Saibro, eis a questão
Por José Nilton Dalcim
9 de abril de 2014 às 00:01

O teorema que já deixou tantos capitães de Copa Davis sem dormir chegou para o Brasil: que piso escolher para enfrentar a toda poderosa Espanha? Pior ainda, como decidir isso nos próximos 10 dias, sem ter a menor noção de como estarão nossos jogadores nos próximos meses, como será a temporada dos espanhóis no saibro europeu e, mais imprevisível ainda, o que acontecerá na quadra dura do verão norte-americano, que antecede imediatamente a repescagem?

Os capitães brasileiros de Davis com quem cruzei nos últimos 30 anos sempre me disseram que existem duas hipóteses básicas: ou se escolhe o piso que mais atrapalha seu adversário, ou a superfície que seu próprio time mais tenha confiança. Analisemos então. Claro que o saibro é o ganha-pão de todos os espanhóis top 20 – Nadal, Ferrer, Robredo e Almagro -, mas esses mesmos jogadores têm resultados muito consistentes no sintético. Nadal dispensa comentários, Ferrer foi vice de Paris e quartas no US Open e Austrália mais recentes. Robredo é muito forte no piso e, se alguém não confia em Almagro, poderá trocá-lo por Verdasco ou López.

E o Brasil? Com exceção dos duplistas, principalmente Melo, todos são tipicamente jogadores de saibro. Foi nesse piso que Bellucci já venceu Ferrer, Murray, Berdych, Wawrinka, assustou Djokovic. Não se pode dizer que seja um mau jogador de quadra dura, porque ameaçou até  Federer, porém a distância é grande. Para sermos bem sinceros, a chance de endurecermos contra qualquer grupo espanhol será Bellucci inspirado e a dupla mineira afiada. Os demais, ainda que tenham grande espírito competitivo, estão tecnicamente muito aquém.

Minha opinião? Devemos ir de saibro. Um saibro rápido, com um pouco de altitude, algo mais perto de Madri, que é a situação predileta de Bellucci. Explico. Como temos que escolher agora, tão longe do que vai acontecer lá na frente, devemos imaginar que Nadal estará totalmente focado nos Masters e no US Open, provavelmente vai chegar bem longe em Nova York e com isso viajará bem em cima da hora para cá, com pouco tempo para descansar e se adaptar. Se ele não vier? Melhor ainda, porque Bellucci quase ganhou de Ferrer mesmo na lentidão do Rio, há dois meses.

Com Nadal, nossas chances são muito pequenas, porque teríamos de ganhar duas vezes de Ferrer (ou Robredo, ou Almagro), algo bem pouco provável. No entanto, se temos uma mínima oportunidade de ver Rogerinho, Feijão ou Clezar fazendo um bom jogo, é o saibro.

Sobre os demais confrontos da repescagem, situação difícil para Djokovic, que terá de pensar muito bem se vale sair de Nova York e ir à Índia, sabendo que terá de voltar ao Oriente poucos dias depois. Em casa, Canadá é favorito contra Colômbia, EUA em cima da Eslováquia, Austrália diante do Uzbequistão e Ucrânia sobre Bélgica. O visitante que deve sair vencedor é a Croácia na Holanda. Já a nossa vizinha Argentina terá de rebolar no piso sintético de Israel. E tomara que vença. Caso contrário, o zonal americano vai ficar bem pior em 2015.

A outra notícia incrível envolvendo o saibro foi o convite solicitado por Roger Federer para atuar na lentidão de Monte Carlo, um lugar em que não imaginei que o veria jogar tão cedo novamente. Será que a confiança está tão grande assim? Afinal, ele acabou de jogar a Davis neste domingo e terá apenas esta semana para uma adaptação relâmpago à terra batida. O Principado não é de seus torneios de maior sucesso. Perdeu três titulos seguidos para Nadal entre 2006 e 2008, foi batido por Melzer nas quartas de 2011.

O fato é que a entrada de Federer deixará o torneio muito forte, como nos velhos tempos em que ele era um “Masters obrigatório”, já que também garantiram presença o atual campeão Djokovic, e os top 12 Wawrinka, Ferrer, Berdych, Gasquet e Tsonga. Com essa configuração, os suíços só podem cruzar Rafa e Nole na semi, mas terão de torcer para evitar Ferrer nas quartas.

O saibro europeu vai começar com tudo. Sorte nossa.


Comentários
  1. Fernando Brack

    Sobre uma eventual escolha da grama para o embate com a Espanha, acredito que poderíamos sim fazer uma boa ou mesmo excelente quadra.
    O Jônatas lembrou bem daquela quadra grama-saibro do Desafio dos Pisos entre Federer e Nadal. Foi feita só para o evento e não vi nenhum dos 2 se queixar da qualidade do piso.
    O tratamento dado pelos ingleses às quadras de WB é fruto da obsessão deles pela perfeição, em parte por se tratar do maior torneio de tênis do mundo. Obviamente, não é necessário tanto esmero assim.
    De resto, acho que devemos ir de saibro rápido mesmo. O azul de Madri seria o ideal, pois ajudaria a nivelar o jogo por baixo, isto é, pelo nível do time brasileiro.

    1. José Nilton Dalcim

      Mas não são dois ou três sets, Brack. São treinos obrigatórios de três dias – coloquei fácil aí quatro ou cinco horas por dia de uso – e depois mais cinco jogos em melhor de cinco sets. Não é qualquer quadra de grama que aguentaria esse esforço.

      1. Fernando Brack

        Dalcim, a resistência é dada pelo tipo de grama. A que é utilizada em WB talvez seja a melhor que existe no planeta, e podemos não ter algo parecido no Brasil, mas talvez não precisasse tanto.
        Abs

  2. Bruno Nogueira Carlos

    Dalcim, boa tarde! Você acredita que a CBT realize esse confontro no Rio?
    Aproveito para perguntar se tem algum challenger previsto para o Rio, como foi nos 2 últimos anos. Araços!

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que CBT tentará fazer o que a equipe pedir, mas de olho também em ajuda da prefeitura/governo locais. Não vejo Rio como a melhor alternativa nesses aspectos. Por enquanto, nenhum challenger previsto, Bruno. Abs!

  3. Luisinho

    Meu palpite para a temporada de saibro:

    Tanto Novak como Nadal vencerão um master cada, o outro título ficará em outra mão(não sei qual). Roland Garros será de Novak Djokovic, e pode representar o começo da decadência de Rafael. Para a torcida do Espanhol não ficar tão triste eu afirmo: Rafa vai vencer o atp-500 de Barcelona.

  4. Luis

    Dalcim lendo que Guga disse que Nadal nao e’ tao favorito em Rolang Garros nessa temporada,o que acha? e qual recorde de titulos em um mesmo grand slam e’ do Nadal? Federer tem 7 titulos em Wimbledon

  5. Luis

    Ola Dalcin!!. Como de praxe, parabens pelo trabalho!!!.
    Fica dificil imaginar que jogar no saibro prepara, de alguma forma, para a temporada de grama. Mas em 2013 eu fiquei com a sensacao que Federer sentiu muito a falta de ritmo e intensidade quando comecou a temporada de saibro. E convenhamos, nao da tempo de uma preparacao muito especifica para a grama. Minha impressao é que parte do fracasso de 2013 veio de uma temporada mal planejada com uma grande sucessão de erros, algo que o suico esta tentando corrigir. Acho que a decisao de jogar Monte Carlo pode passar pela intencão de manter a mesma intensidade dos outros tops. Também acho que pode servir de preparacão para o toneio de saibro no qual as chances de Federer são um pouco menos piores: Madri. Ano passado ele perdeu para um Nishikori que estava voando, com ele totalmente fora de ritmo.

  6. Sergio Ribeiro

    Titio Toni: Novak incomoda mais Rafa do que Federer. Somente agora descobristes amigo ? A bola alta no Back de Novak arruma o que? Fora do Saibro : 5 x. 6 ( SLANS ) , 8 x 13 ( MASTER 1000) , 0 x 3 ( FINAls) , 9 x 15 ( H2H). Pois e’ Tio Toni, agora quem sabe na Gira de Saibro.rsrsrs…Abs!

  7. Luciano Uberlândia

    Davis na grama seria uma boa mesmo… Podemos criar um abaixo-assinado.
    Quanto ao Federer em Mte Carlo, acho que ele quer somar uns pontinhos para se garantir entre os 4 em RG (lembrando que ele tem 600 pontos de uma final em Roma para defender e o 5o e 6o do ranking não estão tão longe)…

  8. Fernando Brack

    Como todo federista, gostei muito da decisão do Mestre jogar Monte Carlo. Acho esse torneio um dos mais, senão o mais, charmoso do circuito, e a classe e categoria de Federer tem tudo a ver com ele.
    Aprecio muito Monte Carlo desde os tempos de Borg, outro rei daquelas quadras.
    É surpreendente que Federer tenha abdicado de jogar lá tantas anos, pois o torneio tem como major sponsor uma grande marca da qual o suíço é um dos maiores garotos propaganda: sua conterrânea Rolex.
    E, apesar da falta de títulos, Federer joga muito bem em MC, tendo perdido várias finais para o maior vencedor do torneio, o quase imbatível monstro do piso lento.

    Sobre Brasil x Espanha, nada mais a acrescentar. Tudo já foi dito. O confronto só valerá pela potencial presença no Brasil de algumas estrelas do esporte. Meu palpite é que Nadal não vem.

  9. Sergio Ribeiro

    Curioso alguém admitir a hipótese de Rafa Nadal nao vir a Repescagem. Nem Federer fez isso quando a Suíça precisava. Moya além de ter sido seu Ídolo e’ um dos seus grandes amigos. A Imprensa acredita que com esse ambiente a Armada esta unida pelo Hexa. Meu Caro Dalcim, a versão de um Convite Formal ao Suíço e’ a que esta no Site oficial do Torneio, e nao ao contrario , qual a que esta valendo ? Esse Piso lentíssimo em nada agrada a Roger. Como defende pontos importantes em Madri e Roma, e pela rapidez de locomoção caso aconteça o Parto, gostaria se possível da sua opinião. Abs!

    1. José Nilton Dalcim

      Não vejo qual a diferença que isso faz, na prática. A lógica diz que Federer pediu o convite e Monte Carlo aceitou, claro. Talvez porque ele tenha revisto o caledário e percebido que poderá ter de saltar mesmo Madri e Roma. Abs!

  10. GeCesar

    Dalcim, o tema agora é a Davis, mas, se me permite…, como fica a disputa pelo topo do ranking até Wimbledon? E, emendando, em que posição se encontra o Nadal em números de semanas como primeiro do ranking?
    Abç.

    1. José Nilton Dalcim

      Não vejo muita chance e disputa até Wimbledon, mais provável no US Open. Quanto às semanas, veja em tenisbrasil.uol.com.br/ranking/

  11. Rogério Rangel

    Eu discordo da quadra rápida. Nadal deve chegar de uma final ou semi dUS Open, tal qual como Ferrer. Portanto na minha opinião, qto mais lento melhor. Que tal até um Har-tru? No Kirmayr, em Serra Negra, ou no clube 9 de Julho de indaiatuba, existem opções desta. Que tal?

  12. Marquinhos

    Muita calma com o Orlandinho. Criamos expectativas em cima de Nicolas Santos, Tiago Fernandes, Henrique Cunha………..e????????

    1. Renato Vieira

      De acordo.

      Ele joga bem, isso é inegável. Pelo menos pra idade dele. E ser vice-líder é algo realmente bacana. Mas tem que ver como ele se sai em torneios no exterior, onde o clima, quadra, torcida, nível, etc é totalmente diferente.

      Nada de ficar falando em promessa, ou futuro ou algo assim. Encher muito a bola é ruim pra todo mundo.

  13. edmundo j

    Outra coisa
    As brincadeiras entre federistas e nadalistas continuam e algumas bem engraçadas, mas o nível melhorou muito: é vc Dalcim que tá com tesoura mais afiada ou o pessoal tá mais consciente?
    Teus posts causam discussões bastante produtivas.

  14. edmundo j

    Jogo é jogo e tudo pode acontecer, mas convenhamos, ganhar da Espanha…
    Por isso acho que a escolha do local deve recair onde o duelo tenha maior visibilidade, apelo popular e comercial. O tênis precisa de empurrão, depois do desastre do Rio. E vai que a gente ganha a dupla e um tenista espanhol se machuca e fica pro quinto jogo? Isso poderia, se bem trabalhado, voltar a dar (alguma) visibilidade ao tênis. Manchete: Nadal e xxxx decidem no quinto jogo a vaga no grupo mundial! E quem sabe, até lá o Luz possa jogar.
    abs
    edmundo

    1. Renato Vieira

      Não força né cara.

      Concordo que o que precisa ser extraído obrigatoriamente desse confronto é o aspecto financeiro e a visibilidade. Especialmente por que o tênis é conhecido por ser aquele esporte quieto, distante do normal brasileiro. E a Davis poderia dar uma mudada nesse olhar.

      O Orlandinho joga bem, só que não tem nem metade das pernas e mental que precisa pra enfrentar qualquer um do top 200 da ATP.

  15. Marquinhos

    Sensacional a ideia de jogar na grama contra os Espanhóis! Se analisarmos os vexames que Nadal protagonizou na gramas nos últimos 2 anos, chegaremos a conclusão que é muito possível a vitória do Brasil, além do que, a Espanha não tem nenhum grande jogador na grama. Jogar no saibro é dar banana para macaco.
    Dalcim, você escreveu que o Brasil não tem uma estrutura com quadra de grama, mas não dá para montar uma quadras desse tipo em Floripa ou no Rio? Não há tempo? Tenho certeza que em um país Europeu seria possível.

      1. Luiz Fabriciano

        Caro Dalcim, ia fazer essa mesma pergunta que o Marquinhos fez. De acordo com sua resposta quanto a preparação que Wimbledon faz, não precisaríamos tanto porque diferente do torneio londrino, bastaria quadras para apenas 5 jogos, certo?

        1. José Nilton Dalcim

          Uma quadra para aguentar cinco jogos, talvez todos em cinco sets. Você não acha que teria de ser uma quadra muito bem preparada para tanto? Abs!

          1. Luiz Fabriciano

            Oh Dalcim, eu disse quadras para cinco jogos. Diferente do complexo tenístico de Wimbledon, mas não apenas uma.

      2. Jônatas

        E aquela exibição do Federer x Nadal numa quadra meio grama meio saibro? Talvez dê para fazer mas o problema é termos poucos dias para decidir qual piso jogar. Se for radicalizar assim teria que falar com “um milhão” de gente para saber se é possível.

    1. Renato Vieira

      Os ingleses cuidam daquela grama de WB como se fosse um bebê na UTI. Só falta um terapeuta pra grama. É surreal. Mas não é à toa que é o maior e melhor torneio de tênis do planeta. Seria possível fazer isso aqui sim. Mas teriam que plantar a grama nesse fim de semana e ficar cuidando até lá.

      Novamente, Verdasco joga bem na grama.

  16. MAURICIO ANDRADE WEISS

    A opção é simples, Ibirapuera com saibro bem rápido. Jogo do Bellucci no último horário. Ele inspirado e com bastante adaptação é o melhor que temos.

  17. LEO

    TORNEIO DIFICIL ESSE DE MONTE CARLO PARA O FEDERER. COM TODA A SINCERIDADE PARA O ROGER TER ALGUMA CHANCE DE GANHAR ELE VAI TER QUE PASSAR BEM LONGE DO DJOKOVIC E DO NADAL,OU SEJA TORCER PARA QUE ALGUM OUTRO FELIZARDO FAÇA O CRIME PARA ELE.
    EMBORA,AS CHANCES DO DJOKO E DO NADAL CAIREM ANTES DAS FASES DECISIVAS É QUASE 0%.OU SEJA SE ELE FOR ATÉ A SEMIFINAL E SAIR COMO NUMERO 3 DO MUNDO,JÁ POSSO FICAR FELIZ.

  18. Denis

    sensacional!!! parece que muita gente teve a ideia de jogar na grama…kkkk
    eu acho a idéia meio maluca pela caracteristica do jogo brasileiro, mas não consigo imaginar um piso que atrapalhe mais os espanhóis. E como as chances são remotissimas de vitoria, por que não?

  19. Renato

    A verdade é com piso de saibro ou sintético a Espanha vai ganhar do Brasil. A diferença dos jogadores é enorme. O Brasil pode ganhar nas duplas, mas não seria o suficiente pra uma equipe que tem Nadal, Ferrer, Feliciano Lopez, G. Garcia, Roberto Bautista (até esse está melhor que o Belluci atualmente). Ou seja, a Espanha pode vir até sem Nadal q vai ganhar do mesmo jeito.

  20. Wilson

    Vamos ser honestos, a chance do Brasil ganhar da Espanha é 0, inclusive, se o Nadal não vier ao Brasil, aliás, provavelmente o único ponto brasileiro virá da dupla Melo-Soares, sendo que, no caso do Brasil conseguir um segundo ponto, ele provavelmente virá de 5º jogo que~já não valerá mais nada. Ademais, vou além, é bem capaz do Bellucci estar perdendo o primeiro jogo e abandonar por lesão, algo que ele já fez umas 1000 vezes no circuito, que venha 2015 e que nós tenhamos mais sorte no sorteio.

  21. Guto Fiães

    Dalcim, e um extremo? Tipo assim: partindo do princípio de que vamos perder mesmo e pronto, que tal uma graminha? Só pra dar uma, (se vc permite a palavra), “sacaneada” na espanholada, que tal uma graminha? Te explico: Nenhum deles, senão o Nadal, joga na grama. Nós temos a dupla, que joga na grama e inclusive com bons resultados; Belucci? Se estiver no dia, acho que na grama ele terá as mesmas dificuldades de Almagro/Robredo/qualquer espanhol menos o Nadal; se o Rafa teria dificuldades para se readaptar ao saibro, voltando do US Open, como vc disse bem disse, imagina para se acostumar na grama!!! E nós teríamos tempo de adaptação, pq nem Thomaz e nem Rogerinho/Feijão vão longe no US Open!!! Acho assim, se já está perdido mesmo, pq não chutar o pau da barraca e atirar no papagaio? Vai que acerta o periquito, né?
    Mesmo que vc já tenha dado sua opinião, se incomoda de comentar meu post?

    1. José Nilton Dalcim

      Não acho totalmente maluca a ideia, mas falta um lugar apropriado para o evento. Acho que Bellucci teria de ser ouvido quanto a isso. Os duplistas certamente não se incomodariam.

      1. Rafael Wuthrich

        Achei a idéia do saibro azul que rolou da @Lhys no twitter sensacional. Só o Federer sabia jogar naquele sabão em pó…

        1. Denis

          Hahahaha……saibro azul seria demais!!

          Mas esse aí deve estar na lista de pisos que a ITF não permite

          1. Rafael Wuthrich

            E aí Dalcim? Com esse piso daria até pra derrotar no Nadal…A gente nem precisa de muito investimento. Compra umas 1000 caixas de Omo e despeja no piso do Ibirapuera…

      2. GutoFiães

        Dalcim, manda colocar uma arquibancada na quadra do Thomas Koch!!! kkkk…ou no Portobelo resort em Angra…sei lá…faz em Wibledon!!! kkkk…se for pra ter chances, eu topo ir torcer em Londres!!! Vlw!!!

      3. Valdir

        Ferrer tem 2 ou 3 títulos na grama (S’Hergotenboch), Feliciano Lopez já fez quarta rodada em Wimbleon umas 5x.
        Fora os dois títulos do Nadal né? Lembrando que fora a dupla, nenhum dos brasileiros joga bem na grama.

    2. Fabio

      Fala, Guto!

      Rapaz, eu pensei a mesma coisa. E quer saber? Ainda colocaria o Bruno ou o Marcelo nas simples. Falaria assim: Amigão, saca e vai pra rede volear! hahaha

      Abraços.

      1. GutoFiães

        Cara…eu consultaria o Belucci, e, em ele topando, colocava ele pra jogar toda a temporada de grama e tal…e jogava com Belucci e Marcelo Mello nas simples e Bruno e Marcelo/André Sá/Demoliner nas duplas…quem sabe o Sá nas simples…o cara sabe jogar na grama, lembra? Sei lá…parace coisa de professor pardal, mas bicho…já tá perdido mesmo!!!

    3. Cleber

      Cheguei atrasado na conversa e estou rindo muito. Que figura. O senso de humor da turma está ótimo mesmo. Gostei dessa coisa de já perdemos então vamos nos divertir.

  22. Denis

    Dalcim, alguma vez na historia o Brasil escolheu um piso que não o saibro para mandar suas partidas?
    Você acha absurda essa idéia que estão dando de escolher a grama para surpreender os espanhóis?? rs
    se parar para pensar, o Nadal deve chegar pelo menos até a quinta feira da segunda semana de USopen, e o ferrer deve fazer pelo menos uma quarta de final também. Dificultando muito a adaptação a quadra por parte da equipe espanhola.

    1. José Nilton Dalcim

      Infelizmente, não temos um grande local para optar pela grama. E sim, Brasil já jogou no tapete coberto (Brasília), sintético descoberto (São Paulo) e até tapete descoberto (São Paulo, que depois foi proibido pela ITF).

      1. Mc n Roll

        Sera que um piso super-rapido sintetico indoor nao era uma opcao? O Belucci nao voleia mas saca bem. E eh com certeza o piso que o Nadal mais odeia pelos seus joelhos. Ainda mais depois do USOPEN. o Nadal eh bicampeao de Wimbledon….

  23. Edgard Upinho

    Boa tarde, caro Dalcim. Depois dos últimos jogos entre Novak Djokovic e Rafael Nadal o que você espera dos prováveis confrontos entre eles no saibro? Não sei se é prematuro afirmar, mas me parece o mesmo cenário de final de 2010 quando Djokovic após perder o US open contra o tenista espanhol, encaixou 6 títulos em 6 finais consecutivas. Suponho que teria inclusive vencido em RG se Federer não o tivesse impedido nas semifinais. Naquele ano de 2011 ele não perdeu sets contra Nadal nos torneios no saibro em que se enfrentaram, a exemplo do que aconteceu em monte carlo 2013. Eu espero o sérvio ainda mais dominante a partir dos próximos meses. Creio que Nadal ainda não encontrou sua melhor forma física e técnica depois da lesão nas costas e vive um momento de irregularidade, embora seja extremamente pouco aconselhável descarta-lo por completo como um dos favoritos para a conquista dos próximos torneios. Abraço e parabéns pelo blog.

    1. José Nilton Dalcim

      Difícil prever, Edgard. Acho que a pressão maior sempre estará com Nadal, porque obviamente é o favorito em todos os torneios que disputar. Isso ajuda Nole. No fundo, espero que surjam mais alguns nomes (será pauta do meu próximo post). Abs!

  24. Daniela

    Olá Dalcim. Porque o Masters de Monte Carlo não é obrigatório para os tenistas como os outros Masters. Desde quando ele deixou de ser obrigatório?

    1. José Nilton Dalcim

      Há três anos, quando houve a mudança nos Masters e Madri substituiu Hamburgo. A ATP queria rebaixar Monte Carlo e deixar apenas oito Masters, mas os tenistas reagiram e não aceitaram. Então o torneio manteve o status e pontuação de Masters, mas pode ser descartado da pontuação do tenista participante. Abs!

  25. Eddy Beutter

    Querido Sr. Dalcim, Não foi Roger que solicitou o convite, mas Monte Carlo fiz isso, idem ao ano passado, ondé ele não aproveito

      1. Rafael Wuthrich

        Dalcim, por que será que ele optou em jogar? Será que está com tanta fome assim de jogar bem Roland Garros? Todo mundo sabe que o homem a ser batido é Nadal e, hoje, Djokovic pode ser até considerado mais favorito pela pressão que não tem e as vitórias que possui sobre o espanhol. Ir lá para simplesmente perder? Não entendo.

        1. José Nilton Dalcim

          Talvez ele se sinta em ótima forma e tenha imaginado que será uma das suas últimas chances de jogar bem em Monte Carlo.

        1. Eddy Beutter

          Akias, aqui a noticio official do jorrnal “Lequipe” * Le Bâlois, qui n’avait pas inscrit ce tournoi à son programme, a accepté une invitation des organisateurs*

  26. Verdades que doem

    1- Torcida para o Brasil na Copa Davis não vai faltar. Nadal sofre uma grande rejeição no Brasil. Quem não se lembra de 80% do estádio torcendo para Pablo Andujar no Rio Open?
    2- Bellucci pode bater Ferrer e talvez Nadal. A dupla Brasileira pode vencer. E Rogérinho pode SIM vencer Rafael. Quem não se lembra da surra que o Espanhol levou do limitado Zeballos no Chile?
    3- A torcidinha de Rafael está crescendo. Já podem trocar o fusquinha por uma Kombi.
    4- É provável que Nadal leve outra surra de Novak em Monte Carlo. Sua torcidinha vai pirar.
    5- Nadal vai fazer história. Provavelmente será o único tenista a levar tantas surras seguidas de um mesmo jogador em finais de Slam e Masters.
    6- Os patrocinadores do Master de Monte Carlos devem estar felizes da vida. Com Roger em quadra a presença do público, retorno financeiro e recordes de audiência estão garantidos.
    7- Monte Carlo, com seu saibro lento, é o Master que mais “nivela por baixo”. Não é a toa que Nadal, um tenista reconhecidamente limitado, venceu lá tantas vezes.

      1. Luciane

        Nadal é simplesmente o numero UM do tênis mundial….e vc o chama de limitado??? Você é número 1 de alguma cosa??

        1. Cleber

          Vamos combinar que essa palavra ‘Recalque’ é chatíssima e é muito citada por uma ‘pensadora contemporânea’ do RJ.

    1. GutoFiães

      Amigo, se o Rogerinho ganhar do Nadal, ou mesmo o Belucci, jogando no saibro…na moral…pode me cobrar uma saída na rua vestido de Sharapova…meu email pra vc me cobrar: augusto.fiaes@hotmail.com. Vou melhorar a promessa: tenho que fotografar e colocar no facebook…agora, essa vitória tem que ser no saibro e na Davis neste confronto…e vitória por lesão/desistência não vale…Abs.

  27. Thomaz

    Prezado Dalcim,

    A Austrália vai jogar com o Uzbequistão, não o Cazaquistão. Em relação ao Brasil vs. Espanha, creio que a melhor opção seria o saibro indoor de São Paulo. Venceríamos nas duplas e o Bellucci poderia vencer o Ferrer ou Almagro, perderíamos por 3×2 na melhor das hipóteses ou de 4×1 na pior delas.

    1. Rafael Wuthrich

      Dá pra ganhar. O ponto das duplas é essencial então o foco é “matar” o número 2 deles; esqueçam Nadal. Colocaria na grama, ponto fraco de Ferrer e da duplas deles. Entregaria 2 pontos a Nadal e focaria vencer os confrontos contra Ferrer.

  28. marcio

    Discordo do piso…..se só temos chances nas duplas(rogerinho e Belucci fora de questão
    pois, é 110% de chances de perderem de qquer espanhol)…e eles preferem mais a quadra rápida que se de a quadra rápida…dar preferencia pro Belucci é jogar fora o 1% de chances que teremos contra eles fora……Abraços.

  29. Marcelo Baptista

    Dalcin podem inventar um piso novo e a Espanha vir com o 4° time que mesmo assim nos ganham.Grande abraço.

  30. jorge luiz

    Os tenistas brasileiros masculinos ultimamente nos torneios challengers com raras excessoes deFeijao,Rogerinho e mais raríssimas ainda do Clezar,só ganham confrontos contra os compatriotas,seja em torneios no Brasil ou fora,concordam comigo que é de uma ruindade assustadora essa geraçao apartir dos 19 anos dos nossos tenistas,eles perdem para qualquer estrangeiros que jogam,independente de seus ranvkings.

      1. Bruno Guedes

        Dalcim. eu vi uma reportagem aqui no site de uma cara em SP no interior que tb tem..e aluga…
        E tipo um pousada…
        Da uma vasculhada ai..que tem essa repotagem…
        Nao tenho certeza se foi mesmo aqui…mas vou procurar…

        1. José Nilton Dalcim

          Fui eu quem fez a reportagem, Bruno… rsrs… Mas nenhuma chance de fazer um evento desse porte.

  31. Mário Sérgio

    Dalcin, entre o piso que mais atrapalha seu adversário, ou aquele melhor para o nosso time, eu escolheria a segunda opção, pois os jogos tendem ser melhores. E de qualquer forma não acredito que passaremos pela Espanha. Então, o melhor espetáculo possível, casa cheia, se possível com 10.000. Só isso já seria um bom resultado.

  32. Arthur

    Dalcin, quando eu vi o sorteio, pensei também que saibro com altitude seria a melhor opção. Eu pensei em Campos do Jordão (1600m). A cidade tem como sediar um evento desse porte?

    Lembrando que dos 3 títulos de ATP do Belucci, 2 foram em Gstaad (cerca de 1100m).

  33. Marquinhos

    Com Roger, o patinho feio dos masters 1000(Monte Carlo) voltará a ser um masters 1000. Não que o Suiço tenha chances, mas com suas jogadas geniais(o único capaz) vai abrilhantar e muito o torneio.
    Sobre o jogo Brasil x Espanha pela Davis, vale muito mais do que uma passagem pela repescagem, pois, se Clezar for escalado e vencer Rafael Nadal ele poderá entrar para história como um dos maiores jogadores de todos os tempos, pois terá H2H positivo contra o baloeiro. É lógico que eu estou seguindo o raciocínio de um Nadalzete alienado.

    1. Renato Vieira

      Verdade!

      Igual o Jaime Oncins é um dos maiores de todos os tempos. Ele ganhou todos os jogos que fez contra o Ivan Lendl.

  34. Ricardo - São Paulo

    Que venha pra Sampa! E nada me deixou mais feliz que saber que o Roger estará em ação no principado de Mônaco. Abraços

  35. Armando Jr

    Dalcim bom dia! Sou leitor assíduo deste espaço, na minha opinião o mais completo e atualizado no assunto. Estou comentando pela primeira vez, mas já acompanho há um bom tempo. Uma dúvida: em sua opinião, a grama para o Brasil diante da Espanha seria uma opção totalmente descartada? Não seria um piso que atrapalharia os espanhóis caso Nadal não viesse ao Brasil? Sei que nossos tenistas não tem nenhum resultado significativo na grama, mas também não lembro dos demais espanhóis sendo regulares nesse piso…a chance de conseguirmos uma zebra não seria maior? Abraço!

    1. José Nilton Dalcim

      Não acredito que alguém, à exceção do Melo, goste da grama… rsrs… Acho que seria algo radical demais, sem falar que não temos um local com grama apropriado. O Hotel do Frade não teria estrutura para montar algo grande, embora o deslocamento até lá certamente diminuiria muito o público natural. Claro que é uma hipótese a considerar, mas não acredito nela.

  36. Renato Vieira

    Grande notícia essa do Federer jogar MC. Acredito que, como não houve problemas de fuso horário, ele pode ser adaptar mais rapidamente ao saibro. E convenhamos que ele não é qualquer jogador. Como ele mesmo disse, seu tênis começou no saibro. Só imagino que ele tenha que adaptar a raquete e a batida para jogar na terra. Na real, eu acho que ele está apenas buscando mais pontos para chegar em terceiro lugar logo. No mais no menos, qualquer 4as de final que ele chegar, já é um puta treino para os M1000 Madrid e Roma (onde ele defenderá a duras custas 600 pontos) ou pelo menos pra RG, onde ele não defende nada e pode dar um belo salto.

    Quanto a Davis, eu acho que, com ou sem Nadal, o Brasil tem pouquíssimas chances. O que temos, sim, é uma chance grande de ver bons jogos, já que a torcida, o espírito de festa e jogos mais longos, promovem um bom espetáculo. Além de poder ver Bruno e Marcelo jogando juntos. Bellucci inspirado pode ganhar de qualquer um (que não seja Nadal), mas mesmo que não ganhe, promove um bom jogo. Ele contra Robredo seria legal de ver. Concordo que a escolha do saibro mais rápido seria a melhor opção.

  37. Mauricio

    Não me leve a mal, mas os últimos resultados dos brasileiros são muito ruim. É mais fácil chover canivete do que a Armada Espanhola perder do brasil, em qualquer universo. E não leve a mal, quem de passado vive é museu, ainda mais no tênis que você precisa estar 110% pra pensar em jogar contra Nadal e Cia.
    abraços

  38. Leo

    Creio que o Nadal e o Nole não joguem essa rodada da Davis. Quando se é número 1 ou luta para ser, a Davis fica em quinto/sexto plano ao menos. A não ser que eles caiam cedo no Us Open.
    #Acho que o Brasil deveria entrar em contato com o pessoal do Tiriac e implantar o saibro azul aqui. kkkkk

    1. Rafael Wuthrich

      Pra salvar seus países do rebaixamento certamente jogarão, salvo lesão ou desgaste iminente – principalmente Nole.

  39. Henrique Ribeiro

    A triste realidade é que podemos jogar até na lua que não farà diferença, perderemos por 4×1 na melhor das hipóteses.

  40. Thiago Walter

    Em condições normais, é missão impossível para a equipe brasileira !!! Em qualquer piso e altitude ! Me lembro do Ricardo Mello na Rússia, ele que dizia que o hard era seu piso preferido, não deu nem canseira no Youzhny. Ainda conseguiu tirar um set do Tursunov, mas jamais esteve perto de vencer o jogo decisivo. Thiago Alves jogou mais do que eu esperava no confronto contra o EUA, mas não sei se foi por mérito ou porque Querrey estava numa draga (ainda está !!). Bellucci, em 5 sets, bateu Isner no piso duro. Mais difícil bater Isner no piso duro do que Almagro, Robredo, Lopez ou até mesmo Ferrer. Se o Brasil tivesse um “”jogador limitado”” como Nishikori, daria para tentar algo no piso duro, desde, é claro, que Nadal não viesse. Porque se vier, só SUPER DJOKO para dar conta….

  41. Thiago Franchi

    Zé, você acha que tem alguma chance de repeteco da tática utilizada contra a Áustria em… 96(?). Que tal um carpete coberto? Carpete tipo aqueles dos anos 90? Quase uma quadra de gelo. Teria que ser algo do gênero Bellucci e Feijão, “fecha os olhos e enfia a mão”, e torcer pra Espanha não escalar um Feli Lopez inspirado.

    1. José Nilton Dalcim

      A ITF proibe se utilizar na Davis pisos que não sejam habituais no circuito. A ideia do carpete é radical e não me agrada. Bellucci sofreu para se adaptar no Challenger Finals do Ibirapuera.

  42. joao sawao ando

    saibro tudo bem, mas o belucci vai jogar? o outro de simples tanto faz, dessa o brasil não passa pois so tem as duplas.

      1. joao sawao ando

        porque bom ele não jogou oultimo confronto,devido a perda de reposição hídrica(desidratação),então o nosso amigo beluci ,tem que tomar mais agua e Gatorade…..

  43. Rubens Leme

    Embora sua explicação seja perfeita, sem precisar de adendos, a verdade é que tanto faz o piso. Contra a Espanha até o famoso “ponto certo de duplas” está ameaçado.

    Se apanharmos de 5×0 (ou 3×0 mesmo) não será surpresa alguma.

  44. ISAQUE

    Na boa,as chances do Brasil contra a Espanha são remotas,eu mesmo disse que no sorteio seria legal pegar a Espanha,mais para poder ver o jogadores espanhóis em ação do que por se tratar de um bom adversário para se vencer.
    Em relação ao piso a ser escolhido,escolheria a grama,pois nem os brasileiros nem os espanhóis sabem jogar lá,portanto o Brasil estaria dificultando para os espanhóis,seria um estratégia ousada,pois Nadal já perdeu na grama para jogadores como:Mahut,Giles Muller,Feliciano Lopes,Kohlschreiber,Rosol,Steve Darcis,ou seja,perdeu para jogadores com pouca expressão no cenário do tenis,jogadores que estavam na época com ranking apenas razoável, e o Ferrer não tem nem o que falar,não sabe nem andar na grama,talvez fosse até substituido pelo Lopes.Então o Bellucci em um dia bom no saque e com a cabeça no lugar, poderia sim ganhar dos espanhóis nessa quadra,e com a nossa bela dupla,acho que teriamos alguma chance,pequena,mais teria,no saibro entendo que será muito difícil.

  45. Fernando Rodrigues

    A unica chance que teriamos é montar arquibancada em alguma quadra de grama e ver o que acontece.

    mas acho que vão de ibirapuera mesmo e 4/1 pra espanha.

    e 2015 tem o risco de encontrar colombia ou argentina pelo Zonal.

    que venha 2016 e que o Orlandinho já esteja entre os “profissas” jogando em alto nível para nos dar um alento.

  46. GK

    Acho que você está equivocado Dalcim. Apesar do Bellucci ser capaz de jogar muito bem no saibro contra qualquer um não acho muito inteligente enfrentar os 15 anos de invencibilidade da Espanha na Copa Davis em confrontos disputados no saibro. Como a 2ª raquete do Brasil não vai ter a menor chance de pontos (a menos que o adversário se machuque) a aposta é total em 2 vitórias de Bellucci e o ponto nas duplas. Eu escolheria hard coberta, como superfície, já que é o piso em que o Nadal menos teve sucesso historicamente. O Bellucci já fez grandes jogos nessa superfície, como no duelo contra os russos na Rússia, além de ter final de ATP em São Petersburgo e Semi em Estocolmo. Além disso o brasileiro tem um grande saque e pode ser bem difícil de ser quebrado em uma quadra rápida se estiver jogando bem. Bruno Soares já manifestou o mesmo pensamento em entrevista no sportv hoje falando que “saibro nem pensar”. Fica aí minha opinião. Abs.

  47. carlos henrique

    Dalicm, acho que o Nole vai jogar, pois a punição do Troicki termina no meio do ano. Depender do Lajovic seria tenso, ainda mais na grama, e as chances de ocorrer igual a final contra os tchecos ano passado seriam enormes. E o Tipsarevic? Tem previsão de retorno? Com ele e Troicki em forma, mesmo na grama,Novak poderia se dar ao luxo de não ir. Salvo engano, o indiano mais bem ranqueado é Devvarman que figura próximo ao top 100.

  48. Jônatas

    A escolha do saibro rápido seria SP então? Uma coisa, o Nadal disse em 2013 que o saibro estava mais rápido que quadra dura, se isso pode ocorrer qual seria a “diferença” real para uma quadra dura além da velocidade?

    Sobre a participação do Federer em Monte Carlo: o que se comenta é que provavelmente o(s) nascimento(s) do(s)(a)(as) filho(s)(a)(as) do Federer vai acontecer quando estiver na semana de Roma ou Madrid então provavelmente ele não irá. Desculpe, pelos inúmeros parênteses é que não sei se são gêmeos novamente rs.

    1. José Nilton Dalcim

      São Paulo é uma das opções, com certeza. Talvez a melhor, porque poderemos ter um público para 10 mil pessoas se Nadal vier mesmo.

          1. Luciane

            Olá,Dalcim! Obrigada por me responder!!
            O master de Monte Carlo começará agora domingo,com a época dos saibros! Meus preferidos são Roger,Nadal e Djokovic! Quem vc acha que leva o troféu dessa vez?rs….

    2. Rodrigo Campos

      Com certeza é isso, ele pediu pra jogar MC por sabe que não vai pra Madrid ou Roma por causa do parto da esposa

Comentários fechados.