Um teste para valer
Por José Nilton Dalcim
16 de fevereiro de 2013 às 21:50

O público brasileiro pode sorrir. Depois de ver a arte de Roger Federer, poderá ser testemunha do primeiro título de Rafael Nadal após oito meses de sofrimento, período que incluiu derrotas, desistências, preocupação e dúvidas concretas sobre a possibilidade de sua volta ao circuito.

Claro que Nadal não está jogando em alto nível. Nem perto disso. A rigor, tem driblado adversários que não tem grande experiência no circuito de ponta, ainda que muitos deles especialistas reais no saibro, com sua larga experiência e enorme força de vontade. Está limitado fisicamente, mas arranca games com o saque afiado, dedica-se ao máximo nas devoluções e conta com sua tão conhecida frieza. Sempre que pode, vai à rede para encurtar os pontos e têm se dado bem na maciça maioria das vezes.

Porém não é o heptacampeão de Roland Garros, o imbatível homem sobre a terra, o maior saibrista da história. O que temos visto é muito mais um batalhador, alguém que sabe usar todos os efeitos da bola e os ângulos da quadra. Isto basta para ser bicampeão do Brasil Open e derrotar o sempre perigoso David Nalbandian? Talvez. Não seria nada surpreendente se a bola lisa e veloz ajudasse bem mais o estilo de golpes retos do ex-top 3, que além de tudo tem um excepcional backhand de duas mãos que não irão facilitar as coisas para Nadal.

Mas isso também é motivador. Porque Nalbandian dá gosto de ver. Tudo bem, há dias que simplesmente seu tênis não funciona, ou que se mostra apático, meio desinteressado. Quase impossível prever qual Nalba veremos no dia seguinte: o genial ou o errático. Para esta final em São Paulo, ele talvez carregue um considerável grau de pressão, já que não apenas vive um jejum de 31 meses sem títulos como também pode ser uma de suas derradeiras oportunidades de erguer um troféu no cada vez mais exigente circuito masculino.

Então, há muitas alternativas em jogo às 13 horas deste domingo. E se você precisar de mais um bom motivo para ir ao ginásio ou assistir pela TV, saiba que o confronto direto está favorável a Nadal por 4 a 2, com um histórico de jogos bem duros em Indian Wells do ano passado e 2009, em Miami de 2010. As vitórias do argentino aconteceram em 2007. Fato curioso, este será o primeiro duelo sobre o saibro.

E, não resta dúvida, será muito legal a torcida dar aquela força para o mineiro Bruno Soares, de longe o melhor tenista brasileiro da atualidade. O repórter Felipe Priante observa no TenisBrasil: ele ganhou todas as últimas seis finais que disputou desde julho. O jogo começa às 11 horas e não vai ser fácil, já que o dueto Frantisek Cermak/Michal Mertinak.sempre foi muito bem entrosado.

Insatisfeito – Apesar de estar em sua segunda final seguida, Rafa frisou várias vezes na entrevista coletiva que não está nada satisfeito com seu jogo, principalmente com este de sábado, que ganhou “com sorte”. Em frases interessantes, disse que o corpo está bem mas o joelho, não. E que está vencendo “apesar do joelho”. Relatou que hoje foi quando sentiu mais dor nestas duas semanas. Pedi para ele comparar seus jogos de Viña com os de São Paulo e avaliar se houve evolução física ou técnica. Me respondeu que não há parâmetros, porque “esta é a quadra mais rápida do circuito” e a bola, um terror. Sinceramente, o achei um tanto abatido.

Excesso de público? – Estranhou tanta gente sentada nas escadas do ginásio – e justamente nos lugares mais caros -, pendurada nos alambrados que dividem as duas áreas e até mesmo em locais onde na teoria não deveriam estar, ou seja, os ‘pontos cegos’ atrás das câmeras de TV. Aliás, cerca de uma centena de pessoas também ocupou a maior parte do reservado da imprensa. A impressão é que havia mil pessoas além das 9.300 que são anunciadas como capacidade máxima. Isso não é bom, nem correto, principalmente para quem pagou um ingresso salgado.


Comentários
  1. Lafayete Fantossi

    Uma vergonha a organizacao desse Brasil Open. A unica coisa que a organizacao quer ‘e ganhar dinheiro e enquanto o publico comparecer e ninguem se queixar, vai ser assim…Em outros lugares, o publico nao iria sem assento numerado e essas instalacoes do Ibirapuera (se ‘e que se pode chmar de instalacoes) nao seriam liberadas nem para campeonato regional de bolinha de gude.
    Acredito que o problema real seja que, por muito que Sao Paulo seja uma cidade com enorme variedade e opcoes de lazer e muito cosmopolita, ainda nao estamos acostumados a ver eventos de certo porte e atletas de ponta de certos esportes como tenis, e a organizacao sabe e tira proveito disso. Com o passar do tempo, o consumidor passara a ser mais exigente e o simples fato de ter Federer ou Nadal em quadra, nao sera garantia de que o publico compareca, espero que seja uma simples questao de tempo.
    Em Barcelona, por dar um exemplo, ‘e muito comum ver atletas de ponta passeando tranquilamente na rua, pois estao la para treinar ou se submetendo a tratamentos, ja vi Guga, Corretja e Mantilla sentados tranquilamente em um restaurante e ninguem ia incomoda-los, pois as pessoas ja estao acostumadas com a presenca desse tipo de pessoas na cidade. E por isso, jamais aceitariam uma organizacao de um evento esportivo tao falha e instalacoes tao precarias…

    Abs!

    Responder
  2. Rafael Wüthrich

    Falando agora de nosso melhor tenista, que jogador é o Bruno! Seja com seu parceiro Peya ou com Marcelo Melo, joga como poucos no circuito. Só falta a ele um título de grande porte jogando com seu parceiro, como um Masters e um GS. O que falta a ele para chegar a isso, Dalcim?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que falta engrenar mesmo com um bom parceiro, que pode ser o Peya. Os dois estão se dando muito bem. O Bruno está jogando muito, e faz tempo. Abs!

      Responder
  3. renatohk

    Sinceramente, to com pena de quem esteve no Ibirapuera hj, que inferno devia estar aquilo.
    Nao vi o jogo, mas vi a cara do staff mal encarado do ex-siri, após o jogo. Os espanholitos, todos com cara de bandidos, suados, assustados, tavam loucos pra vazar dali, e de certo, do Braziu.
    Bem, é um fim de carreira deprimente pro espanhol. Bem o q ele merece!
    Tomara q ele jogue um pouco mais, pra tomar umas lambadas dos top players, e se recolher, humilhado, sem forças, após ter sido obrigado a largar as bolas.

    Responder
  4. José Firmino

    Confesso que sempre que eu leio um comentário do Mario Cesar eu me emociono…ele é o maior comentarista do blog.Ele é inteligente,educado…uma cara fora de série que vale a pena ler os seus comentarios…e ainda é pé quente foi ao birapuera e o rafa foi campeão.bamos!

    Responder
  5. Luiz Fernando

    Coincidencia ou nao, é só o Rafa voltar q o aposentado começa a ir ladeira abaixo, perdendo nas quartinhas para o Manéseau, enquanto o espanhol fatura titulo, mesmo jogando numa situação fisica e tecnica meia boca. Acho q quando o aposentado soube da volta do rafa amarelou legal kkkkkkkk. É por isso q eu sempre digo, como os caras tão sofrendo kkkkkkk!

    Responder
  6. Luiz Fernando

    Rafa perdeu o titulo q deveria q deveria ganhar facil em Vina e ganhou o q deveria perder em Sampa, o q demonstra q o esporte é uma coisa incrivel. Sem duvida quem gosta de esporte se emocionou hj, c o choro copioso do pai do Nadal e o choro velado do proprio. Q este seja o primeiro de outra serie de grandes vitorias, q certamente virão, só resta saber quando, pois acho bem improvavel q vença algo significativo no primeiro semestre. Mas Nadal é Nadal, hj foi seu melhor jg, embora ainda a anos luz dos seus melhores momentos. Vamos Rafa. Imagino ainda a cara de nadegas de alguns imbecis q parasitam o blog, gente baixa q não apenas torce contra ele, mas q quer q ele se ferre de tudo quanto é jeito. E eses caras ainda se intitulam esportistas, q piada de mau gosto!!!!!!!

    Responder
    1. Paulo Lacerda

      Que discurso comovente, lindo! kkkkkkkkkkk. Agora só falta enviar um Carro de Mensagem para Mallorca kkkkk.

      PS: Quanto será a quantia paga a uma pessoa pelo staff do Nadal, para defender o espanhol como se fosse alguém da família? kkkkk

      Responder
  7. Rafael Wuthrich

    Ao que parece, Dalcim, Nalba mais uma vez mostrou seu lado desinteressado em quadra. Saque displicente, ENF aos montes e nenhuma garra – que diferenca para quando atua pela Davis, não acha? Nadal nada tem com isso e com sua regularidade e forca mental e de vontade, ganhou o titulo. Merecido mas, sinceramente, de forma muito mais pedregosa que eu poderia imaginar. Reclama em todas as coletivas de dores que, como sabemos, so devem aumentar com o grau de exigencia e numero de partidas. Sua movimentacao para a esquerda esta pessima e suas bolas tem ficado extremamente conservadoras e curtas. Voce em um post anterior disse que sua melhor fase foi em 2010, mas eu discordo. Em 2008 ele era capaz de cruzar a quadra em poucos segundos e sua velocidade para devolver, assombrosa – não a toa aplicou pneu em Federer na final de RG e finalmente o venceu em WB. Digo isso porque o melhort dele – a movimentacao – esta comprometiida. Pelo que vimos ate aqui, sua forca mental, seu forehand e seu saque o garantem vitorias, mas incrivelmente duras contra jogadores acima de 70 do mundo e que no maximo disputam ATPs 250. Não acho que ele esteja pronto para jogar Masters 1000 ou muito menos melhor de 5 sets em GS. Sendo franco, hoje ele e um jogador de ATPs 500, no maximo. Contra um jogador mais gabaritado e em melhor condicao fisica, tenho duvidas se tera condicoes de suportar o ritmo. Em Acapulco, ele deve ter muito mais dificuldades não acha? Aproveitando, voce acha que ele jogara os Masters americanos? Abs e parabens pela cobertura e pela pergunta feita a ele.

