Duplo top 100
Por José Nilton Dalcim
25 de fevereiro de 2014 às 23:59

A série de torneios de primeira linha, masculinos e femininos, que o Brasil sediou nos últimos dias não serviu apenas para mostrar ao público alguns grandes nomes do circuito internacional. Ajudam sobremaneira os tenistas da casa a buscar seu espaço, aparecer para a mídia, criar empatia com a torcida.

Teliana Pereira e Thomaz Bellucci tinham um peso indisfarçável sobre os ombros e foram muito bem no Rio, dentro do que poderiam fazer. Teliana mostrou que não deve nada a qualquer top 80, Bellucci poderia até ter derrubado o quarto do mundo. O melhor de tudo, no entanto, foi que esse esforço valeu reconhecimento. Sairam aplaudidos e elogiados.

Mas Teliana deixou o top 100, Bellucci ficou ainda oito postos distantes. Vieram as chaves de Florianópolis e São Paulo com dificuldades à frente. Venceram e estão na segunda rodada, colocando um pé na faixa dos top 100, o que estará garantido caso atinjam as quartas de final.

Por que afinal essa subida no ranking é tão aguardada? Porque é o passo fundamental para quem quer estar em Roland Garros – e muito provavelmente em Wimbledon – deste ano. A lista de corte sai dia 14 de abril e não haverá muitas outras chances de os dois somarem pontos até lá, já que será período dos fortes Indian Wells e Miami. Ficar entre os 100 se torna passaporte garantido para os Grand Slam europeus.

Na carona, João Souza e Rogério Silva anotaram grandes vitórias no Ibirapuera. Feijão começou o ano vencendo no Villa-Lobos, mas parou por aí. Rogerinho amargou longa parada por tendinite no joelho e disputa sua primeira chave principal. Ganharam de dois jogadores de bom currículo e têm chance de fazer mais no saibro paulistano. É difícil, mas não impossível se aproximar da linha de corte para Paris.

Estrutura – Por enquanto, o Brasil Open ainda não empolgou o público, estimado em 2.500 pessoas no jogo de Bellucci. Nos demais, foi bem fraco na segunda e na terça. É cedo para avaliar se o problema está na falta de nomes de maior peso, na loucura do deslocamento precário da cidade ou no resquício da desorganização do ano passado.

A rodada desta quarta, com Tommy Haas, Nicolas Almagro e Bruno Soares, será um indicativo melhor. Se os brasileiros continuarem avançando, me parece certo que a torcida aumentará e poderá checar se as mudanças feitas pela promotora Koch Tavares – leve climatização do ginásio, ingressos numerados e mais lanchonetes – foram suficientes.

Boas brigas – Por falar em ranking, rápidas observações. A mais curiosa delas é que Bellucci precisa ganhar do austríaco Andreas Haider-Maurer para retornar ao top 100, porque curiosamente o adversário o ultrapassará por meia dúzia de pontos se vencer e for às quartas. É um luta direta, coisa rara de se ver nesse parte do ranking.

Já no forte ATP 500 de Acapulco, recheado de atrações, o espanhol David Ferrer joga pelo título e pelo número 3 do ranking. Se for campeão, ultrapassará Stanislas Wawrinka por meros 10 pontos.

O cabeça Andy Murray também tenta reagir. A semi já vale o sexto posto, já que Juan Martin del Potro abandonou Dubai, mas pode até virar quinto lugar, caso Tomas Berdych caia logo em Dubai. Ao mesmo tempo, Kevin Anderson, Grigor Dimitrov, Ernests Gulbis e Gilles Simon brigam por lugar no top 20.

A mudança para o piso sintético fez bem demais ao belo torneio mexicano.


Comentários
  1. Maurício Luís

    Xiiiiiiii…. aos poucos, o Djoko tá vendo a vaca caminhar acelerado pro brejo em matéria de pontos no ranking. Começou o ano com o pé esquerdo: perdeu o título do Australian Open, e agora Dubai. Sorte do Federer.
    Agora o sérvio vai precisar de binóculo pra enxergar o ogro espanhol. Tá mais pra perder o número 2 do que pra voltar a ser o primeirão.
    Falando no espanhol, com aquela cara de lobo mau, ficaria perfeito num terno modelito década de 30, uma metralhadora dentro duma capa de violino, estrelando um filme do Al Capone.
    Ficaria bem também de mordomo Tropeço, da família Adams.
    TELIANA, faço questão de escrever seu nome em maiúsculas. Você pode não ser uma celebridade como a Serena, mas é nossa heroína. Das suas origens até hoje, você é o exemplo de superação que todo brasileiro sente na pele na hora de “ralar” no trabalho. Que Deus a ajude, porque patrocínio no Brasil é coisa pra poucos.

  2. Erick Fioretti

    Dalcim, estou postando aqui porque você ainda não escreveu sobre o ATP 500 de Dubai. Lembra que após os 3 x 0 Nadal sobre o Federer na Semi do AO do mês passado eu havia sugerido o Vajda como técnico para o suíço?

    Pois é. Seria injusto “demitir” o Edberg agora, uma vez que é notória a evolução do Mestre desde a primeira aparição sob a orientação do sueco (tem batido mais e melhor o backhand). Mas que esse ano ele vai ter que dar uma ligadinha para o Vajda, ah, isso ele vai ter que fazer.

    Dos ‘Big 4’, em dois meses ele bateu 2 de forma categória (Murray e Djoko), mas perdeu para sua maior pedra no sapato. Hoje, seu jogo esteve impecável, mesmo no primeiro set, onde o que fez a diferença foi a conversão do único break a favor do sérvio, contra um break desperdiçado pelo Mestre. O ponto do 5 x 3 e saque para o Djoko, na vantagem a favor do sérvio, o Federer joga de maneira espetacular, como nos áureos tempos…

    Este ano, a continuar assim, com essa regularidade, eu acredito muito em pelo menos 1 GS. O que você acha, Dalcim? Seria uma má ideia o contato com Vajda? Concorda com a projeção de um título de Slam? Forte abraço.

    1. José Nilton Dalcim

      Claro que seria um grande treinador, mas talvez náo se encaixe na proposta mais agressiva de Federer. Título de Slam é algo muito difícil, mas sempre achei que Wimbledon é onde Federer tem maior chance.

  3. Theagottt

    Boa tarde Dalcim, acompanho o tenis desde 2009, gostaria de saber se voce já viu algum jogador com um bate pronto melhor do que o federer? um bom exemplo disso foi jogo de hoje contra o djokovic.

  4. Luis

    Dalcim o que achou da vitoria do Federer contra Djokovic,parece que o Federer ta voltando ser favorito nos Masters e slams ?

  5. Marcos Castillo

    Boa tarde,Dalcim. No post anterior vc comentou sobre a eficiência do Djokovic após vencer o primeiro set. Hoje o Federer, pela primeira vez,conseguiu virar um jogo pra cima dele. Vc acha q isso pode ser um sinal de nova postura do Federer diante dos tops? Normalmente ele desanimava e ficava com aquela postura de quem queria ir pra casa quando saía em desvantagem após perder o primeiro set.

  6. luigi

    Oi Dalcim,
    Federer acabou de ganhar do Djokovic. Parece que essa temporada promete ser muito mais interessante do que as outras em que só um jogador dominava ou dois jogadores se alternam na dominância… esse ano tem o Nadal, Djokovic, Federer, Wawrinka e estou cada vez mais achando o Berdich melhor (não acho que ele tenha jogo de #1, mas acho que pode atrapalhar bastante, assim como o Murray). Fora isso tem muito top 20 babando para entrar no top 10. Pena só o Del Potro…
    Você concorda, ou acha que um deles deve dominar de novo?

  7. Luiz Fernando

    No duelo dos numero 2, deu o da Suiça. Que fase hein seu Djocko, perder até do aposentado!!!!!!!!! E me lembro q algumas sumidades aqui do blog previam q ele tomaria o numero um de volta ainda na temporada de saibro. Alias, Nole esta assumindo uma das características até entao exclusivas do aposentado, a de cair nas quartinhas. Como eu disse, nos torneiozinhos menores com jogos de 3 sets o suiço ainda pode aprontar alguma surpresa…

  8. Renato Vieira

    Federer vira sobre Djoko! Pela descrição do jogo, foi sensacional!

    Se alguém aí viu, por favor comente.

    Federer tem azar com Berdych, mas não dessa vez! Federer campeão!

  9. Isabel

    Olha que eu tava sem esperanças nesse jogo do Federer. Acho que o Nole deu uns moles na verdade. Ele ta pensando só em RG, só pode. Mas ok, deu Roger! Pena que o Berdych ta batendo forte na bola como sempre e bem tambem. Esse vitória já é um alivio. Em Paris e Londres foi meio amargo.

  10. Sergio Ribeiro

    Como prevíamos Berdych esperaria o vencedor de Novak e Federer na Final. Os Suíços comprovaram o quão precipitados foram alguns Especialiastas. Afirmavam que Rafa e Novak so perderiam jogando a meia boca. O mais velho 6 anos, deu uma aula em Novak em vários fundamentos. WAWRINKA fez o mesmo com Rafa Nadal. Adolecentes o chamarem de Aposentado e’ normal, pouco entendem do Esporte. Sao apenas Fanáticos pelo homem que apreciam. Roger Federer fisicamente em acensão, mostrou porque venceu tudo e mais alguma coisa. O Craque INFELIZMENTE esta caminhando para 33. Mas Stan ainda tem muito Tenis clássico( nao somente plástico) para mostrar. Abs!

  11. Marquinhos

    Apesar da derrota para Rafael, Roger atropelou Murray, Tsonga e venceu de forma convincente Novak. A confiança do Suiço está voltando e ele merece respeito dos adversários.
    O Sérvio fanfarrão disse que para Federer vencer não dependia mais só dele, dependia mais dos outros. Novak deveria ficar pianinho depois da surra e aula que tomou hoje de Roger.
    Dalcim, um evolução no jogo de Roger me chamou a atenção: A devolução. Concorda? Acredito que a nova raquete tem ajudado.
    Sr Geraldo, você disse que Roger dificilmente venceria jogadores do nível de Novak, Tsonga e Murray.
    E agora?

  12. Renato Vieira

    Dalcim, achei muito polêmica a arbitragem no jogo do Bellucci ontem, e acho que o austríaco tinha razão nas suas reclamações. Teve umas 3 bolas bem duvidosas e todas foram dadas em favor do Bello. Que aliás jogou muito bem no primeiro set e depois voltou a ser Bellucci, encurtando o braço e errando bolas fáceis, além de ficar com cara de impaciente por um bom tempo. Poderia ter ganho no 2º set já, mas bobeou.

    1. José Nilton Dalcim

      A única coisa que achei que o árbitro falhou foi dar uma advertência mais rígida ao austriaco, que exagerou em sua conduta. No mais, não dá para ter polêmica: saibro deixa marca no piso, quase impossível contestar isso.

      1. Renato Vieira

        Entendo, mas teve uma marca em uma bola na linha direita (do Bello) que parecia ter tocado a linha, e mesmo a marca (vendo pela TV) da bola não parecia estar completa no saibro, ficando um pouco na linha, indicando ponto do Austriaco. Achei aquilo muito estranho, e foi nessa hora que ele perdeu a cabeça, pelo que vi. E aí o Bellucci abriria 3×0 no 3º set.

  13. Isabel

    E no penúltimo game do jogo uma troca de 44 bolas (!!!!) entre Murray e Simon. O detalhe é que no ponto anterior o britânico caiu no chão com uma fisgada na virilha, ao que me pareceu. Tava duro de ver viu. Que Gulbis e Dimitrov não me desaponte.

    1. Sergio Ribeiro

      Me permita Isabel ,mas a imagem foi clara Andy apenas escorregou. Ao contrario do Espanhol em seus retornos Impressionantes, Murray vem de uma Cirurgia e ainda esta longe do seu melhor. A menos de um ano de tao agressivo, venceu Wimbedon em Sets diretos em cima de Novak. Simon ao contrario de Gulbis e Dimitrov, e’ apenas um contra – golpeador que seguiu a escola Espanhola.Abs!

  14. ANDREI

    Dalcim o que faz um jogador ter pernas e braços mais fortes que outro?sei que parece uma pergunta ridícula,mais por exemplo,as pernas e braços do Murray parecem bem mais fortes que a do Federer,o Federer é “magrão”,o Nadal nem se fala,esses jogadores Nadal e Murray fazem mais academia que Federer e Djokovic?ou é o biotipo mesmo,pq olhando pela tv o Murray e Nadal parecem muito fortes fisicamente,sendo que Djokovic e Federer são quase da mesma altura,mais a diferença fisica deles pro Nadal e Murray é visível.

  15. Isabel

    Bellucci só com drama mesmo. Eu não me acostumo. E agora Murray jogando mal mas lutando vai virar o jogo no físico mesmo ja que o Simon sentiu algo nas costas, pescoço sei lá. O francês sacou pro jogo.

        1. José Nilton Dalcim

          Não, os torneios WTA tem pontuação ligeiramente diferente, mas bem parecida a um de ATP 250. Duplas recebem mesmos pontos de simples.

  16. Jônatas

    Bom, comparecerei ao evento sexta, sábado e domingo. Não espero casa lotada mas para um evento sem os grandes tops, sendo um ATP 250 e pelo que aconteceu em 2013, umas 4000 a 5000 pessoas nas SF e o mesmo número na Final no final-de-semana já é alguma coisa.

  17. Henrique Farinha

    Dalcim, o pequeno público este ano foi fruto da falta de maiores nomes, sim, mas também houve resquício do ano passado. Eu, por exemplo, não irei nem com convites. Passar todos aqueles perrengues – calor insuportável, falta de estacionamento, banheiros imundos etc.. -, nem pensar. E garanto que muita gente pensa como eu, pois falei com várias pessoas que também deixarão de ir. O fato é que a organização vai ter de rebolar para reconquistar o público e os jogadores nos próximos anos. As bobagens feitas no ano passado custaram muito caro para eles. Abs!

    1. José Nilton Dalcim

      Me disseram hoje que a Koch Tavares chegou a oferecer uma fortuna para ele jogar, mas o espanhol não quis prolongar a estada dele no saibro, tão perto de Indian Wells.

    1. José Nilton Dalcim

      Se o árbitro tivesse realmente certeza, com certeza. Por conduta antiesportiva ou por palavra obscena ou pelos dois motivos. Que desagradável esse rapaz.

      1. Renato Vieira

        Pois é, como se ele não tivesse acostumado a jogar a bola no corpo do outro quando é necessário. Todo mundo já fez isso.
        E ele ainda ganhou o ponto. Em vez de sair comemorando, fez isso. Talvez ele já tava puto por que sabia que ia perder. Levou uma baita surra.

  18. Marquinhos

    Pô! O Federer não perde a mania de vencer em menos de 1 h de partida. Tinha Nadalzete pensando que Federer ia perder para o GRANDE Lucas Rosol. kkkkkkkkkkkk

  19. José Firmino

    Eu que falta só um master final para Nadal ser o maior de todos os tempos…chora torcedores do federer..Eu falo pra vcs e mando um abraço para o Mario Cesar e e digo que Nadal é habilidoso e técnico… Eu quero entrar no coracao de todos as torcedores do Nadal e dizer em uma só voz Bamos! Bamos! Bamos!

  20. Roger Fedeiros - O Saudosista!

    Ontem, querendo ver um pouco do tênis das antigas pensei em dar uma passeada pelo youtube e rever alguns grandes jogadores. Mas, depois de dar uma olhada na programação de Dubai… nem foi preciso!… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk quase que o galã leva a dele.. kkkkkkkkkkkkkkkkk

  21. Luiz Fabriciano

    Grande Dalcim como vai?
    Acabei de ver que o Bruno e o Peya perderam ontem de virada. Estava assistindo o jogo e achei que estava tranquilo e bastaria apenas administrar para a vitória. Pois bem, hoje me deparei com a surpresa. Uma pergunta: por acaso, não estaria a dupla com um “salto um pouco alto”?
    Grande abraço para você.

    1. José Nilton Dalcim

      Não, não acho isso. Ao contrário, eles vêm de derrotas na temporada e não teriam motivo para subestimar qualquer adversário. Ao contrário, talvez seja cobrança deles próprios um tanto acima do normal. Abs!

  22. Maurício Luís

    Ué, meu comentário não passou pela moderação. Não sei por quê. Elogiei tano o Bellucci quanto a Teliana, não ofendi ninguém. Ou então eu penso que mandei e não mandei.

  23. Rubens Leme

    Pela maneira com as duas partidas foram contra Giraldo, de virada e por 2×1, imagino que o Bellucci não teria tido a mesma sorte se o torneio fosse fora do Brasil. Concorda com isso, Dalcim?

  24. Marquinhos

    Dalcim, na minha opinião Nadal e Djokovic estão no grupo dos 10 maiores tenistas da história, mas Murray não está e nem entrará nesse grupo. Eu acho que existe um certo exagero nos elogios ao Britânico, que é um grande tenista, mas está longe de ser um gênio e um gigante do tênis. Eu acho que Murray só tem chances em Wimbledon e, provavelmente não conseguirá passar dos 5 títulos de Slam. E também não acho seu jogo mais bonito que o do Robocop 1 e Robocop 2.

  25. Matheus Almeida Prado

    Dalcim, sempre vou ao Brasil Open, mas esse ano, não tenho conseguido ir em dia de semana (trabalho) e a final caiu bem no feriado de carnaval!!! Vou tentar ir amanha ver o Bellucci, mas esse data do torneio de 2014 realmente não ajudou. Abraço!

  26. robox

    O Ibirapuera tem difícil acesso:????!!!! quando ? onde? …é vero que o metro não é ali… mas está na paulista com brigadeiro e dali de ônibus até o ginásio deve durar no máximo 5 minutos…. gente que tal parar de reclamar e deixar o carro em casa e desentupir as ruas???!!!

    1. Henrique Farinha

      De onde moro, são dois ônibus para ir, dois para voltar. Uma hora de aperto total (sem trânsito, algo quase impensável em São Paulo) para ir, outra para voltar, e num calor insuportável, pois ar-condicionado, nem pensar. Sem contar o risco bem maior de assalto, dependendo do horário de término da rodada, e isso se ainda houver ônibus em circulação. Se o transporte público fosse decente, muita gente usaria, porém não é e exigir isso das pessoas é mera hipocrisia. Fazer isso por falta de opção e para ir trabalhar, paciência, embora revolte. Mas, com intuito de se divertir, nem pensar. Até porque quem faz isso já chega irritado, sem contar os inúmeros outros motivos para torcer o nariz – banheiros imundos, ratos passeando pelas marquises, lugares incômodos, calor insuportável etc.. Desculpe-me, mas eu exijo conforto. E qualquer cidadão tem o direito de fazê-lo.

    2. Jônatas

      Dá para ir a pé tanto da estação brigadeiro como na paraíso ( a qual vem de 2 linhas ). Difícil acesso não é, mesmo de carro ou ônibus já que fica perto da região central. Tem o trânsito mas não é para tanto.

    3. geraldo carvalho

      morei no anos de 1980, em uma vila , na brigadeiro, em frente ao ibirapuera, local onde aliás fazia natação à noite 3x semana. n acho ruim ir do ginásio à paulista p pegar o metrô. é uma boa subida ou descida, mas dá p encarar.

    4. André

      Ele disse “dificil acesso para quem vem de Jundiai”… pra quem tem que acessar SP da MArginal não é fácil… o transito pra entrar na cidade é um perrengue. Pra deixar o carro em casa e vir de Jundiai, só de onibus ou trem que para na Barra Funda, mas que demora muito e com grande risco na área de Francisco Morato… Enfim, achei a “patada” no interiorano (eu tb sou) gratuita…. lógico que o acesso é facil pra mora na região mais central de SP

  27. Luiz Fernando

    Prezados torcedores do numero 2 da Suíça, parabens pelas grandes jogadas q tem sido veiculadas na imprensa, afinal se há algo no atual momento q lhes da algum conforto são essas jogadas geniais, pois o cara de fato tem um estilo q encanta pela plastica, como eu bem disse após o jg contra o Tsonga no AO. Porem as alegrias param p aí, pois enquanto ele faz essas jogadas plasticamente espetaculares, fato inegavel, os principais titulos invariavelmente vao p os robozitos Rafa e Nole, simples assim…

    1. bruno

      Vc tem toda razao luiz”mane” Fernando,o numero 2 da suiça,so joga bonito,quase nao tem titulos de slam e finals.que pena ne.

  28. Fonseca

    Dalcim, o que está acontecendo com Almagro, que desde o iinício de 2013 não é nem sombra daquele jogador que, ao menos no saibro, fazia boas partidas contra qualquer um (fora as entregadas contra Nadal, claro)?

    1. José Nilton Dalcim

      Está numa má fase, sem dúvida. Parou por contusão no ombro e começou tarde em 2014, já em Vina. Fez semi no Chile e na Argentina.

      1. patrick simão

        Depois daquele jogo em que sacou duas vezes para o jogo contra o Ferrer para ir à semi do Australian Open ano passado ele nunca mais foi o mesmo. Ele vinha numa boa pré-temporada, ganhando dois torneios amistosos seão me engano e sendo vice-campeão do Muddalla, vinha jogando demais na Austrália e parecia que entraria no top10… até que na hora de sacar pro jogo falhou… e parece que isso fica na sua cabeça até hoje, seu H2H contyra o Ferrer é absurdo para o nível de jogo do Nico.

  29. luigi

    Oi Dalcim,
    Desculpe mudar de assunto, mas falando especificamente do Del Potro, eu queria saber se um jogador consegue voltar a jogar 100% depois de uma cirurgia. Eu sei que o Nadal voltou, mas isso é uma raridade ou é comum?
    Obrigado

      1. Renato Vieira

        Relaxa cara. O cara apenas se enganou.

        Mas que raio que tanto tem nesses punhos do DelPo. No direito até vai, mas no esquerdo?

        1. José Nilton Dalcim

          A contusão no punho esquerdo está muito comum no circuito, mais do que no direito, devido ao golpe de backhand com duas mãos.

  30. Luisinho

    Estou ansioso para o confronto Federer x Novak nas semis de Dubai. Mas não podemos desprezar Rosol, que foi responsável por uma das maiores humilhações que um top já sofreu em Wimbledon.

    1. Cléber

      Fedex sempre joga bem contra o engraçadinho de Belgrado. Promessa de bom jogo. Ano passado o Fedex deu um mole monumental ao sacar para o jogo contra o Berdych e deixar escapar… iniciava alí aquela zica que durou o ano todo.

  31. Ricardo

    Acho que o ideal é o Brasil fazer um trabalho de base com a molecada, com jovens jogadores. Vi uma entrevista do Guga na Fox Sports que ele diz que para que o Brasil possa ter tenistas de primeiro nível (o Guga é uma exceção, obviamente) é necessário que tenhamos pelos menos uns 50 jogadores em boas condições de “brigar” por boas colocações no ranking.

    Sem querer ser pessimista, mas não vejo nenhuma possibilidade de o Brasil ter tenistas de ponta com essa safra que vêm jogando. Daí a explicação de um público pequeno. Sem a presença de grandes nomes (nem mesmo Haas e Almagro empolgam) e sem nenhum brasileiro com destaque e com potencial para conseguir grandes feitos, o público não vai mesmo!! Abs

  32. Fonseca

    Temos dois ATPs, onze Challengers em 2013 (3º país com mais Challengers no mundo), e 18 Futures em 2013 (11º país com mais Futures no mundo). Se nem assim decola, aí fica difícil..

  33. Lupe

    É Dalcim, eu até gostaria de assistir a algum jogo do Brasil Open durante a semana, mas pelo menos para mim, que moro em Jundiaí e saio as 17h30 da minha empresa, seria impossível com o trânsito caótico da capital chegar até o Ibirapuera, que possui difícil acesso. Eu chegaria lá só umas 21h sendo que em meia hora eu vou de Jundiaí a SP pela Bandeirantes.

    Então fica complicado mesmo. E no fds nem me arrisco pois vi o que aconteceu com o pessoal ano passado, sem contar que pra estacionar lá e deixar dinheiro com os flanelinhas já iria uma boa grana. Se tivesse Metrô perto do Ibirapuera eu até pensaria.

    1. Jônatas

      Difícil acesso? Fácil acesso seria onde então? Pode chegar até de metrô e tem trem que sai de Jundiaí, baldeação na Luz, vai até o metrô brigadeiro e desce a pé até o ginásio, não dá 20 min a pé (já fiz esse caminho 500x). Onde está o difícil acesso? É longe com certeza (de Jundiaí não é pra menos), não dá para chegar em 1h mas o problema não é difícil acesso (como se tivesse pouca opção mas não, tem bastante), o problema seria o trânsito no horário de pico mas sábado não tem esse trânsito todo e domingo também não.

  34. Fernando Galisteu

    Boa tarde, Dalcim. Em primeiro lugar, gostaria de parabenizá-lo pelo seu ótimo trabalho e pelos brilhantes posts, que leio diariamente.
    Dalcim, neste domingo, na final do Brasil Open, será a primeira vez que verei uma partida oficial de tênis profissional.
    Não sou de São Paulo, gostaria de saber que horas aproxidamente deverei chegar ao ginásio no domingo para assistir ao jogo! Agradeço se puder me ajudar!

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Fernando, não sei se vai dar casa cheia. Depende de quem vai à final, sem falar que é domingo de Carnaval, uma experiência nova no torneio. Mas eu sugiro que você chegue pelo menos 1 hora antes para se ambientar. Se vier de carro, mais cedo ainda, porque estacionar na região não é muito fácil. Existe um estacionamento oficial, a R$ 30, mas ele lota rapidamente.

    2. Luiz Fabriciano

      Fernando estive lá ano passado. Se você for de carro, vale a pena chegar mais cedo para pegar o estacionamento oficial como disse o Dalcim, pois você poderá estacionar seu carro bem ao lado do Ginásio principal e caminhar uns dois minutos apenas da entrada. Aproveite.

    3. Jônatas

      O estacionamento só lota se o ginásio estiver cheio. Sim, recomendo se for de carro chegar 1h a 2h antes mas nas ruas adjacentes dá para estacionar o carro e dependendo de onde se põe não tem flanelinhas (fiz isso no Federer tour qdo o estacionamento “lotou” – mas não tinha lotado, fui enganado pelo flanelinha). Não sei se funciona de sábado e domingo (posso me informar amanhã, sexta dia 28/02) mas tem um estacionamento na av. brigadeiro luiz antônio (av. paralela à manuel da nóbrega, via do ginásio), perto de um posto e do mc donalds e bem próximo do ginásio (uns 200m). Com o carro vá pela av. manuel da nóbrega, passe o semáforo em frente à bilheteria do ginásio e vire na primeira à direita (av. marechal albuquerque lima). Vire à 1ª direita e estará na av. Brigadeiro Luiz Antônio. Siga em frente por uns 100 a 150m, passe pelo posto, o estacionamento fica logo depois. No street view do google não vai mostrar pois o estacionamento é recente. Era uma concessionária ali. Não tem como se perder. Caso passe só seguir pela faixa da direita na av. brigadeiro luís antônio e virar na 2ª rua à direita ( a 1ª é contra-mão) e pegar a av. manuel da nóbrega novamente.

      Se vier de metrô desça na estação brigadeiro e vá pela avenida manuel da nóbrega. Não tem erro. Dá uns 15min a 20min a pé ou pegue qualquer ônibus que desce a brigadeiro luiz antônio mas não dá nem 5 min se bobear.

  35. Marcelo Calmon

    Dalcim,
    não sei se é um problema só meu, mas o som das suas últimas entrevistas (Feijão e Paulo Ferreira) está quase inaudível. Vi outros vídeos no mesmo computador e o som tava bom. A do Feijão então foi estranho, pois no início quando ele está jogando dá para ouvir perfeitamente o barulho das jogadas, mas depois fica muito ruim.
    abs

  36. Renato Veneziano Toniol

    Em relação ao Brasil Open, eu acredito que, com a cabeça no lugar, e aplicado taticamente, o Bellucci pode faturar este torneio. Tommy Haas e Nicolas Almagro, que são os principais cabeças de chave, são adversários duros, porém, longe de serem imbatíveis. Acredito também que, por ser uma quadra coberta, e teoricamente mais rápida, o argentino Horácio Zeballos também pode surpreender, é um jogador agressivo, com bom saque, e tem um backhand clássico.
    Dalcim, tenho interesse de comparecer ao Ibirapuera no sexta-feira, e gostaria de saber se consigo comprar ingresso diretamente nas bilheterias do ginásio?
    Um abraço.

  37. ISAQUE

    Olha,o Bellucci tem mesmo que aproveitar essa chance,ontem estive no ibirapuera e assisti aos jogos dos três brasileiros em simples,e a torcida deu a maior força pro Bellucci.Acho que ele tem sim condições de pensar em título,não só de chegar as quartas ou semi.Os dois melhores jogadores desse Brasil open são o Tommy Haas que é especialista em quadra dura e o Almagro que não vem em boa fase,portanto,ele tem tenis sim para pensar em tílulo.

  38. Eduardo Neri

    Olá, tudo bem?

    Vendo os primeiros dias do Brasil Open, é tão triste de ver o Ibirapuera tão vazio, pois no jogo da segunda após o jogo do Feijão, entre Pablo Cuevas X Horacio Zeballos, foi um verdadeiro vazio, pouquíssimas pessoas mesmo… é uma pena!

    Abraços!

  39. Renato Vieira

    Estou confiante que tanto Bellucci quanto Teliana vão ganhar essa próxima rodada.

    Dalcim, qual a condição deles nos M1000 americanos? Vão jogar o quali?

  40. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    o Bellucci tem tudo para avançar pelo menos mais 2 rodadas, pois o Granollers não é nenhuma sumidade.
    Aliás ele tem que aproveitar esse torneio para subir no ranking, pois, como vc disse, depois são torneios fortes e em piso duro, coisa que não é nada favorável para ele.

    O Feijão e o Rogerio tb podem avançar mais um pouco, seus próximos adversários são teoricamente mais fracos que os da 1ª rodada.

    O interessante foi que todos os cabeças de chave (5, 6 , 7 e 8) perderam na estreia, sendo que 3 para brasileiros. Tomara que os demais sigam o mesmo caminho, especialmente o Almagro.

    A Teliana tb pode se dar bem na próxima rodada, mas depois deve reencontrar a algoz do Rio.

    abs

    1. Carlos Henrique

      Concordo, Granollers é um otimo duplista, mas como simplista não é nada demais, é comum tomar 6/0 e 6/1 nos torneios.
      Se Bello jogar o que sabe, e principalmente, tiver físico, já está nas semifinais e rompe fácil a barreira do top 100
      Agora se jogar como contra o Taro Daniel…

  41. Rodrigo S. Cruz

    A chave do Torneio de Acapulco está bem forte. E desta vez, eu duvido que o “esforçado” Davi Ferrer seja campeão por lá.

    É chato dizer isso, mas a verdade é que ele tem um tênis que não empolga muito: saque apenas satisfatório; um jogo baseado num bom contra-ataque ( já que ele mesmo não consegue gerar muita força) e uma correria sem fim. Só de conseguir se manter no posto em que está já merece muitos aplausos…Mas acho que isso também está com os dias contados.

  42. Fabrício Gomes

    Dalcim, uma curiosidade: qual foi a última vez que tivemos três vencedores numa primeira rodada em um torneio de primeira linha?

  43. Patrick

    Dalcim, imagino que a falta de público se de por conta da enorme falta de cuidado e bom senso da organização dos últimos torneios. Estive no Ibirapuera em 2012 e 2013 com meu filho, e ficamos extremamente aborrecidos com a falta de cadeiras numeradas, falta de banheiros e lanchonetes. Simplesmente resolvemos não ir neste ano porque entendemos que a organização não merece nossa presença.

    1. José Nilton Dalcim

      Melhorou muito, Patrick, mas é claro que é diferente com 3 mil ou com 10 mil pessoas. Só um teste real poderá avaliar. Mas só a saída do tenebroso Mauro Pinheiro já foi uma melhora absurda.

Comentários fechados.