Início morno
Por José Nilton Dalcim
9 de novembro de 2014 às 23:29

Os dois primeiros jogos de simples do Finals de Londres não empolgaram. Ainda que tenham finalizado com vitórias justas pelo volume de jogo, ou na pior das hipóteses menor número de erros, o equilibrado grupo B sinalizava para confrontos duros, decididos em detalhes e muita indefinição das vagas na semifinal.

Andy Murray no entanto decepcionou. Não aproveitou a quebra prematura que obteve no quinto game contra Kei Nishikori, adotou um estilo tenebrosamente defensivo, com direito a muita bola alta em trocas simples, e ainda assim abusou das falhas. Após a perda do primeiro set, parecia dominado. Mas aí foi a vez do japonês mostrar instabilidade emocional. Da chance de abrir 4/0, foi para um 4/4. Para sua sorte, o escocês finalizou a partida com um game horroroso.

Roger Federer aplicou 6/1 num placar que refletiu muito mais a incompetência de Milos Raonic do que o brilhantismo do hexacampeão do Finals. O canadense usou melhor o saque, passou a ler mais o serviço de Federer e mostrou perna para fugir do backhand. Foi o que bastou para o suíço se complicar no segundo set, salvar break-point atrás de break-point até dominar o tiebreak. Um jogo tão anormal que vimos Roger subir apenas 10 vezes à rede.

Com as vitórias sem perder sets, Federer e Nishikori jogam entre si na terça-feira e quem ganhar, ainda mais se for também por 2 a 0, estará um passo e meio na semi. Também é de se esperar que, mais soltos, os dois joguem o estilo agressivo e gostoso que possuem. Já Murray e Raonic estão sob pressão, muito mais o escocês, que está devendo uma boa exibição em casa, do que o estreante. No entanto o Murray sob pressão que se viu neste domingo sugere favoritismo do tênis quase kamikaze de Raonic.

Nesta segunda-feira, todos os olhos na estreia de Novak Djokovic contra Marin Cilic. Sem atuar em Paris, onde Nole foi campeão e há uma semelhança grande com Londres, acho difícil o croata dar muito trabalho. Mais cedo, Stan Wawrinka coloca seu quarto posto do ranking em jogo contra Tomas Berdych, que junto a Nishikori e Murray é uma ameaça concreta ao suíço.

Frases de efeito

– Para quem ainda acredita no tenista que diz que ranking não importa ou é secundário, Boris Becker garantiu: “A prioridade era ser número 1”, sob seu trabalho com Djokovic em 2014. Ele renovou contrato para treinar o sérvio. O prazo? “Enquanto os resultados vierem”.

– Andy Roddick opinou que Federer tem mais tênis do que Rafa Nadal. “Ele elevou o tênis a outro nível nesses 14 anos”. Mas logo depois se esquivou. “Os dois são jogadores com plataformas muito diferentes e não é correto compará-los”.

– Excelente análise de Greg Rusedski no Telegraph. O britânico aponta duas mudanças essencias feitas por Stefan Edberg. “Roger encurtou a preparação do forehand e com isso diminuiu o tempo de reação dos adversários e ao mesmo tempo ganhou mais chance de ir à rede. Mais sutil foi o trabalho dos pés. Ficou mais veloz, ele usa diagonais para cobrir melhor os ângulos”. E sentencia: “Ele ainda se move tão bem quanto os mais jovens, mas aos 33 você precisa jogar da forma mais limpa e eficiente possível”.


Comentários
  1. Jonatã

    Se o Stan “lembrou” hoje do tenista que foi do Australian Open 2014, Djokovic ” lembrou” o tenista devastador de 2011, simplesmente varreu o Cilic da quadra, com o mesmo placar aplicado pelo Suíço(6/1 6/1)…não fosse pela desatenção no terceiro game, seria 1 e 0. Tudo bem que o Croata não jogou bem, seu saque não o ajudou, mas boa parte disso fora provocado pela enorme intensidade de Nole….Ainda estamos aguardando uma partida bem disputada….

    Responder
  2. Fernando Brack

    Putz, se o começo do Grupo B foi morno, o que foi essa largada do A? Que coisa!
    Torcendo muito por nossos duplistas. Vitória no sufoco do Bruno pra afastar a zica.

    Responder
  3. Felipe

    Dalcim, boa noite!

    Uma dúvida referente à $$$. Alguns torneios pagam caches para os tops irem jogar, correto? Essa grana que eles ganham entram na estatistica que a ATP mostra no começo dos jogos? Ou o que aparece na lista da ATP é essencialmente o que eles ganham EM QUADRA?
    Outra dúvida: Matster 1000 paga cache? Ou só torneio menores??

    Abraços!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, só aparece a premiação oficial, ou seja, a que recebem a cada rodada que jogam nos torneios oficiais (não inclui Copa Davis). A presença dos tops é obrigatória nos Masters 1000, portanto não há cachê. Abs!

      Responder
  4. Jonatã

    Mas essa quadra , da O2 é uma vergonha, desde 2012, nem de longe lembra uma quadra sintética coberta, se não bastasse que 75% das quadras duras do circuito lembrarem mais um “Saibro” , agora nem nos indoors estão “imunes” a esse tipo de quadra. E o responsável pela confecção do tipo da quadra ( O Greenset, o mesmo de Basel, Valencia, Paris-Bercy e Londres- apenas no torneio Suíço, a quadra estava rápida) dizer que a quadra é rápida, é ter muita cara de pau. Lembrando que até o Nadal no ano passado achou essa quadra bem lenta.

    Sobre os jogos, achei que o Federer foi muito bem no primeiro set, e irregular no segundo, mas soube jogar melhor nos pontos decisivos. Murray e Nishikori fora uma piada de mau gosto. E quem diria que o Wawrinka iria jogar tão bem, a ponto de lembrar o fantástico tenista do Australian Open 2014, verdade que o Berdych jogara muito mal(mesmo se jogasse bem,acho que o Suíço venceria, pois hoje estava inspirado), e arrisco a dizer, que o Stan de hoje, ameaçaria qualquer Top, mesmo o pessoal do Big Four.

    Vamos ver agora o estreante Cilic diante do Djokovic, vamos ver no que vai dar.

    Responder
  5. Paulo

    Bom dia Dalcim, em qualquer esporte, o que realmente importa é ser “o número 01”, o primeiro, o cara ou o time no topo da lista, quem diz o contrário, realmente não entende nada de competição. Roger ontem, jogou pro gasto, pois esse Raonic só tem saque e foge demais do backhand, ou seja, joguinho manjado. Agora, mudando de assunto, duas perguntas pra voce Mestre Dalcim:

    1) O técnico do Djoko, Marian Vadja, disse que o Djoko precisa concretizar seus pontos mais rápido pois “ELE NÃO É Federer e precisa construir o ponto para vencê-lo”. kkkkkkk E aí? Federer é o cara? kkkkkkkk

    2) O “Rei dos Suplementos” mudou o nome do “tratamento” para “tratamento com células-tronco”… kkkkkkk. Pode isso Mestre Dalcim? Isso não seria doping? Células-tronco no joelhinho, no…, na…, nas costinhas, … kkkkkkkk Olha o exemplo que o cara está dando, voce já percebeu a “encorpada” do Vasek Pospisil e a preparação física do Borna Coric?

    Abre o olho Dimitrov, abre o olho Kyrgios, abre o olho Thien, … kkkkkkkkkkkkkkkkkk. Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Paulo, tratamento com células tronco é uma das maiores novidades da medicina, está longe de ser doping. É tratamento médico. Abs!

      Responder
    2. Renato Vieira

      PQP! Agora vai sobrar pro Pospisil e para o Coric também. É brincadeira isso?

      Você frequenta alguma academia de musculação Paulo? Já entrou em uma?

      Responder
  6. Sergio Ribeiro

    Como sempre digo , a grande dificuldade do FINALS nao se restringe ao fato de so’ se enfrentar Feras ( os 8 melhores de Toda a Temporada) . Mas exatamente o momento em que e’ disputado. Dai obter 45 Vitorias e SEIS conquistas como Federer, nao e’ para aqueles que abusam do Físico ao longo do ano a lá Rafa Nadal. Novak disputou apenas 18 Torneios contra 23 ou mais como Ferrer. O dono da Casa quis jogar a meia boca , e perdeu para um Samurai visívelmente sem condições de Sacar bem ( mesmo assim foi mais agressivo) . O Suíço cozinhou o Canadense como quiz. Nao ia deixar barato Paris. Duzentos Pontos no bolso. Foi morno mais hoje ja’ muda. A conferir. Abs!

    Responder
  7. Luiz Nunes

    Olá, Dalcin, bom dia !
    O que vc acha, dos dois troféus que Roger Federer ganhou da ATP, “Esportividade” eleito pelos próprios jogadores e “distinção de tenista com maior admiração dos fãs.”? Os colegas do blog tem uma discussão interminável sobre esse ou aquele, quem é o maior ou melhor, enfim… Merece um Post ou não… Um grande abraço, um bom torneio Finals e uma ótima semana.

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Claro que são significantes, principalmente porque um deles é votado pelos próprios tenistas. O outro de fãs é mais suspeito, porque sempre é possível manipular votações na Internet. De qualquer forma, pelo que vimos no mundo e nos torneios, Federer é sem dúvida muito querido pelo público.

          Responder
  8. Marquinhos

    Começou o masters finals – torneio mais importante depois dos slam. Grandes nomes como Federer, Djokovic, Sampras, Guga, Borg, Lendl….. venceram o torneio. Infelizmente o nome de Rafael Nadal não consta no arquivo dos vencedores do torneio, pois quando o confronto é direto contra tenistas top, o buraco é mais embaixo. Já Roger Federer é o maior vencedor da história do torneio e é quem manda prender e soltar na desejada competição. Ele é o cara no torneio mais difícil do calendário.

    Raonic só tem chances contra tops se colocar pelo menos 60% do 1 saque em quadra e fizer uns 20 aces no jogo.

    Responder
  9. Almir Neppi

    DALCIM, FALANDO DO EDBERG, ASSISTI UM JOGO DELE CONTRA O MCENROE EM WIMBLEDON SF, NÃO HAVIA TROCA NA DE BOLAS ELES SUBIAM A REDE EM TODOS OS PONTOS IMPRESSIONANTE, QUE HABILIDADE, E ISTO O EDBERG CONSEGUIU COM O FEDERER SER MAIS AGRESSIVO E ENCURTAR OS PONTOS, MAS O EDBERG VOLEIAVA MELHOR. ABRAÇOS

    Responder
  10. Igor Menezes

    Bom, se serve de contraponto, o próprio Roddick também disse esses dias que Federer ainda é melhor que Nadal porque tem mais títulos de Slam. E ainda completou dizendo que, no final das contas, o que conta é o nº de conquistas de Slam… O que significa que caso Rafa chegue aos 18… fim de discussão.

    Responder
  11. Marquinhos

    Sérgio Luiz

    Não estou preocupado com qual ovo é mais gostoso e que passarinho é mais barulhento, quero tirar um sarrinho de vez em quando. Já quem não aguenta provocação se rebaixa ao partir para o lado pessoal.

    Responder
  12. Chetnik

    Que porcaria o jogo do Murray e do Nishikori. Horroroso. O saque do Nishikori não faria estrago nem na WTA. Não vi o jogo do Federer, não vou opinar.

    Torcer pelo Djoko amanhã.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *