Notícias | Dia a dia
Ex-diretor de Paris diz que 'ajudaram' Federer em 2011
02/11/2018 às 10h59

Federer levou o título de Paris em 2011 ao bater Tsonga na final

Foto: Arquivo

Paris (França) - Diretor do Masters 1000 de Paris entre 2007 e 2011, Jean-François Caujolle afirmou que o título conquistado por Roger Federer sete anos atrás no Palácio de Bercy não foi obra do acaso e revelou, em entrevista ao L’Equipe que várias mudanças foram feitas no piso das quadras para que o suíço jogasse a competição.

“Ele é meu jogador favorito. Mesmo que devêssemos ter alguma restrição como diretor de torneio, eu tenho minhas preferências (risos). Disse a mim mesmo que antes de sair do torneio queria vê-lo vencer. Assumi em 2007 e Federer não vinha desde 2003. Então entramos em contato com sua equipe e perguntamos por que ele não estava vindo”, começou a explicar o ex-diretor.

“Descobrimos que ele não gostava do tipo de quadra que tínhamos na época (carpete) e então nos aconselhou a entrar em contato com uma empresa austríaca que fabricava um tipo de resina semelhante à que eles colocaram no torneio de Viena. Cumprimos seus desejos e fizemos isso, entramos em contato com a empresa e mudamos a quadra”, acrescentou Caujolle.

“Comecei a procurar por alguns materiais que provocassem um rebaixamento de bola mais baixo e tornassem o jogo mais rápido. Em 2010, conseguimos construir a quadra mais rápida do mundo, essa superfície era muito mais adequada ao jogo de Federer do que ao de Nadal. O engraçado é que nesse ano, jogadores como Ljubicic ou Isner perderam na primeira rodada, o piso não favoreceu os grandes sacadores e sim os melhores voleadores. Finalmente, em 2011, Federer conseguiu ser campeão”, finalizou.

Agora diretor do ATP 250 de Marselha, Caujolle explicou como conseguiu convencer Andy Murray a jogar a próxima edição do torneio. "Foi simples, ele foi quem me contatou para jogar. Isso raramente acontece. Eu não tenho dinheiro para trazer alguém deste porte a não ser que ele queira vir ", revelou.

Comentários
Loja TenisBrasil
Mundo Tênis