Notícias | Dia a dia
Matos vai à semi e Feijão vence 1ª de rodada dupla
19/10/2018 às 14h52

Rafael Matos é o primeiro semifinalista em Mogi

Foto: João Pires/Fotojump

Mogi das Cruzes (SP) - O gaúcho Rafael Matos foi o primeiro a se classificar para a semifinal do future de Mogi após tirar o principal favorito e conterrâneo Oscar Gutierrez, nesta sexta-feira, vencendo com o placar final de 6/3 e 7/6(2). Ele agora aguarda o vencedor do confronto entre Daniel Dutra Silva e João Lucas Reis.

“Foi uma boa vitória, quero valorizar para ganhar confiança no torneio. Agora, aguardo Reis ou Daniel, acho que vai ser um jogo interessante entre eles, o João atacando bastante e o Daniel mais na troca de bolas. Qualquer um deles que ganhar será bem duro”, afirmou Matos, que acredita precisar subir seu nível para os challengers.

“Sinto um pouco a diferença de nível quando jogo os challengers, senti em Campinas. Acho que tenho que jogar na intensidade alta por mais tempo, porque qualquer erro, acabo não recuperando mais no jogo”, contou o cabeça de chave 5.

João Souza, o Feijão, alcançou as quartas de final ao vencer Luis Britto, em duelo interrompido pela chuva desta quinta-feira. Em busca de um lugar na semifinal, destro de Mogi das Cruzes entrará em quadra novamente nesta tarde, não antes das 15h, contra o argentino Francisco Cerundolo.

Depois de ter a partida paralisada ontem, quando vencia por 6/4 e 4/4, Feijão voltou nesta sexta-feira e concluiu a vitória em cima do paulista Luis Britto, com parciais de 6/4 e 7/5. “Acho que o fato de chover no meio do jogo acaba trazendo um pouco mais de tensão, porque você sabe que não vai ter tanto tempo de entrar em jogo, como seria em uma partida normal. Mas, consegui administrar bem a situação e sai com a vitória. É bom porque já entro no próximo jogo mais solto”, falou o atual 411 do mundo.

“Aos poucos estou me acostumando mais a jogar novamente. Vejo algum progresso em relação a Campinas, treinei bastante meu físico nessas duas semanas, a parte de resistência. Estou me sentindo mais rápido. Mas aqui, jogando em casa, acho que o mental é o mais importante de tudo. Não conheço muito meus adversários, então tenho que impor a minha maneira de jogar. Acabo entrando com uma certa pressão, mas preciso economizar energia e ficar o mais focado possível”, finalizou Feijão, segundo favorito.

Comentários
Loja TenisBrasil
Mundo Tênis