    Responder
  8. Fernando Brack

    Vendo a quantidade e o nível das críticas feitas pelo pessoal que foi ao arcaico Ibirapuera, constato que o Brasil Open 2013 refletiu o que vem ocorrendo no país em várias áreas: um completo achincalhe ao cidadão pagador de impostos e ingressos caros como o diabo. Não adianta mais reclamar, seja nos blogs, na imprensa, no PROCON, na porta da delegacia ou no quartel. Tanto organizadores de eventos como políticos e governantes estão pouco ligando para os reclamos do público. Eles não fazem questão de nos ouvir e nenhum deles vai perder seu assento confortável mesmo. A impunidade neste país virou um câncer incurável e é a única coisa por aqui que evolui. Não sou religioso, mas alguém com um poder similar ao que dizem possuir Deus terá que fazer algo para salvar nossa Copa e Olimpíada. Se o país não naufragar até lá.

    Responder
      1. Fernando Brack

        Fala, prezado Wüthrich! Fiquei só lendo o Dalcim e os comentários da moçada nos últimos tempos. O tênis continua uma grande paixão. Felicidades e um forte abraço

        Responder
  9. Cristian Simão El Jamal

    Qualquer evento esportivo é constituído por dois protagonistas: Os jogadores e o público. Logo, temos as estrelas do evento e aqueles que pagam para assisti-los. São forças complementares, que não funcionam bem de maneira independente. O sucesso de um evento esportivo está diretamente relacionado a esses dois protagonistas. No tênis, não é diferente.
    Infelizmente, no Brasil Open 2013, realizado em São Paulo, tanto os jogadores quanto o público foram desrespeitados pela baixa qualidade de organização e de infraestrutura. Como podemos realizar um evento bem sucedido se maltratamos as duas maiores forças do espetáculo?
    Primeiro vou falar do público:
    Primeiramente, a infraestrutura do ginásio do Ibirapuera é péssima. Mais parece uma “estufa” do que um complexo esportivo. É arcaico, apresenta problemas de acústica e não oferece conforto e segurança. Também não possui um bom lugar para comer. Mais uma vez, é o público que paga caro por isso.
    No que tange a venda dos ingressos, temos outro problema. Utiliza-se a matemática da ganância, onde o número de ingressos vendidos é maior do que o número de lugares disponíveis. Consequentemente, parte do público “assistiu” aos jogos em pé ou sentados na escada! Além de perigoso, é vergonhoso!
    Portanto, os ingressos deveriam ser comercializados de acordo com o número de lugares disponíveis, marcados e numerados por setor, fila e assento, garantindo ao público a conveniência de chegar ao local do evento na hora que achar mais adequada. A garantia de um bom lugar deveria estar atrelada ao momento da compra do ingresso e não a ordem de chegada ao evento! Inaceitável!
    Somente consegui um lugar porque, juntamente com meu pai e outras pessoas que estavam em situação semelhante, reclamamos pacientemente para que alguns lugares reservados a imprensa fossem liberados ao público muito tempo depois. Uma situação humilhante, porque o dinheiro gasto na compra do ingresso não garante automaticamente um lugar decente na plateia! Foi preciso mendigar por um lugar. Sem contar a grosseria e descaso de alguns funcionários do evento.
    Agora vou falar dos jogadores:
    Os tenistas jogaram nas quadras do improviso, esburacadas e irregulares. Fora dos padrões para qualquer torneio profissional. Os jogadores correndo risco de lesões graves reclamaram bastante. Acertadamente, não virão no próximo ano nessas condições que não permitem jogar um tênis decente e seguro. Afinal de contas, existem tantos outros torneios mundo a fora.
    Vale lembrar que alguns jogadores se machucaram, o que “manchou” o nome do evento para os próximos anos. O Brasil Open perdeu credibilidade.
    Rafael Nadal afirmou que não se lesionou por sorte. Qual seria a repercussão na mídia, caso isso acontecesse?
    Para finalizar, fica claro que precisamos melhorar muito. Não é tarefa fácil porque a questão é cultural. A mentalidade da maioria dos brasileiros é muito individualista: adora levar vantagem em tudo.
    Ano que vem, não vou. Continuo priorizando eventos bem estruturados e organizados no exterior.
    Estamos preparados para receber um torneio ATP 250? Os fatos me mostraram que não.

    Responder
  10. Marcos

    O Nadal com este tênis que esta apresentando só da mesmo pra jogar torneios 250 e olhe lá 500, pois com este seu nível atual não tem chance nenhuma contra um Djokovic, um Murray, um Federer, um Del Potro. Que ele se recupere logo, pois quero ver ele perdendo para o Djokovic com seu nível em 100%, pois este ano, parece que Djokovic esta voltando ao mesmo nível de 2011.

    Responder
  11. Bruno Favilla

    Este ano o evento esteve muito pior do que no ano anterior, o já conhecido ginásio sem ar condicionado em pleno verão, falta ingressos numerados, vendedores circulando durante os pontos, poucos seguranças, muita gente que com certeza entrou sem pagar, som péssimo, telão inexistente, placar atrasado, quadra ruim, bola das mais baratas do mercado, etc… Brasil Open nunca mais!
    Espero uma organização melhor para o futuro Rio 500, se for no maracanãzinho ao menos teremos ar condicionado.

    Responder
  12. SidSales

    Engraçado, o baloeiro siri, fica 8 meses parado p/ se recuperar de cirurgia, e volta sentindo dores de imediato e espera que o joelho bichado melhore com o passar do tempo, como assim? não deveria começar belezinha e as dores, se surgissem seria com o decorrer dos jogos? A tá, mas está tudo legal, a imprensa não quer nem saber, menos ainda informar o que realmente aconteceu, o que foi feito para sanar o problema, afinal, é o “rei do saibro”, e a imprensa covarde fica igual a nós, só olhando, as vezes sorrindo com a choradeira, e levantando hipóteses como por exemplo uma suposta cirurgia, pois, vai que o cara não consiga mais alcançar o nível de devolver bolas que tinha, só uma cirurgia pra explicar isso, e vai que ele consiga sim voltar ao alto nível, a cirurgia fica como opção de possível obstaculo vencido ou deixa pra lá, já passou.

    Responder
    1. Leonardo

      Me desagrada muito esse puxa-saquismo desnecessario.Nao vi nenhuma matéria por aí negativamente sobre o cara, principalmente o papelão de cancelar o jogo de duplas. Se o joelho estava tão ruim, nao deveria ter se inscrito. Terr feito as pessoas esperarem até o horário que o jogo aconteceria para anunciarem desistência.

      Responder
    2. renatohk

      Perfeito comentário. A verdade é consumada, fato, o blogueiro aqui e nenhum outro, tem coragem de por o dedo na ferida.
      Nas verdadeiras feridas.
      Não há lugar melhor pra um dopado q cumpriu suspensão branca voltar a jogar.
      É do Braziu ziu ziu ziu….
      Lixo…

      Responder
  13. Fernando da Silva

    Acho que diante de um tenista de alto nível, o qual já chegou ocupar o ponto 3 no ranking (apesar de hoje ocupar apenas a 93ª posição no ranking), as coisas serão um pouco mais complicadas para Rafa. Mas, ainda aposto nele.

    Responder
  14. Anti anti-jogo

    Xiiii, pelo visto Benneteau vai perder outra final de ATP |(Del Potro vai vencendo por 76 30). Está difícil para ele ganhar seu primeiro ATP. É um tenista de golpes vistosos e jogo franco (mas como muitos dos tenistas franceses, meio frágil fisicamente), merecia ter algum título.

    Responder
  15. Martin

    Dalcim, vc. não deve ter lido as coletivas de David nos últimos tempos. Pressão nenhuma pra ele. Ele não esta ligado em ganhar títulos de ATP, já falou que seu único objetivo é a Copa Davis, e caso não seja pela Davis ele estaria fora do circuito. Essa analise que vc. fez tem nada a ver com a realidade de Nalbandian.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não fui mesmo, mas eu leio tudo. E é claro que vai ter pressão. Será que ele não vai ao menos ameaçar quebrar uma raquete? Me responda depois.

      Responder
  16. RenatoB

    Concordo com você, Dalcim. Este é o momento de se fazer reclamações, juntando-as as já feitas pelos tenistas. Total falta de respeito com todos os envolvidos. Será que os organizadores não se dão conta da magnitude deste evento e dos astros que participam dele? Será que a ATP não deveria ser mais exigente quando permite a um país que realize um torneio deste porte?? Não quero jamais que São Paulo deixe de sediá-lo. É a cidade ideal para isso. Mas isso não quer dizer que possa ser realizado em qualquer local, aproveitando instalações que não possuem as condições ideais para isso. Construção ultrapassada, sem ventilação, com problema terrível de acústica, sem contar que não possui quadras fixas e que após montada descobre-se um monte de problemas. Quem organiza ganha muito com isso, então que invista. Aliás, deveria ter feito isso antes de receber o torneio. Crie um complexo de quadras. Devolva alguns benefícios a aquilo e a aqueles que lhes dá o sustento: o tênis, os profissionais que fazem dele a sua razão de vida, e a nós, entusiastas e meros espectadores que juntos somos responsáveis por tudo isso acontecer.

