Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Wawrinka está disposto até a jogar challengers
28/05/2018 às 17h37

Wawrinka deve sofrer uma queda significativa no ranking depois de Roland Garros

Foto: Divulgação

Paris (França) - A eliminação na estreia em Roland Garros terá um impacto significativo no ranking de Stan Wawrinka. Finalista do Grand Slam francês no ano passado, o suíço perderá 1.200 dos 1.400 pontos que tem atualmente no ranking. Com isso, o ex-top 3 e agora 30º colocado sofrerá uma queda brusca e poderá sair do grupo dos 250 melhores do mundo.

"O ranking não mente. Se você jogar, você está no topo. Se não joga, não importa o motivo, vai ficando para trás. Certamente eu vou precisar de alguns convites. Se eu tiver que jogar challengers, não tenho problema com isso", disse Wawrinka após a derrota por 6/2, 3/6, 4/6, 7/6 (7-5) e 6/3 para o espanhol Guillermo Garcia-López.

"Eu sei exatamente onde eu quero estar. Ganhei três títulos de Grand Slam na minha carreira e sei o que é preciso para isso. Eu estou jogando bem, me sentindo bem, e estou pronto para vencer. Meu objetivo é chegar ao meu ápice e, mais cedo ou mais tarde, estarei lá", acrescentou o suíço, que tem apenas quatro vitórias na atual temporada.

Wawrinka precisou de um atendimento para o joelho esquerdo durante o jogo desta segunda-feira, o que despertou a preocupação do público. Afinal, o suíço ficou afastado das quadras durante todo o segundo semestre do ano passado por conta da lesão no mesmo joelho, no qual fez duas cirurgias. O veterano, entretanto, garante que o problema é pontual.

"Meu joelho está bem, completamente bem", disse Wawrinka. "Não tem nada a ver com a lesão anterior. Eu apenas senti uma dor muito estranha no mesmo joelho e queria tratar. O fisioterapeuta apenas manipulou um pouco e agora não há efeito posterior. Estou feliz com isso. O que pesa mais é o cansaço mental. Eu estava muito perto de ganhar".

"Eu sabia desde o começo que levaria muito tempo para voltar a jogar bem. Eu sabia que, depois das cirurgias, levaria pelo menos um ano para chegar onde quero estar", admitiu o suíço de 33 anos. "É difícil mentalmente, mas acho que estou no caminho certo. Estou jogando bem, o joelho está acompanhando e fisicamente eu estou começando a ficar mais forte a cada dia. Sei o que tenho feito desde que me machuquei e todos os esforços que faço e ninguém vê", afirmou o campeão de 2015. "É difícil viver momentos como esse, mas espero que venham várias vitórias depois disso".

Comentários