Notícias | Dia a dia
Serena não pensa em aposentadoria e quer mais Slam
07/04/2018 às 15h13

A ex-número 1 sente que saberá o momento certo de parar

Foto: Arquivo

Miami (EUA) - Já com 36 anos e mãe de uma menina de seis meses, Serena Williams ainda não cogita uma aposentadoria do circuito. Ex-número 1 do mundo, a norte-americana está bem segura quanto à sua sequência na carreira e garante que saberá o momento certo de parar.

"Sinto que um dia eu vou acordar e dizer: 'Acabou'. Sei que quando isso acontecer, eu vou perceber. Ainda não estou sentindo isso. Mesmo no ano passado, com tudo o que aconteceu, não pensei nisso. Então, quando vier, eu vou saber", disse Serena, em entrevista a Bloomberg Business.

Recordista de títulos de Grand Slam na Era Aberta, com 23 troféus, Serena precisa apenas vencer mais um Slam para se igualar à australiana Margaret Court, que é a maior vencedora em todos os tempos. Apesar da proximidade de mais um recorde, a norte-americana garante que quer chegar ainda mais longe. "Margaret Court tem 24 títulos, mas por que eu iria querer só alcançar isso quando posso fazer ainda mais?"

"Meu primeiro objetivo era chegar a 18, porque Chris Evert e Martina Navratilova conquistaram 18 Grand Slam cada uma. Estava com 17 na época ficava pensando: 'Tenho que chegar a 18, tenho que chegar a 18, tenho que chegar a 18...'. Coloquei tanta pressão em mim mesma que perdi três Grand Slam seguidos jogando muito mal".

"Falei com meu técnico e ele me disse: 'Por que você está tentando chegar aos 18?' Isso não faz sentido. Todo mundo coloca toda essa pressão em você. Seu objetivo deve ser 30 ou 40. Dezoito é uma meta muito baixa", explicou sobre sua conversa com o técnico francês Patrick Mouratoglou, que a acompanha desde o segundo semestre de 2012 e esteve com a americana em seus últimos dez Grand Slam.

Serena também falou sobre o fato de muitas das conquistas de Court terem acontecido na fase amadora do esporte, quando a chave do Australian Open tinha apenas 32 jogadoras em vez das atuais 128 e era dominada por atletas da casa. Treze conquistas da australiana foram antes da Era Aberta.

"Ela jogou em uma era diferente, então seus 24 Grand Slams foram um pouco diferentes. É uma longa história", avaliou a jogadora de 36 anos. "A chave era diferente e havia elementos diferentes que foram mudando desde os anos 60. Mas quando ela jogou na Era Aberta, ela também ganhou vários Grand Slam, e isso foi realmente incrível para ela".

A ex-número 1 do mundo também explicou sobre as razões que a fizeram abrir mão de disputar o Australian Open, em janeiro. "Quando eu tomei a decisão, eu não queria ir para a Austrália apenas para competir. Quero entrar em torneio com a mentalidade de que estou lá para vencer, não apenas para aparecer".

"Para mim, foi muito importante e quando percebi que, se fosse para a Austrália, estaria só ocupando espaço. Sabia que não era assim que eu tradicionalmente segui a minha carreira. Eu sempre entrava com uma mentalidade de ganhar".

Comentários
Loja - livros
Mundo Tênis