    Responder
  17. Walter

    Dalcim, organizar torneio de um porte como Brasil Open merece mais atenção do que foi dado.
    Começando pelos ingressos, o ingresso do anel inferior não menciona qual o lo cal sentar, não é numerado, então na entrada colocam no teu pulso uma abraçadeira na cor rosa, quando chega na porta de acesso do anel inferior o segurança diz que esse local é para abraçadeira de cor amarela. Após reclamações de várias pessoas alguém da organização do evento libera no momento o acesso. Entrei 3 dias no mesmo local. No 4º dia ,sábado, fui para outro local para não me estressar.
    O que observei nesses dias que fiquei nesse local anel inferior é reservado para algumas finalidades, recebem a abraçadeira amarela não sei de quem. No acesso às vezes perguntam se é amigo de quem? E um grande número de pessoas que aparentemente não são fotógrafos ou da imprensa, mas que carregam máquinas não muito comuns, parecem que estão usando pela primeira vez ou testando,portando crachás mas não abraçadeiras, sentando em locais reservados aos que pagaram.
    Quanto ao piso da quadra deveria estar irregular, pois a bola desviava , às vezes em vez de quicar a bola escorregava.
    O som do ginásio é terrível, não se entende o que o locutor fala.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não resta a menor dúvida, Walter. A falta de ingressos numerados é mais uma falha grave, a meu ver, porque não dá segurança a quem paga de chegar em qualquer horário e possibilita a emissão de ingressos em quantidade superior à capacidade. Incrível a quantidade de problemas básicos cometidos neste Brasil Open. Mas a meu ver, as coisas só mudarão quando o público começar a exigir seus direitos, como acionar o Procon. As denúncias têm sido feitas pela imprensa – vejo reportagens na Folha, no Lance, no UOL, no Terra e obviamente aqui no TenisBrasil -, mas ainda acho que é preciso uma postura mais forte do cidadão. E temo pelo que possa acontecer na final de hoje. Abs!

      Responder
  18. Flavio Esteves

    Dalcim, a quantidade de pessoas nas escadas ou em lugares ruins êh sem duvida um ponto fraco do torneio desde o ano passado. Não entendo pq os tickets não podem ser numerados. Mas quero chamar a atencao para algo que estah ocorrendo e que pode explicar, em parte, a superlotacao do anel inferior. Ontem fui abordado por um seguranca que me ofereceu a entrada no anel inferior (eu estava no superior). Eu recusei e ele, tranqüilamente me disse que qualquer coisa ele estava no portão 10. Com 50 reais por cabeça eu poderia entrar no anel inferior. Olha o tamanho do desrespeito com as pessoas que pagaram por aquele ingresso e a tranqüilidade com que aqueles que deveriam estar zelandoo pelo bem do evento estão agindo. Fica difícil manter a ordem. Não sei como comunicar isso a organização, conto com a ajuda da imprensa. Devem existir muitos outros casos…

    Responder
  19. Anti anti-jogo

    O Nalbandian de hoje é exatmente igual ao Davydenko: dois tenistas agressivos, talentosos (Davydenko dono de um dos melhores smashes que já vi. O sujeito não erra um de nenhum lugar da quadra), com mais de 30 anos que, quando você pensa que vão engrenar de novo, sofrem derrotas acachapantes. The Kid é favorito para o título, mesmo parecendo abatido e fazendo cara de cachorro triste as partidas inteiras na direção de seu staff.

    Responder
  20. Matheus Almeida Prado

    Dalcim, como trabalho até tarde em dia de semana, ao contrário do ano passado, só consegui comprar pra amanha! Acho que a final, tecnicamente, é a melhor possível. Resta saber se os dois “lesionados” apresentarão um bom nivel de tenis! Espero conseguir chegar e garantir um bom lugar apesar dos “brasileiros”… E vamo que vamo… Alias já saiu a chave de Buenos Aires, o Bellucci mais uma vez pegou uma chave facil, mas esse ano, dos 3 torneios que ele jogou, ele pegou 3 otimas chaves… e não as aproveitou… Veremos! Até amanha!

    Responder
  21. Sergio Ribeiro

    Rafa Nadal demonstra que e um verdadeiro guerreiro. Só nao aceito que continue falando de dores, quando caras da tal Geracao Fraca como Hass e o próprio Nalba em pleno 2013 , continuem depois de tanto sofrimento dando tanto calor nos moleques. Choraram muito, mas ambos chegaram a Final. Apenas pelo que apresentaram até agora, mesmo com bolinhas Wilson e Saibro mais rápido , vou de Nalba. Apenas palpite.

    Responder
  22. gabriel

    Dalcim, o que aconteceu hoje no Ibirapuera foi vergonhoso.

    Claramente, houve super lotação do ginásio. Venderam mais ingressos do que o numero de assentos existentes.

    Isso em qualquer lugar do mundo é crime.

    Será que tragédias recentes não nos ensinaram que existem normas que precisam ser seguidas? Superlotação de eventos além de causa desconforto às pessoas, é algo que atinge a segurança.

    Espero que após o termino do torneio, não nos esqueçamos disso e que se faça algo contra essa empresa que domina o tenis brasileiro.

    Responder
  23. Zan

    Ficou evidente que ele, Nadal, apresenta dificuldade quando tem que bater à esquerda, na corrida.
    Tá ganhando na garra e com o “peso” da camisa.

    Acontece que esses genios do tênis (mesmo não gostando do seu estilo, sua genialiade é inegável) conseguem jogar nas condições mais adversas, como foi o caso do Guga, com 02 cirurgias no quadril, ganhar do Federer em Roland Garros, se arrastando em quadra.

    Que tênis bonito tem o Nalbadian! Sempre achei que alguns quilinhos a menos (e talvez não na era Federer) e ele podia ter sido nº 01.

    Responder
  24. Nani

    Dalcim, tb acabei de voltar… realmente tinha muuuuuuuuuuita gente, tudo amontoada nas escadas, e o pior vários mals educados que TENTAVAM sentar-se em locais que atrapalhavam a visibilidade daqueles que, como eu, chegaram antes das 13h para garantir um bom lugar.
    Digo uma coisa… sei que o Rafa não tem mais 22 ou 23… mas honestamente, ja tentaram aposenta-lo outras vezes… e da ultima vez que ele voltou de uma pausa (obviamente nao tao longa quanto essa), ele demorou um pouco pra entrar no ritmo do seu jogo… isso vai acontecer com o tempo, com jogos de alto nível em que irá exigir o maximo do mental e fisico dele. Vamos dar um tempinho, pq dessa vez ele passou por uma cirurgia e não acredito que se ele nao tivesse a menor chance de passar por essas dores e voltar a ser competitivo, ele seria tao otimista!

    Para aqueles que ainda o menosprezam… tenho dó, só!!! O espetaculo foi MARAVILHOSO!! E vamos Rafa que amanha tem mais!

    Responder
  25. Renato Junior

    Dalcim, boa noite.
    É um absurdo pagar R$ 300,00 e assistir na escada de acesso à superior… é uma vergonha um país organizar um evento deste porte e ter condições piores do que um estádio de futebol… se eu não tivesse comprado ingresso para amanhã, não voltaria neste torneio…

    Responder
  26. André

    Dalcim, estive lá no ginásio, no anel superior… quando comprei o inferior já estava esgotado… tive a impressão que eles vendem um número de ingressos computando a grande área do ponto cedo, pois tinha muit agente nas escadas e gente de pé lá da última fila… E estava MUITO, MAS MUITO QUENTE… enfim, são coisas a serem melhoradas… Me esclareça, por favor, uma coisa: onde é essa parea de impressa que vc mencionou?? Além do que vc relatou, presenciei inúmeras pessoas em cadeiras de roda que levantavam e comemoravam os pontos… era nítido que não eram deficientes e estavam lá em baixo. Não entendi a razão… Enfim… Quanto ao nível do Nadal, ele continua bem abaixo mesmo….o backhand estava meio descalibrado e cometeu muitos ENF, o que não é normal para seu jogo. Ontem ele jpa havia se safado contra o outro argentino…. vc acha que faz sentido o que ele disse?? que a quadra aqui estava mais rápida que a do AOpen e USAOpen, que são duras!? O saibro aqui é parecido com o de Madrid!? E uma última questão: qual sua opinião sobre a polêmica bolinha?? Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A área de imprensa fica no meio da quadra, no alto do anel inferior, no lado oposto ao das cabines de TV (pintadas de vermelho). A opinião é de vários tenistas com que conversei: a quadra está mesmo mais veloz do que o normal (mas estamos falando em ginásio e em altitude de 800 metros) e a bola realmente tem poucos pelos e é leve, muito diferente de qualquer uma que se usa no circuito. Abs!

      Responder
  27. Maximilian Schmid

    Com relação aos ingressos com preços salgados, minha maior decepção foi com a quadra 1, onde jogavam as duplas e alguns bom jogos de simples. Lá, não há nenhum lugar na arquibancada em que você possa ver o que esta acontecendo com o jogador que esta no “seu lado”, porque voce não o vê devido a profundidade da quadra em relação as arquibancadas. Nos grandes torneios, as quadras secundárias são as mais interessantes, pois nelas vemos o jogo mais de perto, mas em São Paulo, você assiste apenas um jogador, a não ser que o outro suba a rede……parece piada.

    Responder
  28. APOLO

    “Está demorando mais do que eu gostaria e tenho jogado com dores. Já passei por situações complicadas e tenho confiança em mim e na minha equipe. Agora, é trabalhar e esperar que o joelho melhore” (Rafael-sincero-nadal). Rapaz, eu fico pasmo com essa “imprensa” esportiva. Como os caras engolem essa conversa e nada questionam? Tudo bem, não se tem a prova material, mas e as questões lógica e moral? Digam-me, por que nenhum “jornalista” esportivo não põe o cara na parede? Oito meses em tratamento e o joelho permanece o mesmo? E o malinha ainda diz que espera que ele melhore, se após parar todo esse tempo para tratar nos primeiros jogos de seu retorno a ladainha das dores continua. Por que não perguntam diretamente a ele que tipo de tratamento foi feito? Por que não o indagam se ele fez cirurgia? Por que não perguntam por que ele não esboça nenhuma expressão de dor durante as partidas? E quão prejudicial é o estado de dor, se ele nunca pede nem mesmo a presença de um fisioterapeuta nos momentos “de dor”? Quer dizer, é tudo imprevisto, há uma dor no joelho, sintoma não sei de quê, kkkkkkk, ou efeito não sei de quê kkkkkkk, E o tratamento para esse problema surreal não se sabe qual foi,kkkkk, E a “imprensa esportiva” não cumpre o seu papel, mas é tão romântica, talvez promíscua, que prefere ficar puxando o saco do cara.

    Responder
    1. Rogério

      Também não entendo a falta de coragem desses jornalistas em questionar os probleminhas e tipos de tratamentos realizados no joelho desse espanhol. Será porque são pressionados e tem medo de colocar … na reta? Nessas horas que tenho a certeza que cada um de nós temos um preço. Amanhã o espanhol esquecerá que tem que dar umas mancadinhas (total teatro) e fará de tudo para vencer o argentino. Resta torcer para o argentino (povinho repleto de garra) continuar regular e ser inteligente, aproveitando a quadra mais rápida.

      Responder
    2. Bisbilhoteiro

      Tudo bem, O LÓGICO ?

      É impressão minha ou você já está tentando fazer com o Dalcim o mesmo que fizeram com o Paulo Cleto hein ?

      Foi assim que começou….

      Responder
  29. Eduardo

    Pessoas sentadas na escada ou em pé pois nao tinham cadeiras pra todo mundo, ambulantes vendendo seus produtos passando toda hora na sua frente, um calor infernal dentro do ginasio. Sem contar os flanelinhas extorquindo todo mundo no lado de fora.
    Ah, e eu nem falei nas bolinhas da 25 de março que estão utilizando no torneio.
    Esse país é uma vergonha! Que venham a Copa e as Olimpiadas!

    Responder
  30. Mauro Maronez

    Segundo o filósofo Rocky Balboa “não importa o quanto você pode bater forte, mas sim o quanto você aguenta apanhar e ainda seguir em frente”. Me parece que o atual estágio de Nadal se encaixa bem nas palavras de Rocky. Não sou fã do espanhol, prefiro a plástica e a leveza do jogo de Federer, mas admiro muito quem não se entrega nunca. Creio que Nalbandian terá que jogar tudo o que sabe para levantar o caneco nesse domingo.

    Responder
  31. Alexandre Farias

    Nao tenho simpatia pelo Tenis jogado por Nadal, mas entendo que devemos respeita-lo por aquilo que ele representa. Também nao concordo com as vaias a Bekucci. Bekucci e inconstante e sinceramente nao acho que tenha jogo para ser 20 ou 30 do mundo. Por fim esta demonstrado que o Tenis argentino da um banho no Tenis brasileiro.

    Responder
  32. MARILIENSE: A BEATLEMANIA ESTÁ DE VOLTA

    A passagem do Nadal pelo Brasil fazem de Rafa uma espécie de novo patrimonio do Brasil. Nunca antes algum tenista colocou mais de 50 mil pessoas no Ibirapuera em plena semana de carnaval num feriadão que esvaziou São Paulo. E olha que é só ATP 250. A disputa por seu autógrafo foi uma histeria feminina(que bom) que lembrava os tempos dos Beatles ou Elvis( eu ainda era criança … rê )

    Responder
    1. Marquinhos

      O sujeito ai em cima pensa que as pesoas acreditam no que ele escreve. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK E a MAMONAS ASSASSINAS MANIA está de volta. O mariliense é um bom piadista.

