grama se dá muito bem…na grama eu concordo que o primeiro é essencial…mas vamos ver o desenrolar…eu disse movimentação ele não estava se movimentando bem tem melhorado!

  17. Marcelo

    Dalcim, parabéns pelo sucesso em mais uma pesquisa.

    Mudando um pouco de assunto.. eu não sou especialista em tênis, apenas um praticante amador e fã.. mas eu acho loucura o que muitos tenistas estão fazendo na IPTL. Alguns abriram mão de praticamente todas as suas férias e pré-temporadas para ficar disputando esse torneio! O Gasquet acabou de se machucar e deve perder o Australian Open. O Marcelo Melo está muito empolgado com a Liga, treinando, jogando e fazendo amizades com os melhores tenistas do mundo.. mas e as férias e a preparação dele?
    Certamente, eles ganham fábulas de dinheiro para fazer isso..! Mas será que vale a pena?
    O Cilic se machucou jogando a IPTL o ano passado.. o Bruno Soares jogou e teve um ano muito abaixo do esperado. O Federer teve uma temporada medíocre após cancelar suas férias e encurtar sua pré-temporada para jogar o Gillette Tour..!

    Enfim, Dalcim.. o que você acha disso?

    Responder
      1. Mari

        Concordo que pode ser arriscado, mas por outro lado, apenas os duplistas e os muito jovens, como Kyrgios e Bencic, vem jogando a IPTL desde o início. As grandes estrelas fazem apenas alguns jogos.

        Responder
    1. Maurício Luís *

      Marcelo, também penso exatamente igual. Que raio de férias são essas? São todos milionários, não sei pra quê esses muitos dólares a mais.
      Depois vão ter que gastar com médicos, fisioterapeutas, etc, etc.

      Responder
      1. Marcelo

        Verdade, Maurício! Às vezes, essa vontade de ganhar dinheiro demais atrapalha!
        O Federer tá lá, perdendo jogo atrás de jogo na IPTL, enquanto o Djokovic tá treinando em Monte Carlo..! Sou fã número 1 do suíço, mas aí fica difícil né?

        Responder
  18. Guilherme Carvalho

    Na pergunta dos US$ 5 milhões para investir no tênis brasileiro, eu achei as alternativas complicadas, porque todas as demais que não fosse para investir na formação de base do tênis brasileiro, dependiam dessa primeira, pois você não teria atletas brasileiros ou pessoas que saibam jogar tênis para usufruir totalmente do investimento.

    Responder
  19. El loco

    Dalcim, sobre o maior feito de Djokovic. No começo do ano cogitava-se o career slam do sérvio. Houve quase exagero na “certeza” de muitos, mas o fato é que não parecia algo tão inatingível, em vista de seu altíssimo nível e baixa competitividade dos demais. De modo que a perda de RG causou uma decepção tão grande, que o (extraordinário) feito de 3 títulos de GS e um vice não tiveram a dimensão de sua real importância.
    Todavia, o dado de 15 finais seguidas era por muitos olvidado. E quando veio à tona espantou muita gente – inclusive a mim.
    Quero dizer, que pensamos (se me permitem usar o plural majestático) que, em análise fria, ainda vencer 3 GS e um vice é maior que as 15 finais. Mas diante desse quadro de “decepção” e “surpresa”, a opinião torna-se diversa.

    Responder
    1. Groff

      Caro El loco: interessantemente, fiquei entre os poucos que votaram, como maior feito do sérvio, “Ser o primeiro tetracampeão seguido no Finals”. Não porque achasse que os demais fossem triviais, mas especialmente (1.) porque Federer já ganhou três slam e foi vice em um, o que tira o ineditismo do feito, e (2.) o grau de dificuldade dos “Finals”. Caramba, isso me parece bem mais difícil do que os demais “achievements”.

      Responder
      1. El loco

        Cara, mas a verdade verdadeira é que o Finals é muito competitivo no papel e nem tanto nas quadras.
        Lembremos o de 2014: um fiasco. E quem chegou com fome nesse ano? Nadal! Os outros top4 jogaram pro gasto. E os demais trataram de não fazer feio, amenizando as – quase – inevitáveis derrotas.
        E todos sabemos que é em GS onde se separam os galos cinzas das codornas.
        Respeito a sua opinião, mas respeitosmente divirjo.
        abs!

        Responder
        1. Groff

          Caro El loco: entendo seu argumento e concordo em parte com ele, pois em 2014 e 2015 a maioria do pessoal parece que só entrou pensando no jabá. Mas o Finals, fora esses dois anos (em que todo mundo ou está quebrado ou – com poucas exceções – parece entrar derrotado quando sabe que vai ter de enfrentar o Djoko em algum momento), sempre foi muito competitivo. Talvez tenha a ver com a qualidade do Top 10 atual. Diferentemente de muitas pessoas, sempre achei o top 10 da Era de Ouro do Federer mais equilibrado em termos gerais do que o de agora, em que o potencial de estrago reside apenas em três ou quatro jogadores (penso no talento de Nalbandian, de Safin e de Haas, na direita de Gonzales, na aplicação, raça e saque de Roddick e assim vai) e você sabe bem o que esperar de todo o resto. Claro,a força do atual Top 4 (considerando a transição Nadal/Stan na quarta posição) é absurda mas, depois disso, o que resta? Os corpos de quem tem tênis para desbancar esse pessoal, como Tsonga, Delpo e Söderling, não aguentaram os trancos do lento circuito atual. Enfim, meus “2 cents”. Grande abraço.

          Responder
  20. Ricardo

    Na minha opinião os melhores/maiores tenistas da história são por ordem: Federer, Laver, Borg, Sampras, Nadal, Lendl e Djokovic. Dalcim, o que acha?

    Responder
    1. Marquinhos

      Desculpe me intrometer. Eu acho que a grandeza de um tenista se dá também pela sua popularidade e beleza de jogo. Acredito que o lugar mais adequado para Novak é a nona posição com Connors e Agassi a sua frente. O americano era muito popular e foi campeão de wimbledon em uma época de diversidade de pisos, além de ser disparadamente a melhor devolução do circuito.

      Infelizmente Djokovic não tem muita popularidade, torcida e, talvez, entre os grandes campeões, seja o que tenha demostrado menos variação de jogo, além de seu jogo feio.

      Responder
      1. jeremias

        Pra variar, você patinou novamente. Mesmo recorrendo a esse critério esdrúxulo e a essa ética tosca da “popularidade” para medir o que os caras fazem ou fizeram em campo, tua lista padeceria de firmeza. Connors era simplesmente ODIADO, até mesmo dentro do seu próprio país, enquanto Lendl foi, este sim, o grande campeão menos “carismático” dentre todos. Isso marcou a carreira dele de modo bem mais significativo do que ocorre com Djoko, o qual tem de conviver com a atuação de dois baluartes do hype, principalmente Federer. Além do mais, amiguinho, Novack tem 2 Slams a mais, repito, 2 Grand Slams a mais. Ele já é, independente do teu esperneio, ou do de quem não o atura, o sexto maior jogador do esporte, e está na iminência de adentrar a casa dos 5. Parte dos teus argumentos resume bem a miséria cognitiva e moral que estamos assistindo hoje no debate midiático no Brasil, especificamente por parte dos defensores deste singular grupo de víboras usurpadoras que assumiu o poder, e que tem o desplante de se colocar em público como se seus membros fossem representantes dos Cavaleiros do Apocalipse, estigmatizando de “Mal” qualquer um que se lhes oponha. E olha que você não é “um deles”. O que se vê nas tuas palavras, como na de 95% dos jornalistas e dos militantes devotos é uma coisa só: wishful thinking.( Em tempo, o Datafolha teve o desplante de dizer que ontem haviam 55 mil pessoas na Avenida Paulista. Eu, que ainda pacientemente mantinha minha assinatura, tratei de cancelá-la imediatamente!! Mau-caratismo tem limites dona Folha!!)

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Um absurdo mesmo. 55 mil pessoas, só se for o NARIZ DE PINOCCHIO deles!

          Mas a divulgação deste dado não me surpreende em nada porque em 13 anos, este partido do governo lamentavelmente já espalhou os seus “tentáculos” imundos por toda parte: AGU, PGR e agora até o STF…

          Caminhamos (se é que já não estamos) para o bolivarianismo puro e simples.

          Responder
      2. Luiz Fabriciano

        Eu duvido muito que você tenha se prolongado na final de Wimbledon esse ano, pois o resultado sabemos que não lhe agradou nenhum pouquinho. Mas o que quero dizer com isso?
        Você não viu a multidão de fãs que ficaram esperando o campeão, depois de todos os protocolos, aparecer na varanda do club para dar-lhes um aceno com o troféu na mão. E era realmente uma multidão.
        Uma pena que seu discurso fanático não evolua nunca.

        Responder
      3. luis moniz

        tu tens uma azia pelo djokovic tao grande tao grande que ela vai ficar mais azeda para o ano que vem.prepara-te para veres o rei o jogador mais completo de todos os tempos ganhar quase tudo outra vez ano que vem.

        Responder
  21. Augusto Montenegro

    Alguma coisa me diz que próximo ano Benoit Paire e Bernard Tomic serão top 10. Minha intuição diz também que Nadal melhora seu nível NO SAIBRO ( e só ), que Kyrgios vai ficar na promessa, Murray continua aquele monstro que atropela a todos e joga se defendendo na final.

    By the way, Dalcim, a final entre Murray vs Nadal em Madrid entra na sua lista entre as melhores do ano?

    Responder
    1. Marcão

      É mais fácil motorista de lotação parar em sinal amarelo do que Paire entrar no Top10. Quem entrará no Top10 pela primeira vez em 2016 será Nick Kyrgios, infelizmente.

      Responder
  22. Maurício Luís *

    Dalcim, desejo a você e a todos os internautas um feliz Natal. Obrigado por nos ‘aturar’. Sei que é sua profissão, mas é algo que você parece fazer bem porque faz o que gosta.
    Se ele pudesse me ouvir – mas acho que não – desejaria boas festas até pro Nadal. Fiz uma chuva de críticas a ele durante o ano inteiro, sequei, tirei ‘sarro’, mas é um profissional que eu respeito. Quem se esforça merece ser respeitado.
    O que seria do tênis se todos jogassem no mesmo padrão?
    Vou me abster de fazer previsões. Tanta coisa pode acontecer… Contusões, por ex, podem mudar radicalmente qualquer uma delas. Então, acho que não adianta. É isso.
    Abr.

    Responder
  23. Augusto Montenegro

    Que legal, essa pesquisa dá para falar de muita coisa interessante. Sobre investir no tênis brasileiro, estou de acordo Dalcim que a solução está em mais de uma alternativa. Porém, eu estava conversando com amigos, os esportes menos custosos para se praticar, como boxe, atletismo, futebol, vôlei, judô, o Brasil tem sempre grandes atletas em todas as épocas. Entretanto, esportes mais elitizados como tênis, F1, natação e qualquer outro que tenha uma manutenção de equipamento ( além de uma bola, correr, sabe dar pancadas) nós temos 1 grande atleta isoladamente na história. Tivemos a seguinte constatação: já que as grandes cidades não tem mais espaço para um investimento público em campos de futebol, haja vista a dimensão do terreno para prática social e lazer, por que não construir então quadras de tênis ?! Cuja dimensão é menor, se adequando as grandes cidades e até mesmo cidades de médio porte. Com toda certeza em 10, 15 anos iríamos colher o resultado disto. Não obstante, ainda teríamos os nosso hermanos para campeonatos que estimulassem o tênis no Brasil. Abraço. E parabéns novamente Dalcim.

    Responder
  24. O LÓGICO

    “e Nadal voltará a lutar pelos grandes títulos em 2016” , ICHI kkkkkkkkkk quem votou foi só nadalzete sonhadora kkkkkk
    Aposto que o Renatinho Vieira, Poeta do blog kkkkkkkkk o MC Farmacêutico kkkkk e o L Ferdando kkkkkkk passaram o dia votando. Não acredito que o GURU participe desse bolo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
        1. Renato Vieira

          Bom, eu sequer votei nessa pesquisa, pois sequer sabia que estava ocorrendo. Não estava acessando o blog há um tempinho já.

          Achei bacana a resposta da galera.

          Mas não entendi o por que do Lógico me chamar de Renatinho… De onde foi que saiu essa intimidade? Como sempre, como não tem nada pra evacuar pela boca e pelos dedos, inventa histórias que escondem sua total inépcia e obsolescência. Não preciso falar sobre conhecimento do tênis, pois já admitiu que não possui. Como já disse, sua imagem do Spock já mostra o seu nível intelectual abaixo do risível.

          E não basta tomar (mais um) puxão de orelha do tio José Nilton que ainda assim há os que preferem causar risadas de vergonha alheia, como o Marquinhos, que apresenta quadro de oligofrenia avançado e preocupante. E provavelmente incurável.

          Dalcim, boa sorte pra 2016, você, o Bellucci e o Palmeiras irão precisar.

          Responder
    1. José Alves

      Esse Lógico não se cansa de falar mal do meu tenista favorito,que pena.O Nadal não acabou e vai ameaçar o Djokobauer ano que vem,pode ter certeza,vai ser muito legal quando acontecer, estou muito esperançoso em ver novamente uma batalha épica no tênis entre eles dois! Bem lembrado Dalcim, o Federer enxergou um Nadal competitivo em 2016! Sensacional,fiquei muito feliz com as palavras dele!!

      Responder
  25. Valmir

    Dalcim,

    O homem mais rico do Brasil, foi campeão brasileiro de tênis, lá no começo dos anos 70, quando ainda existia esse torneio.

    Quanto ao ótimo jogador de Davis… ele só tinha chances esporádicas… Thomas Koch e Edison Mandarino não davam chance a ninguém… jogavam as simples e também as duplas juntos.

    Responder
  26. Luis

    Dalcim sobre partida do ano acho que foi mesmo Fognini x Nadal terminou muito tarde no Brasil e os dois tavam bem soltos efoi legal,um pouco atras acho Federer x Djokovic no US open foi um jogo com otimos momentos apesar de ter ficado um pouco abaixo da expectativa de talvez de 5 sets,Dalcim pra voce qual foi melhor partida 2015?

    Responder
  27. Rafael Wuthrich

    Acho que ganhar 3 Slam e ser vice no outro, como Federer fez isso duas vezes, não parece tão significativo quanto a chegar a 15 finais seguidas de torneios de alto nível.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      No papo de Torneios de alto Nível , temos aí Pequim e Dubai. Eu sou do tipo que acha que alguns ATPs 500 sao algumas vezes mais fortes( dependendo das chaves) , do que varios MASTERS 1000. A Turminha do Face discorda, Rafael rsrsrs mas vencer 6 MASTERS 1000 em 9 possíveis , somente o Servio em 2015. Abs!

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Concordo.
      Pois chegar a quatro finais de slam, em datas bem separadas, parece-me menos impressionante que chegar a 15 finais consecutivas em pisos e climas diferentes. Igual mesmo, só a consistência do sérvio.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *