Tênis show
Por José Nilton Dalcim
15 de junho de 2014 às 19:31

Depois de uma longa temporada no saibro europeu onde raramente se viu um grande jogo – e incluo aí todo o torneio de Roland Garros -, o tênis masculino viveu um fim de semana notável na grama, um piso que costuma limitar os duelos. E, mais incrível ainda, nem foi pela mão mágica de Roger Federer, mas sim no Queen’s Club, onde por dois dias seguidos Feliciano López protagonizou dois tremendos duelos.

Saques perfeitos, slices venenosos, devoluções mortais, voleios de levantar o público, Tremendo show deram López, Radek Stepanek e Grigor Dimitrov. O búlgaro campeão, aliás, fez jogadas de grande exigência física e técnica, entre elas um lance de verdadeiro goleiro – bem, não vale lembrar o Casillas -, ou golpes em que se agachou tanto na grama que nem parecia ter 1,90m.

Stepanek, todo mundo sabe do que ele é capaz. Porém, para completar a festa, teve reações divertidíssimas para o público, curtindo cada minuto que passou na quadra. López é um dos meus tenistas prediletos. Talento nato, um jogador de habilidade gigantesca na rede, um slice que não se vê mais hoje em dia. Pena que, aos 32 anos, não vai mais consertar a cabeça. De qualquer forma, os três tiebreaks que ele e Dimitrov fizeram não tiveram nada de monótono.

Não menos curioso foi o fato de que a final de Halle também ter sido toda de tiebreaks, ainda que um pouco por culpa de Federer, que poderia ter liquidado os dois sets de forma bem mais tranquila. Mas Falla – e ser canhoto não é uma coincidência – já lhe deu trabalho, muito trabalho na grama antes (vale observar que cinco dos sete duelos entre os dois foi na grama, o que é algo bem inusitado para dois tenistas de rankings historicamente tão distantes).

O suíço teve seus altos e baixos, mas de forma geral foi excelente vê-lo executar saque-voleio com o primeiro serviço, como se tivéssemos voltado no tempo, além de forçar muito a devolução. Coisa de Stefan Edberg? Não duvido. Claro que Roger precisará jogar em Wimbledon muito mais como fez no sábado diante de Kei Nishikori, diga-se outro jogo muito bom, e não poderá vacilar após obter quebras. Mas o aquecimento em Halle foi bem promissor.

Tão promissor quando a excepcional campanha de Bruno Soares e Alexander Peya, ao levarem o troféu do superprestigiado torneio de Queen’s, o que certamente é uma das maiores conquistas da dupla. Até porque, na semifinal de sábado, bateram com autoridade Daniel Nestor/Nenad Zimonjic e depois tiveram nervos para derrotar o dono da casa Jamie Murray e o australiano John Peers, que não perderam um único game de serviço na partida.

Wimbledon tem melhor de cinco sets até mesmo para duplas, com vantagem normal e quinto set longo. Ou seja, é um torneio bem atípico e bem mais exigente para os duplistas.

King Federer
Ao atingir o 79º título de sua inigualável carreira, Federer completa dois heptacampeonatos, ambos na grama, ou seja em Wimbledon e Halle. Ele tem ainda dois hexa (Finals e Dubai) e três penta (US Open, Cincinnati e Basileia). Tanto em Wimbledon como em Nova York, soma até agora 67 vitórias acumuladas, seus recordes pessoais. E contando.


Comentários
  1. Renato Toniol

    Dalcim, em relação ao Murray, na minha modesta opinião, o que lhe impedia muitas vezes de atuar de forma agressiva, era a falta do tão sonhado título de Grand Slam. E de repente, ele ganhou o ouro olímpico e o título do US Open em 2012, e o grande sonho de consumo de todos os britânicos, que foi o título de Wimbledon em 2013. Após estes títulos eu pensei: “Segurem o homem”, mas estranhamente ele voltou a atuar de maneira defensiva, esperando por erros dos adversários, sendo que ele tem ótimos golpes de definição tanto de forehand quanto de backhand, além de possuir um excelente slice, que pode ser usados tanto como quebra de ritmo, como para golpes de aproximação. Vale destacar que o seu voleio e saque também são muito respeitáveis. Gostaria de saber o que se passa na cabeça dele, pois é lamentável ver um tenista com o talento absurdo que ele possui, jogar abaixo do seu potencial, sendo que ele poderia conquistar muito mais do que conquistou até agora, inclusive, porquê não, ser número 1 do mundo, apesar de eu achar que ele não se importa muito em liderar o ranking. Não sei se a Mauresmo pode acrescentar algo em seu jogo, mas é legal ver um tenista dando a oportunidade a uma mulher de ser sua treinadora.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Verdade, Renato, mas você precisa considerar o problema nas costas que ele teve já na fase de quadra dura pós-Wimbledon, que o levou à cirurgia. Ele voltou em janeiro, mas claramente menos confiante no saque. Ainda assim, concordo que ele poderia jogar sempre de forma mais agressiva, como fez em Roma no bom jogo diante do Nadal. Abs!

      Responder
  2. Stephanie Santos

    A discussão sobre o Nadal não ser “tenista” fora do saibro já foi superada. Mas uma coisa eu não consigo entender e gostaria de pedir ajuda ao Dalcim e demais participantes do blog: sobre a diminuição da velocidade dos pisos classificados como rápidos, ela ocorreu em 2001? Se a resposta for sim, naquela época até o Sampras jogava. Ou seja, Federer, Nadal, Djokovic, Murray e os demais dessa geração já encontraram o circuito nesses moldes quando se tornaram profissionais. O mesmo vale para os tipos de piso: cada um possui uma característica peculiar, não podendo serem confundidos entre si, mesmo com a diminuição da velocidade. Se isso não fosse verdade, porque o Nadal não ganhou do Federer em suas duas primeiras finais de WB, ou ainda, porque ele nunca chegava na final do US Open? A resposta é exatamente a peculiaridade e velocidade que cada piso possui. Não estou querendo entrar no mérito sobre quem teria mais GS entre eles nem ficar tirando GS de um para minimizar suas conquistas ou vangloriar as conquistas do outro. Estou apenas querendo entender o motivo dessa padronização da velocidade dos pisos e até que ponto isso beneficiaria o Nadal e prejudicaria o Federer em seus pisos favoritos, considerando a característica única que cada superfície possui.

    Responder
    1. geraldo de carvalho

      já argumentei na direção desta sua primeira pergunta. a rigor acho q o argumento da velocidade das quadres, por tabela, desmerece o djoko e o murray, além do próprio nadal e surpreendentemente até o federer. eu acho q alguns n se dão conta do desdobramento do uso deste argumento. o efeito prático dele, já q praticamente todos os tops atuais são posteriores à tal mudança de velocidade dos pisos, é , indiretamente favorecer federer, NAS DISCUSSÕES. sempre tentando deixar um aviso do tipo: “ah, mas se a velocidade das quadras fossem outras, vcs iriam ver só”. daí, vc vai perceber , como mudam as datas segundo as quais os tais pisos teriam sido definitivamente alterados. ele n importa e seu uso devia ser deixado de lado, já q todos (SObretudo djoko, nadal e murray) praticamente começaram jogando , neste TIPO DE PISO E NÃO EM OUTRO EM UM SUPOSTO PRESENTE ALTERNATIVO.

      Responder
    2. em resposta

      São vários questionamentos. Aqui segue somente um fato para reflexão inicial, o qual é suficiente para refutar a suposta “padronização” dos pisos: salvo Nadal, Federer, Djokovic e Ferrer, os tenistas que obtêm sucesso em quadras rápidas costumam fracassar em quadras lentas, e vice-versa.

      Responder
    3. Carlos Reis

      “Porque o Nadal não ganhou do Federer em suas duas primeiras finais de WB?” Porque esse é o resultado NORMAL para um final de Wimbledon entre os dois, ANORMAL foi a vitória do espanhol em 2008, mas nesse ano específico o suiço estava muito mal na época do torneio, tanto que levou um 18 a 4 na final de RG quatro semanas antes… As vitórias mais absurdas/injustas do espanhol sobre o craque suiço foram Roma/06, W/08 e AO/09.

      Responder
  3. Pedro

    Uma pergunta curiosa de fã: Federer e Nadal têm a mesma altura, 1,85m, mas não dá mesmo para acreditar que ambos têm o mesmo peso, 85 kg, como informa o site da ATP; sendo assim, quanto pesa, na realidade, o supercampeão suíço? Questiono porque o Federer é visivelmente mais magro e não tem tanta massa muscular quanto o Nadfal, isso é evidente!

    Responder
  4. K-h-Thora

    Que bom que o Lógico voltou… falta o “EU”, com seu sotaque pernambucano… Esses comentários non-sense são ótimos… até porquê eles são cheinhos de “sense”…

    Responder
    1. em resposta

      Sotaque pernambucano? Essa realmente é novidade! rsss

      A propósito, você errou por duas partidas que Murray seria campeão de Roland Garros.

      Responder
  5. Luis

    Dalcim pensando o Brasil da um espaço legal pro tênis com sportv 2 com dia todo em Grands slams e Masters talvez poderia ser transmitido na tv aberta como a Globo seria muito bom,sem ter um grande tenista o Brasil arrisco ser um dos países com maior audiência no tênis o que acha Dalcim ainda e’ pela era Guga?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O tênis sempre foi um esporte interessante para a tv fechada, porque dá boa audiência, ocupa largo espaço da programação e atrai patrocinadores com isso. Ótimo para o esporte, que se beneficia muito.

      Responder
  6. Bimbo

    Com todo o respeito, acho uma grande bobagem essa discussão sobre quem é melhor, Federer ou Nadal. Gosto de ver o bom jogo e, o resultado final, embora no fundo possua, confesso, alguma preferência, independe, pois torço de verdade pelo crescimento do esporte.

    Ademais disso, prefiro pensar que vivenciamos um momento de exceção na história do tênis, porquanto estamos tendo a possibilidade de assistir a três ou quatro dos maiores tenistas que já jogaram.

    Obrigado pelo espaço.

    Abraço.

    Responder
  7. Fabio

    Não vejo mais o Federer como um dos favoritos a titulo nenhum de Grand Slam, e não acho nenhum desrespeito dizer isso. A verdade é que quando chegar a hora da “onça beber agua” e ele tiver que enfrentar Nadal, Djokovic ou Murray só mesmo um misto de respeito e saudosismo para coloca-lo entre os favoritos.

    É claro que isso tudo é teoria, na prática os seus principais concorrentes podem nem chegar nas semi-finais. Pois em se tratando de grama (ATUALMENTE), eu não bota a minha mão no fogo por nenhum. Nem mesmo pelo Federer.

    Aproveitando Dalcim, eu queria novamente lhe fazer uma sugestão de post. Há muito tempo atras eu lhe sugeri isso, você disse que faria em breve e até agora nada rsrsrs. Seria interessante um post sobre os melhores golpes do circuito em todos os tempos. Você poderia fazer um top 5 para cada um: Forehand, Banckhand, Serviço, Devolução…

    Em tempos de poucos torneios relevantes cairia muito bem!

    Responder
  8. O LÓGICO

    HULK fora da seleção, que bom, kkkkkkk, mas bom mesmo seria ver o HULK do tênis fora do circuito de uma vez por todas kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  9. ALEXPICELLI

    dalcim voce viu no uol, dizendo que federer é o 7 esportista mnais bem pago do mundo e o amis acessado na internet?
    A que voce daria esses meritos e admiraçao?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, Rodrigo, o Saville é campeão juvenil de Wimbledon de poucos anos atrás. Australiano, por sinal, sempre bem adaptado à grama. Não exageremos.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Existe um padrão determinado pela Federação Internacional. Dentro das bolas oficiais, o organizador do torneio escolhe o que quiser. Algumas são mais rápidas que outras, com certeza.

      Responder
  10. Guto Fiães

    Dalcim, pra mim a temporada na grama é como a chuva na Fórmula 1 dos anos 80/90…tipo assim: na F1, quem tinha o melhor carro ganhava na pista seca sempre, mas quando chovia, que a pista ficava escorregadia, que os pilotos tinham que guiar com a ponta dos dedos, os mais talentosos se sobrssaiam, mesmo que com carros piores.
    A grama faz o mesmo efeito: talentos naturais, tenistas habilidosos, com variedade de golpes, mas que não são “tratores ou tanques” para suportar 30 trocas de bola com Nadal/Nole etc, se sobressaem sempre!!! É belíssimo ver jogadores que têm slices, voleios, habilidades extraordinárias podendo executá-las. Por mim, poderíamos ter 3 meses de temporada de grama. Fora que é tradicional…lindo mesmo de se ver!!!
    Detesto saibro!!! kkkkkkkkkkkkkkkkk…valeu Dalcim!!!

    Responder
  11. Fonseca

    Dalcim, foi tudo meio esquisito. Jogou bem em vários momentos, mas o semblante fatigado não negava o peso de… alguma coisa. Não creio que vença WImbledon com o nível de jogo que apresentou em Halle.

    Responder
  12. Luís

    É exatamente este o meu ponto Dalcim!!! O blog contribui demais. É o único espaço que os amantes do tênis possuem pra discutir o esporte com gente que realmente aprecia a modalidade. O espaço é precioso demais!!!. Nadal baloeiro??? Federer aposentado??. Eu realmente acho que a discussão é excelente, porque a rivalidade dos dois pode ser analisada sobre diversos pontos de vista. Alguém que perdeu 23 jogos para um adversário pode ser considerado o melhor de todos os tempos???. Por outro lado, o confronto direto tem tanto peso pra se definir quem é o melhor?. O que teria acontecido se houvesse mais confrontos na grama e indoor?. Por que Nadal ” desperdiçou” tantas oportunidades de enfrentar Federer nas rodadas finais do Slams em quadra dura?. Eu acredito que não vai existir carreira irretocável. Federer é super vitorioso e talentoso mas vai carregar pra sempre o retrospecto negativo diante de Nadal. Este último me parece o maior COMPETiDOR da história. E o maior nome do saibro indiscutivelmente!!!. Qual será o asterisco no currículo do espanhol? O menor número de slams que Federer? ( veremos se Federer segura a ponta!!!), a ausência de um título no Finals (que também é torneio de primeira linha), ou simplesmente o fato de ser tão vencedor quanto Federer mas ocupar o segundo lugar na preferencia de grande parte de quem acompanha o circuíto. O fato é que a grandeza de um amplifica o outro. Acho o espaço que vc nos proporciona fantástico!!!. E a discussão é palpitante mesmo. Só acho que poderíamos tentar apresentar um pouquinho da esportividade exatamente de Nadal e Federer. Tenho certeza que eles se tornaram monstros sagrados do esporte também pela conduta absolutamente esportiva que apresentaram ao longo doas anos. Abraço

    Responder
  13. Leonardo

    O H2H do Federer x Nadal deveria ser dividido em dois, os confrontos no saibro e os confrontos fora dele:

    No saibro: 13 x 2 Nadal

    Quadra duras e grama: 10 x 8 Nadal

    Ou seja,o Federer é fregues do Nadal no saibro,e não em todos os pisos.

    Responder
  14. Lígia

    Também sou fã do Lopez, jogador maravilhoso. É sempre bom lembrar que o circuito é composto de excelentes jogadores. Não vive apenas de Federer e Nadal. Aliás, discussão pra lá de chata essa entre torcedores do Federer e Nadal.
    Acho que WB vai trazer algumas surpresas: para mim elas tem nome e sobrenome. Na torcida!

    Responder
  15. Jonatas Tosta

    Dalcim, como você espera o Murray em Wimbledon? Como você já falou em outros textos, o Murray às vezes é defensivo ao extremo. Em que ponto a Mauresmo pode ajudá-lo no seu jogo? Acredito que talvez a maior contribuição dela fosse ensinar a ele o caminho das pedras (já ganhou lá) e um referencial mais materno. Como ele tão “fora do eixo”, talvez ele nos surpreenda com uma mudança de atitude né? Não custa nada torcer…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele só terá sucesso novamente se for agressivo. Mauresmo tinha um belo slice, pode motivá-lo a usar esse recurso tão importante na grama.

      Responder
  16. Eduardo Martins

    Fiz um levantamento dos campeões profissionais de cada GS:

    AO: 26 campeões diferentes
    Posição 1. Djokovic, Federer e Agassi (4 títulos cada);
    Posição 4. Wilander (3 títulos);
    Posição 5. Sampras, Becker, Courier, Lendl, Edberg, Kriek, Vilas, Newcombe e Rosewall (2 títulos cada); e
    Posição 14. Wawrinka, Nadal, Safin, Johansson, Kafelnikov, Korda, Teacher, Gerulaitis, Tanner, Edmondson, Connors, Ashe e Laver (1 título cada).

    RG: 25 campeões diferentes
    Posição 1. Nadal (9 títulos);
    Posição 2. Borg (6 títulos);
    Posição 3. Kuerten, Wilander e Lendl (3 títulos cada);
    Posição 6. Bruguera, Courier e Kodes (2 títulos cada); e
    Posição 9. Federer, Gaudio, Ferrero, Costa, Agassi, Moyá, Kafelnikov, Muster, Gómez, Chang, Noah, Vilas, Panatta, Nastase, Gimeno, Laver e Rosewall (1 título cada).

    WB: 21 campeões diferentes
    Posição 1. Federer e Sampras (7 títulos cada);
    Posição 3. Borg (5 títulos);
    Posição 4. Becker e McEnroe (3 títulos cada);
    Posição 6. Nadal, Edberg, Connors, Newcombe e Laver (2 títulos cada); e
    Posição 11. Murray, Djokovic, Hewitt, Ivanisevic, Krajicek, Agassi, Stich, Cash, Ashe, Kodes e Smith (1 título cada).

    US: 25 campeões diferentes
    Posição 1. Federer, Sampras e Connors (5 títulos cada);
    Posição 4. McEnroe (4 títulos);
    Posição 5. Lendl (3 títulos);
    Posição 6. Nadal, Agassi, Rafter e Edberg (2 títulos cada); e
    Posição 10. Murray, Djokovic, Del Potro, Roddick, Hewitt, Safin, Becker, Wilander, Vilas, Orantes, Newcombe, Nastase, Smith, Rosewall, Laver e Ashe (1 título cada).

    Por sua dominância em 3 GS diferentes, os números do Federer são realmente incríveis. Aparece em na primeira posição em seus GS preferenciais, enquanto o Nadal no dele. Mas os números do Nadal fora do saibro não são nada medíocres como muitos aqui alegam. É só olhar do lado e acima de quem ele está. E caso ele vença na carreira mais 1 WB, 1 US e 2 AO, ele, além de igualar os números de GS vencidos no saibro, terá conseguido 3 GS em cada piso e somado 18 no total. Essa parte final é de torcedor, mas também mostra o quão expressivos são seus números. Mas também sei que realizar essa proeza também é muito difícil, mas não impossível. Torcida é o que não vai faltar, seja ela a favor ou contra.

    Responder
    1. Marcus

      Dalcin, o Murray é um grande, fantástico jogador, contudo, pergunto por que você o coloca em posição de protagonismo em WB, sabido que o jogo dele, na maioria das vezes, é extremamente defensivo? Abs

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Porque ele é o atual campeão (e finalista do ano anterior), sem falar na medalha olímpico, tudo exatamente no mesmo lugar. Li hoje um curioso artigo de um jornal inglês em que eles questionam exatamente isso: se o Murray conseguirá atuar com a agressividade do ano passado. Abs!

        Responder
    2. geraldo de carvalho

      levantamento mt importante. percebe-se claramente como federer é td isso q sabemos q ele é e como nadal tem , digamos assim: “seu lugar ao sol”.

      Responder
  17. Gildokson

    Federer esta mais do que certo, tem que continuar jogando mesmo, pois ele ainda consegue vencer muitos do circuito, e títulos pra inflar o currículo como alguns tenistas tiveram na história, tambem são bons. Mas pra Wimbledon vai ter que melhorar bastante se quiser se tornar de vez o maior campeão do mais importante dos Grand Slans.

    Go Roger “King” Federer!!!!

    Responder
  18. Lucas

    ….
    Fiquei impressionado como o NADAL caiu p/ o Justin Brown, q tem um saque violento e bolas planas, armas contundentes na grama. A rapidez da bola era tamanha q Nadal não conseguia puxar a bola no “spin”.
    .
    C/ FEDERER me decepcionei um pouco, apesar da conquista ; confesso q esperava mais diante dele diante de Falla (a quem derrotara facilmente 2 anos antes nesse mesmo torneio), especialmente depois da vitória sobre o excelente Nishikore. Ou seja, o suiço está oscilando.
    .
    Wimbledon está aí, creio ser este o último SLAN onde o suiço tem chance de conquista — não vejo FEDERER vencendo os demais (AU-US-FR).

    Responder
    1. Fonseca

      Foi sinistro mesmo a atuação do Brown contra Rafael Nadal.

      O espanhol não viu a bola, não conseguia trocar quatro bolas antes que o Dustin ganhasse o ponto, errasse ou forçasse Nadal a errar. O alemão/jamaicano deu uns cinco lobs winners, inúmeros voleios dropados, drop shots de bate-pronto winners, devoluções winners de bakchand e forehand…. Além de vibrar no estilo Nadal (só que com mais respeito, menos exagero e sem perninha levantada) quando quebrava o espanhol ou ganhava pontos bonitos. Nadal não tentou um saque e voleio, mal subiu à rede, não fez nada, só tentava o gancho cruzado sempre e saque no backhand do oponente sempre.

      O espanhol perdeu para um cara cujo braço tem a metade da largura do seu braço esquerdo…. (vá ser magro assim no caixa-prego esse Brown!)

      Responder
  19. edmundo j

    Dalcim, veja o absurdo dessa discussão Nadal Federer. Federer e Sampras têm carreiras parecidas, ambos dormiram no começo delas, dominaram soberanamente ao longo de cinco, seis anos e depois decaíram, sendo que o começo de Sampras foi melhor e o fim do Federer está sendo melhor.,A diferença entre eles é o RG e dois Aos a mais de Federer (contando apenas os GS). Em WB Sampras derrotou, na final, Pioline, Becker, Ivanisevic (2x) e Rafter. Federer derrotou Phillipousis, Roddick (3x) e Murray. Pioline e Phillipousis se equivalem (e Sampras derrotou Philli diversas vezes durante as chaves) mas Becker, Rafter e Ivanisevic são, além de especialistas do jogo de voleio, tenistas melhores que Roddick, ficando aí apenas Murray no mesmo nível, mesmo assim discutível para WB. Se não se quiser aceitar a teoria da “geração fraca” então teríamos que Courier e Agassi (outros dois finalistas derrotados contra Sampras) estariam abaixo de Nadal. Se Nadal for apenas um baloeiro, Sampras é, em WB, melhor que Federer, pois teria enfrentado atletas melhores e Federer um baloeiro (2x) e quatro pernas de pau, sobrando apenas Murray: e pior, tendo perdido pra o baloeiro e o vencido apenas quando ele era dente de leite. Mas se Nadal for melhor que Courier e Agassi, então cai a tese da geração fraca, pois no todo, Federer teria enfrentado jogadores de qualidade equivalente aos de Sampras. Ao atacar Nadal, os Federistas comprovam a crítica dos Nadalista: geração fraca. ambas torcidas apenas mostram que não gostam de tênis, mas apenas dos seus ídolos. Corinthians e Palmeiras existem a cem anos e vão continuar existindo: eles tratam os jogadores como clubes, o que eles não são. Deviam ler o que era falado de Borg: tênis força, sem plasticidade etc., que vencia o Connors por ser mais veloz, até com insinuações de doping por parte dos fans de Connors. Hoje é idolatrado.
    Essa discussão dá sono e transforma Halle num torneio “mais significativo” que RG.
    abs
    edmundo

    Responder
    1. alexpicelli

      sobre este assunto, senao houver ofensas, palavores de baixo escalão, o direito de se expressaré de cada um, e cabe a cad aum ler ou não!!!

      Responder
    2. Ronildo

      Desde quando Ivanisevic foi melhor que Roddick? O cara só tinha saque, procure no you tube por Federer vs Ivanisevic e veja a surra que ele leva de um garoto.

      Responder
      1. Carlos Henrique

        Também concordo que o Roddick foi muito mais tenista que o Ivanisevic, mas o restante do comentário do edmundo é bem pertinente

        Responder
    3. Sergio Ribeiro

      Meu Amigo, você e’ mais um que somente olha para os dois Finalistas. Quando alguém se torna o Campeão , nao tem nada a ver com eliminados no meio do caminho ( com ou sem Dodói ) . Se Agassi venceu Wimbledon e Rolanga , porque Sampras e GUGA caíram antes, em nada desmerece seu Feito. O Fanatismo e’ que distorce e tenta desmerecer os Competentes. Abs!

      Responder
      1. edmundo j

        concordo:se quiser coloco as chaves, aí a coisa fica ainda pior….
        quanto ao Roddick, pode ser, mas Ivanisevic era um sacador excepcional e com a quadra rápida de WB era suficiente para ser quase imbatível. Ganhava de todo mundo mundo, inclusive do Sampras em uma semi.
        não sou fanático, apenas quis mostrar que o fanatismo distorce o esporte.
        abs
        edmundo

        Responder
  20. Luís

    Dalcin, uma pergunta, vc não fica de saco cheio destes comentários fanáticos que tentam ofender Nadal ou Federer?. Claro que esta discussão é super pertinente, pode ser analisada sob diversos ângulos e diverte os fãs de tênis. Agora estas críticas gratuítas e ridículas que são feitas pra um e pra outro não acrescentam nada.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Às vezes aborrece, mas faz parte. Espero que este Blog contribua para o enriquecimento da cultura esportiva de uma forma geral, algo que falta demais neste país. Abs!

      Responder
      1. André Barbosa

        Quem dera algumas pessoas tivessem 20% do bom senso que você tem, Dalcim. Seu trabalho é brilhante. O problema é que não conseguimos mais visitar nenhum site sem que exista um “mané” que, ao invés de conversar amigavelmente, só consegue escrever bobagem.

        Responder
  21. Renato Toniol

    Muito legal ver o Federer, além de conquistar um título no seu habitat natural, estar curtindo jogar tênis. Acredito que ele, estando soltinho da silva e sem pressão, tem boas possibilidades de vencer Wimbledon. Vale torcer, apesar de que, jamais podemos subestimar Nadal, ainda que ele tenha caído precocemente em Halle, vale destacar que ele teve pouco tempo de adaptação ao piso. E claro, fiquemos atentos aos grandes sacadores.

    Responder
  22. Paulo

    Boa tarde Dalcim, parabéns pelo excelente post. Quanto ao “King” Roger Federer, só me resta dizer: “MUITO OBRIGADO”! Obrigado por continuar jogando e nos proporcionando imensa satisfação em assistir seus jogos. Realmente tu és sensacional. Vida longa ao “King”!

    Responder
  23. Felipe

    Dalcim, notei que nos últimos anos que em Halle é onde Federer saca em média mais rápido que outros torneios, no jogo contra Nishikori ele sacou à 214 km/h, no ano ele sacou por varias vezes à 209 km/h no máximo, o recorde dele é 225.3 km/h em Halle 2010. Isso significa que ele força mais em Halle ou ele faz alguma mudança na raquete?

    Responder
  24. Bruno Vigne

    Graças a Deus começou a grama e terminou a areia movediça. Não à toa, nós vemos os talentos de Federer e Dimitrov se sobressaindo e não aquela pasmaceira monótona que é a temporada de barro… Não à toa também, o bezerro miúra foi eliminado na primeira rodada…

    Responder
  25. joao sawao ando

    e tommy haas operou o ombro,sera que volta dalcim tem 36 anos ,na minha modesta opinião hj em dia da para jogar bem profissionalmente ate os 39 anos, oque vc acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, vou torcer muito para ele conseguir voltar. Acho que vai ser bem difícil, ficar oito meses fora num circuito tão disputado como hoje, tão exigente no físico. Espero que ao menos ele volte para ter uma despedida à altura de seu tênis genial.

      Responder
      1. Paulo

        Tanbém acabei de ler no site da Atp que o Haas vai se operar do ombro novamente! Quanta falta de sorte! Um jogador excepcional e tão talentoso como ele mereceria uma sorte bem melhor. Torço muito para que ele consiga um retorno mas concordo com o Dalcim que é um fato improvável. Lamentável mesmo!
        Dalcim, por que se chama o confronto direto de H2H? Poderia me explicar o que significa essa sigla?

        Responder
      2. joao sawao ando

        volta, pois ele joga fácil como o Federer ;por isso acho que joga ,volta ser top20 e joga ate os 39/40 anos ,ele tem físico se cuida não faz besteira na vida.

        Responder
    2. Fonseca

      Jogar simples no top com 39 anos nem pensar, ainda mais hoje em dia (exceção do Connors à parte, no longínquo 1991….) Agora, para duplas dá (vejam aí o Nestor, Paes, etc)

      Responder
  26. Stephanie Santos

    Mas dizer também que o Nadal é típico jogador de saibro (o que é uma verdade) e desqualificá-lo dizendo que sua grandeza só foi permitida apenas por esse tipo de piso também não tem coerência nenhuma. O espanhol já disputou 20 finais de GS, conseguindo êxito em 14 delas (70%). Das 9 vezes que disputou no saibro, venceu todas (100%). Só que ele disputou mais finais de GS fora do saibro (11), ficando com o título em 5 oportunidades (45%). Ele perdeu 6 finais, 3 vezes para tenista da suíça e outras 3 para tenista da sérvia (55%). Fiz questão de contar só as finais em contrapartida aos argumentos de que o Nadal não chega tão longe fora do saibro, o que permitiria ao Federer diminuir a diferença no H2H. Veja, eu nem curto esse lance de H2H para dizer que o Nadal é melhor do que o Federer, pois eu não acho que ele o é. Pode vir a ser? Sim! Mas ainda lhe falta muito chão para trilhar, no mínimo mais 4 GS vencidos para começar a discussão. Até lá o Federer é o melhor e o maior com folga. Por sua vez, o suíço já disputou 24 finais de GS, ficando com o troféu 17 vezes (71%). Das 19 vezes que jogou em um dos seus pisos favoritos, ficou com o título 16 vezes (84%) e venceu 1 vez no saibro (20%). Ele perdeu 7 finais, 4 no saibro, 1 na grama e 1 na dura para tenista espanhol e outra na dura para tenista argentino. Quem, em sã consciência, acha que os números mentem pode começar a ser comparado com aquela pessoa que mente e faz de suas mentiras verdades “absolutas”. O Chetnik tem muita razão quando diz que daqui a pouco vão começar a aparecer uns caras-de-pau.

    Responder
  27. Vânia

    Bom dia DALCIN assistindo ACE você disse que NADAL seria favorito para ganhar ROLAND GARROS seria por não ter um jogador a altura ou por ser RAFAEL NADAL um ótimo jogador determinado.

    Responder
  28. Stephanie Santos

    Bom, até que eu saiba, não é apenas a grama o piso predileto do Federer. Sendo assim, ele tem maior chance de se dá bem em 3 GS, 6 Masters 1000, ATP Finals, Doha, Dubai e Halle, totalizando 13 torneios em pisos favoritos. Já o Nadal tem maior chance em 1 GS, 3 Masters 1000 e Barcelona, totalizando 5 torneios favoritos. A pessoa que não consegue entender uma equação tão simples como essa e ainda pede a mim para eu me tocar, realmente é o cúmulo da conveniência. Se for para ratificá-la, considerando agora apenas o saibro e a grama, o Nadal seria maior que o Federer, pois teria 9 RG contra 7 WB do suíço, mas isso não faz sentido, tampouco é justo, porque o Federer dominou dois pisos distintos por muitos anos.

    Responder
    1. Matias Filho

      Mas não esqueça de levar em consideração a padronização, ou seja, a “saibralização” dos pisos, que fez com que o Nadal, que em outras épocas só teria os títulos em RG e com um esforço sobre-humano, ganharia talvez mais uns dois GS, totalizando 11. Não esqueça que o piso rápido, como antigamente era, o Federer teria uns 20 GS. Por isso que de piso favorito só podemos considerar o Djoko, que em saibro rápido (dura) ganha a maioria do Nadal. Um grande abraço!

      Responder
      1. Stephanie Santos

        Deve ser por isso que o Nadal é o atual campeão do US Series e também nunca venceu o ATP Finals do qual ele tanto reclama, sem razão, com a ATP. É cada comentário insano que aparece por aqui, Dalcim. Meu Deus! O mais engraçado é o cidadão se contradizer ao dizer que “piso favorito” só é contemplado ao Djokovic. Uma sugestão que eu faço para o bolão de WB, do qual eu nunca participo, seria sortear um dicionário Aurélio contendo as novas regras e um livro sobre interpretação de texto. Vou dá só uma palhinha: “favorito: diz-se de ou o que agrada mais; predileto, preferido”. Logo e amém, o piso que mais agrada ao Nadal é o saibro, e os que mais agradam o Federer é a grama e a dura. E grama não é saibro, tampouco saibro é dura, senão o Nadal já teria alguns ATP Finals em sua prateleira.

        Responder
        1. Matias

          Amiga, durante anos foi feita essa padronização. Se os pisos fossem realmente rápidos como eram, o Nadal, talvez, não tivesse ganhado nenhum GS fora do saibro, pois ele necessita de tempo para aplicar seus golpes na esquerda do adversário, que aliás é um excelente golpe. Não desmereço o Nadal, ele é bom, senão ótimo, no estilo dele, mas não venha me dizer que o jogo dele seria ótimo na quadra realmente veloz. Eu quis dizer isso, se não me expressei bem, desculpe. Abraços!!

          Responder
        2. Fonseca

          Nadal não ganha o Finals porque não tem os “pangarés” de primeiras rodadas para ele ir pegando ritmo, já vai enfrentando os tops de cara. Assim mesmo, já chegou na final do Finals duas vezes, mérito dele.

          Responder
      2. ALEXPICELLI

        o que disse matias faz sentido, porque antes as quadra(incluo aqui WB) foram reduzidas, isto é, deixando elas mais lentas.
        no finals a quadra fechada aumenta ainda mais a velocidade das bolinhas, tornando dificil para o nadal, devido a adaptação maior no saibro, que é mais lento, e devido a seu joelho.
        nas outras quadras ficaram mais lentas sim, facilitando para o espanhol.
        Penso eu sim, se as quadras nao tivessem mudado, talvez para tornar tenis mais competitivo, através do fisiuco e nem tanto pela tecnica, o federer teria ainda mais GS!

        Responder
    2. Sergio Ribeiro

      Ser o predileto, nao quer dizer ser o Único . O Fato de ter feito ao menos 5 Finais em TODOS os SLANS , so ratifica. E mesmo tendo perdido 4 para o Rei do Saibro, acaba de ultrapassar Guillermo Vilas ( ainda recordista de Torneios no Barro) em número de Vitorias em Rolanga. Ou seja, na minha modesta opiniao e’ também um grande Saibrista. Abs!

      Responder
  29. Andre Abelha

    Dalcim,
    Não me lembro de ter visto um empate em pontos no top ten, como ocorreu esta semana com Berdych e Murray. Vc sabe qual é o critério de desempate?
    Abs!

    Responder
  30. Luis

    Dalcim sobre o Nadal continuar numero 1 e vencer mais grand slams esse ano vai ser mais dificil em Wimbledon Federer e Murray sao favoritos,e US open Djokovic e’ dificil ser derrotado na quadra dura,o que acha Dalcim?

    Responder
  31. Spencer Santos

    …rs…é isso aí! Viva de Roger “The King” Federer! O Rei da Grama! Concordo plenamente que não há dúvida que o Federer é o “Rei da Grama” e, nesse caso, também não há dúvida que Rafael “The Scanners” Nadal Parera é o “Vice-Rei da Grama”, pois é o maior adversário que Federer teve na grama. Só para lembrar, Nadal tem 5 finais e 2 títulos em WB, o melhor desempenho na grama na “Era Federer”, ou seja, o Federer tem que ser o “Rei da Grama” porque o seu maior adversário na grama foi um tremendo especialista na grama que é o Nadal. Risos…ah…e eu sou o Bozo!

    Responder
  32. Luigi

    Esse final de semana estava vendo o ranking e levei um susto: existem 9 jogadores espanhóis nos top 31 da ATP!!!
    ou seja, praticamente 1/3 dos 30 melhores jogadores do mundo são hispânicos. Ok, eu concordo que acabamos de sair da temporada de saibro, mas mesmo assim, o que esta acontecendo??
    Esqueçam os americanos e os franceses. Mandem alguém para lá para ver como eles fizeram isso acontecer, por favor, vamos imitar alguma coisa deles.
    Já estou ate suando em pensar que o Brasil vai passar um perrengue mesmo se a armada colocar o time D em quadra…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Claro que tem chance. Ele tem larga experiência no torneio e o piso não é mais tão veloz quanto antes, além de fazer a bola quicar um pouco mais alto. Mas continuo achando que é importante um bom sorteio, para não pegar adversários ‘kamikaze’ logo nas primeiras rodadas. Um desafio crescente é bem mais interessante.

      Responder
  33. caco mauricio

    GO ROGER!!!! Tivemos dois títulos para jogadores extremamente talentosos no final de semana… ROGER PAI e ROGER FILHO (ops BABY FEDERER)…. kkkkkkkk Esperamos que em WB os dois possam jogar o melhor tênis na grama… como faz falta torneios na grama… Ainda existe o saque/voleio para nossa alegria…. abraços

    Responder
  34. Sidney

    Dalcim
    Gostaria, se possível, que você me orientasse como devo agir para adquirir ingressos para Wimbledom (para o ano que vem). Ouvi dizer que é muito difícil.
    Obrigado.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É muito difícil. Você precisa entrar no sorteio que acontece no começo do ano (veja o site oficial, onde tudo é explicado). A outra opção é comprar das agências de viagem oficiais, que obviamente cobram uma comissão.

      Responder
  35. Igor Menezes

    Roger Federer. 79 títulos (44 de 1ª linha e 35 de 2ª linha), percentual de títulos importantes na carreira: 55,7%.
    Rafael Nadal. 64 títulos (42 de 1ª linha e 22 de 2ª linha), percentual de títulos importantes na carreira: 65,6%.
    Após a conquista de mais um de seus muitos 250 na carreira, fica mais claro que Rafa conquista com bem mais frequência, títulos de maior qualidade que o suíço… Assim fica fácil “turbinar” seus números. Se Rogério se esforçar um pouquinho mais e conseguir apenas mais 9 ATP 250 ou 500, esses torneios de 2ª linha irão representar metade de suas glórias! kkkkkkkkkkkkkk
    Títulos de 2ª linha: ATP 250 e ATP 500.
    Títulos de 1ª linha: como o próprio nome já diz, os torneios da série Mestre (Masters 1000), o ATP Finals, Ouro Olímpico e os Grand Slams.

    Responder
        1. Igor Menezes

          Obrigado, Stephanie! É verdade… Poderíamos criar uma situação em que Rafa passasse a dar valor a esses pequenos torneios de quadra que Roger ganhou e ver quantos títulos na hard Rafa teria se disputasse um número parecido de eventos…

          Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Cara, não importa títulos. Federer é Federer. É o Rei do Tênis e fim de papo. Acabou de passar na TV o horroroso jogo Irã x Nigéria. Parecia os horripilantes jogos de Djokovic contra Nadal. E cadê o ATP Finals do Nadal? kkkkk. Pra mim, primeira linha é Grand Slam e ATP Finals. O Quasímodo do tênis tem 0 Finals. kkkkkk

      Responder
      1. Igor Menezes

        Não. Os Masters 1000 também o são. Tanto que eles obrigam todos os tops do circuito a disputá-lo. Que torneio que conta com TODO O TOP 10 não seria um torneio de 1ª linha?? Favor rever sua opinião.
        Além ainda do fato de serem contados, junto aos GS, como critério de desempate de pontos entre tenistas.
        Davis não pode ser contada. Não entra como desempenho individual do jogador.

        Responder
    2. Sergio Ribeiro

      Que analise mais esdrúxula rapaz. Federer 5 anos mais velho, teria que ter participação maior mesmo em determinados Torneios. Que culpa o Cara tem se so em 2015 a Grama vai ter ATP 500. No Saibro so tem titulos em Rolanga(1) , 8 MASTER1000, e um ATP 250. Essas suas linhas estão combinando mais com as de Ônibus.rsrsrs…ABS!

      Responder
  36. ISAQUE

    Como citado no post,é difícil mesmo ter grandes jogos no saibro,pois é um piso muito lento e irregular.Sempre gostei mais de quadra rápida.É muito melhor ter a emoção de ver o Federer ou Feliciano Lopes praticando o saque e voleio com tanta perfeição,ao invés de ver jogadores trocando bolas no saibro esperando um o erro do outro.
    Infelizmente eu acho difícil o Federer ganhar Wimbledon,é impressionante a quantidade de oportunidade que ele vem desperdiçando nos últimos 2 anos,parece que a idade lhe causou mais desgaste mental do que físico.
    Espero que ele consiga uma melhor concentração para Wimbledon,que eu esteja errado,que ele possa levantar essa taça tão importante,a mais importante de todas.

    Responder
  37. Willian Lopes

    É Luiz Fernando, já não sei definir se ódio ou inveja que vc sente pelo mestre, por que Federer te incomoda tanto, mesmo ele ultimamente não sendo uma ameaça para Nadal???? sempre atacando o inabalável maior tenista e gênio de todos os tempos, o grande Roger Federer ao qual um espanholzinho mequetrefe estará para sempre um degrau abaixo na história do tennis, não perderei muito tempo e palavras respondendo mais um de seus comentários absurdos, só te digo uma coisa, o que vc chama de decadência eu chamo de oscilação, o que com certeza são duas coisas completamente diferentes, essa oscilação com certeza será corrigida e um torneio da importância de Wimbledon, veremos se vc aparecerá por aqui se Nadal for eliminado novamente nas primeiras rodadas assim como foi em Halle, veremos se quando o espanhol estiver com os mesmos 32 anos do mestre ele estará com a mesma resistência fisica de hoje, já disse isso uma vez aqui, Nadal e Djokovic param de jogar tennis antes de Federer.

    Responder
  38. Allan Fonseca

    Caro Dalcim,

    Como vai? Achei muito interessante seu comentário sobre o Feliciano López. É um jogador interessante. Como foi dito, pena que lhe tenha faltado alguma consistência para frequentar mais assiduamente as primeiras posições do ranking, pois representa um estilo raro.
    Tenho visto comentários falando sobre a decadência do Federer. Acho que ela é bem visível, e digo isso como torcedor dele. Mas, muitas vezes, o tom em que isso é dito me parece francamente autoritário, como se fosse um dever dos grandes atletas se manter eternamente no auge. Pergunto-me até que ponto uma pessoa deve condicionar suas decisões apenas para manter números de carreira intactos. Se ele continua bem consigo, gostando de jogar e elevando o interesse e o nível do esporte com sua presença, podendo ainda, eventualmente, beliscar finais e troféus, por que não?
    Minha pergunta é sobre sua opinião em Wimbledon. Você acha que o ranking ponderado que vão usar para o chaveamento reflete o grau de favoritismo de cada um (Djokovic – Nadal – Murray – Federer)? Acredita que a derrota precoce do Nadal em Halle teve mais a ver com o cansaço ou com uma dificuldade dele sobre a grama a partir de 2012, por alguma razão técnica ou física? Particularmente, acho o espanhol, como número 1, o favorito para o título, mesmo sobre esse piso.
    Obrigado!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acredito que haverá um interessante equilíbrio em Wimbledon. Se é fato que Nadal e Djokovic estão em forma superior a Murray e Federer, não é menos verdade que o estilo de Murray e Federer se adequa muito mais à grama do que dos outros dois. Acho que detalhes podem definir quem vai mais longe, principalmente uma chave favorável. Se Djokovic ficar no lado de Federer e Nadal no de Murray, vejo ainda maiores possibilidades de um torneio imprevisível. Abs!

      Responder
  39. ALEXPICELLI

    Parabens ao rei roger e ao dimi, alias sharapova la estava uhuhuhu.
    Bom ano que vem veremos novos nomes roubando a cena, como disse fininho, ele acha dificil alguem alcançar federer em slam, pois daqui pra frente os pisos nao ajudam tanto nadal e porque os novos nomes vao aparecendo e roubando a cena!
    abraços

    Responder
  40. Maurício Luís

    Dalcim, não tem muito a ver com o post, mas quem foi o pioneiro ou pioneiros a usar o backhand com 2 mãos? Lembro-me de Jimmy Connors e Chris Evert, mas não sei se antes deles houve alguém.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Joga-se com duas mãos desde a década de 1950, Maurício, mas quem realmente imortalizou esse golpe foi o Borg, ainda que Connors o tivesse precedido.

      Responder
  41. AIEX PEDROSO CAVALCANTI

    A verdade é q uma era esta chegando ao fim, e ainda não temos substitutos a altura.
    É evidente q a consistência e intensidade de Nadal e Djoko, são vencedoras mas diante
    das jogadas de Federer, Santoro, Coria, Gaudio , Tim Henman etc , corremos o risco de
    passar um tempo na monotonia, precisamos de talentos URGENTE , e no Brasil então nem se fala, neste momento esta difícil, e para ajudar os diretores de escolas dificultam ao maxímo o contato das crianças com o esporte.Pelo menos em SP. Mas vamos continuar insistindo e tentando fazer a nossa parte , fazendo o obvio , trazer as crianças para o Tenis. Abç Pedroso gerente da Tennis Square

    Responder
  42. O LÓGICO

    Vou me aproveitar do segundo parágrafo do Guru para traçar a linha demarcatória entre um tenista realmente de técnica apurada – técnica todos tem, inclusive o robô do saibro kkkkkkk – e habilidade dos demais. Eu, o LÓGICO, kkkkk, afirmo que é impossível um parágrafo desse naipe dedicado a Rafael Robozinho Nadal kkkkkkkkkkkkkkk Alguma nadalzete me contesta? NÃO!!!! kkkkkkkkkkkk

    Vou adiante: nem para seus jogos no saibro kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Isso é o mesmo que confessar o que todo mundo sabe: que nesses quesitos o robozinho que perverteu o tênis, kkkk, não se encontra nem entre os top 20, pelo menos kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Todos os tenistas citados no parágrafo do GURU tem H2H em desvantagem, mas no entanto possuem tênis de melhor qualidade que o ESTRANHO do tênis kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Na verdade, se o unidimensional do tênis, kkkkk, jogasse em cima de caco de vidro ou sândalos, kkkkkkkk, apresentaria sempre o mesmo tênis: balão e ganchão no varejo e no atacado kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Tênis arquetípico somente a partícula de Deus apresenta: ROGER KING FEDERER

    Responder
  43. Luis

    Dalcim parece que Federer teve altos e baixos mas conseguiu vencer bem o jogo com frieza de campeao que Federer tem,o que acha pra Wimbledon confirma o Federer um dos grandes favoritos Dalcim?

    Responder
      1. AURÉLIO NR.

        Prezado Dalcim e amigos.
        Não me digam que vocês se iludiram com o título do Federer em Halle. Só porque ele ganhou um título mixuruca desse não significa que ele é o principal favorito em Wimbledon. E esse Alejandro Falla não ganha nem de mim (é só eu treinar um pouquinho). É incrível como se valoriza o que Federer faz.
        AURÉLIO NR.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Ele é um dos favoritos não porque ganhou Halle, mas porque ganhou sete vezes em Wimbledon, a última delas em 2012. Isso não é pouca coisa, não? rsrs

          Responder
          1. AURÉLIO NR.

            Prezado Dalcim e Luciana.
            O mestre disse muito bem. Federer ganhou Wimbledon (conjugação do verbo no passado). Agora o momento dele e do circuito é outro. Será que ninguém consegue ver isso. O Federer envelheceu. O Paixão cega. (rsrsrr). Amiga Luciana, adoraria o Federer enfrentar o Janowicz e, se possível, na primeira rodada.
            ABRAÇOS.
            AURÉLIO NR.

  44. Sergio Ribeiro

    A Vitoria do Ex- N1 do Mundo Juvenil ( venceu Wimbledon sem perder Sets e o US OPEN) na Grama de Queen’s , foi o grande destaque do Circuito. Dimitrov venceu seu primeiro neste Piso,aos 23, um ano a menos que Novak e um a mais que Rafa Nadal. Completa seu terceiro Título na Temporada ,vencendo em todos os Pisos. E’ realmente um fortíssimo candidato a se infiltrar de vez no TOP 10. Me intriga alguns nao perceberem que novos Tempos estão chegando. Sua Vitoria sobre o N3, foi categórica. Roger Federer jogou para o gasto, e ao mesmo Tempo colocar outra marca difícil de ser batida. Se Laver e Sampras nao conseguiram , difícil acreditar que alguém desta geração lhe tire o Posto de Rei da Grama. Edberg esta certo quando diz que o Suíço pode vencer Wimbledon 2014. Abs!

    Responder
  45. Andrei

    Vou fazer uma pergunta pra todos,se tivesse no mínimo 4 torneios por ano na Grama em que todos os top 10 jogassem,quantos títulos Federer teria hoje?um exemplo 4 torneios na grama por ano,como todos os tops em 10 anos Federer teria jogado 40 torneios,desses 40 quantos ele teria ganho?pergunto isso,porque na minha opinião Federer teria mais de 100 titulos na carreira se houvesse mais torneios na grama,não estou falando que saibro e quadra dura é ruim,mais se tivesse só 4 torneios em que todos jogassem,acho que o número de títulos do Federer seria maior,dos 9 Masters 1000,pq não ter 2 na grama?
    obs:não estou vendo o lado do Federer,mesmo depois que ele se aposentasse gostaria de ver mais torneios na grama,é lindo ver.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Monte-Carlo ( Principado ao Sul da França com população 50% de Franceses e Italianos) , Madri e Roma , 3 MASTER 1000 em Seqüência e depois Rolanga. Ate hoje ninguém sabe explicar porque um deles nao pode ser sacrificado e puxar RG para uma Semana antes. Daria para encaixar ao menos um Mastrer 1000 na Grama , antes de Wimbledon . Do jeito que esta Novak possui apenas um Título na Grama e Rafa Nadal três . Políticagem vergonhosa já que ate 1985 , tínhamos dois SLAMS na Grama. Federer fatalmente estaria bem mais longe. Seu Feito e’ inacreditável ! Abs!

      Responder
    2. Renato Vieira

      A grande maioria aqui no blog é a favor de aumentar o número de torneios na grama Andrei. Eu incluso.

      Imagino que Federer teria uns 10 a 15 títulos a mais nesses 14 anos de profissional. Difícil fazer avaliações assim, mas é o que penso.

      A falta de um M1000 na grama é vergonhoso. Tem 4 M1000 em quadra dura só nos EUA/Canadá. Sendo que dois deles são torneios de 2 semanas. Tem 3 M1000 praticamente seguidos no saibro europeu.
      O piso original do tênis é quase completamente negligenciado.

      Responder
  46. Alfredo Magnussen de Mello

    Boa noite! Além de ser meu blog predileto, os jogos dessa semana foram de encher os olhos… Na grama, ganha-se um pouco mais na leveza, na capacidade do saque…No jogo de rede, slices… Deu pra sentir que o Federer experimentou tensões distintas no encordoamento de suas raquetes (pela sonoridade) nos jogos de duplas e simples… Nunca tinha acompanhando o torneio de Halle antes, mas senti a quadra beeeem mais veloz que Wimbledon… Será que lá estará mais rápida esse ano? Seria ótimo ver jogadores com esses talentos de toque, voleio… subidas constantes a rede… como nos jogos do Lopez.. Falla.. etc.. E é uma pena a temporada de grama logo começar já terminando..

    Responder
  47. Ricardo - São Paulo

    Dalcim, o mais bacana em ter o Roger ainda no circuito, é olhar textos como o teu que finalizam com um “…E contando…”. Outro fato bacana é ver a diversidade que o jogo do Grigor apresenta, sendo o único campeão em três pisos diferentes esse ano. Creio que essa multiplicidade vai lhe render grandioso sucesso ainda, ainda maior do que já lhe proporciona. Além de ter a bela Maria aplaudindo na torcida, garoto de ouro! Abraços

    Responder
    1. Fonseca

      COmo vai se infiltrar entre os grandisíssimops, se toma um 62 26 sem nem esboçar reação em Roma? Numa semifinal? Tudo bem que o jog de Rafael Nadal é projetado para extrair o pior do adversário, mas aquela atuação foi uma aberração.

      Responder
  48. Paulo

    Parabéns ao rei da grama Federer! Mas, se jogar em Wimbledon, como jogou na final em Halle, não chega nem nas oitavas de final. Impressionante como ele esteve inconsistente -e isso contra um adversário que não estava no mesmo nível dele, tecnicamente…

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      A Grama de Halle e’ bem mais rápida que a de Wimbledon . Fez bem em praticar bastante o Saque-Voleio. Na primeira semana, antes da Grama ficar naquele estado da segunda, poderá encurtar partidas usando este expediente na Rede, se poupando ate as Oitavas. Deve ter dedo de Edberg .Abs!

      Responder
  49. Leonardo Carvalho

    Dalcim, o Dimitrov alcançou um feito interessante: ganhou o seu quarto troféu em diferentes ambientes: dura indoor, dura outdoor, saibro e agora na grama, o que mostra versatilidade. Porém, nos grandes torneios ele fez muito pouco até então: apenas uma semi de Masters 1000 e uma quartas de Grand Slam e ainda não entrou no top 10. Muito pouco para o talento e a idade que tem, não acha? Fica a expectativa, mas até então ele ainda não deu o “salto” para o qual demonstra ter recursos e lutar pelos principais troféus.

    Responder
  50. Luiz Fernando

    Num outro comentario absurdo do post passado, um rapaz q andou um tempo sumido (pq será kkkkkk?????) e q prima pela insanidade, disse q por falta de grandes saibristas, Rafa acumulou 9 titulos em RG, e se tivesse enfrentado grandes saibristas teria “apenas 5” kkk!!! Qual a formula matemática pra se chegar a essa conclusão? Estou curioso kkk!!! Gostaria de lembrar ao dito cujo, q se somarmos os 3 do Guga (se Rafa, na visão da criatura, seria mediocre com 5, o q seria Guga com 3?) ao umzinho caido do ceu do aposentado, ainda faltaria um p os 5, imagina p os 9 kkk!!! Por outro lado, raciocinando de forma análoga p a grama, quais foram os grandes gramistas q o aposentado enfrentou? Seu maior adversário nesse piso foi o… saibrista kkk!!!! Então se houvessem grandes gramistas p enfrenta-lo ele teria…talvez…uns 3 titulos? Pura insanidade e exercico de adivinhação de quem não tem o q fazer. É por essas e outras q eu sempre posto q eu me divirto demais nesse espaço…

    Responder
  51. Foguetinha

    Dalcim,Halle é diferente deWimbledon, correto? Mais rápido, dá pra executar bastante o saque-voleio. Agora, você não achou preocupante nas trocas de bola do fundo da quadra a uantidade de erros do Federer? E em Wimbledom, as trocas serão maiores que o saque-voleio,neh?!
    Federer é sempre favorito na grama,mesmo que no ano anterior Rafa,Djokovic ou Murray tenham vencido,mas acho que se ele não melhorar no jogo de fundo,não terá o mesmo sucesso que em Halle. O que vc acha, Dalcim?

    Responder
  52. bruno

    foi muito legal para um cara que ja ganhou tudo ainda comemorar daquele jeito,nao acha Dalcim?
    E tenho certeza de que vai ter um bobo que frequenta o blog que vai dizer que e apenas um 250.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Muito legal ver que ele curte ainda jogar, ganhar, lutar pelos troféus. Temos de agradecê-lo por ainda estar na ativa, Bruno. Com o dinheiro, a fama e a família que tem, ele poderia muito bem estar esquiando nos Alpes suíços… rsrs…

      Responder
      1. Paulo

        Concordo inteiramente! Além de possuir um talento único e jogar um tênis arrojado, espetaculoso, que nos faz sempre ter jogadas maravilhosas para aplaudir, o genial Federer ainda nos dá uma lição de amor ao esporte e dedicação quase juvenil ao tênis. É incrível! Nem parece que ele já tem mais de quinze anos de carreira. Realmente um fenômeno assombroso!!

        Responder
        1. Leonardo

          Cara,vi no site da ESPN que o Schumacher acordou do coma e já foi transferido para um hospital da suíça e agora vai começar uma nova etapa da recuperação.Ótima noticia para o esporte!

          Responder
      2. Alexandre Maciel

        Putz, esquiar não, Dalcim… não tenho boas lembranças de ver um ídolo do esporte recém aposentado esquiando… ele que vá fazer algo mais seguro, que fique em casa curtindo a família e treinando os gêmeos/gêmeas, vai que puxaram o talento do pai… rsrs

        Responder
  53. Luiz Fernando

    No começo do ano eu postei q duvidava dessa bobagem de “novo aposentado”, disse q seria apenas o mesmo aposentado com uma melhor pré temporada, e nesses 6 meses não houve nada q me fizesse mudar de ideia. Com o acrescimo da nova raquete (piada) e do novo tecnico, ele saltou de um atpzinho de Tão Tão Distante em 2013 p um ATP 500 e outro torneiozinho de Halle, 2 titulozinhos em 6 meses. Até o Dimitrov q só perde tem mais do q isso. Cada um q faça seu julgamento. Ontem algumas aposentadoretes ficaram tensas quando postei sobre a decadencia a olhos vistos do cara e o jg de hj demonstrou isso de forma cabal. Cenário perfeito: quadra de grama muito rapida, ideal p um grande jogador de grama; adversário sob medida: esse Falla é um manezaço, o q ele ganhou até hj? Quais seus titulos na grama (q eu saiba nenhum)? Qual a qualidade do voleio do cara? Dos piores q já vi. E o se observou? Dois sets vencidos no tiebreak, alternando jogadas espetaculares com erros bisonhos, exatamente como no ano passado inteiro. Se isso não é decadencia, francamente não sei o q seria…

    Responder
    1. André Luiz

      É uma decadência bem melhor do que o auge da imensa maioria. E me espanta que você não nota que Federer, esse ano, está em condições competitivas bem melhores do que no ano passado. Foi só o segundo título, mas a quarta final em torneios grandes. E o semestre do ano que mais favorece seu jogo começou agora.

      Responder
    2. petros

      Decadência é ter que ler a qualidade de comentários como o seu num blog de tanta gente capacitada para escrever (diferente de vc, é claro!).
      Não gostar de Federer e gostar de Nadal é tranquilo!
      Não gostar de Nadal e gostar de Federer também!
      Agora desmerecer a qualidade de um ou de outro, como constantemente vc e outros aqui fazem, é o que não dá pra aturar!
      O “aposentado” só tem quase doze anos no top 10, fez semi de Slam este ano, 02 finais de M1000 (sendo uma no saibro), tem título de Atp 500 (batendo na sequência dois top 10, Djoko e Berdych) e agora Atp 250 (batendo mais um top 10, Nishikori).
      E ainda, todos sabem que a melhor parte da temporada do que vc chama de “aposentado” começa agora, com a grama e as quadras mais rápidas americanas no cimento, bem como a temporada Indoor!
      Só um cego não vê a diferença da temporada de 2014 em relação a passada do suíço, que tende a chegar ao final no Top 3 do Ranking, possivelmente ganhando de 05 a 06 torneios, com chances reais (eu disse chance, não que vá ganhar) de faturar os dois últimos Slams, bem como os M1.000 restantes e ATP FINALS!
      Nada mal para alguém com quase 33 anos, ou seja, “APOSENTADO”!

      Responder
    3. Sergio Ribeiro

      Aos 33 anos , esta a apenas 700 poucos pontos de outro FINALS. Pete Sampras a esta altura já tinha caído para 17* .Ser Adolescente jamais será problema. O problema e’ nao conhecer mesmo.rsrsrs…ABS!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *