Notícias | Dia a dia
Serena se sente perseguida por agência antidoping
28/06/2018 às 10h23

Serena foi testada já 5 vezes neste ano

Foto: Arquivo

Miami (EUA) - Acabou a paciência da norte-americana Serena Williams com as agências antidoping. No dia 14 de junho, um membro da Agência Norte-americana Antidoping (USADA) bateu à porta da ex-número 1 do mundo por volta das 8h30 para realizar o quinto exame da tenista neste ano. Como ela não estava lá no momento, ele permaneceu no local e disse que só sairia quando o teste fosse feito.

De acordo com reportagem do Deadspin, a caçula das irmãs Williams então ligou para Steve Simon, presidente da WTA, para reclamar do assunto. "Recebi uma mensagem de Serena, liguei para ela de volta e deixei uma mensagem. Ela dividiu comigo algumas preocupações e questões sobre os testes fora de competição", contou o dirigente da entidade que comanda o circuito feminino.

"Não é algo fora do comum receber ligações questionando a forma como é realizado o antidoping. Não é algo que acontece todo dia, mas às vezes sim. Sempre há questões sobre regras e o processo de educação aos atletas é algo constante. Tentamos sempre facilitar as coisas", complementou Simon.

Durante o ocorrido com Serena, o presidente da WTA colocou a tenista em contato com Travis Tygart, responsável por comandar a USADA. "Liguei para ele e disse: 'Acho que você deveria falar com ela'. Foi o que ele fez depois", revelou Simon.

O que não agrada à ex-líder do ranking é a frequência com que vem sendo testada, chegando a se sentir perseguida, uma vez que o controle sobre ela tem sido maior do que sobre as demais tenistas norteamericanas. De acordo com a base de dados da USADA, Sloane Stephens foi testada uma vez, Venus Williams foi testada duas vezes, Madison Keys apenas uma. Coco Vandeweghe duas e nomes como Danielle Colins, Alison Riske, Bernarda Pera e Taylor Townsend não foram testadas uma vez sequer.

"Durante os 23 anos de carreira, Serena Williams nunca testou positivo para qualquer substância ilegal, mesmo sendo constantemente colocada à prova, mais do que qualquer outro tenista do país, seja homem ou mulher. Na verdade, quatro vezes mais do que a maioria dos seus pares. Ela sempre apoiou a USADA e continuará apoiando, mas não vê motivos para ser tratada como um alvo", disse comunicado da assessoria da atleta.

Em sua defesa, a Agência Norte-americana Antidoping garantiu que não há motivos para que se suspeitem de Serena e que a frequência dos exames é baseada em padrões internacionais. "Nunca iremos conduzir testes de maneira injusta. Estamos abertos aos atletas para discutir qualquer coisa que os preocupe", falou Brad Horn, diretor de comunicação da USADA.

Comentários
Loja TenisBrasil
Mundo Tênis