      Responder
    2. Luis Henrique

      Qual tenista expressivo jogou até hoje o Brasil Open? Apenas Rafael Nadal. Federer em uma simples exibição teve no minimo o dobro de repercussão que o Espanhol. É fato! Sobre a histeria feminina, até eu se tivesse a conta bancária do Espanhol. E eu não me lembro de ver o Nadal com uma mulher, será que ele gosta da fruta??? Bom, problema dele.

      Responder
      1. Pedro

        Caramba!!! Fico impressionado, quanto odio por Rafael Nadal. Sou torcedor do Federer, mas não preciso xingar o Nadal para torcer pelo Federer não. Enquanto os dois tem um relacionamento tranquilo e sem probelmas, os fãs imaturos precisam odiar o adversário. Não é mais bonito enaltecer as qualidades do cara, ou então ficar calado, se não tem nada bom a dizer.

        Responder
  33. Rubens Leme

    Na verdade eles tinham um confronto marcado no saibro, mas Nadal venceu por W.O, em Barcelona, em 2009, pelas quartas-de-final.

    Amanhã deve dar Nalbandian: 6/3, 7/5.

    Responder
  34. Mario.Cesar Rodrigues

    Dalcim meu caro cheguei a pouco do Ginásio..realmente espero um bom epetáculo….espero q Rafa ganhe..mas quero ver é um jogo legal…Dalcim que que isto tinha mais de 10 mil pessoas…venderam mais do que o limite algo esteve errado….mas Dalcim mesmo Rafa não estando bem fisicamente ele pode ganhar e espero que seje um jogo bacana…concordo com o texto Nalba é umjogador hoje e amanhã pode ser outro…vc concorda que Rafa está no lucro para quem esteve praticamente 8 mesesparado para mim é muito positivo e a tendência é melhorar a cada dia sem falar na atmosfera que senti não faltei um dia abraços!só tenho a agradecer todos..com reclamações e tudo maso tênis é fantástico!abraços!

    Responder
  35. João Carlos

    Dalcin, como o Roberto Rocha comentou aí em cima, é visível a falta de mobilidade do espanhol em quadra. Se pegarmos um exemplo recente de final: Australian Open 2012, a discrepância chega a ser surreal. Não entendo muito bem de ortopedia e afins, mas o tio do Rafa disse que o joelho só estaria bem daqui 20 ou 30 dias. Como é possível isso se o joelho que não está bem, está em constante atrito? De qualquer forma, com certeza amanhã será o teste pra valer. O Nalba vai botar o toro pra correr nas paralelas da esquerda e aí ele vai ter que suar a camisa pra provar seus 11 titulos de slam.
    (Obs: Não rola uma promo de ultima hora com ingresso pra amanhã não? rs)
    Forte abraço.

    Responder
  36. Inconformado

    Para o bem do tênis, que David Nalbandian (esse sim sabe volear) ganhe o Brasil Open. É incomparável a diferença de talento entre o argentino espetacular e o baloeiro manco……………………….

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Verdade, mas o excelente argentino tem uma final de Grand Slam e o esforçado espanhol, 11 títulos de Slam. Esse menosprezo é um tanto ridículo.

      Responder
          1. geraldo de carvalho

            rs posso n ter jogado a vida inteira, mas consigo entender o q o dalcim escreve. é tão simples entender o blogueiro , tenta cara, vc consegue. qto mais eu rezo, mais assombração me aparece.

    2. Anti anti-jogo

      E põe balão nisso nessa fase, cruz credo… Tem hora que ele está bem posicionado na devolução e premeditadamente manda um balãzozão no centro da quadra…

      Responder
    3. sandro capo

      Tá, tudo bem. Só que esse cara a quem chamam de baloeiro, é um grande vitorioso, principalmente por ser um grande lutador. Esse cara ganhou do Federer quando o Federer estava em sua melhor fase e sendo, sem sombra de dúvida, melhor e mais talentoso que o Nadal.
      Tem que respeitar o grande gladiador que o Nadal é! Vi muitos poucos iguais a ele, no que se refere a integridade moral e lutar até a última gota de suor.

      Responder
  37. Roberto Rocha

    É incrível como o Nadal manco e se arrastando para o lado esquerdo (podem ver, ele nem tenta ir quando batem bola naquele lado!) ainda surra essa galera abaixo de 70 no ranking.
    Mas amanhã ele perde…Nalba deve deitar e rolar. Porque Nadal sem mobilidade, não é Nadal….

    Responder
    1. MARILIENSE

      Roberto, tenho que concordar com voce, mas convenhamos que a vinda de Rafa tanto no Chile como no Brasil foi para adquirir ritmo de jogo sem preocupar com titulos. Afinal de contas o que representaria um titulo de ATP 250 no seu vitorioso curriculo? Mas Rafa é Rafa…. nós já vimos esse cara fazer cada proeza no tenis que não ficaria surpreso se ele aprontasse mais uma.
      abs,

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *