Federer mira Lendl
Por José Nilton Dalcim
1 de novembro de 2015 às 20:41

Foi mais um belíssimo duelo. Ótimos lances, empenho absoluto, muita emoção, o imprescindível confronto de estilos tão opostos. Roger Federer esmerou-se no ataque, fez voleios magníficos, mostrou um backhand raramente tão afiado e impôs o saque no terceiro set. Rafael Nadal demorou um pouco para achar seu ritmo, o que é natural para um piso coberto um tanto veloz, porém quando ganhou confiança se mostrou aquele adversário tão indigesto.

Coisas excelentes podem se tirar deste jogo. De um lado, Federer está cada vez mais perfeito no jogo de rede, com agilidade, reflexo e improviso assustadores para seus 34 anos. Também ficou novamente claro que a troca de raquete, agora com cabeça maior, contribuiu muito para a melhoria do backhand. Foi seu primeiro duelo diante de Nadal habituado à nova arma, e daí pudemos ver um golpe bem mais consistente e agressivo. Acho aliás que isso fez total diferença no desempenho do suíço.

Já Nadal continua crescendo, passo a passo. Sua semana na Basileia foi difícil, com muitos jogos exigentes na parte física e mental, e Rafa jogou cada vez melhor, com saque contundente, golpes mais fundos, forehand calibrado, controle nos voleios e nas passadas. Na final deste domingo, teve pequenos altos e baixos no primeiro set, passou apertado no começo do segundo, porém se soltou e pudemos ver muito de seu melhor tênis. Arrisco a dizer que falta pouco para termos de volta o Nadal que tanta falta faz ao circuito.

Ao erguer o sexto troféu da temporada, Federer já tem uma motivação extra para seguir se esforçando em 2016. Os números extraordinários de Ivan Lendl estão finalmente ao alcance. O tcheco tem 94 títulos na carreira, seis a mais, e disputou 146 finais contra 134. Menos difícil será atingir as 189 semis do tcheco, já que está 12 atrás.

Há grande expectativa também em ver o suíço igualar a quantidade de partidas disputadas e vitórias obtidas, que me parecem inevitáveis. Lendl jogou 1.310 e ganhou 1.071. Faltam a Federer entrar em quadra mais 20 vezes e ganhar 17. Vale sempre lembrar que Lendl é o segundo colocado em todas essas estatísticas, superado por Jimmy Connors que tem números imbatíveis.

Mais um recorde absoluto que deve ser alcançado por Federer é o de vitórias em quadras abertas: está com 795, apenas 16 atrás de Guillermo Vilas. Por fim, Roger está bem perto de se tornar o único profissional a atingir 200 vitórias sobre adversários de nível top 10, já que chegou neste domingo a 193.

Já em Cingapura, tivemos outro duelo perfeito entre ataque e defesa. A iniciativa partiu sempre de Petra Kvitova e seus erros e acertos praticamente determinaram o andamento de cada set. Isso não tira os méritos de Agnieszka Radwanska, porque jamais se deve menosprezar um tenista que luta ferrenhamente com as armas que possui. Ela é ágil, sabe variar o ritmo do jogo, permanece firme a cada ponto, não entrega game e exige que a adversária seja melhor. A diferença entre elas neste domingo foi pequena, como bem retrata o placar.

Radwanska ergueu assim o maior troféu da carreira. Seu maior valor é jamais estar satisfeita. Ciente de que lhe falta um golpe de definição, já que não conta com saque ou golpes de base pesados, investiu no aperfeiçoamento do jogo de rede e chamou até Martina Navratilova para ajudar. Com isso, evoluiu muito nesse aspecto e ganhou um recurso pouco explorado no tênis feminino. É uma autêntica versão feminina de David Ferrer: ambos não têm nada de espetacular, mas um conjunto muito bom. É uma outra forma de se chegar ao sucesso no tênis.


Comentários
  1. Mangostin

    Oi Dalcim, interesante como o duelo fedal desperta tanto interese. Mesmo nao sendo mais 1 e 2 do mundo, eles continuam muito populares. Duma certa forma viraram um fenomeno social. Dalcim vc acha q isso se deva a internet? As needed sociais? No pasado teve outras rivalidades similares?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, a internet ajudou muito. Acredito que aconteceria o mesmo em outros grandes duelos, que mexiam com as torcidas e colocavam antagonismo de estilos e/ou de personalidades: Borg-McEnroe, Sampras-Agassi, Martina-Chris, Graf-Seles…

      Responder
  2. Enoque

    O Leonardo Carvalho,
    Vc trocou as bolas com relação aos números do Federer, dá uma olhada em historia do n. 1, ou semanas na liderança.
    Parece o samba do crioulo doido.

    Responder
  3. Oswaldo E Aranha

    Por favor preservem a participação do Marquinhos no blog. Ele é muito inspirador, fazendo-me lembrar de: fábulas: do escorpião, da raposa e as uvas, de ditados: pau que nasce torto…, de sambas: Palpite Infeliz. O que seria de nosso blog sem o Marquinhos? Afinal alguém precisa ter fé.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      O problema nem foi tanto a execução.

      Mas é que o “drop-shot” é muito mais eficiente quando usado junto com o elemento surpresa.

      E o Djoko estava repetindo o golpe demais. Daí o Bello percebeu isso e ficou alerta…

      Responder
  4. Leo Cabral

    Eu não vejo o confronto Federer x Nadal como uma freguesia do suiço.Nadal venceu 23 vezes por ser um grande jogador,teve os seus méritos,e o que a maioria do pessoal não enxerga,é que o confronto é tão disparado justamente por Nadal ser o melhor da história no saibro.13 das 23 vitórias do espanhol foram no saibro.
    E se for analisar as 11 vitórias de Federer,em todas ele saiu campeão do torneio.São 7 vitorias em final de campeonato,outras três em semifinais,e uma na fase de grupo do Finals.
    Jogando contra o espanhol ele venceu 4 finals,2 Wimbledons,4 Masters 1000 e 1 ATP 500.
    Freguesia seria se fosse 28 x 6,30 x 4 , 32 x 2. Isso é freguesia.

    Responder
  5. dos Anjos

    Estava tudo lá. Confesso que essa final me resgatou sentimentos nostálgicos. Quando tempo essas duas lenda não se enfrentavam em uma final. É tanta história envolvida nesses 34 confrontos que apenas aquele completamente alheio ao tênis não sentiria algo de especial.

    Estava tudo lá. O contrastante de estilos, de atitude, de confiança, a tensão. Quase como que parados no tempo esperando esse reencontro. Podemos aqui argumentar horas sobre quem estava melhor, com mais ou menos confiança, se a esquerda do Federer hoje está mais sólida, ou se o Nadal hoje é mais lento.

    Estava tudo lá. E no final das contas, quando ambos entraram em quadra, para mim, nada disso fez sentido. Me vi assistindo a mais um belo exemplar da rivalidade histórica. Tentei curtiu ao máximo, porque sei que a cada dia que passa, são muito menores as chances desse confronto ter um novo capítulo. Ainda bem, para mim, que dessa vez a balança pesou para o lado do Mestre.

    Responder
  6. Rafael

    Dalcim, uma dúvida a respeito das duplas:
    Caso o ranking se mantenha inalterado nas primeiras posições , quem entra como cabeça 1 no finais , já que o somatório dos Bryans e da dupla de Marcelo terá o mesmo resultado ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Diferentemente do regulamento de simples, em caso de empate prevalece quem disputou menor quantidade de torneios. Se persistir o empate, aí vale a soma dos pontos de Grand Slam e Masters 1000. Em simples, o critério é exatamente o inverso.

      Responder
  7. Ricardo

    Dalcin algumas perguntas sobre duplas:
    1 – Porque Bob Bryan é o número 2 e Mike Bryan é o número 3 do ranking de duplas? Tem os mesmos pontos, jogam os mesmos torneios, então como se define o ranking deles?

    2 – Como se define os cabeças de chave das duplas, nos torneios, se os parceiros tem ranking diferente?
    Por exemplo: Em um torneio em que os irmãos bryan estão inscritos bem como o Marcelo Melo e o Ivan Dodig qual a dupla será cabeça 1 e porque?

    Obrigado.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Porque Bob jogou um torneio a menos que o Mike, segundo o primeiro critério de desempate. Os cabeças de chave são definidos com a soma do ranking de duplas dos dois jogadores e sempre vale o ranking da segunda-feira anterior ao sorteio da chave (e portanto não a semana que começa o torneio). Abs!

      Responder
  8. José Eduardo Pessanha

    Mestre Dalcim, vou dar uns pitacos sobre o Masters de Paris:
    1 – Nadal está participando do torneio de duplas. Acho que não é necessário, pois o cara está vindo da disputa de vários torneios em seguida. O mais inusitado é o seu parceiro de duplas: Leander Paes. rs. No mínimo, trata-se de uma dupla estranha. rs
    2 – O Janowicz do nosso colega de blog Aurélio NR já foi pro vinagre. Perdeu na segunda rodada do quali. Essa “promessa” já era. Uma pena, pois o cara tem um estilo agressivo.
    3 – Monfils também já foi pro vinagre. E olha que a gente critica o Bellucci…o francês é muito mais descompromissado do que o brasileiro, que é um cara esforçado, embora o seu jeito contido não expresse isso.
    4 – Final será Federer contra a Lapiseira. Dessa vez Djokovic será devidamente enquadrado pelo Craque. E será entubado também no Finals. Já pensou? O aposentado encerrar a temporada com 8 títulos? Nada mal.
    5 – Federer deu a entender, em recentes declarações, que jogará pelo menos até 2018. Se isso acontecer, com certeza ele chegará perto do recorde do Connors. E certamente prorrogará a sua carreira até a quebra desse recorde.
    Abs.

    Responder
    1. Fernando Brack

      Pessanha, vai ser legal ver Federer buscar a equiparação com Connors no quesito
      longevidade. Se ele continuar jogando bem, é claro. Eu que já dava como certa sua
      aposentadoria ao final de 2016, volto a ficar animado pela expectativa de ver o Mago
      em ação por um parzito de anos a mais. E vamos curtir, pois um dia vai acabar. Abs

      Responder
  9. Rodrigo Keke

    Dalcim, comentário off-topic: Estava olhando o resumo das estatísticas do Wawrinka na carreira, e notei algo que me chamou a atençao: desde o US Open 2010 ele só não chegou ao menos nas quartas de final dos slams em uma única ocasião (WB 2011). É uma regularidade impressionante para um jogador tão instável, não acha? Me dá a impressão de que o Stan chega quase sempre em boas condições físicas e mentais nos majors, em detrimento de outros momentos do tour.

    Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pois é, ele tem sido realmente consistente nos Slam, mas tem oscilando muito nos Masters por exemplo. Seria conseguisse maior estabilidade, poderia ter muito mais títulos importantes.

      Responder
  10. Implicante

    Chatonik, vomitar um monte de blá blá sem sentido enchendo linguiça, não vai te fazer vencer a discussão. Se estou errado em algo, quebre meus argumentos com fatos. Sua opinião não serve para quebrar um argumento, é só o que você acha. E você acha muita coisa errada!
    1- Nadal e o Djokovic tem um ano de diferença. Mas o Nadal começou bem antes. Em 2005 ele já ganhava slam e masters e chegou ao n° 2 do mundo. Quem era o Djokovic até 2007?
    2 – Se você acha o Gasquet forte, parabéns! Você é um cego de primeira.
    3 – Goffin passa longe de medíocre, ele apenas é mais jogador para o saibro. Mas vive momento melhor que o Cilic.
    4 – Como eu disse, o Ace não é indicativo. Faz parte dele, mas mais importante que isso é colocar o saque em quadra.(média de primeiro serviço) Falar da Errani é desonestidade intelectual e seletiva, característica sua que é sempre lamentável. O saque masculino não precisa ser ridículo como o dela para trabalhar a porcentagem de acerto.
    E mesmo ela sacando tão fraco e trabalhando mais a porcentagem, observe que ela já ganhou alguns wtas , já foi finalista de slam.
    5- Não sei de onde você achou o Wawrinka nessa história, mas podemos usar ele em comparação com o Djokovic. Dois dos melhores jogadores do ano e vencedores dos slams. O Wawrinka busca mais aces, tem 516 esse ano, mesmo jogando menos jogos que o Djokovic. Tem 56% de acerto de primeiro serviço.
    Já o Djokovic tem 439 aces, obviamente jogou mais partidas que o Stan esse ano e tem 66% de acerto.
    Dá para se concluir que o Djokovic prioriza mais a regularidade e menos o ace e veja o que ambos conseguiram durante o ano…
    Depois dessa aulinha com dados concretos e não com o seu achômetro, você já pode fugir para as montanhas e morrer de vergonha!
    Abraço

    Responder
    1. Chetnik

      1. Não interessa. O Nadal é mais precoce, mas é da mesma geração do Djoko. Ponto. Segundo, você também separou o Berdych e o Tsonga, como se os dois fosse de gerações diferentes, kkkk. Não fala coisa com coisa.

      2. Cara, você tem problemas sérios. Além de tudo NÃO conhece tênis e muito menos assistiu o auge do teu pseudo ídolo. Só deve ter assistido vídeo no youtube. Como você não conhece a história do tênis, e tem problemas para pensar, eu vou desenhar para você. O Gasguet fez semi de WB em 2007, naquela era que você diz que é forte. Preciso continuar a mostrar a tua incoerência?

      3. Você disse que o Goffin é melhor do que o Cilic, e não é nunca. E que melhor momento é esse? Olha o ranking. E o Cilic fez semi do USO. O que o Goffin fez? E outra, você reclama dos “passadores de bola robóticos”, mas exalta o Goffin que é um mero passador de bola sem NENHUM golpe contundente. Novamente você não tem coerência.

      4. Kkkk. Agora já tá voltando atrás. “o Ace não é indicativo. Faz parte dele”. kkkk. Se decide, é indicativo ou não é? Você sabe o que significa INDICATIVO? O ace INDICA um bom saque. Não é a mesma coisa do que dizer que o ace DEFINE um bom saque. Rapaz, você tem um problema de raciocínio e de comunicação que impede um diálogo. O que você não aprendeu na escola não sou eu que vou perder tempo ensinando.

      Aproveitamento de saque, aces, duplas faltas, velocidade do saque, variação, tudo é INDICATIVO de um bom saque. Aproveitamento por si só não significa nada, como é o caso da Errani. Por outro lado um jogador não fazer NENHUM ace numa quadra RÁPIDA em TRÊS sets e tendo cometido ALGUMAS duplas faltas…se eu preciso de explicar é por que você não é capaz de entender.

      E eu, ao contrário de você, sou coerente. Eu já falei aqui diversas vezes que eu NÃO considero o Wawrinka um grande sacador, por que o aproveitamento de saque dele é PÍFIO. Quando eu falei que acho o Djoko melhor nesse fundamento, por causa da questão do aproveitamento, você fez pouco caso.

      Ou seja, os meus argumentos são sólidos e coerentes, ao contrários dos seus que mudam de acordo com a conveniência, como se pode ver da sua opinião sobre o Gasquet numa semi de WB, ou daquela vez que você passou vergonha falando que o Murray dependia muito do primeiro saque, e depois que eu te corrigi dizendo que o Federer depende ainda mais, você veio com bla bla bla que TODO mundo depende. Kkkkk. Dá até pena.

      5. Já respondido.

      6. Ainda não cansou de apanhar?

      Responder
      1. Chetnik

        Fossem*
        Gasquet*

        E sobre o ponto 3, ainda disse que o Kukushkin é mais jogador do que o Rosol, o que, além de não ser verdade – Rosol tem uma carreira superior e é um jogador mais perigoso – só foi afirmado para supervalorizar o caminho do Federer e subestimar o caminho do Nadal.

        Mesma coisa em relação ao Dimitrov e o Kohlschereiber. Eu nem acho que o Dimitrov já mostrou mais do que o Kohlschereiber, mas, independentemente, fica claro que o intuito foi o mesmo da outra comparação.

        Ou seja, fanatismo puro.

        Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, precisamos ver pelo menos a estreia dos favoritos, mas acho que dúvidas pairam mais em cima de Murray, que andou treinando no saibro e na teoria terá maior dificuldade para se adaptar ao piso um tanto diferente de Paris, ainda que não tão veloz.

      Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Tem razão , a Sumidade. Novak Djokovic venceu Roland Garrros e mais uma vez o MASTERS 1000 de Cincinnati. Na verdade, este ele vence todo ano.Abs!

      Responder
  11. Leonardo Carvalho

    Se jogar até 2017, Federer poderá passar Lendl em títulos e Agassi em semanas na liderança ficando atrás somente de Connors nos dois quesitos. Mesmo sendo em um contexto bastante diferente, “Jimbo” tem marcas incríveis.

    Responder
  12. Janaina

    Tá fácil pro Federer agora hein gente…23×11…Só faltam 12 vitórias para empatar o confronto…Com um pouquinho mais de esforço, Federer pode até vencer Nadal em Roland Garros em 2016…Vamos acreditar, afinal, Soderling e Djoko venceram Nadal em RG, porque Federer não pode?????? Certo Dalcim?? 🙂

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Mesmo o Nadal de hoje não sendo tão terrível quanto o Nadal de 2013, por exemplo.

        Eu acredito que no saibro, o Federer já entra em quadra com pelo menos uns 70% de chances de sair derrotado…

        Responder
  13. Ricardo

    Dalcim, qual é a quadra dura mais lenta do circuito? Não sei se é só nesse ano, mas nunca tinha parado pra ver o quanto a de Paris é lenta.
    Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Às vezes o ângulo da câmera influencia muito nessa visão nossa de telespectador. Acho que a mais lenta dentre os torneios importantes é a de Miami.

      Responder
  14. Marquinhos

    Carlos Henrique,

    O próprio Dalcim falou que a padronização começou a partir de 2008, não estou falando nenhuma mentira. Agora, dizer que Novak ou Nadal são melhores que Federer, é uma mentira daquelas.

    Responder
    1. Carlos Henrique

      Respeito a opinião do Dalcim, Marquinhos, só que discordo da mesma. A “padronização” das quadras do tour vem de 2002 quando houve diminuição clara da velocidade e do quique da bola em Wimblendon, culminando na primeira final na história daquele torneio entre dois baseliners (Nalba e Hewitt).

      Responder
      1. Neto

        Carlos Henrique, eu realmente não posso com a sua sagacidade. As finais de Wimbledon em 1977 e 1978 entre Borg e Connors entram em qual estatística? Na de final entre baseliners ou de serve and volley? Isso sem contar o título de Andre Agassi em 1992, muito antes da tal padronização, a qual você, que entende mais de tênis do que o Dalcim (acho que por aqui ninguém discorda disso) diz ter começado em 2002.
        Além de muito sagaz, você é mais realista que o Rei. Parabéns

        Responder
  15. André SM

    Como sempre, ótimos posts. Legal demais ler sobre o Marcelo Melo e esse duelo entre Federer e Nadal. Acompanhei a final do WTA Singapura e, ao contrário de muitos, fiquei feliz em saber que uma tenista que joga a maior parte do tempo na defesa consegue sucesso contra jogadoras que batem muito na bola. Dava como certa a vitória da Kvitova, que, para mim, é a melhor do circuito quando ajeita aquele forehand de esquerda. Ao mesmo tempo, a vitória da Radwanska parece ser um alento para aqueles que nunca desistem e trabalham bastante, mesmo sem ter o talento inato de alguns jogadores.
    Dalcim, acabei de assistir Monfils x Paire. O primeiro ganhava de 4×0 no segundo set, dando uma lavada, e de repente tomou uma virada. Para mim, o Paire começou a dar uma de louco e a bola começou a entrar e o Monfils não encontrou a resposta. Para o comentarista do Sportv, o Monfils perdeu porque começou a brincar. Tem uma opinião a respeito? Abraços, e bom trabalho.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não assisti a essa partida, André, mas os comentários que vi dizem que Monfils perdeu a concentração quando exagerou na descontração e aí o Paire entrou em jogo. Paire é um bom tenista, pode ser bem agressivo. A maioria lamentou a postura do Monfils.

      Responder
  16. Luis

    Dalcim nao deu pra acompanhar muito o torneio Basileia por nao ser transmitido pelo sportv principalmente,mas e’ um dos torneios que Federer tem grande chance vencer,Dalcim Federer tem quantos titulos com a Basileia chegou aos 90? Sempre bom ver ele vencendo torneios ainda que o Grand Slam tem faltado rs

    Responder
  17. lEvI sIlvA

    Dalcim, você acredita que, com essa postura e intenção de Andy Murray treinando no saibro e priorizando a Davis ele possa até ser mais perigoso no Finals? Digo isso pois ele joga sem qualquer pressão por resultados e obviamente, todos sabem quanto isso faz bem pra ele.

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          À distância, sempre é muito difícil opinar, até porque Paris começou agora e não vimos Londres ainda. Basileia me pareceu um pouquinho mais veloz que Paris.

          Responder
  18. Ronildo

    Bellucci está tão bem no ranking de simples, porquê se desgastar com as duplas? Achei que ele teria uma chance amanhã, mas depois destes 2 jogos de hoje ficou mais difícil, vai faltar gás no momento decisivo.

    Responder
    1. Rubens

      Tu acha realmente que Bellucci tem alguma chance contra Djocko??? tá de brincadeira né?
      Ele tem que focar nas duplas mesmo, porque no simples esta fora já.
      Pra não perder a viagem ele vai jogar duplas ate onde der.

      Responder
  19. Anti anti-jogo

    Decididamente, de 2014 para cá Robolito Kid passou a aplaudir pontos do adversário com uma frequência impensável anteriormente!

    E a faixinha branca “desgracenta” no joelho voltou, a mesma faixinha que usou em 2013 quando ganhava tudo.

    Responder
  20. Rafael Wuthrich

    Acho que finalmente vi Nadal fazer um jogo consistente. Em que pesem as vitórias em Pequim, Xangai e até mesmo na Basiléia, as oscilações viam e voltavam, e perder serviços como na WTA é uma coisa inacreditável para o “rei do mental”. Nadal ainda deixa a bola curta, ainda cede break points demais e continuam indo devolver lá nas placas de publicidade quando o jogo aperta, ficando vulnerável demais, já que não tem a mesma velocidade de antes. Mas dá pra dizer que seu tênis, pelo menos nessa final, refletiu mais seu ranking de top 10.

    Responder
  21. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    considerando que o Federer ainda jogue uns dois ou três você acredita que o mesmo chegara a incrível marca de 100 títulos ATP? Sendo positiva a resposta, e indo mais além, o Mestre alcançaria a marca do Jimmy Connors em títulos ATP? Eu acho quase impossível a segunda marca, mas o primeiro feito creio que possa acontecer, qual a sua opinião Professor Dalcim?

    Responder
  22. Natanael Lobato

    Amigos do blog, vamos ser sinceros, nadal jogando 25% de seu nível habitual deu trabalho ao seu fregues Federer; se jogasse 30% teria ganho kkkkkkk… Se essa final fosse contra o Djoko Serial Kille de tops 10, o suíço levarei uma bicicleta amerela pra casa kkkkkkkkkkkk Abs

    Responder
    1. Fonseca

      Kkkkk para você também….Nadal 25%? Ele está correndo do mesmo jeito que antes, gemendo mais alto que antes. Simplesmente, a potência no ganchão caiu absurdamente, sabe-se lá o porquê, e isto não voltará.

      Responder
  23. Luis

    Concordo em parte com a teoria de que o h2h extremamente desfarovável do Federer contra o Nadal se explique pela alta porcentagem de jogos no saibro, pelos vários jogos na temporada de 2013 e pela presença pouco constante de Nadal em etapas finais de torneios nos quais o Federer era dominante. Mas, na minha opinião, existm outros fatores, talvez mais importantes do que esses, relacionados ao estilo de jogo e plano tático do suíço. E esses fatores, de novo, na minha opinião, ajudam a explicar, inclusive, as derrotas de Federer para djokovic nas últimas finais de grand slam. Federer saca melhor, tem um forehand extremamente eficiente e voleia melhor que Nadal é Djokovic. Mas possui uma fragilidade óbvia, que é o backhand. Diferente dos outros dois, que são menos espetaculares mas fazem tudo muito bem. Eu não acho a esquerda de Federer ruim mas é um golpe bem inferior ao forehand. Além disso, o backhand com uma mão é um golpe menos versátil do que aquele batido com duas mãos. Se vc não chega muito bem posicionado fica impossível bater com top spin e o slice é inevitável. Diferente do slice usado para variar o jogo, esse slice defensivo convida os adversários ao ataque, que muitas vezes ocorre na direita do suíço mas o obriga a bater na corrida, fora da zona de conforto. Na medida em que o jogo evolui, fica a certeza para o Federer que ele precisa evitar o aluguel de sua esquerda. Isso faz com que ele precipite o ataque. Na final do US Open isso ficou muito claro. Federer teve o domínio do terceiro set mas se enrolou para dosar a agressividade. Tem um outro aspecto que eu acho crítico. É mais difícil jogar pontos decisivos buscando o ataque do que encarar ralis longos, com um jogo mais conservador, evitando erros não forçados ao mesmo tempo em que não se permite abrir portas para o ataque do adversário, esperando o momento ideal para atacar. Nadal e Djokovic são mestres nisso. Para Federer vencê-los em cinco sets será necessária uma circunstância favorável na partida, como uma vitória Suíça nos primeiros dois sets ou um porcentual alto e constante de aproveitamento do saque. De toda forma, acho notável o desempenho de Federer aos 34 anos. Acho especialmente difícil manter uma taxa tão elevada de vitórias, nessa idade, em um estilo que depende fundamentalmente de um nível absurdo de agressividade, sem um plano B muito definido

    Responder
      1. Bruno Vigne

        Muito boa a análise mesmo. Só acrescentaria na equação o fato de Nadal ser canhoto e ter o ganchão do mal como seu melhor golpe, o que torna as coisas ainda mais dramáticas para o suíço.

        Responder
  24. Dollynho Realista

    Amigueeeeeenhos! Com essa final aprendemos que um Federer x Nadal em ATP 500 vale muito mais que um Djokovic x Tsonga ou Djokovic x Murray em atp 1000! Abraços efusivos!!!

    Responder
  25. Fernando Oliveira

    Dentre os tenistas que venceram dez slam mais, da uma boa briga pra escolher o mais limitado e com jogo pouco vistoso, Nadal ou Djokovic.

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      E isso só valoriza as conquistas do sérvio e do espanhol, que são obra do esforço, do transpirar, do focar. Quem disse que talento, entendido como uma poção mágica do acaso, deve valer mais que a obstinação? No mundo real, há mais TARTARUGAS tendo mais sucesso que COELHOS. Sim, a fábula é só para nos lembrar que, tomada consciência da limitação, ela deixa de ser um problema. A limitação vira apenas mais uma variável a se conjugar.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Boa Alessandro. Não diria mais uma variável a se conjugar, mas sim uma variável a mais para superar. Dado isso, vem consequentemente, o sucesso.

        Responder
    2. Jose Yoh

      Diria que está muito relacionado à padronização na velocidade das quadras. Mas também não os chamaria de limitados; longe disso, a falta de habilidade em alguns golpes é compensada pela eficiência, defesa e consistência. A evolução da resistência física e tecnologia das raquetes também influíram.

      Responder
  26. Luisinho

    Sinceramente. Não vejo essa evolução toda do espanhol. Quase foi eliminado por Rosol e Dimitrov, além de ter perdido para Tsonga, seu freguês de carterinha. Viuitos comemorando o melhor segundo semestre do últimos anos do espanho, mas, ele ganhou o que mesmo? E, sinceramente, nem vai ganhar. Sua torcida aprendeu a comemorar resultados irrelevantes e medíocres.

    Responder
  27. Hugo

    Dalcim,

    Eu sempre pensei que a polonesa estivesse sempre mais pra Murray que pra Ferrer.Pela habilidade e pelo fato de por vezes chegar perto de uma grande conquista mas falhar na hora mais importante.Mas o britânico tem golpes mais contundentes e umas conquistas a mais comparado (guardadas as devidas proporções) à Aga.Então eu penso que sua comparação é mais fidedigna.Mesmo assim,vc enxerga semelhança entre o brit e a polonesa?

    Responder
      1. Carlos Henrique

        Dalcim, eu também sempre associo a Agá ao Murray, guardadas as devidas proporções, é claro. Já a tenista que eu traçava paralelo ao Ferrer era a Errani.

        Responder
  28. Valmir

    O Marquinhos tem calafrios pela freguesia do Federer contra o Nadal.

    Até nas hard courts o Nadal bate no Federer (9 x 6).

    Desde 2007 não ganha mais do Nadal em GS (longos 8 anos)

    Em RG 2008, ganhou só 4 games na final (com pneu)… talvez o pior desempenho na história de finais de GS.

    Em 2009, chorou feito criança que foi-lhe tomado o doce, ao perder a final do Australian.
    Nadal ficou constrangido ao ver choro (só ver o vídeo no Youtube).

    Em Wimbledon, quando Nadal chegou à final em 2010 (como Marquinhos queria)… o então campeão foi eliminado pelo… assustador… Berdich.

    Em 2012, O Federer só ganhou de Murray em Wimbledon, depois que fecharam o teto (um ventinho lhe faz mal).
    Aí, semanas depois, no mesmo Wimbledon, não fecharam o teto… e Murray lhe bateu na final da Olimpíada.

    Responder
    1. Chetnik

      Valmir, esse teoria de H2H é choradeira de rodoviária. O pior é ver gente tratando com uma tese super elaborada. O que o fanatismo não faz.

      Como você ressaltou, o Federer também perde nas duas. Se ele tá tão superior fora do barro, então por que não consegue devolver a freguesia no hard? O Djoko é freguês no barro, mas fez do Nadal um freguês na quadra dura, por que lá é ele quem manda.

      Além do mais o Djoko pode até ser freguês no saibro, mas já venceu 6 partidas, o que é um feito e tanto. Por que o “GOAT” quem tem tantos recursos mais não conseguiu passar de uma duplinha vagabunda.

      Eles jogaram pouco mais de 1/3 no saibro. Se o Federer fizesse valer sua suposta superioridade fora de lá, teria um H2H pelo menos digno.

      As federetes podem torcer e distorcer como quiserem os números, o Federer vai continuar sendo a boneca de pano do Nadal.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Não, Chetnik, muito pelo contrário… Não inverta as coisas.

        Vc está tão engajado em se divertir com essas provocações enfadonhas que perdeu a percepção de que o debate sério pode e é bem mais frutífero.

        Veja: Foram 15 confrontos em cada tipo de superfície (hard/saibro). Aonde havia equilíbrio, o Nadal foi melhor do que o esperado: (6 x 9).

        (Aliás, 7 x 9 agora, depois da Basiléia). Ou seja, em pisos sintéticos não tão velozes há equilíbrio, com certa margem pro Nadal.

        Então acredito que se os confrontos fossem em quadras ultra-rápidas como Cinci, Dubai, etc. O suíço lideraria com certa margem também. Tô inventando. Há algum fanatismo ou falta de lógica no meu raciocínio. Tenho eu alguma coisa contra o Nadal? Vc me conhece e sabe que não…

        Na grama o suíço leva vantagem, mas a temporada de grama é curta. Então houve apenas 3 confrontos. (Está 2 x 1 pro Federer). Lógico. O cara é hepta-campeão de Wimbledon, se eles jogassem lá umas 10 vezes, ele ganharia pelos menos umas 6 vezes…

        E por fim chegamos aonde Nadal reinou intocável: o saibro, e sabemos que ele venceria muito mais, como de fato ele venceu: (13 a 2). Lógico, nenhuma surpresa! O cara é enea-campeão de Roland Garros.

        Aí vc pode até dizer: ” Ah, mas o Djoko resiste melhor”.

        Sim, é óbvio que o Djoko resiste melhor!

        É INEGÁVEL que da mesma forma que o Federer sente mais dificuldade enfrentando o Nadal com aquele “top spin” alto na sua esquerda, o Nadal por sua vez tem mais dificuldades quando joga contra o Djokovic que sempre bate mais uma bola e tem um backhand fantástico.

        Responder
        1. Chetnik

          Mas você só repetiu o que eu disse, Rodrigo. O Federer é HUMILHADO no saibro e nas quadras que deveria levar VANTAGEM, continua perdendo. Essa é a questão.

          E na grama, como você falou, tá 2×1, sendo que aquela primeira final de WB nós dois sabemos que o Nadal só chegou pela baixíssimo nível do circuito. Aquele Nadal de 2006 era horrível na grama. Em 2007 lá levou ao 5a set e no ano seguinte todos sabemos rs.

          E outra, você falou que se jogassem 10 vezes na grama o Federer ganharia umas 6. Ora, seria bem equilibrado então.

          Vamos colocar dessa forma: Na melhor quadra do Nadal, superioridade esmagadora. Nas quadras duras, que deveriam favorecer o Federer, a vantagem ainda é do Nadal, mas é mais equilibrado.

          Na grama é bem equilibrado, 2×1, com dois jogos que foram ao 5 set.

          Eu não sei como você querem brigar com os números…Vamos colocar dessa forma: Saibro não existe. Nadal ainda lidera o H2H. Empate técnico, mas lidera. Mas a questão é, POR QUÊ DESCONSIDERAR O SAIBRO? Não faz sentido, é tênis igual.

          Como eu falei para o professor que desconhece matemática básica. Eles só jogaram POUCO MAIS de 1/3 do total de suas partidas no saibro. Ou seja, Federer tinha obrigação de ter compensado fora do saibro, o que nunca conseguiu.

          E mais uma coisa que eu acho engraçado: “ah, mas no saibro o Nadal é o cara”. Ué, mas por acaso as partidas no saibro não foram jogadas? Por acaso as vitórias foram dadas ao Nadal automaticamente por ser saibro? Vocês falam como se o saibro fosse uma vantagem desleal ao Nadal, e não. Os dois jogadores entram com as mesmas chances numa partida. Se o estilo e o jogo do Nadal são mais adaptados ao saibro, mérito dele.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Nadal também humilha Djokovic no saibro. Ou 14 a 6 vc acha pouco?

            Nadal era praticamente imbatível lá. É lógico que o mérito é todo dele, apenas estou te lembrando isso pra explicar o motivo dos 23 a 11. Treze dessas vinte e três foram só lá.

            E eu não disse que Federer ganharia só 6 na grama, eu disse no mínimo 6.

    2. Rodrigo S. Cruz

      Vc é flagrantemente parcial… Como levar estas críticas à sério?

      Se vc só pega os aspectos negativos do Federer, mas os positivos nem pensar…

      Ridícula esta de “ventinho lhe faz mal”. Cada jogador tem aquela quadra favorita que se adéqua mais ao seu jogo. Pro suíço é a ultra-rápida E qual o demérito disto?

      Então o Nadal NÃO VALE NADA por preferir o saibro?

      E por hora esqueça o Murray… O Federer constitui uma ameaça maior, aceite vc ou não, como restou demonstrado nos dois últimos majors em que atingiu a final. (numa delas varrendo o britânico da quadra).

      Responder
  29. Ronildo

    Federer não podia perder esta final senão seria uma catástrofe para a sua motivação. Se Nadal continuar jogando assim certamente entrará para o top 4. Vamos ver como Djokovic se comporta daqui para frente com este TREM carregado de pontos que tem para defender. Se chegar no final de 2016 como n. 1 já estará entre os cinco melhores de todos os tempos. Mas duvido que acontecerá. Já vai começar a perder pontos à partir deste master, que se cuide com o Bellucci, que é pancada pra todo lado e se tiver acertando!

    Responder
  30. El loco

    “Na minha casa mando eu”.
    Um choque de lendas e foi impressionante, como previsto.
    Pena ter sido em um ATP500, enquanto nos majors aparece o desengonçado djokovice faturando,
    sob aplausos educados – e não mais que isso – do público.

    Responder
  31. Marcos

    Se o Federer pegar o acabadal no finals vai dar mais uma cravada no pouca telha! hoje em dia o acabadal só tem chance contra o fed no saibro e contra o Novak perde em todos os tipos de piso. Ano que vem o cara aposenta.

    Responder
  32. Carlos Henrique

    Uma mentida contada várias vezes se torna uma verdade, Marquinhos? Muitos se e porém em seu post, meu caro. A padronização nos pisos é bem anterior a 2007, exatos 5 anos antes.
    Confrontos na grama é outro engodo. Depois da emblemática final de 2008 achar que Roger daria um banho em Nadal em hipotéticos confrontos posteriores é de uma ingenuidade sem limites.
    Citou 2013, pior ano de Federer. Ok, tudo bem, tire essas 5 vitórias e mesmo assim o h2h seria 18×11 a favor do tenista de Maiorca.
    Independentemente dos pisos é no mínimo constrangedor Federer ter esse h2h contra o Nadal. Se ele é o jogador com mais recursos que o mundo já viu, porque essa dificuldade hercúlea em ganhar de outro tenista? Na pior temporada do espanhol ele precisa de 3 sets e mais de 2 horas de jogo para vencer num piso sabidamente favorável ao seu estilo de jogo!!!

    Responder
        1. Neto

          Muito pelo contrário, amigo. Comentário sagaz foi o seu. Aliás, parabéns por ele. Eu fiz apenas uma pergunta, a qual, por sinal, você não respondeu.

          Responder
  33. Marquinhos

    Concordo com o rapaz. Djoko venceu 10 slam com slice, smash e voleio pra lá de vagabundo. O que só prova minha tese que só basta ter um grande jogo de base e físico para conseguir grandes resultados.

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Com quase tudo vagabundo, Djoko já tem a quinta maior liderança da história, e CONTANDO. Vamos ver como a coisa vai ficar em 3 anos. Sugiro ioga, mantras, gestalt terapia e tudo que permita o ACEITAR PARA DOER MENOS… rsrs

      Responder
    2. Fernando C.

      Por que você tem a necessidade de desmerecer quem é o algoz do momento de seu DEUS (ontem Nadal, hoje Djoko) ? Por que você não é capaz de apreciar e exaltar o jogo do RF sem se dirigir de maneira ridiculamente desrespeitosa aos outros, sobretudo ao sérvio? Eu tenho um palpite: recalque. Você é um recalcado. Cada vez que o Djoko arregaça com seu DEUS você deve ir para a cama chorar, num ‘mimimi’ eterno. Feito um bebê. E depois que se refaz vem aqui arrotar a grandeza do mestre como se tudo tivesse acontecido porque uma conjunção inexplicável de fatores resultou na derrota (3 nas últimas finais de Slam AHAHAHA). Sua relação com o esporte é infantil. Você pode entender de alguns aspectos do tênis. E você realmente entende. Você está longe de ser leigo. E eu o parabenizo por isso. Mas você é imaturo e mimadinho rsrs. Marquinhos, mimadinho. ahahahahahaha

      Responder
  34. Machado de Assis

    O passado é o passado, ninguém vive de passado, embora, por óbvio, haja o registro e o merecimento do ocorrido. ]

    A vida é o agora e, gostem ou não as viúvas do Nadal, o agora é FEDERER.

    Responder
  35. Rodrigo S. Cruz

    Dalcim, Não sei se vc concorda comigo, mas a esquerda do Federer deixa a desejar do ponto de vista defensivo. (e os especialistas já ALERTAVAM para isto antes mesmo da rivalidade com o Nadal começar há muitos anos atrás).

    Porém, do ponto de vista ofensivo a esquerda do suíço até que é bem sólida.

    O Federer encaixou bons winners com o backhand neste jogo com o Nadal, e também ao longo da semana.

    Agora, dizerem que a esquerda dele é vagabunda, aí é porque simplesmente gostam de trollar o cara mesmo…

    Responder
  36. Alessandro Siqueira

    Esquecendo um pouco o ATP 500 da Suíça, ganho pelo suíço, seria interessante uma pauta sobre duas marcas dessa semana. Marcelo Melo é agora, de fato e de direito, #1 do mundo. Djokovic supera Mcenroe e assume a quinta marca da história da ATP em liderança. O que me diz, Dalcim?

    Responder
      1. Alessandro Siqueira

        Como diria Cazuza, o tempo não ‘pára’. “O tempo não pára para nada”. Tanto não pára que levou o acento diferencial do verbo parar, embora eu o use por insistência. Assim como levou o acento, vai tratar das marcas do Federer, que é mais um na história do esporte. Um cara de notável destaque, mas não se confunde com o tênis. O esporte existe antes dele e vai continuar existindo. Da mesma forma, sucederá Nadal, Djoko e todo virtuose que porventura apareça. Essa é a questão. É preciso se aceitar que a realidade, por suposto de sanidade. Sendo assim, parece bem mais relevante do ponto de vista histórico a marca alcançada pelo sérvio essa semana do que a conquista de um ATP 500. Ou não? Fanatismos à parte, aceitemos os FATOS.

        Responder
  37. Implicante

    Chega a ser cômica essa incoerência da torcida nadalete… Antes diziam que o Federer não vence mais em qualquer quadra. Depois dessa vitória, passam a clamar que não fez mais que a obrigação pq as condições eram favoráveis e bla bla bla., chororo choro ô Kkkk
    O Nadal vem jogando bem no segundo semestre ou se esqueceram de 2013? A grande qualidade dele é sempre jogar no maior nível possível…. Nem o Djokovic o atropelaria nessa semana.

    Responder
    1. Chetnik

      Coerência é reclamar do Gasquet numa semi de WB como indicativo de era fraca né. Kkkkkkk.

      Coerência é colocar tenistas com um ano de diferença como pertencentes a era diferentes kkkkkk.

      Coerência é exaltar um tenista medíocre como o Goffin e menosprezar um ganhador de GS como o Cilic só pela necessidade de ser fanático né Kkkkkk.

      Eis o rei da coerência.

      Responder
        1. Chetnik

          Coerência é achar que o Wawrinka é um grande sacador e achar que o que define um bom saque é o percentual de primeiro serviço kkkkk.

          Sara Errani, o melhor saque da WTA kkkk.

          Na boa cara, pede para sair. Você é uma vergonha. Não fala nada com nada. Não conhece nem a história do teu Deus. Sequer acompanhar aquela várzea do interregno 2004-2007, como os seus posts deixam claro.

          Responder
  38. Marquinhos

    MAIOR E MELHOR disparado da atual geração. E convenhamos, um torneio na Basileia com uma final entre Federer e Nadal faz qualquer masters 1000 vencido por Novak se tornar uma atp-250. Quer dizer, qualquer torneio que Novak jogue uma final que não seja contra Roger não dá ibope, não dá torcida e lembra as quadras de um challenger qualquer.

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      ‘Tá’ bom, senta lá… 😉

      Você realmente acredita no que fala? Acha mesmo que pode alterar a importância dos torneios ao sabor das suas preferências?! Não, a gente sabe que não. rsrsrs

      Responder
  39. Maurício Luís *

    Não vejo motivo pro Federer se preocupar em ficar em segundo lugar no ranking. Porque o Murray já disse que a prioridade é a Davis.
    Se ele se ausentar do Finals, o Federer será cabeça 2 de qualquer jeito.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele não vai se ausentar do Finals, Maurício, apenas não vai se empenhar a fundo. Lembro que Murray começa com vantagem de 600 pontos sobre Federer em Paris, porque cairão os pontos de Londres no ranking da próxima segunda-feira.

      Responder
      1. implicante

        Se ele entrar em quadra, pode ter certeza que ele vai se empenhar. O que vai acontecer é que ele fará uma preparação visando o saibro e não o piso duro.

        Responder
  40. Enoque

    Muito Bem Marquinhos,
    Concordo totalmente com seus comentários sobre o confronto Federer x Nadal.
    Eu já relatei este ponto de vista, antes, mas acho que vc resumiu muito bem este ponto de vista
    Pena que alguns textos como estes acabam caindo no esquecimento, seria bom guardar uma cópia e coloca-la outras vezes para refrescar a memórias de alguns.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Vi claramente mais consistente. Aliás, com vários winners ou bolas indefensáveis cruzadas. Não me pareceu com toda aquele dificuldade que o levava antes a só se defender de slice. Muitas vezes, pegou a bola bem na frente, antes de começar o efeito todo que Nadal coloca, o que é muito importante.

      Responder
    2. Jônatas

      Como não viu?? Várias devoluções profundas no BH do Nadal, várias bolas colocadas no fundo na troca, sem precipitações, sem madeiradas, aliás, ele deve ter dado mais madeirada no FH do que no BH, fora winners cruzados e bolas anguladas. Como não viu melhora? BH só vale qdo é winner tipo Stan? Também aí não dá.

      Responder
  41. Ricardo - DF

    Bela vitória do Federer. Bom ver o velho mestre sacar e volear tão bem.

    Dalcim, um pouco de estatística:
    Winners ENF
    Federer x Kukushkin: 25 x 10 13 x 15
    Federer x Kohlschreiber: 35 x 31 23 x 21
    Federer x Nadal: 43 x 21 30 x 17

    Aparentemente tem uma relação clara entre a dificuldade do oponente e os winners e ENF. Contra um Nadal, Federer arrisca mais e, consequentemente, erra mais tb. Eu achava que era mais um problema psicológico do Federer contra Nadal, mas olhando os números parece mais uma necessidade de arriscar mais contra um adversário que devolve tudo.

    É impressão ou Nadal não chega mais tão rápido nas bolas quanto nos áureos tempos ? Na internet tem várias discussões sobre isso, mas seria relativamente simples medir a velocidade dele a partir dos vídeos das partidas e eliminar qualquer subjetividade. Se eles medem a distância percorrida, o mesmo software pode calcular a velocidade tb. Vc já viu algum estudo assim ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vi estudo, mas ontem claramente ele evitou buscar dois bolas na direita mais longas, acredito por causa do joelho direito, que o incomoda desde o sábado. Acho que no geral sua velocidade ainda é a mesma. Talvez – e quem sabe seja algo inteligente a se fazer – esteja evitando de ir em bolas exigentes que não valem tanto assim. Isso seria uma forma de poupar o físico.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Uma coisa que só li você comentar foi sobre esse incômodo. Já vimos esse filme antes: começa com leves dores, se agrava com a sequência de jogos na temporada e acaba estourando num grand slam com os jogos de 5 sets. Como Nadal ainda não consegue jogar 100% do tempo no ataque, na linha, retornando às placas de publicidade quando o jogo aperta, seu físico não tem sido poupado o suficiente, sobretudo os problemáticos joelhos. Preocupante, não acha?

        Responder
      2. O LÓGICO

        O robozinho anti-ético tinha que aparecer com o migué do joelhinho justamente nesse torneio kkkkkkkkkkkkkkkk Mas ele não tinha curado? Quanto tempo fazia que ele não acusava esse joelho? Rapah, esse camarada é um espetáculo em termos de ética esportiva kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
  42. Marcos Vasconcelos

    Eu não esperava outro resultado dessa partida. Federer não fez mais do que sua obrigação, diante das circunstâncias. O piso lhe era totalmente favorável contra um adversário que não faz um ano dos melhores, muito pelo contrário. Ao meu ver essa vitória do suiço não mudou nada no confronto, que continua sendo desequilibrado, ele apenas evitou maiores constrangimentos. Olha que eu ainda pensei que o Federer iria “duvidar”, como diz o Dalcim, depois de perder o segundo set.
    E como o Federer tem voleado bem ein!!! Um absurdo realmente. Mesmo que tivéssemos mais especialistas no fundamento no circuito, ele estaria tranquilamente entre os melhores, sem dúvida.

    Mudando de assunto, a chave de Paris e a definição dos 8 participantes do Finals mereceram post, Dalcim? Espero que sim. Eu achei a chave bem distribuída, com dificuldades para todos do big four, mas murray parece que foi contemplado com uma chave um pouco mais dura, podendo enfrentar em sequência Coric/Verdasco, Goffin, Nishikori, Federer, Djokovic. Falando em Djokovic, o rapaz tem tudo para chegar a final de todos os Masters 1000 que disputou, um feito e tanto não? Está me parecendo que ao final do finals teremos uma nova temporada paradigma na era aberta. Ao contrário de 2011, quando o Djoko chegou no fim do ano só no bagaço, esse ano ele está inteiríssimo. A conferir…

    Responder
  43. Bruno Marchetto

    Olá Dalcim,

    Uma curiosidade. Em termos hipotéticos, se o Nadal tiver pleno sucesso nas mudanças que parece querer praticar em estilo de jogo (jogar mais dentro da quadra, ir mais à rede, etc.), isso poderia favorecer um pouco mais o Federer nos duelos entre eles? Exemplo: aumentando velocidade do jogo, diminuindo as trocas, etc. Em alguma medida, isso já pode ser observado na final de hoje?

    Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, acho que a final de hoje seguiu o padrão normal dentro do estilo de cada um. Claro que, se Rafa mudar um pouco mais o estilo, será um tenista perigoso de qualquer jeito.

      Responder
  44. Sérgio Ribeiro

    Parabéns meu Caro Dalcim ,o Post ( ao contrario do nosso amigo Brack, vendo possíveis Madeiradas e Amareladas ) foi muito fiel , a meu ver, o que foi a Final. Os 44 a 21WINNERS e 12 ENFs a mais ( sempre arrisca muito mais), retratam a Vitoria justa do Suíço ( a nona em dezenove, fora do Barro) , sobre o Canhoto de Mallorca. E a citação a proximidade aos que pareciam improváveis ATPs de Ivan ” o Terrível” Lendl, procede. Este surgiu pos Borg, para ser o Terror dos agressivos Back de uma mão , de McEnroe, Becker, Edberg, Stich e CIA. Nenhum desses conseguiu vencer mais que 4 ATPs no Saibro. E mais tarde, nem Sampras. Rafa Nadal demonstra claros sinais de progresso ( quem sabe a ponto de aumentar as freguesias de Federer 12 x 2 , e de Novak 14 x 6 no Barro). Lembrando que estes dois, foram os ÚNICOS a vencer mais de um MASTERS 1000 no barro, sobre o Rei do Saibro. O Aposentado atinge 88 ATPs Amalendo bastante.Abs!

    Responder
  45. Mateus

    Sem dúvida o atual backhand do Federer fez muita diferença.
    Deu pra perceber Nadal bem incomodado, e por vezes incrédulo em algumas trocas com seu drive.
    O suíço também abusou do saque aberto no drive do espanhol! Jogaço!

    Responder
  46. Marquinhos

    Bom deixar claro também que Roger está em seu pior momento no ano, e Nada,l em seu melhor. Federer vem de derrota para um pangaré em Shanguai e ficou mais de um mês sem jogar depois do u.s open, enquanto Nadal vem de quatro torneios seguidos.. O placar não mostra o que foi o jogo, pois Federer venceu muito mais pontos que o baloeiro, fez mais que o dobro de winners(44×21), mas continua pecando para converter break points e pontos importante. O placar moral foi de 2×0 pro suiço. E olha que a quadra na Basiléia está mais lenta do que nunca.

    Responder
  47. Marquinhos

    Federer x Nadal motivos das derrotas.

    1- Quando Federer estava no auge(2003/2007), Nadal pouco chegava as finais de quadras rápidas, o que ajudou muito o baloeiro a ter grande vantagem.
    2- Depois de 2007 as quadras começaram a ficar mais lentas, e muitas delas estão similares ao saibro. Com a pouca diferença de velocidade, aliado ao aumento de nível de jogo do baloeiro, Nadal comecou a vencer por mais vezes Federer.
    3- Em 2008, Roger perdeu para Nadal em Wimbledon já com a grama lenta e o suico com mononucleose.
    4- Poucos confrontos na grama. Por vários anos Nadal jogou em Halle, mas nunca encontrou Federer, pois nunca chegava as fnais. Além disso, tivemos poucos confrontos entre eles em quadras que favorecem o estilo do suico, Hallle, Dubai, Shanguai, Basiléia, Cincinnatti e outras. Federer perdeu pra Nadal em Cinci e finals em 2013, porém, o suiço estava com problemas nas costas.
    5- Das 23 vitórias de Nadal, CINCO foram em 2013, pior ano de Roger e que estava com problemas nas costas.

    A lentidão das quadras começou a favorecer os tenistas físicos e desfavorecer os talentosos. Federer é muito superior a Nadal e Djoko na questão técnica, mas perde, de longe, na questão física.

    Também temos a questão séria de SUSPEITAS de dopping que precisão ser esclarecidas. Tem robozinho que correr por horas horas e horas e joga em grande nível físico por semanas e semanas……. Um dia será esclarecido.

    Responder
    1. Marcos Vasconcelos

      Todo post voce tem mesmo que fazer uma redaçao sobre a superioride do Federer? Ta ganhando quanto para isso? Haja dedicaçao ein amigo!!! #nãoentendo

      Responder
    2. alexpicelli

      muito bem frizado marquinhos, eu ja alertava isso de doping faz tempo, sofri criticas de todos os lados, mas como eu li( meu frances nao e dos melhores, mas me viro) a revista francesa e na reportagem era sobre o doping do asmstrong e em comparação com nadal(a queda dele no tenis) asmstrong pego em 2012,meados do mes 7/8 e nadal se afastando um pouco depois senao me engano, ai a reportagem dizia isso, a atp sempre soube que nadal usava substancias, mas fazia vista grosso, assim como sabia que agassi cheirava po(vide biografia) e ninguem falava nada, mas o medo de mais escandalo a fez afastar nadal( tal prova nadal nos deu 2 anos depois, com contusoes de verdade nao conseguiu ter ritmo e confiança, horas se 2013 ele veio de cirurgia como poderia vencer tudo?) ele nos respondeu com esta queda horrivel de rendimento( sem substancia nao da).
      o motivo teorico seria senao fosse feito nada(por parte da atp) federer iria deslanchar e ser disparo(ate monotono pro tenis) o melhor em tudo.
      dai foi se reduzindo a velocidade das quadras, beneficiando os nao talentosos(cito aqui os que nascem com dom)e beneficiando os fisicos.
      proprio djoko depois que mudou a alimentação e faz terapia na camera da nasa(kkkkkkkk) mostra-se imbativel, marquimhos fico imaginando o federer pensar; “nossa eu venci um motao sem usar nada, os caras ate camera da nasa usam pra me superar” kkkkk covardia, mas é permitido.
      sobre nadal com esta evolução e falta de substancias a tendencia e usar mais a rede mesmo, nao aguenta jogo de 5 sets, esquecam o touro miura sera agora o sempre bezerro, sem força como antes, madeiradas que mostram sua fraqueza, e subidas mais constantes a rede ja dao sinais que ele mudara um pouco seu jogo senao sera fumo atras de fumo.
      2016 teremos um nadal melhor, mas longe de coloca-lo pra vencer GS!!

      Responder
    3. Robson

      Deus do Céu,ninguém segura esse festival de desculpinhas ESFARRAPADAS,esse festival de mimimimimimimimimimimimimimimimimimimimimimimimi,,,eterno chororô,como é feio isso,nuuuuuuuuuuuuu…

      Responder
      1. Danillo Barbosa

        Engraçado Robson, que esses caras só falam de dopping pra Nadal e Djokovic pelo fato de dois jovens de menos de 30 anos correrem tanto. Mas não levanta suspeita de dopping um cidadão que ano que vem completa 35 anos, mais de 15 anos no circuito e continua jogando em alto nível. Nesse caso é técnica. Fica difícil dessa forma.
        Até que provem o contrário esses caras deveriam esquecer essa coisa de dopping e aceitar que Nadal e Djoko são raçudos e o ídolo deles um preguiçoso e soberbo, que acha que pode vencer qualquer um com aquela apatia que demonstra em quadra quando as coisas não dão certo.

        Responder
        1. Robson

          Danillo,
          Exato, perfeito teu comentário.
          Só complementando,uma ou outra federete mais assanhada arruma um festival de desculpas pra derrotas de Federer, e o mais incrível, até derrotas de 10, 12 anos atrás ainda conseguem arrumar desculpas, é as costas, é mononocleose, é temporada ruim, é idade, anemmmmmmmmm

          Responder
    4. Alessandro Siqueira

      De novo isso? Tá parecendo um Tele Tubbie… 😉

      Sem querer ironizar, mas já ironizando, sua insistência em bater de forma reiterada nessa mesma tecla faz com que eu me lembre de Índios, da Legião: EXPLICAR O QUE NINGUÉM CONSEGUE ENTENDER. Federer tem um h2h negativo e pronto. Essa é a questão. A vida é real e de viés e isso é inarredável. Aceita. Sei lá, tenta essas terapias indianas que sugerem a paz com o passado. Nadal era MUITO melhor no saibro. Federer era melhor nas duras. Isso é absolutamente conciliável, a não ser que se queira eleger um melhor da história. Nesse caso o sofrimento irá lhe afligir, afinal não terá como sustentar que o maioral vivia apanhando de forma sistemática.

      Responder
    5. Alison Cordeiro

      Apenas Nadal ter sido melhor que Federer um maior número de vezes não é suficiente? É preciso justificar com dores nas costas, monucleose, menor número de confrontos fora do saibro…etc. Não sou fã do Nadal, mas admitir seu valor é valorizar também Federer. Isso é síndrome de “Seleção Brasileira”. Nunca perde para os outros, só para si mesma. Besteira. Admitir que o outro foi melhor não diminui o tamanho de ninguém.

      Responder
    6. Márcio

      Ano passado e esse ano, só pra ficar no tempo recente, se tivessem ocorrido 8 partidas entre eles, a diferença no h2h j[a dimunuía bastante.
      Mas o Nadal bem mais novo não chega mais em tantas decisões.
      Simples assim.

      Responder
    7. Ricardo - DF

      Bah, taí um negócio que me incomoda, a absurda condição física de Nadal e Djokovic. Na final do USOPEN chegou a dar pena do Federer, ver o Djoko voando do outro lado da quadra, chegando com folga em todas as bolas. Assim fica bem mais fácil ganhar…

      Imaginem um time de futebol fazendo uma blitz de 90 minutos ??? É imbatível. Será que só a genética explica ?

      Responder
  48. O LÓGICO

    “Arrisco a dizer que falta pouco para termos de volta o Nadal que tanta falta faz ao circuito”. VIRA ESSA BOCA PRA LÁ, GURU kkkkkkkkkkkk O robozinho satânico tá motinho da silva chavier kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    A semana dele foi toda ilusória, na verdade, escapou por falhas dos adversários. Hoje ele pegou um Fedex que só jogou 70% do que vinha jogando antes de xangai, e na hora H, o R-AFINA, AFINOU kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Nadalzetes, o robozinho assassino do tênis arte não ganha nenhum torneio importante esse ano, aceitem essa verdade LÓGICA kkkkkkkkk, que o sofrimento é menor kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    O C.E.O desabou faz tempo SPENCER, e nem o GURU que enxergar o óbvio. Deve ser por uma leve afetação do lado nadalzete kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Esse é o tenista mais embusteiro da história. Repito: não conheço na história do tênis um tenista colocado entre os maiores que ao 29 anos, em plena forma, tenha conseguido a façanha de passar o ano todo só ganhado 250tinha kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkSÓ A MEDIOCRIDADE DO SEU TÊNIA PARA EXPLICAR ESSA FAÇANHA KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    CHUPA QUE É DE UVA, NADALZETES KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Responder
    1. Auręlio Passos

      É mesmo, incrívek esse papinho que estå evoluinfo, mudando. Passou a semana
      jogando atrás, saindo de buracos, com metade (ou um terço!!) de winners que os
      adversårios. Só o que voltou é a capacidade misteriosa de fazer quatro partidaseguidas
      rm mais duas horas e na finak correr msis ainda.
      E, tdmbém, ficiu claro que após o veto so Bernardes, o ardiloso espanhol faz a festa
      no estouro do tempo para sacar.

      Responder
    2. José Alves

      Por que vc o odeia tanto? Por que? O maior jogador de saibro de todos os tempos,que ofuscou a hegemonia do Federer, que impediu o DjokoSlam em 2012.Conte-nos por favor? Suas análises sobre o jogo do Nadal são perversas e anti históricas.Vc conhece alguém que viveu lesões da mesma gravidade sofridas pelo Nadal e que msm assim permanece entre os melhores do mundo?Ele ficou mais de dois anos afastado,sem ritmo,como dizer que está em plena forma?Nadal em plena forma é CAREERGOLDEMSLAM AOS 24 ANOS. NAO ESQUEÇA . Não tenho nada contra vc,sou torcedor do Nadal e deveríamos torcer juntos pela recuperação do touro,afinal os duelos entre ele e seu djokobauer seriam bem mais interessantes.

      Responder
      1. Alessandro Siqueira

        É isso aí. Um confronto se torna interessante quando há efetiva disputa. Não podemos confundir rivalidades com passeios. Por isso quero os tops em condições de brigar pelos grandes títulos. Chega de “rivalidades” retratadas em 24 a 11…

        Responder
  49. Arthur

    Dalcim,

    É impressão minha ou o Federer sofreu mais do que o que devia nessa final contra o Nadal?
    Sei não… Fiquei com a impressão de que, se o Nadal estivesse só um pouquinho melhor, tinha levado o caneco.
    É impressionante como o jogo dele incomoda o suíço, que fica meio sem achar alternativas e acaba se entregando mentalmente. Nesse caso, felizmente (pelo menos pra mim), ele não entregou a rapadura no final.

    Um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, achei que o placar normal seria a vitória em dois sets, até porque Federer teve chance de obter a quebra no sétimo game, um backhand cruzado lindo, mas que saiu por pouco. Mas a partir do final do segundo set, o Nadal cresceu muito na partida, ficou bem perigoso e confiante. Daí eu ver o lado positivo do Federer, ou seja, ele soube se impor novamente com o saque e um jogo agressivo e eficiente.

      Responder
  50. Enoque

    Acho que o Federer deveria planejar um final de carreira em grande estilo e com possibilidade de bater, ainda, vários recordes:
    2016 – Somente os grandes torneios, escolhendo 12 ou 13 torneios de sua preferência;
    2017 – Austrália, Wimbledon e US Open, alguns Máster 1000 e vários torneios ATP 250 como convidado de honra.
    2018 – ATPs 250 como convidado e sob medida, podendo escolher os horários dos jogos, onde teria 1 ou 2 jogos mais difíceis até o titulo.
    Assim, poderia superar facilmente os números do Lendl, que também ganhou muitos torneios menores.
    Só acho difícil superar o número de títulos do Connors.

    Responder
  51. Weverson Pinheiro

    Mestre Dalcim,

    Primeiro parabéns pela sua participação no Ace Bandsports, quando te vi fiquei até o final do programa. Falando do jogo foi o que se esperava diante da fase do espanhol, mas clássico é clássico! Fiquei tentando entrar na cabeça do Maestro Federer e imaginei…” Agora é minha vez de carimbar o Rafa”, dos grandes só faltava Federer vencê-lo. Dalcim, na minha visão o único grande título que falta ao Nadal é o ATP Finals, e é a última chance dele, quais seriam as reais chances dele? Na minha opinião só um título em Paris para credenciar ele no Finals. Abraço grande Professor!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Verdade, temos de ver Paris e principalmente em qual grupo ele cairá. Isso pode ser determinante para ao menos uma semifinal em Londres. Abs!

      Responder
    2. Márcio

      Excelente.
      Eu prefiro Federer à Nadal e Djoko, pois aprecio o tênis. Simples assim.
      Agora, que é bom para o tênis o Nadal vencer o Finals, sem nenhuma dúvida.
      Um grande jogador como ele precisa ter esse título. Do contrário, problema do Finals.

      Responder
  52. Rafael Wuthrich

    Dalcim, podemos dizer que Federer assombra o tênis ao viver fase tão auspiciosa sendo o segundo melhor tenista do ano com seus já 34 anos? Arrisco dizer que, se Djoko não estivesse no auge da carreira e da forma, poderíamos estar vislumbrando um ano espetacular do suíço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Concordo plenamente, Wuthrich, haja vista as duas vitórias de Federer sobre Djokovic ao longo da temporada. É notável que o suíço ainda progrida tecnicamente e esteja em forma física exuberante. Assisti-lo desfilar em quadra e executar os golpes com tamanha desenvoltura é mágico.

      Responder
  53. alexpicelli

    Bom eu particularmente apostei no nadal, mas achei que, se nadal nao tivesse vacilos, ganharia do suiço, melhor pro federer que se incomda com o jogo do nadal.
    vi um nadal errando bolas que nao errava antes, saque horrivel, subidas melhores a rede, talvez sem as substancias começara a usar mais isso, mas como dalcim disse, se o joelho deixar pois ele sentiu um pouco, bem frizado pelo dalcim.
    agora 2016 se nadal continuar assim, poderar tentar algum master 1000, GS sinto muito aos que acreditam, nadal nao vencera mais nenhum, nao aguenta mais 3 ou mais sets diretao.
    agora federer, sera novamente em 2016, o numero 2, sera dificil bater nole, mas o que o federer esta afzendo aos 34 anos, bem como frizou dalcim, e incrivel!!
    vida longa ao rei federer

    Responder
      1. alexpicelli

        horrivel que sempre me vem em mente os jogos dele com federer, esse achei que se tivesse errado menos venceria o federer sussegado.
        horrivel dalcim que digo no sentido das escolhas e ataques do espanhol, sao de longe o que eram, estao mais afceis, este horrivel e sempre lembrando do antigo nadal rsrsrs!!

        Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Nadal sacou muito bem amigo. Próximo a linha de base, esta’ com a confiança em alta. A sua aposta na vitoria do Espanhol ( se dizendo envergonhado pela freguesia), demonstra que ate’ você reconhece. Em OITO Finais fora do Saibro, CINCO ( 2 SLAM, 1 FINALS, 4 MASTERS 1000, ATP 500 da BASILEIA ), foram vencidos pelo Amarelão. Infelizmente nunca saberemos como seria a freguesia das outras Feras com Back de uma mão ( incluindo Sampras), no Barro, ante ao canhoto Espanhol. WAWRINKA que o diga. Abs!

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Aí, vc brincou, né Sérgio.

        Sampras seria ESTRAÇALHADO por Nadal no saibro.

        Sampras perdia de todo mundo no saibro, até do Meligeni já perdeu… Ele era simplesmente muito ruim no terrão.

        Responder
    2. implicante

      Alex, o Nadal sacou bem sim. Média de acerto beirando os 70%, que é o seu normal.
      Fazer aces não é um indicativo de bom saque, é apenas uma estretégia de jogo. Se algum tenista faz 15 aces, mas colocou em quadra 50% dos saques, esse tenista não sacou bem.
      E a estratégia do Nadal é bem clara de mandar 100% de bolas no backhand, para tentar minar o golpe do Federer. Mas hoje não deu certo.

      Responder
  54. Auręlio Passos

    Novamente essa vontade que os mesmos continuem ganhando sempre,
    para dar notīcia, tipificado na frase “o Nadal que tanta faz ao circuito”.
    Falta pra quem? Por acaso ele nāo tem jogado? Não ganhou
    3 tītulos e chegou em finais? Concluii-se entāo que a frase
    signufica qye qyer que o espanhol volte a ganhar tudo, esmagand
    os outros pela sobrepujância fīsica.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Bom, quem torce pro Nadal, não tá podendo falar muito, não. O que ele ganhou em 2015?

      Federer além sesses títulos citados, chegou em duas finais de Grand Slam e obteve acho que o único troféu de Masters que Novak ainda não tem na prateleira.

      Tudo isso aos 34 anos.

      Será que o Djoko ou Nadal farão melhor?

      Responder
  55. Chetnik

    Faltou saque para o Touro. Federer meteu 12×0 em aces.

    Ao final do segundo set, confesso que achei que o Nadal venceria. Mas, mesmo no seu pior ano e na sua pior quadra, ele perdeu apenas por detalhes do Federer, na melhor quadra deste.

    Convenhamos, que esquerdinha vagabunda essa do Federer. Isso que ele melhorou ao longo dos anos. Bom, Nadal já fez a sua boa ação da década, deixa o seu servo favorito se acabar com o ossinho.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, com uma esquerda vagabunda o rapaz ganhou 17 Slam e ficou 302 semanas na liderança do ranking! Ah, venceu o atual e imbatível número 1 duas vezes na melhor temporada de Djokovic. Realmente…

      Responder
      1. Chetnik

        O Sampras tinha um esquerda fraca e venceu 14 GS. O Nadal também alterna bastante, mas tem momentos que a esquerda dele é bem ruim.

        O Djoko venceu 10 GS sem saber das slices, voleios e smashes – segundo muitos.

        Federer compensa a esquerda com o saque, movimentação, a direita e o jogo de rede – tinha mais direita antes e hoje tem mais jogo de rede.

        Responder
      2. Robson

        Meu caro e nobre Mestre Dalcim,
        A esquerda de Federer é sim uma avenida,um convite,e só as federetes mais apaixonadas não conseguem enxergar essa realidade de desde sempre.
        Federer liderou sim o rancking por 302 semanas,venceu 17 GS e 24 M1000,porém foi por causa dos fundamentos e recursos de Federer que são todos muito bons.
        Se Federer tivesse um BH no mínimo bom,vou nem falar excelente,más no mínimo bom,ele teria uns 25 GS,40 M1000,mais de 400 semanas de líder do rancking e no H2H frente a Nadal teria 25 x 9 em favor do Suíço.
        E pq coloco esses números,pq em dezenas de jogos que vi de Federer x Nadal ao longo dos anos,eu vi Nadal vencendo vários destes confrontos simplesmente explorando o BH fraco do Suíço.
        Eram tantas bolas que Nadal mandava no BH de Federer que os erros não forçados se multiplicavam durante os jogos e com isso iam pro brejo a confiança e a paciência de Federer e o que se via no final do jogo era Nadal erguendo mais um trofeu e de sobra pro suíço uma bandeja.Isso é fato,só não enxerga quem não quer.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Uma coisa é se dizer que o backhand do Federer é seu ponto vulnerável. Isso ninguém com o mínimo de sensatez pode negar. Outra coisa é dizer que é um golpe ruim. Há uma diferença imensa entre as duas coisas.

          Responder
          1. Robson

            Bom,vulnerável ou ruim(o que pra mim dá na mesma),o fato é que Federer tem em sua esquerda o seu ponto fraco,explorado milhares de vezes por Nadal em seus 34 confrontos.
            E reafirmo,se Federer tivesse BH do nível do Wawrinka que não chega a ser bom e avassalador como BH com duas mãos(Novak,Delpo)mas que entre os de uma mão é sem duvidas o melhor,não tenha duvidas Dalcim,os números de Federer seriam melhores do que já são.
            Enfim,não quero polemizar com vc Dalcim,vc é profissional no ramo,eu ainda que acompanhe Tênis a muitos anos,sou apenas amador.

        2. Sergio Ribeiro

          Você parceiro, e o Chatonik ( parece que viu a Final) so’ corroboram as qualidades do Craque Suíço. Peguemos dois Backs de uma mão atuais ,assombrosos: Nadal 13 x 2 WAWRINKA , Federer 17 x 3 WAWRINKA . Nadal 12 x GASGUET 1, Federer 14 x 2 GASQUET. E’ mole ou quer mais ?Aos 34, as esquerdas na paralela( tinham sumido) e as Madeiradas constantes. Como bem disse o Dalcim, o novo Equipamento trouxe melhorias. Ambos so’ nao explicam o Nadal 14 x 6 Novak, no Barro. Ou isso nao e’ Freguesia ? Kkkkkkk Abs!

          Responder
          1. Robson

            Sergio, meu caro Sergio,
            Seus exemplos nada tem haver, BH do Wawrinka e de Gasquet são sim melhores que de Federer, mas Nadal tem esse H2H amplamente favorável ao francês e ao outro suíço pq eles tem todos os outros fundamentos e recursos do tênis inferiores a Federer, elementar meu caro Sergio. O mesmo digo do H2H de Federer esmagador em cima de Wawrinka, todos os fundamentos e recursos de Federer são muito melhores que os de Wawrinka.
            Quanto a esses exemplos toscos, que mais cheiram desculpinhas de chororô do que de realidade sobre confrontos a mais ou a menos em quadras de Saibro, vamos parar com isso que tá feio demais.
            O circuito é formado por vários torneios durante o ano, em vários países, com vários tipos de quadra, entre elas o Saibro, e esse conjunto todo é Centenário, portanto ñ exclua e ñ fique cheio de “se” quando for falar de números se referindo a H2H e a taças conquistadas. Abs…..

          2. Sergio Ribeiro

            Meu Caro Robson, você nao respondeu absolutamente nada. Nao tem nada de Se nenhum. Por enquanto , Novak e’ um grande freguês de Rafa Nadal no Barro. Simples assim. E este e’ o Rei do Saibro e o Suíço o Rei da Grama. Dificil alguns desses Caras chegarem ao Numero de Titulos (15) nesta superfície. Como Novak jamais ganhou em Queen’s , somente possui 3. Abs!

        3. Márcio

          Se não tivesse aparecido outro fora de serie como Nadal, o FEDERER chegaria nesses números.
          Agora, sem o fora de série FEDERER, o Nadal melhoraria os seus números? Não, o próprio circuito toma conta dele.

          Responder
      3. João Luiz

        Boa Dalcim.
        Federer e Nadal é um clássico.

        Dois dos melhores jogadores da história. Em vez de desmerecer um dos dois, vamos aproveitar esse privilegiado momento.

        Responder
      4. Carlos Alberto Martinez

        Boa Dalcim, coloca estes fanáticos no lugar deles. São apenas torcedores e querem entender mais de tennis do que os profissionais que comentam.

        Responder
      5. implicante

        Dalcim, se o cara acha que fazer ace é o critério para eleger um bom saque, essa pessoa não tem a menor credibilidade de falar algo. É só um troll querendo chamar atenção.

        Responder
        1. Robson

          Sério mesmo que vc, logo vc tá chamando alguém de troll?
          De todos aqui do blog, acho sinceramente vc o que menos entende de tênis, juntamente com a federete que tanto quer explicação sobre H2H de Novak frente a Gonzáles, rodicki, ao invés de explicar com fatos reais e ñ utópicos a vergonhosa lenhada de Nadal em cima de federer.

          Responder
      6. Fabio

        Sim, mas não ganha Slam de Nadal ou Djokovic há quase uma década. Federer pode ser tudo, mas não seria tão vencedor sem os problemas físicos do australiano L. H, Safin e Guga. Geração ficou aberta. E quando os garotos chegaram, seu auge dumiu aos 28 anos.

        Responder
  56. filhodedavid

    Em relação a Radwanska, ela até parece ser gente boa, mas meu Deus, só misericórdia, 5 erros não forçados, sei, ataque mandou lembranças a Polonesa, desculpe mais aquelas mudanças e variações de jogada já estão manjadas , o que eu parabenizo ela, é a precisão em devolver as bolas, mas as adversárias erram ao extremo, que as vezes facilita a vitória da polonesa. O que me deixou mais impressionado é que o comentarista Renato Messias ( que se diz entender de tênis) disse que a Aga é a jogadora mais habilidosa e inteligente (se fosse inteligente já tinha ganho vários Grand Slam e seria nº 1) só precisa ter mais potência em bater nas bolas, dando a entender que Aga é mais talentosa que Serena, OI? Não vejo isso tudo na Aga não, ela não tem ataque espera o erro da adversária, esse comentarista é outro que torce o nariz para a Serena, repito Serena não é só força física, claro que no início da carreira ela era mais ágil, é só pegar os vários vídeos na internet, agora ela tem 34 anos, faça-me o favor né comentaristas da Band sport. Agora te pergunto Dalcim, você acha Aga mais tenista do que Serena? Abraços
    ps: Parabéns a Martina Hings, campeã!! Quem será a parceira dela nas olimpíadas? Bencic ou TImea? E as mistas Federer ou Stan?

    Responder
    1. Santos

      Concordo totalmente, jogo horroroso da Polonesa, modorrento, defensivo, chato, irritante, etc…, e a Petra, apesar de ter talento me parece desleixada com a carreira, então não gosto muito de ve-la jogar. E o tal Renato, meu Deus, comentarista mais sem noção, aliás muito ruim a transmissão do Band Sports, ignorou as duplas, comentaristas que ficam zoando as tenistas com comentários com fundo depreciativos…Essa modinha de transmissão engraçadinha já tá enchendo o saco.

      Responder
  57. Mario Cesar Rodrigues

    Primeiro.O rafa que escolhe sacar agora e eu acho que está certo..sobre o jogo realmente foi um pecada no terceiro set o juiz de linha cantar fora o ace do Rafa pronto foi e perdeu o saque e por pouco muito pouco Rafa não quebra de volta..isto mostra que Rafa vai ir muito bem em 2016 isto é ótimo ao Federer parabéns!Foi uma semana muito positiva para Rafa..ano que vem o bicho vai pegar!abraços Dalcim e o KN vai tentar jogar olhe lá se entrar em quadra!

    Responder
  58. Maurício

    Apesar da derrota, Nadal é o segundo que mais pontuou na temporada pós US Open, isso em superfícies que não lhe agradam. Já que os demais não têm tido os resultados que se espera, prevejo que terminada a temporada de saibro, o Nadal é que vai acabar sendo o número 2 do mundo, tentando ele mesmo desbancar o sérvio.

    Responder
  59. Gildokson

    Poxa Dalcim eu não achei o Federer tão bem assim não, no segundo set aliás a esquerda deu aquela bambiada de sempre, se ele tivesse jogado no “nível UsO 2015” teria atropelado em 2 sets. Mas pra ele deve ter sido um alívio vencer o espanhol hoje, pois um derrota seria uma catástrofe mental, ao menos na minha humilde opinião. rsrs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o forehand dele – como em outros jogos – teve algumas falhas, mas no geral ele se saiu muito bem com seu estilo muito agressivo, o que é tão difícil de se executar com o tênis de hoje.

      Responder
  60. filhodedavid

    Boa noite, estou emocionado, me desculpem, mas o jogo entre Federer x Nadal é o maior clássico do tênis, não importa se Nadal x Djocovic ou Federer x Djocovic tem mais confrontos, o que esses confrontos não tem, é a magia do esporte que surge nesse confronto e não vamos nos esquecer que Federer e Nadal, praticamente se enfrentavam só na final e o djoco enfrentava eles bem mais cedo, nas oitavas, quartas, isso explica muito o confronto entre esses três acontecerem muito, e vai ampliar mais, principalmente entre Djoco x Nadal e Federer x Nadal, pois Rafa é top 6 agora. Independente da freguesia, eu não troco um Federer x Nadal, por um Djoco x Fedeer ou Djoco x Nadal. Federer e Nadal tem muito mais peso, isso foi construído e não há nada que mude. Fico triste, pois vejo cada vez mais raro o confronto entre eles. Dalcim, eu achei o jogo espetacular, você acha que esse foi um dos melhores confrontos entre os dois, em relação aos últimos 5 confrontos? Abraços.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Tecnicamente, os dois oscilaram, mas foi um duelo bem divertido, com cada um mostrando a sua opção tática bem clara e se empenhando nela. Achei Federer bem mais agressivo, não se intimidou e não tentou ficar no fundo de quadra, o que é o correto contra o Rafa.

      Responder
  61. Juscelino Júnior

    Boa noite Dalcim!!

    Bela vitória do Roger!! Agora, falando sobre o Nadal, pra você o que falta pro Espanhol voltar a ser o bom e velho Touro Miúra:
    a) Ser mais consistente com o saque (impressionante como ele tem sido quebrado no começo dos games);
    b) Calibrar ainda mais o forehand (acho que esse já tá quase lá);
    c) Oscilar menos mentalmente (voltar a exercer seu enorme poderio mental);
    d) todas as anteriores

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que realmente um pouco de cada uma, Juscelino. Acho que ele trabalhou muito bem o saque durante a semana toda, foi mentalmente muito forte em momentos bem delicados e se mostrou mais agressivo e preciso com o forehand, que é a base do seu jogo. Então acho que está só faltando aquela grande vitória para dar a levantada final na sua confiança.

      Responder
    2. Auręlio Passos

      “Poderio mrntsl”???? Keia-se “preparo físivo infinito sabe-se lá como”, para um
      jogadir que faz força e gasta energia como ninguém.

      Responder
  62. implicante

    é uma pena que a maioria dos confrontos tenham acontecido em melhor momento do Rafa. Se o Rafa chegasse mais longe nos torneios dos últimos 2 anos, o Federer estaria bem perto do irreal h2h entre ambos.
    O Rafa também contou com 2013, péssimo ano do suiço e muitos confrontos entre eles.

    Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Acho que essa é uma realidade. Houve torneios esse ano em que Rafa esteve na chave de Federer e perdeu em primeira ou segunda rodadas, quando Roger seguramente é o segundo melhor tenista do ano. Ou seja, seriam situações de favoritismo claro de Federer se ambos se enfrentasse. Isso também acontecia nos grandes torneios de quadra dura da fase áurea de Roger (2005-2007), em que Nadal caía cedo nesses torneios. Ainda acho o H2H entre ambos altamente enganoso – talvez não a superioridade de Nadal, mas a diferença de vitórias. Por exemplo, Djoko enfrentou Federer e o próprio Nadal muito mais nesses períodos e tem um histórico totalmente equilibrado contra ambos. Acho mais realista.

      Responder
  63. José

    Dalcim, estou achando que Rafael Nadal vai incomodar ano que vem de novo! Ele vem de 3 ótimos torneios em pisos que ele não se sente muito a vontade. O que acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É o que espero, José, pois o circuito fica bem mais interessante com ele em forma e na luta pelos grandes títulos. Só fiquei um pouco preocupado por ele ter mostrado algum problema no joelho direito, talvez pelo excesso de jogos na quadra dura. Está na hora de esquecer as duplas.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Sinceramente, queria que um repórter fizesse essa pergunta quando ele estiver aqui no ano que vem. Qual a vantagem em jogar duplas seguidamente, com tantos problemas no histórico.

        Responder
  64. Alvaro Armbrust Jr

    Caro Dalcim, dizer mais o quê??
    Somos privilegiados por estarmos vivendo esse momento tão especial do tênis.
    Não vimos Caruso, não vimos Beethoven, nem Einstein, nem Leonardo da Vinci, mas temos a imensa honra de podermos assistir Roger Federer e Rafael Nadal. Infelizmente não podemos dizer o mesmo do tênis feminino e tampouco da seleção brasileira de futebol.
    Grande abraço e aguardando os posts do Master 1000 de Paris.

    Responder
  65. Marcelo-Jacacity

    Parabéns Federer pela bicicleta aplicada no Nadal!
    Espere! O suíço não aplicou uma lavada no espanhol, nenhum pneuzinho no espanhol!? Mas como? Não foi na quadra dura? Indoor? Os fãs exagerados não disseram que seria um massacre? Federer jogando demais e Nadal sem ser o Nadal de antes…
    Que coisa não!

    Responder
    1. Auręlio Passos

      Ridīcula ironia maldosa, salivando veneno.
      Hoje foi o Nadal de sempre da semana, sempre sendo
      quebrado primeiro nos sets, equilibrando no sufoco
      e correria de sempre.

      Responder
      1. Marcelo-Jacacity

        Sr Aurélio,
        Quanto mau humor! rs
        Apenas transcrevi os comentários de muitos fanáticos pelo suíço ao longo dos últimos meses.
        Nada além disso!

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Memória seletiva a tua, né marcelo. E quanto aos comentários do tipo:

          ” Mas Federer treme diante de Nadal. É freguês, se apequena. Nadal dará uma surra. Basta enfrentar Federer pra a confiança dele voltar na hora. Nesta final dará um pneu em Federer”. Etc, etc, etc…

          Responder
    2. Implicante

      Federer jogando demais? Acho que vc não tem acompanhado tênis depois do US OPEN., ele 3stava jogando demais entre Halle e US open. Depois deu uma caída após a decepcionante final do último slam. Ganhou esse torneio mais com o coração que nível de jogo.

      Responder
    3. Sérgio Ribeiro

      Que coisa nao Marcelo !. Quadra dura, Indoor e o amigo quer vencer o Concurso cravando Rafa Nadal em Sets Diretos ? Entrou pra turma do MC ? rsrsrs…Abs!

      Responder
    4. Cassio

      Chora na cama que eh quente…o mais bacana eh que djokovetes como vc e o chetnik – maiores secadores do Mestre – retratam perfeitamente o `tamanho` do Nole frente a esses dois GIGANTES do tênis, a despeito do amplo domínio nos últimos 2 anos. Comentário de quem não sabe reconhecer o prognostico furado e, sobretudo, a conquista do outro atleta.

      Enfim, a sombra dos grandes…

      Responder
    5. Marcos Castillo

      Ah Djokocity, vc é bem divertido, mas nessa vc pisou na bola… Vou dar um desconto por saber que compartilhamos da mesma alegria horas mais tarde num outro esporte.

      Responder
  66. Valmir

    Dalcin,

    O Nadal de antes era… quase imbatível no saibro… ganhava GS… e impossível de perder do Federer no saibro (exceto Madri 2009) .

    O Nadal de agora que você diz estar bem próximo ao que era… só disputa final de ATP500… e ainda perde pro Federer no saibro…. rssss

    Queria saber o que tem na sua bola de cristal para ver isso.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Talvez bom senso, porque é evidente que Nadal eleva seu nível técnico e principalmente mental a cada semana, Valmir. Seria bem interessante se ele cruzasse em Paris com o Djokovic para uma nova avaliação. Particularmente, torço muito por sua total recuperação.

      Responder
      1. Fernando Brack

        Putz, aí barrou meu prezado Wuthrich. Acho que ele e o Oscar merecem o livro.
        O que esses dois chegaram perto do placar e do tempo de jogo foi brincadeira.

        Responder
        1. Oscar

          Acompanho jogos de tênis a muito tempo , mas não costumo dar palpites em jogos, mas um colega do face disse que sou bom com números e pediu para eu opinar sobre o jogo. Olha que de ultima hora quase apostei no Nadal pelo retrospecto nos ultimos, mas como sou um profundo admirador de Roger Federer cravei este resultado.

          Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *