Número 9 marca a volta de Djokovic
Por José Nilton Dalcim
5 de agosto de 2014 às 23:59

Novak Djokovic coroou sua volta à liderança do ranking com o bicampeonato em Wimbledon, emendou a festa com um concorrido casamento em clima de castelos, reis e rainhas e, após merecida lua de mel, deverá voltar com energia mais do que carregada para iniciar um momento importante em sua temporada. Afinal, o piso sintético é o seu preferido e o exigente clima nova-iorquino de calor e alta umidade, daqui a três semanas, se mostra perfeito para seu físico quase inesgotável.

Três vezes campeão no Canadá, sua primeira tarefa em Toronto parece tranquila, já que enfrenta o superfreguês Gael Monfils, derrotado em todos os nove duelos, oito deles em pisos sintéticos. Com certeza, jogará com outro francês se avançar, já que no seu caminho estão Jo-Wilfried Tsonga e Jeremy Chardy.  E curiosamente o número 9 se repete: já são 9-0 contra Chardy e nove consecutivas sobre Tsonga.

E será que nas quartas de final Nole poderá marcar também sua nona vitória sobre Richard Gasquet? Bom, para isso o francês terá de fazer sua parte, que é aguentar o saque poderoso de Ivo Karlovic e depois superar Andy Murray ou Nick Kyrgios. E olha que não me surpreenderá se o garoto australiano der um sufoco tremendo em Murray no primeiro jogo desta quarta-feira. Será o quinto adversário de nível top 10 que Kyrgios encara nestes primeiros oito meses, um aprendizado excelente.

Como se esperava, o australiano é uma atração em Toronto. Foi chamado para bater bola com Djokovic e com Roger Federer, arrancando grandes elogios do sérvio, que ficou maravilhado com o poderoso serviço do 72º do mundo. Disputando seu primeiro Masters graças a convite, venceu Santiago Giraldo com autoridade – saiu de 2/5 no primeiro set – e tenta manter-se fora dos holofotes: “Dentro da quadra, tudo está normal, mas fora dela obviamente sinto que há muita expectativa”, explicou.

Também no lado da chave de Djokovic, o búlgaro Grigor Dimitrov é outro que desperta olhares atentos. Tem uma progressão de jogos muito propícia – Donald Young, Tommy Robredo ou Gilles Simon, Stan Wawrinka pouco confiável ou Fabio Fognini – e com isso poderia ir até a semifinal.

É a mesma trajetória que se espera do suíço Roger Federer, que mostrou um estilo extremamente agressivo contra o pouco gabaritado Peter Polansky, o suficiente para dizer a todo mundo que o vice em Wimbledon não o incomodou. Deve ter Marin Cilic e quem sabe David Ferrer na sequência, o que não parece ser empecilho para cruzar com Milos Raonic ou Tomas Berdych no sábado. Em qualquer dos casos, o tenista que completará 33 anos daqui a 3 dias parece muito mais consistente.

E o Rafa? – Notícia veiculada nos sites espanhóis dizem que Rafael Nadal se submeteu a ressonância nesta terça-feira em Barcelona e a junta médica considerou que a recuperação da pequena lesão no punho direito evoluiu dentro do que se esperava. Com uma proteção no braço problemático, Nadal postou foto de seu treinamento com o tio Toni, onde estaria exercitando o forehand e o saque para se manter em forma e não perder o ritmo do piso sintético. Os médicos garantiram que ele passará por testes contínuos nos próximos dias.


Comentários
  1. Fonseca

    Veja como são as coisas para quem tem recursos… o cidadão comum para fazer uma ressonância magnética num hospital público às vezes até num particular) tem de esperar dias, meses). Já um tenista profissional de ponta faz várias num intervalo de uma semana….

    Responder
  2. Mario Cesar Rodrigues

    Dalcim gostaria de te perguntar uma coisa o Thien é fato que é um bom jogador mas um cara novo 20 anos e percebi e pode ser só impressão elefisicamente é fraco..o que acha?vc enxerga assim também?O Andy Murray jogou bem ganhou e me parece que está bem o que acha..mas o Nole está abaixo pelo menos foi o que vi hoje mas também por méritos do Gael como vc viu?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Concordo, acho que falta físico ao Thiem. Gostei do Andy, jogou de forma muito inteligente e Nole deve evoluir conforme pegar ritmo.

      Responder
  3. O LÓGICO

    Uma vez que é líquido e certo que o robozinho da encruzilhadas não vai conseguir defender título fora do saibro esse ano, kkkkkkkkkkkkkk, será que tem algum robozete achando que ele conseguirá ganhar o ATP finals? Fala aí MC da robolândia, kkkkkk, você acha que vai rolar esse ano? Eu acho que é mais fácil ele perder os cabelos de um sopro só do que ganhar o finals, aliás, esse é o calcanhar de aquiles do boizinho da cara amarrada kkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  4. Carlos Husky

    Dalcim, excelente (como sempre) seu artigo anterior sobre a democracia no Slam americano!
    Se Djoiko não chegar a final em Toronto, quem vc apontaria como favorito?

    Sua coluna na UOL não tem atualizado, ainda consta aquela sobre o punho do Nadal.

    Abraços!

    Responder
  5. Luiz Fernando

    Acabo de saber q Murray triturou o Kyrgios em duplo 62, ele Murray q vem tendo um ano sem qualquer brilho. O q significa q a derrota de Rafa em W p o rapaz foi indesculpavel, denotando total falta de bom jg na grama na atualidade. Acho dificil q isso mude no futuro, pois é uma tendencia clara.

    Responder
  6. Mário Fagundes

    Dalcim, com Federer chegando aos 33 anos e sem a mesma movimentação de antes, é claro, como você avalia as chances dele nessa sequência de quadras duras? Considerando seu estilo, ainda é possível afirmar que quanto mais rápida estiver a quadra melhor para o jogo do suíço?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, Mário, e vemos isso claramente pelo estilo de jogo que ele vem adotando nessa fase com Edberg, ou seja, muito agressivo e cada vez mais presente junto à rede.

      Responder
  7. Luiz Fernando

    Boa noticia p Rafa, acima de tudo pq mostra os equivocos dos pseudo sabichões q não sabem q essas contusões apenas impedem jogo no ritmo de competição, não impedem treinos leves como o Dalcim citou. Mas em se tratando de determinadas pessoas q frequentam o blog tudo dentro do esperado. Ontem vi apenas o jg do Wawrinka e fica dificil acreditar q esse rapaz jogou aquela enormidade no AO, quantos erros no primeiro set, quanta inconsistencia. Pior do q ele só o Janowicz contra o fraquissimo Polansky na segunda. Segue o torneio, vamos ver o q Andy fará contra Kyrgios.

    Responder
    1. Sergio Luiz

      Eita LF. Djokovic torce o tornozelo em pleno jogo, em imagens inquestionáveis, e você afirma que é cena. Deixa de jogar Madri por lesão no punho, e é cena, digna de Oscar e mais blá-blá-blá, e agora Nadal alega lesão, não descansa um único dia (poxa, nem um “diazinho” de descanso), e justo você vem escrever isto ? Fala sério “sabichão”. Seria melhor ficar quieto e nem abordar o assunto, senão o fanatismo fica muito evidente. Que recaída feia, hein!!!! rsrs.

      Responder
  8. alexpicelli

    dalcim gostei da movimentação do rei roger ontem?o que voce achou?
    no momento sera que da pra slam e atp finals pra ele?
    abraçosss

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não devemos considerar muito o jogo de ontem, Alex, já que o adversário não deu trabalho algum. Vale mais para reafirmar a disposição do suíço, que ficou bem ligado no jogo o tempo inteiro.

      Responder
  9. BRASILEIRISSIMO

    Triste com as derrotas da Gabi e do Tiago Monteiro,torcida pelo Clezar contra o Rogeinho,nada pessoal,questao da idade.Tomara que a Bia volte logo,que nao faça igual a Paula Gonçalves que joga 2 torneios a cada 2 meses.Entre os tops torço pelo Djoko,mais tb torço pela nova geraçao,e acho q esse Kirgios é o grande nome para 2015,Um abraço a todos e sempre na torcida pelos tenistas brasileiros.

    Responder
    1. José Procopio de Souza Dias

      Caro Dalcim, vi NOLE e GAEL e achei lindo o jogo. Dois atletas espetaculares… e daí que os slicinhos do francês flutuavam e o NOLE não liquidava como usualmente, foi muito legal. Também adorei o primeiro set da GARBINE!
      Escrevi sobre o jogo do Thiago Monteiro em http://ziguizira.zip.net. Foi um tie break de primeiro set de amargar. Tudo para ganhar, uma pena. Este garoto vai longe. Também falei do jogo do Clezar contra o Máximo e acho que tem ligeiro favoritismo contra o ROGERINHO. Os dois (MONTEIRO E CLEZAR) tem tênis para abordar o top cem e ficar, MONTEIRO pode ser até mais ambicioso! Mais uma vez, parabéns pelo blog.

      Responder
  10. Rodrigo Avancine

    Dalcim, como funciona a regra da ATP para um tenista entrar na chave de um torneio como special excempt (SE)? E no caso da chave do canadá, sabe dizer porque o Donald Young entrou dessa forma na chave?
    Obrigado e Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Basicamente, funciona quando um tenista que está inscrito no quali de um torneio (teria de jogar no sábado) não poderá competir porque está na semifinal de outro torneio de importância igual ou superior (as semis geralmente acontecem no sábado também). Então ele é um ‘caso especial’ e ganha o SE. Perceba que jamais haverá um SE em Grand Slam. Detalhes curiosos: para ter o direito ao SE, o tenista nem precisa estar inscrito no torneio, mas o jogador precisa indicar que deseja o SE e determinar em qual torneio na sexta-feira, ou seja, antes de finalizada a chave do quali e do sorteio da chave principal (que normalmente é no sábado).

      Responder
      1. Rodrigo Avancine

        Entendi, Obrigado. Mas ficaram duas dúvidas: ao indicar que ele quer o SE em algum torneio da semana seguinte, ele toma o lugar na chave desse torneio de quem? De algum WC? Do pior rankeado entre os que estão garantidos na chave direto? Ou alteram o qualy pra quem tenha uma vaga a menos na chave pros tenistas vindo do qualy?
        Outra questão: o Donald Young está como SE em Toronto, mas na semana passada nao tivemos nenhum master 1000 ou Grand Slam. Porque ele conseguiu entrar como SE?
        Obrigado mais uma vez!!!Abs!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          A chave dos torneios já tem lugar reservado para dois SE, conforme o calendário. Se não houver SE, sobem dois tenistas que estavam fora da lista direta, daí a importância de os SE serem definidos antes do qualificatório. Assim ninguém fica prejudicado. A ATP admite SE dos 500 para 1000 no caso do Canadá, Xangai e Paris.

          Responder
      2. Lunard

        Dalcim, como seria definida essa importância? uma vez que Toronto é M 1000 e o anterior Washington é um ATP 500, teoricamente não poderia haver esse SE também.

        Responder
  11. Marquinhos

    O jogo de Roger “the king” Federer foi quase tão fácil como o jogo contra Nadal no finals/11. Até as semis penso que Cilic será o adversário mais difícil, pois, Ferrer, não dá para o cheiro. Gostaria muito que o Kyrgios vencesse o Murray, para o bem do tênis.

    Responder
    1. Carlos Henrique

      Discordo, de você quanto ao jogo do australiano com o britânico. Acho que Andy Murray em alto nível faz bem demais ao tênis! Ele é um talento nato, que merece ganhar mais um punhado de GS na carreira. Mesmo torcendo pelo Nole, espero realmente que Andy volte àquele nível pré-lesão, onde ele estava bem agressivo.
      Por mim, Andy encaçapava ao menos 1 Master 1000 pré-US Open, para dar uma agitada no GS americano.

      Responder
      1. Marquinhos

        Carlos,

        Eu fiquei um pouco decepcionado com as últimas performances de Murray em Wimbledon e Roland Garros. É claro que eu também quero que Andy volte a jogar seu melhor, mas também quero que novas revelações surjam para acabar com a moleza dos tops. Abs!

        Responder
        1. Carlos Henrique

          Marquinhos, comungo do seu desejo quanto ao surgimento de novas revelações. Isso é até necessário para manter o tênis no patamar atual. Mas eu quero aproveitar cada momento em que esses 4 monstros do tênis jogam em alto nível.
          Abraço

          Responder
    2. Fernando Brack

      E o Kyrgios não viu a cor da bola contra Murray. Ô nova geraçãozinha essa!
      Isso mesmo com o escocês ainda andando em 4ª marcha.

      Responder
  12. Gustavo M.

    Dalcim, esperava um breve comentário sobre a virada sofrida pelo Thiem. Nos poucos minutos a que assisti, o garoto chegou a ter 40-15 sacando em 4/4 no segundo set. Vejo como um desequilíbrio normal de um jovem, mas, há alguns posts, vc chegou a comentar que duvidava um pouco da capacidade de ele estar no top 10 em 2020. Agradeço se vc me explicar um pouco dessas razões, se são mentais, físicas ou técnicas mesmo. Um abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu vi quase o jogo todo do Thiem e novamente ele me pareceu sofrer com o físico e o mental no terceiro set. São essas premissas que me desanimaram um pouco. Claro que isso pode (e espero seja) resolvido. Abs!

      Responder
    2. José Eduardo Pessanha

      Gustavo, há pouco tempo atrás o Thiem estava disputando um torneio na Europa. Acho que ele estava cansado ontem à noite, daí o atropelo do Simon no terceiro set.

      Responder
  13. Chetnik

    Sequência dura do Djokovic, mas eu acho legal. Aproveitar os MS para assistir os grandes jogos. Que venham na sequência Murray, Wawrinka e Federer. Deixa a moleza para a chave do USO rs.

    Como torcedor do NÚMERO UM rs, esse semestre eu “só” quero mesmo Cincinnatti e o USO. O resto se não vier tá tudo certo.

    Responder
    1. Augusto

      Eu também sou torcedor do sérvio. Eu ficaria satisfeito com: Toronto, Cincinnatti, USOpen, China Open, Shangai, Paribas Masters e Barclays. ;D
      #hotshotnole

      Responder
      1. Sergio Luiz

        É claro que como torcedor do Djoko eu também gostaria que ele ganhasse tudo, e por longos anos, tal qual você Augusto, mas acho que entendi o ponto de vista do Chetnik. Se o Sérvio vencer Cincinnatti e USOpen/14, ano que vem “bastaria” vencer o AO e RG. “Só” isso, depois pode até se aposentar, como fez o Borg! Não é pedir muito, né! kkkkkkkkkkkkk

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *