Três vezes Nole
Por José Nilton Dalcim
11 de novembro de 2013 às 22:38

Pela terceira vez em cinco anos e a segunda consecutiva, Novak Djokovic fecha a temporada com um dos mais prestigiados títulos do tênis. Mostrando-se totalmente recuperado da perda do número 1 do ranking há pouco mais de um mês, ele chegou a 10 vitórias consecutivas no piso sintético coberto e lento de Londres. Para Rafael Nadal, o número 1 indiscutível da temporada, resta esperar mais uma oportunidade para faturar o único dos grandes troféus que ainda não possui.

O tricampeonato no Finals, antigo Masters e Masters Cup, coloca Djokovic junto a megaestrelas como Boris Becker e John McEnroe, que também somaram três títulos, um atrás de Ilie Nastase. É uma companhia e tanto. Bjorn Borg, por exemplo, ganhou “apenas” duas vezes.

A campanha de Nole neste torneio de encerramento foi mais do que perfeita, já que marcou cinco vitórias sobre os nove primeiros do ranking: Federer, Del Potro, Gasquet, Wawrinka e Nadal. Claro que, de todas, a vitória desta segunda-feira é a que mais deve importar para ele, porque é a segunda seguida em cima de Rafa, que continua sem títulos desde que faturou o US Open, no começo de setembro. Deixa também o duelo empatado na temporada, por 3-3, e diminui o geral para 17-22. Aliás, também iguala Nadal com a série invicta mais longa do ano, com 22, que agora pode se estender na final da Copa Davis.

Claro que o jogo em si não foi dos melhores. Na verdade, teve poucos momentos que lembrasse que estavam em quadra os dois melhores tenistas do ranking e da temporada. O primeiro set principalmente foi fraco, com muitos erros dos dois lados. Nole estava um pouco mais firme no saque e poderia tranquilamente ter feito 4/0 e um provável 6/1 ou 6/2.

Nadal nunca se achou na partida, salvando-se de um placar mais elástico graças ao primeiro serviço e sua notável coragem de brigar por pontos decisivos. Em determinado momento, tentou mudar a tática e tomar a iniciativa dos pontos. Até bateu forte na bola, mas isso só contribuiu para sua frustração aumentar ainda mais.

Como bem disse na entrevista do domingo, o resultado desta partida não muda uma vírgula a excelente temporada que o espanhol teve, principalmente se considerarmos os sete meses parados e todas as dúvidas que ele mesmo tinha sobre o que poderia fazer no circuito. Porém, ao mesmo tempo, serve de tremenda motivação para Djokovic que precisa esquecer o ranking – não haverá luta pelo menos até o meio do ano – e se concentrar em ganhar os torneios importantes.

As frases
‘Posso desafiar Rafa em Roland Garros’
(Novak Djokovic)

‘Eu aceito muito bem as derrotas’
(Rafael Nadal)

Os números
Nadal cometeu 23 erros na partida, dois a menos que Djokovic. Ou seja, um terço dos pontos que cada tenista somou no jogo veio com falha não forçada do adversário. Outro dado ruim desta final: Rafa fez apenas nove winners, menos da metade dos 19 (sendo quatro aces) do sérvio.


Comentários
  1. Orlando

    Segue a ordem de IMPORTÂNCIA dos Grams Slams e dos Masters 1000, seguindo os especialistas ( comentaristas, ex-tenistas, tenistas e blogueiros ):
    1º Wimbledon….2º Us Open….3º Roland Garros….4º Australian Open

    Indian Wells e Miami (mais importantes)………Monte Carlo (é o master 1000 menos importante, e tbm é o único da série que os tenistas NÃO SÃO OBRIGADOS A JOGAREM)

    Agora , torcedores e Federer e Nadal, podem debater…..

    Responder
  2. Samuel

    Puxa, se o Nadal vencer o Aberto da Austrália e o ATP 500 do Rio de Janeiro, vai provavelmente garantir o primeiro posto da classificação até junho, mesmo que não participe de nenhum outro torneio.

    Responder
  3. Marcelo Loureiro Ferreira

    Dalcim, terminamos o ano de 2013 com o pleno e justo domínio de Nadal e Djokovic no circuito. Terminado o ATP Finals, verifico diante do teor da declaração de ambos os tenistas vencedores do ano, que para a temporada de 2014, os mesmos se enxergam como principais adversários diretos para conseguirem os seus triunfos almejados. Considerando tais circunstâncias, será que teremos para 2014, competidores a altura deles que possam nos proporcionar um equilíbrio nas conquistas, principalmente nos Grands Slams? Claro que pensei em Andy Murray, todavia, não vejo nele o equilíbrio mental e físico necessário para vencê-los em condições normais de disputa, razão pela qual busco sempre a sua opinião técnica lastreada na vasta experiência e conhecimento notório que possuí sobre esta modalidade esportiva magnífica e interessante.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que haverá sim gente com capacidade de derrotá-los. O próprio Wawrinka deu enorme trabalho a Nole em dois Slam. Del Potro ganhou de todo mundo nesta temporada e Murray é uma força. E não podemos esquecer de Tsonga e jamais subjulgar Federer. Então eu acho que os dois começam como favoritos, mas muita coisa pode acontecer. Abs!

      Responder
      1. Samuel

        Após acompanhar Wawrinka no Aberto da Austrália e no dos Estados Unidos, eu até acreditava que o suíço pudesse entrar no grupo seletos daqueles que podem vencer um torneio de grand slam em situações normais, isto é, enfrentando e vencendo os melhores. Porém, na temporada de quadra coberta ele demonstrou incapacidade de mudar as táticas durante as partidas e exibiu os mesmos erros que o levaram a perder a semifinal do Aberto dos Estados Unidos. Afora o problema que, em um jogo disputado em melhor de cinco sets, ele parece ter bem menos predisposição física do que Nadal, Djokovic ou Murray.

        Responder
  4. Rafael Wüthrich

    Faltou dizer o seguinte: Nadal cometeu mais erros que Nole tendo executado menos da metade de Winners. Foi um milagre não ter tomado um pneu. Ou seja: não foi agressivo e ainda assim cometeu mais erros.

    Responder
  5. Maurício Luís

    No geral, em todos os blogs de tênis, tem a “tchurma” do Federer e a do Nadal, se esmerando em apresentar números que defendam um ou outro lado.
    Acontece que são tantas as variáveis – idade, contusões, estilo de jogo, tipo de piso… que cada parte sempre consegue “puxar a sardinha” pro seu lado. É a tal história do copo meio cheio e meio vazio.
    Uma discussão interminável. Difícil é mudar o foco.
    Cada tenista tem no seu estilo o lado bom e o ruim. Seria bom se nos preocupássemos em apreciar o que é bom de cada um, curtir um pouco mais.
    Mas parece que as pessoas têm tendência a se agrupar em torcidas, e muitos se perdem trocando farpas entre si.
    Uma pena.

    Responder
    1. André Barbosa

      Belo comentário, Maurício. Acho que este é o mal de boa parte dos brasileiros; ao invés de aproveitar o espetáculo, algumas pessoas preferem perdem tempo com discussões completamente inúteis.

      Responder
    2. Roberto Rocha

      Torcer por Nadal não me impede de apreciar a qualidade de Federer, Nole, Delpo, Wawrinka, Tsonga, Murray…
      Quem torce e não reconhece as qualidades alheias não está torcendo, mas distorcendo as coisas…

      Responder
    3. petros

      Concordo plenamente com seu comentário. A tempos acompanho tênis, bem como acompanho o blog do Dalcim, que na minha opinião é o melhor comentarista de tênis deste país.
      Mas confesso que há um bom tempo deixei de ler os comentários dos frequentadores do site, em virtude desta picuinha sem tamanho que é a troca de “farpas” entre as torcidas de Federer e Nadal.
      Lógico que é totalmente compreensível a torcida por um ou por outro, prática comum em qualquer esporte que exista.
      Mas o que me desanima é este fanatismo exagerado e, sobretudo, a maneira de desmerecer as qualidades de cada jogador.
      Acompanho tênis desde o final dos anos 80 e desde então Federer é para mim o tenista que possui o tênis mais vistoso, exuberante e clássico desde então.
      Assim como Rafael Nadal é o tenista mais competitivo e forte mentalmente desde então. Rafa sabe de suas limitações e batalha como ninguém, absolutamente ninguém, por seus objetivos! E sempre é recompensado por seu esforço.
      Esta questão de melhor da história pra mim terá um simples desfecho: Ao final da carreira de ambos, Federer será reconhecido pelo tênis mais vistoso de todos os tempos, enquanto Rafa será conhecido pelo tenis mais competitivo de todos.
      São dois monstros do tênis, na minha opinião em igual patamar, cada um com sua qualidade, devendo ser respeitados como tal!

      Responder
  6. Anti anti-jogo

    Hehehe… observem a diferença…

    Naquele grande ponto em Robolito sacando em 3×4, 30×40, quando foi quebrado por Djokovic, Nole não bateu a bola em cima de Robolito quando teve a chance. Ao contrário, bateu na paralela e deu a chance de Robolito volear, e Nole teve de matar o ponto no voleio seguinte, mais difícil.

    Já se fosse Robolito, nós sabemos o que ele faria, bastando ver o que aconteceu no Masters do Canadá deste ano….

    Responder
    1. Roberto Rocha

      Sem comentários…todos os tenistas já bateram a bola contra o corpo do oponente para tentar dificultar a vida do mesmo junto à rede…
      Se comentário insinua que nas duplas só tem mau caráter…
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
    2. Chetnik

      Perfeito. Ele acertou o Janowicz esse ano também, depois do ponto já ter sido até parado.

      Acertou mais um que não me recordo agora… mas foi uns 2-3 torneios depois que ele acertou o Djoko.

      O Nadal é MUITO sujo.

      Responder
  7. Leonardo

    Pessoal, imagina ver um jogo Rafael Nadal x Rafael Nadal… Vamos analisar as estatísticas kkk:
    Nadal vence por parciais de 7×6 6×7 7×6 6×7 7×6
    Número de winners na partida: 2 (um pra cada lado)
    Número de erros não forçados: 3 (dois para Nadal e um para Nadal)
    Número de enfiadas de dedo no rabo: 174279474 para cada tenista
    Número de encaradas para o oponente: 278328378273827
    Tempo de jogo: 4 dias, 13 horas e 57 minutos
    Número de pessoas no estádio ao final do jogo: 3 (Nadal, Nadal e um tio Tony, porque o outro cansou e carpiu o cabelo) kkkkk
    Brincadeiras a parte… Dalcim, parabéns pelo blog. Gosto muito de ler suas análises, abraço!!

    Responder
      1. Bruno Vigne

        Hehehehehe ótimo comentário mesmo! Lembro que esse ano em RG, Djoko e Robolito entraram em quadra ao mesmo tempo. Enquanto o jogo de Djoko já estava no fim do segundo set, o jogo do Robô ainda estava no meio do primeiro… há quem goste disso, porém… Como ?

        Responder
  8. Fernando CS

    Dalcim.

    Fugindo só um pouco: os grandes nomes do tênis venceram seu primeiro Slam com 18, 20 anos de idade. Não há nenhum sinal disso ocorrer nos dias atuais. Hoje em dia quando um jogador de 22, 23 anos vence um TOP 10 é um furor e chamam de “revelação” (vide Dimitrov)!. Isso é um tanto desanimador, não? O que há?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, um pouco de tudo. A nova geração ainda não produziu um novo fenômeno e os tenistas com maior idade estão tendo sobrevida de alto nível muito maior no circuito do que antes.

      Responder
  9. Danilo

    Essa história de freguesia do Federer pro Nadal e do Nadal pro Djokovic nos induz a pensar q , por melhor q seja o tenista, sempre haverá um “pentelho” do outro lado da rede. P/ os TOPs do esporte, na hora de encostar a cabeça no travesseiro e dormir, uma vitória sobre o seu carrasco deve valer mais do q a conquista de um GSlan …

    Responder
    1. geraldo carvalho

      “freguesia” é entre nadal e federer (22 a 10 p o nadal). o nadal tem 5 vitórias a mais do q o djoko no confronto direto e esse ano venceu 3 de 6 partidas disputadas contra o sérvio.

      Responder
  10. André

    Depois de 2011, no primeiro semestre de 2012 falaram que o Djoko não perderia mais do Nadal… o sérvio defendeo o AO, mas perdeu tudo no saibro… aí agora a empolgação é a mesma, mas o espanhol jogará todas de igual pra igual com o Djoko no ano que vem… Depois do pneu que o Federer deu no Nadal no Finals de 2011 tb achavam que ele ganharia o AO 2012 e levou ferro… Federer ganhou em Indian Wells e criou-se novamente uma expectativa de que equilibraria mais vezes e isso nunca aconteceu. Enfim, não vejo o Djoko superior ao Nadal… pra mim, tudo igual em 2014 com o espanhol de baterias carregadas

    Responder
  11. Luiz Fernando

    Dalcim, como a torcida aposentadorete gosta de coisas q possam ser rotuladas como “maior de todos os tempos”, esse seu post gerou a maior terceirização de todos os tempos num blog de esporte kkkkkkk!!!!!!!!!!!! Como os caras tao sofrendo, torcer pro aposentado agora só em videogame kkkkkk!!!!!!!!!!!

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      E você nao esquece o Cara ? Arrume alguém da sua idade. Ele jogou melhor contra Novak , do que Rafa. E olha que vinha de um jogo difícil contra Del Potro, o mesmo que atropelou o Espanhol. Tenha coragem para falar um pouco , vamos lá, de vez enquando sobre o Sérvio. rsrsrs Abs!

      Responder
  12. VANIA SANTOS

    DALCIN O MEU COMENTARIO FOI PARA UMA PESSOA CHAMADA EDMUNDO QUE FEZ UMA COLOCAÇÃO MUITO FEIA
    E QUANTO NÃO GOSTAR DO NADAL É AS PESSOAS QUE COMENTARÃO QUE VC NÃO GOSTA DO NADAL SÓ ISSO
    OS N PROVAM QUEM É MELHOR CONCORDA.

    Responder
  13. Eduardo Bormann

    Acho que meu comentário é off-topic mas mesmo assim vamos lá. Porque prefiro e torço muito pelo Federer ?

    – Acompanhei a carreira do Federer desde o começo, Vi ele ganhar de Sampras em Wimbledon, detonar o Roddick, Hewitt e Agassi várias vezes em finais de MS e GS, com muitos pneus.
    – O Federer parecia um lorde jogando (até hoje parece), mas infelizmente a idade pesa. Se não me engano foi neste ATP Finals que vi o Federer “bufar” pela 1a. vez de tanto correr atrás das bolas, acho que foi no jogo contra o Nadal. Mas durante todos esses anos o Federer sempre pareceu que nem suava a camisa.
    – O estilo de jogo do Federer é simplesmente maravilhoso, não dependendo de um físico privilegiado. É um ser humano normal que nasceu com uma extrema habilidade para o tênis.

    Em oposição a tudo isso está o Nadal, que baseia seu jogo no físico. Espero poder ver o Nadal com 32 anos e ver o que estará fazendo continuando a jogar desta maneira. Sem dúvida a capacidade de concentração do Nadal é impressionante, mas agora tem pela frente um cara que acredita que sempre vai poder ganhar dele (Nole), simplesmente porque é tão atletico quanto o Nadal (não mais forte) e para ele aquela bola alta na esquerda do Nadal não tem efeito nenhum.

    Nole é o herdeiro do Federer no posto de numero 1. O Nadal não vai aguentar o tranco. E olhem que vi o Nole no começo de carreira, me lembro muito bem que ele abandonou uma final (Umag ???) com uma crise respiratória. Quase saiu de ambulância da quadra….olha ele hoje…..

    Quem joga tênis e tem acima de 45 anos certamente aprecia mais o jogo do Federer, pois ele parece um ser humano normal. Acredito que os apreciadores do Nadal são mais voltados ao “tênis-força”, mais jovens, chegados a uma academia, MMA, whatever….nada contra, mas prefiro habilidade do que força.

    No fim, acho tudo uma diferença de opinião de gerações.

    Abraços.

    Responder
    1. André Barbosa

      Acho que tudo se resume em uma única palavra, Eduardo: GOSTO. Eu respeito muito a história do Nadal, mas a plasticidade no jogo do Federer é o que me prende na frente da TV.

      Responder
  14. VANIA SANTOS

    DALCIN FIZ ISTO PELO COMENTARIOS DE OUTROS QUE OFENDE COM PALAVRAS A MORAL DA PESSOA CHAMANDO ATÉ DE DOPADO,QUIS DIZER QUE O NADAL É MELHOR QUE O NOLE E OS N DIZEM AS PESSOAS DIZEN QUE VC NÃO GOSTA DO NADAL,FOI ISTO QUE QUIS DIZER MAIS EU ADMIRO MUITO SEU BLOG JUSTAMENTE POR SER ENTENDIDO E MUITO DO ASSUNTO.

    Responder
  15. VANIA SANTOS

    Boa tarde Dalcin eu fiz questão de pesquisar porque as pessoas jugam muito o NADAL até ofende a moral da pessoa coisa feia
    se NOLE é melhor que NADAL PROVE PRA MIM EM NIMEROS E OLHA QUE ELES TEM QUASE A MESMA IDADEKKKK

    O JOGO FEIO E O N1 SIMPLES ASSIM
    CONCORDA DALCIN APESAR DE NÃO GOSTAR DO NADAL.

    Responder
  16. VANIA SANTOS

    Marcas importantes[editar]
    É o segundo tenista masculino a conseguir atingir a posição de número dois do ranking mundial da ATP antes dos vinte anos — o primeiro foi Boris Becker[carece de fontes]
    É o tenista com maior número de vitórias seguidas sobre saibro (81 vitórias)[carece de fontes]
    Com a vitoria do US Open em 2010 Rafael entrou para o seleto grupo de tenistas que venceram todos os Grand Slams ATP: Andre Agassi , Rod Laver, Roger Federer, Roy Emerson, Don Budge e Fred Perry.
    Nadal é o tenista mais novo a conquistar os 4 Grand Slams
    Nadal é o único tenista a conquistar o Grand Slam do saibro (Master de Monte Carlo, Master de Roma, Master de Madri e Roland Garros) na mesma temporada (2005 e 2010).
    Nadal é o segundo tenista (o primeiro foi Andre Agassi) a completar o Golden Slam (há quem o chame de Career Slam): vencer os quatro Grand Slam (US Open de tênis, Aberto da Austrália, Torneio de Roland Garros e Torneio de Wimbledon) e ganhar um ouro olímpico.
    Nadal, aos 24 anos e 10 meses de idade, é o segundo tenista mais jovem a alcançar 500 vitórias, atrás de Bjorn Borg, que conseguiu o feito com 23 anos e 7 meses.
    Nadal é o único tenista a ganhar tres Grand Slams em tres superfícies diferentes no mesmo ano (2010 – Roland Garros, Wimbledon e US Open).
    Nadal é o segundo tenista da historia (o primeiro foi Mats Wilander) a ganhar pelo menos dois Grand Slams em todas as superfícies (saibro, grama e dura).
    A conquista do octa campeonato em Roland Garros aumenta a marca de Nadal como o maior campeão do torneio, seguido de Bjorn Borg, que tem 6 títulos.
    Em 2013, Nadal se tornou o único tenista da história a conquistar 8 vezes o mesmo Grand Slam (Roland Garros).
    Nadal é o primeiro tenista da era aberta a conquistar quatro torneios ao menos 7 vezes: Roland Garros (8), os Masters 1000 de Monte Carlo (8) e de Roma (7), e o ATP 500 de Barcelona (8).
    Nadal é o único tenista a ganhar pelo menos um Grand Slam durante nove anos consecutivos.
    Nadal é o quarto tenista a ganhar os Masters 1000 de Canadá e de Cincinnati no mesmo ano.
    Nadal é o segundo tenista da história, depois de Andy Roddick, a ganhar o Emirates Airlines US Open Series Bonus Challenge duas vezes (2008 e 2013)
    Nadal é o terceiro tenista a conquistar o Summer Slam: ganhar os Masters 1000 de Cincinnati e Montreal e o US Open em uma mesma temporada (Patrick Rafter e Andy Roddick também alcançaram o mesmo feito).
    Em 2013, Nadal participou de oito Masters 1000 (não jogou em Miami) e chegou a semi final de todos, se tornando o primeiro tenista a atingir tal feito.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Cara Vânia , o Rei do Saibro Título indiscutível , mas aos 27, só possui 5 SLANS fora do Barro. E nenhum Finals. Já superado por Novak nos dois quesitos. Já fez História , claro que sim. Mas muito longe de o melhor de … Devido ao seu estilo de jogo, seu desgaste e’ imenso. Portanto e’ fazer figa para que o Espanhol atinja ao menos a idade de Federer , ainda em atividade.Abs!

      Responder
      1. Igor Menezes

        É tanta besteira que eu leio, que chega a embrulhar o estômago… Pelo seu critério, o Guga é um ninguém, pois não possui nenhum Slam fora do saibro… Eu mereço mesmo ler essas coisas… É brincadeira! Parceiro, Novak não superou Nadal coisa nenhuma nesse quesito… Do jeito que você classificou, parece que o Slam do saibro vale menos do que os outros… Mas você se esquece que eles tem o mesmo valor… Se você quiser ser justo, você deveria ter feito assim: Vamos ver quantos Slams, cada um deles teria se tirasse os títulos de seu melhor Slam de desempenho: Nadal teria 5 (fora os 8 do barro), Federer teria 10 (fora os sete na grama) e NOLE TERIA 2 APENAS (fora os 4 da Austrália).. Aprendeu como é ser justo e imparcial, meu amigo???

        Responder
      2. GeCesar

        Sérgio, queira você o não, RG é Slan. Não existe isso “fora do barro”. O circuito é composto por vários pisos e os mais importantes não são – entenda -, não são aqueles sobre os quais o seu ídolo se dá melhor. Nadal ganhou Slans em todos os pisos. Quantos conseguiram isso na história? 5 nos pisos rápidos é pouco?? Federer chorou como criança quando venceu RG. O seu ídolo, não tenha dúvida, adoraria ter vencido, senão 8 vezes, mas mais vezes na saibro francês. Você, me parece, continuará torcendo muito para mais uma contusão do Nadal, porque no fundo sabe, que se isso não acontecer, outros Slans, seja na terra, seja na grama, seja no sintético virão. A vida não é muito fácil, mesmo Sérgio.

        Responder
        1. Samuel

          Seria digna de pena uma pessoa que dissesse que a Martina Navratilova deveria ser “rebaixada” porque 12 dos 18 torneios de simples de grand slam que ela conquistou foram na grama (9 em Wimbledon e 3 na Austrália).

          Ou que Pete Sampras não merece tanto crédito porque jamais conquistou um slam no saibro e metade dos 14 que ele obteve em simples tinham a grama como piso.

          E que todos os 7 torneios de simples da Maria Esther Bueno foram conquistados na grama, logo, ela foi uma tenista pífia.

          Responder
      3. Samuel

        Sobre o “barro”

        Nadal, nas simples de Slams, possui 8 títulos “no barro” e 5 titulos “fora do barro”; além disso, possui 5 vice-campeonatos “fora do barro”. Borg, igualmente nas simples de Slams, possui 6 títulos “no barro” e 5 títulos “fora do barro”; além disso, possui 4 vice-campeonatos “fora do barro” e um vice-campeonato “no barro”.

        Se o espanhol patinar bem (ou fazer os outros patinarem) mais uma vez “no barro”, igualará a marca de Martina Navratilova no segundo lugar com mais vitórias de simples em um mesmo Slam, ou seja, 9 títulos. Se a patinação do espanhol (ou de seus adversários) “no barro” for melhor ainda, e ele conseguir adicionar 3 títulos (algo que acho quase impossível), igualará o recorde absoluto de Margaret Court, totalizando 11 campeonatos em um mesmo torneio do Grand Slam.

        Mas elas fizeram isso na grama, piso em que a bola desliza, que tem um tom predominantemente verde e é muito mais ecológica; enquanto ele poderia alcançar um dos feitos (9 ou 11) somente “no barro”, onde a bola quica mais, que tem a opaca coloração marrom e que pode ser inclusive objeto de boicote do Greenpeace. Ou mesmo daquelas russas que costumam mostrar as tetas publicamente para se manifestar.

        Responder
    2. Sergio Luiz

      Procure fontes confiáveis, porque mesmo na base do recorta e cola tem informação errada aí ( já é 3a vez que comentem o mesmo equívoco, e erro de quem não acompanha o tênis ). Quando descobrir o equívoco, aproveita e manda um e-mail para o site avisando.

      Você reparou quantas vezes é mencionado que Nadal é o “segundo” jogador… acho que o negócio dele é ser o #2 mesmo! rsrs.

      Responder
      1. Lu

        Em um circuito tão competitivo, Nadal ter conquistado isso tudo e está tanto tempo entre os top ten, sendo visto como medíocre e tenista de um piso só…aposto que muitos com 27 anos gostaria de ter pelo menos 2 ou 3 GS foram do “barro”. Até pq para alguns RG não é tão grandioso assim por ser saibro e pelo espanhol dominar tantos anos, além de afirmarem que inferior até quem não tem conquistas tão grandiosas ou quem tem menos títulos que ele..imagino até se ele não fosse um top ten ou não tivesse metade dos títulos o que seria escrito por aí…talvez não teria tantas asneiras, até pq o ódio de alguns é por se acharem melhores “experts” sobre tênis por torcer por A e B, e ver o espanhol como um tenista medíocre ter ganho tantos títulos ou simplesmente ter ganho jogos em cima de seus preferidos.
        Não sei desde quando ser nº 2 é demérito, talvez não passe de uma tiração sarro, mas não chega ser estranho acharem que um tenista ter sido tanto tempo nº 2 como ruim para a carreira. O mesmo se encaixa para as “mães Dinah” que alguns anos atrás falaram também que ele não duraria muito devido o desgaste e por ser tênis força…e lá se vai mais de cinco anos, entre altos e baixos o espanhol continua sendo um prato cheio para muitos secadores.

        Responder
  17. Fernando Brack

    ‘Eu aceito bem as derrotas.’ Rafael Nadal disse isso mesmo? Sério?
    Suas caretas ao cumprimentar um algoz depois do jogo dizem tudo.
    Kkk!! O Ogro é mais dissimulado que político em época de eleição.
    A torcida dele um dia vai ter que explicar como é que aguenta o cara.
    Afinal, ninguém merece isso!

    Responder
  18. PAULO

    A maior prova da grandeza e importância de Rafa Nadal no circuito é dada justamente pela torcida adversária.
    O grau de ódio, despeito e rancor dos comentários dá a exata medida do tenista. Só sendo absolutamente fora de série para capitalizar 100% das emoções que giram em torno de algum esporte.
    Isto mesmo, Rafa Nadal detém 100% das expectativas emocionais que giram em torno do jogo de tênis atualmente.
    O rapaz tem o fanatismo de sua apaixonada torcida.
    Por outro lado, e isto é o que é digno de nota, detém a atenção maior de todos os torcedores dos demais tenistas (muito notadamente os do Federer) que claramente têm maior dispêndio emocional e gana de torcer contra ele do que em favor de seus tenistas prediletos.
    Sinceramente, não conheço nos tempos atuais algum outro esportista que desperte tanta atenção e emoção.

    Responder
    1. TIBERIO

      Muito bem colocado, acrescentaria ai junto ao Nadal um jogador que desperta os mesmos sentimentos dentro do mundo do futebol: CRISTIANO RONALDO…. É engraçado de ver como os 2 despertam 100% das atenções e emoções no esporte. Engraçado ver as pessoas que não gostam das 2 figuras torcerem absurdamente contra….

      Responder
  19. Pedro Ivo

    Seu Dalcim, o que o senhor acha da armação feita para facilitar a vida de Rafael Nadal no finals? O senhor não achou aqueles abraços do brasileiro ao espanhol muito calorosos, de profunda amizade?

    Responder
  20. Roger Fedeiros - O Boa Vida!

    Frases e recibos:

    1) O Finals consolida o melhor jogador do circuito… kkkkkkkkkkkkkk (Davydenko adorou!)
    2) Nadal definitivamente não é páreo para Djokovic… kkkkkkkkkkkkkk (amei essa!.. que gracinha!)
    3) Uma pena que demorou a ajustar a questão física com a retirada do glútem… kkkkk (eu retirei esse danado e num funcionou… kkk)
    4) Os balões do Nadal machucam muito os tenistas de esquerda de uma mão só… kkkkkkkkkkkkk (só os oneBH?)
    5) O único golpe que faz Nadal vencer Federer é o balão na esquerda e só… kkkkkkkkkkkkk (Até nisso o Ogro leva vantagem 1 a 0.)
    6) No futebol tem o corinthians pra quem eu torço… kkkkkkkkkkkkkk (sem comentários… pra o complemento))
    7) Gostaria que Federer tivesse o backhand do Djokovic… kkkkkkkkkkk (crise de identidade?… e a belezura do lendário backhand com slice… kkkkk?)
    8) Mesmo assim chamo ele de “mauricinho frouxo da suíça”… kkkkkkkkkk (debandada geral… abandonando o navio)
    9) Não vejo condições técnicas do Nadal superar o Djoko… kkkkkk (O Federer e o resto do mundo também não viam. Agora tão repensando)
    10) Não fosse ele (Fed) é bem possível que o tênis não chegaria ao nível que chegou… (licença… hora de ir ao psicólogo… depois ao psiquiatra… e depois o “remedin”…)

    Responder
    1. André Luiz

      Na verdade, em certo sentido o Rei é um ponto fora na curva de desenvolvimento do tennis nos últimos quinze anos, o que evidencia ainda mais a sua estratosférica genialidade.

      Responder
  21. Daniel Toledo

    Um ótimo exemplo de que apenas H2H não define se um jogador é maior que outro, é Becker 25-10 Edberg (quase 2 anos). Edberg é mais freguês do alemão que Federer de Nadal, sendo a diferença de idade menor, os aspectos piso e jogo não encaixar não estarem presentes, e ainda assim é quase unânime que são 2 jogadores do mesmo nível. Resumindo, 2 caras de mesmo estilo e piso preferido, números parecidos, um é freguês do outro mas são do mesmo nível.
    Federer é freguês de Nadal, mas seus números são bem superiores, mais Grand Slams, mais semanas como N.1, mais Masters, mais genialidade, platicidade, etc…Portanto quem é melhor?

    Responder
    1. Daniel Lara

      Mais Masters???tem certeza disso meu xará mau informado…kkkk…platicidade, o que seria essa palavra???kkk…saudações, Federer como o próprio Nadal fala a cada vez que perguntado é o melhor tenista de todos os tempos.

      Responder
  22. Roger Fedeiros - O Boa Vida!

    Falando em Nalbadian… esse camarada, enquanto juvenil, era o carrasco do “mauricinho suíço”… kkkkkkkkkk…. Depois que cresceu e se viu livre de quem talvez o “segurasse”, passou a gostar mais das noitadas, carros e etc., deixando o tênis e o “trabalho pesado” meio que de lado e se contentou por estar ali apenas entre os 10, e isso quando quis… e ainda com aquela conhecida barriguinha… kkkkkk…. Retrato fiel, junto com o Safin, de uma geração de tenistas que poderiam ter “abiscoitado” vários dos GS que foram para a prateleira do “Ricardão do Tênis”. E enquanto eles levavam a vida com vodka, carrões e mulherada… o Ricardão tava lá se divertindo…. kkkkkkkkkkkkkk… Vai saber como que ele, e não eles, pegou mononucleose…. eu hein?

    Fazer o que né?… Ainda bem que voltaram a aparecer atletas de verdade, que além do talento, sabem também cuidar do corpo e da carreira. E aí, foi que se viu o tamanho do vácuo que se viveu na chamada “era mágica”… kkkkkkkkkkkkkkk!!! O Tênis agradece!

    Responder
  23. Daniel Toledo

    Caro Dalcim, na minha opinião na questão de talento, repertório, arsenal de golpes, Murray supera Nadal e até Djoko. Na parte física, de defesa, correria, também é espetacular. Você acredita que estando saudável, mais confiante após 2 Grand Slams (em Wimbledon principalmente), ele pode ser páreo para o sérvio e espanhol em 2014?
    O que no jogo do Murray você acredita que não encaixa para ele ir bem no saibro?
    E em outras épocas vimos algumas zebrassas em Grand Slams, caras medianos como Korda, Yohanson, Gaudio, Costa, etc…Na última década acho que apenas Delpo (que é infintamente melhor que os citados aí) quebrou a hegemonia do Fab Four. Você acredita que é a maior fase de dominância de um pequeno grupo de jogadores na história do tênis?
    Desculpe pelas 3 perguntas, é que acho bem pertinentes, se puder responder agradeço muito. um abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Concordo quanto ao arsenal do Murray, mas mentalmente ele é mais fraco e isso faz enorme diferença. Segundo ele próprio, jogar no saibro lhe dar dores nas costas.

      Responder
  24. Roger Fedeiros - O Lúcido!

    Caro Sérgio Ribeiro,

    “Pelo estilo de jogo, Nalbandian (que ganhou o Finals e de talento indiscutível), Davydenko (que também ganhou o Finals), Guga (que também ganhou o Finals), Tsonga, Del Potro, Murray, entre outros tantos de estilo talentosos, não se machucariam. O buraco do Nadal é mais embaixo do que onde ele costuma por a mão. E vocêzinho sabe disso né?.. rss!

    E ainda pelo “estilo físico de jogo”, o Djokovik, com todas aquelas “firulas, esparcates e surfadas” (e isso é um elogio!) em quadra dura, deveria sair de maca a cada partida com os tops. Abs!

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Pois e’ mais além de ser um dos raros, fora os Grandes Campeões a vencer o FINALS, Davydenko adora o fato de em 11 Confrontos ter vencido 6 do Touro Miura.rsrsrs Abs!

      Responder
  25. Fernando Vieira Peixoto Filho

    Dalcim, vc não acha que o Finals, por envolver os oito melhores da temporada, especialistas em todos os pisos, deveria variar a superfície? Digo isso porque todo mundo sabe que o piso rápido coberto é o pior para Rafa. Se esse torneio de final de temporada fosso no saibro, por exemplo, Nadal já teria ganhado várias vezes…

    Responder
    1. Carlos Reis

      Respondo aí pra criatura defensora do Rafa, o Finals é no final do ano, certo? Nessa época joga-se nas Hard Indoor, preciso falar mais? Te pergunto Fernando? Porque RG é sempre no saibro??? Perguntas tolas e idiotas qq um pode fazer…

      Responder
  26. mariliense

    Tem torcedor do Roger Federer chamando o suíço de “mauricinho frouxo” . Putz, que final de carreira pro o fedex heim …transformado em freguês pelos cachorrões e desprezado pelos seus que já se grudaram em Nole . Aposto que vão torcer pro sérvio até contra o próprio suíço pra não facilitar a vida do fenômeno espanhol …. Cada um tem a torcida que merece . ” Orgulho de torcer para Rafael Nadal …. vaaaamoooos number one “

    Responder
    1. Carlos Reis

      Só para vc e outros se ligarem que idolatrar alguém como fazem alguns aqui é algo que beira o absurdo, eu chamo o Federer de “mauricinho frouxo da suiça” sim, pois sempre gostei muito do tênis que ele joga, não DELE! Chamo ele assim porque ele claramente “se borra” ao enfrentar R.Nadal, tem muito mais tênis e perde a maioria, ridículo! Federer > Djokovic > Nadal ou M.F.S. > DjokoVICE > A FARSA

      Responder
      1. mariliense

        Boa Carlos kkkkkkk “mauricinho frouxo” e panga rsrsrrsrs. Acho que o problema dele é testosterona. Agora falando sério o Federer tem que ser comparado a Serena e Azarenka e não com os cachorrões Novak e Nadal, os caras tem muito hormônio masculino e estão em outra dimensão. Por enquanto Nadal 22×17 Nole , prestes a se tornar o maior de todos os tempos, a não ser que Novak não deixe, porque se depender do suíço já estamos lá …..

        Responder
        1. Carlos Reis

          O Federer pode não ser O MAIOR, mas certamente esse cara(o melhor de todos) NÃO É/nem vai ser o Nadal… Em 2014 o DjokoVICE vira o H2H contra A FARSA… Outra coisa, ele vai superar tbm os 13 GS que A FARSA “ganhou”, já que o robô 2.0 é bem melhor que o robô 1.0…

          Responder
  27. Laura Muller'

    Steffi Graf foi lá e ganhou 22 GS, 900 vitórias, e ganhoiu 107 titulos e foi considerada a melhor da história por muitos, porque? Por sua precocidade, pela sua maneira de jogar, por enfrentar grandes lendas do tênis feminino, pela maneira confiante como jogava, e por esses acreditarem se não fosse as lesões teria numeros ainda maior! Antes disso Martina Navratilova tinha ganhado 18 GS, 1400 vitorias e 167 titulos e foi considerada a melhor da história, e ainda é por alguns! Enfim a verdade é que pra todos e pra muitos comentaristas amadores e profissionais é que o presente vale mais do que o passado, mas isso é uma grande mentira, tudo vale a mesma moeda! Não importa em que década, em que torneio, contra quem jogou. Vencer é vencer! Mas pra mim, sem sombras de dúvida a melhor jogadora que já existiu no tenis feminino foi Margaret Court, pois os números falam por si próprio Dona de 24 Grand Slam Simples (recordista), 62 ao total (recordista), dona de 1180 vitórias e recorde de aproveitamento 91, 68%! Nenhuma jogadora conseguiu esse feito, e dona de 192 titulos (recorde), e ainda transitou vencendo da era amadora a era aberta! Queria ver surgir uma mulher (eu, rsrs) a fazer isso na atualidade, vencer 24 GS, ter 91% de aproveitamento (com mais de 1000 vitorias), e ainda ganhar 192 titulos simples, DUVIDO que não a considerariam de longe a melhor da história! A verdade é essa as pessoas tem mania de julgar quem aparecer agora como uma grande ou um grande jogador, se quiserem falar de grandes, olhem primeiros para os números! Na minha humilde opinião, as 5 melhores tenistas da história são (de maneira aleartoria), Margaret Court, Martina Navratilova, Steffi Graf, Chris Evert e Serena Williams, poderia dizer Wills Moody, porque não! Enfim, vencer é vencer não importa em que tempo, quando, em que quadra, qual torneio, contra quem, em que momento da vida! Vencer é Vencer! Os números são o que definem um grande jogador, foi o que ele conseguiu fazer dentro de quadra, opiniões o tempo leva, os números a história deixa marcados, é como a balança, essa não tem como mentir, mostra se você cumpriu com a dieta, com os exercicios, ou exagerou, deu uma escapada, ou não foi fiel aos novos objetivos! É isso amigos se um dia eu for uma grande tenista, eu vou fazer questão de dizer: Margaret Court, foi a melhor tenista da história do tenis feminino” Oh Yes”

    Responder
    1. André Luiz

      Nunca vi jogadora melhor do que a gloriosa Steffi Graf, um dos meus maiores ídolos do esporte. Aquele charme todo já entrava ganhando de um set a zero antes mesmo do primeiro serviço do jogo.

      Responder
      1. geraldo carvalho

        era realmente uma grande jogadora, mas foi “ajudada” por uma certa facada. com selles inteira n sei se teria chegado a 22 gs. no momento , está na alça de mira de serena williams.

        Responder
      2. Laura Muller'

        Estamos falando de Amor Platônico aqui..rsrs. É eu sei era uma garota/mulher de causar suspiros em qualquer home, uma mulher confiante, que tinha um belo par de jogos que deixavam muitos maravilhados, afinal acredito que jogou a era mais difícil to tênis feminino, Chris Evert, Martina Navratilova, sem contar Monica Seles…”

        Responder
  28. Laura Muller'

    Hoje as pessoas tem que ter em mente que quem ganha mereceu ganhar e ponto final, vendeu por mérito. Pois se o outro cometeu um ENF, é porque outro atacou bem, ou defendeu bem, a ponto de um outro não conseguir fazer melhor do que isso! Não existe um favorito, existe aquele que tem mais chances de ganhar de acordo com o histórico, mais um jogo é jogado, ali tudo pode acontecer o Nº1 pode perder para o Nº 250, vai depender dos dois! E muito jogadores só não se destacam, por serem imaturos tanto mentalmente, quanto emocionalmente! Veja os altos e baixos de Serena Williams, ela preciso se superar acreditar nela mesma, pra poder vencer! Enfrentou muitos preconceitos, mas quebrou a cara de todos! Mas foi imatura, a ponto de se deixar levar pelas opiniões dos outros, hoje ela é madura, ela sabe o que importa ali. As vezes o emocional pega ela, mais ela é uma guerreira, consegue se safar de situações muitos desfavoráveis! Mais do que dizer que sabe fazer, é fazer por si próprio! E não adianta querer arriscar algo que não treinou, e querer acerta-lo, tudo que você é e faz, depende do que você treina, e é pensa como pessoa! Hoje também, as pessoas pensam muito no presente, se alguém ganhou 10 GS, ah é melhor do mundo, tá como um dos melhores e esquecem os outros antepassados! No próximo comentário direi o que eu acho das melhores do mundo!

    Responder
  29. Laura Muller'

    Sou uma mulher que admiro as pequenas belezas da vida, como um jogador joga a bola para aqueles que passam horas treinando e até sonhando com este momento ao lado de grandes jogadores, como trata aqueles que passam horas em uma posição para verificar se a bola foi dentro o fora, como trata seu adversário… Federer se irritou com a juiza de linha, é o trabalho dela, mais caí entre nós os “desafios” servem pra isso, odeio quando o jogador destrói aquilo que faz parte do tênis, a raquete, quando reclama da organização, por causa da quadra do horário, ou mesmo quando comemora que nem louco na frente do outro, como se estivesse dizendo “Eu ganhei otário!”. Mas isso são apenas detalhes, isso não muda nada, nem devem estes serem julgados por isso, cada um faz o que quer da vida. Sobre os bombardeados criticos do Nadal, que falam que ele se dopa, nossa quanta mediocridade desses, pura inveja, pois nunca terão aqueles belos musculos, aquela bundinha durinha que as mulheres adoram! Saiba respeita… Sobre o ritual dele, no começo eu achei bem idiota, com o tempo fui me acostumando, as vezes quando chegava o seu saque eu esquecia que ela ia fazer aquilo, de tão acostumada, enfim hoje eu amo aquilo, é tão envolvente, é algo dele, que o concentra, um dia quando foi uma grande jogadora (rrsrs), não serei, eu terei um ritual, até imagino como será… haha.. Sempre pensei que não é os confrontos que define quem é melhor do quem no tênis, mas sim contra quem! As vezes tem jogadores que só jogam melhor contra alguém de grande porte, é o caso de Azarenka contra Serenam ela se supera. Enfim sempre acreditei que o que define os maiores e melhores atletas são os seus títulos, suas vitórias, e o resto dos dados acumulados ao longo da história, na questão do maior (dados positivos), no melhor (dados positivos/negativos), e não as opiniões sobre isso ou aquilo, a forma de jogar, a forma de respeitas os outros, a simpatia, isso são apenas detalhas, magias, personalidade, ou mesmo a Forma mais bonita de se jogar, os números definem por si próprios servem pra isso, se não existissem seria um lazer, apenas um prazer e não uma competição, as opiniões com o tempo morrem com as pessoas, já os números ficam na história por todo sempre! Por isso Federer é maior que Nadal, que este é Maior do que Djokovic e ponto final, a atualidade é só uma parte da história que está em construção, quando cada um deste se aposentar, poderemos ver os números e dizer enfim que foi o melhor entre os três! Por isso eu digo, não importa se Nadal não teve ninguem tão forte capaz de supera-lo no saibro, não importa se Roger Federer enfrentou uma geração fraca, se Djokovic perdeu tempo sem sua dieta de glueten, e seu ruim condicionamento fisíco, simplesmente não importa, pois é uma mera mentira! Pois ninguem foi bom bastante o suficiente pra ganhar de Nadal em RG, de Federer em W em seu auge, e a vida nunca foi justa com todos, para Djokovic…Vencer é Vencer! Não importa como, onde, contra quem, em que tempo!

    Responder
  30. Laura Muller'

    Vamos lá, primeiro caí entre nós que Vida não é Justa, nela consegue vencer o mais esperto. Segundo, não importa como você joga, contra quem você joga, em que quadra joga e onde, vencer é vencer. Quem é bom, precisa saber vencer em todas as quadras, contras todos em qualquer momento! Aceitem, Nadal foi o melhor tenista do Ano, o ranking serve pra isso queridos…E Djokovic, está sendo o melhor do momento, afinal não perde à 22 jogos! Os números estão ai, Nadal tem mais vitórias, menos derrotas 10 trofeus, mais pontos, 2 GS…Djokovic tem menos vitórias, mais derrotas (do que Nadal), menos trofeus (7), menos pontos, menos GS (1), porém ganhou o ATP Finals! E como disse Dalcim, Djokovic terá quem ter calma, pois só deverá recuperar o ranking, lá para o meio do ano…Isso se Nadal deixar, pois de fato o Nº1 e Nº 2 do mundo, ano que vem serão os dois (se não sofrerem lesões), Andy Murray vai ganhar alguns torneios, vai fazer bonito, vai incomodar, mas acho que ainda precisar amadurecer tanto como pessoa, como jogador pra se tornar um grande jogador! Em relação a Federer, eu vejo nitidamente um federer preocupado, pressionado…parece que ele nem se alimenta direito mais, quando ele voltar a fazer tudo que fazia antes, talvez possa ganhar sim Wimbledon novamente, talvez até um Master 1000, mas é preciso que ele se esforçe, talvez ele esteja sofrendo uma crise de meia idade, ele mesmo disse que as coisas as vezes não vão bem em sua vida, que é um mestre em driblar isso nas quadras. A gente não sabe o que cada um deles passa fora, e tem gente que passa hora de sua vida desmerecendo, criticando. Antes de julgar, olhe pro seu umbigo, tente compreender as pessoas, te fará alguém melhor! Em relação a Del Potro, acredito que dificilmente será um Grande Jogador, porém pode dar muito pano pra manga, mas ele ainda é apena um jogador que tem um saque potente, e uma devolução potente! Estarei comentando no próximo comentários o que difere os melhores…

    Responder
  31. Laura Muller'

    Sobre o jogo em si, realmente deixou a deixar em vários aspectos, muitos erros. Porém alguns pontos foram belíssimos, tenho que admitir, o que vi no jogo foi basicamente o Djokovic mais agressivo, e um Nadal tentando se defender, realmente Nadal é superior ao “Nole” no que diz respeito a mentalidade, pois o Djokovic é mais vulnerável a perder a paciência, mas caí entre nós que o Djokovic joga com mais ânimo contra Nadal, ele fez uma bela partida, fez o Nadal parecer um mero jogador comum, foi o que percebi, ele mau conseguia devolver, dependia do saque e muitas vezes falho com duplas faltas, praticamente nem foi a rede muito menos agressivo foi. Era uma partida entre o Melhor do Ano x O Melhor do Momento! No próximos comentários vou fazer ressalvas sobre as opiniões aqui no Blog…”

    Responder
      1. Laura Muller'

        Não gostou do “Superior” né…fazer o quer, do mesmo modo que compreendo seus comentários, tente compreender os meus também…são mais conceituados do que o seu! “Fake”, olhe para o seu umbigo primeiro, depois olhe para o meu queridinho”

        Responder
    1. CARLOS AUGUSTO RODRIGUES DE ALMEIDA

      Cara Laura Muller gostei dos comentários… mas vamos caprichar um pouquinho no português? Vejamos…. ao invés de caí entre nós…. escrever CÁ ENTRE NÓS… e não seria … ” ele MAU conseguia devolver a bola… que tal trocar por MAL? No mais minha querida.. tudo bem, tudo azul….. como o grande time estrelado das MINAS GERAIS… VALEU!

      Responder
  32. Sergio Luiz

    Quero deixar meu agradecimento ao colega Luiz Fernando, que por um lapso não o fiz no post passado, e me desculpo por isso. Tenha certeza LF, que eventual divergências entre nós não me levaria a ignorar seus parabéns, nem a desgostar de você.

    Agradeço os parabéns, e me desculpo pela demora, até porque teve uma atitude elegante e inteligente (ainda bem que foi com luva de pelica rsrs). Abração.

    Responder
  33. Humberto de Campos

    Senhoros (à la João Ubaldo) e senhoras, como vão?
    Do c* este blog, Dalcim. A turma aqui é pai d´égua!!!
    “Anti anti jogo”, abri-me todo com teu comentário. Bom concordar com o que nos faz rir. Reiterando: obrigado Djoko!!!
    Brack e “Lógico”, ler teus arrazoados não é perda de tempo, ao contrário. Oxalá mantenham a jocosa proficuidade.
    Carlos Reis, macho véi, nunca te tirei a razão, cabra da peste! Tu não és teimoso: teimoso é quem teima contigo (obrigado, saudoso Roberto Campos).
    Espero que Estratosfera Man, jogando o que lhe convém, não tenha tanto êxito como durante esse ano. Reconheço que o cabra é bom da molesta, mas joga feio demais…
    A turma já leu Manoel de Barros? Se não, permitam-me colacionar um excerto do pensar do poeta, que atesta desassombrado desprendimento:
    “Meu fado é o de não saber quase tudo. Sobre o nada eu tenho profundidades. Não tenho conexões com a realidade. Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro. Para mim poderoso é quem descobre as insignificâncias (do mundo e as nossas). Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil. Fiquei emocionado e chorei. Sou fraco para elogios.” Manoel de Barros

    Bó pra 2014, que está custando, pois Andy (recuperado – mais mental do juízo), Dojko (aperfeiçoado e com sangue nos zói de novo), Delpo (recuperado), Janowicz (mais experimentado) e o Pai da matéria (será o ano do canto do cisne do GOAT?) botarão pra moer…

    Dalcim, aquele abraço. Bom saber que gostas mais do Federer.

    Responder
  34. Edu

    Dalcim, estaria o Nadal, após Nova York, sem pernas e sem força (para os padrões dele é claro)? Deu essa impressão desde o ATP de Pequim. Nem de longe lembra o US Open, que ele chegou na semi sem ter o saque quebrado.

    Responder
  35. Edu

    Dalcim, estaria o Nadal, após Nova York, sem pernas e sem força? Deu essa impressão desde o ATP de Pequim. Nem de longe lembra o US Open, que ele chegou na semi sem ter o saque quebrado.

    Responder
  36. mariliense

    Mas não vamos mudar de assunto que a hora é de comemorar: maior esportista do ano, 10 títulos na temporada, numero 1 da ATP, o único com 2 SLAMS em 2013 e 22×10 contra o suíço que virou panga de vez
    Feliz Nadal a todos

    Responder
    1. Carlos Reis

      O mauricinho frouxo da suiça ganhou 12 títulos em 2006, sendo 3 GS, 4 M1000 e o FINALS, ficou com 8370 pontos no rkg, hoje deve equivaler a uns 15.500 pontos, ganhou 3 GS em 3 anos diferentes(2004, 2006 e 2007) e jogou as quatro finais em 2006, 2007 e 2009. Jogou o FINALS 12 vezes seguidas, com 6 títulos e 2 vices. No total Federer é maior, em uma única temporada tbm, mesmo assim é um frouxo por perder no H2H, já poderia ter 20 GS não fosse por seus bloqueios mentais imperdoáveis, pois teria vencido RG 2006 e 2011, W/08 e AO/09, seriam 21 GS a 9, um número muito mais justo para o talento do craque suiço. Se houvesse justiça mesmo, Nadal teria ZERO GS!!!

      Responder
  37. O LÓGICO

    A melhor imagem que construo quando vejo o joguinho xarope do robozinho, quando vejo ele se desmanchando de suor, quando vejo ele contorcionando o espírito para conter os tiques nervosos que explodem pelos seus poros, quando vejo ele mentir a rodo sobre suas intenções, quando vejo ele demorando para sacar para claramente se recuperar da correria alucinada a que se submeteu, quando vejo ele fazendo cara de paladino do tênis, a melhor imagem que crio, dizia eu, é a de um ETenista de varginha kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, alguma assombração, kkkkkkkkkkkk, ou coisa que o valha, mas menos que se trata de um tenista de verdade. É tudo estranho nesse rapaz, e no plano social, ele não convence ninguém: a despeito de tudo que ele faz para parecer elegante, educado, bem humorado, perspicaz e com classe, qualquer burguês bundão diria que se trata de um EMERGENTENISTA kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Cara, quando ele fica frente à frente com o Fedex, meu Deus, que contraste, nadalzetes, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk de uma lado o arquétipo, do outro, uma esdrúxula cópia de um tenista de quinta kkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Laura Muller'

      A sua inveja é nítida, vira até desprezo. Dá pena de ler quantos comentários sem conteúdo, se acha o Dono do Mundo, que sabe de tudo…Mas já parou pra olhar a sua vida? Deve ser um tédio né? Deve estar querendo mais dinheiro do que ganha né? Talvez deva estar na “seca”, pra estar aqui? Não me importa da sua vida, mais que dádiva de opinião? Se me permites quanto é 50×1?

      Responder
  38. ANDREI

    Dalcim,você acha que o Federer vai ganhar mais algum Grand Slam?eu sou fã dele,mais sou realista,a idade está chegando,pra mim ele só tem chance se o Nadal não estiver na final,ou perder logo cedo,e o djokovic não estiver nessa fase.mais acho bem difícil ele chegar até em um final de grand slam,ele pode até chegar,mais parece que tá cada vez mais difícil!

    Responder
  39. mariliense

    A vibração de Djokovic ontem após a vitória sobre Nadal não foi por ter vencido o ATP Final e sim pelo tamanho do adversário com o qual ele disputa talvez a mais acirrada rivalidade que o tênis já conheceu. Nole venceu o primeiro finals contra Davidenko titulo que quase passou despercebido; venceu a segunda em 2012 com contusão no braço contra Federer e quase não comemorou como que fosse uma obrigação vencer o agora freguês suiço. Mas ontem ele tinha um mega adversário pela frente que o tinha subjugado em Rolanga e o destruído em US Open diante da mídia mundial.E Nole deu o troco dando um baile no espanhol com muita autoridade …. O ATP Final nunca terá o peso de um SLAM ou de 01 medalha de ouro olímpica individual que acontece sòmente a cada 4 anos. Borg é reconhecido pelos títulos em Wimbledon e Roland Garros; Sampras pelos 14 SLAMs, J Connors pelos 8 SLAMS. Ninguém os reconhece pelos Finals só se for lá no Google e pesquisar.Em compensação Corretja nem é conhecido pelo ATP Finals que ganhou em 1998 e sim pelos Rolanga que perdeu para Moya e Guga. Mas é lógico que é um titulo importante e Rafa vai ganhar pelo menos uma nos próximos anos num piso que em nada o favorece ….quem viver verá

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Mas uma grande bobagem. Novak assim que venceu Federer ficou gritando sem parar em direção ao Publico. Até porque o Suíço fez uma grande partida e o exigiu ao máximo . Isso para quem ” assistiu” ao jogo. O Torneio que reúne os 8 melhores de Toda a Temporada, só perde em pontuação para os SLANS e com Grana muito alta. Corretja foi muito festejado quando eliminou Sampras em pleno Carpete de Hanôver e fez a final com Moya( 98 ). Rafa Nadal precisa parar de ser Chorão e entender que o Mundo nao gira ao seu redor como imaginam alguns Fanáticos torcedores.Abs!

      Responder
      1. mariliense

        Que isso amigon, coisa de chorar é com seu ídolo panga 22×10 como aconteceu no Australian open 2009 coisa feia ….Feliz Nadal e 2014 number one …..

        Responder
  40. Marcos

    DJOKOVIC realmente brincou de jogar tênis com NADAL…fazia tempo que não via alguém tão superior em uma partida, demonstrando claramente a enorme superioridade técnica. Eis a diferença entre o TALENTOSO que “sua a camisa” e o que busca as conquistas somente com muito esforço, também suando a camisa, porém sem o mesmo talento (algo que não deixa de ser nobre). TALENTO não se conquista…é paulatinamente lapidado, como uma jóia preciosa. Admiro o grande esforço do NADAL, porém nunca será uma jóia preciosa, como SAMPRAS, FEDERER, E DJOKOVIC (a contar da década de 90 para os dias atuais, com seus respectivos gênios).

    Responder
    1. Laura Muller'

      Eu tenho que Descordar porque, pra mim talento é só uma desculpa esfarrapada…Porque o que torna um jogador talentoso, habilidoso são os treinos, o modo de viver, de ver a vida ao seu redor. E não é algo que já nasce com a pessoa, me poupe e Federer começou perdendo pra depois começar a ganhar! E Nadal como ele é sim os dos maiores tenistas que já existiu, se não teria ganhado 13 GS, 60 titulos, e mais de 650 vitorias, ainda mais 22 sobre o Federer em seus confrontos! Temos que admitir, que não vai ser o jogo do tenista, a forma de jogar, de comentar, de respeitar o jogador, e sim o que ele conquista que vai faze-lo ser grande…Seja maturo o suficiente pra admitir, que ninguém nasce com talento, é tudo uma questão de treinamento, dedicação”

      Responder
  41. Medeiros

    Dalcim, a ordem de IMPORTÂNCIA dos Grams Slams seria essa? 1º Wimbledon, 2º Us Open, 3º Roland Garros e 4º Australian Open?
    E vc sabe me informar a ordem de IMPORTÂNCIA dos 9 torneios Master 1000? O de Monte Carlo seria o menos importante devido a ser o único que os tenistas podem deixar de jogar se quiserem????
    Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não existe uma ordem preestabelecida, Medeiros. Essa que você colocou é teoricamente a maior. Nos Masters 1000, Indian Wells e Miami têm o peso maior.

      Responder
  42. Fonseca

    Parece-me que tanto Nole quanto Nadal jogam mais soltos e agressivos quando estão como número 2 do ranking. Quando viram número 1, passam a jogar com a preocupação de manter, não é a mesma motivação de ficar perseguindo o oponente.

    O negócio é que eles caem para número 2 enquanto ainda na faixa dos 20 anos, e podem reconquistar o posto. Já o Federer caiu com 30 anos, ai fica difícil buscar o nº 1.

    Responder
  43. Foguetinha

    O jogador que voltou de 7 meses parado e venceu TUUUUDO de Fevereiro a Setembro, 5 Masters…meeeu deeeuss!!! 2 Grand Slam, nos 2 bateu o Sérvio do Glúten! Eu seique 2013 foi sofrível pra vocês,queriiidos! Ojogador que só jogava de Monte Carlo a Roland Garros, de repente joga do 1 semestre até a metade do 2…meeeu deeeus, que sufoco até a temporada asiática,quando o segundo jogador de voces apareceu…imagino a dor! Beijos,queridos,peçam bastante pro Papai Noel trazer o Glúten de 2011 ou o Federer de 2006, rezem mais,pulem as 7 ondinhas no Reveillon,apostem galinha preta pra macumba…fé e, Deeeus! Hahahahhahahahahahaahha
    Beijos,até 2014!!!!!

    Vamoooos! #1 !!!!!!!!!

    Responder
  44. Luis Nascimento

    Nadal definitivamente não é páreo para o Djoko em quadra dura. Mais uma vez Djokovic mostrou que está sobrando no final da temporada, mostrou também que a derrota no US.OPEN foi devido ao grande número de erros não forçados, do que mérito do Nadal. Não tenho dúvida que o sérvio será tranquilamente o número 1 do mundo em 2014.

    Responder
    1. Masha

      Então quer dizer que Nadal não tem mérito por ter ganho Us Open, a não ser pelo sérvio ter errado muito? Então tá
      Se fãs do Nadal escrevem que perdeu devido o número de erros não forçado, é apenas choro de Nadaletes e n entendem nada de tênis né? Os outros quando perdem para Nadal pode ter a desculpa que quadra favorece o espanhol, cansaço pq ficou mais horas ou erros, mas o espanhol na visão de alguns quando perdem n tem desculpas já que estava voando e os joelhos estão bons, os outros são superiores..até pq tudo que o espanhol conquistou até hoje foram em cima de tenistas medíocres, pelos tenistas errarem muito e com ajuda do ATP.

      Responder
  45. E agora?

    Essa e pra quem tem entendimento galera. Se um jogador aposentado que e como Roger tem sido sistematicamente chamado aqui nos comentarios do blog consegue na mesma semana,na mesma quadra e com as mesmissimas condiçoes tirar um set de el toureiro impiedoso Djoko e o segura por se nao me engano por 2 horas e vinte e pouco minutos que denominaçao deve receber o TOURO DOMAVEL RAFITA MIURA que nao conseguiu um setzinho sequer em uma hora e meia?

    Responder
    1. Robson

      Não interessa em nada se ganhou 1 ou 2 sets se for melhor de 3 ou de 5 sets,o que realmente interessa é o placar final,o que realmente interessa é Novak Djokovic faz com nadal exatamente o que nadal faz com federer,ou seja,nadal deixa federer acuado,nadal faz de federer uma moça,e Djokovic faz exatamente isso com nadal,não uma moça precisamente,mas um touro virar um BEZERRINHO recém nascido,huahuahuahuahuhauahuahuahuhauhauhauhauhauhauhauhauhau.
      Federer até 2011 tinha um h2h de 13 x 3 contra Novak Djokovic,hoje tá 16 x 15 pro federer e ano que vem se federer chegar a quartas ou semis reencontrará Djoko com certeza e esse h2h passará a ser favorável ao Sérvio.
      Quanto aos 22 x 17 favorável a nadal diante de Novak Djokovic,tb tem hora pra ACABAR,Djoko vai patrolar nadal já já nesse h2h,alguém aí duvida? EU NÃO.

      Responder
      1. Roberto Rocha

        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
        Nole faz com Nadal o que Nadal faz com Federer???????????
        Nadal e Nole travam verdadeiras batalhas épicas…enquanto Federer entra cabisbaixo contra Nadal…
        Sem mais comentários…
        E realmente os 22 X 17 tem prazo para acabar…é só esperar a temporada de saibro recomeçar….
        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
      2. Rogério

        Federer contra Djoko, há jogo, simples assim. Ultimamente está dando o sérvio porque ele está melhor fisicamente. Federer contra o espanhol, não há jogo e sim uma ENTREGA. Vide Roma, vide Finals, atitude muito apática, nada normal, para quem conhece RF, tudo é muito estranho e não me venha falar que o espanhol usa e abusa do revés fraco do suíço. Bato uma aposta que o lance é fora das quadras, igual as lutas combinadas no boxe onde um dos lutadores, por meio de chantagem é FORÇADO a perder. Se Federer infelizmente cruzar com esse tenista irá sempre ENTREGAR o jogo. O interessante seria descobrir o por quê??

        Responder
        1. Paulo Roberto Ferreira

          Um amigo meu que mora em Paris diz que Federer suja a cueca na noite anterior a qualquer jogo contra Nadal, por isso entra em quadra já cansado e derrotado.

          Responder
  46. lucas

    Depois de ver o jogo de ontem estao dizendo por ai que Martin Scorsese se inspirou sensivelmente e esta interessado fazer um filme sobre a final do Finals de ontem.Apos 33 anos de ter dirigido o classico O TOURO INDOMAVEL com Robert de Niro e Joe Pesci um filmaço em preto e branco sobre Jake la Mota o Touro do bronx ,Martin filmaria nas proximas semanas O Touro Domavel ,com el Djoko matador no papel de um toureiro impiedoso e competente , e Rafita Nadal no papel de um touro que luta bastante para se livrar do toureiro Djoko.Vamos aguadar galera sera bem legal…ha E talvez ,ao contrario do classico original que foi filmado em preto e branco estao cogitando filma lo em tons bem amarelados tipo sepia nao sei se e possivel mas e para captar bem a atomsfera de ontem com a amarelada e afinada del tourito miura….

    Responder
    1. Fernando

      Não agrada pelo seu estilo de jogo. É só bola alta, spin e correria. O Nadal não é nada mais do que isso, e seu jogo é chato. Parece o time do Corinthians, só na defesa. É duro de assistir. Por isso que o Federer é ão idolatrado, pois conseguiu resultados melhores do que o Nadal jogando um tênis que encantou todo mundo. Por isso é que não dá para comparar, pois o Nadal pratica outro esporte. A meta dele é bater a bola com o máximo de spin e o mais longe possível da rede. Cansa assistir a mesma coisa.

      Responder
      1. Roberto Rocha

        Se ele é só iso, então os seus adversários devem ser uma porcaria…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
        Vivem apanhando de um cara que não joga nada!

        Responder
    2. Daniel Passarelli

      Nadal jogou muito esse ano e merece terminar 2013 como número 1. Agora “maior de todos os tempos”, como muitos aí andaram dizendo, me desculpe mas NUNCA SERÁ!!

      Responder
      1. Laura Muller'

        Nunca diga nunca caro amigo, vejamos Nadal tem pelo menos 5 anos pela frente (se não se lesionar), tem 13 GS, 60 titulos, e mais de 650 vitórias, sem dúvidas já é uns dos TOP10 maiores da história do tênis masculino, e são os números que determinam o quanto um jogador é bom! Pois Vencer é Vencer” não importa onde…quando…contra quem…em que torneio!

        Responder
    3. Bruno Guedes

      Voce Joga Tenis, voce ja entrou numa quadra pra bater um bolinha…dar uns slices, umas curtinhas….dar uma variada no jogo mas sem correr muito com classe e tecnica..Naaaaooooooooo…Entao por favor o tenis e um esporte exigente….eu Respeito o Rafa ele e um jogador DURO de se ver jogando….So pra voce ter uma idea..as unicas bolas dele sao, o Forehand de inside out, paralela de backhand sabe deus um milagre e a bola de forehand na corrida e acabou….slice e patetico, deixada nao existe, saque e um deus nos acuda, variar o jogo isso e proibido, so faz contra adversario fraco…entao por favor enquanto houver fisico vai ficar por ai…mas daqui a 2 anos 3 no maximo….vai virar piada.

      Responder
    4. Lucas

      Bem colocado, Ernesto.
      Mas vou te dizer uma coisa : o NADAL é um jogador espetacular, figura entre os grandes jogadores de todos os tempos, mas não me agrada vê-lo jogar. São várias as razões, mas eu destaque o saque c/ aquele ritual q mais parece uma novela mexicana interminável …

      Responder
  47. Robson

    A SURRA de ontem de Novak Djokovic em cima de nadal não mudou em nada para nadal,segundo o próprio,porém o ano de 2014 reserva outras VARIAS SURRAS de Djokovic em cima de nadal,a verdade é a seguinte,enquanto nadal é um TOURO pra todos os tenistas da ATP,principalmente para os 2 Suíços,o Djokovic faz de nadal um BEZERRINHO recém nascido.
    .
    Os balões de nadal machucam muito os Tenistas de esquerda de uma mão só,esses BALÕES não fazem nem cocegas em Novak Djokovic que bate perfeitamente bem na bola tanto de Esquerda quanto de Direita e nenhum outro fundamento do Tênis de nadal incomoda em NADA,NADA,NADA Novak Djokovic.
    .
    Nadal só é mais Concentrado que Djokovic,ou seja,tem um mental um pouco mais forte,no mais perde em tudo.
    Djokovic só deixará Nadal respirar depois que recuperar a condição de número 1 do mundo e Novak Djokovic focado com a faca nos dentes ninguém no mundo vence Djokovic,NINGUÉM.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Pois e’ caro Robson, as lições do ano passado em que Federer retomou o Posto, e agora com Rafa Nadal fazendo o mesmo já foi esquecida.De volta o velho Fanatismo. Novak continua com 6 SLANS e ainda nao venceu Rolanga. A turma de Rafa nunca imaginou que com Federer aos 32, surgiria um cara que igualaria o Espanhol no físico e na Raça . Tecnicamente Novak já mostra sinais de que pode superar Rafa Nadal. Mas vamos baixar um pouco a Bola , até porque muita água ainda vai rolar. Abs!

      Responder
    2. GeCesar

      Não entendi o seu comentário. Você já esqueceu que há muito pouco tempo os dois jogadores fizeram a final do USopen, quadra rápida, e Nadal venceu com uma certa tranquilidade? Foram 6 partidas entre eles no ano e 3 vitórias para cada um. Jogadores que tem esquerda com as duas mãos complicam pro Nadal? Ué, são todos fregueses dele, até o Nole o era até a mudança abrupta da sua condição física do dia para a noite. O fato é que neste torneio todos os jogadores chegam no limite da condição física ( vide, claramente, o Ferrer e o Wawrinka). As exceções são o Federer, pelo seu estilo clássico que o desgata menos e o Nole, que é capaz de cmeçar agora uma maratona e terminar só no natal para se confraternizar com a família.

      Responder
  48. Sergio Mattar

    Pelo bem do tenis, Nole foi o campeão. Nao pagamos ingresso para vermos um jogador passar a bola a 1m da rede e se posicionar a 3m da linha de base. Pagamos para ver os melhores jogarem um tenis corajoso e agressivo. Para ver devolvedor, melhor comprar um paredão e colocar no jardim de casa.
    Nadal teve uma temporada fantastica, nao ha duvidas. Duvidas existem qto a sua “limpeza” no que diz respeito ao doping. Nao me parece coincidencia Federer e Djoko retomarem o tema justamente na ultima semana do ano. Ambos defendendo uma rigidez maior no combate ao doping. Enquanto isso, Nadal se manteve calado.
    2014 sera o ano da verdade para Nadal. Ele tera que defender todos os pontos que conquistou. Acho impossivel que os joelhos aturem tanto desaforo. E se tiver controle de doping entao…. Nole fez um 2011 fantastico, mas bastou Federer ser regular para retomar o #1 em 2012. Acho que em 2014 Nole naturlamente voltara ao topo.
    Mas a surpresa sera Federer! Anotem ai: 2014 ele vai assombrar o tenis!

    Responder
    1. GeCesar

      Sérgio Mattar, o Nole era uma pangaré num sábado à tarde e acorda num domingo como um super-mega-atleta e você vem citar o Nadal????Ô fanatismo!!

      Responder
  49. Luiz Fernando

    Gostaria de parabenizar a torcida nadalista, nao pelos resultados espetaculares do ano, no qual ele saiu de uma ausencia prolongada pra o numero um do mundo, e isso sem enfrentar geração fraca ou perdedora, mas desafiando, e vencendo, Nole. Minhas congratulações se devem a postura após o jg de ontem. Todos os nadalistas reconheceram a superioridade do servio, postando q a conquista decorreu de meritos inquestionaveis. Ninguem apelou p argumentos rasteiros e infundados na tentativa de desmerecer a grande vitória do servio, demonstrando acima de tudo coerencia e espeirito esportivo, coisas q faltam a expressivo segmento aqui do blog, q prima pela alienação e fanatismo. Parabens aos amigos pela postura.

    Responder
  50. Antonio

    Gostei do jogo de ontem, para min ficou claro que tecnicamente os dois melhores tenistas do circuito ainda são Djok e o Federer, o RN é muito forte na parte técnica, mas não ao ponto de superar Nole e Federer, a questão é que o Suiço parece não ter mais a força fisica e a capacidade mental de outrora, pontos que o Servio e o Espanhol tem de sobra. Mas jogando a 100% de suas capacidades eu diria que teriamos um empate técnico entre Nole e Federer e uma pequena desvantagem para o Nadal. Como nenhum ser humano consegue estar 100% o tempo todo dai termos a grande magia do esporte. Parabens ao Nole, que talvez tenha jogado um pouquinho de agua no chopp do Nadal ontem!

    Responder
  51. Pedro Luis

    Dalcim, odeio leviandades mas há algo que suscita uma certa, digamos, “pulga atrás da orelha”, como dizia a minha avó. Eu, por ser torcedor fervoroso do Federer, costumo torcer sempre contra o Nadal, mas eu nunca tive nenhuma sequer pequena dúvida que seja sobre a conduta extra quadra do espanhol. Ele, além de ser eticamente muito correto, claramente sempre foi um batalhador e teve uma evolução tanto fisicamente quanto de melhora do seu jogo, gradual. Não é, definitivamente, o caso do Djokovic. O sérvio passou, de uma hora para outra, de um jogador que abandonava jogos e se cansava rapidamente, para um super atleta que, ao contrário do Nadal que chega em quase todas as bolas no limite a ponto de apenas jogá-las para o outro lado, chega antes do limite o que lhe permite atacar aquelas bolas que já seriam difícil de chegar. Não sei se você se lembra, o Federer deu uma entrevista há tempos( não lembro onde) em que ele não fez nenhuma insinuação direta mas deu indícios que havia uma desconfiança no ar quando alguém se referiu à performance do Djokovic. Eu não sei: ele será sempre inocente enquanto não houver provas, mas acho o seu desempenho por vezes, inumano.

    Responder
    1. Neto

      Esse fato já foi discutido e é antigo. Djokovic tinha alergia a glúten e isso impactava a saúde e o desempenho dele, o que o fez abandonar diversas partidas ao longo da carreira. A partir do momento que um nutricionista identificou o problema, ele mudou a dieta, ficou melhor fisicamente e passou a atuar dessa forma que já estamos acostumados.
      Remédio nenhum ensina um jogador a bater uma esquerda de duas mãos daquela forma.

      Responder
    2. Sergio Luiz

      Então você é “torcedor do Federer”, “torce contra Nadal”, mas tem “confiança absoluta no caráter e comportamento do Nadal fora de quadra”, mas “desconfia que Djoko se dopa”! Eu e todo mundo acreditamos, assim como em Mula-sem-cabeça, Saci-Pererê, Papai Noel, afinal somos todos infantis, imbecis e idiotas! kkkkkk

      Responder
    3. george magno

      COCNCORDO SÓ TEM DESCONFIANÇA COM O NADAL! O DJOKO CHEGA EM BOLAS INCRÍVEIS E NA MINHA OPINIÃO TÁ ATÉ AMIS RÁPIDO Q NADAL E SÓ O NADAL É Q JOGA DOPADO! FALA SÉRIO!

      Responder
  52. Marquinhos

    O único golpe que faz Nadal vencer Federer é o balão na esquerda e só. Seus slices, voleios e deixadinahsas que ele comprou em um supermercado não fazem nada. Infelizmente o Suiço não bate o back com as duas mãos e será refem de um tenista técnicamente limitadissimo.
    E ontém du dó do baloeiro, parecia Nadal uma barata e Djokovic um elefante.

    Responder
  53. Lucas

    …..
    Ivan Lendl e McEnroe travaram duelos memoráveis.
    Não sei se estou certo — o Dalcim q vivencia o esporte cotidianamente poderá me corrigir —, mas eles tinham a mesma idade. Chegaram a disputar a final do Banana-Ball em Santos.
    Pelo q me lembro, nos primeiros confrontos diretos entre ambos, Lendl levou nítida vantagem sobre o americano, coisa de “freguesia”. Depois a coisa se inverteu, o americano passou a levar seguidamente a melhor nos jogos de ambos.
    Outra. Certa vez ouvi Agassi declarar q o q o motivava no Tênis era o fato de ver FEDERER à sua frente.
    Como fã de FEDERER — p/ mim ele é o melhor dentre todos —, confesso q fico incomodado c/ o seu conformismo diante do espanhol Nadal. Antes mesmo do duelo ele parece subjulgado, como se admitisse a derrota de antemão.
    Isso deve ser de enlouquecer, visto q o Tênis exige muito da parte mental do jogador.

    Responder
  54. Lu

    E o filme se repete quando Nadal perde, antis afirmam que o sérvio encontrou como ganhar do espanhol e que ele dificilmente voltará ganhar do sérvio…o mesmo filme de 2011 e depois que ele ganhou RG este ano, que não ganharia mais nenhum título fora do saibro no ano(2013), claro que pq os títulos ganhos até agora na carreira foi por ser beneficiado devido as quadras(sim, essa é a mais nova pérola para menosprezar as conquistas do espanhol) ou para alguns pura sorte, assim como no Us Open.
    Enfim, o título estaria em boas mãos para qualquer um que ganhasse pela temporada dos dois, mas pela primeira vez vi um Nadal afobado e p/ piorar inconstante no saque(a la Sharapova), a esquerda que Djokovic abusou bastante, n estava tão boa ao aguentar tantos ataques como no Us Open…além do sérvio não ter sentido tanto a pressão como o espanhol

    Responder
  55. Santos

    Muito justo o título do Nole. Dos 04 slams e finals, ele foi campeão de 02, fez final de mais 02 e semi em Rolanga, não ganhando por muito azar. Hoje é favorito em qualquer piso, todos os torneios o sérvio começa com pelo menos 50% de chance de ser campeão. O h2h mais equilibrado contra os tops é de Djoko, apesar de ter perdido o nº 1 e de muitos o considerarem uma máquina cuspidora de bolas, pra mim ele tem a característica mais importante, ele é extremamente adaptável e isso é uma virtude e não um defeito, hoje é o melhor tenista do circuito.

    Responder
    1. Igor Menezes

      Não coloque o Finals no mesmo patamar dos Slams, parceiro… Existe uma hierarquia aí… o Finals está um nível abaixo… Serve apenas como critério de desempate… Se não, podemos somá-lo aos Masters 1000 e dizer que são os 10 torneios mais importantes depois dos Slams…

      Responder
      1. André Luiz

        Concordo. Convém lembrar que Nadal recuperou o número 1 sem jogar o Australian Open, venceu dois majors e, dous outo masters que jogou, venceu cinco, foi vice em um e semifinalistas nos outros dous. Seus resultados nesse ano são incontestáveis.

        Responder
  56. Cleriston

    Merecidissimo o título do Djoko. Foi o melhor durante todo o Finals e tb nos últimos 2 meses.
    Ele e o Nadal são os jogadores mais confiáveis do circuito, justamente pela forca física e mental, associado ao jogo pesado e regular de fundo.
    Nesta final, Nadal nao jogou bem, bolas curtas e erros bobos. Facilitou p um Djoko solido, que sempre atacou mais. Nadal jogou bem melhor no piso sintético de IW, Montreal e Cincinatti que neste Finals.
    E 2014 promete uma luta acirrada entre os 2 pq eh da natureza de ambos procurar sempre melhorar e “mirar” nos possíveis pontos fracos do adversário. ( Nadal vai analisar as derrotas p Djoko e corrigir e vice-versa).

    Uma coisa eu acredito: Borg, Nadal e Djoko são/foram os adversários mais difíceis de se enfrentar da historia do Tenis, na media de todos os pisos. E os gênios Federer e Sampras qdo bem fisicamente e mentalmente eram quase imbativeis na superfícies bem rápidas.
    Nao acredito mais em títulos importantes do Federer pq algo físico (somente lombalgia e queda de preparo físico ?) provocou uma redução importante da POTENCIA do seu saque e FH em 2013, ou seja, a base do seu jogo ofensivo.
    Dalcim, vc descobriu algo a respeito disso do Federer ai na Europa?

    Responder
  57. edmundo

    Deixa ver: no futebol tem o Corinthians, para quem eu torço. O Corinthians é protegido, e é lógico: tem a maior torcida arrecada mais, a Globo vê nele um ótimo negócio etc., mesmo não sendo o jogo mais “plástico” . No tênis, esse jogo “feio” seria o equivalente a Nadal. Porém, a arrecadação, seria equivalente ao Federer, seguindo as afirmações dos Federistas. Mas os patrocinadores do futebol devem querer proteger o Corinthians por causa da audiência. Mas se Federer dá mais audiência, pq proteger Nadal: A Rolex, a Mercedes, o Paribas iriam deixar um dopado roubar a sua audiência? Quanto dinheiro tem a estrutura Nadal, para “subornar” a Mercedes?
    Nadal é dopado, Nadal foi suspenso por doping, Nadal voltou melhor (mais dopado) da suspensão e a ATP ainda diminui a velocidade da quadra para um dopado, vindo de suspensão, ganhar, em detrimento do homem que é o melhor negócio, o melhor de todos os tempos e que arrasta multidões? Que atrai mais aficciondos para o tênis, mais praticantes, que é uma pessoa melhor e melhor embaixador para o tênis? O Corinthians, em teoria, vai durar várias décadas: o Nadal 5 anos: pq proteger o Nadal se o Feferer é melhor em tudo?
    Lance era magro e se revelou o dopado, enquanto o alemão era gordo e não era (tão) dopado. Ben Johnson, fortão, era dopado , mas o Carl, magro, era tão dopado quanto.
    A ATP protege um dopado, que pode machucar muito a imagem do tênis caso venha a ser pego e que ela sabe que é dopado, pois já o suspendeu e causará danos a todos os patrocinadores, que tb devem saber da suspensão: as únicas pessoas inteligentes do mundo são os torcedores do Federer: em tempo, torço pro Federer, no tênis torço pro “plástico” e não pro carne e osso duro de roer!

    Responder
    1. Masha

      Aposto que se Nadal tivesse ganho, estariam por todos sites menosprezando o Atp finals como passaram a fazer quando o espanhol ganhou o Wimbledon e Us Open pela primeira vez.
      Agora o discurso de alguns é afirmar que ATP beneficia o Nadal com as quadras e queria que ele levasse esse Atp finals, Djokovic é melhor, achar todos tem direito de achar de quem acha melhor ou gosta mais, afirmar já outros quinhentos, a partir do momento que ainda estão muito bem na ativa…até pq desde a primeira vez que o espanhol conquistou RG mts afirmaram que ele n duraria por ser mais força física e limitado, depois ser um tenista de um piso só(ainda continuam com essa, mesmo tendo ganho do sérvio três vezes este ano, mas pura azar do Djkovic segundo alguns), passaram anos e ganhou tds GS. Mas o discurso agora é que ele não tem Atp finals, logo, n passa de um fracassado pq ainda não tem o torneio que reúne os 8 melhores.
      Todos tenistas tem seus torcedores alienados, assim como n entendo quem diminui o Federer por não está tão bem depois de tantas conquistas, anos se passaram e não entendo como os antis não cansam de se repetirem em menosprezar tanto as conquistas do Nadal, o que em parte acaba desmerecendo também por quem torce…já que o espanhol sempre está envolvida nas rivalidades dos ultimos anos do circuito, antes contra o suíço em que travaram grandes duelos e de algum tempo p/ contra o sérvio.

      Responder
    2. Leo

      Não misture futebol com tennis, por gentileza.
      Vc escreveu, escreveu, mas esta bem equivocado.
      O Federer fatura muito mais, mas não da ATP e sim de patrocínios particulares.
      Hoje as galinhas dos ovos de ouro da entidade, são o Nadal e o Djokovic, pois chegam mais em finais e são mais jovens.

      Responder
    3. Chileno

      Na verdade, os pisos foram se tornando mais lentos porque “reza a lenda” de que o público vinha se interessando mais pelas longas trocas de bola, em detrimento das jogadas mais ofensivas, como o saque e voleio. Isso indiretamente ajudou o Nadal e prejudicou o Federer. Claro que não tira o mérito do Nadal.

      Responder
  58. André

    Dalcim,
    Desculpa fugir do tema, mas li aqui no Tenis Brasil que o Belucci sentiu novamente a contusão no abdomen e não jogará mais nesse ano. Minha questão é com relação a essa lesão: do que se trata a lesão no abdomen?? Qual a complicação e os sintomas?? Atinge a parte superior ou inferior?? Desculpa pela quantidade de dúvidas, mas é que jogo umas 4 vezes por semana e comecei a sentir umas dores nessa região, mas os ortopedistas disseram que era consequencia da coluna… Enfim, sei que cada caso é um caso, mas se puder detalhar mais esse tipo de contusão agradeceria!
    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Geralmente, é uma distensão no músculo do abdôme, gerada por um esforço além do normal ou excesso de treino/jogo. Complica muito o saque e precisa de parada total para que o músculo retome seu lugar. Abs!

      Responder
  59. Marquinhos

    E tem outra: O comportamento do Sérvio é muito admirável sem manias e desculpas. Não passa dos 25 sg e não perde tempo enfiando o dedo no traseiro e cheirando. Comportamento de quem tem uma mentalidade normal e é macho mesmo.

    Responder
  60. Paulo

    Dalcim, antes de mais nada, parabéns pela cobertura desse Finals, foi sensacional. Agora, mais sensacional foi a vitória do Djokoloco (verdadeiro número 01) sobre o Rafael Gonzaga (Rei do Balão). Como joga feio esse tenista, depois quer ser considerado GOAT kkkkkkkkkk. A carinha de aflito dele só defendendo as bolinhas do sérvio, o desespero da namoradinha, a frustração do titio kkkkkkkkkkk… demais. Vejo no sérvio muita possibilidade de melhoria, fisicamente tá muito bem, então creio que 2014 será um excelente ano pra ele. Agora para o espanhol, com a ausência de seus fregueses que sempre o ajudam (ele é especialista em ganhar de velhinhos kkkkkkkkk), pois a idade dos caras tá pesando, com a volta do Murray, com o Delpo bufando e com esse joguinho de ganchões já manjado, irá ficar cada vez mais difícil kkkkkkkkkkk. O que podemos concluir… vai ter que suar muuuuito kkkkkkkk, tá pensando que é fácil? Haja suplementos espanhóis kkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Abraço Dalcim.

    Responder
  61. oswaldo e. aranha

    O Bruno Guedes só pose ser flamenguista; eu como torcedor do Vasco e do Dkovich achei infeliz a comparação de Vasco e Nadal. Lembro-me do Vasco pelas suas grandes vitórias e não só no momento; afinal o grande Dkovich também teve seus momentos ruins neste ano .

    Responder
    1. Sergio Luiz

      Concordo Osvaldo. Coincidentemente torço pro Sérvio e para o Flamengo, e até acho que se possa mencionar futebol e clubes aqui no blog, mas jamais traçar paralelos de tenistas com clubes. Acho que o Bruno não teve a intenção de ofender, mas mesmo assim eu me solidarizo com você. Torcer pro Djoko e pro Vasco é tão digno e legítimo, quanto para qualquer clube e qualquer tenista. Abs.

      Responder
  62. Fernando CS

    Dalcim.

    Olhando para o ranking ao final da temporada dá para afirmar que não há chance alguma de alguém que não seja Rafa ou Djoko ocupar o topo ao longo de 2014, não?

    Responder
  63. Marquinhos

    Parabéns Sérgio Luiz! Gostaria que Federer tivesse o backhand do Sérvio, que para mim, é o melhor do circuito.
    E o Sérvio depois de Federer é o melhor e maior da atual geração. E é como o Lógico disse: Farsa não vence o finals.

    Responder
  64. Igor Menezes

    E o espanhol vai se aproximando do suíço em temporadas como nº 1… Muito se fala nas 302 semanas e blá blá blá… mas o que interessa mesmo e conta para a ATP é o nº de temporadas terminadas na ponta do ranking… E nisso, meus senhores, já está 5 a 3 para o suíço… Olha o espanhol chegando aí!!! Aos 27 aninhos, é um bebê ainda… Muita água irá rolar nesses 5 aninhos de diferença que vocês adoram tanto enfatizar… kkkkkkkkkkk Tenho pra mim que esse recorde, além do nº de Slams, vai cair também…

    Responder
    1. Carlos Reis

      Esse recorde é do Sampras(6), para mim o recorde de semanas e principalmente de semanas consecutivas é que mostra o verdadeiro domínio de um tenista perante todo o circuito, o suiço ficou 4,5 anos sem perder o n.1, fez 10 finais de GS seguidas, jogou o Masters 12 vezes seguidas, com 6 títulos e 2 vices, entre outros números absurdos, como penta seguida em Wimbledon e no US Open, mesmo assim chamo ele atualmente de “mauricinho frouxo da suiça”, já que não respeito quem é freguês de R.Nadal, o sérvio Eu chamo de DjokoVICE. Nadal é o rei do saibro, do H2H e do dedo no fiofó, só isso… Sobre o seu comentário, 5 a 3 pro suiço, essa aí é parada ganha, visto que o Nadal jamais terminará novamente uma temporada como n.1, o robo 2.0 sim pode ultrapassar o suiço nesse quesito, e tem tudo para superar o recorde de M1000 e os 13 GS do robô 1.0. Valew DjokoVICE!!!

      Responder
      1. Robson

        nadal robô 1.0 e Novak Djokovic robô 2.0,taí,exatamente isso,gostem ou não,quer queiram quer não,exatamente isso,só acho que o mental do Djoko é 9 de uma escala de 0 a 10,enquanto que o mental de nadal é 10,pq em todos os outros fundamentos Djoko está a frente.

        Responder
    2. André Luiz

      bebê? O tio Nadal não chegou a dizer que o sobrinho joga no máximo até os 30? O normal é esperar uma queda física do espanhol nas duas próximas temporadas.

      E o recorde de 302 semanas é importantíssimo, e magnífico. Assim como também o de 237 semanas seguidas.

      Responder
    3. Paulo Roberto Ferreira

      Não é recorde. Sampras terminou em primeiro por seis vezes, enquanto Connors, mesmo enfrentando gente como Borg, McEnroe, Villas e Lendl, por cinco vezes.

      Responder
  65. Leonardo Carvalho

    Tomara que haja mais equilíbrio no circuito em 2014 porque esta ficando previsível e monótona essa repetição dos duelos entre Djokovic e Nadal. Quem sabe Murray, Del Potro, Federer e talvez alguma surpresa possa incomodar.
    Dalcim, num post anterior você comentou que Federer não havia reservado quadras para treinar em um determinado dia e, considerando a oscilação no jogo dele entre grandes lances e erros-não-forçados bobos me veio a questão: Essa oscilação teria a ver com a falta de treinos? Talvez isso seja uma forma de evitar um desgaste por conta dos problemas físicos ao longo do ano. O que acha? Houve algum comentário nesse sentido aí em Londres?

    Responder
  66. marcio

    Não vejo condições têcnicas do Nadal superar o Djoko, em quase todos os fundamentos o Nole é melhor e parece que ele reaprendeu a ganhar de Nadal…não vejo uma mudança de jogo do espanhol que possa fazer ele voltar a ser superior ao sérvio….em condições normais e os 2 no seus máximos…o Nole é bem superior.

    Responder
    1. Chetnik

      Concordo, o problema é que o Nole, em que pese o mental bem forte, é menos concentrado do que o Siri. Ele tem maiores momentos de inconstância, e o baloeiro costuma aproveitar esses momentos.

      Ou seja, o Djokovic bem vai vencer o trapaceiro quase sempre, mas não tem como afirmar que aquele vai estar sempre bem, então prefiro ser mais cauteloso, já que esperava mais do Djoko tanto em 2012 como em 2013 – em termos de GS, e ele perdeu uns 2 ou 3 que deveria ter ganho, o que o impediu de entrar no “hall of greats”, pelo menos por enquanto.

      Responder
      1. Robson

        No Uso não,mas em M.Carlo,China e Londres o Novak ENGOLIU,DEU UMA SURRA DE CHINELA EM nadal,e em RG foi um jogo bemmm disputado decidido no 5º e último set,mas espere ano que vem e verá o que será um ano de verdadeiras COÇAS de Djoko em cima de nadal,só a volta do número 1 do mundo junto com a 1ª conquista de RG que fará com que Djoko deixe nadal respirar um pouco,até la será Djoko na Jugular de nadal o tempo todo.

        Responder
  67. Emílio

    Parabéns a Nole, jogou certinho. Já Nadal estava muito afobado. Talvez pq quisesse muito ganhar (mais até do que o sérvio, que já tinha dois títulos), mas sabia que não estava preparado para tal, uma vez que ficou claro que seu objetivo pós US Open foi apenas terminar o ano como o #1. Isto veio no segundo jogo e só então começou a pensar no título. Mas aí já era tarde.
    Quanto à motivação causada pelo resultado, discordo em parte. Mesmo que perdesse, Nole estaria (talvez até mais) motivado a buscar o #1 e RG. Neste sentido, a derrota de Nadal foi muito boa para o rivalidade, porém mais pelo lado de Nadal. Hj ele é o #1, fez uma excelente temporada, mas atualmente Nole está melhor. Estes são os parâmetros que deve levar para 2014, pois os sete meses parados já vão longe. Portanto, acredito que a derrota motivará Nadal a tentar encontrar novamente uma maneira de ganhar do sérvio e que sua acomodação pós US Open chegará ao fim. Só tenho pena dos demais se tudo isto acontecer e eles elevarem ainda mais seus níveis. Mas, por outro lado, a rivalidade seria histórica, ultrapassando a de Federer x Nadal, que ainda considero a mais significativa da era aberta, pois fizeram 8 finais de GS. (Nadal e Nole, que já é a maior em # de jogos, estão em segundo neste critério, com 6).

    Responder
  68. Everton

    Dalcim, e a teoria da geração fraca vai se confirmando. Federer é um grande jogador, mas ele não teria todos esses recordes (em particular o recorde de Grand Slams) se não dado sorte de pegar um circuito enfraquecido entre os anos 2004 – 2007.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Onde esta o para-quedas amigo, começando por Sampras em Wimbledon, verifique a relação dos Oponentes de Federer, passando por GUGA no Saibro, Agassi, Hass, Safin, Hewitt , Ferrero, Henman , Roddick( que tem vitorias sobre todo mundo), Nadal etc…Abs!

      Responder
    2. Ricardo

      Eu acho difícil precisar, mas esta teria realmente faz sentido. Embora o Federer seja um jogador excepcional, é verdade que durante esse período (04-07) não haviam jogadores acima da média como o Djokovic, Nadal e até mesmo o Murray. Haviam ótimos jogadores, sem dúvida, mas nenhum fenômeno que pudesse ameaçar o domínio do Federer. Certamente, se existissem jogadores como estes citados, ele teria vida mais dura. Não estou desmerecendo o Federer, ao contrário, ele é, de longe, o jogador que mais admiro, mas estes fatos devem ser levados em consideração sim. O que vc acha sobre isso, Dalcim? Abs

      Responder
      1. Fabio

        Ocorre que ele que estabeleceu esse parametro tao alto Ricardo. Nao fosse ele, eh bem possivel que o tenis nao chegaria no nivel que chegou (ao menos na parte dos tops). Ter uma barra para pular eh sempre diferente de pular no vazio. O raciocinio eh sutil, mas faz toda diferenca vir antes e vir depois.

        Responder
      2. André Luiz

        Essa teoria não faz sentido algum. A minha é mui melhor: se o auge de Federer tivesse coincidido com o de Nadal, Murray e Nole, estes três últimos teriam sido eclipsados pelo suíço em grande parte dos torneios que conquistaram.

        Responder
      3. Chileno

        Na verdade, isso é bastante difícil de mensurar. Como afirmar de maneira categórica e válida que os oponentes de Federer não eram tão bons quanto os tenistas de hoje? Digo… o auge de Federer foi entre 2004 e 2007, de fato. E como saber se durante este auge, vários tenistas bons daquela época não eram comparáveis, por exemplo, ao Murray de hoje? O que quero dizer, é… Será mesmo que eles piores, ou será que a soberania implacável do Federer e até mesmo do Nadal que também abocanhou alguns títulos nesse período, os afogou?

        Responder
    3. Paulo Roberto Ferreira

      Everton, eu tenho escrito sobre essa teoria há muitos anos, mas quase sempre fui ridicularizado pelos outros. Realmente reinar em cima de Roddick, Hewitt, Nalbandian, Coria além de um Agassi já envelhecido e machucado, foi muito fácil para ele.
      Duvido que ele tivesse um desempenho levemente parecido se tivesse jogado nas décadas de 70 e 80. Ele nunca teria vencido o Borg em Wimbledon nem o Connors no US OPEN.
      Sujeito sortudo o Federer!

      Responder
    4. Denis

      Safin era muito mais jogador do que o murray ou Delpo e o roddick, hewitt, ferrero, apesar de não terem o mesmo nível do rafa ou djoko, eram coadjuvantes infinitamente melhores do que ferrer, Berdych, wawrinka, tsonga e gasquet

      Naqueles anos não bastava jogar bem apenas a semi e a final para ganhar um título, coisa que aconteceu durante anos com federer e nadal. Aliás, só precisava jogar bem a semi aquele que estava na mesma chave do djoko. O que desse sorte no sorteio já era praticamente fgarantido na final

      Responder
    5. Robson

      Tenho certeza que se nadal tivesse 32 anos e Djoko tb tivesse 32 anos,o federer não teria nenhum recorde,absolutamente nenhum,estaria tudo bem dividido entre os 3,digamos que uns 10 GS pra cada um e umas 150 semanas como lideres do Ranking pra cada lado,etc…

      Responder
    6. Paulo

      Nadal venceu seu primeiro RG em 2005 e terminou os anos de 2005, 2006 e 2007 como número 2. Neste período, ele venceu 3 GS e 9 MS e chegou duas vezes a final de WB. Ou seja, ele já era um jogador top. Se o circuito estava fraco nesta época, então Nadal fazia parte deste time de “ruins” que não conseguia vencer Federer. Djoko fez a final do US 2007, perdendo para Federer, além de cair na SF de RG e WB. Terminou o ano no Top 10. É outro que poderia ter impedido o reinado do Federer. Resumindo: Federer ganhou tanto porque era o melhor daquele período.

      Responder
  69. Chetnik

    Outra coisa, impressionante como o Nadal é asqueroso. Após a partida no 500 Chinês, ele falou que não teve chances e que quando o Djokovic joga naquele nível não tem muito o que se fazer – o que qualquer um que não seja Nadalete fanática concorda. Os dois jogando 100% não dá para o baloeiro.

    Mas porquê ele falou isso? Era um torneio pouco importante, ele vinha de uma vitória no US Open e tinha vencido o Djokovic duas vezes seguidas em quadra dura. Estava se sentindo “por cima da carne seca”. Foi condescendente e não se sentia ameaçado, afinal foi só um revés em um torneio 500 e, afinal de contas, não se pode vencer sempre.

    A mudança no tom após a derrota de ontem é notável. Falou que a derrota não muda o sua carreira ou o seu ano, disse que segurou a troca de bola – o que é uma MENTIRA – e que a diferença foi o saque – o Djokovic de fato sacou melhor, mas fez de tudo melhor… além do mais, o saque do Nadal entrou em várias chances de quebra e o jogo poderia ter sido ainda mais tranquilo.

    Veio ainda com aquela conversa de que winner não significa agressividade – eu sei que o siri não é dos tenistas mais inteligentes do circuito, mas até comentários cretinos devem ter um limite – culpou a “sorte” – falta de – e ainda negou que o Djokovic tenha feito algo de diferente, querendo deixa subentendido que as coisas se decidem na “sua raquete” – o que sabemos que é mentira.

    Falou que não tinha pressão para vencer – MENTIRA novamente, tava doido para ganhar o FInals – e veio com a velha delonga de quadra e bola que prejudicam o seu jogo. Ou seja, vintage Nadal.

    Agora porquê a mudança de postura? Porque é um torneio que queria muito ganhar – lacuna na sua carreira – e importante; porque agora são duas surras seguidas; porque o Djokovic mostrou que Pequim não foi um brilhareco de um tenista com ano inconstante e irregular, ou seja, mostrou que o Djokovic sentiu as derrotas e fez os ajustes para voltar ao topo, afinal de contas foram 4 torneios seguidos jogando muito bem – e vencendo -; porque o Nadal percebeu as coisas ano que vem não serão tão fáceis assim.

    Em outras palavras, se sentiu acuado, e ele odeia se sentir assim. Veio as lembranças de 2011, e ele sentiu que era hora de “milongar” – como alguns colegas gostam de dizer. Quando um adversário inferior te derrota pontualmente em um torneio menor é fácil ser condescendente e afetar uma falsa nobreza, “aceitar” e fingir ser um bom perdedor.

    Agora quando esse adversário se afigura como seu igual, e quando ele te surra mais de uma vez, ainda mais em um torneio importantíssimo e que você queria MUITO ganhar, incutindo péssimas lembranças de um passado não tão distante, demonstrando que ano que vem ele vai vir com sangue no olho querendo te pegar, daí suas cores verdadeiras transparecem, e a máscara cai por terra definitivamente.

    Sinceramente, sujeitinho nojento esse baloeiro.

    Responder
    1. André Luiz

      Não o chamarei de ‘nojento’, mas concordo com tua análise. Nadal está se sentindo acuado. E com razão. É muito maior a probabilidade de que Nole faça um ano no nível de 2013 ou superior na próxima temporada do que a do espanhol manter os resultados e o nível de jogo que conquistou nesses últimos meses.

      Responder
    2. Clayton

      Boa tarde. Comentario estruturado e totalmente valido, porem, acentuado o fato de que voce tanto critica o que chama de “nadalzete” mas se torna a atitese de tal. Nole NAO e melhor que Nadal, simplesmente o jogo encaixa, assim como o de Nadal encaixa no de Federer. Nole simplesmente consegue anilar as bolas altas com spin com suas paralelas. Volto a dizer, nao sou fa do Nadal, mas me incomoda, alguem dizer que o Servio é melhpr que ele. O engrecado é wue as pessoas criticam as torcidas fanaticas, mas, torcem fanaticamente contra, o que é a mes a coisa. Vc deve ser corinthiano com certeza!!!’

      Responder
      1. Chetnik

        Sou flamenguista rs. Mas por futebol não sou fanático rs.

        Veja, não sou idiota, não vou dizer que alguém que tem 6 GS é melhor do que alguém com 13. Digo que o Djokovic é bem melhor em quadras duras do que o Nadal, e os números confirmam o que eu digo. No geral, o Nadal está em outro patamar, embora o final do ano tenha renovado as minhas esperanças de que o Nole pode passar dos 10 GS. Esperar para ver.

        De qualquer forma, meu comentário não tem muito a ver com quem é melhor e sim com o comportamento desprezível do Nadal.

        Vou fazer um último ponto para reforçar o que eu disse: alguém já viu o Nadal com uma postura defensiva contra o Federer? O Nadal tá sempre “puxando o saco” do Suíço, falando que os números fazem dele o melhor. Isso é fácil de explicar, muito fácil adotar essa postura quando você tá sempre surrando o cara. Se o confronto entre os dois fosse diferente, duvido que o baloeiro agiria assim… daria entrevistas parecidas como essa de ontem.
        Abraço.

        Responder
        1. carlos henrique

          salvo contusão, bate na madeira, nole vai abocanhar mais de 10 majors sim, ele é favorito no AO pelos próximos 3 anos, é o segundo mais cotado em RG pelos próximos 3 anos pelo menos, em wimbledon pode beliscar 1 em 3/4 anos, dependendo da instabilidade do Môri, e no US ele está entre os 3 mais cotados nos próximos 2 anos, ou seja, se se mantiver em alto nível por mais 3/4 anos, fatalmente papará mais de 4 majors, começando pelo AO14
          ADJE NO1VAK!

          Responder
        2. Clayton

          Boa noite. Agora sim… Rs.. Flamengo ainda passa.. Kk
          Mas realmente, é aquilo de entrar em quadra e dizer… Puxa, do outro lado esta minha pedra no sapato… Isso faz essa postura nas entrevistas, creio eu…
          Eu acho que o Djoko ganha de 10 a 12 slans e o Nadal entre 18 e 20.
          Abraço

          Responder
        3. Paulo Roberto Ferreira

          Concordo com vc. Realmente o Nadal vive enchendo o balão do Federer pois tem interesse direto nisso: quanto mais tempo o suiço permanecer jogando melhor para ele, com vitórias e prêmios garantidos. No lugar dle eu diria o mesmo.

          Responder
    3. Maurício

      Ao contrário que declarou, Nadal não aceitou essa derrota. As declarações dele foram ridículas. A análise do jogo que ele fez, deve ser de outra partida. Acho que o saque dele o salvou em momentos importantes, assim como foi diante de Federer (que perde chances incríveis diante do espanhol). O Djokovic ganhou o jogo batendo no Forehand e no Backhand do Nadal…por diversas vezes, deu para ver que Nadal não aguentou o pesa da bola do sérvio. Essa “peia” ele vai sentir por um bom tempo!

      Responder
      1. Clayton

        É isso ai. Nao aguentou as pauladas.. E foram muitas…. É só olhar o como as bolas de Nadal estavam curtas, o que normalmente nao ocorre, mas vinham devolvidas dos canhoes do servio. Surra mesmo!

        Responder
    4. Fernando

      Chetnik, temos um grupo no facebook chamado “Novak Djokovic Brazil” e queremos te convidar para participar. Se houver interesse, avise, pode deixar seu perfil aqui ou procurar no facebook que nós te aceitaremos. Abraços!

      Responder
  70. Bruno Guedes

    Dalcim, meu caro mata uma curiosidade ai pra mim QUal o maior vencedor de GS em sets diretos?
    Vou fazer minha pesquisa aqui, se voce ja tiver esses numeros por favor me diga..e so por curiosidade.

    Sobre Nadal, ele e igual a o Vasco, nao interessa o adversario, vai ser sempre o numero 2.
    Muricy, sempre diz, a bola pune…jogar tao feio e se defendendo tanto nao podia ser vencedor….Vida longa ao REI RF, esse sim mesmo quando perde a magia entra em quadra.

    Abraco

    Responder
  71. Sergio Luiz

    Já disse que sei que os pisos ficaram mais lentos a partir da década de 90, num processo gradativo, mas o que eu não entendo é como o piso de um torneio vai ficando mais lento durante o torneio. No início deste Finals, uns diziam que tava mais rápido que no ano passado, outros (dentre eles Federer) dizia estar exatamente igual. Dalcim disse que estava muito parecido com Paris. Mas, conforme os resultados foram acontecendo o piso foi ficando mais lento que nas edições anteriores, e mais lento a cada jogo e resultado! Acho que o Brack tem razão, começaram a molhar a quadra nos intervalos! rsrs.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Quem Amigo , afirmou que estava mais rápido que no ano passado ? Você se recorda da Final Novak e Federer 2012 ? Se nao, aperte o play . Abs!

      Responder
    2. Rafael Wuthrich

      Replicando comentário do post anterior, amigo Sergio, sou um dos que considera a questão dos pisos tormentosa. Falta um Masters na grama, o US Open e Wimbledon não tem metade da velocidade que já tiveram. Mas o saibro é essencial para se demonstrar a perfeição de um tenista junto com os demais pisos. Isto posto, Considero Nadal top 6 ou 5 de todos os tempos, talvez melhor que Borg no quesito títulos, mas abaixo dele na questão importância. Também coloco Federer, Laver e Sampras acima dele. Lendl acho que foi um tenista mais completo que ele, embora menos títulos de GS ou Masters.
      Isto posto, tenho pra mim que o H2H foi resultado de um conjunto de fatores: (1) A enorme pressão que Federer começou a ter para vencer Rolang Garros; (2) o estilo de jogo de Nadal, totalmente pouco ortodoxo, que passou gradativamente a incomodar Federer à medida que mais pressão era colocada nos seus ombros e Nadal jogava um jogo “sem riscos e erros” da linha de base; (3) a pressão que Federer passou a ter para enfim vencer Nadal em RG e se credenciar como o GOAT superando Sampras; (4) a derrota em Wimbledon, que coincidiu com certa redução na velocidade dos pisos; (5) mais pressão sobre Federer após mais uma derrota na Austrália; E daí por diante, as cobranças.
      Eu acho que Nadal é uma fortaleza mental, mas facilitou muito Federer ter que carregar durante anos o “peso da história” nas costas. Não é pouca coisa. Principalmente se as coisas começam a se tornar mais difíceis e os tabus se consolidam. Sou fã de vários esportes e presenciei que poucos atletas suportaram tamanha pressão e por tanto tempo quanto Federer. Várias derrotas, principalmente em jogos no saibro, vieram dos lapsos emocionais do suiço diante de adversidades, justificáveis num contexto maior. É simplista dizer que foram os pisos; na realidade, acho que isso foi apenas mais um fator.

      Responder
      1. Sergio Luiz

        Wuthrich, grande camarada, agradeço por replicar o comentário para que eu tenha a oportunidade de lhe parabenizar. Este sim é um comentário sensato, abalizado e plausível Não tenho dúvidas que Federer teve que conviver com enorme pressão por ter se tornado o que tornou, e por ter ficado tanto tempo como #1, e, evidentemente, como o “cara a ser batido” se tornou “objeto” de estudo pelos demais até encontrar uma forma de bate-lo. Para exemplificar melhor, quando Djoko bateu Nadal 7 vezes seguidos o Espanhol focou numa maneira de bater o Sérvio, e atualmente talvez estejamos vendo o Sérvio fazer isso com Nadal – focando em ajustes para voltar a bate-lo. O que realmente não dá é a limitação de justificar tudo com a singela afirmativa de que “os pisos ficaram mais lentos, e ponto”, que, como você bem pontuou, é muito simplista!

        Aproveito para lhe parabenizar por outro comentário sobre a tática do Djoko contra o Nadal. Sem dúvidas, se o Sérvio não “mexer” o Espanhol, mudando sempre a direção da bola, e deixar Nadal começar a bater o revés com slice, um abraço pro Sérvio.

        Parabéns, apareça mais, e grande abraço!

        Responder
        1. Rafael Wuthrich

          Meu camarada, sempre um prazer debater com você. Voltando aos pouquinhos, depois de alguns meses focado no trabalho e só lendo os posts do Dalcim.

          Responder
  72. welington

    Olha só eu odeio tenista ficar soltando balaozinho igual o nadal faz mas o que ele tem d melhor é a força mental isso eu admiro agora o jogo dele é feio tenisticamente falando. sou muito mais o novak e o federer de outros mais.
    Ainda bem q nole colocou o nadal no lugar q ele merece agora ele vai coçar a bumbum lá em maiorca kkk

    Responder
  73. Sergio Luiz

    O jogo “não foi bom” porque foi rápido e não teve aquelas trocas de bolas intermináveis. Mas, este mesmo jogo, se fosse Federer teria sido um show. O Suiço teria anulado o Espanhol! rsrs.

    Responder
  74. Roger Fedeiros - O Ignorante!

    Caro Dalcin, se as duras hoje não são tão diferentes do saibro (conforme vc disse em resposta a um comentarista), porque então Nadal reclamaria dos pisos se o piso lento o favorece? Até onde eu sabia, isso estava muito mais ligado à saúde dos tenistas e à sua preservação, do que favorecimento ao seu jogo. As duras machucam e não é a toa que praticamente todos, e principalmente ele, chegam no final da temporada, aos “bagaços”. E é nisso que talvez resida o seu protesto quando diz que a ATP não lhe deixou ganhar, apesar de também completar que “não teve competência para ganhar”. Não se trata apenas do piso do “Finals”, mas, da predominância das duras durante a temporada e seu prejuízo à saúde dos tenistas, culminando com a chegada no “Finals” sem plenas condições… Tivéssemos os tenistas em melhores condições, certamente teríamos um torneio bem melhor no final do ano.

    Responder
    1. Chetnik

      E porque Djokovic, Federer, dentre MUITOS outros não tem esse mesmo problema? Porque eles não dependem somente do físico que nem o baloeiro.

      O cara tem um estilo de jogo que proporciona esse desgaste físico e fica aí chorando, como se a culpa não fosse dele. Que coisa patética.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        A questão envolve o físico, mas não somente ele: decorre do fato de Nadal ficar em quadra, no mínimo, 50% de tempo mais que seus adversários, em decorrência de seu estilo de jogo. Não é surpresa a quantidade de lesões. Nadal parece ter 30 anos fisicamente, e não 27. Quando ele chegar aos 30, naturalmente terá sérios problemas se não reduzir a carga de torneios e tempo em quadra.

        Responder
        1. geraldo carvalho

          Dalcim, vc poderia voltar a lembrar os amigos sobre a informação q vc já trouxe aqui algumas vezes de q nadal tem um defeito no pé q se bem me lembro em suas explicações provoca (ou ajuda a provocar) os problemas no joelho. não que ele não dependa do físico, embora o djoko tb dependa mt. mas a questão do problema no pé deveria ou poderia ser relembrada. abs.

          Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Já está relembrada, caro Geraldo. Exatamente isso: Rafa nasceu com um problema no pé, que influencia no joelho. Desde juvenil ele sofre com isso. Claro que seu estilo de jogar aumenta o desgaste do joelho, assim como o piso duro. Abs!

    2. Igor Menezes

      Concordo, Fake… se a lentidão das duras tornasse elas parecidas com o saibro, e isso favorecesse o jogo de Rafa, como insistem em afirmar, Nadal teria uma porção de Australian Open, ao invés de apenas 1… Já que o Slam australiano é o mais lento depois de Roland Garros… E por ironia do destino, ele tem mais Slams tanto na grama, quando no slam norte-americano… que são mais rápidos que o torneio jogado nas quadras oceânicas…

      Responder
    3. Sergio Ribeiro

      Predominância ao Final da Temporada.. Pelo seu estilo de jogo, Rafa Nadal só chegaria inteiro se a Temporada fosse Toda no Saibro. Até Nalba conseguiu vencer o Finals…Abs!

      Responder
    4. Mário Fagundes

      As reclamações de Nadal não procedem. Ao longo de dez anos tudo conspirou a favor dele: os pisos e as bolas ficaram mais lentos, o calendário do saibro lhe favorece, bem como a inexistência de ótimos saibristas no circuito. Se seu jogo não fosse baseado no físico, certamente ele já teria vencido o Finals. Além disso, grande parte das conquistas de 2013 deve-se à falta de pressão com que Nadal jogou durante a temporada. O cara vinha de “contusão”, era incógnita, defendeu apenas os pontos do primeiro semestre e jogou somando tudo o restante do ano. É bem mais fácil jogar nessas condições. Mas uma nova temporada está por vir. Duvido que o sucesso seja o mesmo. Por mais forte que sejam o físico e mental desse “animal”, chega uma hora que não se aguenta manter o nível, sobretudo num circuito tão competitivo. E para mim, essas exibições de fim-de-ano, que deveriam ser de total relaxamento após uma temporada com mais de 70 jogos, serão altamente prejudiciais ao Nadal, apesar dele afirmar ao contrário. Veremos!

      Responder
  75. Djokovic Fan

    Grande Nole! Depois daquela duríssima derrota para o Nadal no Us Open,tive lá minhas dúvidas se Djokovic não ficaria abalado mentalmente no fim do ano.Que nada,o cara voltou com a entidade alien de 2011 no corpo.

    Vamos ter uma grande,grande briga pelo topo em 2014 com Nadal e Djoko.Só que espero que o Murray volte bem da cirurgia,que o Delpo consiga dar o passo que falta para se equiparar ao 2 e que o Federer volte a ser o Federer para termos um circuito mais equilibrado.

    Os outros? Ficam com o resto….

    Responder
  76. Daniel Lara

    Dalcim apesar de ter torcido para o Nadal acho que Djoko jogou melhor e mereceu o título, acho que o número de erros demonstra que os dois queriam tomar a iniciativa do ponto, agora também ficou claro durante a partida que quem ficou na defensiva levou desvantagem, Nadal não sacou bem e na minha opinião a bola do 1 set 5×3 Djoko 15×30 que bate na fita poderia fazer alguma diferença, agora independente disso é notável como o Djoko se motiva para jogar contra o Nadal, contra os outros tenistas ele vai levando com a barriga até que ganha, nem parece o mesmo jogador, mesmo no segundo set na hora de fechar os dois estavam com a faca nos dentes, e djoko teve sangue frio de fazer um ace no 40 iguais e depois conseguiu se defender e viu a bola do Nadal sair por pouco em um ponto que daria uma nova igualdade na partida, mas faz parte com certeza essa é a pior parte da temporada para o Nadal e só dele chegar nela com saúde já temos que agradecer, que venha 2014.

    Responder
  77. André Pereira

    Péssimo jogo do touro. Final nota 6, e olhe lá.
    Touro jogou nota 5, e o sérvio nem jogou tanto como falam. Dou nota 8 para o Djoko.

    Acho que foi a pior final que vi o Nadal jogar. Não pela gana de vencer ou o sangue nos olhos (isso ele sempre tem de sobra), mas taticamente e tecnicamente foi MUITO ABAIXO. E jogar nota 5 contra o Djoko é isso = VAREIO DE BOLA!.
    Muito mal, erros bobos, e certa “inconstância”. Acreditem!

    Djoko foi o jogador que mereceu totalmente a vitória e mostra que 2014 promete. Me desculpem os fãs do Fedex, mas acho MUITO IMPROVÁVEL ele ganhar mais 1 slam. Nem na grama. Com o ranking dele ele teria que ganhar de um Nadal e Djoko na sequência, o que sejamos francos tá difícil de qualquer um conseguir tal façanha. Quando um cara ganha de um desses dois, no dia seguinte perde. Muito desgaste mental e físico para ser superado. 2014 será um DUOPÓLIO. Anotem aí.

    Que vc acha Dalcim? Se Murray não voltar bem, temo que 2014 será bem sem graça do ponto de vista “competitivo”. Vai ficar só nos 2.

    Abraço

    Responder
      1. geraldo carvalho

        fez sim , marquinhos. mt embora nadal tenha vantagem no confronto direto. mt diferente dos 22×10 entre nadal e federer. esse ano, nadal e djoko fizeram vários confrontos e houve equilíbrio. já federer perdeu de vários modos diferentes p nadal durante o ano. tem p escolher.

        Responder
  78. O LÓGICO

    As nadalzetes adoram criticar o fedex por não ter conseguido uma “medalhinha” olímpica, kkkkkkkk, mesmo ele tendo chances só a cada 4 anos. E o que dizer do tenista do MMA? kkkkkkkkkkk são dez anos consecutivos sem lograr êxito, e por que, hein? A reposta LÓGICA é só uma: ele não é GRANDE, kkkkkkkkkkkkkkkkkk. Nunca chegou ao final do ano como N1 e ganhou esse torneio, e quando chegou na final mostrou toda a mediocridade do seu tênis, que se resume em correr muito, se defender muito, e aplicar dois golpes: o ganhcão e o balão, kkkkkkkkkk. O slice, que o Guru tanto frisa como sendo algo que ele introduziu, meu deus, só serve para fugir do apuro, jamais produz uma jogada agressiva e plástica. Na boa, Nadalzetes, o N1 da 25 de março não merece esse torneio; e nem com a mafia toda do tênis a seu favor, criando um piso afeiçoado para o jogo do baloeiro, não deu, e não dará kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Bruno Guedes

      Voce e o melhor……racho o bico com voce, N1 da 25 de marco…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…
      Dalcim tem que dar um premio pro O LOGICO ele e o mais engracado disparado.

      Responder
  79. CARLOS AUGUSTO RODRIGUES DE ALMEIDA

    Aqui vai uma simples pergunta: Quando será que NADAL vai conquistar um FINALS? Ele já chegou em duas finais e nada…. esse ano de 2013 então foi o ano em que ele chegou mais preparado e credenciado para conquistar esse título que depois dos 4 GS é o mais importante, afinal reune a nata do tênis… OS OITO MELHORES JOGADORES DO ANO… Mas a pedra no sapato do NADAL é NOLE…. ACHO QUE O NADAL quanto vai enfrentar Nole sente a mesma coisa que FEDERER sente ao enfrentar RAFA…. com Nole ele prova do seu próprio veneno… AARIBA NOLE… . INCRIVEL… esse sérvio é um OSSO DURO DE ROER….

    Responder
      1. Mário Fagundes

        Aposto que em 2014 será vez de Nole. É bom lembrar que, tirando a final, Nadal teve jogos duríssimos. Por pouco ele não eliminado nas rodadas anteriores. E cá entre nós, aquele toque na rede do Novak…

        Responder
  80. CARLOS AUGUSTO RODRIGUES DE ALMEIDA

    Aqui vai uma simples pergunta: Quando será que NADAL vai conquistar um FINALS? Ele já chegou em duas finais e nada…. esse ano de 2013 então foi o ano em que ele chegou mais preparado e credenciado para conquistar esse título que depois dos 4 GS é o mais importante, afinal reune a nata do tênis… OS OITO MELHORES JOGADORES DO ANO… Mas a pedra no sapato do NADAL é NOLE…. ACHO QUE O NADAL quanto vai enfrentar Nole sente a mesma coisa que FEDERER sente ao enfrentar RAFA…. com Nole ele prova do seu próprio veneno… AARIBA NOLE… EM 2014 vc vai vir voando baixo…. ESSE ANO já são 22 vitória na quadra dura…. INCRIVEL… esse sérvio é um OSSO DURO DE ROER….

    Responder
  81. Leonardo

    Apesar do Djokovic não ter jogado o seu melhor, ficou evidente que ele é superior ao Nadal em todos os aspectos. Acho que só perde na catimba e na antipatia.
    O Nadal acabou explodindo esse ano, porque teve a vantagem de ter descansado bastante em 2012 e fez uma pré temporada muito grande, antes de voltar a competir
    Em 2008, o Djokovic ao vencer o AO, já mostrou que era o sucessor natural do Federer, como o próximo grande jogador e lider do ranking. Uma pena que demorou a ajustar o saque, raquete e a questão física com a retirada do gluten. Com essa demora, acabou dando espaço ao eterno n°2 Nadal conseguir liderar e ganhar vários torneios a mais do que ele merece.

    Responder
  82. Fernando Brack

    Sobre a qualidade geral do jogo de ontem, eu concordo com Dalcim e com a maioria dos colegas.
    Talvez seja um pequeno exagero qualificá-lo de fraco, mas sem dúvida deixou muito a desejar.
    No fundo, um jogo Djoko x Nadal é um jogo entre paredes incansáveis, e pouca coisa mais.
    Claro, existe a emoção porque os 2 lutam feito bestas pela vitória, mas isso não define qualidade.

    Responder
    1. Roberto Rocha

      Só pode ser brincadeira…
      Nadal Lidera o confrinto e joga com raça, ao contrário de Federer que já entra claramente derrotado diante de Nadal…
      O que se pode dizer é que Nole é o jogador que melhor sabe enfrentar Nadal. Mas perde para este até mesmo em quadras hard, como o USOpen.
      Quando Nole e Nadal se enfrentam, a possibilidade de vitória está ao alcance dos 2…quando Federer enfrenta Nadal…bem, todos sabem o que acontece…

      Responder
    2. mariliense

      ué… essa matemática não entendi amigon, Nadal 22 x 17 Nole, vantagem de 5 a favor do fenômeno, Nadal 22 x 10 Panga, vantagem de 12. A verdade é que Nole é melhor que Federer porisso a diferença é menor e os jogos são parelhos, deu pra entender ou quer que desenhe?? O que vocês sentem quando o suíço pega o fenômeno espanhol não sei porque nunca torci pra pangaré rê ….

      Responder
  83. Roger Fedeiros - O Imparcial!

    Interessante, e conveniente para a plebe como se comenta apenas a primeira parte da frase do melhor que o “melhor de todos os tempos”. A nobreza, à qual euzinho pertenço leu a frase completa, que diz: “A ATP …. blá blá blá… E EU NÃO TIVE COMPETÊNCIA PARA GANHAR…”

    É a velha história: “Pega-se um TEXTO fora do CONTEXTO pra se criar um PRETEXTO”. No caso aqui, o pretexto seria depreciar o melhor que o “melhor de todos os tempos”.

    Que Rafael Nadal sempre lutou (ou reclamou, como queiram) sobre aquilo que ele acha correto isso não é nenhuma novidade, nem o deprecia, pelo contrário. Cabedal ele tem pra isso. Pena que outros que teoricamente tem a mesma força, ou até mais, não fazem o mesmo.

    Responder
  84. Roger Fedeiros - O Bem Resolvido!

    Jogo desse “naipe” é diferente mesmo né?… – Isso é tênis! Garra, talento, suor e luta até o último ponto! Os amantes do tênis agradecem, principalmente aqueles que pagam ingresso!

    Depois que Nole pegou aquela bola impossível pra qualquer um (não pra ele) e ainda fazendo aquele “lob”, alí eu ví o que certamente o melhor de todos os tempos já tinha visto lá do alto de sua inteligência tenística, “Ele tá pegando todas… o que que eu faço agora?”…. mas, não desistiu, lutou e arriscou até o último ponto, e principalmente este último, nem precisava arriscar tanto. Mas, é isso… em jogo de macho “alfa” é assim mesmo.

    Poderia até falar do caminhão de dupla falta e ENF incomuns para o padrão do melhor de todos os tempos, mas, não… O Lobo mau fez e levou a melhor sobre o Ogro… desta vez!

    Responder
  85. Lupe

    Carimba?

    Carimba a temporada Djokovic, carimba que esse título foooooooi legal!

    E pra mim finals tem que ser no sintético coberto mesmo, porque pra ganhar aí precisa de um pouco de habilidade no seu jogo, e não só correria e top spin pro outro lado.

    Responder
  86. FABIO SANTOS

    Tênis realmente é um esporte de cavalheiros, ontem após a derrota Rafa disse que chegou a ser um prazer a derrota para Djoko, pois para chegar até ali tinha passado por muitos desafios, além de reconhecer que não era favorito e que não gosta ou sabe jogatão bem nesse tipo de quadra dura e coberta. Lembrando, ele é o n1 ganhou tudo esse ano, é apontado como um dos 5 melhores de todos os tempos e mesmo assim é racional e humilde, parabéns VAMOS Rafa!!!!!

    Responder
  87. Samuel

    Rafael Nadal, na maioria de suas partidas a que assisti e que foram disputadas na temporada de quadra cobertas, golpeava as bolas com atraso, direcionava-as com spin para o centro da quadra e não conseguia ser agressivo com seu forehand. Além disso, ficou evidente que será necessário, de ora em diante, que ele aumente a velocidade de seu saque entre 10km/h e 20km/h.

    Responder
  88. Daniel Toledo

    Perguntaram como Lendl e Agassi sendo basistas numa época de piso rápido conseguiram ser campeões, vencedores?…Pois são geniais, fora de série. Agassi por exemplo é o melhor devolvedor que já existiu antes de surgirem Nadal e Djoko.
    E não custa lembrar, Nadal é o maior disparado no saibro, mas pegou a pior geração de saibristas da história. É fato. Tanto que Federer, que tem no saibro seu pior piso, foi o maior adversário que Rafa teve no piso, sendo 4 X vice em Roland Garros.
    Ou Djoko, que também não é especialista. De resto só caras medíocres historicamente, como Almagro, Ferrer, Puertas, Gaudio, Verdasco, etc…Se tivesse pegado a geração de Muster, Guga, Kafelnikov, Corretja, Moya, etc, teria vencido, mas em menor quantidade certamente.
    Já Federer pegou nas rápidas, Roddick, Philippoussis, Sampras, Hewwit, fora Murray, Nadal e Djoko, o que é mais fácil hein????
    O que é mais fácil, enfrentar Pistou Pete ainda que em final de carreira, ou Philippoussis e Roddick sacando a 230 km/h na grama, ou ficar trocando balões com Ferrer e Almagro no saibro???

    Responder
    1. Igor Menezes

      Não diga besteira, cara… Finalistas nos títulos de WB de Roger: Mark Philippoussis (1 vez) nunca venceu Slam e nunca foi top 5… Andy Roddick (3 vezes)?? Um Slam apenas na carreira e freguesia vergonhosa… Andy Murray (1 vez) nem tinha Slam ainda quando perdeu a final pra Roger… Rafa (2 vezes) esse é o principal rival de Roger na grama e nem especialista no piso é, vide campanha de 2012 e 2013 em WB… E ainda assim lhe venceu na final de 2008… Grandes adversários, hein??? Finalistas nos títulos de RG de Rafa: Roger Federer (4 vezes), criado no saibro se você não sabe, tanto que tem o mesmo nº de finais em RG, AO e USO… Não diminua Roger, ele foi um formidável jogador de saibro… E a única final importante que ele fez em 2013 foi no saibro de Roma… Novak Djokovic (1 vez), criado no saibro, dono de 6 Slams e 3 Finals, nº 1 a mais de 100 semanas, vencedor de todos os masters no pó de terra… Robin Soderling (1 vez), top 5 consistente, único tenista do mundo a vencer Rafa em RG, tendo também vencido Roger um ano depois… David Ferrer (1 vez), nº 3 do mundo, mais de 20 títulos em simples, Philippoussis, não serve nem pra apanhar bolas pra Ferrer, possui a metade dos títulos, melhor ranking foi o 8º, e não tem nem 20% do tempo de Ferrer como top 10… top 5 e top 3 então nunca sonhou na vida… RESUMINDO: OS ADVERSÁRIOS DE RAFA EM ROLAND GARROS, a exceção de Puerta, SÃO MUITO SUPERIORES AOS OPONENTES DE ROGER EM WIMBLEDON… Provado aqui por mim… É fato.

      Responder
    2. Sergio Luiz

      Caro Daniel, mais uma vez você não me compreendeu. Disse você: “Agassi por exemplo é o melhor devolvedor que já existiu ANTES de surgirem Nadal e Djoko.” Veja, quando eu citei o Agassi e Lendl foi exatamente para contestar a assertiva de alguns de que Nadal e Djoko não venceriam nada no tempos dos pisos rápidos.

      Com sua resposta você só confirmou o que eu penso, QUE GANHARIAM SIM, já que você diz que Agassi foi o melhor devolvedor ANTES de Nadal e Djoko. Então você concorda que, como bons devolvedores Nadal e Djoko venceriam nos tempos dos pisos rápidos, tal qual Agassi e Lendl! Abs.

      Responder
  89. Andre Luis

    Achei um grande jogo. Tenso, equilibrado, com grandes jogadas. Nadal e Djokovic têm que serem colocados no nível máximo de melhores atletas de todos os tempos em todos os esportes, sem exagero nenhum.
    Acho Djoko mais brilhante. E o US Open só não foi dele pois a quadra sintética estava tão lenta quanto saibro.
    Vou torcer muito para ele recuperar o Nº1 no próximo ano.

    Responder
  90. Roberto Rocha

    Não foi o melhor jogo entre os 2…muitos erros, especialmente do Nadal…mas desconfio que, se jogassem no saibro, o resultado seria outro…
    Porém, nada de “se”…Eu achava mesmo que Nole venceria e venceu com muita autoridade! É muito bom vê-lo jogar em nível altíssimo!
    Que Murray e Federer voltem fortes ano que vem, e que Delpo, Tsonga e Wawrinka estejam firmes na briga pelos títulos!
    E mais uma vez, parabéns a Nole, um tremendo campeão!

    Responder
  91. André Luiz

    Essa polêmica sobre o piso da Masters Cup está mal focada. Os torneios hard indoor merecem que um grande evento seja jogado em seu piso, e esse é tradicionalmente a Masters. Fora questões pragmáticas como a necessidade de um torneio que não esteja propício a nenhuma forma de atraso.

    O que é injusto é a homogeneização do circuito, isto sim dá vantagens a certos jogadores. Se a gente pega três quartos das principais quadras duras e as transformamos em saibros disfarçados, estamos sacrificando o tênis de maior precisão, ataque, jogo de rede e saque em prol do físico, consistência no fundo de quadra e capacidade de devolução e defesa.

    Estamos sacrificando categorias inteiras de jogadores, estilos de jogo inteiros com essa mudança, e tornando o tênis um esporte muito, mas muito menos interessante.

    Nadal provavelmente não teria nenhum Wimbledon e US Open causo essas quadras estivessem na velocidade que possuíam até a primeira metade da década passada.

    Ele tem de agradecer à ATP por estas mudanças.

    Responder
    1. Fernando Brack

      Nadal deveria agradecer demais à ATP, mas só reclama. O tempo todo.
      Ô menino mais mal-agradecido esse!
      E muito egoísta também. Acha que o circuito deveria ser feito para ele.
      Um bom presidente da ATP já teria lhe pedido um ‘cala boca’.
      O Ogro faz um esforço incrível para eu detestá-lo.

      Responder
    2. Eduardo Jorge

      Acho que Nadal, pela sua capacidade de superação, teria chance em pisos mais rápidos, porém, menores do que com essas quadras. O tênis tem se transformado num esporte tipo maratona. Concordo que a precisão e habilidade tem sido colocadas em segundo plano… uma pena.

      Responder
    3. Chico Estevam

      Mais uma vez concordo em gênero, número e grau. Ouso dizer que ele até mesmo dividiria os títulos de RG que possui com Federer, quando o Maestro estava no seu auge. Acredito que Federer teria batido Nadal nas finais de RG em 2006 e 07, e com certeza Nadal já teria perdido algum RG pra Nole. Quando a Wimbledon, USOpen e Australian Open, Nadal jamais os teria vencido não tivesse a ATP feito essas mudanças arbitrárias na velocidade das quadras e das bolas. Intuitivamente, acredito que a ATP nutre um certo “carinho especial” pelo espanhol. Logicamente, não quero tirar-lhe os méritos, o talento, a garra, a competitividade e outras virtudes como jogador, apesar de não apreciar nem um pouco o seu estilo de jogo. No entanto, duvido muito que ele fosse o que é hoje, tivessem os pisos e as bolas as mesmas características de alguns anos atrás.
      OBRIGADO DJOKO!

      Responder
  92. william laerte fenelon

    DALCIM, eu entendo que o atp finals ser jogado no piso coberto tem sua justiça, assim como o fato dele ser colado ao masters de paris complicaria ele ser jogado em outro piso, mas ainda assim, vc não acha que se torna mto injusto termos 2 GS na quadra dura + atp finals + a maioria dos masters 1000 na quadra dura? é como se o cara pudesse ganhar td no saibro e grama e ainda assim não ser número 1 do mundo se houver outro jogador ganhando td na quadra dura….

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A quadra dura de hoje não é muito diferente do saibro, William. Muda mais a altura do quique da bola do que a velocidade do jogo em si, ainda mais porque as bolas estão lentas. Acho que seria sim injusto se fosse um piso que favorecesse claramente uma gama de tenistas, o que não é o caso. O próprio Nadal hoje é um ótimo jogador na quadra sintética. Abs!

      Responder
      1. william laerte fenelon

        PO DALCIM me ajuda a puxar a sardinha pro Nadal! uhaeuheauhaehuaehuaehu,brincadeira,achei que a diferença entre os pisos fosse bem maior.

        Responder
      1. Chico Estevam

        Concordo plenamente. Nunca teria ganho Australian Open, Wimbledon ou USOpen e dividiria os títulos de RG que possui com Federer, quando este estava no seu auge e com certeza já teria perdido ao menos um pra Nole.
        Não querendo polemizar, mas tenho pra mim que esta queda na velocidade da quadra do Finals, que o Dalcim entende ter mais a ver com a bola usada do que com o piso_ o que faz sentido_ me leva, inevitavelmente a pensar, que há um certo “desejo” da ATP em ver o espanhol ganhando o Finals a qualquer custo. Obviamente, estou exprimindo o sentimento de alguém que, apesar de reconhecer o talento e potencial de Nadal, não admira nem um pouco a sua maneira de jogar.
        Abs

        Responder
        1. Clayton

          Concordo. Creio que quando ele perder a potencia a ATP vai alterar a velocidade do vento, evitar as chuvas e o colocar pra jogar somente em clima amenuo… Me polpem esses comentarios ridiculos……

          Responder
    1. Samuel

      Realmente, Oswaldo, a hierarquia foi restabelecida: nas simples, faltam apenas 7 títulos de Grand Slam e 19 no geral para Djokovic alcançar Nadal. Nas duplas, faltam apenas 7 títulos para isso acontecer.

      “Corra, Djokovic, corra!”

      Responder
        1. Samuel

          Eu não diria que é um fenômeno engraçado. Diria, sim, que é uma situação que pode causar confusão aos incautos. Djokovic nunca contou com a torcida numerosa como Federer ou Nadal – apesar da excelente qualidade do seu jogo – e, conforme foi galgando posições, o sérvio foi mostrando suas “garrinhas”. (É interessante perceber, ao vivo, como ele tem a capacidade de angariar a antipatia de torcedores durante uma partida.) Além disso, a distância que há entre Djokovic e o atual número um é bizarra (5 vitórias nos confrontos diretos, 7 títulos de grand slam em simples, 8 títulos em duplas, 19 títulos no geral em simples, 30 semanas no primeiro lugar do ranking e 117 vitórias em simples). A única explicação plausível para essa “sensação” é que se trata de um fenômeno psicanalítico: os antigos filhos e filhas de Federer agora estão sem pai nem mãe, por isso vão migrando para o lado de quem está ganhando mais torneios nos últimos meses. Portanto, não é um fenômeno engraçado, mas sim infantil. Assim penso.

          Responder
  93. Spencer Santos

    Sem desculpas. Parabéns aos djokovistas, especialmente ao Sergio Luiz, aliás, o único que tenho certeza não ser da “torcida secadora terceirizada”, também conhecida como “Antis”…rs. Para quem era dado como “morto”, até que terminar o ano como Número 1 não é lá pouca coisa…rs. Saudações Nadalistas!

    Responder
    1. Lu

      Mas que é divertido os viúvos/antis apegados em Djokovic ou qualquer outro tenista que ganha do Nadal pq tem tempo que Federer n consegue isso, isso é né? São mais antis do que “amantes” de tênis.
      Tá que alguns comentários são dignos de papagaios, são anos menosprezando Nadal e suas conquistas. Como sempre se ganha foi favorecido pela ATP ou pela quadra, então o espanhol teve mais sorte durante o jogo e não passa de empurrador bolas ou maratonista.
      Enfim, qualquer um que ganhasse estaria em boas mãos,

      Responder
    2. Sergio Luiz

      Valeu Spencer, obrigado camarada. E que no próximo ano tenhamos mais pelejas, pois acho que o Sérvio vai querer recuperar o topo de qualquer jeito. rsrs. Abs.

      Responder
  94. Otávio

    Respondam-me uma coisa : por que o Djokovic não fez ao longo da temporada,mais precisamente, o primeiro semestre TODO e o começo do 2 Semestre, o que ele fez nesse final do segundo??

    – O Djokovic nao jogou ao lomgo do ano dessa forma, por que nao conseguiu ou porque Nadal é que estava muito superior e agora na reta final o Sérvio comtou com o desgaste do Espanhol? Qual a opinião de voces?

    Responder
    1. André Luiz

      Hmmm, desconfio que um misto de relaxamento e consequências da contusão em um dos tornozelos. Ele realmente foi mal nos masters em quadra dura e teve eliminações surpreendentes em Madrid e Roma [se bem que nestes dous casos, os adversários, Dimitrov e Berdyc, tiveram jornadas pra lá de inspiradas].

      Responder
    2. Fernando Brack

      Caro Otávio, Djokovic fez ajustes em seu jogo (muito bem explicitados pelo amigo Sérgio Luiz – seu torcedor #1 aqui no blog – em comentário no post anterior), que funcionaram bastante bem na quadra sintética dos torneios pós-USO.
      A essas alturas, ele mesmo deve estar lamentando um pouco não ter feito isso antes.
      Talvez ainda não fossem suficientes para levar RG, mas certamente teriam evitado a derrota no USO.
      Abs

      Responder
    3. Sergio Luiz

      Desgaste do Nadal ? O Espanhol fez 82 jogos enquanto Djoko fez 81 (e ainda vai jogar a Davis). Só se for a formatação do calendário, coisa que não é a especialidade do Nadal, mas aí a culpa é exclusiva dele, e não pode se queixar nem dá desculpas. Após USOpen os dois jogaram os mesmo torneios, e no Finals os jogos do Nadal foram bem mais fáceis! Sem desculpas, por favor! rsrs.

      Responder
        1. Sergio Luiz

          Desculpe, Otavio, mas se é para ser agressivo, lhe digo que você sim é que não conseguiu ter discernimento. Você perguntou se era “isso” ou “aquilo”. E eu respondi que não era “isso”. Qualquer pessoa com um mínimo de discernimento saberia que se eu respondi que não era “isso”, então só retou uma alternativa: “aquilo”.

          Você não fez uma pergunta “aberta”, você fez uma múltipla escolha: uma coisa OU outra. Portanto, se faltou discernimento….imagina o resto!

          Responder
  95. Renato Lessa

    Uma coisa que esqueci de falar no blog:
    Nadal está errado em querer alternância de pisos no finals. Meu argumento é o seguinte:
    Existem mais competidores especialistas na quadra dura, razão pela qual, se houvesse no circuito o mesma número de torneios na quadra e na quadra de saibro, os especialistas neste último piso seriam privilegiados, já que existem menos competidores especialistas na terra batida.
    Assim, a preferência de torneios na quadra dura se mostra isonômica, conforme a maior quantidade de competidores especialistas neste piso. Esta é a igualdade Aristotélica, tratando os desiguais de forma desigual, na medida de sua desigualdade.

    Responder
    1. Roberto Rocha

      Contra-argumentando…
      Se todos os jogadores jogam em todos os pisos para que os 8 melhores joguem o Finals, é evidente que o rodízio de pisos seria o mais correto…

      Responder
      1. Jônatas

        Não há nexo no seu argumento. Se todos os jogadores jogam em todos os pisos para estarem entre os melhores então teríamos que ter em 1 campeonato jogos em diferentes pisos com uma melhor de 3. Joga na grama, no saibro e no duro e quem ganhar 2 leva. O que propõe dá no mesmo, o jogador joga em pisos diferentes durante a temporada e chega no Finals disputa tem 1 piso só. Vc mesmo mata o seu argumento. Muito mais fácil o que fizeram e o que o Dalcim já citou, embora eu não concorde com este pensamento: vamos aproximar a velocidade entre os pisos para termos uma maior uniformidade no jogo dos tenistas. Na minha opinião já temos GS em saibro, duro e grama. Indoor não tem e acho justo ter um evento deste porte para este piso e também que deveria ter um piso mais rápido do que esse de Londres. Minha opinião é que o circuito é basicamente duro, com uma parte boa em saibro e o restante desprezado. A elevação para ATP 500 de Queen’s e Halle em 2015 alivia um pouco mas acho totalmente injusto termos 1 GS na grama e não ter 1 Masters no mesmo piso por exemplo.

        Responder
        1. Renato Lessa

          Deveriam haver mais torneio na grama, evidente. Este é o piso mais deixado de lado pela ATP, que ainda mantém Wimbledon por respeito as tradições (ufa !). Só uma correção: Piso só são três. Todavia, a quadra pode ser indoor, tanto para o piso duro, quanto para a terra batida e da grama.

          Vencido isso, vamos as estatísticas:

          São 22 torneios no saibro de 64 que existem no calendário. Veja que essa proporção esta legal, já que existem 3 pisos.

          Todavia, são 6 torneios na grama, apenas. A desproporção latente está aqui, minha gente. Veja, que o resto é no piso duro, razão pela qual, deveriam haver mais torneios na grama, em detrimento do piso duro.

          Mas, essa minha análise foi apenas matemática. Como disse no início da conversa: Existem mais competidores especialistas de quadra dura (levando em conta os mais bem ranqueados, LÓGICO), situação que, é mais equânime você conceder mais torneios neste piso, devido a maior concorrência. Evidente que, alguém pode dizer que muitos especialistas na quadra dura são também da grama. Se isso for verdade, que equilibre o número de torneios entre estes dois pisos, apenas.

          Enfim, Nadal aproveita muito bem o número de torneio que existem no saibro. Tirando o “detalhe” dele ser o grande gênio dessa quadra, no top 10, são poucos os jogadores que se mostram especialistas na quadra de saibro. No top 20 também. Por isso, que acho que Nadal se aposentará com muitos títulos de simples na carreira, pois, quando ele estiver em declínio, tenham certeza que o saibro ainda será seu “come pão”. Nenhum jogador na história teve uma soberania em um determinado piso como Nadal, e isto existe por várias circunstâncias, como já foram supramencionadas.

          Responder
          1. Igor Menezes

            Renato, podemos dizer também que existem mais especialistas no piso duro, justamente por existirem mais torneios… Como há mais possibilidades de somar pontos nessa superfície, eles se dedicam e desenvolvem maiores habilidades nela… Se houver uma maior distribuição entre os pisos, pode ser que se resolva a falta de especialistas no saibro e na grama… transformando o circuito de uma maneira muito mais justa!! Abs…

          2. Bruno Vigne

            Tb creio que deveria haver um Masters 1000 na grama, já que temos três no saibro e nenhum nesse piso que é o mais desprezado pela ATP atualmente. O equilíbrio deveria vir daí mesmo. Mais torneios importantes na grama, tirando alguns do saibro.

      2. Carlos Fernando

        Acho que o mais correto seria não homogeneizar as quadras, pois assim voltaríamos a ter os especialistas em cada superfície e um maior número de vencedores. Pete Sampras não venceu RG, mas fez semifinal, e Ivan Lendl não ganhou Wimbledon, mas fez duas finais. O legal é que ambos foram pra quadra mantendo seus estilos de jogo. Particularmente, sinto muita falta do saque voleio.

        Responder
        1. Renato Lessa

          Concordo. A ATP poderia voltar a respeitar a identidade de cada tenista. Uniformizar os pisos é tirar a peculiaridade de cada jogador. Jogadores como Isner, Karlovic, Kevin Anderson, dentre outros, poderiam ter melhor sorte em quadras como a de carpete, que a ATP teve a ideia de extinguir.

          Responder
  96. Chico Estevam

    Dalcim, concordo com o amigo que comentou acima. Também acho que o jogo foi muito bom, apesar de ter apenas visto um compacto de 15 minutos dos “highlights” da partida.
    Mas, enfim, minha pergunta é outra. O que mudou no piso da O2 Arena dos dois últimos anos para cá? Todos, inclusive você mesmo, notamos que este ano o piso estava bastante lento. Por que, na sua opinião, a ATP faria tal mudança? Você não acha que é um equívoco da ATP nivelar os pisos sintéticos dessa forma, diminuindo a velocidade deles?
    E, como fã de Federer, não poderia deixar de perguntar-lhe algo sobre o suíço. Você acredita que se o piso estivesse mais veloz como nos anos anteriores, Federer teria tido mais chances de ir mais longe no torneio, quem sabe até mesmo ser hepta, ou ele realmente HOJE não faz frente à dupla Nadal e Djokovic?
    Muito obrigado!!!

    P.S: seria interessante você, assim que possível, fazer uma análise, um apanhado geral do ano do Suíço e o que, na sua opinião, podemos esperar dele em 2014. Nós, fãs do eterno Maestro, ficamos muitíssimo gratos. Abraços e bom retorno ao Brasil.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que não foi o piso, mas a bola que deixou o jogo mais lento. No Finals, acho correto termos um piso que reflita mais a média do circuito para ser o mais justo possível. Mas no geral sinto sim a falta de alguns torneios disputados em quadras mais velozes. Quanto a Federer, ele demonstra muita vontade de continuar competindo. Precisa melhorar na parte física. Abs!

      Responder
  97. Rafael

    Federer, Nadal e Djokovic são gênios, grandes exemplos dentro e fora da quadra, na vitória e na derrota. Somos privilegiados por presenciar a chamada “Era Dourada” do tênis, como bem definiu Andre Agassi. É deprimente a quantidade de comentários depreciativos sobre esses jogadores, quase sempre desprovidos de qualquer embasamento. Parabéns ao Nadal pelo ano incrível e o merecido retorno ao topo e ao Djokovic pela partida de hoje e o final de temporada avassalador. Federer não teve uma boa temporada, mas vale lembrar que poucos atletas fizeram tanto por um esporte quanto o suíço pelo tênis.

    Responder
  98. Renato Lessa

    Uma dúvida tática: Dalcim, no jogo contra berdych, Nadal, em alguns momentos do jogo, deu dois passinhos a frente e arriscou alguns winners de devolução no 2° serviço. Verdade, ele não fez isso o jogo todo, mas, quando fez, encaixou alguns winners. O que deve ter passado na cabeça dele para não tentar fazer isso, ao menos em alguns momentos da partida de hoje?

    Penso que, seu jogo está sim mais agressivo nas trocas de bola, mas ele precisa fazer esses pequenos ajustes para se tornar um jogador mais completo nas quadras rápidas.

    Responder
  99. Cesar

    Não vi esses comentários citados em lugar algum, e o jogo não foi fraco não, sugiro que você após uma derrota, de um tempo, com a cabeça mais fria talvez você não seja tão parcial e rancoroso.

    Responder
  100. Gabriel Vinicios

    Djokovic já provou que pode superar Rafa em Roland Garros. Esse ano e ano passado foi NO DETALHE! Quem sabe ano que vem! Djoko foi o único a superar 3x Nadal no saibro, inclusive no saibro MEGA LENTO DE MONTE CARLO, evitando o nono título seguido do Nadal. Djokovic é o mais completo da atualidade, e Nadal, por incrível que pareça, está no mesmo nível. Que geração abençoada!

    Responder
  101. Alvaro Alves

    Dalcim, você acha que o Murray volta forte????? O Federer ainda vai dar trabalho, mas os cinco anos de diferença para caras como Djko, Murray, Nadal e Del Potro vão começar a pesar mais e mais, não vejo ele ganhando jogos em melhor de 5 sets do Djoko e Nadal. abraços

    Responder
  102. Anti anti-jogo

    Interessante ver Robolito Kid apelar e começar a soltar um “vamos” esganiçado atrás do outro no segundo set, em qualquer saque que a bola não voltava. Essa eu ainda não tinha visto ele fazer…

    Papai do céu, obrigado por um ano após ter nascito Robolito nasceu esse cascudo sérvio, que corre igual só que joga muito mais. Caso isso não houvesse acontecido, cruzes… Iríamos ter um reino de trevas sem fim, com Federer super freguês, Murray fora de ação e o resto…. bom, o resto já sabemos qual trabalho dá para o espanhol: nenhum.

    Infelizmente, Nole demorou muito para dar o upgrade em seu jogo, e a diferença de 7 Slams entre eles é muito grande, sendo que em várias vezes a chance de evitar o título do Robolito esteve nas mãos do próprio Nole.

    E para quem se anima com o Head-To-Head diminuindo, parecem estar esquecendo do saibro. Neste piso, seja qual for a versão do Nole que entre em quadra, Nadal sempre é favorito.. Robolito perdeu apenas uma vez para Nole em Montecarlo, Roma e Madrid. Em Roland Garros jamais perdeu para o sérvio, venceu-o quatro vezes se não me engano (entre finais e semifinais).

    Responder
    1. André Luiz

      Desde 2011, os confrontos no saibro estão em 4 a 3 pro espanhol. Bem apertado, portanto. Só falta mesmo Nole vencer em Rolanga, pous nas últimas três temporadas já venceu finais do Nadal em Madrid, Roma e até mesmo em Montecarlo.

      Responder
      1. Chileno

        Vale lembrar que este ano faltou muito pouco para o Djokovic vencer o Nadal em Roland Garros. Ele teve quebra à frente no quinto set e tudo. E fora isso, Nadal contou com a sorte em 2012. O jogo foi interrompido pela chuva no momento em que Djokovic vencia o 9º game seguido (tinha vencido 8 seguidos, e estava ganhando o 9º quando começou a chover).
        É inegável a competência do Nadal no saibro. Extremamente difícil derrotá-lo lá, sobretudo, em melhor de 5 sets. Mas, ao menos pra mim, Djokovic já provou que tem condições de enfrentá-lo.

        Responder
    2. Leo

      Realmente. Uma pena que o sérvio tenha demorado a se encontrar.
      Em 2008 quando ganhou na Austrália, já deu o sinal de que ele sucederia o Federer como o próximo grande jogador.
      O Nadal é o eterno número 2. Certamente ele nunca alcançaria a liderança do ranking, caso o sérvio tivesse se encontrado mais cedo.

      Responder
    3. Carlos Henrique

      Nole vencendo o Nadal em RG será a maior façanha de sua carreira, o elevará ao patamar de um dos melhores da história e isso está bem perto. Mental o sérvio sempre teve o problema foi o físico, entre 2007 e 2010 cravo com a certeza absoluta que ele guardaria mais de 1 major se não tivesse o físico tão fraco por conta do glutén.

      Responder
    4. Sergio Luiz

      Boa observação Anti, e aproveito para dizer a outros colegas (não a você) que os torcedores do Djoko sim poderiam justificar o H2H com o saibro, já que na quadra dura está 13-7 pro Sérvio (Nadal 13-3 no saibro e 2-1 na grama – mais o Djoko venceu a mais importante na grama, a Final de WB). No entanto, como disse lá no outro post ao Xará Ribeiro, não fico preso a estas bobagens, e quero mesmo é ver o Djoko tentar se superar para vencer Nadal em RG!

      E, sobre a demora do Djoko se firmar como Top, ainda assim, só em finais, ele já impediu 3 Slam 1 Master Finals e 5 Master 1.000 do Espanhol! Abs.

      Responder
      1. Igor Menezes

        Caro Sergio Luiz, maior expoente da torcida balcânica aqui no blog… O pensamento correto é esse mesmo… Querer ver o seu tenista vencer no quintal hostil do adversário… Não existe glória maior do que essa… Não aquele chororô de federete se lamentando por ter que sujar o pezinho no barro… Como se fosse injusto uma derrota no saibro… Eles apanham tanto que esquecem que saibro é uma quadra de tênis como outra qualquer e por isso não vale menos do que uma vitória na grama ou nas hards… Elas tem o mesmo valor!!! Ainda que o piso favoreça a Rafa, caberia ao suíço não aceitar tamanha surra e encarar o grande desafio de vencer Nadal em seu habitat natural… assim como Rafa fez com o suíço na grama… e assim como o sérvio, que já começa a rejeitar a supremacia absoluta de Rafa no saibro e, provavelmente em algum ano, irá colher os frutos dessa mentalidade vencedora…

        Responder
        1. Sergio Luiz

          Igor, camarada, além do que o Chetnik pontuou, na verdade o que disse foi que EU não fico com essa historinha de H2H. Disse que os torcedores do Djoko, estes sim, poderiam falar do saibro, MAS NÃO O FAZEM, porque acho UMA BOBAGEM ESTAS DISCUSSÕES no blog. E que o que realmente eu torço é para ver o Sérvio superar Nadal em RG.

          Não entendi seu segundo comentário, pois deixei bem claro que não dou a menor importância a esse tipo de discussão! Abs.

          Responder
      2. Igor Menezes

        Justificar o H2H com o saibro como, parceiro?? Se eles tivessem se enfrentado mais no saibro… até engoliria… mas se enfrentaram 20 vezes na dura contra 16 no saibro… Do jeito que você fala, parece até que vencer no saibro é uma desonra e que deveria valer menos do que uma vitória em outro piso… Nesse aspecto, Nole tem ainda menos moral para reclamar do que Roger, já que a maior parte dos confrontos foi em seu piso preferido… Desta vez, Sérgio, não cabe justificativa nenhuma.

        Responder
        1. Chetnik

          A questão não é essa… a questão é que o 13×7 mostra que o Djokovic é melhor do que o Nadal em quadra dura, ao passo que o retrospecto em hard entre Nadal e Federer não alivia nada para este.

          Responder
  103. Inconformado

    Depois chamam a gente de “viúva do Federer”, mas tem como comparar essa final de hoje com a do ano passado??? Toda vez que o melhor tenista de todos os tempos entra em quadra, o nível técnico aumenta substancialmente. Djoko também venceu a final do ano passado em 2 sets, mas foi um jogo 1.000.000 de vezes melhor do que esse.

    Responder
    1. Igor Menezes

      Eu vi o grande nível técnico do suíço no domingo… Da próxima vez vou pedir ao Nadal para aliviar e deixar o “melhor de todos os tempos” fazer a final… Chora, parceiro… chora que faz bem pra saúde!!! kkkkkkkkkkkk

      Responder
      1. Neto

        Não, Brack.
        Por ter dedurado as instruções do tio Toni.
        Daí o rapaz ficou inibido pra ensinar como vencer o Djoko na final durante a partida.
        Abraço

        Responder
  104. Fernando CS

    Dalcim.

    Acho que RG para Djoko é difícil. Depois que ele errou aquele smash (acho que foi no 3º set) parece que o mundo dele desabou e ele só acordou há pouco mais de 1 mês. RG é barra para a cabeça dele.

    Responder
  105. Fernando

    O jogo do Nadal é muito covarde. O Nadal prova o veneno do jogo covarde dele, com base somente no balão. Muito bom ver o semblante de resignação do Nadal. Parabéns Djokovik, o seu tênis é muito mais vistoso e legal de assistir do que o excesso de vibração e correria do Nadal. Espero que o Federer volte melhor no ano que vem, e que o Djokovik continue bem!

    Responder
  106. Fernando CS

    Dalcim, depois de um ano em que tivemos:

    AO, Monte Carlo, Xangai, Paris, ATP Finals – Djokovic
    RG, US, Indian Wells, Madri, Roma, Montreal, Cincinnati – Nadal

    Sobrou o ATP 1000 de Miami e Wimbledon para Andy Murray ( o que não é pouco de jeito nenhum!).

    Mas, dessa forma fica bem evidente que existe Nadal-Djoko e o resto anos luz de distância não? Vê chance de ser diferente em 2014? Claro que Murray deve voltar a ser competitivo, mas ‘tá difícil, não?

    Responder
  107. Igor Menezes

    Como a torcida de Rafa Nadal é uma torcida de HOMENS de verdade, da qual faço parte, que não ficam perdendo tempo com desculpas e outras fanfarronices de meninas, parabenizo a Novak Djokovic pela vitória e principalmente pela forma VIRIL e SEM MEDO como encara alguém do nipe de RAFAEL NADAL… Sérvio, tu és o rival a quem mais respeito!!!

    Responder
    1. André Luiz

      ”Como a torcida de Rafa Nadal é uma torcida de HOMENS de verdade, da qual faço parte, que não ficam perdendo tempo com desculpas e outras fanfarronices de meninas, parabenizo a Novak Djokovic pela vitória e principalmente pela forma VIRIL e SEM MEDO como encara alguém do nipe de RAFAEL NADAL… Sérvio, tu és o rival a quem mais respeito!!!”

      Não é surpresa que o respeite mais, já que ele encaçapou Nadal dezessete vezes e contando. rs

      Mas eu penso que as vitórias de Nole sobre o espanhol não são questão de ”virilidade” e sim de encaixe de jogo. Nole defende mais do que Rafa. Devolve mais do que Rafa. Contra-golpeia melhor do que Rafa. Saca melhor do que Rafa. Tem tanto fôlego e paciência pra jogar a bolinha pro outro lado quanto Rafa. Não é ”pôrra loca” em termos táticos. E seu backhand neutraliza o topspin de canhoto que tanto estrago faz nos demais tops, principalmente aqueles de esquerda simples. Como Nadal não tem lá grande criatividade e variação em seu jogo, fica sem opções contra o sérbio quando este está on fire.

      Responder
      1. Igor Menezes

        Dezessete e contando…fazer o que, neh? rs Mas eu fico tranquilo quanto a isso… Porque assim como Nole, Rafa não vai aceitar isso por muito tempo e logo vai aparecer com uma solução novamente para voltar a vencer o sérvio…. como já fizera outras vezes… Caro André, respeito sua opinião, mas penso um pouco diferente… Não acho que se trata de encaixe natural de estilos entre os dois… Lembre-se que antes de 2011, Nole era freguês de carteirinha do espanhol… só que o sérvio decidiu dar um basta nessa situação e procurou evoluir certos aspectos necessários que o possibiltassem encarar Rafa… Ou seja, ele buscou… ele quis… Ele passou a acreditar que podia vencer e faz questão de mostrar isso ao seu oponente durante os jogos… Esse é o diferencial!!! Abs!!

        Responder
  108. Daniel Blanco

    Simplesmente o golpe mais forte do espanhol, aquele balaozinho cheio de spin na esquerda do adversario nao funcionou hoje, o espanhol tem seus meritos como jogador, mas o grande diferencial dele ‘e esse balaozinho na esquerda, podem ver qualquer jogo dele, quando o jogo esta equilibrado ele taca balaozinho na esquerda e o cara do outro lado nao consegue devolver direito, ai ele comeca a dominar o ponto a partir dai, quem joga tennis sabe o quao chato ‘e uma bola alta na esquerda e o Djoko consegue devolver essas bolas dele como ninguem.

    Responder
  109. Igor Menezes

    Dalcim, se eu não me engano… Nadal cometeu dois ENF a mais que Novak e não a menos… E o jogo não fugiu do padrão da semi entre Nadal e Federer, já que o espanhol fez 15 winners e o suíço 17… Eu penso que o número de winners foi baixo mais por causa da capacidade defensiva dos dois jogadores, do que pela falta de agressividade na partida… Djoko então… fez defesas espetaculares…

    Responder
  110. André Luiz

    Também achei o jogo um tanto fraco.

    E um twitter interessante:

    “@ChiaraGamTWI: So the player “nearest” to beat Novak in the last 2 weeks was Federer.”

    Realmente, se Federer houvesse passado pra final certamente teríamos um espetáculo bem mais interessante e…disputado!

    Sempre que vejo Djoko vs Nadal me fica a impressão de que a kriptonita, tão famosa por tirar os poderes do Superman, também afeta o Lex Luthor do tennis. Se é que me entendem. 😛

    Responder
  111. André Luiz

    Um saibro mais lento favorece o Djoko, e não é de hoje. Esse ano, aumentaram um pouco a velocidade de Roland Garros, e, sem querer, acabaram por favorecer o topspin do espanhol. Mas desde que Nole iniciou sua famosa dienta, os confrontos no saibro entre eles estão muito apertados: 4 a 3. No entanto, Rafa se deu melhor nas duas partidas mais importantes, no Grand Slam francês.

    Depois de ver a partida de hoje fico ainda mais impressionando com o ”mole” que Nole deu no USO, quando perdeu a final mesmo sendo o favorito. É sua única derrota nos últimos vinte e oito jogos na quadra dura, uma marca impressionante.

    Responder
    1. André Gomes Vieira

      Desculpe… mas de onde você tirou esses números de uma única derrota em 28 jogos? É do começo do USOpen até ontem?
      Como assim no saibro está muito apertado?!

      Responder
  112. Bruno Vigne

    “Winners acontecem quando o adversário não toca na bola, não são um retrato de quem jogou agressivo ou não.” Ogro

    Não, Nadal, realmente os winners não são um retrato de quem jogou agressivo ou não… eles são uma mera casualidade do jogo, algo que não reflete em nada a postura dos tenistas em quadra. Meu Deus, como o tourinho fala besteira…

    Responder
  113. Leo

    Merecido! Pelo domínio total do oponente e porque o Nole teve desempenho mais regular nos slams. Apesar de só ter ganho na Austrália, ele foi semi em RG e finalista em WB e US. O Nadal cumpriu suspensão na Austrália e teve aquele vexame de perder na primeira rodade de WB para um top 120.
    O finals, o torneio dos grandes, ficou em boas mãos!

    Responder
  114. Chetnik

    Discordo que o jogo não foi dos melhores. O Djokovic conseguiu ser firme e agressivo, mudando a direção da bola constantemente… errou sim – como o Nadal – mas no geral achei um jogo muito bom – mas isso pode ser fruto do resultado da partida.

    De qualquer forma, o melhor desse final de temporada foi que o Djokovic superou o mal momento, a grande instabilidade e a irregularidade que viveu no ano, e isso é um grande motivador para o ano que vem.

    Aliás, a evolução que o Nadal teve após ser surrado pelo Djokovic por 7 vezes seguidas, e que o Djokovic demonstrou agora após um ano muito estranho e derrotas ridículas e doloridas, mostra que os 2 tem uma capacidade de se superar incrível. A mentalidade vencedora da dupla deixa os outros no chinelo. Só para deixar claro, me refiro mais à atitude mental do que a melhora no jogo em si – apesar de ambas serem indissociáveis, obviamente. Admito que após o US Open temi pelo futuro do “comedor de fígado”, mas ele deu uma resposta rápida.

    Dalcim, essa frase do Nole foi de hoje?

    Responder
        1. Samuel

          Parece que o maior problema do Nadal nessa temporada de quadras cobertas foi que ele não conseguia o tempo certo das bolas e em geral não conseguia aprofundá-las, ao contrário do que aconteceu durante toda a temporada de quadra duras na América do Norte. Por consequência, muitas vezes acabava até preparando a jogada para ser atacado pelo adversário. Uma pena!

          Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *