Homens de aço
Por José Nilton Dalcim
4 de setembro de 2014 às 02:45

Houve momentos de fraqueza, nervosismo, irritação. Mas Novak Djokovic mostrou novamente que é um tenista com coração de aço. Resistiu a dois sets duríssimos contra um determinado Andy Murray e depois sobrou na parte física, mantendo uma consistência que o britânico perdia a olhos vistos. Se não foi uma exibição tecnicamaente espetacular, a consistência em situações extremas mostram por que ele é o favorito ao título do US Open.

Impossível também não dizer que Kei Nishikori surpreendeu muito hoje, não por sua qualidade técnica, que todos conhecemos, mas pela resistência física e mental para um segundo duelo consecutivo de cinco sets e além das 4 horas. O japonês mal teve forças para comemorar e selou seu retorno ao top 10 – será o número 9 com a derrota de Murray – com uma excelente atuação diante de Stan Wawrinka, mesclando ataque e contraataque em doses oportunas.

A grosso modo, Djokovic deveria ter vencido em três sets, um placar mais lógico dentro do que ambos fazem na temporada. Mas ele deixou  escapar vantagens e certamente foi surpreendido por uma disposição ofensiva do escocês, que disparou incríveis forehands para todos os cantos da quadra, justamente o golpe que Nole costuma explorar porque sempre foi o mais frágil do amigo que conhece desde a infância. O sérvio também não sacou tão bem, alternando instabilidade, porém sai muito confiante para as duas rodadas decisivas porque ganhar de Murray no piso duro é um resultado muito especial.

Já o jogo entre Nishikori e Wawrinka foi extremamente parelho, talvez à exceção do primeiro set, e os dois dividiram o tempo todo liderança do placar, oportunidades e jogadas agressivas e de alto risco. Um belíssimo duelo de quartas de final, que premiou aquele que mostrou o tempo todo maior frieza. O game derradeiro espelhou isso de maneira ímpar, com erros, dupla falta e pressa do suíço, incapaz de controlar a pressão. Dado curioso é que Nishikori ganhou 29 das 37 tentativas junto à rede, enquanto  Stan subiu apenas 15 vezes, o que mostra a dificuldade que ele teve em abrir a quadra do adversário.

Supervisionado por Michael Chang desde o começo da temporada, Nishikori deu um ‘upgrade’ inegável. Morando e treinando nos Estados Unidos desde os 14 anos, sempre se esperou dele bons desempenhos na quadra sintética, mas até então ele só tinha uma presença nas quartas do Australian Open e uma quarta rodada no US Open. Em 2014, ao contrário, acabou brilhando até no saibro lento, onde esteve pertinho de derrotar o todo poderoso Rafael Nadal.

Ele terá pernas para encarar Djokovic e obter assim a terceira vitória seguida sobre um top 10? Bom, ao menos ele terá 72 horas inteiras para descansar e se recompor emocionalmente, já que fará a primeira semifinal de sábado, no comecinho da tarde. O histórico entre eles aponta empate, com vitória do japonês no único duelo de piso duro. Os dois deveriam ter se cruzado na semi de Miami deste ano, quando Nishikori vinha embalado com vitórias sobre Federer, Ferrer e Dimitrov, mas sentiu a virilha e nem entrou em quadra.

Enquanto isso, faltou emoção no complemento das quartas femininas. Serena Williams começou mal, mas depois atropelou Flavia Pennetta ao seu melhor estilo de pressão o tempo todo, enquanto Ekaterina Makarova se tornou mais uma novidade no torneio, ao se aplicar e dominar a duas vezes finalista Vika Azarenka, a quem faltou nitidamente confiança nos golpes de ataque.

A russa de 26 anos e 1,80m não é uma estrela, mas tem resultados e rankings consistentes em simples e duplas. E, é claro, todos se lembram que era a parceira de Bruno Soares no histórico título de mistas no US Open de 2012.

Por falar nisso, Soares irá buscará o bi nesta sexta-feira, agora tendo ao lado a excelente duplista indiana Sania Mirza, o que compensa a dura derrota para os espanhóis Granollers e López. Pelo terceiro ano seguido, Bruno faz uma final em Flushing Meadows.

Ao mesmo tempo, Marcelo Melo e o croata Ivan Dodig levaram um susto, mas confirmaram o bom momento, foram à semi e pegam os mesmos espanhóis. Além de tentar sua segunda final de Slam, Melo precisa muito dessa vitória para saltar ao quinto lugar na corrida para o Finals de Londres, o que aumentaria muito a chance de estar lá novamente em novembro. Soares/Peya estão virtualmente garantidos.


Comentários
  1. Fernando Brack

    Bem, não foi exatamente um milagre, mas a atitude do Federer em não desistir nem esmorecer.
    Monfils claramente desabou mentalmente no 5º set, mas até o finzinho do 4º ele estava muito
    consistente e mandando bem nos pontos importantes. Não deu muito pra entender porque ele
    largou tanto o jogo, a menos que estivesse morto de cansado, o que não ficou evidente.
    Foi a clássica vitória de um grande campeão que não esteve em um dia lá muito inspirado.
    À luz dos jogos de 4ªs, Djoko continua o favorito ao título.

    Responder
  2. Fernando Brack

    O quê? Federer quebra Monfils no 3º e é quebrado 2 games depois?
    Meus amigos, a coisa tá ruim demais. Vai ter que rolar um milagre aí.
    Monfils joga muito nos pontos decisivos e já faz por merecer vencer.

    Responder
  3. Fernando Brack

    0x2 fácil!! Federer segue jogando nada contra Monfils com o tornozelo torcido.
    O suíço é um jogador completamente diferente hoje. Mas tem jogo ainda.

    Responder
  4. Fernando Brack

    Comecinho do 2º set e Federer vai jogando bem mal contra Monfils. Ainda que o francês esteja bem,
    o suíço tá diferente dos outros jogos. 1º saque não entra, escolhendo mal as jogadas, madeirando a
    toda hora e mandando muitas bolas ‘pra matar’ em cima do Monfils, dando-lhe chance de devolver.
    E Monfils acertando quando precisa. Tá com pinta que Federer terá que virar isso aí saindo de 0x2.

    Responder
  5. Robson

    Continuo firme no meu palpite,,DJOKOVIC X CILIC na grande final de segunda feira no US.Open,quem viver verá.
    Djoko Campeão,ou melhor,Bi Campeão do US.Open e garantido como número 1 do mundo por muitos e muitos meses pela frente e por merecimento total,pois é de longe o MELHOR tenista dos últimos 4 anos.

    Responder
  6. Maurício

    Dalcim, fora a pancadaria de cada época, você consegue comparar chang com Key?
    E você acha que Nishikori irá ter paciência de trocar com o Nole ou vai ser pacanda pra lá defendi praí?
    Pois jogo de rede nenhum dos dois curte muito.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não vejo muita semelhança entre os dois no estilo de jogo. Chang jogava é verdade um pouco mais perto da linha nas quadras duras e daí conseguiu bons resultados. Agora, era um grande estrategista e muito disciplinado taticamente. Quanto ao Nole, acho que o Nishikori precisa jogar bastante com o primeiro saque para evitar o ataque logo de início, mas o lógico é que ele procure fazer o seu jogo antes de tudo.

      Responder
  7. Antonildo S Costa

    excelente jogo de quartas, Nishikori jogou muito, sendo um jogador com bons golpes tanto de direita e principalmente de esquerda, esse japonês vai dar trabalho, está provando nesse grand slam que tem dois pontos positivos a favor de seu jogo, que são a resistência física e mental, se conseguir ser um pouco mais agressivo poderá em breve ganhar um título de majors, outro jogo que parecia ter grande emoções, foi o ultimo jogo se quartas do feminino, mas Pennetta não resistiu a força de Serena, depois de abrir 3 a 0, não teve consistência e caiu diante da americana. Voltando a falar do masculino, tivemos dois sets de alto nível de ambos, mas a partir do 3º set, Djokovic se impôs físico e tecnicamente, e avançou às semi do grand slam nova-iorquino diante do escocês. No terceiro jogo de quartas o tcheco esteve irreconhecível o jogo quase todo, e não tendo nada com isso e sacando muito, Cilic se classifica para sua primeira semi em Nova York. Minha expectativa é de um jogo bastante disputado essa noite, espero que Roger esteja inspirado para desenvolver seu jogo agressivo com bastante subidas na rede, GO FEDERER!!!

    Responder
  8. Eduardo Melo

    Dalcim, será que há alguma possobilidade da Hingis voltar ao circuito de simples após voltar a uma final de slam nas duplas? … Digo isso pois ela parece ter achado a condição física ideal, e no começo do ano vi uma exibição dela com a Bencic e ela estava jogando “certinho”, eu que não tive a oportunidade de vê-la jogar, adoraria esse retorno!

    Responder
  9. Foguetinha

    To completamente deslocada e fora do circuito do tênis por causa da faculdade. Mas que pena que o Murray perdeu. Tomara que eu consiga ver a final. Bjso

    Responder
  10. Carlos Henrique

    Dalcim, que jogo entre esses monstros!! E como o tênis é fascinante!
    Achei o set em que o Murray jogou melhor foi o que teve a parcial mais folgada ao Novak. Agora só não concordei com o fato do Nole não ter sacado bem, acho que era o Murray que esteve muito ofensivo nas devoluções. Novak foi mto bem no saque nos momentos de pressão, pois teve break contra em 10 dos 18 games de serviço até o fim do terceiro set. Se não tivesse sacado bem, no mínimo o britânico teria feito 2-1 e o fim do jogo poderia ser diferente. Só foi eu, ou você viu dedo da Mauresmo na tática do escocês?
    Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O Nole perdeu serviços demais, Carlos, então não posso achar que ele sacou tão bem assim. Na verdade, ele insistiu no saque no forehand, que o ponto mais vulnerável do Murray, porém não funcionou tão bem. Não vi nada de muito diferente no Murray. Quando ganhou Wimbledon, ele foi um jogador agressivo o tempo todo. Ainda vejo a Mauresmo trabalhando mais a parte mental dele. Abs!

      Responder
  11. Renato

    Eu acho que por tudo que nishikori pode apresentar o natural seria ele estar no atp finals, mas as lesões não o deixam manter seu melhor nível sempre. Moralmente para mim é um dos integrantes do atp finals. Jogando tudo que sabe acho ele por enquanto superior por exemplo ao búlgaro. Se nishikori jogar com a disposição e raça que vem jogando e da forma como jogou em um master antepassado ,em que só não ganhou do nadal por sentir problemas físicos, tem tudo para ser um jogaço contra djo. Dalcim há possibilidades de vermos um jogaço entre nishikori e djo ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, sim, Renato. São dois excelentes jogadores de fundo de quadra, batem demais na bola, fazem um tênis corajoso. Se mantiverem o bom índice de erros não forçados, pode ser um duelo magnífico.

      Responder
  12. Rafael Medeiros

    Dalcim, é só impressão ou os dados demonstram que os jogadores tem ido mais à rede? As estatísticas de pontos na rede, no geral, parecem estar mais altas.

    A que devemos isso?

    abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, é fato, Medeiros. Felizmente, o pessoal começou a entender – até mesmo no feminino – que para encurtar o tempo de resposta do adversário o voleio é a melhor opção.

      Responder
      1. Sergio Luiz

        Grande camarada Medeiros, tá sumidão hein! Pois é, isso me faz lembrar aquela velha discussão sobre a lentidão dos pisos, a qual jamais neguei, mas sempre defendi a tese de que a evolução das bolas, raquetes e cordas eram mais responsáveis pelo fim do saque-voleio do que os pisos em si. E, veja que “coincidência”, o Federer trocou de raquete, por uma que faz a bola andar bem mais, pegou como técnico um dos maiores voleadores que já existiu no circuito e este é o resultado, voltou ao bom e “velho” Federer.

        Além disso, alguém disse certo dia que estava achando o Federer um pouco mais magro, e confesso que também acho que ele perdeu uns 5 kg.

        Enfim, sempre achei o Federer um excepcional jogador da base, que sabe praticar o saque-voleio como ninguém do circuito atual, independente do piso, e, também por isso, é gênio. Ou seja, sempre questionei que o único responsável pela perda do domínio do Suiço fosse só os pisos.

        Claro que preciso também dar os crédito ao grande camarada e Federista de carteirinha Fernando Brack, que era um dos poucos Federistas a pensar de maneira semelhante. Falando nele, cadê você Brack ? Tá sumidão, não acredito que esteja perdendo o USOpen!

        Abração!

        Responder
        1. Fernando Brack

          Meu grande camarada, estou por aqui, meio quieto, mas de olho nas pelejas.
          O torneio ficou bom mesmo agora. E o Medeiros hein? Parece o tal Halley. Rs!!
          Sobre a questão da queda de velocidade do jogo, é isso aí. Nunca acreditei que
          as quadras pudessem mudar tanto, especialmente a grama e o sintético. Agora,
          além das raquetes (e cordas) modernas que permitiram ao mesmo tempo maior
          potência aos golpes e melhor maneabilidade, portanto tornando as devoluções
          mais rápidas e poderosas, acho que um grande fator (pouco falado na ocasião
          que discutimos isso) foi a mudança nas bolas, essa sim fácil de entender.
          Bolas um tantinho maiores e mais pesadas, uma modificação até que simples,
          saem mais lentas da raquete e voam com menor velocidade.
          Grande abraço

          Responder
  13. Rodrigo Caçapa

    Fontes quente me garantiram que Nadal está treinando para vencer TODOS os slam no ano que vem. Aguardem. Os torcedores do cabeçudo podem ficar tranquilos, pois a próxima surra que Novak vai levar de Rafa já tem data marcada.
    A surra será em Pequim. kkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  14. Rubens Leme

    Queria dar um pitaco sobre a convocação da Davis: Dalcim, me lembro da sua justíssima preocupação com o Feijão, caso Nadal viesse, porque o jogo seria um massacre e aí me passou o seguinte pensamento:

    Sabendo que a Espanha está enviando um “catadão” (para os padrões deles, claro) para cá, Zwetsch percebeu que seu pupilo Clezar tem poucas chances de ser massacrado (caso escalado) e, juntando com o fato dele ser assessorado pela organizadora do evento, trocou as (ainda) pequenas chances de vitória do time brasileiro, por mais visibilidade ao seu pupilo.

    Algo realmente lamentável.

    Responder
  15. Rafael Medeiros

    Ok que o japonês tem jogado direitinho, ninguém duvida.

    Mas que ia ser esquisitão ver o camarada na final do USOpen, ia.

    Não que seja ruim, ao contrário, é ótimo ver a galera se tornando mais competitiva e achando que dá pra ganhar dos pretensos “de outro planeta”, expressão horrorosa cunhada pelo Pior-de-Todos-Ferrer, em nítida conformação quando atingiu o n. 05. Essa atitude é detestável para o tênis.

    E olhe só: se por um acaso o sujeito conseguir vergar Djoko, tem altíssimas chances de conquistar o título, já que Fedex sente claro incômodo quando joga contra o japona.

    Seria engraçado.

    Responder
  16. Rodrigo Caçapa

    O loco meu! Novak DjokoVICE corre mais que o touro-miura. Dá onde será que vem toda essa energia? Será que ele treinava fugindo dos misseis na guerra dos balcãs ou é a dieta do gluten? kkkkkkkkkkkkkkkkkk Eu também acredito em papai noel e coelhinho da pascoa. kkkkkkkkkkk Esse rapaz não me engana……………..

    Que bom que o sérvio casou. Quando ele apanhar no u.s open ele vai poder chorar no colo da esposa e não mais no da mamãe. kkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  17. Renato Toniol

    Dalcim, vamos na torcida pelos nossos duplistas…só gostaria de saber, o peso que um títulos de Slam nas duplas mistas possui no circuito…ele tem o mesmo peso de um Slam nas duplas masculina e feminina? Ou seja, eles são de fato considerados como campeões de Grand Slam?
    Abs.
    Renato

    Responder
  18. bruno

    Que vitória do Nishikori! Eu simpatizo com ele. E quanto ao duelo de titãs, Novak provou que está mais firme do que nunca no posto de n. 1. Diante de um Murray cujos talentos são conhecidos e num dia inspirado, o lider do ranking provou mais uma vez quem é o melhor tenista da atualidade. Vamos ver se o outro lado da chave reserva tanta emoção assim.

    Responder
  19. Sergio Ribeiro

    Quem assistiu( aos jogos completos) , Murray x Tsonga e Nishikori x Raonic nao se surpreendeu com o que os Semi de 2013 tiveram que sofrer por mais de 3 Horas. Ao contrario do que foi dito abaixo , o Samurai tem condições de vencer Novak mais uma vez, como ja fez também com Federer e Nadal, bem deixa pra lá. Muito acima do que apresentou nos preparatórios ( me engana que eu gosto) , o N 1 teve que se virar com o forehand atômico do Britânico ,e mesmo abaixo do Novak de 2011, suou com a agressividade de Murray ( da-le Mauresmo) , que fez por merecer ao menos um Set e mostrou jogo de TOP4, segue Favorito.Meu Caro Dalcim, se Andy fez a Cirurgia nas costas o que o amigo atribui a sua queda física ao Final de partidas deste nível.Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele próprio falava em Nova York que não sabia qual o problema de sua queda física. Na estreia, aconteceu após 1h30 de jogo, algo muito estranho. Depois pareceu se recuperar. Acho que ele precisa ver isso, porque sem físico e com esse estilo que ele adota, será difícil ir longe nos grandes torneios.

      Responder
  20. Igor Menezes

    Gente, essa nova geração ainda está longe demais dos principais jogadores do circuito… Dimitrov, Raonic e Nishikori tem chegado com alguma frequência às quartas desses torneios importantes, mas isso se deve aos coincidentes afastamentos e períodos de recuperação de Nadal, Murray, Del Potro e Tsonga. Todos eles são superiores aos “novos”. Olha só, Murray chegou às quartas, mas Tsonga só não chegou porque não era um dos oito cabeças… Del Potro e Nadal possivelmente também estariam nas quartas, fazendo com que os meninos caíssem até às oitavas. Alguém disse em um post anterior que o “quarteto de ferro” dominaria só mais dois anos… Eu penso que vai mais tempo, pois acredito que a passagem de bastão ocorrerá para a geração de Kyrgios, Thiem e companhia…

    Responder
  21. Marcos Vasconcelos

    É irônico Wawrinka apontar tanto para a cabeça, como fez durante todo torneio, e ter pecado justamente nesse quesito, na hora da pressão ele cedeu. Eu até tinha simpatia por ele, mas depois do comentário sobre os sul-americanos e de constatar a chatisse dele durante as partidas tomei antipatia.

    Quanto ao ultimo jogo do dia, foi mesmo um jogaço, Murray tava com o forehand afiado, era só o Djoko mandar uma bola uma bola um pouco mias curta para receber uma bomba. No mais, gostei de ver o Djoko irritado, pilhado, isso mostra o quanto ele quer esse título.

    Responder
  22. BRASILEIRISSIMO

    A se nossos jogadores de simples fossem como os duplistas,estamos até mal acostumados com finais e titulos de Bruno e Marcelo,acredito no titulo novamente nas mistas pro Bruno,quem sabe o Marcelo e o croata tb cheguem,e tenho certeza q o Orlando e o Zorman tb farao bonito,isso serve um pouco para superar os fracassos em simples.Um abraço a todos

    Responder
  23. Hélio Samary

    Conforme previsto foi uma final antecipada, simplesmente impressionante a profundidade, potência e plasticidade dos golpes do escocês. E inacreditável foi a maneira como o sérvio “passou por cima” disso. Haja batata doce! Só o “touro” poderia parar “nole”. Abraço Dalcim!

    Responder
  24. Leonardo Carvalho

    Jogaço entre Nishikori e Wawrinka! Se o japonês conseguir se recuperar fisicamente deve dar trabalho a Djokovic, será difícil que vencer, mas longe de ser impossível.

    Responder
  25. implicante

    A título de informação para quem não assistiu , esse detalhe não pode ser omitido e deve-se ressaltar , que o Nishikori não venceu o Nadal porque se lesionou.
    Se ele suportasse mais ums 10 ou 20 minutos, seria uma vitória esmagadora em dois sets.

    Responder
    1. Fonseca

      Foi nesse jogo que Nadal urrou, berrou, cerrou os punhos, virou para a torcida em transe, cada vez que o lesionado japonês cometia um erro. Foi “lindo” de assistir..

      Responder
  26. Leandro Nery

    tá tudo caminhando pra mais uma final Djoko x Federer mesmo. Se Federer ganhar sobe pra 2o no ranking da corrida pra Londres e o final da temporada vai ficar emocionante pela disputa do 1o, pois Djoko tem 2 masters 1000 ainda pra defender de Shangai, Paris, mais o Finals e o Federer quase nada de ponto. Seria incrível ver o Federer voltar ao número 1 provavelmente pela última vez na carreira hehe

    Responder
      1. Leonardo

        Eu não entendo,Federer está razoavelmente longe do Djokovic no ranking das 52 semanas,mas está perto do sérvio no ranking da temporada.Se o suiço ficar como número 1no ranking da temporada,então ele vira número 1 no ranking de 52 semanas,também?

        Responder
  27. Ricardo - Sorocaba

    Dalcim, estou em NY e tive o prazer de assistir as duas partidas na Arthur Ashe.

    Primeiramente a partida da tarde que seria “mais chata” simplesmente foi fantástica. Stan voando no primeiro set, dava impressão que o jogo duraria 3 sets. Ainda brincando com meus amigos, apelidamos seu forhand de “marretada”. Incrível a velocidade da bola. Sem contar o backhand de uma mão só que acertou algumas paralelas a lá Guga. Depois o jogo foi equilibrando e o japonês com uma consistência impressionante conseguiu a vitória. Erros não forçados dele era muito raro. Merecida pelo que jogou.

    A partida final tb foi um presente. Murray “marretando” pra todo lado igual vc falou e um Nole totalmente tático.

    Chego no hotel agora e gostaria de deixar registrado que tive o prazer de presenciar até agora as duas melhores partidas do torneio desse ano.

    Grande abraço,

    Ricardo – Sorocaba – SP

    Responder
  28. Sergio Luiz

    O problema de assistir jogos tão intensos neste horário é que eu perco o sono. rsrs.

    Já esperava um Djoko bem focado e determinado, mas o Murray realmente surpreendeu. Além da agressividade, nunca vi o forehand do Britânico andar tanto. Estando bem preparado fisicamente, e sendo sempre agressivo, o Murray consegue ocupar o espaço que todos esperam dele, e, na verdade, ele merece, porque habilidade e recursos técnicos não faltam. Grande jogo! Abs.

    Responder
  29. Chetnik

    Que jogaço! Esse maldito do Murray joga demais quando quer. Aquela direita na cruzada tava andando demais no final do segundo set e início do terceiro.
    Olha, com a “facilidade” que o Murray tava quebrando o saque do Djoko – mais por mérito do Escocês, já que o Sérvio não sacou mal –, sorte que, por outro lado, ele sacou abaixo do que pode, porque senão…
    Quarto set ficou nítido o problema físico do Murray. Tava sacando um totozinho, foi nítido, não sei como os caras da transmissão – ESPN – demoraram tanto a perceber. Djokovic jogou muito mal os games de devolução no 4ª set, era para ter quebrado antes – apesar que na troca de bola o Murray ainda tava afiado.
    Outra coisa, uns dois anos atrás vendo uma transmissão inglesa na internet os caras comentaram que o Murray dificulta muito para o Djoko porque ele tem lobs defensivos excelentes e o melhor golpe do Djokovic não é exatamente o smash rs. Muito boa observação. Não lembro do Djokovic ter errado nenhum hoje, mas perdeu uns pontos porque jogou o smash na mão do Murray, sem nenhuma segurança.
    Enfim, jogo muito tenso. Mas foi ótimo, 2012 tava ENTALADO rs.
    O outro jogo foi exatamente como eu queria. Vitória no 5ª do Nishikori rs. Só vi partes do jogo, mas pareceram alternar bem.
    Japa chegou longe demais, não tem experiência e mental para encarar o Djokovic – além do fato mais óbvio de ser bem inferior. Ademais, com o seu histórico físico e as duas maratonas seguidas, não dá não.
    Ah, antes que eu me esqueça, já podem entregar a taça para o Djokovic. O velhinho não o segura de jeito nenhum rs. Melhor sair antes rs.
    Tchau Azarenta. Foi tarde. Torcer para a Russinha que sobrou , quem sabe um milagre rs.

    Responder
    1. Verdades verdadeiras

      Infelizmente, acho que vc tem razão.
      Mas vc, eu, todos sabem, NOLE vai levar o caneco pela superioridade física, e somente por isso.
      Da mm forma que NADAL, ele é uma máquina de correr e devolver, mas tecnicamente, está muito longe de vários, mas vários outros tenistas do circuito.

      Responder
        1. Chetnik

          Pois é, os caras não sabem a diferença de fundamento técnica e habilidade e capacidade de improviso, e vem vomitar besteira.

          Técnico deve ser o Federer. Pode virar professor de madeiradas quando se aposentar – oficialmente.

          Responder
      1. Marcos Vasconcelos

        Máquina de correr e devolver? O nole? Você deve ta confundindo com outro jogador. Cada figura que aparece aqui, parece que o Djoko não joga nada.

        Responder
      2. GPL

        Hummmm…você deve ser torcedor de carteirinha do Nadal…mas, infelizmente, o Nole é mais técnico e mais agressivo que o Nadal. Ele arrisca mais. Tem mais variedade de golpes. É por isso que a maior parte dos que gostam de ver um jogo diferente preferem ver o Nole.

        Responder
  30. Marcelo-Jacacity

    Dalcim,

    De fato, o forehand do Murray estava incrível!

    É inegável também como Djokovic está usando muito mais slices e como este golpe do sérvio melhorou, não? Até o smash está melhor, embora possa ainda ser mais aperfeiçoado. Méritos ao Becker.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *