A grama ao quadrado
Por José Nilton Dalcim
14 de junho de 2015 às 21:19

Depois de tanto tempo, enfim a ATP fez o que a maioria exigia e dobrou a importância da curta temporada sobre as quadras de grama. Embora apenas um novo torneio tenha sido criado, o de Stuttgart, que abandonou o saibro, o que valeu mesmo foi elevar Queen’s e Halle para a condição de ATP 500. Como nem tudo é perfeito, ainda não entendi por que manter os dois na mesma semana, dividindo as grandes estrelas e enlouquecendo os organizadores.

Queen’s tem mais de 100 anos de história, não é um torneio qualquer. Sempre foi considerado o mais importante aquecimento para Wimbledon, e a partir de agora ficou ainda mais seletivo, já que a ATP forçou a redução da chave principal de 48 para 32 participantes, ao mesmo tempo que a bolsa saltou para 1,7 milhão de libras. Ficou tão absurdamente forte que o último a entrar direto foi o russo Mikhail Youzhny, 58º da lista de inscrição.

Teremos jogos incríveis logo na primeira rodada, especialmente Stan Wawrinka contra Nick Kyrgios, ou seja, o 4 contra o 28. E o australiano é nada menos que o quadrifinalista de Wimbledon do ano passado. Também teremos Grigor Dimitrov, o atual campeão, contra Sam Querrey, vencedor em 2010. As quartas de final apontam para Wawrinka-Nadal e Dimitrov-Andy Murray, duelos que realmente poderão valer como excelente prévia para Wimbledon.

Halle ficou um tanto mais fraco, nem tanto pelo ranking dos principais nomes mas pelo histórico menos expressivo na grama, caso de Kei Nishikori, Gael Monfils, Pablo Cuevas. Ainda assim é fácil ver que Roger Federer deverá ter trabalho se quiser chegar ao oitavo troféu: Kohlschreiber é freguês mas já ganhou o torneio; Stakhovsky tirou o suíço na segunda rodada de Wimbledon de 2013; Tomic conhece bem a grama;. e Berdych decidiu Wimbledon depois de tirar o suíço.

Aliás, não pode passar batido o fato de que esta revigorada temporada de grama tem tudo para recuperar o interesse do público alemão pelo tênis, o que despencou ano a ano com a falta de um grande campeão. Stuttgart contratou Nadal e viu um sucesso incrível de audiência. Halle tem sempre Federer como maestro principal, garantia de casa cheia, além do ídolo Tommy Haas e da esperança Alexander Zverev.

E Nadal? Cumpriu muito bem seu papel. Demorou para pegar ritmo nas primeiras rodadas, o que é absolutamente normal não só pela dificuldade natural do piso mas também por seu momento, e evoluiu até apresentações convincentes no sábado e domingo. Tudo bem, Gael Monfils e Viktor Troicki não têm currículo na grama. No entanto, a forma com que Rafa se impôs, trabalhando muito bem o saque e apostando nos voleios, reforça aquilo que eu previra após Roland Garros: mesmo não sendo o Nadal de antes, ele é bom o suficiente para qualquer top 20.

Claro que ganhar Stuttgart não aumenta seu grau de favoritismo para Wimbledon. Terá de mostrar mais em Queen’s, onde possui duas boas primeiras rodadas para embalar. Pode ser impressão falsa minha, porém me pareceu que o espanhol tirou algumas libras de pressão das cordas – talvez esteja algo na casa das 48 ou 50 -, o que seria uma alternativa frutífera na ideia de ganhar peso e profundidade nos golpes de base e ainda maximizar o efeito topspin. De quebra, ainda poupa o braço.


Comentários
  1. Fonseca

    Mestre Dalcim, o José Pereira (acho que é irmão da Teliana) já venceu três Futures esta ano (todos no exterior), e está com 24 anos. Nunca o vi jogar. Você acha que ele tem como evoluir ainda, ao menos para se estabelecer em nível Challenger?

    Responder
  2. Fonseca

    Esse Gilles Muller joga muito na grama. Tênis clássico, agressivo. Um perigo em rodadas iniciais.

    E o Dimitrov continua em queda livre… que coisa…

    Responder
  3. Maurício Luís *

    ” Nadal mantém confiança mesmo após eliminação ”
    POIS SIM… Ele não quer é dar o braço a torcer. Perde pro Djoko, perde o título, perde uma cuia cheia de pontos, mas não perde a pose.
    ” A esperança é a última que morre “. Mas morre.

    Responder
  4. Miguel Ângelo Pereira Delfes

    Dalcin..mesmo sem levar em conta os torneios pré- Wimbledon..com Ww perdendo e Kyrgios atropelado pl Ww..
    mantenho meu palpite.. Djoko..Federer..Wawrinka..Murray..Cilic..Raonic ( se jogar )..Kyrgios.. Qt ao Nadal..não chega nas quartas..infelizmente p os amantes desse nobre esporte..
    Arrisca ?? Sem os resultados finais dos atps 500 em andamento ??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na grama? Não arrisco nada, Miguel! rsrs… Mas claro que os grandes sacadores podem derrubar qualquer favorito, a qualquer momento. Daí a graça da grama. Abs!

      Responder
  5. José Eduardo

    Acho que essa maior importância dada à temporada não só se manifesta na criação do torneio de Sttutgart e na maior pontuação atribuída aos torneios de Halle e Queens…reparou que desde a segunda semana de Roland Garros mais torneios Challengers na grama tem sido ofertados?

    Responder
  6. Paulo

    Boa tarde Dalcim, Roger Federer venceu Halle ano passado e se não me engano era ATP 250. Esse ano é ATP 500. Pois bem, se ele vencer ganhará mais 250 ou 500? Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa que interessante… Mas será que ele consegue dar um slice? Porque o slice de forehand não tem a mesma eficiência, a menos que se treine muito. De qualquer forma, se não houve um truque de filmagem, o rapaz bate muito bem nos dois lados, esse sim um verdadeiro ambidestro.

      Responder
  7. Spencer Santos

    Caro Marquinhos, eu não diria vexame, mas não foi um bom resultado mesmo. Mas, aqui entre nós, ele ganhando ou perdendo não faria a menor diferença na reputação, pois ninguém bota fé nele na grama há muito tempo. De fato, sinceramente, nesse momento isso é bom. Ainda acredito em uma bela surpresa esse ano para o espanhol no templo sagrado do tênis. Até WB, meu caro! Saudações Nadalistas!

    Responder
  8. Rafael

    Olá, achei isto interessante a título informativo:

    Federer, sobre as declarações de Becker:

    “Roger Federer admitiu ao jornal suíço Berner Zeitung que não gostou nada das declarações polêmicas de Boris Becker sobre seu caráter: “Ele realmente não tem idéia. Na verdade, ele teria que me conhecer bem o suficiente para saber que eu sou um cara tranquilo. É sempre perigoso quando se fala muito. Às vezes, se diz o que não devia ser dito. E, claro, não gostei de ouvir o que Becker disse, afinal, ele foi um dos meus ídolos”, rebateu.

    Apesar disso, o suíço falou sobre sua relação com o número 1 do mundo: “Tive alguns problemas com a atitude de Novak no início da carreira. Agora, sua atitude é perfeita, ele se comporta de maneira maravilhosa e é extremamente honesto. Não tenho problema com ele. Não posso dizer que é o meu melhor amigo, porque melhores amigos são outras pessoas, mas quando nos encontramos, ficamos contentes”, complementou o vice-líder do ranking mundial.”

    Responder
  9. Sérgio Ribeiro

    Nao se pode negar que as constantes derrotas do Fab 4 ( incluindo a do “imbativel” Servio), fez com que todos acreditassem que e’ possivel. STANIMAl sofreu na mão do Jovem Sacador Anderson , que se deu ao luxo de subir varias vezes a rede. Nao respeitou nem os gritos e Set Points de Stan. Temos um quadro diferente para Wimbledon 2015. Jovens Sacadores com mais experiência e nao respeitando ninguém. Federer entrou mordido contra Gulbis que esta’ em má fase, mas nao convence sem a esquerda na paralela. Acredito em mais Zebras tanto em Halle quanto em Queen’s . E também em Wimbledon. A conferir.Abs!

    Responder
  10. Marco Dias

    Stan caiu pro Kevin Anderson! Sets points a favor nas duas parciais e não aproveitou… Incrível como está sofrendo ultimamente com o sul-africano e com o Dimitrov. Seria encaixe de jogo?

    Responder
  11. Daniel Lara

    Dalcim não tem nada haver com o tema mas ontem li que o Rogerio Dutra tinha perdido seu jogo em um torneio na frança inclusive precisando de vários atendimentos médicos, e hoje na notícia do complemento da vitória do Clezar está falando que ele faz quartas contra o Lindel, qual delas está errada??abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A nota está certa, Daniel. Veja que se refere a Duplas, está uma observação em negrito bem claro. Ele faz parceria com o Lindell.

      Responder
  12. Fonseca

    Uma das coisas mais incríveis foi quando McEnroe venceu um ATP de duplas jogando com Bjorkman, em San Jose (EUA), em 2006, aos 47 anos!

    Responder
  13. Aurélio passos

    O “se” não joga, mas se Baghdatis tivesse aproveitado o péssimo início de Nadal em Stuttgart, teriam sido duas derrotas
    seguidas em primeira rodada na grama…

    Responder
  14. Henrique Farinha

    Dalcim, pra checar a libragem da raquete do Nadal o melhor é falar com o Jairo. O Pardal, que trabalha com ele, costuma ser responsável pelo encordoamento de muitas raquetes durante o Brasil Open e, em 2014, encordoou as raquetes do Nadal que, se não me falha a memória, já jogava na época com 43 libras ou pouco mais do que isso. Ele já vem nesse movimento de reduzir a libragem há um bom tempo, com a clara intenção de poupar o braço e gerar mais potência. A questão é equacionar a precisão e talvez esse seja um dos problemas do espanhol nos últimos tempos e que ocasionalmente lhe mina a confiança. Aliás, há tenistas hoje em dia jogando até com 37, algo quase improvável de tão baixo, ao contrário, por exemplo, de Pete Sampras, que jogava com uma autêntica madeira de dar em doido, com alucinantes 75 libras, segundo mestre Nate Ferguson, que obviamente pode falar com autoridade por ter trabalhado com vários tenistas de ponta. Além de Sampras, com o qual trabalhou com exclusividade por um longo tempo, Lendl, Navratilova, Murray, Tsonga, Isner e, de quebra, Djokovic e Federer. Só “pangarés”… Abs!

    Responder
  15. Marquinhos

    Duas derrotas seguidas para Dolgopolov e Fognini, virando fregues dos dois. Mas convenhamos, qual;q novidade de Nadal perder na grama? Eu acho que se ele pegar uma boa chave em Wimbledom, podera fazer pelo menos uma quarta de finals, nada mais. Seria a melhor campanha nos ultimos quatro anos, otimo.

    Responder
  16. Marquinhos

    Para a informacao do Luiz Fernando, Federer nunca perdeu para o alemao que venceu ontem. Mas Nadal perdeu para o mesmo, na grama, duas temporadas atras.

    Responder
  17. Fernando Brack

    Alexandr Dolgopolov entra no rol dos grandes jogadores do circuito, que inclui o poderoso
    fanfarrão italiano Fabio Fognini, a derrotarem Nadal pelo menos 2 vezes nesta temporada.
    E olhem que nem chegamos à metade do ano ainda. Tudo indica que vem mais por aí.
    Tio Toni segue em busca frenética de um coelho a ser escondido na cartola do pupilo.

    Responder
  18. Fernando Brack

    A torcida nadalzete se manifestou alegremente opinando que o título do atepezinho de
    Stuttgart teria feito bem à cabeça e à alma do ogro. A essas alturas, a sofrida torcida já
    deve estar com as barbas de molho e revendo sua opinião.
    Aos amigos da aflita torcida, lembro que ogro não tem alma e o cérebro é do tamanho
    de um feijão, portanto é mais provável que seu ídolo não tenha sentido nada tanto com
    o título no torneio alemão como na derrota na estreia em Queen’s.
    Não se preocupem, pois ele seguirá jogando como a máquina que sempre foi.

    Responder
  19. Valmir

    Dalcim,
    O Nadal ele sempre ganhou na base do físico, indo em todas as bolas
    Ultimamente, ele anda perdendo para fregueses de carteirinha.
    No entanto, ele diz que está tudo bem no físico e que não desaprendeu a jogar tênis.
    Só vejo uma explicação, ele não pode mais fazer o quer com físico dele o que fazia antes,
    agora o que é que ele não pode fazer mais… dá margem a tantas suposições…
    Quem diria que o Agassi fosse confessar depois que parou…
    Federer sentiu o peso da idade e da força dos mais jovens mas não caiu tanto quanto o espanhol.

    Responder
  20. Valmir

    Dalcim,

    No UOL, o seu blog continua com o título… MELHORES QUARTAS IMPOSSÍVEL,
    desde Roland Garros… mas quando abrimos a página ele está atualizado.

    Podia dar uma consertada no título.

    Responder
  21. O LÓGICO

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    MAIS UMA ENTUBADA NO MORIBUNDO kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk PIADA DA HORA MAIS DO QUE MERECIDA kkkkkkkkkkkkk Como é fraco esse tenista, não? GURU, não existe explicação técnica ou tática, esse paradigma não existe para o robozinho do mal, kkkkkkk É SIMPLES: ele é fraco como tenista, simples, assim, kkkkkkkkkkk RECONHEÇA.

    Tenho pena das nadalzetes, kkkkkkkkkk O VELÓRIO DO ROBOZINHO VAI SER EM WIMBLEDON kkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  22. Mario Cesar Rodrigues

    Caro Dalcim,quer saber estou confiante após ver o jogo de hoje,,,mas espera Mário o Rafa perdeu….sim perdeu…mas o que fiquei contente foi a luta,o jogo e tomara que continue jogando as duplas para chegar bem em WB..mas de qualquer forma o Dog não é qualquer um..e Rafa jogou bem falhou sim falhou mas ainda tenho esperança que vai jogar bem WB!abraços e não acredito em falta de confiança grama é grama acontece..teve o jogo na mão mais também acontece o importante foi como se entregou mas acontece de perder jogos deste jeito!abraços!

    Responder
    1. Marcos Marinho

      Tenho certeza que o Nadal sabe muito bem o momento que vive. Existe uma diferença entre ele não saber e ele não declarar publicamente que está mal e sem confiança. Isso é munição para os adversários. Dificilmente um atleta é 100% franco quando fala sobre uma situação difícil que vive. Ainda mais esses cachorrões do nível Nadal, Federer ou Djokovic. Ele sabe, mas não pode publicizar.

      Responder
    2. Implicante

      É obvio que ele e o staff dele sabem muito bem que o Nadal acabou…Mas tem que dar esperança ao torcedor, afinal, é muita $$$$ envolvida no nome dele e produtos dele.

      Responder
  23. Paulo

    Boa noite Dalcim, é disso que eu falo, bastidores. Bellucci disse: “Todo mundo gosta dele (Roger Federer), é um cara que muda o clima no vestiário quando entra, fica um ar diferente. Ele é acessível a todos, te parabeniza pelas vitórias. É um cara super simples.” Portanto Dalcim, está confirmado, a voz do povo é a voz de Deus kkkk, o resto… o choro é livre kkkk. Abraço.

    Responder
  24. Luis

    Dalcim sobre a dificuldade de um atp500 vem aumentando mesmo,e’ mais curto mais as rodadas tão ficando difíceis como pro Federer em Halle,em uma semana tem que vencer alguns tops do circuito ainda que seja favorito,o que acha? Talvez as surpresas em um Masters 1000 ou Grand slam seja mais difícil porque acaba sendo vencido pelo big4,excessao do Wawrinka em Paris

    Responder
  25. Luiz Fernando

    Incrivel como Rafa tem entregado jogos ganhos. Acompanhei o jg via internet e quando ele venceu o tiebreak achei q venceria, o q não era mais do q a obrigação pois esse russo é outro franco-atirador q nada representa. Acompanhei até ele fazer 31 no set 3, com uma quebra a frente. Quando voltei do almoço o desastre estava consumado. Vendo as estatisticas, observei uma verdadeira lavada do russo em matéria de winners, o q só pode significar uma coisa: bolas curtas no meio da quadra. Isso ratifica o q postei há uns: para Nadal sair de W com titulo só se houver filiação ao All England Club.

    Responder
    1. Rafaek Wuthrich

      Hahhahaha, boa Luis. Essa sua última me remete as derrotas seguidas de Federer em RG, quando dizíamos que nem amarrando um dos braços do Nadal ele venceria la.

      Sobre o espanhol, me causou espanto perder trocas longas com Dolgopolov, se salvando muitas vezes no saque e em alguns bons slices. Pior: novamente falhou estando a frente do placar. Federer em 2013 e Murray ano passado viveram com.lesoes nas costas que os prejudicaram. Este ano, Nadal está saudável e mesmo assim não consegue mais ser dominante.

      Responder
  26. Fernando Brack

    Putz, Wawrinka não deixou o Kyrgios ficar em quadra nem 50 minutos.
    O homem continua enfezado. Será que é aquela menina que tá namorando ele?

    Responder
  27. Marcps - SP

    Dalcim, aproveitando essa onda de “quem não gosta de quem”, onda esta lançada recentemente em livro por Boris Becker, gostaria de perguntar se você tem alguma informação nesse sentido a respeito da relação Federer-Nadal, pois me parece que os dois se dão bem, parece até que são amigos fora das quadras. Inclusive, há um vídeo que reforça essa minha impressão, no qual o suíço aparece cumprimentando os pais e a irmã do espanhol de uma maneira, diria eu, carinhosa, como se realmente houvesse amizade entre ambos. Mas isso tudo também pode ser só de fachada. O que você diria, Dalcim?

    Responder
      1. Marcos - SP

        Rsrsrs… bacana, Brack! Não tinha assistido a esse vídeo. Obrigado por postar! Brack, quero aproveitar o ensejo para te parabenizar: você fez um dos melhores comentários que eu já li neste blog, quando disse que, – apesar de ser “federista” -, não existe um único GOAT, mas sim ALGUNS GOATS. Sempre pensei nisso. A gente sabe que o critério vigente que determina quem é o maior de todos é o números de Grand Slams, e nesse quesito Roger Federer é o maior. Porém, creio que a questão transcenda o número de GS. Como você mesmo abordou, é difícil dizer que Roger Federer foi maior que Pete Sampras. O estilo único de saque-e-voleio aliado a aces disparados em pleno segundo serviço encantava o público e desnorteava os adversários! Federer, por sua vez, é considerado o mais completo de todos, aquele que sempre jogou bem em quaisquer posições: no fundo, na rede, no ataque e na defesa. Ou seja, caímos naquilo que você destacou, Brack. Não existe apenas um que é espetacular, mas sim, alguns. Por fim, a larga vantagem de Rafael Nadal sobre o recordista de GS também é digna de destaque. O espanhol desenvolveu uma técnica ou domínio mental sobre o suíço que é coisa espantosa. Nem digo que o Federer nunca mais irá ganhar do Nadal porque não acredito nisso, ainda mais na fase que o espanhol se encontra. Mas que essa larga vantagem é uma mancha negra na carreira de Roger Federer, isso é. De quaquer modo, parabéns pelo comentário, Brack!

        Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, nem de longe. Não sei nem se devemos levar a grama em conta, mas ainda assim Nadal e Ferrer são muito mais jogadores.

      Responder
  28. lucas

    Nadal deu uma bela vacilada ao ir para esse torneio .Deveria era ter ficado em casa curtindo seu 250tinha mas foi se aventurar em algo maior do que sua capacidade hoje permite … um atp 500 kkkkkkkkk como estao sofrendo…

    Responder
  29. Luigi

    Oi Dalcim,
    Não seria possível para o Del Potro começar a bater o backhand com uma mao só? Pergunto porque o Melingene mudou de 1 para 2 mãos, mas também nao sei se ele se deu bem com isso… Não seria melhor do que fazer a 3ª cirurgia e esperar mais 1 ano para voltar?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Mas mesmo o backhand de uma mão exige punho em ordem (claro, no caso o direito), porque o impacto sobre ele não é nada pequeno, Luigi, ainda mais no circuito profissional com bolas a 120, 140 km/h. Quando você faz um slice, está absorvendo todo o peso da bola que vem. Para economizar o punho esquerdo, certamente é uma alternativa.

      Responder
  30. Luiz Nunes

    E Nadal se foi, 1ª rodada, a segunda seguida para Dolgo, triste sina do ex-multicampeão, como alguém muito influente no pedaço, houvera postado que aposentado, velho e acabado só ganharia ATP250tinha e não é que o aposentado acaba de ganha um rival a altura para dividir os 250tinhas…. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk….

    Responder
  31. Sergio Stock

    Dalcim, Parabenas pelo o site. Acesso todos os dias umas de 5 a 15 vezes. Gosto muito. Tenho uma pergunta: Qual a superfície (saibro, cimento, carpete ou grama) mais fácil de quebrar o saque do seu oponente? E a mais difícil?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A lógica diz que, quanto mais rápido o piso, mais difícil de quebrar o saque. Portanto, carpete e grama seriam os mais difíceis e o saibro e cimento lentos, os mais fáceis.

      Responder
  32. ISAQUE

    Eu perguntei ” Quem pode garantir que o Nadal passa pelo Dolgopolov, para min ele tem boas chances de perder”
    (Aurélio Passos) Você não botou fé.
    Mas uma vez o Nadal perdeu na grama para um jogador de ranking baixo e voltando de contusão,jogador com ranking em torno de 70 do mundo,mais um mico do “grande touro” se somando aos outros micos,Steve Darcis,Lucas Rosol,Nick Kiryos,Dustin Brown. Todos com ranking número 100 aproximadamente.
    Os torcedores do Nadal falam tanto do Federer,mas não me lembro do Federer até os 30 anos ter perdido para um jogador fora do top 30 depois que virou número um do mundo em 2004,sinceramente não lembro,em todos pisos.
    Talvez até hoje aos 33 anos acho que ele nunca perdeu para um jogador fora do top 50 (talvez as exceções sejam Stakovski em Wimbledon e Delbonis em Hamburgo ambos em 2013,com o suiço já acima dos 30 anos de idade,não lembro o ranking do Stakovski e do Delbonis na época) ,me corrijam se eu estiver errado.
    O nadal nem completou 30,e já obteve todas essas derrotas patéticas só na grama,se for puxar o histórico de derrotas para jogadores de ranking baixo em outros pisos,o mico aumenta.
    Nadal não é uma incógnita para Wimbledon,ele simplesmente é isso que acabamos de ver.

    Responder
    1. Maurício

      Fã é assim mesmo, esquece os piores momentos do ídolo… Como não esquecer as 2 derrotas seguidas para Guilhermo Cañas em Indian Wells e Miami em 2007, ou para Volandri em Roma também em 2007? Pesquisando no site da ATP, achei 13 derrotas de 2004 a 2010 para tenistas fora do top30:
      Roma/2010 Gulbis (40)
      Estoril/2010 Montañes (34)
      Halle/2010 Hewitt (32)
      Indian Wells/2010 Baghdatis (33)
      Paris Masters/2009 Benneteau (49)
      Indian Wells/2008 Mardy Fish (98)
      Roma/2007 Volandri (53)
      Miami2007 G. Cañas (55)
      Indian Wells/2007 G. Cañas (60)
      Monte Carlo/2005 Gasquet (101)
      Olimpíadas/2008 Berdych (79)
      Roma/2004 Albert Costa (39)
      Miami/2004 Nadal (34)

      Responder
      1. ISAQUE

        Pode crer Maurício,você está correto.Essas derrotas para o Volandri e para o Montanes foram horríceis.
        Mas olha o detalhe, perceba que não tem esse tipo de derrota em Grans Slam, já o Nadal coleciona micos em Grand Slam.
        Se baseando na carreira do Nadal quando ele já era número 2 do mundo e com duas conquistas de Roland Garros.
        U.S open 2006,perde para Youzhny, Ranking 54
        Australian open 2008,perde para Tsonga, Ranking 38
        Wimbledon 2012,perde para Rosol, Ranking 100
        Wimbledon 2013,perde para Darcis, Ranking 135
        Wimbledon 2014, perde para Kyrios, Ranking 144

        Desde 2003 quando o Federer ganhou Wimbledon,aos 21,até os 30 anos,ele nunca perdeu em Grans Slam para um Jogador fora do top 30,é um dado incrível,e até hoje aos 33 anos,isso só aconteceu duas vezes,em Wimbledon 2012 derrota para Stakovisk, ranking 116, e Australian open 2015,derrota para o Seppi, ranking 46.
        São dados impressionates.

        Responder
          1. Maurício

            Concordo, Roger sempre deu muita importância aos Slams e colheu grandes resultados com isso. Corrigindo a minha relação, a derrota para o Berdych foi nos Jogos Olímpicos de 2004, certamente muito doída, afinal é o título que ele ainda persegue e aquele era o momento certo para ter ganho o torneio, antes de ficar muito mais disputado, como nos títulos de Nadal e Murray.

    1. Carlos Reis

      Ééééé, o Stanimal continua com tudo!!! Torço para o Stan em Londres e para o Fedex em Halle, rsrs. Por que? Assim como Eu, eles tem e esquerda de uma mão, e porque o tênis deles é agressivo e BONITO DEMAIS de se ver…

      Responder
  33. José Eduardo Pessanha

    Mestre Dalcim, ainda veremos você falando o glorioso mantra “Nadal acabou!”. Claro que com outras palavras. rs. Como os caras estão sofrendo. kkkkk. No pasto de Wimbledon veremos o fim definitivo de Boi Garantido. Eta capim bão, sô. kkkkk

    Responder
  34. Nando

    Pois é, nadal voltou a realidade kkkkkk.
    Ganhar ATP 250 sem especialistas na grama e aos 29 anos é fácil… quero ver ganhar ATP 500 na grama contra um cara mais agressivo, o espanhol tem q rezar pra conseguir ganhar 2 jogos em Wimbledon, coisa que será difícil pra ele.

    Responder
  35. Bruno Vigne

    E a dura realidade voltou a bater à porta do Robô. Depois de se iludir ao vencer o fraquinho ATP250 de Stuttgart, ele acaba de se despedir do torneio bem mais forte de Queen’s na primeira rodada. É o mundo entrando nos eixos novamente.

    Responder
  36. Lorenzo

    Dalcim, a galera aqui muitas vezes desmerece ATP’s 250 e 500. No entanto, como no caso de Halle esse ano, um tenista Top pode já pegar de cara jogadores que só pegaria em uma Oitavas de Final em um GS.

    O que quero dizer é que geralmente em um GS os Top pegam tenistas mais fracos e vão ganhando ritmo de jogo e confiança sem muito estresse físico e mental. Vão ter um jogo mais encardido somente nas Oitavas.

    Veja como exemplo este ano Halle, onde Federer terá uma chave com tenistas mais experiente e qualificados desde a primeira rodada. Em Queens o mesmo caso com o Murray.

    Você concorda que, principalmente os ATP 500, podem ser torneios duros de serem vencidos mesmo para os Top Ten?

    Responder
  37. Sérgio Ribeiro

    O VT passou a noite , e o Alemão mostrou porque ja’ levou o Título ( 2011) , e ja’ bateu Haas , Hewitt , Rafa Nadal e Monfils em Halle . O Suíço escapou arriscando tudo. Aos 34, vai precisar de um Saque mais do que Afiado para manter seu padrão na Grama Sagrada. Esta’ realmente encurtando muito os pontos , e as passadas aparecem em profusão . Para uma primeira rodada, deve estar aliviado. A entrevista de Bellucci ao Uol , so demonstra quanta besteira se Posta sobre lendas como Rafa Nadal e Federer . Sobre o segundo chegou a afirmar que no Vestiário , o astral e’ o mesmo da quadra. Chega ao ponto de parabenizar. Deu uma cutucada em alguns como Andy Murray. Mas Becker so’ demonstrou que quer recuperar o que perdeu no Pôquer , vendendo uns livrinhos . rsrsrs…Abs!

    Responder
  38. Excelsior

    Nossa, e eu inocente achando que ninguém poderia ser mais chato nesse blog do que o Chetnik. E de repente vem a Alice e muda meus conceitos…

    Responder
  39. Nando

    Dalcim, qual a sua opinião sobre os seguintes tenistas em seus melhores momentos? David Nalbandian, Ivan Ljubicic, Petr Korda e Cedric Pioline.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nalbandian era excelente quando queria jogar, Ljubicic soube se virar muito bem com suas limitações, Korda não tinha nada de especial mas era ganhador, Pioline foi um jogador de estilo clássico.

      Responder
      1. Leonardo

        Dalcim, pelo que lembro o Backhand (1 mao) do Ljubicic era meio esquisito. Parece que não fazia o movimento convencional. è isso mesmo?

        Leonardo

        Responder
  40. Ronildo

    Eu não acredito que nem o Dalcim discerniu o verdadeiro motivo de Djokovic ter sido surpreendido na final de RG!!!
    O motivo é que ele foi muito azarado! Seu azar. Aquela reportagem sobre a vida pessoal de Stan. Aquilo deixou ele com muita raiva e suscitou o verdadeiro “Stanismal”. Ele tava com tanta raiva que se imaginava segurando um taco de beisebol quando golpeava a bolinha. Resultado: Campeão. Isso vai sobrar até pro Federer. (menos na grama) É que a coisa tava rolando para o Federer herdar o n°1 ano que vem, quando Djokovic pifasse pelo ano alucinante anterior. Mas agora Stanismal sabe que pode. Stan nunca pode atingir o nível máximo de seu tênis por ser contemporâneo e patricio de Federer e quando finalmente iria descobrir do que é capaz no AO 2013, Nadal, que parece ser o cara que mais tem inteligência emocional neste planeta rapidamente se deu conta: “Se esse cara me vence assim, com esta facilidade nesta final, eu tô é frito quando cruzar com ele daqui pra frente”. E rapidamente apareceu uma dor nas costas. Assim embora tenha sido campeão daquela vez, Stan foi enrolado pela situação. Mas esta reportagem antes do início de RG 2015 foi o estopim para lhe libertar. Pena que já tenha 30.

    Responder
  41. Rafael Burgos

    Dalcim, enviei um e-mail há alguns dias para o endereço que está como “Contato” no blog. Você ainda está ativo neste e-mail? Queria obter sua resposta, por favor.

    Responder
  42. André Pires

    Dalcim, será que a ATP não está gradualmente caminhando pra colocar um Master 1000 na grama?Aumentou em uma semana essa parte da temporada e subiu Halle e Queen’s Club de nível. Será que daqui a uns 3 ou 4 anos, não veremos Queen’s como um Master? O único empecilho que vejo quanto a isso, é que seria necessária mais uma semana de grama para que ficasse tudo “dentro do padrão” que a ATP adota quanto à sequência dos torneios. Algo como (1ª semana) 250 de Stuttgart/Hertogenbosch, (2ª) M1000 de Queen’s, (3ª)500 de Halle e (4ª) 250 de Nottingham. Ou mesmo sem acrescentar, ficando (1ª semana) 250 de Hertogenbosch/500 de Halle, (2ª) M1000 de Queen’s e (3ª) 250 de Nottingham/Sttutgart.

    Responder
      1. JAIME

        Gostaria de saber quando tomaz belluci vai joga na grama ? em qual torneio ? nao vi nada sobre ele jogar algum deces, apenas vi falar de wimbdow

        Responder
  43. ISAQUE

    Ainda acho que deveria ter mais jogos na grama,e ainda mais,acho que a grama de todos torneios deveriam ser tão velozes quanto a de Hale.
    O jogo na grama é muito interessante,rápido e dinâmico,não entendo porque tem tão poucos torneios nesse piso.
    Quanto ao título do Nadal,realmente não diz nada sobre as chances dele em Wimbledon, assim como o título do Mahut também não serve de parâmetro. A grama de Queens realmente mostrará o verdadeiro nível do espanhol quanto a maiores pretenções em Wimbledon. Na minha opinião, se o Nadal chegar as quartas em Wimbledon já será uma grande surpresa.

    Responder
  44. Luiz Fernando

    Muito apropriadamente, alguns blogueiros, inclusive meu xará Brack. comentaram que a vitória de Rafa em Stuttgart era pouco significativa do ponto de vista prognóstico, visando os torneios remanescentes da grama, em especial W. Críticas em cima de Rafa por jogos prolongados, muitas decisões em tiebreaks, muitos erros. Tudo perfeito até aí, pois eu também postei q ele não enfrentou ninguém de peso e mesmo assim não jogou bem. Realidade. E o q ocorreu hj? Um dos “ninguens”, q foi desclassificado na Mercedes Cup pelo palhaço do circuito, Gael Monfils, deu uma canseira no suposto favorito da temporada, o cansadão aposentado, perdendo um jg prolongado nos detalhes. Mau sinal hein, no primeiro jg no seu “piso”, o aposentado penou p ganhar de um “ninguém”, segundo as postagens prévias. Sou capaz de apostar de vão dizer q de “ninguem” o cara deve ter se transformado em um grande especialista na grama, para explicar o quase desastre kkk. Pior, eu me lembro de ter assistido este filme antes, aposentado em quadra, jogo prolongado, desgaste, desastre a vista na sequencia do torneio…

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      O rapaz faz mesmo questão de ser o Mane’ desinformado do Blog. O Alemão venceu Halle 2011 tirando exatamente Monfils na Semi. Em 2013 tirou no mesmo local , Rafa Nadal em Sets diretos na segunda rodada.O “ninguém “possui o mesmo numero de Titulos que o Frances . Passa recibo todo dia .rsrsrs…Abs!

      Responder
    2. Fernando Brack

      Xará, Federer penou hoje e uma derrota daria a impressão de catástrofe, apesar de eu
      não achar o Kohlscha um ‘ninguém’ em Halle, pois é alemão e já ganhou o torneio.
      Muitos podem achar que uma eventual derrota pudesse ser um sinal amarelo para as
      pretensões do suíço em WB, mas eu acho que não faria lá muita diferença. Ele possui
      muita facilidade de adaptação ao piso e as primeiras rodadas do Slam lhe bastariam.
      Também não acho que uma derrota precoce num 500 o deixaria desanimado para WB.

      Responder
    3. Marcos RJ

      Pois não é que o puxador de cuecas foi eliminado pelo todo poderoso Dolgopolov? O rapaz tem uma habilidade incrivel, quase o Fabrice Santoro do tenis moderno, o que explica o fenomenal ranking #79 e vencedor de dois titulos ATP na carreira. Hahahaha! Nada como um dia depois do outro.

      Responder
    4. Carlos

      O espaço de comentários dos blogs e afins virou sala de terapia para frustrados poderem falar/desabafar suas mágoas e frustrações pessoais. Só isso explica seu comentário “quase” ofensivo a um atleta que, penso eu, você deve sentir uma profunda repulsa.

      Responder
  45. Rafael Pereira

    Vamos lá! Quer dizer que na pior temporada da sua vida, o baloeiro está em sétimo na corrida pra Londres e apenas 15 pontos atrás do Fedex? Acho mesmo que título de ATP 250 não significa nada para estes caras, mas acho que ainda teremos supressas desagradáveis para muitos comentáristas de ponta deste site!! Vamos ver depois de Wimbledon como esse ranking vai estar…
    Marquinhos, vc deveria esperimentar o novo kinder ovo… Meu afilhado adorou, tá brincando aqui com a surpresa que veio dentro… ;’)

    Responder
  46. Hugo

    Dalcim,

    Que sufoco o suíço tomou!Mesmo ele que prefere a grama,apresentou muita dificuldade na readaptação.Escorregou algumas vezes e perdeu alguns voleio fáceis(já não sei se necessariamente por causa do piso.Salvo engano, foram 23/37 net points).Kohlschreiber também escorregou bastante.Isso seria por causa da grama em si ou os dois estavam realmente com dificuldade pra se movimentar no piso?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Certamente, o piso estava muito virgem para o torneio. E não é tão surpreendente se vermos que Kohls sempre jogou bem na grama.

      Responder
      1. Alexandre Maciel

        Nossa, muito ruim a movimentação do Federer ontem, sei lá, estava estranho. Normalmente a adaptação dele é muito rápida. As condições da grama de Halle não são das melhores, se levarmos em consideração que ontem foi a primeira rodada do torneio percebe-se que o piso está bem surrado. Diferente de Queen’s, que está um tapete.

        Responder
    2. Fernando Brack

      Me estranha que os fabricantes de tênis ainda não tenham disponibilizado solados
      diferentes para grama nova e grama gasta. Ou isso existe e eu é que tô por fora?

      Responder
  47. El loco

    Esse Meligeni…..
    Eis que na transmissão da ESPN, Nardini diz: “O Troicki subindo na direita do Nadal é pedir para levar passada”. Logo em seguida, retifica: “… ou forehand, para os mais caprichosos”.
    Meligeni: “Não, é direita mesmo” kkkkk

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Site ficou bonito, mas um tanto exagerado e navegação meio confusa. Mas se acostuma. Achei que ele teve mais dificuldades do que o esperado, apesar do Kohls ser bom jogador na grama. Como se vê, até para o ‘rei da grama’ o piso é traiçoeiro.

      Responder
  48. Marcelo

    Grande Dalcim, permita-me fugir um pouco do assunto, pois quero saber sua opinião! O Del Potro acaba de anunciar a terceira cirurgia no punho esquerdo! Eu jogo tênis (amador), e sei o quanto é difícil mudar um golpe, e imagino que seja ainda mais difícil no nível desses caras… mas será que não valeria a pena pensar em mudar o backhand dele para uma mão, usando também o slice com mais frequência? Pode ser que ele não tenha um resultado muito bom, uma vez que todo mundo do circuito vai explorar a esquerda dele até dizer chega.. mas, pelo modo que as coisas estão indo, parece (espero que não) que jaja ele se encaminha para uma aposentadoria tão precoce.. será que não valeria a pena essa tentativa?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele até tentou, Marcelo. Deu muito mais slices nos poucos jogos que fez ultimamente. Mas o slice hoje funciona muito pouco se usado com frequência, então serviria apenas para ele talvez se manter no top 100. Pelo nível do seu jogo, imagino que ele queira muito mais que isso.

      Responder
      1. Marcelo

        É verdade..! Mas deve ser muito complicado pra ele, destro, ficar tão impossibilitado de jogar por causa da mão esquerda, né? Salve o BH de uma mão! hahahah

        Responder
  49. Sônia

    Começa Halle, árbitro e árbitros de linha elegantemente trajados, público completamente educado e mesmo com um alemão em quadra, a torcida demonstra admiração por ELE, o MAESTRO Roger Federer… meu Lindinho. O comentarista (Skysports) não para de dizer: “awesome, amazing, sensational…”, como me divirto rsrs. Confesso Dalcim não saber qual será o resultado dessa partida, assim como quem vencerá esse torneio, mas de uma coisa tenho certeza… JAMAIS SERÃO, NUNCA SERÃO! Lindinho, só falam de você, mesmo os coments da “oposição”, só comentam de você rsrs… vem ser adorado aqui em casa meu Lindinho. Dio come ti amo! Beijos.

    Responder
  50. Leonardo

    Grande abraço Dalcim,
    Na sua opinião, quais são os tenistas que mais “espancam” a bolinha atualmente no circuito do tênis masculino?
    Estes jogadores com extrema potência, entre eles, Stanimal, Berdych e Isner, têm mais chances no piso de grama?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, são tantos… Gulbis, Kyrgios. Mas isso não basta na grama. Acho que é preciso ter um pouco de finesse, slice, voleios. Por isso acho que o Stan poderia muito bem ter campanha boa na grama.

      Responder
  51. Matheus Martins

    Uma semana após o torneio de Stuttgart, a grama do torneio alemão ainda está melhor que a do Verdão!!

    Dalcim, por que Newport ficou de fora dessa gira de grama e será depois de Wimbledon? Não entendi, na semana que antecede o Grand Slam inglês o tradicional torneio poderia se juntar com Nottingham…

    Responder
      1. Marcelo

        Talvez seja também por causa da distância também! Os tenistas estão se concentrando na Europa, e ir pros EUA talvez ficaria fora de mão..!

        Responder
      2. Fernando Brack

        Pra mim, esse torneio de Newport sempre foi uma das coisas mais sem nexo
        do circuito. Quando a temporada de grama se encerra com a apoteose de WB,
        lá vem Newport com seu torneiozinho que só atrai norte-americanos e aqueles
        muito aficcionados pela grama, todos com ranking lá em baixo.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          É uma questão de preservar a tradição, Brack. Newport foi uma das primeiras sedes do US Open, quando ainda era jogado na grama, e preserva até hoje as quadras além de abrir o Hall da Fama do tênis.

          Responder
  52. Spencer Santos

    Ops! Onde se lê “…seja mais competitivo nas quadras rápidas que nas duras…” leia-se “…seja mais competitivo nas quadras rápidas que nas lentas…”.

    Responder
  53. Spencer Santos

    Olhando para o ranking do ano – 6. Federer 2.825 x 7. Nadal 2.810 – até que a coisa não está tão ruim. Talvez, com menos pressão para vencer, o Lendário Tenista Espanhol recupere totalmente a confiança e possa voltar a sua toada de títulos. São 5 finais consecutivos em WB e 2 títulos. São 3 finais no US e 2 títulos. Oras bolas, não é pouca coisa, especialmente para um saibrista que sempre enfrentou um calendário com mais quadras rápidos que lentas. Imaginem se existissem dois Grand Slam em quadras de saibro em vez de dois nas quadras duras. O Mito já teria uns 25 GS. Mas o “se” não joga, então, vamos torcer, todos juntos, para que esse novo Nadal seja mais competitivo nas quadras rápidas que nas duras. Pelo jeito, tudo é possível nesse momento do tênis. Saudações Nadalistas!

    Responder
    1. implicante

      What? Mais quadras rápidas do que lentas? De rápidas mesmo, somente Cincinatti e Madri. O Dalcim pode te esclarecer, se houver dúvidas.
      att

      Responder
  54. Spencer Santos

    Rafael “The Scanners” Nadal Parera, “O” C.E.O. do Universo, “O” Ser Supremo do Mundo Conhecido, “O” The One. Conforme acordado com o Fernando Brack e o Sergio Luiz, só uso a expressão Sagrada nos títulos. Um 250 não é “nossa, que maravilha”, mas, alguma coisa é melhor que nada, certo? Ainda mais na grama. Porém, o que importa mesmo é o WB, então, essas três semanas servem para jogar o máximo que puder (em quantidade). A Esperança – Parte 2 prossegue. Saudações Nadalistas!

    Responder
      1. Carlos Reis

        kkk Essa foi boa Márcio, o tal Spencer é beeeem exagerado mesmo em relação a R.Nadal, chamar o cara de C.EO. do Universo!!?? nem de brincadeira…. Eu lí em algum lugar alguém chamando ele de “Dopael Dopal”, bem sugestivo, não acham? rsrs

        Responder
  55. Luiz Carlos

    Fugindo do assunto do post, Dalcim, nessa segunda foi decidido o titulo do WTA de Nottigham, na grama, e a campeã foi a Ana Konjuh, de 17 anos. Lá fora o hype em cima dela já é um pouco grande, tanto por parte de mídia quanto de torcida. O que você acha dessa menina, Dalcim?

    Responder
  56. Tomaz Teixeira

    Nadal precisava desesperadamente desse título, para readquirir confiança. Não jogou uma maravilha? Não, mas ganhou. E ponto. O resto é retórica. 2015 deve ser encarado como um ano de recuperação em sua carreira. Não estou esperando que ele vá para além de quartas-de-final nos dois Slams que restam no ano (apesar de reconhecer que do Nadal não se pode duvidar nunca). Agora, fiquei curioso para saber como estará a cabeça do Djokovic para Wimbledon. Abraço, Dalcim.

    Responder
  57. THIAGO

    Vi os jogos de sábado e Domingo do Nadal, gostei do que vi para uma 1º semana na grama ta ótimo, ganhar títulos é sempre importante ainda que seja um atp 250, mais pra quem ta buscando ganhar confiança foi muito bom, acredito que essa semana ele jogará ainda melhor. quem sabe pode até beliscar uma outra final.

    Dalcim queria saber se tem alguma noticia do Del Potro ? temo que o fim dele seja igual ao do nosso Guga, confesso que já não acredito mais que veremos aquele grande jogador o que será uma pena.

    Responder
      1. Rubens Leme

        Até que ponto, esse predomínio dos tenistas europeus – salvo algumas exceções, tipo Nishkori e Raonic – é bom pro tênis mundial, Dalcim?

        Sem Del Potro, não temos mais ninguém de peso entre os 100. Sem mencionar a má fase que parece eterna dos americanos. O único país que está dando a volta por cima, mas ainda irá demorar uns bons 5 anos para ter resultados mais expressivos, é a Austrália.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Olha, é bem melhor do que ver o domínio dos EUA ou da Austrália. A Europa tem uma diversidade de estilos, quadras, povos, culturas… Sem dúvida, no entanto, que em termos de mercado precisamos muito do americano e do asiático.

          Responder
      2. Leonardo Carvalho

        Que triste essa situação do Del Potro. Gostava muito do tênis dele, mas parece difícil que volte a jogar pela declaração que deu. Faz falta pro circuito, seria mais um disputando os principais troféus.

        Responder
  58. bruno

    Parabens então Luiz Fernando, nadal bateu federer pelo ano de 2013 ao ganhar o challenger sul americano e o slam na Alemanha,convenhamos, VC já foi mais exigente com o seu queridinho aqui no blog.esta sua fixação beira ao ridículo,repetitivo e só p lhe lembrar como se sente na décima?

    Responder
  59. Rubens Leme

    Dalcim, fugindo do assunto, o que achou do novo layout do site da ATP? eu preferia muito mais o antigo, era mais bonita e prática, inclusive para pesquisa.. .

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Está bonito, mas não necessariamente prático. Para nós, jornalistas, que precisamos acessar várias vezes ao dia para buscar informações tem sido um sacrilégio. Mas a gente acaba de acostumando… rsrs…

      Responder
  60. Pieter

    Adorei a vitória do Nadal na Alemanha! Além de tê-lo visto jogando bem e de forma claramente mais agressiva e também mais adaptada à grama, ele teve que lidar com uma pressão nada desprezível pois era o melhor jogador do torneio. E é sempre bom lembrar que grama nao é exatamente o piso preferido dele, embora saiba jogar muito nela.
    Dalcim, só mesmo você para notar que o espanhol diminuiu a pressão das cordas da raquete…quanta percepção, hein!!

    Responder
  61. Alice

    Alguns dadinhos e coisitas mais…
    –> Das 25 finais em que dois dos integrantes do Big Four se enfrentaram numa final, a mais ‘massacrante’ de todas foi aquela final de Roland Garros 2008, onde Nadal ‘humilhou’ Federer em 6-1 6-3 6-0! Aliás essa continua (pelo resultado do jogo) a final de Grand Slam mais humilhante dos últimos 35 anos!!!

    –>Desde aquele histórico pneu tomado por Roger Federer em 2008 em RG, demorou se 27 Grand Slam até que Novak Djokovic aplicasse um outro pneu em uma final de Slam isso em cima de ninguém mais nada menos do Andy Murray no Australian Open desse ano. Essa foi a mais longa sequência (sem pneu numa final) da Era Aberta e a segunda da história. Lembrando que Roger aplicou também um pneu no primeiro set da final de Wimbledon 2006 em Nadal. Ou seja só falta o Andy Murray aplicar um pneu numa final de GS também pra entrar pra história nesse quesito – HAHA! O tempo desse desses 27 GS foi de 6,5 anos, sendo que o período mais longo sem um pneu numa final de GS da história foi de 8 anos.

    -> E já que Djokovic é o atual número 1 do mundo, vamos falar dele. Ele chegou a 14 finais de Grand Slams nas últimas 22 participações que fez, ou seja, nesse período (2010-2015) ele chegou a 63% das decisões do maiores torneios de tênis do mundo! Se formos contar a partir de 2011 (onde ele alcança seu auge, ou primeiro né..vai saber – haha) ele chegou em 13 finais de 18 possíveis! ->72%<- Esse número talvez representa tamanha sua 'soberania' nos últimos 5 anos….

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Além de escrever demais, dois Pneus aplicados por. Federer na Final do USOPEN em Hewitt sao piores, nao e’ meu anjo? E deixando a Monucleose de lado em 2008, da uma olhadinha em quem deu um Pneu na Final de Wimbledon 2006 no Espanhol rsrsrs…Abs!

      Responder
    2. Annelise

      Só para lembrar o que aconteceu no ano de 2008 na carreira de Federer, com relação aos Grand Slams.
      AOpen: foi diagnosticado, uma semana após da derrota para o Djoko ( acho que foi na semifinal), com mononucleose, doença que abreviou a carreira de importantes tenistas contemporaneos a ele, como Mario Ancic, Rodick e Soderlig- este o caso mais impressionante que chama a atençao (o cara há bem pouco tempo, nao conseguia levantar da cama);
      RGarros: milagre o Federer ter chegado à final. Assim, ter tomado um pneu com “mono”-que ele já tinha aplicado recentemente, em Hamburg ( que na epoca era um ATP 100o no saibro) no proprio Nadal- Soa até como superaçao na convalescencia de sua doença. E por acaso, menos um mes após ele foi derrotado em Wimbledon pelo mesmo Nadal. E o mais impressionante: mesmo com a mono, em 2008 ele chegou a 3 finais de GS, tendo batido Andy Murray para ficar com o titulo do USopen-jogo que tive o grande prazer de assisitir ao vivo. Inesquecível, como todos os jogos que pude comparecer do “The G.O.A.T.”.

      Responder
  62. Alice

    Gosto de repostar (e opinar) alguns comentários do pessoal aqui do blog, ou partes desses comentários que eu considero interessantes, analistas e que podem servir para pauta de alguma discussão no mínimo muito ‘esclarecedora’ sobre a opinião de cada um aqui. Pois então peguei duas partes do comentário do “Marcos Castillo” para repostas nesse post.
    Primeira Parte – “Acho que um critério divertido para definir os maiores, é se perguntar isento de fanatismo: qual jogador eu gostaria de ter sido?”
    Minha Opinião – UAL! Que sensatez, gostei dessa ideia, porém alguns ainda vão levar pelo ‘fanatismo’, é mais pelo lado sentimental mesmo, por te visto um jogador como jamais tinha visto outro. Eu por exemplo no masculino eu gostaria de ter sido aquele que eu considero que teve a carreira mais ‘completa’ em feitos no que diz respeito as três disciplinas do tênis (simples, duplas e mistas), não levo muito em conta seu ‘espetáculo’ porque talento, habilidade um milhão podem ter, mas agora alcançar o sucesso, ser o melhor naquilo que faz poucos conseguem. Dessa forma eu gostaria de ter sido no masculino Rod Laver e no feminino eu reencarnaria no corpo de Margaret Court nos anos 60 e 70 sem problema algum, se inventarem a máquina do tempo, faz favor de me chamar para essa experiência..rsrs
    Observação: Disse isso no que diz respeito apenas aos números mesmo, pois se fosse pelo “jogo em si” não teria dúvida que eu usaria e abusaria do corpo de Serena Williams (HAHA) e nos homens…adivinhem…eu adoraria ser Novak Djokovic…haha! Olha que sou Nadalista né! 🙂
    Segunda Parte – “Apesar de Federista roxo, gostaria de ter sido o Sampras, pois nada mais legal do que surrar o arqui-rival jogando mais bonito do que ele. E vc mestre? Caso tivesse sido um grande tenista e não um grande jornalista, qual “pacote” incluindo técnica, tática, físico, semanas como número 1, títulos importantes, etc.vc gostaria de ter? Brack, Lógico, Marquinhos, e vcs??? Abs”

    -> Essa eu pus aqui só pra vocês responderem ele, no caso eu mesmo não sendo citada, me entrometi e já incorporei Laver em 1962 e Court em 1965! 😀

    Responder
    1. Marcos Castillo

      Agradeço ter citado o que escrevi, Alice. Perguntei aos três leitores quem gostariam de ter sido( e também para o mestre, que com muita sutileza escapou), pois aguardava ansiosamente para ler o nome de Roger Federer em suas respostas. Não citei seu nome com receio de que vc respondesse Rafael Nadal, hehe…

      Responder
  63. Alice

    As pessoas sempre me entendem errado quando comento algo, talvez pela complexidade em não ser direta nas coisas, respondendo ao ->Luiz Fernando<-, eu nem entendi seu comentário a primeira vista, porque eu não quis fazer ‘disputa’ alguma com sua opinião, pelo contrário eu quis colaborar com ela, e ainda acrescentei que é essencial (‘o que mais vale’) é o ranking das 52 semanas, porque é ele que determina sua posição no ranking da toda santa segunda-feira, disse isso porque é algo histórico mesmo, não para dizer “isso é melhor, pois eu acredito fielmente nessa hipótese”. Na verdade eu sou influenciada na maioria dos meus comentários a história e estatísticas, porém meus pensamentos sobre um jogo de tênis são muitos mais presenciais, momentâneos do que os meus comentários. E foi justamente por isso que eu coloquei ( ‘circunstâncias’ do futuro). Porque isso simplesmente não aconteceu, sabe lá o que vai acontecer com o Nadal no segundo semestre, isso pouco importa no momento tanto no ranking do ano quanto no ranking das 52 semanas, vai que ele não soma ponto algum, ou míseros pontos, ou ganha tudo…isso é apenas circunstâncias, daí eu não colocar esse ‘prato’ (Nadal não jogou o segundo semestre do ano passado) no menu…

    :/

    Responder
    1. Otaniel Jr

      Alice, sinceramente quando alguns homens aqui do site fazem uns comentários dos mais ridículos acabam sendo engraçados. Mas tem uma explicação: de macho esperamos qualquer besteirol mesmo, homem geralmente é bicho prego. Mas, das mulheres, esperamos sempre um comportamento mais feminino, mais polido, mais carinhoso… Esse negócio de instigar, de cutucar, de provocar, de ofender já não é muito legal pro blog e fica maos ainda quando temos uma presença feminina colocando mais lenha na fogueira sendo muitas vezes deselegante…

      Responder
      1. 100 nick

        Das três ou quatro mensagens que aleatoriamente escolhi para ler, eis que me deparo com a do colega Otaniel. Além de cometer erros no discurso lógico, também cometeu erros na constatação dos fatos.

        (For further information or if you have any questions, please do not hesitate to contact me.)

        [

        Responder
        1. Otaniel Jr

          100 nick, 100 graça, 100 noção… 100 nada pra comentar. Tenho certeza de que meu “discurso” foi corretamente compreendido. Pelos comentários acima não é uma opinião apenas minha. Tente ler mais comentários, aliás, leia de um por um, o blog inteiro vai…. Não me importo.

          Responder
  64. Alice

    Parabéns Dalcim pelo post, pensei (pela demora) que em vez de um post sobre o titulo do Nadal, faria nos próximos dias um post sobre o que deve vim por ai nos próximos torneios na grama, porém ao abrir o blog, vejo uma mistura dos dois. 😀
    Sobre alguns dos seus comentários: “Stuttgart contratou Nadal e viu um sucesso incrível de audiência.”
    Minha Opinião – Aihhh Dalcim, assim você ‘machuca’ ou até ‘ofenda’ aqueles que torcem contra o sucesso’ do Nadal, os chamados anti’s…rsrs!
    “…mesmo não sendo o Nadal de antes, ele é bom o suficiente para qualquer top 20.”
    Minha Opinião – Acho que você foi bem conservador nesse comentário…Mas eu concordo com isso, pensar em lutar contra o Top10 é algo que ainda pode dar muita dor de cabeça a Nadal, pois “tenho certeza” que pelo momento ele perderia metade dos confrontos no mínimo!
    “Claro que ganhar Stuttgart não aumenta seu grau de favoritismo para Wimbledon. ”
    Minha Opinião – Concordo parcialmente, pois vejamos deu ritmo a ele, ou seja, ele já fez seus ‘treinos de luxos’ como alguns aqui chamam, isso facilita ele resolver outros jogos complicados que podem vim em Queen’s, pois já estará inteiramente ‘adaptado’, já sabe o que é capaz de fazer na grama e o que precisa melhorar para vencer os Tops que pode enfrentar…O parcial se deve ao fato que eu vejo isso como bom pretexto para Queen’s que é o próximo torneio na grama que ele disputa, porém Wimbledon ainda está um pouco longe. Mais é aquilo que eu penso, quanto mais ‘quilometragem’ o Nadal conseguir melhor será para seu ‘recomeço’ no tênis…

    😀

    Responder
  65. Alice

    Eu estava lá vendo o jogo pela internet, mudei de canal…E de repente parecia que eu estava na década de 80, me refiro a imagem que aparentava as TV’s dessa época e um pouco a aparência da grama. Ao olhar com mais calma de novo aquele gramado que eles chamam de ‘grama’, eu pensei e soltei: ‘Realmente eu devo estar em algum ano da década de 90, vejamos os gramados dos campos de futebol de hoje, são tapetes de uma cor verde viva…e essa grama é sequinha, carequinha em alguns cantos, e quase sem cor, parece da cor do meu chá verde…Mas entendo que ele devem seguir esse padrão, mas tudo se tornaria mais interessante se a grama realmente tivesse mais grama, que voltasse a era dos carpetes e mais antiga ainda a era dos pisos de madeira, quem sabe até não inventasse de fazer um piso levemente espalhado com areia…As coisas se tornariam mais enlouquecidas , incessantes. Ao ver a reação do sérvio ao perder um ponto que poderia ter lhe dado um set point a favor, eu sorri…sorri porque era uma emoção tão natural, aquela que nós amadores de qualquer esporte demonstramos quando perdemos um ponto tão importante, algo realmente de pura emoção. Hoje em dia os tenistas do topo são tão ‘vazios’, suas emoções se limitam totalmente aos seus punhos. E por favor não confundir mental com o emocional. Eu me pego pensando o quão triste será quando esse Big Four se aposentar por completo assim consolidando de uma vez por todos os seus números, e o quão maravilhoso será ver novos nomes fazendo histórias para valer, não um Novo Federer, Um Novo Nadal, Um Novo Djokovic…e nem um Andy Murray mais aprimorado (alguns usam isso para comparar um tenista com o outro) e sim Um novo ‘alguém’ com sobrenome desconhecido pela história, mais que certamente está lá no pelotão que vai desde décimo primeiro até o último da fila, afinal nunca devemos subestimar a capacidade de um ser humano. Pois esse é capaz de reviravoltas incríveis, de uma superação, evolução em nível de escala incalculável…

    Responder
  66. O LÓGICO

    Recados LÓGICOS, DO ÚNICO LÓGICO DO BLOG kkkkkkkkkkk

    1) O robozinho não ganha mais nenhum torneio importante esse ano, vai ficar comendo farinha e calango assado kkkkkkkkkk O filé somente para os verdadeiros grandes tenistas kkkkkkkkk

    2) Alice, querida sonhadora e fake da última hora kkkkkkkkkk, lavo minha boca todo dia com cepacol e uso sensodyne kkkkkkkk, o robozinho foi a pior maldição que apareceu na história do tênis

    3) GURU, não há a menor possibilidade LÓGICA kkkkkk do robozinho se renovar, o que é ótimo kkkkk. Mesmo que passe a jogar agressivamente, seus principais golpes não surtem mais efeito na maioria dos grandes, e ele não tem mais o pulmão biônico de sempre: hoje cinco setes é um empecilho, o que outrora era um ás na manga, Resumindo: DEU kkkkkkkkkkkkkkkkkkk JÁ VAI TARDE KKKKKKKKK

    Responder
    1. Alice

      Fake? Oi ? Você já se olhou no espelho hoje ? Ah lembrei você tem terror a ele, por isso não tem espelhos em casa. Ainda por cima nem se enxerga direito, chamar na maior cara de pau e hipocrisia alguém de fake, sendo ele próprio um. Você é patético, simplesmente patético. Tenho pena de você, você no fundo deve sofrer muito pra vir aqui e destilar todo seu stress, veneno contra o Nadal ou quem quer que seja. Mas quem sabe uma terapia não te ajuda!

      Felicidades, quem sabe ela não o torna alguém melhor…”

      Responder
  67. Sergio Ribeiro

    Dalcim , amigo. Poucos observaram a diminuição que o Espanhol fez no encordoamento. O suficiente para alongar as bolinhas com precisão que a muito nao se via. E’ obvio que a Turma de Queen’s e’ mais forte. Mesmo assim vai entrar para brigar. Ponto para o Espanhol. Tenho a sensação que foi um alivio para ele o fim de Rolanga. E principalmente sem a Vitoria de seu principal Oponente. Nem oito nem oitenta. Somente a ATP ( devido a patrocinadores) , com dois 500 na mesma Semana. Parece coisa da CBF. Monfils nao sabe sacar? Nao sabe Volear? ” nao sou jogador de Grama” , so’ venceu um Torneio no Saibro. Um brincalhão . Mesmo assim , os dois Torneios prometem. Todos sabem que Novak deve ter sentido a derrota. E o Titio deve ir para Wimbledon pro tudo ou nada.Abs!

    Responder
    1. Marcelo F

      Também acho errado os dois ATP500 na mesma semana. Mas já acontece há um bom tempo essa coincidência de datas em outros e não se reclama muito a respeito, a saber: Dubai/Acapulco, Pequim/Tóquio e Basel/Valencia. Sei que o calendário é apertado, mas é uma pena que seja assim, até porque em alguns períodos do ano, chega-se a ficar umas tês semanas sem GS/M1000/ATP500.

      Responder
  68. Maurício Luís *

    O LÓGICO acertou quando previu a derrocada do Nadal em Rolanga, mas errou ao achar que ele perderia a motivação. O HÓMI é carne de pescoço… Aproveitou as semanas a mais de treino e mordeu um caneco na grama.
    Veremos no Queen’s o que realmente ele está jogando. De qualquer forma, há que se reconhecer que título é título.

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Em tempo: “fraco” esse carro que ele levou. Tô com vontade de comprar. Será que ele aceita o meu Celta 1.0 basicão de entrada? O resto pagarei em suaves e intermináveis prestações mensais, a perder de vista.
      Pensando bem, melhor não. O IPVA dele é maior que o meu salário.

      Responder
  69. Rafael

    Olá,
    – Disse ao Dalcim que daria um descanso a ele, a mim e a todos de minhas postagens e vou cumprir com o que disse. Lendo o post do Rodrigo em relação à mim, no entanto, fiz uma reflexão, e gostaria de reconhecer algumas coisas:
    – Realmente tenho um gênio (muito) difícil, e isso prejudica minhas habilidades sociais. Rodrigo, quando li o que vc escreveu para mim abaixo do post da pessoa intitulada Marina, e por não ser a primeira vez, fiquei irritado com dizeres como “não é vc que vai se achar no direito de…” e outras colocações.
    – Mas minha resposta foi realmente agressiva e irônica, embora totalmente desprovida de hipocrisia ou distorção, como vc citou. De qualquer forma, não importa. Vc se sentiu ofendido, pediu que eu não mais me dirija a você – por favor, considere essa vez uma exceção. Talvez certas colocações de outras pessoas atinjam um lado meu relacionado ao recalque, e daí decorra diretamente uma certa agressividade. O que não é razão para que eu exerça essa agressividade.
    – Enfim, novamente, não vou mais me dirigir a vc quando voltar a postar, conforme seu pedido, e aproveito para deixar minhas sinceras desculpas pela minha postura. Do alto de meus 45 anos, não tenho justificativas ou motivos para fazer com que ninguém se sinta agredido com minhas palavras.
    – O tênis, como qualquer esporte pelo qual alguém é aficionado , desperta paixões, mas obviamente, para pessoas civilizadas, isso também não é desculpa para “acalorar” excessivamente as discussões.
    – Esse é um espaço que eu respeito, e reconheço que me excedi. Minhas humildes desculpas a você, aos outros frequentadores que eventualmente leram o que escrevi, e ao Dalcim.

    É isso.

    Responder
    1. lEvI sIlvA

      Parabéns, Rafael! Reconhecer que se excedeu e pedir desculpas é para poucos, diria até que é coisa pra homem, não moleque. Gosto de muita coisa que escreve, mas noto que poderia ser mais leve por vezes. Talvez, escrever o que desejaria postar e ler e reler antes de fazê-lo pode ajudar. Realmente, o tênis como muitos outros esportes, despertam paixões. Basta a gente tentar ser mais racional e menos passional. Difícil, mas não impossível. Nossa idade, digo nossa por regular com a sua, permite pensar mais e agir com certo cuidado, não é assim? Abraço!

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Rafael,

      Há muitos anos eu posto em alguns fóruns, e sei que mesmo os melhores participantes, mais cedo ou mais tarde, acabam se arrependendo de algo que escrevem. Já aconteceu comigo. Na verdade, acho que acontece com todos…Então, quem sou eu pra julgá-lo?

      Reconheço que num primeiro momento fiquei com muita raiva e quis te mandar pra Cochinchina…

      Mas achei bacana a sua postura. Alguns têm a ideia de que ser homem, é SE IMPOR. Eu discordo desta mentalidade. Pra mim mais homem é aquele com hombridade de assumir os seus erros.

      Enfim, esqueça.

      Responder
  70. Marqunhos

    A torcida do espanhol pode e dece comemorar, afinal de contas e um titulo na grama apos 5 anos e mais uma atp-250 na carreira. E tudo isso com apenas 29 anos.

    Responder
  71. Fernando Brack

    Convenhamos Dalcim, Nadal não ganhou de ninguém em Stuttgart. Além de não terem
    currículo no piso, Monfils veio com aquela estória de que não gosta de jogar na grama,
    e provou isso jogando de forma totalmente displicente na semi, enquanto Troicki ainda
    busca recuperar seu jogo após a longa parada por suspensão. Para mim, foi a mesma
    coisa que o título do Federer em Istambul, que não serviu pra absolutamente nada.
    De toda forma, o ogro capenga até que jogou direitinho, com bons saques e voleios.
    Acho que você quis dizer: ‘Claro que ganhar Stuttgart não aumenta seu grau…’

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Claro, Stuttgart, grato. De qualquer forma, Brack, ele entrou como favorito, com considerável pressão, foi lá e cumpriu seu papel. Isso precisa ser destacado.

      Responder
      1. implicante

        Faz uma década que ele entra em torneios como principal ou segundo, terceiro favorito… Ainda não se acostumou?
        Não sei que tipo de pressão ele pode ter jogando uma final contra um Troicki…

        Responder
  72. Marcelo

    Dalcim, na frase: “Claro que ganhar Halle não aumenta seu grau de favoritismo para Wimbledon. Terá de mostrar mais em Queen’s,” , na verdade, você quis dizer “ganhar Stuttgart”, né?

    Abraços

    Responder
      1. 100 nick

        Não cheguei a ver esse erro. Pode ter sido um ato falho, querendo dizer “a vitória de Federer em Halle não aumenta seu favoritismo para Wimbledon”. Faz sentido.

        Responder
  73. Joaquim Fernandes

    Minha postagem não se refere ao assunto da coluna, mas ao próprio blog. José Nilton, sou um contumaz de seu blog. Habilitei o feed do blog para meu correio eletrônico. Funcionava direitinho, vinho separado do Tênis Brasil. Agora, não há meio de separá-lo, só vem junto com os outros assuntos do Tênis Brasil. Há algum meio de habilitar para que sua página continue vindo para mim em separado através dos feeds? Antecipo agradecimentos.

    Responder
      1. Matheus

        Dalcim, só para complementar. O Sports+ vai passar Halle e Queen´s em VT, a noite, na 2a-feira e 3a-feira. A partir de 4a-feira, eles iram transmitir ao vivo. Abs!

        Responder
  74. André Luiz

    Concordo, separar Halle e Queens da mesma semana valorizaria ainda mais a curtíssima temporada de grama. Talvez fosse legal também elevar algum torneio pós-WB de grama a posição de ATP 500, já que parece fora de cogitação acrescentar tempo entre RG e WB.

    Responder
  75. Gustavo M.

    Dalcim, talvez a resposta para sua pergunta do primeiro parágrafo seja o fato de que a ATP organiza o calendário de forma com que não haja nenhum torneio acima de 250 em semanas que antecedem ou sucedem os Grand Slam. Será que não existe algum consenso nesse sentido? Abs!

    Responder
  76. Mario Cesar Rodrigues

    Então,quer dizer que Rafa é bom entre os 20 melhores do Ranking..pode ser mas vai aqui uma coisa que escrevi…quem sabe o mar não vai virar sertão e o sertão não vai virar mar.)ps para este ano!O ano que vem volta ao normal!Gente olhem o que Rafa defende no segundo semestre e o que os outros defendem vamos ver eu consigo enxergar as coisas como elas são,,,,se vai acontecer ai já são outros quinhentos!e não se enganem Rafa além do Prêmio e o carro,levou mais 800 mil euros,será que dá para ele comprar uma garagem para guardar o carro!Gente sejamos mais honestos com o que se passa no Tênis..não se iludam com textos!

    Responder
    1. 100 nick

      O Nadal defende poucos pontos até o final do ano. Se ele não se afastar por problemas de saúde, possivelmente estará uma vez mais entre os 4 ou 5 na classificação até dezembro.

      Responder
  77. Luis

    Dalcim legal a reportagem da globo sobre o Guga em Roland Garros parece que o Guga tem uns 5 títulos em Roland Garros pela admiração que tem pelos franceses,sera’ que Guga pode ser mais admirado que Nadal em Roland Garros? um jornalista disse algo assim,e sobre Wimbledon torcendo pelo Federer que venha mais um gran slam acho que falta desde que voltou a jogar bem de novo

    Responder
    1. Fernando Brack

      Guga tem um lugar especial no coração dos franceses por conta daquela
      emocionante declaração de amor ao torneio em 2001. E, é claro, por conta
      de seu enorme e incomparável carisma também.

      Responder
  78. Anderson

    Bom ver essa maior importância sendo dada à grama. Um único torneio de preparação não era justo, ainda mais os tenistas saindo do saibro.
    Quanto ao Nadal, vi que seu saque evoluiu e que seu backhand está andando bem. Aliás, por falar no backhand dele, o que você acha Dalcim? Pergunto porque vejo muita gente falando que não é tão bom, concordo que não seja uma arma de construção de ponto, mas ele se defende e ataca muito bem, soltando uns winners poderosos vez por outra, fora as passadas. E o que me diz do slice, Dalcim? Desde já, obrigado.

    Obs.: Último parágrafo, Dalcim: ganhar Stuttgard.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O backhand é o ponto mais frágil do jogo do Nadal, evidente. Claro também que não é um golpe horrível, apenas não tem a consistência de um grande backhand. Geralmente, ele se sai melhor no contra-ataque. O slice foi uma boa variação que ele obteve, conseguindo baixar cada vez mais a bola em relação à rede, o que é fundamental num bom slice. O fato de se canhoto ajuda muito, porque a bola vai ao contrário do que a maioria está acostumada, ou seja, o slice é cruzado no forehand e paralelo no backhand, quando geralmente ocorre o oposto.

      Responder
      1. Matheus

        Olá! Entendo que ele deve tentar trabalhar melhor o voleio longo dele. Tanto de forehand quanto de backhand, falta no voleio longo aquela “ferroada” que um bom voleio longo deve ter. Em compensação, ele consegue voleios curtos muito bons, até surpreendentes as vezes de tão bons.

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *