Maravilhosas mulheres
Por José Nilton Dalcim
11 de junho de 2013 às 19:36

Rafael Nadal, Roger Federer, Jimmy Connors, Ivan Lendl, Guillermo Vilas… Os recordistas do tênis masculino têm número expressivos, alguns realmente assombrosos. Mas, apenas por curiosidade e conhecimento, resolvi comparar aqui alguns dos grandes feitos obtidos na Era Profissional entre o circuito masculino e o feminino. Tenho certeza de que a maioria de vocês vai ficar espantada.

Grand Slam

Federer tem 17 títulos e fez incríveis 24 finais e 33 semifinais. Mas olhem Chris Evert: 18 troféus, 34 finais e 54 semis.

Roger também tem 10 finais consecutivas de Slam. Steffi Graf foi ainda melhor: 13.

O suíço é quem mais venceu partidas nos quatro Slam, chegando agora a 256. Ainda está longe dos 305 de Chris, 300 de Martina e 278 de Graf.

Nadal chegou à 59ª vitória, recorde em Roland Garros. Mas Steffi Graf venceu 84 vezes. Connors tem a marca mais expressiva nos demais Slam, com 97 no US Open, enquanto Martina somou 121 em Wimbledon.

Nadal é o primeiro octa do tênis masculino e também repete Federer, Pete Sampras e Ivan Lendl como únicos a fazer oito finais de um mesmo Slam. Navratilova ganhou Wimbledon nove vezes em 12 finais.

Títulos

Connors ergueu 109 troféus na carreira em 158 finais e Lendl chegou a 94 em 144. Fichinha perto dos 167 títulos e 239 finais de Navratilova e nem perto das 157 conquistas em 208 tentativas de Chris Evert.

Nadal venceu Monte Carlo, Barcelona e Roland Garros por oito vezes, assim como Vilas em Buenos Aires. Navratilova ganhou Chicago por 12 vezes e Eastbourne, por 11.

O recorde de finais num mesmo torneio também é de Vilas (10), enquanto Navratilova fez 14 no Masters e em Chicago, além de 13 em Eastbourne.

Se Vilas venceu 16 torneios numa única temporada, Margaret Court chegou a  18. Martina, por sua vez, faturou 13 consecutivos.

Jogos

Connors disputou 1.520 partidas e venceu 1.243 delas, marcas que dificilmente serão repetidas. Navratilova foi mais longe: disputou 1.661 e ganhou 1.442. Chris Evert também ganhou mais que Connors: 1.304.

O percentual de vitórias de Nadal no saibro é espetacular: 292 vitórias e apenas 21 derrotas, portanto 93,29%. Porém, o de Chris Evert foi ainda maior: 312 vitórias e 20 derrotas, atingindo 93,98%.

O recorde de vitórias consecutivas no saibro também, é claro, pertence a Rafa, com 81. Chris Evert ficou invicta por 125.

Vilas ganhou 46 jogos seguidos e detém a marca no masculino, bem inferior aos 74 de Martina em 1984. Martina ainda detém o maior percentual de vitórias numa única temporada: 98,85% em 1983, ou seja, 86 triunfos em 87 partidas.

Duplas

Mike Bryan e Bob Bryan quebraram todas as marcas, com 91 e 89 títulos respectivamente. Navratilova atingiu 177 conquistas (aliás, em 84 torneios ganhou simples e duplas ao mesmo tempo).

Ranking

Federer liderou o ranking por 302 semanas até agora, marca que é inferior a de Graf (377) e de Navratilova (332).


Comentários
  1. Orestes Pimentel

    Dados interessantíssimos, mas aí me vem uma dúvida, essa analise serve pra dizer que sempre houve um desnível entre os circuitos masculinos e femininos (como inclusive ocorre hoje) ou apenas mostra que tiveram mulheres que apenas foram superiores em números aos homens???

    1. José Nilton Dalcim

      A intenção foi apenas destacar os números e recordes tão grandiosos das mulheres que raramente são lembrados. Abs!

  2. Spencer Santos

    Ah…caso não tivesse acontecido aquela desgraça com a Seles, as estatísticas seriam totalmente diferentes, tanto a favor dela como contra a Graf. Mas…”se” não joga. Agora, sobre o masculino, temos que esperar mais 3,5 anos para termos uma visão “definitiva” das estatísticas, pois, em 2016, Ele encerrará a carreira. De quem eu estou falando…quem? Quem? Quem? Ele mesmo, Rafael “The Scanners” Nadal, “O” C.E.O. do Universo, “O” Ser Supremo do Mundo Conhecido, “O” The One. Interessante notar que “The Scanners” já tem vários recordes ainda com 27 anos. Enquanto isso, o insosso e limitado Pete Sampras foi pouco citado. Ah…só para os desinformados de plantão, o termo “limitado” se refere ao pífio desempenho do tal ex-número um no saibro, disparado, o piso que mais exige de um tenista em todos os aspectos: tático, técnico, físico e mental. Sampras é o próximo alvo do “The Scanners” na quantidade de Grand Slam. Mas isso é uma outra história. Saudações Nadalistas, exceto aos Anti-“The Scanners”!

    1. Rafael Medeiros

      “ainda” com 27?

      Isso já é meio passo pra velhice tenística, cara pálida!

      Ou você acha que todo jogador é Roger Federer? 😉

  3. luciano nilo

    Caro Dalcim,

    Você deixou de incluir um feito do Roger Federer que não foi batido por nenhuma mulher e pelo visto nunca mais será batido por ninguém:
    237 semanas CONSECUTIVAS como #1 do mundo.
    Veja que a recordista feminina, Chris Evert tem “apenas” 186 semanas.

    Não se esqueça disso na próxima….rsrsrsrsrs

    Abraço,

  4. paulo

    Nao da pra comparar, seria o mesmo que dizer que o Thiago Fernandes ta acima do Fininho porque ja ganhou slam.

    Quanto a questao da premiacao, eu sou contra uma mulher ganhar menos que um homem pra fazer o mesmo servico. Mas vamos ser sinceros, a renda gerada pelo tenis masculino e’ muito maior. Basta ver o preco das finais femininas e masculinas.

    1. Renato

      Sim, a renda é maior, mas isso é em qualquer esporte. O interesse pelo esporte masculino sempre foi maior. Não me lembro de nenhum evento esportivo que existe igualdade de gêneros (GRD e nado sincronizado não entram, por motivos óbvios) em que o feminino desperte o mesmo interesse.
      Eu tenho 3 hipóteses com relação a isso:
      1ª – o mundo sempre foi machista e as mulheres tiveram que ir ganhando espaço nesse tempo todo
      2º – As pessoas tem interesse em ver físicos mais avantajados, normalmente associados aos homens, obviamente por questões fisiológicas. Acho que, comparativamente, sempre veremos homens mais fortes/mais rápidos/mais altos, então imagino que isso sempre deva gerar mais interesse.
      3º – Normalmente os homens são mais carismáticos. Mais bobalhões, digamos assim. Se pegarmos nos últimos 20 anos, vemos a quantidade de Super Sports Stars ultra carismáticos que vemos: Federer, Nadal, Guga, Agassi, Usain Bolt, Ronaldo, Giba, etc. E com as mulheres eu acho que normalmente tem menos disso. Sei lá, apenas uma hipótese.

      Agora, quem defende que mulher tem que ganhar menos por que joga menos, é a mesma coisa que falar que elas dever receber prêmios menores por que completam uma maratona em mais tempo que os homens ou nadam os 100m em tempos maiores. Ridículo.

      1. Fernando Brack

        Não acho ridículo, Renato. A diferença em relação a jogos de tênis num Slam é que numa maratona ou prova aquática elas cumprem o mesmo desafio, isto é, correm ou nadam a mesma distância que os homens. Se nessas competições elas levam mais tempo para realizar a mesma tarefa é exclusivamente pela diferença física. O que importa é que a tarefa é a mesma e não faria sentido penalizá-las por elas serem intrinsicamente menos fortes.

    2. Fernando Brack

      Vou entrar nessa polêmica barbarizando. Acho que em Slam as mulheres deveriam ter prêmios menores, porque ficam menos tempo no ‘escritório’. Não tenho absolutamente nada contra mulheres desempenhando qualquer função, em empresas, no esporte, na política, no governo, etc. Mas comigo é simples assim: uma jornada menor implica um salário menor. Pela mesma razão, e sob a ótica do espectador local, ingressos para jogos femininos deveriam ter preço menor. Ressalto que restrinjo essa opinião aos Slams, onde em média os homens ficam mais tempo em quadra do que as mulheres. A atratividade comercial dos jogos é outra estória, e é de se notar que os jogos femininos ganharam muito nesse aspecto já há um bom tempo.

      1. Fernando Brack

        Na verdade, não é o tempo que interessa, mas o fato dos homens jogarem 3, 4 ou 5 sets, enquanto as meninas jogam 2 ou 3. Menos trabalho, portanto menos salário.

  5. Rafael Medeiros

    No tênis feminino é Graf.

    Maravilhosa, o melhor mental que o tênis feminino já viu (e um dos melhores do tênis em geral), versátil, extraordinário jogo. E o melhor: os resultados e recordes vieram.

    Pra mim não teve nem tem nenhuma tenista aí que chegue perto da alemã. Que slice engraxado, amigo!

    1. Fernando Brack

      Medeiros, eu não gostava muito do FH dela não. Muito eficiente, mas com um movimento de braço meio feinho, lembrando um certo alguém, com outro estilo. Já o slice dela era uma pintura de golpe. E muito regular. Abs

  6. Fonseca

    Assim fica difícil. “Baby Fed” Dimitrov perde em sets diretos em Queens para Hewitt, tenista super avariado pelas contusões da vida e em claro declinio.

    Não há nova geração. A situação é preocupante, em termos de competitividade. Para Djokovic e Nadal, ela contudo é maravilhosa…

  7. Jessé

    Excelente post, entretanto temos que considerar que o tênis feminino é menos competitivo . Por exemplo hoje temos Nole , Nadal e Federer nas cabeças no masculino enquanto nem mesmo a Sharapova faz frente a Serena willians . Sempre tivemos e teremos rivalidades entre os atletas e é por isso que gostamos do esporte , mas se hoje no masculino temos um desnível muito grande entre 3 ou 4 atletas e os demais , no feminino é entre 2 atletas apenas as outras estão muito longe . É quase como o campeonato espanhol , se não der Real da Barça . Facilita alcançar marcas históricas por que faz tempo que é assim . Mesmo assim são números espetaculares que somente foram atingidos por atletas espetaculares .

    1. Sergio Luiz

      Caro Jesse, nao quero diminuir o Federer em nada, mas no periodo de 2004 a 2007 era Federer e quem mais ??? E mais ninguem! Entao, por seu raciocinio esse periodo do Suico nao vale nada, ja que nao houve sequer rivalidade. Era ele contra “ninguem”! No feminino atual temos Serena, Sharapova e Azarenka!!! Abs

      1. Sergio Luiz

        Outro detalhe e que Serena esta fazendo 1 ano excepcional, tal qual Djoko em 2011, e Federer por uns 2 ou 3 anos. No ano do Djoko e nos de Federer ninguem ganhava deles tambem, por melormque fossem. Ainda teve 2008 e 2010 de supremacia do Nadal. Nao ha argumento consistente!

  8. manoel

    Dalcin, você poderia informar os dados de nossa maior tenista Maria Ester Bueno?
    Parabéns, seus comentários são excelentes.

    abraços

    1. José Nilton Dalcim

      Maria Esther ganhou WImbledon por três vezes (59, 60 e 64) e nesses mesmos anos foi indicada a número 1 do mundo (o ranking da ITF era só o final de cada temporada). AInda levou quatro US Open e chegou também às finais de Roland Garros e Austrália. Em duplas, foi a primeira mulher a fechar o Grand Slam. Infelizmente, a carreira dela ficou bem limitada por problemas físicos a partir de 1966. Ainda jogou bem até 1968, mas daí teve uma longa parada e uma volta simples em 1974. Até hoje é reverenciada. Andy Murray contou semana passada que ficou muito honrado em conhecê-la. Abs!

  9. Marcelo Costa

    Caro Dalcim estamos com réplica e tréplicas. Onde ofendidos recorrem a ofensores respondendo a altura as ofensas.
    Vamos discutir tênis minha gente.

    1. Rafael Medeiros

      É, Marcelo.

      É histórico isso por aqui, inclusive com passagens nada dignas: galera adora defenestrar a pessoa do comentador, principalmente se valendo da extraordinária máxima (ou mínima) “ofendeu meu ídolo, me ofendeu”.

      Brigar contra isso é tarefa inglória, bicho. 🙂

  10. Isabel

    Curiosidades legais. Realmente surpresa com os 84 titulos da Navratilova em duplas e simples o mesmo tempo. É isso mesmo que eu entendi? E eu achando que as Williams eram fenomenais rsrs. A Evert com 16 finais de slam perdidas tb não sabia. Um número muito grande, achei. Alias as 10 ou 11 do Lendl sempre me espantou. Apesar do aproveitamento da Evert ser bom em número absoluto deve ser uns dos maiores, não?

  11. Cleriston

    Excelente post, Dalcim. Trabalhoso de fazer, porém muito rico em estatísticas dos fenômenos da história do tênis.
    E gostei dos seus comentários abaixo, tb objetivos e instrutivos.
    Para mim, Federer e Nadal serão os maiores da história no masculino. No entanto, graças a vc e a alguém( não lembro quem) daqui do blog passei a ver os jogos na internet do Rod Laver e fiquei impressionado com a facilidade de jogar no fundo de quadra e na rede, precisão, movimentação. Seria ESPETACULAR ver o Laver jogando com uma raquete moderna atual ( se fosse possível voltar no tempo!!).
    Quanto as mulheres, além das citadas, colocaria tb a Serena neste clube das notáveis, pois sem dúvida é jogo feminino mais potente (com precisão) da história. E isso, no feminino, faz uma diferença enorme. Abraço

    1. Rafael Wüthrich

      Meu caro Cleriston, boa lembrança. Acho que eu postei aqui os jogos do Laver. Se você quiser, mando. São antológicos. Nunca vi alguém adepto do saque e voleio com tanta desenvoltura no fundo de quadra – Rosewall era um jogador da linha de base, apesar do saque e voleio, tal qual Borg.

  12. Sergio Luiz

    Não vou adjetivar os comentários, mas tirando alguns muito bons, da maioria se extrai um certo fanatismo, maior ou menor, por este ou aquele jogador.

    Dizer que os Slam dessas mulheres maravilhosas valem menos que os dos homens penso que não dá para aceitar. Ah “as mulheres disputam só 3 sets e os homens 5”. Ora bolas, as mulheres disputam entre si, em igualdade de condições, e não contra os homens e vice-versa. “As mulheres são menos exigidas, tem menos preparo físico, etc”. Ok, então isso induziria a um maior equilíbrio e não supremacia de algumas. Se a exigência é menor, a probabilidade indica maior equilíbrio – é a lei da vida, do esporte, de tudo. O mercado de trabalho é bom exemplo quanto a isso – quanto menor a complexidade, grau de exigência, etc, mais candidatos e concorrência, e o esporte não deixa de ser um mercado de trabalho.

    “Algumas mais preparadas dominam porque as demais são fracas” – “são sempre as mesmas nas semi e finais”. Ora, Federer dominou o circuito por 5 anos sem qualquer ameaça. Nadal venceu 8 RG em 9 disputados. Há quantos anos não temos um vencedor diferente de Slam ? E de torneios Master 1.000 ou Finals ? Há 8 anos, tirando 1 do Delpo e 1 do Murray, os vencedores de Slam são os mesmos. Torneios Master, tirando um ou outro, também fica sob o domínio absoluto de 4 jogadores (ou seja, semi e finais). Só a título de exemplo, Federer e Nadal já deixaram o recorde de 17 Master do Agassi pra trás faz tempo, e Djoko e Murray seguem no mesmo caminho. Ou seja, predominio absoluto de uns 3 ou 4. No feminino também houveram grandes rivalidades restrita a duas ou três, e também predomínios como o de Federer.

    “Ah, tem que ponderar a idade”, “algumas mulheres jogaram até bem mais velhas”. Não bastasse o Connors, ainda tivemos o próprio Laver e o Agassi, além de outros menos famosos.

    Outro aspecto interessante é que muitos enaltecem o Federer por nunca ter se lesionado, nunca ter se afastado do circuito, como uma virtude (o que aliás lhe propiciou alcançar alguns recordes ), mas agora esta virtude virou “prejuízo”, embora algumas mulheres que jogaram até uma idade maior que o Suiço tenham ficado ausente do circuito por conta de lesão !!! A própria Serena, não fosse a lesão, desinteresse, e longo afastamento já teria superado o número de Slam do Federer, e na mesma idade !

    E a pressão mental do jogo, o desânimo que bate após tantas conquistas ?!!! Onde elas encontraram motivação para prosseguir ?!!!

    Alguns adoram citar o sacrifício familiar que os “barbados” fazem para se manter no circuito como um mérito a mais. Imagina o sacrifício, renúncia, abdicação destas mulheres !!!??? Algumas casadas, outras com filhos, e muitas que encerraram “cedo” suas carreiras para constituir família. Por enquanto só elas podem parir! Em pleno século XXI o maior compromisso dos machos ainda é buscar o sustento, e não cuidar da prole.

    Quantos aqui no blog continuam indo aos clubes para suas “domingueiras” , enquanto as respectivas mulheres cuidam da prole e da casa ?!!!

    Enfim, daria um livro! E sem contar que os homens “não sangram todo mês”, nem sabem o que é TPM. rsrs.

    Então, SALVE estas MARAVILHOSAS MULHERES e seus inquestionáveis e memoráveis feitos, mais que merecidos. Palmas a essas DEUSAS maravilhosas, indecifráveis, “bichos esquisitos, que todo mês sangra”! Bjs a todas! Abs.

    1. geraldo de carvalho

      finalmente alguém fez justiçça à serena . n fossem as contusões e o desinteresse teria uns 5 gs a mais q federer. serena jogou contra hingis e agora contra azarenka (atravessou gerações, profissonalizou-se com 14 anos em 1995). vai bater o recorde de gs do suiço TRANQUILAMENTE. ASSISTI UM DOCUMENTÁRIO DELA sobre seu treinamento. é um absurdo o q ela treina. rsrs vai continuar triturando azarenka e sharapova. abs, cabo frio.

  13. rodolfo

    Ola Dalcim gostaria de saber qual e a maior seguencia de vitorias de grand slam? vc teria esse dado? por examplo a graffi ganhou o carrer gold slam 2 vezes mas ela ganhou os 4 na seguencia ou 5 ou 6. tipo australia, rg wimbledon, us, australia e rg? no masculino e femiino?
    Vc viu minha analise sobre a volta do Nadl e a sua patologia , esta no post anterior o que vc acha ? valeu

    1. José Nilton Dalcim

      Segundo a ITF, o feminino é de Navratilova, com 45, e o masculino é de Federer (duas vezes) e Djokovic, com 27.

      1. Celso Kobashi

        Esses 27 triunfos seguidos que Djokovic e Federer conseguiram significam que eles venceram 3 GS seguidos e chegaram à final do quarto (21 + 6). Desnecessário dizer que o torneio era Roland Garros e que o adversário foi o mesmo nas 3 ocasiões…

        1. Rafael Wüthrich

          Laver fez mais – ganhou tudo em 69 (28 jogos) e só não ampliou o recorde porque em 19701 ele não jogou nenhum Grand Slam, pois optou pelo circuito profissional. Tipo: eu ganhei de todo mundo, saí e fui ao profissionalismo, voltei, ganhei de novo de todo mundo, me consagre nos Grand Slams. Agora, hora de ganhar dinheiro.

          1. Rafael Wüthrich

            Correção: ele só voltou jogar em WB, perdendo na 4ª rodada, portanto, ficou 31 jogos invicto. Uau, Dalcim, Wikipedia com as chaves dos torneios de GS proporciona cada estatística…

  14. André

    Números expressivos, mas um pouco enganadores, tem que se analisar a época em que jogavam, estilo, adversários, equipamentos, quadras….

    1. Renato

      Não senhor. Apenas a época em que jogavam precisa ser avaliado (por exemplo na época que 3 dos 4 GS eram disputados na grama).
      Analisar estilo ou equipamento não faz qualquer sentido.

  15. ANDREI

    Dalcim até quantos anos você acha que o Nadal vai jogar em alto nível?até os 29,30 anos?alto nível quero dizer de chegar a finais de grand slams.

    1. José Nilton Dalcim

      É algo impossível de se dizer. Mas ele próprio acha que pode manter essa qualidade por três anos. Acredito que é uma boa medida.

      1. Rafael Wüthrich

        O que dá 30 anos. É o que você sempre previu, cautelosamente, como limite físico dele em alto nível em razão do alto desgaste.

  16. Lucas

    Essa Estatística ficaria melhor se levasse em conta outros aspectos. P/ ser mais verdadeira, é preciso estabelecer uma ponderação pela “competitividade” dos dois circuitos. Pois é até mesmo intuitivo q a façanha de Federer (ou Sampras, ou Nadal) no masculino é MUITO MAIOR do q a de Evert (ou Navratilova, ou Graff, ou Serena, ou qqr outra) no feminino. Daí a queixa dos jogadores masculinos sobre a igualdade de prêmios pagos … Os dirigentes se fazem de “Migué”, e promovem os G.Slans dos dois gêneros nas mesmas semanas … Convenhamos, não dá mesmo pra separar a mulherada, pois um bom rebolado sempre acrescenta algo de bom ao esporte.

  17. Marcelo F

    Dalcim, eficiência à parte, escreve aí quais foram, na sua opinião, os jogadores de estilo mais bonito de se ver. Tipo um top 5.
    O meu seria: Edberg, Rafter, Federer, Becker e Lendl. Todos com esquerda de uma mão, não por coincidência.

  18. Luiz Fernando

    Dimitrov perdeu de novo, agora p um virtualmente aposentado, Hewitt. O que q se passa c esse rapaz? Ou o namoro, ou a soberba após ser apelidado de nono Federer ou a precariedade do preparo fisico, talvez um pouco de cada um, tornaram-no um jogador simples de ser batido, em qualquer piso. É por isso q devemos ter muito cuidado de rotular este ou aquele atleta de uma forma categorica, pois essa nova geração do tenis tem sido absolutamente decepcionante, vide as eliminações precoces de Raonic e Janowicz em Halle.

  19. Vera

    Parabéns pelo texto, muito bom!
    Se perde tanto tempo com números para prova a superioridade de Federer, Nadal, Sampras e etc., e esses números femininos são bem mais expressivos.
    (Adoro seus textos)

  20. Weverson Pinheiro

    Que post Dalcim! Parabéns pela pesquisa. Agora temos que concordar que o equilíbrio entre os homens é muito maior, por isso fica um pouco difícil alcançar certos recordes impostos pelas mulheres, isso é percebido hoje, o circuito feminino está muito fraco, só temos bons jogos nas semis ou mesmo na final, o resto o nível é muito baixo, festival de pneus e bicicletas, o que acha Dalcim? Abraço grande guru.

  21. Luiz Fernando

    Prezado blogueiro Marcelo Campelo que postou ontem as 21:25 de ontem: acho q vc tem todo o direito de não gostar dos meus textos provocativos, insuportaveis e desrespeitosos, citando seus proprios adjetivos, ao aposentado, afinal, cada um tem sua opinião. Em resposta, gostaria de lhe dar uma sugestão e fazer um questionamento. A sugestão é simples: p evitar q vc fique tenso e desgostoso, não leia mais o q eu posto, prometo a vc não ficar c qualquer tipo de magoa. O questionamento é: onde está sua coerencia? Pergunto isso pq nao me lembro de qualquer texto seu apontando q os posts q chamavam (ou chamam, pois todo dia se lê isto) o Nadal de dopado sem provas, aleijado etc também eram “isuportaveis e desrespeitosos”. Meu caro, o mesmo pau q bate em Chico bate em Francisco. Quanto a brincadeira séria do bordão “Como os caras tão sofrendo”, basta ler comentarios como o seu e observar os textos diarios enraivecidos de determinados blogueiros, pra ver q isso q começou como uma brincadeira se tornou uma realidade absoluta. Grande abraço.

    1. Flávio Branco

      Também detesto seus textos e ainda por cima quando respondem rebatendo suas provocações, você nunca utiliza argumentos. Pelo contrário, responde bem depois e apenas citando que fulando escreveu isso ou aquilo. Aliás, se você fizer uma leitura atenta do que é postado aqui, irá verificar que tem bastante gente reclamando de você e que chegou a escrever para o Dalcim relatando isso. Eu sou um que nunca postei aqui dizendo que o Rafael Nadal era dopado ou coisa do tipo, apenas não gosto do estilo de jogo dele (eu e uma imensa maioria de pessoas, inclusive gente especializada e que vive de tênis, o que não é o meu caso). O que você deixa a transparecer para mim é de uma pessoa arrogante e que quer de toda maneira empurrar goela abaixo que seu ídolo é o maior de todos. Sinto muito, mas você não vai conseguir. Não se iluda com um semestre jogado quase integralmente no saibro e aprenda a ser mais simpático nas suas colocações que não passam de mera provocação. Parafraseando você, quem deve estar sofrendo deve ser você próprio, tamanha são as bobagens que você escreve escreve. Seu ídolo com joelho de vidro venceu? Parabéns, curta este momento e pare com essas provocações infantis.

      1. Luiz Fernando

        Vc detesta meus textos? Legal, atingi meu objetivo, incomodar as viuvas do aposentado kkk!!!!!!!!!!!!!!

        1. Carlos Reis

          O cara vive tomando bordoada no lombo e não aprende a ser um pouquinho mais humilde, lamentável. Quem sabe a tua mãe gosta de ti L.Fernando… Esqueça o Federer e não passarás mais vergonha por aqui, é simples…

          1. Edson

            Olha, Carlos Reis, acho genial o bordão “Como os caras estão sofrendo” (usado até por federetes), mas, sinceramente, ainda prefiro o de um cantor, mais ou menos assim: “é uma delícia provocar a fúria dos idiotas”
            Abç!

    2. Marcello Campelo

      Caro LF, estou me referindo ao RF como pessoa e não ao joelho de Nadal. Quanto ao uso de doping, ninguém sabe se ele fez uso. Chega a ser absurdo e desrespeitoso AFIRMAR que ele o fez.

      Enfim… Vc não respondeu à minha pergunta. Por que não gosta do Roger e o desrespeita tanto? Por que é fã do Nadal? Por exemplo, não gosto do Nadal porque acho o jogo dele bisonho.

  22. Luis Henrique

    O SR GERALDO DE CARVALHO, mencionou no post anterior, os ataques que Nadal recebe por anos e diariamente dos torcedores do Federer. Por quê o Sr não fala sobre os ataques que Federer, sua mulher e filhas vem recebendo a anos aqui no blog? Dois pesos e duas medidas? Eu nunca vi o Sr repreender o sujeito de Marilía por ele chamar o Suiço de maricona, b…… e ofender a esposa do tenista, ao contrário, o Sr fez um convite para o rapaz participar de um grupo no Facebook, onde nas suas palavras, só participam os bons. Só não entendo por quê o Sr participa do blog, se tem “grupos de discussões” melhores por ai?

    1. Luis Henrique

      Fiz o comentário pois fica a impressão de que só os torcedores do Federer ofendem. Os torcedores Nadal são gentleman”s.

        1. geraldo de carvalho

          vc está se referindo a mim? sou eu a persona non grata? n entendi. acho q quem determina quem é persona non grata é o dalcin e n vc.

      1. geraldo de carvalho

        me referi a um comentarista q estava se queixando q um comentarista ofendia federer, digamos assim. tentei dizer a ele q além disso q ele reclamava, acontecia o contrário, os ataques a nadal.

        1. Flávio Branco

          Refiro-me ao tal de Luis Fernando que é um tremendo chato de galochas. Escrevi persona non grata porque várias pessoas aqui estão questionando o que ele escreve.

    2. Luiz Fernando

      LH, não distorça os fatos. O GC apenas comentou, em resposta ao post do Marcelo Campelo (de ontem, cerca de 21:30, no qual ele diz q eu faço textos “cansativos, desrespeitosos etc” quando me refiro ao aposentado), q os meus textos são absolutamente inocentes quando comparados ao q já se postou em relação ao Nadal, o q é a mais absoluta verdade, pois foram os palavrões e ofensas pessoais produzidos as toneladas por torcedores do Federer q levaram o Dalcim a voltar a moderar os comentarios. Não vamos bancar os santos aqui, ambos os lados provocam, ambos os lados já produziram ofensas, mas se formos contar as ofensas e provocações contra o Nadal, é FACILIMO CONSTATAR QUE SAO INUMERAS VEZES MAIS COMUNS E ESTUPIDAS DO QUE AS PRODUZIDAS CONTRA O FEDERER! Basta ler com isenção o q se posta e qualquer um q saiba contar de forma rudimentar constata isso.

  23. Henrique Vianna

    Dalcim,

    Apenas uma opinião sua. Você acredita que a Graf teria ultrapassado em Grand Slams a Evert e a Navratilova se não fosse o idiota que esfaqueou a Monica Seles? Questiono isso porque a sérvia dominara os anos de 91 e 93 e nada indicava que haveria uma mudança. Inclusive no ano da agressão a alemã ganhou os 3 torneios de Grand slams que a Seles não disputou?

    1. José Nilton Dalcim

      Não entendi bem sua pergunta, mas acho que você quis saber se Seles poderia quebrar a marca de Evert e Navratilova. Estava disntate e exigiria que ela permanecesse muitos anos em alto nível. Abs!

      1. Rubens Leme

        Dalcim, o que o Henrique Viana quis perguntar é se a agressão de Seles não ajudou Graff a superar os recordes de Martina, pois sem a Monica, ela teve caminho livre nos Slams, nos quase dois anos que a sérvia ficou fora de combate.

        Acho que isso ajudou sim, pois Seles poderia ter ganho uns bom 3 ou 4 GS, inclusive, em cima da alemã.

        1. José Nilton Dalcim

          Sim, se foi esse o caso, é bem provável que Seles tivesse tirado alguns títulos de Steffi.

      2. Inconformado

        Dalcim, acredito que ele tenha dúvidas se a Graf teria ganho 22 Grans Slams se não fosse a trágica parada da Selles por conta da agressão sofrida, já que a Selles estava dominando o circuito no momento………………………………….

      3. Henrique Vianna

        Realmente eu me expressei mal. Eu quis dizer o seguinte: A Seles foi esfaqueada em um torneio em 1993 entre o Australia e o Roland Garros. Com a ausência da sérvia, a Graf ganhou os 3 Grand Slam restantes de 1993, o Australia Open de 1994 e os 3 últimos Grand Slams de 1995 e 1996. Minha pergunta é a seguinte: Vc acha que se a Seles não tivesse sido esfaqueada,a alemã teria quanto destes Grands slam citados? Na minha opinião, ela teria ganho quem sabe uns 4/5 destes 10- principalmente em Wimbledon -, de modo que ela teria 16/17 GS, na carreira ou seja, menos que a Evert e a Navratilova.

        1. José Nilton Dalcim

          Perfeito, Henrique. É bem possível (e provável) que Seles teria tirado alguns Slam da Graf, principalmente nas quadras mais lentas, mas acho difícil que a Seles chegasse aos 18. Abs!

          1. Junny César

            Vendo na internet no mês passado um post de Paulo Cleto sobre os 20 anos desde o fatídico acidente com Monica Seles… podemos ir bem mais fundo nesta questão do quanto ela poderia ter um reconhecimento muito maior dos seus feitos e o quanto a carreira de Steffi teria menos titulos e conquistas SE o louco não tivesse marcado tão tragicamente a história.

  24. Diego

    Os números simplesmente denotam que o tênis masculino é mais disputado que o feminino, com mais atletas em condições de ganhar os grandes torneios.

  25. Rafael Wuthrich

    Dalcim, li em algum lugar que os recordes de quantidade de títulos em uma mesma temporada é de Laver, com 22 em 1962, e que também é dele o recorde de vitórias consecutivas em Grand Slam, com 29. Procede?

    1. José Nilton Dalcim

      Na era amadora, os dados não são confiáveis, por isso não existe uma lista concreta. Vitórias consecutivas é fácil afirmar, porque ele foi o único a ganhar os quatro Slam, em 1962 e 69.

      1. Junny César

        Caro Dalcim…

        (nunca postei antes – mas já há um tempo tenho acompanhado seus post’s!!!!)

        Pq vc “acha” que Monica não chegaria a 18 slam’s se levarmos em conta que entre o Australia Open de 91 ao de 93, foram disputados 9 slam’s e ela simplesmente ganhou 7 deles, sendo que 1 ela não participou e no único em que disputou e não foi campeã, ela chegou a final (wimbledon 92)…
        e depois foram mais 10 slam’s não disputados, até o vitorioso retorno no australia open de 96?!?!

        ou seja, ela venceu 9 e deixou de disputar 10 no período que seria/continuaria a ser o seu auge!!!!

        Mesmo que não consideremos 18 slam’s… é fato que o nome dela estaria (acredito eu) praticamente no mesmo nível de Martina/Chris/Steffi e no qual Serena tbm será lembrada – com certeza ela teria um reconhecimento bem maior na história do tênis.

        1. José Nilton Dalcim

          O estilo de jogo de Seles exigia muito do físico e, à medida que o tênis foi ficando mais e mais veloz, seria difícil para ela se destacar em quadras mais velozes. Claro que, dos 10 que ela não jogou, poderia ter ganho cinco e ficado na faixa dos 14, 15… Tudo é possível. Abs!

  26. paulo

    Minha opiniao quanto a WB:

    -Murray e’ o maior favorito. Tem um otimo slice, e suas bolas retas sao otimas para a grama, alem de volear bem e ter boa velocidade. Se nao sentir a pressao tem tudo pra ganhar.

    -Djokovic ganhou 2011, mas ainda acho que seu estilo nao combina tanto com a grama. Entra como segundo favorito por ser o numero 1 do mundo, mas nao sei o que vai acontecer. Pra mim os slices do Murray e do Federer complicam bastante o jogo dele.

    -Federer tem que ser avaliado em Halle, para vermos se ele consegue jogar uma semana sem grandes deslizes, algo que ele nao conseguiu o ano todo. Eu sei que a bola dele deve andar mais agora do que nos outros pisos, mas tenho achado o jogo dele menos “intenso” do que o dos outros. Deve subir muito o nivel se chover e o teto se fechar, o que nao e’ improvavel. Nessas condicoes se torna o grande favorito.

    Nadal corre um pouco por fora, realmente nao da pra saber como vai se comportar na grama, se ele vai conseguir se adaptar bem, mas… E’ sempre o nadal ne’.

  27. Efra

    Uffa finalmente as mulheres em números. Os recordes feminos ao meu ver fazem frente ao masculino devido ao menor numero de jogadoras tops, ao passo que no masculino o dominio foi mais divido. Dalcim até onde sei a Margaret Court é a recordistas em Slms conquistados entre simples, duplas e duplas mistas. Se o medidor de qualidade são os slams, onde fica ela nessa historia, quais seus números?

    1. José Nilton Dalcim

      Ganhou 24 em simples, 19 em duplas e 19 em mistas, ou seja, são 62 títulos no total, recorde absoluto.

  28. Rafael Wuthrich

    Bom, em matéria de estilos, se Federer equivale ao que Laver um dia jogou, cabe aqui a referência recíproca do Xará Medeiros ao comparar, merecidamente, Rafael Nadal com Arantxa Sanchez.

        1. Edson

          rsrssrrsrs
          Detesto procurar essas coisas no Wikipedia!
          Pra quem gosta de estatística nonsense… Olha so que título sensacional. O Laver tem o melhor aproveitamento no item “depois de perder o 1o set” de todos os tempos kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
          http://www.atpworldtour.com/Reliability-Zone/Reliability-After-Loosing-First-Set-Career-List.aspx
          e Nadal representa quase 70% das derrotas do suíço , nessa estatística:
          http://www.atpworldtour.com/Reliability-Zone/Reliability-Left-Handed-Career-List.aspx
          Caso não conheça, tem mais umas opções nesse link : http://www.atpworldtour.com/Reliability-Zone/Reliability-Zone-Landing.aspx

  29. Cláudia

    Não achei surpreendente. O nível técnico e físico dos homens é muito mais semelhantes do que das mulheres. No circuito feminino uma tenista como a Caroline ocupa o posto de nº 1 por um ano. Uma tenista que comete 12 duplas faltas numa partida ainda ganha (Sharapova). Quando aparece alguém realmente boa domina totalmente. Até o retorno ao ranking depois de um período de afastamento é mais fácil, veja-se a Clisters e a Serena. A verdade é que é muito mais difícil se destacar no circuito masculino.

  30. Marcelo F

    Dalcim, acompanho tênis há 27 anos, na medida do que era possível acompanhar então. Pela falta de informações, transmissões, internet, etc era muito mais difícil “dissecar” um jogador do que como podemos fazer hoje. Então, desse tempo, só podemos comentar resultados e “melhores momentos”. De uns tempos para cá, tenho me interessado mais pela tecnologia das raquetes e cordas. É lógico que muitas coisas que os tenistas fazem hoje só são possíveis graças a elas. Digo isso porque li uma entrevista do grande Boris Becker a respeito do Federer ser considerado o melhor da história. Ele disse algo como: “Provavelmente sim, mas não dá para afirmar. Não sei se venceria McEnroe ou Borg em iguais condições”. “Posso concordar que é o jogador mais bem sucedido, sem dúvida”. Não foram exatamente essas palavras, mas a idéia em si. É claro que Federer (e até Sampras) não têm “culpa” de terem tecnologia melhor disponível, mas parece muito injusto comparar gerações, afinal o tênis de agora evoluiu muito. Imagina, por ex., o saque que Becker e Ivanisevic teriam com as raquetes de hoje? Ou como Nadal colocaria esse efeito todo na direita com aquelas raquetes do passado (nem tão distante assim)? É claro que as condições de cada época estão disponíveis para todos e cada um faz melhor uso delas da forma que lhe convier, mas… Sei lá, só minha opinião.

    1. José Nilton Dalcim

      Você tem muita razão, Marcelo. É muito difícil fazer esse tipo de comparação. O ideal é sempre darmos grande crédito ao que cada tenista fez em sua geração, diante de seus adversários. Abs!

  31. Ronaldo

    Dalcim, você poderia somar a essas estatísticas a idade em que estavam cada um dos que já se aposentaram do tênis, e por quanto tempo eles atuaram? Porque a Martina Navratilova jogou até uns quarenta e varada de anos, mas acho que outros e outras pararam mais cedo…

    1. José Nilton Dalcim

      Verdade, mas veja que a Martina ganhou seu último Slam (de simples) aos 34 anos, é um feito e tanto. Connors jogou até os 39.

  32. O LÓGICO

    Olha, seu Dalcim, esse post é demais, e deve ser guardado e apresentado sempre no dia internacional das mulheres. E pode pôr uma florezinhas kkkkkkkkkkkkkkkkk

    Agora, vai uma pergunta que o preguiçoso lógico, que acabou de acordar não quer se dá ao trabalho de pesquisar e analisar. Juntando homens e mulheres, qual o tenista mais regular da história levando-se em conta todos os pisos, e independentemente de se em tal época havia um piso x e noutra não? Abcs!!

      1. geraldo de carvalho

        em q medida, dalcin, vc acha q o infortúnio sofrido por monica seles, ajuda a entender o fenômeno graf? abs.

        1. José Nilton Dalcim

          Não é justo desqualificar Graf só por causa da queda da Seles. Talvez a alemã tivesse ficado menos tempo na liderança do ranking e perdido alguns Slam, mas estamos falando de 1993, quase seis anos depois de Graf ter iniciado seu grande desempenho. Abs!

          1. geraldo de carvalho

            ah dalcin, vc deu uma aliviada p o lado da alemã. ela teria no mínimo uns 4 ou 5 gz a menos. logo, seria tranquila a ultrapassagem de serena em relação à graf.

  33. Luis

    Dalcim quando comeca wimbledon? parece que faltam poucos dias,e quem sao os favoritos na grama de wimbledon? Federer parece que aposta muito no titulo pra voltar a confianca,Nadal ta incrivel desde sua volta chegando em todas finais e Djokovic defende o numero 1 do mundo,abraco,o blog e’ muito legal Dalcim

    1. José Nilton Dalcim

      Começa no dia 24 e teremos um dos torneios mais abertos e interessantes dos últimos tempos, acredito. Se Federer recuperar a confiança e Murray estiver bem treinando para a grama, como se acredita, haverá uma disputa incrível contra Djokovic e Nadal. Abs!

  34. Maurício

    Essa comparação só serve a título de diversão, não tem como comparar, não existem parâmetros razoáveis para mensurar equivalência de classes tão distintas no que diz respeito a competitividade, número de atletas no mesmo nível, profissionalismo, investimento etc…etc… o que não desmerece em nenhuma das categorias os feitos de seus atletas

  35. Renan

    Dalcim, você sabe dizer em relação a semanas consecutivas no topo do ranking? Nessa o Federer leva, ou ainda não teve jeito. Porque realmente, 4 anos seguidos é um ótimo número. Obrigado… Abraços…

    1. José Nilton Dalcim

      Caramba, bem lembrado, Oliver. Paes é um típico jogador de grama, mesmo sem ter grande estatura para isso. Como duplista, é um dos mais geniais talvez de toda a Era Profissional. Pena que seu comportamento em quadra (e muitas vezes fora dela) não correspondam a sua qualidade técnica, mas assim é a vida. Abs!

      1. Rafael Wuthrich

        Sem dúvida. É um monstro das duplas, mas seu comportamento beira hooligan de torcida de futebol.

  36. Daniel Freitas

    Dalcim, os homens não ganharam nenhuma? Que absurdo! hehehe.
    Bom, pelo menos em um quesito nosso amigo Roger leva vantagem em cima das mulheres: possui a marca impressionante de 237 semanas consecutivas como No. 1, contra as 186 de Graf.
    Em tempo, senti falta da Serena nesses recordes. Creio que as lesões que ela teve durante a carreira impediram que ela figurasse nessa lista. Será que ela ainda entra em alguma delas?
    Abraço!
    Daniel

    1. José Nilton Dalcim

      Não, Daniel, os homens ganham em vários aspectos sim. Apenas ressaltei alguns feitos femininos que são numericamente muito superiores e raramente lembrados. A Serena ainda não entra em nenhuma das categorias, mas está bem situada em muitas delas. Sem dúvida, as lesões foram empecilho.

  37. João Felippe

    Olá Dalcim. Sem dúvida fica clara a disparidade. Mas vale lembrar a diferença grosseira nos Slams, em função de partidas de cinco sets para os homens… O caminho das conquistas é mais longo é árduo. Nesse caso poderíamos considerar um redutor de 1/3 no score das meninas… Abraço.

  38. Rubens Leme

    Além de extraordinárias tenistas, Martina e Billi Jean foram as primeiras tenistas a assumirem que eram homossexuais, posição extremamente corajosa em uma América conservadora dos anos 1980. E, passados, 30 anos você vê como ainda os atletas ficam inseguros sobre tal tema.

  39. Renato Rebouças

    Tá mais do que na cara que o dono desse blog é torcedor do Federer e detesta Nadal. Antes, ele conseguia esconder isso com certa imparcialidade,hoje não mais. Teve um comentário de um cara zombando do Federer e ele ja respondeu o comentário repreendendo, enquanto havia mais de 20 comentários zombando do Nadal e o dono não fez nenhum tipo de repeensão. Agora,nesse post mesmo, um comentário do Mario Cesar Rodrigues inflando o feito de 8 vitórias do Nadal em Roland Garros e vem o dono do blog responde com ironia. Francamente,agora entendo porque nesse blog é o que mais tem torcedores detestando e criticando o Nadal : porque o dono do mesmo não só permite como gosta disso.

    1. José Nilton Dalcim

      Só dando risada da sua colocação, caro Renato. A ironia cabe aos que são tendenciosamente irônicos.

    2. Ricardo - São Paulo

      Será que talvez os feitos do Federer ainda sejam mais grandiosos que os de Nadal? Não achei o post tendencioso, visto que o foco é a comparação entre os gêneros, não conseguir interpretar um texto é uma deficiência de aprendizado de nossa língua, não culpa de quem o escreveu. O único problema é que querem transformar o tênis em FlaxFlu, já comentei isso no blog da Sheiloka. Dalcim excelente post! Não sabia que Stefi detinha tamanhas marcas.

      1. O LÓGICO

        Dalcim, detesto essa pureza que querem colocar no esporte tênis, acho que é um esporte tão apaixonante e suscetivo de passionalidade como qualquer outro, basta ver a Davis, em que as regras morais impostas às torcidas são relaxadas ou mitigadas por uma tolerância bem compreensiva. Nesse sentido, acho uma bobagem de algum torcedores, principalmente nadalzetes, kkkkkkkkkkkkkkkk, quererem propôr um asceticismo que, sem sombra de dúvida, é antinatural, pois a natureza humana é essencialmente passional. Tenho certeza que muitos vêm ao seu blog porque, primeiramente, simpatiza com teus textos e tua pessoa, e porque gostam de interagir com as múltiplas faces que aparecem aqui. O que me parece intolerável, é o xingamento entre torcedores, e digo, que vários nadalzetes já baixaram o nível aqui. Agora querer impedir a provocação, a opinião livre sobre este ou aquele torcedor, com o argumento de que trata-se de tênis é mais uma daquelas piadinhas sem gosto e que não se encaixam na natureza humana.

        Aproveitando o ensejo, kkkkkkkk, eu acho que se inaugurássemos o livro dos recordes negativos o homem bicentenário do tênis ganharia o título tão merecido, kkkkkkkkk.

        – 7 entubadas seguidas em finais para um mesmo tenistas,
        – Anos sem ganhar título fora do piso para o qual é especialista
        – Nunca ter conseguido defender título fora do saibro (se esqueceram deste nadalzetes kkkkkkk). Por que, hein? kkkkkkkkkk
        – O maior recordista da história, kkkkkk, calma, em semanas como N2 kkkkkkk

        Tem mais? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Vamos melhorar um pouquinho, antes de 2010, com certeza seria eleito o tenista a apresentar o tênis mais feio da história do tênis kkkkkkkkkkkk

  40. william laerte fenelon

    Faz algum tempo que eu tinha visto esses números entre as mulheres,e longe de tirar o mérito delas,mas não da pra comparar o tênis masculino com o feminino,por todos os motivos que já citaram acima, competitividade mto maior no tenis masculino, menor compromisso com o tênis e além disso,a carreira dos homens tendem a serem mais curtas tbm devido aos jogos de 5 sets,coisa que senão me engano ngm citou.E DALCIM, que “método” vc usa pra avaliar a importância de um recorde ou a dificuldade do mesmo ser batido? eu sempre procuro comparar o recorde anterior e sua duração com o novo,acho um bom parâmetro,e sinceramente,acho que esses recordes do feminino não serão batidos nunca, são absurdos.Dentre os recordes do masculino acho que o recorde do Federer de semanas como número 1 dificilmente será batido e o recorde de Nadal em Roland Garros também,oque acha?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que todo recorde é um feito em si. Claro que os que indicam maior hegemonia e os de maior longevidade acabam ficando mais importantes. Então sua avaliação me parece correta. E também concordo que esses dois recordes que você citou dificilmente serão superados, assim como os de títulos da Martina e de Connors. Abs!

  41. Augusto Fiães

    Eu vi Navratilova; Vi Cris Evert; Gostaria de ter visto Margareth Court…Vi Graff…é claro que todas são fantásticas!!! E a Serena vem aí pra se juntar a este grupo!!!
    Quanto ao masculino….bem, de largada elas são bem mais bonitas vestidas no uniforme de tênis, né? Então deixa os marmanjos prá lá, que o posto foi das meninas e elas são demais!!!

  42. Aluizio Francisco Barros

    Inquestionável os números e a diferença entre os resultados entre os homens e as mulheres. A bem da verdade gosto mais das mulheres do que dos homens portanto fico satisfeito com essa estatística,
    No entanto, para que possamos fazer uma comparação justa seria necessário fazer um corte na idade que os jogadores conseguiram esses feitos. Gostaria de ver uma estatística onde fosse mostrado a idade desses monstros do esporte e os seus feitos históricos. Seria uma comparação mais interessante.

  43. Rafael Medeiros

    A grande Navratilova está em todas aí.

    Aquilo era tênis feminino! Bem diferente das marretadoras de hoje, principalmente do gênero novo (entre homem e mulher) chamado Serena.

  44. Luis Henrique

    Os números do Espanhol são bons porque ele ainda não está em decadência técnica e fisica. Será que ele vai continuar jogando quando sua carreira estiver em declinio? Dúvido. Dalcim, Roger não está jogando bem. Porquê você coloca ele a frente de Rafael e Novak para conquistar o Wimbledon? Será que o status de REI DA GRAMA ainda conta muito? Você acha que a grama é o piso que menos exige do fisico? Abraço.

          1. Alexandre Maciel

            Acredito que o piso de grama sim será uma prova de fogo pro joelho do espanhol. Ano passado ele sentiu a lesão piorar e muito justamente neste piso, neste torneio. Vamos ver como se comporta esse ano. Acho que ele vai pegar leve e dar uma folga pro joelho, vai ter que deixar de correr igual um doido em todas as bolas, deve cair antes das semis por conta disso.

  45. Fernando

    Saudade do tênis em que a habilidade e técnica prevaleciam. Vai ser difícil acompanhar quando o Federer parar. Adorava a bela Steffi Graf. Admito a competência do Nadal, mas seu jeito de jogar me dá tédio.

    1. O LÓGICO

      Olha, qualquer suicida tem no tênis do robô o principal aperitivo, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      O filme “Melancolia” deveria abrir com cenas de um jogo do siri do cão com o Ferrer kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  46. Fernando Vieira Peixoto Filho

    Olá, Dalcim.

    O seu post indica que os feitos das mulheres são superiores aos dos homens. Mas isso talvez se deva ao fato de o tênis feminino ser bem menos pesado em termos de golpes e bem menos exigente em termos de slam. Se considerarmos que os homens jogam melhor de cinco sets nos quatro mais importantes torneios, os recordes de Nadal e Federer são mais significativos do que os de Chris Evert e Steffi Graf. A final entre Rafa e Nole no AO 2012 durou cerca de seis horas, certo? Alguma final feminina de slam chegou perto disso?

    Tenho 47 anos e acompanho tênis desde os 10. Considerando somente esses últimos 35 anos, os melhores da história são indubitavelmente Nadal e Federer – incomparáveis em raça, técnica, força e a tal “plasticidade” de que falam alguns. Aliás, Rafa disse há poucos dias algo muito interessante, finalmente se manifestando sobre as opiniões absurdas segundo as quais ele teria ganhado tudo que ganhou somente nas forças física e mental. O espanhol disse que ninguém ganha 12 slams e 24 masters 1000 somente correndo de um lado para o outro e acreditando em si mesmo. E é verdade. A técnica do espanhol no saibro é incomparável, principalmente no modo de bater o forehand. Nadal é superior a todos na terra batida e joga de igual para igual com qualquer adversário nos outros pisos.

    Minha aposta para a final de Wimbledon 2013: Rafa Nadal vs. Roger Federer, em mais um jogo épico como o de 2008 (claro, se eles caírem em lados distintos da chave, e tomara que assim seja).

    Abçs!

  47. Marquinhos

    Dalcim,

    Na minha opinião os cabeças de chave em Wimbledon deveriam ser assim:

    1- Federer 2- Djokovic 3- Murray 4- Nadal 5 – Ferrer

    Concorda? Tem chances de issi acontecer?

    1. José Nilton Dalcim

      O ranking da grama se baseia nos resultados dos tenistas nos dois últimos anos. Então é possível que Ferrer fique em 4 e Nadal em 5. Abs!

  48. maria flor

    ótimo post Dalcim!!! principalmente pela escolha do tema! perfeito! 😀
    afinal como já disse Beyoncé: “Who run the world? Girls!” hehehhe
    a pergunta é, será que o Janko Tipsarević jà deu uma olhadinha nestes números? ele que adora escrever coisas no mínimo bisonhas em relação ao circuito Feminino!
    😀

  49. Neto

    Fala, Dalcim.
    Esse números são bem legais, mas acho que pra entender a importância de um jogador temos que olhar para o todo de sua carreira e para o contexto onde jogou.
    Um jogador que nem apareceu nessas contas, e não apareceria mesmo por que aposentou dos Slams aos 25 anos, é um bom exemplo: Bjorn Borg.
    Venceu 11 slams em apenas 27 tentativas, ou seja, venceu incríveis 40% dos Slams disputados. Outra coisa, ele jogou o Australia Open apenas uma vez, aos 18 anos. E aposentou dos grandes torneios aos 25.
    Outro detalhe importante sobre o Borg: em sua época, um atleta não venceria Wimbledon com um jogo de fundo. Tanto é que, mesmo ele sendo ótimo no fundo, venceu Wimbledon jogando no saque e voleio contra os grandes.
    Pra quem duvidar é só ver no Youtube http://www.youtube.com/watch?v=L-BwXwUzMLo
    Pra mim esse sim foi um grande tenista. Disputou apenas 27 Slams na carreira e venceu 11.
    Já Nadal, sem dúvida um dos grandes, venceu 12 Slams, mas 8 no saibro, em uma época em que ele é o único grande saibrista. Digo isso pra exemplificar como é importante olhar para o contexto e não somente para o número puro.
    Pra mim Borg foi o mais completo tenista da história.
    Abraços

      1. Neto

        Federer não é saibrista. Se não fosse Nadal, Federer venceria muitos RG, mesmo pq não existiria nenhum bom saibrista para incomodar.
        abraços

  50. Gildokson

    Dalcim, e em relação a plasticidade, maior domínio e arsenal d golpes, beleza no jogo. Desses nomes todos, quem você apontaria como o jogador/a que teve o jogo mais bonito ?? Eu ja imagino quem seja, mas… rsrs

      1. Rafael Medeiros

        Aprendi com o camarada Wuthrich a prestar atenção ao jogo de Laver.

        É incrível mesmo. A movimentação era como a de Federer nos seus bons tempos – o melhor jogo de pés que já vi no tênis. Nunca vimos Fedex, na juventude tenística, bater uma bola desequilibrado (só temos visto isso de um ano pra cá, aliás). Laver era do mesmo feitio, inclusive na sua velhice tenísitca, surrando, p. ex., um jovem Borg.

        Vale muuuuito a pena garimpar lá pelo youtube os vídeos do australiano.

        Recomenrdadíssimo 🙂

        1. Rafael Wuthrich

          Sou suspeito para falar, mas já tenho em casa as finais do Grand Slam de 69. Para quem acha que Nadal é o mais tudo do saibro e venceria qualquer um em qualquer época no piso ou que Federer é o único que aliou plasticidade, deslocamento, técnica e eficiência na mesma proporção, devem assistir ao velho australiano no auge. Inigualável. O seu backhand de direita era qualquer coisa.

  51. MARIO CESAR RODRIGUES

    Dalcin,bons nùmeros mas Rafa é único entre homens e mulheres a ganhar RG 8 vezes..e te falo ninguém vai ver isto em RG outra vez!Chris tem 7 ok abraços!Então daqui mil anos vai permanecer a estátua de Rafa em RG gigantesca!e com o torneio com quadra coberta e tudo e digo mais deve ganhar mais uns dois!Incrivel não acha?

    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, um post tão rico em nomes, feitos e fatos e você tinha que falar do Nadal??? hahahaha

      1. MARIO CESAR RODRIGUES

        Mas,é a realidade.vc mesmo disse que achou que Nole jogou melhor do que Rafa…e Saretta levantou a bola..e disse Nole não ganha do Rafa em RG…só é possível..Nole ser campeão nas palavras dele se Rafa perder nas rodadas iniciais!e se você achou que Nole jogou melhor…olhe os números!abraços e tudo certo!Parabéns pelo Bate Bola!

        1. Renato

          Incrível como alguém pode “inventar” realidades.

          E realmente, o que parece é que esse cidadão não viu nem Graff, nem Martina, nem Sampras jogar.

    1. José Nilton Dalcim

      Hahaha… Cada hora vocês criam uma lista… Deixa eu ver: Federer, Laver, Sampras, Martina e Graf.

      1. Mauricio

        Dalcim, apesar de as mulheres acima terem mais vitórias, Slans, tempo como primeiras do ranking estão atrás dos homens (em sua lista). Não é indicativo de que os feitos destes apesar dos números inferiores serem maiores. E quanto ao Laver, sempre achei que foi prejudicado por não ter podido jogar os Slans em 5 anos, na qual estaria provavelmente na melhor forma física e técnica. O Laver educadamente a tempos atrás disse que o Federer é o maior de todos, mas tenho certeza que no íntimo ele sabe foi prejudicado nesta disputa. É sempre difícil compara gerações diferentes.

  52. Bruno Louzada

    Dalcim, minha análise para Wimbledon:

    Djokovic: É pra mim o jogador do top 4 que menos tem ”jeito ” pra jogar na grama. Acredito que chega forte, pórém não aposto em título. Mas é forte nos 4 slams e número 1 do mundo, sempre bom ter muito cuidado .

    Nadal: Pra mim dos top 4 éo q tem mais chances de ser eliminado na primeira semana, simplesmente por causa de pouco tempo pra se adaptar. porém se chegar na segunda semana se torna fortissimo candidato a lutar pelo titulo. Acredito na segunda hipótese, muito dificilmente vai se repetir o que aconteceu ano passado.

    Federer: Não o vejo ganhando slams fora de Wimbledon, acho que nunca mais. Porém na grama sagrada é perigosissimo, se levarmos em conta que ja vem treinando a uns 5 dias, e os jogos na grama tendem a ser menos desgastantes, candidato forte ao titulo.

    Murray: Venceu um slam, uma pressão a menos. Ja sabe como chegar a final pois ja chegou ano passado, alem de ter ganho os jogos olimpicos ali mesmo. Ja vemn treinando a dez dias, e claramente da sinais que jogar todas as cartas que tem na manga nesse slam. Forte candidato pra chegar na final, se não sentir a pressão de uma eventual final.

    Del Potro, Tsonga, Berdych ou ate mesmo um Dimitrov, Janowicz e Gulbis da vida podem chegar em uma semifinal pois é um piso que favorece os seus jogos. Ferrer acho que fica pelas quartas.

  53. Carlos

    INCRÍVEL, Martina na grama e Chris no Saibro, foram sobre-humanas, e Graf também é de outro planeta.

    No fim das contas, Federer é o maior dos homens, mas se fosse mulher, não estaria nem no Top 3 =X

  54. Gustavo

    Sim, os feitos são impressionante, sem tirar os méritos. Mas o tênis feminino é infinitamente menos competitivo que o masculino. Hoje, podemos dizer que a diferença é bem menor, mas não era verdade para o século passado.

  55. Luiz Fernando

    Dalcim as vitorias citadas das moças maravilhosas são, em parte, explicadas pela abismal diferença entre as jogadoras de fato tops e as de nivel médio ou candidatas a top. Veja q dificilmente acontecem zebras monumentais no feminino, o q é relativamente comum no masculino, vide ZéBala, Rosol, Nishi alguma coisa etc. Mas é obvio q entre as garotas também há uma série de super jogadoras, como as q vc citou, realmente capazes de vencer muito e por muito tempo, e com amplos méritos.

  56. Inconformado

    Prevejo vários comentários machistas depreciando o tênis feminino em 5, 4, 3, 2, 1……………………………………..

  57. Daniel Chinzon

    Dalcim, este post me deixou com uma dúvida na cabeça…
    Pra mim, um dos maiores problemas do tênis feminino é a grande disparidade física e técnica das top 10 com as demais. Todos nós sabemos que os Slams só ficam interessantes a partir das quartas de final e olhe lá…
    No masculino essa disparidade existe, mas não é, na minha opinião, tão acentuada. Penso que o nível dos jogadores é muito mais próximo e não são raras as vitórias de top 30 ou 40 sobre jogadores top 10. Nosso Bellucci é um bom exemplo disso. Quando o jogo está entrando e o psicológico funciona, consegue ganhar de Murray, Berdych, Ferrer, Tipsarevic, tirar sets de Roger, Nole e dar um trabalhão pro Rafa no saibro (existem vários outros top 30,40 e 50 nessa mesma situação).

    Minha pergunta é se esses números que você mostrou não são também reflexo dessa grande disparidade? Se o circuito feminino fosse mais competitivo, os títulos não seriam um pouco mais distribuídos?

    Grande abraço.

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, é uma hipótese bem forte. Mas veja que, apesar disso, todas as grandes tenistas tiveram grandes adversárias (Martina e Chris, Graf e Seles) assim como havia um punhado de tenistas com chance de ganhar de qualquer uma delas. Mas não resta dúvida de que a competitividade (ou a quantidade de tenistas capazes de ganhar) é muito maior no masculino. Abs!

  58. Flávio Branco

    Ah, percebi uma coisa: nenhum lunático torcedor do Nadal postou aqui dizendo que ele vai ganhar os 4 Grand Slams seguidos a partir de agora. Sim, vocês estão tão deslumbrados com o retorno dele (que só jogou um campeonato fora do saibro e já abriu mão de Halle) que eu já estou imaginando que vocês devem estar se coçando para escrever isso. Publiquem seu sonhos aqui, afinal sonhar é livre e não custa nada.

    1. Renato

      Ninguém escreveu isso por que ninguém acha isso. Ele tem todas as qualidades pra conseguir isso, mas a disputa com Federer, e principalmente Novak e Murray está muito mais acirrada do que alguns anos atrás. Não acho que veremos um jogador ganhar os 4 GS seguidos por muitos anos.

  59. Celso Kobashi

    Esse seu post comparativo me trouxe outra curiosidade Dalcim: é possível fazer uma “equivalência” de estilos/modo de jogar entre homens e mulheres? Na sua opinião, quais jogadores(as) têm mais semelhanças entre si, sem que sejam necessariamente contemporâneos? Abraços.

    1. José Nilton Dalcim

      Tal qual o masculino, Celso, o tênis feminino teve sua fase de saque-voleio, mais ou menos coincidente. Maria Esther, Billie Jean eram mestres nisso. Na fase profissional, Martina foi o grande expoente, contrapondo-se ao jogo de base de Chris Evert. Era exatamente como McEnroe x Borg. Daí o espetacular duelo entre elas. Steffi iniciou o período do tênis mais no fundo de quadra, que praticamente dominou daí para a frente, com poucas exceções.

      1. Celso Kobashi

        Obrigado pela resposta, Dalcim. A minha curiosidade no entanto era um pouquinho mais direta. Por exemplo: vc compararia o estilo de jogo da Graf com qual jogador do masculino? Há algum equivalente ao Borg no feminino, etc, etc.

        Imagino que seja difícil fazer essa comparação, pois os gênios do tênis, no feminino e no masculino, costumam ter estilos bem próprios, mas se for possível, eu acharia interessante.

        1. José Nilton Dalcim

          Seria possível apenas a grosso modo, caro Celso. Graf poderia se equivaler a Federer, Borg a Nadal, Djokovic estaria mais para Connors, Martina certamente para McEnroe (hoje talvez um Llodra). Abs!

Comentários fechados.