O melhor do mundo na final
Por José Nilton Dalcim
10 de novembro de 2013 às 21:14

O Finals de Londres e a fanática torcida britânica não podem reclamar: três dos quatro finalistas do torneio deste ano são exatamente os melhores do mundo da atualidade: Rafael Nadal fará o duelo de líderes contra Novak Djokovic como apontava a lógica desde o início, e os irmãos Bob e Mike Bryan tentam ratificar uma temporada excepcional. A única pequena surpresa são os espanhóis Fernando Verdasco e David Marrero. Para o tênis brasileiro, acabou o sonho de um novo título no Finals, mas nem de longe se espera lamentos.

Apesar de alguns jogos excelentes na semana e da boa fase de um e de outro, Nadal e Djokovic estão bem à frente dos demais concorrentes e não poderia haver maior justiça que uma final entre eles no encerramento de uma temporada que teve justamente os dois como os grandes pilares do circuito masculino. Nadal não vinha repetindo a mesma qualidade desde o título do US Open, mas se aproveitou bem da chave classificatória e depois do momento de insegurança de Roger Federer. Já Nole vem voando desde Nova York, com série de 21 vitórias, quatro finais e três títulos seguidos. Ganhou um grupo bem forte, fazendo três sets todos os dias, e esbanjou confiança contra Stanislas Wawrinka.

Como também eu disse há uma semana, Djokovic é o maior candidato ao título, ainda que esse favoritismo seja ligeiro, porque vem de  um momento mais positivo, é o atual campeão invicto do Finals e está sobre a quadra que mais gosta. Rafa teve uma natural queda de intensidade após o US Open, encara o tabu de nunca ter vencido o torneio ou na quadra coberta. Apesar disso tudo, só podemos esperar muitas trocas de bola, defesas espetaculares, perfeito controle emocional e um jogo decidido nos detalhes, que pode ser o percentual de primeiro saque, uma pequena variação tática com uso do slice ou subidas repentinas à rede.

Sobre as partidas do domingo, Federer teve uma única chance, quando jogou fora um break-point com fácil forehand, na altura do sexto game. Mas é difícil dizer se isso lhe daria tanta vantagem ao longo da partida, já que tanto ele como o próprio Rafa deixaram claro que o cansaço do suíço era evidente no segundo set. O espanhol ganhou na regularidade, com sua tremenda capacidade de leitura de uma partida. Aliás, falta de pernas também pareceram atingir Wawrinka, que cometeu excessivos erros na tentativa de ser agressivo, algo que é geralmente fatal diante de Nole.

Nas duplas, realmente foi uma pena Bruno Soares e Marcelo Melo terem perdidos partidas tão apertadas e bem jogadas. A parceria de Melo e Ivan Dodig deixou escapar pequenas oportunidades que depois se provariam fundamentais. Já o match-tiebreak de Soares e Alex Peya foi aquela coisa difícil de engolir. Vantagem a maior parte do tempo, uma bola muito fácil no finalzinho. Mas os dois estão de parabéns não apenas pela semi em Londres, mas é claro por toda a excepcional temporada que fizeram. Ambos estão muito bem entrosados com seus parceiros e podemos esperar muito mais sucesso em 2014, quem sabe o Grand Slam que tantam sonham.

As frases
‘Enquanto eu puder escolher, enquanto eu for competitivo, continuarei jogando tênis’
(Roger Federer)
‘Esta foi a melhor temporada da minha carreira, por causa das dificuldades que enfrentei’
(Rafael Nadal)
‘Não há um favorito claro para esta final’
(Novak Djokovic)

Os números
A Inglaterra é agora o país onde Nadal e Federer mais duelaram ao longo de suas carreiras, com oito confrontos. O espanhol pode fechar o ano com 75 vitórias em 81 jogos, o que não será seu recorde absoluto de triunfos (teve 82 em 2008 e 79 em 2005), mas sim de percentual positivo (91,3%). O suíço, por sua vez, ganhou apenas 4 de 10 duelos diante de top 10 na temporada. Djokovic leva para a final uma boa arma: é o jogador com mais pontos vencidos com o segundo saque em todo o ano, com 59%.


Comentários
  1. Rogério

    Não sei como alguém pode torcer pelo Djokovic. Paga de bom mocinho mas adora xingar e humilhar árbitros de linha e torcidas. Na hora do aperto se vê o caráter do jogador. Tênis, por mais que seja competitivo, é esporte de cavalheiros.

    Responder
  2. Maurício Luís

    Então ficamos assim: Nadal tirou o número 1 do Djoko; e o sérvio colocou formiga no açúcar do espanhol, tirando-lhe um título que ainda lhe falta.
    Doko caiu para o número 2, mas caiu de pé. Ganhou todas no fim do ano, mas não o suficiente para barrar a subida de Nadal, que não tinha nadica de pontos a defender. Como diria o Félix, ” Djoko passou manteiga vencida no pão da Santa Ceia, e deu disenteria nos apóstolos…”

    Responder
  3. Carlos Reis

    Obrigado Djokovic! O tênis profissional se livrou de mais uma, Nadal não merece o ATP Finals, nunca mereceu! O mauricinho frouxo da suiça teria feito um papel bem melhor na final, pena que o cara se pela de medo do trapaceiro espanhol…

    Responder
  4. Joao Netp

    O mais justo ao meu ver, seria comprar o auge de Federer com o auge de Djokovik. E quando isso é feito, vc percebe que Federer é um fregues de carterinha do Nadal, seja qual for a situação desse, mas esse mesmo em seu melhor ano sofre contra Djkovik. Que mesmo quando perde de Nadal é jogo disputado. Sem dúvida, há mais mérito no jogo dos adversários do que no deterioramento físico de Federer, que tem o jogo mais bonito, mas nao mais eficiente.

    Responder
    1. André Luiz

      ”O mais justo ao meu ver, seria comprar o auge de Federer com o auge de Djokovik. E quando isso é feito, vc percebe que Federer é um fregues de carterinha do Nadal[…]”

      No fim do auge do Federer, em 2007, o placar do Fedal estava em 8 a 6 para o espanhol. Uma vantagem, sem dúvida, mas insuficiente para falar de ”freguesia de carteirinha”, e que talvez possa ser explicado pela maioria dos jogos terem sido realizados em pisos lentos.

      De todo modo, se compararmos o auge do Federer com o de Nole, o suíço possuía aos vinte e seis anos o dobro de majors que o sérbio. E uma Masters Cup a mais. E quatro anos [seguidos] terminados como número um do mundo. Status, aliás, que, no fim de 2007, ele já carregava por quase duzentas semanas seguidas.

      A comparação foi feita.

      Responder
      1. Carlos Henrique

        só se esquece que até 2007 federer disputava contra um nadal apenas saibrista, djoko com problemas de saúde e imaturo e um murray tb imaturo, ao passo que o djokovic enfrenta hj um escocês confiante e um nadal mais completo e um federer em declínio
        compare os adversários!!
        é muito mais difícil ganhar um major hj do que na época do auge do federer

        Responder
      2. Bruno Guedes

        Andre nao de ouvidos, Federer e Mito como SENNA, la no padoc ninguem fala do Alemao, quando perguntados que foi o maior a palavra a SENNA….MITO e MITO e ponto final.
        em 2016 daqui a 3 anos o GOAT tera 35 e vai estar jogando, eu quero ver esses ai que ja vao estar com 30 se vao conseguir mater esse nivel. A tempo e o senhor da sabedoria.

        Responder
  5. Sergio Luiz

    É, e deu Djoko na “cabeça”. rsrs. Apesar da perda do #1, foi uma excelente maneira de terminar o ano, emplacando 4 títulos seguidos, fechando com o Finals!

    Com isso, o Djoko deixa claro que não vai largar fácil o “osso” da luta pelo topo do ranking, e eu continuo confiante que após o AO a briga já vai esquentar!

    Ajde NO1VAK!

    Responder
  6. lEvI sIlvA

    Dalcim, por favor, me diga qual a sua opinião sobre um grande jogador e multi-campeão como Rafael Nadal que pode encerrar a carreira sem ter ao menos um Finals no currículo. Lembrando claro, que isso não o torna menos brilhante. Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vejo nada de tão incrível nisso. Não é o piso melhor dele, é o torneio de fim de temporada que geralmente pune os mais desgastados fisicamente, já que o nível técnico é muito alto.

      Responder
  7. Marcos - SP

    Djokovic não perdoa, “mata”. Simples assim. Se você tem a chance de “matá-lo” e não o “mata”, no instante seguinte ele come o seu fígado, como brinca Dácio Campos. No primeiro set, após conseguir empatar o jogo sei lá eu como em 3 a 3, Nadal fez aquilo que nunca se deve fazer diante desse sérvio: permitiu a quebra, ou seja, Nadal “perdoou” Djokovic. Pronto: 4 a 3 para um sujeito que não perdoa, “mata”. Que coisa impressionante!

    E a capacidade atlética que esse cara tem? Eu achava que o Nadal era o tenista fisicamente mais capacitado do circuito, mas o que vi hoje – como um voleio quase milagroso de Novak – me obriga a mudar de opinião. Que alcance, que elasticidade! E é claro que Djokovic não é só físico. O cara, além de tudo, voltou a jogar um tênis PRIMOROSO.

    Responder
  8. Sergio Luiz

    Confesso que fico um pouco decepcionado com pessoas conhecedoras de tênis, que não são mais adolescentes (estes eu entendo, não leem, são geração “Y”, etc), mas insistem em dizer e incentivar que os pisos começaram a ficar lentos a partir de 2007, e que Nadal e Djokovic não ganhariam nada “antigamente” no tempo dos pisos rápidos.
    Ora bolas, antes da era Federer/Nadal a maior rivalidade do circuito era Sampras/Agassi. Mas o Agassi era um jogador essencialmente da base ( o único baseliner estadunidense de sucesso, e é só ler o biografia dele para entender o porque). Este sim um VERDAEIRO duelo de estilos, e quantos Slam o Agassi venceu ? Quantos Masters ? Com todos altos e baixos da carreira, Agassi venceu 8 Slam e 17 Master (Sampras tem 11), 60 títulos de simples, inclusive Tour Finals no carpete. E o Lendl ???
    Como já disse outro dia, Agassi e Lendl fizeram muito mais jogos no carpete que Federer, e independente de quantidade de jogos, têm melhor aproveitamento, e ambos têm títulos importantes no carpete.
    Bem, então se eu for o errado, Agassi foi muito melhor tenistas que Nadal e Djokovic, pois conseguiu vencer 8 Slam e 17 Master na “saudosa” era dos pisos “ultra-rápidos”.
    Mas, para não me alongar, quero deixar uma pergunta bem simples: Por que justamente Agassi tem mais títulos de Slam (AO- 4), onde Sampras tem menos, e vice-versa ?
    Já sei, “é mera coincidência, porque os pisos só ficaram mais lentos a partir de 2007, e Agassi ou é um dos maiores gênios ou um tremendo sortudo, porque vencer 8 Slam e 17 Masters na saudosa era dos pisos rápidos, sendo um baseliner, ou era gênio ou mais um “rabudo” que só destruiu o tênis!”
    E onde enquadrar, e como classificar, o Lendl ? Abs.

    Responder
    1. Leo

      É muito simples. Agassi nao foi somente um baseliner, mas foi muito mais habilidoso que o Nadal e o Djokovic e por isso foi um grande vencedor em sua época e com a distinção dos pisos.

      Responder
  9. mariliense

    No encontro do melhor de 2013 contra o melhor do final de ano, ganhou Novak Djokovic, um supercampeão da geração Nadal. Parabéns Nole, fazendo história junto com Rafa como a maior rivalidade do tênis talvez de todos os tempos. A briga entre esses dois não termina ai, Nadal sabe que tem que manter o alto nível de 2013, se reinventar em alguns conceitos porque o inimigo é forte …. terrivelmente forte.

    Responder
  10. Fernando Brack

    Só há pouco li que Djoko disse isso após vencer Wawrinka: ‘Mudei algumas coisas que deram muito certo e quero aproveitar essa confiança.’
    Será que algum djokovete mais atento saberia dizer o que ele mudou?
    Sérgio Luiz?

    Responder
    1. Sergio Luiz

      Que pepino Brack!!! rsrs. Não vou correr não. Além de continuar trabalhando no saque e o jogo de rede, o que vi de mais diferente foi que o Djoko passou a encarar mais o FH do Nadal. No USOpen ele ficou naquela tática de toda oportunidade que surgia enfiava a bola no BH do Espanhol. E Nadal está sempre esperando isso quando joga contra qualquer adversário, principalmente o Sérvio. Hoje eu vi ele conseguir alguns contra-pé no Nadal, indo no FH do Espanhol ao invés do BH. E olha que conseguir pegar Nadal no contra-pé é muito difícil. Os Aces que fez foi no FH de Nadal (sempre pontos importantes), e ainda ganhou alguns pontos no saque também quando sacou no FH (Nadal errava a devolução).

      O fato é que, como os demais, ele estava concentrando demais o jogo no BH, superestimando demais o FH do Nadal, e acho que ele foi alertado que NÃO precisa disso, pois se alguém pode encarrar o FH de Nadal sem susto é exatamente ele. Então hoje vi o Djoko variando bastante o jogo, repito, chegando ao ponto de pegar Nadal no contra-pé em alguns pontos quando jogou no FH, e o Espanhol esperava a bola no BH. Isso sem dúvidas, deixou Nadal bem desconfortável.

      Não sei se há como conferir, mas aposto que os ENFs do Espanhol hoje foram mais de FH que de BH.

      Bem, foi o que vi (ou acho que vi rsrs) de mais relevante no jogo de hoje. Abração!

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        A tatica deve ser exatamente essa – Nole explorar seu poderoso BH com mudancas de direcoes no FH cheio de spin do espanhol. Quando Djoko decide jogar com outra tatica, atacando o BH do espanhol, acaba tendo que enfrentar alguns slices baixos e cruzadas em seu proprio FH – dai o espanhol leva vantagem. Mas se deixar Nadal comandar pontos com o FH canhoto alto na sua esquerda (Nadal esta automatizado a fazer isso com todos os adversarios destros), ele leva vantagem amplamente com suas devolucoeds matadoras de contraataque.

        Responder
      2. Fernandp Brack

        Muito bom, meu camarada. Além de não correr, esclareceu bastante bem.
        Saque, jogo de rede e não temer o FH do Ogro. É por aí!
        O cara também virou um pega-tudo de primeiríssima, fazendo o Nadal voltar
        a ficar com aquela cara de cachorro perdido em mudança, como em 2011.
        Abraço

        Responder
      3. Fernando Brack

        Ainda assim, ele terá que ficar muito esperto com Nadal no saibro, onde saque e jogo
        de rede de quase nada adiantam e onde o FH do Ogro é estupidamente mais eficaz.

        Responder
    2. Carlos Henrique

      ele claramente mudou a parte tática, ele mesmo afirmou que vindo uma bola curta do nadal ele passou a ir mais pra definição do ponto subindo a rede, que está se sentindo mais confiante no quadrado, no us open raramente ele subiu e quando subiu não sabia mto bem o que fazer

      Responder
  11. Neto

    Dalcim, qual o Gram Slam mais importante? Seria Wimbledon, seguido do Us Open?
    E se Federer fizer uma pré-temporada adequada ( pois o físico na idade que ele está é muito importante ),em 2014 ele pode jogar melhor do que neste ano, a ponto de incomodar Djoko e Nadal?

    Responder
  12. Isabel

    Achei o jogo muito ruim. Djoko teve um gás a mais mas nem foi brilhante. Pequim ele jogou melhor por exemplo. Alias, placar igual. Temporada cansativa por dois e o Nole ainda tem Davis… :/ Antes tivesse tido aquelas intermináveis trocas bola… salve um voleio de costa do Rafa e um ou dois pontos do Nole o jogo não empolgou. Rafa tentou dar um animadinha salvando breaks e MP no 2º set nem sei pra que. Quase 40% dos pontos foram em erros.
    Estranho foi ver os Bryans perdendo nos detalhes pra simplistas. Por que eu acho essa dupla espanhola estranha. Como na semi, placar apertado, mas hoje contra os americanos.

    Responder
  13. Pedro

    Parabens ao Djokovic, este impecável hoje, sua performance lembrou 2011, no melhor ano de sua carreira, Nadal ofereceu alguma resistencia porque está sacando muito bem, na troca de bolas o sérvio foi soberano, mas Nadal não tem do que reclamar fez um ano fantástico.

    Responder
  14. carlos henrique

    Estupenda vitória do Novak, vem caminhando a passos largos a ser um dos melhores da história
    O que teria feito o sérvio se descobrisse a intolerância ao glutén antes e não jogasse tempo fora com a parceria com o Martin?
    Vida longa a Nole, rumo ao quinto AO!!

    Responder
  15. Luiz Fernando

    Em primeiro lugar Nole venceu de forma clara e indiscutivel, o cara joga demais, no ano terminar 3×3 em confrontos com um sujeito desses atesta o tanto q Rafa brilhou. No jg de hj, infelizmente, tudo o q postei aqui nestes ultimos dias se confirmou, Nole sobrou. Nao q Rafa tenha jogado mal, mas pra enfrentar o cara precisa estar 100% fisica e tecnicamente, e neste finals Nadal não esteve neste nivel. O servio comandou as ações desde o incio, ditando os pontos principais. A paralela de FH do espanhol, golpe q fez c q equilibrasse e superasse o servio nas principais vitorias do ano, careceu de precisão. Faço questão de cumprimentar o Sergio Luiz, principal expoente da torcida servia aqui no blog, q hj, merecidamente, poderá tomar sua champgne francesa q deve estar cuidadosamente guardada desde RG; é claro q os demais torcedores do cara tambem merecem os parabens, grande vitoria, grande conquista. Pensar agora em 2014, daqui a 2 meses já tem AO, deve ser outro ano pleno de confrontos decisivos entre estes dois grandes expoentes do tenis mundial. Vamos aguardar as manifestações da torcida terceirizada: 1, 2 , 3 e…jáaaaaaaaa kkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder
  16. Flávio Branco

    Nadal nunca será. Como disse o Dácio, o Djoko está para o Nadal assim como o Nadal está para o Federer – ele também treme na base. Como é bom ver a cara de derrota do Nadal. Desde o US OPEN que ele não ganha nada. Bom, para quem acha que o head to head é o mais importante, cuidado porque o Djoko será melhor considerado melhor que o Nadal em breve. Nadal, o número 1 FAKE, genérico. Noite especial essa…hehe

    Responder
  17. Fernando Brack

    Que coisa impressionante a tranquilidade do Djoko nos últimos games da partida.
    Nem parecia que ele tava ali disputando uma grande decisão e prestes a ganhá-la.
    Já o Nadal, apesar da cabeça em pé e focadíssimo, estava visivelmente aflito.

    Responder
    1. Rafael Wüthrich

      Focadíssimo, meu caro Brack? Foi um sem número de DFA e erros no primeiro saque. Como bem disse o Dalcim, só não foi pior porque Nole oscilou e ele lutou como pôde em alguns pontos.

      Responder
  18. Marcos

    Esta foi a melhor temporada de NADAL…e DJOKOVIC venceu o FINALS em cima de quem disse ser esta a melhor temporada de sua carreira…realmente não há dúvidas de que DJOKOVIC está bem a frente de NADAL.
    Nadal nunca venceu o torneio que reúne os oito melhores tenistas de cada ano.
    Esta foi a 19ª final entre os tenistas, e agora Djokovic é quem mais venceu em decisões, com 10 triunfos.
    Todo mundo cansa de tirar uma lasquinha de FEDERER em relação aos confrontos diretos com NADAL…ganhar de um jogador que tem 05 anos de idade é fácil…agora quando encara DJOKOVIC em sua exuberância física e técnica se mostra completamente dominado em quadra…e FEDERER nos confrontos diretos com DJOKOVIC está a frente!!! Daí vemos que FEDERER como melhor de todos os tempos é inquestionável…a desculpa de confrontos diretos com NADAL agorda não tem qualquer validade…DJOKOVIC mostrou que a técnica e a jovialidade batem a força física…não adianta ter somente a força física e músculos.
    Grande DJOKOVIC…assumiu com maestria a ERA FEDERER, e salvou o tênis de se restringir a meros músculos!!!! Siga em frente, que chegará muito longe!!!!

    Responder
  19. Fernando Brack

    Muitos vão dizer a mesma coisa: parece que o Djoko 2011 tá mesmo de volta.
    Nadal vai encarar uma baita encrenca para defender seus títulos em 2014.
    Hoje ele jogou tudo, mas tudo mesmo que sabe e pode. Mesmo assim foi 2×0.
    Espero que os nadalzetes não venham aqui dizer que ele tava cansadinho, pois essa não cola.

    Parabéns ao sérvio e aos prezados torcedores dele frequentadores deste blog.

    Responder
  20. André Luiz

    Não tivemos uma final pra lá de disputada. Apesar de meu respeito por Nadal, há de se dizer que o jogo não foi tão difícil pra Djoko, que o sérbio suou mais para vencer outras pelejas neste torneio do que neste embate contra o Miúra.

    O Djoko alcançou uma excelência física tal que lhe permite realizar defesas que nem o próprio Nadal em seu auge acreditaria. Lembro daquela bola do Rafa que seria um winner certo em uma quadra realmente rápida que Nole alcançou miraculosamente e se defendeu magistralmente com um lobby incrível de esquerda [e depous ganhou o ponto num duelo de vôleios na rede].

    Quando experimenta, de certo modo, seu próprio veneno de excelência física, Nadal acaba mostrando as limitações técnicas que conhecemos nele. Seu jogo ficou um tanto sem resposta. O Nole tem a receita para castrar o ”touro miúra”.

    Mesmo neste temporada que Rafa qualifica de ”a melhor de sua carreira”, ele não conseguiu ter vantagem numérica nos confrontos diretos contra o sérvio. Fica o mérito de ter vencido, no entanto, os dois jogos mais importantes, a semifinal de RG e a final do USO.

    Mas, se esse fim de ano é realmente uma palha do que pode vir aí na temporada que vem, arrisco dizer que a vantagem no head to head do espanhol frente ao seu algoz se esvanecerá diante dos olhos incrédulos de muitas nadaletes desvairadas.

    Parabéns a Novak, que alcança uma marca fantástica de 3 masters cup, vencendo as duas últimas diante do GOAT e do Rei do Saibro. Um gigante incontestável e que é o jogador síntese e melhor adaptado ao tennis actual.

    Responder
  21. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, como um tenista que faz 9 winners numa final de quadrá rápida pode ousar ser o maior tenista de todos os tempos? Sem comentários.

    Responder
  22. O LÓGICO

    Sergio Ribeiro
    11 de novembro de 2013 às 10:14
    Correção : Borg 6 em Rolanga. Sinceramente , acreditar que a Final de hoje possa ser o melhor jogo da ano, e’ simplesmente uma piada. Só demonstra que eu vejo outro esporte. Rafa Nadal , nao me convenceu nem contra Federer. Novak me parece muito mais adaptado ao Piso. As táticas de Rafa que dão certo com o Suíço , nao existem contra o Sérvio .Deveremos ter trocas cansativas de bolinhas, com o favoritismo de Novak. Rafa Nadal precisara arriscar bem mais no Serviço se quer levar seu primeiro FINALS.Abs!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Entubem nadalzetes, o N1 genérico não merece esse título, falta testosterona kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  23. Gildokson

    É gente… pelo jeito o Djoko é mesmo o “Nadal do Rafael Nadal“, e o reinado do espanhol, sem Federer na parada, não vai ser nada tranquilo. Hoje a surra ta intensa rsrsrs
    E digo mais, é claro que Rafa é bem mais casca dura, mas na dia que Nole ganhar dele em RG…. ai vai ser o mesmo estrago mental de WB 2008.

    Responder
  24. Sergio Ribeiro

    Pois e’ Xará, seu comentário mais lá em baixo, só confirma a minha tese de que como Contemporâneo e admirador de Borg, enquanto nao aparecece um Tenista com Back de duas mãos , destro e eficiente como o Sueco, nem Edberg, Sampras ou Federer, fariam a sua Cabeça . Muito menos Rafa Nadal. Dai a se utilizar de papa de Torcida, elogiar certas Figuras Fanáticas, tentando diminuir e menosprezar o Melhor de Todos, nao cabe para quem conhece muito do Esporte. Eu sou o maior critico de Roger Federer, por ser talvez o seu maior admirador. E você amigo, curta porque sua Época já passou. Agora e’ Murray , Rafa Nadal , Del Potro e o Tri do Finals.Abs!

    Responder
    1. Sergio Luiz

      Meu caro Xará, eu não tento diminuir o Federer. Eu apenas tenho minhas preferências e opiniões, e não fico buscando desculpas ou comparações.

      1 – Já disse, e repito, acho uma tremenda bobagem torcedores do Nadal e Federer fazendo comparações entre os dois. Acho de um tolice sem tamanho, maior ainda por parte dos torcedores do Federer. Ora bolas, se Federer é o maior (e eu acho isso), para que ficar inventando mil e uma desculpas pelas derrotas ???

      2 – Só para ter ideia do que falei acima, como você mesmo diz, sou grande fã do Borg, pois bem. Você mesmo já postou inúmeras vezes que Borg não conseguiu vencer o USOpen, que foi surrado por Connors e McEnroe em NY, que perdeu todas as finais. No entanto, eu nunca me importei (e não me importo) com isso, nunca disse qualquer coisa para tentar justificar o Sueco não ter ganho USOpen, e minha admiração ao Borg continua inabalável. O que sempre faço é DESTACAR os feitos que considero simplesmente fenomenais do Borg. Borg não é menor porque perdeu várias finais do USOpen, então por que e para que querer justificar ou negar esse fato ? Principalmente se isso não muda nada ?

      Borg continua sendo o que é (inclusive para alguns mais velhos que viveu aquela época ele ainda é o maior – eu acho o Federer) tendo perdido todas as finais de USOpen que disputou, ou sendo surrado (como você diz) por Connors e McEnroe em NY. Seu gosto e preferências não muda os meus, e não preciso que todos concordem que Borg foi um fenômeno

      A questão é que alguns Federistas, tal como alguns torcedores do Nadal, necessitam “ouvir” dos outros que Federer é o maior, e por isso ficam tentando encontrar mil e uma desculpas, desde algumas razoáveis a outras sem o menor sentido. Estão passando o maior recibo para torcida do Nadal de que realmente estão com medo do Espanhol vencer mais Slam que o Suiço. Bobagem pura!

      Responder
    2. Sergio Luiz

      Meu caro Xará Ribeiro, eu não tento diminuir o Federer. Eu apenas tenho minhas preferências e opiniões, e não fico buscando desculpas ou comparações.

      1 – Já disse, e repito, acho uma tremenda bobagem torcedores do Nadal e Federer fazendo comparações entre os dois. Acho de um tolice sem tamanho, maior ainda por parte dos torcedores do Federer. Ora bolas, se Federer é o maior (e eu acho isso), para que ficar inventando mil e uma desculpas pelas derrotas ???

      2 – Só para ter ideia do que falei acima, como você mesmo diz, sou grande fã do Borg, pois bem. Você mesmo já postou inúmeras vezes que Borg não conseguiu vencer o USOpen, que foi surrado por Connors e McEnroe em NY, que perdeu todas as finais. No entanto, eu nunca me importei (e não me importo) com isso, nunca disse qualquer coisa para tentar justificar o Sueco não ter ganho USOpen, e minha admiração ao Borg continua inabalável. O que sempre faço é DESTACAR os feitos que considero simplesmente fenomenais do Borg. Borg não é menor porque perdeu várias finais do USOpen, então por que e para que querer justificar ou negar esse fato ? Principalmente se isso não muda nada ?

      Borg continua sendo o que é (inclusive para alguns mais velhos que viveu aquela época ele ainda é o maior – eu acho o Federer) tendo perdido todas as finais de USOpen que disputou, ou sendo surrado (como você diz) por Connors e McEnroe em NY. Seu gosto e preferências não muda os meus, e não preciso que todos concordem que Borg foi um fenômeno

      A questão é que alguns Federistas, tal como alguns torcedores do Nadal, necessitam “ouvir” dos outros que Federer é o maior, e por isso ficam tentando encontrar mil e uma desculpas, desde algumas razoáveis a outras sem o menor sentido. Estão passando o maior recibo para torcida do Nadal de que realmente estão com medo do Espanhol vencer mais Slam que o Suiço. Bobagem pura!

      Se eu não busco desculpas para as derrotas do Borg, porque devo concordar com desculpas para derrotas do Federer ou qualquer outro ? Simples, não ?

      Responder
  25. Fernando Brack

    Esse tal Djokovic é maluco, completamente maluco.
    Como ele chegou naquela bola no fim do 1º set pra quebrar o espanhol?
    E Nadal não é menos alucinado. Busca todas e quase sempre consegue mandar de volta uma bola no mínimo complicada pro adversário, mesmo quando parece que ele mal e mal conseguirá devolver.
    Animais totalmente bestiais esses 2. Impossível ganhar deles quando estão a fim de jogo.

    Responder
  26. Fernando Brack

    Xiii! A 2ª feira na O2 começa pintada de vermelho e amarelo.
    Amarelasco e Marretero campeões contra os super brothers.
    Será um mau sinal e o Nadal também vai ganhar do Djoko?
    Ou, assim como nas duplas, o #1 também não leva a taça?

    Responder
  27. Leonardo

    O Finals é o torneio que consolida o melhor jogador geral do circuito.
    Djokovic caminha para seu terceiro titulo, o que vai ratificar sua condição de o grande jogador do circuito pós era Federer.
    Obs. O Nadal continua sendo o grande da terra batida e não do circuito como um todo, ainda que hoje, o sintético se assemelhe muito ao saibro.

    Responder
    1. André Luiz

      Sim, Djoko está tirando uma coroa que parecia certa para o Rafa. E eu aposto que ano que vem ele vai consolidar este papel, inclusive equilibrando de vez os números do head to head contra o espanhol.

      Responder
    2. Rogerio

      Nadal prova do seu veneno. Acabou de levar uma lavada do Djoko na final.
      Ele ecnontrou um corredor melhor q ele….agora vai precisar usar a técnica, aí fica difícil pro bombadão.

      Responder
  28. Marquinhos

    Concordo com o Sérgio Luiz que Federer começou no saibro por isso tem mais recursos que Sampras e todos os outros. Mas ele partiu para a grama e as sintéticas que combinam mais com seu jogo e convenhamos: O nível dos jogadores que jogam as sintéticas é muuuuuuuuuuuuuuuuuuuito superior a fraquíssima geração de jogadores que tem o saibro como preferência. E isso vem de 10 anos para cá.

    Responder
    1. Sergio Luiz

      Marquinhos, eu citei o saibro como uma grande, na verdade enorme, vantagem do Federer sobre o Sampras. Não o comparei com saibristas (embora isso também seja questão de gosto). Então, a pergunta que deixei no ar foi: Se Federer não fosse Europeu, e criado no saibro, será que ele superaria Sampras em número de Slam ?

      Tem mais, o FH de Federer já foi considerado o melhor do circuito, não só pelo ataque, mas também pela defesa. Nos áureos tempos do suiço, seu FH era muito lembrado também em razão de defesas fantásticas que fazia. Talvez até por isso sempre se contentou com o BH. Então, na defesa, Federer é muito, mas muito mesmo, superior a Sampras. Este o grande diferencial dos 2. Por isso disse que vocês têm que agradecer muito ao saibro por Federer ter superado Sampras em número de Slam! Acompanhar este esporte não é só ver os jogos, muito menos só os jogos de “hoje”.

      Claro que Federer é genial, o melhor de todos, até por ter adaptado tão bem sua base do saibro aos pisos duros, mas parem com essa ladainha de saibro! rsrs.

      Responder
    2. Rafael Wüthrich

      Desde que Ferrero se lesionou sem parar, Corretja foi diminuindo o calendário e Guga se aposentou, os típicos saibristas sumiram do circuito. Gaudio era regular, nada mais que isso. Aí veio Nadal. Indiscutivelmente o melhor de todos no piso, mas longe de ter adversários. Sempre lembro que o grande rival dele até Nole aparecer na terra batida foi…Federer. Inacreditável.

      Responder
  29. Marquinhos

    Teve um rapaz que teve seus comentários retirados do blog do Chiquinho por fugir do contexto do post e por ofender as pessoas. Ele também disse que não voltaria mais a comentar aqui no blog, mas voltou. Pelo visto não sou só eu que disse que não voltaria mais voltei.

    Responder
  30. Daniel Toledo

    Gostei desse post de outro fórum: “Entre Nadal e Federer concluo, eu, que Nadal é melhor que este. Ainda que Federer seja considerado o melhor dentre todos, Nadal é melhor do que ele. E isso não conclui que Nadal seja o melhor de todos sendo melhor do que Federer.

    O que concluo, e isso convicto, é que Federer foi o que foi devido seu jogo intuitivo. Se eu quisesse impor sobre ele algo tático, não teria condições de dizer aos meus netinhos que vi o mais brilhante jogador de tênis sobre uma quadra. Tudo se estragaria, tudo iria se resumir a alguns ou quem sabe nenhum Grand Slam. Seria estragar uma obra divina.”

    Responder
  31. Rafael Pereira

    Enfim um comentário neutro de Brack!! Parabéns, concordo com tudo que vc disse!!!!! Complemento apenas dizendo que na minha vida, devo ter assistido a quase todos os jogos desses dois, um deles ao vivo inclusive (Miami 2011), Torço para o Nadal por inúmeros motivos, assim como poderia torcer para o Federer por outros tantos, acho que torcida é pessoal, não tem muito a ver com que joga melhor ou tem mais raça ou plástica nos gospes! Infelizmente, acredito que não é corpo mole ou passividade o que acontece com o Federer quando este enfrenta o Nadal. O que havia antes era apenas aquela história do jogo de um não bater com o do outro, exploração de backhand, um jogando altas com spin, outro só forçando mesmo. Porém, de uns anos para cá, acho que de 2010 até ontem, o que acontece mesmo é uma incapacidade de Federer diante do espanhol. Entre eles, o Nadal tem certeza que pode ganhar do Federer, já o Federer… Antes o Nadal não sabia sacar, agora saca bem. Antes o espanhol tinha um furo no backhand, hj não tem mais. O preparo físico do animal Nadal é espetacular, o do Federer nunca foi treinado a esse ponto, onde rafa e nole se encontram. Então, gente é isso ai, o tênis não é como o futebol, é bem mais exato, às vezes acontecem zebras. Só, as vezes. Se o Federer não entender que ele precisa é de preparo físico pra 2014, vai só piorar as coisas aumentando o seu calendário, como já anunciou. Sou amante do esporte, jogo e assisto o quanto posso. Apesar de torcer para o Nadal, o tênis vem acima deles. Logo, estou na torcida para que Federer entenda e aceite o que é preciso fazer ano que vem e que volte a ser aquele Federer de antes, apesar da idade. Não acho tb que ter 32 anos o impeça de ter um preparo físico melhor. Hoje em dia temos medicina ultra high-tec e ele nunca teve lesão seria.
    Go Federer!

    Responder
    1. Fernando Brack

      Caro Pereira, embora muita gente boa, inclusive o Dalcim, se valha da teoria do ‘encaixe’ de jogo para explicar a vantagem do Nadal no confronto entre eles, eu não gosto dela (da teoria, claro). Acho isso meio conversa pra boi dormir.
      Na minha visão, um jogador genial como Federer, que faz o que quer sobre uma quadra de tênis, tinha que ter dado um jeito de ‘desencaixar’ esse negócio e ‘desatado o nó’ que o prende à derrota.
      Mas o que vemos é o suíço jogar sempre do mesmo jeito contra um Nadal que joga sempre do mesmo jeito contra ele. Federer deveria ter descoberto uma maneira de neutralizar as bolas altas com spin em seu BH, de forma a não ficar tão acuado e poder se manter no ataque, que é o seu jogo.
      Não sei dizer o que seria, mas o gênio do tênis não sou eu.

      Um fato inegável é o quanto Nadal fez seu jogo evoluir ao longo do tempo, passando a jogar bem em todos os pisos, enquanto no Federer não percebemos o mesmo esforço de aprimoramento. Seu BH, por exemplo, era frágil e continua frágil (na verdade, cada vez mais frágil).

      Abs

      Responder
  32. Fonseca

    Muito engraçado. Nadal disse que a ATP não ajudou-o a vencer o Finals até agora.

    SIm, a ATP só ajudou-o a vencer Indian Wells, Wimbledon, Montreal, Vancouver, Cincinatti, Dubai, Doha e todos os demais que tiveram o piso sintético com velocidade reduzida.

    Eu hein….

    Responder
    1. Fernando Brack

      Nadal é o super campeão mais reclamão da história do tênis.
      Sempre em causa própria. Os demais tenistas que se danem.
      Ele simplesmente não se conforma por não ganhar tuuudoo.
      Ogro chorão e egoísta!

      Responder
    2. Rogerio

      e quantos Masters 1000 temos sobre GRAMA?
      Este espanhol é um louco chorão, todas as vezes q perdia inventava coisas. E agora encontrou um corredor melhor que ele: DJOKO…..

      Responder
  33. Fonseca

    “Londres (Inglaterra) – A jogadora espanhola Nuria Llagostera Vives, de 33 anos, foi suspensa por dois anos, anunciou a ITF (Federação Internacional de Tênis). Em uma amostra de urina sua recolhida em Stanford, em julho, foi encontrada a presença de metanfetamina, droga estimulante proibida pela WADA (Agência Mundial Antidoping).

    Uma audiência foi realizada em Londres e Llagostera não conseguiu explicar como a substância entrou em seu corpo. ” (pra variar).

    É isso aí, vamos pegando os “chimbiquinhas”, enquanto os graúdos ficam numa boa….

    Responder
  34. Daniel Toledo

    Caro Sérgio, pertinentes suas colocações. Esse primeiro duelo em Miami é mais um que considero que Federer não poderia ter perdido de forma alguma, aí já são 4 duelos de vaciloes crassos do Roger, podendo o H2H estar em 18 X 14.
    Mesmo concordando com suas colocações, mantenho minha posição que até 2008 Nadal era sim essencialmente um saibrista, em que pese essas vitórias nas duras contra o Federer. Nadal era sim baloeiro, basta ver os jogos dele, é uma tática legítima, mas era. Só bolas altas, correria, etc, estilo que casa perfeitamente com o saibro.
    Nadal ao longo dos tempos virou OUTRO jogador, compare o espanhol de hoje com o de 2005-2008, está infinitamente mais agressivo, mais completo, saque muito mais forte, vai pra vários winners de forehand, melhorou demais o backhand, acrescentou o slice (não é brilhante mas é mais um elemento no jogo, etc..). Nadal ainda não me enche os olhos, mas hoje o respeito muito mais, quando era saibrista, ele jogava no estilo da armada espanhola, mas obviamente era melhor que todos eles.
    Em 2007-2008 Nadal começou a se adaptar à grama, chegar as finais (e ganhar Wimbledon). Mas em que pese vitórias esporádicas nas hards contra Roger, o fato é que ele não chegava nas finais do US Open no período que Roger foi pentacampeão, ou nas finais do AOpen, fatalmente ele teria perdido pro suiço no penta no US Open e tetra no AOpen.
    DEPOIS Nadal evoluiu ainda mais e passou a jogar bem também nas duras, vindo a ganhar seu primeiro US Open e Aopen quando Federer não estava mais no auge.

    Responder
    1. Fernando Brack

      Olha, Toledo, eu ainda acho o Nadal essencialmente um baloeiro. É só ver esse jogo aí. Ele manda balão quase o tempo todo, ainda que alguns saiam mais rápido. Mas é só na base da força bruta mesmo (ele urra ao bater na bola feito um ogro tentando se libertar de uma jaula).
      Sem dúvida, ele é um baloeiro super ultra hiper consistente. Todos seus balões caem na quadra.
      Como você bem diz, é uma tática legítima. E tem muita gente que gosta.
      A grande virtude dele foi conseguir fazer a balãozeira funcionar em qualquer piso.

      Responder
  35. Nathan Chesther

    Me surpreendi ao assistir o jogo de ontem : Djokovic vs Wawrinka. Era quase impossível pro suíço conseguir fazer um winner,Djokovic chegava em todas as bolas,corria pra esquerda,direita muito rapido e lançava bolas fundas e com intensidade. Nossa,se tudo isso for do esforço,preparação física,que Deus o abençõe! E hoje com certeza o título sera dele.
    ADJE!

    Responder
  36. Rodrigo Hanneman

    Na minha modesta opinião o maior de todos os tempos não pode ser freguês de ninguém,Sampras por exemplo não foi freguês de nenhum de seus contemporâneos !! O que quero deixar claro é que se ele é o melhor tem achar alternativas para vencer seu adversário !!

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Meu Amigo, você se deu ao trabalho de ver o retrospecto de Pistol Pete contra Safin e Hewitt , ambos bem mais jovens e da Geração Fraca ? Abs!

      Responder
  37. Roger Fedeiros - O Penalizado!

    Hoje, mais uma edição do fantástico embate entre os seres mais temidos da floresta! Ogro X Lobo mau!..

    Enquanto isso, à margem da mata onde só os fortes sobrevivem… “Pela estrada afora eu vou tão sozinho…”

    Ô dó!… KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Responder
  38. Fernando Brack

    Ainda tô meio aparvalhado e com o raciocínio prejudicado depois de tantas derrotas ontem.

    As que mais me abalaram, claro, foram as do Bruno e Marcelo, embora estas tenham seu lado bom. Eles mostraram muita competência este ano e têm tudo pra fazer ainda melhor em 2014. Terem se classificado para o Finals e chegado às SF do torneio foi um tremendo feito, digno de efusivos parabéns.

    Já a 22ª derrota de Federer diante de Nadal me deixa mais bravo que triste. Não pela derrota em si, pois perder é do jogo, Nadal é o tenista #1 e mostrou este ano que está de volta a seu melhor desempenho.
    O que me incomoda, e muito, por se tratar de um ídolo que eu cativo desde seus primeiros passos no circuito, é a atitude dele ao enfrentar mais uma vez seu maior adversário e algoz. Eu não encontro justificativa para uma mudança tão brusca de astral e de comportamento em relação ao jogo anterior contra Delpo.
    Um competidor, qualquer competidor, pode cair. Acontece todos os dias. Mas tem que cair de pé.
    O problema é que Federer cai de 4 diante do Ogro. Apático, não reage, não tenta nada diferente.
    Acho muito difícil entender isso vindo de um cara tão bem sucedido como ele e que se diz com tanta disposição de continuar competindo em alto nível. Parece político brasileiro, que diz uma coisa, mas faz outra, quase oposta.
    Se é que ele tem uma trava mental contra o espanhol, passou da hora de pedir ajuda a um especialista.
    O que não dá, para nós torcedores dele, é vê-lo aceitar tão passivamente essas melancólicas derrotas. Até concordo com meus colegas de torcida que H2H não é um parâmetro significativo para se avaliar a grandeza de um atleta para a história de seu esporte, mas tenho certeza que esse dado entre eles marcará indelével e negativamente a carreira do Mestre.
    Já tô ficando repetitivo, mas reitero que passo a torcer para este confronto não acontecer mais.

    Responder
    1. Luciana

      Tb tentei procurar uma justificativa, mais não existe explicação para a mudança de postura….nenhuma…em momento algum lembrou aquele Roger que bateu no peito qd venceu o Delpo… Tava apático, entregue, claramente sem nenhuma paciência ou vontade….o que se refletiu em 300 ENF’s….simplesmente aceitou a derrota…não da para justificar mesmo… Tentei lembrar que ele tinha feito um jogo duríssimo na véspera…mais tb não justifica sua apatia… Foi realmente irritante…

      Responder
    2. Aposentou

      Caro Brack,

      Já cheguei a uma conclusão: deve ser porque lá pros lados dos Alpes Suíços, essa história de rivalidade, ficar à frente do outro no H2H, etc., não deve fazer muito sentido. A tal da frieza chega a tal ponto que o cara consegue sair da quadra derrotado inúmeras vezes como se nada tivesse acontecido. Ao contrário de nós, latinos, q levamos isso muito mais a sério e não entendemos como um jogador do nível do Federer aceite isso tão passivamente.

      Já falei isso aqui antes e repito: tivesse tido o tal do “sangue nos olhos” durante toda a carreira, e não só Federer teria um H2H menos indecente diante do Nadal, como mais títulos importantes na sua gloriosa carreira.

      Mas ele não liga, ou é orgulhoso demais para reconhecer as próprias deficiências e mudar alguma coisa nessa altura do campeonado.

      Responder
    3. Santos

      Quando o Federer quebrou o Delpo eu disse: PQP o Nadal tá na final contra o Djoko, não sou Federista, mas nem assisti a semifinal, fiquei com vergonha alheia pelo Roger.

      Responder
    4. Sergio Luiz

      Excelente observação Brack. É por isso que eu “não aceito” essas mil e uma justificativas para o H2H, principalmente a dos pisos. É claro que os pisos ficaram mais lentos, mas não é este o “x” da questão entre Federer x Nadal! Abração!

      Responder
  39. Foguetinha

    Como disseram aí embaixo “correria por correria, acho que o Djokovic está melhor” Pois é, o cara não para, vai em todas as bolas, não se cansa nas LOOOONGAS trocas, Rafa tá muito mais falível nesse aspecto. Sem contar que é indoor…certeza que o sérvio ganha!

    Responder
  40. Roger Fedeiros - O Recordista!

    Recorde de semifinais?…. KKKKKKKKKKKKKK… vale tanto quanto o recorde de semanas como número 2… e nº 3 também!… nadica de NADA!!!!…

    Mostra regularidade?… KKKK… o mesmo peso pro Chico e pro Francisco então uai!… mas, nas verdade mostra mesmo é o tanto de tempo que se demorou pra chegar onde de fato interessa, ou seja, na final e no número 1.

    Daqui a pouco vão apelar pra o recorde de quartinhas!… kkkkkk… – hã… ah tá… ainda tem o tal do “jogo bonitinho”… aí não tem jeito mesmo, eu me rendo!… – nãããoõo! – peraí… tem o Gasguet, o Almagro, o Tommy, aquele outro croata aposentado também… tudo esquerda bonitinha também… e tudo freguês… também! kkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Inconformado

      A pessoa é tão ignorante que subestima um dos recordes mais impressionantes do Federer. Até seu muso espanhol e o Djokovic já afirmaram isso, mas deve ser muito difícil entender, né? Até porque inteligência nunca foi o forte das nadaletes………….

      Responder
  41. Rogério

    Circo armado e toda a preparação para o momento final da consagração da aberração espanhola. E a pergunta que não quer calar, por quê? Por quê consagrar um ser como este? Infelizmente hoje Djoko entregará mais uma partida, mesmo sabendo que está um degrau acima, que é o favorito e que não tem pra ninguém. Fará aquele teatrinho básico e depois após quebra de raquete, perderá o controle kkkkkkkkkkk (6/3 5/7 2/6). Não consigo entender, afinal de contas, dinheiro está acima da glória? Até RF parece que está no esquema, pois fez de tudo para vencer o Delpo e depois entregar mais uma partida pra aberração, muito estranho tudo isso. Ah se os bastidores falassem, ah se eu fosse jornalista esportivo dessa área. Só nos resta lamentar por todo esse circo armado.

    Responder
    1. Chetnik

      Cara, não suporto o Nadal, mas as besteiras que você fala ultrapassa qualquer limite de insanidade.

      Então quer dizer que existe uma conspiração mundial que envolve até o Federer e o Djokovic para o Nadal vencer? Que a ATP protege o baloeiro é fato, mas isso aí que você falou, coisa de demente.

      Responder
  42. Fernando M

    Estava vendo o Fedal de domingo e pensando que este encontro deve ter sido o que reuniu o maior número de títulos, ao menos em importância: 30 Slams , 137 títulos de simples, 6 finals, 4 Davis, 47 M1000, 1 olímpico, 400 e tantas semanas de liderança de ranking… Possivelmente esta rivalidade, se contarmos somente o exposto acima, tornou-se a maior da história, somos privilegiados de estar vivendo esta época.

    Responder
  43. Lucas Pires

    Que temporada fantástica do Nadal e do Djokovic! Os dois vão terminar o ano com mais que o dobro de pontos do terceiro colocado no ranking.

    Apesar da volta do Murray e uma melhora do Federer, duvido que alguém tire os principais títulos desses dois em 2014. O que acha Dalcim?

    Responder
  44. André Luiz

    Nos comentários lá da outra postagem apareceram dous ou três torcedores de Nadal afirmando que ”as mágicas” de Federer só eram feitas contra jogadores medianos. Bom, Hewitt, Roddick, Agassi, Sampras, Safin, Nabaldian etc. estão muito longe de serem só ”medianos”. Além disso, nêgo esquece que o GOAT já desfilhou atuações mágicas, repletas do melhor que o tênis pode ofertar em matéria de combinação de golpes, habilidade, variação, criatividade e precisão, contra o próprio Rafa!

    Lembrem-se do pneu aplicado numa final de Wimbledon, em 2006, na grama: http://www.youtube.com/watch?v=rBr_QwIsbjw

    Ou ainda, a magnífica atuação na final do antigo Master de Hamburgo, no saibro, em 2007. Vejam e revejam, pous dizem que depous do jogo o Nadal pediu a camisa do Federer, como qualquer fã faria, para que sempre rememorasse aquela atuação: http://www.youtube.com/watch?v=zQhvXwmBOpc [http://globoesporte.globo.com/ESP/Noticia/Tenis/0,,MUL39953-4434,00.html]

    E a minha preferida foi em 2011, na quadra dura indoor, aí mesmo na Masters Cup, em que Federer deu a maior e melhor aula de tênis que Rafa tomou na vida, num jogo absoluptamente inesquecível e de fazer o @##$ cair da bunda: http://www.youtube.com/watch?v=-MTZQCdYNm8

    Atenção reino da quantidade, é uma questão de qualidade; só isso.

    Responder
    1. Paulo Roberto Ferreira

      Sim, Hewitt, Nalbandian, Safin e Roddick nunca passaram de jogadores meia-boca, que a história logo logo esquecerá.
      Contra Sampras ele só jogou oficialmente uma única vez. Contra Agassi ele só começou a vencer quando o carequinha já estava bem maduro e já com problemas nas costas.

      Sujeito de sorte o Retired Federer!

      Responder
      1. André Luiz

        Quer dizer que os problemas nas costas e a idade valem para o Agassi contra o Federer, mas não para este contra Nadal. Interessante coerência.

        Hewitt, Safin e Roddick estão entre as duas dúzias de jogadores que se tornaram número 1 do mundo. O primeiro é campeão de Wimbledon, os dois últimos campeões do US Open rápido batendo um sujeito chamado Sampras. Não, não eram ”meia boca”.

        E os vídeos das aulas continuam aí em cima esperando a explicação dos que duvidam de magia! 😛

        Responder
        1. André Luiz

          Aliás, qualquer um que pense que Federer só é o que é por ter enfrentado tenistas ”meia-bocas” deveria dar uma pesquisada sobre o que Agassi pensa do suíço.

          Responder
      2. José Eduardo Pessanha

        Olha, cara, Nalbandian tem 500 vezes mais talento do que Conan, o Bárbaro. Fato!!!!!!!!!!!! O whisky está sendo aberto nesse momento para bebemorar a derrota do Boi Garantido.

        Responder
      3. carlos henrique

        Meia a boca não, são bons jogadores que não ganharam mais por n fatores, mas realmente nem de longe se comparam por exemplo ao Murray que é o menos vitorioso do big four

        Responder
  45. Wagner Ayres

    Embora seja fã de Rafael Nadal, achei muito pertinentes os comentários de Daniel Toledo, fugindo dos tradicionais argumentos, que o Nadal é baloeiro, aliás, para quem já teve a oportunidade de ver uma partida de Rafael Nadal ao vivo, vai perceber que isso não é bem verdade, e mesmo que fosse, ele não está fazendo nada que não seja permitido, muito pelo contrário, executa como ninguém um golpe que incomoda e muito os adversários.

    Ainda com relação a fama de Nadal de baloeiro, gostaria de lembrar que o Guga também utilizava-se do top spin com muita efeiciência, porém, devido ao fato de ser brasileiro, não era considerado baloeiro, e sim Gênio….coisas de torcedor….

    Responder
  46. Sergio Ribeiro

    Ao olhar o número de Finais que Novak e Rafa já possuem, nao da para acreditar quer certas figuras ainda insistam (Malandramente) , que a rivalidade maior de Rafa seja com Federer. Ex : Connors 8 x 15 Borg, Connors 14 x 20 Big Mac, detalhe: mais velho 5 anos , perdeu de 2 x 12 nas ultimas. E 7 a mais que McEnroe 2 x 14. Este com Lendl, 15 x 21 perdeu 10 nas ultimas 11. Dominaram o Circuito 11 anos ( 74 a 84). E Connors terminou com mais SLANS 8 x 7 que o Big Mac. Borg venceu 11 , sendo 5 em Rolanga, muito próximo a performance de Rafa Nadal.Sampras 20 x 14 Agassi, foi mais dominante com seus 14 x 8 em SLANS. Tudo isso para dizer que o Cara de 32 , possui Recordes inimagináveis . O resto e’ coisa de quem entrou de para-quedas…rsrsrs Abs!

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Correção : Borg 6 em Rolanga. Sinceramente , acreditar que a Final de hoje possa ser o melhor jogo da ano, e’ simplesmente uma piada. Só demonstra que eu vejo outro esporte. Rafa Nadal , nao me convenceu nem contra Federer. Novak me parece muito mais adaptado ao Piso. As táticas de Rafa que dão certo com o Suíço , nao existem contra o Sérvio .Deveremos ter trocas cansativas de bolinhas, com o favoritismo de Novak. Rafa Nadal precisara arriscar bem mais no Serviço se quer levar seu primeiro FINALS.Abs!

      Responder
    2. geraldo carvalho

      a rivalidade MAIOR é com o djoko, sem dúvida. com federer FOI maior, mas foi superada. o sérvio é o grande adversário do espanhol e o grande obstáculo p que ele chegue aos 18 ou 19 gs.

      Responder
  47. André Luiz

    O favorito é Nole, mas Rafa fará de tudo que pode para conquistar sua primeira Masters Cup, único grande título do tennis que lhe falta. Acho que se decide nos detalhes. Se der Nadal, será o coroamento da temporada que ele próprio considera a melhor de sua carreira. Se der Nole, é o signal de que um pega pra capar pelo número 1 vai colocar fogo no circuito já com confrontos que prometem ser épicos no saibro e nas duras.

    Djoko também pode alcançar uma bela marca: 3 títulos de Masters Cup, mesmo número de Becker e McEnroe e mais do que Borg! Só vai ficar atrás mesmo de Nastase, Sampras, Lendl e Federer.

    E o sérbio, pelo que percebo de seu temperamento e personalidade, deve estar doudo da vida pra compensar daqui até o juízo final a final do US Open desse ano.

    Responder
  48. Roger Fedeiros - O Lógico!

    Os melhores do mundo na final. Justiça Feita!… mas, pera aí…E onde está o melhor de todos os tempos? Este ano não faz parte de “todos os tempos”? ou estamos vivendo em uma “dobra do tempo”?… o calendário pifou?… Que dia vai ser o jogo da lenda? KKKKKKKKKKKK… a propósito, tem exibição do GOAT este ano de novo não???… ah peninha!… qual será a “dicupa” ano que vem?

    Responder
  49. Leo

    O Nadal é engracado. Falou uma bobeira e em outro momento, mostrou o bom senso que falta aos seus fans.O bom senso é no que se refere de que a hegemonia do Federer nao é apenas nos slams e de que o h2h só seria importante no caso de empate de recordes entre eles.
    Agora a bobeira dita foi em relacao a dizer que a ATP nunca permitiu ele a ganhar a Finals. Bem… esta permitindo recentemente nesse piso lento. Ano passado tambem, mas ele nao foi pq esteve suspenso.
    E o que dizer sobre a facilidade que ele recebeu para vencer Wimbledon, os demais slams sinteticos e masters que ficaram bem mais lento?
    Porque nao se queixar de que faltam m1000 na grama?

    Responder
  50. Roger Fedeiros - O Científico!

    Agora, até a ciência se rendeu!… E aposto minha coleção de “bandejas” que com esta ninguém contava…

    A Scientific American Magazine trazendo estudo explicando cientificamente o H2H favorável do Nadal sobre o achocolatado… KKKKKKK…

    …E pensar que gastaram os “tubos” com pesquisa, experimentos e instrumentação pra comprovar uma coisa pela qual euzinho apanhei tanto em afirmar e reafirmar isso por aqui… E DE GRAÇA!… Ô dó de euzinho!… Bem, pelo menos agora quem quiser que vá discutir com a ciência… uhuuuuuu!!!

    Responder
  51. Augusto Fiães

    Dalcim, molezinha: Rafa 2×1 em Nole, sem lamentos…joga mais mesmo, tem mais história, está voando baixo e não aparenta nem um pouco estar cansado. Sou mais Rafa!!! Valeu Dalcim!!!

    Responder
  52. Daniel Toledo

    Sem tirar os méritos de Rafa, pra mim essa teoria de que ganhar no confronto direto = necessariamente ser melhor é furada. Temos que analisar mais aspectos, como números de Grand Slams, títulos, semanas como N.1, genialidade, etc…
    É fato que no confronto direto Rafa é dominante, nem vou entrar na questão de saibro e pisos mais lentos, Rafa vence sim, é mais intenso, o jogo não casa a favor do suiço (o forehand alto com spin de canhoto na esquerda do Roger acaba com ele), etc…
    Acho só que essa diferença poderia ser menor, por 2 aspectos:
    1 – Na época de ouro do Federer (2004-2007), Nadal ainda era essencialmente um saibrista, começando a ter bons resultados na grama, e nas duras pouco chegava longe nos grandes torneios, onde seria presa fácil de Federer (nunca se enfrentaram no US Open por exemplo, pois Rafa nunca chegava). Atualmente, com Nadal no auge e Federer mais velho e decaindo, Federer ainda chega, e vira presa fácil pro espanhol.
    2 – Alguns confrontos chave Federer não poderia ter perdido, como finais de Wimbledon e AOpen, além da final de Roma 2006, jogos decididos no detalhe, onde ele tinha tudo pra vencer. Méritos pro Rafa, mas só esses 3 jogos tornariam o placar 19 X 13, que acho que retrataria melhor o confronto.

    Responder
    1. Sergio Luiz

      Caro Daniel, eu sei que muitos ficam incomodados quando eu retruco algumas coisas sobre essas tentativas de explicações sobre o H2H, mas no fundo eu defendo o Federer, a quem reputo o melhor de todos os tempos.

      Os 4 primeiros confrontos entre Nadal x Federer foram 3 no sintético e 1 no saibro, e Nadal ganhou 3. Venceu em Miami, RG e Dubai. E isso em 2004, 2005 e 2006. Então, seguindo a teoria de muitos, inclusive aquela que os pisos mudaram a partir de 2007, o Federer tá lascado, tomou pau de Nadal desde a época dos pisos bem rápidos! Veja, Miami/2004 e Dubai/2006!!!???

      Então, veja que situação, segundo você nesta época Nadal era essencialmente um saibrista, e os pisos só ficaram mais lentos a partir de 2007. Que conclusão se chega ?

      Para mim, Federer é o melhor. Mas dê uma olhada no que eu respondi ao meu Xará Sergio Ribero mais abaixo! Abs.

      Responder
    2. Fabricio

      Caro DANIEL TOLEDO, já vi que vc é excelente em postar bobagens…

      Só pra te avisar “Na época de ouro do Federer(2004 a 2007)”, foram 14 confrontos entre eles, sendo 7 no saibro e 7 nas preferidas do Federer( 5 nas hard’s e 2 na grama), ou seja, Nadal chegava nas quadras preferidas do Federer do mesmo tanto que Federer chegava no saibro.

      Portanto, antes de postar as suas besteiras a esmo, sugiro que dê uma conferida nos números antes. Aliás, vai o link, caso vc queira conferir…http://www.atpworldtour.com/Players/Head-To-Head.aspx?pId=N409&oId=F324.

      Responder
    3. Carlos Reis

      Não perca tempo defendendo o mauricinho frouxo da suiça, tá certo que o seu carrasco é um dopado trapaceiro de uma figa, mas mesmo assim é vergonhoso ter perdido 22 vezes para A FARSA… Hoje o DjokoVICE ganha mais uma da FARSA…

      Responder
    4. Phillipi Fio

      Se algum dia o Nadal superar o número de GS do Federer, você irá considerá-lo melhor? Ou a genialidade, plasticidade e semanas como número 1, número de títulos de Finals e recordes de semis e quartas ainda vão falar mais alto?

      Responder
      1. Marquinhos

        Desculpe entrar no assunto Phillipe. Mas se Nadal passar o n de Slam de Federer e com h2h 40 x 10 ele não será considerado o maior da história. Federer é superior a Rafael além dos titulos e recordes em: Audiência, presença do público em seus jogos, seu n de admiradores e torcida é muuuuuuuuuuuuuuito superior, sua técnica, habilidade e plasticidade de jogo é muuuuuuuuuuito superior, ganhou por 10 anos seguidos o titulo de jogador preferido da atp, tem a marca muito mais valiosa que Rafael, é mais admirado que o Espanhol em quase todos os países inclusive na Espanha e tem muito mais que eu poderia escrever até amanhã.

        Responder
        1. Chetnik

          Haha, agora o que vale é ganhar mais dinheiro, mais torcida e ser mais querido. Haha. E que se danem os FATOS.

          Tem um pessoal que vive em negação, não é possível.

          Responder
  53. Rogerio

    O Nadal vai hj provar do seu próprio veneno. Os balões na esquerda e principalmente a correria insana são as suas “armas”, que não funcionam contra o Djoko.
    Alías, correria por correria, acho que Djoko está melhor.

    Responder
  54. william laerte fenelon

    Dalcim, com relação ao ranking para o ano que vem, vc sabe até quando o nadal tem o número 1 garantido caso ele perca ou ganhe a final? acho extremamente difícil que ele perca o número 1 até o USOPEN series, visto a regularidade dele no saibro e ter wimbledon pra somar mtos pontos ainda…

    Responder
  55. william laerte fenelon

    Com certeza djokovic é favorito, por outro lado, se del potro,federer e gasquet conseguiram lhe tirar um set, acredito que nadal consiga tbm, levando o jogo pra um terceiro set onde tudo pode acontecer,de qualquer maneira espero um jogo equilibrado e com emoções, é o ideal por ser um clássico e o último jogo da temporada. Nadal vai precisar sacar muito bem, se conseguir, a coisa fica bem interessante.

    Responder
  56. Luiz Passos

    Mais uma pra conta do MELHOR DA HISTÓRIA. Nadal 22 x 10 Federer. Não sei a onde um jogador que é o melhor da história pode perder tanto para o seu maior rival. kkkkkk

    Responder
    1. Fernando

      Verdade, mas o Nadal é um jogador de uma bola só, o spin alto(backhand e forehand), não a toa é muito criticado. Todas os comentários sobre o Nadal tem um “mas”. O jogo dele é amparado no físico e nas bolas altas.

      Responder
    2. Lucas

      Luís, a sua análise é estática, muito restrita, eu diria até q vc está mordendo o próprio rabo, Luís.
      Vejamos.
      Se Nadal é melhor q Federer simplesmente pela “vantagem no confronto direto”, então Nadal é o melhor da história.
      Mas Nadal deve ser superado por Djoko nos confrontos diretos nos próximos anos, então Djoko será o melhor da história.
      Mas Djpko é muito inferior a Federer, q leva vantagem no confronto direto. Saliente-se q as vitórias do sérvio sobre Federer nos últimos 2 anos se deram num período de decadência do suíço.
      Conclusão, voltamos ao ponto de partida …
      Abs.
      PS. quanto à diferença significativa no confronto, sugiro q vc leia o primeiro post deste tópico.

      Responder
  57. Hian Witt

    Eu não acredito em superstições, muito menos sou fã de Rafael Nadal, torço pela história do tênis! Mas acredito que deste duelo, quem saia vitorioso seja R. Nadal. Vejamos: Nole, teve uma chave mais difícil do que de seu oponente, jogou jogos mais longos, e teve momentos de stress (impaciência) nos seus jogos e está vencendo a 21 partidas, logo será exaustivo pra ele mentalmente e fisicamente. O conta a favor de Nadal, é que ele venceu Djokovic em três jogos dos cinco esse ano, sem contar o seu histórico contra ele (22×16), e estará mais focado, pois pode ser seu primeiro título de ATP Finals, fora que estará muito menos cansado, e não passou por sufoco, e ao menos não perdeu a paciência! E falando na tal superstição do ano…Nadal e Serena, venceram dos Grand Slam, os mesmos Roland Garros, e Us Open…ao ganharem a final do Us Open comemoraram de forma a aliviar, não saíram comemorando que nem loucos, se jogaram no chão de alivio, e os dois chegaram ao torneio dos oito melhores do mundo com 10 troféus na estante. Serena ganhou, o que eu acredito que Nadal também ganhará, por coincidência ou não, acredito que Djokovic ganhará o primeiro set, mas Nadal atropelara nos dois seguintes, que nem fez Serena”

    Responder
    1. Fernando Brack

      Muito bacana essa comparação dos feitos de Nadal e Serena em 2013.
      Não sou nem um pouco supersticioso, mas gosto dessas coincidências.
      Sendo cheio de TOCs, se Nadal sabe disso, é um gás a mais pra hoje.

      Responder
  58. Hendrix

    Dalcin,
    Hà 3 meses atras, antes do US Open, lancei pra voce, um jornalista referencia para mim em termos de tenis, uma questao sobre se voce concordaria que caso o Nadal conquitasse mais algumas vitorias pontuais em sua ja brilhante carreira, estas poderiam torná-lo o maior da historia. Para ser mais exato, eram 4 metas que ele teria que buscar para eliminar qualquer dúvida sobre sua capacidade de ser um tenista completo e o mais vitorioso de todos os tempos.
    Na ocasiao voce concordou que isso seria suficiente para alçá-lo indiscutivelmente a esta posiçao.
    Pois bem, de là pra ca, uma destas 4 metas foi parcialmente alcançada…o bicampeonato do US Open, o que poderá ser completado em 10 semanas em Melbourne Park, com o primeiro bicampeonato de todos os Slams da Era aberta.
    Hoje outro destes 4 passos pode ser dado. O titulo mais importante que ainda lhe falta pode ser conquistado….o ATP finals.
    Da forma como pode acontecer, invicto, e vencendo no caminho seus 2 maiores adversarios, tornaria essa conquista da primeira das 4 metas ainda mais espetacular.
    É realmente especial acompanhar a trajetoria deste rapaz, que sempre lutou contra todos os prognosticos: ser especialista em saibro num circuito focado em quadras duras, jogar contra supostamente o maior de todos, ser alvo de calunias sobre doping o tempo todo, ser preterido pela torcida por tenistas de estilo mais vistoso (Federer), ou mais carismaticos (Djoko), alèm de seu maior adversario de todos, suas inumeras contusoes.
    Diante de tudo isso, esse rapaz supera a tudo e a todos, evolui a cada ano tecnicamente, e escreve seguramente uma das mais espetaculares trajetórias da historia do esporte. Que honra poder acompanhar tudo isso e torcer por esse menino.
    Que Deus lhe de saude para alcançar o lugar que já lhe é merecidissimo. O topo do mundo.

    Responder
  59. Fox200x

    Dalcim, acredito que Rafa e Novak farão o melhor jogo do ano amanhã por motivos bem óbvios: Ambos estão em ótima forma físico/técnica, Novak já demonstra franca evolução e mais consistência do que a maior parte da temporada, aquele ponto contra o Wawrinka em que ninguém imaginava que Nole chegaria na bola, já mostra o tamanho da vontade de dar uma resposta a Rafa. Por outro lado, Rafa, como sempre, irá lutar por cada ponto, pelo tão esperado título inédito. Só acho que ele não deveria ficar muito atrás da linha de base pelo risco da força com que Novak está engulindo os adversários quando joga com dois a três passos dentro da quadra. Mas do Rafa nunca se pode duvidar. Dalcim, aí em Londres está tendo alguma repercussão pela eventual frase do RAFA a respeito de “não ter ganho um finals por causa da ATP”????? Queríamos tua opinião. Valeu!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, porque o Rafa já disse isso antes e é muito conhecido por reclamar de tudo… rsrs… Como já comentei antes, ele não deixa de ter alguma razão quando pede alternância de pisos no Finals, mas sinceramente eu acho que a quadra dura é a média do circuito hoje e o fato de ser coberto é inevitável num torneio que não permite qualquer tipo de adiamento de jogos. Abs!

      Responder
  60. MARIO CESAR RODRIGUES

    Olá..Galera..sobre o jogo do Federer e Rafa…realmente o Federer tem algo sério um bloqueio mental contra Rafa é incrível a cara de medo isto mesmo medo a expressão que sinto quando olhava para Federer…e quanto ao jogo do Nole contra Stan…Stan realmente é fraco mentalmente embora tenha um jogo bonito mas na hora h um cara como Rafa e Nole faz a diferença..Federer há Federer este já não consegue fazer diferença…viverá daqui prá frente de belas jogadas mas títulos não creio e Rafa se quiser ganhar amanhã tem que forçar mais o saque e ir para as pararelas e ser mais forte mentaçlmente se é que isto é possível…..Mas uma final contra Nole é sempre nos detalhes e quem for mais corajoso e partir para cima ganha.

    Responder
  61. Pedro Brandao

    Dalcin, hoje com jogadores que sabem defender demais, Nadak e Djoko, sera que Sampras com seu saque voleio nao estaria a altura de ambos.
    Nem comenta a parte fisica pois esses dois sobram.

    Responder
    1. Thiago

      Então vamos fazer o raciocínio inverso? Vamos levar Nadal e Djokovic para a década de 90 nas quadras rápidas? Poderiam almejar alguma coisa..em algum torneio de saibro..no resto seria meros coadjuvantes…

      Responder
        1. Patrick Simão

          O que acontece é exatamente evolução adaptativa, só que nas quadras. Com quadras mais rápidas, o mais comum é os tenistas especializarem seu jogo ao saque e voleio, com pontos mais rápidos. Já com quadras mais lentas, jogadores com trocas de bolas mais longa e necessidade do maior físico são os que predominam, assim como o resto do circuito, salvo excessões, estão aplicando mais esse jogo de fundo de quadra.

          Responder
        2. Sergio Luiz

          Que é isso Mestre Dalcim ? E o Agassi ? (nem vou citar o Borg, por se tratar de uma excepcionalidade excepcionalíssima), mas o Agassi foi um jogador essencialmente de fundo, exímio devolver, e ganhou o que ganhou, segundo vocês, no tempo dos pisos ultra-rápidos!!! Então Agassi foi infinitamente melhor que Nadal e Djoko ???

          Responder
  62. Sergio Ribeiro

    Caro Dalcim, quando Roger em seu Auge dominava o Finals, Rafa Nadal tinha um parceiro que o apoiava nas reclamações sobre o Piso, Novak Djokovic . Este afirmou que foi criado no Saibro, e apesar do Grande domínio de Rafa em Rolanga, nunca vi o Sérvio reclamar, e optou contra o Canadá na Davis pelo Barro. O Tempo passou e a rivalidade entre os dois já e’ a maior da História ( isso vai longe ) . Novak tem chegado voando, e a meu ver, bem mais a vontade que o Espanhol em INDOOR . De onde o parceiro tirou que e’ o Piso que o Sérvio mais gosta? Abs!

    Responder
    1. Sergio Luiz

      Ai ai ai ai ai, esse Xará Ribeiro não tem jeito. Só quem reclama do saibro são os norte-americanos ( e a torcida do Federer), porque todos os Europeus foram formados neste piso, inclusive Federer. E saibro é saibro desde sempre, este piso nunca mudou. Pesquise desde quando RG é disputado!

      O que vocês Federistas não conseguem enxergar (ou gostam de negar o óbvio), é que a grande diferença do Federer para o Sampras, que proporcional uma superação indiscutível do Suiço ao Estadunidense, é justamente porque Federer foi formado no saibro, porque lhe deu um jogo da base infinitamente melhor que Sampras. Sampras foi criado no sintético, por isso, esse sim, sofria demais nos pisos lentos.

      Se Federer fosse norte-americano, e criado no sintético, provavelmente NÃO teria superado Sampras, porque no saque-voleio o Estadunidense é insuperável. Então, agradeçam todos os dias ao saibro, pois foi ele que proporcional Federer ser o que é!

      Ah e a SUIÇA também escolheu o saibro recentemente para jogar contra os EEUU, e pior…PERDEU, naquilo que foi um dos maiores vexames da Davis. Neste confronto, o “Rei”, segundo melhor saibrista para muitos, principalmente sua enorme torcida, conseguiu perder para o Isner, no saibro e em casa!

      Federer é o melhor de todos os tempos, mas parem com esse mania de quererem justificar as derrotas e colocar defeito nos outros. Ninguém ganha tudo, ninguém é imbatível e ninguém é perfeito. Para ser o melhor não precisa ser perfeito, nem os outros terem defeitos! Abs.

      Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Sergio, sou um dos que considera a questão dos pisos tormentosa. Falta um Masters na grama, o US Open e Wimbledon não tem metade da velocidade que já tiveram. Mas o saibro é essencial para se demonstrar a perfeição de um tenista junto com os demais pisos. Isto posto, Considero Nadal top 6 ou 5 de todos os tempos, talvez melhor que Borg no quesito títulos, mas abaixo dele na questão importância. Também coloco Federer, Laver e Sampras acima dele. Lendl acho que foi um tenista mais completo que ele, embora menos títulos de GS ou Masters.
        Isto posto, tenho pra mim que o H2H foi resultado de um conjunto de fatores: (1) A enorme pressão que Federer começou a ter para vencer Rolang Garros; (2) o estilo de jogo de Nadal, totalmente pouco ortodoxo, que passou gradativamente a incomodar Federer à medida que mais pressão era colocada nos seus ombros e Nadal jogava um jogo “sem riscos e erros” da linha de base; (3) a pressão que Federer passou a ter para enfim vencer Nadal em RG e se credenciar como o GOAT superando Sampras; (4) a derrota em Wimbledon, que coincidiu com certa redução na velocidade dos pisos; (5) mais pressão sobre Federer após mais uma derrota na Austrália; E daí por diante, as cobranças.
        Eu acho que Nadal é uma fortaleza mental, mas facilitou muito Federer ter que carregar durante anos o “peso da história” nas costas. Não é pouca coisa. Principalmente se as coisas começam a se tornar mais difíceis e os tabus se consolidam. Sou fã de vários esportes e presenciei que poucos atletas suportaram tamanha pressão e por tanto tempo quanto Federer. Várias derrotas, principalmente em jogos no saibro, vieram dos lapsos emocionais do suiço diante de adversidades, justificáveis num contexto maior. É simplista dizer que foram os pisos; na realidade, acho que isso foi apenas mais um fator.

        Responder
  63. Jônatas

    Dalcim, o Nadal ganhou Madrid em 2005, era indoor duro. E acho que realmente, neste momento Nadal e Djokovic estão 1 degrau acima dos demais. Foi também um ótimo ano para o Ferrer, Stan, Gasquet e inclusive para o Delpo. Espero uma evolução para o argentino e o Wawrinka ano que vem. O top 10 está um pouco mais “seleto” digamos. Sobre o Federer, terminou o ano melhor que grande parte da temporada. É importante para a confiança e creio que ele acredita que está mais perto dos top 3 do que a alguns meses atrás. Penso que acabará entre os top 5 em 2014. Títulos em GS? Difícil mas não desacredito. Acho que consegue levar um ou outro master. Outra coisa a se destacar no simples é o Haas aos 35 terminar como 12 do mundo. Eu acho isso incrível e não sei se ele conseguirá repetir mas quem sabe? Aparentemente ele perdeu um pouco da intensidade no fim do ano e vamos ver como se comporta com pontos importantes a defender no 1º semestre. Sobre as duplas chateado mas não decepcionado. Penso a dupla Peya/Soares serem regulares e competitivos mas honestamente, Dodig/Melo tem um potencial grande de rivalizar com os Bryans. Vamos ver se o croata vai continuar pq ele está bem na simples. No mais um grande abraço!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *