Notícias | Dia a dia | Wimbledon
Para Nadal, jogo pouco competitivo não é problema
03/07/2018 às 18h57

O número 1 do mundo se diz acostumado com esse tipo de situação

Foto: Divulgação

Londres (Inglaterra) - Pouco exigido em seu jogo de estreia em Wimbledon, Rafael Nadal acredita que a baixa competitividade de partidas como a desta terça-feira diante do israelense Dudi Sela não sejam um problema para ela. Em que pese a falta de ritmo, o líder do ranking mundial sente que já está acostumado com essa situação em fases iniciais e que ele pode ganhar confiança para a sequência no torneio.

"Depois de um tempo sem jogar na grama, é muito importante começar com uma vitória em sets diretos", disse Nadal após a vitória por 6/3, 6/3 e 6/2 sobre Sela. "Isso é algo que me perguntam muito em Roland Garros, quando chego na segunda semana e dizem que eu ainda não tive jogos difíceis".

"O importante é vencer, não importa como você o faça, se for fácil ou difícil. Eu prefiro vencer em sets diretos do que vencer em cinco sets. Não é pior que eu não tenha partidas difíceis. Cada vitória é boa para a confiança", explica o número 1 do mundo.

Nadal acredita seu desempenho na estreia foi satisfatório, mas é possível de melhorar. "Em geral, eu saquei bem. No terceiro set, eu fui um pouco pior. E com meu segundo saque, tenho muito a melhorar. Subi bem para a rede e também aproveitei a chance quando tive pude jogar com meu forehand", acrescenta o canhoto de Mallorca, que enfrenta o cazaque Mikhail Kukushkin na segunda rodada.

O espanhol não disputou nenhum torneio preparatório entre Roland Garros e Wimbledon. Ele desistiu do ATP 500 disputado na grama de Queen's, em Londres, treinou nas instalações do WTA de Mallorca, torneio feminino que aconteceu há duas semanas, e apenas disputou algumas exibições na semana passada.

"Eu tive uma longa temporada no saibro, foram muitos jogos", explica Nadal, que venceu 26 jogos no saibro este ano e perdeu apenas um. "Como vocês sabes, tive muitas lesões durante a minha carreira. É claro que eu adoraria jogar em Queen's. Esse era o meu plano. Mas depois de jogar a final de Roland Garros e mais tantos jogos no saibro, as mudanças drásticas não são boas para os meus joelhos. Então, decidimos parar por alguns dias e depois começar passo a passo na grama".

"Eu fiz o mesmo no ano passado. Funcionou bem. Eu perdi nas oitavas aqui, mas senti que estava em condição de lutar pelo título. Repito: Para mim, o mais importante é ser saudável. Essa é a prioridade sempre", complementa o jogador de 32 anos, bicampeão de Wimbledon nos anos de 2008 e 2010.

Nadal também criticou as propostas de usar um relógio para controlar o tempo entre os pontos. Ele acredita que a mudança pode interferir no aspecto mental do jogo e diminiuir a qualidade técnica das disputas. "Se você quiser ver um jogo sem pensar, ótimo. Mas se você quer um tênis com tática, onde você tem que pensar e fazet com boas trocas, você está no caminho errado. Eu não posso apoiar isso. Os melhores jogos na história do esporte não foram rápidos. Todas essas partidas duraram 4 ou 5 horas. Para poder jogar esse tipo de jogo, você deve ter tempo entre os pontos", finalizou o líder do ranking mundial.

Comentários