Spettacolare
Por José Nilton Dalcim
11 de setembro de 2015 às 16:51

O tênis feminino está boquiaberto. A Itália, em festa. Duas veteranas, muito distante de qualquer cotação para ganhar um Grand Slam no atual estágio de suas carreiras, irão decidir nada menos que o US Open. Mais incrível ainda, ganharam das duas melhores tenistas do ranking, derrubando todos os prognósticos. É certamente a maior surpresa do circuito das meninas desde que outra italiana, Francesca Schiavone, duelou na final de Roland Garros contra Samantha Stosur.

O feito de Roberta Vinci é absolutamente histórico. Teve uma certa dose de sorte, mas isso é algo que faz parte do tênis. Fez três jogos iniciais contra adversárias sem currículo e deveria então cruzar com Eugénie Bouchard nas oitavas, a canadense em clima de reação. Mas aí aconteceu tudo aqui, a italiana nem precisou entrar em quadra e depois tirou uma pouco experiente Kristina Mladenovich.

Mas tudo isso ficará em segundo plano, porque ela entrará mesmo para a história como a tenista que impediu o Grand Slam de Serena Williams em plena Nova York, provavelmente 23 mil pessoas torcendo contra ela. E mais notável: de virada. Aliás, duas. Além de ganhar o primeiro set, a dona da casa ainda abriu 2/0 no terceiro. Porém, jamais se mostrou solta e Vinci explorou isso com notável inteligência e competência. Abusou do slice e das bolas anguladas para tirar o ritmo, recorreu aos lobs para fazer a adversária jogar sempre mais uma bola e foi recompensada com o caminhão de erros da número 1. Deu deixadas oportunas, subiu à rede com sua habilidade de duplista e não tremeu na hora de fechar o jogo.

Aos 32 anos e 1,63m, Vinci só havia ganhado três jogos de Grand Slam nas duas últimas temporadas até chegar a Flushing Meadows. Mas, não por acaso, foi justamente em Nova York onde obteve suas duas únicas passagens anteriores pelas quartas de final desse nível, em 2012 e 2013. E por que logo no piso sintético? Porque Vinci, antes de tudo, é uma excepcional jogadora de duplas, com cinco troféus de Slam ao lado da então parceira Sara Errani, com quem liderou por muito tempo o ranking da especialidade.

Aliás, a quadra dura também é onde Pennetta tem todas as suas melhores passagens da carreira. Fez semi e mais quatro presenças em quartas no US Open antes de 2015, além de quaras na Austrália. Nesses dois lugares, ganhou e fez final de duplas. Daí ser bem menos surpreendente que ela tenha eliminado Sam Stosur, Petra Kvitova e Simona Halep na sequência, depois de quase ter perdido para a boa Petra Cetkovska. É uma tenista agressiva, que joga para ganhar os pontos.

Um ano mais velha que Vinci, Flavia já esteve no top 10 de simples, há seis temporadas, e também liderou o ranking de duplas. Se levar o troféu às 16 horas deste sábado, irá ao oitavo posto e garantirá vaga no Finals de Cingapura.

Em 2010, Schiavone maravilhou o tênis e ganhou Roland Garros na condição de cabeça 17. O feito de qualquer uma de suas compatriotas será ainda maior. Pennetta é a 26ª pré-classificada e Vinci sequer figurava entre as 32 favoritas. O prêmio? Merecidos US$ 3,3 milhões, o mais alto já pago no tênis em todos os tempos.

Tal qual o masculino, o US Open verá o duelo entre o backhand de uma mão e o de duas em sua final.


Comentários
  1. Luiz Silva

    Federer sera campeao do torneio com um pe nas costas. Mas o meu xara ai em cima esta sofrendo pois o Dalcim tem uma opiniao diferente da dele.

  2. italo xavier de sousa

    Dalcim será que o excesso de confiança atrapalhou Serena? Ninguém apostaria em Vinci inclusive eu, mas ela mostrou que nada é impossível no mundo do esporte, e assim teremos uma final bem interessante, pois já estava ficando chato, ver só a Serena ganhando tudo. abraços.

  3. Paulo Roberto

    Grande vitória da Vinci e ela teve todo o mérito. Fez o que muitas não conseguem contra Serena, algumas variações de jogo, aliando precisão, tática e até mesmo plasticidade. A italiana provavelmente imaginava que somente pancada e correria não resolveriam contra Serena, aí usou inteligência. Épica final italiana.

    No masculino, espero que Federer jogue na final o que vem jogando ao longo do no torneio, diferente do que ocorreu em Wimbledom.

    1. alexpicelli

      congratulazioni ragazze…… come mi piace vedere serena cosi crollata kkkkk.
      bom pessoal o que nosso amigo ai acima disse tambem concordo, uma coisa que sempre me pergunto, é por que as adversarias nao conseguem por serena pra correr, ja que, ela muito forte, perdao da palavra( bundao e peitos grandes sem dizer das coxas fortes), ao meu ver a deixa lerda, mas nunca vi alguem coloca-la feito parabrisas,pois tenho certeza que ela nao daria conta, e a vinci o fez deixando a americana maluca de raiva.
      nao gosto muito dela, acho que ela faz muitas caras e bocas, chora demais sem necessidade e isso me irrita, ela nao precisa fazer cara de dor, mas faz quase sempre.
      vinci mereceu e com meritos, sobre a penetta maravilhosa companheira e amiga de vinci e que fizeram um lindo duelo na final, sobre tudo a comemoração, per la madona, que foi aquilo que comemoração emocionante, divertida e empolgou o publico com ambas muito simples e alegres.
      dalcim nao manjo muito de ingles,mas a penetta disse que ira parar?num site italiano diz que ela se retirara sim, uma pena mas terminar assim de forma otima e sempre mais gostoso.creio eu que se dedicara a vida pessoal, ja que os italianos gostam de constituir familia, vai saber que pensa sobre o futuro com fognini.
      eu estou muito feliz com essas duas, fizeram historia no tenis e em solo americano uhuhuhu!!

  4. fepauli

    É Dalcim como disse num outro post a bruxa veio e foi embora rapidinho, só fez estrago no feminino. E essa final masculina 60% Djoko e 40% Federer, vice-versa ou meio a meio? O que achas Dalcim?

  5. Marina

    Dalcim, uma curiosidade: ano passado foram os cabeças 1 e 2 do masculino que caíram na semi. Esse ano as meninas resolveram realizar o feito

  6. Fernando Brack

    E pensar que Serena perdeu talvez seu USO mais fácil de todos, depois de ter ganho
    os últimos três. Este título, especialmente após a eliminação de algumas jogadoras
    que costumam colocar um pouco de pressão nela, era uma barbada como poucas.
    Quando Serena e Vinci foram à rede para o sorteio, cheguei a ficar com dó da italiana
    pela diferença de tamanho entre as duas. Parecia que Vinci seria massacrada.
    Foi uma reprise feminina da vitória de Davi sobre Golias.

  7. Maurício Luís*

    Torço pra Serena, mas há que se considerar que esta derrota inacreditável, esta zebra histórica, tem também o seu lado bom.
    Serve pra calar a boca de muitos preconceituosos. Um exemplo: li semana passada de um internauta – não foi neste site, mas foi por escrito – que Serena estava acabando com o tênis feminino, que era “bestial”, masculina, etc. E que agora começou a ganhar jogos no terceiro set SÓ PRA DISFARÇAR (!!!).
    Que poço de incoerência, ignorância, preconceito… e tudo isto em pleno século XXI.
    Neste momento, gente como esta deve estar elaborando novas teorias, cada uma mais estapafúrdia e escalafabética que a outra. Mas com certeza levaram um baita revés, e fecharam o bico.
    Serena e Venus foram reveladas em quadras públicas, coisa que no Brasil ainda é uma utopia. Suas carreiras vitoriosas são fruto da popularização do tênis. Deveríamos copiar o que dá certo em outros países, mas… Aqui, tem que ser sócio de clube, preços de raquetes e bolinhas lá em cima, enfim, UMA PENA.
    Serena, estou com você na alegria e na tristeza. E espero que continue elevando o nível do tênis feminino, porque de baloeiro já chega um tal espanhol.

  8. André Pires

    Dalcim, que horas acontecerá a final masculina no domingo? No site do US Open diz que a programação começa ao meio dia, mas também há o jogo do feminino nas duplas. Qual deve acontecer primeiro?

  9. Marco Dias

    Pena Wawrinka ter se abatido tão rápido.. teve chances apenas no primeiro game de serviço de Roge que r chegará descansado na final, pelo menos! Dessa vez vem o 18° Slam.

  10. Fernando Brack

    Sem surpresas no masculino e dois jogos sem muita emoção. Na verdade, Djoko x Cilic
    foi um tremendo fiasco. A torcida agora é pro Federer engolir o Djoko, como fez em Cincy,
    e levantar logo esse 18º caneco antes que não dê mais em definitivo.

  11. Oswaldo E Aranha

    nestas finais está havendo uma identidade pátria. No feminino 2 italianas, no masculino 2 yuguslavos e 2 suiços. voltarei oportunamente.

  12. Natanael Lobato

    SENHORES O QUE É PRECISO PARA SER O G.O.A.T. (The Greatest of All Times)?

    Idealmente, claro, ser o melhor em todos os critérios.

    Sabemos, porém, que esse não é o caso. Sendo assim, elenquei 10 fatores mediante os quais julgar os candidatos. Uma análise desses números e seu peso relativo será chave para tentarmos atingir algum resultado mais consistente.

    (1). O FATOR GRAND SLAM (GS)

    — títulos, finais e semis: consecutivos e não-consecutivos
    Discussão:
    — Importância dos GS.
    — Sete partidas. Todos os cabeças-de-chave dentro. Tradição, desejo, pressão.
    — O fator “melhor de cinco” sets. Um teste para os grandes.
    Os grandes: Federer, Sampras, Laver, Emerson, Borg, Nadal e agora Djokovic
    (2). O FATOR MASTERS CUP (MC)

    — Apenas os oito melhores do ano.
    Os grandes: Sampras, Lendl, Federer e Djokovic.
    (3). O FATOR MASTERS SÉRIES (MS)

    — títulos, finais e semi: consecutivos e não-consecutivos
    — Importância dos MS.
    — Cinco partidas. (Quase) todos os cabeças-de-chave dentro.
    — Pena a final não ser mais melhor de cinco sets. Inexistência de MS antes de 1990.
    Os grandes: Nadal, Djokovic, Federer, Agassi, Sampras.
    (4). NÚMERO TOTAL DE TÍTULOS

    Os impressionantes números de Connors.
    Por que não pode o número total de títulos ser O critério: torneios menores jogados simultaneamente = menos competição entre os melhores. Menos partidas. Melhor de três sets.
    .
    (5). O FATOR “NÚMERO 1”

    — Final de ano como #1; consecutivos ou não.
    — número de semanas na liderança; consecutivas ou não.
    Os grandes: Sampras; Federer; Lendl; Connors, Djokovic acredito eu que por mais 52 semanas garantidas de 2016.
    (6). O FATOR IDADE (títulos/recordes X idade)

    — o fator “precocidade”.
    Hewitt, o mais novo número 1; Borg: 11 GS, 63 títulos antes dos 26 anos; Nadal: 10 GS, 19 MS, 46 títulos aos 25 anos.
    Precocidade X “Longevidade”
    O caso Borg: deveria ser ele considerado o GOAT por causa de seus impressionantes — e precoces — números?
    Como deveríamos julgar carreiras que terminam precocemente? Deveriam os jogadores que têm uma carreira mais longa ser “penalizados” por isso? Ou a carreira (e números) de um atleta constitui um “todo indissociável”, espelho final e definitivo de todas suas potencialidades?
    (7). O FATOR “E SE”

    E se Borg não tivesse se aposentado tão cedo… Ou Justine Henin…
    E se a contusão não tivesse impedido Guga de jogar mais torneios, durante mais anos…
    E se Monica Seles não tivesse sido esfaqueada…
    Podemos incorporar os inúmeros “SEs” aos feitos realmente obtidos pelo atleta?
    .
    (8). O FATOR “RIVALIDADE” (HEAD-TO-HEAD)

    Sampras prevaleceu contra seus principais rivais, notadamente Agassi.
    Federer, ao contrário, tem um head-to-head desfavorável contra Nadal.
    Pode o GOAT ter um head-to-head inferior?
    Um estranho paradoxo: melhor você é, pior pode ser seu head-to-head
    Um conceito interessante: match-up: estilos de jogo feitos ‘sob medida’ ou crônica de um resultado anunciado
    (9). O FATOR PSICOLÓGICO

    Ice Borg e Ice Nadal X Instável Federer
    — É possível separar, num atleta, seus talentos físicos dos técnicos, e estes dos psicológicos? Se sou dotado de incrível técnica, mas não consigo terminar os jogos por conta de meu físico, deveria ser, mesmo assim, candidato a GOAT?
    O paradoxo: se, apesar de óbvia “fragilidade” psicológica, consigo estabelecer recordes e marcas insuperáveis, deveria isso ser considerado um argumento contra ou a favor minha qualidade de atleta?
    (10). O FATOR “RECORDES”

    — GS, MS, Masters Cup, ATP: títulos, finais, semi: consecutivos/não-consecutivos: número de vitórias…
    — Liderança do ranking: temporada final, semanas; consecutivos/não-consecutivos; número de pontos.
    — Anos como top ten; anos com título (de GS)… Acredito que hoje apenas Djokovic deve aumentar seus números.. aguardemos os próximos capítulos

    1. Sérgio Ribeiro

      Amigo , a sua ultima frase ” Apenas Novak deve aumentar seus Números ” , derruba Todos os anteriores. Federer atingiu hoje 298 Vitorias em SLAM , e caso vença a Final , se torna o único na historia a vencer SEIS US OPEN. Portanto, e’ melhor aguardar mesmo.Abs!

      1. Gilvan

        Dalcim, sabe dizer se foi o mesmo tornozelo que ele torceu contra o Chardy nas 8as de final… se foi, o vexame esta explicado. Duas torsoes no mesmo tornozelo em 3 dias ninguem aguenta.

  13. Robson

    Bay bay serena, felicidade total hoje.
    Kkkkkkkk, lembrando aqui do que li de um leitor aqui do blog no post passado,,
    “Pelo menos pra uma coisa esse fraco WTA serviu, atrasou o início da semi final masculina”.
    Perfeito, cheguei em casa do serviço exatamente na hora do primeiro serviço do primeiro game do primeiro set que foi de Novak Djokovic, só alegria, grande sexta feira.

      1. Robson

        Pois é companheiro, a olhar com o seu olhar, foram duas porcarias de jogo, Cilic tão pouco Wawrinka ofereceram resistência 0, Novak e o suíço mais famoso passearam em quadra.
        Mas no meu olhar, eu quero que se dane oo tal de jogo, se meu maior ídolo da história do tênis enfiar pneu, bicicleta e triciclo em todo mundo eu vou morrer de dar risadas, achar mais que demais, o máximo, vamos Novak….

  14. Nando

    Dalcim, quando estará pronto o teto da Arthur Ashe? E tem algum projeto pra cobrir as outras quadras também? E em RG tem algum projeto de cobertura da quadra principal tbm?

    1. José Nilton Dalcim

      O da Ashe já em 2017, vão refazer a Grandstand, mas não há projeto de cobertura. Roland Garros em 2018.

  15. implicante

    Serena perdeu… A dupla mista americana começou o super tie break na frente e pedeu também.
    Agora imagino que os americanos despejam todas as esperanças num título do Federer, para nem tudo sair tão mal.

  16. Carlos

    Dalcim, eu sei que já aconteceu faz um tempo. Mas você acha que o McEnroe tava sendo fanfarrão, ou ele realmente venceria a Serena atualmente? Não estaria ele subestimando seus quase 60 anos?

  17. fepauli

    No primeiro game de serviço de Cilic agora no 2° set ele sacou 7 1° serviços e converteu todas e 5 no 2° serviço não converteu nenhum vai ter que colocar só 1° serviço se não?

  18. fepauli

    Se o Cilic não começar a colocar seu primeiro serviço nesse jogo e acordar na partida, vai pra casa rapidinho de bicicleta ou de triciclo. Djoko praticamente não perdeu ponto no 2° serviço de Cilic.

  19. fepauli

    Para se ter em mente o feito dessa ITALIANA, ela venceu alguém que tinha 5 GS a mais que todas as jogadoras em atuação no WTA 21 a 16 ( 7 de Venus + 9 das outras ). INIMAGINÁVEL!!!!! E se pensarmos nas irmãs, juntas elas tem mais que o triplo de GS que todas as outras jogadoras em atuação do circuito ( 28 > 3 x 9 ). Se elas soubessem do que estava por vir era melhor a Venus ter ganho de sua irmã e ter um pouco mais de chance de vencer talvez seu último GS, pois iria jogar bem mais tranquila que sua irmã. e enqunto isso na 1° semi final masculina Djoko já abre 3×0, parece que a BRUXA maldita foi embora espero que ela não volte mais. rsrsrs…

    1. Diego

      Errado né: Todas as outras juntas tem os mesmos 21 slams da Serena. Venus 7, Sharapova 5, Kuznetsova 2, Azarenka 2, Kvitova 2, Stosur 1, Ivanovic 1, Schiavonne 1. Isso sem colntar os 5 slam de simples que a Hingis, que ainda está em atividade, possui. Com eles o número exato sobe para 26. Já a soma das Williams contra o resto o correto é 28 a 19 para as Williams.

  20. Marcelo-Jacacity

    Steffi Graf é uma sortuda!
    Primeiro um maluco fanático acaba com a carreira de sua maior rival, Seles. E hoje a baixinha Vinci faz com que ela permaneça com seu único Real Gold Slam!
    Incrível!

  21. Marcos - Aurora-Ce

    Os Deuses do tênis existem, e fizeram a melhor coisa acontecer no tênis nos últimos anos, primeiro Nadal não é mais o mesmo, e agora em segundo, não deixaram Serena completar o Gran Slam, que maravilha. viva a Itália!!!

  22. José

    Graff e Laver estão em outro patamar neste esporte. Fizeram o feito mais difícil do tênis. São os maiores na minha opinião.
    Até Serena Williams sente a pressão, não tem jeito..

  23. Carlos Reis

    Obrigado Deus dos frascos e comprimidos, meu pedido foi atendido… rsrs Já deu de Serena Williams!!! Nada contra ela, mas ela não MERECE – nenhuma tenista merece – fazer o Grand Slam… Se o craque suiço não realizou esse feito, não é a Serena que merece fazê-lo… Agora para ficar bom mesmo, falta o Cilic mandar o robô 2.0 embora… VqV!!!

  24. Matheus

    Dalcim, com essa derrota em especial, você acha extremo afirmar que a SERENA meio que se descredencia de ser apontada como a melhor de todos os tempos (como disse recente e enfaticamente o John McEnroe) uma vez que ela falhou tanto em segurar a própria cabeça como também não soube achar meios, achar argumentos, para enfrentar um jogo, digamos, mais “malandro” da Roberta Vinci?! Difícil comparar épocas mas não imagino Navratilova, Graff ou até mesmo Henin, por exemplo, caindo dessa maneira. Acho que jogadore(a)s em geral devem ter suas carreiras “ranqueadas” também pelas derrotas que sofrem. Abs!

    1. José Nilton Dalcim

      Bom, Navratilova perdeu uma final de Wimbledon para Conchita Martinez, algo quase tão inesperado quanto. Mas quanto a sua pergunta, sempre vai haver prós e contras nessa questão de “melhor”, exatamente porque para mim é impossível comparar épocas tão distintas. Ainda mais que a carreira de Serena ainda não acabou, na verdade está talvez longe disso. Abs!

  25. Fabio

    Há tempos advogo a tese de que erros não forçados são mais decisivos que winners, obviamente respeitando os relativos quantitativos. Serena goleou impiedosamente Vinci em aces (16 a 1) e em winners (50 a 19), mas foi goleada por 40 a 20 em ENF’s. Embora não sejam os únicos indicadores relevantes, normalmente um volume muito grande de ENF’s derrubam a confiança e frequentemente levam à derrota. Serena tem mesmo motivos para lamentar, foi talvez sua derradeira chance de completar o “calendar slam”. É algo realmente muito difícil de conquistar.

    1. Matheus

      Amigo, essa é mesmo uma conclusão acertada. E quanto menor o nível, maior é a influência dos erros não forçados no resultado do jogo. Tá cheio de clubes e academias (inclusive no meu!) por aí que o 1o do ranking geral é um p#$% de um baloeiro, só levanta a bola mas não erra uma! Abs!

      1. Fabio

        Verdade,Matheus! No meu clube, o número um atual é um baloeiro descarado, mas muito consistente e com mental fortíssimo… rsrs

  26. Leonardo Carvalho

    Inacreditável essa derrota da Serena! Depois da queda de Azarenka e a eliminação da Halep na primeira semi, achei que Serena faria dois jogos apenas para “cumprir tabela” e ganhar o verdadeiro Grand Slam. Gostaria muito de vê-la conquistar o feito máximo do tênis, mas infelizmente não deu. Resta ver o que representará essa derrota, se o fim do seu domínio ou apenas o revés que impediu a sua maior glória.

  27. Klaus

    Sensacional a vitória da Vinci. Mostrou que pra ganhar da Serena não precisa necessariamente bater mais forte do que ela. Encheu ela de slices e jogadas de habilidade na rede, justamente o oposto de 99% das jogadoras, que parecem que tem alergia ao slice e só vão pra rede para o cumprimento no final do jogo. Claro, contou com o extremo nervosismo da Serena pela situação, mais ou menos o que aconteceu com Djoko na final de RG. Mas o importante é justamente aproveitar essas oportunidades, como fizeram Wawrinka e Vinci.

    1. Maurício Luís *

      Klaus, faço minhas as suas palavras. Quem dera que todos comentassem com este seu equilíbrio e baseando-se em fatos, não em preconceito. Acho que é por isso que a Maria Sharapova amarga uma série de derrotas consecutivas pra Serena. Quer ganhar batendo forte na bola, justo o que a Serena faz de melhor.
      O tênis tem no fator psicológico um peso enorme. E dá chance pra que um(a) jogador(a) mais velho, ou menos musculoso(a) ou mais baixinho(a) tenha chance também.
      Que o digam Dominika Cibulkova, Davi Ferrer, Olivier Rochus, Kei Nishikori e inúmeros outros exemplos.

  28. Helena

    Dalcim,
    O e deuses do tênis só podem estar de sacanagem com a Serena! Com todo respeito ao feito da Vinci, mas ela é o tipo de jogadora que pensei que nunca iria incomodar a Serena. Se bem que conhecendo a última, é bem capaz dela vencer to dos os Slans e as olimpíadas no ano que vem ( alguém já fez isso além da Graf?).
    Agora falando sobre a Vinci, existe mais alguém no top 50 das mulheres com o backhand de uma mão? Por que ele é tão impopular com as mulheres?

  29. Marcos

    A Zebra esta solta… agora vamos ver o que acontece nas semis masculinas.
    Este US open vai ficar na historia pela queda de Serena, para ficar perfeito so falta o coroamento do rei com o 18o GS.

  30. Luiz Silva

    Da Vinci mereceu. Venceu uma Serena que apesar de todos os titulos mal sabe fazer um voleio, tipico da lentidao das quadras e do tenis extremamente fisico de hoje.

    E estamos todos aguardando o decimo oitavo slam de Federer. Com certeza e o titulo mais esperado da historia do esporte.

    1. Marcelo F

      Aproveito esse comentário do Luiz Silva para falar do jogo de rede das mulheres. Me lembro Dalcim de você afirmar que Serena voleia melhor que as outras jogadoras do circuito. Até concordo, mas só por que as outras são muito ruins. Eu diria que ela é menos pior. E sinceramente não consigo lembrar de uma jogadora de bons voleios já há muito tempo. Nos últimos anos, quem seria? Me ajuda aí Dalcim.

      1. José Nilton Dalcim

        A maioria das boas duplistas que jogam simples, entre elas a própria Vinci. Mas é claro que no tênis feminino ainda é mais difícil tentar ir à rede.

Comentários fechados.