Notícias | Dia a dia | Wimbledon
Sharapova admite dificuldade na mudança de piso
03/07/2018 às 19h58

Sharapova não disputou nenhum torneio preparatório em quadras de grama

Foto: Divulgação

Londres (Inglaterra) - Eliminada ainda na rodada de estreia em Wimbledon, Maria Sharapova foi questionada sobre as escolhas que fez para a temporada de grama. A russa, que desitiu do WTA Premier de Birmingham e não disputou nenhum torneio preparatório para o Grand Slam britânico, justificou seu período inativo e reconhece que é cada vez mais difícil fazer uma boa transição do saibro para a grama.

"A preparação para o torneio foi adequada. Decidi não jogar em Birmingham, porque sentia que precisava cuidar do meu corpo", disse Sharapova após a vitória por 6/7 (3-7), 7/6 (7-3) e 6/4 em duelo russo de 3h07 contra a 132ª colocada Vitalia Diatchenko.

"A verdade é que a cada ano fica mais difícil para mim fazer a transição do saibro para grama. É algo fisicamente complicado para mim", explica a jogadora de 31 anos, que durante a temporada de saibro fez semi em Roma, e quartas em Madri e em Roland Garros.

"No tênis você sempre tem que ser positivo. Eu acho que estou melhor que no ano passado, mas não foi o suficiente para ganhar uma grande jogadora hoje", acrescentou a russa, que não perdia na primeira rodada de um Grand Slam desde o Australian Open de 2010.

Além de ter vencido o primeiro set, Sharapova liderou a parcial seguinte por 5/2, além de estar com uma quebra acima no terceiro em duas oportunidades. Até por isso, a russa lamentou as chances perdidas e sente que não fez as escolhas certas no plano tático adotado em momentos decisivos.

"Eu tive várias chances no jogo. Apesar de não jogar o meu melhor tênis, abri algumas portas e fiquei a poucos pontos de distância da vitória", explica a ex-número 1, que sacou para fechar o jogo no segundo set. "Eu continuei fazendo isso no terceiro set, mas às vezes você se coloca uma posição melhor para vencer o jogo, mas não consegue fechar. Esse foi o caso hoje".

"Ela jogou de forma extremamente agressiva, enquanto eu estava um pouco defensiva. Não joguei os pontos importantes como deveria, enquanto as jogadoras jovens ou com ranking mais baixo enfrentam esses momentos de forma despreocupada. Às vezes não é fácil se impor nessas situações. Ela estava lá para ganhar, e foi o que ela fez", complementa a campeã de 2004, que nunca havia perdido na estreia em Wimbledon.

Comentários