A dança das cabeças
Por José Nilton Dalcim
12 de maio de 2015 às 19:49

Roma não serve apenas de último e mais importante preparatório para Roland Garros, devido ao excepcional nível técnico e à semelhança entre os pisos, mas sobretudo irá definir os 32 cabeças de chave para o Aberto da França. Todo mundo sabe que figurar nessa elite faz toda a diferença do mundo: estar entre os 4, entre os 8, entre os 16 e até mesmo entre os 32 podem significar vida longa ou morte precoce.

Obviamente, que a maioria dos olhares está fixada na ponta. Novak Djokovic, Roger Federer e Andy Murray estão garantidos, nessa ordem, mas a cabeça 4 é o que vale muito. Por enquanto, está com Tomas Berdych, que leva apenas 10 pontos de vantagem para Kei Nishikori. Contundido, Milos Raonic está fora da briga.

Rafa Nadal ainda tem chance, mas precisa do título em Roma e ainda torcer para que nem Berdych ou Nishikori sejam semi. Nenhum outro resultado serve, sequer com a conjectura cada vez mais séria da desistência de Raonic, que terá de operar o pé a curtíssimo prazo.

A briga para ficar entre os oito cabeças também é importante, porque evitará se cruzar com os grandes favoritos antes das quartas. David Ferrer necessita da semi para não ser superado por um eventual mas improvável título de Stan Wawrinka. De qualquer forma, ambos podem se beneficiar da saída de Raonic.

Estar entre os 16 também importa, já que não se cruzará com um adversário de ranking superior antes das oitavas. Cilic, Dimitrov, López e Simon estão garantidos nessa faixa. Monfils, Tsonga, Anderson e Isner têm enorme chance. Bautista e Goffin ainda sonham.

Por fim, restam as vagas entre os 32. Os que ficarem entre 25 e 32 terão de pegar os cabeças 1 a 8 ainda na terceira rodada, então é um lugar para se fugir. Robredo, Gofin, Gasquet e Cuevas não correm risco. Kohlschreiber, Leo Mayer, Gulbis, Karlovic e Tomic são ameaçados por Garcia-López e Fognini. Imaginem só que indigesto para qualquer dos favoritos ter de encarar Fognini logo na terceira rodada.

Por fim, Kyrgios, Mannarino e Verdasco estão muito perto de entrarem como cabeças no final do pelotão, já que apenas Troicki (33) e Vesely (38) ainda estão vivos. Chardy e Thiem podem chegar lá, mas precisam de campanhas brilhantes no Fóro Itálico.

Começou – E pelo menos três peso pesados já estrearam em Roma. O número 1 do mundo voltou ao circuito com vitória trabalhosa sobre Almagro, o que no fundo foi bom. Serviu para colocá-lo rapidamente em ritmo. A se destacar as várias alternativas táticas que Nole encontrou, incluindo voleios importantes e primeiro saque afiado em horas decisivas. Berdych e Ferrer confirmaram, Wawrinka sobreviveu.

E Thomaz Bellucci repete Madri, furando o quali e passando uma rodada. O resultado aliás o deixa com enorme condição de atingir o 62º lugar do ranking. É bem difícil ganhar de Bautista, ainda que esse seja um dos mais limitados dos espanhóis de ponta. Vai depender muito da eficiência do primeiro saque e de jogar bem com a segunda bola. Se Bellucci passar, poderá pegar Djokovic. Uau.

Para se ter uma ideia da fortíssima chave de Roma, o turco Marsel Ilhan, adversário de estreia de Nadal nesta quarta-feira, é o jogador de mais baixo ranking na segunda rodada, como 87º. À frente dele, estão Dolgopolov (80º) e Bellucci (68º).

História – O Internazionali d’Italia, nome oficial, começou a ser disputado em 1930, apenas cinco anos depois de a França também permitir a entrada dos estrangeiros no seu torneio. O magnífico Fóro Itálico passou a sediar o evento em 1935, com exceção de 1961, quando o evento se transferiu para Turim por ocasião da festa nacional do centenário de unificação.

Nicola Pietrangeli foi o grande nome do tênis italiano, com títulos em cima até mesmo de Rod Laver e Tony Roche. Dez anos depois, em 1976, Adriano Panatta repetiu a conquista e ele mesmo foi o último tenista na casa numa final, batido em 1978 por Bjorn Borg. Seis sul-americanos vingaram em Roma: Vilas, Clerc, Gomez, Mancini, Ríos e Guga.

Apenas três grandes sacadores conseguiram até hoje ganhar o torneio na Era Profissional: Vitas Gerulaitis, em 1977 e 1979; Yannick Noah, em 1985; e Pete Sampras, em 1994 (seu único grande troféu no saibro, curiosamente obtido em cima de outro grande voleador, Boris Becker, que perdeu assim a chance de ganhar seu único torneio na terra).


Comentários
  1. lEvI sIlvA

    Diante deste comentário seu, MC :
    Mario Cesar Rodrigues
    12 de maio de 2015 às 20:14
    Porque não precisou usar todo o arsenal que tinha Rafa estava perdido ele só defendia e fazia Rafa errar!e foi o que aconteceu!

    Responder ↓
    Fiz este questionamento. Ficaria grato se me respondesse!
    lEvI sIlvA
    12 de maio de 2015 às 22:28
    MC, meu caro, a que você credita Rafa estar perdido como falou, numa final no saibro contra Murray de quem nunca perdeu na superfície? Soa estranho quando diz que ele, Murray, não fez nada demais. Abraço!

    Responder
    1. Mario Cesar Rodrigues

      Sinceramente meu caro,Rafa estava num dos piores dias de sua carreira e sinceramente Andy não fez nada diferente só devolvia e Rafa errava..e outra coisa sou fã do Andy técnicamente!ele não precisou usar todo seu arsenal porque o que fez já matou Rafa só isto!

      Responder
  2. Gildokson

    Poxa li ali embaixo opiniões sobre o ta ” ranking do saibro” e gostei muito do debate sobre o assunto, e até me surpreendi com a sua opinião Dalcim. Mesmo que os franceses adotarem isso num futuro próximo eu acho totalmente injusto, pois sendo Nadal o monstro que é no Slam francês ele não deveria se importa de cruzar ou não com adversários mais difíceis desde do começo do torneio, o tênis é momento e como disse alguém aqui mesmo, se fossemos ter cabeças de chave decididos pelo passado Roger seria cabeça principal na maioria dos Slans. Você mesmo ja disse aqui que pegar adversário mais fracos e ir subindo gradativamente a dificuldade ajuda o tenista, logo seria um baita privilégio, privilégio esse que Nadal nunca encontrou no ATP Finals por exemplo, coincidentemente nunca reinou por la.
    Abs!!!

    Responder
  3. Paulo

    A torcida futebolística italiana atazanando o Berdych, assim como encheu o saco do Dimitrov e somos nós, torcedores brasileiros que não entendemos nada de tênis? Fala aí Leo Mayer, argentino de … Ridículo.

    Responder
  4. Marquinhos

    Carlos Henrique,

    Os slam que Federer venceu entre 2003/2004 foram em cima dos melhores tenistas daquela época. Ou eu posso dizer que os principais adversários de Novak, hoje, estão em declínio físico ou final de carreira. Mamão com açucar.

    Rodrigo, tem certeza que Novak está próximo de alcançar Roger em número de semanas na liderança?

    Responder
      1. Renato Vieira

        Bastante equivocado

        Roger tem pouco mais que 300 semanas na liderança do ranking. Não lembro exatamente.

        Novak tem algo perto de 150, se não me engano. Precisa de mais uns 3 anos no #1 pra alcançar. Não creio que vá conseguir.

        Responder
      2. Sergio Ribeiro

        Amigo, você esta’ em que Planeta ? Essas suas 12 e’ uma demonstração que você precisa pedir auxilio aos Universitários tipo L.F. , Igor , etc…rsrsrs…Abs!

        Responder
        1. Luiz Fernando

          Ou então ao Sr Presunção, aquele rapaz humilde q sabe tudo? Ahh, mas talvez esteja consolando o Dimitrov agora. Grande abraço.

          Responder
      3. Robson

        Caro Rodrigo,
        Federer tem 302 semanas como líder do Ranking.
        Novak tem 144 por enquanto,mas como não perde essa condição de líder do ranking este ano,ou melhor,antes do AO do ano que vem,eu cravo o Sérvio no minimo com 180 semanas LÍDER,por enquanto.

        Responder
    1. Robson

      Os melhores tenistas daquela época não são páreos ou não seriam páreos para os melhores tenistas da época atual.
      Essa geração de Tenistas tanto no feminino quanto no masculino de 8,9 anos pra cá é de longe disparado a melhor,maior e mais forte geração do Tênis de todos os tempos.
      Serena,Kivitova,Azarenka,Sharapova,etc..
      Os irmãos Bryan.
      Djokovic,Nadal,Murray,Federer em 1º força.
      Vencedores de GS,mas logo abaixo como 2ª forças: Wawrinka,Cilic,Delpo.
      3ª forças: Tsonga,Berdych,Nishikori,Raonic e os talentosos Fognini,Dolgopolov,Gasquet,Tomic,Dimitrov.
      Nenhuma geração do passado tem metade da força da geração atual nem na 1ª força,nem na 2ª e nem na 3ª.
      .
      Portanto meu caro não force a barra pra favorecer o seu queridinho suíço que tá feio.

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Era aquela geração de grandes campeões, tenistas da mais alta qualidade, Gonzales, Baghdatis, Roddick, Nalbandian, Safin, Hewitt, se somar todos os slams dessa turma não alcança 2 dígitos… Grandes vencedores, todo o mundo do tenis os reverencia até hj…

        Responder
        1. Sergio Ribeiro

          A homenagem que Hewitt vai receber dos seus compatriotas ( e’ o MAIOR Vemcedor entre Simples e Duplas da Era profissional da Davis ) , vai calar definitivamente a boca de imbecis que nao eram nem nascidos , quando os citados eliminavam o Campeão de Rolanga do AOPEN e do USOPEN. O rapaz nao e’ somente presunçoso pelo fato de assistir poucos jogos. Desmerece a todos em função de uma paixão doentia pelo limitado Espanhol. O seu contemporâneo Novak prova isto toda semana.Abs!

          Responder
  5. Luiz Fernando

    Vendo os jogos de amanhã vê-se claramente como Rafa é favorecido nos sorteios: Nole pega o grande campeão Bello, o cansadão pega o excepcional especialista em saibro Anderson e Nadal pega o facilimo Isner. Como esse espanhol é favorecido, eu fico revoltado…

    Responder
    1. Fernando Brack

      Falou bobagem. Bellucci teve o mérito de vencer Bautista, um saibrista de muito mais respeito
      que Anderson e Isner. Mesmo tendo evoluído no piso, Isner no saibro é um peixe fora d’água,
      sempre dependendo exclusivamente do saque para conseguir alguma coisa importante.
      Se o ogro perder do americano, ele pode pendurar a raquete na saída da quadra.

      Responder
  6. Marquinhos

    Caro Robson,

    Se Novak conseguir alcançar os feitos de Roger será realmente grandioso. Já que ele não tem nem metade dos n de fãs, talento, habilidade e carisma do súico, chegar próximo dos seus números será grandioso.

    Responder
    1. Robson

      Caro Marquinhos,
      Vamos fazer assim: Vc fica com o seu Federer que pra vc é o melhor e o maior de todos.
      Eu fico com Novak Djokovic que pra mim é o melhor e mais completo de todos e futuramente será tb o maior de TODOS ok…

      Responder
  7. Marquinhos

    Robson, minha opinião.

    Saque: Federer 9 x Novak 8
    Devolução: Federer 8 x Novak 9
    Movimentação: Federer 9 x Novak 9
    Direita: Federer 10 x Novak 7
    Esquerda: Federer 7 x Novak 9
    Slices: Federer 9 x Novak 4
    Jogo de Rede: Federer 9 x Novak 4
    Mental: Federer 8 x Novak 9
    Físico: Federer 9 x Novak 9
    Leitura de jogo: Federer 8 x Novak 7
    Smash: Federer 10 x 2 Novak
    Drop shot: Federer 9 x 6 Novak

    Tenho certeza que o meu está mais dentro da realidade, caro Robson.

    Responder
    1. jeremias

      Só discordo mais seriamente da leitura de jogo( e também do slice, pois merece mais que 4),que para mim é vantagem para o lado de Djokovic,sendo essa uma de suas grandes qualidades; Federer, ao contrário, sempre confia tanto nos seus recursos maiorais que sempre joga na base do “o problema é teu”…

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Discordo totalmente do quesito “físico”. Quando Federer estava mais novo, até que podia ser…

        Hoje, no entanto, em físico, eu colocaria: NOVAK 10 / FEDERER 7.

        Responder
    2. Igor Menezes

      Acho que tanto você quanto o Robson foram um pouco parciais. A opinião de alguém neutro, já que sou fã de um outro tenista, é:

      Saque: Federer 9 x Novak 8
      Devolução: Federer 7 x Novak 9,5
      Movimentação: Federer 9 x Novak 9,5
      Direita: Federer 10 x Novak 8
      Esquerda: Federer 6,5 x Novak 9,5
      Slices: Federer 9 x Novak 5,5
      Jogo de Rede: Federer 8,5 x Novak 5
      Mental: Federer 8 x Novak 9,5
      Físico: Federer 9 x Novak 10
      Leitura de Jogo: Federer 7 x Novak 9
      Smash: Federer 10 x Novak 5
      Drop Shot: Federer 9 x Novak 7

      Não tem como Federer ter uma leitura de jogo melhor que a de Djokovic. Federer negligencia este aspecto do jogo. Ele joga por instinto. Nadal e Djokovic sim, são mestres nessa área, porque são jogadores mais cerebrais, daqueles que pensam o jogo e montam táticas de acordo com determinada situação.

      Responder
  8. Marquinhos

    Federer nunca foi um grande devolvedor, mas sua devoluções estão muito fracas. Dalcim, concorda? Nunca vi Roge devolvendo tão mal assim.

    Responder
      1. Jonatas Tosta

        Dalcim, lembro que o Sampras falou ultimamente que mais importante do que sacar bem na grama, é importante devolver bem, agredir. Pensando em Wimbledon, o Federer precisa melhorar suas devoluções, afinal ano passado ele só conseguiu quebrar o saque do sérvio na hora da onça beber água como diria o Cleto. O Djokovic é um devolvedor excelente talvez o melhor da Era Profissional, mas tem um saque regularmente bom e nada mais. Acredito que a devolução será fundamental para o Roger, afinal saque ele sempre teve e deve continuar tendo, a não ser naqueles que tudo dá errado, como contra o Seppi. Falei isso porque acredito que a cabeça do helvético deve tá mais na grama do que em qualquer outro lugar.

        Responder
  9. Lorenzo

    Impressionante Roger Federer. É um fenômeno! O público dos seus jogos é maior que finais de torneio.
    Em sua estréia em Roma, quadra lotada.

    Responder
        1. Lorenzo

          Chetenik, de certa forma o Igor tem razão. Afinal, tão logo o suiço se aposente, quando o público poderá assistir tênis arte de verdade novamente?
          Eles correm feito loucos para poder curtir o que pode ser a última participação do suiço.

          Responder
    1. Marcelo F

      Federer sempre atrai público, isso é verdade. Mas muitos jogos das primeiras rodadas tem tido quadra cheia. Ia mesmo comentar sobre isso. Pode reparar. Aliás no ano passado já tinha notado isso. Provavelmente tem sido assim há bastante tempo. Acho um torneio de muito mais sucesso que Madri. Porque será Dalcim?

      Responder
  10. Antônio Polese

    Onde estão os secadores do Bellucci? Cansei de ler comentários negativos por aqui, pelos leitores deste Blog, e um certo pessimismo sobre o melhor tenista brasileiro há vários anos. Às vezes os comentários lembram os de futebol, nada contra esse esporte, muito pelo contrário, sendo o momento atual o marco da carreira, esquecendo todo o passado do atleta. T. Bellucci fez 4 quatro boas campanhas em sequência: Miami, Turquia, Madrid e Roma. Não acho que irá passar pelo Djoko, mas o jogo poderá ser decido nos detalhes, como são os jogos desse nível. Fico na expectativa de uma boa campanha dele em RG.
    Outros brasileiros que merecem ao menos serem citados por aqui são: André Ghem e Fernando Romboli, esse último ganhou jogos dificílimos semana passada, vencendo o challenger de Cali.
    Abs.

    Responder
  11. Pieter

    Não vi o jogo, até porque me parece que o mesmo foi disputado em uma quadra sem transmissão, mas achei demais a vitória do nosso Bellucci sobre o espanhol Bautista- Agut. Parabéns a ele! Já faz algum tempo que Bellucci estava por merecer uma campanha assim, ainda mais em um Masters Series. Contra o Djokovic as chances podem ser mínimas mas o que importa é ele jogar solto e usufruir essa incrível oportunidade: um brasileiro na elite mundial do tênis e enfrentando o melhor do mundo!

    Responder
  12. Julio Sc

    Vamos que vamos Bellucci!

    Top 60 de novo e sem fazer campanha boa nos torneios latinos de fevereiro. Essa regularidade atual tem que permanecer para ano que vem beliscar top 30 novamente no início da temporada de saibro.

    Responder
  13. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    Bellucci acaba de virar um jogo bem louco, 2 sets fáceis e depois aquele sofrimento na hora de fechar !!!
    Agora é só bater o Djoko para consagração total !!
    O Ghem também eliminou um cabeça-de-chave (6) do torneio e agora tem jogos bem “ganháveis” para chegar na final. Acredito que com mais uma vitória ele pode ser cabeça no quali de Roland Garros. O quali também 32 cabeças ??
    E notícias do convite para Teliana ??

    abs

    Responder
  14. Rodrigo S. Cruz

    Yes, yes! Que virada do Bello!

    1/6, 6/1 e 6/4 sobre Roberto Bautista Agut!!! Derrubando o cabeça 14 do torneio…

    Próxima rodada: DJOKO na QUADRA CENTRAL!!!

    Responder
  15. Paulo

    Bom dia Dalcim, voce conhece o foro itálico? Se sim, como é a entrada? Paga-se um ingresso e tem acesso a todas as quadras? Não há cadeiras numeradas? Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Durante o dia as condições sempre são mais rápidas do que à noite, exceto claro se estiver garoando. Portanto, acho que ele prefere jogar sempre de dia.

      Responder
  16. Fonseca

    O fato é que, considerando a partida no início do ano em Abu Dhabi, Andy Murray aplicou um 62 60 e agora um 63 62 em Rafael Nadal. Ganhou 24 games e perdeu 7. Isto para alguém que tem retrospecto bastante ruim contra o espanhol é uma raridade.

    Responder
  17. Henrique Vianna

    Caro Dalcim,

    O Pete Sampras ganhou 03 títulos no saibro: Kitzbuhel em 1992; Roma 1994 e Atlanta 1998. Roma foi o unico Mater series dele.

    Abraços

    Responder
  18. Marcos

    Dacim! Não podia deixar de responder ao comentário infeliz do Rodrigo S. Cruz feito no post anterior.
    O Fognini é um Pangaré com P maiúsculo assim como o seu comentário foi digno de um Paspalhão!
    Segue aí uma lista de tenistas talentosos que jogavam fácil: Patrick Rafter, Marat Safin, Guga, David Nalbandian…. Vi o Nalbandian ganhar de virado num jg histótico contra o Federer na final do Masters Cup, torneio que hj em dia se chama Atp Finals. O Fognini tem que comer muito arroz e feijão para chegar a limpar a raqueteira desses caras, se liga!
    Quando o Fognini ganhar algum M1000 e GS em simples vc pode conversar comigo sobre tênis, caso contrário, fica na sua!

    Responder
  19. Daniel Melo

    Nesse histórico de Roma acho que valeria incluir aquela final memorável entre Federer e Nadal com o Nadal vencendo no 5º set depois de salvar um par de MP. Foi o mais perto que Federer chegou de vencer este prestigioso torneio e, na minha opinião, aquela partida foi a principal responsável pelo “trauma psicológico” que o Federer tem contra o Nadal.

    Eu acredito que se o Federer tivesse ganhado aquele jogo a história do tênis nesses últimos 10 anos teria sido diferente como um H2H contra o Nadal mais parelho incluindo um troféu a mais em RG pelo menos. Mas aí já é especulação minha… rs

    Responder
  20. Pieter

    Dalcim, você acha realmente possível o Federer derrotar o Nadal no saibro de Roma nesta fase atual do espanhol? Ou o retrospecto horroroso e o bloqueio emocional falariam mais alto, mais uma vez?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Poxa, eu gostaria muito de ver o que aconteceria. Tomara que tenhamos essa chance. Mas vejo que, se Nadal chegar lá na semi, vai estar bem mais confiante. E o piso não ajuda o Federer. O espanhol vai gostar se isso acontecer, imagino.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Uma situação como essa pagaria um almoço a todos do blog se Federer vencesse. Nadal perder de Federer no saibro lento a essa altura da carreira de ambos seria a constatação cristalina que o espanhol está em declínio.

        Responder
        1. Implicante

          Se o Federer estivesse animado em jogar no saibro, ganharia. Mas Nadal decadente contra Federer desinteressado, só não dá empate tecnico, pq o desempate é quem tem vantagem no piso. Então daria Nadal ainda

          Responder
  21. Rodrigo S. Cruz

    Em relação a uma parte da história do torneio, quando comecei a assistir tênis, um dos comentaristas era o Tomaz Kock, ele era ótimo e divertido, mas havia uma coisa engraçadíssima: quando ele simpatizava muito com algum tenista, ele deixava de ser realista e acabava forçando a barra. Uma situação que me lembro bem, foi esta:

    Todo mundo sabe que o Pete Sampras não morria de amores pelo saibro. No que pese o título em Roma ser expressivo, pois obtido num torneio da série “super-nine” e anteceder o Aberto da França, a verdade é que depois daquilo “Pistol Pete” nada mais obteve. Eu não vi este torneio, nem a campanha de Pete, portanto não sei em que circunstâncias ele se sagrou vencedor. Talvez por um lampejo de inspiração ou tenha pegado uma chave muito fácil, sei lá…

    O problema é que depois daquilo, um pesadelo constante tomou forma para ele, e costumava protagonizar vexames que não coadunavam em nada com o tremendo campeão que foi. Porém, o Tomaz usava aquele único argumento (ignorando o prazo de validade vencido) para reafirmar ano após ano, as “boas chances” dele conquistar Roland Garros…

    Responder
  22. Andre Melo

    Ola, Dalcim, as vezes tenho a impressao que o qualyfing faz muito bem ao Bellucci, lhe dah ritmo. Quando entra na chave direto e pega os grandoes de inicio ele psrece sentir muito a falta de ritmo. Lembro quando ele amargava derrotas em estreias, jogava Challengers e engatava uma sequencia. Tambem tem essa impressao, Dalcim?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O quali pode ser também perigoso, André. Porque você pega muito adversário que entra de franco atirador. O Thomaz tem tênis, principalmente no saibro, para ser competitivo em qualquer grande torneio. O bom é que ele parece ter recuperado a confiança. Uma boa chave em Paris vai permitir que ele retorne ao top 50.

      Responder
  23. Fernando Brack

    Vale destacar que no ano que ganhou Roma, Panatta também faturou RG.
    Foi seu único Slam e a última vez que um italiano venceu um major.

    Responder
      1. Fernando Brack

        Dalcim, Vilas ganhou RG em 77, batendo Brian Gottfried na final num passeio
        maior que o de Nadal sobre Federer em 2008.
        Borg não disputou o Slam naquele ano. Você lembra o que aconteceu com ele?

        Responder
  24. Luis Nascimento

    Adversário bom para deixar o Djoker afiado depois de um período longo de descanso. Almagro, assim como TODOS os espanhóis, é um perigo jogando no barro, fora dele é um jogador mediano pra baixo.

    Gostei dos voleios do sérvio que parecem cada vez mais consistentes, acho que ainda falta alguns detalhes para confirmar seu favoritismo em R.G.

    O Djoker precisa ganhar mais confiança jogando no saibro onde o rei continua sendo o Rafael Nadal, mas depois da final em Madrid, o espanhol não é o seu principal rival no G.S francês, Murray ao que parece será seu grande rival em R.G, com Nishikori um degrau abaixo.

    Responder
  25. Augusto

    Dalcim, não assisti djokovic vs almagro, mas vi o highlights e notícias do jogo.

    Fiquei preocupado com atuação do número 1. Já cedeu 1 set em Roma e me pareceu cansado, jogando muitas vezes mais 1 bola (vide 2 e 3 set) apostando em um ENF do espanhol. Qual avaliação que cê faz desta partida? Djoko esta readaptando as quadras? Jogou mal mesmo? Almagro jogou bem(mérito)? Abs.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que foi um bom jogo. Djokovic poderia ter vencido em dois sets, mas o Almagro melhorou muito no segundo set e apertou no terceiro. O sérvio variou bem o jogo no terceiro set, jogou muito bem na hora da pressão. Gostei.

      Responder
  26. Fernando Brack

    Dalcim, quando vi o placar de Djoko x Almagro pensei exatamente a mesma coisa. Jogo complicado
    pero no mucho, mas excelente, pela duração, para ambientar o sérvio à quadra e ao torneio. Daqui
    pra frente ele deve embalar. Pode até não levar o título, mas continua jogando como nº 1.

    Responder
  27. Curiosidade de Alice"

    Dalcim…eu tenho uma curiosidade em relação a sua opinião (se os outros frequentadores do blog quiserem dar sua opinião, fiquem a vontade) – Você acha que Nadal hoje teria 9 títulos de Roland Garros caso tivesse ganhado aquele jogo que perdeu contra Soderling em 2009? Se não, quantos títulos você acha que ele teria hoje! Pergunto isso porque acho que aquela derrota serviu de motivação pra ele seguir mais firme do que nunca em RG…é que nem Serena Williams que perdeu duas vezes no inicio para Sharapova e depois não deixou ela ganhar mais…HAHA! Só alguns dados que servem de comparação…
    Nadal ganhou 8 vezes consecutivas Monte Carlo…depois disso sofreu 3 eliminações. Sendo que em Roma ele ganhou lá 7 vezes (não seguidas) variando entre alguns títulos seguidos e eliminações, nesse torneio também sofreu 3 eliminações durante essas 7 conquistas.

    E para os mal informados (haha) Nadal ganhou 4 títulos seguidos em Roland Garros até sofrer uma eliminação na busca pelo sexto título…depois dessa eliminação venceu mais 5 títulos seguidos… 😛

    AH e não vale falar que ele venceria 10 vezes Roland Garos hein…hahahaha – mas pensando bem…até que não teria sido impossível né…uuuhauahuaauha

    Responder
      1. Rafael Wuthrich

        E continua a máxima: na era do maior de todos sobre o saibro, o único a vencer RG fora Nadal foi…Federer. Os deuses do tênis reescreveram a história recente do esporte de forma bem caprichosa.

        Responder
  28. Ivan Sampaio

    Tem um garoto que não vi o Dalcim nem ninguém falar dele ainda. Trata-se do coreano Duch Hee Lee. Ele é 3 meses e 11 dias mais novo que o Orlandinho, e já é o número 355 do ranking da ATP. Portanto mais uma promessa pra ficarmos de olho. Agora, segundo as minhas contas, a feras que vão de Kirgios a Orlandinho são 11. Curioso é que no site da ATP, a foto que aparece como dele é do Bruce Lee, kkkk.

    Responder
  29. O LÓGICO

    Analisei LOGICAMENTE kkkkkkkkkkkk o jogo do robozinho com o Andylânguido e descobri a razão de sua derrota: FALTA DE SACO KKKKKKKKKKKKKKKKKK O cara encheu tanto o SACO dos adversários, e dos telespectadores, kkkkk, com seu tênis lenga-lenga, que agora não tem, ele mesmo, mais SACO para encher o SACO do oponente sem ficar de SACO cheio kkkkkkkkk. Resumindo: ele encheu seu o próprio SACO com seu próprio tênis entediante kkkkkkkkkkkkkk de tal forma que agora tá sem paciência para encher o SACO alheio, kkkkkkk, e quando o adversário consegue encher seu SACO com longas trocas de Saco, digo, bolas, kkkkkk, ele fica de SACO cheio e tenta finalizar o ponto por não aguentar mais a encheção de SACO do adversário kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Renato Vieira

      Ainda bem que alguém acha graça no que você fala. Mesmo que esse alguém seja apenas você mesmo.

      Percebe-se o nível de entendimento de tênis da pessoa quando ela sequer cita o que o adversário fez pra ganhar a partida.

      Freud (pronuncia-se Fróide) tinha uma boa explicação pra isso.

      Responder
      1. Bruno Vigne

        Eu acho muita graça no Lógico hahahahaha! Pior que eu já tinha pensado nisso: como o próprio Robô se aguenta???? Hahahahahahaha

        Responder
  30. Leonardo Carvalho

    Dalcim, você tem notícias do Del Potro? Ele tem alguma previsão de volta? Tomara que consiga voltar a joga, e bem, sinto falta daquele forehand devastador.

    Responder
  31. Fernando C.

    Dalcim.

    O que você acha da informação que vem circulando, que especula sobre uma definição dos cabeças de chave independente do ranking, o que poderia favorecer, naturalmente, Rafael Nadal?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      São especulações, não acredito que sejam adotadas. Mas eu seria totalmente a favor de se colocar Nadal entre os quatro, independente do ranking.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          No momento quem é melhor do que o Nadal no saibro, além de Djokovic? Não é porque ele perdeu do Murray ou do Fognini que devamos imaginar que ele é inferior aos dois no saibro, não acha? Então eu valorizo sim o histórico, acho que isso é importante. Abs!

          Responder
          1. Gustavo M.

            Seria casuístico, mas beneficiaria a todos: Nadal, seus adversários com ranking mais alto e o próprio público. Um precedente perigoso, mas que poderia sem problemas ser adotado, sem grandes prejuízos pra ninguém. Abs!

          2. implicante

            1-Se fossemos depender de histórico, o Federer deveria ser cabeça 1 de qualquer torneio para io resto da carreira.
            2-Acho o ranking quase sempre justo, não deveríamos colocar a frente quem não tem tenis para estar à frente.
            3-precisamos de renovação de campeões e haverá mais probabilidade com ele fora do top4.
            4-E como você considera ele tão capaz de se reinventar, deixe o jogar com ranking inferior e vejamos como ele se sai. rs
            5-O próprio Rafa deveria vir a público e dizer que vai jogar com o ranking que ele conquistar.
            Toda a grandeza para o nome dele que ele conquistou, será destruída por causa disso.
            Será vergonhoso para o tenis se isso acontecer e ele aceitar. Roland Garros já é o piorzinho dos slams, feito isso nem assisto mais esse “slam”.

          3. Osvaldo Martins

            Só um adendo à opinião do Dalcim: como ele já disse em outras oportunidades/posts, apesar de ser a favor da definição especial dos cabeças, ele não defende, por exemplo, que isso se aplique já agora em RG 2015, mas sim com o anúnico sendo feito com bastante antecedência, correto Dalcim?

          4. José Nilton Dalcim

            Exatamente. Não concordo que isso ocorra agora, porque é casuísmo. Daí não acredito que os franceses farão isso. De qualquer forma, não seria o fim dos tempos.

          5. Marcos RJ

            Sem querer me meter e já me metendo… Quem está bem melhor é o Fognini, que já venceu o Ogro duas vezes na temporada. Rsssss

          6. Sergio Ribeiro

            Permita-me discordar ,meu Caro Dalcim. Pete Sampras vinha muito mal em 2002 ( caiu para o TOP 17) , e devido aos seus SETE Titulos , foi pinçado em Wimbledon no ano para Cabeca 6 e caiu na primeira para o desconhecido Suíço George Basti. Em casa no USOPEN ja’ havia feito SEIS Finais ( treinou feito um louco, recontratou Annacone ) mas teve que se contentar em ser C. De Chave 17. Isso nao o impediu de levar o SLAM em cima de Agassi. Se o momento nao prevalecer , teremos que aceitar os devaneios de Rafa Nadal que quer o Ranking contando os DOIS últimos anos, Saibro no FINALS e por aí vai rsrsrs..Grande Abraço !

          7. José Nilton Dalcim

            Não. Não estou dizendo que o Nadal vai perder nas quartas e mesmo assim devem dar o troféu de campeão ou o prêmio de campeão para ele. Estou dizendo que, ANTES de o torneio começar, me parece justo colocar o tenista que ganhou nove vezes lá entre os QUATRO principais favoritos. Isso não favorece apenas o Nadal, mas seus adversários, o torneio, o público. Abs!

        2. Andre Melo

          Mante-lo como cabeca 4 nao me parece uma regalia tao astronomica para um cara que ja ganhou 9 vezes o torneio. Dificilmente tera outro que repita tal feito…

          Responder
      1. Marcos Castillo

        Apesar de não torcer para o Nadal, compartilho da sua opinião e acho muito corajoso da sua parte colocá-la de maneira tão transparente, sem deixar dúvidas aos seus leitores. Parabéns por sua postura.

        Responder
      2. Igor Menezes

        Eu só queria uma coisa, Dalcim! Que ele ficasse em lado oposto ao de Djokovic… Só isso. Não pra fugir do sérvio. Jamais! Mas pra não tirar uma daquelas finais que podem entrar para a história. Tenho certeza que o sérvio sonha com o título de RG em cima de Rafa Nadal. Seria um marco e tanto para o tênis. Ao passo que para Rafa, não há ninguém no momento, que lhe valorizaria mais uma décima conquista e sexta seguida, do que o jogador que mais vezes lhe venceu e líder absoluto e indiscutível do ano! Traria novamente aquela áurea de imbatível ao espanhol no saibro da Chatrier. Abs!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Exato, Igor. Seria terrível ver Djokovic e Nadal se cruzando na semi e aí termos uma final totalmente sem graça, como aliás já aconteceu.

          Responder
  32. Gabriel

    A melhora do Bellucci esta sendo empolgante. Não que eu me empolgue em demasia com ele, porque quem o faz costuma se decepcionar um pouco. Mas ninguém pode negar que seu tênis esta melhorando, que sua confiança esta voltando, que seu saque esta entrando. Uma melhora expressiva a véspera de um Grand Slam sempre é bem vinda. E o que eu tenho notado é que o número de erros não forçados tem diminuído bastante, o que é ótimo. Aquela vitória na primeira rodada no Masters de Miami, sobre o Hewitt parece que o acordou. Em Miami ele chegou a terceira rodada, mas parou contra o Dolgopolov, sendo que no primeiro set vencia por 5-4 com 40-0 e sacando. Tomou a virada, mas foi uma grande campanha. QUASE pegou o Djokovic na quarta rodada, foi por pouco. Ai no ATP 500 de Barcelona conseguiu uma vitória e parou na segunda rodada pro Agut. Compreensível. Depois veio o ATP 250 de Istanbul e novamente uma grande campanha, parando só nas quartas pro Cuevas. Depois passou do quali do Masters de Madri e venceu um jogo na chave principal. Agora passou no Masters de Roma e novamente vitória na estreia na chave principal. Fazia TEMPO que o Bellucci não conseguia tão bons resultados em sequencia. Quanto ao jogo de amanhã? Não sei, pode até ser eliminado, mas que seu tênis esta melhorando isto esta.
    O inverso esta acontecendo com o Feijão…Gosto do jogo dele, mas sete derrotas seguidas? Não consegue vencer nem a primeira rodada de qualifyng mais…Desdes março sem saber o que é vencer. Ele não tem muito o que defender em termos de pontos nas competições que ira disputar, mas se continuar assim vai cair no ranking, afinal não perde mas também não ganha pontos. O que explica essa fase HORROROSA do Feijão, Dalcim? Não da pra dizer difernete, o momento dele esta assim mesmo: horroso.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho natural. Ele está disputando torneios num nível muito superior ao que está acostumado, então a pressão é maior.

      Responder
  33. João

    Dalcim… Vc não acha que a mecânica dos golpes do Nadal são muito complexas tanto de back quanto forhand para velocidade que ele está jogando? Acho que apenas uma fração de segundo pode definir o que será uma bola perfeita de spin com 4 mil rotações ou uma madeirada lá na arquibancada. Assistindo as partidas dele percebo que além da dificuldade de chegar na bola, ele está executando os golpes com uma imprecisão desastrosa. Mudar de raquete a essa altura da vida profissional exigiria uma técnica formidável como a de Federer. Então o que o Rafa pode fazer para sair desse quadro desanimador?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, nem acho tão complexo. E ainda por cima ele joga 4 passos atrás na linha, o que no saibro é um universo de tempo para armar qualquer golpe. Acho que ele precisa justamente jogar mais perto da linha, passar a ser mais agressivo.

      Responder
  34. Marquinhos

    Curiosidades do dia:

    Slam:
    : Federer 17 x 10 Murray/ Novak. Saldo: + 7 kkkkkkkk

    Federer 17 x 16 Nadal/Murray Saldo: +1

    Finals:

    Federer 6 x 4 Djoko,/Nadal/Murray Saldo: + 2 kkkkkkkkkkkkk

    Semanas na liderança:

    Federer 302 x 290 Novak/Murray/ Nadal Saldo: + 12 kkkkkk

    Em tudo que é mais importante e primário, Roger atropela os “concorrentes.”

    Responder
    1. Carlos Henrique

      Estranho seria o contrário. Acho que “reinar sozinho” em 2003-2004 (4GS) explica alguma coisa.
      Entenda-se reinar sozinho (ausência dos outros três grandes jogadores em nível competitivo, com ranking top 40).
      Isso, para um jogador muito excepcional como Federer, foi uma grande “mão na roda”.

      Responder
    2. Igor Menezes

      Que imbecilidade, cara! Espera os rapazes terminarem a carreira para fazer uma comparação mais justa, não?! Roger tem 5 temporadas a mais, na média, em relação aos outros três! Mas eu mereço ler essas coisas… Afffff

      Responder
    3. Renato Vieira

      Por que não teve essas “curiosidades” (não sei o que você vê de curioso nisso)

      Slam: Roger X Novak/Nadal/Murray
      ou mesmo Roger X Novak/Rafa

      Já que é pra subverter os números à sua própria insanidade, podemos fazer outras comparações também

      Títulos no saibro Roger X Rafa
      Títulos da UEFA Champions League Roger X Real Madrid
      Títulos do Tesouro Nacional
      Cinturões do conselho mundial de boxe.

      Vamos longe, a insanidade é algo que não tem como ser aferida quantitativamente.

      Responder
    4. Robson

      Agora coloca aí pra gente o H2H de Federer frente a Nadal e frente a Novak.
      Aproveita e coloca aí tb o Número de M1000 ganhos por Federer frente aos ganhos por Novak e Nadal.
      E pra terminar coloca tb o tempo de competição ao todo de profissional que tem Federer,Nadal e Novak no circuito de Tenis.

      Responder
    5. Robson

      Descrevendo Ferderer x Novak:(minha humilde opinião claro)
      Saque: Federer 9 x Novak 8
      Devolução: Federer 8 x Novak 10
      Movimentação: Federer 8 x Novak 10
      Direita: Federer 9 x Novak 9
      Esquerda: Federer 7 x Novak 10
      Slices: Federer 9 x Novak 7
      Jogo de Rede: Federer 9 x Novak 7
      Mental: Federer 8 x Novak 9
      Físico: Federer 8 x Novak 10
      Obediência tática: Federer 7 x Novak 10
      Leitura de jogo: Federer 8 x Novak 10
      .
      Portanto meu caro Marquinhos,quer queira vc quer não,Novak baterá quase todos os recordes que Federer tem no circuito de Tênis dentro dos próximos 5,6 anos,pra não falar todos hein…

      Responder
  35. Chetnik

    Apesar do vacilo no TB e consequente perda do set, ótimo jogo do Djoko. Sacou muito, distribuiu winners e fez três grandes voleios nas 3 oportunidades que teve – ainda brincou nos drop shots. Jogo foi duro por méritos do Almagro, que passou a jogar muito a partir do segundo set.

    Muito bom começo

    Responder
  36. Chetnik

    Apesar do vacilo no TB e consequente perda do set, ótimo jogo do Djoko. Sacou muito, distribuiu winners e fez três grandes voleios nas 3 oportunidades que teve – ainda brincou nos drop shots. Jogo foi duro por méritos do Almagro, que passou a jogar muito a partir do segundo set.

    Muito bom começo.

    Responder
    1. Carlos Reis

      Mas bah, o cara conseguiu falar bem de alguém que não seja o DjokoVICE de Dubai ou Rafael Picareta Nadal… “Parabéns”!!!

      Responder
  37. Marcos RJ

    Federer nao dependia tanto do saque quanto Sampras, que jogou toda a carreira na era do saque-voleio, mas o suico tambem eh um dos grandes sacadores que jamais ganhou o torneio. Chegou a fazer tres finais, perdeu uma grande oportunidade em 2003 para Felix Mantilla e depois mais duas para o Ogro.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Desculpe , Amigo. Mas nao era a ” Era do Saque- Voleio ” e sim se podia aplicar também esse estilo devido a NAO padronização dos pisos. Tínhamos grandes devolvedores e Basiliners como seu maior rival André Agassi, Wilander e CIA. Se Dalcim me permitir , Pistol Pete Sampras jogou 144 partidas no Saibro. Venceu 90 , e acrescentando ao Post nao foi apenas um Título em Roma contra Becker que nao venceu nenhum. Venceu também em 92 o Aberto da Áustria em cima do Ex- TOP 8 Mancini( também vencedor em Roma sobre Agassi), e em Atlanta em 96 sobre o Ex-TOP 19 , o Australiano Jason Stoltemberg em dois Tiebreack. Semi -Finalista em Rolanga no mesmo ano perdendo para Kafelnikov. O troco veio rápido na Final da Davis em pleno Saibro Russo quando marcou os três pontos em cima do próprio e CIA. Abs!

      Responder
    2. Carlos Reis

      Em 2006 o Fedex perdeu Roma para o Ogro no tiebreak do 5.set, liderava aquele tie por 5-3 e perdeu 4 pontos seguidos… Foi uma das mais duras derrotas… Por causa dessa PRAGA espanhola, o Fedex não tem Roma e MC, e tem apenas 1 RG. Quando o Nadal perde, o tênis HONESTO ganha, sempre, e o contrário tbm é verdadeiro.

      Responder
      1. Alexandre Maciel

        Caramba, não sabia dessa. Ele vai ficar muito feliz se o Djoko conquistar RG 2015, vai até sentir uma pontinha de inveja… rsrs

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *