Notícias | Dia a dia | Australian Open
Djoko volta a sentir o cotovelo, mas enaltece Chung
22/01/2018 às 11h39

Sérvio prevê um futuro promissor para o jovem algoz de 21 anos e 58º do ranking

Foto: Divulgação

Melbourne (Austrália) - A segunda-feira foi de más notícias para Novak Djokovic. Além da eliminação nas oitavas de final do Australian Open, o sérvio voltou a ser incomodado pela dores no cotovelo direto, lesão que o afastou do circuito durante todo o segundo semestre do ano passado e gera preocupação para sua sequência na temporada.

"Infelizmente, não está bom. Começou a doer no final do primeiro set e tive que lidar com isso até o final da partida", afirmou Djokovic após a derrota por 7/6 (7-4), 7/5 e 7/6 (7-3) para Chung. O sérvio ainda não tem condições de falar sobre o real estado de sua lesão e terá que passar por novas avaliações.

"Eu realmente não sei. Agora eu não sei. Tenho que reavaliar tudo com minha equipe, com os médicos e treinadores, e fazer exames para ver como está situação. Eu joguei bastante nas últimas duas semanas e vamos ver o que está acontecendo por dentro", explicou o ex-número 1 do mundo.

Mesmo frustrado pela situação, o sérvio acredita que o fato de ter se colocado em condições de jogar o Grand Slam é algo bastante positivo. "Em primeiro lugar, devo dizer que estou muito grato por ter tido a oportunidade de jogar. Eu não sabia se conseguiria ou não", disse o sérvio, que não disputava um torneio desde Wimbledon.

"Fiz quatro partidas aqui e foi um bom torneio, é claro. É decepcionante sair nas oitavas, mas as circunstâncias são essas e tenho que aceitá-lo. Essa é a realidade", avaliou o hexacampeão. "É frustrante quando você fica tanto tempo sem jogar e não se cura adequadamente. Mas há algum tipo de razão por trás de tudo isso. Estou apenas tentando meu melhor, obviamente, porque adoro esse esporte, gosto de treinar, gosto de me melhorar e espero que eu possa melhorar e competir".

Djokovic também fez questão de enaltecer a grande partida de Hyeon Chung, que o tem como ídolo e inspiração em termos de estilo de jogo. O sérvio prevê um futuro promissor para o jovem algoz de 21 anos e atual 58º colocado ao dizer que o sul-coreano tem potencial para figurar entre os primeiros colocados do ranking no futuro.

"Parabéns ao Chung e à equipe dele. Foi uma performance incrível e ele era o melhor jogador em quadra hoje. Ele mereceu ganhar, não há dúvida sobre isso", disse Djokovic. "Sempre que ele estava com problemas, ele conseguiu alguns golpes inacreditáveis. Do fundo de quadra, ele era como uma parede. É impressionante. Eu desejo a ele tudo de bom".

"Obviamente ele é fisicamente mais forte e, além disso, amadureceu", avalia o sérvio que enfrentou o rival pela segunda vez. "Acho que ele fez grandes jogos nos últimos 15 meses em torneios grandes. Isso ajuda a construir uma confiança e experiência para saber o que fazer nos momentos decisivos.

"Hoje, ele foi ótimo nesses momentos e não mostrou fraquezas. Quero dizer, ele era realmente consistente, jogou uma excelente partida", explicou o ex-número 1. "Você sabe, nós jogamos de um jeito muito parecido e tem o jogo para ser um dos 10 melhores, sem dúvida. Até onde ele pode chegar, isso depende dele. Obviamente eu o respeito muito porque ele trabalha duro,  é disciplinado, ele é um cara legal e está quieto. Você pode ver que ele se preocupa com sua carreira e suas performances. Então eu tenho certeza que vai ter bons resultados no futuro".

Comentários