Notícias | Dia a dia
Cecchinato: 'Até Rafa parar, é impossível vencer RG'
26/11/2018 às 09h59

Cecchinato foi a grande surpresa deste ano em RG

Foto: Arquivo

Roma (Itália) - Semifinalista de Roland Garros neste ano, numa campanha surpreendente, na qual derrubou nomes do calibre de Novak Djokovic e David Goffin, o italiano Marco Cecchinato teve em 2018 sua melhor temporada da carreira. O tenista de 26 anos começou o ano fora do top 100, mas com uma série de bons resultados no saibro disparou no ranking e entrou pela primeira vez no top 20.

Em entrevista para Ubitennis, o atual 20º do mundo falou um pouco sobre o seu ano e destacou as figuras do espanhol Rafael Nadal e do suíço Roger Federer no circuito atual. Ele acredita que enquanto o canhoto de Mallorca seguir jogando, dificilmente outro tenista conseguirá levantar a taça no saibro parisiense.

“Acho que até que Rafa se aposente, será impossível ganhar Roland Garros, então vamos ver se depois surgem outros monstros como ele”, comentou o italiano, que chegou a ser 19 do mundo neste ano. Cecchinato também enalteceu a rivalidade entre Nadal e Federer.

“Para mim, essa rivalidade tem sido a mais bela da história do tênis. Votei em Roger como meu jogador favorito este ano, embora eu esteja feliz que Nadal tenha vencido, Roger me impressiona mais do que Nole (Djokovic) e Rafa porque ele tem um talento incrível, tem aquele jogo que parece fazer tudo com facilidade”, comentou.

Cecchinato defendeu Federer das acusações de que ele seria beneficiado pelos diretores dos torneios. “Tratam sempre os jogadores de forma igual, mas se de vez em quando Roger recebe algum tratamento especial está tudo bem porque só Federer é Federer”, opinou o italiano.

Ao avaliar seu desempenho como tenista, ele garantiu que mostrou em 2018 que não se resume a um único tipo de piso. “Eu tenho sido muito criticado por ser apenas um especialista em saibro, mas cheguei às semifinais na grama de Eastbourne, fui à terceira rodada em Xangai e ganhei jogos bons nas quadras cobertas. A coisa mais importante que levo de 2018 é que posso jogar bem em qualquer tipo de piso”, finalizou o italiano.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis