Notícias | Dia a dia | Australian Open
Murray resiste por 5 sets, mas perde dura batalha
14/01/2019 às 10h09

Depois de perder os dois primeiros sets, britânico chegou a forçar o empate

Foto: Divulgação

Melbourne (Austrália) - Finalista do Australian Open em cinco oportunidades, a mais recente em 2016, Andy Murray encerrou ainda na primeira rodada sua última participação no Grand Slam australiano. Aos 32 anos e em sua temporada de despedida do circuito profissional, Murray até fez uma boa partida, mas foi superado pelo espanhol Roberto Bautista Agut, número 24 do ranking, com parciais de 6/4, 6/4, 6/7 (5-7), 6/7 (4-7) e 6/2 em 4h09 de disputa.

Murray já anunciou que pretende jogar apenas até Wimbledon e que poderia até mesmo antecipar sua aposentadoria a qualquer momento, caso continue sofrendo com as dores causadas pela lesão no quadril que o incomoda há um ano e meio. O ex-número 1 do mundo chegou a ficar onze meses afastado das quadras e disputa apenas seu oitavo torneio desde o retorno e aparece no 229º lugar do ranking.

Vencedor de três títulos de Grand Slam e vice-campeão em outras oito oportunidades, Murray não perdia em uma primeira rodada de Grand Slam desde o Australian Open de 2008. Além da derrota sofrida há onze anos, o britânico foi eliminado na estreia de um Slam em outras duas ocasiões, ambas em 2006, também na Austrália e em Roland Garros.

Algoz do britânico, Bautista Agut derrotou Murray pela primeira vez em quatro duelos e vive ótimo momento na carreira. O espanhol de 30 anos começou a temporada conquistando o ATP 250 de Doha, onde venceu nomes como Novak Djokovic, Stan Wawrinka e Tomas Berdych no caminho para o título. Seu adversário na segunda rodada em Melbourne será o australiano John Millman, que venceu o argentino Federico Delbonis em quatro sets.

Em uma Melbourne Arena (antiga Hisense) lotada, Murray foi bastante apoiado pelo público local, que vibrou efusivamente dura sua entrada em quadra e a cada ponto importante vencido pelo britânico. Apesar da falta de ritmo de jogo e das limitações físicas impostas pela grave lesão, não faltou luta ao ex-número 1 do mundo, nem mesmo quando a eliminação parecia iminente.

Desde os primeiros games, a partida teve muitos ralis longos e Bautista Agut tomava a iniciativa na maior parte dos pontos. Murray conseguia se sustentar bem defensivamente do fundo de quadra e, em dados momentos, conseguia ótimos contragolpes para definir os pontos. Ainda assim, o fato de o britânico não conseguir ditar tantos pontos poderia comprometer seu desempenho a longo prazo na partida, o que de fato aconteceu na parcial decisiva. Bautista Agut liderou a estatística de winners por 53 a 50 e cometeu 37 erros não-forçados, enquanto Murray deu 51 pontos de graça.

Ainda que Bautista Agut confirmasse seus primeiros games de serviço com mais tranquilidade, foi Murray quem teve o primeiro break point, já no oitavo game. O espanhol mandou no ponto e venceu um longo rali para evitar a quebra. Logo no game seguinte, o britânico acabou perdendo o saque no único break point que enfrentou na parcial. Em um set de 50 minutos, com 11 erros para cada lado, o espanhol era o mais agressivo e fez 11 a 6 em winners.

Murray começou o segundo set tentando ser mais agressivo nas devoluções e teve dois break points logo de cara, mas não conseguiu a quebra. Depois disso, Bautista Agut confirmaria mais três games de serviço de zero e perdeu apenas mais dois pontos em seu saque durante o set. Além disso, o espanhol novamente aproveitou a chance no único game em que teve oportunidades de quebra. Ainda que Murray liderasse por 12 a 5 nos winners, Bautista cometeu apenas quatro erros contra onze do britânico.

Logo no início da terceira parcial, Bautista Agut já conquistou mais uma quebra e parecia já encaminhar a vitória. Entretanto, Murray buscou o empate de imediato e levou o público ao delírio. A torcida estava cada vez mais envolvida na partida e vibrava pelo escocês.

Com o placar empatado por 4/4, Murray salvou um break point que poderia ser determinante no resultado da partida. No game seguinte, o ex-número 1 chegou ao set point. Bautista Agut errou o primeiro saque e um juiz de linha chegou a marcar a dupla-falta na sequência, mas a marcação foi corrigida pela árbitra grega Eva Asderaki. O espanhol confirmou o saque e manteve a disputa equilibrada. Já no tiebreak, o britânico abriu vantagem e chegou a liderar por 4-1, Bautista até reduziu a diferença, mas errou um swing volley e permitiu que o ex-número 1 tivesse mais um set point e vencesse a parcial para levantar a torcida.

Vibrante depois de vencer seu primeiro set no torneio, Murray estava visivelmente desgastado e caminhava com dificuldade, mas conseguia manter a competitividade do jogo com muita luta. Bautista também já evitava prolongar os pontos e, com isso, o quarto set foi de amplo domínio dos sacadores e não teve break points. Por duas vezes, Murray esteve a um game da eliminação, mas conseguiu confirmar o serviço nas duas oportunidades. Em novo tiebreak, o britânico deu mostras do brilhante tênis que o levou a três títulos de Grand Slam, dois ouros olímpicos e ao topo do ranking e forçou, de forma heroica, o quinto set.

Depois de quase quatro horas de partida, o corpo de Murray já não suportava como anteriormente. A queda intensidade foi inevitável e o britânico não oferecia a mesma resistência a Bautista Agut. O espanhol rapidamente conquistou uma quebra e ainda ampliou a vantagem para 4/1 e não teve o serviço ameaçado. À essa altura, Murray já se despedia do público e tentava apenas completar a partida com o mesmo empenho que havia mostrado durante todo o jogo. O esforço era reconhecido pelos torcedores, que o incentivavam de pé. Um último momento de brilho para o ex-número 1 do mundo foi salvar um match point com maestria antes de confirmar o serviço. Não foi suficiente para reverter o resultado, mas é inegável que sua despedida foi em grande estilo.

Comentários